Todos os dias verdadeiras guerras são travadas na bolsa de valores entre duas forças. De um lado temos a força dos compradores e do outro a força dos vendedores de ações. A evolução dessa guerra, no decorrer do tempo, pode ser acompanhada no gráfico que se forma com as variações de preço das ações.

Para ilustrar essa ideia, imagine um cabo de guerra como o da próxima figura. De um lado temos os compradores de uma ação e do outro os vendedores. No centro do cabo temos um lápis que registra o preço da ação a cada segundo.

 

Veja como é fácil entender. Se temos um grande número de pessoas gerando uma grande demanda pela compra de ações de lado da corda e um pequeno número de investidores, com uma pequena quantidade de ações à venda do outro lado,  o preço dessa ação tenderá a subir.

Isso significa que as ações seguem a lei da oferta e da demanda, como ocorre com qualquer produto. Você já deve ter percebido que quando a oferta de uma determinada fruta ou legume cai, o seu preço tende a subir.

Já quando temos muitas pessoas querendo vender uma determinada ação e, consequentemente, uma oferta maior de ações disponíveis, o preço dessa ação tenderá a cair.

A Lei da Oferta e da Procura (Demanda) diz que essa variação do preço ocorre pela busca do preço de equilíbrio, ou seja, o preço que fará a demanda pelas ações ser igual a oferta de ações.  Para isso, nos períodos em que a oferta excede a procura, seu preço tende a cair até o ponto em que esse preço baixo estimule a demanda e desestimule a oferta. Já em períodos nos quais a demanda passa a superar a oferta, a tendência é o aumento do preço até que essa alta estimule a oferta e desestimule a demanda.

O gráfico que mostra a variação do preço de uma ação nada mais é do que o registro visual dessa dança dos preços na busca de um preço de equilíbrio ou um preço “justo”.

Observando os gráficos das variações de preço de uma ação é possível identificar claramente que existem determinados preços que são verdadeiras barreiras. Quando eles são atingidos o interesse dos investidores em comprar ou vender as ações despenca ou aumenta. É isso que iremos estudar neste artigo. Vamos falar sobre preço de suporte e resistência.

A primeira coisa que você deve entender é que as pessoas resistem quando o preço de uma ação atinge um determinado valor para cima ou para baixo pelo fato delas terem memória.

A memória dos investidores está sempre os induzindo para que comprem ou vendam uma determinada ação quanto ela atinge um determinado preço. Como todos visualizam os mesmos gráficos, que são registros do passado, todos acabam chegando a conclusões semelhantes. A massa de milhares de investidores pensando da mesma forma acaba gerando determinados comportamentos mais ou menos previsíveis.

Se a grande massa de investidores observa no gráfico que nos últimos tempos o preço de uma ação parou de cair quando atingiu um determinado preço e, a partir daí, subiu até um determinado nível, isso pode estimular esses investidores a comprar essa ação quando esse preço (barato) se aproximar. Esse “preço barato” é chamado de suporte.

Quando a grande massa de investidores observa no gráfico de preços que nos últimos tempos o preço de uma ação parou de subir quando atingiu um determinado preço e, a partir daí, caiu até um determinado nível, isso pode estimular esses investidores a vender essas ações quando esse preço (caro) se aproximar. Esse “preço caro” é chamado de resistência.

Suporte e resistência

O que vai determinar o preço de suporte ou de resistência de uma ação tem mais relação com o comportamento humano do que com a matemática. Essas barreiras são psicológicas e possuem relação com o sentimento de dor e arrependimento.

Observe o gráfico abaixo. Ele representa as variações de preço da ação de uma grande empresa brasileira. Qualquer pessoa seria capaz de desenhar as linhas azul e vermelha (retas de resistência e suporte) que eu tracei utilizando a ferramenta do GuiaInvest (veja como abrir uma conta gratuita aqui).

É muito fácil perceber que existe uma região dos preços onde os picos de alta e de baixa são mais frequentes. Essa é a região de resistência e suporte dos preços.

Suporte: Dor dos vendidos e arrependimento dos comprados

Sempre existe uma relação de sofrimento entre os investidores e o preço das ações. Não importa se você está vendido (não tem ações) ou se está comprado (possui ações). Quando o preço de uma ação está subindo o investidor vendido (que não comprou aquelas ações) sentem dor, pois na prática ele acredita que está perdendo dinheiro por não ter comprado aquela ação que está valorizando. Ele gostaria muito que os preços caíssem para que ele tivesse uma segunda chance de comprar. Já o investidor comprado (que possui as ações que estão subindo) não fica feliz com seus ganhos, ele sente um enorme arrependimento por não ter comprado mais e também gostaria de ter uma oportunidade de comprar mais quando os preços voltassem a cair.

O sonho desses dois investidores é ter uma segunda chance, uma segunda oportunidade para comprar as ações quando o preço estiver novamente baixo. Quando esse preço baixo é atingido, temos um número maior de investidores (comprados e vendidos) elevando suas compras e isso gera uma reversão, ou seja, o preço em queda passa a subir devido ao aumento da demanda. Esse preço limite, que ao ser ultrapassado atrai o desejo de comprar as ações é chamado de suporte (linha vermelha do gráfico acima). O grande problema é que isso nem sempre funciona. Quando o preço ultrapassa a região de suporte e se distancia dela, temos uma tendência de queda até o encontro do preço com a região do próximo suporte.

Podemos concluir que a reta de suporte representa o nível de preço no qual a força dos compradores supera a compra dos vendedores e interrompe o movimento de baixa do preço. Podemos encontrar essa reta traçando uma linha a partir dos menores preços registrados no gráfico.

Resistência: Arrependimento dos vendidos e dor dos comprados

Agora vivemos uma situação diferente. Imagine que os preços estão caindo. Os comprados sentem uma dor e esperam que o preço volte a subir para se desfazerem de suas ações. Já os vendidos sentem arrependimento de não terem vendido mais e esperam uma segunda oportunidade. Quando o preço começa a subir novamente ele atinge um determinado preço que todos querem vender suas ações.

Observe no gráfico acima que quando o preço da ação rompe a linha da resistência e atinge outra resistência em um patamar superior, a antiga linha de resistência se torna a nova linha de preço de suporte.

Ligando os pontos

Quando você traça linhas retas ligando os preços mais elevados e os mais baixos registrados em um período de tempo é possível identificar diversos padrões gráficos como a figura abaixo. Os analistas de gráficos atribuem um significado diferente para cada figura dessas acreditando na possibilidade de prever qual será o movimento futuro mais provável para o preço da ação.

 

Força do suporte e resistência

Essa área que se forma entre um zigue-zague é outro é chamada de área de congestão. Quanto mais tempo os preços ficarem transitando entre uma mesma linha de suporte e de resistência, mais as pessoas estarão “comprometidas” com os preços de suporte e resistência, sejam elas compradores ou vendedores de ações. Existem três fatores que determinam a força dessa área de suporte e resistência: comprimento, altura e volume negociado.

Comprimento

Quanto mais longa for essa área de suporte ou resistência (sua duração e o número de vezes que for atingida) mais forte ela será. Isso significa que se você desenhar uma linha de suportes e resistências formadas no decorrer de dois anos, essas linhas serão mais fortes (e difíceis de serem rompidas) que linhas traçadas em um gráfico de apenas duas semanas.

Sempre que os investidores observam no gráfico que o preço tende a reverter (parar de subir ou de cair) próximo de um determinado preço, mais forte fica a resistência ou suporte naquela região de preço. Na próxima vez que aquela linha se aproximar, mais investidores apostarão que ocorrerá uma reversão do preço.

Altura

Quanto maior a altura, ou amplitude, de uma área de suporte ou resistência, mais forte ela é. Quanto mais alto você tenta jogar uma bola, mais força você precisa para ela atingir essa altura. Quando a bola vai se aproximando da resistência, ela vai perdendo força e começa a cair.

Volume

Quanto maior a quantidade de negócios (compra e venda) de ações ocorrendo nas áreas de suporte ou resistência, mais forte ela é. Isso mostra que existe um forte comprometimento psicológico das pessoas com aquele preço. Elas querem fazer negócios quando os preços estão naquele determinado patamar.

O que os investidores fazem

Aqueles investidores que operam utilizando apenas os gráficos, identificam os preços de suporte e de resistência para configurar uma operação de venda (stop) de suas ações com o objetivo de preservar algum lucro obtido ou para configurar as compras (diante de uma oportunidade detectada). Existem inúmeros sinais gráficos que podem confirmar ou não um determinado movimento futuro. Também existem incontáveis estratégias. Certamente se existisse alguma que funcionasse 100% das vezes ela seria a única. É claro que nem sempre o que os gráficos estão sugerindo acaba acontecendo.

Meu objetivo neste artigo foi fazer você entender que ao estudar os gráficos de preço não estamos diante de um fenômeno da natureza que obedece leis rígidas, como ocorre na física. Estamos diante do comportamento de uma multidão de pessoas que observam o mesmo gráfico, fazendo leituras diferentes e utilizando estratégias diferentes. O conjunto das ações desse grande grupo é que determina o caminho que o mercado irá seguir.

O comportamento diário de milhares de investidores não é muito diferente do comportamento das milhares de aves que aparecem no vídeo abaixo. Clique para assistir.


É impossível prever com 100% de exatidão para onde as aves irão voar no próximo segundo, mas sempre existirá uma probabilidade maior ou menor de que elas se movimentem de uma determinada maneira, dentro de uma área específica do céu. Podemos identificar que a maioria prefere voar entre uma determinada altura e outra e que sempre em dado momento elas mudam de direção.

Algumas pessoas utilizam os gráficos como única ferramenta para a tomada de decisões, pois preferem a estratégia de seguir tendências, ou seja, querem tirar proveito das forças que movimentam o mercado para cima e para baixo. Esses são os especuladores, no bom sentido, aqueles que compram e vendem ações todos os dias (day trade), aqueles que fazem o dinheiro girar no mercado de ações oferecendo liquidez. Fazer day trade regularmente não deixa de ser um trabalho como outro qualquer que vai exigir tempo, estudo e desgaste físico e mental.

Também existem aqueles que utilizam os gráficos apenas como uma ferramenta complementar para o estudo do comportamento dos preços (ou das pessoas). Esses são os investidores. Pessoalmente este é o caminho que estou trilhando através dos meus estudos diários.

Cabe a você escolher o seu caminho. Se você gosta da análise técnica ou gráfica vou deixar aqui o link para um curso gratuito de day trade. Basta cadastrar o seu e-mail. Na página de confirmação, na parte inferior da página, você encontrará os vídeos do curso. É um curso muito interessante de introdução. Mesmo que você não queira operar através dos gráficos é muito interessante conhecer a mentalidade de quem faz day trade e a diferença que existe entre eles e os investidores.