Suporte e resistência na Análise Técnica

Todos os dias verdadeiras guerras são travadas na bolsa de valores entre duas forças. De um lado temos a força dos compradores e do outro a força dos vendedores de ações. A evolução dessa guerra, no decorrer do tempo, pode ser acompanhada no gráfico que se forma com as variações de preço das ações.

Para ilustrar essa ideia, imagine um cabo de guerra como o da próxima figura. De um lado temos os compradores de uma ação e do outro os vendedores. No centro do cabo temos um lápis que registra o preço da ação a cada segundo.

 

Veja como é fácil entender. Se temos um grande número de pessoas gerando uma grande demanda pela compra de ações de lado da corda e um pequeno número de investidores, com uma pequena quantidade de ações à venda do outro lado,  o preço dessa ação tenderá a subir.

Isso significa que as ações seguem a lei da oferta e da demanda, como ocorre com qualquer produto. Você já deve ter percebido que quando a oferta de uma determinada fruta ou legume cai, o seu preço tende a subir.

Já quando temos muitas pessoas querendo vender uma determinada ação e, consequentemente, uma oferta maior de ações disponíveis, o preço dessa ação tenderá a cair.

A Lei da Oferta e da Procura (Demanda) diz que essa variação do preço ocorre pela busca do preço de equilíbrio, ou seja, o preço que fará a demanda pelas ações ser igual a oferta de ações.  Para isso, nos períodos em que a oferta excede a procura, seu preço tende a cair até o ponto em que esse preço baixo estimule a demanda e desestimule a oferta. Já em períodos nos quais a demanda passa a superar a oferta, a tendência é o aumento do preço até que essa alta estimule a oferta e desestimule a demanda.

O gráfico que mostra a variação do preço de uma ação nada mais é do que o registro visual dessa dança dos preços na busca de um preço de equilíbrio ou um preço “justo”.

Observando os gráficos das variações de preço de uma ação é possível identificar claramente que existem determinados preços que são verdadeiras barreiras. Quando eles são atingidos o interesse dos investidores em comprar ou vender as ações despenca ou aumenta. É isso que iremos estudar neste artigo. Vamos falar sobre preço de suporte e resistência.

A primeira coisa que você deve entender é que as pessoas resistem quando o preço de uma ação atinge um determinado valor para cima ou para baixo pelo fato delas terem memória.

A memória dos investidores está sempre os induzindo para que comprem ou vendam uma determinada ação quanto ela atinge um determinado preço. Como todos visualizam os mesmos gráficos, que são registros do passado, todos acabam chegando a conclusões semelhantes. A massa de milhares de investidores pensando da mesma forma acaba gerando determinados comportamentos mais ou menos previsíveis.

Se a grande massa de investidores observa no gráfico que nos últimos tempos o preço de uma ação parou de cair quando atingiu um determinado preço e, a partir daí, subiu até um determinado nível, isso pode estimular esses investidores a comprar essa ação quando esse preço (barato) se aproximar. Esse “preço barato” é chamado de suporte.

Quando a grande massa de investidores observa no gráfico de preços que nos últimos tempos o preço de uma ação parou de subir quando atingiu um determinado preço e, a partir daí, caiu até um determinado nível, isso pode estimular esses investidores a vender essas ações quando esse preço (caro) se aproximar. Esse “preço caro” é chamado de resistência.

Suporte e resistência

O que vai determinar o preço de suporte ou de resistência de uma ação tem mais relação com o comportamento humano do que com a matemática. Essas barreiras são psicológicas e possuem relação com o sentimento de dor e arrependimento.

Observe o gráfico abaixo. Ele representa as variações de preço da ação de uma grande empresa brasileira. Qualquer pessoa seria capaz de desenhar as linhas azul e vermelha (retas de resistência e suporte) que eu tracei utilizando a ferramenta do GuiaInvest (veja como abrir uma conta gratuita aqui).

É muito fácil perceber que existe uma região dos preços onde os picos de alta e de baixa são mais frequentes. Essa é a região de resistência e suporte dos preços.

Suporte: Dor dos vendidos e arrependimento dos comprados

Sempre existe uma relação de sofrimento entre os investidores e o preço das ações. Não importa se você está vendido (não tem ações) ou se está comprado (possui ações). Quando o preço de uma ação está subindo o investidor vendido (que não comprou aquelas ações) sentem dor, pois na prática ele acredita que está perdendo dinheiro por não ter comprado aquela ação que está valorizando. Ele gostaria muito que os preços caíssem para que ele tivesse uma segunda chance de comprar. Já o investidor comprado (que possui as ações que estão subindo) não fica feliz com seus ganhos, ele sente um enorme arrependimento por não ter comprado mais e também gostaria de ter uma oportunidade de comprar mais quando os preços voltassem a cair.

O sonho desses dois investidores é ter uma segunda chance, uma segunda oportunidade para comprar as ações quando o preço estiver novamente baixo. Quando esse preço baixo é atingido, temos um número maior de investidores (comprados e vendidos) elevando suas compras e isso gera uma reversão, ou seja, o preço em queda passa a subir devido ao aumento da demanda. Esse preço limite, que ao ser ultrapassado atrai o desejo de comprar as ações é chamado de suporte (linha vermelha do gráfico acima). O grande problema é que isso nem sempre funciona. Quando o preço ultrapassa a região de suporte e se distancia dela, temos uma tendência de queda até o encontro do preço com a região do próximo suporte.

Podemos concluir que a reta de suporte representa o nível de preço no qual a força dos compradores supera a compra dos vendedores e interrompe o movimento de baixa do preço. Podemos encontrar essa reta traçando uma linha a partir dos menores preços registrados no gráfico.

Resistência: Arrependimento dos vendidos e dor dos comprados

Agora vivemos uma situação diferente. Imagine que os preços estão caindo. Os comprados sentem uma dor e esperam que o preço volte a subir para se desfazerem de suas ações. Já os vendidos sentem arrependimento de não terem vendido mais e esperam uma segunda oportunidade. Quando o preço começa a subir novamente ele atinge um determinado preço que todos querem vender suas ações.

Observe no gráfico acima que quando o preço da ação rompe a linha da resistência e atinge outra resistência em um patamar superior, a antiga linha de resistência se torna a nova linha de preço de suporte.

Ligando os pontos

Quando você traça linhas retas ligando os preços mais elevados e os mais baixos registrados em um período de tempo é possível identificar diversos padrões gráficos como a figura abaixo. Os analistas de gráficos atribuem um significado diferente para cada figura dessas acreditando na possibilidade de prever qual será o movimento futuro mais provável para o preço da ação.

 

Força do suporte e resistência

Essa área que se forma entre um zigue-zague é outro é chamada de área de congestão. Quanto mais tempo os preços ficarem transitando entre uma mesma linha de suporte e de resistência, mais as pessoas estarão “comprometidas” com os preços de suporte e resistência, sejam elas compradores ou vendedores de ações. Existem três fatores que determinam a força dessa área de suporte e resistência: comprimento, altura e volume negociado.

Comprimento

Quanto mais longa for essa área de suporte ou resistência (sua duração e o número de vezes que for atingida) mais forte ela será. Isso significa que se você desenhar uma linha de suportes e resistências formadas no decorrer de dois anos, essas linhas serão mais fortes (e difíceis de serem rompidas) que linhas traçadas em um gráfico de apenas duas semanas.

Sempre que os investidores observam no gráfico que o preço tende a reverter (parar de subir ou de cair) próximo de um determinado preço, mais forte fica a resistência ou suporte naquela região de preço. Na próxima vez que aquela linha se aproximar, mais investidores apostarão que ocorrerá uma reversão do preço.

Altura

Quanto maior a altura, ou amplitude, de uma área de suporte ou resistência, mais forte ela é. Quanto mais alto você tenta jogar uma bola, mais força você precisa para ela atingir essa altura. Quando a bola vai se aproximando da resistência, ela vai perdendo força e começa a cair.

Volume

Quanto maior a quantidade de negócios (compra e venda) de ações ocorrendo nas áreas de suporte ou resistência, mais forte ela é. Isso mostra que existe um forte comprometimento psicológico das pessoas com aquele preço. Elas querem fazer negócios quando os preços estão naquele determinado patamar.

O que os investidores fazem

Aqueles investidores que operam utilizando apenas os gráficos, identificam os preços de suporte e de resistência para configurar uma operação de venda (stop) de suas ações com o objetivo de preservar algum lucro obtido ou para configurar as compras (diante de uma oportunidade detectada). Existem inúmeros sinais gráficos que podem confirmar ou não um determinado movimento futuro. Também existem incontáveis estratégias. Certamente se existisse alguma que funcionasse 100% das vezes ela seria a única. É claro que nem sempre o que os gráficos estão sugerindo acaba acontecendo.

Meu objetivo neste artigo foi fazer você entender que ao estudar os gráficos de preço não estamos diante de um fenômeno da natureza que obedece leis rígidas, como ocorre na física. Estamos diante do comportamento de uma multidão de pessoas que observam o mesmo gráfico, fazendo leituras diferentes e utilizando estratégias diferentes. O conjunto das ações desse grande grupo é que determina o caminho que o mercado irá seguir.

O comportamento diário de milhares de investidores não é muito diferente do comportamento das milhares de aves que aparecem no vídeo abaixo. Clique para assistir.


É impossível prever com 100% de exatidão para onde as aves irão voar no próximo segundo, mas sempre existirá uma probabilidade maior ou menor de que elas se movimentem de uma determinada maneira, dentro de uma área específica do céu. Podemos identificar que a maioria prefere voar entre uma determinada altura e outra e que sempre em dado momento elas mudam de direção.

Algumas pessoas utilizam os gráficos como única ferramenta para a tomada de decisões, pois preferem a estratégia de seguir tendências, ou seja, querem tirar proveito das forças que movimentam o mercado para cima e para baixo. Esses são os especuladores, no bom sentido, aqueles que compram e vendem ações todos os dias (day trade), aqueles que fazem o dinheiro girar no mercado de ações oferecendo liquidez. Fazer day trade regularmente não deixa de ser um trabalho como outro qualquer que vai exigir tempo, estudo e desgaste físico e mental.

Também existem aqueles que utilizam os gráficos apenas como uma ferramenta complementar para o estudo do comportamento dos preços (ou das pessoas). Esses são os investidores. Pessoalmente este é o caminho que estou trilhando através dos meus estudos diários.

Cabe a você escolher o seu caminho. Se você gosta da análise técnica ou gráfica vou deixar aqui o link para um curso gratuito de day trade. Basta cadastrar o seu e-mail. Na página de confirmação, na parte inferior da página, você encontrará os vídeos do curso. É um curso muito interessante de introdução. Mesmo que você não queira operar através dos gráficos é muito interessante conhecer a mentalidade de quem faz day trade e a diferença que existe entre eles e os investidores.

By |17/05/2017|Categories: Ações|88 Comments

About the Author:

Leandro Ávila é administrador de empresas, educador independente especializado em Educação Financeira. Além de editor do Clube dos Poupadores é autor dos livros: Reeducação Financeira, Investidor Consciente, Investimentos que rendem mais, e livros sobre Como comprar e investir em imóveis.

88 Comments

  1. Vera São Paulo 17 de maio de 2017 at 11:47 - Reply

    Gostaria de parabeniza-lo pelos seus artigos. Foi através deles q comecei a estudar mais e iniciar meus investimentos. Vc conseguiu decifrar com palavras mais simples sobre investimentos em ações . Parabéns!!! E continue nos abençoando com seus artigos maravilhosos!

    • Leandro Ávila 17 de maio de 2017 at 12:11 - Reply

      Oi Vera. Fico feliz sabendo que motivei você a estudar mais. Esse é o objetivo maior. Estudar é uma caminhada solitária, muitas vezes penosa, o meu trabalho é tornar a caminhada menos penosa e mais interessante. Para mim o educador faz pontes entre mundos e inspira quem está aberto a mudanças.

  2. Ricardo Pontes 17 de maio de 2017 at 12:48 - Reply

    Boa tarde Leandro. Como sempre,mais uma excelente artigo! Entrei a pouco meses nesse fascinante mundo,que é o investimento em ações. Considero como um jogo de xadrez,onde você deverá analisar inúmeras possibilidades,antes de de arriscar a próxima jogada. E como em um jogo de xadrez,também é necessário ter sorte. Mais só o fato de depender,em boa parte, da habilidade do investidor para fazer o seu dinheiro ter a possibilidade de multiplicar de maneira positiva ou não,já vale muito a pena!

    • Leandro Ávila 17 de maio de 2017 at 14:05 - Reply

      Oi Ricardo. Quanto menos basear a decisão na sorte, melhor.

  3. edgar 17 de maio de 2017 at 13:49 - Reply

    Para a imensa maioria das pessoas não vale a pena fazer trades, especialmente day trades. É algo sério e que exige muito tempo e estudo. Não dá para ser trader nas horas vagas.

    Nos últimos tempos. com a bolsa em alta, muitos entram nessa ilusão achando que encontraram o pote de ouro.
    Até que o mercado vira (o que irá acontecer mais cedo ou mais tarde), perdem tudo e até mais do que investiram graças a operações alavancadas.

    • Leandro Ávila 17 de maio de 2017 at 14:15 - Reply

      Oi Edgar. A especulação é um trabalho como outro qualquer. Quem faz day trade não ganha dinheiro fácil. Gasta tempo e energia estudando oportunidades de compra e venda com potencial de ganho. Tem gente que faz isso comprando e vendendo carros antigos, outros fazem comprando e vendendo imóveis, terrenos, etc. Comprar algo barato na esperança de vender mais caro é uma atividade muito antiga. O desempenho de cada um vai depender das habilidades e da dedicação de cada um. Eu prefiro investir com foco no longo prazo para poder usar meu tempo em outras atividades, mas sempre recebo mensagens de pessoas querendo aprender a especular. Nada contra, contanto que faça a coisa direito.

  4. Fabio 17 de maio de 2017 at 13:54 - Reply

    Boa tarde, ainda continua sendo vantajoso o investimento em Tesouro Direto?

    • Leandro Ávila 17 de maio de 2017 at 14:18 - Reply

      Oi Fabio. Os títulos públicos continuam com suas vantagens. O dinheiro que você utiliza para investimentos de risco não deve ser o mesmo dinheiro que você deseja preservar em investimentos mais conservadores de renda fixa como o Tesouro Direto. É importante entender essa diferença.

  5. Ezequiel Leite 17 de maio de 2017 at 14:22 - Reply

    Boa tarde Leandro,

    acompanho seu trabalho a mais de dois anos e agradeço por compartilhar seu conhecimento. Desde 2015 estudo e invisto em renda fixa e nesse ano comecei a estudar renda variável, agora estou sendo contemplado com seus artigos a respeito. Ja formei uma carteira de investimento em renda fixa focando na aposentadoria onde faço aportes mensais pequenos para poupança e uma vez por ano faço um aporte em maior valor para um titulo de longo prazo. Reserva de emergência para 18 meses e planejamento mensal para os impostos de inicio de ano com o intuito de pagar com desconto. Ano passado foi o ano que mais me ajudaste onde fiquei em extrema duvida em financiar um imóvel, compra de uma casa (consumo imediato) ou comprar a vista um terreno (consumo a longo prazo), optei pela compra do terreno. Agora estou construindo sem a dor de cabeça de uma divida de anos em baixo do meu travesseiro, um dos motivos em escolher o terreno foi perceber que o valor que seria pago de juros na casa é o que eu estimo em gastar na construção dela.
    Desculpa o texto grande mais escrevi para registrar que o seu trabalho esta ajudando muitas pessoas e para que sirva de exemplo e/ou inspiração.

    Grande abraço

    • Leandro Ávila 17 de maio de 2017 at 14:58 - Reply

      Oi Ezequiel. Parabéns por assumir o controle da sua vida financeira, tomando decisões com base nas suas análises.

  6. Antonio Carlos Bonfim dos Santos 17 de maio de 2017 at 14:49 - Reply

    Parabéns pelo artigo, Leandro. Estou estudando muito através de cursos on line (gratuitos), aquisição de livros sobre o tema e baixando muitos e-books (Pretendo ser em um futuro próximo um Educador Financeiro). Busco aprender para os dois lados: Especulação (Day-Trade) e Investidor, pois como você escreveu, é bom conhecer os dois lados da moeda e fazer a escolha que melhor se adéqua a seus objetivos. Somente tenho uma dúvida: Quando no mercado de ações se perde ações, perde-se tanto o valor (R$) quanto a quantidade de ações, levando o comprador a ter zero de ações e começar tudo de novo?

    • Leandro Ávila 17 de maio de 2017 at 15:02 - Reply

      Oi Antonio. Parabéns pelos seus estudos. Você não perde as ações que comprou. Você perde dinheiro apenas quando vende as ações que comprou aceitando um valor menor do que pagou.

  7. vinicius 17 de maio de 2017 at 15:07 - Reply

    Leandro :

    Todo mundo quer ganhar; mas nem todo mundo quer apostar, e é aí que reside uma diferença da maior importância.
    Vejam o quebra-cabeça que é a Suíça. Terra ancestral, é um lugarejo pedrento, com uma área
    menor que a do estado do Rio de Janeiro. Não tem um centímetro de litoral. É uma das terras mais pobres em
    minerais que se conhece. Não tem uma gota de petróleo que possa chamar de sua, e mal consegue um saco de
    carvão. Quanto à agricultura, o clima e a topografia são inóspitos a quase tudo.
    Há trezentos anos a Suíça fica fora das guerras européias, principalmente porque, nesse tempo todo, não
    apareceu um invasor que realmente a quisesse.
    Com tudo isso, os suíços estão entre as pessoas mais ricas do mundo. Em renda per capita, comparam-se aos
    americanos, alemães e japoneses. Sua moeda é das mais fortes do mundo.
    Como conseguem isto?
    Conseguem-no porque são os investidores, especuladores e jogadores mais espertos do mundo.

  8. Rafael Novaes Ferreira 17 de maio de 2017 at 15:29 - Reply

    Leandro parabéns por mais esse esclarecedor artigo.

    Gostaria que um dia fizesse um artigo completo sobre opções “call” e “put” e em qual momento podemos nos utilizar desses derivativos para nos proteger ou até mesmo potencializar os nossos ganhos.

    • Leandro Ávila 17 de maio de 2017 at 16:02 - Reply

      Oi Rafael, quanto mais escrevo artigos de conteúdo avançado, menor parece ser o interesse dos leitores. Basta observar o número reduzido de comentários que esses artigos mais avançados recebem. Preciso avaliar até que ponto os leitores do Clube realmente se interessam por temas mais avançados. De qualquer forma, vou continuar recomendando conteúdos externos, artigos, livros e cursos de outros autores para a minoria que se interessar por temas mais avançados.

      • Rafael Novaes Ferreira 17 de maio de 2017 at 16:43 - Reply

        A grande verdade é que vamos avançando junto com seus conteúdos, quem sabe mais pra frente, mais uma vez obrigado.

      • Michel 17 de maio de 2017 at 17:18 - Reply

        Leandro, obrigado por me responder no blog do Rafael Seabra
        Bom, assim que recebo um email seu, já corro no blog para ler o post completo, mas não costumo comentar.
        Pode ter certeza que o público iniciante (me enquadro) também se interessa pelos temas mais avançados como açoes, fundos, etc

        • Leandro Ávila 17 de maio de 2017 at 17:40 - Reply

          Oi Michel. Eu consigo perceber o interesse pelo número de visitas que o artigo recebe quando divulgo nos e-mails. Quando vou aprofundando no conteúdo técnico o interesse vai diminuindo. Eu preciso sempre buscar um equilíbrio entre o conteúdo básico, médio e avançado.

  9. Josenildo Batista 17 de maio de 2017 at 15:34 - Reply

    Muito bom seus artigos Leandro, faz uns dois anos que acompanho. Dá para comprar ações, como investimento a longo prazo, investindo todo mês 500 reais?

  10. Jefferson Paiva Oliveira 17 de maio de 2017 at 16:24 - Reply

    Parabéns pela aula! Excelente e simples.
    Eu já invisto em ações e tenho tido sucesso por enquanto, eu uso uma estratégia que eu chamo de mista. Eu faço uma análise gráfica e fundamentalista antes e depois aplico com horizonte de 6 meses a 2 anos. Ou seja, não sou tão especulador , nem tão conservador.
    Existe algum técnica igual a minha estudada ou sou meio maluco? O que você achou da minha estratégia? Ex. Comprei Petr4 a 8.90 e vendi a 15.45 quando o papel estagnou. Com esse dinheiro comprei outros papéis.

    Muito obrigado por atingir tantas pessoas de forma positiva. Você está sendo um instrumento divino para trazer conhecimento a todos nós.

    • Leandro Ávila 17 de maio de 2017 at 17:26 - Reply

      Oi Jefferson. O estudo do comportamento dos preços passados de um ação pode ser um estudo que complementa o estudo dos fundamentos da empresa.

  11. marcio 17 de maio de 2017 at 16:38 - Reply

    ola boa tarde Leandro; eu ja venho a meses me esforçando para aprender investir na bolsa, tenho lido de tudo um pouco de quem conhece esse assunto e tenho aprendido, mais aindo sou leigo, tenho feito o simulabolsa que é um simulador de investimendo da bolsa pra ter mais segurança e aprender mais. eu ainda estou na fase de quitar os meus gastos que são muitos mais to conseguindo colocar cada um no seu devido lugar rsrs, e por outro lado estou acumulando com o pouquinho que me resta pra poder começar a investir na bolsa; mais eu tenho uma pergunta se vc puder me responder ou alguns dos amigos aí puder tambem eu agradeço. eu quero saber o seguinte, se eu comprar açoes na bolsa e não quiser vender e sim deixar lá por alguns anos eu perco o meu dinheiro investido? ou tenho que comprar e vender pra poder ter lucro?

    • Leandro Ávila 17 de maio de 2017 at 17:34 - Reply

      Oi Marcio. Comprar ações significa comprar pequenas frações de uma empresa. Tecnicamente falando você será um dos sócios da empresa que comprou. Se a empresa der lucro e seus gestores resolverem distribuir esses lucros, você recebe o lucro proporcional ao número de ações que possui. Se a empresa valorizar isso significa que as ações que você comprou vão valer mais e caso você venda as ações no futuro terá ganhos. Se a empresa enfrentar problemas fazendo suas ações perderem valor e você vender suas ações no futuro, poderá perder dinheiro por receber menos do que investiu. Você terá lucros quando ocorrer distribuição de lucros e terá ganhos ou prejuízos no dia que resolver vender as ações.

      • Daniel 27 de maio de 2017 at 17:15 - Reply

        Existe algum site que você recomende sobre as melhores pagadoras de dividendos, para investimento á longo prazo?

        • Leandro Ávila 11 de agosto de 2017 at 7:12 - Reply

          Oi Daniel. Nos sites de notícias, jornais, revistas, sempre aparecem reportagens mostrando quais empresas pagaram mais dividendos no passado. O problema é que ter pago dividendos no passado não necessariamente garante que essa empresa terá bom desempenho no futuro. Ai você tem também sites de notícia, corretoras e bancos com seus analistas tentando prever quais empresas terão bons resultados no futuro e nesse caso vocÊ acaba tendo de confiar cegamente no que eles falam. O ideal seria aprender a fazer essas avaliações, mesmo que seja apenas para validar o que os outros falam. Aqui existe uma aula introdutória.

  12. roberson 17 de maio de 2017 at 16:51 - Reply

    Excelente conteúdo!

  13. Fernando 17 de maio de 2017 at 17:29 - Reply

    Boa tarde Leandro
    Tem uma carteira conservadora de investimento de uma corretora divididos dessa forma:
    87,5 pôs fixado
    10 pre fixado
    2,5 inflação
    Estou lendo bastante artigos de investimento e questionei essa carteira em relação a apenas 2,5 % da carteira em títulos atreladas a inflação , pois acho este o mais seguro pois ipca mais juros, isto é juros reais.
    Já a minha carteira coloquei 50% ipca + juros, 30 % pre fixado e 20 % pôs fixado, o que vc acha????
    Obrigado pelos artigos
    Ótimos

    • Leandro Ávila 17 de maio de 2017 at 18:04 - Reply

      Oi Fernando. Se eu opinar sobre sua carteira vou estimular outros leitores a fazerem o mesmo tipo de pergunta. Como esse artigo ficará no ar por muitos anos, imagine o que isso vai representar em número de mensagens. Acredito que você está fazendo o correto que é estudar, observar e criticar a sua própria carteira. Investimento bom é aquele que a gente entende e domina. A sua carteira deve refletir os objetivos que você pretende dar para o seu dinheiro. A segurança no que você está fazendo depende dos conhecimentos e da prática.

  14. Vinicius Morais 17 de maio de 2017 at 17:31 - Reply

    Boa tarde Leandro!
    Muitíssimo grato por mais esta aula!
    Somente agora, aos 42 anos, estou descobrindo e estudando de fato o mercado financeiro, em especial as ações.
    Já tem uns 6 meses que tenho acompanhado você e o guiainvest. Ainda não tenho confiança em operar, mas estudando seus artigos tenho certeza que em breve poderei fazer isto com tranquilidade…
    Grande abraço!

    • Leandro Ávila 17 de maio de 2017 at 18:05 - Reply

      Oi Vinicius. Como acabei de responder em outro comentário, essa confiança será o resultado dos seus estudos e das suas próprias experiências.

  15. Alexsandro S Santana 17 de maio de 2017 at 17:38 - Reply

    OI Leandro, excelente o artigo. Estou a pouco tempo estudando sobre investimentos, sobretudo sobre o mercado de ações, que praticamente comecei a ler alguns artigos essa semana, mas estou bastante empolgado em aprender, fiz meu primeiro investimento na semana passada no tesouro direto e não vejo a hora de me sentir preparado para investir no mercado de ações, claro que nesse vou iniciar com valores pequenos para servir de aprendizado e depois quero ir aumentando e quem sabe próximo ano está com 30% de minha carteira de investimento em ações. Grande abraço e parabéns pelo lindo trabalho que você desenvolve.

    • Leandro Ávila 17 de maio de 2017 at 18:06 - Reply

      Oi Alexsandro. Parabéns por investir seu tempo estudando e por estar motivado a aprender. Isso fará uma grande diferença nos seus resultados.

  16. Ramon 17 de maio de 2017 at 17:46 - Reply

    Olá Leandro.
    Ótimo artigo!
    Estou começando a estudar análise gráfica e esse vídeo dos pássaros foi EXCEPCIONAL para ilustrar o comportamento dos preços dos ativos.
    Por segurança e procriação, têm que estar dentro do bando. Logo, os pássaros não podem se afastar. Alguns saem, mas logo voltam.
    Quem se posiciona e se afastando muito pode ser o primeiro a ditar a direção (subir ou cair o preço) e ter lucro, mas se o bando for para outro lado, ficará para trás e ser o último! Logo ter prejuízo.

    Muito legal!

    • Leandro Ávila 17 de maio de 2017 at 18:15 - Reply

      Alguns iniciantes demoram para entender que o preço de um ação é apenas uma pegada, um rastro deixado por inúmeras decisões de compra e venda que foram tomadas por um verdadeiro bando de investidores. Olhar o gráfico é como olhar as pegadas do bando. Existem estratégias como a de tape reading, que é comentada no curso gratuito que indiquei no artigo, que permite acompanhar o comportamento dos grandes pássaros, aqueles que influenciam o bando.

  17. Alexandre 17 de maio de 2017 at 18:16 - Reply

    Excelente artigo Leandro, como sempre. Bem direto na explicação e nas analogias. Porém existe um outro fator prepoderante nesse processo que acredito serem as forças que realmente jogam as cotações para cima ou para baixo, que são os grandes players como bancos e fundos. Esses podem comprar/vender 500 mil ações ou mais e facilmente puxar os preços para cima ou para baixo a seu interesse, forçando o pequeno investidor a cair em armadilhas e impulsionar o comportamento de manada.

  18. Dema 17 de maio de 2017 at 18:52 - Reply

    Tenho profundos conhecimentos como funcionam todos produtos de renda fixa ou semi fixa, caso dos titulos do TD.
    Não me arrisco em ações por não dominar. Posso fazer aplicação atraves de fundo de ações, mas pgdo alta tx de admin. ou aplicar na ação do indice da bolsa. Porem esses artigos me estimulam a começar a estudar a renda variavel. Felecito pelo belo trabalho.

  19. Elaine 17 de maio de 2017 at 22:04 - Reply

    Oi Leandro, tem previsão de realizar estes estudos na análise fundamentalista?

    • Leandro Ávila 18 de maio de 2017 at 7:49 - Reply

      Oi Elaine, no futuro. Estamos caminhando aos poucos para isso.

  20. Guilherme 17 de maio de 2017 at 23:12 - Reply

    Olá Leandro! Ótimo artigo, mesmo fugindo um pouco do que a maioria das pessoas busca. Mas continue assim, pois é aos poucos que vamos nos tornando mais conscientes financeiramente, aprendendo e nos familiarizando com novas formas de investimentos (fora da renda fixa padrão).
    Uma sugestão: artigo (ou artigos) que exemplifiquem o passo-a-passo do uso de um homebroker. Eu sou cliente XP (e RICO também), estou começando a me aprofundar no investimento em ações, mas tenho dificuldade em fazer a leitura da plataforma deles por exemplo. Talvez você poderia nos ajudar simulando a compra de ações e venda p.ex., esclarecendo as principais leituras dos gráficos (termos, etc).
    Grato e parabéns pelo trabalho!

    • Leandro Ávila 18 de maio de 2017 at 7:50 - Reply

      Oi Guilherme. Devo falar sobre isso no futuro, só que de alguma forma preciso evitar fazer propaganda de corretoras.

      • Guilherme 18 de maio de 2017 at 17:30 - Reply

        Obrigado Leandro! Eu entendo, mas qualquer tipo de “tutorial” de compra e venda já irá ajudar. Creio que é um complemento aos artigos publicados…a prática após as análises escolhidas para a compra da ação.

  21. Gustavo 18 de maio de 2017 at 1:01 - Reply

    Boa noite Leandro!

    Sou leitor assíduo do blog, dos seus livros, aprendi muito com você. Mas acho esse tema de análise gráfica precipitado para o perfil de leitores dos seu blog. Em artigos passados você mesmo disse que corretoras e bancos ensinam essas técnicas para girarmos patrimônio e gastarmos com corretagem, emolumentos e taxas. Indicar um curso de day trade então, ainda pior. Envolve emoção, tempo, recursos que a pessoa talvez não tenha etc, e que não enriquece.

    Acho que deveria voltar a sua origem de protetor do pequeno investidor e orientar seus leitores no sentido de trabalho, estudo, poupança (incluindo bolsa com boas empresas), imóveis, empreendedorismo, etc que são fatores que realmente enriquecem no longo prazo.

    Forte abraço

    • Leandro Ávila 18 de maio de 2017 at 8:13 - Reply

      Oi Gustavo, respeito sua opinião, entendo que se você prefere um determinado tipo de conteúdo acaba se incomodando ao ver outro tipo sendo produzido e publicado. Eu não sou um pastor. Sou um educador. Existem pessoas que falam sobre bolsa que se comportam como pastores de igrejas radicais. Não é o meu caso. Meu objetivo não é doutrinar e adestrar ninguém. Meu trabalho é motivar as pessoas para que estudem e que livremente possam escolher aquilo que acham melhor para elas. Somente você pode julgar se tem tempo, recursos, conhecimento e controle emocional para fazer o investimento X ou Y. Somente você deve julgar o que é precipitado ou não aprender agora com base no conhecimento que você tem de você mesmo. Não é meu papel fazer isso diante de centenas de milhares de leitores que tenho e que estão nos mais diversos níveis de conhecimento. Como educador o meu papel é ensinar como as coisas funcionam e indicar livros, cursos e outras fontes de informação para que as pessoas livremente possam se informar caso queiram elevar seus níveis de conhecimento. Quando digo que as corretoras estimulam o investimento de curto prazo faz parte do meu trabalho de dizer como as coisas funcionam. Quando você não estuda tende a comprar e vender ações seguindo as recomendações de compra e venda dos especialistas contratados pelas corretoras. Quando você estuda, você toma a decisão sem depender de ninguém, sem precisar ser “pastoreado” como se fosse uma ovelha. Quando digo que antes de investir em operações de risco é necessário estudar, ler, fazer cursos para realizar um trabalho como outro qualquer, que vai demandar energia e tempo, estou fazendo o meu trabalho de educador. Esse foi o objetivo deste e de todos os artigos que escrevi até hoje. Aquele que se comporta como pastor, diz o que os outros devem ou não fazer. Esse não é o meu papel e ninguém deve esperar isso de mim. Minhas ovelhas são livres para fazer o que quiserem. Só recomendo que antes, estudem para não seguirem recomendações de ninguém (nem mesmo as minhas).

      • Gustavo 19 de maio de 2017 at 0:01 - Reply

        Não me incomoda ver outros assuntos que não são do meu gosto. Meu questionamento foi no sentido que operações assim são para investidores arrojados, que separam uma parte de seu capital para risco, e envolve além de conhecimento fatores emocionais. Para quem está iniciando na bolsa penso não ser assunto primordial.

        Agradeço por compartilhar minha opinião.

        • Leandro Ávila 19 de maio de 2017 at 6:50 - Reply

          Oi Gustavo. Se você dedicar 10 ou 15 minutos do seu tempo para assistir a primeira aula do vídeo que recomendei, antes dos julgamentos, verá que esse é justamente o assunto tratado pelo autor do curso nos primeiros minutos de aula. Como falei, temos centenas de milhares de leitores e entre eles existem aqueles que querem aprender mais sobre investimentos de maior risco e existem aqueles que não querem nem ouvir falar nessa possibilidade. Não cabe a mim impor o que os meus leitores devem ou não aprender, mas no meu entendimento, como responsável pelo site, considero importante ensinar como ler um simples gráfico de preços. Para os leitores que querem se aprofundar no tema eu sugeri o curso gratuito que não sei se ficará disponível por muito tempo. Como falei, cabe ao leitor julgar se quer ficar limitado aos investimentos conservadores ou se quer expandir seus conhecimentos sobre investimentos mais arrojados. É uma decisão de cada um. Ter acesso ao conhecimento não significa ter a obrigação de praticar esse conhecimento. Eu mesmo prefiro os investimentos de longo prazo (é o que julguei ser melhor para o meu perfil), mas isso não significa que quero me manter no limbo da ignorância sobre outras estratégias como as que permitem especular no curto prazo.

      • Will Viana 19 de maio de 2017 at 10:46 - Reply

        Prezado Sr. Leandro. Bom Dia! Sai a pouco dos investimentos da poupança para investimento de Renda Fixa (LCI,LCA.CDB), isto através das leituras dest blog, porem nunca perdi o interesse em saber como funciona o mercado de ações, e tenho certeza que investirei no futuro, desta forma, é plenamente viável falar dos assuntos mais tranquilos como renda fixa sem deixar de abordar a renda variável que é um assunto super técnico, ou seja, quanto mais conteúdo deste tipo de aplicação melhor. Sugiro o tema de dividendos. Abraço

        • Leandro Ávila 19 de maio de 2017 at 12:07 - Reply

          Oi Will, parabéns por sua dedicação e obrigado pela sugestão.

  22. Alison 18 de maio de 2017 at 8:34 - Reply

    Leandro bom dia. o que vc acha da questão do preço das ações? A uma grande escola fala que não importa cotação. Eles defendem que se as empresas escolhidas tiverem bons fundamentos sua tarefa é somente comprar e guardar.

    • Leandro Ávila 19 de maio de 2017 at 7:05 - Reply

      Oi Alison. É claro que tem sua importância. Preço não é tudo, mas tem sua importância. Se você está diante de uma grave crise e os preços de todas as ações da bolsa despencam, incluindo as ações de ótimas empresas, é claro que o preço menor importa para quem deseja comprar mais para guardar.

  23. Davi Santos 18 de maio de 2017 at 8:52 - Reply

    Leandro, vc é sensacional.
    O que vc faz é melhor do que qualquer programa assistencial. Quem ler todos os seus artigos e livros vai ganhar dinheiro. Eu já estou ganhando mto. Hoje sou muito mais lúcido nos meus investimentos.
    Tenho buscado fontes de leitura gratuita sobre análise técnica e não tenho encontrado mtas. O artigo é preciso e sua didática é show.
    Estamos vivendo um ótimo momento pra investir em ações – desde que com estudo.
    Obrigado e parabéns

    • Leandro Ávila 19 de maio de 2017 at 7:03 - Reply

      Oi Davi. Eu acredito que a única e a melhor forma de combater a pobreza do bolso e a miséria das mentes humanas é o conhecimento. Infelizmente nem todo mundo consegue entender o valor do conhecimento e o valor dos professores. Não adianta lançar cursos e livros pagos para essas pessoas que ignoram o valor do conhecimento e o custo da ignorância. Por este motivo eu acho importante esse trabalho de distribuição de conteúdo gratuito. Muitas vezes essas pessoas só irão investir nos livros e cursos depois de colherem os primeiros resultados. Ao fazerem isso estão patrocinando a produção de mais conteúdo que irá ajudar ainda mais pessoas.

  24. Gilberto 18 de maio de 2017 at 15:52 - Reply

    Caro Leandro, achei bem interessante o texto. Eu também não sou adepto da análise técnica, mas acho bom conhecer, pelo menos em linhas gerais, os princípios envolvidos.

    Não tenho a intenção de especular na bolsa, especialmente por causa dos riscos envolvidos. Porém, acho que existe uma forma similar de especular em renda fixa, sem os riscos de se especular na bolsa. Uma forma de “especular com segurança” que me interessa bastante é por meio da venda antecipada dos títulos do tesouro. O raciocínio seria mais ou menos o seguinte: escolher e comprar os títulos que atendam as minhas necessidades, e, caso haja uma queda brusca na taxa de juros (com consequente aumento do preço dos títulos), vender parte dos títulos, para garantir uma rentabilidade acima da rentabilidade pactuada no momento da compra. Assim, na “pior das hipóteses” (alta dos juros e queda dos preços dos títulos), sem venda antecipada, pelo menos estaria garantida uma rentabilidade satisfatória na data de vencimento do título. Ao meu ver, isso seria uma maneira de especular com segurança, diferentemente de especular na bolsa, onde pode haver elevados prejuízos, sem essa garantia do tesouro. Porém, aí surge a minha dúvida: o que fazer com o dinheiro após realizar a venda antecipada dos títulos? Acredito que não adiantaria comprar novos títulos, porque as baixas taxas que justificaram a venda antecipada fariam com que o preço de compra estivesse elevado. O que fazer, então? Aplicar no tesouro selic e aguardar a taxa subir para comprar novos NTN-Bs, por exemplo?

    Aproveito para perguntar que cursos sobre tesouro direto você recomenda. Sei do curso do Carteira Rica (Eduardinho) e do Quero Ficar Rico (Rafael Seabra), porém não sei se são muito diferentes (qualidade, nível de aprofundamento, etc). Acredito que existam ainda diversas outras opções também. Agradeço se puderes sugerir o que achas mais indicado.

    Parabéns e continue o ótimo trabalho!

    • Leandro Ávila 19 de maio de 2017 at 7:00 - Reply

      Oi Gilberto. Quem faz investimentos na bolsa e acredita que não é um bom momento para fazer compras, guarda o dinheiro que pretende investir em investimentos de renda fixa com grande liquidez, como é o caso de um fundo DI ou fundo de renda fixa. Você também pode fazer isso utilizando o Tesouro Selic, mas deve observar que ao vender um título o dinheiro não vai aparecer imediatamente na sua conta como ocorre quando você saca seu dinheiro de um fundo. A mesma estratégia pode ser usada para aqueles que estão esperando uma alta dos juros para investir em tesouro IPCA ou tesouro prefixado. O curso de Tesouro Direto do Carteira Rica (do Prof. Eduardinho) aborda a estratégia de venda antecipada de títulos de uma forma mais profunda. Já o curso do Rafael é uma boa opção para iniciantes que não desejam se aprofundar muito na parte técnica.

  25. Rodolfo 18 de maio de 2017 at 17:08 - Reply

    Olá Leandro. Quais livros sobre investimentos em bolsa vc está lendo atualmente para escrever esta série de artigos sobre renda variável?

    • Leandro Ávila 19 de maio de 2017 at 6:54 - Reply

      Oi Rodolfo, como falei em outra oportunidade, já faz muito tempo que comecei meus estudos sobre investimentos na bolsa. Recentemente eu verifiquei que todos os livros que tenho estão com edições esgotadas. Atualmente existem vários livros disponíveis nas livrarias e pretendo pesquisar o que existe de mais atual para compartilhar no. Os ensinamentos que passei até aqui são básicos, ou seja, qualquer livro escrito nas últimas décadas irá tratar desses temas básicos exatamente da mesma forma.

  26. Gustavo ABreu 18 de maio de 2017 at 22:22 - Reply

    Muito bom o artigo!

    Leandro, vc tem conhecimento do curso de açoes do Tiago Lacerda? sabe dizer se é interessante?

  27. Cícero 19 de maio de 2017 at 10:09 - Reply

    Olá Leandro, parabéns pelos artigos! (mas favor por data).
    Creio sinceramente que o Brasil não tem a menor estrutura econômica, política, fiscal para investir em bolsa a médio, longo prazo como nos EUA. Os escândalos, corrupções e incertezas destroem qualquer plano de investimento futuro aqui.

    • Leandro Ávila 19 de maio de 2017 at 12:06 - Reply

      Oi Cícero. É um investimento para quem gosta de fortes emoções (e está preparado para isso).

  28. gabriel 19 de maio de 2017 at 15:05 - Reply

    Boa tarde,
    Leandro posso levar esses ensinamentos para o tesouro direto ou eles só servem mesmo para a bolsa ?
    ótimo artigo…

    • Leandro Ávila 20 de maio de 2017 at 6:46 - Reply

      Oi Gabriel. Os juros oferecidos por títulos como Tesouro IPCA e Tesouro Prefixado são influenciados pelos contratos de DI futuro negociados na bolsa. Não vejo muito sentido em analisar gráfico de juros futuros, mas é interessante observar que eles são um termômetro do que o mercado pensa sobre o futuro da economia. Quando ocorrem eventos negativos que fazem a percepção sobre o futuro ficar negativa os juros tendem a subir.

  29. Leonardo 19 de maio de 2017 at 15:12 - Reply

    Leandro, eu gostaria de investir mais em minha educação financeira, porém , a despeito do vasto acesso a informação, me sinto perdido sobre onde começar. Voce poderia me orientar e indicar fontes de estudo e sites confiáveis?

    • Leandro Ávila 20 de maio de 2017 at 6:48 - Reply

      Oi Leonardo, é o que eu estou tentando construir aqui aos poucos. Venho publicando conteúdo fácil de ser entendido por qualquer iniciante. Grande parte dos sites de investimento estão sendo patrocinados por bancos, corretoras e outras instituições financeiras. Eu sou patrocinado pelos meus leitores que adquirirem meus livros e cursos. Isso faz uma enorme diferença.

  30. Leonardo 19 de maio de 2017 at 15:22 - Reply

    …continuando, de preferência fontes gratuitas de estudo.

    • Leandro Ávila 20 de maio de 2017 at 6:52 - Reply

      Aqui é onde mora o grande problema. Manter um site é custoso, especialmente quando ele é muito visitado. O tempo que o autor dedica produzindo conteúdo também representa um custo. A grande verdade é que não existe site e conteúdo gratuito. Se você não pagou nada para acessar, alguém está pagando. No meu caso, você pode ler conteúdo “gratuito” por existirem pessoas que compram os meus livros. Elas que permitem a produção de conteúdo e a manutenção dos custos deste site. Observe que a confiabilidade de um site vai depender do seu autor e das fontes de financiamento que ele busca. A melhor de todas as fontes é a do leitor, pois nada melhor que o leitor ou o aluno patrocinando o seu professor.

  31. robinari 19 de maio de 2017 at 15:23 - Reply

    Leonardo, o circuit brak que foi usado esta semana para interromper as operações na B3, devido as perdas funcional com um stop contra perdas ? Ex. 10% a 15% a bolsa para e 20% e suspensa por tempo indeterminado. Sendo assim podemos afirmar que o risco de perdas esta limitado a 20%?

    • Leandro Ávila 20 de maio de 2017 at 6:54 - Reply

      Oi Robinari. A ideia do sistema é evitar a bola de neve, o efeito manada em um único dia. Nada impede que no dia seguinte ocorram novas quedas violentas com circuit breaker. O que realmente deve funcionar como limitador de perdas são as configurações que você fará para vender automaticamente caso o preço caia. As pessoas que investem na bolsa com foco no curto prazo pensam primeiro em quanto aceitam perder, antes mesmo de fazer a compra.

  32. João Silva 19 de maio de 2017 at 18:07 - Reply

    Pois é Leando… não existe Suporte para Políticos desastrados… Como conciliar a Política com a Economia ??? Eis a questão….

    • Leandro Ávila 20 de maio de 2017 at 6:42 - Reply

      Oi João. Esse tipo de capitalismo que temos no Brasil, que muitos defendem, onde os políticos escolhem os empresários que serão seus amigos com base em quanto cada um irá colaborar com doações, caixa 2 e propinas é o grande problema. Talvez fosse interessante ter cuidado ao investir em empresas “amigas do governo” e empresas que possam ser utilizadas para satisfazer os interesses dos políticos. Isso faz parte da ideia de escolher boas empresas para investir e ficar longe das ruins.

  33. Elton 20 de maio de 2017 at 9:45 - Reply

    Leandro, vc se supera a cada artigo publicado! Até seis meses atrás eu era um ignorante em investimento. Hoje tenho plena consciência dos meus investimentos. Ter encontrado seu site e adquiridos seus livros foi fundamental para a mudança de mentalidade. Seus textos são objetivos, coesos e vc sabe quais as dúvidas e dificuldades das pessoas. Vai no ponto, diferentemente de mtos site pagos que exitam em ensinar os fundamentos. Seus livros também são fantásticos. Sugiro que vc acrescente um quarto e-book específicamente sobre renda variável.

  34. Jonathas 20 de maio de 2017 at 19:00 - Reply

    Parabéns Leandro por mais esse maravilhoso artigo! Como iniciante na RV estou aprendendo muito com seus ensinamentos!
    Forte abraço!

  35. Cristiano Flores 21 de maio de 2017 at 15:10 - Reply

    Parabéns pelo seu trabalho, Leandro.
    Sou mais um leitor que utilizou e continua utilizando seus textos didáticos e bem embasados para aprofundar meus conhecimentos em termos de economia e investimentos. Tive um acréscimo de entendimento notório em curto período de tempo e hoje, faço questão de indicá-lo a outros que desejam aprender sobre o tema.

    O elevado nível de ignorância da nossa população sobre o tema investimentos está diretamente relacionado a não termos esse tipo de conteúdo no colégio, por isso seu trabalho é de extrema relevância e penso que deveria ser elevado a outros patamares/projetos que atingissem maior público, através de parcerias com escolas, prefeituras ou outras formas a se analisar.
    Quanto cito isso, obviamente não me refiro apenas ao tema específico de análise técnica da bolsa de valores, mais complexo, mas sim a todo o conteúdo que vem sendo compartilhado em seu trabalho ao longo de anos.

    Parabéns novamente e continuemos estudando!!!
    Forte abraço.

  36. Iuri Viana 22 de maio de 2017 at 14:42 - Reply

    Oi Leandro
    Parabéns pelo artigo. Apesar de ser adepto em buy and hold , também tenho curiosidade em aprender como funciona a especulação.
    O seu artigo sobre análise técnica tem me ensinado muito.

  37. Victor Leon Ades 23 de maio de 2017 at 6:58 - Reply

    Olá Leandro, quero agradecer por teus artigos e generosidade. Tenho aprendido muito com eles.

  38. renato pereira 28 de maio de 2017 at 17:08 - Reply

    Leandro uma coisa que eu nao entendo quando entro no site de ação ou de fundos de investimentos é a tabela de valor da ação… ela dá valores em 12M( q imagino ser 1 ano) e o valor em ano… mas são sempre valores diferentes… me explica isso?

    • Leandro Ávila 11 de agosto de 2017 at 7:09 - Reply

      Oi Renato, provavelmente uma está mostrando o valor dos últimos 12 meses, ou seja, se você está no mês de maio ele vai mostrar o resultado dos últimos 12 meses começando do mês onde você está para trás. Já o resultado do ano atual vai mostrar o resultado do início do ano atual até a data de hoje.

  39. Wilson 11 de agosto de 2017 at 0:41 - Reply

    Parabéns leandro, mais um artigo muito bom, como sempre.
    abraços

Leave A Comment

Share this

Compartilhe com um amigo