Teoria de Dow: Volume e Reversão


Como saber se uma tendência de alta na bolsa de valores é realmente consistente? E se você investir o seu dinheiro, sem prestar atenção na tendência, e logo depois o preço da ação despencar? Essa é a continuação do último artigo sobre a Teoria de Dow.

Charles Dow, através da sua teoria, acreditava que para uma tendência de alta ou de baixa nos preços das ações pudessem ser aceitas como consistentes era necessário que o investidor confirmasse essa tendência.

Uma das formas de fazer isso era através do volume. Nos softwares e aplicativos que geram gráficos de preço das ações é possível ativar uma opção que permite ver o gráfico de volume. Esse volume nada mais é do que a quantidade de ações que foram negociadas (compradas e vendidas) em um período de tempo. No próximo artigo sobre bolsa valores irei ensinar como gerar gráficos de preço e volume na internet através de uma conta gratuita no GuiaInvest. Hoje vamos aprender sobre como confirmar tendências com base na Teoria da Dow.

No gráfico abaixo temos a linha preta que representa a variação de preço da ação de uma empresa brasileira do setor elétrico. Entre fevereiro e setembro de 2016 o seu preço passou de algo em torno de R$ 10,00 para quase R$ 30,00. Observe no gráfico do volume, logo abaixo do gráfico de preço, que a quantidade diária de ações negociadas passou de algo em torno de 12 milhões de ações para mais de 50 milhões em diversos dias.

Não é muito difícil entender que quanto mais ações estão sendo negociadas, maior é a força do movimento do preço seguindo uma tendência. Por este motivo volume de ações negociadas pode ser utilizado como uma confirmação da força de uma tendência de alta ou de baixa.

Na figura abaixo temos uma tendência de alta do preço que é acompanhada da alta do volume de ações negociados na bolsa.

Logo abaixo temos outro gráfico onde o preço dessa mesma ação iniciou uma tendência de baixa que durou vários dias entre o mês de outubro e novembro de 2012. A ação era negociada por valores próximos de R$ 12 e após a queda, chegou a ser vendida por algo próximo de R$ 5,00. No gráfico do volume podemos observar que quanto maior a queda no preço da ação, mais ações eram negociadas (maior o volume). Observe que no final do período mais de 90 milhões de ações foram vendidas por preços próximos de R$ 5,00. Nem preciso dizer que para cada investidor desesperado que vendia sua ação por R$ 5,00 existiam outros investidores comprando essas ações. Se os preços das ações estão em queda e o volume aumenta cada vez mais, isso mostra a força ou a consistência da tendência de queda.

No próximo gráfico podemos ver o que aconteceu logo depois do movimento acima. O preço parou de cair e começou a subir, mas a tendência de alta não podia ser confirmada pelo volume pelo fato dele ser divergente, ou seja, estava em queda enquanto o preço subia. Em 2013 foi possível observar que o volume começou a aumentar acompanhando o preço e isso poderia ter sido entendido como uma confirmação da força da tendência de alta do preço dessa ação.

A Reversão

A única certeza que temos quando observamos uma longa tendência de alta nos preços das ações é que um dia essa tendência irá acabar. O mesmo pode acontecer quando estamos diante de uma tendência de baixa dos preços, que não tenha relação com a falência da empresa ou de fato grave que faça o preço não se recuperar mais.

Um dos princípios da Teoria de Dow diz que enquanto for possível observar uma sucessão de topos e fundos ascendentes (Tendência de Alta) ou topos e fundos descendentes (Tendência de Baixa) no preço da ação, teremos a manutenção da tendência.

As linhas do gráfico abaixo representam as variações de preço de uma ação no decorrer do tempo.

A reversão de uma tendência de alta acontece quando observamos uma falha nessa sequência de topos e fundos cada vez maiores. No momento da falha, o próximo topo não vai conseguir passar o topo anterior. O fundo também não será maior que o anterior.

Observe o exemplo abaixo. Os preços vinham em uma sequência de topos e fundos cada vez mais elevados até que o topo C não conseguiu ultrapassar o topo A. O investidor que segue a Teoria da Dow poderia considerar o preço da ação registrado no ponto B (o último fundo) como sendo um possível ponto de venda da ação, ou seja, um preço ideal para a venda antes de uma queda maior.

Logo abaixo temos um exemplo diferente de uma reversão de tendência de alta. Agora o topo C conseguiu superar o topo A, mas o fundo D não ficou acima do fundo B. A linha S1 indica um possível ponto de venda, já que o fundo “desrespeitou o princípio” de fundos ascendentes ao atingir o preço do fundo anterior, que no caso seria o preço do fundo B.

Vamos imaginar que o investidor preferiu aguardar um segundo sinal de reversão. Ele observou a formação de um topo E menor que o topo anterior (topo C). A linha S2 indicada na figura abaixo seria o segundo possível ponto de venda da ação. Observando a “quebra do padrão” e de todos e fundos ascendentes e o volume crescente, o investidor poderia ter vários indicadores de que ocorreu uma reversão na tendência de alta para uma tendência de baixa.

Agora vamos observar os sinais de reversão de uma tendência de baixa para uma tendência de alta. Observe a figura abaixo. Ela é o final de uma sequência de topos e fundos descendentes, ou seja, o preço da ação estava cada vez menor quando atingiu seu valor máximo e mínimo com o passar do tempo. Em um determinado momento, o fundo C não ficou abaixo do fundo A e com isto temos um primeiro sinal de que o padrão foi quebrado. Se o próximo topo ultrapassar o topo anterior (topo B) temos mais um sinal da ocorrência de reversão da tendência de baixa para uma tendência de alta. A linha B1 seria um possível ponto de compra da ação para aqueles que quisessem apostar nesta tendência.

No próximo gráfico, o fundo C ficou abaixo do fundo A, mas o topo D ultrapassou o topo B. A linha B1 seria um possível ponto de compra da ação. O investidor poderia esperar mais um pouco. O fundo E ficou acima do fundo C indicando mais uma quebra do padrão de baixa. A linha B2 que indica o preço da ação no topo D seria mais um possível ponto de compra da ação.

Para Charles Dow, o investidor seguidor de tendências não deve tentar adivinhar a reversão de uma tendência. Devemos lembrar que os gráficos não podem prever o futuro. Ele recomenda que o investidor observe as evidências de que a tendência acabou. Isso significa aceitar que durante essa observação ele terá uma redução dos seus lucros. O seguidor de tendência só entra quando a tendência de alta foi confirmada e só sai quando existem sinais de confirmação da tendência de baixa. A ideia é evitar investir através de apostas como se você estivesse em um cassino.

A estratégia de investimento de Charles Dow era a de seguir tendências. Talvez naquele tempo, quando os preços das ações eram registrados em quadros negros utilizando giz, a velocidade dos acontecimentos e dos gráficos de preço fossem bem menores. Atualmente os preços se movem a cada segundo. Diante de notícias positivas os preços podem subir ou cair bruscamente. Sempre me pareceu mais comum a alta lenta de preços e as quedas bruscas em curtos espaços de tempo.

É interessante observar que milhares de investidores utilizam essas teorias para tomar decisões diárias de investimento. Todos visualizam os mesmos gráficos de preço e volume, mas cada um adota uma estratégia diferente. Mesmo assim, os padrões que se formam nos gráficos acabam gerando uma enorme influência na oferta e na demanda por ações. Muitas vezes isso provoca um descolamento entre esses movimentos de preço e os fundamentos da empresa.

É comum o investidor que analisa os dados da empresa de uma forma mais detalhada e profunda, observar algum tipo de “irracionalidade” dos investidores de curto prazo diante das reações de medo ou de ganância no decorrer de acontecimentos corriqueiros do dia a dia que não param de ser divulgados pela imprensa, governo e empresas.

Como muitos investidores tomam decisões baseados esses pontos e movimentos que citei neste artigo, existem momentos que o preço atinge determinados pontos difíceis de ultrapassar. São como linhas imaginárias que resistem diante da alta ou da baixa de preços. Quando essas linhas imaginárias de resistência são rompidas, podem ocorrer grandes movimentos no preço para cima ou para baixo.

Mesmo que o seu objetivo não seja fazer investimentos de curto prazo, é muito interessante conhecer todos esses movimentos.

Vou falar sobre essas questões nos próximos artigos sobre ações.

Continue aprendendo...

Se você gostou desse artigo, tenho certeza que também vai gostar da série de ferramentas, planilhas e livros que preparei para ajudar você. São conhecimentos e ferramentas que desenvolvi para o meu uso e que agora estou compartilhando entre os meus leitores. Clique aqui para conhecer os livros.
Esse artigo foi útil?
Deixe-nos saber, se você gostou deste artigo. Só assim podemos continuar melhorando.
Sim
Não

Sobre o Autor:

Leandro Ávila criou o Clube dos Poupadores por acreditar que o conhecimento é uma riqueza que se multiplica quando dividida. Compartilhando o que sabemos, criamos um mundo melhor. Conheça os livros que ele escreveu sobre educação financeira, investimentos financeiros e imobiliários.
Eduardo Martino Gomes
Visitante
Eduardo Martino Gomes

Muito Bom o material, principalmente para quem está começando.
Parabéns.

João Silva
Visitante
João Silva

Parece fácil Leandro…

Tadeu
Visitante
Tadeu

Muito bom o seu texto, Leandro. Estudei um pouco a analise gráfica. No entanto, estou esperando ter um patrimônio maior para investir em ações.

Estou estudando analise fundamentalista para em 2018 começar a fazer alguns investimentos em ações.

Você irá falar algo de analise fundamentalista? muito obrigado por tudo.

Felipe
Visitante
Felipe

Muito bom, a Teoria de Dow é muito importante para entender o movimento das ações. Faço especulação em ações há uns 6 meses e acompanho o mercado todo dia. E realmente, essas linhas imaginárias de suporte e resistência são poderosas mesmo. Porém não é tão simples identifica-las, e muitas vezes acabamos vendo no gráfico coisas que não existem. Existe um indicador chamado Canal de Donchian, muito utilizado para determinar suportes e resistências. Dentro do Guia Invest tem esse indicador.

Eu por exemplo uso médias móveis na minha estratégia, junto com os Canais de Donchian. São muito úteis para identificar tendências, pois minimizam o “barulho” do mercado. E você pode configurar a média móvel de acordo com sua preferência. Para identificar tendências mais longas pode-se, por exemplo, utilizar uma média móvel de 200 períodos, e tendências mais curtas, uma de 30 ou 50 períodos.

Existem várias estratégias que utilizam MM (médias móveis), sendo a mais comum (e que eu utilizo) o cruzamento de duas MM de períodos diferentes. Experimente configurar duas MM, uma de curto prazo e outro de longo prazo, no gráfico do IBOV. Quanto a MM mais curta cruza para cima da MM longa é uma indicação de compra, e vice-versa. Claro que nem sempre funciona, mas nenhuma estratégia é perfeita, incluindo Buy and Hold.

Giancarlo Ghisleni
Visitante
Giancarlo Ghisleni

Complementação ótima do primeiro
Artigo. Como diria o Pedro Ernesto: vc é demais! Show, Leandro!

Stephano
Visitante
Stephano

Os seus textos são bem escritos e esclarecedores. Seu site foi o primeiro com o qual tive contato para iniciar meus estudos sobre investimentos.
O compartilhamento de conhecimento que você proporciona é fenomenal.
Parabéns pelo seu trabalho e obrigado!

Horácio Pires
Visitante
Horácio Pires

Continua muito esclarecedor!

Leonardo
Visitante
Leonardo

Prezado Leandro,

Só tenho a agradecer profundamente aos seus ensinamentos… me abriram as portas, literalmente… Em maio/junho de 2015 eu estava prestes a cometer um grande erro ao começar um financiamento de imóvel, e foi onde eu encontrei seu site, inclusive comprei seus livros sobre imóveis… Os livros me esclareceram muito, posso dizer que abriram a minha mente com relação ao poder do juros compostos. E isso só veio a acrescentar mais conhecimento ainda na minha vida, através do seu site conheci também o livro do tesouro direto e comecei a aplicar no mesmo no começo de 2016, e fui cada vez me interessando mais pelo assunto. Também encontrei o guiainvest, onde fiz o curso Árvore da Riqueza e desde então venho analisando empresas de maneira mais fundamentalista, e sempre deixei de lado a parte da análise técnica / grafismo. Venho tendo outra opinião sobre a mesma agora, não acredito que eu venha a segui-la no curto prazo, mas como vc sempre enfatiza, informação que agrega e ajuda a moldar a bagagem e formar opinião nunca é demais!

Se eu pudesse oferecer uma dica para quem está iniciando é, assumir um passo de cada vez, começar pelos princípios básicos de juros compostos e renda fixa, para se acostumar com o mercado financeiro e, aos poucos, introduzir-se no mercado de ações…

Mais uma vez, muito obrigado mesmo! Gostaria apenas de deixar registrado a grande influência que tive (e estou tendo) com os seus ensinamentos.

Um grande abraço

Leonardo Ribeiro
26 anos – São Bernardo do Campo – Sp

Thiago Miranda
Visitante
Thiago Miranda

Olá Leandro.
Obrigado por mais esse excelente artigo.
Vi o anúncio de uma nova corretora que faz os investimentos pra você, pegando um taxa gorda sobre o patrimônio total a cada ano.
Sabe me dizer como funciona esse tipo de corretora? É como se ela investisse em fundos próprios de renda fixa e variável?

Obrigado!

Sergio
Visitante
Sergio

Boa Noite Leandro Ávila, Sou Investidor em Tesouro Direto, se que este artigo não fala sobre isto, mas se puder me responder uma duvida.
Tenho aplicações em NTN-B Principal 2035, varias títulos e taxas pactuadas diferentes.
Quando eu vendo antecipado uma quantidade determinada, que não todos eles, quais títulos e taxas pactuas são subtraídos e quais títulos e taxas pactuadas ficaram ainda comigo???

Grato pela Atenção
Sergio

Lúcio
Visitante
Lúcio

Muito bom artigo! Obrigado por compartilhar conosco. Parabéns Leandro!

Josemar
Visitante
Josemar

Estou conhecendo teu site hoje!! Achei a linguagem super acessível para leigos como eu. Obrigado.
Gostaria de saber tua opinião quanto às ações binárias…
Já vi alguns simuladores na internet e fiquei interessado.
A Teoria de Dow pode até auxiliar nesse caso também!!

Gustavo
Visitante
Gustavo

Obrigado Leandro por mais este artigo Muito Rico em exclarecimento. O Guiainvest ja utilizo e ajuda Muito.

Cristian
Visitante
Cristian

Olá Leandro, poderia sugerir alguns livros sobre investimento na linha value investing?

Domingos
Visitante
Domingos

Bom dia!
Devagar com sua ajuda vou saindo da ignorância financeira.
Valeu!

renan
Visitante
renan

Oi Leandro

Para investimentos a longo prazo,vc recomenda a análise da teoria de down também para investimentos a longo prazo?

Abraço!

Iuri Viana
Visitante
Iuri Viana

Leandro, meus parabéns.

Essa nova séries de artigos que você começou a posta aqui está ótimo. Confesso que já aguardava algum tempo por artigos seus que falam sobre a renda variável.

Já estou estudando análise fundamentalista, mas, por outro lado, a análise técnica era uma lacuna. Com seus artigos, eu começo a entender a dinâmica da análise técnica.

Obs.: Eu sou assinante de Guiainvest Pro, e tenho a impressão que o site é focado na análise fundamentalista. Vc acha o mesmo?

Abraço

Tais
Visitante
Tais

Oi Leandro! muito bom!!! Seu blog é o melhor na minha opinião! Muita clareza e cheio de conhecimento.
Você poderia fazer um artigo sobre analise fundamentalista?

Wilmar Carvajal
Visitante
Wilmar Carvajal

Bom dia Leandro,
Obrigado por compartilhar seu conhecimento e aprendizado conosco, a série de artigos está ótima.
Sempre q leio sobre análise técnica e interpretação de tendências, fico com a dúvida de qual tipo de gráfico/frequência (hora, diário, semanal, mensal) devo acompanhar pra identificar esses padrões? E qual é a diferença ou utilidade de uma escolha ou outra?
Muito obrigado pela sua resposta !

Thiago
Visitante
Thiago

Caro Leandro,
Analise Técnica é muito interessante, mas eu prefiro acreditar em papai Noel…
Se tudo o que reflete nos preços das ações tem ligação com a empresa, seria muito melhor analisar os dados fundamentalistas, principalmente o lucro líquido.
O site http://www.fundamentus.com.br é o melhor site para analise fundamentalista de empresas na minha opinião, tem gráficos dos fundamentos onde qualquer pessoa ainda que leiga possa interpretar os rumos das empresas incluindo suas ações.

Compartilhe com um amigo