Se você está acompanhando os últimos acontecimentos, já percebeu que o governo enfrentará sérios problemas no futuro para pagar a aposentadoria de quem já está aposentado e de quem ainda irá se aposentar.

As regras do jogo irão mudar novamente e devem continuar mudando nos próximos anos. É impossível prever quais mudanças teremos no futuro, mas a única certeza que você deve ter é que precisa depender cada vez menos do INSS para garantir um futuro mais seguro e digno.

Nesta série de artigos que vou escrever sobre aposentadoria, não quero entrar em questões partidárias. Pouco nos importa a briga entre os políticos, pois cada dia que passa, acredito que eles só brigam na frente das câmeras. Por trás, são todos amigos, parceiros, sócios e aliados independentemente da cor adotada por seus partidos. Tudo que fazem é movido por interesses pessoais, até quando tentam mostrar que estão defendendo nossos interesses.

Quero falar sobre questões que irão influenciar o seu futuro nas próximas décadas.

As decisões que você tomará hoje sobre a maneira que ganha, gasta e investe o seu dinheiro é que irão ditar se no futuro você será:

  • um idoso, ou idosa, pedindo esmolas nas ruas;
  • um idoso dependente do assistencialismo do governo, dos seus filhos e amigos;
  • ou um idoso independente, fazendo o que gosta, viajando e curtindo merecidamente a vida que você irá construir, sem depender da ajuda de ninguém. Esse é o futuro eu quero para mim e aposto que você pensa da mesma forma.

O sistema já estava dando pistas

A grande verdade é que o modelo de previdência que existe no Brasil sempre foi uma grande farsa, criada por políticos que gostam de prometer coisas que não podem cumprir utilizando o dinheiro da sociedade.

Antes que você saia por aí defendendo o sistema, vou mostrar que ele sempre nos deu pistas de que era insustentável. Isso que estamos vivendo hoje sempre aconteceu e vai continuar acontecendo.

A primeira grande reforma da previdência aconteceu em 1998, apenas 8 anos depois da criação do INSS da forma que conhecemos hoje. Naquele tempo os políticos já sabiam que o modelo era insustentável. Seria apenas uma questão de tempo para que novos remendos fossem necessários. Foi exatamente isso que aconteceu nos últimos anos.

Esses “remendos” foram aprovados em 1998 (fonte), 1999 (fonte), 2003 (fonte), 2005 (fonte) e 2012 (fonte), durante os governos de centro-esquerda e de esquerda que o país já teve. Muitos outros remendos estão por vir, não tenha nenhuma dúvida com relação a isso. Todas essas mudanças em tão pouco tempo reforçam o fato de que o sistema é economicamente insustentável.

Em 1998, eu estava começando a minha vida profissional. Quando vi o governo mudando as regras do jogo, estabelecendo a aposentadoria por tempo de contribuição e não mais por tempo de serviço, exigindo-se, assim, trinta e cinco anos de contribuição do homem e trinta da mulher, entendi que aquilo era só o começo. Vi que não fazia sentido permitir que meu futuro ficasse dependente de um sistema instável, que muda as regras do jogo constantemente e sempre para pior.

Se hoje, o sistema é ou não deficitário, isso é o que menos importa. O importante é o que você irá fazer na sua vida pessoal para garantir um futuro melhor para você e sua família, sem depender do governo.

Foi esse tipo de preocupação que tive desde o início da minha vida profissional e posso garantir que não existe nada melhor do que você ter o seu próprio projeto de aposentadoria sem depender do INSS ou de qualquer outra entidade que prometa cuidar do seu dinheiro melhor do que você mesmo.

Se você também já tem um projeto para sua aposentadoria, compartilhe conosco o que você está fazendo. Deixe o seu comentário no final do artigo. Se você não tem um plano, saiba que o governo não está dando a mínima para você.

O governo não se importa com a sua opinião

O governo não liga se você concorda ou não com essa nova reforma da previdência. Ele vai mudar as regras do jogo novamente, da mesma forma que já fez no passado e que continuará fazendo no futuro.

Eu vejo todas as “reformas da previdência” como um choque de realidade para reparar a enganação que sempre foi esse tipo de sistema que lembra um esquema de pirâmide financeira.

Essas mudanças não ocorrem somente no Brasil. Em todo mundo os governos estão mudando as regras para dar uma sobrevida a este modelo insustentável. Clique aqui e veja o que acontece hoje em países com a Grécia. Em 2010 a França sofreu uma forte onda de greves gerais e protestos contra as reformas feitas na previdência deles (veja aqui).

Não sei se esses protestos possuem alguma utilidade. Mesmo com os protestos os governos mudam as regras e ponto final. Melhor do que ficar resmungando e defendendo um sistema falho é trabalhar agora para eliminar sua dependência dele.

Aumente seus esforços para ser cada vez menos dependente do sistema de serviços e assistencialismo do governo (saúde, educação, previdência, etc.). Isso é o melhor que cada um pode fazer no contexto da sua vida pessoal.

Tirando o foco do pessoal e olhando para a coletividade, melhor que participar de protestos de utilidade duvidosa, seria melhor participar de projetos de conscientização e educação das pessoas. É no silêncio que as grandes mudanças acontecem, só que elas demoram muito, pois precisamos mudar cabeça por cabeça, como você pode observar nesse desenho animado (clique). Defender sua dependência do sistema ou se tornar independente do sistema será sempre uma questão de escolha.

No Brasil, toda a confusão sobre esse tema nem começou ainda. Se as regras do jogo mudarem, teremos reclamações e protestos. Se não mudarem, também teremos reclamações e protestos depois das consequências.

A situação mais preocupante é a possibilidade de a população eleger novos políticos que irão prometer coisas que não podem cumprir para garantir mais benefícios, mais dinheiro e mais recursos sem dizer de onde irão tirar o dinheiro. Teremos eleições em 2018 e mais uma oportunidade para a população votar, com a mesma qualidade que estão fazendo desde a eleição do Collor.

A população ainda não entendeu que o governo não produz riquezas. Ele tira da sociedade para devolver para a própria sociedade, só que bem menos do que tirou, já que o sistema é ineficiente.

Quando tive meu primeiro choque de realidade sobre a previdência em 1998, lembro que fiquei cheio de dúvidas. Minha grande dúvida era: será que não seria melhor criar o meu próprio projeto de aposentadoria para não depender do governo no futuro? Vamos refletir sobre esse tema em outros artigos, mas antes, vamos descobrir onde estamos e para onde estamos indo. Precisamos primeiro entender o problema no lugar de reclamar do problema.

Pão, farinha ou trigo?

O objetivo deste artigo introdutório foi mostrar que não adianta ficar perdendo tempo e energia reclamando do problema. Você só precisa entender o problema e depois partir para a solução, dentro das suas possibilidades.

Você não deve se comprometer com o problema. O seu comprometimento, seus esforços e tempo devem estar focados na solução. Isso vale para todos os problemas que enfrentamos na vida. Para que você possa entender a diferença entre focar no problema e focar na solução vou contar uma história que tive acesso recentemente.

Era uma vez um comerciante muito generoso, dono de uma grande padaria. A cidade onde ele vivia passava por uma grave crise econômica. Todos os dias apareciam pessoas pedindo ajuda na padaria. Naquele dia, logo na abertura da padaria, três homens apareceram e relataram o mesmo problema. Estavam passando por sérios problemas financeiros. 

O dono da padaria sabia que existiam pessoas comprometidas com o problema e outras comprometidas com a solução do problema. Cada um vai exigir um tipo de ajuda diferente para se sentir feliz e satisfeito. Por este motivo ele ofereceu três alternativas diferentes para os três homens. Colocou sobre a mesa um cesto de pães, um saco de farinha e um saco de sementes de trigo e pediu para que escolhessem qual gostariam de levar.

Quando ele deu as três opções, um dos homens agarrou o cesto de pães e disse: “Muito obrigado senhor! Resolvi meu problema e agora minha família terá pães para comer”.

O segundo homem agarrou o saco de farinha e disse: “Não tenho os pães, mas com esses 25kg de farinha meu problema estará resolvido, vou fazer muitos pães para minha família. Muito obrigado!”

O terceiro homem pegou o saco de sementes de trigo com lagrimas nos olhos. Eram lágrimas de felicidade. Ele disse: “Muito obrigado. Fiquei com a melhor das três oferendas. Serei o único que nunca mais precisará retornar aqui para pedir pão ou farinha. Meu problema está definitivamente resolvido.”

Qual dos três personagens você se identifica mais?

Se você estiver comprometido com o problema, vai encontrar uma forma de remediar sua dificuldade no curto prazo. Não faltam pessoas oferecendo pães com dependência. Se você estiver focado na solução, vai encontrar a saída que te levará para uma vida mais livre e independente do pão dos outros. Remediar é mais rápido e fácil. Resolver o problema exige esforço e trabalho.

A maioria das pessoas que vejo reclamando da previdência, estão agarradas ao cesto de pão. Elas estão brigando por mais pães. Nenhuma percebeu que o problema não será resolvido com mais pães. O problema só será resolvido quando elas forem menos dependentes do pão distribuído pelo governo. Depender menos da previdência e do governo significa trabalhar e estudar para resolver o seu problema de uma vez por todas.

Se você entender isso estará pronto para ler os próximos artigos.

No próximo artigo vou mostrar que a previdência funciona como uma pirâmide. Vamos entender a origem do problema. Veremos que as pessoas que já estão aposentadas estão no topo da pirâmide. Nós que estamos na idade produtiva (trabalhando) estamos no meio da pirâmide e nossos filhos (cada vez menos filhos) estão na base da pirâmide.

Como estamos vivendo cada vez mais e tendo cada vez menos filhos, o colapso do sistema será inevitável quando a pirâmide se inverter. Veremos no próximo artigo que teremos poucas décadas para isso acontecer e o governo já sabe disso desde 1998.

Presente

Este artigo que você acabou de ler é uma parte do livro digital “Aposentadoria em Perigo” que estou dando de presente para os leitores que adquirem a nossa série de livros sobre Reeducação Financeira e Investimentos. Quanto maior for o número de pessoas conscientes da necessidade de planejar o próprio futuro por meio da educação financeira, menores serão os sofrimentos e problemas financeiros que você irá presenciar na sua vida e na vida daqueles que você mais ama, quando esse futuro chegar. Visite aqui e veja como adquirir os livros.