Aposentadoria em perigo – Parte 2

Você acredita que a sua aposentadoria, através da previdência social, é um direito conquistado pelos trabalhadores? É exatamente isso que os governos e os políticos do mundo todo querem que as pessoas acreditem. Na prática, não é assim que as coisas funcionam.

Aquelas “contribuições” para o INSS que você e seu empregador fazem todos os meses, na verdade são impostos, só que com uma roupagem de benefício social.

O sistema de “benefícios” oferecido pelo governo só tem uma finalidade real que é retirar mais dinheiro da renda das pessoas, transferindo esses recursos para dentro da máquina do governo, onde ele será desperdiçado das mais variadas formas, sejam elas licitas ou ilícitas.

O governo já fica com uma boa parte da sua renda, usando como desculpa a oferta de serviços públicos de qualidade na saúde, educação e justiça. Quando ele te obriga a contribuir com o INSS, usa a desculpa de que irá prover os recursos que você irá precisar para ter uma boa aposentadoria no futuro.

Na prática, já sabemos que o governo cobra caro por serviços de péssima qualidade, sem oferecer qualquer garantia de que serão prestados para você.

Como mostrei no artigo anterior, desde a criação do INSS, as regras do jogo foram modificadas inúmeras vezes e tudo indica que vão continuar mudando até que o dia que pagar o INSS será tão inútil quanto pagar qualquer outro imposto.

Benefícios ou malefícios?

O governo fica com boa parte da renda dos mais pobres, através de descontos para cobrir “benefícios” retirados dos salários e impostos sobre o consumo de produtos e serviços. Isso reduz a renda das famílias e inviabiliza a contratação de serviços privados que pudessem substituir os serviços públicos inexistentes ou de baixa qualidade.

As famílias de classe média também pagam pelos serviços públicos, mas conseguem alguma sobra para contratar escolas e hospitais particulares. Na prática, as famílias pagam duas vezes pelo mesmo serviço.

Parece estranho, mas os impostos e contribuições que são retirados da população, com a desculpa de que serão usados para promover igualdade, acaba gerando exatamente o contrário. Os mais pobres não possuem renda suficiente para pagar duas vezes pelos mesmos serviços.

Se o sistema criado para combater a desigualdade não existisse, pelo menos as pessoas teriam acesso a todos os recursos gerados pelo seu trabalho. Elas poderiam tomar decisões melhores que o governo sobre o que fazer com o próprio dinheiro.  Quando o governo assume esse papel, ele tira a liberdade das pessoas. O que deveria ser um benefício se torna um malefício.

Você é a minoria mais rica?

Com base em um outro artigo que li recentemente no site “Administradores”, indicado por um leitor aqui do Clube, resolvi refazer as contas que o autor publicou, adicionando o efeito dos juros.

A ideia é entender o impacto negativo da poupança forçada que a sociedade faz ao “contribuir” com o INSS e FGTS. Como seria se esse dinheiro fosse controlado por você e não pelo governo?

Vamos imaginar que você ganha um salário de apenas R$ 1.000,00 por mês. (Se você acha pouco, saiba que a renda média, por pessoa, dos brasileiros é de apenas R$ 1.113,00, segundo o IBGEfonte. Se na sua casa, a renda da família dividida pelo número de pessoas é maior que isso, saiba que você faz parte de uma “elite de privilegiados”. Você compõe a minoria dos mais ricos).

A empresa onde você trabalha descontaria 8% do seu salário (R$ 80) e ainda pagaria 20% (R$ 200) ao entregar R$ 280 mensalmente nas mãos do governo referente ao que precisa ser pago para a previdência social.

Antes de continuar, peço sua atenção para um fato. Esses R$ 200 que o empregador pagará para o governo, é fruto do seu trabalho e não sai do bolso do empregador. Para a empresa, o custo da sua contratação é a soma de tudo que ela precisa desembolsar para manter você empregado. Para que o seu emprego se torne economicamente viável para o empresário, é necessário que você trabalhe o suficiente para que todos esses custos e exigências do governo possam compensar. Quando não compensa, o resultado é a sua demissão ou sua não contratação.

A tabela acima, gerada através desta planilha aqui (que encontrei na internet),serve apenas para que você tenha consciência de quanto você precisa trabalhar mensalmente para pagar o governo e tudo que você acha que são direitos e benefícios recebidos “de graça”.

Veja que para receber um salário de R$ 1.000,00 você seria obrigado(a) a trabalhar para pagar R$ 2.254,10 referente a todos os custos que a sua contratação geraria, sem falar nos custos operacionais da empresa e o lucro do seu empregador. Aquilo que você recebe da empresa e do governo, achando que está “ganhando” alguma coisa, é pago pelo seu trabalho, centavo por centavo.  O empregador e o governo só devolvem parte das riquezas que você gerou.

No decorrer das últimas décadas, políticos diferentes criaram os mais variados tipos de “direitos e benefícios”. Eles fizeram você acreditar que são mais inteligentes, competentes e hábeis nos cuidados com o dinheiro da sua aposentadoria. Os governantes supõem que você é inapto para cuidar, poupar e investir seu dinheiro pensando no futuro.

Com o FGTS é a mesma coisa:

O mesmo acontece com suas reservas no caso de uma demissão. Para o governo, você é incapaz de fazer uma reserva de emergência poupando uma parte do seu salário. Eles criaram o FGTS para “salvar” o seu dinheiro de você mesmo.

Seguindo o nosso exemplo inicial, se você ganhasse R$ 1.000,00 por mês, seu empregador seria obrigado a transferir R$ 80, daquilo que você produziu no mês, para a sua conta no FTGS.

O governo fará o que bem entender com o seu dinheiro e, no final, pagará uma remuneração de apenas 3% de juros por ano + TR. A poupança, que é um dos investimentos menos rentáveis, faria seu dinheiro render o dobro.

Um exemplo de uso do seu dinheiro ocorre quando o governo empresta seus recursos para os bancos públicos. Seu FGTS é uma fonte de dinheiro barato (mal remunerado) para financiar obras realizadas por consórcios de empreiteiras (amigas do governo que monopolizam o mercado) e que estão envolvidas em escândalos de corrupção investigados pela operação Lava-jato (fonte).

Somando os pagamentos de INSS (R$ 80 + R$ 200 = R$ 280) e FGTS (R$ 80) podemos afirmar que o governo está obrigando você a produzir R$ 360 a mais, para que o seu empregador possa pagar o seu salário de R$ 1.000,00 e ainda repassar outros R$ 360 para o governo, sem que isso torne sua contratação desvantajosa.

Esse dinheiro será controlado pelo governo por várias décadas, até o dia da sua aposentadoria ou demissão. Você até poderá antecipar o recebimento do seu FGTS, mas para isso terá que se enquadrar em uma das 1001 regras e exceções que eles criam a todo momento para dificultar seu acesso ao seu dinheiro.

Quanto você teria se tivesse o controle?

Vamos imaginar um mundo perfeito onde todas as pessoas receberam uma boa educação financeira na escola e aprenderam como ganhar, poupar e investir o próprio dinheiro pensando no futuro. Imagine que essas pessoas financeiramente educadas conseguiram votar em políticos que mudaram as regras do jogo pela última vez. Agora, as pessoas terão o direito de tomar decisões sobre onde e como investir os recursos da sua aposentadoria e FGTS.

Imagine que você vive neste mundo perfeito e que entre os 22 e 65 anos recebeu esses R$ 360 (do INSS e FGTS) mensalmente em uma conta para investimentos que seria livre de taxas e imposto sobre o rendimento.

Durante esses 43 anos você investiu esses R$ 360 mensais em aplicações financeiras que renderam 6% ao ano acima da inflação ou 0,5% ao mês. Isso é o que você conseguiria se pudesse investir o seu dinheiro em um título público como o Tesouro IPCA oferecido através do Tesouro Direto para qualquer cidadão nos dias de hoje.

Agora vamos descobrir quanto você teria no futuro através do nosso simulador de juros compostos, onde você pode simular este ou outros valores. Veja a foto que tirei da simulação que fiz:

Durante os 43 anos poupando R$ 360 você teria acumulado R$ 185.760,00 fruto do seu trabalho. Os outros R$ 686.345,14 seriam gerados através do efeito dos juros compostos (juros sobre juros).

No gráfico, podemos observar que no meio da sua trajetória, os juros mensais do seu investimento (linha amarela) já seriam maiores que o valor investido mensalmente (linha vermelha). Isso significa que o seu investimento se tornaria um gerador de renda passiva que cresceria exponencialmente.

Como falei, esses 0,5% seriam acima da inflação através de um investimento como o Tesouro IPCA. As próprias prestações de R$ 360 por mês deveriam ser reajustadas pela inflação, pois seu salário certamente seria. Isso garantiria que no final do processo investimento você tivesse um valor futuro com o mesmo poder de compra de R$ 872 mil nos dias de hoje.

Ao completar seus 65 anos esses 872 mil, rentabilizados com 0,5% ao mês, produziriam uma renda de R$ 4.360,52 (0,5% ao mês) acima da inflação e sem a necessidade de gastar o valor principal. Se a sua rentabilidade fosse de 1%, a sua renda mensal seria de R$ 8.720,00. Sua rentabilidade dependeria apenas do seu nível de conhecimento sobre investir seu dinheiro aproveitando as oportunidades que o próprio mercado oferece para aqueles que já sabem investir. Se você optasse por gastar os juros e uma parte do valor principal, para não deixar herança para seus familiares, seu padrão de vida seria ainda maior. Qualquer pessoa pode aprender a investir.

Você ainda deve considerar que não passaria a vida toda ganhando o equivalente a R$ 1.000,00. Teoricamente as pessoas buscam mais conhecimento, experiência e qualificação profissional para ganhar mais com o passar do tempo. Durante seus 43 anos de carreira, sua renda mensal atingiria valores maiores e a suas contribuições para a aposentadoria também seriam maiores. Isso significa que no final de 43 anos você teria acumulado um valor muitas vezes maior do que esse apresentado na nossa simulação. Você também poderia optar por contribuir mais, por um tempo mais curto, para se aposentar antecipadamente.

Percebeu a diferença?

Agora você consegue perceber que jamais o INSS será capaz de garantir uma aposentadoria de R$ 8.720,00 para alguém que passou a vida toda recebendo um salário equivalente a R$ 1.000,00? O dinheiro que você está “contribuindo” nunca vai gerar os benefícios que seria capaz de gerar se você estivesse no controle dos seus investimentos.

Se as pessoas fossem preparadas para lidar com o próprio dinheiro e tivessem a liberdade de cuidar dos frutos do seu trabalho, o futuro seria bem diferente.

Infelizmente vendem a ideia de que as contribuições para o INSS e FGTS são direitos adquiridos, quando na verdade são obrigações que geram resultados ineficientes ou nulos como qualquer imposto. Uma poupança forçada não é um direito. O verdadeiro direito, que o Estado tira das pessoas a todo momento, é o direito de ter liberdade sobre os frutos do seu trabalho e das suas iniciativas empreendedoras. O pior é que movidos pela ignorância financeira, milhões de pessoas perdem tempo e energia defendendo a existência de sistemas como esse.

Quebrando suas pernas

Dizem que o governo é especialista em quebrar as suas pernas, para depois te “dar” uma cadeira de rodas. Essa cadeira será comprada com o dinheiro dos impostos que você trabalhou para pagar. O governo ainda te fará acreditar que andar é um direito conquistado, um benefício que só é possível graças ele. Você vai acreditar, vai votar e defender os políticos que “trabalham” para garantir o seu “direito” de andar e o “benefício” de ter uma cadeira de rodas “grátis”.

Infelizmente é isso que acontece com a previdência social e outras formas de retirar dinheiro das pessoas utilizando desculpas de que são direitos e benefícios.

Quanto maior for a transferência de dinheiro da população para um sistema ineficiente, mais o país elevará seus índices de pobreza.

Lutar contra a ignorância financeira, econômica e política de centenas de milhões de brasileiros é uma tarefa difícil e demorada. Enquanto as pessoas continuarem exigindo direitos, benefícios e privilégios dos políticos (exigindo mais pão, como mostrei no artigo anterior), achando que estão resolvendo seus problemas, teremos cada vez mais recursos saindo do bolso da sociedade e desaparecendo no buraco negro de ineficiência do sistema público.

Um país rico é aquele formado por pessoas que sabem cuidar do seu próprio dinheiro, para que um dia possam se tornar pessoas ricas graças aos frutos do próprio trabalho, da poupança e dos investimentos feitos com inteligência.

Um país pobre é aquele que possui um governo que tiram cada vez mais dinheiro e liberdade das pessoas para garantir direitos e benefícios através de um sistema ineficiente e corrupto de “distribuição de pão”. A ideia é gerar cada vez mais dependência e não liberdade.

As pessoas precisam ter mais liberdade para construir o próprio futuro.

Vamos nos adaptar:

Já que mudar um povo pode demorar décadas ou séculos, o Brasil continuará sendo um país de juros reais elevados e inflação elevada. Ficar reclamando não resolve o seu problema. Você precisa se adaptar ao sistema para poder sobreviver e garantir um futuro melhor para você durante sua aposentadoria.

Por este motivo, você precisa iniciar uma estratégia para garantir a sua aposentadoria utilizando as regras do jogo vigentes e mantendo o máximo de controle sobre seus recursos para que possa se adaptar sempre que as regras do jogo mudarem no futuro.

Não tenha dúvidas de que as regras do jogo sempre serão modificadas. Sempre foram e por este motivo, sempre serão.

Basta olhar todas as medidas políticas e econômicas envolvendo investimentos, previdência privada e pública, impostos e tudo que envolve seu dinheiro nos últimos 30 anos. Se mudanças aconteceram inúmeras vezes no passado, tudo indica que o padrão vai se repetir nas próximas décadas.

O mais importante só depende de você. Será a sua capacidade de adaptação e seu conhecimento, pois a única certeza que temos é que nada será certeza por muito tempo. Não importas e você tem 20, 30, 40, 50 ou 60 anos de idade. É uma questão de sobrevivência ter um projeto pessoal para aqueles dias que você não terá mais a disposição, tempo e vitalidade para trabalhar como nos dias de hoje.

Se a ciência diz que viveremos por mais de 100 anos, que possamos planejar nossa vida com dignidade, sem depender dos governos, sem depender de favores dos filhos, parentes e amigos. Você só pode depender de você mesmo. O seu futuro depende daquilo que você irá começar a fazer agora. Continue lendo.

Presente

Este artigo que você acabou de ler é uma parte do livro digital “Aposentadoria em Perigo” que estou dando de presente para os leitores que adquirem a nossa série de livros sobre Reeducação Financeira e Investimentos. Quanto maior for o número de pessoas conscientes da necessidade de planejar o próprio futuro por meio da educação financeira, menores serão os sofrimentos e problemas financeiros que você irá presenciar na sua vida e na vida daqueles que você mais ama, quando esse futuro chegar. Visite aqui e veja como adquirir os livros.

 

Continue aprendendo...

Se você gostou desse artigo, tenho certeza que também vai gostar da série de ferramentas, planilhas e livros que preparei para ajudar você. São conhecimentos e ferramentas que desenvolvi para o meu uso e que agora estou compartilhando entre os meus leitores. Clique aqui para conhecer os livros.
Esse artigo foi útil?
Deixe-nos saber, se você gostou deste artigo. Só assim podemos continuar melhorando.
Sim
Não

Sobre o Autor:

Leandro Ávila criou o Clube dos Poupadores por acreditar que o conhecimento é uma riqueza que se multiplica quando dividida. Compartilhando o que sabemos, criamos um mundo melhor. Conheça os livros que ele escreveu sobre educação financeira, investimentos financeiros e imobiliários.
Alessandro Serafim
Visitante
Alessandro Serafim

Cuidado pois os 686k pagam IR de 15%, então o valor a receber, de fato, será menor.
Independente disso, o artigo é estupendo.
Já desisti do INSS há muito tempo e faço meus próprios investimentos…. estou preocupado pois surgiram alguns comentários sobre os “rentistas” (pessoas que recebem juros do Tesouro Direto) como sendo os vilões da desgraça do Brasil.
Faço votos que, quando o INSS quebrar de vez, não tentem usurpar esse investimento de longuíssimo prazo feito por nós, pobres mortais minimamente financeiramente instruídos.

Halisson
Visitante
Halisson

Como sempre, artigo de alta qualidade. Gostaria apenas de diferenciar alguns conceitos: primeiro, Previdência pode ser Pública ou Privada. A Previdência Pública pode ser o Regime Geral ou Regime Próprio dos Servidores Públicos. No Regime Geral da Previdência Social, o INSS(Autarquia Federal) apenas cuida do reconhecimento dos “Direitos” dos “Contribuintes”. A Arrecadação não é destinada para o INSS, a Arrecadação é efetuada pela Receita Federal do Brasil. Portanto, não existe a possibilidade isolada de o INSS “quebrar”, pois não é uma empresa. O que pode acontecer é a Previdência Pública, especificamente o Regime Geral da Previdência Social quebrar. Outra coisa, as “contribuições” previdenciárias não são destinadas ao INSS, muito embora a rubrica contábil de muitas empresas coloquem esses termos. Tecnicamente, é contribuição social do empregado ou uma contribuição social do empregador. Esclarecendo, essas confusões que o senso comum costuma fazer, concordo com todo o restante.

Jefferson
Visitante
Jefferson

Este artigo só veio reforçar o que eu sempre pensei. Muito didático e esclarecedor. Essa é minha meta. Investir Investirem ipca e não depender desta farsa chamada previdência. Parabéns Leandro.

Ricardo
Visitante
Ricardo

Olha Leandro,

A ideia principal do seu artigo – de que não existe almoço grátis – me fez lembrar um vídeo da Glória Alvarez na qual ela trata sobre o Populismo. Em um trecho do vídeo ela cita que para se manter no poder, líderes populistas prometem ao povo coisas “grátis”. Plantam no cidadão a ideia de que o Governo pode controlar sua vida – e seu dinheiro – melhor que você mesmo. É assim com Previdência e com tudo que o Governo “oferece”. No final o efeito é sempre o mesmo: Criar um vínculo de dependência. Deixo abaixo o vídeo para que seus leitores possam ver.

https://m.youtube.com/watch?v=MZYEFNMdxG4

Abraços!

Vinícius
Visitante
Vinícius

Leandro, boa noite! Excelente o conteúdo dessa série de artigos. É preciso que todos se conscientizem que todos nós temos nossas próprias pernas para seguir nosso caminho e que não devemos ficar presos às muletas que o Estado tenta nos impor. Abraços!

Marlos
Visitante
Marlos

“Um país rico é aquele formado por pessoas que sabem cuidar do seu próprio dinheiro, para que um dia possam se tornar pessoas ricas graças aos frutos do próprio trabalho, da poupança e dos investimentos feitos com inteligência….”

“Ficar reclamando não resolve o seu problema. Você precisa se adaptar ao sistema para poder sobreviver e garantir um futuro melhor para você durante sua aposentadoria…”

Perfeito.

Destaco esses dois pontos pois estive no time dos reclamações ‘pós futebol do final de semana’. Confesso que demorei para me ligar (tenho 32 anos) do quão importante é dar valor ao dinheiro que você rala para conquistar no final do mês, poupando e planejando sobre o que você terá no futuro (e por que não agora também?). Velho clichê, porém verdadeiro: só depende de nós. Simples assim.

Show, Leandro. Muito bom.

Leonardo
Visitante
Leonardo

Leandro, Muito obrigado pelo seu artigo.

Depois de conhecer seu blog, aprendi a me desenvolver e a buscar novas formas de desenvolvimento.
Uma dessas formas, foi buscar minha “propria” aposentadoria. Não quero depender do governo para garantir minha sobrevivencia futura.
Falando em futuro, estou lendo o livro novo do Yuval Noah Harari, “Homo Deus” e entre as perspectiva descrita no livro para o futuro da humanidade é aquilo que você disse no artigo, que é o prolongamento da espectativa de vida do ser humano.

Douglas
Visitante
Douglas

Primeiro queria parabenizar você pelo seu trabalho! Parabéns! O seu site é um dos melhores senão o melhor sobre finanças/economia/investimentos! Mas com relação a este artigo sempre me paira uma dúvida. Concordo com praticamente tudo que você expôs, porém não acredito que as pessoas saibam o que fazer com o dinheiro e também acredito que não poupariam/investiriam para uma aposentadoria. A grande maioria nem pensaria na própria aposentadoria. E mesmo que o país fosse bem educado financeiramente ainda assim existiriam aqueles milhões de pobres que nem pensariam a respeito do assunto!!! Isso é o que preocupa. É lógico que não penso que o governo é bonzinho e faz isso pelo bem da população. Outra questão que me veio a mente agora é que esse pessoal que não pensasse em aposentadoria necessariamente teria que trabalhar mais depois de velho e diminuiria a quantidade de pessoas que não trabalham na terceira idade, mas aí são outros quinhentos…

Vinicius B. Cabelleira
Visitante
Vinicius B. Cabelleira

Parabéns Leandro por essa sequência de artigos sobre Aposentadoria. Momento mais que oportuno frente aos acontecimentos que estamos passando em nosso País. Estava conversando sobre esse assunto com minha família mês passado e buscando informações sobre essa questão. Obrigado por compartilhar seu conhecimento e empoderar as pessoas com sua experiência! Sucesso

Thayani
Visitante
Thayani

Lindo artigo! estou sem palavras, quando se põe em números o descaso daqueles que deveriam nos representar é assustador, é horripilante, é um soco no estômago… e esse soco levamos todos os dias e levaremos até morrer. Mas como você mesmo disse, o que cabe a nós fazermos é nos adaptar (criar músculos fortes pra aguentar os socos) e lutar mais pra ter um lugar melhor lá na frente.

Diego
Visitante
Diego

Muito bom essa segunda parte também. Aqui os artigos são de qualidade e as tuas respostas nos comentários também. Eu leio o texto e fico alguns dias acompanhando os comentários. Sempre tem alguém com uma dúvida interessante e você sempre responde.
O teu site me ajudou a tirar a maior parte do meu dinheiro da poupança, e me ajuda a fazer escolhas mais adequadas com o dinheiro que faço sobrar no final do mês.
Obrigado e parabéns.

Roseli
Visitante
Roseli

Ótima análise Leandro, mais um excelente artigo!

Guilherme
Visitante
Guilherme

Ótima sequência!

Mostra um modelo de Estado muito diferente do qual estamos acostumados aqui.

Por falar em calote, nosso Estado é perito em diversificá-lo. Já viram que o Tesouro Direto aumentou significativamente o spread na recompra de títulos públicos? Alteram as regras do jogo sem prévio aviso, como de costume. Confiscar poupança é para amadores…

Fernando
Visitante
Fernando

Parabéns pelo artigo, Leandro. Obrigado

Tadeu
Visitante
Tadeu

Obrigado, Leandro.

Os cálculos apresentados indica que a falta de conhecimento leva a pagarmos mais para o governo administrar o nosso dinheiro da pior forma possível…

Leonardo carvalho
Visitante
Leonardo carvalho

Ola Leandro! Artigos excelentes, que explanam de uma forma muito clara como somos roubados , e pior, enganados pelo governo.
Uma alternativa, que o governo jamais aceitará, e a opção de não contribuir compulsóriamente para a previdência social e fgts, e com esse dinheiro a própria pessoa faz suas escolhas. Parabéns!

Marcos
Visitante
Marcos

Vale lembrar, que se as despesas/impostos que constam na folha de pagamento ao invés de ir para o governo fosse revertido em salário, teríamos melhores condições para constituir uma aposentadoria digna.

Luis
Visitante
Luis

Olá Leandro,

Na minha opinião o problema não é quanto o governo ”retém” do salário do empregado nem quanto ”obtém” em encargos trabalhistas do empregador, mas sim quanto ele rouba ou desvia de todos, pois se voce der o FGTS mensal mente para a maioria absoluta dos trabalhadores, o qual eles tem direito, quando forem mandados embora do emprego ou se aposentarem sabe quanto eles teriam poupado? ____ZERO $$$$$$$$____ e no caso de saúde, com esses 8% que ele pouparia do salario muitos não consegueriam fazer tratamentos medicos ou cirurgias mais complexas. Basta ver que em muitos países em que a população tem tudo, os encargos são bem altos, inclusive a idade de aposentadoria é bem avançada. Mas o texto tem muitas verdades também…e eu não quero me alongar com voce e os colegas leitores…rs

Abçs

André Masqueti
Visitante
André Masqueti

Parabéns Leandro, seus artigos são excelentes!
Acompanho sua pagina desde meados do ano passado, seus artigos foram a base que fizeram eu entrar de cabeça no mundo dos investimentos, foi através deles que tive base para começar a investir no tesouro direto, o que me proporcionou ótima rentabilidade.
Esse ano concentrei meus investimentos na bolsa, mas sem deixar o tesouro direto de lado.
Acredito que toda essa turbulência que estamos passando são ótimas oportunidades, estou adorando isso, pois quem tem informação está tirando proveito disso, ganhando dinheiro seja na alta ou na baixa da bolsa, enquanto a grande maioria só enxerga o copo vazio.

Grande abraço, obrigado por compartilhar sua visão conosco.

Dema
Visitante
Dema

A muitos anos comento sobre a possibilidade do trsbalhador optar ou nao a apos.governamental. O encargos obrigatorios da empresa seriam feitos em uma conta em organismo financeiro e o trabalhador escolhe tipo de investimento onde quer aplicar,
ex. Lci,lca,cdb,etc apenas invest. de baixo risco e com garantia. Claro que devemos levar em consideracao no modelo a assist.medica,ainda que precaria hoje, porem no atual modelo ela existe.

Antonio Carlos
Visitante
Antonio Carlos

Leandro, seus livros são somente ebook? Não tem impresso?

CAROLINA
Visitante
CAROLINA

Olá Leandro,
Sempre acompanho seus artigos e gosto bastante. Como iniciei minha carreira como autônoma, sempre procurei guardar para investir na minha carreira e tb para a aposentadoria, pois nunca cogitei depender do INSS… mas…. Não podemos esquecer que em caso de doença grave ou alguma incapacidade, que às
vezes acontecem qdo a pessoa é ainda jovem, o INSS é importante.
Abs

José Claudio
Visitante
José Claudio

Boa Noite Leandro!
Muito esclarecedor o assunto das manobras do governo em relação ao dinheiro arrecadado. Com relação ao populismo, li a seguinte frase: “o populismo ama tanto os pobres que os multiplicam”. Aguardando as próximas dicas, pois as necessito. Pena que não conseguimos reverter os depósitos de INSS e FGTS,ou ao menos, se tivéssemos a possibilidade de contribuir com percentual opcional. Muito Obrigado!

Peter
Visitante
Peter

Leandro,

Adorei o artigo e deixo uma sugestão: Simular segundo as novas regras proposta pelo governo o valor de uma aposentaria para as pessoas que não se enquadram nem mesmo na regra de transição.
Pelas minhas contas de padaria os “benefícios” devem ficar na ordem de 20% do valor atual.

Paulo Cesar
Visitante
Paulo Cesar

Professor Leandro, seu pragmatismo financeiro é estupendo. Felizmente você quase não se deixa contaminar pelo viés ideológico em seus ensinamentos. Outrossim, tanto os gestores públicos (governos) quanto os privados (bancos e corretoras) irão gerir o dinheiro do cidadão de forma ineficiente e prejudicial se tiverem poderes excessivos sobre ele. Estão aí os títulos de capitalização e outras porcarias, as quais não me deixam mentir. Porém, você bem sabe que jamais existirá o mundo perfeito composto apenas de pessoas educadas e conscientes. Desde sempre, há a população inculta, ignorante, dependente e altamente manipulável por políticos populistas de todas as matizes, tanto à esquerda quanto à direita. Desta forma, vejo o seu site como um oásis de conhecimento para nós em meio a um deserto altamente hostil representado por políticos corruptos, empresários inescrupulosos e outros bandidos de toda espécie. Não estamos sendo assolados apenas por criminosos do colarinho branco. Eu, por exemplo, resido em uma cidade do nordeste na qual, atualmente, não se pode sair de casa com um celular na mão, pois a sua chance de ser assaltado é absurdamente alta. Usar um ônibus coletivo então é um verdadeiro filme de terror. Parece-me que o Brasil está a beira do caos total, do “salve-se quem puder” !!

Ferdinando
Visitante
Ferdinando

Hj com 30, a meta perfeita seria me aposentar por conta própria aos 50, mas sendo aos 60, acho muito válido. Para então só trabalhor por prazer.
Hj ainda não tenho filhos, mas quando tiver, vou iniciar sua aposentadoria a partir do nascimento, para que aos 30 ele possa seguir seus sonhos sem medo.

Luciano Flores
Visitante

Fantástico! É a palavra que costumo usar para definir algo que é muito, muito bom, é algo além de excelente. Artigo fantástico. Pelo número de assinantes e leitores, pode ter certeza que tu estás fazendo a tua parte….ajudando a mudar a mentalidade do nosso povo, ignorante financeiramente. Sobre aposentadoria, melhor ainda é quando conseguimos identificar nosso propósito, o que nos leva a ser mais produtivos, mais felizes, ajudar mais pessoas e ganhar mais dinheiro. É quando não ficamos mais olhando para o relógio, torcendo para a vida passar mais rápido. É quando nao ficamos mais 5 dias fazendo o que odiamos para “aproveitar a vida” em 2 (que lógica há nessa matemática?). Quando estamos cumprindo nosso propósito, não há aposentadoria!! Parabéns pelo trabalho!

Anderson E. dos Santos
Visitante
Anderson E. dos Santos

Excelente artigo. Mas, infelizmente, na sociedade brasileira, a educação financeira ainda é o pilar da ignorância. Atingir esse grau de instrução sobre os frutos do próprio trabalho, ainda zelando pela longevidade de tais frutos, significa exterminar filosofias de vida mantidas por gerações, que se resumem no trabalhar hoje pra comer amanhã. Extermínio que julgo improcedente sem o papel das Escolas, instituindo a educação financeira como disciplina eletiva.

Jeovan santos
Visitante
Jeovan santos

Muito obrigado Leandro,mais um conteúdo de grande importância para nós leitores dos seus artigos. Excelentíssimo trabalho que você vêm fazendo pra nós fortalecerem de conhecimento sobre investimentos.
Obrigadooooooooooooooooooooooo!

Paulo Simões
Visitante
Paulo Simões

Boa noite, Leandro. Não há como o INSS e FGTS serem opcionais já que você demonstrou brilhantemente todos os ganhos que os governos têm “investindo” eu diria surrupiando o nosso dinheiro? Nos países dito “desenvolvidos” eles também continuam a contribuir e apesar de usufruirem um pouco mais de anos na aposentadoria eu acho que em alguma Democracia DEVERIA ser de livre arbítrio do trabalhador assalariado fazer o que quiser xom o seu dinheiro tenso a única obrigação de pagar Imposto de renda porém de padrões aceitáveis e justos. Na minha santa ignorância, há alguma sociedade nessa globalização onde isso exista??

Renato Mello
Visitante
Renato Mello

Olá Leandro. Ótimo artigo como sempre. Gostaria de saber se você presta consultoria financeira?

Raphael
Visitante
Raphael

Leandro , parabéns. Tenho 38 anos e há cerca de 3 anos comecei a iniciar meus investimentos e de um ano pra cá acompanho seu blog. Graças a você já acúmulo um patrimônio satisfatório nas minha condições e certamente minha independência financeira chegará nos próximos 2 a 3 anos. Quanto a seu assunto, bastante simples porém de importância ímpar. Quero concordar com o Douglas, não acredito que a população em geral na qual você fez menção recebedora do salário de 1000 reais, saberia lidar com essas aplicações que menciona. Conheço muitos médicos, advogados e engenheiros com dívidas que recentemente ao serem demitidos num hospital, estavam contando com “esse ” dinheiro para quitar suas “dívidas”. O problema maior você já abordou anteriormente. É a educação. O governo de fato faz questão de que essa educação seja cada vez pior pois isto lhes favorecem. Um abraço

Marcelo
Visitante
Marcelo

Mais um excelente artigo. Eu tento repassar estes conhecimentos aos familiares e amigos, mas as idéias são vistas como algo impossível de alcançar e prazo muito longo. De cada 10, apenas 1 apresenta uma leve preocupação e, mesmo assim, não se prepara para o futuro.

Uma dúvida: como tirar o valor que possuo das garras do Governo? Comprar um imóvel em outra cidade seria possível?

Muito obrigado e continue com este projeto espetacular .

Cinthia Machado
Visitante
Cinthia Machado

Bom dia, Leandro!

Parabéns pelo artigo. Mais uma vez tentando lançar alguma luz sobre esse assunto tão mal difundido que é a a crença do governo na incapacidade dos trabalhadores cuidarem do seu próprio dinheiro.

Obrigada por compartilhar!

Abraço,

Cinthia

Daniel
Visitante
Daniel

Brilhante artigo!! Triste realidade!
Abs

diego
Visitante
diego

Parabens leandro, ótimo artigo,sei que o site é apartidário, mas sinto um cherinho de liberalismo rsrs enfim ansioso pelas dicas praticas! Alguma previsao?

Alison
Visitante
Alison

Interessante você divulgar isso publicamente Leandro, só reforçar e estimula o investidor iniciante. Nessa perspectiva de longo prazo estou fazendo aportes no tesouro IPCA 2024 e agora achei uma LCI atrelado tbm ao IPCA + 6,15, isento de imposto de renda. Uma boa estratégia pra longo prazo?

Guilherme
Visitante
Guilherme

Ótima análise, Leandro!

Apenas uma questão: não acha que deveria ter alguma forma de assistencialismo (saúde, aposentadoria) para aqueles mais pobres, que não tem condição alguma de pagar um serviço particular de saúde? Abraço!

Ilson Zenker
Visitante
Ilson Zenker

Parabéns pelo artigo. Concordo quando referes que a previdência seria uma pirâmide, pois baseia-se num crescimento quase infinito da base de contribuintes. Porém, lembro que os institutos de previdência também funcionam como seguradoras para seus contribuintes e familiares.

Ariadna
Visitante
Ariadna

Excelente artigo!

Marcos
Visitante
Marcos

Olá Leandro: não entendi bem quando vc disse:

“Somando os pagamentos de INSS (R$ 280) e FGTS (R$ 80) podemos afirmar que o governo está obrigando você a produzir R$ 360 a mais…”

No exemplo que vc utilizou, ao simular um salário de 1.000,00, os encargos sociais referentes a INSS seriam de 200,00 e, de FGTS, de 80,00. Então, a soma não deveria ser 200,00 + 80,00 = 280,00?

Antônio Soares
Visitante
Antônio Soares

Olá Leandro, estou lendo teus livros, são melhores do que muitos cursos sobre educação financeira que existem no mercado. Eu sou aposentado por tempo de contribuição, mas continua trabalhando para constituir uma aposentadoria que não dependa de governos, porque eu nunca acreditei neles. Um bom exemplo é a Grécia.

Daniela Ribeiro
Visitante
Daniela Ribeiro

Acompanhar seus artigos foi uma das escolhas mais bem sucedidas que fiz. Consigo entender e crescer de uma forma muito tranquila e consciente. Obrigada!

Gonçalo
Visitante
Gonçalo

Obrigado, Leandro!! Abraços!!!

Jose Marques
Visitante
Jose Marques

Olá. Belo artigo. O problema do INSS seria resolvido assim: devolver ao aposentado tudo o que ele e empresa contribuiu ao longo de 35 anos, devidamente corrigido, e parar de pagar a “esmola” mensal. Isto vai de encontro de cada um ser o gerente do seu dinheiro.Mas os parasitas dos (des) governos não querem isso.

Fábio Bastos
Visitante
Fábio Bastos

Leandro, o povo brasileiro ainda vai levar muito tempo para aprender a lidar com dinheiro, até os mais esclarecidos demoram a perceber certas nuances do poder do dinheiro no tempo, nas armadilhas da poupança, previdência privada, etc.

Poucas pessoas que conheço, consegue guardar dinheiro para um futuro incerto, não conseguem nem criar um patrimônio, ficam contando com o FGTS e INSS para quando se aposentar.

Conheço pessoas que ganham muito bem, mas vivem endividadas, para elas é até benéfico usar o cartão de crédito, sei que vai discordar, mas acredite que muitas pessoas só conseguem guardar, comprar algo quando se faz alguma dívida, ninguém quer saber de guardar e aproveitar os descontos, se tentar guardar, vai gastar nas férias três meses depois.

Confesso que demorei um tempo para abrir meus olhos, mas estou fazendo minha parte agora, e agradeço os diversos escritores, assim como você, que de alguma forma conseguem nos ajudar de uma forma impressionante.

e que venham os próximos artigos…………..

Daniel Bizon
Visitante

Caro Leandro estou aqui perplexo refletindo sobre tudo o que você demonstrou em mais uma obra prima. Parabéns e um grande abraço!!!!!

Wilson Junior
Visitante
Wilson Junior

Estou gostando muito de acompanhar essa série de artigos, muito rica e de excelente qualidade, e você ainda disponibiliza o seu tempo respondendo seus leitores (admiradores), é incrível. Estou divulgado ao máximo o seu site para outras pessoas, é o mínimo que posso fazer, pretendo em breve adquirir os seus livros, o seu trabalho é extraordinário, realmente muda vidas. Então, temos um possível candidato para a eleição de 2018, Jair Bolsonaro, gosto muito dele, de direita, defende muitos dos mesmos ideais que acredito, mas, o que você acha dele? Será mais um populista dentre tantos outros se aproveitando do momento para se apoderar do sistema? Sei e tenho total consciência que não devemos depender do Estado, e sim ao contrário, buscar a nossa independência e liberdade.

Louis
Visitante
Louis

Olá Leandro,

por isso sou a favor do “estado mínimo”.
Uma coisa que vou ensinar para meu filho, é: tente não depender do governo para nada.
As pessoas estão jogando a responsabilidade do próprio futuro (aposentadoria) nas mãos dos bandidos. Será que não percebem isso?
E ainda hoje, li uma pesquisa em que a maioria da população se diz contra a PEC do teto dos gastos. Esse povo merece pagar mais imposto mesmo!

Aline
Visitante
Aline

Parabéns por mais um artigo esclarecedor. Você pensa em escrever algum artigo sobre o funcionamento de previdências em outros países?

Compartilhe com um amigo