Aposentadoria em Perigo – Parte 5

Vamos falar hoje sobre como investir pensando na sua aposentadoria. É a última parte da série de cinco longos artigos que escrevi sobre o assunto. Para ler os artigos anteriores visite a parte 1, parte 2, parte 3 e parte 4.

Na última parte vimos que os planos de previdência privada, fundos de pensão e instituições de previdência geridas pelo setor privado e público, investem grande parte do dinheiro das pessoas em títulos públicos. Elas lucram quando fazem o papel de “ponte” entre o seu dinheiro e os cofres do governo. Como todas as instituições cobram taxas administrativas, você será obrigado(a) a pagar um “pedágio” elevado para investir seu dinheiro em títulos públicos emitidos pelo governo.

Vimos que existem planos de previdência oferecidos por grandes bancos que cobram taxas administrativas acima de 3,4% ao ano. Pagar 3,4% ao ano em um rendimento que rende por volta de 10% significa jogar um terço da sua rentabilidade anual pela janela. Certamente ninguém joga dinheiro fora de maneira consciente. Essas taxas abusivas são um sintoma da ignorância financeira das pessoas. Não seriam praticadas se as pessoas soubessem o que estão fazendo.

Não é direto, mas é 10 vezes mais barato:

Neste artigo veremos que existem formas de investir nos mesmos títulos públicos, com taxas 10 vezes menores, através do Tesouro Direto.

No ano de 2002, o Tesouro Nacional fez uma parceria com a BM&FBOVESPA (bolsa de valores) para criar o Tesouro Direto. A ideia era permitir que pessoas físicas pudessem comprar títulos públicos através da internet, com custos menores. Antes da criação do Tesouro Direto a única forma possível de investir em títulos públicos era de forma indireta. Um exemplo eram os fundos de investimento (como os fundos DI e de renda fixa) oferecidos por bancos e instituições financeiras que cobram taxas administrativas elevadíssimas nas suas modalidades mais acessíveis e populares.

O Tesouro Direto não é tão direto assim. Ele é operacionalizado pela BM&FBOVESPA que, por sua vez, depende das corretoras de valores que ficam na linha de frente atendendo o grande público. Por este motivo, da mesma forma que você não pode comprar ações na bolsa de valores diretamente, pois depende das corretoras, não é possível investir em títulos públicos pelo Tesouro Direto sem ter uma conta em alguma corretora. Mesmo fazendo a compra no site do Tesouro Direto (como ensinei aqui) é necessário que você abra uma conta em uma corretora.

As corretoras são responsáveis por cadastrar novos investidores no Tesouro Direto. São elas que oferecem suporte e atendimento aos investidores. São elas que oferecem a conta de onde o seu dinheiro sairá e para onde retornará quando comprar ou vender títulos públicos. A corretora também é a responsável por recolher o imposto de renda sobre a rentabilidade dos títulos e de fornecer dados para que você preencha seu imposto de renda (caso você seja obrigado a declarar imposto de renda anualmente). As corretoras funcionam como intermediadoras pelo simples fato do Tesouro Nacional e a própria BM&FBOVESPA não realizarem o atendimento direto ao público.

A BM&FBOVESPA não trabalha de graça. Ela cobra uma taxa anual de 0,3% sobre o valor dos seus títulos pelo serviço de custódia, ou seja, pelo serviço de manter os seus títulos guardados e vinculados ao seu nome em um lugar seguro. Não é muito diferente de quando você compra ações e elas ficam custodiadas na BM&FBOVESPA, vinculadas ao seu nome.

É por este motivo que ao acessar o endereço https://cei.bmfbovespa.com.br/ os investidores podem consultar as ações que possuem, seus títulos públicos e seus fundos imobiliários. É por este motivo que a compra de títulos públicos pode ser feito pelo site da BM&FBOVESPA no endereço https://tesourodireto.bmfbovespa.com.br/PortalInvestidor/ sem a necessidade de você acessar a página da sua corretora, embora seja obrigado a indicar a corretora que usará no momento da compra do título.

Além desta taxa anual de 0,3%, algumas corretoras também cobram uma taxa anual. Já existem grandes corretoras que isentam seus clientes destas taxas. Elas também não trabalham de graça, mas usam a taxa zero como estratégia de marketing. Ao atrair muitos clientes elas podem oferecer outros produtos financeiros como o investimento em ações, fundos imobiliários, fundos de investimento e até títulos privados como CDB, LCI, LCA e debêntures. Todos eles geram alguma remuneração para a corretora.

O investimento que eles querem esconder

Já os grandes bancos são os que cobram as maiores taxas para que você invista no Tesouro Direto através das corretoras do banco. Todo grande banco possui sua corretora. Para ver a tabela de taxas visite aqui. A grande verdade é que os grandes bancos lucram fortunas quando convencem você a investir em fundos de investimento, planos de previdência e títulos de capitalização. Em todas essas modalidades eles cobram taxas muito elevadas e rentabilizam seu dinheiro investindo em títulos públicos.

Não faz sentido para um grande banco motivar ou ensinar você a investir em títulos públicos, pois seria o mesmo que entregar a “galinha dos ovos de ouro”. Não espere que o gerente do seu banco fale sobre títulos públicos com você. Provavelmente ele nem recebeu treinamento para isso. A maneira mais barata de investir em títulos públicos é através das corretoras independentes (desvinculadas de bancos). Para aprender como escolher uma corretora, veja qui.

Para que você se torne um investidor de verdade é fundamental perder o medo de investir através das corretoras. Tenha certeza que as grandes fortunas do Brasil movimentam bilhões todos os dias através das corretoras. Somente os pequenos investidores e os mais leigos continuam investindo tudo que possuem através dos grandes bancos, para alegria dos sócios dos bancos. Escrevi um artigo para que você perca o medo de investir.

Melhores títulos para sua aposentadoria

Existem diversos tipos de títulos públicos, mas dois deles são os mais importantes quando pensamos em acumular recursos para a aposentadoria. O primeiro é o Tesouro Selic e Tesouro IPCA. Já ensinei como investir usando o Tesouro Selic neste artigo e ensinei como usar o Tesouro IPCA neste outro. Você verá que são artigos longos e detalhados.  Na categoria “Tesouro Direto” no menu do site você também encontrará outros artigos gratuitos que já escrevi sobre os investimentos em títulos públicos.

Também ensino sobre esses e todos os outros investimentos na minha série de livros sobre reeducação financeira e investimento (clique aqui). Pode ficar despreocupado. Eu já fiz a parte mais difícil que foi estudar todo o material técnico e disponibilizar tudo que você precisa saber de uma forma didática e fácil de entender. Você ficará com a parte mais fácil que é dedicar um pouco de tempo e atenção para aprender a se tornar um investidor de verdade.

Se falta alguma motivação para dedicar mais do seu tempo para se transformar em um investidor de verdade, fiz algumas simulações com fortes motivos.

Motivação: 5 vezes mais rico

Vamos imaginar que no ano de 2005 (11/08/2005) você fez um investimento pensando na sua aposentadoria. Naquele ano o governo começou a vender um título público que se chamava NTN-B Principal e que hoje se chama Tesouro IPCA. Através das planilhas com o histórico dos preços dos títulos (neste endereço aqui) podemos saber que o preço de compra do título Tesouro IPCA que vence em 2024 era de apenas R$ 310,05. Imagine que naquele tempo você tomou a decisão de comprar 100 títulos de R$ 310,05 totalizando um investimento de R$ 31.005,00. Seu objetivo era esperar o vencimento do título em 2024 com foco na sua aposentadoria, podendo reinvestir o dinheiro por mais tempo ou não.

Quando o título foi comprado a promessa do Tesouro era pagar uma taxa de 8,90% de juros ao ano + IPCA (inflação oficial calculada pelo IBGE). Para os padrões de hoje, era uma taxa excelente que criou uma janela de oportunidade fantástica para os poucos brasileiros que já tinham dedicado tempo aprendendo a investir em títulos públicos.

Neste simulador aqui podemos descobrir que a inflação medida pelo IPCA entre a compra do seu título em 08/2005 e 08/2016 foi de 90,93% (90,9324600%) em 11 anos ou 132 meses. Transformando isso em uma taxa anual equivalente teríamos 6,06% ao ano de inflação (6,0557002%). A fórmula do Excel para descobrir essa taxa equivalente seria “=POTÊNCIA(1 + 90,93%; 1/11) – 1″. Para saber mais sobre taxas equivalentes visite aqui.  Isso significa que reajustando os R$ 31.005,00 que você investiu apenas pela inflação, seu saldo até 08/2016 seria de R$ 59.198,61.

Só que você ainda receberia 8,90% de juros ao ano acima desta inflação. Como já sabemos que a inflação média em 11 anos foi de 6,06% podemos fazer simulações sobre o futuro através do próprio tesouro direto neste endereço aqui.

Veja uma simulação que fiz para exemplificar uma venda antecipada do título:

No primeiro campo informei que o investimento foi feito no Tesouro IPCA+. Na data de compra informei 11/08/2005 que foi o dia que compramos o título dentro do nosso exemplo. A data de vencimento do título Tesouro IPCA 2024 aparece nesta página aqui. No nosso exemplo compramos 100 títulos que em 11/08/2005 custava R$ 310,05 com taxa de 8,90% como foi possível ver nesta tabela. Por este motivo preenchi 31.005,00 no campo “valor do investimento” e 8,90 no campo “taxa do papel”. A taxa de administração é 0,0% levando em consideração que você está utilizando uma corretora que não cobra taxas. A inflação média do passado, como já mostrei anteriormente, foi de 6,06%. Clicando em “simulação avançada” foi possível preencher o campo “data de venda” e “taxa do papel  na venda” com dados que retirei desta outra tabela.

O resultado da simulação mostra que se em 11/08/2016 você resolvesse vender antecipadamente os 100 títulos que você comprou por R$ 31.005,00 em 11/08/2005, receberia R$ 161.813,71 do governo. Este valor é líquido, ou seja, está livre da taxa de 0,3% ao ano da BM&FBOVESPA e do imposto de renda sobre os rendimentos que seria de 15%.

A simulação diz que sua rentabilidade média anual líquida seria de 16,27% que é o resultado dos 8,90% fixos que você recebeu ao ano + IPCA que é a inflação. Em 11 anos os R$ 31.005,00 que você investiu renderia 521,8%, ou seja, seu patrimônio teria se multiplicado por 5. Isso seria o resultado de um investimento de apenas 11 anos. Um jovem de 25 anos que tem planos para se aposentar com 65 passaria 40 anos fazendo investimentos em títulos públicos e os resultados seriam muito expressivos. Vamos ver na próxima simulação o que aconteceria se você esperasse o vencimento do título em 2024 completando 19 anos de investimento.

Motivação: 12 vezes mais rico:

Veja como fica a simulação sem venda antecipada do título, ou seja, onde você irá esperar o vencimento do título que só ocorrerá em 2024.

 

Na simulação anterior, com venda antecipada do título em 11/08/2016 foi possível informar a inflação média que foi registrada em 2005 e 2016. Nesta nova simulação estamos supondo que a inflação média, medida pelo IPCA, entre 2005 e 2024 será de 6,06%. Como não temos meios de saber a inflação do futuro, neste tipo de simulação com previsões sobre o futuro será necessário chutar uma inflação média futura.

Dessa forma, o valor de R$ 31.005,00 investido em 2005 se transformaria em R$ 395.707,02 depois de 19 anos de investimento. Dividindo um valor pelo outro e multiplicando por 100 temos 1238% = (395.707,02/31.005,00)*100. Podemos afirmar que em 19 anos seu patrimônio se multiplicaria por 12,7 vezes.

Se você for otimista com o futuro da nossa inflação poderá simular taxas menores. Simulei com a taxa média de 5%, que exigiria uma inflação futura dentro da meta, e o resultado foi R$ 327 mil (mais de 10 vezes o valor que você investiu).

Se o investimento fosse agora:

Agora vamos simular a compra de um Tesouro IPCA que vence em 2035 adquirido em 26/12/2016 (quando iniciei a escrita deste artigo) por R$ 1.038,97 e taxa de 5,87%. Vamos imaginar que você comprou os mesmos 100 títulos totalizando um investimento de R$ 103.897,00 para sua aposentadoria. Na simulação abaixo podemos ter uma ideia de quanto você terá em 2035 (19 anos de investimento). Para isso precisamos chutar uma inflação média para o futuro. Nos últimos 5 anos a inflação média foi de 7,32%. Nos últimos 10 anos a média foi de 6,02%. Nos últimos 20 anos a média foi 6,79%. Vamos chutar uma média de 6% ao ano para a inflação entre 2016 e 2035.

Seu patrimônio passaria de R$ 103 mil para R$ 718 mil entre 2016 e 2035. Ele ficaria 6,9 vezes maior, o que também é uma ótima forma de multiplicar seu patrimônio com o passar do tempo. Comparando com as primeiras simulações que fizemos utilizando as taxas oferecidas pelo Tesouro IPCA 2024, que era de 8,90%, podemos perceber que no momento em que as taxas estão maiores temos janelas de oportunidade para fazer investimentos de longo prazo no Tesouro IPCA. Quem estava preparado para investir em 2005 aproveitou uma boa oportunidade. Quem se preparou em 2015 também encontrou ótimas oportunidades quando as taxas ficaram entre 7% e 8%. É por este motivo que dizem que sorte é aquilo que acontece quando a oportunidade aparece no momento que você estava preparado. Sem preparo, não existe sorte.

Para fazer simulações considerando apenas os juros reais (acima da inflação) basta simular informando uma inflação zero.

Investimentos mensais para ficar com a média:

Quando investimos pensando na nossa aposentadoria é natural que o investimento seja feito mensalmente ou anualmente. Os valores mensais certamente serão menores que os apresentados nas simulações acima. No Tesouro Direto, tanto faz se você tem apenas R$ 100,00 por mês ou R$ 10.000,00. As taxas e condições de investimento são as mesmas, não importando se você fará investimentos pequenos ou grandes. O mesmo não acontece quando você investe em títulos privados como CDB, LCI e LCA, pois os bancos só oferecem boas taxas quando o valor investido é maior. O mesmo vale para os fundos de investimento e planos de previdência que cobram percentuais menores quando o investimento é muito elevado.

Quando você comprar títulos mensalmente, cada compra terá uma taxa de rentabilidade diferente. Você verá que as taxas mudam todos os dias. Essas variações refletem as expectativas do mercado com relação a nossa economia no futuro. Nos momentos de maior crise, quando o mercado acredita que a situação da economia irá piorar no futuro, as taxas de juros tendem a aumentar. Quando as expectativas sobre o futuro são mais otimistas, as taxas tendem a cair. O mercado nada mais é do que o conjunto de todos os investidores e isso inclui, eu, você, seus amigos, parentes e os outros.

Nos momentos de crise o número de pessoas com dinheiro disponível para investir cai. Os poucos que possuem dinheiro para investir ficam com receio de emprestar dinheiro para o governo quando as expectativas sobre o futuro da economia são negativas. Isso naturalmente faz as taxas de juros futuras aumentarem e isso reflete nas taxas que o Tesouro oferece nos títulos Tesouro IPCA e Tesouro Prefixado.

É natural que as taxas fiquem subindo e caindo todos os dias. Também será natural comprar títulos com taxas maiores e menores todos os meses. Você deve considerar que no final de vários anos você terá uma média dessas variações. Não é necessário muita preocupação com as taxas se você tomar a decisão de fazer investimentos regulares. Em alguns momentos você terá taxas dentro da média, em alguns momentos raros terá taxas acima ou abaixo da médica como podemos ver no próximo gráfico. Taxas boas tendem a compensar as taxas ruins e no final de vários anos você ficará com a média.

O gráfico acima foi gerado aqui. Aproveito para agradecer a alma caridosa que criou este site que gera gráficos. Esse gráfico mostra a variação da taxa de juros que o tesouro ofereceu entre 2006 e 2016 na compra do título Tesouro IPCA 2035 que antigamente era chamado de NTN-B Principal 2035.

Observe que nos últimos 10 anos a taxa flutuou entre 5,5% e 6,9% na maior parte do tempo. Foram raros os momentos em que a taxa ficou acima de 7% ou abaixo de 5,5%. Esses momentos fora do padrão foram marcados por crises. Um exemplo foi esse pico ocorrido entre 2008 e 2009 durante a última crise econômica mundial. Foi uma bela oportunidade para a compra de títulos Tesouro IPCA com taxas próximas de 9% ao ano. Entre 2012 e 2013 tivemos outro problema grave, era a gestação da crise econômica que estourou em 2014/2015. O governo resolveu baixar os juros utilizando o método “força bruta irresponsável”. Com várias “canetadas” o governo forçou a queda dos juros e manipulou a inflação. Preços administrados pelo governo foram congelados (como o Sarney fazia no tempo da hiperinflação), a contabilidade criativa (nome bonito para fraude contábil) virou uma regra, e outras medidas inconsequentes foram tomadas. O resultado foi uma queda forçada das taxas que logo depois resultariam em crise econômica, política e de credibilidade cuja as consequências ainda são sentidas.

Observe que em “condições normais” a taxa do Tesouro IPCA gravita em torno de 6% ao ano e diante de crises econômicas e políticas elas podem sair deste padrão por algum tempo.

Só invista depois de entender isso:

Antes de investir no Tesouro IPCA é fundamental que você compreenda por qual motivo o preço do título aumenta quando as taxas caem e abaixa quando as taxas sobem.

Tenho um artigo completo sobre o tema. De forma bem simplificada e didática posso resumir o conceito da seguinte forma. Na data de vencimento de 2035, todos os títulos Tesouro IPCA 2035 terão exatamente o mesmo preço. Não importa a data que você comprou o título, não importa a taxa oferecida naquele momento e não importa quanto você pagou pelo título. Todos os títulos Tesouro IPCA 2035 terão exatamente o mesmo preço em 2035.

É por este motivo que o preço sofrerá variação até 2035 sempre que a taxa de rentabilidade for modificada. Se hoje o governo oferece uma taxa de 10% acima da inflação para o título e amanhã, por algum motivo, ele resolve oferecer apenas 5%, para que isso seja possível o preço do título precisa ser menor quando a taxa era 10% e maior quanto a taxa era 5%. Por isto que o aumento das taxas faz o preço do título cair e a redução da taxa faz o preço do título subir. Isso pode gerar oportunidade de ganhos ou de perdas no caso de venda antecipada. Se não entendeu bem leia este artigo ou este outro artigo. Para quem está iniciando do zero eu recomendo reservar um tempo diário para estudar contando com a ajuda da minha série de livros. O melhor título para os iniciantes é o Tesouro Selic. Por ser totalmente pós-fixado ele vai seguir a taxa Selic, sem variações bruscas no seu preço até a data de vencimento. Para quem quer aprender a investir em títulos públicos eu recomendo começar pelo Tesouro Selic. Para quem vai entrar no mundo dos investimentos agora eu recomendo começar pela sua reserva de emergência. Invista primeiro no seu conhecimento.

Durante a sua aposentadoria:

Podemos dividir o seu projeto de aposentadoria em duas grandes etapas. A primeira é a fase de acumulação de recursos e a segunda é a fase de uso dos recursos. Quando você estiver aposentado deverá focar em investimentos que permitam fazer uso da renda que eles geram mensalmente.

Existe um tipo de título público chamado “Tesouro IPCA com juros semestrais” que permite receber juros semestralmente. Existe uma estratégia que você pode adotar para receber juros trimestrais ou bimestrais no lugar dos juros semestrais. Vou mostrar como funciona.

Observe que existem títulos com vencimento em anos pares e com vencimento em anos impares. Títulos com vencimento em ano par, como o Tesouro IPCA+ com juros semestrais 2026 e 2050, pagam os juros semestralmente nos meses de fevereiro (mês 2) e agosto (mês 8). Já os títulos com vencimento em ano ímpar, como o Tesouro IPCA+ com juros semestrais 2035, pagam os juros semestrais nos meses de maio (mês 5) e novembro (mês 11).

Isto significa que se você investir parte do seu dinheiro em um título que vence em ano par e outra parte em título que vence em ano ímpar é possível receber juros trimestralmente nos meses 02, 05, 08 e 11 de cada ano.

Você também pode investir parte do seu dinheiro em Tesouro Prefixado com juros semestrais (NTN-F) que tem uma rentabilidade prefixada, não é corrigida pelo  IPCA, sendo muito parecida com a Tesouro Prefixado (LTN), só que paga juros semestrais em janeiro (mês 1) e julho (mês 7).

Diversificando seus investimentos usando a estratégia acima, você poderá receber os juros dos seus investimentos nos meses de janeiro, fevereiro, maio, julho, agosto e novembro. Isso significa que você terá uma renda bimestral baseada no recebimento dos juros dos seus investimentos em títulos públicos. Nada impediria que você adotasse a mesma estratégia ao investir em títulos privados como CDB, LCI e LCA de diversos bancos com datas de vencimento diferentes.

Ouviram os pequenos

Recentemente uma pessoa entrou em contato comigo por e-mail dizendo que estava fazendo um trabalho de consultoria para a Secretaria do Tesouro Nacional e queria saber minha opinião sobre alguns pontos do Tesouro Direto. Veja o primeiro e-mail que recebi.

Provavelmente a empresa que a pessoa representa está vendendo essa consultoria para o Tesouro Nacional. Enviei muitas sugestões sem pedir nada em troca, mesmo sabendo que provavelmente essas sugestões serão vendidas através de algum tipo de relatório. Uma das sugestões que enviei foi sobre a variedade de vencimentos dos títulos. Na minha opinião o Tesouro poderia oferecer mais títulos com um número maior de datas de vencimento. Hoje temos títulos com prazos muito longos entre um e o outro. No caso do Tesouro IPCA temos um que vence em 2024 e outro em 2035. Seria muito interessante se existissem títulos entre essas duas datas. No caso do Tesouro IPCA com juros semestrais, eles vencem 2026, 2035 e 2050. Seria ótimo se existissem títulos com vencimentos entre esses títulos. No caso dos títulos com pagamentos de juros semestrais seria muito importante, para a estratégia que acabei de te ensinar, ter títulos suficientes para que um aposentado pudesse diversificar seus investimentos para receber juros todos os meses.

Eles gostaram do longo e-mail que enviei com todas as minhas críticas e sugestões. Espero que eles consigam implementar alguma coisa. Ficarei feliz se alguma coisa dita por mim puder ajudar a vida dos pequenos investidores brasileiros.

Enquanto isso… na televisão:

Um leitor aqui do Clube me enviou o link de uma de muitas reportagens que aparecem todos os dias na televisão estimulando a população a planejar a aposentadoria através de planos de previdência privada. O que mais chamou a atenção do leitor nesta reportagem foi a simulação que a emissora apresentou e que foi feita por algum “especialista”. Já falei em outras oportunidades que quando os “istas” (especialistas, jornalistas, economistas, analistas, etc) se unem para dizer onde você deve por seu dinheiro, o resultado não costuma ser muito bom. A televisão está cheia de gente falando, de forma superficial, o que a população leiga deveria fazer, quando o correto seria motivar a educação financeira das pessoas de forma que pudessem saber o que fazer sem depender dos “istas”.

O Pai da Fernanda (assista a reportagem primeiro), que aparece na reportagem, achou que estava fazendo um ótimo investimento deixando uma previdência privada para sua filha. Provavelmente durante o processo, ele jogou muito dinheiro pela janela sem saber o que estava fazendo.

A Fernanda, que certamente não recebeu a educação financeira que deveria ter recebido, vai iniciar sua vida achando que é um ótimo negócio transferir 5% da sua renda, pelo resto da sua vida profissional, para alguma empresa gerir os recursos da sua aposentadoria.

Veja o tamanho da catástrofe provocada pela ignorância financeira que passa de pai para filho. Aqui temos a simulação que apareceu na reportagem:

A Fernanda, mais uma vítima da ignorância financeira, terminou a reportagem (assista aqui), dizendo quais são seus planos quando se aposentar através da sua previdência privada. Com o rosto cheio de alegria e esperança, ela disse que pretende usar o dinheiro para morar em uma casa no campo em algum país da Europa. Ela ainda diz que pretende transmitir tudo isso que sabe sobre investimentos para seus filhos, que certamente serão mais vítimas da ignorância financeira transmitida de geração em geração.

Na simulação apresentada na reportagem, se a Fernanda investir R$ 250 por mês entre os 20 e 65 anos (45 anos ou 540 meses de investimento) o resultado será uma renda mensal de R$ 2.000 até o fim da vida ou um saldo de R$ 360 mil que poderá ser sacado. Com essa renda de R$ 2000 da previdência privada ou menos de 600 euros por mês, a Fernanda não vai conseguir viver em uma casa de campo em algum país europeu. Talvez consiga sobreviver, e não viver, como muitas famílias refugiadas na Europa depois de fugirem de países em guerra ou em crise humanitária. Possivelmente será uma crise humanitária que teremos no futuro se os brasileiros não se educarem financeiramente nas próximas décadas.

Vamos imaginar que a Fernanda resolveu investir seus R$ 250 na Poupança, que atualmente é um dos piores investimentos que temos no Brasil com relação a sua rentabilidade. Vamos usar nosso simulador de juros compostos para simular R$ 250 por mês durante 45 anos com uma taxa de 0,65% ao ano considerando a taxa de remuneração da poupança de 0,5% ao mês e uma TR de 0,15% média por mês. Para entender a remuneração da poupança visite aqui.

Veja o resultado:

Os R$ 250 por mês investidos por 45 anos resultariam em R$ 1.2 milhões na poupança. Parece muito? Faça suas próprias simulações aqui. É claro que antes de atingir R$ 1,2 milhões a Fernanda perceberia que existem outros investimentos com taxas de juros maiores e no final de 45 anos a sua rentabilidade mensal seria muito maior que apenas 0,65% ao ano. Mesmo com a rentabilidade de 0,65% ao mês a Fernanda receberia R$ 7.952,62 de juros por mês e não os R$ 2000,00 prometidos pelo banco que ofereceu sua previdência privada.

Adivinha quem vai ficar com toda essa diferença? Isso explica o fato dos bancos brasileiros serem os mais lucrativos do mundo e ao mesmo tempo serem os mais ineficientes (fonte). A origem do problema está na ignorância financeira das pessoas. Os bancos só transformam isso em oportunidade de negócio pelo fato de não serem instituições de educação e nem instituições de caridade. Precisamos assumir a responsabilidade sobre a nossa própria ignorância.

Esses valores acima não consideram o efeito da inflação. Vamos imaginar que durante todo o tempo a Fernanda comprou títulos públicos como o Tesouro IPCA e que durante este tempo ela conseguiu uma taxa média de juros de 6% acima da inflação ou 0,5% ao mês. Vamos imaginar que no lugar de investir R$ 250 por mês ela conseguiu investir uma média de apenas R$ 500 por mês durante toda a vida. Vamos usar o simulador de independência financeira.

Com 540 contribuições (45 anos) de R$ 500 corrigidas pela inflação rendendo uma taxa de juros reais de 6% ao ano acima da inflação a Fernanda se aposentadoria recebendo R$ 7.961 por mês até completar 95 anos de idade (360 meses ou 30 anos de saques mensais). Se os conhecimentos financeiros dela fossem maiores e capazes de gerar uma rentabilidade de 1% ao mês sua renda mensal seria de R$ 13.487,00 graças aos seus investimentos de R$ 500 reais durante sua vida produtiva. Certamente isso também não iria garantir uma vida confortável no interior da Europa, mas certamente ela seria uma aposentada privilegiada diante da realidade que nos espera no futuro vivendo em um país onde a regra é a ignorância financeira.

Se a Fernanda investisse R$ 1000 por mês sua renda ao se aposentar seria de R$ 23 mil. Investindo R$ 1500 a sua renda pularia para R$ 40 mil e agora sim ela poderia começar a sonhar com a possibilidade de morar em outro país. Faça suas próprias simulações.

Independente da inflação futura, das taxas de juros futuras e da nossa situação econômica e política, é impossível negar que ter o conhecimento para investir o próprio dinheiro é a principal riqueza que alguém pode adquirir durante a vida. Esse conhecimento é que vai te permitir tomar as melhores decisões diante de todas as possibilidades que os futuro nos reserva.

Se a Fernanda não perceber essa realidade o quanto antes, no lugar de passar a vida no interior da Europa ela passará o resto da vida no interior de um quarto escuro, nos fundos da casa de um dos seus filhos. Com sorte, seus filhos terão educação financeira suficiente e terão recursos para cuidar da mãe que durante a vida foi vítima da própria ignorância financeira.

Invista na sua educação financeira ainda hoje. O tempo não estará a seu favor enquanto você não souber investir o seu próprio dinheiro para planejar o futuro que você sonha ter. Existem centenas de artigos gratuitos aqui no Clube dos Poupadores e existe uma série de livros que escrevi com tudo que você precisa saber para assumir o controle da sua vida financeira sem depender do governo e sem depender das instituições de previdência. Comece a fazer alguma coisa agora!

Presente

Este artigo que você acabou de ler é uma parte do livro digital “Aposentadoria em Perigo” que estou dando de presente para os leitores que adquirem a nossa série de livros sobre Reeducação Financeira e Investimentos. Quanto maior for o número de pessoas conscientes da necessidade de planejar o próprio futuro por meio da educação financeira, menores serão os sofrimentos e problemas financeiros que você irá presenciar na sua vida e na vida daqueles que você mais ama, quando esse futuro chegar. Visite aqui e veja como adquirir os livros.

 

By |28/12/2016|Categories: Aposentadoria|324 Comments

About the Author:

Leandro Ávila é administrador de empresas, educador independente especializado em Educação Financeira. Além de editor do Clube dos Poupadores é autor dos livros: Reeducação Financeira, Investidor Consciente, Investimentos que rendem mais, e livros sobre Como comprar e investir em imóveis.

324 Comments

  1. Renan 28 de dezembro de 2016 at 13:36 - Reply

    Mais um artigo perfeito. Parabéns.

    • Leandro Ávila 28 de dezembro de 2016 at 13:59 - Reply

      Obrigado Renan

      • Wallace 4 de janeiro de 2017 at 19:24 - Reply

        Leandro muito bom este artigo. Eu tenho alguns investimentos a curto prazo em LCI e CDBs entretanto para minha aposentadoria escolhi o tesouro direto com vencimento em 2050, a minha pergunta é se estou no caminho certo ou você me indicaria uma melhor estratégia?

        • Leandro Ávila 7 de janeiro de 2017 at 5:28 - Reply

          Oi Wallace, é interessante que você tenha investimentos de curto e longo prazo. Não tenho nada contra essa estratégia.

  2. ALLAN SALES 28 de dezembro de 2016 at 13:44 - Reply

    Fantástico Leandro. Muito obrigado por mais uma excelente contribuição. Faço o possível para que cada vez mais pessoas tenham acesso a esse rico conteúdo que infelizmente é ignorado por muitos.

    Grande abraço. Que 2017 seja uma ano de muita saúde e paz para você e sua família.

    • Leandro Ávila 28 de dezembro de 2016 at 14:04 - Reply

      Obrigado Allan. As pessoas preferem ficar dentro da caverna se distraindo com as sombras refletidas na parede.

      • Paulo 31 de dezembro de 2016 at 5:37 - Reply

        Gostei desta foto, reflete a realidade. Parabéns pelo Artigo, simplesmente fantástico!

  3. José Alves de Carvalho 28 de dezembro de 2016 at 13:47 - Reply

    Prezado Leandro, mais um ótimo artigo.
    Usando o seu texto, “Se a Fernanda investisse R$ 1000 por mês sua renda ao se aposentar seria de R$ 23 mil.”
    Agora imagina um Funcionário Público pagando R$ 2000 reais por mês de Previdência, por 35 anos. Lhe pergunto, esse funcionário público é realmente o responsável pelo déficit Previdência?

    • Leandro Ávila 28 de dezembro de 2016 at 14:06 - Reply

      Oi José, são vítimas da própria ignorância, pois existem classes de trabalhadores que defendem arduamente esse sistema e influenciam os políticos para que o sistema fique cada vez maior (com a desculpa de que estão defendendo direitos), quando deveriam defender mais educação financeira e mais liberdade para que as pessoas façam o que bem entenderem com o próprio dinheiro.

      • candida 29 de dezembro de 2016 at 13:44 - Reply

        Leandro, pela primeira vez não concordo com voce. O funcionário público, assim como o celetista, não tem a opção de NÃO pagar. Somos obrigados a contribuir com o INSS e a PREVIDÊNCIA. Nunca nos foi dado o direito de escolher. TEmos de pagar tudo duas vezes: o sistema criado pelo estado para nos estorquir e uma previdência privada ( os mais incautos) ou outros investimentos para quem não quer ficar desamparado no futuro! Pagamos, pagamos caro e não temos contrapartida. E eu entendi a pergunta acima. Realmente, o servidor e o celetista PAGAM e ainda somos acusados de quebrar a previdência. E quem realmente dilapidou o sistema, os maus gestores ( porque não dizer ladrões mesmo), vivem como nababos encastelados decidindo o que vão fazer de nossos futuros!! E não, eles não sao influenciados por nenhuma classe trabalhadora, na verdade, eles manipulam algumas classes para que defendam o que eles ja decidiram de seus gabinetes e precisam apenas de “respaldo”. um grande abraço! Estou amando seus artigos, como sempre.

        • João Paulo Borges 31 de dezembro de 2016 at 11:10 - Reply

          Embora tenha parecido q ele fez uma generalização, ele só quis dizer que a resposta inata das pessoas, em geral, é pedir por mais pães, logo, ao invés de reavaliar o sistema e ver o quão ruim ele é, tipicamente o raciocínio empregado é o de “farinha pouca, meu pirão primeiro”.

          No penúltimo artigo, na seção de comentários, descrevi uma base do que é o “sistema moderno de escravidão”, e a base dele são as ações obrigatórias, como pagar impostos/imposto previdenciário/sofrer o imposto inflacionário/obrigação de votar/obrigação de serviço militar…enfim, tudo aquilo que a despeito de estarmos em pleno século XXI ainda temos que nos sujeitar sem o direito de requerer contrapartida alguma.

  4. André 28 de dezembro de 2016 at 13:51 - Reply

    Pobre Fernanda 🙁

    Mais uma entre tantas pessoas que sofrerão no futuro. E o pior de tudo é que há casos piores por ai…

    Parabéns pelo artigo e pelo site Leandro Ávila!

    • Leandro Ávila 28 de dezembro de 2016 at 14:09 - Reply

      Oi André, com certeza existem casos piores. Milhões não investem absolutamente nada, não fazem suas próprias economias, não pagam previdência privada e por trabalharem na informalidade não pagam nada para a previdência social. O resultado será é uma tragédia social no futuro que terá custos muito elevados para toda a sociedade. Espero que algumas pessoas acordem para a necessidade de pensar no futuro.

  5. Denny 28 de dezembro de 2016 at 14:09 - Reply

    Olá Leandro,

    Parabéns pelo excelente artigo. Com certeza vai ajudar muitas pessoas a cuidarem melhor do futuro.

    Sobre o problema dos produtos financeiros “leoninos” oferecidos no mercado e que a grande maioria de nós é ou foi vítima, que tal lançar uma ideia para a criação de um inmetro da área financeira ? Seria criada uma equipe que faria a avaliação dos produtos do mercado e somente concederia um selo de aprovação para aqueles onde houvesse total clareza da política de alocação e onde a divisão dos ganhos fosse justa. Você poderia ser o presidente, que tal ? rs.rs

    Abraço.

    • Leandro Ávila 28 de dezembro de 2016 at 14:16 - Reply

      Oi Denny. O sistema financeiro já é todo autoregulado, ou seja, as próprias instituições financeiras se uniram no passado e criaram outras instituições para controlar e fiscalizar elas mesmas. O próprio governo possui órgãos que ditam quem tem o direito de analisar os investimentos, quem pode emitir opiniões sobre determinados investimentos. Existem órgãos criados pelo próprio sistema para emitir certificações que dão e tiram direitos das pessoas de emitirem opiniões, sendo que essas pessoas que buscam essas certificações trabalham para instituições financeiras. Por este motivo, o ideal é que as pessoas aprendam a fazer suas próprias avaliações. Não devemos esperar isso de ninguém. Cabe a cada um aprender a cuidar do próprio dinheiro.

  6. Eduardo 28 de dezembro de 2016 at 14:09 - Reply

    Espetacular

  7. Fabio 28 de dezembro de 2016 at 14:11 - Reply

    Excelente artigo, Leandro. Só fiquei com uma dúvida: o valor futuro do investimento feito no Tesouro não corresponde àquele valor que hoje “imaginamos” ser.
    Em outras palavras: podemos pensar que uma renda mensal de R$ 10.000,00 é boa hoje, porém, em 2035 certamente não o é, em decorrência da perda do valor financeiro por conta da inflação. Entendeu meu raciocínio ou estou equivocado?
    Muito obrigado e parabéns pelos brilhantes artigos.

    • Leandro Ávila 28 de dezembro de 2016 at 14:21 - Reply

      Oi Fabio. É impossível saber com total certeza qual será o poder de compra do dinheiro no futuro. Também não temos como saber quais serão as taxas de juros no futuro, quais serão os investimentos existentes no futuro, como serão os impostos, quais serão as leis e mudanças que podem ocorrer até lá, não sabemos se o Brasil estará em paz ou em guerra, não sabemos absolutamente nada sobre o futuro. Quem tem um plano de previdência privada, não tem meios de saber se a empresa que cuida do seu dinheiro irá existir ou se irá quebrar nas próximas décadas com o seu dinheiro dentro dela. A única coisa que temos no presente são projeções. Podemos projetar um futuro e planejar com base naquilo que sabemos no presente. Podemos tomar decisões sobre o nosso dinheiro com o passar dos anos e das décadas, sempre adaptando nosso plano com base na realidade que vai se impor. Por isso é tão importante aprender a cuidar do seu próprio dinheiro. É esse conhecimento que dará para você a liberdade de tomar decisões não importando o cenário futuro. O nosso caminho precisa ser construído enquanto for trilhado.

    • João Paulo Borges 31 de dezembro de 2016 at 11:22 - Reply

      A sua pergunta ainda demonstra que não se libertou do conceito de “ilusão monetária”.

      Quando se usa o raciocínio de longo prazo, o que interessam são os juros reais e o poder de compra do dinheiro, ambos conceitos intrinsecamente ligados à ideia de inflação.

      Faça suas contas levando em consideração o poder de compra atual, porém, levando em consideração apenas os juros reais, de forma que vc terá o equivalente aos R$10.000,00 de hoje como renda, independentemente se isso for 15, 20 ou 25.000 reais por mês no futuro.

  8. Dema 28 de dezembro de 2016 at 14:37 - Reply

    Algumas reportagens, como a mostrada, acho que até é encomendada pelos interessados, se não for, o veículo de comunicação, no caso a TV, deveria pesquisar se não estão mostrando ‘abobrinha’, antes de vincular a matéria ao público. Pois, os incautos vão na recomendação furada.
    Acompanho o site desde 2014, leio e me aprofundo em todos artigos, aprendi muito.
    Sr. Leandro, meu sincero muito obrigado pelo excelente trabalho que desenvolve e coloca a disposição de quem quer aprender sem nenhum custo.
    Feliz 2017 para o sr., familiares e todos os assinantes.

    • Leandro Ávila 28 de dezembro de 2016 at 15:19 - Reply

      Oi Dema, como os interessados fazem parte de um dos setores que mais investem dinheiro em publicidade (fonte) é esperado que os meios de comunicação não queiram prejudicar seus verdadeiros clientes (os anunciantes). Um feliz 2017 para você Dema.

  9. VINICIUS ALMEIDA 28 de dezembro de 2016 at 14:49 - Reply

    O seu trabalho é excelente! Parabéns!

  10. gabriel 28 de dezembro de 2016 at 15:02 - Reply

    Não tem nem o que comentar Leandro, semana passada passei um pouco do conhecimento adquirido aqui na sua página a uma senhora já aposentada, e não aguentei como ela ficou abismada quando expliquei o que os bancos fazem com o seu dinheiro quando vc não é bem informado, fiquei super emocionado, em tão pouco tempo, já poder ajudar outras pessoas sobre a ignorância financeira, Leandro desejo a você um feliz 2017, e que este blog continue perpetuando por muito tempo !!!

    • Leandro Ávila 28 de dezembro de 2016 at 15:21 - Reply

      Oi Gabriel. Obrigado por disseminar o conhecimento. Ele só tem utilidade quando é compartilhado.

  11. Marcos Nakamura 28 de dezembro de 2016 at 15:14 - Reply

    Ótimo artigo! Agradeço sua ajuda em fomentar a educação financeira que é de extrema importância para todos nós.
    Só fiquei com uma dúvida Leandro: Quando citou o ganho real de juros (6%), não foi descontado o imposto de renda, taxa de custódia da corretora e taxa bmf. Descontando essas taxas, o valor do juro real cairia para aproximadamente 4,7%. Correto?
    Forte abraço e feliz ano novo!!!!

    • Leandro Ávila 28 de dezembro de 2016 at 15:33 - Reply

      Oi Marcos. Não é simples determinar a rentabilidade líquida como você descreveu. O ideal seria fazer uso do simulador que mostrei no artigo e que fica no site do Tesouro Direto. Considerar 4,7% ao ano é errado pelo fato do imposto sobre os rendimentos não ser descontado anualmente. O desconto só ocorrerá uma única vez no momento do resgate ou no vencimento do título. No exemplo do artigo isso só ocorreria depois de 19 anos. Isso significa que o dinheiro iria render juros sobre juros, ano após ano, sem qualquer desconto de IR durante todos os anos que o dinheiro ficou investido. No caso da taxa de 0,30% da BM&FBOVESPA o mecanismo é totalmente diferente. Eles transformam essa taxa de 0,3% ao ano em uma pequena taxa diária que é aplicada todos os dias úteis. Esse valor vai sendo acumulado. A cada 6 meses, metade desses 0,3% é cobrado, ou seja, descontado da sua conta na corretora.

    • sandro 29 de dezembro de 2016 at 9:51 - Reply

      E complementando, tem corretoras que não cobram taxa para tesouro direto.
      Fonte:
      http://www.tesouro.fazenda.gov.br/tesouro-direto-ranking-dos-agentes-de-custodia

  12. Leila 28 de dezembro de 2016 at 15:23 - Reply

    Leandro
    Adorei a parte que fala sobre quando a pessoa ja esta independente e quer receber mensalmente os valores dos juros, mas quero saber como funciona nos que apresentou abaixo: eles pagam semestralmente também? pensei que fosse so 01 vez tudo,

    “Nada impediria que você adotasse a mesma estratégia ao investir em títulos privados como CDB, LCI e LCA de diversos bancos com datas de vencimento diferentes…. “

    • Leandro Ávila 28 de dezembro de 2016 at 15:36 - Reply

      Oi Leila. Existe CDB, LCI, LCA e outros investimentos com as mais variadas datas de vencimento oferecidos por inúmeros bancos através de corretoras que permitem investir nestes bancos sem necessariamente ser cliente deles. Bastaria se organizar para investir de tal forma que você sempre tivesse algum valor vencendo durante os anos futuros.

    • sandro 29 de dezembro de 2016 at 9:59 - Reply

      Existe também CDB com pagamento de juros mensais, esse é raro encontrar.

  13. Diego 28 de dezembro de 2016 at 15:27 - Reply

    Leandro, a forma como você usou a calculadora do TD está errada… Aquele campo em que você preencheu 0,3 é a taxa da corretora, somente. A taxa da Bovespa ele calcula independente do valor que você colocar ali, pois não varia com a simulação. Pode olhar que no resultado tem duas taxas, a do custodiante (Bovespa), de 26 mil, e da administradora (corretora) de uns 24 mil. Se a ideia é simular uma corretora que não cobra taxa, deve-se colocar 0 naquele campo. Abraço.

    • Leandro Ávila 28 de dezembro de 2016 at 15:38 - Reply

      Oi Diego. Você está correto. Acabo de refazer toda as simulações. Obrigado por sua observação.

      • Diego 28 de dezembro de 2016 at 15:55 - Reply

        Tomara que a Fernanda leia este artigo. Fiquei aterrorizado com o plano de previdência privada que o pai dela fez! Parabéns pelo trabalho

  14. Wesley 28 de dezembro de 2016 at 15:28 - Reply

    Muito bom Leandro!!! Já estou na fase de gerar a minha renda de emergência, nesse tempo estou estudando os investimentos de Tesouro Direto, não vejo a hora de me livrar de vez da poupança.

    Parabéns pelo artigo.

  15. Marcos 28 de dezembro de 2016 at 15:34 - Reply

    Sou leitor assíduo e considero esse um dos seus melhores artigos, Leandro. Os planos e ações do presente e do futuro começam a clarear em nossas cabeças com a leitura. Sigamos! Obrigado, parabéns e ótimo 2017 pra você e todos do fazem o Clube dos Poupadores.

  16. Vinícius Oliveira 28 de dezembro de 2016 at 15:41 - Reply

    Mais um artigo magnífico. É impressionante o efeito dos juros compostos.
    Poderíamos ainda somar à estratégia da Fernanda um investimentos em FII, para não consumir um pouco do principal a cada retirada (dos 360 saques).
    Por fim, qual a sua opinião em relação às declarações do Sr. Luiz Barsi que no Brasil temos uma perda fixa e não uma renda fixa?
    Muito obrigado.

    • Leandro Ávila 28 de dezembro de 2016 at 16:08 - Reply

      Oi Vinícius. O Barsi tem mais de R$ 1 bilhão investidos na bolsa de valores após aproveitar o desespero das pessoas nos diversos momentos de crise que enfrentamos nas últimas décadas. Ele usa a estratégia de comprar ações quando todo mundo quer vender, ou seja, ele compra no fundo do poço, no momento que os mais leigos estão no mais completo desespero como ocorreu na crise de 2008. Para pessoas como ele, sempre será vantajoso que um número cada vez maior de brasileiros leigos invistam tudo que possuem na bolsa de valores, pois são pessoas como ele, que possuem um grande volume de ações, que irão vender essas ações para esses iniciantes, no momento que todos estarão empolgados para comprar. Eles vendem quando todos querem comprar e compram quando todos querem vender. Não tenho nada contra a bolsa, desde que as pessoas estudem como o Barsi estudou. Ele fez faculdade de economia, direito, contabilidade e já foi sócio de corretoras. Certamente usa esses conhecimentos para avaliar as empresas onde investe. A minha renda variável sempre foram as empresas e os negócios que tive. Para aqueles que possuem habilidades empreendedoras, não existe investimento melhor do que ter o próprio negócio (embora o Barsi também critique o empreendedorismo).

  17. João Paulo 28 de dezembro de 2016 at 15:42 - Reply

    Parabéns pelo excelente artigo, Leandro.
    Agora fiquei com uma interrogação… O que será que seria mais interessante, investir mensalmente no Tesouro IPCA acompanhando uma modesta taxa que fica na casa dos 5 a 6 pontos percentuais ou ao invés disso, acumular um patrimônio no Tesouro Selic ou qualquer outra forma de investimento e no momento oportuno, como mencionado no artigo, uma taxa de 8,90% a.a. aplicar uma parte do patrimônio acumulado?
    Seria viável a venda antecipada de uma série de títulos acumulados durante o “momento de normalidade” (com taxas na casa de 5 a 6 pontos percentuais) para aproveitar a oportunidade oferecida de uma rentabilidade maior acima da inflação em um momento de crise, mesmo que isso signifique perder uma boa quantia de capital, pois com a alta da taxa haveria uma queda no preço do título…

    • Leandro Ávila 28 de dezembro de 2016 at 16:02 - Reply

      São estratégias diferentes. A melhor ou a pior você só saberá no futuro, quando for possível olhar o que aconteceu no passado. Não temos meios de saber como serão as taxas no futuro. Nada garante que a taxa do Tesouro IPCA irá subir muito no futuro, como nada garante que serão baixas no futuro. Pessoalmente prefiro a estratégia de investir um pouco em cada título. Isso evita o estresse de tentar adivinhar o futuro e de ficar tentando fazer apostas. Existem momentos onde você vai entender que é mais vantajoso seguir a taxa Selic, existem momentos que será melhor prefixar no Tesouro IPCA ou no Tesouro Prefixado. Você vai balanceando com seus investimentos mensais, sem a necessidade de ficar sacando de um para aplicar no outro.

      • João Paulo 28 de dezembro de 2016 at 16:08 - Reply

        Boa !!!
        Ainda estou na fase de acumulação de patrimônio para poder dar início à diversificação dos investimentos…!!

        • Leandro Ávila 28 de dezembro de 2016 at 17:04 - Reply

          Parabéns João, certamente o seu futuro será melhor do que aqueles que estão deixando isso para depois.

          • João Paulo 28 de dezembro de 2016 at 17:34

            Aguardando o ano de 2017 e novas publicações. Sempre é tempo de acumular mais conhecimento. Feliz Ano Novo! Não desista do seu trabalho, ele é muito importante para muitas pessoas!!

  18. Daniel Fujimoto 28 de dezembro de 2016 at 15:46 - Reply

    Ótimo artigo.

  19. Tommy 28 de dezembro de 2016 at 16:02 - Reply

    Assisto pasmo às discussões sobre aposentadoria (virou moda).
    Elas estão por toda parte: escritórios, rodas de chopp, nas peladas de futebol… chega a ser aterrorizante a ignorância das pessoas quando o assunto é o financeiro. Até tento ensinar ou indicar algo, mas logo vem aquele que fala mais alto gritando: “EU NÃO SEI O DIA DE AMANHÔ ou “JUNTAR DINHEIRO PRA QUÊ? NUM FUI EU QUE ESPALHEI KKKKK” Ele se acha engraçado e popular…

    Me recolho então à minha serenidade. Degusto o meu saboroso chopp…
    Obrigado Leandro, devo muito a você pelo cara que sou hoje.

    Ah! e aquele que gritou as frases feitas, gritou também na hora de rachar a conta.

    • Leandro Ávila 28 de dezembro de 2016 at 17:03 - Reply

      Oi Tommy. Tem uma frase do Freud, que não tenho certeza se realmente é dele, que diz mais ou menos assim: “A maioria das pessoas não quer a liberdade, pois liberdade envolve responsabilidade, e a maioria tem medo da responsabilidade”. Pelo menos seus amigos terão o conforto de jogar a responsabilidade no governo, nos bancos e nos outros quando o futuro chegar sem que eles tenham assumido a responsabilidade por uma maior liberdade financeira.

  20. Mr. Webster 28 de dezembro de 2016 at 16:09 - Reply

    Leandro, li toda a série relativa à aposentadoria e os cinco capítulos estão simplesmente fenomenais.

    Fantástico mesmo!

    Parabéns pelo seu grande trabalhador como educador. Eu também escrevo em um blog alguns artigos relacionados às finanças, investimentos, política e economia (macro e micro) e transmito muita coisa lá do que aprendi aqui ao longo do tempo, sempre, obviamente, recomendando o Clube dos Poupadores, bem como atribuindo devidamente os créditos a sua pessoa,quando é o caso.

    Um Feliz 2017 a você, Leandro.

    • Leandro Ávila 28 de dezembro de 2016 at 17:05 - Reply

      Oi Webster, obrigado por compartilhar o conhecimento. Um ótimo 2017 para você.

  21. Gilmar Passos 28 de dezembro de 2016 at 16:12 - Reply

    Sem palavras Leandro.Artigo sensacional!Muito obrigado por mais um ano de muito conhecimento adquirido com seus artigos e disponibilizar informações tão preciosas para quem tem sede em aprender.Um feliz 2017 com muita paz, saúde e sucesso para você e família.Abraços!

  22. Valdice Holanda 28 de dezembro de 2016 at 16:13 - Reply

    Olá Leandro, desde que saiu a noticia da reforma da previdência, tenho ouvido falar muito sobre previdência privada como alternativa, mas como acompanho seus artigos e de outros consultores / educadores financeiros, já entendi que perdemos dinheiro com esses planos. Com essa série de artigos que você publicou ficou mais transparente ainda essa informação.
    Tenho um PGBL que fiz desde de 2010 com o intuito de abater no IR. Estava em duvida sobre resgatar e investir no Tesouro IPCA. Depois dessa leitura não resta dúvida que essa é a decisão mais acertada, estou correta?

    • Leandro Ávila 28 de dezembro de 2016 at 17:07 - Reply

      Oi Valdice. Eu não sei, não posso afirmar por não conhecer nada sobre seu PGBL. O ideal é que você use as informações e verifique com atenção o contrato que você assinou ao fazer esse PGBL e os resultados que ela está gerando. Compara esses resultados com os resultados que você poderia gerar dominando o conhecimento necessário para investir o seu próprio dinheiro. Meu objetivo é motivar que as pessoas busquem o conhecimento para que possam fazer esses julgamentos com liberdade.

  23. Denilson 28 de dezembro de 2016 at 16:20 - Reply

    Boa tarde Leandro,
    Acompanhei todos os artigos da série ficou
    sensacional 👍 Parabéns!

    Algo que me chamou atenção foram as simulações.
    Mesmo ganhando pouco podemos mudar nossas vidas completamente em 15, 20, 30 anos talvez.

    Fico tranquilo por já estar trilhando o caminho da independência financeira e triste por saber que poucos a conheçam ou se interessem.

    A fórmula pra mim está sendo essa : IF=Disciplina+Conhecimento+Paciência

    Um abraço! Feliz 2017

    • Leandro Ávila 28 de dezembro de 2016 at 17:09 - Reply

      Oi Denilson, o tempo e a constância nos investimentos é o que existe de mais poderoso. Muitas vezes perdemos muito tempo procurando os investimentos que rendem mais, sem observar que o mais importante é o quanto investimos e por quanto tempo investimos. Disciplina, paciência e conhecimento é a base de tudo, não só na área financeira, mas em todas as áreas da vida.

  24. Waive 28 de dezembro de 2016 at 16:21 - Reply

    PARABENS !LEANDRO,POR MAIS UM ARTIGO ESPETACULAR.FOI ATRAVES DO SEU.SITE QUE APREENDIR SER MENOS IGNORANTE,PENA Q DESCOBRIR A 2ANOS ATRAS..MAS ME AJUDOU A SAIR DA AREA DE CONFORTO E SER UMA PESSOA MELHOR.INCLUSIVE JA ABRIR MINHA CONTA NO BANC INTERMEDIUM E TMB NA CORRETORA EASYNVEST E EM UM SEGUNDO APROVARAM A MINHA CONTA E JA RECEBIR UM E-MAIL DA BOVESP DO TESOUR C MINHA SENHA PROVISORIA.AGORA SO FALTA EU COMPRAR MEU TES SELIC MENSAL,DEPOIS PRETEND COMPRAR IPCA2024 OU 2035..E EM SEGUIDA COMPRAR E-BOOK DE EDUCACAO FINANCEIR.TENHO AINDA MUITAS DUVIDAS COMO ESTRATEGIAS,ETC.QUAL LIVRO VC ME UNDICARIA?UM FORTE abraco.

    • Leandro Ávila 28 de dezembro de 2016 at 17:13 - Reply

      Oi Waive, a minha série de livros digitais seria um ótimo começo. Eles foram escritos recentemente e eu falo sobre os investimentos de forma bem detalhada, ensino a usar simuladores e planilhas que foram desenvolvidas por mim para o meu uso. Já os livros de papel de outros autores, que aparecem nas livrarias, são mais generalistas, não falam com profundidade sobre investimentos até por uma limitação que existe nos livros de papel em comparação com os livros digitais.

  25. André Pires 28 de dezembro de 2016 at 16:27 - Reply

    Parabéns Leandro. Nunca havia encontrado uma aula tão completa sobre o TesouroDireto. Perfeito!
    Aproveito para lhe perguntar: pode-se dizer que neste momento surge uma janela de oportunidade para os títulos 2035(ntnb) e 2023(pre)?

    • Leandro Ávila 28 de dezembro de 2016 at 17:14 - Reply

      Oi André, já tivemos taxas maiores que as atuais durante o ano. O problema é que será impossível adivinhar quais serão as taxas futuras. Não sabemos se no futuro as taxas irão cair ou subir e nem por quanto tempo.

  26. Marcelo 28 de dezembro de 2016 at 16:35 - Reply

    Excelente artigo, Leandro! Na minha opinião, o melhor de todos desta série sobre aposentadoria.
    Uma observação: quando vc fala da Fernanda, em dois momentos vc cita uma taxa anual de 0,65% para a poupança. Não estaria errado? No mais, obrigado por disponibilizar todo este espetacular material. Abcs!

    • Leandro Ávila 28 de dezembro de 2016 at 17:15 - Reply

      Oi Marcelo. Considerei a taxa de 0,5% ao ano + TR chutando uma média de 0,15% de TR ao ano.

      • Gregorio 28 de dezembro de 2016 at 21:07 - Reply

        Leandro, a poupança rende 0,5%+TR *ao mês*, confere?
        Vc menciona “0,65% ao ano” algumas vezes. ao falar da Fernanda no artigo. Acho que esse é o ponto da pergunta do Marcelo.

        • Leandro Ávila 29 de dezembro de 2016 at 11:17 - Reply

          Oi Gregorio. A poupança rende 0,5% + TR. Esses 0,5% é fixo (se a Selic estiver acima de 8,5%). Já a TR é uma taxa variável. Para fazer a simulação eu chutei que a TR futura seria de 0,15% resultando em uma remuneração de 0,65%. O leitor pode simular com outras taxas. A ideia é que as pessoas possam fazer suas próprias simulações.

  27. Odirlei 28 de dezembro de 2016 at 16:39 - Reply

    Muito bom Leandro
    Então resumindo, investir pra aposentadoria é TD e ponto.?
    Ações pra quem quer correr riscos?
    Abr

    • Leandro Ávila 28 de dezembro de 2016 at 17:18 - Reply

      Oi Odirlei. Não. Eu apenas falei sobre os investimentos que os fundos fazem com o seu dinheiro. Basicamente os fundos de pensão e previdência investem seu dinheiro em títulos públicos e ponto final. Alguns investem alguma coisa em títulos privados. O ideal seria aprender o funcionamento dos investimentos para que você crie o seu fundo caseiro de investimentos onde você pode ter uma parte do seu dinheiro em títulos públicos, outra parte em títulos privados e até em ações e fundos imobiliários, bastando que você tenha conhecimento necessário para fazer isso com o menor risco possível. Bons investimentos hoje podem não ser bons investimentos amanhã. Por isso é importante se preparar para investir com base na realidade que irá se impor no futuro.

  28. Jorge Guerino 28 de dezembro de 2016 at 16:41 - Reply

    Oi Leandro,

    Muito interessante tua sugestão para que o TD tenha maior variedade de títulos e que houvesse possibilidade de recebimento de juros mensalmente.

    Mas e se houvesse um título de longo prazo, como 2050, que pagasse juros mensais? Por que o TD tem títulos com pagamento de juros somente duas vezes por ano? É alguma questão de legislação ou dificuldade de operacionalização?

    No meu caso, como aposentado, seria bem mais simples e atrativo ter recebimentos mensais dos juros, num só título.

    Sera como um aluguel pelo valor investido.

    Abraço.

    • Leandro Ávila 28 de dezembro de 2016 at 17:20 - Reply

      Oi Jorge. Creio que seja uma questão de vontade. Não vejo motivo para não criar títulos com as mais diversas datas de vencimento.

      • Júlio 30 de dezembro de 2016 at 18:13 - Reply

        Leandro,

        se tenho um valor x aplicado em NTN-B 2035 resultante de várias compras em datas distintas e quero saber hoje quanto teria no vencimento (ou mesmo numa venda antecipada) bastaria eu colocar na calculadora do TD o valor atual (x) e a Taxa do Papel na Compra do dia de hoje, certo? Está correto esse raciocínio?

        E uma observação curiosa: se colocar 29/12/2016 como data da compra, no resultado da simulação dá: Dias corridos entre a data de compra e a de vencimento: 6710
        se colocar 30/12/2016 diminui para 6707 dias. Deveria diminuir para 6709, enfim…

        Excelente 2017 para vc e seus familiares!

        • Leandro Ávila 2 de janeiro de 2017 at 14:15 - Reply

          Oi Júlio. No vencimento todos os títulos Tesouro IPCA 2035 terão exatamente o mesmo preço. A rentabilidade que você terá é que vai depender de quando você comprou e quanto pagou no momento da cobra. Esse quanto pagou vai depender da taxa anual prometida pelo Tesouro no momento da compra. Sobre as datas. O dia 30 foi uma sexta-feira. Se você fizesse o seu pedido de compra no dia 30/12 ele só seria realmente executado na segunda, dia 02/01/2017, dois dias depois.

  29. Joanatan 28 de dezembro de 2016 at 16:59 - Reply

    Obrigado professor pela série de artigos que foi muito preciosa. Assim como todos os artigos de 2016,
    (Acho que não perdi nenhum ).
    Saúde, Paz e Muitos artigos em 2017.

    Glória a Deus.

  30. ed 28 de dezembro de 2016 at 16:59 - Reply

    A previdência social é simplesmente um esquema de pirâmide onde o contribuinte precisará trabalhar cada vez mais para receber cada vez menos.

    Quem não investir “por fora” muito provavelmente vai passar por dificuldades quando sair do mercado de trabalho.
    Nesse cenário a educação financeira se torna essencial.

    Leandro, parabéns pelo seu trabalho e pela sua enorme ética. Você já poderia ter se vendido ao sistema e ter ganho muito dinheiro indicando produtos bancários e afins. Mas preferiu escolher o caminho da verdade e educar as pessoas

    Mas o trabalho é duro. Percebo que a educação financeira ainda é um tabu. Ao menos no meu círculo social quem fala sobre investimentos é uma espécie de alien malvado que possui como missão impedir as pessoas de “viverem a vida” falando que é necessário poupar uma parte do salário.

    • Leandro Ávila 28 de dezembro de 2016 at 17:28 - Reply

      Oi Ed. Realmente falar sobre dinheiro é um tabu. Muitos problemas começam nas crenças que as pessoas possuem sobre o dinheiro.

  31. Rogério Lima 28 de dezembro de 2016 at 17:06 - Reply

    Olá Leandro, mais um artigo esclarecedor, parabéns.
    Que no próximo ano você continue com esse trabalho simplesmente fantástico
    Feliz 2017!!!

  32. Gonçalo 28 de dezembro de 2016 at 17:23 - Reply

    Muito obrigado por mais um ótimo texto Leandro!! Vai para meu face, fechando a série. Excelente ano novo para você e toda família!!!

    • Leandro Ávila 28 de dezembro de 2016 at 17:29 - Reply

      Obrigado Gonçalo, um ótimo ano novo para você.

      • Gonçalo 30 de dezembro de 2016 at 11:00 - Reply

        Leandro, desculpa só comentar isso contigo agora, é que só me lembrei agora. Você fala no texto que deu algumas sugestões para o TD, a pedido da consultoria da STN. Há algumas semanas, após o TD lançar o novo extrato do Portal do Investidor, mandei email para a equipe da plataforma elogiando as mudanças, porém pedindo que voltassem a disponibilizar a funcionalidade de download do extrato em formato de planilha (excel, por exemplo), que foi interrompida há mais de um ano, creio, e a informação dos dias corridos da aplicação, que nos dava mais noção de quanto tempo faltava para chegar a uma menor faixa do imposto de renda. Eles me responderam, agradecendo as sugestões, mas não deram sinal de que elas seriam acolhidas. No seu contato com a consultoria, houve algum indício de esses serviços antigos do extrato do TD serem restabelecidos? Abraço e muito obrigado por sua atenção de sempre!!!! Em tempo: tenho tentado ajudar algumas pessoas a aderir ao TD e uma delas me perguntou quem eu recomendava para busca de maiores informações sobre a plataforma, ao que eu respondi que, após 5 anos lendo sobre o assunto, priorizo hoje o Clube dos Poupadores e o Carteira Rica. E você, mestre, quem “lê”? Já vi alguns nomes estrangeiros nos seus textos, mas não me recordo bem.

        • Leandro Ávila 30 de dezembro de 2016 at 16:02 - Reply

          Oi Gonçalo. A pessoa me enviou diversas perguntas e eu apenas me limitei a responder. Não falei nada sobre os extratos. Certamente essa pessoa que entrou em contato comigo está entrando em contato com outros educadores financeiros, outras pessoas que lidam com investidores e certamente vai coletar muitas sugestões. O fato de buscarem esse retorno das pessoas é positivo. Em 2017 vou divulgar mais aquilo que estiver lendo no momento. Atualmente estou lendo “O Poder do Agora”, que apesar do autor ter uma pegada espiritual (budismo), tem muita relação com a educação financeira, já que sempre temos que fazer escolhas temporais quando estamos falando de dinheiro.

          • Gonçalo 31 de dezembro de 2016 at 17:58

            Muito obrigado pela atenção, Leandro.

          • Gonçalo 5 de janeiro de 2017 at 15:08

            Boa tarde, Leandro!!! Você não prestaria “assessoria livre” por Skype ou coisa parecida? Tenho umas dúvidas específicas, cujas respostas não encontro na net, e que penso que você as teria, mas fico sem jeito de te perguntar, já que és um profissional, que merece sua remuneração. Creio que uma hora apenas de conversa (tira-dúvidas) contigo já me seria suficiente.

          • Leandro Ávila 7 de janeiro de 2017 at 5:46

            Oi Gonçalo, trabalho apenas com educação. Na verdade eu recomendo que as pessoas esqueçam assessores e consultores. Basta ter um pouco de paciência e dedicação para que você possa aprender a cuidar do seu dinheiro sem depender de ninguém.

  33. Rodrigo 28 de dezembro de 2016 at 17:23 - Reply

    Pra variar, outro artigo de excelência =D. Obrigado por dividir seu conhecimento conosco. Depois que conheci o Clube dos Poupadores, virei seu fã e sempre fico ansioso pelos novos artigos.

  34. Robson 28 de dezembro de 2016 at 17:28 - Reply

    Conjunto de artigos sobre aposentadoria sensacional.
    Sugiro um artigo complementar para alguém que se aposentou e quer: viver dos juros mantendo o patrimônio intacto e viver do patrimônio e após 30 anos (por exemplo) não deixar qualquer recurso para herdeiros.
    Quanto devo gastar do patrimônio acumulado nos dois casos ?

    • Leandro Ávila 28 de dezembro de 2016 at 17:36 - Reply

      Oi Robson. É apenas uma questão matemática. Existem pessoas que tomam a decisão de não deixar nenhuma herança e durante a aposentadoria consomem os recursos dos juros e os recursos do valor principal. Uma vez vi uma senhora que tinha 5 apartamentos. Um desses apartamentos ela já tinha “investido” fazendo diversas viagens. Ela não tinha o objetivo de deixar nada para os filhos e pelo que entendi os filhos dela não precisavam de qualquer herança, todos tinham uma boa vida. Não existe nada de errado em fazer isso, todos podem e devem gastar o próprio dinheiro da forma que bem desejarem. Basta fazer com planejamento e consciência. Infelizmente já ouvi falar de casos de filhos que tentam “interditar” os pais quando estão idosos e resolvem gastar tudo que tinham para não deixar herança. Alegam que são idosos e não podem cuidar do próprio dinheiro.

  35. Karen Sayuri 28 de dezembro de 2016 at 17:32 - Reply

    Leandro, obrigada pelo artigo, gratidão pelo conhecimento disseminado!
    No exemplo da Fernanda, o patrimônio dela foi multiplicado por 2,67 em 45 anos? É isso mesmo? Existe um produto financeiro tão ruim assim? Fiquei chocada…

    • Leandro Ávila 28 de dezembro de 2016 at 17:38 - Reply

      Oi Karen. Existem planos de previdência privada que rendem menos que a poupança. São justamente aqueles que exigem investimentos bem pequenos por mês. Os bancos ficam com grande parte do rendimento através da cobrança de taxas de entrada e taxas administrativas.

  36. Tadeu 28 de dezembro de 2016 at 17:35 - Reply

    Sempre bons artigos todas as semanas.

    Estou lendo os seus artigos desde o início deste ano, 2016. Irei conseguir a minha reserva de emergência nos próximos dois meses.

    Leandro, no caso da Fernanda, você disse: “…Se os conhecimentos financeiros dela fossem maiores e capazes de gerar uma rentabilidade de 1% ao mês … ”

    A minha dúvida neste momento é: Quais livros você indica para que nós possamos conseguir uma rentabilidade de 1% ou próximo disso? Pois estou querendo aprender aqui no blog e lendo livros, mas não tenho interesse em renda variáveis.

    Muito obrigado pelo trabalho que você distribui para nós.

    • Leandro Ávila 28 de dezembro de 2016 at 17:42 - Reply

      Oi Tadeu. Não existe um livro mágico que indica uma fórmula mágica para conseguir 1% ao mês. Existem diversos investimentos oferecidos pelo mercado onde você pode compor sua carteira de investimentos na busca de uma maior tentabilidade. Isso envolve fazer investimentos mais conservadores e investimentos mais arriscados aproveitando as oportunidades que vão surgindo com o passar dos anos. Muitas vezes entendemos a renda variável apenas como aquela gerada pelo investimento em ações. Ter um pequeno negócio pode ser visto como uma renda variável onde você está no controle. O investimento em imóveis e fundos imobiliários também é um tipo de renda variável.

      • Tadeu 28 de dezembro de 2016 at 17:51 - Reply

        Leandro, qual a sua opinião em retirar o dinheiro que estava no Tesouro Selic, que foi juntado por alguns meses) e colocar em CDB, LCI ou LCA com rentabilidade próxima do CDI e ficar reinvestindo nesses títulos.

        • Leandro Ávila 28 de dezembro de 2016 at 18:43 - Reply

          Oi Tadeu. Eu não gosto da ideia de ficar tirando dinheiro de um lugar e colocando no outro como uma estratégia. Sempre que você vende um título público antecipadamente, também antecipa o pagamento dos 15% de imposto de renda sobre os rendimentos. Existem diversos tipos de CDB, LCI e LCA, com rentabilidades e prazos diferentes, emitidos por bancos com maior ou menor risco. Dessa forma, não existe uma resposta simples para sua pergunta. É necessário avaliar cada caso.

  37. Rodrigo 28 de dezembro de 2016 at 17:48 - Reply

    Olá Leandro! Comecei a acompanhar recentemente seu trabalho e já virei seu fã!
    Uma dúvida, Quando calculamos o rendimento de nossos investimentos ao longo dos anos, para termos uma ideia mais aproximada de quanto será nossa renda, não deveríamos calculá-la considerando uma inflação presumida baseada em dados passados? Desse modo não teríamos um valor, mesmo que estimado, mais real do que realmente estamos buscando? Por exemplo, digamos que eu queira ter uma renda no futuro que seja equivalente a R$ 20.000,00 nos dias de hoje. Supondo que aplicando uma taxa de inflação presumida até o ano que pretendo me aposentar, chegue ao valor corrigido de R$ 40.0000,00. O cálculo de quanto devo aplicar mensalmente não deveria estar baseado nessa renda de R$ 40.000,00 e não na de R$ 20.000,00?
    Parabéns pelo trabalho!
    Abraços!

    • Leandro Ávila 28 de dezembro de 2016 at 18:41 - Reply

      Oi Rodrigo. Observe no artigo que fiz as simulações levando em consideração os juros acima da inflação quando usei investimentos que possuem uma taxa fixa acima da inflação. Também falei que é possível simular estimando inflação zero para que você possa considerar apenas o efeito dos juros e não do IPCA.

  38. Marcia 28 de dezembro de 2016 at 17:54 - Reply

    Caro Leandro,
    Descobri seu site desde setembro do ano passado, quando estávamos em período de camapnha eleitoral e uma campanha “sensacionalista” vinculada no facebook me deixou bastante preocupada com o futuro. Desde então, tenho aprendido bastante e penso muito para não cometer nenhuma besteira com os meus modestos investimentos. Toda a minha rede de amigos vai saber que o seu site existe. Entrei no serviço público em agosto de 1999 e, sempre interessada em investir, consegui comprar dois imóveis na planta, embora sem o conhecimento e as cautelas, tive a sorte de não ter problemas. Casei-me em abril de 2008 e hoje temos 05 (cinco) apartamentos, e o sexto é o que moramos. Referido apartamento foi financiado antes das mudanças que dificultaram os financiomantos. Se realmente eu aprendi com os seus valiosos ensinamentos, vou agir certo em vender um dos desses imóveis, não para quitar o referido financiamento, como estávamos pensando em fazer, mas aplicar o capital de forma correta e utilizar os rendimentos para pagar as prestações do imóvel financiado. Agindo assim, iremos preservar o capital. Estou certa?? Muitíssimo obrigada por você existir. Feliz 2017 para todos nós!

    • Leandro Ávila 28 de dezembro de 2016 at 18:47 - Reply

      Oi Marcia. Observe que eu não sei nada sobre seus imóveis, seus investimentos, sua situação financeira atual, seus planos para o futuro, seu nível de conhecimento e realidade. Não posso afirmar se você está certa ou errada naquilo que está fazendo neste momento. Creio que se você buscar conhecimento antes de tomar qualquer decisão, você estará no caminho certo dentro das suas possibilidades. Só o fato de você planejar e pensar sobre o que está fazendo, já representa um grande diferencial, pois a maioria toma decisões financeiras por impulsos.

  39. Fábio 28 de dezembro de 2016 at 18:08 - Reply

    Leandro Obrigado por ajudar as pessoas com este trabalho fenomenal te acompanho a algum tempo e a sua missão aqui na terra será lembrada com sucesso. Você ajuda muitas pessoas talvez até mais do que você imagina.

    Só temos a agradecer

  40. Valter 28 de dezembro de 2016 at 18:14 - Reply

    Esse artigo foi formidável. Toda essa série de artigos foram maravilhosos. Muito Obrigado., Leandro.

  41. Hosit 28 de dezembro de 2016 at 18:38 - Reply

    Olá, Leandro
    Achei a exposição profunda e extremamente didática, como de costume.
    Ficou clara, entre outras coisas, a preferência por investir em tesouro direto quando pensamos em aposentadoria.
    Gostaria de tirar apenas uma dúvida:
    Você não acha que seria interessante, ao focarmos na aposentadoria, diversificarmos um pouco o investimento? Penso prinpalmente nos fundos imobiliários, os quais distribuem mensalmente um determinado valor aos cotistas, o que é bastante interessante para os aposentados.
    Se vc concordar, deixo a sugestão de vc complementar o seu novo ebook falando um pouco sobre a possibilidade de diversificação.
    Parabéns, mais uma vez, e obrigado pela maravilhosa ajuda que vc vem dando aos que se interessam em expandir seus conhecimentos a respeito de Finanças.

    • Leandro Ávila 28 de dezembro de 2016 at 18:53 - Reply

      Oi Hosit. É fundamental diversificar. Usei os títulos públicos como exemplo pelo fato de ser este o destino do dinheiro investido pelos brasileiros através dos fundos de pensão e todos os tipos de fundo de previdência. O Tesouro direto é o básico que as pessoas deveriam aprender. Depois elas podem aprender mais e começar a sofisticar seus investimentos na busca de uma rentabilidade maior. Na fase de aposentadoria, seria interessante a pessoa já ter conhecimento e experiência suficiente para obter ótima rentabilidade dos seus investimentos, pois nessa fase irá viver dos juros que conseguir gerar.

  42. Andre Cancian 28 de dezembro de 2016 at 18:49 - Reply

    Leandro, parabéns!

    E muito obrigado por dedicar seu tempo à educação financeira das pessoas!
    Tenho feito o possível para aprender e repassar seus conhecimentos.
    Só assim podemos mudar esse cenário catastrófico que se desenha para o futuro.

    Um grande abraço e um 2017 financeiramente inteligente a todos nós!

    • Leandro Ávila 28 de dezembro de 2016 at 18:55 - Reply

      Oi Andre. Temos algumas décadas pela frente, acho que será possível salvar muitos idosos do futuro, de um destino triste e miserável, provocado pela falta de educação financeira dos jovens aqui no presente. Feliz 2017.

  43. Fabio 28 de dezembro de 2016 at 18:51 - Reply

    Sensacional… material muito completo… muito esclarecedor… parabéns pelo ótimo trabalho!

  44. Ricardo 28 de dezembro de 2016 at 19:05 - Reply

    Leandro. Parabéns pelo trabalho de educação financeira desenvolvido. Pode me ajudar ? Tenho um PGBL progressivo no ITAU. OBservei há tempos que se tratava de um mal investimento e parei de aplicar. Gostaria de sacar o montante ( já estou na faixa mínima do IR cobrado). Vale a pena perder alguma coisa para aplicar em TEsouro direto por exemplo ?

    • Leandro Ávila 29 de dezembro de 2016 at 11:23 - Reply

      Oi Ricardo. O ideal é que você mesmo tenha condições de responder essa pergunta. Compare os resultados que você tem atualmente com o investimento com o resultado que você teria se este valor estivesse aplicado em outras possibilidades. Ao buscar mais conhecimento sobre as diversas modalidades de investimento que existem, você naturalmente fará essas comparações. Isso você levará por toda vida, pois sempre terá que tomar este tipo de decisão.

  45. Waive 28 de dezembro de 2016 at 19:12 - Reply

    Obrigada! Leandro pela resposta irei sim comprar os seus livros.Aproveito o ensejo p te desejar tudo de bom neste ano que se aproxima.Louvo a Deus pelo o dom da sua vida.Muito obrigada!

    • Leandro Ávila 29 de dezembro de 2016 at 11:21 - Reply

      Olá Waive. Obrigado por apoiar o projeto e todos que se beneficiam dele de alguma forma.

  46. Fernando 28 de dezembro de 2016 at 19:20 - Reply

    Mais uma vez o Leandro arrebentou. Já faz a diferença na vida de muitas pessoas.

  47. Sandra 28 de dezembro de 2016 at 19:23 - Reply

    Olá. Comecei a investir em 2015 com sua ajuda. Continuo aprendendo com tudo que vc posta aqui. É incrível/engrandecedor o que faz por nós.Só tenho a agradecer mais.

  48. Jeovan santos 28 de dezembro de 2016 at 20:02 - Reply

    Boa noite!
    Mais uma vez muito obrigado pelo artigo, que é de mera importância para nós brasileiros.
    Parabéns Leandro,por todos os artigos publicados, que o ano de 2017 seja repleto de realizações na sua vida e de sua família.
    Feliz ano novo!

  49. Priscila 28 de dezembro de 2016 at 21:28 - Reply

    A pouco tempo conheci o site clubedospoupadores, é um serviço de utilidade pública… educação financeira além de ser um assunto para se tratar dentro das famílias, deveriam também ser uma matéria lecionada desde a alfabetização escolar.

    Parabéns Leandro, por esse trabalho!

    • Leandro Ávila 29 de dezembro de 2016 at 11:15 - Reply

      Oi Priscila. Somos obrigados a decorar tantas bobagens sem utilidade na escola, não custaria nada ensinar para as crianças sobre como o dinheiro funciona. Todos vão passar a vida toda se relacionando com o dinheiro. Muito sofrimento e muitos problemas poderiam ser evitados se as pessoas tivessem a base para uma relação saudável com o dinheiro e o trabalho.

  50. Junior 28 de dezembro de 2016 at 21:51 - Reply

    Acompanhei toda a série sobre Aposentadoria e só posso dizer que o trabalho ficou fantástico e esse último artigo merece um prêmio!
    Uma dúvida: penso em investir no TD com pequenas quantias mensalmente (R$ 200,00), com a leitura dos seus livros terei a condição de saber se isso é viável?

    • Leandro Ávila 29 de dezembro de 2016 at 11:13 - Reply

      Oi Junior. Sim, pois os livros foram escritos em uma sequência com a ideia de transformar qualquer pessoa leiga em alguém capaz de tomar decisões sobre seus investimentos, sem depender da opinião de ninguém. Junto com os livros você ainda vai receber as ferramentas e simuladores que uso no meu dia a dia como pequeno investidor.

  51. Investidor Otimista 29 de dezembro de 2016 at 1:23 - Reply

    Ótimo artigo como de costume Leandro. Ter a oportunidade de ler esses artigos concerteza me trará retorno expressivos no futuro. Como te agradecer por isso?

    • Leandro Ávila 29 de dezembro de 2016 at 11:11 - Reply

      Olá Investidor Otimista. Apoiar o projeto é a melhor forma de agradecer. O apoio pode vir de duas formas. Divulgando e indicando para amigos e parentes ou adquirindo meus livros, pois são esses os recursos financeiros que permitem manter o projeto funcionando.

  52. Oyrag 29 de dezembro de 2016 at 2:07 - Reply

    Leandro, boa noite.
    Gostaria de agradecer muito pelos seus artigos que são simplesmente fantásticos.
    Sou um grande fã, sempre leio seus artigos e aprendo muito com eles, embora participe pouco dos comentários.
    É uma pena que o caminho para a independência financeira seja tão solitário. Imagino que outros que estejam trilhando esse caminho, assim como eu, sintam o mesmo.
    É natural (pelo menos na minha opinião) que uma pessoa que adquiriu um conhecimento precioso tente mudar as pessoas em sua volta transmitindo esse conhecimento. Mas é muito dificil.
    Hoje sou visto como o chato da vez. Aquele que só fala em dinheiro. O esnobe que “acha que sabe mais do que os outros”. Já até falaram que eu vou morrer jovem e deixar tudo para os outros.
    Nem a familia me aguenta mais rsrs
    Fui vencido pelo cansaço e assim continuo minha jornada. Mais focado do que nunca, mas sempre com muito receio de tocar no assunto ate com minha própria esposa.
    Desculpe-me o desabafo.
    No mais desejo a voce e a todos os leitores do clube um 2017 excelente, com muita saúde para que possamos trabalhar e continuar nossa jornada. Feliz 2017

    • Leandro Ávila 29 de dezembro de 2016 at 11:09 - Reply

      Oi Oyrag. Eu recomendo que pare de falar sobre o assunto para não ser visto como chato. No lugar de falar, deixe que as pessoas percebam seus bons exemplos. Apesar de trabalhar com educação financeira, nunca falo sobre o assunto com amigos e parentes. É um esforço pouco útil. Você só pode indicar portas e caminhos. A outra pessoa é que deve abrir a porta e trilhar o caminho pois estamos falando de uma mudança de estilo de vida. As pessoas vão defender o estilo de vida que levam arduamente. Questionar seu estilo de vida costuma ser confundido com uma ofensa pessoal (se feito da forma errada). Certamente você está ofendendo as pessoas achando que está fazendo da forma certa.

  53. Adriano 29 de dezembro de 2016 at 6:10 - Reply

    Leandro tem uma frase de um diretor de faculdade que acho legal é oportuno para esse artigo que diz assim: ” se você acha que a educação é cara, experimente a ignorância” ! Feliz 2017 a todos.

    • Leandro Ávila 29 de dezembro de 2016 at 11:01 - Reply

      Oi Adriano, por este motivo eu reservo todos os meses uma quantia para investir na minha educação. É um processo continuado de investimento em mim mesmo que transformou minha vida. Pena que nem todo mundo percebe que não existe investimento tão barato e com tamanho retorno.

  54. Luciano Nogueira 29 de dezembro de 2016 at 7:25 - Reply

    Mestre Leandro, permita-me questionar um ponto: o titulo NTN-B 2035 que vc plotou o grafico foi criado em 2010, então onde vc conseguiu dados para plotar este titulo desde 2007?

    • Leandro Ávila 29 de dezembro de 2016 at 10:59 - Reply

      Oi Luciano. Observe com atenção o texto. Logo abaixo da imagem eu disse onde gerei o gráfico.

      • Leandro Ávila 2 de janeiro de 2017 at 14:22 - Reply

        Oi Luciano. Existem diversos títulos públicos que são oferecidos apenas para as instituições financeiras através do Tesouro Nacional. Alguns desses títulos são oferecidos para as pessoas físicas através do Tesouro Direto e outros não. Isso significa que os títulos oferecidos através do Tesouro Direto já existiam. Para saber mais sobre os leilões visite http://www.tesouro.fazenda.gov.br/web/stn/leiloes

  55. 3 29 de dezembro de 2016 at 7:27 - Reply

    Porque vocês não tiram esta maldita proteção contra cópia do Blog? É impossível ler o artigo impresso só copiando as partes que interessam

  56. Olavo 29 de dezembro de 2016 at 7:27 - Reply

    Muito bom Leandro, acompanho seu blog faz bastante tempo. Essas matérias me levam a pensar cada vez mais diferente dos outros.
    Não consigo aplicar tudo o que é falado aqui, mas aos poucos estou caminhando.

    Muito obrigado e um ótimo 2017 com muito investimentos 🙂

    • Leandro Ávila 29 de dezembro de 2016 at 10:50 - Reply

      Oi Olavo, parabéns por sua caminhada. A mudança vem aos poucos. É o tempo que leva para o mundo das ideias se materializar na sua vida.

  57. Danilo Luiz 29 de dezembro de 2016 at 8:40 - Reply

    Leandro, Obrigado por disseminar seu conhecimento!

    Em 2016 tive uma mudança de mindset incrível e boa parte dessa mudança é devido a leitura dos conteúdos que vc disponibiliza.
    Comecei o ano com toda minha reserva na poupança e com um ativo financiado(Carro). Finalizo com investimentos em CDB, LCI, LCA, Debêntures e com um plano de aposentadoria no TD IPCA + 2035.(Vendi meu carro para iniciar o plano). Abri duas contas em corretoras que não cobram taxas e todas minhas três contas correntes ativas não tem tarifas. Minha meta é conseguir atingir 7 dígitos no valor dos meu investimentos em abril/2017.

    Obrigado, obrigado, obrigado! Deus continue te capacitando para continuar realizando o seu propósito de vida!!

    • Leandro Ávila 29 de dezembro de 2016 at 10:49 - Reply

      Oi Danilo. Parabéns por sua dedicação. Você vai colher frutos positivos pelo resto da vida graças a essa mudança de configuração mensal que você teve em 2016. Parabéns!

  58. Fábio Bastos 29 de dezembro de 2016 at 8:46 - Reply

    Leandro, parabéns pelo artigo……..estamos aqui criticando a Fernanda, mas muitos de nós também éramos cegos até alguns meses atrás……rs

    Muito obrigado por nos ajudar a abrir os olhos, esse ano de 2016 foi um ano de muitas conquistas para nós seus leitores. Que o ano de 2017 seja repleto de saúde e paz para todos e Jesus abençoe todos grandemente. Feliz 2017 para você e para os demais leitores que sempre estão acrescentando dicas além das suas.

    • Leandro Ávila 29 de dezembro de 2016 at 10:47 - Reply

      Oi Fábio, Desejo um ótimo 2017 para você. Não estou criticando a Fernanda. Critiquei a educação financeira que a Fernanda recebeu e da qual ela é apenas uma vítima. A Fernanda está ajudando a abrir os olhos de milhares de pessoas que irão ler este artigo no futuro.

  59. Gian 29 de dezembro de 2016 at 8:58 - Reply

    Bom dia Leandro,

    Toda a sequencia lida! Adquiri mais um poco de educação financeira e melhorei um pouco mais meu QI financeiro graças a você. Muito Obrigado! Por esta dedicação a este bom trabalho gratuito em ajudar as pessoas, acredito que você será recompensado grandemente por Deus, pois, tem uma boa alma.

    Eu acredito que captei a mensagem, e começo imediatamente a me preocupar com minha aposentadoria e concentrarei meus esforços em fazer bons e precisos investimentos, preciso começar a traçar meu plano pessoal já para isso. É estarrecedor para mim chegar ao fim da série de artigos e perceber o quão sombrio pode ser o futuro desta pobre nação desinstruída. Uma população a qual toda a riqueza fluirá para uma elite parasita e cruel, deixando a grande parte das pessoas em condições precárias ;(

    Eu temo pelo futuro. Voltando ao meu caso em particular, eu caí em uma das mais manjadas armadilhas dos grandes bancos Leandro. Estou com dois empréstimos consignados de 32 meses e duas faturas de cartões de crédito parceladas em 24x. As faturas possuem juros insanos, mais que dobrando o valor de minha dívida ao final do período. Uma lástima! Já o consignado possui até que uma taxa relativamente pequena. Eu gostaria, Leandro, de que você me indicasse o melhor artigo que poderei encontrar em seu site, para que eu possa me Libertar desta dívidas opressoras.

    Eu já li muitos dos seus artigos, e até alguns sobre dívidas, porém, não estou seguro se saberei tomar uma boa decisão. Até então, pelo que aprendi com você, devo achar alguém que me empreste dinheiro a juros mais baixos, para poder pagar as dívidas com juros maiores. Seria essa mesmo a melhor estratégia? O que além disso pode ser feito, a curto, médio e longo prazos? Queria poder tomar as melhores decisões para poder começar, no futuro próximo, meus investimentos. No momento é urgente a necessidade de desafogamento, que compromete quase toda minha renda.

    Muito Obrigado pelo apoio a mim e a todos, e pela contribuição ao aperfeiçoamento de nossa população em relação a educação financeira. Apoio seu trabalho fortemente. Abração, e até a próxima aula!

    • Leandro Ávila 29 de dezembro de 2016 at 10:42 - Reply

      Oi Gian, os bancos apenas ofereceram para você aquilo que o seu nível de educação financeira exigiu deles, ou seja, empréstimos e dívidas no cartão de crédito. Precisamos assumir a culpa, pois os mesmos bancos que oferecem dinheiro em troca de juros, também oferecem juros em troca do seu dinheiro. O seu nível de educação financeira é o que vai determinar aquilo que você vai pedir para o banco. Ele vai entregar apenas o que você pediu para ele. Precisamos assumir que somos responsáveis pelo nossos conhecimentos, somos responsáveis pelo nossa evolução e pelas consequências do nosso atraso. A sua libertação virá da sua educação. O primeiro passo seria entender que é necessário manter um estilo de vida de custo menor do que a sua renda. Se por algum motivo você se endividou isso ocorreu por você manter um estilo de vida de custo maior que a sua renda ou por ter enfrentado uma emergência sem ter feito previamente uma reserva de emergência (dinheiro guardado). Aquele que tem sua reserva não precisa dos empréstimos no caso de uma eventualidade. No caso de manter uma vida mais cara do que sua renda só existe duas saídas. 1) Reduzir seu custo de vida 2) Aumentar sua renda. Sem uma das duas coisas ou sem as duas coisas ao mesmo tempo não será possível pagar as atuais dívidas, muito menos viver uma vida sem dívidas no futuro.

  60. Lucas dos Santos 29 de dezembro de 2016 at 9:11 - Reply

    Olá Leandro

    Meus parabéns por seu excelente trabalho, eu acompanho seus artigos já por mais de 02 anos, foi um dos primeiros sites sobre educação financeira com que tive contato, conheci o site quando fiz uma busca no Google sobre “como escolher uma corretora de valores” quando iniciei no Tesouro Direto, grande parte do conhecimento sobre finanças que detenho vieram de leituras dos seus artigos, você tem o talento de transformar o “economês” em uma linguagem fácil e prática às nossas necessidades, também sou membro do “clube dos amigos dos poupadores”, sempre indico seu site aos amigos e qualquer pessoa que possua algum objetivo financeiro, mas como você bem sabe a maioria é muito resistente a fazer algo diferente em sentido financeiro, também não possuem nenhum nível de educação financeira, enfim, quanto mais o tempo passa, mais vou aprimorando meus conhecimentos e indo mais longe rumo à independência financeira, nos encontramos lá !

    Forte abraço !

    • Leandro Ávila 29 de dezembro de 2016 at 10:33 - Reply

      Oi Lucas, parabéns por investir na sua educação financeira e por apoiar esse projeto.

  61. Louis 29 de dezembro de 2016 at 9:36 - Reply

    Falando em “especialistas”, gurus, aquele “economista” Ricardo Amorim só chuta suas previsões, não sei como dão ouvidos à ele rsrsrsrs

    • Leandro Ávila 29 de dezembro de 2016 at 10:31 - Reply

      Oi Louis. A única diferença entre ele e os outros economistas é que ele aparece na mídia e chuta publicamente. Já percebi que ele tende a chutar de uma forma mais otimista por ser palestrante. As empresas costumam contratar os palestrantes que são otimistas. Os demais economistas fazem exatamente a mesma coisa, só são chutes para as empresas onde trabalham. Economistas quando fazem previsões são semelhantes aos meteorologistas. Quanto mais curta é a previsão, mais fácil acertar e quanto mais longa, mais difícil (beirando a sorte ou o azar). Qualquer evento que ocorra nos próximos segundos após a previsão inicial pode modificar o futuro. No mundo da economia isso acontece a cada segundo.

  62. Benedito Marcio 29 de dezembro de 2016 at 10:17 - Reply

    Bom dia!

    Leandro, já sou um leitor assíduo das suas matérias, mas ainda sou iniciante no assunto quando se fala em investimento. Acho fantástico a ideia de ir pensando na aposentadoria, mesmo porque não iremos viver para sempre. Gostei muito da última matéria a respeito da “aposentadoria em perigo” e gostaria de saber com mais detalhes a respeito dos investimentos que teremos que fazer para podermos ter uma aposentadoria tranquila. Você mencionou investimentos em determinado prazo e depois mensalmente vc poderia resgatá-los. Citou o exemplo da Fernanda e colocou situações se ela investisse no Tesouro Direto sua rentabilidade seria muito maior. Como posso me planejar a esse respeito? Teria como fazer uma simulação? Eu já compro títulos (tesouro IPCA + 2019 NTNB PRINC) desde junho deste ano na importância entre R$ 600,00 a R$ 700,00. Vc poderia me orientar? Certo da sua atenção.

    • Leandro Ávila 29 de dezembro de 2016 at 13:40 - Reply

      Oi Benedito. O ideal é que você monte uma carteira de investimentos (uma coleção de investimentos), não apenas com foco na aposentadoria, mas em uma vida que tenha uma base financeira que possa te proporcionar mais liberdade de escolha e mais tranquilidade durante a vida, e isso inclui a fase em que você estará aposentado.

  63. sandro 29 de dezembro de 2016 at 10:40 - Reply

    Pra variar, mais um texto que vale a pena. Bom trabalho.
    Eu só deixaria claro que o investimento da Fernanda na poupança não leva em conta o efeito da inflação, por isso o valor final ser próximo do TD IPCA (que já descontou a inflação).

    Seria interessante fazer esse desconto na poupança e comparar os resultados.

    • Leandro Ávila 29 de dezembro de 2016 at 11:24 - Reply

      Oi Sandro. O exemplo da poupança foi só para destacar que a previdência apresentada na reportagem da televisão é tão ruim que até a poupança seria capaz de gerar resultados melhores.

  64. Raphael Moraes 29 de dezembro de 2016 at 10:54 - Reply

    Querido Leandro, esperei para ler todos os 5 artigos da série para finalmente comentar. Frequentemente eu coloco comentários aqui no Clube dos Poupadores e sempre disse que seus ensinamentos têm mudado a minha vida! Obrigado pelos seus ensinamentos! Aprendi muito e tenho lido muito. Sempre que converso com as pessoas sobre esses assuntos, eu falo deste site e recomendo a todos. Estamos chegando ao final de 2016, um ano complicado para muita gente, mas finalmente posso dizer algo que nunca imaginaria: estou chegando ao final deste ano muito melhor que no final do ano passado! Consegui uma saúde financeira e agora posso, enfim, entrar em 2017 investindo no Tesouro Direto. Levei tempo para me reerguer por causa de erros cometidos no passado. Mas graças ao que tenho aprendido, conseguimos nos educar e agora podemos investir!! Cara, você não imagina o quanto estamos felizes, eu e minha esposa! Ah, ela virou empresária da área de tecnologia (aplicativos mobile) e eu, sou funcionário público, mas também sócio dela na empresa. Apesar da dificuldade que é manter uma empresa no nosso Brasil, conseguimos empreender, poupar e agora investir! Grande abraço Leandro e próspero 2017 pra você, toda a sua família e seus inúmeros seguidores!!! Grande abraço!

    • Leandro Ávila 29 de dezembro de 2016 at 11:29 - Reply

      Oi Raphael. Parabéns por sua jornada! Vale lembrar que estamos vivendo uma das piores crises econômicas das últimas duas décadas e, mesmo assim, você teve bons resultados. Imagine como serão seus resultados nos próximos anos, quando essa crise passar. Obrigado por compartilhar conosco. Este tipo de história motiva outros leitores.

  65. Luis Afonso 29 de dezembro de 2016 at 11:05 - Reply

    Parabéns, Leandro! Esta série está fantástica!
    Acompanho seu trabalho há mais de 1 ano. Acho que li todos os seus artigos. E, claro, isso mudou a como faço meus investimentos. Hoje não tenho mais nenhum investimento no banco que eu recebo o meu salário (salvo uma pequena quantia na poupança, só para o caso de precisar para fechar o orçamento do mês). Todo início do mês, quando recebo meu salário, já transfiro a parte destinada a investimento para a minha corretora. Por enquanto, concentro os meus investimentos no TD. Sempre indico seu site aos meus amigos e familiares. Com essa série, acho que eles vão ficar mais interessados em se educar financeiramente. Um abraço e Feliz 2017.

    • Leandro Ávila 29 de dezembro de 2016 at 11:30 - Reply

      Oi Luis. Parabéns por seu processo de mudança. O que mais tento fazer é motivar as pessoas a buscarem aquilo que você buscou durante 2016, que foi o conhecimento. Parabéns.

  66. Cleiton 29 de dezembro de 2016 at 11:18 - Reply

    Parabéns Leandro por esses artigos escritos sobre aposentadoria; na atual situação do nosso país precisamos pensar em não depender de benefício da previdência. Um grande abraço e continue assim ajudando mais e mais pessoas a planejarem um presente e um futuro melhor.

  67. Luiz Henrique 29 de dezembro de 2016 at 11:19 - Reply

    Caro Leandro, sempre brilhante e dividindo os brilhos com seus seguidores, nos quais me incluo com devoção.
    Ciente de que os preços dos títulos públicos sofrem diariamente marcação a mercado, como acreditar que em dado momento de valorização destes títulos, o governo não mude a regra, reduzindo seus valores para evitar ganhos superiores ao contratados pela venda antecipada? Isto se daria pela majoração das taxas oferecidas? Abraços e obrigado.

    • Leandro Ávila 29 de dezembro de 2016 at 11:47 - Reply

      Oi Luiz. O governo tem poder para mudar tudo. O problema é que existem algumas mudanças que geram um impacto muito negativo na credibilidade do próprio governo junto aos investidores (do pequeno até o grande). Impactos na credibilidade refletem em consequências muito ruins. Se hoje estamos mergulhados em uma crise, pode ter certeza que ela começou no momento que o governo anterior deu sinais de que não merecia a confiança dos empresários e dos investidores. Mudar as regras de pagamento da dívida pública seria um tiro no pé se ela prejudicasse aqueles que fizeram investimentos no passado. Neste caso, pouco importaria se você estivesse com seu dinheiro investido em títulos públicos ou investido em qualquer outra modalidade privada. Até aqueles que não possuem conta em banco, mas possuem dinheiro no bolso, sentiriam a crise que isso poderia desencadear. Como mostrei nos artigos anteriores da série, todos os investimentos estão ligados de forma direta ou indireta aos títulos públicos.

  68. souza 29 de dezembro de 2016 at 11:27 - Reply

    Leandro, muito bom o raciocínio, porém, como você mesmo falou, “não considerei os efeitos da inflação”. Nos exemplos em questão, da Fernanda, a aposentadoria não seria quele valor bruto inicial, e sim um valor corrigido. Outro detalhe muito importante e que existem casos e casos. Algumas previdências privadas existem uma contraprestação da empresa, muitas estatais fazem isso. Então é válido fazer e ganha fácil do tesouro direto.

    De qualquer forma, não acredito que exista qualquer investimento financeiro do Brasil que ganhe da “inflação Real”. o valor dos cálculos em questão do tesouro que foi comprado em 2005 e a ser resgatado em 2024 é x vezes maior nominalmente que o inicial, porém o poder de compra desses títulos seriam quase que iguais ao inicial. consideramos uma inflação média de 6,xx% ao ano nos últimos 20 anos, isso é o índice medido, oficial, porém sentimos um efeito bem maior no nosso bolso que esses índices forjados pelo governo.De qualquer forma, acredito ser uma estratégia muito boa levando em consideração a “educação”, o aprendizado, e a “liquidez”, que abre portas no decorrer do tempo. Sugiro a você a escrever-nos sobre o que fazer com o “saldo de liquidez nos investimentos” que dispomos de forma empreendedora. Através de negócios, renda e alavancagem real.
    Grande abraço!

    • Leandro Ávila 29 de dezembro de 2016 at 12:04 - Reply

      Oi Souza. O IPCA é uma média da inflação brasileira. Leva em consideração a variação dos preços em incontáveis itens. A inflação da sua casa é diferente da inflação registrada na minha casa. É comum observar que o IPCA de um determinado mês aumentou muito graças a uma forte alta no preço da carne ou do tomate. Se é vegetariano ou não come verduras, a inflação vai gerar um impacto diferente na sua vida. O problema é que eu não posso fazer simulações baseadas no IPCA de cada pessoa. Precisamos usar o IPCA médio que é calculado pelo IBGE. Negar que fazer investimentos que possuem rentabilidade acima do IPCA, por longos anos, possa gerar benefícios expressivos no futuro é um erro. Considero importante o investimento empreendedor. Sempre tive empresas e elas sempre foram minha renda variável. Só que entendo claramente que minha empresa é um negócio de risco e busco nos investimentos conservadores o local onde irei acumular o capital necessário para minha independência financeira.

      • souza 29 de dezembro de 2016 at 12:52 - Reply

        Verdade Leandro, a inflação causa impactos diferentes no bolso de cada um, sem dúvida, mas sabemos que o governo infla índices e retrai índices e que o IPCA é apenas um “parâmetro geral”, mas que é o oficial e devemos considerá-lo, de fato.

        Você tocou no ponto que eu queria chegar (risos). Posta mais sobre empreendedorismo, empresas, etc.

        E parabéns pelos conteúdos deste site.

  69. João 29 de dezembro de 2016 at 12:05 - Reply

    Parabéns, fechou o ano com chave de ouro!
    Colega durango, 45 anos, recebeu uma bolada de herança, pediu minha opinião e recomendei um CDB.
    Deu 2 meses e ele sacou tudo, comprou um carro e eletrodomésticos para esposa.
    Imagine se ele guardasse essa grana por 10 anos…..

    • Leandro Ávila 29 de dezembro de 2016 at 13:38 - Reply

      Oi João. Ele até poderia ter gastado uma parte do que ganhou, mas poderia fazer isso utilizando os juros e não o valor principal.

  70. Delmo 29 de dezembro de 2016 at 12:16 - Reply

    Olá Leandro. Como Fernanda, eu também iniciei meus investimentos na previdência privada. Lendo sua publicação, passou um filme ao resgatar na minha memória os primeiros momentos que deleguei, ou melhor, paguei através de taxas de administração, a uma instituição a competência de gerir meu dinheiro. É incrível quando você não tem conhecimento financeiro, acaba deixando seu gerente de banco dizer onde e como investir suas economias. Isso te deixa “confortável” e sem o sentimento de culpa se fez a coisa certa. Afinal, ele conhece mais que você! É o mesmo sentimento quando pede conselho a um professor por, no mínimo, entender mais que você. Depois de muitos anos e muita literatura, percebi que estava preso a um sistema no qual você mais paga a conta do que recebe. É muito libertador você vê que existem vários e outros caminhos da multiplicação da riqueza fora dos grandes bancos. Enfim, mas isso é a minha história. Qual será dos milhões de brasileiros no futuro? Qual será dos filhos desses brasileiros? Grande abraço e um 2017 com juros compostos em conhecimentos!!!

    • Leandro Ávila 29 de dezembro de 2016 at 13:35 - Reply

      Oi Delmo. O problema é justamente esse. Existe um abismo de diferença entre um professor de educação financeira e um gerente de banco. Analistas e consultores financeiros também são diferentes de educadores. Só o educador está comprometido com o seu conhecimento para que tenha liberdade. Os demais buscam uma relação de dependência entre você e a opinião deles sobre o que fazer com o seu dinheiro.

  71. candida 29 de dezembro de 2016 at 13:24 - Reply

    Ola Leandro. Também sempre me perguntei porque náo há tesouro IPCA com datas entre 2024 e 2035. Eu gostaria muito de investir numa data intermediária a essas duas…quem sabe eles lançam. Ne? Estou devorando todos os seus artigos maravilhosos e investindo o que consigo do meu parco salário. Mas afirmo: investir e guardar se torna um vício com o tempo. Não vejo minha vida sem economizar e investir. No Brasil a falta de educação financeira é tao absurda que as pessoas não pensam sequer em invesgtir. Elas não pensam nem mesmo em economizar!!! Um abraço e obrigada pelo seus artigos. Feliz 2017!

    • Leandro Ávila 29 de dezembro de 2016 at 13:31 - Reply

      Oi Candida. Na verdade as pessoas estranham até pensar na possibilidade de ter dinheiro e não gastar. Como se acumular riquezas fosse uma coisa errada. Assim fica difícil transformar o Brasil em um país rico, pois países ricos são o resultado de uma população rica e para ser rico é necessário ganhar, poupar e investir com inteligencia.

  72. Guilherme 29 de dezembro de 2016 at 13:42 - Reply

    Prezado Leandro,

    Primeiramente gostaria de te parabenizar pelo trabalho magnífico que você faz. Eu trabalho em um renomado banco de investimentos no exterior e leio todos os seus artigos desde 2015. Sempre recomendo seu site quando alguém me faz perguntas sobre finanças pessoais.

    Gostaría de destacar alguns dos riscos que não podemos descartar no Brasil, um país emergente, com fracas instituições e um longo histórico de calotes internos e externos. Sugiro que você escreva um artigo sobre os riscos da renda fixa – já que os da renda variavel são muito mais compreensiveis pelo publico leigo. Abaixo eu listo alguns deles:

    1) Risco de que o juro real LÍQUIDO de uma NTN-B seja zero quando a inflação chegar em ao redor de 25%.
    2) Risco de aumento da alíquota do IR pessoa física. No Brasil a maxima é de 27.5%, sendo que já foi de 35% no FHC-1 (e no Chile é 40%, EUA 39%, Argentina 35%, etc…)
    3) Risco de que os dividendos passem a ser tributados como ganho de capital (15% como na Europa) ou como salário (como nos EUA). Isto não afetaria a renda fixa diretamente, mas mexeria nos incentivos das empresas, obrigando-as a internalizar diversos custos de seus controladores, logo aumentando despesas ANTES do pagamento de juros.
    4) Risco de que a TJLP deixe de existir (afinal é uma januticaba brasileira), aumentando a carga tributária das pessoas físicas.
    5) Risco de intervenção no IBGE para reduzir a inflação “na marra” corroendo o retorno real das aplicações.
    6) Risco de que o teto do INSS seja muito menos no futuro (em 2004 o teto correspondia a 10 salarios mínimos, hoje já é de 6 SM, pois o piso se reajusta acima da inflacao, enquanto o teto apenas pela inflação)
    7) Risco da regulamentação do Imposto sobre Grandes Fortunas (cobrariam uma porcentagem sobre X milhões, sendo que valores mobiliários seriam muito mais facilmente tributáveis do que empresas fechadas)
    8) Risco de que as LCI e LCA deixem de ser isentas de IR, motivo que me faz sempre investir em CDB e LC.
    9) Risco de estatização dos fundos de previdencia complementar, como já foi feito recentemente na Argentina e Polonia.
    10) Risco do FGTS ser destruído com inflação galopante sendo que o rendimento é fixo em 3% + TR.

    Estes são apenas alguns dos riscos que vejo a frente. Obviamente estamos falando de um cenário catastrófico e improvável neste momento. Porém todos concordamos que a situação fiscal brasileira é lastimável e o risco de uma piora é real. Ou o Brasil escolhe fazer um ajuste brutal ou implicitamente estaremos optando por uma grande e crescente inflação.

    Também percebo que você não fala muito sobre o excelente investimento que são os fundos multimercados de gestoras independentes. Muitos tem excelente histórico de remuneração – constantemente acima do CDI.

    Fico à disposição para que troquemos idéias, porém ao falarmos de investimentos até 2035 – em um país como o Brasil – é importante colocar na conta algumas das mudanças muito prováveis: inflação e tributação acima da esperadas. Usar 6% de juro real bruto nos calculus pode ser perigoso.

    Um abraço!

    • Leandro Ávila 29 de dezembro de 2016 at 14:11 - Reply

      Oi Guilherme. Com uma inflação de 25% ao ano nenhum investimento de renda fixa estaria salvo de perdas. Para atingir esse 25% de inflação no futuro o governo certamente teria deixado de usar a taxa Selic como freio da economia. Poderia fazer isso por questões ideológicas. O fato do brasileiro não saber votar é o maior de todos os riscos. Podemos observar em países como a Venezuela onde o governo mantem sua taxa básica de juros em 22,48% enquanto a inflação oficial está em 180.90%. Na Argentina a inflação é de 40,5% e a taxa básica de juros é 24,75. Todos os países que estão neste momento com inflação elevada sofrem ou sofreram os efeitos de políticos populistas. Só o tempo dirá se o brasileiro aprendeu alguma coisa no decorrer desta crise que estamos vivendo.

  73. Andre 29 de dezembro de 2016 at 14:40 - Reply

    Parabéns pela série de artigos e pela iniciativa do ebook… os artigos sempre em linguagem simples e fácil de entender.

  74. Anderson 29 de dezembro de 2016 at 15:09 - Reply

    Parabens pelos seus artigos Leandro!
    Você explica tudo muito bem, e de forma simples que todos entendem.

    Sucesso!!!

  75. José Hércules 29 de dezembro de 2016 at 15:12 - Reply

    Boa tarde, Leandro. Uma pergunta bastante clara : se por acaso precisar vender títulos IPCA do TD, qual é o melhor momento ? Seria da baixa da taxa Selic ou não tem nada a ver ? Ou tem am ver com o valor do título ou do percentual pago além do IPCA ? O resto eu entendi bem, porém me falta esta informação para ficar totalmente à vontade . Muito obrigado pela atenção.

    José Hércules.

    • Leandro Ávila 29 de dezembro de 2016 at 15:19 - Reply

      Oi José. Quando a taxa dos títulos negociados atualmente cai isso faz o preço do título subir. Se você comprar um Tesouro IPCA por 6% e a taxa cair para 5% alguns meses depois, você irá reparar que o preço do título irá subir. Quanto mais longo o vencimento do título maior será o impacto no preço. Neste caso a venda antecipada não geraria perdas. Já a situação contrária pode gerar perdas. Se você compra com taxa de 6% e no futuro a taxa sobe para 7% o preço do título para venda antecipada irá cair e você terá perdas se resolver vender antecipadamente. Para quem espera até o vencimento vale a taxa e condições prometidas no ato da compra. Eu falo mais detalhadamente sobre isso nos outros artigos que recomendei no decorrer deste artigo. Recomendo que você leia.

  76. Pedro 29 de dezembro de 2016 at 15:32 - Reply

    Leandro, conheço uma empresa privada que oferece uma previdência complementar.

    A empresa desconta uma parte do salário e complementa 100% este valor. Porém esse 100% só irá efetivamente para a conta do funcionário se o empregado for demitido ou no fim do plano de previdência. O que acha disso?

    • Leandro Ávila 29 de dezembro de 2016 at 15:47 - Reply

      Oi Pedro. É uma forma que as empresas encontraram para reduzir a rotatividade de funcionários. Provavelmente se você pedir para sair vai perder alguma coisa. A ideia é que você fique aprisionado neste emprego. Se o objetivo da pessoa é passar a vida toda trabalhando na mesma empresa, tudo bem. O difícil é combinar isso com aquele que você será no futuro. Pode ser que no futuro você mude de ideia.

  77. Marcelo 29 de dezembro de 2016 at 17:50 - Reply

    Olá, Leandro!

    Parabéns pelo excelente trabalho. Um feliz 2017 pra você!

    Marcelo

  78. ronaldo 29 de dezembro de 2016 at 17:57 - Reply

    Leandro,

    Muito claro e preciso o artigo. Porém o Brasil não é um País confiável, o que não me deixa parar de pensar no seguinte:

    O risco do Governo interferir no IBGE para reduzir a inflação “oficial” “na marra” (como disse outro leitor) corroendo desta forma o retorno real das aplicações….

    Tendo em visto a falta de seriedade por parte dos Governantes e dos Órgãos superiores da Justiça (Leia-se STJ e STF), isso não seria uma questão tão difícil de ocorrer.

    Pergunta: Voce confia realmente no IBGE (nas projeções de IPCA????)

    • Leandro Ávila 30 de dezembro de 2016 at 15:14 - Reply

      Oi Ronaldo. As instituições financeiras no Brasil são extremamente poderosas. Basta observar que políticos são eleitos graças a doações milionárias (não importando o partido). Por qual motivo você acha que os bancos foram os que mais doaram dinheiro para esse políticos como este aqui.? Justamente um político que aparecia na televisão falando contra a “elite” ? Nas últimas eleições foi a mesma coisa, o setor financeiro esta presente patrocinando os políticos através de milhões (veja aqui). Será mesmo que algum político ficaria muito tempo no poder se tomasse a decisão de fraudar os números oficiais de instituições como o IBGE gerando enormes prejuízos para todo o sistema? A última presidente perdeu o cargo após descumprir leis fiscais, através do que chamavam de “contabilidade criativa”. O outro, lá no passado, foi brincar com o sistema financeiro “congelando” a poupança das pessoas e acabou durando pouco tempo no poder. A relação entre Estado e Sistema Financeiro, em todos os países do mundo é simbiótica. Um depende do outro para viver. Sem o Estado o sistema financeiro deixa de existir e sem o sistema financeiro o Estado também deixa de existir. É importante entender essa relação. O que estou falando não significa que eu concorde com isso. Eu apenas estou me limitando a entender como o sistema funciona da forme nua e crua.

  79. Benedito 29 de dezembro de 2016 at 22:48 - Reply

    Olá Leandro,

    No exemplo que você deu, no caso de aposentado, na aplicação no TD com juros semestrais, a antecpipação do IR nestes juros irá interferir muito no resultado final?
    Parabéns por nos premiar com mais um artigo excelente e um feliz 2.017.

    • Leandro Ávila 30 de dezembro de 2016 at 15:14 - Reply

      Oi Benedito. O IR será de 15% sobre esses rendimentos semestrais.

  80. Bárbara 30 de dezembro de 2016 at 9:54 - Reply

    Parabéns pelo excelente artigo, Leandro… cm certeza será compartilhado com meus parentes. Esperando os próximos artigos ansiosamente!!

  81. Leonardo 30 de dezembro de 2016 at 10:37 - Reply

    Leandro,

    Sou um jovem relativamente novo, tenho 21 anos, hoje já invisto grande parte do meu dinheiro e eu simplesmente não consigo parar de ler o seu blog. Sou apaixonado por investimentos e apaixonado por empreendedorismo e pretendo abrir uma empresa o mais breve possível. Queria apenas agradecer por todos esses artigos e todo esse conhecimento excepcional que você proporciona a todos nós. Conteúdo de altíssima qualidade e conhecimento sem limites. Não apenas conhecimentos financeiros mas mentalidades de pessoas ricas.

    E hoje é espantoso como tenho vários conhecidos que nem sequer se importam com o futuro e com o que fazem com o seu dinheiro e o quanto não fazem ideia desse “Tesouro de Investimento” que temos que são as possibilidades de investimento no nosso país.

    Um grande obrigado! MESMO!

    • Leandro Ávila 30 de dezembro de 2016 at 15:16 - Reply

      Oi Leonardo. Parabéns por investir seu tempo se educando financeiramente ainda sendo jovem. Você terá muito tempo para colher os frutos.

  82. Daniela 30 de dezembro de 2016 at 11:10 - Reply

    Oi Leandro,

    parabéns pelo trabalho. Me tira uma dívida, não sei se vc respondeu aqui nas mensagens já. Em relação ao investimento para aposentadoria, ainda não está claro pra mim como funciona lá em 2035 a utilização mensal dos rendimentos. Vc deu uma estratégia de utilizarmos os juros semestrais quatro vezes ao ano. Mas supondo que eu invista somente no IPCA Principal, como ficaria a manutenção dos juros quando o montante cair na minha conta em 2035? Eu deixaria ele render na poupança, e “sacaria” mensalmente a minha aposentadoria, ou reinvestiria em novos títulos com vencimento num prazo mais curto. Acredito que as duas opções sejam possíveis, porém a segunda mais rentável. Ainda assim, gostaria de saber se existe uma outra possibilidade. Muito obrigada!

    • Leandro Ávila 30 de dezembro de 2016 at 16:05 - Reply

      Oi Daniela. A ideia seria investir em títulos que pagam juros semestrais somente quando você se aposentar. Se você se aposentasse em 2035, receberia os valores que investiu neste título e faria investimentos em títulos com vencimento semestral. Se for se aposentar depois de 2035 poderia fazer novo investimento em títulos que não pagam juros semestrais ou faria outros investimentos mais vantajosos em 2035, pois não sabemos como estará o mercado financeiro e a economia no futuro.

  83. Daniela 30 de dezembro de 2016 at 11:12 - Reply

    *dúvida kkkkkkkk

  84. Marcos 30 de dezembro de 2016 at 12:01 - Reply

    Que aula!!! Para fechar o ano com chave de ouro….
    Parabéns Leandro, que seu 2017 seja repleto de realizações e que te inspire cadê vez mais para compartilhar seus conhecimentos conosco. Abraços

  85. Jhon 30 de dezembro de 2016 at 12:44 - Reply

    Parabens Leandro, a serie está fantástica. Espero que o Tesouro Nacional aplique as tuas sugestões logo.

    • Leandro Ávila 30 de dezembro de 2016 at 16:06 - Reply

      Oi Jhon, foi bom saber que eles estão querendo melhorar.

  86. Magno 30 de dezembro de 2016 at 12:52 - Reply

    Bom dia, Leandro.
    Parabéns e obrigado novamente por compartilhar conhecimento conosco.
    Me restaram ainda duas dúvidas. Se pudesse elucidá-las, ficaria bastante contente. 🙂

    1. Vi no outro artigo que um calote é algo impensável e improvável. Compreendi. Então o que vc quis dizer nesse trecho abaixo? Qual o receio dos investidores nestes casos?

    ‘Nos momentos de crise o número de pessoas com dinheiro disponível para investir cai. Os poucos que possuem dinheiro para investir ficam com receio de emprestar dinheiro para o governo quando as expectativas sobre o futuro da economia são negativas. Isso naturalmente faz as taxas de juros futuras aumentarem e isso reflete nas taxas que o Tesouro oferece nos títulos Tesouro IPCA e Tesouro Prefixado… ‘

    2. Atualmente o IPCA + 2035 tá com uma taxa de 5,66%. Esta taxa é considerada boa? Devo aproveitá-la? Digo isso pq provavelmente receberei em breve um quantia de dinheiro e gostaria de saber se vale mais a pena colocar no IPCA + 2024 com juros de 5,83% ou se invisto a longo prazo, no ipca+2035, com essa taxa menor de 5,66%… ( o objetivo é aposentadoria ).

    Agradeço antecipadamente os esclarecimentos.
    Feliz 2017.

    • Leandro Ávila 30 de dezembro de 2016 at 16:11 - Reply

      Oi Magno. Nos momentos de crise as pessoas se comportam movidas pelo medo. No caso dos títulos Tesouro IPCA, quando os juros sobem o preço desses títulos caem. Se existem investidores que estavam pensando em vender os títulos antecipadamente, saber que o preço do título irá cair faz eles anteciparem a venda dos títulos. Já aqueles que pensam em comprar títulos, quando existe uma expectativa de piora, tendem a parar de comprar títulos por acarem que os juros irão subir e o preço desses títulos irão cair (gerando oportunidades). Isso e outros fatores ajudam a elevar os juros futuros e isso impacta a taxa dos títulos. Não é necessariamente o medo de levar calote, mas o medo de ocorrerem mudanças de tendência de juros como o início de um ciclo de alta dos juros.

      • Magno 2 de janeiro de 2017 at 7:15 - Reply

        Muito obrigado, Leandro. Compreendi!
        A resposta a segunda pergunta me seria muito útil tb… 🙂
        Se vc tiver oportunidade de respondê-la ficarei muito grato.

        2. Atualmente o IPCA + 2035 tá com uma taxa de 5,66%. Esta taxa é considerada boa? Devo aproveitá-la? Digo isso pq provavelmente receberei em breve um quantia de dinheiro e gostaria de saber se vale mais a pena colocar no IPCA + 2024 com juros de 5,83% ou se invisto a longo prazo, no ipca+2035, com essa taxa menor de 5,66%… ( o objetivo é aposentadoria )….

        • Leandro Ávila 2 de janeiro de 2017 at 14:53 - Reply

          Oi Magno. Não existe nada que possa impedir essa taxa de subir para 6% ou 7% nos próximos meses ou anos. Da mesma forma ela pode cair. Esse é o problema. Eu não tenho nenhum mecanismo para afirmar com 100% de certeza que essa taxa de 5,66% irá se manter como a melhor taxa de agora em diante. Pessoalmente faço meus investimentos aos poucos e por este motivo tenho investimentos com várias taxas.

  87. Carolina 30 de dezembro de 2016 at 13:41 - Reply

    Queria tirar uma dúvida com relação ao tesouro direto e declaração de imposto de renda. A minha mãe é aposentada, com mais de 65 anos, e consta como minha dependente no imposto de renda. Caso ela passe a investir no tesouro direto eu devo incluir isso na minha declaração na parte de bens e direitos e rendimentos dela? Isso poderia afetar a minha restituição?

    • Leandro Ávila 30 de dezembro de 2016 at 16:12 - Reply

      Oi Carolina. Sim, tudo que sua mãe tem precisa aparecer na sua declaração caso ela seja dependente. Isso não se aplica apenas aos títulos públicos mas também ao saldo da conta corrente dela, poupança, imóveis, etc. Se a sua mãe tem algum dinheiro, ele já deveria aparecer na sua declaração.

      • Carolina 30 de dezembro de 2016 at 19:15 - Reply

        Muito obrigada pela pela pronta resposta. Ela começou a receber o benefício de um salário mínimo no meio do ano passado e eu não coloquei os rendimentos dela na minha declaração desse ano, nem o apartamento em que moramos, que pertence a ela e meu pai. Ela está como minha dependente desde 2013, imagino que agora terei que retificar todas as minhas declarações, é isso mesmo?

        • Leandro Ávila 2 de janeiro de 2017 at 14:25 - Reply

          Oi Carolina. Quando você tem um dependente, a renda e os bens desse dependente precisam aparecer no seu imposto de renda.

  88. Roberta 30 de dezembro de 2016 at 14:07 - Reply

    Oi Leandro. Fiquei com uma dúvida com relação as simulações do caso “Fernanda”.
    Na simulação da poupança, investindo R$250,00 por mês, por 45 anos no final ela terá 1.233.480,83.
    Investindo em títulos públicos (Tesouro IPCA) com R$500,00 por mês, por 45 anos no final ela terá 1.311.194,00.
    Quer dizer que investindo o dobro no Tesouro IPCA ela terá quase o mesmo valor da poupança?
    Me ajuda a entender. Obrigada.

    • Leandro Ávila 30 de dezembro de 2016 at 16:14 - Reply

      Oi Roberta. A poupança recebeu investimentos por 45 anos na simulação. Na simulação do título utilizei o título mais longo que existe atualmente com vencimento em 2035 (19 anos).

  89. Anderson 30 de dezembro de 2016 at 14:53 - Reply

    Ótimo fechamento, Leandro.

    Já estou indicando a série a vários conhecidos. Tomara, tomara, que alguma alma seja tocada.

    Parabéns!

    • Leandro Ávila 30 de dezembro de 2016 at 16:14 - Reply

      Oi Anderson. Não custa tentar. Obrigado!

    • Thomas 2 de janeiro de 2017 at 13:50 - Reply

      Anderson, estou na mesma oração que vc! rs

  90. Roberto 30 de dezembro de 2016 at 16:00 - Reply

    OLA LEANDRO.PARABENS.FECHOU COM CHAVE DE OURO ESSA SERIE.ESPERO QUE ESTEJAMOS TODOS JUNTOS EM 2017..SAÚDE E PAZ PRA VOÇÊ E TODA A SUA FAMILIA….

  91. Zara 30 de dezembro de 2016 at 18:12 - Reply

    Esses meios de comunicação prestam um desserviço à população… Dias atrás até vi uma reportagem na TV globo falando sobre tesouro direto, mas foi uma agulha num palheiro…
    Excelente artigo, como sempre!

  92. andre luiz narciso 30 de dezembro de 2016 at 19:50 - Reply

    boa noite muito obrigado Leandro pelos seus esclarecimentos Você é como SERGIO MORO NAS NOSSAS FINANÇAS BEM CLARO E OBJETIVO DEUS ABENÇOE CADA VEZ MAIS SUA FAMÍLIA.AH SUGESTÃO FAZER VIDEOS SERIA ÓTIMO…ADORO SEUS LIVROS

  93. cecilia 30 de dezembro de 2016 at 21:48 - Reply

    Oi Leandro,

    Pensando na aposentadoria de minha filha de 5 anos, penso em investir em TD IPCA 2035. O que acha?
    Posso abrir uma conta em uma corretora no nome dela? ou tem que ser no meu nome já que ela é menor de idade e não tem renda?

    • Leandro Ávila 2 de janeiro de 2017 at 14:28 - Reply

      Oi Cecilia. Você não pode abrir conta na corretora em nome de crianças. Pessoalmente não vejo nenhuma vantagem ou utilidade criar contas em nome de crianças para investir. Faça o investimento em seu nome e de preferência não diga para a criança que você está fazendo esse investimento para ela.

  94. Nicolay 30 de dezembro de 2016 at 22:17 - Reply

    Boa Noite,
    seus artigos são excelentes, comecei a investir no tesouro direto estudando no seu site

    Tenho uma dúvida.

    Com a repaginada do site do tesouro é possível ver a evolução grafica dos nossos investimentos nos titulos públicos.
    Nesse ano em especial o rendimento de alguns títulos para venda antecipada tem sido bem maior que a evolução do rendimento para resgate no vencimento mesmo com todas as taxas.

    A minha dúvida é: séria lucrativo eu vender por exemplo o que tenho no Tesouro IPCA+ 2035 (NTNB Princ) e reinvestir o valor total da venda novamente no mesmo titulo?

    Ou seria melhor deixar ele como está, levando em conta que meu objetivo é poder resgatar o titulo no vencimento para ter uma poupança proximo a minha aposentaria

    • Leandro Ávila 2 de janeiro de 2017 at 14:31 - Reply

      Oi Nicolay. Imagine que você comprou uma coisa por R$ 1000 e agora essa coisa está custando R$ 1200. Faria sentido você vender essa coisa por R$ 1200 e logo depois recomprar por R$ 1200 ? Não faria nenhum sentido, ainda mais sabendo que você não receberia R$ 1200 no momento da venda já que o governo ficaria com 15% sobre o rendimento.

  95. Marcelo Williams 30 de dezembro de 2016 at 23:57 - Reply

    Ótima série, Leandro!

    Aproveito para desejar a t!dos um 2017 rico em saúde e dividendos!

  96. Wilson Junior 1 de janeiro de 2017 at 14:34 - Reply

    Parabéns pelo excelente artigo Leandro, foi enriquecedor acompanhar cada deles e ler cada comentário postado. Admiro muito o seu trabalho e vou continuar divulgado-os para outras pessoas. Eu acredito que a leitura é um dos melhores e mais eficientes meios de adquirir conhecimento, além de proporcionar lazer e tantos outros benefícios, queria aproveitar e te perguntar quais livros que impactou na sua vida, livros que te agregaram muitos valores para o seu crescimento pessoal, profissional, e afins?

    • Leandro Ávila 2 de janeiro de 2017 at 14:38 - Reply

      Oi Wilson. Os livros são como peças de um quebra-cabeça. Não existe um livro que tenha o quebra-cabeça completo. Aqui mora o problema. O impacto que um livro vai gerar na sua vida depende do quebra-cabeça que já está montado dentro de você. Para mim o livro pode se encaixar completamente nas peças que tenho. Para você ele pode ser apenas uma peça isolada, que ainda não se conecta com as peças que você tem. Para outra pessoa o livro pode ser uma peça repetida, pois ele já tinha essa peça.

  97. Daniel Araujo 1 de janeiro de 2017 at 16:39 - Reply

    Eu trabalhei no SAC telefônico de uma empresa de previdência privada, depois de um corte pessoal fui mandado embora neste ano. Há mais ou menos 2 meses atrás estava em casa com tempo livre e resolvi pesquisar por curiosidade mais a fundo como funciona rentabilidade da previdência e se valia a pena contratar, dei um “google” e daí caí aqui nesse site. A pesquisa sobre a previdência me fez cair no tema tesouro direto, que me fez cair no tema de IPCA , inflação etc etc desses dois meses para cá tenho dedicado tempo para ler as publicações antigas daqui, porque as recentes já li todas, eu não sabia nada disso, o que era TR, como rendia a poupança, como funciona o tesouro direto, COPOM, etc etc, eu gostaria de te agradecer muito pelos conhecimentos que você compartilha através daqui, eu passei a ter interesse nos temos econômicos, assistir vídeos no youtube sobre, passei a entender o sistema no qual estamos inseridos , e pretendo adquirir os seus livros também para aumentar cada vez mais minha bagagem sobre o tema, eu não consigo acreditar como passei tanto tempo na ignorância. Sei que esse conhecimento é de construção constante, hoje posso analisar e realmente conclui que pelo menos na previdência onde trabalhei só quem tinham mais vantagem eram os clientes que fizessem aporte inicial na casa do milhão. Tenho 21 anos, com tudo que li aqui e com todo o conhecimento que estou obtendo aqui eu tive um bac e meio que acordei pra vida, comecei o 1° passo e estou montando meu fundo de emergência, e em sequencia vou começar meu investimento para aposentadoria. Eu curso matemática, e mais pra frente tenho que escolher a habilitação do curso, eu estou me interessando de tal maneira em temas econômicos que já estou olhando a habilitação em Estatística Econômica , sei que pode parecer besteira mas como nessa área na iniciativa privada tem muitas vagas para bancos as vezes sinto algo meio ético tipo eu vou trabalhar dentro desse sistema nas empresas que se beneficiam desse sistema, sei lá pode ser besteira isso da minha parte. Eu gostaria novamente de dizer muito muito obrigado jamais imaginaria que um simples acesso num site me causaria uma epifania, devido aos seus textos mudei a forma de enxergar o mundo e o meio onde estamos inseridos

    • Leandro Ávila 2 de janeiro de 2017 at 14:43 - Reply

      Oi Daniel, parabéns pelo seu despertar. Não existe nenhum problema em trabalhar dentro dos bancos. Basta ser ético e correto na sua função. Só não faça aquilo que não acha correto. Se te obrigarem a fazer, busque outras oportunidades em outras empresas.

  98. Carlos 1 de janeiro de 2017 at 18:01 - Reply

    Olá Leandro,
    Você conhece a plataforma crowdfunding específica para investimento em Startups chamada eqseed ? Acha que eh uma opção investir uma parte da minha carteira de investimentos nesse segmento, desde que, é claro, eu analise de maneira favorável determinada startup ?
    Obrigado como sempre !

    • Leandro Ávila 2 de janeiro de 2017 at 14:44 - Reply

      Oi Carlos. São investimentos de altíssimo risco onde a avaliação começa sobre quanto dinheiro você está disposto a perder até conseguir ganhar alguma coisa. Não recomendaria a não ser que você fosse muito experiente em negócios e com dinheiro suficiente para perder sem ficar abalado com isso.

      • Carlos 2 de janeiro de 2017 at 20:05 - Reply

        Muito obrigado !

  99. Maria Moreira 1 de janeiro de 2017 at 18:02 - Reply

    Leandro, muito bom seus artigos, mas só uma coisa que me intriga, e se muita gente começar a fazer isso, quem vai pagar essez juros, eu sei que hoje são nossos impostos, mas não iria quebrar o país de vez, ou pior, o governo iria criar outras leis para pegar o dinheiro dos investidores pessoa física, o que por sinal ele já começou a fazer, já que acabou de mudar umas regras do tesouro direto no meio do jogo…uma safadeza sem tamanho conosco….o que vc me diz sobre isso ?

    • Leandro Ávila 2 de janeiro de 2017 at 14:47 - Reply

      Oi Maria. Quando o governo não consegue subir impostos para pagar juros ou não consegue fazer o país crescer (para elevar sua arrecadação) ele imprimir dinheiro e paga a dívida gerando inflação.

  100. Junior 2 de janeiro de 2017 at 0:51 - Reply

    Olá Leandro… parabéns por mais essa série!!! Agora tenho que perguntar:
    Começo de ano… depois de comer que nem um doido, queria saber quando vc vai escrever o artigo (ou outra série)sobre sua a guerra com a balança?? O que vc aprendeu? O que vc conseguiu poupar? Conseguiu sair ileso das festas de fim de ano?? Abraços Professor e um ótimo 2017:)

    • Leandro Ávila 2 de janeiro de 2017 at 14:50 - Reply

      Oi Julio. Ainda não sei se irei publicar nesta ou na próxima semana.

  101. Karla 2 de janeiro de 2017 at 9:59 - Reply

    Olá, Leandro. O que seria mais interessante quanto ao título público IPCA 2035, ir investindo todo mês ao longo dos anos, ou investir de uma única vez um montante e resgatá-lo na data de vencimento?

  102. 2 de janeiro de 2017 at 13:20 - Reply

    Boa tarde Leandro!
    Estamos divulgando o trabalho de mapeamento dos blogs de finanças do Brasil.
    Parabéns pelo segundo lugar de acessos em todo pais!

    Abraço!

  103. Matheus 2 de janeiro de 2017 at 23:56 - Reply

    Boa Noite Leandro !
    Fugirei um pouco do tema, pois hoje tive uma abordagem com “OGerente de Banco” que me deixou um pouco intrigado. Debatendo sobre IR nos investimentos, Ele me falou que ao resgatar um investimento que passe do valor da alíquota de 27,5%, por exemplo, Um CDB de 3 anos no valor de R$ 100.000,00,vai descontar os 15% na fonte e no exercício do ano seguinte, quando eu declarar no IR vai descontar os 12,5% restantes(que completariam 27,5%). Na tributação de investimentos, vamos dizer que estou posicionado em um ativo com tabela regressiva que chegue ao tempo dos 15%, como fica na declaração? o imposto já não foi pago na fonte ?
    Nunca me atentei à isso, por achar um pouco claro e obvio o sistema de tributação… porém pegadinhas existem, nunca se sabe…

    • Leandro Ávila 4 de janeiro de 2017 at 17:23 - Reply

      Oi Matheus. Seu gerente disse que ao resgatar um CDB e pagar 15% de imposto na fonte (sobre os rendimentos) você será taxado novamente quando declarar o imposto de renda? ou seja, irá pagar a diferença 12,5% até completar 27,5%? Se ele realmente disse isso, recomendo que pare de conversar com ele e se possível faça alguma coisa para trocar de gerente. Ou ele é uma pessoa totalmente despreparada (isso representa um risco para você) ou ele é uma pessoa totalmente mal-intencionada. Nos dois casos é bom trocar de gerente.

      • Matheus 12 de janeiro de 2017 at 20:47 - Reply

        Pois é Leandro, ele disse isso para mim e minha mãe. Desconfiei por não fazer sentido algum… Eu já me livrei disso à muito tempo, estou tentando libertar minha familia….

  104. Reinaldo Iglesias 3 de janeiro de 2017 at 0:35 - Reply

    Desde que comecei minha vida produtiva sempre fui muito poupador (apenas de poupança) , e assim consegui comprar meu primeiro carro à vista, mesmo com todas as tentações de bancos, e com o passar dos anos perdi essa capacidade de poupar, mas ultimamente tenho voltado a ter essa vontade de poupar principalmente vendo o caos futuro que se encontra nosso país, e graças a Deus encontrei esse site por acaso que através desse e de outros artigos tem feito com que minha mente se abra cada vez mais, poupador eu sempre fui mas agora me preparo para ser um investidor!!!

  105. Julio Cesar 3 de janeiro de 2017 at 8:35 - Reply

    Olá Leandro. Um excelente artigo, parabéns! Achei fantástica sua abordagem sobre a história de Fernanda, que se não fosse trágica, seria cômica: com toda essa falta de educação financeira, acreditar que passará seus dias de aposentadoria em uma casa de campo na Europa beira o ridículo. Daria um um ótimo drama, com final infeliz é claro. Um abraço e continue na batalha para proporcionar educação aos pequenos investidores como eu.

  106. Maurinei 3 de janeiro de 2017 at 16:24 - Reply

    Leandro, acho impressionante como os seus ensinamentos destoam da maioria (quase totalidade) de tudo que se encontra de forma aberta na internet. É incrível o nível de ignorância financeira e/ou oportunismo desses “istas” que povoam a web. Isso dá uma ideia do meio que nos cerca, dificilmente poderemos confiar em dicas desses “istas”. Vendo o seu trabalho e um dos seus livros que já adquiri, percebi a importância dos seus ensinamentos. Posso dizer com tranquilidade: Vc é o cara!!! Parabéns, parabéns, parabéns! Um Feliz 2017!

    • Leandro Ávila 4 de janeiro de 2017 at 17:26 - Reply

      Oi Maurinei, destoa pelo fato do meu interesse ser apenas o de educar as pessoas e buscar meios para que meus leitores financiem o meu trabalho, de tal forma que nunca tenha que aceitar patrocínio de instituições financeiras, que por sua vez possuem outros interesses.

  107. Socrates 4 de janeiro de 2017 at 9:52 - Reply

    Olá Leandro!
    Em sua opinião qual seria uma taxa adm razoável para cobrar por uma previdência privada?

    • Leandro Ávila 4 de janeiro de 2017 at 17:27 - Reply

      Oi Socrates, o ideal seria uma taxa equivalente ou bem próxima do que você teria se fizesse seus investimentos por conta própria.

  108. Jorge Guerino 4 de janeiro de 2017 at 19:50 - Reply

    Oi Leandro,

    O Brasil paga a maior taxa de juros real no mundo, mesmo não tendo o maior endividamento, pela falta de credibilidade e segurança aos investidores (suas palavras). O país mais endividado é os Estados Unidos. Tem uma taxa de juros básica entre 0,25% e 0,50% e seus títulos públicos são os mais seguros do mundo.

    Muitos países tem alto endividamento e baixas taxas de juros. Minha dúvida é se o Brasil não está pagando juros muito acima de Turquia, Rússia, Índia e México desnecessariamente.

    Você compraria títulos públicos da Turquia, México, Rússia ou Índia, se pagassem as mesmas taxas que o Brasil? Eu não.

    Abraço.

    • Leandro Ávila 7 de janeiro de 2017 at 5:44 - Reply

      Oi Jorge. Imagine que você tem um amigo chamado Zé e outro chamado Bob. O Zé é pouco produtivo, vive mudando de emprego, tem uma vida instável, está sempre envolvido em crises, não é visto como uma pessoa séria, gasta mais do que ganha e não respeita o próprio orçamento. Já o Bob é rico, altamente produtivo, trabalhou nas maiores empresas do mundo, tem enorme dívida, só que ao mesmo tempo tem credibilidade. Para qual dos dois você emprestaria seu dinheiro cobrando 0,25% de juros ao ano? O quanto cada um deve pouco importa.

  109. Carlos 5 de janeiro de 2017 at 1:37 - Reply

    Olá Leandro,
    Adquiri seu material e estou gostando bastante.
    Você comentou sobre o curso de produtividade do seiiti arata, assisti os primeiros 2 vídeos e achei interessante, mas pelo menos nos próximos 3 meses não consigo fazer este investimento.
    Você tem alguma outra sugestão de curso/livro que eu possa ir iniciando neste assunto até lá ?
    Obrigado

    • Leandro Ávila 7 de janeiro de 2017 at 5:45 - Reply

      Oi Carlos, brevemente eu pretendo escrever mais sobre produtividade.

      • Carlos 8 de janeiro de 2017 at 22:54 - Reply

        Obrigado Leandro!
        Aguardo ansiosamente.
        Hoje ouvi no rádio um académico de financias da Getúlio Vargas indicando previdência privada um bom investimento para combater os efeitos na futura nova lei da aposentadoria. É mole… rss

        • Leandro Ávila 9 de janeiro de 2017 at 10:03 - Reply

          Oi Carlos. É o que ocorre sempre, para a alegria dos patrocinadores desses meios de comunicação.

  110. Wellington 7 de janeiro de 2017 at 13:26 - Reply

    Leandro, Vc vai falar de private equity?

  111. Leonardo 7 de janeiro de 2017 at 20:59 - Reply

    Mais um excelente artigo. É desse tipo de informação que precisamos.

    Leandro, você já pensou em criar um canal no YouTube do CP?

  112. Erik 8 de janeiro de 2017 at 12:29 - Reply

    Leandro, excelente série de artigos, obrigado por tudo!

    No caso de previdências de empresas privadas, aquelas em que a cada R$ 1 investido pelo funcionário a empresa investe R$ 1, vale a pena aderir? Obviamente os aportes pessoais e diversificados em Renda Fixa e Variável continuariam. Gostaria de sua opinião sobre isso.

    Forte abraço!

    • Leandro Ávila 9 de janeiro de 2017 at 9:57 - Reply

      Oi Erik. Depende. Do que adiantaria R$ 1 para cada R$ 1 que tiram de você se esse dinheiro não for gerido com responsabilidade? Do que adiantaria se durante vários anos esse dinheiro não tivesse boa rentabilidade? Do que adiantaria se para ter acesso a esse dinheiro a empresa impor inúmeras condições, incluindo aquelas que limitam sua liberdade? Você não deve observar o conjunto de todas as características do que está sendo oferecido para você.

  113. Douglas Alencar 8 de janeiro de 2017 at 14:25 - Reply

    Olá Leandro. É um prazer pra mim escrever aqui. Já acompanho o site há algum tempo. Recentemente comprei seus livros, estou lendo o primeiro e estou quase no fim, ele é ótimo por sinal! Parabéns!
    Venho aqui compartilhar 2 links que são de grande importância pra alertar o pessoal do site e vai no encontro no que o site propõe que é educação financeira e independência do governo e de quem quer que seja que você considere como mais capacitado pra fazer por você o que você deve fazer.

    Este primeiro é da folha de São Paulo onde podemos ver a triste realidade brasileira onde apenas 4% das pessoas poupam com objetivo de aposentadoria. Estamos atrás de países como Gana e Bangladesh!
    http://www1.folha.uol.com.br/mercado/2017/01/1847930-apenas-4-dos-brasileiros-poupam-para-a-aposentadoria.shtml

    Este segundo é um vídeo da globonews falando sobre a grave crise do Rio de Janeiro e dos outros estados do Brasil. Nele vocês verão que muitos funcionários públicos quando ficam apenas 1 mês sem receber( e eu acho isso absurdo claro, eles trabalharam, tem de receber) já não tem uma reserva de emergência para pagar contas e muitos vão pro rotativo do cartão e pro cheque especial.

    O povo precisa urgente mudar as ideias e ter o alvo de se preocupar com o futuro e ser prudente no presente. Obrigado por sua iniciativa, tem me ajudado muito!

    • Leandro Ávila 9 de janeiro de 2017 at 10:00 - Reply

      Oi Douglas. Muito sofrimento pode ser evitado se as pessoas despertarem para a necessidade de aprender a cuidar do próprio dinheiro.

  114. Douglas Alencar 8 de janeiro de 2017 at 14:26 - Reply

    Faltou o link do programa especial da Globonews!
    https://www.youtube.com/watch?v=Vj6T8_cL19g

  115. ELISABETE MEI 9 de janeiro de 2017 at 9:16 - Reply

    Bom dia Leandro

    Acho seus comentários muito interessantes. Vc não prestaria uma consultoria financeira a quem lhe solicita?

    Obrigada.

    • Leandro Ávila 9 de janeiro de 2017 at 10:06 - Reply

      Oi Elisabete, consultores dizem o que você deve fazer, criando dependência. Educadores ensinam você a pensar por contra própria e isso liberta.. A maneira que escolhi para ajudar as pessoas foi através da liberdade que ofereço pelo conhecimento que compartilho aqui no Clube dos Poupadores ou através dos meus livros. Meu objetivo é que você só precise da minha ajuda uma única vez, e que depois se torne livre para tomar decisões sobre o seu dinheiro.

  116. Maikon Afonso 9 de janeiro de 2017 at 9:20 - Reply

    Fantástico, gostei muito desta série sobre a aposentadoria. Aproveitei para compartilhar para meus familiares e amigos, para que possam se preparar melhor para colherem seus frutos no futuro. Como sempre, sou admirador de seu trabalho, que Deus continue lhe abençoando e te fazendo crescer em sabedoria para continuar nos transmitindo seus conhecimentos. Muito obrigado por sua dedicação em nos ensinar! Abraço

    • Leandro Ávila 9 de janeiro de 2017 at 10:06 - Reply

      Obrigado por compartilhar Maikon. Você estará me ajudando a ajudar mais pessoas.

  117. Margarete Borba 9 de janeiro de 2017 at 14:43 - Reply

    Leandro

    Parabéns por essa série de artigos sobre aposentadoria, ficou excelente! E te agradecer pelo seu trabalho de educador financeiro. Cada dia apreendo mais e tento compartilhar esse conhecimento.

  118. candida 9 de janeiro de 2017 at 14:59 - Reply

    oi Leandro. Tudo bem? Por que algumas vezes vejo falar de taxa semestral de 0,3 da BM&F e outras vezes vejo falar de anual ? estou confusa.

    • candida 9 de janeiro de 2017 at 15:18 - Reply

      Só complementando: a própria BM&F me enviou e mail com a cobrança da taxa semestral. Ok. mas no proprio site do tesouro fala em taxa anual e não em semestral. o que eu não estou entendendo?

    • Leandro Ávila 9 de janeiro de 2017 at 18:44 - Reply

      Olá Candida. A taxa cobrada é de 0,30% ao ano, mas a cobrança ocorre a cada 6 meses, ou seja, metade dos 0,30% a cada 6 meses, uma no começo do ano e outra no meio.

  119. TÂNIA DONIZETI SENSON 10 de janeiro de 2017 at 15:26 - Reply

    Caro Leandro, parabéns pelo artigo sobre aposentadoria. Muito bom e didático. Como eu estou conhecendo agora o Tesouro direto (eu até consegui me cadastrar e comprar um pedacinho de títulos) só para testar mesmo, porém lendo seus artigos gostaria de solucionar um problema que eu mesma criei. consegui me aposentar porém ainda trabalho, portanto quero fazer uma reserva para o futuro com o excedente do meu salário de hoje.
    O que eu recebi de FGTS apliquei em renda fixa 500 do BB e em LCI e gostaria de migrar para o tesouro direto, porém as minhas dúvidas são – (sou uma pessoa totalmente leiga no assunto).
    1) aplicação em renda fixa 500 (resgate após 30 dias da aplicação com IR sobre rendimento e taxa de 2% sobre rendimento)
    2) LCI carência de 90 dias da data de cada aplicação sem IR e sem taxa administração
    Estas duas aplicações tem como data de vencimento 2019 se eu não me engano.
    qual a diferença entre a carência que o banco me informa (em meses) e o vencimento do tiítulo?
    Se tirar assim que vencer a carência eu tenho que pagar alguma taxa extra ?

    3) Caso eu pegue este montante do LCI e renda fixa e aplique no tesouro direto e vá colocando uma parte do que recebo da aposentadoria, nem sempre a mesma quantia…caso eu necessite mexer nesta aplicação antes de vencer o prazo, como funciona, eu pago alguma taxa caso eu tire antes do vencimento do título?

    São perguntas de iniciante mas eu prometo que farei uma leitura atenciosa de todos os seus artigos para, a partir de agora aprender sempre.
    Grata

    • Leandro Ávila 24 de janeiro de 2017 at 14:03 - Reply

      Eu sinceramente recomendo que primeiro você dedique algum tempo estudando o funcionamento dos títulos públicos e outros investimentos. Pior do que manter seu dinheiro em um investimento ruim é sair por ai fazendo investimentos sem entender o que está fazendo e pior, perguntando para outras pessoas se as decisões que você está tomando são certas ou erradas. Dedique um pouco de tempo diário aprendendo. É importante que faça isso pelo simples fato de ser obrigada a tomar decisões sobre investimentos pelo resto da sua vida. Hoje você tem essa dúvida, amanhã terá muitas outras e o seu dinheiro é resultado de muitas e muitas horas de trabalho. É uma parte da sua vida que você consumiu para ter acesso a esse dinheiro. É de fundamental importância investir na sua educação financeira para que você possa fazer essas escolhas com total segurança.

  120. Bia 10 de janeiro de 2017 at 21:46 - Reply

    Olá, Leandro. Gostaria de saber sua opinião sobre o FUNPRESP, já que ele tem contrapartida, no mesmo percentual escolhido pelo servidor, por parte da União. Ainda assim, você acha que outras formas de investimento são mais atrativas?

    • Leandro Ávila 20 de janeiro de 2017 at 17:24 - Reply

      Oi Bia, não tenho como emitir opinião sobre FUNPRESP ou os incontáveis fundos específicos de previdência que existem. Se o dinheiro não for bem administrado no decorrer de todas as décadas que teremos pela frente, pouco adiante qualquer contrapartida. Veja o que ocorreu com os fundos de previdência dos funcionários dos Correios, Petrobras e Caixa. Cabe a cada um fazer uma boa avaliação da proposta e prestar atenção para o fato de que aprender a investir o próprio dinheiro sempre será melhor do que transferir essa responsabilidade para os outros.

  121. César Filho 11 de janeiro de 2017 at 10:39 - Reply

    Excelente artigo Leandro, obrigado! O que mais acho fantástico em seus artigos é que, além de técnico e com uma linguagem simples, você se preocupa em conectar as informações, sempre disponibilizando links de artigos anteriores, links de assuntos relacionados e links das fontes de pesquisas utilizadas por você. Isso enriquece demais o artigo, pois permite que nós leitores não perca nenhum detalhe e/ou conteúdo. Muito do conhecimento que já adquiri sobre investimentos e educação financeira eu devo a você.

    Forte abraço e sucesso!

    • Leandro Ávila 20 de janeiro de 2017 at 17:21 - Reply

      Obrigado César. A ideia é motivar as pessoas que façam a mesma coisa quando forem buscar informações sobre investimentos ou qualquer tema.

  122. Luiz 11 de janeiro de 2017 at 17:32 - Reply

    Olá Leandro. Sou leitor assíduo do Clube e te agradeço bastante sobre as discussões e ensinamentos. Muito boa a série sobre aposentadoria. Queria tirar uma breve dúvida. Sou autônomo e o investimento que iniciei para a aposentadoria foi o TD IPCA 2035. No entanto, pago o INSS desde 2012. Penso em parar de contribuir e focar apenas nos outros investimentos e no TD (aposentadoria). Qual a sua sugestão?

    • Leandro Ávila 20 de janeiro de 2017 at 17:20 - Reply

      Oi Luiz. Eu não recomendo parar. Se for o caso pague o valor mínimo e encare como um seguro.

  123. Marcos Arcanjo 12 de janeiro de 2017 at 13:24 - Reply

    Ótima série sobre aposentadoria.
    Um alerta para que sejamos prudentes e avaliemos no presente o que deixaremos para nosso futuro (abundância, por termos reservado uma parte de nossos recursos no tempo em que tínhamos energia ou pobreza e lutas por não termos precavido)

  124. Oswalcy 13 de janeiro de 2017 at 14:51 - Reply

    Olá, Leandro! Primeiramente eu gostaria de o parabenizar pela transmissão do conhecimento e, também, pela paciência e presteza das respostas aos seu leitores. Isso é de grande importância ao leitores, pois transmite confiança e respeito. Eu, como todos os outros leitores, gostaria de uma opinião: sempre fui muito preocupado com o meu futuro, tendo aprendido isto com meus pais. Atualmente, eu possuo um plano de VGBL onde contribuo um valor mensal de R$ 1.100,00, já tendo em depósito, aproximadamente, R$ 200.000,00. Também tenho uma boa quantia aplicada em LCA e na poupança.
    Após ler vários artigos e já pensando no futuro, uma vez que a minha pretensão de aposentadoria seria em 2030 – se o governo deixar – gostaria de saber da viabilidade de mudar as minhas aplicações para o tesouro direto da seguinte forma:
    1- investir aproximadamente 70% do que tenho na poupança em títulos diversos do tesouro direto, tendo em vista que ainda não tenho um profundo conhecimento para arriscar em somente um tipo de título ou ficar comprando e vendo aleatoriamente;
    2- deixar de aportar o valor mensal no meu plano de VGBL e passar a investir nos título públicos.
    Gostaria muito de uma resposta sua.
    Grande abraço.

    • Leandro Ávila 24 de janeiro de 2017 at 14:00 - Reply

      Oi Oswalcy. A viabilidade de mudar de investimentos vai depender do seu grau de conhecimento sobre outros investimentos. O que posso garantir é que se você dedicar algum tempo, de forma paciente, outros investimentos, é provável que você fique desanimado com os resultados da sua VGBL. Dedique um tempo se educando para tornar-se um pequeno investidor e diversas possibilidades vão aparecer.

  125. Marcos Silva 14 de janeiro de 2017 at 11:45 - Reply

    Mais uma vez Leandro, parabéns pelo artigo brilhante. Eu já invisto no Tesouro a alguns anos e recentemente estou mudando a estratégia para o Tesouro IPCA com juros semestrais exatamente para começar a receber os juros como complemento de renda. Fiz algumas simulações no tesouro IPCA 2035 considerando as seguintes situações: taxas de compra de 7%, 6% e 3%. Inflação zero, taxa da corretora zero (que é o meu caso), data de aplicação 15/05/2017. O tesouro informa que o juros pagos são de 6% ao ano. Observei que os percentuais (bruto e líquido) do somatório dos 2 cupons anuais em relação ao capital investido são na taxa de 7% (6.5% e 5.2%), em 6% (5.9% e 4.7%) e em 3% (4.2% e 3.3%). Considerei para o cálculo do percentual líquido a alíquota de 15%. Então percebi 2 detalhes: a taxa líquida (que é o que interessa) em média é 1% menor que a taxa contratada, nas melhores condições (IR de 15% e taxa zero de corretagem) em todas as situações simuladas. O capital de resgate no final é menor que o capital investido para taxas de compra menores do que 6% (por isso usei inflação zero para ter essa visibilidade) . No caso da taxa de compra de 3%, o valor de resgate é quase 30% menor que o valor investido. E no caso da taxa de compra de 3% a alíquota média do IR calculada pelo simulador fica em 24.12% Então minha dúvida é: ainda assim vale a pena a compra de títulos com taxas menores que 6% ou há estratégias melhores, pensando nos títulos como complemento de renda?

    • Leandro Ávila 24 de janeiro de 2017 at 13:58 - Reply

      Oi Marcos. É o tipo de pergunta que me exigiria a capacidade de prever o futuro. Não temos como saber se no futuro as taxas irão subir ou cair. Já tivemos taxas próximas de 9%. Sempre que ocorrem graves crises econômicas com expectativas sobre a piora da economia, contas públicas e inflação os juros futuros tendem a subir. A grande questão é: Será que teremos graves crises econômicas no futuro? Se ocorrerem, como as taxas irão reagir?

      • Marcos Silva 25 de janeiro de 2017 at 19:21 - Reply

        Olá Leandro, obrigado pelos esclarecimentos. Na verdade, a maior dúvida é a seguinte: simulando taxas de compras baixas (no exemplo de 3% citado anteriormente), os cupons semestrais pagos não de 6% como informa o tesouro, mas sim de 4.2% (bruto) , além do capital final ficar bem menor que o valor investido. Será que poderia ser um erro no simulador do tesouro direto?

        • Leandro Ávila 27 de janeiro de 2017 at 14:17 - Reply

          Oi Marcos, existe o imposto de renda que é cobrado sobre os rendimentos. Nos primeiros semestres ele será maior.

  126. cristiane 15 de janeiro de 2017 at 14:11 - Reply

    Ola , tudo bem?? tenho uma duvida , se vc deixar o dinheiro aplicado no ipca 35, como ficara a taxa de custadia ate la ??eu não estaria pagando muito dinheiro em taxas??? Por exemplo eu pago em torno de 600 reais por ano nesse papel , acho bastante , e fico preocupada em carregar ele ate 2035.

    • Leandro Ávila 20 de janeiro de 2017 at 17:06 - Reply

      Oi Cristiane. Existe a taxa de 0,3% ao ano. Ela resulta em -0,3% ao ano de rendimento. Vou dar um exemplo grosseiro, mas didático. Se você teve uma rentabilidade de 12,3% no decorrer do ano e pagou 0,3% de taxa isso significa que você terá uma rentabilidade de 12% e não de 12,3%. Certamente ao pagar R$ 600,00 de taxa você teve uma rentabilidade maior que isso no decorrer do período.

      • cristiane 21 de janeiro de 2017 at 9:17 - Reply

        Olá o valor da taxa é sobre o investimento total e não sobre o rendimento. Isso que me preocupa

        • Leandro Ávila 24 de janeiro de 2017 at 13:56 - Reply

          Oi Cristiane. A taxa acaba ficando com uma parte do rendimento já que o rendimento é sobre o investimento total.

  127. Alexandre 15 de janeiro de 2017 at 20:41 - Reply

    Boa Noite Leandro!
    Gostaria de sugerir a vc que escrevesse um artigo simulando com valores os investimentos com juros semestrais, quanto a pessoa iria resgatar se ela aplicasse por exemplo um milhão divido entre os títulos afim de pegar os juros com renda bimestral.
    Exemplo, vc tem um milhão e divide esse dinheiro entre os títulos, quanto vc resgataria em cada vencimento.

    Obrigado por mudar minha vida, tenho 24 anos e pretendo conseguir minha liberdade financeira no máximo com 45.

    • Leandro Ávila 20 de janeiro de 2017 at 17:16 - Reply

      Oi Alexandre. No simulador do Tesouro Direto é possível simular o recebimento desses juros semestrais. Ele mostra quanto você receberá a cada semestre.

  128. Alison 16 de janeiro de 2017 at 7:38 - Reply

    Leandro, poderia pensar em ETFs como os que acompanham os índices brasileiros e americanos para para longo e aposentadoria?

    • Leandro Ávila 20 de janeiro de 2017 at 17:14 - Reply

      Oi Alison, sim, é possível usar ETF com foco no longo prazo.

  129. RODRIGO MOREIRA SANGA 16 de janeiro de 2017 at 10:51 - Reply

    Olá, Leandro! Sempre leio seus artigos, mas em silêncio. Depois desta serie, quero fazer um breve comentário. Seus artigos e seu site, como um todo, são primorosos. Os artigos são longos, bem fundamentados, e não há economia na quantidade e na solidez dos argumentos. Muito obrigado por tornar nossa jornada no mundo das finanças menos confusa e penosa. Abraço sincero

    • Leandro Ávila 20 de janeiro de 2017 at 17:14 - Reply

      Oi Rodrigo. Muito obrigado, fico feliz por ajudar de alguma forma. Sempre que possível participe dos comentários.

  130. Carlos 16 de janeiro de 2017 at 21:01 - Reply

    Olá Leandro,

    Gostaria de elaborar meu balanço patrimonial, conforme você sugeriu em um de seus artigos.
    Existe uma maneira pratica de determinar o valor do metro quadrado de 2 imóveis que tenho sem precisar recorrer(pagar) a uma avaliação ?

    Obrigado

    • Leandro Ávila 20 de janeiro de 2017 at 17:13 - Reply

      Oi Carlos. O que normalmente fazem é avaliar o preço do metro quadrado dos imóveis equivalentes que são negociados nas proximidades.

  131. Ricardo 18 de janeiro de 2017 at 10:08 - Reply

    Bom dia Leandro,

    Estive comparando a inflação e taxa de juros pelo mundo:

    http://pt.tradingeconomics.com/country-list/inflation-rate

    http://pt.tradingeconomics.com/country-list/interest-rate

    Em muitos países, se não a maioria, a inflação é superior a taxa de juros (tendencia mundial?), se o Brasil resolver seguir o exemplo seria o fim do tesouro direto e renda fixa como gerador de renda passiva concorda? Como seria possível poupar para ter uma renda passiva? Renda variável? Acho que a situação a longo prazo é mais complexa e preocupante do que vc fala…

    Abraço.

    • Leandro Ávila 20 de janeiro de 2017 at 17:12 - Reply

      Oi Ricardo. Em países ricos acontece até deflação (no lugar do dinheiro perder valor a moeda ganha valor até quando está no seu bolso). No dia que o Brasil tiver deflação ou juros menores que a inflação (isso significa dinheiro barato) certamente iremos investir como os ricos dos países ricos investem. Não tenha dúvida que em qualquer cenário existem possibilidades de ganho.

  132. cristiane 18 de janeiro de 2017 at 16:16 - Reply

    Eu há fiz essa pergunta para todos os sites de investimentos e ninguém responde 😠 realmente investir no tesouro e uma fria👎👎

    • Leandro Ávila 20 de janeiro de 2017 at 17:07 - Reply

      Oi Cristiane. Eu respondi sua pergunta. Fazer qualquer investimento sem antes estudar e entender como ele funciona é uma fria.

  133. Abelardo Ladeia Filho 18 de janeiro de 2017 at 17:17 - Reply

    Leandro, na marioria das vezes o ser humano somente ajuda o seu semelhante mediante pagamento. Já vc faz todo esse trabalho sem qualquer retorno financeiro. Vc é uma pessoa escolhida por Deus. TEnha muito vida e saúde, que Deus lhe abençoe, Abelardo

    • Leandro Ávila 20 de janeiro de 2017 at 17:03 - Reply

      Oi Abelardo, muito obrigado. O retorno financeiro existe indiretamente e graças a ele é possível manter o projeto gratuito. Quando os leitores compram meus livros financiam os custos de manutenção do site e o tempo que eu preciso dedicar para produzir conteúdo novo e gratuito. É um ciclo de gratidão onde eu ajudo e as pessoas me ajudam a ajudar mais pessoas.

  134. Ernesto 24 de janeiro de 2017 at 13:41 - Reply

    Prezado Leandro, muito bom o artigo, como sempre.
    Gostaria de saber a tua opinião sobre o cenário atual para investimentos em IPCA+ 2050. Tenho boa parcela dos meus investimentos neste título porque em breve vou parar de trabalhar e pretendo usar os bônus semestrais para as minhas despesas do dia a dia dali para frente.
    Ocorre que ainda tenho uns dois anos de salários e demais rendimentos que eu gostaria de aplicar também no IPCA+ 2050 mas fico desencorajado com as taxas atuais na faixa de 5,5%.
    Você acha que vale a pena aplicar em LFT por enquanto e aguardar para ver se o valor de compra destes títulos volta a ficar próximo do VNA que para mim seria uma referência de valor máximo para compra do títulos?
    Ou como pretendo levar até o vencimento vou comprando mês a mês o título IPCA+ 2050 mesmo nas taxas atuais?

    • Leandro Ávila 24 de janeiro de 2017 at 13:54 - Reply

      Oi Ernesto. A sua dúvida tem relação com a capacidade de prever o futuro. Eu sinceramente não sei se no futuro teremos taxas acima de 5,5% ou se elas irão cair. A única coisa que sei, com base em observações, é que diante de crises econômicas graves as taxas tendem a subir. Quando a expectativa sobre o futuro da economia começa a melhorar a taxa tende a cair. Normalmente isso vai acompanhando o que as pessoas esperam da inflação no futuro. Um governo futuro que tem o cuidado de combater a inflação levará nossas taxas para baixo. Governos irresponsáveis com as finanças públicas (gastos públicos) e inflação acabam elevando as taxas no futuro por consequência da sua irresponsabilidade.

      • Denny 7 de fevereiro de 2017 at 12:40 - Reply

        Leandro,

        Tenho uma dúvida sobre os títulos com IPCA. Já li seu ótimo artigo sobre a fórmula de cálculo do preço de mercado e compreendi que o valor do título depende também da expectativa da inflação futura, que como você sempre ressalta, ninguém sabe com certeza qual será. Minha dúvida pode ser resumida assim: Não pensando em levar o título até o vencimento, a queda da Selic junto com a queda da inflação (expectativa) é ruim para estes títulos ? Essa combinação derruba o valor de mercado (na teoria)?

        Obrigado

        • Leandro Ávila 16 de fevereiro de 2017 at 22:31 - Reply

          Oi Denny. As expectativas são precificadas todos os dias. A queda na taxa atualmente já reflete a expectativa do mercado para o futuro da inflação e dos juros. O problema é que essas expectativas podem mudar a qualquer momento diante de novos fatos positivos ou negativos para a economia.

  135. Patricia Vaz 25 de janeiro de 2017 at 15:27 - Reply

    Leandro,

    Não entendi porque você não fez a simulação do valor exato do exemplo dado para a Previdência Privada e a aplicação no Tesouro Direto. Estava ansiosa em ver essa diferença. Tem algum motivo especial de não te usado exatamente o mesmo valor?

    • Leandro Ávila 25 de janeiro de 2017 at 15:55 - Reply

      Oi Patricia. Meu objetivo era ensinar como cada um pode fazer suas próprias simulações, com base na própria realidade.

  136. Otávio Augusto 26 de janeiro de 2017 at 1:50 - Reply

    Leandro, sou um privilegiado em gastar 3hrs da minha madruga lendo o artigo completo de “Aposentadoria em Perigo”. Muito obrigado em disponibilizar toda essa sua base de conhecimento.

    Att

    • Leandro Ávila 27 de janeiro de 2017 at 14:16 - Reply

      Oi Otávio. Parabéns por dedicar seu tempo investindo na sua educação.

  137. Saulo Vilela 1 de fevereiro de 2017 at 9:32 - Reply

    Leandro, bom dia.

    Fantástico, acredito ser esta a palavra para definir o seu trabalho. A sua sobriedade para tratar da ignorância financeira, promovendo meios para que a eliminemos de uma vez por todas, é um ato de caridade suprema.

    Agradeço o quão caridoso você é. Seus artigos (os quais são muito bem escritos e esclarecedores) mudaram o rumo da minha vida!

    Obrigado meu caro. Saiba que o seu trabalho fez a diferença para mim!

    Abs.

    • Leandro Ávila 2 de fevereiro de 2017 at 15:54 - Reply

      Obrigado Saulo, fico feliz por ter ajudado de alguma forma. Parabéns por investir na sua educação.

  138. Andre Luis Freisleben 12 de fevereiro de 2017 at 17:00 - Reply

    Boa tarde Leandro. Que agradecer por mais esse artigo, sobretudo em relação ao tesouro IPCA e o juros semestrais. Vou diversificar ainda mais os meus investimentos. Obrigado e prosperidade.

  139. Tadeu 13 de fevereiro de 2017 at 14:09 - Reply

    Leio todos os seus textos.

    Estou com uma dúvida e pensei no mestre.
    Aprendi muito com você. Estou fazendo muito com os conhecimentos adquiridos. A minha dúvida é: Com esse governo que está “atacando todos” exceto os empresários. Qual o rumo que a economia brasileira está se dirigindo? Sabemos que no próximo ano teremos eleições para presidente. As decisões tomadas pelo atual presidente serão seguidas pelo próximo presidente?

    Desde já muito obrigado por tudo!

    • Leandro Ávila 16 de fevereiro de 2017 at 22:29 - Reply

      oi Tadeu, não tenho ideia. O governo que esta ai era aliado, sócio, parceiro do governo que foi impeachmado. Seus políticos estão envolvidos nos mesmos escândalos de corrupção.f Impossível prever o impacto de futuras delações. Impossível prever quem serão os candidatos e como a população irá se comportar nas próximas eleições. A certeza é que os políticos que temos são péssimos e isso é apenas um reflexo da sociedade que temos, pois todos são eleitos pelo voto. A esperança estaria na educação das pessoas partindo do próprio desejo individual de cada um de buscar mais educação na área financeira, econômica, política, nas questões morais e éticas.

  140. Renan 13 de fevereiro de 2017 at 18:41 - Reply

    Prezado Leandro,

    Tenho um capital inicial hoje para investir na minha aposentadoria complementar. O objetivo é acumulação de capital no longo prazo. Considerando que as taxas do papel IPCA+2035 do Tesouro estão em torno de 5%, estou em dúvida se é uma boa estratégia investir todo o montante nesse papel ou diversificar dentro do Tesouro para aproveitar futuras flutuações da taxa do IPCA+2035 para cima. O que você acha? Agradeço antecipadamente.

    • Leandro Ávila 16 de fevereiro de 2017 at 22:23 - Reply

      Oi Renan. O problema é que não existe a possibilidade de ter certeza se 5% é uma oportunidade única, no caso das taxas caírem e nunca mais voltarem para esse patamar ou se no futuro teremos taxas de 6% ou 7% como ocorreu quando a crise atingiu o seu pior momento. Quando não se deseja fazer a aposta em uma única possibilidade, resta a diversificação.

  141. Victor Gama 2 de março de 2017 at 11:13 - Reply

    Texto muito técnico. Parabéns.

Leave A Comment

Compartilhe com um amigo