Fundo de Pensão: Não confie seu futuro a terceiros

Você não deveria confiar o seu futuro a terceiros, principalmente nas mãos de entidades que prometem administrar o seu dinheiro melhor do que você mesmo. Como educador financeiro sou contra a lenda de que planos de previdência privada e fundos de pensão são as melhores alternativas para quem planeja ter uma aposentadoria tranquila. Educar-se para gerir melhor sua vida financeira e seus investimentos é o melhor plano para ter uma boa aposentadoria.

Ninguém melhor do que você mesmo para cuidar do seu próprio dinheiro, desde que dedique algum tempo e esforço na sua educação financeira.

Você não precisa de um “sócio” que ficará com uma boa parte da rentabilidade dos recursos que você está guardando para sua aposentadoria. Os mesmos investimentos que os fundos de pensão e planos de previdência privada fazem com o seu dinheiro, você também pode fazer, correndo menos riscos, já que você é que administrará estes riscos.

Exemplo real:

Recentemente a Postalis, fundo de pensão dos funcionários dos Correios, o maior fundo do país em número de participantes, declarou rombos gigantescos que serão repassados para seus associados. De forma simples e direta: eles não conseguiram fazer render o dinheiro que seus mais de 120 mil associados acumularam para a aposentadoria. (fonte)

Na verdade eles fizeram péssimos investimentos nos últimos anos. O dinheiro foi muito mal administrado e entre 2011 e 2014 conseguiram acumular perdas de R$ 5,6 bilhões. Significa dizer que além do dinheiro não ter rendido nada, eles ainda conseguiram perder uma parte do dinheiro investido. Se o dinheiro tivesse ficado guardado em um cofre o resultado seria melhor, mesmo perdendo valor com os efeitos da inflação.

Baixa rentabilidade em fundos de pensão e planos de previdência privada é algo bem comum. Infelizmente as pessoas não param o que estão fazendo para olhar a rentabilidade dos seus planos. Não se preocupam com isso. Acreditam, de forma incorreta, que o dinheiro está protegido e obtendo grande rentabilidade graças ao trabalho profissional dos gestores qualificados que gerenciam os fundos. Nem sempre isso é verdade.

Devido as consequências negativas da administração da Postalis, os funcionários dos Correios, da ativa e aposentados, que confiaram suas economias neste fundo de pensão, terão aumento de até 559% no desconto mensal das suas rendas. A contribuição que era de 3,94% pode chegar a até 25,98% para alguns funcionários (fonte).

Até os benefícios e pensões pagos aos aposentados e pensionistas da instituição serão afetados pela má administração do dinheiro. Este novo percentual será cobrado dos funcionários e aposentados pelos próximos 15 anos, até 2030, para cobrir todo o rombo. O problema é que nada garante que o dinheiro será bem administrado até 2030. A má administração dos fundos de pensão não acontece só nos Correios. Neste momento existem muitos trabalhadores preocupados com o futuro das suas aposentadorias complementares.

Fundo de pensão pode ser pior que previdência privada:

Fundos de pensão podem ser piores do que os planos de previdência privada oferecidos por grandes bancos. Teoricamente os planos e previdência privada são administrados por princípios técnicos e não políticos (como ocorre nos fundos de pensão das estatais). Como cobram taxas administrativas absurdamente elevadas sobre o patrimônio investido, faz muito sentido que eles tentem obter boa rentabilidade sobre o seu dinheiro para que fiquem com uma parte sem que você reclame. Se o desempenho do fundo de previdência privada, descontado as taxas, não for satisfatório você pode tomar alguma providência que vai de migrar seu plano para outra instituição ou simplesmente desistir do plano e sacar seu dinheiro, mesmo que isto represente perdas. A concorrência entre os planos de previdência privada permite que você faça escolhas.

Já nos fundos de pensão das instituições públicas e empresas públicas existe o problema gerado pelo envolvimento político. Durante décadas de contribuição, diversos governos chegarão no poder. Estes políticos fazem indicações de quem irá assumir o controle dos fundos de pensão das estatais. Estas pessoas podem tomar decisões que não são tão vantajosas para os trabalhadores, mas beneficiam outros políticos, beneficiam empresas “amigas” de determinados políticos e com isto temos um problema grave.

Temos eleições a cada quatro anos. Imagine o desastre que pode ocorrer se os investimentos dos fundos atenderem a interesses de políticos e partidos que conseguirem chegar no poder. É fácil observar a crescente influência do governo na forma como os fundos de pensão investem o dinheiro dos trabalhadores.

O que são os fundos de pensão:

São entidades de previdência, organizadas por empresas públicas ou privadas, com o objetivo de arrecadar, administrar e investir o dinheiro dos trabalhadores para garantir uma complementação da aposentadoria daqueles que aderirem ao plano. O dinheiro de todos os associados se transforma em um só dinheiro. O papel do gestor do fundo é obter a máxima rentabilidade possível com a máxima segurança. Para isto eles fazem investimentos em  títulos públicos, títulos privados, fundos de investimento, ações, imóveis, investimentos no exterior, etc. O fundo se comporta como um grande investidor. Quando o trabalhador se aposenta, passa a receber o benefício mensalmente. Caso saia da empresa, tem direito de retirar a parte que contribuiu.

Muitos participam de fundos de pensão com o objetivo de deduzir até 12% de sua renda tributável. Você deixa de pagar imposto sobre estes 12% da renda agora e só pagará isto depois. Nos fundos de pensão, normalmente, as taxas de administração e carregamento são menores do que nos planos de previdência privada oferecidos pelos grandes bancos e seguradoras. Existem custos para administrar fundos de pensão. Estes custos são milionários quando os fundos são grandes. De alguma forma o dinheiro dos trabalhadores paga estes custos do fundo.

Investir em fundos de pensão, quando você trabalha em empresa que ofereça estes fundos, faz você engessar o seu próprio dinheiro. Tem gente que acredita ser uma boa forma de proteger o dinheiro de si mesmo. É como se as pessoas desistissem de buscar a educação e a disciplina para cuidar do próprio dinheiro. Acham melhor transferir esta responsabilidade para os fundos de pensão ou planos de previdência.

Todos os benefícios oferecidos por fundos de pensão deixam de ser vantajosos se o seu dinheiro for mal administrado por estes fundos. Existe risco de você não conseguir receber seu benefício por incompetência do fundo. É claro que de nada adianta não participar ou abandonar um fundo de pensão ou um plano de previdência se você não está comprometido em aprender a cuidar do seu dinheiro para sua aposentadoria.

Fundos de pensão não possuem garantia:

É importante que as pessoas saibam que não existe nenhuma garantia ou nada muito especial que impeça um fundo de pensão mal administrado quebrar. Fundos de pensão, mesmo os compostos por funcionários de estatais, não são garantidos pelos cofres públicos. Os próprios funcionários é que garantem o funcionamento dos fundos onde eles são associados. É por este motivo que a contribuição dos funcionários dos Correios irá aumentar. Transferir a responsabilidade pela má administração do fundo para os cofres públicos (meu bolso, seu bolso, nosso bolso) seria um grave erro.

Qualquer fundo pode quebrar se a gestão realizar aplicações erradas, de risco não controlado e que possam produzir prejuízos sistemáticos. Não é só o fundo de pensão dos Correios que fizeram investimentos com grandes prejuízos nos últimos anos. O Funcef (fundo dos funcionários da CEF) e o Petros (da Petrobras) também contabilizam perdas. Nem vou falar dos planos de previdência privada. Muitos cobram taxas tão elevadas que não conseguem ganhar nem da poupança.

Quando você faz investimentos por conta própria, dentro de terminados limites, em títulos privados como LCI, LCA, CDB e até na poupança, existe o Fundo Garantidor de Créditos que oferece alguma garantia contra a falência dos bancos onde você investiu. Também existem meios de investigar os bancos antes de investir. Quando você investe diretamente em títulos públicos existe o Tesouro Nacional que garante o investimento.

Quando você faz investimentos de risco em ações, fundos imobiliários, investimentos em imóveis, o seu conhecimento é a garantia de que você saberá comprar no momento certo e vender no momento certo. Não existe nada que te obrigue a manter seu dinheiro investido em mercados de risco quando o cenário não é favorável para isto.

Quando você transfere esta responsabilidade de gerir o seu dinheiro para terceiros, você precisa ter muita confiança neste terceiro, precisa ter muita fé de que ele saberá gerir o seu dinheiro melhor do que você defendendo os seus interesses e não os interesses dele.

Investimentos que nem um leigo faria:

Fundos de pensão podem fazer investimentos irresponsáveis. No caso da Postalis, foram feitos investimentos baseados em compras de títulos públicos da Argentina. Como justificar a compra de títulos públicos de um país com nota de crédito CCC- dada pelas agências de classificação de risco? Esta nota representa alto risco de calote. Em 2014 as agências começaram a classificar a Argentina com nota SD (default seletivo). Significa chamar a Argentina de país caloteiro (fonte).

Também ocorreram investimentos na estatal de petróleo da Venezuela, outro país literalmente quebrado (com nota CCC) e que não deveria receber investimentos da aposentadoria dos trabalhadores dos Correios.

Existem denúncias de investimentos feitos em empresas vinculadas a políticos e parentes de políticos. Foram feitos péssimos investimentos em ações de empresas que tiveram forte queda como as empresas do Eike Batista, empresário que é alvo de denúncias de crime contra o mercado financeiro (fonte). A Postalis também resolveu investir o dinheiro dos seus associados em bancos que estavam falindo como o Cruzeiro do Sul, Banco BVA e na financeira Oboé. Os três quebraram.

A situação de má administração do dinheiro é tão grave que o gestor do fundo, Fabrizio Neves, selecionado pelo Postalis, fugiu do país após a descoberta das irregularidades (fonte).  É interessante ler a história do Fabrizio, contada com base em documentos confidenciais obtidos pela Revista ÉPOCA, pois ilustra com perfeição o efeito da influência da política nos fundos de pensão das estatais brasileiras. Visite aqui.

Tenho dinheiro em fundos de pensão. O que fazer?

Se você tem dinheiro em fundos de pensão eu recomendo que você passe a prestar mais atenção no que o seu fundo de pensão anda fazendo com o seu dinheiro. Os trabalhadores devem se organizar para monitorar o uso do dinheiro das suas aposentadores. Estes fundos devem agir com transparência, devem fornecer relatórios detalhados sobre os investimentos que estão sendo feitos e você deve exigir que façam investimentos rentáveis e ao mesmo tempo seguros e conservadores.

Para ter prejuízo, perder da inflação e perder da poupança, você não precisa de um fundo de pensão administrando seu dinheiro.

Você precisa criar o hábito de acompanhar os relatórios do fundo de pensão que você contribui ou seu plano de previdência. Para exemplificar baixei o Boletim de Dezembro de 2014 da Postalis (veja aqui). Não existiam boletins mais atualizados que este quando o artigo foi escrito.

Na figura acima podemos observar que uma enorme parcela dos investimentos da Postalis está concentrado em títulos privados (LCI, LCA, CDB, debêntures, etc) o que representa um risco elevado caso o gestor do fundo escolha papéis de bancos pequenos e com problemas financeiros como foi o caso dos investimentos que eles fizeram em três bancos falidos (Cruzeiro do Sul e BVA e na financeira Oboé).  O mesmo vale para os investimentos que eles fizeram em fundos que investem em papéis de elevado risco como ações e títulos de empresas e países falidos.

Na figura acima podemos observar que durante 2014 a rentabilidade dos investimentos feitos em títulos públicos foi negativa (-20,42%). Olhando o relatório completo de 2013 (ainda não liberaram o de 2014) pude observar que eles compraram muitos títulos NTN-B (quase meio bilhão). Em 2013 o Banco Central iniciou um ciclo de alta da Selic (veja a taxa). Hoje os juros ainda estão subindo e a NTN-B Principal (que agora se chama Tesouro IPCA) oferece mais de 6% de juros + IPCA. É claro que se o fundo mantiver os títulos até o vencimento a rentabilidade final não será negativa, só que o ideal seria comprar os títulos em momentos favoráveis.

O problema é que em 2013 começou um novo ciclo de alta dos juros. O tesouro oferecia penas 1,92% + IPCA no início de 2013. Qualquer investidor iniciante sabe que não é uma boa ideia comprar títulos prefixados ou que tem uma parte prefixada + IPCA no início de um ciclo de alta dos juros. Lendo o artigo que escrevi sobre investir em LTN (que agora se chama Tesouro Prefixado) é possível entender o motivo. Também tenho um artigo sobre o investimento em NTN-B.

Um funcionário dos Correios que estivesse planejando investir parte do salário em títulos públicos, para sua aposentadoria, certamente escolheria um título pós-fixado como é o Tesouro Selic (LFT), veja  aqui, se estivesse investindo durante o ano de 2013 devido aos juros baixos e a possibilidade de início de um ciclo de alta dos juros. Somente quando os juros já estivessem no teto, a inflação desacelerando e a economia em recessão é que se justificaria buscar títulos prefixados antes do início do ciclo de queda dos juros. Mesmo sem acertar exatamente o momento da mudança de ciclo seria possível perceber o início da queda dos juros e fazer o investimento no título mais vantajoso no período. Conheça as características de todos os títulos públicos.

O problema de transferir seus recursos para fundos de pensão e planos de previdência é esta falta de agilidade dos fundos para se posicionarem corretamente diante das mudanças do mercado.

Diante do aumento dos juros, crise política e crise de credibilidade do país, você poderia reduzir seus investimentos em renda variável aguardando um momento mais apropriado para reinvestir quando existisse sinais de recuperação da economia. Esta seria a postura mais conservadora.

Como você pode ver na tabela acima, o resultado dos últimos 12 meses foi de -74,74% para os investimentos em renda variável. Se você estivesse investindo seu próprio dinheiro, também não deixaria um percentual tão grande do seu patrimônio aplicado em renda variável em uma economia que passa por dificuldades.

Com relação ao resultado dos investimentos no exterior exibido na tabela, qualquer um evitaria investir em países como Argentina e Venezuela. Bastaria observar a situação difícil que estes países se encontram.

Se você considerar as perdas que o fundo teve com a renda variável, renda fixa, investimentos no exterior e a baixa rentabilidade das demais, pode concluir que qualquer funcionário dos Correios poderia ter garantido uma rentabilidade de +7,16% em 2014 deixando o dinheiro na Caderneta de Poupança. Como a inflação de 2014 foi de 6,41% ainda seria possível dizer que oficialmente ocorreu um ganho acima da inflação. Imagine se ele tivesse algum conhecimento para fazer os investimentos de forma mais inteligente e levando em consideração as oportunidades que cada cenário econômico oferece. De nada serve um fundo de pensão que no lugar de fazer o seu dinheiro render, faz você perder dinheiro.

Não transfira sua responsabilidade para os outros

Investir seu próprio dinheiro não é tão difícil como as pessoas pensam. A estratégia que os fundos utilizam, como a alocação de ativos, pode ser aprendida por qualquer pessoa. Os seus resultados provavelmente serão melhores que qualquer plano de pensão, já que você tem mais flexibilidade para tomar as decisões e saber o que é melhor para o seu dinheiro. Jamais você faria investimentos pensando no bem de um país falido, pensando no bem de empresas de políticos ou de empresas amigas de políticos. É isto que infelizmente anda ocorrendo em alguns fundos de pensão.

Perceba que você precisa ter um projeto pessoal de aposentadoria sem depender demasiadamente no INSS, planos de previdência e fundos de pensão.

As regras do INSS podem mudar a qualquer momento antes de você se aposentar. Já faz tempo que a conta do INSS não fecha. Reformas terão que ser feitas para que o INSS seja viável no longo prazo. Estas reformas estão sendo adiadas já que nenhum político quer carregar no currículo a culpa por ter mexido na aposentadoria das pessoas.  É evidente que nestas reformas seremos todos prejudicados de alguma forma.

Já os planos de pensão sofrem influências políticas, são mal geridos quando os seus participantes (trabalhadores) não acompanham o que é feito de perto. Muitas vezes são usados para atender interesses políticos e não o interesse dos trabalhadores.

Os planos de previdência privada são grandes fontes de lucro para bancos, corretoras e seguradoras. Aproveitam que a população é leiga para cobrar taxas absurdas fazerem aquilo que todo cidadão brasileiro deveria saber fazer que é administrar e investir o próprio dinheiro pensando na aposentadoria.

Não confie que terceiros saberão cuidar do seu dinheiro melhor do que você. Pare de perguntar para o seu gerente onde investir. Não saber investir não é desculpa, você nasceu sem saber falar e sem saber nada do que sabe hoje. Você pode aprender mais sobre como investir seu dinheiro sem depender tanto dos outros. Isto se faz dedicando mais tempo para sua educação financeira.

Como curiosidade segue uma lista dos maiores fundos de pensão do Brasil de empresas públicas e privadas. É claro que tudo que disse aqui não se aplica a todos os fundos de pensão. Por isto é importante que você tenha a atitude de acompanhar de perto o seu dinheiro, principalmente se estiver sendo administrado por terceiros. (fonte)

Posição Nome Investimento (R$ mil) Participantes Dependentes Assistidos
1 PREVI 174.073.275 100.421 249.406 92.460
2 PETROS 68.883.077 100.695 320.764 58.752
3 FUNCEF 57.168.825 99.359 198.391 39.224
4 FUNCESP 22.845.007 15.465 52.850 30.885
5 FUNDAÇÃO ITAÚ UNIBANCO 19.373.152 25.283 2.862 12.894
6 VALIA 17.762.428 80.039 307.362 21.760
7 SISTEL 14.490.571 1.925 44.875 24.488
8 FORLUZ 12.320.497 8.652 33.817 13.313
9 REAL GRANDEZA 11.775.494 4.374 20.409 8.265
10 BANESPREV 11.739.510 2.932 22.314 23.675
11 FUNDAÇÃO ATLÂNTICO 9.025.473 14.720 50.780 14.662
12 FAPES 8.599.716 3.108 6.718 2.081
13 POSTALIS 7.969.922 120.180 305.576 20.863
14 FUNDAÇÃO COPEL 7.209.617 10.053 6.966 7.942
15 CENTRUS 7.001.365 194 1.064 1.520
16 PREVIDÊNCIA USIMINAS 6.818.266 21.252 59.776 20.148
17 TELOS 5.968.296 6.087 24.671 6.761
18 HSBC FUNDO DE PENSÃO 5.644.983 70.432 1 4.929
19 FACHESF 5.161.922 4.931 14.793 9.574
20 ELETROCEEE 5.123.579 7.067 14.638 8.647
21 VISÃO PREV 4.835.834 13.824 14.650 5.597
22 ECONOMUS 4.654.728 12.215 19.331 6.847
23 SERPROS 4.501.881 10.871 25.810 3.759
24 CERES 4.273.826 12.403 33.524 6.127
25 CBS PREVIDÊNCIA 4.244.568 19.746 36.824 14.521
26 GERDAU PREVIDÊNCIA 3.852.820 21.444 28.798 2.172
27 FUNDAÇÃO IBM 3.733.560 12.905 16.711 1.480
28 FUNBEP 3.647.494 1.236 7.557 5.235
29 FUNDAÇÃO BANRISUL 3.420.987 12.564 6.314
30 ELETROS 3.402.626 3.256 7.242 2.248
31 CAPEF 3.241.343 6.299 18.379 4.653
32 MULTIPREV 2.986.275 34.611 61.022 1.338
33 BRASLIGHT 2.816.297 4.361 11.811 5.731
34 BRF PREVIDÊNCIA 2.738.133 27.351 14.144 5.554
35 FIBRA 2.725.355 1.463 3.919 1.552
36 INFRAPREV 2.616.211 11.650 19.368 2.882
37 CELOS 2.539.952 4.058 8.500 4.692
38 BB PREVIDÊNCIA 2.525.671 76.986 79.071 1.876
39 PSS 2.515.620 2.716 4.572 3.962
40 PREVINORTE 2.474.025 5.615 7.259 1.511
41 FUNDAÇÃO LIBERTAS 2.391.958 18.726 4.166 4.416
42 ELOS 2.339.130 1.517 5.074 3.003
43 UNILEVERPREV 2.301.978 14.578 1.178 1.313
44 FUNDAÇÃO REFER 2.241.490 4.489 42.987 28.783
45 SANTANDERPREVI 2.202.173 42.066 297 772
46 VWPP 2.178.504 47.853 58.998 1.923
47 CITIPREVI 2.171.488 11.302 879
48 GEAPPREVIDÊNCIA 2.099.706 61.676 149.281
49 FUNSSEST 2.091.516 5.891 2.390
50 FUNDAÇÃO ITAÚSA 2.085.811 9.460 15.067 902
51 MULTIPENSIONS BRADESCO 1.979.677 58.737 88.979 1.317
52 FUSESC 1.868.809 2.515 9.701 5.147
53 NUCLEOS 1.783.830 3.614 6.155 1.075
54 SABESPREV 1.775.093 13.768 39.459 7.103
55 PREVIRB 1.717.967 460 1.847 1.599
56 PRECE 1.692.951 4.514 12.459 7.676
57 MÚLTIPLA 1.692.919 23.450 18.715 629
58 FUNEPP 1.662.605 26.492 19.679 5
59 ITAÚ FUNDO MULTI 1.642.439 29.116 6.817 822
60 METRUS 1.621.706 9.681 19.431 2.528
61 INSTITUTO AMBEV 1.603.523 5.538 1.010 2.693
62 REGIUS 1.589.155 3.545 6.845 934
63 FAELBA 1.474.117 2.822 9.875 2.105
64 EMBRAER PREV 1.418.734 15.103 9.735 401
65 PREVDOW 1.355.109 3.746 5.585 532
66 ICATUFMP 1.340.961 44.871 37.532 1.867
67 JOHNSON & JOHNSON 1.324.748 5.918 6.893 829
68 ENERPREV 1.261.093 4.498 9.460 1.984
69 FUNDAÇÃO PROMON 1.247.549 2.005 5.434 687
70 PREVIBAYER 1.239.121 4.899 18.122 1.577
71 PREVI-SIEMENS 1.233.124 10.241 16.118 1.259
72 FUNSEJEM 1.152.089 29.731 9.877 871
73 FASC 1.142.072 7.564 507 671
74 BANESES 1.131.946 2.182 6.138 1.973
75 PRHOSPER 1.097.483 3.430 2.487 1.514
76 SANPREV 1.097.383 3.958 5.768 497
77 SARAH PREVIDÊNCIA 1.074.635 4.422 9.046 144
78 FACEB 1.057.040 1.024 3.713 1.338
79 FUSAN 1.024.699 7.217 14.155 2.424
80 FIPECQ 1.019.722 2.046 4.856 345
81 FAELCE 993.711 1.210 4.180 2.346
82 FUNDAÇÃO CORSAN 978.740 5.400 10.870 3.196
83 PREVI-ERICSSON 971.244 4.241 13.796 822
84 HP PREV 965.933 4.456 12.456 127
85 FORD 945.708 12.778 19 700
86 BRASILETROS 944.915 1.208 3.390 2.629
87 BASF 923.979 3.193 10.736 446
88 PREVIG 911.170 2.042 2.129 606
89 QUANTA – PREVIDÊNCIA 886.983 35.890 60.547 47
90 SÃO BERNARDO 884.565 12.915 8.303 1.417
91 SÃO RAFAEL 878.433 1.792 3.105 676
92 ACEPREV 853.254 2.534 5.136 1.295
93 CIBRIUS 844.390 1.635 4.338 1.322
94 BASES 842.635 830 1.912 1.393
95 PREVUNIÃO 831.070 5.098 10.613 816
96 PREVI NOVARTIS 810.230 3.269 87 470
97 PREVISC 805.125 11.388 15.812 1.110
98 ECOS 793.490 109 961 739
99 PREVIBOSCH 782.736 10.397 893
100 DESBAN 765.704 381 1.106 545
By |26/03/2015|Categories: Aposentadoria|151 Comments

About the Author:

Leandro Ávila é administrador de empresas, educador independente especializado em Educação Financeira. Além de editor do Clube dos Poupadores é autor dos livros: Reeducação Financeira, Investidor Consciente, Investimentos que rendem mais, e livros sobre Como comprar e investir em imóveis.

151 Comments

  1. Gustavo Ventura 26 de março de 2015 at 18:22 - Reply

    Mais um excelente artigo, Leandro!

    Agora, se puder, me tire uma dúvida: vejo que você é terminantemente contra a indicar planos de previdência como forma de aposentadoria, preferindo insistir que cada um deve saber onde alocar seu dinheiro para garantir isso. Em se tratando de aposentadoria, porém, falamos de um tempo muito extenso em que teremos que gerir, se tudo der certo, altos valores. Em um prazo de 30 anos muita coisa muda, basta comparar o Brasil de 1985 e o de hoje para constatar.

    Diante disso, qual a forma mais adequada de alocar o patrimônio? Seria o investimento em bens com liquidez menor, como por exemplo ouro, imóveis? Não me sinto confortável em deixar o patrimônio em estado líquido, mesmo que a aplicação seja em títulos públicos ou privados.

    • Leandro Ávila 27 de março de 2015 at 11:36 - Reply

      Olá Gustavo. A sua percepção está correta, em um prazo de 30 anos muita coisa muda. E fico espantado a tamanha confiança que as pessoas possuem na estabilidade financeira das empresas que oferecem planos de previdência. Também me espanta como elas não percebem que em 30 anos teremos inúmeros governos, inúmeras crises e a possibilidade de mudança nas regras do jogo que envolve a aposentadoria pública e privada. Acredito que a segurança que as pessoas sentem confiando o futuro delas a planos de aposentadoria está mais relacionada com a fé de que tudo dará certo. Agora se você parar para olhar o que foi o Brasil dos últimos 35 anos verá que a quantidade de transformações foi absurda. As pessoas até podem encontrar planos de previdência privada que ofereçam alguma vantagem (os que cobram taxas aceitáveis) só que estes planos costumam não estar nos grandes bancos (mais segurança), estão nas seguradoras menores (maior risco). E elas oferecem condições melhores justamente para atrair clientes, já que a maioria tem medo de investir fora de grandes bancos. O seu desconforto se origina da sua falta de experiência (experimentar para se sentir confiante) e falta de informações que possam te mostrar as inúmeras opções que existem. Em muitos países os jovens já saem da escola sabendo como cuidar do próprio dinheiro. Aqui no Brasil transferimos esta responsabilidade de (cuidar do nosso dinheiro) para terceiros e pagamos muito caro por isso. A alocação de ativos é uma das estratégias que as pessoas poderiam dedicar mais tempo aprendendo.

  2. Otacílio Oliveira 26 de março de 2015 at 20:02 - Reply

    Olá, Leandro. Tudo bem?
    Muito útil seu artigo.
    Gostaria de saber se entre os Fundos de Investimento (Cambial, em Ações, Imobiliário e Multimercado), algum deles possui garantia, do FGC ou qualquer outra, caso o banco que administra o Fundo venha a quebrar.
    Atualmente invisto em um fundo cambial (FIC BTG Pactual) na XP e estou pensando em investir também em um Fundo Multimercado. Há riscos de perder o dinheiro investido em algum desses dois fundos?
    Muito obrigado pelo seu relevante trabalho.

    • Leandro Ávila 27 de março de 2015 at 11:46 - Reply

      Olá Otacílio. Existem fundos de investimento que ao investirem em CDBs de outros bancos utilizam uma proteção especial do Fundo Garantidor de Créditos chamada de DPGE que garante até R$ 20 milhões. Existem mais informações aqui. O problema é que nem todo fundo de investimento que aplica em bancos pequenos usa esse mecanismo. Desta forma, quando os fundos investem em bancos e estes bancos quebram, se não ocorreu o devido cuidado o prejuízo é garantido e isto vai refletir na rentabilidade do fundo. Da mesma forma, os fundos que investem em renda variável podem ter prejuízos e isto vai refletir no valor da cota que você comprou. Se você vender suas cotas quando elas perderem o valor (queda no preço das ações que o fundo investiu, queda no preço do dólar) naturalmente você terá prejuízo. Por isto, investimentos em fundos de investimento com renda variável deve ser feito no momento certo ou pensando no longo prazo, já que no longo prazo o fundo pode se recuperar.

  3. Rafael Lima 26 de março de 2015 at 21:14 - Reply

    parabéns e obrigado por mais esse ensinamento.

  4. edilene 27 de março de 2015 at 8:22 - Reply

    Leandro. tudo bem?

    Qual a sua sugestão de investimento para uma pessoa que tem pouco capital a investir, investir em imoveis e garantir renda é um bom investimento? obrigada edilene

    • Leandro Ávila 27 de março de 2015 at 11:51 - Reply

      Olá Edilene, investir em imóveis não é algo tão conservador como a maioria pensa. O investimento em imóveis é um investimento de risco, principalmente quando você não sabe o que está fazendo. Leia este artigo. Investir em imóveis pode gerar grande retorno financeiro, como também pode ser garantia de prejuízo.

  5. Daniel 27 de março de 2015 at 9:01 - Reply

    Muito bom o artigo Leandro, parabéns.
    Sou funcionário público e participo do fundo de pensão da empresa. Fico com o pé atrás, visto que o fundo conta com cerca de 5000 participantes e quase 10000 assistidos. Mesmo se investirem da melhor forma possível, fica difícil fechar a conta. Para piorar, nos próximos 3 anos serão desligados mais 1000 colaboradores por meio de plano de desligamento voluntário, passando para cerca de 4000 participantes para 11000 assistidos. Com certeza ocorrerão novas contratações, mas elas serão pontuais, já que a política atual da empresa é cortar gastos, principalmente com a folha de pagamento. Analisando o relatório do fundo, de fevereiro de 2014 até janeiro de 2015, tivemos superávit apenas nos meses de agosto e novembro de 2014, nos demais houve um déficit relativamente grande, ou seja, o valor atual das obrigações é bem maior que o patrimônio existente.
    Estou começando minha vida profissional agora, entrei há menos de uma ano na empresa. Não sei até que ponto vale a pena continuar deixando meu dinheiro lá. A única coisa que me mantém pagando o fundo é a boa quantia de participação da empresa. Com certeza com o passar dos anos, naturalmente o número de assistidos irá diminuir, pois ninguém é eterno. Hoje a empresa é considerada “velha”, mas está passando por uma renovação do quadro de funcionários. Este também é um problema do setor público. Devido à estabilidade, ninguém sai e é natural que a empresa passe por um período com o quadro repleto de pessoas com idade avançada, muitos até aposentados pelo INSS, porém permanecendo na ativa por muitos anos.
    Qual o seu ponto de vista sobre um fundo com essas características? Há futuro se o dinheiro for bem investido ou é mais viável investir esse dinheiro por conta própria? Lembrando que há uma boa participação da empresa.

    • Leandro Ávila 27 de março de 2015 at 12:00 - Reply

      Olá Daniel. Este é outro problema sério. Com o aumento da expectativa de vida das pessoas (a população vive cada vez mais graças aos avanços da medicina) e o aumento da eficiência das empresas, no sentido de necessitarem cada vez menos de funcionários (graças a tecnologia na informatização, robotização, automação, etc.) a tendência para o futuro (20, 30, 40 anos) é um número cada vez maior de assistidos e um número cada vez menor de pessoas trabalhando e arrecadando para manter o sistema funcionando. No caso de uma empresa pública, eu acredito que existe uma tendência da população lutar por eficiência destas empresas. O estado e as empresas estatais terão que ser enxutas. Se você se conscientizar sobre a importância de investir o seu próprio dinheiro (se preparando seriamente para fazer isto da melhor forma), de montar o seu próprio fundo pessoal de aposentadoria, e se você tiver disciplina para seguir este projeto até a sua aposentadoria, não compensa deixar o dinheiro nas mãos dos outros. Já se a pessoa não pretende aprender como cuidar do seu próprio dinheiro, pretende viver uma vida financeiramente desregrada e descontrolada, não existe outra opção a não ser jogar esta responsabilidade para os outros e rezar para que tudo de certo.

  6. elizangela 27 de março de 2015 at 9:04 - Reply

    E de 2012 pra cá com a lei complementar federal 12.618/2012 que limitou os novos servidores a receberem seus proventos limitados ao teto do regime geral de previdência criando o regime de previdência complementar do servidor federal muito mais pessoas se interessarão por esse assunto de fundo de pensão e aposentadoria.
    Aqui em MG também inicia o funcionamento do PREVCOM, fundação pública que promete gerir o dinheiro dos novos servidores estaduais.
    Essa matéria foi muito interessante para alertar, nós, leigos, quanto ao assunto, pois temos a tendência de confiar sem questionar.
    Estou de olho nesse site, leio sempre suas matérias e recebo com preciosos conselhos.
    Muito obrigada!!!

    • Leandro Ávila 27 de março de 2015 at 12:04 - Reply

      Oi Elizangela. Eu acho que você pode até investir seu dinheiro em fundos de pensão. Existem fundos que são bem administrados e fundos que só fazem gerar prejuízos para seus participantes. O problema seria investir confiando, esquecendo, sem acompanhamento, sem monitoramento. É isso que a maioria das pessoas fazem. Deixam uma parte da riqueza que conseguem produzir durante a vida dentro de fundos mal administrados e só vão perceber quando os problemas começam a acontecer. Os trabalhadores precisam acompanhar o que estes fundos estão fazendo com o dinheiro.

  7. Thais 27 de março de 2015 at 9:30 - Reply

    Leandro, ali em cima você colocou “Tesouro Selic (LTN)”. Não seria LFT?

    PS.Não precisa publicar este comentário.Foi só pra te auxiliar

    Um abraço

  8. ACMattos 27 de março de 2015 at 9:33 - Reply

    Lenadro,

    Meus parabéns pelo artigo! Lúcido, franco, direto!

    Espero que ajude às pessoas a verem que elas próprias devem comandar suas aposentadorias.

    Grande abraço,

    André.

  9. Anderson 27 de março de 2015 at 10:01 - Reply

    Excelente artigo Leandro! Eu tenho o fundo de pensão Petros, mesmo com um sistema de contribuição por paridade, você consideraria que seria mais vantajoso eu administrar esse dinheiro?

    • Leandro Ávila 27 de março de 2015 at 12:08 - Reply

      Eu considero que você precisa responder esta pergunta. Como fazer isto? Avalie a situação do seu fundo, avalie os documentos que eles fornecem regularmente sobre o desempenho. Monitore onde o seu fundo anda aplicando o seu dinheiro. Avalie as opções de investimento que existem hoje fora do fundo e comece a pensar em um plano B, ou seja, não confie 100% do seu plano de pensão. Inicie também o seu próprio plano pessoal de aposentadoria fazendo investimentos por conta própria.

  10. Fernando 27 de março de 2015 at 10:20 - Reply

    Leandro,

    Há uma situação em que a adesão ao plano pode ser vantajosa: quando a empresa patrocina parte das contribuições.

    Ex: Um funcionário da CEF decide aderir à FUNCEF, ele escolhe um valor que irá contribuir e a CAIXA contribui com o mesmo valor (se o funcionário contribuir com R$ 400,00 a CAIXA contribuirá com mais R$ 400,00 em nome do funcionário. Portanto, esse funcionário pagará 400,00 por mês, mas sua conta receberá um aporte total de 800,00 por mês).

    É importante ler todo o regulamento do plano, prestando atenção em todas as regras (principalmente as mais complicadas e chatas de entender…rsrsrs). Por exemplo, no caso de desligamento da empresa, pode-se resgatar todo o valor aportado (contribuições do empregado + contribuições patronais) ou só se resgata a parte referente às próprias contribuições?

    Fui funcionário da CAIXA por dez anos. Quando fui admitido, não aderi à FUNCEF, pois, pelo regulamento do plano, se eu saísse da empresa, eu só resgataria o valor referente às minhas próprias contribuições.

    Após uns 6 anos na empresa, houve uma mudança no regulamento e lançaram um novo tipo de plano no qual havia a possibilidade de se resgatar o valor total (contribuições do empregado + contribuições da empresa) e acabei aderindo.

    Acho que fiz um bom negócio, pois os baixos rendimentos e altas taxas administrativas foram compensados pelas contribuições da empresa.

    Mas é claro que cada um deve analisar as regras do plano à luz de seus planos pessoais. Meus planos eram sair da empresa no médio prazo, por isso fiquei bem atento as regras de resgate. Caso eu planejasse realmente me aposentar com os recursos, talvez minha decisão teria sido outra.

    No mais, parabéns pelo artigo.

    • Leandro Ávila 27 de março de 2015 at 13:52 - Reply

      Olá Fernando. Eu acho que cada um deve avaliar a própria situação. No caso da empresa investir o mesmo que você investiu pode ser vantajoso, como também pode não ser. No curto prazo você realmente dobrou seu patrimônio, o problema é que isto não terá muito valor depois de décadas e décadas de contribuições de baixa rentabilidade ou pior ainda, se ocorrerem perdas, má administração dos recursos ao ponto de tornar o sistema vulnerável ou até inviável no longo prazo. Outro ponto importante é que muitas vezes o trabalhador perde o que a empresa contribuiu caso queira sair da empresa. Eu já conversei com pessoas que viviam uma vida infeliz dentro da empresa onde trabalhavam e só não mudavam de vida devido a estas regras de planos de pensão que acabam prejudicando o trabalhador que resolve sair da empresa. Além de engessar o patrimônio a pessoa ainda corre o risco de engessar a vida profissional e a própria felicidade. Por isto cada um deve avaliar o que está fazendo para verificar se realmente é vantajoso ou não, cada caso sempre será diferente do outro.

      • Ricardo M 27 de março de 2015 at 15:52 - Reply

        Leandro, acho muito válido seus comentários e alertas… Agregam bastante.

        Permita-me descordar somente na idéia que todos os planos de previdencia (das empresas) são mal administrados, tem baixa rentabilidade e no longo prazo quebrarão. Acho um pouco assustador dizer isso.

        Ja conversei com vc antes e inclusive enviei o site da fundo que participo ( que está na lista que vc indicou acima), que tem rentabilidade bem acima de CDI nos ultimos 15 anos com um custo de administração muito baixo.

        Também a maioria dos planos privados adotaram a individualização das contas, quer dizer que as aplicações / resgates acontecem para contas individualizadas.

        E a questão da co-participação das empresas e a redução do IR podem fazer uma diferença enorme…

        Mas nessa área temos que tomar muito cuidado.

        Abç

        • Leandro Ávila 27 de março de 2015 at 16:40 - Reply

          Olá Ricardo. Existe uma parte no texto onde falo justamente o contrário, que nem todos os planos são mal administrados. Só que acredito que o fundo de pensão dos Correios já foram bem administrados no passado. Também deixei claro que a lista apenas mostra a título de curiosidade quais são os maiores fundos de pensão do Brasil. O importante é que cada um se sinta estimulado a fazer suas próprias avaliações, quem tem plano de pensão, não importa de qual empresa, deve ficar atento, deve participar e acompanhar mais para onde está indo o seu dinheiro.

          • Ricardo M 28 de março de 2015 at 11:08

            100% de acordo! isso vale para tudo… Desde o simples DI… Valeu!

  11. Ricardo 27 de março de 2015 at 10:44 - Reply

    Prezado Leandro,
    Em primeiro lugar quero parabenizá-lo pelo seu trabalho, que é de primeiríssima qualidade!
    Muito obrigado, tem me ajudado muito!
    Falando em aposentadoria, poderia me ajudar com uma questão? Imagine que se tenha R$ 1.200 mil no tesouro direto com uma rentabilidade líquida anual de 10%, ou R$ 120 mil e que se faça uma retirada de R$ 10 mil todos os meses. Considerando uma inflação anual em torno de 6% por quantos anos se poderia efetuar essa retirada mensal de R$ 10 mil levando em conta que essa retirada também acompanharia um IPCA de 6% ao ano? Ou seja, no segundo ano a retirada mensal seria de R$ 10,6 mil e assim por diante. Por quantos anos estaria garantida essa renda mensal atualizada pela inflação? Poderia me ensinar a fazer esse cálculo? Com isso poderíamos ter uma ideia de quanto juntar antes de aposentar e principalmente fazer projeções considerando diferentes prazos de validade (expectativa de vida)… rs

  12. Grazziani Xavier 27 de março de 2015 at 10:46 - Reply

    Leandro, no caso dos fundos de pensão em que há patrocínio da empresa/órgão onde o empregado trabalha, será que mesmo a carteira de investimentos não sendo de “boa qualidade”, não compensa correr o risco? Conheço exemplos em que o patrocínio chega próximo aos 100% da contribuição mensal do empregado.

    • Leandro Ávila 27 de março de 2015 at 14:04 - Reply

      Oi Grazziani. Isso você precisa avaliar, cada caso é diferente do outro. As pessoas olham o 100% do patrocínio e não percebem que quando a esmola é muito grande o santo precisa ficar desconfiado. Leia todas as regras, todas as pegadinhas do contrato. Avalie o fundo, olhe o desempenho passado, procure notícias sobre a administração do fundo. De nada adianta ter 100% de rentabilidade no curto prazo em cada aplicação e depois ter baixa rentabilidade por décadas e décadas ou simplesmente ter perdas devido a má administração do fundo. O importante é tomar a decisão com consciência.

  13. Rafael Cruz 27 de março de 2015 at 11:09 - Reply

    Leandro, EXCELENTE texto. Sou servidor público e já estava me aprofundando mais em educação financeira, comecei a ver a FUNPRESP com muita desconfiança. Com o seu artigo, vou passar é bem longe mesmo. Aqui tem as taxas da FUNPRESP:

    ExecPrev
    Plano de Custeio do Plano Executivo Federal (ExecPrev) aprovado pelo Conselho Deliberativo da Funpresp-Exe.

    ExecPrev – PLANO DE CUSTEIO ATIVO NORMAL
    Taxas totais de custeio do plano sobre o Salário de Participação do Participante Ativo Normal (participante + patrocinador)

    Total 17,00% 100,00%
    Fundo de Cobertura de Benefícios Extraordinários (FCBE) 3,66% 21,53%
    Aporte Extraordinário de Aposentadoria Normal (AEAN) 1,26% 7,41%
    Aporte Extraordinário de Aposentadoria por Invalidez (AEAI) 0,20% 1,18%
    Aporte Extraordinário por Morte do Participante Ativo (AEMAt) 0,17% 1,00%
    Aporte Extraordinário por Morte do Participante Assistido (AEMAss) 0,04% 0,23%
    Benefício por Sobrevivência do Assistido (BSA) 1,62% 9,53%
    Oscilação de Risco (1) 0,37% 2,18%
    Taxa de Carregamento (administração) 1,19% 7,00%
    Reserva Acumulada pelo Participante (RAP) – 8,5% 12,15% 71,47%

    Total 16,00% 100,00%
    Taxa de Carregamento (administração) 1,12% 7,00%
    Reserva Acumulada pelo Participante (RAP) – 8,0% 11,22% 70,12%

    Total 15,00% 100,00%
    Taxa de Carregamento (administração) 1,05% 7,00%
    Reserva Acumulada pelo Participante (RAP) – 7,5% 10,29% 68,60%
    Nota: (1) 10% sobre o custo do AEAN, BSA e AEMAss e 20% para AEAI e AEMAt.

    ExecPrev – PLANO DE CUSTEIO ATIVO ALTERNATIVO
    Taxas totais de custeio do plano sobre o Salário de Participação do Participante Ativo Alternativo (participante)

    Alíquotas 7,5%, 8,0% ou 8,5% sobre Salário de Participação (2) 100%
    Reserva Acumulada Suplementar (RAS) 93,00%
    Taxa de Carregamento 7,00%
    Nota: (2) Salário de Participação a ser definido pelo participante
    OBS: Para o participante Autopatrocinado se aplica a mesma regra de custeio da condição anterior ao Autopatrocínio (Ativo Normal ou Ativo Alternativo)

    Fonte: DA, 07jan2013 – MIBA nº 2285

    • Leandro Ávila 27 de março de 2015 at 14:09 - Reply

      Olá Rafael, obrigado pelo comentário. Os fundos de pensão não fazem milagre com o dinheiro de ninguém. São poucas as pessoas que fazem uma boa avaliação. Elas topam participar dos fundos de pensão pelo fato dos outros também participarem. Isso que seria o grande erro. Se após avaliar a pessoa considerar que é vantajoso, ótimo. O problema é aceitar sem refletir, ponderar e depois se arrepender.

  14. Cláudio 27 de março de 2015 at 12:13 - Reply

    Prezado Leandro,

    Em primeiro lugar, quero dizer que sou um leitor assíduo do seu site, e ele está de parabéns no conteúdo, sempre atualizado, estou aprendendo muito depois que passei a conhecer melhor a dinâmica e funcionamento dessas opções de investimento.
    Posso dizer que sou uma vítima direta deste Fundo de Pensão, pois sou funcionário dos Correios há 16 anos e vejo um futuro sombrio sobre ele. O que mais me preocupa é que ele está se mostrando um modelo insustentável, de tão mal gerido que ele é, sendo que desde 2008 que ele foi saldado, ou seja, não entram mais novos participantes, e portanto no futuro haverá mais gente para receber do que para contribuir neste fundo os benefícios acumulados após anos de contribuição de seus participantes. Não sei se isto foi divulgado anteriormente, mas vai sobrar a conta até para quem já está aposentado e é beneficiário do plano, estão dizendo que eles vão ter uma redução em torno de 34% sobre o benefício que eles recebem mensalmente, porque não há mais reservas para pagar todo mundo. Este fundo praticamente quebrou e só não assumem isto publicamente, é o que eu observo.
    Outro agravante é que até para sair do Plano é complicado, pois se você pedir o desligamento dele o resgate da parte que eu contribui ao longo dos anos eles só autorizam esse resgate quando a gente se desligar da empresa, conforme previsto no Estatuto, sendo que se não há reservas agora, imagine daqui a 20 anos, quando eu estiver próximo da aposentadoria? Se eu pudesse resgatar agora pelo menos o prejuízo seria menor, pois eu poderia aplicar em investimentos seguros e com muito mais garantia de retorno. Este cenário negativo já estava há um bom tempo aparecendo para nós, só que agora que está em evidência na mídia,diversos políticos querem se mostrar em defesa dos empregados, mas a maioria só quer aparecer pra posar de palanque, pois apesar dos diversos alertas que a ADCAP fez junto à PREVIC sobre os problemas que estavam ocorrendo no fundo, nada ela fez para intervir no Postalis.

    • Leandro Ávila 27 de março de 2015 at 14:20 - Reply

      Olá Cláudio. Muito obrigado por deixar seu depoimento sobre o que está acontecendo nos Correios. O grande problema é que essa situação pode acontecer no futuro com outros fundos que estão sendo mal administrados ou que ainda serão mal administrados. As vezes recebo críticas de pessoas dizendo o seguinte: “A população não tem disciplina para poupar e nem conhecimento para investir. É melhor que existam coisas como fundos de pensão, fundo de garantia por tempo de serviço, planos de previdência privada, que são todos poupanças forçadas, pois mesmo tendo baixa rentabilidade (mesmo os fundos e o governo se aproveitando dessa baixa rentabilidade), as pessoas pelo menos terão alguma coisa de aposentadoria complementar.” É como se um erro justificasse o outro. Se as pessoas não tem paciência para poupar é por falta de bons hábito financeiros, falta de conhecimento, falta de preparo. Isso tem cura. Se as pessoas não sabem investir é só falta de informação e de um pouco de experiência que pode ser conquistado com um pouco de força de vontade. Mesmo se o cidadão não sabe fazer os melhores investimentos, mesmo que ele deixe o dinheiro rendendo pouco, mas rendendo alguma coisa na Poupança, é melhor que o dinheiro esteja nas suas mãos, sendo administrado por você, do que nas mãos de terceiros que dificultam o seu acesso ao seu próprio dinheiro ou criam mecanismos para te prejudicar caso você queira exercer a liberdade de acessar o dinheiro que você ganhou depois de tanto esforço. Sem contar com o risco do seu dinheiro ser usado para atender a interesses de políticos, partidos políticos e governos, que seria mais grave ainda.

  15. Leandro Campos 27 de março de 2015 at 12:22 - Reply

    Oi Leandro, vejo que hoje muitas pessoas ainda acreditam que a previdência privada seja a melhor opção para aposentadoria por simples comodismo. Vejo isso dentro de casa, tento convencer e educar financeira mente a minha esposa todos os dias. No meu caso eu optei pelo fundo da minha empresa pelos benefícios oferecidos. Trabalho em uma estatal, onde são oferecidos beneficios

    • Leandro Ávila 27 de março de 2015 at 14:23 - Reply

      Olá Leandro. O importante é avaliar com muito cuidado estes benefícios e os resultados que estão apresentando. A pior situação seria esta que você falou, da pessoa fazer o investimento por ter ouvido falar que era bom ou por ver outras pessoas falando que fizeram. O investimento bom é aquele que você faz sabendo exatamente o que está fazendo. As vezes as pessoas me perguntam: “Leandro, investir em títulos públicos é bom para a aposentadoria” Isso depende, primeiro eu preciso saber se a pessoa já aprendeu como investir corretamente em títulos públicos. Todo investimento é ruim se você não sabe o que está fazendo.

  16. Leandro Campos 27 de março de 2015 at 12:27 - Reply

    Oi Leandro, vejo que hoje muitas pessoas ainda acreditam que a previdência privada seja a melhor opção para aposentadoria por simples comodismo. Vejo isso dentro de casa, tento convencer e educar financeira mente a minha esposa todos os dias. No meu caso eu optei pelo fundo da minha empresa pelos benefícios oferecidos. Trabalho em uma estatal, onde são oferecidos benefícios como, pecúlio por morte e invalidez, seguro acidente pessoal que completa o salário em caso de afastamento, além da empresa colocar R$ 1 a cada R$ 1 que eu coloco no fundo. Esse último, por si só, já acho uma grande vantagem. Ou estou errado?

    • Leandro Ávila 27 de março de 2015 at 14:24 - Reply

      Depende da rentabilidade, depende do que andam fazendo com o seu dinheiro e do resultado que estão apresentando hoje e no longo prazo. Leia o contrato e procure as pegadinhas.

  17. Carlos 27 de março de 2015 at 12:31 - Reply

    Olá Leandro,

    Eu abro o link, mas so consigo visualizar os comentários e não o artigo…tentei pelo site e ocorreu o mesmo.

    • Leandro Ávila 27 de março de 2015 at 14:25 - Reply

      Olá Carlos. Você poderia me dizer como está acessando? Está usando o computador, celular ou tablet? Está utilizando qual navegador? Testei no Internet Explorer e no Chrome e não encontrei problemas.

      • Carlos 30 de março de 2015 at 13:01 - Reply

        Estou entrando no mozilla em cumputador. Mas hoje estou conseguindo ler o artigo completo.

  18. jose carlos 27 de março de 2015 at 12:44 - Reply

    Boa tarde Leandro! quero investir 5000 mil no multimercado e fazer aporte todos os meses, O que você acha do multimercado? hoje pode dizer que um bom investimento ?Tenho também uma previdência a dois meses, fiz um aporte de 5000 mil e faço 500 reais por mês com taxa administrativa 2,4 você acha que devo continuar com a previdência?

    obrigado

    • Leandro Ávila 27 de março de 2015 at 14:29 - Reply

      Olá Jose carlos, existem inúmeros fundos multimercado diferentes. Não tenho como dizer se o fundo multimercado que você escolheu apresenta um bom desempenho. Neste tipo de fundo você também transfere a responsabilidade por administrar seu dinheiro para um terceiro. Eles cobram taxa de administração não importando se terão um bom resultado. Existem fundos de maior risco e de menor risco, fundos bem administrados e mal administrados, que apresentaram bons resultados no passado e irão apresentar resultados ruins no futuro ou que apresentaram resultados ruins no passado e vão apresentar bons resultados no futuro. Eu acho que você deve avaliar onde o seu plano multimercado está investindo (eles fornecem estas informações) e onde o plano de previdência está investindo. Você mesmo pode fazer estes investimentos, você mesmo pode montar sua carteira de investimentos sem depender destas instituições. Quando elas apresentam resultados ruins, quem fica com resultado ruim é você, eles ficam com um percentual do que você investiu através das taxas.

  19. Inocente 27 de março de 2015 at 13:18 - Reply

    Mais uma vez parabéns Leandro!
    Tenho um BrasilPrev há mais de 09 anos, só depois de fazer alguns cursos sobre educação financeira descobri que estou pagado taxa de administração altíssima, sem falar que não rende nada. Resolvi ir ao BB pedir o resgate e lá fui informado que o pedido de resgate agora se faz pelo 0800.
    O que você acha do Brasil Prev e também desse pedido de resgate pelo 0800?

    • Leandro Ávila 27 de março de 2015 at 14:42 - Reply

      No 0800 você vai entrar em contato com uma pessoa treinada para te convencer a não desistir do seu plano de previdência. O pessoal das agências só foi treinado para te convencer a comprar os planos de previdência e só querem perder o tempo deles fazendo isso, já que desta forma batem as metas exigidas pelo banco. Visitei o site da Brasil Prev, olhei o plano que teve a maior rentabilidade dos últimos 12 meses, cliquei na opção de informações, baixei o relatório para ver o desempenho nos últimos 60 meses (5 anos). O fundo rendeu 34,80% em 5 anos. No mesmo período a Poupança rendeu 39,45% O CDI que é a base da rentabilidade da LCI, LCA e CDBs rendeu 59,77%. A inflação media pelo IPCA foi de 35,38%. Isto significa que quem investiu neste plano perdeu até da inflação. Quem precisa de um plano de previdência privada que não consegue ganhar da Poupança? Agora considere esta baixa rentabilidade por muitas décadas, o desastre é garantido. Já para o Banco o lucro é certo pois cobram 2% de taxa sobre o patrimônio investido. Os fundos de pensão, fundos de investimento e planos de previdência privada adotam uma política de investimento que não se adapta com facilidade quando os cenários econômicos sofrem variações. Quando você tem o controle sobre o seu dinheiro é possível se adaptar a isto. Quando os juros estão subindo você pode investir de uma determinada forma para aproveitar esta alta. Quando os juros estão caindo também existem opções de investimento que se beneficiam da queda. O mesmo acontece com as ações e câmbio. Por isto é importante dedicar um tempo aprendendo mais e principalmente experimentando para ganhar confiança nas suas habilidades.

  20. Carlos Pommer 27 de março de 2015 at 13:21 - Reply

    Muito bom artigo mesmo. Mas no caso de um fundo de pensão de estatal, não sei se isto mudou e se ainda se aplica a todos, a empresa entra com uma boa parcela da contribuição mensal. No BB, era coisa de cada 1 real contribuído pelo empregado, o banco entrava com 9.
    Logo, para funcionário de estatal, é difícil ser um mal negócio, até porque é bem possível que o governo venha ao socorro para consertar o rombo.

    • Leandro Ávila 27 de março de 2015 at 14:44 - Reply

      Olá Carlos. Se você entra com R$ 1 e a estatal entra com outro R$ 1 e depois o dinheiro for mal investido por décadas, com baixa rentabilidade ao ponto do fundo de pensão se tornar economicamente insustentável, a vantagem inicial de curto prazo (ganhar 100% do que investiu) deixa de ser tão vantajosa assim. Por isto é importante olhar com muito cuidado o desempenho e as condições do contrato.

  21. Fernando 27 de março de 2015 at 13:46 - Reply

    Leandro, parabéns por sua lucidez, senso didático e densidade teórica em seus textos. Sem dúvida, é o melhor conteúdo em educação financeira na blogsfera. Sou um leitor contumaz de seus e-books também. Gostaria de ver sua opinião sobre o seguinte cenário: faço parte de uma cooperativa médica, que criou um programa de previdência privada para seus cooperados. Essa previdência está ligada a uma seguradora que faz parte do sistema cooperativista da classe e cobrará taxa de administração de 0.3%a.a , sem taxa de carregamento. Considerando os benefícios fiscais de um plano PGBL, e que o mesmo teria um perfil conservador, você julgaria uma opção de investimento mais competitiva? Grande abraço

    • Leandro Ávila 27 de março de 2015 at 16:29 - Reply

      Olá Fernando. Eu não tenho como avaliar a distância . Você precisa verificar se a instituição é sólida hoje e se você acredita que será no futuro. Precisa avaliar que investimentos serão feitos, precisa verificar se você já faz a declaração completa, se a rentabilidade vai compensar o benefício de deixar para pagar este imposto depois. Precisa ler o contrato com muita atenção. Eu como educador tenho uma forte tendência a te estimular a aprender a cuidar do seu próprio dinheiro. Toda opção de investimento onde você transfere a responsabilidade de administrar os seus recursos para terceiros já representa uma grande desvantagem no meu ponto de vista, principalmente como ocorre nos planos de previdência e fundos que dificultam o seu acesso ao dinheiro que é seu. Os fundos de investimento oferecidos pelos bancos também existem para administrar seu dinheiro em troca de uma taxa administrativa (quanto mais você investe, menor é a taxa), só que existe uma diferença fundamental, você pode acessar o seu dinheiro sempre que desejar. A maioria dos fundos possui liquidez diária, só que como nada é perfeito, os fundos possuem o problema do come-cotas. Por isto o importante seria investir na sua educação financeira para que você possa tirar suas próprias conclusões.

  22. Mauro Carvalho 27 de março de 2015 at 13:49 - Reply

    Muito obrigado, excelente artigo.

    Mauro Carvalho

  23. Wilfredo 27 de março de 2015 at 14:10 - Reply

    Leandro, parabéns pelo rico conteúdo informativo de seu artigo.
    Se possível, gostaria de uma opinião!
    1. Qual a melhor forma de investimento, nos dias atuais, de um valor de 100 mil reais, com prazo de até 24 meses?
    2. Um imóvel no valor de 400 mil, alugado por 1200 reais/mês, é um bom negócio a longo prazo? Ou melhor seria a venda do imóvel e aplicacação financeira buscando maior rentabilidade?

    • Leandro Ávila 27 de março de 2015 at 16:36 - Reply

      Olá Wilfredo, eu não gosto e nem devo fazer recomendações de investimento. O que recomendo são estudos. Recomendo que você estude o funcionamento dos títulos públicos. Recomendo que estude o funcionamento de títulos privados, principalmente os isentos como LCI e LCA. Alguns bancos também oferecem CDB bem atrativos. Estude a possibilidade de ter uma conta em corretora. Os investimentos que os grandes bancos oferecem são muito limitados a nas corretoras você pode acessar opções de investimento de diversos bancos. Com relação ao imóvel o investimento pode ser bom dependendo do imóvel e da região. Imóvel é investimento de risco como falei aqui. Podem ser ótimos investimentos se você comprar o imóvel certo, no lugar certo no momento certo para a finalidade certa. Ter um imóvel é uma forma de manter uma parte do seu patrimônio em um investimento físico, ou seja, fora do sistema bancário. É uma boa opção ter uma parte do patrimônio nestas condições.

  24. Giovani 27 de março de 2015 at 14:54 - Reply

    Leandro, boa tarde. Com relação aos fundos de pensão, quero adicionar que em quase sua maioria quando o trabalhador aplica determinado valor para o mesmo, a empresa seja pública ou de capital misto entra com o mesmo valor. Exemplo: se o funcionário contribui com R$100,00 todo mês no fundo, a empresa entra com a mesma parte, ou seja, R$100,00, injetando assim no total R$ 200,00 no fundo. Ou seja, é uma ótima forma de alavancar o investimento, já que um aporte significativo também contribui de maneira eficaz para o aumento do capital. A maneira como os fundos são administrados vai depender de como é feita a governança corporativa do mesmo, onde deverá existir além de uma forte fiscalização também um acompanhamento por parte dos participantes, em especial naquele ou naqueles que forma escolhidos para gerenciar os investimentos. O problema aqui não são os fundos de pensão, não são eles os vilões, mas sim aquelas pessoas que fazem sua administração de forma errada, visto que geralmente os participantes entregam os valores a estas pessoas e tem total confiança no gerenciamento do mesmo. Administrar o dinheiro por conta própria é sim o ideal, mas se as mesmas pessoas que contribuíram para o fundo dos correios não tiveram motivação para verificar o andamento das suas aplicações, tão pouco o teriam feito se fossem investir seu próprio dinheiro por conta próprio. Muito provavelmente não teriam feito investimento algum.

    • Leandro Ávila 27 de março de 2015 at 16:03 - Reply

      Olá Giovani. São quase 130 mil funcionários, estamos falando do maior fundo em número de participantes. Eu creio que uma parcela destas pessoas sabia o que estava acontecendo e provavelmente tentou fazer alguma coisa para evitar os problemas, afinal de contas é muita gente. Como falei em outros comentários, não adianta muito receber a parcela da empresa se o fundo for mal administrado, não conseguir fazer o dinheiro render ou pior, fazer todo mundo perder dinheiro. O artigo é mais um alerta para que as pessoas acompanhem o dinheiro que ganham, respeitem o tempo que passaram trabalhando para ganhar cada centavo, afinal de contas, este dinheiro é fruto de tempo de vida que se foi e não volta mais. É fundamental acompanhar os resultados do fundo, ler contratos e regulamentos com atenção e ter uma postura ativa e não passiva diante das próprias economias.

    • Tamara 10 de abril de 2015 at 9:00 - Reply

      Nos correios existe uma associação bem ativa, a ADCAP, que não só tentou alertar como agora, depois do estrago, já tomou as medidas judiciais cabíveis.

      O problema não é a falta de interesse dos participantes do fundo, e sim a politicagem, como já fora mencionado aqui.

      • Leandro Ávila 10 de abril de 2015 at 13:10 - Reply

        Olá Tamara, é verdade, o problema está no envolvimento de políticos e pessoas com interesses políticos.

  25. Oliveira 27 de março de 2015 at 15:19 - Reply

    Leandro,

    Faço parte da PREVI (Previdência do BB). Você saberia me dizer como faço para descobrir em que eles investem hoje? Em quais empresas, empreendimentos, fundos, títulos públicos, etc especificamente eles estão investindo?

    Sei qual a % que eles investem , mas acho isso muito pouco transparente.Tenho como descobrir de forma mais detalhada onde está meu dinheiro?

    Obrigado

    • Leandro Ávila 27 de março de 2015 at 16:20 - Reply

      Olá Oliveira. Todos os fundos de pensão são obrigados a fornecer estas informações no site. Visitei o site deles, cliquei em “Plano 1”, depois em “Investimento e Rentabilidade”. Pude ver uma página onde aparecia no menu da lateral esquerda a opção de “política de investimento” onde você pode baixar um relatório em formato PDF onde mostra o percentual do dinheiro pode ser aplicado em renda fixa, renda variável, investimentos no exterior, etc. Também mostra os índices de referencia, ou seja, que índices eles planejam bater. No caso dos investimentos em renda fixa eles tentam bater IPCA + 5,5%, ou seja, inflação + 5,5%. No menu também tem o campo “demonstração do ativo líquido”. Curiosamente eles só oferecem relatórios de 2012 e 2013. Você deve exigir os relatórios de 2014 e 2015. Na página de “Rentabilidade” também só aparecem relatórios até 2013. Baixei o relatório de 2013 e pude ver que o Plano PREVI FUTURO rendeu 3,70% durante todo ano. Perdeu da poupança e da inflação. Já o plano que eles chamam de PLANO 1 rendeu 7,30% que não é lá grande coisa, pois mesmo diversificando eles não conseguiram bater o CDI de 2013 que foi de 8,06%. É importante que você crie o hábito de acompanhar os números e os relatórios que eles oferecem no site. Também é bom exigir relatórios atualizados todos os meses, é um direito seu.

      • Oliveira 27 de março de 2015 at 17:32 - Reply

        Muito obrigado pela resposta Leandro.

        Você sabe se eu poderia ter acesso a quais ativos o PREVI FUTURO está investindo ? Se em PETR3, NTNB-P 35, Poupança especificamente? Por esses dados do Painel Informativo só fico sabendo que 2,8 Bi estão em Renda Fixa , mas quais ativos eles estão investindo em Renda Fixa? E em que % desse valor ? Será que estão investindo em NTNB-P 35 , Poupança, CDB ? E de quais instituições afinal como você mesmo falou em seu artigo isto é muito importante saber. Em Renda Variável temos 1,8 bi, mas em quais ativos? PETR3, BBAS3, empresas do EIKE? E em quais proporções?

        Para mim ainda parece uma caixa preta (no mínimo cinza escura),eu saber que 50% da carteira do fundo está em Renda Fixa e 30% em Renda Variável é muito pouco para eu poder analisar e ver se o investimento está sendo correto ou não. Gostaria de saber mais especificamente em que (mesmo que com um delay de 1 ano) eles estão investindo o dinheiro, teria como?

        Obrigado

        • Leandro Ávila 27 de março de 2015 at 18:14 - Reply

          Olá Oliveira, é provável que eles forneçam estas informações detalhadamente. É obrigação deles oferecer total transparência. Se não encontrar relatórios detalhados no site entre em contato com eles e exija que te enviem.

          • Sérgio Salgado 7 de abril de 2015 at 8:51

            Oliveira,
            Certamente se você entrar com número de matricula ou do seu benefício mais senha pessoal o sistema abre acesso para relatório onde a Previc obriga as fundações a fornecerem esses dsdos. Sou da Petros e, no meu caso tenhono relatório de atividades mensal.

  26. Edson 27 de março de 2015 at 16:12 - Reply

    boa tarde , tenho uma previdência privada a 2 anos, regressiva, minha dúvida é, se eu sair tenho perdas de 35% correto, essa porcentagem é no valor do ganhos obtido ou no total poupado mais os rendimentos.

    • Leandro Ávila 27 de março de 2015 at 16:43 - Reply

      Olá Edson, o problema de abandonar um plano de previdência privada é justamente esta forte penalidade. Conheço muita gente que faz o plano sem saber que isto pode acontecer. Esta perda é no valor total e não só no ganhos caso o investimento seja um plano de previdência PGBL. Se for um VGBL o imposto é sobre o rendimento.

  27. Edson 27 de março de 2015 at 16:17 - Reply

    Ex: Poupado $ 7.200,00 ganhos de $ 600,00 os 35% e nos ganhos ou num todo $ 7.800,00.obrigado.

  28. Misael da Silva 27 de março de 2015 at 16:23 - Reply

    Mas um artiigo de grande valor para nossas vidas, devemos estuda e para aposentaria.
    Mas o governo destruiu o investimento que a populaça, sabe mais ou menos. Vem pessoas qie falam que investir em fundoa ou qualquer outro investimento que quando bc se aposenta terao rios de dinheiros, que nao irao mas trabalha, e quamdo vai vê nada que foi dito foi realizado ou ateesmo perdeu dinheiro com este tipo de investimento.
    Mas graça achei que site que nos orienta para fazemos o melhor do nosso dinheiro
    Muito obrigado Leandro.

  29. Carvalho 27 de março de 2015 at 16:44 - Reply

    Olá Leandro,

    Primeiramente gostaria de parabenizá-lo pelo excelente trabalho feito aqui no site. Acredito que tenha lido grande parte dos seus artigos justamente pelo interesse em poder gerir meu próprio dinheiro. Gostaria de pedir portanto que caso seja possível, você possa fazer um artigo sobre Letras de Câmbio. Procurei no site mas não encontrei, e nos estudos pude ver que são investimentos que podem render até mais que LCI e LCA. Andei pesquisando a respeito na internet, mas ainda ficam as dúvidas pontuais sobre as características dessa opção para diversificar o investimento.

    Obrigado e grande abraço!

    • Leandro Ávila 27 de março de 2015 at 18:15 - Reply

      Olá Carvalho, pretendo escrever sobre letras de câmbio no futuro.

  30. Edson 27 de março de 2015 at 17:33 - Reply

    Valeu Leandro ,obrigado pela orientação, vou deixar como esta, pois a perda pode ser grande, daqui por vou prestar mais atenção e andar com as próprias pernas.obrigado

  31. DANIEL 27 de março de 2015 at 17:47 - Reply

    Olá, Leandro!
    Eu sou um dos que foi enganado pelo POSTALIS. Fundo administrado por indicações políticas…
    Estou sentindo agora a realidade do você disse em seu artigo.
    Quem quiser conhecer o tamanho do rombo pode ver no site que eles criaram para “informar” aos participantes os motivos do desconto:
    http://equacionamento2015.postalis.org.br/
    Infelizmente, agora as opções são poucas. Ou é pagar 25,98% do que seria meu benefício no futuro, ou se desligar do plano e esperar sair da empresa para resgatar o valor do saldo, que será corrigido pelo INPC ou IPCA (não tenho certeza).
    Minha dúvida é esta: sair agora e perder os benefícios do plano, ou começar a pagar e esperar o resultado das ações na justiça que muitos estão ajuizando.
    Além de não poder ter certeza que o fundo passará a ser melhor administrado de agora em diante.

    • Leandro Ávila 27 de março de 2015 at 18:11 - Reply

      Olá Daniel. O pior de tudo é não ter certeza que no futuro a administração do fundo irá melhorar. 🙁

  32. Rudieni 27 de março de 2015 at 20:07 - Reply

    Lenadro! vc acha que ainda compensa investir em LCI? pretendo ir ao Banco Segunda e investir todo meu dinheiro que está na Poupança?

    • Leandro Ávila 27 de março de 2015 at 20:51 - Reply

      Olá Rudieni. Depende da taxa que o banco está oferecendo. Se for mais de 250 mil você não terá a cobertura total do FGC. Se for um banco pequeno isso é importante. Se for um grande banco ou banco estatal o risco é menor. Você também deve verificar a liquidez, ou seja, se você precisar do dinheiro antes do vencimento da LCI, existirá algum impedimento de reaver seu dinheiro? Tudo isso precisa ser avaliado.

  33. Rudinei 27 de março de 2015 at 20:08 - Reply

    Leandro! vc acha que ainda compensa investir em LCI? pretendo ir ao Banco Segunda e investir todo meu dinheiro que está na Poupança? Mais estou com o pé atrás!

    • Leandro Ávila 27 de março de 2015 at 20:53 - Reply

      Olá Rudinei, se você está com o pé atrás veja o que é que te deixa assim e dedique mais tempo estudando, faça pesquisas, não é nada bom investir sem ter certeza sobre o que você irá fazer.

  34. pedro 27 de março de 2015 at 21:28 - Reply

    Leandro, tenho um dinheiro na poupança, se eu aplicar uma parte na LFT por seis meses o rendimento ganhará da poupança ? mesmo com a taxa de custódia, o imposto de renda e a taxa que a corretora do meu banco cobra (0,4 a.a)

  35. Gonçalo 27 de março de 2015 at 23:09 - Reply

    Leandro, parabéns e obrigado por mais um ótimo texto!!
    Ainda não entendo por que é melhor se investir em LFT quando os juros estão em alta, pois tenho a crença que:
    . é melhor deixar os títulos ‘rolando’ pelo menos 2 anos por causa do IR e
    . nesse período, a Selic e a inflação tendem a cair, por conta das medidas da equipe econômica atual.
    Tendo essas (falsas) crenças, fico pensando ser melhor investir em LTN 2018, que tá dando, hoje, 13,42% aa.
    Tô pensando certo??
    A vantagem em investir em LFT seria por ser menos ‘prejudicial’ em um resgate antecipado?
    Abraços!!!!

    • Gonçalo 30 de março de 2015 at 9:25 - Reply

      Leandro?

      • Leandro Ávila 30 de março de 2015 at 12:03 - Reply

        Olá, não tenho como prometer resposta rápida para todos os comentários. É humanamente impossível.

    • Leandro Ávila 30 de março de 2015 at 11:59 - Reply

      Olá Gonçalo. Tudo é uma questão de qual aposta você pretende fazer. Se você acredita mesmo que os juros irão cair nos próximos anos o melhor investimento seria fixar a sua rentabilidade através de títulos como Tesouro Prefixado ou Tesouro IPCA. Se você fizer esta aposta e os juros caírem, ótimo, você apostou e acertou. Já se os juros subirem você terá duas opções: 1) esperar o vencimento e receber a taxa que acordou 2) antecipar a venda do título e assumir o prejuízo. Já quando você investe em LFT (Tesouro Selic) você está apostando que os juros ainda vão subir muito, que o momento de queda ainda não está próximo. E mesmo que você esteja errado, você pode vender sua LFT antecipadamente e buscar um prefixado. Você sempre terá que tomar a decisão solitária e assumir os riscos. O importante é fazer isto sabendo o que está fazendo, com base nas suas próprias conclusões, sem seguir a opinião de ninguém.

      • Gonçalo 31 de março de 2015 at 21:51 - Reply

        Muito obrigado, Leandro!! Abraço!!!!

  36. Otacílio Oliveira 28 de março de 2015 at 0:27 - Reply

    Olá, caro Leandro.
    Muito obrigado. Foi muito esclarecedora sua resposta.
    Estou investindo num Fundo Cambial gerido pelo Banco BTG Pactual oferecido na plataforma da corretora XP. A grande questão é: se o banco BTG Pactual quebrar perco todo o montante investido inicialmente?
    Muito obrigado pela atenção.
    Grande abraço.

    • Leandro Ávila 30 de março de 2015 at 11:53 - Reply

      Olá Otacílio. O que os fundos de investimento fazem (fundo de pensão é uma coisa, fundo de investimento é outra) é investir o seu dinheiro para você. O risco está na quebra da instituição onde o fundo investiu. Se o seu fundo está comprando títulos públicos de países que estão quebrando você terá um problema se estes países derem um calote no fundo, ou seja, o valor das cotas que você comprou ao entrar no fundo devem cair. No caso do fundo cambial o seu risco costuma ser uma valorização do real (quando a economia voltar a crescer no futuro) ou algum evento que faça o dólar desvalorizar no mundo todo. Estes eventos são imprevisíveis.

  37. luisa 28 de março de 2015 at 8:59 - Reply

    Parabéns, Leandro! Ajudou muito!

  38. Rudinei 28 de março de 2015 at 11:13 - Reply

    Obrigado Leandro! minha mãe já sofreu muito com bancos! fico com medo de ter prejuízos trabalho com o Banco Santander

    • Leandro Ávila 30 de março de 2015 at 11:48 - Reply

      Olá Rudinei, sofrer na mão dos bancos é muito simples, basta entrar em qualquer agência sem entender nada sobre dinheiro e investimento. Estas pessoas costumam ser alvos fáceis para quem trabalha lá dentro e esta sendo pressionado para bater metas.

  39. Marcos Antonio Ferrante 28 de março de 2015 at 16:59 - Reply

    Leandro qual é o investimento mais conservador hoje,Terreno, dólar ,ouro ou tem algo melhor e mais seguro, sempre leio seus artigos e os comentário, sempre aprendo muito. Gostaria de saber o que é investimento mais conservador realmente , que as grandes corporações investe. Obrigado suas aulas são fantásticas.

    • Leandro Ávila 30 de março de 2015 at 11:41 - Reply

      Olá Marcos. Dólar e ouro são investimentos de altíssimo risco. Terrenos e imóveis também como já falei neste outro artigo. As grandes corporações montam uma carteira (diversos investimentos) e trabalham com a técnica de alocação de ativos. Dólar, ouro e terrenos são boas opções em caso de catástrofes econômicas ou quando você faz a aposta de que irão valorizar nos próximos anos. Dentro de uma carteira de investimentos é interessante manter uma parte do seu dinheiro em coisas físicas (que existem no mundo real e não são apenas registros em um computador de banco). Entre os investimentos que são apenas registros digitais os Títulos Públicos continuam sendo os mais seguros. O Tesouro Nacional é o último a quebrar.

  40. Henrique 28 de março de 2015 at 19:19 - Reply

    Boa noite Leandro, antes de fazer a minha pergunta, gostaria de agradecer a seus excelentes artigos, os quais sempre são até o momento de extrema qualidade e muito bem alinhados com o atual cenário econômico em que o nosso país se encontra.

    Fiz um um plano de VGBL no começo de 2013, naquele tempo não tinha noção nenhuma das “ciladas” que podia correr o risco de cair por confiar nos “grandes banco e pessoas a eles vinculados”, analisando hj após ler o seu artigo e ver o meu VGBL, vejo que cai numa “enrascada”, pois o prospecto do corretor que me vendeu, consta que em 2033, poderia me aposentar com uma renda vitalícia de R$ 1.558,06 aos 60 anos, o que vc acha, devo cancelar esse VGBL, como será que funciona se solicitar o cancelamento?

    Será que devo confiar na palavra do corretor de seguros e continuar contribuindo ou será que ele só quer me manter no VGBL p/ embolsar a tx de carregamento(1,5%)??

    Toda vez que tento falar com ele(corretor), fica insistindo que devo contribuir com o valor de R$ 550.

    Obrigado se puder me ajudar nessa dúvida, se permaneço ou não no VGBL, pois assim como eu, outros leitores que tenham vgbl tb devem tentar saber se isto vai garantir uma complementação na aposentadoria decente p/ viver nesse país(Brasil)

    As informações abaixo, tirei os dados que pudessem me identificar, se puder me ajudar.

    Obrigado e um abraço.

    —————————-
    Informações do Plano
    Nome do Fundo : BRADESCO FIC DE FUNDO DE INVESTIMENTO RENDA FIXA VGBL FIX
    Gestor da carteira de ativos : BRAM – BRADESCO ASSET MANAGEMENT S.A. DTVM
    Administrador do Fundo : BANCO BRADESCO S.A.
    Tipo do Plano : RENDA FIXA Início : 03/2002
    Regime Tributário : Tabela Progressiva
    Fator de Cálculo da Renda :

    Rentabilidade
    Últimos 12 meses : 7,97%
    MAR/2014 : 0,63% JUL/2014 : 0,69% NOV/2014 : 0,61% Em 2015 : 1,31%
    ABR/2014 : 0,58% AGO/2014 : 0,63% DEZ/2014 : 0,71% Em 2014 : 7,81%
    MAI/2014 : 0,60% SET/2014 : 0,66% JAN/2015 : 0,69% Em 2013 : 4,06%
    JUN/2014 : 0,60% OUT/2014 : 0,69% FEV/2015 : 0,62% Em 2012 : 6,50%

    Histórico
    Data do
    Movimento Tipo de
    Movimentação Valor (R$) Quantidade
    de Quotas
    da data de
    Movimentação
    28/02/2014 Valor da Quota: 3,32546900

    28/02/2014 SALDO ANTERIOR 1.620,19 487,209379
    17/03/2014 PREMIO 160,00 47,968924
    17/03/2014 CARREGAMENTO 1,92- 0,575627-
    15/04/2014 PREMIO 160,00 47,659193
    15/04/2014 CARREGAMENTO 1,92- 0,571910-
    15/05/2014 PREMIO 168,68 49,992014
    15/05/2014 CARREGAMENTO 2,02- 0,599904-
    16/06/2014 PREMIO 169,84 50,016476
    16/06/2014 CARREGAMENTO 2,03- 0,600198-
    15/07/2014 PREMIO 169,84 49,715451
    15/07/2014 CARREGAMENTO 2,03- 0,596585-
    15/08/2014 PREMIO 169,84 49,375754
    15/08/2014 CARREGAMENTO 2,03- 0,592509-
    15/09/2014 PREMIO 169,84 49,067935
    15/09/2014 CARREGAMENTO 2,03- 0,588815-
    15/10/2014 PREMIO 169,84 48,746871
    15/10/2014 CARREGAMENTO 2,03- 0,584962-
    17/11/2014 PREMIO 169,84 48,409170
    17/11/2014 CARREGAMENTO 2,03- 0,580910-
    15/12/2014 PREMIO 169,84 48,107739
    15/12/2014 CARREGAMENTO 2,03- 0,577293-
    15/01/2015 PREMIO 169,84 47,782403
    15/01/2015 CARREGAMENTO 2,03- 0,573389-
    18/02/2015 PREMIO 169,84 47,427918
    18/02/2015 CARREGAMENTO 2,03- 0,569135-
    Valor da Quota Saldo Atual (R$)
    27/02/2015 3,58964230 x 1.064,467990 = 3.821,05

    • Leandro Ávila 30 de março de 2015 at 11:35 - Reply

      Olá Henrique, enquanto você depender da opinião dos outros sobre o que você deve fazer com o seu dinheiro, você sempre estará em uma enrascada. É como entrar em uma loja de roupas, entrar no provador e sair de lá perguntando para a vendedora ou para o vendedor se aquela roupa ficou bem em você. É claro que o vendedor, de olho na comissão, achará que a roupa ficou perfeita, mesmo que ela tenha ficado ridícula. Se você achar que ficou apertada e este for o maior número da loja, não tenha dúvida que ele vai te dizer que a roupa com o tempo fica mais folgada ou que você irá emagrecer nos próximos meses. Quando o assunto é dinheiro a coisa complica pois quem entende do assunto faz questão de mostrar que ele entende que você não entende nada. Faz parte do jogo. Eu recomendo que você dedique tempo estudando o funcionamento do seu plano de previdência e estudando as outras possibilidades de investimento que existem. Leia este artigo aqui antes de sair por ai perguntando onde investir. Aqui neste site existem muitos artigos que podem ajudar, explore a opção do menu superior onde está escrito “artigos” você verá diversas categorias. Estudando e experimentando outros investimentos você poderá comparar com a sua VGBL e com o tempo terá confiança para tomar uma decisão por conta própria. Livros e cursos podem ajudar muito a aprender mais rapidamente. As livrarias estão repletas de livros esperando você. Aqui no site eu recomendo alguns livros e cursos que conheço de autores independentes (não fazem parte do sistema)

  41. Eronides 29 de março de 2015 at 10:19 - Reply

    Olá Leando,tudo bem? Faz tempo que quero te fazer uma pergunta e acho que esse é o momento oportuno,trabalho em uma empresa que tem uma cooperativa de credito,não sei se voce já ouviu falar mas funciona mais ou menos assim os funcionários que quiserem se associar a coopertiva contribuem mensalmente com um percentual do seu salario,e vai se formando uma reserva que é rentabilizada uma vez por ano,mais precisamente no dia 31 de dezembro,a rentabilidade ganha da poupança,rende mais ou menos a taxa seic,já pensei em resgatar minha reserva e apicar no TD,já que tambem sou investidor do tesouro direto,minha duvida é com relação a segurança dessas cooperativas,já pesquisei no youtube sobre elas e parece que existe um tal de fgu (fundo garantidor unico) mas mesmo assim fico meio receoso,se puder me dar alguma dica ficarei agradecido,se não puder ficarei da mesma forma agradecido,pois já aprendi muita coisa boa acompanhando seu trabalho,acho até que o trabalho que voce presta aqui teria que ser remunerado,e muito bem remunerado,pois é um trabalho de grandissima qualidade,como diz o prof Elisom de Andrade : Parabens mestre.

    • Leandro Ávila 30 de março de 2015 at 3:17 - Reply

      Muito obrigado Eronides. Existe um o FGCoop, Fundo Garantidor do Cooperativismo de Crédito que tem a função de garantir o dinheiro de quem investe através de cooperativa caso elas quebrem. Recomendo ler sobre as garantias. Visite http://www.bcb.gov.br/?FGCOOP

  42. José Rodrigo 29 de março de 2015 at 10:27 - Reply

    Bom dia Leandro, parabéns pelo excelente artigo.
    Faz alguns anos que estou preocupado com minha a aposentadoria e tentando me preparar para isso. Tenho 38 anos de idade, sou cirurgião-dentista, sou funcionário público e o município possui uma previdência própria (o qual tenho medo), sendo assim não contribuo para o INSS via município. Devido a isso faço contribuições como individual sobre o teto pois caso ocorra algum imprevisto com minha saúde teria direito ao auxílio doença e aposentadoria por invalidez pelo INSS.
    Além disso tenho um plano de previdência privada PGBL do BB pois faço IR completo, nesse plano não pago taxa de carregamento. Também possuo parcela investida no tesouro direto (NTN-B principal e Pré-fixado).
    Muitas vezes me pergunto se a minha linha de raciocínio esta correta pois seria frustrante verificar daqui alguns anos que deveria ter agido de maneira diferente.
    Obrigado.

    • Leandro Ávila 30 de março de 2015 at 3:14 - Reply

      Olá José. INSS é praticamente obrigatório. O futuro do INSS é difícil de prever. Com relação ao PGBL, se você consegue se beneficiar com relação ao IR e consegue eliminar taxas, você está em uma situação melhor do que a maioria. Se você também consegue investir em títulos públicos, já possui um Plano B. Um abraço!

  43. Fernando Raposo 29 de março de 2015 at 10:36 - Reply

    Leandro, excelente artigo. Concordo que planos de previdencia devem ser visto com cautela, mas há um fator (talvez o unico que não mencionaste) que é o caráter securitário para “quando as coisas dão errado pelo caminho”. Por exemplo, em caso de doença há planos que complementam a diferença teto do INSS. Ou em caso de óbito do participante às vezes é mais fácil para a viuva receber uma pensão do fundo que administrar uma carteira de investimentos deixada como herança. Será que um plano de previdencia valeria a pena neste caso que apresentei?

    • Leandro Ávila 30 de março de 2015 at 3:09 - Reply

      Olá Fernando. Quem é casado(a) precisa dividir o patrimônio com a esposa ou com o marido durante a vida. No momento da morte, o correto seria já ter a partilha feita. Isso também serve no caso de uma separação. Como a maioria das pessoas casas em comunhão de bens (total ou parcial) já facilitaria muito se tudo fosse dividido enquanto o casal não está brigando, principalmente se existem filhos. No dia da separação ou da morte já está tudo mais ou menos dividido e com isto você terá menos custos com advogado, justiça e até impostos. Se a pessoa tem uma preocupação maior pode fazer um seguro de vida ou seguro de acidentes que não custa tão caro como muitos imaginam. Certamente é menos do que os fundos ou planos de previdência vão cobrar por ano de taxas.

  44. Marcelle Gutierres 29 de março de 2015 at 18:07 - Reply

    Obrigada , muito obrigada…. semana passada tomei coragem e pedi o resgate da minha previdência privada. ( O Banco ) depositou o valor “investido” (rsrsrs) em minha conta bancária e percebi a grana que simplesmente joguei no lixo!! Estou fazendo uma mudança geral em minha vida financeira e só tenho a te agradecer, sei q se eu seguir direitinho seus conselhos e também investir em educação financeira ( é o que tenho feito nos 3 últimos meses ) vai dar tudo certo ! Obrigada novamente ! Estou muito animada, pois agora consigo visualizar um FUTURO q não “via” antes…Um abraço. Marcelle Gutierres – Maricá – RJ

    • Leandro Ávila 30 de março de 2015 at 2:54 - Reply

      Oi Marcelle. O meu maior conselho é que você invista na sua educação financeira para que não tenha que seguir conselhos de ninguém, nem mesmo precise do conteúdo que publico aqui. Lute por sua total independência. Quanto mais você ler e aprender sobre o assunto melhor para você, melhor para o seu futuro. Você terá que lidar com o dinheiro durante toda a vida, por isto é importante aprender a lidar com o dinheiro sem depender de ninguém.

  45. Eronides 29 de março de 2015 at 22:36 - Reply

    Essas cooperativas pelo que eu sei não investem o dinheiro arrecadado,e sim emprestam aos seus associados quando eles precisam de empréstimo( que por sinal a grande maioria dos associados devem emprestimo a elas) a juro bem mais barato que os bancos.

    • Leandro Ávila 30 de março de 2015 at 2:48 - Reply

      Olá Eronides. Os fundos de pensão fazem muito investimentos, na verdade são os maiores investidores do Brasil. Eles são donos de uma grande parte dos títulos públicos emitidos pelo governo federal, também possuem enorme participação na bolsa de valores e títulos privados. Empréstimos para os participantes não costuma ser o maior investimento dos fundos de pensão.

  46. Felix 30 de março de 2015 at 0:20 - Reply

    Leandro, você poderia mostrar um outro exemplo de uma outra previdência dessas 100 listadas mostrando o oposto da Postalis, que atende com boa gestão, investimentos dentro da política, transparência, fiscalização, clareza e segurança ? E mostrar os pontos fortes e fracos no tipo de comparativo afim de ajudar os participantes a investigar mais os seus fundos de previdência?

    Obrigado.

    • Leandro Ávila 30 de março de 2015 at 2:46 - Reply

      Olá Felix, eu não pretendo fazer isto pois estimularia vários leitores que participam destes fundos de pensões a me pedirem este tipo de avaliação no futuro através desta área de comentários. Não é este o meu objetivo. Meu objetivo é apenas estimular que as pessoas tentem fazer este tipo de avaliação em casa, que tentem acompanhar os resultados apresentados pelos fundos, que acompanhem o que eles estão fazendo com o dinheiro.

  47. robson 30 de março de 2015 at 21:56 - Reply

    Olá Leandro. Tenho uma dúvida em relação a investimentos e gostaria de lhe pedir uma opinião. Tenho dois objetivos, um a médio e outro a longo prazo. A médio prazo (+- 7 anos) tenho como objetivo acumular um valor que me possibilite adquirir um imóvel (algo em torno de R$ 300 mil), ou ao menos juntar uma quantia onde possa dar uma boa entrada. A longo prazo quero fazer investimentos que garantam minha aposentadoria, algo pra daqui 30 anos. Hoje tenho possibilidade de reservar algo em torno de 3 mil por mês. Minha dúvida é a seguinte, para o investimento a longo prazo, é vantajoso fazer essas aplicações de renda fixa com prazos muito estendidos ou seria melhor fazer uma aplicação a médio prazo (5-10 anos) e depois reaplicá-la? Digo isso pois como trabalho no campo, as vezes podem surgir oportunidades rápidas que sejam mais vantajosas que a aplicação e neste caso, não sei se perderia muito na venda dos títulos antes do prazo. Bom, se você tiver entendido, gostaria de uma opinião. Obrigado.

    • Leandro Ávila 8 de novembro de 2015 at 2:24 - Reply

      Oi Robson, se você precisa de dinheiro para aproveitar oportunidades é necessário manter reservas para essa finalidade. Neste caso você vai precisar de investimentos de prazo mais curto e de maior liquidez. Já o dinheiro que você reserva para sua aposentadoria, não deveria ser utilizadas no seu empreendimento no campo, principalmente se existir risco de perdas.

  48. Edwilson 31 de março de 2015 at 9:03 - Reply

    Achei muito esclarecedor seu artigo. Um alto nível que até mesmo leigos como eu, podemos entender.
    Infelizmente muitos não acompanham justamente por não entender e assimilar a quantidade de informações envolvidas.
    Um exemplo foi a recente participação nas eleiçoes para conselheiros do POSTALIS. Dos cerca de 100.000 participantes, apenas cercade 10.000 votaram. (http://novosite.postalis.org.br/postalis-divulga-resultado-da-eleicao-para-os-conselhos-deliberativo-e-fiscal/#.VRqL0OEvuD4)
    Esse pouco interesse é oportunidade para os mal intencionados aproveitam.

    • Leandro Ávila 2 de abril de 2015 at 12:14 - Reply

      É verdade Edwilson. É importante que as pessoas prestem atenção no dinheiro que possuem, principalmente quando ele está sendo administrado pelos outros.

  49. Felix 31 de março de 2015 at 20:03 - Reply

    Caro Leandro, obrigado pelo retorno. Na ótica do contribuinte da previdência, no caso de se estar acompanhando regularmente e constatado que o fundo não está sendo bem gerido, qual seria a forma correta de registrar, reclamar, protestar. Há algum órgão regulador que possa ser feito uma reclamação formal? Seria a Susep?
    Creio que quanto mais colaboradores tiverem conhecimento de como agir, melhor. De qualquer forma, parabenizo pela matéria, onde para muitos, a previdência é o complemento de salário do contribuinte. E pior do que contribuir acreditando que receberá o retorno lá na frente e de fato fica sem ter o que receber, ou com retorno ínfimo, não é uma boa estratégia.

    • Leandro Ávila 1 de abril de 2015 at 20:27 - Reply

      Olá Felix. Quem regula os fundos de pensão não é a Susep. Eles são regulados pela Superintendência Nacional de Previdência Complementar (Previc). Ela é autarquia vinculada ao Ministério da Previdência Social.

      • Felix 2 de abril de 2015 at 9:48 - Reply

        Ok, vou pesquisar sobre a Previc.
        Feliz Páscoa.

  50. Gonçalo 31 de março de 2015 at 21:52 - Reply

    Entendi! Muito obrigado, Leandro!! Abraço!!!!

  51. Fernanda 1 de abril de 2015 at 1:03 - Reply

    Em novembro do ano passado, iniciei minha educação financeira e, em uma pressa de retirar meu dinheiro da poupança, fui fisgada pelo gerente que me convenceu a fazer um VGBL. Concomitantemente, comecei a estudar e estou arrependida de ter feito a previdência e, ao mesmo tempo tenho dúvidas sobre como alocar os valores e qual percentual em cada investimento. Como tenho a tendência a ser mais conservadora, abri uma conta em uma corretora e pretendo investir uma parte em TD.
    Como tem pouco tempo de previdência e o IR é sobre o rendimento, não perderia tanto, né?
    Meu objetivo é aposentadoria daqui a uns 30 anos…
    Prezo muito pela sua opinião. Sou fã de carteirinha e já indiquei seu blog para umas 10 pessoas.
    Obrigada

    • Leandro Ávila 1 de abril de 2015 at 20:18 - Reply

      Olá Fernanda. Eu não gosto de fazer recomendações de investimento pois é justamente isso que tento combater estimulando as pessoas a estudar. Tome muito cuidado para não se precipitar e investir sem saber o que está fazendo. Tome muito cuidado com esta tendência que temos de perguntar onde investir, veja o que ocorreu ao fazer a pergunta para o gerente (leia este artigo). Como você verá no artigo a resposta será diferente dependendo de quem responder. Eu como educador recomendo que você dedique tempo estudando mais. Para aposentadoria eu recomendo que você estude títulos públicos como o Tesouro IPCA (antigo NTN-B). Segue um artigo sobre ele.

  52. Otacílio Oliveira 1 de abril de 2015 at 21:11 - Reply

    Olá, Leandro.
    Muito obrigado pela ajuda.
    Somente hoje li a sua resposta para a minha questão.
    Um grande abraço e até a próxima.

  53. Marina 6 de abril de 2015 at 17:11 - Reply

    Oi Leandro!!!
    Parabéns por mais este artigo e muito obrigada por este trabalho que você tem feito!!
    Invisto no fundo de pensão da empresa que trabalho e gostaria de saber o que você acha. Estou fazendo também minha aposentadoria particular. Estou juntando uma grana e vou começar a aplicar em ações assim que possível, porém, continuo com este fundo da minha empresa porque ela contribui com 150% do valor que desconta do meu salário mensalmente. Desta forma, achei que o ganho seria imbatível e por isso deixo descontarem do meu salário o máximo possível. Além disso, posso escolher meu perfil de investidor, com o qual posso determinar que 100% do meu dinheiro será aplicado em renda fixa.
    O que você acha disso? Abraço!

    • Leandro Ávila 7 de abril de 2015 at 16:08 - Reply

      Olá Marina. Passe a se interessar mais pelos resultados apresentados pelo fundo de pensão. Não esqueça seu dinheiro na mão dos outros sem acompanhar o que estão fazendo com ele.

  54. Sergio 6 de abril de 2015 at 22:21 - Reply

    Leandro,obrigado por mais este artigo.Gostaria se possível me informasse qual o orgão regulador que fiscaliza os fundos de seguro de vida e/ou acidentes pessoais.Ou seja, um site em que eu teria acesso a todas as instituições legalizadas e certificadas.Tenho interesse,justamente para para não sair contratando qualquer um por aí.

    • Leandro Ávila 6 de abril de 2015 at 22:56 - Reply

      Olá Sérgio. É a SUSEP (Superintendência de Seguros Privados) que é uma autarquia vinculada ao Ministério da Fazenda. É responsável pelo controle e fiscalização do mercado de seguro (empresas privadas), previdência privada aberta e capitalização. Eles ficam no site http://www.susep.gov.br/

  55. Sergio 6 de abril de 2015 at 23:08 - Reply

    Boa noite e agradeço pelo retorno.

  56. Sergio 6 de abril de 2015 at 23:10 - Reply

    Obrigado!!!

  57. Fabio bouzada 8 de abril de 2015 at 13:48 - Reply

    Ola Leandro,
    O artigo esta excelente! Meus parabens!
    Sera que no futuro voce poderia se aventurar e falar do FUNPRESP?
    Tenho lido seu site regularmente e procurado me aprimorar nesse tema tao importante que e a educacao financeira. Entretanto, nao consigo convencer meus pares de que deixar o proprio futuro nas maos do governo e uma pessima ideia.
    A ideia de contrapartida do mesmo valor por parte do governo somado a propria contribuicao do servidor esta fazendo muita gente acreditar que acertou na mega-sena das aposentadorias.. Apesar de ser bom demais pra ser verdade, vejo muita gente entrando nesse fundo sem fazer uma analise critica das promessas oferecidas.
    Se puder falar sobre isso acredito que voce podera ajudar nao so a mim, mas a milhares de servidores que estao na mesma situacao.
    Um grande abraco e continue sempre com esse trabalho engrandecedor.
    Att, fabio

    • Leandro Ávila 8 de abril de 2015 at 22:43 - Reply

      Olá Fábio. Convencer as pessoas que não querem ser convencidas, que não querem sua opinião, que não querem receber ajuda é uma tarefa desgastante e gera pouco resultado. É fácil perceber que se o dinheiro for mal administrado, se o fundo quebrar no futuro, de nada vai adiantar ter recebido a contrapartida. O problema é que eu não posso generalizar falando que todo fundo de pensão possui problemas ou terão problemas no futuro. São muitos fundos de pensão, uns são bem administrados, outro são mal administrados, uns provavelmente vão se transformar em uma grande dor de cabeça para as pessoas no futuro, outros não vão. Por isto é importante alertar para que as pessoas prestem atenção nos fundos que participam. É importante acompanhar o que estão fazendo com o dinheiro.

  58. ADAO 13 de abril de 2015 at 1:39 - Reply

    Seus artigos são mesmo muito agregador de conhecimentos. Parabéns pelas informações,pena que não estou mais recebendo seus artigos pelo email não sei porque? Mas gostaria de continuar recebendo porque é um material de alto nível.

    • Leandro Ávila 13 de abril de 2015 at 3:33 - Reply

      Olá Adao, verifique se o Hotmail não está jogando as mensagens que envio na pasta “junk” ou outra pasta que não seja a principal, por estar confundindo o que escrevo com mensagem de propaganda.

  59. Marcelo Terra 14 de abril de 2015 at 23:09 - Reply

    Hoje graças ao seus conhecimentos expostos neste blogue , onde falava sobre fundos de pensão e previdência privada, percebi que esta sendo lesado para não falar roubado, a mais de 10 anos pelo antigo Vanessa. Fui preparado para o pior mais mesmo assim me senti um verdadeiro idiota, ignorante. Depois de mais de uma década saneei a minha bestialidade, nunca mais quero saber de previdência. Taxa de carregamento mensal 3,0% do valor mais 3,0% a.a. . Que Deus lhe de bastante bênçãos, saúde , paz e saúde.

    • Leandro Ávila 15 de abril de 2015 at 1:08 - Reply

      Olá Marcelo, muito obrigado. Existem milhões de pessoas trabalhando muito todos os meses para alimentar este mercado de previdência privada que cobra taxas absurdamente elevadas e entrega uma rentabilidade que muitas vezes perde até para a caderneta de poupança, para não falar as perdas que ocorrem devido ao efeito da inflação. Que bom que você percebeu o problema depois de 10 anos de contribuição, muitos vão descobrir depois de 30 anos, quando for tarde demais. Um abraço!

  60. lucas 28 de abril de 2015 at 13:14 - Reply

    E NO CASO DE PLANOS EM QUE EXISTEM CONTAS INDIVIDUAIS E A RENTABILIDADE É EM BASE DO QUE RENDEU OS INVESTIMENTOS DO PLANO, ALÉM DE EXISTIR PARIDADE DE CONTRIBUIÇÃO (CONTRIBUIÇÃO DA PATROCINADORA DE IGUAL VALOR MENSAL) ??? AINDA ASSIM NÃO VALE A PENA ???

    • Leandro Ávila 28 de abril de 2015 at 14:50 - Reply

      Oi Lucas, existem mais de 1000 fundos de pensão no Brasil atualmente com características diferentes, com administradores diferentes, regras diferentes. Recomendo que você não aceite a ideia de que está fazendo um ótimo negócio sem ler os contratos do plano e sem acompanhar o que estão fazendo com o seu dinheiro, onde estão investindo, que rentabilidade estão conseguindo, afinal de contas os fundos de pensão investem o seu dinheiro como se fosse deles e se tiverem resultados negativos o azar é o seu.

  61. Guilherme 19 de maio de 2015 at 11:20 - Reply

    Olá, Leandro. Artigo realmente muito interessante, mas tenho uma dúvida. Você desconsiderou da sua análise a questão da paridade da grande maioria dos fundos de pensão. Para cada R$1,00 que se coloca nos fundos, a empresa deve colocar R$1,00 também.

    Se considerarmos, por exemplo, um investimento mensal de R$1.000,00 a uma taxa 0,8% ao mês (aproximadamente 10%aa), que considero muito razoável, ao final de um ano teríamos R$12.542,34.

    Com aportes de R$2.000,00 (considerando a paridade), teríamos que ter uma taxa de -13%aa (negativa) para chegar no mesmo valor ao fim do ano.

    Se invertêssemos a análise para saber qual a rentabilidade que teríamos que ter com aportes de R$1.000,00 para alcançar o que o fundo alcançaria com uma rentabilidade de 0,8% ao mês, chegamos a um estratosférico valor de 13% ao mês.

    Creio realmente que os fundos não administrem bem o dinheiro, mas a paridade faz toda a diferença.

    • Leandro Ávila 19 de maio de 2015 at 12:45 - Reply

      Oi Guilherme, a paridade é muito interessante, mas perde o valor se o fundo for mal administrado ao ponto dele se tornar insustentável no futuro, perde a importância se a sua rentabilidade for continuamente baixa, graças a esta má administração. Imagine os efeitos disso no longo prazo? Um exemplo pode ser visto no que vem acontecendo na Postalis, onde fizeram investimentos que nem o mais leigo investidor faria, veja aqui. Desta forma, as pessoas precisam acompanhar os fundos de pensão de perto. Paridade não representa nada se o fundo quebrar ou se o dinheiro for mal administrado.

  62. Marcel 20 de maio de 2015 at 11:57 - Reply

    Leandro, sou funcionário do BB a pouco tempo e aderi ao Previ (um fundo de pensão).

    Eu gostaria de saber se posso fazer a portabilidade do Previ para uma Previdência Privada com taxas menores depois que eu sair do Banco daqui a uns 5 anos e ter acesso aos 50% dos aportes patronais (adquiridos após 5 anos como funcionário).

    • Leandro Ávila 21 de maio de 2015 at 1:58 - Reply

      Oi Marcel, eu não sei informar. Você precisa entrar em contato com a Previ.

  63. Pedro Gallo 28 de maio de 2015 at 13:49 - Reply

    Bom dia Leandro.
    Fiz umas correlações entre os valores da tabela que mostra os diferentes fundos e não consegui estabelecer um padrão entre eles. Mas alguns resultados devem colocar o cabelo dos participantes, ativos ou pensionistas, de pé, como a relação entre participantes (entendo que sejam os que pagam) e os assistidos (entendo que sejam os pensionistas e assemelhados). Alguns tem menos que 1% de assistidos, mas outros chegam a ter 400, 600 e até 1272% de assistidos (Sistel) . Previ apesar da alto valor de Investimentos tem 92% de assistidos, o que acho preocupante. A Petros tem 58% de assistidos, mas deve ser lembrado que os pensionistas na Petros pagam regularmente, mesmo estando aposentados, a Contribuição ( entre 11 e 14%) para o Plano Petros. São eles então tanto participantes como assistidos?
    E fica a pergunta, pagam os pensionistas a contribuição, para o quê? Eles não terão uma futura nova pensão;;; Ou seja, a Petros dá com uma mão e tira com outra. Na prática, reduziu a prometida pensão. O INSS, acho eu, cobrava a contribuição até 1998 e parou de cobrar. Mas a Petros não acompanhou.
    Outro ponto. alguns planos tem a relação Inv/assist muito baixa. Será que estes planos aquentarão?
    Abracos e bons ventos

    • Leandro Ávila 28 de maio de 2015 at 14:38 - Reply

      Oi Pedro. É uma forma de fazer a pessoa de bobo. É como você falou, dá com uma mão e tira com a outra. Eu não recomendo que ninguém espere muita coisa dos fundos de pensão, do INSS, da previdência privada e até dos planos de saúde. No futuro, quando o número de idosos for muito maior que o número de jovens teremos sérios problemas em todos estes sistemas.

  64. Francisco 13 de julho de 2015 at 22:46 - Reply

    Estou prestes a me aposentar pelo BB, agora existe a possibilidade de resgatr a reserva da PREVI ou me aposentar pro resto da vida. Qual seria mais vantajoso e seguro? A aposentadoria ou o resgate das reservas da previdência para investir ao meu gosto?

    • Leandro Ávila 8 de novembro de 2015 at 2:27 - Reply

      Oi Francisco. Isso depende de cada um. Você já sabe investir? Já investiu em você para obter os conhecimentos e habilidades necessárias para cuidar e multiplicar seu próprio dinheiro? Existem outras questões que são pessoais. Vamos imaginar que quem me fez essa pergunta tem uma doença cardíaca e todos os seus parentes costumam morrer antes dos 60 anos. Até que ponto seria interessante a aposentadoria pelo resto da vida, sabendo que a seguradora ficará com todo seu dinheiro se você morrer um dia depois de aposentado. Isso prejudicaria seus herdeiros. São muitas coisas que você precisa considerar.

  65. Rodrigo 7 de novembro de 2015 at 15:44 - Reply

    Primeiramente gostaria de parabenizá-lo caro Leandro pelos artigos de excelente qualidade, mas resta a dúvida, após a leitura do artigo e dos comentários aqui postados, qual seria a melhor forma de garantir uma aposentadoria tranqüila já que não podemos contar com o INSS, previdência privada aberta ou fechada, imóveis já que são investimentos de risco juntamente com o Dólar e o ouro. Não fica claro se o melhor seria investir em TD, mas aí existe o risco Brasil. O que fazer então???

  66. Fernando 28 de janeiro de 2016 at 23:39 - Reply

    Boa noite Leandro, eu sou viúvo e recebo uma pensão por morte da minha ex companheira pela MULTPREVI comecei a receber essa pensão em dezembro de 2011 era de R$ 3.388.054,88 composta de renda fixa e renda variavel de 15% à 25%, contudo, estou fazendo retiradas mensais no valor liquido de R$ 28.000,00 ja deduzido IR. Solicitei o saldo atualizado, e me passaram que hoje está em torno de R$ 2.809.347,33 sendo certo, que questionei sobre as perdas do fundo ao logo desses anos, e tive a resposta de que estou com renda negativa face a economia da China e dos USA estarem em crise, devido aumento da curva de juros futuros (devido a elevação da inflação) benchmark . Gostaria de saber, se isso procede, ou qual tipo de empresa ou assessoria devo buscar para rever estas perdas ao longo de anos, pois, se continuar assim, fiz um calculo por cima em dez anos minha renda caira para R$ 8000,00. Obrigado.

    • Leandro Ávila 29 de janeiro de 2016 at 1:38 - Reply

      Oi Fernando. Eu não tenho como fazer esse tipo de avaliação. O fato é que enquanto você não investir na sua educação financeira sempre ficará dependente de quem está administrando seu dinheiro. Sempre terá que ouvir desculpas, sempre ficará com a pulga atrás da orelha sobre essas desculpas. É importante que você invista tempo e algum dinheiro na sua educação, afinal de contas existe um patrimônio milionário em jogo.

  67. Junior 18 de fevereiro de 2016 at 12:16 - Reply

    Boa tarde Leandro! Parabéns, ótimo artigo. Trabalhei em uma instituição financeira onde possuía a previdência complementar para funcionários, onde a empresa dobrava os meus aportes limitado à uma porcentagem do salário pré definida, onde poderia solicitar o resgate a qualquer tempo com as devidas cobranças de IR.
    Ao sair desta IF e entrar na CEF fiz a portabilidade, pois só havia três anos de contribuições e meu plano é regressivo. Porém no regulamento da FUNCEF o resgate só é permitido se houver o desligamento da CEF. Queria muito resgatar porque a rentabilidade está muito ruim. Pergunta: Realmente não posso resgatar, a minha parte sem me desligar da empresa? Não tenho direito nem a parte que portei de outra IF? Caso realmente não seja possível resgatar, há alguma alternativa, como por exemplo, uma ação judicial? Se não tiver jeito mesmo e só puder resgatar no desligamento, vale a pena parar as contribuições e fazer os planos para aposentadoria eu mesmo? Uma vez que poderei sacar o valor já investido na sonhada aposentadoria, isto é, se o fundo não quebrar antes.

    • Leandro Ávila 12 de maio de 2016 at 8:31 - Reply

      Oi Junior. Eu não sei quais são as regras da Funcef e não sei se isso pode ser discutido na justiça. Eu só sei que nada é mais triste do que você ser obrigado a manter parte do fruto do seu suado trabalho nas mãos dos outros com o risco desses recursos serem mal administrados por eles sem que você possa fazer muita coisa.

  68. Rubens 31 de março de 2016 at 9:25 - Reply

    Caro Leandro. Sou funcionário da Caixa e portanto contribuo mensalmente para a FUNCEF.
    Conforme divulgado recentemente, agora nós participantes, temos que fazer contribuições adicionais por 12 anos de forma a compensar os prejuízos desse fundo.
    Contribuo com 12% e a patrocinadora (Caixa) mais 12%.
    O que eu faço? Mantenho o mesmo percentual? Diminuo um pouco? Diminuo para o mínimo (5%)? Meu medo é que se eu decidir diminuir, o valor da contribuição adicional seja maior. Sinto que preciso tomar uma decisão urgente.

    • Leandro Ávila 12 de maio de 2016 at 8:29 - Reply

      Oi Rubens. Eu recomendo que você dedique algum tempo investindo na sua educação financeira para que você aprenda a investir seu próprio dinheiro. Quando tiver o conhecimento necessário para cuidar do seu dinheiro sem depender dos fundos você será capaz de avaliar a situação para tomar esse tipo de decisão. O que posso dizer é que nada garante que no futuro o fundo será bem administrado. Nada garante que no futuro os funcionários terão que contribuir ainda mais para cobrir os furos de uma administração ruim. Dedique tempo aprendendo mais sobre como fazer o seu dinheiro render estando ele no seu total controle e não no controle dos outros.

  69. Fernanda 19 de abril de 2016 at 10:47 - Reply

    Oi, Leandro!
    Hoje contribuo com a FUNCEF, com um percentual alto do meu salário. Não quero sair do plano por enquanto, mesmo sabendo das notícias de má administração, porque não posso fazer o resgate agora, e acredito que há possibilidades de reversão da situação devido às investigações e escrutínio dos fundos de pensão nos últimos tempos. A minha dúvida é se seria prudente diminuir a contribuição, ou se não faria muita diferença a esse ponto, caso precisemos complementar os pagamentos para cobrir o rombo. Agradeço uma sugestão!

    • Leandro Ávila 12 de maio de 2016 at 8:27 - Reply

      Oi Fernanda. O ideal é que você busque mais conhecimentos sobre como investir seu próprio dinheiro. Diante disso você mesma poderá comparar os resultados que terá investindo seu próprio dinheiro comparado com a situação em que você transfere essa responsabilidade para o fundo de pensão.

  70. Sarita 12 de maio de 2016 at 1:02 - Reply

    Leandro, tenho um valor importante nas mãos da Fundação IBM, empresa para a qual não trabalho mais. Estou tirando uma primeira conclusão de que devo manter isso, visto que a empresa tem fundamentos e reputação sólidos, e por saber (com base em demonstrativos) que a Fundação mantém as reservas corretas e aparentemente saudáveis.

    Ainda assim, de que maneira eu poderia aprofundar minha análise para garantir que estou tomando a melhor decisão entre fazer a portabilidade ou não?

    Obrigado e um abraço.

    • Leandro Ávila 12 de maio de 2016 at 8:25 - Reply

      Oi Sarita, você deve solicitar as informações que precisa do próprio fundo e comparar esses dados com outras opções que você já tenha detectado.

Leave A Comment

Share this

Compartilhe com um amigo