Robert Kiyosaki, autor do livro Pai Rico Pai Pobre, foi vaiado por uma parte das 5000 pessoas que estiveram no evento NAC Brasil 2017 em São Paulo no último fim de semana. Participei dos dois dias de evento (23 e 24 de setembro) e através desse texto vou exercer o meu direito de “livre manifestação do pensamento”.

Recebi centenas de emails de leitores do Clube dos Poupadores que participaram do evento. Nas mensagens, eles me pediram para comentar algumas questões levantadas pelo Kiyosaki e que não ficaram bem esclarecidas.

Segue o exemplo de uma das mensagens:

Olá Leandro Ávila, tudo bem? Participei do NAC Brasil e soube pelos seus e-mails que também iria ao evento, por isso estou escrevendo. Gostaria de saber se poderia compartilhar o seu ponto de visto em relação ao seguinte: – Kiyosaki diz que ama as dívidas, porque isso o faz ficar rico; – Kiyosaki não poupa dinheiro, porque os bancos estão imprimindo mais notas; – Kiyosaki recomendou a compra de francos suíços, para se proteger de uma possível crise ou colapso financeiro. Por que o franco suíço é mais seguro, se o mesmo faz parte do sistema financeiro? – Kiyosaki recomendou a compra de ouro e prata, que são commodities ao passo que Sandy Jadeja afirmou que em uma crise ou colapso do sistema financeiro, as commodities irão perder valor também, qual seu entendimento disso? Aproveito para agradecer o conhecimento que seus artigos me proporcionou. Gratidão!

Robert Kiyosaki é peixe

Na minha opinião Robert Kiyosaki, como palestrante, é um ótimo escritor, ou seja, julgar Kiosaki por sua capacidade de palestrar é como julgar um peixe por sua capacidade de subir em árvores.

Ver Kiyosaki no palco me fez lembrar um pensamento que dizem ser Albert Einstein: “Todo mundo é um gênio. Mas, se você julgar um peixe por sua capacidade de subir em uma árvore, ele vai gastar toda a sua vida acreditando que ele é estúpido.”

Kiyosaki esteve no palco quatro vezes nos dois dias de evento. Em todas as vezes ele falou basicamente as mesmas coisas. O grande problema não foi repetir as ideias. O problema é que as pessoas não estavam entendendo. Não era falha da tradução simultânea do evento. Ouvir repetitivamente uma coisa que você não entende, logo se transforma em irritação. Eu estava na plateia olhando as pessoas. Conseguia ver nos olhares que elas não estavam entendendo nada e aos poucos estavam se irritando.

Como educador financeiro isso foi me deixando angustiado. Minha vontade era de subir ao palco, pedir licença para o Kiyosaki, e começar a traduzir o que ele estava dizendo levando em consideração a realidade brasileira e da educação financeira que aquelas pessoas da plateia se encontravam.

Como lido com nossa realidade diariamente, pude ver que ele não entendia essa realidade com muita clareza. Além disso, ele não entendeu o perfil do público presente. O próprio Kiyosaki começou a se irritar com as reações da plateia.

Foi muito interessante presenciar o fato de que ter educação financeira não significa ter educação emocional. Em alguns momentos ele perdeu o controle emocional e foi grosseiro com as pessoas da plateia. Não sou palestrante e nem pretendo ser, mas acredito que ser grosseiro com uma plateia que está irritada por não entender o que você está falando não faz as coisas ficarem melhores. Grosseria gera grosseria.

Sempre acreditei que para uma boa comunicação é importante entender a realidade de quem está ouvindo o que você fala.

Pude perceber que os presentes eram trabalhadores que tinham boa renda, profissionais liberais e pequenos empresários. O problema é que Kiyosaki se comunicava como se estivesse diante de empresários grandes ou pessoas que viviam de investimentos, que já atingiram a independência financeira, mas que só sabiam investir em papéis (títulos de renda fixa, títulos públicos, ações, etc.) quando deveriam investir também em ativos reais.

Observei entre as pessoas que estavam próximas de mim que muitas estavam ofendidas com algumas coisas que ele falava e que elas eram incapazes de entender, não por culpa delas, mas por essa diferença entre a realidade de quem ouve e a realidade de quem comunica.

Com o passar do tempo as pessoas foram se irritando com o Kiyosaki. É natural. Já que elas não estavam entendendo nada, não adiantava repetir o que tinha sido dito anteriormente, elas continuariam sem entender nada.

Outra coisa que irritou a plateia foi a oferta de um treinamento adicional, exclusivo, fechado, com poucos participantes, onde o Kiyosaki e outro palestrante detalhariam as estratégias mais complexas. Como as pessoas não entenderam nem o básico, ficaram irritadas ao saberem que teriam que comprar algo mais para ter acesso a uma coisa mais complexa.

Sobre o evento e organizadores

Não tenho nenhuma crítica sobre o evento e os seus organizadores. Foi um evento grandioso, com uma grande estrutura, uma enorme equipe de pessoas orientando os participantes, estava tudo bem organizado, grandes telões, praça de alimentação, sistema de tradução para milhares de pessoas, climatização e tudo que poderia ser esperado de um evento que acontece no mundo todo e que pela primeira vez veio para o Brasil.

Entre os palestrantes estrangeiros os melhores foram Richard Tan e Chris Gardner.

Richard Tan é dono da Success Resources. Ele contou sua história de empreendedorismo que acabou originando uma grande empresa de eventos que realiza o NAC (National Achievers Congress) em diversos países do mundo. Chris Gardner é o autor do livro “À procura da felicidade” que deu origem ao famoso filme que tem o mesmo nome, assista ao trailer.

Entre os brasileiros, as melhores palestras foram a do Paulo Vieira e do Sam Jolen, dono da Elsever Institute que trouxe o evento NAC para o Brasil. A história de Sam Jolen é bem interessante. Vou deixar um vídeo no final do artigo onde ele fala sobre sonhar grande.

As palestras dos brasileiros foram as mais aplaudidas e ao mesmo tempo eram as que tinham maior relação com nossa realidade. As pessoas se conectaram com a história dos palestrantes e com as mensagens que eles transmitiram. O mesmo não aconteceu com Kiyosaki e os outros palestrantes que o Kiyosaki apresentou como sendo seus parceiros.

Tenho certeza que todos esses palestrantes estrangeiros são pessoas com muito conhecimento e experiência, mas não adianta você ter um conhecimento e não saber transmitir esse conhecimento de forma que possa ser entendido pela plateia. Não conhecer a realidade das pessoas que estão ouvindo, torna a comunicação problemática ou até impossível.

 

Recado para os realizadores do evento

Aos realizadores do evento, dou meus parabéns por toda a estrutura e pela qualidade do evento. Não conhecia o Sam Jolen, mas achei sua história pessoal inspiradora. Precisamos de mais jovens que realizam, empreendem e que pensam grande. Precisamos de histórias de brasileiros que começaram do zero para inspirar milhões de outros brasileiros que ainda estão no estágio “zero” do desenvolvimento financeiro. Assista ao vídeo logo abaixo para ver a história do Jolen.


Passei os dois dias conversando com pessoas na plateia do evento e pude ver como o brasileiro é carente de educação financeira. Fica registrada aqui a minha sugestão para futuros eventos. A sugestão número 1 é: não precisamos de educadores financeiros estrangeiros. Ficou bem claro que os estrangeiros não entendem a realidade brasileira e isso resulta em desconexão entre plateia e palestrante.

Eles possuem bom conteúdo, muita experiência, muitos milhões de dólares, mas é necessário saber transmitir esse conteúdo para a realidade da nossa população. Temos muitos educadores financeiros bons no Brasil e que já atingem uma grande audiência todos os dias através da internet. São pessoas que lidam com os brasileiros todos os dias, conhecem o que existe lá fora e conseguem trazer isso para nossa realidade.

Recado para o Kiyosaki

Sobre o Kiyosaki, continuo recomendando seu primeiro livro para os meus leitores. No caso das palestras eu recomendo que o Kiyosaki estude mais. Não falta dinheiro para ele aprender a palestrar com os melhores palestrantes do mundo. É uma questão de reconhecer suas limitações e investir para acabar com elas.

Talvez isso nos mostre que ter dinheiro não resolve tudo. Se você tem dinheiro e não tem humildade para perceber onde precisa investir para melhorar como pessoa, você vai continuar como um peixe tentando subir em árvores.

Educação financeira é importante e educação com as pessoas também.

Inteligência financeira é importante e inteligência emocional também.

As pessoas que se irritaram no evento por não entenderem o que estava sendo dito eram as que mais precisavam de educação financeira. Ser agressivo com essas pessoas não aproxima, só afasta, não resolve, só atrapalha.

Educador falso ou verdadeiro

Só quem estava na palestra vai entender isso aqui. Você viu que Kiyosaki falou diversas vezes sobre a importância de saber quem era verdadeiro e quem era falso. Existe educador falso e educador de verdade.

Educador  de verdade consegue olhar para uma pessoa e entender onde termina a pessoa e começa a sua ignorância. Quando ele ataca, ataca somente a ignorância e não a pessoa portadora da ignorância.

Educador falso não consegue perceber a diferença que existe entre a pessoa e a sua ignorância. Quando ataca, acaba atacando a pessoa e não a ignorância dela. Essa é a diferença entre o educador verdadeiro e falso.

Vou construir pontes para você

Muitas vezes, aqui no Clube dos Poupadores, eu sinto que o meu maior trabalho é o de construir pontes. Eu estou sempre tentando construir pontes entre a realidade das pessoas e a realidade do mundo financeiro. São dois mundos distantes, separados por um abismo, que precisam de pontes. O educador faz esse papel de construir a acessibilidade.

Diante da frustração que vi nos olhos de milhares de pessoas, resolvi escrever uma série de artigos gratuitos sobre algumas dessas dúvidas que a nossa leitora apresentou no início desse texto.

Os artigos com o conteúdo de fácil entendimento serão publicados gratuitamente aqui no Clube dos Poupadores no decorrer das próximas semanas. Também pretendo escrever outros artigos, só que mais avançados, para presentear os leitores que participam da área Premium do Clube.