Educador financeiro falso e de verdade


Robert Kiyosaki, autor do livro Pai Rico Pai Pobre, foi vaiado por uma parte das 5000 pessoas que estiveram no evento NAC Brasil 2017 em São Paulo no último fim de semana. Participei dos dois dias de evento (23 e 24 de setembro) e através desse texto vou exercer o meu direito de “livre manifestação do pensamento”.

Recebi centenas de emails de leitores do Clube dos Poupadores que participaram do evento. Nas mensagens, eles me pediram para comentar algumas questões levantadas pelo Kiyosaki e que não ficaram bem esclarecidas.

Segue o exemplo de uma das mensagens:

Olá Leandro Ávila, tudo bem? Participei do NAC Brasil e soube pelos seus e-mails que também iria ao evento, por isso estou escrevendo. Gostaria de saber se poderia compartilhar o seu ponto de visto em relação ao seguinte: – Kiyosaki diz que ama as dívidas, porque isso o faz ficar rico; – Kiyosaki não poupa dinheiro, porque os bancos estão imprimindo mais notas; – Kiyosaki recomendou a compra de francos suíços, para se proteger de uma possível crise ou colapso financeiro. Por que o franco suíço é mais seguro, se o mesmo faz parte do sistema financeiro? – Kiyosaki recomendou a compra de ouro e prata, que são commodities ao passo que Sandy Jadeja afirmou que em uma crise ou colapso do sistema financeiro, as commodities irão perder valor também, qual seu entendimento disso? Aproveito para agradecer o conhecimento que seus artigos me proporcionou. Gratidão!

Robert Kiyosaki é peixe

Na minha opinião Robert Kiyosaki, como palestrante, é um ótimo escritor, ou seja, julgar Kiosaki por sua capacidade de palestrar é como julgar um peixe por sua capacidade de subir em árvores.

Ver Kiyosaki no palco me fez lembrar um pensamento que dizem ser Albert Einstein: “Todo mundo é um gênio. Mas, se você julgar um peixe por sua capacidade de subir em uma árvore, ele vai gastar toda a sua vida acreditando que ele é estúpido.”

Kiyosaki esteve no palco quatro vezes nos dois dias de evento. Em todas as vezes ele falou basicamente as mesmas coisas. O grande problema não foi repetir as ideias. O problema é que as pessoas não estavam entendendo. Não era falha da tradução simultânea do evento. Ouvir repetitivamente uma coisa que você não entende, logo se transforma em irritação. Eu estava na plateia olhando as pessoas. Conseguia ver nos olhares que elas não estavam entendendo nada e aos poucos estavam se irritando.

Como educador financeiro isso foi me deixando angustiado. Minha vontade era de subir ao palco, pedir licença para o Kiyosaki, e começar a traduzir o que ele estava dizendo levando em consideração a realidade brasileira e da educação financeira que aquelas pessoas da plateia se encontravam.

Como lido com nossa realidade diariamente, pude ver que ele não entendia essa realidade com muita clareza. Além disso, ele não entendeu o perfil do público presente. O próprio Kiyosaki começou a se irritar com as reações da plateia.

Foi muito interessante presenciar o fato de que ter educação financeira não significa ter educação emocional. Em alguns momentos ele perdeu o controle emocional e foi grosseiro com as pessoas da plateia. Não sou palestrante e nem pretendo ser, mas acredito que ser grosseiro com uma plateia que está irritada por não entender o que você está falando não faz as coisas ficarem melhores. Grosseria gera grosseria.

Sempre acreditei que para uma boa comunicação é importante entender a realidade de quem está ouvindo o que você fala.

Pude perceber que os presentes eram trabalhadores que tinham boa renda, profissionais liberais e pequenos empresários. O problema é que Kiyosaki se comunicava como se estivesse diante de empresários grandes ou pessoas que viviam de investimentos, que já atingiram a independência financeira, mas que só sabiam investir em papéis (títulos de renda fixa, títulos públicos, ações, etc.) quando deveriam investir também em ativos reais.

Observei entre as pessoas que estavam próximas de mim que muitas estavam ofendidas com algumas coisas que ele falava e que elas eram incapazes de entender, não por culpa delas, mas por essa diferença entre a realidade de quem ouve e a realidade de quem comunica.

Com o passar do tempo as pessoas foram se irritando com o Kiyosaki. É natural. Já que elas não estavam entendendo nada, não adiantava repetir o que tinha sido dito anteriormente, elas continuariam sem entender nada.

Outra coisa que irritou a plateia foi a oferta de um treinamento adicional, exclusivo, fechado, com poucos participantes, onde o Kiyosaki e outro palestrante detalhariam as estratégias mais complexas. Como as pessoas não entenderam nem o básico, ficaram irritadas ao saberem que teriam que comprar algo mais para ter acesso a uma coisa mais complexa.

Sobre o evento e organizadores

Não tenho nenhuma crítica sobre o evento e os seus organizadores. Foi um evento grandioso, com uma grande estrutura, uma enorme equipe de pessoas orientando os participantes, estava tudo bem organizado, grandes telões, praça de alimentação, sistema de tradução para milhares de pessoas, climatização e tudo que poderia ser esperado de um evento que acontece no mundo todo e que pela primeira vez veio para o Brasil.

Entre os palestrantes estrangeiros os melhores foram Richard Tan e Chris Gardner.

Richard Tan é dono da Success Resources. Ele contou sua história de empreendedorismo que acabou originando uma grande empresa de eventos que realiza o NAC (National Achievers Congress) em diversos países do mundo. Chris Gardner é o autor do livro “À procura da felicidade” que deu origem ao famoso filme que tem o mesmo nome, assista ao trailer.

Entre os brasileiros, as melhores palestras foram a do Paulo Vieira e do Sam Jolen, dono da Elsever Institute que trouxe o evento NAC para o Brasil. A história de Sam Jolen é bem interessante. Vou deixar um vídeo no final do artigo onde ele fala sobre sonhar grande.

As palestras dos brasileiros foram as mais aplaudidas e ao mesmo tempo eram as que tinham maior relação com nossa realidade. As pessoas se conectaram com a história dos palestrantes e com as mensagens que eles transmitiram. O mesmo não aconteceu com Kiyosaki e os outros palestrantes que o Kiyosaki apresentou como sendo seus parceiros.

Tenho certeza que todos esses palestrantes estrangeiros são pessoas com muito conhecimento e experiência, mas não adianta você ter um conhecimento e não saber transmitir esse conhecimento de forma que possa ser entendido pela plateia. Não conhecer a realidade das pessoas que estão ouvindo, torna a comunicação problemática ou até impossível.

 

Recado para os realizadores do evento

Aos realizadores do evento, dou meus parabéns por toda a estrutura e pela qualidade do evento. Não conhecia o Sam Jolen, mas achei sua história pessoal inspiradora. Precisamos de mais jovens que realizam, empreendem e que pensam grande. Precisamos de histórias de brasileiros que começaram do zero para inspirar milhões de outros brasileiros que ainda estão no estágio “zero” do desenvolvimento financeiro. Assista ao vídeo logo abaixo para ver a história do Jolen.


Passei os dois dias conversando com pessoas na plateia do evento e pude ver como o brasileiro é carente de educação financeira. Fica registrada aqui a minha sugestão para futuros eventos. A sugestão número 1 é: não precisamos de educadores financeiros estrangeiros. Ficou bem claro que os estrangeiros não entendem a realidade brasileira e isso resulta em desconexão entre plateia e palestrante.

Eles possuem bom conteúdo, muita experiência, muitos milhões de dólares, mas é necessário saber transmitir esse conteúdo para a realidade da nossa população. Temos muitos educadores financeiros bons no Brasil e que já atingem uma grande audiência todos os dias através da internet. São pessoas que lidam com os brasileiros todos os dias, conhecem o que existe lá fora e conseguem trazer isso para nossa realidade.

Recado para o Kiyosaki

Sobre o Kiyosaki, continuo recomendando seu primeiro livro para os meus leitores. No caso das palestras eu recomendo que o Kiyosaki estude mais. Não falta dinheiro para ele aprender a palestrar com os melhores palestrantes do mundo. É uma questão de reconhecer suas limitações e investir para acabar com elas.

Talvez isso nos mostre que ter dinheiro não resolve tudo. Se você tem dinheiro e não tem humildade para perceber onde precisa investir para melhorar como pessoa, você vai continuar como um peixe tentando subir em árvores.

Educação financeira é importante e educação com as pessoas também.

Inteligência financeira é importante e inteligência emocional também.

As pessoas que se irritaram no evento por não entenderem o que estava sendo dito eram as que mais precisavam de educação financeira. Ser agressivo com essas pessoas não aproxima, só afasta, não resolve, só atrapalha.

Educador falso ou verdadeiro

Só quem estava na palestra vai entender isso aqui. Você viu que Kiyosaki falou diversas vezes sobre a importância de saber quem era verdadeiro e quem era falso. Existe educador falso e educador de verdade.

Educador  de verdade consegue olhar para uma pessoa e entender onde termina a pessoa e começa a sua ignorância. Quando ele ataca, ataca somente a ignorância e não a pessoa portadora da ignorância.

Educador falso não consegue perceber a diferença que existe entre a pessoa e a sua ignorância. Quando ataca, acaba atacando a pessoa e não a ignorância dela. Essa é a diferença entre o educador verdadeiro e falso.

Vou construir pontes para você

Muitas vezes, aqui no Clube dos Poupadores, eu sinto que o meu maior trabalho é o de construir pontes. Eu estou sempre tentando construir pontes entre a realidade das pessoas e a realidade do mundo financeiro. São dois mundos distantes, separados por um abismo, que precisam de pontes. O educador faz esse papel de construir a acessibilidade.

Diante da frustração que vi nos olhos de milhares de pessoas, resolvi escrever uma série de artigos gratuitos sobre algumas dessas dúvidas que a nossa leitora apresentou no início desse texto.

Os artigos com o conteúdo de fácil entendimento serão publicados gratuitamente aqui no Clube dos Poupadores no decorrer das próximas semanas. Também pretendo escrever outros artigos, só que mais avançados, para presentear os leitores que participam da área Premium do Clube.

About the Author:

Leandro Ávila é administrador de empresas, educador independente especializado em Educação Financeira. Além de editor do Clube dos Poupadores é autor dos livros: Reeducação Financeira, Investidor Consciente, Investimentos que rendem mais, e livros sobre Como comprar e investir em imóveis.

185 Comments

  1. Galileu 26 de setembro de 2017 at 14:51 - Reply

    Boa tarde, Leandro!

    Achei a definição de educador falso e verdadeiro muito próxima do estado da arte em termos de aprimoramento pessoal, que certamente é o mais importante. Aplicável a educação financeira e a todas as outras educações que precisamos diariamente. Grato por isso e também por me apresentar Sam Jolen, que eu também não conhecia; mas que despertou um grande interesse com o vídeo acima.
    Grande Abraço!

    • Leandro Ávila 26 de setembro de 2017 at 15:27 - Reply

      Obrigado Galileu. Eu não conheço o Sam Jolen pessoalmente, o que conheço foi pelo Youtube e pelo evento grandioso que ele conseguiu fazer no Brasil. Infelizmente foi um evento de educação financeira repleto com alguns estrangeiros que não entenderam o perfil das pessoas que estavam lá. O perfil era um e eles se comunicaram como se o perfil fosse outro. As pessoas se irritaram. Isso mostra que a falta de educação financeira é um problema tão grave que dificulta até o processo de aprender educação financeira. Já os brasileiros que participaram foram ótimos. Tomara que o Sam Jolen pense na possibilidade de fazer um outro evento de educação financeira contando com grandes palestrantes e autores brasileiros. Seria fantástico.

      • Galileu 26 de setembro de 2017 at 15:43 - Reply

        Ah, aguardo ainda você falar algo sobre a palestra do Cris Gardner!

  2. Rodrigo Pereira 26 de setembro de 2017 at 14:54 - Reply

    Aí ó. Dessa vez vou elogiar, hahahahaha.
    Boa crítica ao evento.
    Realmente o cara deslizou em não entender a realidade do público e achar que estaria falando para um público semelhante aos americanos. Não estamos, como população, no mesmo estágio.

    Até o próximo post.

    • Leandro Ávila 26 de setembro de 2017 at 15:28 - Reply

      Foi o que eu senti. O público era diferente do público americano. Ele fez muita crítica contra políticos americanos e nem todos estavam entendendo.

  3. João Pedro 26 de setembro de 2017 at 15:01 - Reply

    Olá leandro, boa tarde. Sigo seu blog a algum tempo mas não sou de comentários. Enfim, hoje não dá! Preciso expor um pouco minha opinião.

    Estive no NAC, assisti todas as palestras + o miniworkshop (sim, o estilo do kiyosaky foi workshop) e infelizmente acredito que faltou para muitas pessoas o discernimento de entender a realidade dele e a real mensagem do que ele falava.
    Sai de lá com varias idéias sobre o “fluxo de caixa” dele e como eu poderia trazer aquilo para a minha realidade. Diferente de pessoas que conversei no NAC, não me senti atacado em nenhum momento. Muito pelo contrário, sabia que tinha divergência de opinião com outro investidor como sempre DEVEMOS ter.
    De todo o evento o do homem foi o segundo mais informativo.

    Eu acho um bom tópico para o website como usar débito para alavancar/gerar ganhos (eu pesquisei sobre, porque um evento de 2 dias não me explicaria uma técnica tão complicada).

    Permita-me descordar por um instante, a melhor palestra foi com certeza a do jadeja. Extremamente informativa e eficaz.

    Enfim, um adendo final é que eu não gostei das palestras brazucas. Opinião pessoal também, mas acho aquilo tudo muito show e pouca informação.

    Enfim, obrigado por ouvir e não tenho a intenção de ofender ninguém.

    Parabéns pelo site novamente.

    • Leandro Ávila 26 de setembro de 2017 at 15:36 - Reply

      Oi João. O Sandy Jadeja indicou a compra e venda de ações de forma especulativa através de análise técnica para um público que não sabia nada sobre isso. Tentou vender a ideia de que através da análise de médias móveis é possível ficar rico na bolsa de valores, de forma fácil e rápida. Um educador financeiro de verdade não fala esse tipo de coisa para um público leigo. É possível ganhar dinheiro com análise técnica, mas análise técnica é quase uma atividade profissional. Você precisa dedicar muito tempo e energia analisando gráficos, desenvolvendo estratégias e colocando elas para rodar para depois reavaliar essas estratégias. Não é fácil, não existem garantias de ganho, a análise do gráfico não garantem sucesso em todas as operações e assim por diante.

  4. Felipe Penido 26 de setembro de 2017 at 15:02 - Reply

    Obrigado Leandro seus artigos me motivam a estudar mais e mais. Comecei a ler no início do ano por indicação de um amigo e estou mudando para melhor muitos aspectos da minha vida. Leio também lá pelo Transcendência Financeira. Em breve irei adquirir seus livros!

  5. Erik 26 de setembro de 2017 at 15:03 - Reply

    Ao ler esse artigo, me lembrei imediatamente de um video do TED onde o palestrante (o italiano Ernesto Sirolli) conta uma engraçado história de o porquê que alguns projetos que ele estava envolvido na África não funcionaram. Faltou comunicação! Faltou perguntar e conhecer a audiência ANTES de executar o projeto. Recomendo! https://goo.gl/Hzz9ih

    • Leandro Ávila 26 de setembro de 2017 at 15:38 - Reply

      Oi Erik. Obrigado por recomendar. É importante entender a realidade das pessoas. É o papel do educador de verdade fazer essa ponte entre o conhecimento e a realidade das pessoas.

  6. Vinicius Tchê!! 26 de setembro de 2017 at 15:04 - Reply

    Me pareceu aquele pensamento,
    achei a história do livro muito melhor do que ver o filme deste livro;

    A produtora tinha que ter passado ao palestrante o tipo de público que estaria ali.
    Mas entendo que temos muito a aprender neste caminho.

    *Temos ótimos educadores sim e sem dúvida você é um deles Ávila.

    • Leandro Ávila 26 de setembro de 2017 at 15:40 - Reply

      É mais ou menos isso. O livro é muito bom, impactou a minha vida e a vida de muitos educadores financeiros que conheço e muitos empreendedores que já conheci. Já a palestra do Kiyosaki foi maravilhosa para ver que sempre temos muito para aprender. Não importa se você publicou o livro de educação financeira mais vendido do planeta, não importa se você é multimilionário, isso não significa que você será um bom palestrante, não significa que sua inteligência financeira ajude na sua inteligência emocional e no trato com as pessoas. A riqueza exterior é uma coisa, a interior é outra.

  7. Robson 26 de setembro de 2017 at 15:08 - Reply

    Show, eu adotei você como referência, não importa se o cara vem dos EUA, da lua, de Júpiter… Pra mim você é o melhor =)

  8. Filipe Medeiros Souza 26 de setembro de 2017 at 15:14 - Reply

    Olá Leandro.

    Eu fui no evento e também te mandei um e-mail hoje cedo questionando a didática do Robert.

    Você resumiu muito bem neste artigo a conclusão que Eu também tive do evento e dos palestrante.

    Parabéns pelo seu trabalho.

    • Leandro Ávila 26 de setembro de 2017 at 15:41 - Reply

      Oi Filipe. Nas próximas semanas eu pretendo escrever artigos para esclarecer a bagunça que o Kiyosaki fez na cabeça de uma parte do público.

  9. Adriano Macedo 26 de setembro de 2017 at 15:14 - Reply

    Sempre entendi o Kiyosaki mais como um motivador (via Livro) do que um educador financeiro propriamente dito. Soube que teve até palavrão foi dito durante a palestra. Então nem até como motivador falhou. Lamentável.

    • Leandro Ávila 26 de setembro de 2017 at 15:45 - Reply

      Oi Andriano, sim ele xingou algumas pessoas da plateia e algumas vezes ele gritou com a plateia. Mostrou desequilíbrio emocional. Não foi nada bonito de ser visto. Cada grito e cada palavrão que ele falava acabava expondo sua fraqueza diante da arte que é falar em público.

  10. Elissandro Costa 26 de setembro de 2017 at 15:14 - Reply

    Mestre, mestre, mestre!

  11. Isaac 26 de setembro de 2017 at 15:17 - Reply

    Leandro, boa tarde. Em primeiro lugar, parabéns por mais um artigo e pela boa análise sobre o evento. Também participei do evento. Na verdade, eu e minha esposa participamos. Saímos de nossa cidade (Vitória, ES) e investimos não só nos ingressos do evento, como também hotel, passagens aéreas, alimentação, transporte e nosso tempo. Te garanto que compreendi o que o Kiyosaki disse desde a primeira vez. O que me deixou um tanto insatisfeito foi ver que o evento prometeu uma coisa e entregou outra totalmente diferente. O que vi foi ele e os demais palestrantes estrangeiros (exceção ao Chris Gardner) tentando vender seus cursos. Nada contra isso. Porém, ao meu ver, eles fizeram APENAS isso. O Paulo Vieira, por exemplo, entregou muito no pouco tempo que teve e não deixou de se promover. Vou transcrever aqui um trecho do que estava no site do evento, como sendo o objetivo deste: “Participe de 2 dias de pura imersão e torne-se sua melhor versão aprendendo com referências mundiais de alta performance suas principais Estratégias de Sucesso sobre Finanças, Negócios e Desenvolvimento Pessoal! Você sairá do evento com um objetivo, um plano, uma estratégia e as conexões necessárias para apoiá-lo em sua jornada de sucesso!”. Bem, eu não esperava encontrar no evento uma fórmula mágica que resolvesse todos os problemas, pois sei que isso não existe. Mas eles não chegaram nem perto de entregar o que prometeram, ao meu ver. Não tenho a intenção de criar uma discussão ou mudar o seu ponto de vista, Leandro. Mas gostaria de expor o meu aqui. Sou um empreendedor, investidor e fui ao evento em busca de algo mais. Confesso que saí frustrado, tanto é que durante a palestra do Paulo Vieira eu e vários outros com quem tive a oportunidade de conversar, solicitamos o reembolso dos ingressos. A Elsever organizou o evento muito bem. Disso eu não tenho dúvidas. Mas, do meu ponto de vista, agiram de má fé quando divulgaram a proposta do evento.

    • Leandro Ávila 26 de setembro de 2017 at 15:55 - Reply

      Oi Isaac. O Chris Gardner não fez venda de curso, mas vendeu muito bem a sua imagem. Paulo Viera não fez venda de cursos e mostrou na prática até que ponto um palestrante tem poder de mudar o estado emocional das pessoas. Ele fez a plateia chorar e depois gritar de motivação. Fico impressionado com essa capacidade de comunicação. Quem dominar essas técnicas de comunicação e tiver boas intensões, pode transformar a vida de muitas pessoas. A palestra do responsável pelo evento também foi muito boa, inclusive fiquei interessado em estudar mais sobre PNL (já fiz um curso no passado) e sobre hipnose voltada para a educação. O evento foi muito bem organizado.

    • Carla 27 de setembro de 2017 at 8:51 - Reply

      Issac, estive no evento e concordo plenamente com vc.
      Uma pena que a grande parte do tempo tenha sido usado para vender e não para passar conhecimento e discutir pontos de vista. Fiquei extremamente decepcionada.

  12. Filipe 26 de setembro de 2017 at 15:24 - Reply

    Olá! Sou assinante e leio todos os artigos. Já conhecia e lê alguns livros do Kiyosaky.
    Pra quem tb fez isso, a palestra dele não agregou em nada e fora que mandou a plateia se fuder e (fora do tradução simultânea) que as pessoas queriam educação sem pagar, dizendo que deveriam ir à escola pública!

    Creio que a organização também tem culpa, pois frustou a expectativa da maioria. Era melhor ter lançado logo a realidade que o curso que iria agregar, seria na terça e custaria o triplo..

    De qualquer forma valeu a experiência, os demais palestrantes foram bem, e estarei aguardado os seus próximos artigos.

  13. Mr Webster 26 de setembro de 2017 at 15:25 - Reply

    Essa situação contada por você foi o exatamente o que percebi quando li um dos livros do Kyosaki, traduzido para o Espanhol, que continha lá uns 500 e tantas páginas, mas que afora treinar o meu espanhol não me agregou nada. Percebi que pouca coisa nos servia, pois não se aplicava à realidade brasileira.

    Demais disso, hoje, não gastaria meu dinheiro para ouvir as experiências desse pessoal, ainda que seja uma experiência interessante.

    Tenho um ponto de vista, que não vou expô-lo, acerca desses palestrantes já milionários e com o “burro amarrado à sombra”.

    • Leandro Ávila 26 de setembro de 2017 at 15:57 - Reply

      Oi Webster. Existem ótimos palestrantes no exterior, basta abrir qualquer vídeo do TED e podemos ver a quantidade de conhecimento. Para alguns assuntos, como é o caso de temas financeiros, é necessário olhar a realidade da audiência.

  14. Guilherme 26 de setembro de 2017 at 15:28 - Reply

    Bom, vamos lá hehe.

    Primeiro, foi um prazer conhecê-lo no aeroporto. Vc é tão educado pessoalmente quanto online. Muito simpático.

    1) A maior parte dos palestrantes pavimentou uma palestra de marketing para vender curso. Não que isso seja errado, até porque considero natural. Mas ficou muito descarado. E eram cursos caríssimos. Fiz as contas, e a pessoa poderia despender quase 20 mil reais se fizesse todos os cursos. No Clube dos Poupadores, por exemplo, eu comprei todos seus livros, pq vi que o seu trabalho é sério e é um cara de confiança, que preza mais pela educação do que ganhar dinheiro. O dinheiro (vender cursos) é consequência de um trabalho digno e de entrega de valor, coisa que vc faz gratuitamente, por sinal. Muitos compram até por gratidão, como eu.

    2) Vc já descreveu muito bem sobre a palestra do Kiyosaki. Minha percepção é que as muitos entenderam muito bem o que ele falou, mas viu que estava bem dissociado de uma boa educação financeira. Porque um expert que indica investimentos já tem algo errado. E ainda indica errado. Pq indicar pra comprar ouro, prata e franco suiço e desconsiderar o mercado de ações (análise fundamentalista de empresas para buy and hold) e uma renda fixa que, no Brasil, paga os maiores juros reais do mundo, demonstra uma total falta de consciência do público para o qual ele pretendeu ensinar algo. Existem estudos e gráficos sério que demonstram a enorme besteira que Kiyosaki falou.
    Ele teve a proeza de falar a mesma coisa nas 4 vezes que subiu ao palco com aquele contador dele que só concordava com o que ele falava.

    3) No público, tenho certeza de que havia pessoas muito bem sucedidas e esclarecidas. Mas percebi uma enormidade de pessoas humildades e pouco esclarecidas, que, acredito, eram a maioria. Pessoas cujos maiores problemas está em eliminar dívidas e adquirir bons hábitos de consumo, além de necessidade de cultivar uma cultura de estudo. Essas pessoas, infelizmente, são alvos fáceis de palestrantes com credenciais fortes, como possuíam alguns do evento. Vender a ilusão para 5.000 pessoas de que pode fazer salário alto com análise técnica na bolsa de valores, frisando ainda que qualquer criança de 10 anos poderia executar o setup, é de uma irresponsabilidade tamanha que nem consigo nominar. Vender caro ainda a ilusão, mediante 10 parcelas. Seria o mesmo que o Ronaldinho Gaúcho fazer uma palestra, dizendo que já ganhou Copa do Mundo, Libertadores e Champion`s League, ensinando que todos podem jogar bola igual ele.

    4) Essa questão do professor falso e real é interessante. Muitos ali não tinha a menor condição de saber se o que o Kiyosaki falava tinha fundamento ou não. E isso foi uma boa dica. Demonstrou que as pessoas precisam estudar para poderem pensar por si mesmas. Eu, graças a Deus, tenho um pouco dessa instrução e pretendo me aperfeiçoar sempre. Se tivesse como fazer perguntas na palestra, eu teria colocado ele numa saia justa umas 3 vezes pelo menos. E, de fato, como palestrante, ele é um ótimo escritor. O livro dele tem bons insights, mas também prego muito um conselho seu: aproveite o que for possível e jogue fora o que é descartável.

    Por fim, não curto muito o estilo pentecostal (com todo o respeito ao evento evangélico) com que foi apresentado o evento. Acho que esse tipo de evento deve ter uma postura mais sóbria e inspirar mais formalidades/seriedade, porque as pessoas estão ali mais para aprender do que para se motivar, bom, pelo menos eu tinha essa pretensão.
    Mas gostei de ter participado da experiência, somente passando por elas é que tenho condições de criticar e rejeitar novas ofertas semelhantes!

    Ansioso pelos seus artigos, Leandro!

    Um abraço!

    • Leandro Ávila 26 de setembro de 2017 at 16:04 - Reply

      Oi Guilherme. Foi um prazer te conhecer também. Eu também não acho correto educador financeiro indicar investimento. Ele fez isso. Cada pessoa tem uma realidade diferente. Também não concordei com a palestra que indicava investimentos através de análise técnica como se isso fosse uma forma rápida e fácil de ganhar dinheiro. Análise técnica é praticamente uma atividade profissional.

    • Débora Santos 26 de setembro de 2017 at 16:46 - Reply

      Olá, Leandro!
      Também achei o máximo te conhecer pessoalmente! Graças ao Guilherme conheci o clube dos poupadores e tive a chance de receber seu convite para o curso resistência. Ainda estou engatinhando no assunto finanças e mesmo assim não foi difícil perceber que o kyiosaki não sabia nada sobre a realidade brasileira. Acredito que o que mais irritou a plateia foi perceber que ele estava embromando, para passar o tempo e ele tentar vender o curso de terça feira. No mais também fico um pouco incomodada com aquele show todo, mas reconheço que movimentar uma plateia daquele tamanho da forma como o Sam e o pulo vieira fizeram é impressionante. Valeu a experiência, me fez atentar para algumas coisas e tive discussões muito produtivas. Também estou ansiosa para ler seus artigos relacionados aos temas abordados. Abraços!

      • Leandro Ávila 26 de setembro de 2017 at 17:39 - Reply

        Obrigado Débora. Eu acho que é possível encontrar um ponto de equilíbrio entre transmitir o conteúdo de forma racional e também emocional. Na palestra do Paulo Viera, que é especialista em inteligência emocional, foi impressionante ver o que ele fez com a plateia. Eu tenho um DVD do Paulo Vieira, que comprei antes dele ter conteúdo na internet, onde ele faz exatamente aquilo na plateia. Só que no final, depois de fazer as pessoas chorarem e pularem de alegria ele dá uma pequena bronca nas pessoas dizendo assim…. Olha só, eu consegui fazer vocês chorarem e pularem de alegria em 5 minutos. Como é que vocês permitem que alguém seja capaz de modificar o estado emocional de vocês? Quantas vezes você deixa que estranhos, amigos, parentes e até a televisão modifiquem o estado emocional de vocês? A pessoa que consegue mudar o estado emocional das pessoas usando apenas as palavras tem um poder enorme nas mãos. Se for bem utilizado pode ser usado junto com a educação. A propaganda e o marketing já usa tudo isso para fazer você comprar mais e gastar dinheiro com bobagem. O ideal seria o educador entender o funcionamento dessas coisas e encontrar o equilíbrio entre o racional e o emocional.

  15. Fabiane Bastos 26 de setembro de 2017 at 15:30 - Reply

    Leandro, eu também estive nos dois dias do NAC Brasil… saí de lá muito decepcionada! Vi que aqueles “caras” que estavam no palco sabem ganhar dinheiro “licitamente”, mas não foi certo moralmente falando o que aconteceu lá. Foi uma propaganda enganosa ao meu ver. Minha vontade o tempo todo era de levantar e gritar: ok…entendi que devo passar para o outro lado do quadrante (grandes investidores e donos de negócios com mais de 500 funcionários), mas, pelo amor de Deus, dê ideias práticas para os brasileiros de COMO fazer isso???? Era aí que virava comércio total dos cursos. E com valores “puxados” para a realidade brasileira. E pra fechar com “chave de ouro” ainda fomos deliberadamente ofendidos. O tempo todo eu pensava: meu Deus, onde está o Leandro Ávila, sobe no palco e dá a sua aula pra esse povo sedento de conhecimento financeiro kkk Aprendi muito mais lendo seus artigos e livros do que com aqueles “palestrantes”. Só abro exceção ao Chris Gardner, de fato ele é um palestrante…conteúdo, elegância e humildade…me emocionei muito com ele.
    O lado positivo foi que fiz algumas boas amizades por lá! Gente de várias regiões do país com quem pude trocar experiências!
    Eu sei que em uma palestra de 1h30min não tem como um palestrante, por melhor que ele seja, ensinar tudo que ele sabe. Entendi que devo poupar para investir nesses cursos para que eu possa crescer financeiramente, o problema é que não sentimos confiança de realmente ter um retorno. Ficou o medo de me empenhar, investir os R$7.000,00 num curso do Kiyosaki e chegar lá ele me passar só uma parte. Se eu quiser o restante do conhecimento, aí já tem que ser outro curso Master não sei o que…e por aí vai… Tratou os brasileiros como otários! Pena pra ele! Perdeu uma grande oportunidade de ganhar o público brasileiro! Avança, Leandro, que vc tem a faca, o queijo e a fome! (lembra?!) Abraços! Deus te abençoe!

    • Leandro Ávila 26 de setembro de 2017 at 16:12 - Reply

      Oi Fabiane. Seria engraçado eu subindo no palco para tomar o microfone do Kiyosaki e depois sendo arrastado pelos seguranças do evento. 🙂 O Chris Gardner realmente está em outro nível. Muito fácil perceber que ele é milionário por fora e milionário por dentro. Parece ser uma grande pessoa. Também conversei com várias pessoas no evento. Muitos leitores do Clube que estão fazendo o curso Resistência me reconheceram. Provavelmente foi pelo fato do curso conter vídeos. Alguns foram heroicos e me procuraram entre os 5 mil participantes e conseguiram achar.

      • Ana Faria 26 de setembro de 2017 at 17:16 - Reply

        Olá, Leandro,

        Não participei do evento, mas acompanhei pelo blog a agenda de como seria. Confesso que me deu mais vontade de ir para ter a remota chance de te conhecer pessoalmente.

        Lamento muito sobre todos esses transtornos e frustrações que o evento gerou. Sorte que nós temos um educador como você. Ao menos fiquei feliz em saber que o Chris Gardner foi uma experiência positiva.

        Acompanho seu blog há aproximadamente 2 anos, mas já li quase todos os seus artigos, comprei seus últimos 3 livros, e pretendo participar do seu curso na próxima turma.

        Seria maravilhoso termos fontes de conhecimento com a mesma qualidade e clareza que a sua em todas as áreas da nossa vida, como a psicológica e profissional, por exemplo.

        Obrigada por ser essa pessoa sensacional que nos ajuda a evoluir financeira, intelectual e emocionalmente.

        Grande abraço!

  16. José Lucas 26 de setembro de 2017 at 15:30 - Reply

    Como falei anteriormente, esse Robert é apenas um aproveitador que escreveu um livro de sucesso, nada mais. Possui diversos adoradores, mas esse cara é um nada, e seu livro, um relato, sem nada técnico, nada de real valor.

    Somente ignorantes que se encantam com ele ou seu livro. Se ele fosse “o cara” não estaria dando suas palestras arrogantes mundo afora, estaria aproveitando sua vida com sua família e vivendo de seus dividendos, não do dinheiro de vocês.

    Um babão cheio de fãs babões! “Gosta de dívidas” que pensamento minúsculo, são pessoas como ele que contribuem para o mundo estar e continuar sendo ignorante financeiramente.

    • Leandro Ávila 26 de setembro de 2017 at 16:14 - Reply

      Oi José, os livros dele e as ideias dele são boas e impactaram muita gente de forma positiva nos últimos anos. O fato do livro dele ser bom não diz muita coisa sobre as outras coisas que ele faz, não garante nada. Ser um bom escritor não diz nada sobre ser um bom palestrante ou bom empresário. Essa ideia de gostar de dívidas tem um sentido e ela não pode ser aplicada por todas as pessoas em todos os países e nem para todo tipo de investidor. Por isso é importante entender a realidade de cada país e de cada pessoa.

      • José Lucas 28 de setembro de 2017 at 16:34 - Reply

        Concordo Leandro. Ao ler seus artigos percebo que muita gente sai da ignorância financeira graças à eles, e isso é ótimo.
        Porém vejo muitos “Kiyosakis” por aí. Quando digo muitos, são centenas de pessoas.
        Experimente participar, mesmo que anonimamente, de alguns dos maiores grupos de renda fixa no facebook. Você verá que existem diversas pessoas torcendo para o pior. Comentários como “Azar o das empresas, eu quero que selic chegue a 20%” e “Juros baixos só ajudam endividados, meus títulos do TD Selic estão rendendo pouco, que tristeza”. Tristeza é ler isso, as pessoas não entendem nada de macroeconômia. Ao meu ver depois que descobrem a “perda fixa” só querem saber disso, não querem aprender nada mais. Acredito que educação voltada a renda variável é muito mais interessante. RV não é para todos os investidores, mas o conhecimento deveria ser muito mais propagado, ao invés de propagar “quanto mais alta a selic melhor”, que é o que as pessoas entendem, infelizmente.

        • Leandro Ávila 1 de outubro de 2017 at 18:05 - Reply

          Oi José. Eu acho tudo isso uma torcida boboca. É perder tempo. Os juros vão para onde eles devem ir e a nossa torcida é uma bobagem. O investidor de verdade deve estar pronto para se posicionar diante de qualquer situação econômica.

          • José Lucas 2 de outubro de 2017 at 18:59

            Também acho, porém essas pessoas estão longe de serem investidores, e só querem saber de juros altos e economia estagnada, para seus títulos de TD SELIC “renderem” mais. Pra mim essas pessoas são treinadas, não adquirem conhecimento algum.

  17. João S G Neto 26 de setembro de 2017 at 15:32 - Reply

    Olá Leandro.Estive na NAC e concordo com vc em td!!! Parabéns pelo seu sucesso e sua transparecia. Abs

  18. Michel 26 de setembro de 2017 at 15:35 - Reply

    Leandro, estive no evento e realmente para mim o Chris Gardner foi sensacional, mesmo conhecendo a sua história, a sua energia foi fora do comum, e parece que você olhando fisicamente para alguém que passou algo que você não passou nem 1 terço e venceu, é muito gratificante.
    Sabe, nesse evento o que mais levei de sabedoria foi que educação financeira não te levará lugar algum se você não mudar a visão de valor, não saber exatamente o que “realmente” importa para você, qual a sua missão. Sim, é difícil de sabermos qual de fato ela é, sendo bombardeados pelas as mídias sempre voltadas para o luxo, para o consumo, a sociedade sempre ditando que você deve ser igual a todos,pensar da mesma forma etc.
    Enfim, fiquei muito feliz pois foi o primeiro seminário que realmente participei, falando com pessoas, trocando boas energias e ainda tive o prazer de conhecê-lo, que satisfação em poder cumprimentá-lo e agradecê-lo pelo seu grande trabalho.
    E muitos ainda disseram que não pagariam o que paguei para estar lá e a única coisa que disse a essas pessoas foi o seguinte:
    – Concordo com você, não gaste nenhum dinheiro se você ainda não entende a palavra valor.
    Então mesmo com esses problemas ocorrido na NAC, sai de lá muito satisfeito, não dá pra contar o nível de satisfação pessoal que trouxe em minha bagagem.

    • Leandro Ávila 26 de setembro de 2017 at 16:19 - Reply

      Oi Michel. Parabéns, pois realmente você teve a experiência de participar de um evento grandioso, no mesmo nível dos que acontecem no exterior. Também foi um prazer conhecer você. É muito impactante ver tantas pessoas com o mesmo propósito. Todas as pessoas que conversei eram pessoas interessantes e que poderiam ser minhas amigas. Esses eventos são ótimos para conhecer pessoas.

  19. Michel 26 de setembro de 2017 at 15:35 - Reply

    Boa tarde Leandro.
    Afinal, o que ele quis dizer com “Kiyosaki diz que ama as dívidas, porque isso o faz ficar rico; – Kiyosaki não poupa dinheiro, porque os bancos estão imprimindo mais notas… ”
    Obrigado.

    • Leandro Ávila 26 de setembro de 2017 at 16:28 - Reply

      Oi Michel. As empresas empreendem através das dívidas. Elas podem pedir dinheiro emprestado dos banco ou podem pegar dinheiro de investidores. O grande empresário vai até o banco e pede R$ 10 milhões emprestado. Se ele for grande consegue juros pequenos e prazos de várias e várias décadas para pagar. Digamos que esse empresário use esse dinheiro para construir um hotel. A própria renda gerada pelo hotel todos os meses pagaria a dívida. Além disso, se você investe 10 milhões em uma obra, certamente vai construir um bem que vale mais do que o custo da obra. Assim, você gastou 10 milhões que não era seu e no final do empreendimento é dono de um hotel que vale R$ 100 milhões (isso é só um exemplo). Como dono de um hotel que vale 100 milhões e uma quantidade X de faturamento mensal você ainda tem mais capacidade de conseguir mais dinheiro emprestado. Ai você vai no banco e pede R$ 20 milhões para construir um centro de convenções. Isso aumenta sua receita usando o dinheiro dos outros. Através de imóveis o pequeno investidor também pode ter renda passiva mensal e pode conseguir crédito barato, especialmente se morar nos EUA onde os juros são baixos.

  20. Irlan 26 de setembro de 2017 at 15:35 - Reply

    “Como lido com nossa realidade diariamente, pude ver que ele não entendia essa realidade com muita clareza. Além disso, ele não entendeu o perfil do público presente…”

    Creio que a resposta esteja aqui neste parágrafo. Resta saber se os públicos anteriores, ao qual ele palestrou comportou-se como aqui no Brasil, para notar se o padrão é parecido; se for reincidente, o palestrante tem problemas, porém se tal fato ocorreu apenas no Brasil, o assunto é outro, como sempre. A realidade econômica de país desenvolvido é brutalmente estável, em contrapartida a realidade aqui é de completa instabilidade: ninguém sabe se desce ou sobe, se vai para a esquerda ou para direita, se aplica ali ou aqui. Até mesmo os mais afamados educadores financeiros, pelo que tenho observado, estão um tanto incertos ante perguntas de investidores onde aplicar determinado ativo, pois não sabem se o pais vai para cima ou para baixo. Talvez, esse palestrante teve dificuldades para, de fato, compreender a mentalidade financeira confusa de cidadãos de um país de realidade econômica inversamente proporcional às economias desenvolvidas.

    • Leandro Ávila 26 de setembro de 2017 at 16:30 - Reply

      Oi Irlan. Ele poderia ter explorado outros temas que aborda nos seus livros e que são aplicados em qualquer lugar do mundo. Gastou muito tempo fazendo recomendações de investimento e isso nem deveria ser feito por um educador financeiro. Os analistas e consultores de investimento é que devem fazer recomendações.

  21. Rodrigo 26 de setembro de 2017 at 15:39 - Reply

    Olá Leandro, parabéns pelo artigo! Não fui ao evento citado, mas consegui montar uma foto na minha mente do ocorrido. As pessoas precisam de crescimento constante, nas mais diversas áreas, não adianta achar que o copo está cheio, sempre há algum ponto à melhorar.
    Terminei de ler os seus 3 livros sobre investimentos e pude lapidar ainda mais meus conhecimentos, muito bem detalhado e explicado, meus parabéns. um abraço.

  22. Bastiat 26 de setembro de 2017 at 15:40 - Reply

    Leandro,

    Kiyosaki tem como magnum opus o livro “Pai Rico, Pai Pobre”. Sendo assim, ele usa o status (merecido) que ganhou com ele como principal chamariz para empreender novos projetos. Contudo, no meu conceito, o mérito dele acaba aqui, pois percebi que ele enxerga o dinheiro como um fim, e não como um meio (tenta vender cursos de qualquer maneira, ensinando conceitos distorcidos).

    Por fim, não queria terminar dizendo isso, mas para mim ele é um charlatão.

    • Leandro Ávila 26 de setembro de 2017 at 16:33 - Reply

      Oi Bastiat, acho que não. Tudo que ele disse tem algum fundamento que pode ser entendido pelas pessoas, mas não é para todas as pessoas. É necessário ter alguma educação financeira para entender algumas coisas. Já a maneira como ele se comunica em palestras, isso sim poderia melhorar muito se ele dedicasse a isso.

  23. João Silva 26 de setembro de 2017 at 15:41 - Reply

    Acho que o mau-estar esteja em que muitos educadores financeiros estão defendendo o fim do estado, (privatizações) o que é incompreensível, pois a burguesia necessita de Estado (segurança) para poder ter segurança para realizar seus negócios.

    Qualquer aula básica sobre feudalismo e Idade Moderna resolve essa ignorância.

    Alguns dados:

    Os EUA têm 1,856 milhão de servidores públicos civis federais ativos, com uma média de idade de 46,9 anos, sendo 170 mil das agências reguladoras independentes, e uma população total de 295 milhões de habitantes. O Brasil tem cerca de 573 mil servidores ativos da União, com média de idade de 47 anos e população total de 188 milhões de habitantes

    Sei que está desatualizado, os dados mas temos menos servidores percentualmente que outros países.

    Sei que não é o seu caso, mas recebo e-mails de uns “educadores financeiros” que apenas insultam o Estado e seus servidores de modo que até me desestimulei de um estudo mais aprofundado de educação financeira.

    • Leandro Ávila 27 de setembro de 2017 at 20:53 - Reply

      Oi João. Nunca vi nenhum educador defendendo o fim do estado. Privatizações não tem relação com o fim do Estado. Tem relação com fazer o estado forcar todos os seus esforços, recursos e pessoal nas áreas mais importantes. Na verdade o governo depende da sociedade para existir e funcionar. O que você chama de burguesia eu chamo de empresários e empreendedores que junto com os trabalhadores produzem todas as riquezas e os impostos que fazem a economia e o governo funcionar. Os EUA enfrenta uma crise e uma dívida pública de trilhões graças a esses números. Eu acredito que para o futuro teremos países com cada vez menos servidores públicos.

  24. Wallace alves 26 de setembro de 2017 at 15:41 - Reply

    Boa tarde. Também participei de evento, inclusive vi o anúncio do mesmo pelo seu site.
    O evento foi maravilhoso, mas realmente o Robert não transmitiu se quer os conhecimentos basicos de como sair do zero e começar a investir, que seja em imóveis, etc.
    As pessoas ao meu redor até entenderam a ideia da coisa sobre as dívidas boas, etc, embora fora da realidade da grande maioria. Embora, em um momento ele até deixou claro que sabia que aquilo estava longe da maioria dos presentes.
    Mas acredito que a maior indignação de todos foi no momento em que ele desrespeitou a todos por também ja está irritado, ao falar que não estava nem aí se comprariamos o seu curso ou não, inclusive com palavras de baixo calão. Mas o evento foi muito bom. Nos desperta para novas possibilidades e aprendemos a admirar pessoas que se quer conhecíamos o seu trabalho antes, no meu caso o Paulo Vieira e o San, grandes exemplos.
    Forte abraço Mestre. Estou aprendendo muito com seus ensinamentos.

    • Leandro Ávila 26 de setembro de 2017 at 16:35 - Reply

      Obrigado Wallace. As pessoas não gostaram da grosseria.

  25. Andrea 26 de setembro de 2017 at 15:41 - Reply

    Boa tarde Leandro..prazer. Meu nome é Andrea leio bastante seus artigos mas nunca tive o prazer de deixar um comentario…Eu tenho tentado aprender sobre investimentos a algum tempo e recebo diariamente varios emails de diversos canais sao poucos os que paro para ler…a maioria eu excluo. motivos: Muitos repetitivos, leituras muitas vezes fora da nossa realidade e intençao de venda de produtos..Nos seus eu imprimo assim que chega e nao deixo eles acumularem pois sei que se deixar de ler algo que voce escreve estarei deixando de aprender algo naquele dia…Voce escreve para o mais simples, aquele que recebe o bolsa familia como para aquele que paga o bolsa familia…Menos para aqueles que guarda dinheiro nas malas..rsrs…Pois voce é um cara justo..Gosto do seu geito porque es um homem humilde..Dedicar o nosso tempo a tentar ensinar algo a pessoas que muitas vezes nem nos agradece nao é para todos..Que Deus abençoe sua caminhada e que nao desista da gente..

    • Leandro Ávila 26 de setembro de 2017 at 16:37 - Reply

      Oi Andrea. Parabéns pelo seu primeiro comentário. Espero que seja o primeiro de muitos. Obrigado pelo seu apoio.

  26. Dricka Ramalho 26 de setembro de 2017 at 15:42 - Reply

    Logo que soube do evento fiquei mega empolgada. Já estava providenciando as passagens e hotel quando tive um estalo e resolvi pesquisar melhor sobre o evento antes. Como seria a primeira vez no Brasil não havia nada nos sites brasileiros, mas bastou uma busca por algo como “National Achievers Congress review” para ver a opinião de estrangeiros que já haviam participado do congresso em seus respectivos países.

    O resultado não poderia ter sido mais decepcionante. Todos que li, sem exceção, diziam que não valia a pena. Que boa parte do tempo era ocupada por um DJ que os faziam pular e repetir palavras motivacionais como zumbis. E que no tempo restante as palestras eram rasas, superficiais, sempre dando a impressão de que tinham algo muito importante a dizer, mas não haveria tempo suficiente para tanto. Daí a “solução” era a oferta de CDs, DVDs, livros, cursos e vários materiais (pagos, é claro!) que aprofundariam as questões abordadas na palestra.

    Uma participante (de algum país da África, salvo engano) ficou bem revoltada quando um palestrante sugeriu que todos os investimentos fossem feitos fora da África, pois aquele não era um continente “propício”, desvalorizando toda a cultura e comércio local.

    Não precisei de mais que 10min para decidir NÃO ir no NAC Brasil e, lendo seu post, só me deu mais certeza de que fiz a escolha correta. OBS: A palestra do Chris Gardner era o único ponto unanimemente positivo nas resenhas que li, espero ter a oportunidade de ouvi-lo em outra ocasião.

    • Leandro Ávila 26 de setembro de 2017 at 16:38 - Reply

      Oi Dricka. A palestra do Chris Gardner realmente foi muito boa.

  27. Anilton 26 de setembro de 2017 at 15:50 - Reply

    Estive lá e acho que tirando o blá blá blá motivacional do tipo você pode! você consegue! hi five… a essência foi passada de forma apropriada nos treinamentos mais técnicos como o do Robert e do Sandy.
    No evento privado acho que o Robert vai ensinar a jogar Cashflow.
    Você tem toda razão, o Robert é paupérrimo em se tratando de palestrar.

    • Leandro Ávila 26 de setembro de 2017 at 16:40 - Reply

      Oi Anilton. Assim que tiver mais tempo eu vou comprar o Cashflow para compartilhar uma opinião sobre ele.

  28. Eduardo Campos 26 de setembro de 2017 at 15:51 - Reply

    Boa tarde Leandro.

    Sou um grande admirador dos seus artigos e do seu trabalho. Eu já te acompanho desde quando lançou o Livro “Como comprar e investir em imóveis. Na época eu estava muito preocupado com a bolha imobiliária e queria saber qual seria o momento de entrar neste mercado.
    Desde 2012, após ter recebido parte de uma herança que atuo junto ao mercado financeiro e tenho aprendido muito( bolsa, fundos, TD, LCI, LCA, LC, etc).
    Vi este seu material e antes de está-lo por 30 dias queria sua opinião sobre o quanto ele poderá ser relevante para mim.
    Sei de máxima que “quanto mais sei, mais sei que pouco sei”. Mas quero saber o quanto este material poderá agregar valor para mim.
    Grato por todo conhecimento que você compartilha com todos nós e fico aguardando um resposta sua.

    Eduardo Campos

    • Leandro Ávila 27 de setembro de 2017 at 20:47 - Reply

      Oi Eduardo, eu não tenho como avaliar isso, seria necessário saber o que você já sabe, o que precisa aprender, é por isso que tudo que ofereço tem garantia de 30 dias. É uma forma da pessoa conhecer o material e avaliar, pois cada pessoa tem uma bagagem diferente de experiências e conhecimentos.

  29. Luiz Nascimento 26 de setembro de 2017 at 15:51 - Reply

    Muito bem os comentários, equilibrados tem tudo a ver.

  30. Sueli Costa 26 de setembro de 2017 at 15:58 - Reply

    Leandro.
    A minha admiração e respeito por você após a leitura deste artigo valorizou demais ahahah.
    Parabéns.
    Não podemos descartar a metodologia de Kiyosaki, foi a base inicial da minha educação financeira e croquis de meu TCC, reconhecer porém que temos líderes como você nos incentivando com ótimas ilustrações e conteúdos é fundamental.
    Abraços e Sucesso Sempre!

    • Leandro Ávila 26 de setembro de 2017 at 16:43 - Reply

      Obrigado Sueli. Eu gosto muito do livro Pai Rico Pai Pobre, gosto de algumas ideias do Kiyosaki por este motivo fui até São Paulo. Como falei no artigo, como palestrante ele é um ótimo escritor. Para ser um ótimo palestrante ele precisa se dedicar bastante ainda. Tem muito para aprender e treinar.

  31. Marcelo 26 de setembro de 2017 at 16:04 - Reply

    Meu interesse maior nesse evento era o Chris Gardner. Eu nem voltei no domingo! Não só pela decepção com o que o Robert apresentou após o Almoço, enrolando uma hora e meia, junto com o seu contador repetindo a mesma coisa e pedindo para o público discutir. Mas pela palestra o Sam e do Chirs. preferi aproveitar o meu domingo com minha famíla. O que eu ouvi e aprendi no sábado com esses dois para mim já bastou.

    • Leandro Ávila 26 de setembro de 2017 at 16:45 - Reply

      Oi Marcelo. O domingo foi o melhor dia para conversar e conhecer novas pessoas.

  32. Gilson 26 de setembro de 2017 at 16:07 - Reply

    Mais uma vez muito obrigado por seu ótimo artigo!!! Não estava no evento e triste que tenha havido isso.

  33. André 26 de setembro de 2017 at 16:14 - Reply

    Olá Leandro ! primeiramente agradeço os seus comentários, são muito bons, parabéns !!! Será que você poderia comentar sobre a impressão de dollares ?

  34. Fabiana 26 de setembro de 2017 at 16:24 - Reply

    Obrigada pela análise Leandro. O que se percebe é que o Robert não teve humildade para lidar com o público aqui no Brasil. Acredito que não seja por ser Brasil, parece que é dele mesmo, o que é lamentável, pois o que sei é que todo bom palestrante, comunicador tem como premissa conhecer o seu público para saber como transmitir a sua mensagem, afinal ele está vendendo isso. E como todo produto se esse não atende a necessidade do seu cliente ou se apresenta alguma falha, a devolução e a crítica (reclamação) é inevitável. Como empreendedor de sucesso ele deveria saber melhor do que ningém essa lógica do mercado.

  35. Raphael 26 de setembro de 2017 at 16:24 - Reply

    Eu sou particularmente cético com relação a esse tipo de evento, especialmente depois que a tal “garota do vale” foi desmascarada como apenas mais um embusteira, empreendedora de palco que nunca tocou um negócio por contra própria, mas que tem milhões de idéias geniais que vão fazer você ficar rico, bastando apenas comprar os cursos, ir aos eventos, fazer parte dos clubes, etc., dela.

    • Leandro Ávila 26 de setembro de 2017 at 17:04 - Reply

      Oi Raphael. Eu gosto das pessoas que estimulam e motivam para o empreendedorismo. Acho que a Bel ainda é uma menina e cometeu erros por imaturidade. Conheço jovens que empreenderam e que estão bem e que tiveram como inspiração o trabalho dela. Acredito que devemos criar o hábito de colher as coisas boas que encontramos nos educadores e nas pessoas sem ficar segurando as coisas ruins. Gosto de comparar como uma árvore cheia de frutos. Você pode acessar o conteúdo da Bel e pegar os frutos que você gosta. Você não precisa ficar segurando o fruto que não gosta e nem faz sentido jogar fora os frutos bons. Certamente ocorre o mesmo comigo. Tem coisas que escrevo que pode ser um fruto bom para você e outras coisas que são ruins. Fique com os frutos bons e jogue os frutos ruins no lixo. Não fique segurando eles. O mesmo vale para o Kiyosaki. Tem coisas que ele ensina que eu adoro e coisas que não gosto. Eu fico com o que gosto e solto o que não gosto. É a melhor forma de construir o seu próprio pomar de conhecimentos.

  36. Paulo 26 de setembro de 2017 at 16:32 - Reply

    Leandro, acompanho seu trabalho desde o ano passado e tem me agregado muito conhecimento.., obrigado!

    Sobre o evento, eu não consegui ir e fiquei chateado por isso, saber destes ocorridos não me deixa mais aliviado, pois tenho certeza que além das palestras, o networking que se cria e troca de experiencias com os demais participantes em um evento deste nivel é tão importante quanto. Porém me entristese muito saber que “Palestrantes” deste nivel cheguem despreparados e sem conhecimento de seu público, trabalho com vendas e passo por isso constantemente, todo material apresentado depende muito mais do meu publico do que meu “produto” em sí. Pra mim isso é básico, e talvez até por isso a organização não se atentou demais no assunto. Estou de acordo com sua sugestão, temos vários educadores de alto nivel e com uma forma bem intuitiva de transmitir conhecimento para o publico brasileiro, cases reais e muito mais próximos de nossa realidade.

    Espero que você seja um deles…

    Parabéns e não desista deste teu trabalho que tem ajudado muitas pessoas diariamente.

    • Leandro Ávila 26 de setembro de 2017 at 17:12 - Reply

      Oi Paulo. O Networking foi muito bom. Conversei com pessoas que eram grandes empresários, conversei com empresários pequenos, conversei com pessoas que trabalham com coach e consultoria, encontrei um dos sócios do GuiaInvest, encontrei vários alunos e leitores. Até as conversas com os taxistas e motoristas de uber foram boas, pois eles ficavam curiosos com o que era o evento e eu mostrei para eles o que era a “corrida dos ratos”, era interessante o contato deles com esse tipo mentalidade. Temos muitos educadores no Brasil, inclusive temos educadores que conectam com públicos diferentes. Temos educadores que falam mais para os jovens, misturando educação financeira com humor. Temos educadores que falam mais sobre investimentos conservadores, outros que falam mais sobre investimentos de renda variável, temos investidores na área de imóveis, analistas técnicos, analistas fundamentalistas, educadores que falam da parte emocional, produtividade, etc… poxa… muita gente boa produzindo conteúdo. Só que não existe um grande evento sobre educação financeira, com o porte desse que aconteceu em São Paulo. Acredito que já existe público para um grande evento.

      • Fabrício Machado 26 de setembro de 2017 at 23:16 - Reply

        Muito bom te ver lá e trocar ideias, só por isso já valeu o evento, abs amigo!

        • Leandro Ávila 27 de setembro de 2017 at 5:49 - Reply

          Oi Fabrício, foi um prazer também. Um grande abraço.

  37. Rafael 26 de setembro de 2017 at 16:32 - Reply

    Olá Leandro,

    Muito obrigado pelo artigo. Só uma nota: apesar de a frase no inicio do artigo ser muito verdadeira, parece não existir indícios que Eistein realmente disse isso.

    https://quoteinvestigator.com/2013/04/06/fish-climb/

    Grande abraço

    • Leandro Ávila 26 de setembro de 2017 at 17:15 - Reply

      Oi Rafael, por isso que não afirmei que a frase era dele. É difícil saber. Mesmo assim, acho essa ideia do peixe subindo em árvores uma boa forma de transmitir essa ideia que ser bom em uma coisa não significa que você será bom em outra sem fazer esforço para isso.

  38. andre luiz narciso 26 de setembro de 2017 at 16:33 - Reply

    Olá Leandro cada vez mais você me inspira fiquei triste de não ter ido, pois tinha um compromisso uma amiga foi e a mesma relatou exatamente o que você acadou de mencionar. Hoje você é meu referencial na esfera financeira e emocional pois após anos como militar das Forças Armadas. Atualmente ajudo as pessoas a dominar suas finanças sou assinante do canal e comprei seus livros. Espero em breve, vê-lo em um EVENTO NO PALCO, pois assim as pessoas podem de fato mudar seu comportamentos compulsivos!! GRATIDÃO!

  39. Roberto 26 de setembro de 2017 at 16:50 - Reply

    Boa tarde, Leandro. Uma coisa que me deixou incomodado foi a declaração de que estamos à beira de um colapso, e que dinheiro é falso, aplicações em papel (dolar, titulos publicos, cdb, lci etc) e até ações não são boas. Até entendo esse argumento, mas como aplicar em ouro então? Titulos de ouro são papéis também, então também não seriam “fake”? Aplicar em ouro físico no Brasil como (HOW)? Tendo que pagar custodia (cofre) em banco, não inviabilizaria o “investimento”? E Franco Suiço, tem liquidez de mercado?
    Infelizmente também achei deselegante a venda de cursos, principalmente por preços tão caros para nossa realidade.

    • Leandro Ávila 26 de setembro de 2017 at 17:43 - Reply

      Oi Roberto. Como a economia vive de ciclos, sempre que as coisas estão bem só existe uma certeza, o ciclo vai acabar e as coisas vão piorar. Depois de piorar elas vão melhorar. A última grande crise foi em 2008/2009 e provavelmente, de forma natural e esperada, deve ocorrer outra grande crise nos próximos anos. O problema é quando. Na palestra eles falaram algumas vezes que a possibilidade é de 50%. É como jogar uma moeda para cima. A probabilidade de cair cara ou coroa é 50%. Dessa forma você não pode dizer que está prevendo nada. Já se fosse 90% ou 51% de possibilidade de crise, ai sim você está fazendo alguma previsão.

  40. Álvaro 26 de setembro de 2017 at 17:09 - Reply

    Caro Leandro. Peço lhe que reabra as inscrições do curso resistência, pois, perdi o prazo da inscrição e estou querendo muito ficar nesse curso. Se possível. Grato.

    • Leandro Ávila 26 de setembro de 2017 at 18:21 - Reply

      Oi Alvaro. Tem algumas pessoas que emitiram boleto e acabaram reservando a vaga, mas não pagaram o boleto por algum motivo. Estou pensando em liberar essas vagas. Cadastre seu e-mail através da página http://leandroavila.com/resistencia para ser avisado quando isso acontecer.

  41. Mara 26 de setembro de 2017 at 17:13 - Reply

    Os americanos criaram a Amway e a Herbalife. Eles adoram um sensacionalismo. Eu não gosto. Eu li os livros do Kyosaki e adorei, mas como já tinha uma base, soube isolar os conceitos que não se aplicavam aqui. Se ele não adaptou isso na palestra, foi realmente uma falha grave, pois os livros são ótimos, mas a gente sabe que é uma tradução.
    Por outro lado, se a pessoa vem até aqui, espera-se que venha sabendo onde vai.
    Fica uma dica para não perder dinheiro. Aproveite quando te tratam como você não é, pois isso pode te ensinar mais que muitos livros. E economizar muito em viagens.

  42. Pablo 26 de setembro de 2017 at 17:16 - Reply

    Olá Leandro!

    Também estive presente nos dois dias, mas não vou entrar no cerne da questão pois se asemelha à de muitos e também à sua, apesar de algumas discordâncias pela minha ótica.

    Compartilho com vocês uma matéria do UOL por Juliana Carpanazes, que através de um grupo no whatsapp( o qual faço parte) criado no dia do evento depois das rusgas já conhecidas, colheu informações e dados para a matária. E apresenta mais um ponto de vista:

    http://economia.uol.com.br/noticias/redacao/2017/09/26/palestra-com-autor-de-pai-rico-pai-pobre-tem-ofensa-a-plateia-e-vaias.htm

    Como disseram diversos outros leitores, também me senti lesado pela mesma forma, de terem oferecido algo maior, e o que foi visto apenas auto promoção e mais do mesmo(repetição do conteúdo do livro).

    Grande abraço, e também estava ansioso para ler seus comentários.

    Ah, um adendo: Faltou organização no refeitório, pois eram muitas pessoas, poucas mesas e foodtrucks.

    Pablo

    • Leandro Ávila 26 de setembro de 2017 at 18:27 - Reply

      Oi Pablo. Obrigado por compartilhar. Eu consegui almoçar no segundo dia na praça de alimentação que eles montaram. Para isso eu tive que sair alguns minutos antes do fim da palestra. Acho que realmente deve ser difícil montar uma estrutura para produzir alimentação para 5000 pessoas, todas nas mesas, no espaço de tempo curto da parada de almoço.

  43. Raphael Sobreira 26 de setembro de 2017 at 17:18 - Reply

    Boa tarde, Leandro e leitores!
    Fui ao NAC Brasil e voltei transformado! Agradeço ao Leandro pela indicação porque foi por aqui que soube do evento!
    Enquanto a imensa maioria das pessoas gastavam uma enorme energia reclamando do Kyiosaki, eu tentava ler as entrelinhas das “repetições” dele! Percebi que cada vez que ele aparentemente repetia o conteúdo, ficava mais claro em minha mente o seu recado! Mesmo com os meus conhecimentos superficiais de Contabilidade, acredito que consegui compreender o recado que ele quis passar!
    Tomara que tenham sido conclusões parecidas com as do Leandro!
    Em tempo, gostei muito da palestra do Kyiosaki apesar da sua deselegância em alguns momentos! Tentei não focar no ser humano mas apenas na mensagem que ele tentava passar!
    Bom estudo a todos!
    Obrigado por compartilhar sua opinião, Leandro!

    • Leandro Ávila 26 de setembro de 2017 at 18:29 - Reply

      Oi Raphael. Parabéns, eu também acredito que as pessoas perderam muita energia reclamando. Já que estamos no evento e não temos como mudar o que está acontecendo, era melhor tentar extrair o máximo, olhando a parte cheia do copo e não a parte vazia. Mesmo assim as pessoas são diferentes, algumas não estavam entendendo nada pois viviam em uma realidade diferente. Leitores do Clube dos Poupadores devem ter entendido melhor do que as pessoas que estavam tendo contato com aquela informação pela primeira vez. Tinha muita gente ali totalmente leiga.

  44. Carlos Casturino Bueno 26 de setembro de 2017 at 17:19 - Reply

    Eu nunca gostei desse Kyosaky desde quando li no seu livro que educação formal não tem valor.Depois que ele se associou a Donald Trump então se revelou, pelo menos para mim um verdadeiro charlatão.

    • Leandro Ávila 26 de setembro de 2017 at 18:32 - Reply

      Oi Carlos. A educação formal nos dias de hoje realmente tem pouco valor. Não era assim no passado, mas está ficando assim. O mais importante atualmente é a sua capacidade de aprender coisas novas. Tudo muda muito rápido e existem cursos superiores que estão totalmente desatualizados quando são concluídos. Com relação ao Trump, o próprio Kiyosaki no exemplo assumiu que o Trump costumava falar o que não devia, mas nas questões empresariais ele era bem-sucedido. Vejo que o fato da pessoa ser um empresário bem-sucedido não significa que será um bom político, da mesma forma que um bom político não será um bom escritor ou palestrante. Ser bom em uma coisa não significa que você será bom em outra.

  45. Nilson Correia 26 de setembro de 2017 at 17:45 - Reply

    Não fui e acho que não estava preparado para o evento mas lendo as postagens, o Leandro descreveu-o bem: o conteúdo da palestra não era para o público presente. Devo confessar que não tenho disciplina na leitura mas adquiri os livros do Leandro e quero agradecer pelos seus ensinamentos e humildade em compartilhar o que sabe. Continue assim! Forte abraço!

  46. Elen Angela Dutra 26 de setembro de 2017 at 17:56 - Reply

    Perfeita a sua análise, Leandro! Eu senti essa diferença de realidade, mas pensei que fosse impressão minha. Não consegui fazer uma análise clara como a sua. Muito obrigada por iniciar essa série de artigos! Algumas coisas que o Robert falou no evento podem ser perigosas se não forem compreendidas e forem aplicadas de maneira equivocada (como o lance de “amar as dívidas). Aguardo ansiosamente seus próximos artigos sobre o NAC!

    • Leandro Ávila 26 de setembro de 2017 at 18:35 - Reply

      Eu entendi perfeitamente a ideia de “amar as dívidas” e faz todo sentido para uma realidade bem específica. Não vale para todas as realidade e devo falar sobre isso depois.

  47. Renata 26 de setembro de 2017 at 18:27 - Reply

    Olá Leandro!
    Mais uma vez obrigada por seus ótimos artigos. Confesso que me senti aliviada ao lê-lo porque quando você anunciou aqui esse evento eu fiquei com água na boca, mas já tinha me inscrito no curso do Paulo Vieira que acontecerá no Rio de Janeiro neste próximo fim de semana e resolvi aguardar. Concordo com você quando diz que no Brasil nós temos excelentes Educadores Financeiros e que conhecem realmente a nossa realidade, e um deles é você, e que nós não precisamos que pessoas de fora venham nos falar o que devemos fazer ou não. É melhor contarem as suas experiências e cada um de nós cheguemos as nossas próprias conclusões. Fico pasma sobre o Robert, pois será que não foi informado o tipo de público que ele teria? Muito estranho. Mas te agradeço imensamente por todas as informações. Ainda não comprei os seus livros mas estão na minha lista desse ano ainda. Até a próxima.

  48. Rogério Caetano 26 de setembro de 2017 at 18:42 - Reply

    Boa Tarde Leandro e amigos,
    Como é interessante a mesma mensagem ser passada para todos e cada um obter uma reação, sentimento e entendimento diferente.
    Para mim o evento foi grandioso, transformador, motivacional e fez-me pensar em sempre ser um eterno aprendiz.
    Aproveitar a melhor informação de cada um segundo a sua realidade, também foi um desafio e aprendizagem. Meus pontos mais críticos foram das ofensas proferidas pelo Kiyosaki sobre a compra do curso (talvez seja uma “piada” ou “etilo de comunicação” comum nos EUA) e o enorme tempo gasto para a venda de cursos extras (principalmente do Peng).
    Saí de lá com vários insights de negócios e muito motivado em aprender mais. Inclusive comprei tambem seu livro negro sobre imóveis.
    Paulo Vieira e o Sam empolgaram muito mais. Venderam suas imagens muito melhor que os outros palestrantes. Criaram empatia com o publico.
    Fechei o curso com o Sandy Jadeja mesmo tendo uma base fundamentalista para o mercado financeiro. Acredito que quem usa a escola da analise técnica não seja assim um simples “romper” de uma linha verde, precisa-se de um conhecimento muito mais apurado e mercadológico para entrar e sair de uma operação. Obviamente a abordagem que ele utilizou pode não ter ficado muito claro dependendo do nivel de conhecimento de cada um presente.
    Eu decidi utilizar e focar nas coisas muito positivas segundo a minha realidade.
    Obs: Ao fim do evento parabenizei o Sam e disse a ele que eu e meu irmao tomamos o conhecimento do evento através de seu canal de educação financeira. Realmente seria uma oportunidade muito interessante vê-lo num evento futuro como aquele.
    Forte abraço, sucesso a todos e Kaizen

    • Leandro Ávila 26 de setembro de 2017 at 18:49 - Reply

      Oi Rogério. Pois é, não é só o rompimento da linha verde. É bem mais que isso. Se possível, depois que terminar o curso do Sandy Jadeja envie um email para mim falando sobre o que você achou do curso.

      • Rogério Caetano 26 de setembro de 2017 at 19:21 - Reply

        Com certeza e será um prazer. Serão 2 dias em SP (27 e 28Jan) e outros dois dias fora com acompanhamento do desempenho do grupo por um ano. Após os 4 dias, comunico-lhe se considero o negócio como Investimento ou como Despesa.
        Abraços!

  49. Fábio Bastos 26 de setembro de 2017 at 18:43 - Reply

    Leandro, até pensei em ir ao evento, mas sinceramente pensei.pensei…..pensei, afinal temos ótimos educadores financeiros aqui no Brasil e logicamente você está na lista dos melhores para mim. Desisti, pois se tiver que investir meu tempo e dinheiro, irei investir em quem quer levar o Brasil para outros níveis, continuarei a ler publicações estrangeiras, mas principalmente as brasileiras que estão melhorando cada vez mais. Parabéns pelas observações.

  50. Adauto 26 de setembro de 2017 at 19:04 - Reply

    Boa noite Leandro, acabo de ler uma reportagem do UOL explicando a tragédia que foi essa palestra.
    Kiyosaki cobrou 2.647 por esta palestra e ofereceu outra palestra por 6,997 para dar maiores informações sobre investimentos.
    Muitas pessoas ja pediramo ressarcimento do dinheiro
    Sem contar que segundo a reportagem ele disse ‘Fuck you’ para quem não tinham 6.997 para comprar a outra palestra .
    Se tivessem chamado um outro ‘palestrante’ de nome Leandro Ávila teriam tido 100% de aprovação e todos sairiam contentes com o enorme aprendizado que iriam adquirir.

    • Leandro Ávila 26 de setembro de 2017 at 20:11 - Reply

      Oi Adauto, eu não sou palestrante. Não sei se saberia transmitir conhecimento através de palestras, mas eu sei respeitar as pessoas. As pessoas que estavam ali mereciam respeito. Mesmo aqueles que estavam reclamando deveriam ser respeitados. Eram pessoas que não entenderam o conteúdo que ele apresentou e não queriam ou não podiam pagar o que ele cobrou para detalhar o ensinamento. Não vejo qual é a vantagem de ser desrespeitoso, não sei onde é possível ganhar com isso. Para mim é uma demonstração de fraqueza, fragilidade, falta de autocontrole e maturidade. Foi uma grande lição sobre a diferença de ser rico por fora e pobre por dentro. Pai rico ensino ele a ganhar dinheiro e pai pobre falhou ao ensinar que as pessoas merecem respeito.

    • Fábio Bastos 27 de setembro de 2017 at 8:38 - Reply

      Dizem que o “cara do porquinho verde”, é muito bom………..rs essa expressão criei agora, mas de qualquer forma, como escuto vários educadores financeiros, todos eles elogiam bastante o Clube dos Poupadores……vamos fechar o Maracanã….rs

  51. Alexandre Cassiano Alves 26 de setembro de 2017 at 19:09 - Reply

    Olá Leandro, estava no NAC também e sabe quem mais me impactou? Claro, Robert Kiyosaki. Não é à toa que seu primeiro POST sobre o evento foi mencionando o Robert, e não é à toa que os seguidores do Clube dos Poupadores te enviaram muitos e-mails sobre o mesmo assunto.

    Concordo com você sobre a questão dele não ser um bom palestrante, não achei legal mesmo algumas atitudes dele com a platéia. MAS, vejamos pelo lado positivo, minha opinião é que ele não estava ali como um palestrante e sim como um PROFESSOR. Um professor duro que passou um mensagem para todos ali, SE QUISEREM FICAR RICOS PRIMEIRO PRECISAM MUDAR A MENTALIDADE. Para mim foi essa a mensagem que todos os palestrantes passaram, mas o Robert bateu duro nisso e incomodou muita gente mesmo, inclusive eu. Creio que se ele não fosse tão duro quanto foi a mensagem não teria o mesmo efeito.

    Pessoalmente, não consigo parar de pensar no que o Robert Kiyosaki nos passou, de forma dura sim, e agradeço muito isso. Ele me impactou profundamente e creio / espero que tenha conseguido fazer isso com muitos participantes do evento.

    Bom, obrigado por compartilhar sua opinião conosco.

    • Leandro Ávila 26 de setembro de 2017 at 20:52 - Reply

      Oi Alexandre, eu já sabia que aquele era o estilo do Kiyosaki, mas muitos que estavam lá não entendiam o que ele estava falando e por este motivo começaram a se irritar. Existe uma diferença entre não entender e discordar. As pessoas nem puderam discordar, pois em alguns pontos as questões foram tratadas com tanta superficialidade que seria impossível dar alguma opinião. As pessoas irritadas estavam confusas. Você lembra que ele parava tudo e pedia para as pessoas discutirem? O tempo que ele gastou pedindo para as pessoas discutirem entre elas sobre algo que não entenderam poderia ter sido usado para dar exemplos e ser mais didático. As pessoas que estavam do meu lado perguntavam…. “moço, você entendeu o que ele disse” Aquelas pessoas que estavam do meu lado entenderam, pois fui paciente para explicar em apenas 1 ou 2 minutos que ele dava. O que eu disse para elas ele mesmo poderia ter dito. Eu senti uma grande frustração ao ver tantos rostos de dúvida e confusão.

  52. Bruno 26 de setembro de 2017 at 19:17 - Reply

    Boa tarde Leandro! Acompanho seu site ha uns 3 anos quando comecei a aprender sobre investimentos. Na época, alem de ler por aqui, procurava na internet e li alguns ebooks básicos que me ajudaram. Com o tempo, fui adquirindo novos cursos e me alinhando a alguns autores que gosto muito até hoje (voce, Eduardinho do Carteira Rica, Daniel Nigri do Dica de Hj, Andre Bona Blog valor, Thiago Lacerda, Eduardo Cavalcante entre outros.

    No inicio, sempre falavam do tal Pai Rico Pai Pobre. Adquiri o livro que vinha com cases americanos, e sinceramente, depois que li achei um livro recheado de frases efeitos, obviedades e coisas que não se aplicavam/explicavam, apesar de alguns poucos conceitos bons. O cases americanos são uma perda de tempo. Porem, naquela altura, achei que minha ignorância é que fazia a leitura tão enfadonha.

    Mas passando o tempo, e aprendendo, lendo outros autores, blogs etc, vi que aquela sensação que tive com o best seller apenas se concretizava, mas dentro do que gosto/entendo desse mundo. Não vou dizer que a leitura não seja recomendada, mas para mim, os autores brasileiros podem oferecer conteúdo igual ou melhor que os gurus importados. Abraços

    • Leandro Ávila 26 de setembro de 2017 at 20:55 - Reply

      Oi Bruno. Existem muitos conceitos utilizados pelos educadores financeiros graças ao livro que ele publicou em 1997. Não conheço educador financeiro que não tenha sido influenciado por ele. A minha própria independência financeira foi influenciada pelo conteúdo do livro dele.

  53. cristiano 26 de setembro de 2017 at 19:55 - Reply

    Boa noite Leandro A mais de dois anos acompanho seu trabalho e aprendi muito sobre educação financeira, tenho muito que apreender
    hoje já virou rotina na minha vida estudar sobre esse assunto.e influencio muita gente para seguir o mesmo caminho. Falando sobre o palestrante Robert kiyosaki . o que ele falou e mesmo alerta que grandes economistas estão alertando ,para o grande colapso(bolsa america,criptomoedas). quais livros e sites que você indicaria para comprar ouro ou prata para uma possível catástrofe.

    • Leandro Ávila 26 de setembro de 2017 at 20:59 - Reply

      Oi Cristiano, vou recomendar algumas coisas nos próximos artigos.

  54. Mauricio 26 de setembro de 2017 at 20:01 - Reply

    Já tinha lido alguns livros do Kiyosaki e não é de surpreender que tenha havido esse distanciamento entre a realidade dele e da plateia. Nos próprios livros já se percebe algum distanciamento com a realidade brasileira, mas mesmo assim o conteúdo deles no geral é muito proveitoso a todos.

  55. Leandro Ávila 26 de setembro de 2017 at 20:52 - Reply

    Oi Marco, na verdade ele é americano.

  56. César Filho 26 de setembro de 2017 at 21:07 - Reply

    Boa noite Leandro,

    Também tive o privilégio de estar no NAC Brasil, e para mim o evento (como um todo) foi grandioso. Porém, confesso que fiquei decepcionado com o Kiyosaki, esperava muito mais dele. Inclusive, embora não tenha sido o único, ele foi um dos motivos que eu participei do evento, estava muito interessado no que ele podia falar.

    Quanto aos demais, gostei bastante e em especial os palestrantes brasileiros, que pra mim foram os melhores.

    Pena que você não tem intenção de ser palestrante, adoraria assistir uma palestra sua.

    Forte abraço!

    • Leandro Ávila 27 de setembro de 2017 at 6:10 - Reply

      Oi César. Naquela plateia tinha 5 mil pessoas. Quando escrevo um artigo como esse ele atinge mais de 50 mil pessoas logo nas primeiras horas de publicação. No final de 12 meses todos os artigos do site afetam a vida de mais de 2,5 milhões de pessoas diferentes. Se o meu objetivo é atingir o máximo de pessoas, não faria sentido investir tempo e energia em palestras presenciais.

  57. Edson Magalhães 26 de setembro de 2017 at 21:22 - Reply

    A unica coisa que presta nos livros do Kyosaki é o conceito de ATIVO – entendido como algo que GERA RIQUEZA – e PASSIVO – algo que gera despesas.

    A partir desse ponto pude me reposicionar em relação às minhas decisões de consumo, investimento, etc.

    O resto é PURA BALELA, FANTASIA e mentiras dos mais variados calibres. Entra numa furada dessa quem quer.

    O resultado: o “Pai Rico” sai com uma grana no bolso e os “Filhos Pobres” ficam mais pobres porque poderiam ter usado seu tempo e dinheiro para algo mais útil.

    • Leandro Ávila 27 de setembro de 2017 at 6:07 - Reply

      Oi Edson, eu não penso dessa forma. O que existe é muita coisa fora da realidade do pequeno investidor, mas que seria interessante que o pequeno entendesse até para que um dia possa deixar de ser pequeno.

  58. luis 26 de setembro de 2017 at 21:23 - Reply

    Olá Leandro, nem preciso dizer que sou seu admirador, mas em relação a esse evento o que estou percebendo pela mídia e pelos comentários de quem participou (não todos) pude constatar duas coisas:
    1-muitos deveriam ler o conto “O Rei está nu”,
    2-se a pessoa quer apenas participar de um “evento grandioso”, ele pode participar de um culto no Templo de Salomão ,em São Paulo.

    Aguardando seus próximos posts

    Abraço

    Luis

    • Leandro Ávila 27 de setembro de 2017 at 6:06 - Reply

      Oi Luis. As pessoas que estavam no evento tem uma mentalidade diferente. Eu conheci várias pessoas interessantes lá com os mesmos propósitos. Se você for no templo de salomão vai encontrar pessoas diferentes, se for no estádio de futebol vai encontrar outro tipo de gente e assim por diante.

  59. Rodrigo 26 de setembro de 2017 at 21:37 - Reply

    Boa noite, Leandro!
    Como vários já disseram, também estive no evento. Mas como poucos, consegui te conhecer pessoalmente! Foi um grande prazer!
    Sobre a palestra do Kiyosaki, algumas coisas me deixaram bem curioso:
    a) Sobre a estabilidade do franco suíço. Quais análises devem ser feitas pra chegar a essa conclusão?
    b) Comprar ouro e prata em forma de moedas. Então ele não compra em barras?
    c) Não comprar diamantes. Isso não foi traduzido, mas entendi quando ele disse. Mas por qual motivo? Valem muito mais do que ouro! Será que é um mercado perigoso? Ou seria desumano? Um participante ao meu lado ponderou que investir em diamantes poderia ser um incentivo à exploração humana em garimpos africanos… os tais “diamantes de sangue”.
    Sobre a pessoa do Kiyosaki, fiquei decepcionado quando ele enrolou no sábado à tarde anunciando seu Master Class na terça-feira. Porém, no domingo, acho que entendi. Ele foi muito coerente! Deselegante, mas inacreditavelmente coerente.
    Claro que eu não aprovei a grosseria, mas agora já relevei. Só depois do evento percebi a mensagem subliminar contida no seu comportamento. Vejamos: esse cara teve um pai pobre PhD; um pai rico sem educação fundamental; transformou-se num “mariner” casca grossa; lutou na Guerra do Vietnã matando pessoas tão humanas quanto ele; batia metas de vendas como ninguém e… por nenhuma obra do acaso, criou um império imobiliário com muitos erros, acertos, sufocos, conhecimento e ousadia, literalmente criando dinheiro do nada. Olha… pra um japonês disciplinado, sequelado e multimilionário de 70 anos, deve ser muito difícil viajar tamanha distância e tolerar uma plateia de iniciantes vaiando conceitos que não entendem por ignorância própria. Esse cara se fez praticamente sozinho e acumulou U$ 50 milhões em ouro! Ele realmente não precisa de mais U$ 1.650 da mentoria. Cobrar R$ 6.997,00 por um dia de mentoria deve ser uma forma de filtrar as pessoas que estão na mesma “vibe” (aquelas que ainda estão receptivas ao desenvolvimento da inteligência financeira que a escola asfixiou) ou mantê-las receptivas por causa do valor investido.
    Posso estar enganado, mas tenho a sensação de que a mentoria do Kiyosaki valeria o preço. Quase me arrependo de não ter feito. Fiquei muito impressionado com a simplicidade da estratégia de comprar imóveis fazendo dívidas… porque funciona brilhantemente! Fazer o que ele fez ainda não é pra mim, mas acredito que seja por falta de conhecimento contábil e legal pra administrar o risco do negócio.
    Aliás, na sessão reservada de Perguntas e Respostas que teve no domingo à noite, depois de todas as palestras, ele pediu desculpas pela grosseria. Reiterou que as pessoas que se irritaram não estavam preparadas pra entender os conceitos necessários. Mais uma vez, coerente com seu livro escrito há 20 anos.
    Gente, perdoem o Kiyosaki! rsrs… seremos todos mais felizes.

    • Leandro Ávila 27 de setembro de 2017 at 6:04 - Reply

      Oi Rodrigo, foi um prazer te conhecer também. Ótimas perguntas. Vou explorar elas nos próximos artigos. Sobre os diamantes ainda preciso pesquisar mais. O ouro tem a vantagem de poder ser fracionado com muita facilidade. Você pode transformar 100 gramas de ouro em 100 pequenas frações de 1 grama de ouro. Também tenho a percepção de que o ouro tem mais liquidez, é mais fácil encontrar um banco ou uma instituição disposta a comprar seu ouro. Como você mesmo disse, o Kiyosaki é um senhor de 70 anos, multimilionário, casca grossa, que deve ter sofrido seus traumas de guerra. Ele não tem mais tanto tempo para gastar a fortuna que acumulou e mesmo assim gasta esse tempo viajando pelo mundo nesses eventos. Acredito que a maioria de nós não faria isso se fosse milionário como ele com 70 anos de idade. Mesmo assim, com 70 anos, já deveria ter aprendido mais sobre controle emocional. Seria ótimo para a carreira dele. Creio que a irritação dele e os palavrões foi o que mais irritou as pessoas.

    • Marceline 28 de setembro de 2017 at 7:44 - Reply

      Eu achava que diamantes podiam ser fabricados com maior pureza em laboratórios, pois ele só é carbono + pressão + temperatura alta. Daí o valor dele poderia inflacionar como o dinheiro controlado pelo governo, que só precisa imprimir mais e jogar no mercado, diferente do ouro, que não tem a fórmula para sua fabricação.

  60. Marcelo 26 de setembro de 2017 at 21:51 - Reply

    Boa noite, Leandro. É sempre muito prazeroso ler seus artigos. Parabéns!

  61. João Miguel 26 de setembro de 2017 at 23:41 - Reply

    Essa aula em forma de artigo foi mais enriquecedora do que muita palestra por aí. Obrigado. Abs!

  62. N. Cunha 27 de setembro de 2017 at 7:25 - Reply

    Leandro,
    Não costumo comentar, mas aqui vai. Já sigo você à 2(ou três?) anos e posso dizer, sem margem para dúvidas, que o Leandro é o melhor educador financeiro que conheço. Comecei a interessar-me com educação financeira precisamente quando li o livro do Sr. Kiyosaki em 2013 e desde então tenho devorado toda a informação que posso. Realmente o livro foi para mim um divisor de águas, mas percebi que a realidade de que ele fala (americana) não é a mesma que eu tenho (portuguesa).
    Ainda assim, sinto-me agradecida por ter tomado consciência da minha imaturidade financeira com o livro desse escritor (com falhas graves de educação, como pude perceber pelos comentários). Também a realidade brasileira é diferente da portuguesa. Contudo não deixo de ler religiosamente todas as suas postagens nos seus dois sites. Aprendi mais aqui em dois ou três anos do que em quase quarenta de vida…! Temos sempre de saber adaptar aquilo que ouvimos/lemos à nossa realidade – o que o Leandro aliás sempre diz. Muito mais necessário se torna «filtrar» informações de índole financeira, relativas a países diferentes. Creio que é impensável para um brasileiro comprar um apartamento com recurso a crédito bancário (de 1,75% por ANO) em que o aluguel paga – com muita sobra! – a prestação e todas as despesas bancárias… ou ter um outro empréstimo para habitação própria por 0,4% por ANO (percentagem que actualmente os bancos já não dão), mas foi o que é esta a minha realidade. Talvez seja por isso que o R. Kiyosaki diga que gosta de dívidas, e eu também o posso dizer -aqui. Mas é impensável dize-lo no país com a maior taxa de juros do Mundo e sem explicar os motivos… Dívidas nunca são boas, a não ser em situações muito específicas e controladas. Melhor seria ter explicado bem isso aos presentes na conferência – que ganham muito mais dando dinheiro aos bancos em troca de juros (que aí são bem altos) do que tirando dinheiro deles para passar o resto da vida «enforcado» em dívida.
    Leandro, muito obrigado pelos seus ensinamentos. Já transformaram a minha vida e de quem me cerca. Não fui à conferência do renomado escritor. Mas a uma sua eu ponderava ir sim. Parabéns!

    • Leandro Ávila 27 de setembro de 2017 at 7:45 - Reply

      Oi Cunha. Obrigado por deixar seu comentário com sua visão internacional da questão. O Brasil ainda é o país com uma das maiores taxas de juros reais (acima da inflação) do mundo. A taxa básica de juros nos EUA é 1.25% nesse momento e a inflação é 1.90%. Pelo que pude observar aqui a taxa básica em Portugal é 0.00% e a inflação 1.10%. No Brasil a taxa básica está 8.25% e a inflação 2.46%. São realidades totalmente diferentes. No exterior você consegue dinheiro muito barato para empreender.

  63. André Severiano 27 de setembro de 2017 at 8:03 - Reply

    Que o Kyiosaki é samba de uma nota só já está claro no livro Pai Rico, Pai Pobre, pois a partir desse ele se deu a escrever uma série que é mais do mesmo. Também em sua primeira obra já fica clara a distância com a realidade brasileira. Se há algo proveitoso na mensagem do autor é o quadrante da riqueza e nada além disso (pelo menos para mim).

    Excelente análise, Leandro!

  64. José 27 de setembro de 2017 at 8:03 - Reply

    Esse link também emite algumas opiniões sobre o Kiosaki.
    https://thecollegeinvestor.com/4726/ultimate-hypocrite-robert-kiyosaki-companys-bankruptcy/
    Temos que pesquisar antes de endeusar as pessoas,

    • Leandro Ávila 27 de setembro de 2017 at 9:13 - Reply

      Olá José. A falir negócios é comum na história de grandes empresários. Sempre que você observa a história de vida de algum empresário de sucesso verá que quase sempre eles faliram 1 ou mais de uma vez. Normalmente não falir significa que você arriscou pouco, ficou acomodado. Inclusive uma recomendação que sempre fazem é de arriscar. Dizem que o sucesso depende da sua capacidade de se levantar de uma queda e não de cair.

  65. Robson Cubo 27 de setembro de 2017 at 11:37 - Reply

    Muita gente está sendo levada a torrar R$5.000 ou mais para assistir essas mega-palestras-shows, que encantam pela produção do mesmo nível de grandes espetáculos internacionais, mas assim como qualquer palestra, o efeito motivacional dura poucos dias e não é suficiente para gerar resultados melhores em nossa vida pessoal e profissional.

    Eu mesmo já fui a alguns desses eventos e sinceramente: agregou muito pouco ao que eu já conhecia sobre o tema lendo o livro do palestrante.

    Resultados consistentes e mensuráveis são fruto de mudanças de atitudes, planejamento, ações assertivas e isso raramente pode ser feito em poucas horas. O processo de reprogramação de nossos hábitos financeiros, pessoais ou profissionais exige muito esforço diário durante longos períodos.

    • Leandro Ávila 27 de setembro de 2017 at 20:45 - Reply

      Oi Robson. Isso depende de cada pessoa. Eu já fui impactado positivamente até em palestras gravadas em DVD. Já fui impactado por eventos presenciais que já participei. Agora, é uma verdade que existem palestrantes que são medíocres. Isso não significa que todos são assim.

  66. André A 27 de setembro de 2017 at 11:48 - Reply

    Leandro, por indicação sua, conheci o P. Vieira e o método criação da riqueza. O evento do CR foi um divisor de água. Por isso, fiquei muito interessado em ir. Sabia que com toda a bagagem que adquiri iria ficar muito feliz em “carregar” as baterias com boas vibrações e energia para continuar na nossa caminhada solitária de crescimento pessoal, profissional e financeira. Por morar longe(manaus), o valor e as passagens deixaram o curso em um valor muito alto, além de não ter a certeza da liberação por parte do trabalho. Preferi deixar para outra oportunidade, mas fiquei acompanhando no Resistência o envolvimento de todos. Sinto-me triste pela decepção de alguns, sei que nessas palestras sempre há o momento de vendas de mais cursos, mas pelo jeito foi abusivo.
    Em relação a você ser palestrante, acredito que você não iria ser feliz, afinal o peixe que quer subir na árvore vai passar a vida toda achando que é idiota. Claro que com muito estudo você se tornaria um bom palestrante, mas é difícil chegar no nível de um Paulo Vieira e outras fora das curvas. Acredito que como você falou nos comentários, você impacta bastante gente por meio de seus artigos e sites, não precisando se dedicar horas da sua vida para adquirir esse qualidade.
    Mas se você for realizar um dia, pode botar meu nome. rsrsrs

    Abraços.

    • Leandro Ávila 27 de setembro de 2017 at 20:42 - Reply

      Oi André. Acredito que até a minha falecida vó seria capaz de apresentar uma palestra melhor que a do Kiyosaki. Eu só precisaria ensinar para ela a desenhar uma cruz com as letras E, S, B e I. Depois orientaria ela a repetir umas 5 frases decoradas inúmeras vezes. Ela apresentaria o mesmo conteúdo e ainda seria mais simpática e agradável com as pessoas.

  67. Leonardo Sant'Ana Bittencourt da Silva 27 de setembro de 2017 at 15:31 - Reply

    Então Leandro, Você acredita num possível outro evento com um educação financeira(de base, e emocional também) aqui no País de mesma proporção que esse, e um outro evento com Kiyosaki de forma mais construtiva do que foi essa?

    Agradeço desde já por tudo, e pelos ensinamentos pautados numa sensatez impecável.

    • Leandro Ávila 27 de setembro de 2017 at 20:39 - Reply

      Oi Leonardo. Não sei dizer, mas se acontecer e o palestrante principal for o Kiyosaki não irei recomendar. Ele só aprendeu a educação financeira. Faltou os outros tipos de educação para se tornar um bom palestrante e educador.

  68. Heberton Oliveira 27 de setembro de 2017 at 15:48 - Reply

    Leandro, primeiramente gostaria de deixar aqui meu agradecimento e reconhecimento a você, pelo excelente trabalho que você faz como educador financeiro. A qualidade e profundidade com que você expõe cada assunto, sempre fundamentando os conceitos e fazendo diversas referências, mesmo em posts gratuitos, simplesmente não tem paralelo. Há aproximadamente 4 anos atrás, mais precisamente em novembro de 2013, adquiri o ‘Livro Negro dos Imóveis’, de sua autoria. Eu estava na época com 5 anos de casado e minha filha mais velha tinha pouco mais de 1 ano de idade. O livro acabou não me ajudando muito na compra de imóveis. Não comprei nenhum (o que acredito ter sido uma das decisões mais acertadas da minha vida). Mas comprar o livro me fez conhecer o seu trabalho, e me trouxe ao Clube dos Poupadores, que simplesmente abriu minha mente para o mundo das finanças. E isso mudou minha forma de pensar e de lidar com o dinheiro. Recomendo este projeto a todos, sempre que tenho oportunidade. Parabéns!
    Quanto ao post, sempre muito feliz na forma de expor sua opinião. Acho mesmo é que os idealizadores do evento esqueceram de chamar um dos melhores e mais influentes educadores financeiros do País! 😉
    Quem sabe no próximo NAC? rss

    Grande abraço e que Deus te abençoe sempre nesta sua importante missão!

    • Leandro Ávila 27 de setembro de 2017 at 20:37 - Reply

      Oi Heberton. Eu não sou palestrante, mas existem ótimos palestrantes no Brasil. Seria interessante se existisse um evento daquele porte voltado para a educação financeira e o empreendedorismo.

  69. Viviane Matos 27 de setembro de 2017 at 16:34 - Reply

    Leandro, obrigada pelo excelente conteúdo.

    Fale um pouco mais sobre a simplicidade da estratégia de comprar imóveis fazendo dívidas….

    Abraços,

  70. Franco 27 de setembro de 2017 at 20:03 - Reply

    Leandro, sera que voce não tem a minima coragem de responder – ou ate publicar – um comentário critico?

    • Leandro Ávila 27 de setembro de 2017 at 20:33 - Reply

      Oi Franco, eu não respondi por não conseguir entender o seu comentário. Aqui nesse espaço somente os comentários que eu consigo ler, entender e responder são publicados. Se preferir faça uso do formulário de contato e tente ser mais claro.

  71. Deyse Medeiros 27 de setembro de 2017 at 20:11 - Reply

    Excelente texto. Brilhante ponderação e construção que vc soube fazer com as “pedras” que foram atiradas de um lado pro outro na palestra do Kiyosaki.

  72. Luiz Henrique Viana 28 de setembro de 2017 at 8:54 - Reply

    Estive no NAC e também escolho estar no evento especial com ele, Master Class.
    Concordo com o comentários sobre transmissão de conteúdo versus expectativa do público nos eventos.
    Qualquer avaliação que façamos está correta, pois está baseada em nossa visão de mundo atual.

    O que me impressionou é o quanto não sabemos e portanto ter um sentimento de gratidão pelo menor aprendizado que foi gerado, buscar a melhoria contínua para termos mais capacidade e consequentemente a grandeza de fazer algo para ajudar pessoas que querem mudança. Há muito que fazer!!!

    • Leandro Ávila 1 de outubro de 2017 at 18:26 - Reply

      Oi Luiz, parabéns. Devemos sempre buscar mais conhecimentos. O resultado que temos em qualquer área da vida tem como base os conhecimentos que já temos e aqueles que estão faltando.

  73. tiago torres 28 de setembro de 2017 at 10:03 - Reply

    Olá Leandro,
    Acho os seus artigos e postura sensacionais. Comecei a consumir seu conteudo gratuito e depois fiz questao de pagar pois me agrega muito valor. Adorei a forma com que falou do evento, nao precisa agredir ninguem para fazer uma critica, isso sim é inteligencia emocional. Depois que vi o video do Sam fui procurar mais conteudo sobre ele e tenho mais um canal de conteudo de alto nivel. Muito obrigado, voce é um cara que admiro e faz diferença na vida das pessoas! Abraco

  74. CARLOS JOSE PERUFFO 28 de setembro de 2017 at 10:20 - Reply

    Parabéns Leandro pelo teu esforço em tentar trazer um pouco de educação financeira para este pobre Brasil onde a grande maioria é totalmente analfabeta nesta área. As pessoas se sujeitam a pagar juros para comprar supérfluos e, impensável, fazer dívidas até no cartão de crédito. Ninguém entende o conceito de juros e simplesmente querem ter o bem a qualquer custo.
    Entendo que a educação financeira começa na mais tenra idade. Estava eu num shopping em companhia do meu neto de 3 anos. Repentinamente sou arrastado para dentro de uma loja de brinquedos e meu neto, eufórico, abraça uma caixa de brinquedo. A primeira reação do vovô babão foi puxar o cartão de crédito e comprar. No entanto, mostrei ao neto o valor do brinquedo, que precisava de dinheiro para comprá-lo e que ele já havia ganho presentes no seu aniversário. Meu neto entendeu e saímos da loja de mãos dadas e meu coração estraçalhado.
    Sobre a palestra do Kiyosaki, creio que a grande maioria esperava fórmulas mágicas e infalíveis para ganhar dinheiro. Num mundo imprevisível como o nosso, creio que a diversificação seja o melhor negócio. Para aqueles que já atingiram uma independência financeira, nada melhor que investir no maior patrimônio que uma pessoa pode possuir. Sua saúde.

    • Leandro Ávila 1 de outubro de 2017 at 18:25 - Reply

      Oi Carlos. Realmente alguns ali queriam uma fórmula mágica, rápida e fácil. Parabéns por mostrar para o seu neto que as coisas não são fáceis.

  75. Geovane Paulo Hoelscher 28 de setembro de 2017 at 11:34 - Reply

    Aqui no Clube dos Poupadores têm uma pessoa extremamente preparada para dar palestras de educação financeira para nós, brasileiros. Tenho certeza que seria um dos melhores (entre tantos bons) aqui do nosso país.

    Obrigado, Leandro!

    • Leandro Ávila 1 de outubro de 2017 at 18:23 - Reply

      Oi Geovane. Saber escrever sobre educação financeira não significa saber palestrar.

  76. Carlos Casturino Bueno 28 de setembro de 2017 at 12:58 - Reply

    Desde o primeiro livro desse americano eu já desconfiei e não concordei com ele:estudar não vale a pena, não fica rico, não ganha dinheiro.Se todo mundo pensasse assim de onde viriam os médicos, engenheiros, professores etc. O mundo retrocederia.Pra mim é mais um charlatão que sempre aparece com idéias esdrúxulas e que ficam rico às custas dos incautos.Tenho o livro dele mas me arrependi de tê-lo comprado.Devia ter folheado e largado na livraria mesmo.Vão aparecer outros com idéias mais estapafúrdias é só esperar.

    • Leandro Ávila 1 de outubro de 2017 at 18:22 - Reply

      Oi Carlos. O que ele diz é o seguinte… se o seu objetivo é ser rico, a educação formal, essa que você recebe na universidade, não vai oferecer o conhecimento que você precisa para aprender a lidar com o dinheiro, não vai te entregar inteligência financeira, não vai ensinar você a fazer negócios e prosperar. Ele fala que esse tipo de conhecimento você deve buscar por conta própria. É comum encontrar grandes empresários que não possuem ensino superior, mas que contratam os melhores profissionais formados nas melhores universidades. Esse é o sentido do que ele prega.

  77. Felipe 28 de setembro de 2017 at 16:10 - Reply

    Acompanho o seu trabalho Leandro há alguns anos e é a primeira vez em todo esse tempo que suas palavras não tiveram ressonância dentro da minha cabeça. Em pequenos pontos concordo com sua opinião sobre o evento, mas no geral estou mais em outro grupo de pessoas, especificamente aquelas que acharam o congresso uma farsa, mas que irão focar no aprendizado de ter errado ao ir até lá. Meus pontos de vista são estes:
    1. O evento prometia dois dias de imersão aprendendo estratégias de sucesso em finanças, negócios e desenvolvimento pessoal apresentadas por autoridades nesses temas. Posso afirmar com muita convicção que se 30% do tempo em que estivemos lá foi utilizado para isso já seria dizer demais. A grande maioria do tempo foi consumida pelo estilo de “ritual” do evento e pelo marketing falso, apelativo e emocional para desovar outros cursos, o que desvirtuou o propósito do congresso.
    2. Achei um absurdo ir em um congresso pago e observar que tudo o que os palestrantes falavam era para ao final do discurso te conduzir à aquisição de outros produtos digitais (que devem ser tão vazios quanto o congresso). A sensação real foi de extorsão, pois quem estava lá era para consumir algo que já havia comprado, ou seja, uma palestra com lições e dicas não óbvias, histórias e cases de sucesso dentro dos temas abordados, e não para ser trabalhado no funil de vendas que estava estampado no telão do evento. Esse pessoal fez o marketing da Empiricus parecer um negócio de criança, eles tiveram a ousadia de colocar até cronômetro no telão para as pessoas literalmente correrem para os guichês de vendas sob pena de perder os cursos a preços “promocionais”.
    3. Outro ponto negativo é o estilo musical, emocional, de autoajuda. Uma coisa é inspirar através de uma história de vida bonita e com lições de sucesso, outra coisa completamente diferente é pedir para as pessoas pularem e gritarem como se estivessem participando de uma seita dizendo frases como “Quem aqui quer mais dinheiro e sucesso? ” e com essa pergunta conduzirem 5000 pessoas a baterem no peito e gritarem “eu posso”, “eu quero” e coisas do gênero. Não sou contra trabalhar a emoção para motivar pessoas, mas aquilo que vimos foi parte da estratégia para conduzir pessoas com problemas emocionais, dificuldades financeiras e com baixa instrução a comprarem seus cursos depois como forma de solucionar todos os seus problemas.
    4. Sobre o Kiyosaki, eu já li os 4 principais livros dele e achei que a palestra apenas reforçou o que ele já disse nos livros. Acredito que houve sinceridade da parte dele e para mim fazem sentido. Continuo achando leitura obrigatória para quem quer se educar financeiramente. Quem se dedica aos estudos de economia e finanças vai entender o que ele está dizendo sobre o problema da impressão de moeda e porque poupadores de dinheiro são “loosers”. Ele foi muito ruim como palestrante, mal-educado e acho que talvez haja uma mensagem implícita na parte dele que vai doer para muitas pessoas, que seria algo como “faça o que for preciso para vender”. Por exemplo como o próprio evento NAC e todos os seus palestrantes estavam fazendo e muitos na plateia estavam sedentos por fazer e entrar nessa festa do dinheiro fácil sem geração real de valor. Percebi que a maioria da plateia fazia parte de sistemas de vendas multi-nível, onde a linha é muito tênue entre modelos com produtos/serviços reais e esquemas fraudulentos do tipo Ponzi (pirâmides financeiras). E acho que é aí onde mora o problema de muita gente, muitos de nós ainda têm algumas barreiras morais para vender serviços a qualquer custo e isso nos torna mais propensos a arrumar um emprego. Mas a mensagem do Kiyosaki é clara e está estampada: ou você é caça ou é caçador, escolha um lado. Esse aspecto dele eu não conhecia pelos livros e acho que ficou bem evidente agora e talvez sirva de inspiração para as pessoas repensarem se vale a pena a riqueza a qualquer custo.
    O evento foi horrível e o impressionante é que até assim me proporcionou aprendizado. Me fez repensar diversas questões sobre a busca pelo sucesso e em quem nós confiamos para nos ajudar com essa tarefa.
    Por fim, uma palavra de apoio ao Clube dos Poupadores: quando li o primeiro artigo aqui percebi se tratar de uma pessoa empenhada em trabalhar por um Brasil mais justo, colocando os interesses éticos acima dos interesses financeiros, ajudando a parte fraca do sistema (consumidores) a se defender da parte forte do sistema (grandes corporações), levando conhecimento às pessoas para evitar de caírem nas armadilhas montadas em todo lugar. Te parabenizo por isso Leandro e espero que cresça muito com esse perfil de trabalho e que mantenha essa linha.
    Abraços.

    • Leandro Ávila 1 de outubro de 2017 at 18:19 - Reply

      Eu nunca fui em um NAC, que é um evento internacional que acontece no mundo todo, foi minha primeira experiência. Não sei se o nível do conteúdo das palestras lá fora é como as palestras internacionais que vimos no Brasil. Creio que se todos os palestrantes fossem brasileiros a situação teria sido melhor, já que esses palestrantes entenderiam a realidade brasileira. Sentia que os palestrantes estavam falando para o público errado. Não vejo problema com relação a oferecer um curso no final da palestra nem indicar a compra de um livro, a maioria dos palestrantes do mundo todo possuem livros e cursos, mas vejo um sério problema se você não entrega uma boa palestra como ocorreu com o Kiyosaki e seus amigos estrangeiros. Também nunca tinha assistido uma palestra do Kiyosaki. Como já falei, o Kiyosaki como palestrante é um ótimo escritor de livros. Sobre as palestras de motivação, elas são assim mesmo, tem a questão emocional envolvida. A palestra do Paulo Vieira que foi a mais motivacional não teve nenhuma venda, apesar dele ter cursos e livros, ele terminou a palestra sem vendas e foi aplaudido de pé. Pessoalmente não participo daquela dinâmica, mas eu compreendo que existem pessoas que gostam, entendo que o impacto emocional pode provocar mudanças positivas na vida das pessoas. A grande verdade é que a diferença entre um evento presencial e a leitura de um livro é justamente o impacto emocional que o evento pode gerar. A estrutura do evento foi muito boa, as conversas que tive com as pessoas foram ótimas e o que realmente estragou foi o conteúdo das palestras internacionais. Elas foram a grande decepção. Existem vários palestrantes brasileiros da área do empreendedorismo, motivação, educação financeira, economia, que poderiam dar um show dentro daquela estrutura que foi montada.

  78. johnathan 29 de setembro de 2017 at 15:36 - Reply

    Leandro, que bom q vc tocou no assunto da palestra pq eu não fui e queria a opnião de uma pessoa q realmente endente do assunto para falar da palestra, então confirmei q realmente foi um fiasco a apresentação do kyosaki. Queria dizer que se as pessoas ali presente tivesse lido os livros dele como pai rico pai pobre, o poder da educação financeira, guia de investimento, e empreendedor rico, entenderiam oq ele estava dizendo. Eu li todos esses e compreendi que as pessoas so leram pai rico pai pobre. Para o entendimento completo do que ele quer dizer no livro pai rico pai pobre, é preciso ler os outros, no caso esses q eu citei. Eu aprendi muito mais lendo os outros livros dele, do q lendo pai rico pai pobre. E esses dias após 2 anos de ter lido o primeiro livro dele, comecei a jogar o famoso cashflow online, não sabia q tinha disponivel gratuito. E achei bem bacana, da pra ter mais noção ainda do q ele fala nos livros na pratica. Enfim era isso, um grande abraço e obrigado pela honestidade do conteudo.

    • Leandro Ávila 1 de outubro de 2017 at 18:02 - Reply

      Oi Johnathan. Se as pessoas tivessem uma base sobre educação financeira teriam entendido uma boa parte do que ele falou.

  79. Arnaldo 29 de setembro de 2017 at 15:46 - Reply

    “Nunca conheça seus heróis”…

    • Leandro Ávila 1 de outubro de 2017 at 17:55 - Reply

      Oi Arnaldo. Eles são humanos e possuem suas fraquezas.

  80. Mauricio 29 de setembro de 2017 at 23:58 - Reply

    Eu sou membro do seu Clube, e me sinto muito lesado com a sua mega-promoção deste evento, mesmo já ter recebido de volta todos os valores pagos diretamente aos organizadores.

    So que existem contas de passagens, hotéis, etc……você nao vai me reembolsar?

    • Leandro Ávila 1 de outubro de 2017 at 18:00 - Reply

      Oi Mauricio, eu também gastei muito dinheiro com hospedagem, passagem aérea, uma sexta-feira e uma segunda-feira sem trabalhar, alimentação, taxi, uber, etc, com o intuito de aprender alguma coisa para poder compartilhar gratuitamente com meus leitores.

      • Sérgio 14 de outubro de 2017 at 19:32 - Reply

        Leandro porque a maioria dos Palestrantes internacionais tem a necessidade de xingar durante as apresentações em cursos que pregam EDUCAÇÃO financeira, emocional, etc.
        Fiz também o MMI do THarv Eker e não tive coragem de levar meus pais devido a grande quantidade de palavrões que o Doug Nelson fala e os interpretes traduzem com gosto! Isso é um marketing positivo? Eles enxergam assim?

        • Leandro Ávila 19 de outubro de 2017 at 11:51 - Reply

          Oi Sérgio. Já li que é proposital. Existem pesquisas sugerindo que quando as pessoas falam palavrões elas estão sendo verdadeiras. Não estão censurando o que estão falando. Quanto mais palavrão alguém fala na sua frente, teoricamente, mais íntimo essa pessoa está sendo, quanto menos palavrão, mais a pessoa está sendo simulada. É uma coisa forçada, faz parte do show deles.

    • Andre 3 de outubro de 2017 at 18:04 - Reply

      Olá Maurício.

      Como todos bem sabem, o Leandro, de forma gratuita, está nos transmitindo conhecimento para que nós, digo, nós mesmos possamos tomar nossas próprias decisões sobre o que fazermos com o nosso dinheiro e não depender de outras pessoas.

      No final foi “você” quem tomou a decisão de ir ao evento, de gastar seu dinheiro em busca de conhecimento. O Leandro não obrigou ninguém a fazer o que não queria. O evento infelizmente não foi bom, mas o Leandro não tem culpa de nada. Ele também estava no mesmo barco.

      Com todo o respeito: se você ainda se sente muito lesado, entendo que não é pedindo reembolso que vai te ajudar, e sim terapia.

      Leandro, me perdoe por isso, mas não acho justo contigo.

  81. Edison 7 de outubro de 2017 at 9:50 - Reply

    Não assisti a palestra mas o que aconteceu serve de exemplo, que não devemos eleger ídolos e sim focar em nosso trabalho e poupança, dentro de nossa realidade e buscando extrair o melhor a medida que aprendemos,

    • Leandro Ávila 19 de outubro de 2017 at 11:34 - Reply

      Devemos aprender o que serve, agradecer e lagar o que não serve.

  82. Oséias da Silva Martins 9 de outubro de 2017 at 8:01 - Reply

    Olá Leandro.

    Estou lendo o seu livro “Investidor Consciente” e estou gostando muito do conteúdo. O capítulo que fala sobre a política monetária é uma excelente aula de economia. Parabéns pela qualidade.

    • Leandro Ávila 19 de outubro de 2017 at 11:34 - Reply

      Obrigado Oséias. Parabéns por investir seu tempo nesse tipo de leitura.

  83. Paulo 15 de outubro de 2017 at 13:46 - Reply

    Leandro, Esse ano eu fui no treinamento millionaire mind intensive (MMI) o criador desse evento é o T. Harv Eker (os segredos da mente milionária). Fiquei muito decepcionado. Não me parecia haver um comprometimento real em transmitir conhecimento financeiro, apenas uma amostra de conhecimento suficiente pra vender algum produto ou curso em seguida. Muita gente se irritou também. o sujeito investe uma grana com o objetivo de aprender, e quando chega no curso ouve que o conteúdo que “realmente vai mudar a sua vida” está em um outro curso e as vagas é claro, são limitadas. Usar “técnicas de venda” é do jogo, eu entendo, mas não entregar aquilo que se vendeu já é desrespeito com o consumidor. Desde então estou bastante desconfiado desses mega palestrantes badalados, principalmente os que vem de fora. No mais já fiz curso com educador financeiro que apesar de “desconhecido” estava comprometido com o conteúdo do curso em si, e não em vender algo depois, e foi muito mais proveitoso e barato.

    • Leandro Ávila 19 de outubro de 2017 at 11:54 - Reply

      Oi Paulo. O problema que vejo é não entregar conteúdo ou entregar conteúdo incompatível com a audiência. Pessoalmente acho que essas pessoas poderiam entregar mais.

Leave A Comment

Share this

Compartilhe com um amigo