Dinheiro sujo: O que fazer com ele?

Estamos na semana da páscoa e existe um evento muito curioso envolvendo dinheiro sujo, 30 moedas de prata e a venda de informações privilegiadas que desencadearam os acontecimentos que celebramos na páscoa cristã.

Sempre me interessei pela maneira como as religiões se referem ao dinheiro por acreditar que ela impacta na maneira como nos relacionamos com o dinheiro.

Veremos neste artigo que os problemas provocados por uma relação desequilibrada entre as pessoas e o dinheiro, sempre produziram consequências. Muitas vezes, essas consequências impactaram a história do mundo.

O livro mais importante para os cristãos, a Bíblia, está repleto de trechos que falam sobre dinheiro. A palavra “dinheiro” aparece 59 vezes na bíblia. Só o apóstolo Mateus, que foi cobrador de impostos, escreveu a palavra 11 vezes em seu evangelho. Mas foi o apóstolo Judas Iscariotes, conhecido por trair Cristo, que deixou exemplos claros sobre as últimas consequências que essa relação desequilibrada com o dinheiro pode atingir.

Na semana da páscoa, antes da última ceia, Judas Iscariotes, procurou os principais sacerdotes da cidade e perguntou o que ele ganharia se revelasse uma informação privilegiada: onde Jesus Cristo poderia ser encontrado. Ele já sabia que Jesus era procurado e certamente essa informação poderia render algum dinheiro. Ele entendeu isso como uma oportunidade de lucro fácil e rápido.  No início, ele não se importou com as consequências da sua decisão financeira. Os sacerdotes responderam que pagariam 30 moedas de prata. Judas aceitou a proposta. Com a informação de Judas, Jesus foi preso e crucificado.

Judeia, Shequel de prata 14,27grs. cunhado em Jerusalém 12/11 a.C.

Provavelmente as moedas que Judas recebeu eram como esse shekel em prata (foto acima) que circulou no tempo de Cristo. Era uma moeda que pesava mais ou menos 14 gramas de prata. Ela circulou em grande quantidade e apresentava no anverso o rosto do antigo deus Melkart, também conhecido por Baal, e no reverso apresenta uma águia virada à esquerda (fonte).

Quanto valia 30 moedas de prata? Atualmente podemos comprar 1kg de prata por R$ 5.500,00. Esses 14 gramas de prata custariam hoje R$ 78,48 (5,5 x 14) e as 30 moedas valeriam R$ 2.354,40. É claro que não existia uma relação entre o peso do metal e o seu poder de compra. Também não sabemos o valor da grama da prata 2 mil anos atrás, mas é possível saber, pelos próprios escritos da bíblia, que naquele tempo essas 30 moedas eram suficientes para comprar um terreno na região onde Cristo morreu.

Depois que Jesus foi preso, Judas não se sentiu feliz com suas 30 moedas. Ele sentiu remorso e tentou devolver as moedas para os sacerdotes, mas não conseguiu:

‘Quando Judas, o traidor, viu que Jesus havia sido condenado, sentiu remorso e foi devolver as trinta moedas de prata aos chefes dos sacerdotes, dizendo: — Eu pequei, entregando à morte um homem inocente. Eles responderam: — O que é que nós temos com isso? O problema é seu. Então Judas jogou o dinheiro para dentro do Templo e saiu. Depois foi e se enforcou. ‘ Mateus 27:3-5

Aqui temos algumas mensagens simbólicas dessa passagem:

  1. Sentimos remorso quando ganhamos dinheiro através de atos imorais. Talvez, revelar o paradeiro de uma pessoa procurada não fosse ilegal, mas saber que essa pessoa era inocente e, mesmo assim, lucrar com a informação é um ato imoral. Prejudicar uma pessoa inocente, ainda mais por dinheiro, é algo entendido como injusto e inaceitável para a nossa própria consciência em qualquer tempo. Não podemos escapar dos julgamentos da nossa própria consciência que serão inevitáveis no futuro.
  2. O texto também tenta mostrar que ninguém pode fazer nada pelo nosso remorso. Não é possível transferir esse remorso para terceiro. O remorso é um problema exclusivo de quem o sente. É sofrimento fruto do julgamento da nossa própria consciência, que certamente é o mais pesado de todos os julgamentos. No fundo, todos sabem o que é justo e injusto e sentem o peso na consciência, esse autojulgamento pode demorar, mas ele sempre aparece.
  3. Diante do remorso e da impossibilidade de reparar o erro, o dinheiro perde o seu valor. O remorso e o arrependimento tiram o valor do dinheiro. No texto, as 30 moedas de prata, que foram tão desejadas no início, perderam o seu valor quando Judas percebeu que eram os frutos de uma injustiça. Foi nesse momento que Judas jogou o dinheiro fora.
  4. Não foram só as moedas que perderam o valor. Judas considerou que sua própria vida não tinha mais qualquer valor diante da injustiça que tinha cometido por dinheiro. Diante do desespero de não poder voltar atrás, sua vida também perdeu valor junto com as moedas. Foi assim que ele resolveu acabar com a própria vida.

Vivemos em um momento histórico onde podemos presenciar muitas notícias de políticos, empresários, profissionais de diversas áreas e até religiosos envolvidos com formas injustas, ilegais e imorais de ganhar dinheiro.

O texto religioso deixa implícito que não é possível dar valor para um dinheiro conquistado através de meios injustos. Da mesma forma que Judas jogou fora o dinheiro que recebeu, todos que cometerem injustiças para conseguir dinheiro, um dia jogarão esse dinheiro fora de alguma forma. Não faltam formas de desperdiçar dinheiro que não damos valor.

Para piorar a situação, além do dinheiro injusto perder valor, a própria vida de quem prospera de forma injusta também perderia seu valor, levando a pessoa a atentar contra a própria vida. O enforcamento seria apenas o extremo provocado por uma profunda depressão. Existem muitas formas destrutivas para reduzir uma depressão provocada por arrependimentos desse tipo. Muitos acabam com a própria vida utilizando meios lentos de destruição como os vícios, álcool, drogas e outros exageros que o dinheiro permite e que acabam com a saúde das pessoas.

O texto mostra que não adianta tentar se livrar do dinheiro. Antes de se enfocar, Judas jogou as moedas fora, no chão do templo, e os sacerdotes tiveram que tomar uma decisão sobre o que fazer com aquele “dinheiro sujo”.

‘Os chefes dos sacerdotes pegaram o dinheiro e disseram: — Isto é dinheiro sujo de sangue, e é contra a nossa Lei pôr esse dinheiro na caixa das ofertas do Templo. Depois de conversarem sobre o assunto, resolveram usar o dinheiro para comprar o “Campo do Oleiro”, a fim de que servisse como cemitério para os não judeus. Por isso aquele campo é chamado até hoje de “Campo de Sangue”. ” ‘ Mateus 27:6-8 

Aqui temos novamente a ideia de que o dinheiro “sujo de sangue” ou fruto do sofrimento de outras pessoas, não tinha qualquer valor.

Segundo o texto, ele não poderia ser guardado e não poderia ser doado. O dinheiro acabou sendo imediatamente gasto comprando uma terra que serviria apenas como cemitério. Isso passa a ideia de que somente os mortos, justamente por estarem mortos, não sofreriam nenhuma consequência negativa pelo uso de um bem adquirido com o “dinheiro sujo”. Talvez, para os religiosos, qualquer outra finalidade dada ao dinheiro sujo poderia ser desastrosa.

Judas cometeu suicídio, mas simbolicamente existem muitos políticos, empresários e profissionais de todos os tipos cometendo suicídio financeiro, moral, social, destruindo suas carreiras profissionais, vida social e familiar em troca das moedas de prata conquistadas através do prejuízo gerado na vida de outras pessoas.

Se você é um profissional que ganha dinheiro através de meios que teria vergonha de contar para seus filhos, pais, amigos e sociedade, aproveite a páscoa para refletir sobre o que está fazendo.

Até que ponto compensa fazer algo errado, que prejudica outras pessoas, para ganhar dinheiro fácil e rápido e depois sofrer as consequências do remorso ou o risco de, inconscientemente, perder o valor dado ao dinheiro e a própria vida?

Eu não tenho nenhuma dúvida de que exista algum fenômeno psicológico que explique a ideia por trás do provérbio popular: “O que vem fácil, vai fácil”.

Nada melhor do que dinheiro merecido, fruto de um trabalho que ajudou a melhorar a vida de outras pessoas, resultado de atividade útil, justa e benéfica. O mundo seria um lugar bem melhor se as pessoas tivessem a mínima preocupação com a origem do dinheiro que ganham. No fundo, temos plena consciência se estamos construindo uma riqueza baseada em dinheiro limpo ou dinheiro sujo. O julgamento da consciência é implacável e isso independe da religião.

 

Continue aprendendo...

Se você gostou desse artigo, tenho certeza que também vai gostar da série de ferramentas, planilhas e livros que preparei para ajudar você. São conhecimentos e ferramentas que desenvolvi para o meu uso e que agora estou compartilhando entre os meus leitores. Clique aqui para conhecer os livros.
Esse artigo foi útil?
Deixe-nos saber, se você gostou deste artigo. Só assim podemos continuar melhorando.
Sim
Não

Sobre o Autor:

Leandro Ávila criou o Clube dos Poupadores por acreditar que o conhecimento é uma riqueza que se multiplica quando dividida. Compartilhando o que sabemos, criamos um mundo melhor. Conheça os livros que ele escreveu sobre educação financeira, investimentos financeiros e imobiliários.
Maria Barbosa
Visitante
Maria Barbosa

Maravilhoso! muito obrigada pelos seus artigos.Eu muito aprendi com os meus pais que nasceram numa família humilde e honesta.Fizeram tudo para nos dar instrução.Graças a Deus e a eles hoje estamos formados.Hoje vivo somente com meu pai que esta com 95 anos e bem lúcido pois, minha mãe e meu esposo são falecidos.Obrigada! por nos proporcionar assuntos maravilhosos e nos orientar na educação financeira.Sucesso em todos os seus empreendimentos

MARCIO DE SOUSA BARROS
Visitante
MARCIO DE SOUSA BARROS

Leandro boa noite. Sábia e bela reflexão utilizando os ensinamentos extraídos da bíblia referente ao tema dinheiro, e, principalmente, sem preconceitos. Realmente, a bíblia possui inúmeros ensinamentos sobre o tema dinheiro. Acompanho teu trabalho a bastante tempo, e espero outras reflexões sobre a relação dinheiro/bíblia. Abraço.

Sandro
Visitante
Sandro

Sugestão interessante Leandro.
Abraço,

Enio
Visitante
Enio

parabéns mestre por mais um ótimo artigo.

George+Santana
Visitante
George+Santana

Salve,Leandro!
Seus artigos tem o poder de nos por no lugar certo.Lembrei de você esta Páscoa,pois gastei 3x menos com a mesma quantidade e qualidade de chocolate em relacão ao ano passado.As pessoas não se atentam a isso.
Um assunto paralelo:Em outros artigos você citou FII e ETFs.Há cursos e livros sobre esses investimentos igual ao tesouro e a Bolsa de valores?Estou na fase de expansão para aprender coisas novas e alocar melhor os ativos.
Seu trabalho é inspirador.
Feliz Páscoa e grande abraço.

Gedson Antonio França
Visitante
Gedson Antonio França

Belo comentário, que traz muita reflexão e aprendizado….Quem dera transformássemos nossos aprendizados em ações!!!!

Diego
Visitante
Diego

Muito bom para refletir. Fazer o que é justo pensando em todos os envolvidos, sempre é o melhor. Mas infelizmente, quem reflete com esse texto são somente os justos. Quem não tem ética não está muito preocupado. Por isso é bom sempre se resguardar, fazer as coisas certas, do jeito que devem ser, seguindo as leis e o bom senso, te livrarão de muita gente que vale muito menos do que 30 moedas de prata.

Claudinei+Fernandes
Visitante
Claudinei+Fernandes

Belo texto para reflexão.

Guilherme
Visitante
Guilherme

Belo texto correlacionando o tema dinheiro com a data santa.
Pena que parece que o Tribunal da Consciência de inúmeras pessoas anda de greve ou nunca chega a se ativar durante a vida delas.
Feliz Páscoa!

Luis
Visitante
Luis

Ótima reflexão para a páscoa. Serve para todos nós, mas na minha opinião esse não é o pensamento da maioria dos nossos políticos e também dos empresários, religiosos e outros profissionais corruptos.
Feliz páscoa!

André Masu
Visitante
André Masu

Belo texto, Leandro! Espero que seja lido por quem precisa e por quem não precisa. Abraços!

Fernando
Visitante
Fernando

Parabéns pela texto, Leandro.
Deus abençoe e uma ótima páscoa.

Marcos+Aurélio
Visitante
Marcos+Aurélio

Só poderia te agradecer pelo esclarecimentos e por todo ensinamento que você me transmite muito obrigado mestre

Fábio Augusto
Visitante
Fábio Augusto

Como sempre, muito bom, Leandro.
Infelizmente nossa sociedade coloca o dinheiro acima de qualquer princípio ou valor cristão, assim como Judas fez com Cristo (e isso não tem nada a ver com religião). Porém esquece das consequências que, por vezes, nem são percebidas, e assim atribui os efeitos de seus atos imorais e ilegais a outras causas, tamanha a inconsciência em que vive.

Uilson Batista Dile
Visitante
Uilson Batista Dile

Eu não acredito que esses políticos e empresários depois de tantos desvios e corrupção sofram um pingo de dor na consciência ou remorso muito pelo contrário morrem negando e escondem o dinheiro sujo tenho certeza que muitos vão se reeleger e a dirigir suas empresas continuar as mesmas praticas espúrias.

Fabiana
Visitante
Fabiana

Maravilhoso texto!
Parabéns !

Gil
Visitante
Gil

Excelente artigo, fazia falta ler acerca dessa visão de mundo em sites de educação finaceira.
Se possível peço que escrevas mais sobre outro tema que é o de poupar, e depois disso ainda doar um pouco a quem precisa e evitar o consumismo doentio.
Abraços e Feliz Páscoa !

Assir
Visitante
Assir

Caro Leandro. Num tempo onde parece que a honestidade perdeu o valor, seus textos tem o poder de nos fazer refletir e nunca perder o caminho certo. Sem duvida alguma que conseguir honestamente subir na vida e dar bons exemplos a d nossos filhos é o bem maior.
Um grande Abraço.

Sandro
Visitante
Sandro

Leandro parabéns por mais este artigo.
Acredito que existe uma lei universal ligada ao plantio e colheita. Judas colheu aquilo que plantou pois é o que acontece com qualquer pessoas (independente do tempo que leve).
Mais cedo ou mais tarde todos estarão diante do Reto Juiz!

Fernando
Visitante
Fernando

Ótimo texto. Meus sinceros parabéns!!

Danilo
Visitante
Danilo

Parabéns Leandro!Reflexao maravilhosa.

Miguel
Visitante
Miguel

Leandro, Um belo texto!, um insight fantástico! Parabéns e obrigado pela generosidade em compartilhar teus aprendizados e ensinamentos. Assim como o beija-flor da fábula temos que contribuir para apagarmos juntos o incêndio deste mundo atual com os valores as avessas em que vivemos.Obrigado

Adelaide Chicomo
Visitante
Adelaide Chicomo

Sou muito fã. Me inspiras de verdade!

Marcelo
Visitante
Marcelo

O texto é simplesmente fantástico !
Parabéns !

Sandro Senna
Visitante
Sandro Senna

Ótima reflexão! Parabéns pelo texto que casou bem com essa semana. Me fez também lembrar da série Breaking Bad. Você já falou sobre essa série e a relação com o dinheiro?

Lucas Lira
Visitante
Lucas Lira

Artigo fantástico; sou evangélico e confesso que o texto daria uma verdadeira pregação sobre dinheiro ilícito ou corrupção. Parabéns, Deus o abençoe!

Raimundo Vieira
Visitante
Raimundo Vieira

Parabéns Leandro! excelente reflexão não somente para esta data mas para toda vida! Seria importante fazer chegar este texto a todos os políticos deste pais.
Feliz Páscoa! Grande abç

Gilson
Visitante
Gilson

Excelente reflexão, Leandro! Parabéns pelo Clube!! Boa Páscoa a todos!

Nelandia
Visitante
Nelandia

Bom dia!
Parabéns Leandro, muito bom o texto, com embasamento histórico, gostei bastante você como sempre utilizando de sabedoria pra auxiliar nas questões da vida, de maneira bem reflexiva.
Falando em dinheiro, estou escrevendo do trabalho, no intervalo é claro, em plena páscoa. Concordo plenamente com o ditado o que vem fácil vai fácil, por isso luto pra obté-lo apenas do meu trabalho suado e com muito esforço, porém gratificante, pena que os impostos tributáveis ainda como uma boa parte da minha produção, mas uma dia muda é só lutar e estudar. E como sou cristã.

Feliz Páscoa!

Angélica Amorim
Visitante
Angélica Amorim

Leandro, agradeço por nos proporcionar tamanha reflexão. Texto maravilhoso. Deus continue te abençoando e te guiando a continuar esse belo trabalho. Tenha ciência de que você transformou muitas vidas transmitindo seus conhecimentos. Mais uma vez, muito obrigada 🙂

Alexandre Freitas
Visitante
Alexandre Freitas

Bom dia, Leandro!

Maravilhoso está analogia entre o fato histórico ocorrido a +/- 2000 anos atrás, trazendo ensinamentos valiosos para os nossos dias

Deus abençoe sua vida

Abraço

Alexandre Freitas

Valdecir Xavier
Visitante
Valdecir Xavier

Obrigado, Leandro, por mais este excelente artigo. Além da reflexão, vem com algumas informações que eu desconhecia. Além disso, a história mostra que Judas realmente se arrependeu, enquanto isso, muitas vezes, o arrependimento só aparece quando o mal feito é descoberto. E uma das coisas que mais tenho aprendido com educação financeira é que é possível viver bem financeiramente sendo correto.

Willian Abreu
Visitante
Willian Abreu

Uma bela reflexão baseada na Palavra de Deus! Forte abraço e Feliz Páscoa!

rodrigo sampaio
Visitante
rodrigo sampaio

Parabens pelo texto. Aposto que a maioria das pessoas não sabia que Judas devolveu o dinheiro ou até mesmo que se matou depois de faze-lo… enfim.

Sobre o perfil que vc consegue impactar com essa leitura. Se a pessoa sente culpa em ganhar dinheiro por fazer algo desonesto, ainda ha um senso ético.

Mas o problema de fato acontece quando isso nao existe. O corrupto profissional nao tem escrupulos, nao sente culpa. É quase um sociopata, um perverso. Dá risada de textos como esse. Só com punicao para combater isso pois nao existe mais moral.

Gabriel
Visitante
Gabriel

Excelente reflexão, Leandro. Neste Domingo de Páscoa, o tema é bastante oportuno de ser explorado. Feliz Páscoa para você e toda sua família! Obrigado por compartilhar seus conhecimentos conosco!

Fabiano
Visitante
Fabiano

Mais um artigo prazeroso de ler.
Parabéns, Ávila.

Sérgio Júnior
Visitante
Sérgio Júnior

Belo texto, Leandro.
Eis que cabe a cada um de nós amadurecermos nossa própria capacidade de nos policiarmos quando eventuais “benefícios” nos forem oferecidos por “favores” prestados a terceiros em detrimento de que alguém, provavelmente alheio e inocente, acabe pagando essa conta.
Muito obrigado por nos presentear com esta brilhante reflexão.

winicius alves de oliveira
Visitante
winicius alves de oliveira

Um texto oportuno para um mundo em que nada parece ilegal ate ser descoberto. Parabéns !

Thiago de Mesquita Freitas
Visitante
Thiago de Mesquita Freitas

Leandro,

Nos dia de hoje Homens e Mulheres que não se vendem ou compram serão mais vistos que o sol !

Kalina Costa
Visitante
Kalina Costa

Está tocante este artigo e deveria ir direto para a caixa de nossos governantes. Hoje em dia, o tão valoroso vil metal e a forma de se obtê-lo, não importa de que jeito, principalmente os nossos representantes políticos com todos os escândalos que assistimos diariamente, apequenam as pessoas e nos fazem perder, muitas vezes, a esperança. Triste realidade.

Jacqueline
Visitante
Jacqueline

Excelente Leandro! Um belo texto para reflexão…no capricho de sempre! Feliz páscoa.

Patricia
Visitante
Patricia

Leandro boa noite! Compartilhei com quem eu pude o seu texto, leva a uma reflexão profunda, e realmente me tocou. Meus parabéns pelo seu lindo texto!

Marcelo+Williams
Visitante
Marcelo+Williams

Excelente artigo. Obrigado por compartilhar,

Antonio A Filho
Visitante
Antonio A Filho

Simples, objetivo, instrutivo o melhor ensino que recebi sobre o assunto.

Daniel
Visitante
Daniel

Que leitura esclarecedora e gostosa. Como Deus te usou ao escrever esse texto. Senti muita verdade em tudo, principalmente sobre a vida medíocre de Judas. Viver é preciso. Fazer boas escolhas é necessário.

Lúcio
Visitante
Lúcio

Ótima reflexão para todos,
excelente texto,
parabéns,
Que Deus te ilumine sempre.

Leandro
Visitante
Leandro

Artigo interessante, mas vejo apenas como uma fábula, um conto fantasioso, pelo menos aqui no Brasil. Visto os inúmeros casos de corrupção, não sou tão crédulo assim para pensar que “um dia” os corruptos serão julgados ou irão se arrepender das escolhas que fizeram. Mesmo aqueles que estão sendo pegos e julgados, conseguem comprar o sistema e continuam soltos. Talvez só se arrependam quando forem pegos. E não pelo que fizeram, mas apenas por terem sido pegos.

Wallace Sousa
Visitante
Wallace Sousa

fantástico texto, Leandro!

vou compartilhar com meus grupos de amigos e conhecidos.

abs!

Martín
Visitante
Martín

Parabéns e obrigado pelo artigo, Leandro.

Se me permite, apresento um contraponto. É comum as pessoas encontrarem conforto para a consciência subestimando seus erros. Basta compará-los com erros piores de terceiros. “Ah, mas isso aqui não é nada comparado ao que os políticos roubam”.

Mais além, penso que há quem passe a acreditar na ilusão de que não comete tais erros. Em um comentário do Juca Kfouri ele descrevia como dirigentes do futebol envolvidos em escândalos de fato acreditavam que eram honestos.

Tânia Senson
Visitante
Tânia Senson

Sua reflexão cabe certinho nos dias de hoje, parabéns!

Dênis Barbosa Batista
Visitante
Dênis Barbosa Batista

Consciência Tranquila, Vida Produtiva, natural e logicamente, felizmente! Sempre “De Parabéns por tão Excelentes Educativos Artigos”, Bom Amigo!

Compartilhe com um amigo