Você já calculou quanto custa sua vaidade? Quanto você precisa trabalhar todos os meses para manter sua vaidade? Você sabe quanto isso já impactou na sua vida financeira e quanto irá impactar no futuro?

vai.da.de
sf (lat vanitate) 1 Qualidade do que é vão, instável ou de pouca duração. 2 Desejo imoderado e infundado de merecer a admiração dos outros. 3 Vanglória, ostentação. 4 Presunção malfundada de si, do próprio mérito; fatuidade, ostentação. 5 Coisa vã, fútil, sem sentido. 6 Futilidade. V. de língua: jactância, presunção.

Estava lendo uma reportagem sobre uma australiana chamada Essena, que era seguida por meio milhão de pessoas nas redes sociais. Ela não é atriz, cantora ou esportista famosa. Essena apenas compartilhava uma “vida perfeita” através de fotos e vídeos nas redes sociais. Isso atraia a atenção de uma multidão de jovens que sonham e acreditam na existência de uma “vida perfeita”.  Um dia,  Essena resolveu parar de fingir que tinha uma vida maravilhosa e disse: “Fui consumida pelo mundo da mídia social, que não é real, e sim baseado em aprovação social e em julgamentos superficiais“.

Ela resolveu editar a descrição de várias fotos que já tinha publicado nas redes sociais (a foto abaixo é um exemplo). Trocou a descrição sobre mais um dia comum (e maravilhoso) na vida dela, por um relato irônico do enorme trabalho que tinha para criar uma realidade falsa.

O caso desta moça é um extremo. É claro que cuidar da aparência é importante. É claro que todo mundo gosta de ser bem visto pelas pessoas. O problema é que aprovação social é viciante. As “curtidas” se transformam em prêmios para o ego, geram satisfação imediata, como se fossem pontos em um joguinho.

Muita gente entende curtidas como medida de atenção e admiração dos amigos e parentes. Existem pessoas que ficam tristes quando publicam fotos e não recebem as curtidas merecidas. Acabam monitorando quais são as pessoas que curtem as fotos, quais não curtem, quantas curtidas os amigos receberam e começam a comparar o desempenho deles com o próprio desempenho nas redes sociais. Em pouco tempo a pessoa estará envolvido(a) em uma disputa por curtidas, na busca de aprovação e elogios. Isto poderá se transformar em problemas emocionais e até financeiros.

Quantas vezes você viu amigos e parentes cometendo exageros de consumo compartilhadas nas redes sociais?

Roupas da moda, restaurantes caros e viagens para lugares badalados. Você logo irá perceber o que os seus amigos mais curtem e vai passar a utilizar esses parâmetros para tomar decisões de consumo. Esse exibicionismo nas redes sociais faz você pensar que a vida do outro é melhor e mais divertida que a sua. Você fica motivado(a) a criar uma realidade paralela para ser exibida publicamente. A consequência disso é mais insatisfação com seu padrão de vida. O problema maior ocorre quando você tenta elevar esse padrão tornando seus custos incompatíveis com sua realidade financeira.

Fingir ter um estilo de vida que você não pode manter, custar muito caro. Seu estilo de vida precisa ser compatível com a sua renda, não importando o que os outros pensam disso, afinal, é você que paga suas contas.

Parcelamentos no cartão, empréstimos e financiamentos só mascaram o problema. É uma forma de ostentar no presente empurrando a dívida para o futuro. Um dia a conta chega e suas decisões passadas vão sabotar a sua estabilidade financeira futura.  Aqueles planos importantes que você tinha para o futuro, serão adiados para satisfazer uma vaidade no presente.

Eu acredito que felicidade e liberdade andam juntas. No momento que você se sente obrigado(a) a se comportar dentro de padrões que os outros determinaram como sendo “padrões de felicidade” você começa a ter problemas. No dia que você atingir esse padrão, verá que está faltando alguma coisa. Provavelmente será a sua liberdade.

Quanto custa, por ano, estar sempre com:

  • O cabelo da moda;
  • A maquiagem da moda;
  • A roupa da moda;
  • Os calçados da moda;
  • Os óculos da moda;
  • O smartphone da moda;
  • O carro da moda;
  • O apartamento no bairro da moda;
  • Frequentando os restaurantes da moda;
  • Nos destinos turísticos da moda?

Quanto da sua vida você está gastando todos os anos, trabalhando para conseguir dinheiro suficiente para manter um “padrão de vida perfeito” aos olhos dos outros? Você já parou para pensar que muito do que você consome, muito do que você deseja, é na verdade um caminho para obter aprovação social?

No mundo em que vivemos, sacrificar uma vida inteira correndo atrás de dinheiro para termos aprovação social não é visto como loucura. Buscar aprovação de todos é o padrão de comportamento normal, aceitável, esperado e desejado. Já a situação contrária… é loucura.

As pessoas acreditam que somente um louco seria capaz de viver sem preocupar-se com a aprovação dos outros.

Agora vamos conhecer outro extremo, o extremo oposto com relação a aprovação social. Nessa reportagem aqui, vamos conhecer o homem que vive feliz dentro de um buraco que ele mesmo construiu. Ele não se importa com o que os outros pensam disso.

O Sr. Antônio, da foto cima, segundo os médicos, sofre de uma doença mental chamada de esquizofrenia paranoide. Ele não parece preocupado com o que os outros acham do estilo de vida que ele leva. Segundo os próprios parentes, o Sr. Antônio é uma pessoa feliz, gosta da vida que escolheu, não reclama de nada e não se preocupa com o que as pessoas acham da vida que ele leva.

Se esquizofrenia paranoide é uma doença mental em que a pessoa perde o contato com a realidade, que diferença existe entre o Sr. Antônio e as pessoas que se comportam como a moça australiana? O primeiro vive uma vida autônoma, primitiva e natural, como nossos antepassados viviam, longe das estruturas artificiais das grandes cidades. Já a moça, vive uma fantasia. Ela construiu uma realidade baseada no consumismo que precisa ser aprovada através das curtidas nas redes sociais. Se todos vivem a mesma fantasia, quem vive fora da fantasia é que está fora da realidade.

Aqui temos a foto da moça australiana, depois que voltou a ter contato com a realidade. Agora ela está sem maquiagem, sem Photoshop, com a cara limpa, do jeito que a vida é. As 500 mil pessoas as seguiam nas redes sociais, provavelmente, estão chocadas com este contato com a realidade.

Você provavelmente possui muitos amigos e amigas que tentam mostrar que vivem uma vida perfeita nas redes sociais. Eles não mostram o esforço necessário para criar essa falsa realidade. Os problemas financeiros e as dívidas que eles precisam assumir para ostentar aquilo que não são, também não aparecem publicamente na internet. Já existem vários estudos mostrando que o exibicionismo nas redes sociais prejudica o lado emocional das pessoas, isso vale para quem ostenta e para quem inveja a ostentação. Veja a reportagem.

Conclusão

Meu objetivo com este artigo é motivar sua reflexão, por isto utilizei dois casos reais extremos. Existem 1001 possibilidades entre os dois extremos. Reflita sobre o tempo que você perde e o dinheiro que você joga fora tentando surpreender as pessoas que te seguem nas redes sociais. Faça essas reflexões e tente identificar exageros.

Observe seu comportamento. Verifique, antes de comprar, se você tomaria essa decisão de compra se não fosse possível compartilhar a experiência com seus amigos e parentes (através de fotos, vídeos e histórias na internet).

  1. Se você não pudesse compartilhar que foi em determinado restaurante badalado, comer um prato da moda, será que mesmo assim, você pagaria o preço por esta nova experiência?
  2. Se você não pudesse tirar fotos e não pudesse compartilhar nada sobre a viagem que você pretende fazer, mesmo assim, você viajaria?
  3. Se não existisse ninguém no mundo para admirar o carro ou o apartamento dos seus sonhos. Será que você sacrificaria uma boa parte da sua vida trabalhando para comprar esses carros e esses apartamentos dos sonhos?
  4. Se ninguém pudesse ver as roupas que você pretende comprar, será que você não escolheria outras marcas e modelos?

Reflita. Faça aquilo que você gosta. Não faça aquilo que as pessoas gostariam que você fizesse. Não siga os conselhos deste artigo, não me deixe influenciar suas decisões, não permitam que outros ditem aquilo que você deve vestir, comer ou fazer. Você é que deve refletir sobre o que é melhor para você.

É difícil combater isso, somos naturalmente programados para imitir os padrões de consumo, as opiniões, gostos e comportamentos das outras pessoas. A criança nasce programada para imitar o comportamento dos pais. Quando cresce sem amadurecer, passam a imitar o comportamento dos amigos e dos famosos da televisão.

Para o bem da sua saúde mental e financeira, é importante se conhecer. Você deve descobrir o que é melhor para você, independente dos outros, mesmo que os outros sejam seus pais, seus amigos ou pessoas que você segue na internet.

Dica do dia - Poder e a Ignorância:

O economista e escritor John Kenneth Galbraith um dia escreveu, "Dinheiro é o combustível da sociedade industrial, mas, na sociedade da informática, o combustível, o poder, é o conhecimento." Atualmente as pessoas se dividem entre duas classes. As bem informadas e as que estão na ignorância. O poder não está somente no dinheiro, ou na terra, nos meios de produção, mas no conhecimento. O que há de notável é que a chave deste poder, hoje, é acessível a todos nós. Livros, cursos, treinamentos, artigos gratuitos, vídeos, estão por todas as partes esperando alguém motivado a assumir o poder que o conhecimento é capaz de proporcionar. Aqui no Clube dos Poupadores você tem muito conhecimento (poder e riqueza) disponível gratuitamente. Através dos meus livros (clique aqui) você pode acelerar seu aprendizado.