Qual o sentido da sua vida? Pra que dinheiro?

Não existem duas pessoas iguais no mundo. Somos 7 bilhões de pessoas, somos 7 bilhões de diferenças em busca de um único fim que é encontrar a felicidade. Dinheiro é apenas um meio, não é um fim.

Muitos acreditam que ter muito dinheiro é sinônimo de felicidade. Estudiosos já comprovaram que o bem-estar produzido pelo dinheiro na vida das pessoas é limitado. A partir de uma determinada quantia mensal ele deixa de ser tão importante.

Os jornais destacaram nesta semana que o ex-gerente-executivo da Diretoria de Serviços da Petrobras Pedro Barusco fechou acordo de delação premiada se comprometendo a devolver US$ 100 milhões (R$ 260 milhões) roubados da Petrobras para reduzir sua pena. Isto mostra que, para algumas pessoas, R$ 260 milhões valem mais que a honestidade e menos que a liberdade.

A vida que levamos é resultado dos nossos valores.
Quais valores existem na vida que você leva?
Para onde a vida que você leva está te levando?
Será que pelo dinheiro tudo vale a pena?

É por isto que antes de buscar mais dinheiro você precisa primeiro responder para si mesmo: Para que eu quero dinheiro? Por qual motivo dedico grande parte da minha vida trabalhando em troca de dinheiro? Quanto vale o tempo que gasto correndo atrás do dinheiro? Até que ponto a minha felicidade depende das coisas que compro e carrego no meu corpo ou acumulo na minha casa? Quanto vale os valores que carrego em mim?

Não adianta passar a vida toda correndo atrás de dinheiro, gastando tudo que você ganha acumulando coisas, acreditando que isto fará você uma pessoa mais feliz. A educação financeira não faz sentido nenhum se a sua vida não tem nenhum sentido.

Quero que você dedique 1 hora do seu tempo para assistir o documentário abaixo que se chama EU MAIOR. Este documentário está completando 1 ano agora em novembro/2014 e já foi assistido por mais de 1 milhão de pessoas (só no Youtube).

É uma pena que reflexões tão elevadas não façam parte do cotidiano dos brasileiros.

Este documentário vai te ajudar a fazer uma reflexão de 1 hora sobre o autoconhecimento e a busca da felicidade. O documentário é baseado em entrevistas feitas com intelectuais, esportistas, psicólogos, filósofos, cientistas, líderes espirituais e pessoas comuns.

As perguntas são mais importantes que as respostas. Compartilhe com seus amigos. Comente o vídeo no final do artigo.


By |20/11/2014|Categories: Enriquecimento|47 Comments

About the Author:

Leandro Ávila é administrador de empresas, educador independente especializado em Educação Financeira. Além de editor do Clube dos Poupadores é autor dos livros: Reeducação Financeira, Investidor Consciente, Investimentos que rendem mais, e livros sobre Como comprar e investir em imóveis.

47 Comments

  1. Luis3ls 20 de novembro de 2014 at 12:32 - Reply

    Pra O Sr Leandro Ávila ” Mas voce – eu não posso e nem quero explicar, eu agradeço.”
    Clarice Lispector

  2. Fabio 20 de novembro de 2014 at 12:58 - Reply

    Prezado Leandro, estes assuntos filosóficos são muito bonitinhos, mas na prática, não servem para muita coisa. Ao meu ver, a grande maioria das pessoas dedicam-se ao trabalho por uma simples questão de sobrevivência, e acredito eu, estas pessoas que estão diariamente lutando em busca de manter a si e aos seus neste nosso mundão, não tem muito tempo para certos questionamentos, aliás, nada como uma bela religião para simplificar a coisa.

    • Leandro Ávila 20 de novembro de 2014 at 13:18 - Reply

      Oi Fabio, acho que falta cultura e educação na vida das pessoas para que possam enxergar que não só serve para muita coisa como é a base de tudo.

  3. Diogenes 20 de novembro de 2014 at 13:07 - Reply

    Leandro, parabéns pelo texto, você teve a sensibilidade de entender que encontrar a paz interior influencia diretamente como nós lidamos com o nosso dinheiro. A cobiça e o desejo desenfreado é a raiz da nossa constante insatisfação. Eu já assisti este documentário e ele muito bom.

    • Leandro Ávila 20 de novembro de 2014 at 13:14 - Reply

      Oi Diogenes. São temas que as pessoas tratam separadamente só que estão totalmente conectados.

  4. Saulo Campo 20 de novembro de 2014 at 13:27 - Reply

    Este documentário realmente é muito bom! Nos faz pensar e tentar sair desta “corrida de ratos” em que a vida na sociedade atual se tornou.
    É claro que trabalhamos para nos sustentar, mas existe muito mais significado quando entendemos ou buscamos conhecimento para entender qual a nossa missão neste mundo.
    Parabéns pelo post Leandro, precisamos olhar mais para dentro de nós mesmos, pois as respostas estão lá em algum lugar!

    • Leandro Ávila 20 de novembro de 2014 at 14:12 - Reply

      Oi Saulo, é verdade, tudo começa nas respostas que estão dentro de nós. Nossa vida exterior (incluindo a nossa situação financeira) é reflexo do que existe dentro de nós. Obrigado!

  5. Luciana 20 de novembro de 2014 at 14:02 - Reply

    Leandro, muito obrigada e parabéns.
    Nada mais pertinente hoje do que ler o seu artigo e assistir ao vídeo.
    Para quem se interessa pelo assunto, sugiro a leitura do livro “A guide for the perplexed”, do E.F. Schumacher, um economista-filósofo. Vale a pena.

    • Leandro Ávila 20 de novembro de 2014 at 14:10 - Reply

      Oi Luciana, muito obrigado pela indicação de leitura!

  6. Márcio 20 de novembro de 2014 at 14:04 - Reply

    Leandro Ávila, você é foda mesmo. obrigado pelo vídeo. Na hora!!!!

  7. Andreia 20 de novembro de 2014 at 15:45 - Reply

    Realmente todas as pessoas deveriam assistir este vídeo, pois muitas vezes a gente dá valor a vida como um todo, depois que perde algo ou alguém.
    O dinheiro é de extrema importância, concordo plenamente, mas não é tudo a partir do momento que a gente sente o gosto da felicidade, quando se tem alguém ao nosso lado que faz a diferença, quando damos sentido aos pequenos gestos, as pequenas coisas que acontecem conosco.
    A felicidade não esta longe quando estamos de bem conosco mesmos, quando não ficamos nos lamentando o que aconteceu ou deixou de acontecer. E isso é algo que não aprendemos de um dia para o outro, como diz o Cortella no vídeo, não nascemos prontos, é no decorrer do nosso caminho que vamos nos formando.
    Mas para que isso aconteça precisamos estar abertos para mudança e as mudanças nem sempre são fáceis.
    Parabéns pelo seu artigo Leandro! Sucesso sempre.

    • Leandro Ávila 20 de novembro de 2014 at 15:47 - Reply

      Olá Andreia, obrigado por deixar sua opinião sobre o vídeo.

  8. Blog Marketing 20 de novembro de 2014 at 15:51 - Reply

    Normalmente eu não comento muito nos seus artigos sou mais leitor e hoje esse artigo veio de encontro a minha situação atual e momento triste e posso dizer que me ajudou bastante e o vídeo ajudou a levantar a poeira e abriu os meus olhos.

    Mega, super obrigado você não tem ideia como isso hoje fez uma grande diferença na minha vida.

  9. Misael da Silva 20 de novembro de 2014 at 15:59 - Reply

    Agradeço pela mais um artigo e vídeo a procuro do nosso EU.
    Se a nosso vida espiritual estive bem o restante da vida material e financeira irá bem tb.
    Mas existem pessoas com muito dinheiro (riquíssimo), mas tem uma vida espiritual com medo de tudo e de todos, ou até mesmo com doenças como depressão.
    Devemos pensa no futuro ganha dinheiro mais principalmente ver o nosso lado espiritual.
    Muito obrigado pelo vídeo.

    • Leandro Ávila 20 de novembro de 2014 at 17:26 - Reply

      Olá Misael. É o medo da perda. Existem pessoas que passam a vida acumulando coisas e dinheiro e quanto mais acumulam mais medo sentem de perder o que possuem. Se de um lado elas lutaram para conquistarem a independência financeira para se sentirem livres, por outro lado elas acabam se sentindo cada vez mais aprisionadas pelo medo. É um assunto que merece reflexão.

  10. Antonio Jaime 20 de novembro de 2014 at 17:03 - Reply

    Prezado Leandro,
    parabéns pelo site, parabéns pelo assunto de hoje!
    Filosofia significa amor pela sabedoria. É algo muito prático e vivencial. Assim, tudo que fazemos com sabedoria tende a facilitar e harmonizar nossa relação com as coisas, com as pessoas e com as circunstâncias que nos cercam. Nossos problemas não são as coisas, as demais pessoas ou mesmo os eventos, mas sim a maneira pela qual nos relacionamos com isto tudo.
    Acho que a filosofia deveria ser ensinada no curso primário. Aliás, certa vez vi num canal de TV um documentário mostrando um experimento levado a efeito por um professor na Inglaterra. Crianças de 6 a 8 anos foram provocadas em várias aulas de discussões filosóficas e se sairam muito bem! Foi algo espantoso a conclusão límpida a que elas mesmas chegaram sobre temas complexos e existenciais como este que você colocou acima.
    Afinal, a grande sabedoria de qualquer ser humano é poder dosar suas energias investidas com várias empreitadas ao longo da vida, na medida equilibrada. Por exemplo: até que ponto uma pessoa deve investir suas energias, seus esforços a fim de conseguir uma poupança suficiente para suprir suas necessidades (não suas ambições), sem comprometer seu bem estar e sem ferir a ética, e sem que se torne um avarento?
    Afinal, nós humanos somos metade animal e metade divindade; o que nos faz humanos e diferenciados dos outros animais é exatamente a metade divina que, se exercitada, nos conduz à temperança, à saúde interna e externa e à paz duradoura.

    • Leandro Ávila 20 de novembro de 2014 at 17:37 - Reply

      Olá Antonio Jaime, obrigado por deixar seu comentário. Também acredito que seria ótimo aulas sobre filosofia nas escolas. Tive aulas de filosofia na faculdade, lamentavelmente a professora fez de tudo para tornar a matéria um fardo para os estudantes.

  11. Francisco Lima 20 de novembro de 2014 at 21:49 - Reply

    Leandro, boa noite! Cumprimentado você, cumprimento a todos os envolvidos neste projeto que deve ser assistido algumas vezes mais, para que possamos extrair as várias mensagens salutares para o desenvolvimento da nossa existência como seres humanos. Espero que este material continue a circular o mundo, disseminando os questionamentos necessários para a evolução moral e espiritual dos indivíduos.
    Sou fruto de uma vida de conquistas e perdas, em vários momentos as perguntas: “quem sou eu?”, “qual a minha missão nesta vida?”, “qual o significado da vida?”, “qual a importância da riqueza material?”, “qual é a verdadeira riqueza neste mundo?” e outras mais, fizeram parte dos meus dias. Claro que não há como respondê-las de uma só vez e muito menos entre um dia à uma noite!
    Hoje cheguei a seguinte conclusão: na minha particular opinião o que sou?
    Um espírito encarnado com a missão de adquirir conhecimentos intelectuais, para o aprimoramento dos valores morais no caminhar da conquista de uma evolução espiritual. Ou seja:
    aqui estamos para aprendermos o que for necessário para galgarmos um patamar no mundo de onde viemos, contudo, as minhas riquezas nunca serão medidas na forma física acumulada e sim na forma sentimental distribuída. Digo, distribuir amor, compreensão, afeto, carinho, atenção, generosidade e caridade. Com essas práticas, elevaremos nossos valores e fortaleceremos nosso padrão moral por conviver harmonicamente com o outro, assim, nosso espírito será elevado cada vez mais e no mundo de onde viemos, a nossa verdadeira casa, avaliaremos o nosso aprendizado com base nas experiências vividas no mundo carnal.
    Obvio que há uma necessidade física a ser suprida materialmente, com dinheiro, relacionamentos, objetos e tudo mais, é o nosso ego nos cobrando resultados. Mas quando entendemos o significado da fé e da confiança que a nossa existência deve superar essas necessidades, aprendemos a ter equilíbrio no adquiri e no manter desse patrimônio material.
    Para mim, o dinheiro é um veículo de suprimento das necessidade físicas e sociais que devemos respeitar mais nunca nos deixar dominar. Assim como o nosso corpo, tudo nesta vida não passa de um empréstimo, saúde, relacionamentos, casa, carro, objetos são veículos, ferramentas que nos ajudam aprender a lidar com a nossa personalidade mediante a nossas escolhas.
    Se ganhamos muito dinheiro e mantermos a humildade e ampliarmos a nossa generosidade, teremos uma vida moral mais equilibrada, com isso evoluiremos como espíritos. Da mesma forma é o sentido contrário, se ganhamos muito dinheiro, acumularmos riquezas e não nos preocuparmos com os valores morais que precisamos aprimorar, nosso espírito ira estagnar e precisará da mais tempo para evoluir.
    Em fim…. tudo esta ligado a educação familiar, estamos perdendo esse fiel patrimônio da humanidade, nossas famílias estão perdendo espaço e com isso a sociedade está perdendo o sentido. Sendo assim, poucos darão verdadeiro valor ao belo trabalho que você e sua equipe produziram, mas, isso servirá para todos nós que acreditamos no poder da educação, continuarmos com outras companhar iniciando as mudança em NÓS em primeiro lugar.
    Parabéns mais uma vez Leandro e perdoe-me por ter sido extensivo em meus comentários!

    E que Deus nos abençoe!

    • Leandro Ávila 20 de novembro de 2014 at 23:20 - Reply

      Olá Francisco. Muito obrigado por dedicar seu tempo para deixar aqui sua contribuição!

  12. Armando 21 de novembro de 2014 at 12:11 - Reply

    Olá Leandro, fantástico esse documentário. Eu li isso em algum lugar “Todos acham o que procuram de acordo com sua natureza”.

    • Leandro Ávila 21 de novembro de 2014 at 12:23 - Reply

      Oi Armando, concordo plenamente. Por isto é tão importante estar aberto para novos conhecimentos pois é a educação que modifica nossa natureza. No momento que mudamos nossa natureza começamos a enxergar portas e caminhos que não conseguíamos ver antes.

  13. Halisson Souza 21 de novembro de 2014 at 13:20 - Reply

    Estou viciado em Clube dos Poupadores. É muita riqueza de conteúdo (artigos, videos e comentários). Valeu Leandro por proporcionar esse encontro. Aqui eu me sinto em casa.

  14. Laine 21 de novembro de 2014 at 20:23 - Reply

    Ola Leandro!
    Gostei da analogia que voce fez ligando o video ao dinheiro. O interessante e que mesmo religioes diferentes, profissoes diferente, idades diferentes nos chegamos a mesma pergunta. Mesmo eu tendo opiniao diferente de muitos entrevistados, pois tenho crencas diferentes, percebo que a essencia e a mesma. Acredito que a “ignorancia” e a resistencia das pessoas influenciam muito nesse buscar, como tambem as influencias familiares, religiosas, cultural, educacional, amigos e ate mesmo fisicas. Hoje o marketing dita muita coisa nas vidas das pessoas, percebo isso muito forte porque moro em outro pais e convivo com pessoas do mundo inteiro. Entao minha percepcao vai ser diferente daquele que nunca teve contato com pessoas de outras culturas. Vejo que as crencas e um fator determinante na forma de lidar com dinheiro. Um exemplo muito bom disso e eu fazer uma comparacao entre o americano e o brasileiro. Eles lidam com o dinheiro de forma muito diferente. Por exemplo, nos brasileiros somos muiito ligados a estetica, nos nos preocupamos mais com marcas, beleza e o que posso mostrar para o outro. Entao gastamos mais dinheiro em carros de marca, roupas de marca e produtos de estetica. Ja o Americano eles sao mais preocupados com o prazer e praticidade, entao eles gastam mais dinheiro com comida, e muita tecnologia para tornar a vida deles mais facil. E para aqueles que nao acreditam que isso tem haver e so comecar a pesquisar sobre a influencia das religioes na situacao financeira de um pais. Tenho um amigo que esta na Africa ele sempre me conta que as familias la gastam 80% do que eles produzem fazendo oferendas a deuses religiosos, isso acarrata tambem a miseria porque 20% nao e suficiente para sustentar familia de 5 filhos. Parabens pela reportagem da semana!

    • Leandro Ávila 21 de novembro de 2014 at 22:25 - Reply

      Olá Laine. Na verdade a religião das pessoas pode sim interferir em suas vidas financeiras já que interferem nos valores. O cristão católico coloca uma carga muito negativa no hábito de poupar dinheiro e construir patrimônio. Já o cristão protestante (comum nos EUA) encara a prosperidade financeira como uma graça divida. Os judeus também possuem uma relação com o dinheiro e com o empreendedorismo muito diferente dos cristãos católicos, a prosperidade financeira tem a aprovação divina. Grande parte do sistema financeiro mundial está nas mãos de famílias judias, até por culpa da igreja Católica que no passado chegou a proibir os judeus de trabalharem com o comércio. Eles passaram a emprestar dinheiro para comerciantes e navegadores (assim nasceram os bancos). Tem um livro muito interessante sobre este assunto chamado “Os judeus, o dinheiro e o mundo”. Já budistas e muitas religiões orientais pregam o desapego material e uma vida simples como caminho para a felicidade já que o apego escraviza e se torna fonte de sofrimento. O fato é que tudo isso influencia no comportamento das pessoas, independente de religião. O mais importante seria o autoconhecimento e neste caso não importa se você tem religião. Eu pessoalmente acredito que as pessoas deveriam evitar se transformarem em uma amontoadoras de objetos. É isto que as empresas querem. Todas as estratégias de marketing tem como objetivo estimular seu desejo de adquirir e amontar coisas na sua casa, mesmo que você não precise delas. Eles fazem de tudo para criar necessidades que não existem na sua vida. Se você consegue entender isto para ter o controle da sua vida (e não se deixar controlar) as coisas se tornam bem mais fáceis.

  15. Laine 21 de novembro de 2014 at 23:05 - Reply

    Concordo 100% como o que voce disse!

  16. Alex 22 de novembro de 2014 at 10:16 - Reply

    o video é ótimo,

    Muito obrigado Leandro

    Seu site foi o melhor que conheci em 2014.

    Tenho muito a te agradecer

  17. Halisson 22 de novembro de 2014 at 11:39 - Reply

    Sabe como eu diferencio os medianos dos excepcionais?Simplesmente eu avalio a maneira como o indivíduo aborda determinado assunto(saúde, educação, finanças pessoais, TI, investimentos etc.). Quando se fala de educação, sem falar de saúde, psicologia ou espiritualidade, a mensagem se torna incompleta, como um quebra cabeça com muitas peças por montar. O mesmo se aplica quando ouço alguém falar de nutrição, ou mesmo, atividade física.

    O seu grande diferencial, meu nobre Leandro, é a maneira holística, sistemática, como você aborda a questão referente à educação financeira. Não se trata de uma mera questão de explicar conceitos de um ramo da ciência em particular(Até pq é uma área que envolve Administração, Economia, Contabilidade, Psicologia etc.). Muito menos apenas pregar mensagens de motivação para que o indivíduo promova uma mudança de mentalidade quanto a sua vida financeira.

    Parece-me que você compreende que não é possível falar em investimentos, sem falar em Planejamento, organização, autoestima, sonhos, valores, princípios.

    Você materializa, por meio do seu trabalho, as ideias contidas no livro o 8ª Hábito, do autor Stephen R. Covey.

    • Leandro Ávila 22 de novembro de 2014 at 12:11 - Reply

      Oi Halisson, muito obrigado por suas palavras. Eu realmente acredito que a questão não pode ser tratada isoladamente. Educação financeira possui ligações com política, economia, matemática financeira, ética, moral, administração, psicologia, filosofia, direito, espiritualidade, etc. Acho muito interessante encontrar e mostrar estas conexões. Veja o caso destas pessoas que estão sendo presas na operação lava-jato. São pessoas que se tornaram milionárias, certamente atingiram a independência financeira, provavelmente entendem tudo sobre finanças e negócios. São pessoas educadas? Não. São pessoas com falhas graves na educação. Podem ser pessoas com desenvolvimento intelectual e técnico muito elevados, só que são moralmente pobres, verdadeiros ignorantes, analfabetos em questões éticas, princípios e valores. Provavelmente sabiam muito de finanças e pouco de filosofia. O resultado desta deficiência é o total fracasso que irão amargurar agora. Só a humilhação diante de filhos, netos, parentes e amigos de ser preso e acusado de crimes contra toda a população brasileira deve ser muito doloroso. Se não ter dinheiro é um problema, ter dinheiro sem estar preparado internamente para lidar ele é um problema pior ainda. Um abraço e mais uma vez obrigado! 🙂

  18. Irina Cezar 22 de novembro de 2014 at 21:27 - Reply

    Oi Leandro!

    Tenho acompanhado suas dicas e gostado bastante! Infelizmente não achei a indicação do vídeo muito interessante… Talvez por eu possuir um perfil mais pragmático. Entendo a necessidade da reflexão, mas não sei se quem assistiu conseguiu pensar na ligação com os bens materiais (e sua prisão ou emancipação, depende de cada um).

    Obrigada!

    • Leandro Ávila 23 de novembro de 2014 at 22:28 - Reply

      Olá Irina, que pena que não achou interessante. De qualquer forma obrigado pelo comentário.

  19. Elton 24 de novembro de 2014 at 9:54 - Reply

    Olá Leandro.

    Qual sua posição sobre investir em ouro e prata?

    Seu site tem me ajudado muito.
    Parabéns e obrigado!

    • Leandro Ávila 24 de novembro de 2014 at 13:39 - Reply

      Olá Elton, ainda não escrevi artigos sobre investimento em ouro. Pretendo fazer isto no futuro. Para quem deseja aprender mais sobre câmbio, outro e outros investimentos de proteção para momentos de crise interna eu recomendo o curso de câmbio do Carteira Rica.

  20. Fred Poncio 24 de novembro de 2014 at 11:40 - Reply

    Leandro, ótimo artigo. É claro que uma visão espiritual faz muita diferença para “entender” o dinheiro. Mas duas palavras são essenciais : EQUILÍBRIO e CONTENTAMENTO. Equilíbrio para colocar tudo na vida (emprego, estudos, dinheiro, carreira, etc.)em seu respectivo lugar e na dose ideal. E contentamento para entender que MUITO pode ser POUCO ou POUCO pode ser MUITO.

    • Leandro Ávila 24 de novembro de 2014 at 13:36 - Reply

      Olá Fred, obrigado pelo seu comentário. Outra palavra importante é a gratidão. As pessoas precisam ser gratas pelo que já possuem. Isto faz uma enorme diferença.

  21. Sabrina 24 de novembro de 2014 at 12:46 - Reply

    Muito interessante esse documentário. Minha percepção é a de que somos escravizados pelo dinheiro, pois meu sonho por exemplo é de viajar pelo mundo, e para isso preciso de dinheiro logo a busca por ele se torna primordial em minha vida, até certo ponto.

    • Leandro Ávila 24 de novembro de 2014 at 13:31 - Reply

      Olá Sabrina, obrigado pelo seu comentário. Por isto é importante saber lidar corretamente com ele. Consumir e investir com inteligência permite atingir seus objetivos sobre o que pretende fazer com a vida e o tempo que possui.

  22. CANOLI 25 de novembro de 2014 at 23:39 - Reply

    Leandro, ótimo video. Uma vez ví um filme no qual um personagem, que era mafioso, depois de dar gordas gorgetas aos garçons que o serviram, ao dono do restaurante, e também ao cozinheiro, caminhando pela rua viu um padre ao qual pediu a benção e ao ser abençoado deu ao padre um cheque de 50 mil dolares para ajudar na reforma da igreja… foi perguntado pelo advogado que o acompanhava, porque ele dava tanto dinheiro para as pessoas e como resposta ele disse:“ Nasci sem nada, vim para a america e aqui cheguei sem nada, tudo que tenho vem do povo e eu só estou devolvendo o que e deles._ Mas e o seu trabalho para obter esse dinheiro, nao conta? _ Claro que conta, isso me dá o direito de escolher quem vai ficar com esse dinheiro. “ achei a colocaçao interessante e me coloquei a pensar no assunto e cheguei a conclusao de que o importante, nao é voce ter tanto dinheiro, porque o dinheiro de uma forma ou de outra, sempre retorna a sua fonte…O GOVERNO…, mas acho muito importante para nós nos tornarmos o caminho por onde o dinheiro vai passar, porque assim , podemos levá-lo na direçao que escolhermos. O seu video de uma forma ou de outra me fez reforçar esse sentimento de me satisfazer em ser o caminho invés de ser um contentor.

    • Leandro Ávila 26 de novembro de 2014 at 2:07 - Reply

      Oi Canoli, é uma visão interessante, mas existe uma coisa que você previsa observar. O cidadão que você viu no filme era mafioso, ou seja, era um criminoso. Provavelmente ganhou dinheiro prejudicando os outros e desrespeitando as leis e deve ter algum sentimento de culpa. Eu acho que as pessoas podem entregar valor para a sociedade, podem prestar bons serviços, podem realizar bons trabalhos e será justo o dinheiro que receberem em troca do bem que proporcionaram. É justo que desfrutem do dinheiro ganho com honestidade e não existe nada de errado em guardar o que sobra depois do pagamento de impostos para o momento em que não poderá ser tão último como antes (durante a velhice). Não podemos contar com a caridade de algum mafioso que iremos encontrar no futuro. Não devemos contar nem mesmo com o Governo (aposentadoria pública, saúde pública, etc) que infelizmente desvia muito dos impostos que pagamos e que deveria retornar para nós através de serviços públicos de qualidade.

  23. AGUINALDO 31 de dezembro de 2014 at 12:41 - Reply

    Seguem os valores referentes à cobrança semestral da taxa de custódia da BM&FBOVESPA e de sua instituição financeira (agente de custódia).

    RICO CTVM

    Taxa BVMF……………..: R$ 122,00
    Taxa Agente de Custódia…: R$ 0,00
    TOTAL…………………: R$ 122,00

    Leandro, se o agente de custódia informou que ao fundir-se com a directainvest não seriam cobradas taxas, para quem já era cliente da directa, qual motivo desta cobrança?
    Obs.: os valores acima são fictícios, mas houve cobrança. não questiono a cobrança. afinal nenhuma instituição trabalha de graça.

    • Leandro Ávila 4 de janeiro de 2015 at 11:25 - Reply

      Olá Aguinaldo. Todos que investem em títulos públicos precisam pagar 0,30% anual de taxa pela custódia da BM&FBovespa. Quem faz esta cobrança é a corretora. Já a taxa cobrada pela corretora é outra coisa. Algumas corretoras cobram taxa (quase todas) e uma minoria não cobra nenhuma taxa. Eu pago os 0,30% da Bovespa e pago 0,10% da corretora. Isto ai que vocÊ vai pagar provavelmente são os 0,30% da Bovespa. Visite aqui para entender http://www.tesouro.fazenda.gov.br/quais-sao-os-custos-do-programa-

  24. wander jamar gonzaga 14 de janeiro de 2015 at 16:56 - Reply

    Muito bom seu vídeo.
    Diante de tanta diferença humana ,cada um tem suas respostas.
    Eu penso que a saúde do corpo e da mente te dará oportunidades na vida,que ganhamos de graça.
    O dinheiro é a moeda de troca para satisfazer as necessidades materiais,espirituais e etc,sem muito apego e ganância!

Leave A Comment

Share this

Compartilhe com um amigo