Como juntar 1 milhão com R$ 30 reais

Acumular uma pequena fortuna no decorrer de uma vida inteira de trabalho é algo desejável por todos, especialmente agora onde temos muitas evidências sobre o risco de confiar nossa aposentadoria futura ao governo ou a fundos de pensão mal geridos.

Construir um grande patrimônio, quando o nosso foco é o longo prazo, é algo plenamente possível, mesmo quando temos pouco para investir. É sobre isso que eu pretendo falar neste artigo. A ideia é motivar você a fazer algumas reflexões sobre construir o seu patrimônio em um ambiente de juros baixos e sem correr muitos riscos nos investimentos.

Poupar não faz parte da natureza humana

Poucos conseguem poupar e investir por longos períodos, pois, para isso é necessário superar duas limitações que todos nós possuímos. Uma limitação é instintiva, ou seja, faz parte da nossa natureza animal e a outra está relacionada com a nossa ignorância inata.

Limites instintivos

Nossos instintos não contribuem para o ato de pensar e planejar o nosso próprio futuro. Todos os animais só conhecem o presente. Eles não incapazes de refletir sobre o que fizeram no passado e não podem planejar o que devem fazer hoje para construir um futuro melhor.

Todos os seres irracionais vivenciam apenas o presente e são felizes assim, pois estão livres da ansiedades e preocupações com o futuro. Conosco, as coisas são bem diferentes. Em algum momento da história da humanidade desenvolvemos a consciência e a razão. Isso mudou tudo.

Essa consciência nos permitiu perceber a finitude. Ao contrário dos outros animais, nós sabemos que somos finitos.

É a partir desse conhecimento súbito (para a religião) ou gradual (para a ciência) sobre a existência de um futuro onde todos estaremos mortos, que a humanidade começou a planejar o amanhã e, para isso, criou todas as formas de filosofias, religiões, ciências, leis, países, instituições e tecnologias.

Nossa espécie perambula por esse planeta há milhões de anos, mas a consciência e o uso da razão são eventos recentes. O lado racional da nossa mente, ainda está em desenvolvimento e trava uma batalha diária contra os nossos instintos mais primitivos.

Seguindo a nossa natureza animal, queremos consumir e gastar hoje, todos os recursos que temos disponíveis para maximizar nosso conforto e prazer.

Somente através de um esforço diário, fazendo uso da nossa racionalidade, teremos condições de guardar uma parte desses recursos do presente para serem consumidos nesse lugar distante e incerto que é o futuro.

Fé na vida longa

Aqui precisamos usar uma coisa que só nós conhecemos. Essa coisa se chama fé. Precisamos ter a fé de que teremos muitos anos no futuro para consumir os recursos que iremos acumular no presente.

Sem essa fé de que teremos uma vida longa, acumular não teria qualquer sentido. Por isso, poupar e investir pensando no futuro é um ato de fé e, ao mesmo tempo, um ato que depende da nossa racionalidade.

Nosso tempo de vida é uma incógnita, mas o desejo de ter a liberdade de um dia poder desacelerar o nosso ritmo de trabalho é uma certeza na vida de todos. Quem não gostaria de ter a liberdade de poder parar de trabalhar ou poder reduzir o ritmo de trabalho diário no futuro?

20 vezes a despesa anual

Quanto é o seu custo de vida anual? Some todas as despesas de um mês e multiplique por 12. Essa é a sua despesa anual. É o custo para manter o seu atual estilo de vida.

Se o seu objetivo for manter esse estilo de vida, para o resto da sua vida, você precisa construir um patrimônio em dinheiro de 20 vezes esse custo anual.

Exemplo 1:

Vamos imaginar que a sua despesa anual fosse de R$ 50.000,00. Seria como se a sua despesa mensal fosse de R$ 4.166,66 e ao multiplicar isso por 12 chegaríamos a uma despesa anual de R$ 50 mil.

Se durante a sua vida profissional você conseguir acumular 20 vezes esse valor, você terá um patrimônio de R$ 1 milhão (20 x 50.000 = R$ 1 milhão). Esse patrimônio será suficiente para conseguir uma renda anual passiva (que não depende do trabalho) equivalente a R$ 50 mil.

Essa renda poderia ser sacada do investimento e você manteria o seu estilo de vida como se estivesse aposentado ou financeiramente mais independente. Para isso, seria necessário um investimento capaz de render o equivalente a inflação + 5% de juros ao ano.

Se você já meus livros sobre investimentos ou costuma ler meus artigos, já sabem que na própria renda fixa, através de títulos públicos que pagam juros semestrais, é possível encontrar investimentos que pagam a inflação + algo próximo de 5% ao ano.

Esse R$ 1.000.000 x 5% ao ano produziria nos R$ 50 mil de rendimentos que seria suficiente para cobrir as despesas anuais do nosso exemplo. O valor principal seria reajustado pela inflação (IPCA).

Se a sua despesa anual for de R$ 25 mil, você precisaria acumular R$ 500 mil (20 x 25.000 = 500.000) e 5% ao ano desses R$ 500 mil produziriam R$ 25 mil na forma de juros para pagar suas despesas.

Se a sua despesa anual for de R$ 100 mil, você precisaria acumular R$ 2 milhões (20 x 100.000 = 2.000.000) e 5% ao ano desses 2 milhões produziriam os R$ 100 mil anuais em juros para que você pague seu custo de vida.

O problema é que juntar todo esse dinheiro (20 vezes suas despesas) até conseguir essa renda passiva exige um grande esforço.

Ajuda dos juros compostos

Podemos contar com a ajuda dos juros compostos para que possamos atingir o patrimônio que precisamos. Isso significa que você não vai precisar poupar 20 vezes suas despesas anuais. Você só precisa poupar 12,42 vezes as suas despesas anuais para construir um patrimônio capaz de pagar essas despesas por você.

No exemplo de uma despesa de R$ 50 mil por ano, vimos que você precisa acumular R$ 1 milhão e isso representa 20 x 50 mil.

Vamos imaginar que você acumule esse valor gradativamente no decorrer da sua vida (35 anos) fazendo investimentos que rendem a inflação + 5% de juros. Neste caso, você só vai precisar tirar do próprio bolso o equivalente a 12,42 vezes as suas despesas anuais, ou seja,  R$ 621 mil (12,42 x 50 mil = 621 mil).

Seguindo o mesmo exemplo acima, se a sua despesa anual fosse de R$ 25 mil e você precisasse acumular R$ 500 mil (20 x 25 mil), você só precisaria poupar do próprio bolso a quantia de R$ 310.500,00 (12,42 x 25 mil = 310.500). O restante você receberia através dos juros sobre juros.

Se a sua despesa anual fosse de R$ 100 mil e você precisasse acumular R$ 2 milhões, você só precisaria poupar do próprio bolso a quantia de R$ 1.242.000 (12,42 x 100 mil = 1.242.000). O restante você receberia através dos juros sobre juros.

Só que mesmo com a ajuda dos juros compostos, acumular tanto dinheiro assim durante a vida continua sendo algo desafiador e desanimador para muitos. Veremos agora como resolver esse problema mudando o nosso foco.

Hackeando a sua mente

É impossível não ficar desanimado quando olhamos a montanha de dinheiro que precisamos acumular durante a vida para atingir a independência financeira.

Alguma coisa dentro da nossa mente oferece resistência. Questões como essas começam a surgir: “Quantos prazeres e momentos agradáveis do meu presente eu teria que abrir mão durante 35 anos da minha vida para acumular R$ 1 milhão de reais ou mais, devidamente corrigidos pela inflação?”

Seus instintos mais primitivos vão “gritar” internamente frases do tipo: Eu quero ser feliz hoje! Dinheiro foi feito para gastar agora! Eu não sei se estarei vivo amanhã!

Esses pensamentos vão atormentar a sua mente por todos os meses e anos em que você estiver se esforçando para acumular recursos para ter uma boa aposentadoria no futuro ou para ter apenas mais liberdade de escolha, mais tranquilidade financeira e mais independência através dos seus próprios investimentos.

Uma forma de “hackear” esse tipo de pensamento é transformar esse objetivo de acumular milhões de reais nas próximas décadas em um pequeno objetivo diário.

No lugar de ficar olhando para o topo da montanha e desistir, você vai olhar apenas para o próximo degrau da escadaria que levará você até o topo.

Na prática, você só precisa se preocupar com o desafio do dia de hoje, que é subir o pequeno degrau. Já falei no início do artigo que a nossa mente foi feita para pensar somente no presente. Então, que o nosso foco fique apenas no pequeno desafio do presente.

Nos exemplos que apresentei aqui, você só precisaria encontrar uma maneira de ganhar e investir R$ 30 por dia durante 35 anos para atingir R$ 1 milhão, caso o seu conhecimento sobre investimentos permita ter uma rentabilidade anual de 5% acima da inflação.

Se o seu objetivo for conseguir R$ 500 mil, basta focar nos R$ 15 por dia que você precisa ganhar e investir. Se o objetivo fosse de R$ 2 milhões basta focar nos R$ 60 por dia que você precisa ganhar e investir.

Observe que R$ 30 reais por dia são equivalentes a R$ 900 por mês. A taxa de 5% ao ano é equivalente a +/- 0,407% ao mês. Podemos arredondar para 0,41% por mês. Durante 35 anos teremos o que seria equivalente a R$ 1 milhão nos dias de hoje. Faça suas próprias simulações de juros compostos.

Como já falei, conseguir uma taxa de 5% ao ano, acima da inflação, equivalente a quase 0,41% ao mês, não muito difícil de conseguir, pois no Brasil existem títulos públicos que pagam 5% ao ano, acima da inflação.

Com um pouco de conhecimento, sem correr muito risco, é possível manter uma carteira de investimentos que supera essa taxa através da renda fixa, renda variável e até um pouco de empreendedorismo.

É uma questão de superar a nossa limitação baseada na nossa ignorância inata sobre investimentos. Ninguém nasce sabendo investir, mas todos podem aprender. Ninguém nasce conhecendo as diversas formas que existem de ganhar dinheiro, mas todos podem aprender.

Quando você foca a sua mente no pequeno objetivo de R$ 15, R$ 30 ou R$ 60 reais ganhos e investidos por dia, você coloca o seu foco no pequeno objetivo do presente e para de olhar a desanimadora montanha de dinheiro de R$ 500 mil, R$ 1 milhão ou R$ 2 milhões que você deseja acumular durante no futuro. Esse pequeno detalhe sobre onde colocar o seu foco, que faz toda diferença.

Você tem uma ferramenta poderosa sobre o seu pescoço. Você é dotado(a) da capacidade de raciocinar.

Será tão difícil encontrar uma forma de poupar e investir o equivalente a R$ 30 por dia?

Quando comecei a pensar sobre a minha independência financeira, 20 anos atrás, sempre me esforcei para tirar o foco dos 15, 20 ou 30 anos que teria pela frente e focar minha atenção para o pequeno valor que eu deveria ganhar e poupar todos os dias para poder investir.

No início, a sua taxa de poupança (sua capacidade de poupar regularmente) é mais importante do que a rentabilidade dos investimentos. Depois é que a rentabilidade passa a ser o fator mais importante, pois em determinado momento a renda passiva que recebemos do investimento ultrapassa a nossa capacidade de poupar. Só que isso leva algum tempo para acontecer.

Essa seria a primeira etapa da sua independência, que é quando a renda dos investimentos ultrapassa sua capacidade de poupar mensalmente. Em uma segunda etapa a renda dos investimentos supera a sua despesa mensal e por último, a renda dos seus investimentos supera a sua renda.

Por este motivo, o importante no presente é o foco nos pequenos objetivos diários. É esse foco no pequeno degrau que funciona como arma poderosa contra as diversas formas de resistência mental que atacarão você com todo tipo de ideia contra seus investimentos focados no futuro.

Focando no pequeno esforço diário, retiramos o foco do grande esforço de décadas.

O plano é o guia

Minhas escolhas na vida profissional foram guiadas por essa ideia de subir o pequeno degrau diário, ou seja, acumular uma pequena quantia diariamente.

Isso influenciou a escolha da minha atividade profissional. Ainda no meu primeiro emprego eu busquei formas de prestar serviços externos, nas minhas horas vagas, para conseguir rendas adicionais.

Pouco tempo depois, vi que seria muito vantajoso trocar o emprego de salário fixo pelo meu próprio negócio (uma pequena empresa) que me deu liberdade para trabalhar o quanto fosse necessário para atingir o meu objetivo diário.

Talvez você também possa refletir sobre meios de obter uma pequena renda adicional para atingir o seu pequeno objetivo diário de ganhar, poupar e investir para realizar o seu plano de independência financeira.

O primeiro passo seria ter um plano.

Basta ter o plano e colocar a sua cabeça para funcionar com foco nos seus objetivos. Não é muito diferente do que você faz todos os dias quando trabalha para realizar os sonhos financeiros daqueles que pagam o seu salário mensalmente.

Nem todo mundo tem renda suficiente para cobrir as próprias despesas e ainda ter uma boa sobra para investir, mas todos podem aprender mais e colocar a cabeça para funcionar com o objetivo de encontrar ideias sobre como conseguir os poucos reais diários para atingir uma independência futura.

Eu escrevi novo livro digital com mais de 180 páginas que aprofundam e detalham ideias sobre o planejamento da sua independência financeira. O livro é prático e acompanha diversas planilhas e simuladores para que você possa criar um plano para atingir a sua independência financeira no decorrer da sua vida.

Você vai fazer as suas próprias simulações, com valores que representam a sua realidade, seu custo de vida, sua capacidade de rentabilizar os seus investimentos, respeitando seus planos pessoais. Você terá as ferramentas que desenvolvi e que me permitiram atingir a minha independência financeira em todos os seus níveis.

Esse novo livro é uma base de conhecimentos muito rica e de grande valor, que pode ser sua por um preço meramente simbólico. É uma oportunidade que eu gostaria de ter encontrado 20 anos atrás. É o tipo de conhecimento que todos os pais deveriam transmitir para os seus filhos. Não deixe essa oportunidade passar. Conheça o livro sobre independência financeira e os seus simuladores clicando aqui.

Invista primeiro em você:

O primeiro investimento que devemos fazer para melhorar a nossa vida financeira é o investimento em conhecimento. Custa pouco e rende juros pelo resto da vida. Sem saber investir o nosso próprio dinheiro, não teremos bons resultados. Dependendo da opinião dos outros para saber onde investir, teremos resultados ainda piores. O conhecimento melhora nossos resultados e liberta da dependência dos outros. Escrevi uma série de livros que podem te ajudar muito a adquirir todo o conhecimento que precisa no menor tempo possível. Clique aqui para conhecer os livros.
Esse artigo foi útil?
Deixe-nos saber, se você gostou deste artigo. Só assim podemos continuar melhorando.
Sim
Não

Sobre o Autor:

Leandro Ávila criou o Clube dos Poupadores por acreditar que o conhecimento é uma riqueza que se multiplica quando dividida. Compartilhando o que sabemos, criamos um mundo melhor. Conheça os livros que ele escreveu sobre educação financeira, investimentos financeiros e imobiliários.

Compartilhe com um amigo