Onde os brasileiros mais investem dinheiro


É curioso observar como os 71,7 milhões de investidores brasileiros estão investindo seus R$ 2,043 trilhões. Cada um investe em média R$ 28,5 mil divididos da seguinte forma: títulos de renda fixa e valores mobiliários (34%), fundos de investimento (31,6%), poupança (29,6%) e renda variável (4,8%). O gráfico abaixo mostra como os investimentos estão distribuídos:

Quando separamos esses investidores em três categorias, com base em quanto cada um investe, a realidade do gráfico acima fica muito diferente. Vamos considerar que investidores “Private” são aqueles que possuem milhões investidos. Os investidores de “Varejo de Alta Renda” possuem centenas de milhares de reais e os investidores de “Varejo Tradicional” possuem milhares ou dezenas de milhares investidos. Veja que existe uma enorme diferença entre os três grupos:

Observa no gráfico acima que os clientes que os bancos chamam de “Private” alocam apenas 0,2% do dinheiro que possuem na Poupança. Já o investidor pequeno chamado de “Varejo Tradicional” possui 64,7% dos seus investimentos na Poupança.

Podemos observar que 39,2% do patrimônio dos maiores investidores (da categoria Private) estão investidos em títulos de renda fixa como CDB, LCI, LCA, títulos públicos oferecidos pelo Tesouro Direto e valores mobiliários como as debêntures. Já os investidores do varejo investem apenas 22,2%. Os clientes Private investem 48,4% em fundos de investimento e o varejo investe 12,5%.

Fica claro que enquanto os investidores grandes possuem suas reservas de emergência em fundos de investimento, os investidores de menor porte deixam suas reservas na poupança. Em tempos de inflação elevada e de juros altos esse pequeno investidor perde uma verdadeira fortuna todos os meses mantendo dinheiro na poupança (fonte). Existem mais de R$ 600 bilhões rendendo apenas 0,5% ao mês + TR (remuneração da poupança) que dá mais ou menos 0,65% ao mês de juros (fonte) ou 8,08% ao ano enquanto a Taxa Selic está na casa dos 14,25% ao ao ano (fonte) e a taxa DI está 14,13% (fonte). Estas duas últimas taxas são a base que determinam a rentabilidade de investimentos de renda fixa como CDB, LCI, LCA, títulos públicos e fundos de investimento.

A grande questão é a seguinte: Até que ponto as pessoas deixam de ganhar mais em seus investimentos por ignorarem a existência de outras possibilidades que rendem mais?

Agora vamos ver como o dinheiro dos brasileiros fica dividido entre os diversos investimentos. O gráfico abaixo exclui os fundos de investimento, que representam 31,6% do total, que iremos ver detalhadamente em outro gráfico.

Veja como podemos ler o gráfico acima:

  • 1,8% do dinheiro investido pelos brasileiros está em títulos públicos federais que qualquer pessoa pode comprar através do Tesouro Direto, mas que somente 0,97% (675 mil) dos investidores brasileiros conhecem (fonte);
  • 18,8% do dinheiro está investido em captações bancárias como os investimentos em CDB;
  • 1% está em debêntures que são títulos de crédito oferecidos por grandes empresas;
  • 14,4% estão em LCI que no gráfico acima aparece na legenda “Lastro Imob” por serem títulos com lastro imobiliário.
  • 13,4% estão em LCA que no gráfico aparece na legenda “Lastro Agrícola”;
  • 43,3% de todo o dinheiro dos investidores brasileiros está rendendo muito pouco na Poupança;
  • 7,1% estão investidos em renda variável como ações que podem ser compradas na BM&FBOVESPA através de qualquer corretora.

Agora vamos ver em quais tipos de fundo de investimento os brasileiros investem 31,6% de tudo que possuem (principalmente as pessoas da categoria Private a Alta Renda):

A maior parte do dinheiro (58,6%) investido em fundos ficam nos chamados fundos do tipo Renda Fixa como: fundos DI, fundos de renda fixa, fundos de curto prazo, fundos de crédito privado, fundos de inflação, etc. Todos estes fundos investem o dinheiro das pessoas em produtos de renda fixa como títulos públicos e títulos privados.

Os fundos DI e fundos de Renda Fixa são normalmente utilizados como substitutos da poupança por quem possui quantias maiores investidas. As taxas administrativas anuais cobradas pelos fundos de investimento são percentualmente menores quando você possui quantias maiores para investir. O curioso é que estes fundos investem o dinheiro dos investidores em títulos públicos, coisa que o próprio investidor poderia fazer por conta própria, muitas vezes com custo menor.

Em segundo lugar ficam os fundos multimercado com 30,6% dos investimentos. São fundos onde seus gestores possuem maior liberdade para investir o dinheiro das pessoas em diversas modalidades de investimentos, incluindo os que possuem maior risco como ações.

Em terceiro lugar temos os fundos estruturados. São fundos que possuem regras bem específicas como o caso dos Fundos de Investimento Imobiliário – FII que normalmente investem em imóveis para locação e regularmente distribuem os lucros desses aluguéis entre os participantes do fundo. Temos ainda fundos menos conhecidos como Fundos de Investimento em Direitos Creditórios – FIDC e FIDC-NP, Fundos de Investimento em Participações – FIP, Fundos Mútuos de Investimento em Empresas Emergentes – FMIEE e Fundos de Financiamento da Indústria Cinematográfica Nacional – FUNCINE. Não são fundos populares.

Conclusão:

Você pode baixar o estudo que utilizei como base para escrever este artigo. Os números e gráficos deste artigo foram retirados deste relatório anual da Anbima, clique para baixar. Na minha opinião pessoal estes números concluem o seguinte:

Grande Investidor:

Quem faz parte da categoria “Private” ou “Alta Renda”, ou seja, brasileiros que possuem milhões ou centenas de milhares de reais investidos, precisa estudar mais sobre títulos públicos (Tesouro Selic, Tesouro Prefixado, Tesouro IPCA) e títulos privados como CDB, LCI e LCA, principalmente aqueles oferecidos por bancos de médio porte. Existem ferramentas online que permitem consultar as taxas oferecidas por estes bancos. Já falei sobre isso aqui. Ao investir em bancos menores você só precisa ter o cuidado de respeitar as garantias do Fundo Garantidor de Créditos

Esse perfil de investidor está mantendo quase 50% de tudo que possui em fundos de investimento, principalmente os fundos de renda fixa, que nada mais fazem do que investir o dinheiro em títulos públicos e títulos privados.

A maioria dos fundos oferecem liquidez diária. Rapidamente você pode transferir o dinheiro do fundo para sua conta. Quando você investe em títulos público pode demorar 1 ou 2 dias para o dinheiro cair na sua conta no caso de venda antecipada. No caso dos títulos privados (CDB, LCI e LCA) pode ser necessário esperar a data do vencimento do título. Existem alguns CDBs que possuem liquidez diária, mas a rentabilidade oferecida costuma ser bem menor em troca desta maior liquidez. Não existe investimento perfeito.

O investidor também precisa entender o funcionamento do come-cotas. Você verá que ele prejudica a rentabilidade de investimentos de longo prazo em fundos de investimento.

Como você pode perceber, quem tem mais dinheiro precisa dedicar mais tempo estudando para tomar decisões mais conscientes sobre o próprio patrimônio. Isto é que permitirá depender menos da opinião dos outros sobre onde investir o próprio dinheiro. Já falei sobre esse risco aqui. Lembre-se que os grandes bancos lucram mais oferecendo fundos e planos de previdência privada (que são um tipo de fundo). Eles cobram caro para fazerem investimentos que você mesmo(a) poderia fazer. Eles não ganham nada estimulando você a fazer seus investimentos por conta própria e com o menor custo.

Pequeno investidor:

Já o pequeno investidor da categoria “Varejo Tradicional” precisa descobrir que existem muitas modalidades de investimento e que a Poupança é a que rende menos. É necessário dedicar mais tempo para aprender mais. Aqui mesmo no Clube dos Poupadores existem muitos artigos gratuitos sobre o assunto e todas as semanas envio conteúdo para o e-mail dos leitores cadastrados gratuitamente.

As taxas de juros estão tão elevas atualmente que tudo tende a render mais que a poupança. Até os fundos de investimento que cobram taxa administrativa elevada estão oferecendo rentabilidade maior que a poupança.

O pequeno investidor também precisa estudar o funcionamento dos títulos públicos, pois o custo de investir em títulos públicos costuma ser menor do que o custo de investir em fundos de investimento que investem em títulos públicos cobrando taxas administrativas elevadas.

Sua ignorância financeira custa caro para você e gera bons lucros para os bancos.

 

By |12/04/2016|Categories: Investimentos|113 Comments

About the Author:

Leandro Ávila é administrador de empresas, educador independente especializado em Educação Financeira. Além de editor do Clube dos Poupadores é autor dos livros: Reeducação Financeira, Investidor Consciente, Investimentos que rendem mais, e livros sobre Como comprar e investir em imóveis.

113 Comments

  1. Gonçalo 12 de abril de 2016 at 8:52 - Reply

    Muito bom, Leandro!! Compartilhado!!! Abraços!!!!

    • Leandro Ávila 12 de abril de 2016 at 10:14 - Reply

      Oi Gonçalo, obrigado.

      • Daniel 12 de abril de 2016 at 14:32 - Reply

        Qual a fonte desses dados?

        • Leandro Ávila 12 de abril de 2016 at 15:51 - Reply

          Oi Daniel. No artigo eu coloquei o link para o relatório (PDF).

      • cristiane 26 de abril de 2016 at 17:09 - Reply

        Boa tarde , por favor Leandro qual calculo que eu faço para saber se a minha aplicação vale a pena ou não, estou pesquisando uma lci 1461 dias que paga igpm mais 5,30% , porem estou um pouco preocupada porque não tenho certeza do calculo que preciso fazer se vale a pena ou não, tem outras cdb que pagam 118% di porem não sei como decidir . Se vc puder me ajudar ??? estava lendo o livro sobre investimentos e gosto muito de investir em renda fixa porem a inflação nunca levei a serio , de acordo com esse livro e a primeira conta que precisa fazer.

        • Leandro Ávila 29 de abril de 2016 at 10:58 - Reply

          Oi Cristiane. Você não tem como prever qual vai ser o IGPM acumulado entre a compra e o vencimento do LCI. Dessa forma você tem a certeza que receberá 5,30% ao ano e um IGPM que você não conhece ainda. Neste site aqui existe um histórico do IGPM: http://www.portalbrasil.net/igpm.htm O mesmo vale para os 118% do taxa DI. Essa taxa DI é divulgada na primeira página do site http://www.cetip.com.br/ No seu caso você receberá 118% da taxa divulgada no site. Eu tenho um artigo onde falo sobre CDB que pode ajudar.

          • João de Deus 1 de maio de 2016 at 7:11

            parabens pelo Artigo Leandro!! Até o final de 2015 meus investimentos eram no Banco do Brasil…me revoltei com a inflação de 2105 e fui estudar sobre investimentos…hoje não tenho um tostão na poupança..minha poupança é o tesouro selic e o resto diversificado em CDB, e outros titulos do tesousro…oLeandro me ajudou muito com seus artigos. Grande Abraço Leandro, parabens!!!

          • Leandro Ávila 2 de maio de 2016 at 8:07

            Oi João. Parabéns por ter buscado informações.

        • cristiane 5 de maio de 2016 at 10:42 - Reply

          MUITO OBRIGADA PELA RESPOSTA , TO INVESTINDO EM TUDO UM POUCO. UM GRANDE ABRACO

      • Cristiane 27 de abril de 2016 at 12:05 - Reply

        Leandro vale a pena investir em lc ou lci corrigida pelo igpm ou ipca que pagam 6,’97 já descontados o IR 15, tenho feito as contas dos CDb mesmo pagando 120% DI o rendimento final fica em torno de 3% líquido.
        Aplicações que pagam igpm ou ipca mais 5 ou mais % já são aplicações ganhadoras ou precisa fazer algum cálculo para saber se realmente valem a pena. Um abraco

        • Leandro Ávila 29 de abril de 2016 at 11:05 - Reply

          Oi Cristiane. Isso depende do que você está usando como comparação. Você pode afirmar que 5% ao ano acima da inflação é melhor do que a poupança já que a poupança rende 6% de juros ao ano + TR (que no ano passado foi de apenas 1,7%). Já a inflação brasileira está acima de 9% e sobre isso você ainda receberia 5%. Nem precisa fazer conta para perceber que é melhor que a poupança mesmo descontando IR. Já para decidir entre uma coisa que rende 120% do CDI e 5% + IPCA você terá problemas com relação prever o futuro. A inflação futura é impossível saber. O mesmo vale para a taxa DI que vai depender do que o governo pretende fazer com os juros básicos da economia (Taxa Selic). Nada impede que você tenha investimentos com base em um percentual do CDI e outros investimentos recebendo inflação + uma taxa fixa.

  2. Gustavo 12 de abril de 2016 at 9:07 - Reply

    Interessante descobrir que mesmo o grupo “Private” (que teoricamente deveria entender mais de onde está investindo), acaba deixando boa parte de seu patrimônio em fundos de bancos privados… Uma boa explicação pode ser realmente essa liquidez imediata de alguns fundos.

    Ainda faço parte do “Varejo Tradicional” mas possuo zero recursos na poupança. Hoje tudo que tenho está no TD, em Selic e pensando em fazer próximos aportes em IPCA. Assim que atingir um certo valor, pretendo partir para ações e debêntures. É incrível como as pessoas tem desconfiança sobre o TD. Provavelmente por culpa do desgoverno atual. Já tentei explicar para pais e parentes sobre a vantagem do TD mas não adianta. Meu pai chegou a me mostrar demonstrativos de ações de telefonia que ele comprou a uns 10 a 20 anos atrás, que começaram em 500 mil ações e hoje possui algo como 250. Ele conclui dizendo “viu? Isso é roubalheira e enganação! Não vale a pena!” Aí joguei a toalha… :/

    • Leandro Ávila 12 de abril de 2016 at 10:19 - Reply

      Oi Gustavo. Acho que uma boa explicação é o trabalho forte dos gerentes dos bancos oferecendo fundos de investimento como a melhor alternativa. Pelo menos é a mais cômoda para o investidor sem tempo (e sem vontade de aprender) e a mais lucrativa para o banco que na prática não tem obrigação de ensinar ninguém a investir melhor, mas sim de oferecer os produtos que geram mais lucro para o banco. O curioso é que muitas vezes as pessoa deixam dinheiro investido em renda fixa e planos de previdência com medo de emprestar dinheiro para o governo, só que não sabem que os bancos vão pegar o dinheiro e emprestar para o governo. Basta ler no site de qualquer banco onde é que eles investem o dinheiro dos fundos DI, fundos de Renda Fixa e planos de previdência. Já escrevi um artigo sobre isso.

    • Henrique Seabra 12 de abril de 2016 at 11:31 - Reply

      Numa conversa informal, um conhecido meu que trabalha no banco criticou quem investe, atualmente, em TD. E ele não estava tentando vender os produtos do banco não, era a opinião pessoal dele.

      Ou seja, até para quem está inserido profissionalmente na área financeira não entende (ou não enxerga) os benefícios da renda fixa nesse momento.

      • Paulo 12 de abril de 2016 at 23:45 - Reply

        Eu tenho colega gerente de banco. A mesma comentou comigo dizendo que a maioria dos funcionários não conhecem com profundidade os produtos financeiros. Na verdade os bancos querem captar dinheiro barato para vender caro… É por isto que se esforçam oferecendo aplicações em poupança, título de capitalização, previdência privada, cdb com baixa rentabilidade, etc… Veja se oferecem um TD, debêntures, FIIs…??? Jamais!!!

        • Leandro Ávila 13 de abril de 2016 at 10:08 - Reply

          Oi Paulo. A razão existencial dos bancos é basicamente captar dinheiro barato e emprestar caro. Quanto mais ignorante for o investidor, menos vai exigir boa remuneração (juros) para emprestar dinheiro para o banco. Quanto melhores as ações de marketing e vendas, mais dinheiro barato os bancos irão conseguir captar. Por isso a verdadeira educação financeira é uma ameaça para eles. Eles se limitam a falar de crédito consciente para doutrinar devedores no lugar de falar sobre investimentos. Cabe a cada um de nós buscar a própria educação.

    • João de Deus 1 de maio de 2016 at 6:56 - Reply

      Oi Gustavo, eu tenho passado pelos mesmos constrangimentos. Conversei com meu pai para o tirar o dinheiro da poupança e colocar em TD por entender que seria o mais conservador pra ele. Mas ele também se mostrou bastante resistente. Acredito que isso se deve princiapalmente ao loby dos bancos e ao perfil do povo brasieliro mesmo que é conservador e muito ignorante sobre investimentos…

  3. Deângelo C. Oliveira 12 de abril de 2016 at 9:19 - Reply

    Ótimo artigo, bem que você poderia criar um canal no youtube e transformar seus artigos em vídeo.

    • Leandro Ávila 12 de abril de 2016 at 10:20 - Reply

      Oi Deângelo. Obrigado. Quem sabe um dia!

      • Lucas Cavalheiro 14 de abril de 2016 at 1:39 - Reply

        Apoio muito a ideia também, Leandro.

        Inclusive o youtube é excelente pra alguns tipos de aula/conteúdo, como explicar gráficos e comparar coisas visuais.

        Também seria um ótimo “plus” nas tuas vendas de conteúdo.

  4. Jailson Muniz 12 de abril de 2016 at 9:27 - Reply

    Leandro, parabéns pelo nobre projeto, em oportunizar Educação Financeira aos brasileiros de forma popular, que Deus o abençoe sempre.
    Gostaria de uma indicação de livros e cursos para quem quer investir em ações. O que vc me aconselha?

    Forte Abraço!

    Jailson

  5. Diogo 12 de abril de 2016 at 9:38 - Reply

    Leandro, muito bom artigo!

    Encontrei aqui no clube a oportunidade de me livrar da poupança. Já faz 8 meses que tenho a grande maioria dos meus investimentos em títulos públicos. Em 8 meses estes títulos já tiveram rendimento líquido maior que a poupança renderia em 12 meses.

    Obrigado e continue nos presenteado com seus ensinamentos!

  6. Wellington de Lima Peixoto 12 de abril de 2016 at 9:50 - Reply

    Será que é preguiça ou falta de informação?

    Leandro, acho que faltou completar a palavra.

    Abraço!

  7. Uilson Dile 12 de abril de 2016 at 9:58 - Reply

    Olá Leandro, é errado manter 100% dos recursos em Tesouro Direto inclusive a reserva de emergência em Selic mesmo considerando ser por enquanto um investidor pequeno, e sabendo de outras possibilidades de investimentos como renda variável, CDBs de bancos médios e fundos de investimentos.
    O quê eu mais gosto no Tesouro Direto é que eu tomo de conta do meu dinheiro e assim não posso transferir a culpa pra ninguém sobre uma má decisão.

    • Leandro Ávila 12 de abril de 2016 at 10:25 - Reply

      Oi Uilson. Eu acho interessante manter uma parte da reserva em fundos de investimento DI ou Renda Fixa. A maioria dos bancos permite que você transfira dinheiro do fundo para a sua conta imediatamente. No caso dos títulos públicos vai demorar 1 ou 2 dias para o dinheiro cair na sua conta. As pessoas podem dividir as reservas de emergência. Podem colocar uma parte com liquidez imediata, podem colocar outra em investimentos que podem levar alguns dias para serem sacados.

      • Vanda 12 de abril de 2016 at 21:34 - Reply

        Gostaria de uma explicação caso saiba, fiz uma aplicação em um fundo bnp paribas dinâmico rf que em 2 dias rendeu 70,00 ( apliquei 5 mil ) e no terceiro dia caiu o rendimento pra 1,01 ele está na categoria renda fixa. Fiquei preocupada sabe pq essa perda imediata?

        • Leandro Ávila 13 de abril de 2016 at 10:05 - Reply

          Oi Vanda. Investimento em fundos em menos de 30 dias existe cobrança de IOF que leva quase toda a rentabilidade. Existe uma tabela. Fiz uma busca no Google e pelo que vi aqui se olhar desde 2008 esse fundo rendeu o equivalente a 95,46% do CDI. Dessa forma você não deve esperar nada muito diferente disso no futuro.

  8. Iuri Viana 12 de abril de 2016 at 10:00 - Reply

    Leandro, parabéns por mais um excelente artigo!

    Esse artigo de forma inequívoca mostrou que as duas extremidades de renda, o primeiro, a categoria “Private” e a segundo a categoria do Varejo “tradicional” precisam estudar mais sobre aonde e que tipo de investimento fazem render mais seus dinheiros. Eu que me enquadro na categoria Varejo “tradicional” já me dei conta que a poupança não é o melhor investimento graças ao seus artigos. E agora que também faço parte de Amigos Clube dos Poupadores espero aprender muito mais ainda.
    Abraço.

    • Leandro Ávila 12 de abril de 2016 at 10:30 - Reply

      Oi Iuri Viana. Parabéns, você está saindo do “padrão” adotado pela maioria dos brasileiros que não se preocupam em aprender mais sobre como cuidar melhor do próprio dinheiro. Passamos grande parte da vida estudando e nos preparando para trabalhar e ganhar dinheiro. Depois que o dinheiro está no nosso bolso, não sabemos e não queremos saber o que fazer com ele. É claro que todos irão nos estimular a gastar o dinheiro ou pelo menos deixar que cuidem do dinheiro por nós. Por isso o primeiro e o melhor investimento é o que iremos fazer aprendendo sobre como investir melhor. A internet está repleta de conteúdo sobre o assunto. É uma questão de escolha.

  9. Michelle 12 de abril de 2016 at 10:15 - Reply

    Olá, Leandro! Você pode me ajudar mais uma vez com uma dúvida? Sou servidora do judiciário e estou desde dezembro/2015 poupando para antecipar as parcelas de um consignado (sim, li o post anterior sobre a maldição do consignado e fiquei feliz por estar me livrando do meu a passos largos). Porém, estamos ameaçados de não receber salários a partir julho deste ano devido corte orçamentário sofrido pelos órgãos do judiciário, em especial da justiça do trabalho. Devido a isso, decidi que a partir deste mês ao invés de destinar essa poupança mensal ao consignado, vou guardá-la para me manter nos meses em que porventura tenhamos atraso na remuneração. Se nada acontecer, ótimo, terei uma boa soma pra quitar muitas parcelas de uma vez só no fim do ano. Você aconselharia guardar esse dinheiro em outro lugar que não a poupança? Pensando que em julho talvez eu já tenha que dispor dele para manter o custo de vida da família então seria nosso colchão de segurança. Existe algo mais rentável com uma liquidez razoável onde possa programar retiradas para pagar as contas mensais? Estou aprendendo muito com seus posts, em especial sobre o tesouro direto, no qual gostaria de investir no futuro. Muito obrigada, por tudo!

    • Leandro Ávila 12 de abril de 2016 at 10:35 - Reply

      Oi Michelle. Se você não tem nenhuma reserva de dinheiro para emergências é importante que faça uma. Seria trágico se você não receber o salário e for o brigada a atrasar todas as suas contas. Alimentação, água, energia e outras contas básicas para a sobrevivência da sua família são sempre prioridades sobre qualquer dívida. Como o prazo é muito curto (julho) o ganho adicional que você teria procurando outra opção seria pequena. Eu recomendo estudar as outras modalidades de investimento para começar a pensar em construir o que você chamou de colchão de segurança.

      • Michelle 12 de abril de 2016 at 13:55 - Reply

        Foi o que imaginei, então. Poupança para a emergência atual e continuar estudando para quando a possível crise passar (se ela vier), e quando meu consignado estiver quitado, poder utilizar a poupança mensal em outros investimentos de longo prazo. Obrigada!

  10. Pedro Henrique 12 de abril de 2016 at 10:16 - Reply

    Leandro, bom dia.
    Não menospreze a poupança para os iniciantes e pequenos investidores. Já vi muita CDB e fundos multimercados com rendimento igual ou inferior a caderneta, levando em considerações os custos de transferência de recursos TED (R$ 15,45), IR, possível IOF.
    0,5 + TR , liquidez e sem IR pode ser vantajoso para acumular pequeno capital para aportar em melhores opções de investimentos.
    um abraço

    • Leandro Ávila 12 de abril de 2016 at 10:40 - Reply

      Oi Pedro. Investir em CDB que rende menos que a poupança e aceitar pagar R$ 15,45 por TED é uma consequência da mesma falta de conhecimento (ignorância) que leva as pessoas a acreditarem que estão fazendo um ótimo investimento na poupança. O pequeno investidor deve fugir de bancos que oferecem taxas elevadas. Eu mesmo já escrevi um artigo onde falei sobre as contas digitais oferecidas por bancos como Itaú, Bradesco e Banco do Brasil que oferecem taxa zero para TED e DOC. Leia o artigo aqui. Como falei no artigo, até fundos de investimento que cobram taxas elevadas e cobram IR podem ganhar da poupança quando os juros estão muito elevados como agora. Cabe a cada pessoa buscar o conhecimento necessário para aprender sobre cada opção de investimento que possui acesso. Cada banco tem seu leque de opções. O que não vale é o comodismo da ignorância.

      • Henrique Seabra 12 de abril de 2016 at 11:39 - Reply

        Exato! o problema não é investir em poupança. O problema é investir em X havendo um alfabeto de possibilidades que, com um pouco de instrução, rentabiliza (bem) mais.

        Se em algum momento a Poupança rentabilizar melhor que uma LCI/LCA por exemplo, não pensarei 2x em retornar para ela.

        O importante é enxergar as outras possibilidades.

        • Iuri Viana 12 de abril de 2016 at 12:47 - Reply

          Concordo com você Henrique Seabra e Leandro!

  11. Tadeu 12 de abril de 2016 at 10:18 - Reply

    Bom dia, Leandro.

    Obrigado por estar sempre contribuindo com a postagem de artigos de alta qualidade.
    Pretendo ser um investidor em títulos públicos, porém ganho em torno de R$ 2.000,00. Estou pensando em acumular R$ 5.000,00 na poupança. Depois disso juntar R$ 15.000,00 no Tesouro Selic. Depois desses investimentos, colocar no título público NTN-B com juros semestrais. A minha ideia é ter duas emergência: A primeira com liquidez diária que são os investimentos na poupança. A segunda que são os investimentos no Tesouro Selic que tem liquidez boa mas com dois dias após a venda dos títulos. Portanto, após concluídas a fases de emergência, faria investimentos no título público NTN-B para ter um retorno acima da inflação em determinados períodos.

    Leandro, essa maneira de entender o acúmulo de patrimônio está correta?

    Desde já muitíssimo obrigado por todos os artigos produzidos e disponibilizados no clube dos poupadores.

    • Leandro Ávila 12 de abril de 2016 at 10:46 - Reply

      Oi Tadeu. Eu só recomendaria verificar se a poupança realmente rende mais do que fundos de renda fixa e DI oferecidos pelo seu banco. Eu mesmo tenho reservas de emergência com liquidez diária em fundos DI e Renda fixa e também em compromissadas que funciona como um CDB com liquidez diária. Rendem mais do que a poupança e se ocorrer algum problema eu tenho acesso imediato. O problema é que cada banco tem fundos diferentes com taxas e rentabilidades diferentes e por isso cada pessoa deve ter a iniciativa de olhar as tabelas de rentabilidade dos fundos, as taxas que são cobradas e as características. Os bancos fornecem esses dados nos seus sites.

      • Rafael 15 de abril de 2016 at 15:50 - Reply

        Leandro,
        Para reservas de emergência você sugere fundos DI com liquidez diária no próprio banco da CC? Vi agora no site do Banco do Brasil que a liquidez é diária após carência de 90 dias.
        Muito Obrigado.

        • Leandro Ávila 18 de abril de 2016 at 8:14 - Reply

          Oi Rafael. Eu recomendo que você dedique tempo avaliando todas as possibilidades disponíveis para os bancos onde você tem conta

  12. Wilson 12 de abril de 2016 at 10:58 - Reply

    Caro Leandro, mais um excelente texto, tenho aprendido muito lendo seus posta nos últimos meses, antes disso era completamente ignorante em finanças deixando tudo na poupança.
    Tenho uma dúvida no TD que enquanto aguardo uma oportunidade de investir mais em Tesouro IPCA, deixo o dinheiro parado na corretora ou deixo no Tesouro SELIC, pois deixando na corretora tenho mais agilidade na hora de investir.

    • Leandro Ávila 12 de abril de 2016 at 15:49 - Reply

      Oi Wilson. Você pode deixar em investimentos pós-fixados. No Tesouro Selic você pode ter rentabilidade negativa você comprar o título e vender 1 ou 2 semanas depois. Se deixar em um fundo você não terá rentabilidade negativa devido a diferença de taxas entre o preço de compra e venda do título e cobrança de taxa da corretora (caso sua corretora cobre taxa) mas não terá quase nenhum juros se resolver sacar o dinheiro antes de 30 dias (devido ao IOF cobrado para investimentos com menos de 30 dias). Os títulos públicos também possuem IOF para investimentos menores que 30 dias. Você precisa verificar as possibilidades que estão disponíveis para você.

  13. Isaque Santos 12 de abril de 2016 at 11:15 - Reply

    Obrigado por mais esse artigo!

  14. Ben Shalom Levi 12 de abril de 2016 at 11:36 - Reply

    Quais são as fontes para os gráficos apresentados?

    • Leandro Ávila 12 de abril de 2016 at 15:49 - Reply

      Oi Ben. Veja que no artigo eu coloquei o link para o relatório utilizado como fonte das informações.

  15. Bruno Henrique 12 de abril de 2016 at 12:07 - Reply

    Muito bom leandro!

    Estou começando a migrar minha poupança para CDB e TD. Estava na duvida de onde deixa a reserva de emergência, achei bacana a dica que você deu no comentário anterior em relação a fundos de renda fixa e DI, irei pesquisar sobre e ver qual compensa mais que poupança e sobre a retirada.

    Acompanho a pouco tempo o clube, mas já vejo que o trabalho que você faz em relação a toda educação financeira é fantástico, Obrigado por compartilhar esse seu conhecimento!

    • Leandro Ávila 12 de abril de 2016 at 15:51 - Reply

      Obrigado Bruno. Parabéns por planejar sua reserva de emergência.

  16. Abby 12 de abril de 2016 at 13:45 - Reply

    Artigo perfeito! Sou argentina mas to morando no Brasil, e seus artigos sao muito claros para eu conseguir entende-los facilmente. Parabens 🙂

  17. Rui 12 de abril de 2016 at 16:16 - Reply

    Leandro

    Parabéns mais uma vez pela qualidade do material que apresenta. Há alguns anos acompanho seus comentários, sempre muito pertinente.

  18. Fábio Bastos 12 de abril de 2016 at 16:28 - Reply

    Leandro, parabéns uma ótima análise. Realmente nosso povo carece de conhecimento, se montar algo parecido com investidores americanos os percentuais serão bem diferentes, principalmente na quantidade da população que está no mercado financeiro, os banqueiros agradecem. Acho que aos poucos, nós brasileiros, iremos abrir os olhos e nosso futuro tende a ser mais claro apesar de tudo jogar contra.

    • Leandro Ávila 12 de abril de 2016 at 19:16 - Reply

      Oi Fábio. É verdade, carecemos de muitos conhecimentos. É isso que muda a realidade financeira das pessoas.

  19. Rafael Roldan 12 de abril de 2016 at 16:48 - Reply

    Caro Leandro, como seguidor seu há tempos e participante (embora ainda inativo, por estar focando na abertura de um negócio próprio no momento) dos fóruns Amigos do Clube dos Poupadores (ótimos livros os seus!), tenho uma sugestão a fazer:

    Você, como alguns por aí, falam sobre o Tesouro Direto e como várias modalidades de investimento oferecidas acabam aplicando em títulos públicos.

    Eu, como usuário dos fundos de investimento (entre outras aplicações), quero muito e estou migrando aos poucos para o Tesouro Direto e Renda Variável, mas às vezes me falta uma boa noção sobre estratégias de curto prazo para isso.

    O fator liquidez que você menciona – aliado a uma aparente simplicidade dos fundos – acaba sendo uma comodidade. Claro, pago o pato por isso, mas se eu conseguir gerar uma estratégia para usar o Tesouro Direto que não seja a mais preguiçosa de apenas comprar e esperar vencer, com certeza não alocaria mais ativos nos fundos.

    Por isso, minha sugestão é a de que você nos ajude com exemplos de estratégias que façam frente a essas necessidades de certa liquidez, minimizando o risco da venda antecipada dos títulos.

    Agradeço por tudo que tem feito e pela atenção ora dispensada!

    • Leandro Ávila 12 de abril de 2016 at 19:26 - Reply

      Oi Rafael. Você precisa definir uma estratégia para seu dinheiro com base nos seus objetivos pessoais. Cada pessoa tem seus objetivos. Se todas as pessoas fossem iguais seria bem simples preparar uma receita de bolo de como elas devem investir o dinheiro para conseguir os melhores resultados. A realidade de quem tem 1 milhão é diferente da realidade de quem tem R$ 10 mil. A realidade de um jovem de 25 anos é diferente da realidade de um senhor de 50 anos. O primeiro passo seria você se perguntar por qual motivo guarda dinheiro nos fundos de investimento. É uma reserva de emergência? Além da reserva você tem alguma quantia que só pretende usar quando estiver aposentado? Tem algum sonho grande no meio do caminho como comprar um imóvel ou abrir um negócio? Você deseja se aposentar nos próximos 10, 20 ou 30 anos? Consegue deixar o dinheiro parado por 20 anos em um investimento? Como você pode ver tudo isso é um trabalho de autoconhecimento para que depois você possa definir o que precisa fazer com seu dinheiro e somente neste ponto observar quais são os investimentos que se adaptam a essa necessidade. Existem 1001 estratégias para 1001 pessoas diferentes. Tudo começa conhecendo você mesmo e conhecendo os investimentos que existem. Depois você precisa compatibilizar uma coisa com a outra.

      • Rafael Roldan 30 de abril de 2016 at 12:17 - Reply

        Sim, concordo!

        Mas não é bem disso que falo e sim sobre as diferenças entre as estratégias de curto, médio e longo prazos envolvendo o Tesouro Direto.

        Valeu!

    • Ailton 12 de abril de 2016 at 21:29 - Reply

      E outra coisa: considere que você foi feliz e uma dessas 1001 estratégias é a sua. Será ótimo para você, mas não significa dizer que será uma mão na roda para outra pessoa, como Ávila tem dito.

      Atrevo-me dizer que esses esquemas parecem ser como uma prótese dentária: esse objeto só se ajustará para aquele indivíduo para qual foi moldado.

  20. Diogo 12 de abril de 2016 at 16:54 - Reply

    Leandro, parabéns pelo artigo! Um estudo muito interessante!
    Já invisto no TD, mas ainda não tive a oportunidade de resgatar nenhum dos títulos no vencimento. A minha dúvida é se cada fração comprada do mesmo título vem de forma saparada ou vem num “valor único”, numa “bolada” só!
    Obrigado!!!

    • Leandro Ávila 12 de abril de 2016 at 19:28 - Reply

      Oi Diogo. Se você comprar várias frações do mesmo título o vencimento dessas frações será a na mesma data. Se você comprar vários Tesouro Selic 2021, todos irão vencer em 01/03/2021. Se você comprou Tesouro Selic 2017 (quando ainda estava sendo vendido) o vencimento será em 07/03/2017

  21. Ed carlos 12 de abril de 2016 at 17:12 - Reply

    Boa tarde leandro como sempre outro excelente artigo ando aprendendo muito com seus posts, com eles estou podendo aplicar melhor minhas economias, e com seus artigos comecei a trocar uns investimentos ruins por outros bem melhores.

  22. Thiago 12 de abril de 2016 at 18:13 - Reply

    Olá Leandro,

    Você acha que se houvesse maior conscientização do investidor os produtos oferecidos pelos bancos em geral seriam melhores? Imagino que a procura por investimentos mais rentáveis levaria muitos bancos a aumentarem suas taxas para concorrerem entre si.

    Dito isso, essa “ignorância” também não afeta os maiores investidores? Vejo que há uma parcela significativa de aplicações em “fundos”. Por acaso algum fundo renderia mais do que bons investimentos em renda fixa de bancos pequenos? Vejo com frequência ofertas de LCI de 98%, CDB na faixa de 120%, etc. Haveria algum fundo melhor do que tais investimentos?

    Não há muito gente endinheirada colocando dinheiro em fundos de banco grande apenas pela conveniência ou por desconhecer opções melhores?

    Parabéns por mais um excelente artigo!

    • Leandro Ávila 12 de abril de 2016 at 19:36 - Reply

      Oi Thiago. O fundo de investimento é uma maneira cômoda de transferir a responsabilidade do seu dinheiro para um gestor. No caso de fundos de renda fixa, esses gestores pegam o dinheiro dos cotistas (quando você investe em fundos você compra cotas) e investe em títulos privados como LCI, LCA, CDBs, CRI, CRA de diversas instituições e também compram títulos públicos. No final você terá uma rentabilidade próxima da taxa DI. Uma das poucas vantagens que vejo nos fundos é com relação a liquidez. Se você compra LCI, LCA ou CDB de bancos médios você precisa esperar o vencimento que costuma ser de 1, 2 ou 3 anos. Já o dinheiro investido em um fundo de renda fixa pode ser sacado a qualquer momento e cai diretamente na sua conta corrente. Dessa forma não existe investimento melhor ou pior. Existem investimentos com características que podem ser vantajosas para uns e desvantajosas para outros. Creio que muito desse dinheiro em fundos de investimento é por comodidade, por ação direta dos gerentes de banco que sempre recomendam esses investimentos como as melhores opções. A melhor opção mesmo seria cada um aprender a identificar as características de cada investimento para que possa escolher aquele que atende sua necessidade com relação ao dinheiro que pretende investir.

  23. Misael 12 de abril de 2016 at 18:55 - Reply

    Muito obrigado por mais um artigo.
    Hoje tenho uma reserva de emergencia na PC e a maior parte que tinha antes na PC hoje esta TD, AÇÕES e FII, nao é muito mas sai da poucança.
    Graça o Blogs de informações valiosas.
    Obrigado Leandro.

  24. Joao da Silva 12 de abril de 2016 at 19:17 - Reply

    Excelente artigo. Parabens

  25. Flávio 12 de abril de 2016 at 19:40 - Reply

    Leandro,

    Parabéns por mais um excelente artigo, te acompanho aqui desde o seu começo aqui, 2013, aprendi muita coisa com você, muito obrigado.

    Naquela época vivia com salário de estagiário e morando sozinho, ficava no 0 a 0 todo mês, daí fui efetivado e tive meu salario quadruplicado, a partir dai sobrava muito dinheiro já que meu custo de vida se manteve, como essa “sobra” iria ficar na poupança comecei a procurar outros métodos de investimento e encontrei o seu blog que coincidiu com as datas.

    Hoje após três anos de muito estudo me considero um investidor moderado para arrojado, sai da poupança, passei pelo TD (as últimas aplicações terminam em 2017, graças a Deus, haha) e o restante está em Renda Fixa de Bancos Pequenos e Médios que rendem bem mais que o TD, por exemplo Tesouro Selic está pagando 100% CDI e na outra ponta há CDB pagando 123% chegando até a 130%, vale o risco, temos o FGC. Tenho uma boa quantia no Biva também pagando 25% a.a.

    Ano passado entrei no mercado de ações para Buy and Hold e neste momento estou estudado forte para entrar nos traders e dependendo a minha rentabilidade, talvez se eu conseguir ganhar 70% do meu salário com os traders posso partir para essa definitivamente.

    Leandro esse relato foi escrito apenas como forma de agradecimento pelos seus ensinamentos e “toques”, que em um desses seus “toques”, alguns meses atrás quando as ações de algumas empresas subiram 10% no mesmo dia e você mandou um e-mail no final do dia dizendo que quem conhece e estuda pode ter rentabilidades incríveis, já que os 10% em um dia é praticamente os 10% anual da renda fixa. Por causa desse seu e-mail despertei e comecei a ler livros e videos.

    Para o pessoal que está começando em ações, há bons livros infelizmente a grande maioria em inglês porém existem alguns em português, os livros do Alexander Elder que foram traduzidos são demais e há alguns canais no YouTube de vídeo aulas, canais do André Moraes e o do Dalton Vieira. As corretoras também tem muitas aulas e ensinamentos.

    Obrigado Leandro
    Abraços

    • Leandro Ávila 12 de abril de 2016 at 19:46 - Reply

      Oi Flávio. Obrigado por compartilhar sua história. Parabéns por investir na sua educação financeira.

    • Vinícius 17 de abril de 2016 at 16:10 - Reply

      Flávio, depois de ler seu comentário procurei em várias corretoras e não achei o investimento que remunera 130% de CDB, qual foi corretora? obrigado.

  26. julio jansen 12 de abril de 2016 at 20:34 - Reply

    Olá Leandro,

    Não foi mencionada a Previdência privada ,que todo gerente gosta de empurrar para o cliente.
    Erroneamente os clientes acham que estão fazendo um bom negocio.
    Abs

    • Leandro Ávila 13 de abril de 2016 at 9:56 - Reply

      Oi Julio. A previdência privada ficou de fora desse relatório da Anbima. Você encontra números sobre a previdência privada no Brasil no site da Susep em http://www2.susep.gov.br/menuestatistica/SES/principal.aspx Os gerentes dos bancos estão sempre oferecendo planos de previdência e as pessoas continuam pagando taxas administrativas e de carregamento elevadas sem prestar atenção no retorno ou rentabilidade desses fundos.

  27. Dênis Barbosa Batista 12 de abril de 2016 at 20:54 - Reply

    Olá, Leandro!
    Ainda bem que ainda existem pessoas assim, feito você, que se dedicam ao ensino e educação de tanta gente como a gente. Gente que, na sua grande maioria, infelizmente, é leiga por demais. Mas, graças a Deus e a pessoas que se dedicam a Educação Financeira, esse quadro de “analfabetos financeiros” está mudando.
    Parabéns, Leandro! Por tudo. E continue assim.

  28. Ailton 12 de abril de 2016 at 21:09 - Reply

    Nossa! que maravilha de artigo, Ávila. Foi no começo de 2015 que fiz a seguinte pergunta: Onde os investidores tem investido seus caraminguás. Juntando as informações secundárias, terciárias aqui e ali quando apareciam em alguns sites fui aos poucos tomando conhecimento sobre esse assunto. Agora, ficou melhor, pois o link que você disponibilizou vai direto na fonte de informação primária. Quanto aos gráficos, certamente, os bancos estão comemorando, pois nestes gráficos podem ser evidenciados que suas metas estão sendo alcançadas. De um lado, mega investidores que delegam alguém para fazer o que eles poderiam fazer muito bem: cuidar do seu próprio dinheiro. Do outro lado, “uma china” de pequenos investidores vitimados, sequelados, atrofiados, engessados, paralisados, perdidos igualmente a cego em tiroteio e não sei lá mais das quantas devido a falta de educação financeira.

    • Leandro Ávila 13 de abril de 2016 at 9:59 - Reply

      Oi Ailton. Muitos jornalistas possuem o péssimo hábito de esconder suas fontes de informação. Isso cria dependência, perdemos tempo procurando notícias quando o melhor seria acessar a fonte da informação. Faço questão de mostrar as fontes para que as pessoas se libertem.

  29. Vinicius 13 de abril de 2016 at 5:59 - Reply

    Para quem tem contas com bons limites de cheque especial com sistema de 10 dias sem juros, pode dar all in em TD, pois em caso de emergências e necessidade de ter rápido acesso ao dinheiro, pode se usar o limite do cheque especial enquanto dá a ordem de venda dos títulos do TD. Assim, quando o dinheiro cai na conta bancária em dois dias, ele cobre o limite do cheque especial e não são cobrados juros nos primeiros 10 dias.

    • Leandro Ávila 13 de abril de 2016 at 10:10 - Reply

      Oi Vinicius. Esse negócio de 10 dias sem juros pode se transformar em uma grande pegadinha. Como é um empréstimo existe cobrança de IOF. É importante tomar cuidado.

  30. Antonia Sousa Lima 13 de abril de 2016 at 6:33 - Reply

    Sem o saber não sabemos nos mover. Obrigada.

  31. Ilson Zenker 13 de abril de 2016 at 9:37 - Reply

    Leandro, parabéns pelo artigo, mas quero fazer uma pergunta e um exercício de imaginação. Neste momento, Paraná e RS, tem liminares onde suas dívidas seriam calculadas com juros simples em lugar de compostos. Se isto se confirmar, está decisão deveria ser estendida para todos os investimentos como CDB, LCI e também para velha e nem tão boa poupança, certo? Mas, aí minha curiosidade: como seria a economia do pais sem a existência dos juros compostos?

    • Leandro Ávila 13 de abril de 2016 at 9:48 - Reply

      Oi Ilson. Essa decisão não tem relação com os investimentos do sistema financeiro. Essa decisão foi uma verdadeira “Bizarrice”. Teremos um agravamento da situação fiscal do país, isso significa governo gastando mais do que arrecada. O impacto disso é mais inflação, taxas de juros maiores no futuro e aumento da rentabilidade dos investimentos. Para acabar com os juros compostos é necessário combinar isso com o resto do mundo a não ser que o objetivo de quem está no poder seja destruir a economia do país, destruir o valor do dinheiro e isolar o Brasil do resto do planeta. Ai teríamos o verdadeiro caos e o melhor investimento seria em terrenos para poder plantar a própria comida.

  32. Bruno 13 de abril de 2016 at 12:09 - Reply

    Poupança é desinvestimento. Mas, ao menos, é melhor do que deixar o dinheiro guardado/escondido em casa, como sei que alguns fazem…

    • Leandro Ávila 14 de abril de 2016 at 4:45 - Reply

      Oi Bruno. Também é melhor do que acumular dívidas e ficar trabalhando por muitos anos para pagar juros para bancos e outras empresas.

  33. Eduardo 13 de abril de 2016 at 20:13 - Reply

    Leandro, seus textos são sempre muito didáticos e de leitura prazerosa, tornei-me um leitor assíduo do seu site.

    Grande abraço.

  34. Clênio 13 de abril de 2016 at 21:32 - Reply

    Leandro, da entidade publica que acesso vosso site aparece a seguinte mensagem, como posso contornar essa situação?

    O SSL handshake não pode ser executado.

    Host: http://www.clubedospoupadores.com
    Reason: error:14094410:SSL routines:SSL3_READ_BYTES:sslv3 alert handshake failure

    • Leandro Ávila 14 de abril de 2016 at 4:53 - Reply

      Oi Clênio. Sinceramente eu não sei. Nosso site não diferencia se a pessoa está acessando em casa, dentro de uma empresa pública ou privada. Já dentro das empresas pode acontecer algum tipo de filtro controlando acesso de determinados sites.

  35. André 14 de abril de 2016 at 12:47 - Reply

    Muito bom artigo, Leandro… parabéns!

    Não me impressiona esse cenário, pois conhecendo o povo brasileiro, vemos o quanto este ainda é resistente aos investimentos mais arrojados e o quão baixa ainda é a nossa cultura de poupança e investimentos. Somos incitados a gastar ou a investir mediante financiamentos.

    Acredito ser digno de destaque os investimentos fora do sistema financeiro, principalmente imóveis e terrenos. O brasileiro é patrimonialista e acredita que imóveis são os melhores investimentos possíveis, mesmo quando são adquiridos mediante longos financiamentos (na verdade há quem pense que imóvel é o único investimento real que alguém pode fazer). Muitas pessoas só possuem capital como forma de imóveis e algum dinheirinho em produtos de grandes bancos.

    Acredito que imóveis possam ser bons investimentos, mas o cenário mais recente volatizou muito o mercado imobiliário além de inflacioná-lo.

    Comprei os seus livros sobre imóveis, muito bons! Observo o mercado imobiliário há um tempo, mas a ansiedade dos corretores faz com que eu me distancie muitas vezes.

    O que achas sobre o cenário atual do mercado imobiliário das grandes cidades e sobre essa cultura de investimentos aqui no Brasil?

    Um abraço!

    • Leandro Ávila 18 de abril de 2016 at 8:37 - Reply

      Oi André. Acho que o Brasil não tem uma economia sólida e um ambiente político sólido como ocorre nos países de primeiro mundo. Basta a população votar em um presidente populista ou despreparado para destruir vários anos de ajustes econômicos feitos por governantes passados. Eu entendo que muitos brasileiros sintam medo de colocar tudo que possuem no sistema financeiro. O confisco da poupança promovido pelo Collor ainda não foi esquecido. Os efeitos danosos da hiperinflação no governo Sarney não foram esquecidos. As trapalhadas econômicas que foram feitas a partir de 2009 e que nos levaram para a situação que estamos vivendo não serão esquecidas com facilidade. Acho que as pessoas devem ter investimentos no sistema financeiro e também devem ter algum investimento fora do sistema. Um exemplo seriam os imóveis. É claro que cada pessoa deve buscar conhecimentos sobre o assunto. O investimento em imóveis é um investimento de risco.

  36. Fabrício Bueno 14 de abril de 2016 at 13:39 - Reply

    Mais um excelente trabalho!!!

    Parabéns Leandro!!

    Percebi alguns posts comentando sobre criar um canal no YOUTUBE, percebi também que você não alimenta muito esse assunto!! De qualquer forma, não deixe de considerar essa ideia uma vez que tornaria os ensinamentos mais dinâmicos.
    Mais uma vez, Parabéns pelo trabalho!!!!!!

    • Leandro Ávila 18 de abril de 2016 at 8:29 - Reply

      Oi Fabrício. A questão é o tempo. Todos nós temos um tempo limitado todos os dias e precisamos fazer escolhas sobre como aproveitar melhor esse tempo. Para produzir 1 minuto de vídeo (com qualidade) no Youtube é necessário consumir muitas e muitas vezes esse tempo com redação, produção, gravação e edição. Isso significa dedicar menos tempo produzindo conteúdo escrito no Clube dos Poupadores, menos tempo para responder comentários como este, menos tempo para estudar novos assuntos que futuramente serão novos artigos, menos tempo para ler e fazer cursos para aprender mais para poder ensinar mais.

  37. Ramon 20 de abril de 2016 at 1:02 - Reply

    Olá Leandro, parabéns por esse artigo.
    Li uma vez numa notícia no site do BACEN que 80% de tudo que havia na poupança estava nas mãos de menos de 1% dos investidores.

    Isso foi só para a poupança, uns R$ 600 Bilhões.
    Gostaria de saber como está a concentração para o restante dos investimentos, já que são R$ 02 trilhões.
    Será que é a mesma proporção?

    Isso ajudaria a acompanhar a situação econômica nacional: o quanto o brasileiro, realmente, está investindo, e onde.

    • Leandro Ávila 25 de abril de 2016 at 7:01 - Reply

      Oi Ramon. Não sei dizer qual é a proporção, mas sei que pessoas físicas que investem diretamente através do Tesouro Direto representam menos de 1% da dívida pública. O restante é de forma indireta.

  38. GB 30 de abril de 2016 at 13:01 - Reply

    Estou zerado em poupança, tirei tudo dela, estou indo de Tesouro Direto, CDB (120% do CDI) e LCA (de 6 meses, 84% do CDI livre de impostos).

    No momento estou com tendência a aumentar o TD, quero reduzir e até zerar a exposição ao FGC, não tenho mais feito aportes em CDB ou LCA e conforme vencem compro TD IPCA+6% para ficar protegido da inflação, já tenho um bom valor em TD SELIC para caso de emergência a 14,25%.

    Acredito que deixar uns 6 salários em TD SELIC e o restante em IPCA + 6% (com ou sem cupons semestrais) seja uma estratégia sólida pois o dinheiro fica protegido da variação da inflação e ainda dá um lucro com isso.

    Também não gosto de Fundos, eles cobram taxas altas e não são garantidos pelo FGC, se podemos comprar o título público diretamente da fonte, por que passar por intermediários caros ?.

    Poupança, nem pensar.

    • GB 30 de abril de 2016 at 13:03 - Reply

      opa, LCA a 94% do CDI, lol.

    • Leandro Ávila 30 de abril de 2016 at 16:25 - Reply

      Obrigado por compartilhar GB

  39. AILTON GERALDO MOREIRA DA SILVA 30 de abril de 2016 at 17:47 - Reply

    Olá Leandro!!
    Nunca me preocupei com investimentos, mas recentemente assisti uma reportagem sobre TD e me interessei, fui buscar informações no site do TN, e na procura por informações encontrei o Clube de P.
    Estou motivado a começar a investir, você pode indicar uma boa empresa para eu abrir a conta, para ter acesso aos titulos.
    Obrigado

  40. Rodrigo Alves 4 de maio de 2016 at 1:49 - Reply

    Parabens pelo artigo Leandro!

  41. Julio Cesar 5 de maio de 2016 at 11:02 - Reply

    Olá Leandro Avila, acompanho sempre que posso os seus comentários de investimento e acho muito instrutivo e educativo também, eu tenho uma conta que é mesclada no banco que recebo meu salário e está conta e chamada de conta corrente -poupança, sou funcionário público e quero investir em algo que não fique por muitos anos parado rendendo mas que eu possa movimenta-lo a cada ano sem prejuízo de inflação e nem de taxas de Informações e outras, então a minha pergunta é. Qual o melhor investimento a fazer no meu caso, já que procuro fazer um investimento seguro e sem perdas? O lci e lca seriam a melhor forma de se ganhar dinheiro ou o cdb é melhor e mais seguro? Obrigado!

    • Leandro Ávila 6 de maio de 2016 at 7:54 - Reply

      Oi Julio. O melhor investimento seria investir na sua educação sobre renda fixa onde isso inclui títulos públicos e títulos privados (LCI, LCA, CDB, etc). Aqui no Clube dos Poupadores temos muitos artigos gratuitos sobre esses investimentos. Existem cursos que eu recomendo aqui. e existem meus livros sobre reeducação financeira e investimentos. Para quem está começando, dedicar tempo estudando é o melhor que pode ser feito para evitar o mais sério problema que é perguntar para os outros onde investir seu dinheiro. Leia sobre isso aqui.

  42. reichard 13 de maio de 2016 at 15:02 - Reply

    parabéns pelo artigo, realmente as pessoas perdem muito dinheiro guardando o dinheiro na poupança, que hoje não paga nem mesmo a inflação. Eu estou investindo somente no tesouro direto, estou certo? ou existem alternativas mais rentáveis para pequenos investidores?

  43. Dettonny 27 de maio de 2016 at 19:13 - Reply

    Boa noite Leandro. Parabéns mesmo por todos os seus artigos. Cadastrei o meu e-mail para poder receber as suas novidades… 🙂
    Estou mudando meu hábitos financeiros atualmente.. Estou lendo muito e estudando muito… Está divertido.. 🙂 Agora uma dúvida que vira e mexe ainda não encontrei uma resposta direta seria essa: Imagina o cenário em que todo mês se poupa uma valor, por exemplo R$1.000,00, durante um período de 12 meses, ou seja no curto prazo de 1 ano, para depois, com esse valor acumulado no período, fazer alguma coisa, investir em uma aplicação melhor, etc…. Neste cenário de “acumular/juntar o dinheiro”, até pouco tempo atrás eu não enxergava outra opção a não ser a poupança pois os aportes mensais eram “baixos” e não encontrava aplicações cujo custo (taxas, IR, etc) x benefício justificasse o investimento. Para este processo de “acumular/juntar o dinheiro” hoje você diria que o TD Selic faria essa papel? Mesmo com os impostos? Ou você vê alguma outra aplicação que teria essa papel? Desde já agradeço e a atenção..

Leave A Comment

Share this

Compartilhe com um amigo