Brasil perdeu o Grau de Investimentos

Entenda como a perda do grau de investimento pode afetar a sua vida. Uma das três mais importantes agências de classificação de risco, Standard & Poor’s (S&P), acabou de anunciar, nesse dia 09 de setembro de 2015, que rebaixou a nota de crédito o Brasil e isto automaticamente nos fez perder o “selo” de bons pagadores da nossa dívida em moeda estrangeira.

Vamos entender o problema:

Existem três agências de classificação de risco que são consideradas as mais importantes. São elas: Standard & Poor’s (S&P), Fitch Ratings e Moody’s.  A função delas é classificar produtos financeiros ou ativos de empresas, bancos, governos e até países. Já falei sobre elas de forma mais detalhada aqui. A classificação que ela dá para o país determina se o mesmo oferece algum nível de risco de calote nas suas dívidas com investidores. Essa avaliação resulta em uma nota e estas notas se agrupam em faixas de risco. Quanto maior for a nota, menor será o risco de calote ou inadimplência dos títulos que o país oferece no exterior. Isto interfere nas taxas de juros que afetam a vida de cada brasileiro.

É muito importante perceber que esse rebaixamento se refere a nota de crédito de longo prazo em moeda estrangeira. Indica para o investidor internacional que existe um risco maior do país enfrentar problemas para pagar dívidas em moedas como o dólar. Os investidores internacionais precisam de parâmetros para comparar o risco que o Brasil oferece em relação ao risco que outros países oferecem. Eles utilizam estas avaliações para calcular se os juros oferecidos compensam diante de determinada exposição ao risco. Veja lista de todos os países e suas notas. Observe que nesta lista existem colunas. Se você clicar na palavra “Rating”, no título da coluna que exibe as notas, irá reorganizar a lista com base nas notas. Assim você pode listar da maior nota para a menor.

A tabela abaixo mostram as notas que podem ser atribuídas pelas três agências. AAA é a melhor de todas as notas. Nossa nota de longo prazo em moeda estrangeira era BBB- e passou a ser de BB+ na agência S&P. Observe na coluna marrom que isto fez o país sair da faixa de notas que representam “grau de investimento médio baixo”. Agora estamos entre os países de grau especulativo, que também é chamado de junk ou lixo.

O gráfico abaixo mostra que em 2008 o Brasil saiu do grau de especulação e entrou no grau de investimento. Em 2014 perdemos uma nota e agora estamos perdendo o grau de investimento através da agência S&P.

Perder o grau de investimento nas agências Fitch Ratings e Moody’s é uma questão de tempo. A S&P foi a primeira a dar grau de investimento para o Brasil e também foi a primeira a retirar esse grau. As outras devem chegar nas mesmas conclusões já que os dados que elas avaliam são exatamente os mesmos.

Os grandes fundos de pensão e fundos de investimento, que são os maiores investidores do mundo, seguem regras conservadores que impedem que eles invistam em ativos (ações, títulos, etc) de países que não tenham grau de investimento. A maioria adota a regra de que é necessário que exista no mínimo duas agências que classifiquem o país como grau de investimento para que possam investir. Veja o histórico de todas as notas que já tivemos desde 1986. Recorde o dia 30/04/2008 quando o Brasil ganhou o grau de investimento visitando aqui.

Outra coisa importante é que o grau BB+, BB e BB- não significam que o país está prestes a dar um calote na dívida externa. Estas são as melhores notas entre o grupo de notas especulativas. A Venezuela que também sofre problemas econômicos como consequência de governos populistas está com nota CCC. A Argentina que é outro país que sofre problemas gerados por seus políticos populistas está com nota SD que significa default seletivo ou calote seletivo. A Grécia que também é vítima de políticos que gastam mais do que arrecadam está com nota CCC-.

O motivo do rebaixamento foi o fato de o governo ter enviado ao Congresso uma proposta orçamentária que considera um déficit primário de 0,3% do PIB. Isto significa que o governo assumiu que irá gastar mais do que arrecada e que não fará o esforço necessário para que isto não aconteça. Antes o governo falava em superávit de 0,7%. Outros problemas que eles alegam são as investigações de corrupção contra empresários, companhias privadas, estatais e partidos políticos que aumentaram a incerteza política no curto prazo. A agência menciona o cenário de baixos índices de aprovação para a presidente e seu governo, além da possibilidade do impeachment. Você encontrará todas as justificativas visitando esse endereço aqui.

O problema da perspectiva negativa:

Além do rebaixamento, existe uma perspectiva negativa. Essa perspectiva dá uma dica para o investidor sobre qual poderá ser o resultado da próxima avaliação. No nosso caso, a  S&P manteve a perspectiva negativa. Isto significa que existe chance de um novo rebaixamento (acima de um terço de chance). Podemos considerar que se nada for feito, um novo rebaixamento já está programado para o próximo ano.

E agora?  O que vai acontecer?

Os investimentos financeiros mais conservadores feitos por investidores estrangeiros devem abandonar o Brasil. Diversos fundos de investimento internacionais, principalmente grandes fundos de pensão e grandes fundos soberanos devem reduzir ou zerar investimentos no país. Esse movimento de saída já estava acontecendo (veja aqui).

Tudo indica que os investimentos produtivos também serão afetados. Veja, no gráfico abaixo, o que aconteceu com a quantidade de investimentos estrangeiros diretos depois que o Brasil recebeu o grau de investimento. O investimento direto é aquele onde o investidor abre filiais, fábricas, lojas e unidades no Brasil, ou seja, são investimentos de longo prazo realizados por multinacionais que geram emprego e movimentam a economia do nosso país. O gráfico abaixo faz parte dos slides que o ministro da Fazenda Joaquim Levy fez para o Bank of America. Você pode acessar o material completo aqui. Esse movimento de saída de recursos do país pode elevar o preço do dólar.

Como fica a Taxa Selic?

Com a percepção de que investir no Brasil ficou mais arriscado, o país só vai conseguir captar recursos se as taxas forem maiores. Lembre-se que os juros são utilizados para encontrar o equilíbrio entre o medo e a ganância do investidor. Muitos acreditam as recentes altas da Taxa Selic já serviram para preparar o Brasil para a perda do grau de investimento.  Teremos que acompanhar a reação do Banco Central na próxima reunião do Copom que acontecerá no dia 20 e 21 de outubro.  Existe a possibilidade do Copom reiniciar o ciclo de alta dos juros, principalmente se as consequências da perda do grau pressionarem a inflação para cima.

A nota do país determina um teto ou uma referência para o risco de todas as empresas brasileiras e do setor financeiro que precisam captar recursos no exterior.

O Governo provavelmente vai tentar resolver os problemas fiscais, que nos levaram para esse rebaixamento, da forma mais fácil e rápida que é aumentando os impostos. É importante lembrar que mais impostos refletem em mais inflação. Veja uma reportagem recente sobre o peso dos impostos no seu orçamento.

Devo ficar preocupado?

Perda de grau de investimento é ruim para a economia. Atrapalha a recuperação. Os juros só devem cair quando as coisas começarem a melhorar, principalmente com relação ao controle da inflação. Dólar mais caro e mais impostos ajudam a elevar ainda mais a inflação. Por isto a maioria das fontes que pesquisei continuam acreditando em juros elevados por mais tempo.

Juros em um ciclo de alta favorecem investimentos pós-fixados como Tesouro Selic, LCI, LCA, CDB e fundos de renda fixa.

A S&P, no mesmo dia em que retirou o grau de investimento do Brasil, resolveu rebaixar a nota de dois bancos médios que costumam oferecer LCI, LCA e CDB através de grandes corretoras. Um deles é o banco Banco Indusval. Na escala global ele foi rebaixado para B+ e na escala nacional brasileira (que é a mais importante neste caso) foi rebaixado para brBBB-. Isto significa que o risco aumentou e você só deve fazer novos investimentos se as taxas oferecidas porem interessantes para você diante de um risco maior (fonte). O Banco Fibra também teve sua nota rebaixada. Na escala global foi para B- e na escala nacional foi para brB- (fonte). Os dois estão com perspectiva negativa, ou seja, podem sofrer novo rebaixamento no futuro. Outros bancos que foram rebaixados em 2015 pela S&P foram o Banco Pine (fonte), BicBanco (fonte) e Banco Mercantil do Brasil (fonte).

Outros bancos devem ter suas notas rebaixadas se a situação continuar piorando. Isto não impede de que você faça novos investimentos em bancos de médio porte para aproveitar as taxas que estão muito elevadas. Esta elevação é consequência do maior risco e de menos investidores interessados. Você só não deve investir sem entender o que está fazendo. Você é que deve tomar a decisão sobre o quanto vale a pena correr riscos maiores por taxas maiores. Utilize as taxas do Tesouro Prefixado ou Tesouro Selic para fazer comparação, já que os títulos públicos continuam com a maior nota (AAA) na escala nacional, ou seja, são os investimentos mais seguros em reais dentro do país. Nunca tenha mais de R$ 250 mil em bancos médios. Veja os critérios para a proteção oferecida pelo FGC aqui.

Logo depois do anúncio da perda do grau de investimento o Nelson Barbosa (ministro do Planejamento, Orçamento e Gestão) foi para a televisão pedir calma, sendo que ele mesmo estava visivelmente nervoso. Vale destacar que a missão mais importante dessa nova equipe econômica era evitar o que aconteceu neste dia 09 de setembro.

O governo minimizou a importância do problema. Alguns estão dizendo que agência não merece confiança, como se os grandes investidores se preocupassem com a opinião dos brasileiros sobre as agências. O mais curioso é comparar a reação do governo no dia que ganhamos o grau de investimento da S&P e a reação do governo quando perdemos o grau de investimento pela mesmo S&P.

https://www.youtube.com/watch?v=GScjfkcPB80

Também gostaria de compartilhar os comentários do André Moraes que era analista da corretora Rico e agora está como analista da corretora XP. Ele gravou um vídeo, provavelmente na casa dele, logo depois que a perda do grau foi divulgada. Ele fala das suas lembranças sobre o dia 30/04/2008 quando o Brasil finalmente conseguiu o grau de investimento. Ele também faz comentários sobre como será o dia 10/09/2015.

Para terminar veja uma apresentação bem didática publicada no Facebook para entender o que está acontecendo. Visite aqui.

By |10/09/2015|Categories: Notícias|189 Comments

About the Author:

Leandro Ávila é administrador de empresas, educador independente especializado em Educação Financeira. Além de editor do Clube dos Poupadores é autor dos livros: Reeducação Financeira, Investidor Consciente, Investimentos que rendem mais, e livros sobre Como comprar e investir em imóveis.

189 Comments

  1. Reginaldo Silva 10 de setembro de 2015 at 5:59 - Reply

    Excelente análise, bem oportuna (apesar do horário) mas que reflete a preocupação do autor em manter os seus leitores sempre bem informações.

  2. Rodrigo 10 de setembro de 2015 at 6:35 - Reply

    Bom dia, Leandro.
    Mais uma vez você nos trazendo informações precisas.
    Situação piorando a cada dia e a nossa presidente e sua equipe sem tomar decisões corretas.
    Ansioso pela formação do grupo de estudo que você está organizando. Grande abraço

    • Leandro Ávila 10 de setembro de 2015 at 9:52 - Reply

      Obrigado Rodrigo

      • Wagner Horta 10 de setembro de 2015 at 10:59 - Reply

        Boa tarde Leandro.
        Pela primeira vez, seu post não foi esclarecedor.
        Deixou a desejar e muito.
        Gosto de você por que é imparcial, além é claro da sua competência.
        Fazendo com que estudemos e tomamos nossas próprias decisões.
        Mas realmente deixou a desejar.
        Nada foi realmente explicado.
        Abraço.

        • Leandro Ávila 10 de setembro de 2015 at 12:02 - Reply

          Olá Wagner, é uma pena que não tenha gostado. Eu me esforcei. Um abraço.

          • Caio 11 de setembro de 2015 at 11:46

            Deve ser eleitor do PT.

          • Leandro Ávila 11 de setembro de 2015 at 13:58

            Oi Caio, Não são eleitores, são vítimas, não de um partido específico, mas de uma classe política que mente, saqueia e ainda faz a pessoa perder o tempo dela defendendo o que eles fazem. Com isto a população fica perdendo tempo e energia brigando entre si. Um defende o político X, o outro defende o político Y. A população dividida fica enfraquecida.

        • Diogo 10 de setembro de 2015 at 16:57 - Reply

          Wagner, ou você não sabe nada sobre nada ou só está só enchendo o saco. Eu que aprendi tudo sobre economia financeira aqui no site do Leandro entendi tudo perfeitamente. Vai estudar para depois poder criticar com embasamento, porque dizer que o texto não foi esclarecedor sem VOCÊ mesmo esclarecer os motivos é no mínimo idiota.

          • Leandro Ávila 10 de setembro de 2015 at 19:43

            Oi Diogo, existem pessoas com os mais diversos níveis de entendimento da realidade.

        • Rodrigo Veronezi 11 de setembro de 2015 at 9:45 - Reply

          Você só pode estar de brincadeira?!

          Deve ser pegadinha, Leandro! Não se preocupe.

          Mais um ótimo artigo. Oportuno e esclarecedor.

          Parabéns… abraços!

        • Mauricio 11 de setembro de 2015 at 10:20 - Reply

          Obrigado Wagner Horta por nos dar um exemplo do jeito errado de se fazer uma crítica. Talvez outras pessoas entendam o que é uma crítica construtiva e observem que não é o caso do seu comentário.

          • Leandro Ávila 11 de setembro de 2015 at 14:40

            Se ele fosse mais específico até poderia verificar onde errei, o que poderia ser melhorado, onde poderia ter explicado melhor. Certamente faria as correções e isto seria bom para todo mundo.

  3. Deivson de Jesus 10 de setembro de 2015 at 6:47 - Reply

    Ótimo texto Leandro, como não consegui assistir os noticiários ontem, tem tudo resumido que eu precisava saber. Mais uma vez parabéns! Você acha que as taxas dos títulos públicos subirão ainda mais, pra atrair os investidores?

    Abraço

    • Leandro Ávila 10 de setembro de 2015 at 10:06 - Reply

      Oi Deivson. A taxa Selic é uma decisão que o Banco Central toma a cada 45 dias nas reuniões do COPOM. São pessoas dentro de uma sala tomando decisões que teoricamente deveriam seguir uma lógica, mas nem sempre funciona assim. Basta observar que em 2012, o atual governo, baixou a taxa Selic para 7,25% sem que existisse condições para isto. Forçaram a queda dos juros e isto colaborou para essa situação que estamos vivendo hoje. Por isto, teoricamente, as taxas devem ser manter elevadas, mas até que ponto os políticos se preocupam com as teorias econômicas?

  4. GB 10 de setembro de 2015 at 7:00 - Reply

    A perda já era esperada, os preços dos seguros contra calote já estavam bem elevados e refletindo essa possibilidade, ainda mais depois desse desastroso orçamento negativo.

    Essa situação me lembra muito o que aconteceu com a Venezuela, lá eles quebraram a economia e o Chavez veio com a conversa mole de que o Capitalismo morreu e só uma mudança na Constituição e uma revolução socialista bolivariana resolveria, por aqui tudo indica que queriam fazer a mesma coisa, o Lula já fala essa bobagem de que o Capitalismo morreu (lol), a diferença é que o Brasil é muito maior que a Venezuela e lá o Chavez tinha mais de 50% de aprovação, aqui quando começaram a quebrar o país a aprovação despencou, se alguém vier com a idéia de revolução socialista o pessoal vai querer que eles saiam do poder.

    • Leandro Ávila 10 de setembro de 2015 at 11:35 - Reply

      Oi GB. O grande problema é o populismo, não importa se os populistas são de esquerda ou de direita. A população não pode dar espaço para políticos que mentem, que prometem coisas sem deixar claro que aquilo tem custo e que a população é que vai pagar a conta, políticos que tentam passar a imagem de que são super heróis, de que o Estado pode prover tudo sem custos, de que existe almoço grátis, de que o governo pode fazer milagres. Não existe isso. As pessoas precisam receber educação para reconhecer esse tipo de aproveitador, não importa se possuem ideias de esquerda, direita, centro, etc. Acho que as pessoas estão sempre procurando soluções fáceis para tudo. Quando aparece um político prometendo facilidades as pessoas se apaixonam. O mesmo ocorre quando uma empresa aparece prometendo emagrecimento rápido e fácil, dinheiro rápido e fácil ou qualquer outro tipo de milagre.

      • Clélia Araújo 11 de setembro de 2015 at 12:50 - Reply

        Concordo 100% com a sua colocação.Não há reparos a ser feito.Parabéns.
        Este é o único caminho a ser seguido no Brasil.Apenas penso que não estarei aqui para ver.Uma pena!kk

        • Leandro Ávila 11 de setembro de 2015 at 14:49 - Reply

          Estaremos todos aqui Clélia. As coisas estão mudando.

  5. Alessandro 10 de setembro de 2015 at 7:01 - Reply

    Leandro, é admirável o seu trabalho e dedicação. Muito obrigado por seu tempo e qualidade no que faz. Alessandro

  6. Fabio Hiroite Nucada 10 de setembro de 2015 at 7:23 - Reply

    Leandro muitos colegas de trabalho me perguntam se aplicando no Tesouro Direto o Governo não pode dar o calote nos investidores. Agora com a iminente perda do grau de investimento por mais de uma agência de risco então nem se fala… Como explicar que o Tesouro Direto continua sendo um investimento tão seguro quanto a poupança por exemplo?

    • Leandro Ávila 10 de setembro de 2015 at 10:11 - Reply

      Oi Fabio. É importante entender que existe uma enorme diferença entre pagar uma dívida em dólares e uma dívida em reais. Esse grau perdido está relacionado ao risco de calote de investidores internacionais. É por isto que todo mundo sempre escuta falar sobre calote da dívida externa, mas nunca escutamos que algum país deu calote da dívida interna. A dívida interna é paga com a moeda local. O governo paga esta dívida tomando dinheiro da população através dos impostos, além disso ele pode vender mais títulos para pagar juros ou simplesmente utilizar meios para “imprimir moeda”. O resultado disso é mais inflação que acaba penalizando justamente os seus amigos que possuem dinheiro na Caderneta de Poupança rendendo abaixo da inflação. Infelizmente a maioria da população, por ignorância, acredita que a Poupança possui alguma proteção mágica, quando na verdade ela é menos segura que os títulos públicos já que a garantia quem dá é um banco e não o Tesouro Nacional (que está acima de qualquer banco). Seus amigos precisam entender mais sobre como as coisas funcionam. Aqui no Clube temos vários artigos sobre esses temas. Um exemplo aqui.

  7. Gustavo Ventura 10 de setembro de 2015 at 7:36 - Reply

    Infelizmente, enquanto o governo não se comprometer a realmente cortar gastos e a realizar uma reforma administrativa, esse ciclo de notícias ruins não terá fim. Estamos trilhando o mesmo caminho da Grécia.

    Até o momento, porém, as únicas notícias são de redução de despesas que seriam essenciais ao Brasil, e de aumento de impostos por todos os lados.

    Eu gostaria que cortassem mordomias de ministros, juízes, procuradores e todo o alto escalão. Eu queria ver toda uma série de apaniguados e comissionados que estão mamando às custas do dinheiro público fossem demitidos sem pena.

    Estamos caminhando rumo à um precipício, e se depender de nossos eleitos, eles continuarão dando passos à frente. Com essas políticas, é questão de tempo para que o país afunde de vez.

    • Leandro Ávila 10 de setembro de 2015 at 10:17 - Reply

      Oi Gustavo. O que não faltam são coisas que podem ser cortadas. Se isso não for feito é muito difícil que a população aceite mais impostos sem nenhum tipo de reação. Eu acredito que já estamos descendo o precipício. Quem tem poder para tomar decisões e mudar a situação não está fazendo nada, mas sabe o que fazer para proteger seu patrimônio. A população, com pouca educação financeira, assiste a degradação da economia sem saber o que fazer.

      • William Salgueiro 15 de setembro de 2015 at 10:01 - Reply

        Oi Leandro

        Muito obrigado pelos posts. Sobre os cortes, concordo 100%, porém fico me questionando como fazer. Independente de quem esteja no governo, vamos nos imaginar lá: cortamos os privilégios dos juízes, 99% de certeza de que eles fariam uma greve. E sabemos que brigar com o judiciário é MUITO difícil. Sem falar nos tais dos direitos adquiridos de muitas regalias que falam que são inconstitucionais cortar. Enfim, gostaria muito de colocar um fim em muitos gastos desnecessários, mas por estes exemplos que citei, perco um pouco da esperança (um pouco, pois não quero perder toda).

        • Leandro Ávila 23 de setembro de 2015 at 9:30 - Reply

          Oi William, por isso que muitas vezes as mudanças só acontecem quando estamos no fundo do poço.

  8. Fernando 10 de setembro de 2015 at 7:38 - Reply

    Leandro, a data do fato é 9 de setembro de 2015. NO seu texto está 2005. Deve ser por causa da hora mesmo.

    De qualquer forma, muito obrigado por disponibilizar esse texto para meditarmos.

    Tenha um bom dia.

  9. Rodrigo Galeno 10 de setembro de 2015 at 7:59 - Reply

    Belo artigo, Leandro. Abrangente e didático. Só uma observação: a data colocada está no ano de 2005. Um abraço.

  10. Sergio 10 de setembro de 2015 at 8:01 - Reply

    Estava em dúvidas sobre como essa perda do grau de investimento influiria na compra de títulos públicos, principalmente Tesouro Selic. O seu ótimo artigo foi muito esclarecedor. É importante nos informar para tentar nos proteger da péssima situação econômica em que este governo nos colocou.

  11. Eduardo 10 de setembro de 2015 at 8:23 - Reply

    É ruim. Mas esperado. Acredito que não foi surpresa para ninguém. Aliás, se olhar bem, não consigo entender o motivo que levou o Brasil a ganhar Grau de Investimento em 2008. De lá para cá não houve mudança em termos de política econômica.

    • Leandro Ávila 10 de setembro de 2015 at 10:29 - Reply

      Oi Eduardo. Nesse vídeo do Samuel ele faz uma ótima retrospectiva.

      • Mauro Amado 10 de setembro de 2015 at 14:21 - Reply

        Leandro, dá uma mão aí porque tá muito difícil pra eu entender.
        OK, tudo isso que o Samuel diz e que em outra postagem ele junto com o Mansueto e o Marcos Lisboa dizem quanto ao “gastar mais que arrecadar”. Eles – e economistas em geral – comentam muito sobre os gastos sociais demasiados, o que eu acho bastante coerente, afinal alguém tem que pagar essa conta, não adianta dar e não ter de onde tirar. Na verdade tem de onde tirar: dos nosso bolsos, ainda mais com essa iminência de aumento de impostos.
        Mas a pergunta que fica pra mim é a seguinte: e os gastos com o pagamento de juros e amortizações de dívidas?! Esses gastos representam 45% do total de gastos! A Previdência, grande sugador de recurso, representa 23%. Pouco, perto dos gastos com as dívidas. E aí? Por que ninguém ataca esses gastos? Só vejo a Maria Fatorelli atacá-los. Aquele documentário “Money as Debt” faz muito sentido. Vejo os Estados Unidos, por exemplo, com uma dívida de mais de 15 trilhões. E aí? Como é que fica isso? Quem vai pagar essa conta? Como vai pagar essa conta?
        Desculpa alguma ignorância ou desconhecimento meu, mas não consegui achar explicações pra isso ainda.

        • Leandro Ávila 10 de setembro de 2015 at 17:30 - Reply

          Oi Mauro. Se o mundo fosse perfeito esse dinheiro que o governo arrecada através dos títulos deveria ser reinvestido na sociedade. No mundo perfeito existe a crença de que políticos sabem investir o dinheiro público de maneira inteligente com o objetivo de fazer o país crescer. Exemplo do mundo perfeito. O governo emite títulos públicos, arrecada alguns bilhões, contrata uma empresa de engenharia alemã ou chinesa e eles transformam esse dinheiro em uma ferrovia conectando todos os estados do Brasil em tempo recorde. Isso imediatamente reduziria os custos com transportes no Brasil. Isto iria colaborar para reduzir os custos de produção e o preço dos produtos. Isto tornaria as nossas empresas mais competitivas no exterior. O país produziria mais, exportaria mais e a arrecadação de impostos cresceria muito. Isto seria suficiente para pagar os juros devidos aos investidores que compraram títulos públicos acreditando que somos conduzidos por pessoas inteligentes. No mundo real a coisa não é assim, inclusive essas empresas da Alemanha ou mesmo da China que constroem em tempo recorde utilizando tecnologias e processos eficientes não podem operar no Brasil, existe um monopólio dessas empreiteiras que agora entendemos por qual motivo é assim. Com isso o dinheiro é mal gasto, é desviado, a obra é superfaturada, feita duas ou três vezes e o resultado é um lixo, o seja, não produz retorno, não faz o país crescer. Ai aprece algum político populista na televisão, que tira proveito da ignorância das pessoas colocando a culpa da dívida naqueles que emprestam dinheiro para o governo. Todos os países emitem títulos públicos e os mais sérios reinvestem o dinheiro e fazem o país crescer. Por qual motivo aqui não funciona? No caso dos EUA, esse dinheiro está investido em algum lugar gerando riqueza, gerando impostos. Com relação a Maria Fatorelli é importante observar que ela é filiada ao PSOL. Faça uma busca no Google sobre o programa de governo do PSOL. Eles defendem o calote da dívida interna e muitos absurdos que no mundo de hoje transformariam o Brasil naquilo que hoje é a Venezuela. Inclusive, se calote de dívida fosse solução a própria Venezuela já teria dado calote na dela.

          • Mauro Amado 10 de setembro de 2015 at 17:47

            Muito obrigado pela resposta, Leandro!
            Faz muito sentido o que tu diz. A verdade é que tomar empréstimos, não importa se é governo, empresa ou pessoa, só vale a pena se for para aumentar a capacidade de gerar mais dinheiro, senão é cavar a própria cova. Ainda tenho dúvidas da causa real disso, se é quem empresta ou quem pega emprestado, o sistema ainda é nebuloso pra mim.
            Em relação à Maria Fatorelli, não sabia que era ligada ao PSOL. Dar calote em dívida sempre é a pior opção, acredito na negociação, inclusive é isso que ela propõe nesse vídeo que achei muito interessante: https://www.youtube.com/watch?v=rRQHG5kd-Q0

          • Leandro Ávila 10 de setembro de 2015 at 20:07

            Oi Mauro. Quem mais empresta são os bancos, financeiras, seguradoras, fundos de pensão e até planos de saúde. Os bancos não deixam dinheiro parado sem render nada dentro do banco. Tudo é emprestado para o governo ou para outros bancos, nem que seja por apenas 24 horas. Os fundos de pensão pegam dinheiro daqueles que planejam se aposentar e emprestam para o governo comprando títulos públicos. Os planos de saúde não esperam você ficar doente, o dinheiro vai sendo investido em títulos. As seguradoras também não ficam com dinheiro parado esperando sua ligação quando o pior acontece. É uma bobagem achar que banqueiros ricos trabalham com as forças do mal cometendo um “crime” emprestando dinheiro para o governo. Não tem crime. As regras são estabelecidas pelo governo. O dinheiro que estas instituições financeiras colocam lá no governo é dinheiro da sociedade. O que existe de ruim é que a população não sabe que pode fazer isso diretamente, sem que o banco ou o plano de previdência privada fique com a maior parte do rendimento. As pessoas precisam descobrir os produtos financeiros por conta própria, pois o sistema lucra fazendo intermediação e mantendo a ignorância das pessoas. Por isso educação financeira não é tão difundida. Com relação a esse vídeo que você indicou, é triste e limitante esse negócio de dividir a população entre ricos e pobres e ficar colocando na cabeça das pessoas que ricos são pessoas do mal e pobres são do bem (e que por isto precisam dos políticos defensores do bem). O ideal seria um país repleto de pessoas ricas. O ideal seria o governo trabalhando para acabar com a pobreza transformando pobres em pessoas ricas. O correto seria divulgar a ideia de que todos podem gerar riquezas, todos podem enriquecer. Ser rico não é ruim para o país. Um país rico é resultado de um país repleto de famílias ricas. Os ricos não são inimigos do país, muito menos dos pobres. Não existe nenhuma vantagem para o rico que todas as pessoas sejam pobres. Eu não posso falar a mesma coisa dos políticos. Um país pobre é mais fácil de controlar. Pessoas pobres, carentes, sem acesso a educação, dependentes do governo são facilmente manipuladas e enganadas. Eu desconfio de qualquer um que queira resolver o problema dos pobres colocando eles contra os ricos. Pobreza se combate com riqueza, pobreza se elimina enriquecendo os pobres.

  12. 10 de setembro de 2015 at 8:28 - Reply

    Este é o melhor blog de finanças da internet. Parabéns!

  13. Rafael Sessa 10 de setembro de 2015 at 8:33 - Reply

    Oi Leandro, conheci o site por indicação de um amigo há algum tempo atrás e desde então passei a acompanhar as suas publicações. Dispensável relatar o quanto as lições aqui apresentadas – todas extremamente didáticas e claras – têm contribuído para me ensinar algo que antes parecia tão distante.
    Assistindo ao jornal pela manhã, ouvindo as exposições midiáticas da Globo sobre o rebaixamento da nota do Brasil, eu tinha certeza de que quando abrisse o email lá estaria uma matéria sua explicando pormenorizadamente e com muito mais imparcialidade o que significa esse cenário na vida de pessoas comuns.
    E não deu outra!
    Aliás, até ontem estava em dúvida se aplicaria em renda fixa pós fixada ou pré fixada, mas com essas novas informações estou decidido que o momento é de aplicar em pós…

    Parabéns por mais esse excelente texto. Torço que vc continue neste caminho pois está fazendo um ótimo trabalho!!

    • Leandro Ávila 10 de setembro de 2015 at 10:34 - Reply

      Oi Rafael, muito obrigado. Pós-fixadas é a decisão mais conservadora, menos arriscada. Pré-fixada é a decisão que envolve uma aposta maior. Para quem diversifica e investe nas duas ao mesmo tempo, pode ser um bom momento para segurar uma taxa de juros elevada para os próximos anos, mas ai você está apostando que nos próximos anos a taxa irá cair e a inflação será controlada. Não temos bola de cristal e as possibilidades para o futuro são infinitas. Por isto a decisão do melhor investimento sempre depende de cada investidor, do risco que cada um pode e deseja correr.

  14. JFerreira 10 de setembro de 2015 at 9:06 - Reply

    Leandro, bom dia.
    Meu objetivo é viver de renda, tenho uma quantia aplicada em LCI e outros investimentos em CDB, previdência privada da empresa que trabalho, etc.
    Eu entendo que para a situação do país e para a economia real essa perda do grau de investimento não é boa, mas lhe pergunto:
    Olhando apenas para o “meu umbigo”, e esquecendo esses problemas do país, essa perda do grau de investimento é benéfica para meus investimentos?
    Como disse no começo, minha intenção é viver de juros.
    obrigado.

    • Leandro Ávila 10 de setembro de 2015 at 10:43 - Reply

      Oi Jferreira. Olhando para o umbigo de quem tem dinheiro investido em renda fixa a alta dos juros é boa. Por isso é tão importante aproveitar os momentos de crescimento do país para trabalhar muito e acumular patrimônio para os dias difíceis (eles sempre chegam). A economia vive de ciclos. Estamos vivendo um ciclo de baixa depois de um ciclo de alta. Quem aproveitou o ciclo de alta para construir patrimônio está tranquilo com aquilo que acumulou e investiu. Infelizmente, por falta de educação financeira, esse grupo é representado pela minoria da população. A maioria aproveitou o ciclo de crescimento da economia para gastar tudo que ganhou e ainda gastar o dinheiro dos outros (através de dívidas, financiamentos, etc). No meu caso, como sou empreendedor, se a economia vai bem o meu negócio vai bem e minha rentabilidade nos investimentos conservadores sofrem queda. Já quando a economia vai mal, o meu negócio vai mal, mas as minhas economias rendem juros maiores. É importante que as pessoas entendam essa dinâmica.

      • kleber 11 de setembro de 2015 at 15:02 - Reply

        Leandro, mas essa alta nao é reflexo apenas da inflaçao? nao seria ilusório?

        • Leandro Ávila 23 de setembro de 2015 at 9:38 - Reply

          Os juros reais, tirando a inflação, estão elevados.

  15. Sérgio 10 de setembro de 2015 at 9:07 - Reply

    Muito obrigado pela enorme dedicação em passar esse radar atualizado.

  16. Erick Numiers 10 de setembro de 2015 at 9:11 - Reply

    Leandro, excelente post! A dúvida é se apesar de o Copom aumentar a taxa Selic na próxima reunião, o que parece ser o mais provável, isso vai segurar a inflação? Infelizmente esse cenário me remete a década de 80 com inflação nas alturas e juros absurdos! Espero que não chegue a tanto! Grande abraço.

    • Leandro Ávila 10 de setembro de 2015 at 10:53 - Reply

      Oi Erick. A estratégia para segurar a inflação é estrangular a economia. Com juros mais elevados as pessoas consomem menos por se endividarem menos. Poupar e investir na renda fixa se torna mais atrativo. Vendendo menos as empresas começam a concorrer violentamente pelos clientes. Isto significa fazer promoções, reduzir, preços. As empresas menos eficientes fecham as portas, demitem funcionários e essa onde de desemprego desestimula ainda mais o consumo. Na verdade elevar os juros produz um efeito dominó que demora para atingir o estrago máximo. O triste é que tudo isso poderia ter sido evitado se o mal fosse tratado com antecedência.

  17. Raphael Ibrahim 10 de setembro de 2015 at 9:15 - Reply

    Ótima matéria, clara e objetiva.
    Recentemente, quando o BC manteve a taxa SELIC em 14.25% e deixou a entender que manteria ela até, pelo menos o final do ano, retirei todo meu dinheiro da LFT e apliquei em LTN 2018 ( taxa a 14,94%) e NTNB-Principal 2019 (IPCA + 7,5%), Sendo 50% dos recursos em cada titulo. Será que fiz uma escolha ruim ? Visto que após o Brasil ser rebaixado no grau de investimento a taxa de juros tende a aumentar.

    Obs: No começo da matéria creio que a data esteja errada: “(…) nesse dia 09 de setembro de 2005, que rebaixou a nota de crédito o Brasil(…)”. Nada que comprometa a matéria!

    Obrigado pelas dicas e parabéns pelo trabalho.

    • Leandro Ávila 10 de setembro de 2015 at 11:00 - Reply

      Oi Raphael. O que você fez foi uma aposta. No dia que você tomou a decisão era uma boa opção. O problema é que não temos mecanismos para prever o futuro. Você só saberá se a aposta foi boa ou ruim no vencimento da LTN em 2019 e no vencimento do NTN-B Principal em 2019. Se até lá a Taxa Selic cair ou ficar nesse atual patamar a aposta foi ótima. Se até lá a taxa subir muito, você não perderá nada no vencimento, só deixará de ganhar uma taxa maior. Outra coisa importante é que na jornada entre a compra de um título prefixado como o LTN até o vencimento em 2019 é possível que o preço do título sofra muitas variações, e como o extrato do tesouro direto exibe quanto você receberá caso desista do título, você pode ter a impressão de rentabilidade negativa. Por isto, antes de investir em Tesouro Prefixado é importante entender como funciona isso. Para quem não quer ficar sempre com essa dúvida se fez a apota certa, é possível ter investimentos dos dois lados, uma parte com taxas prefixadas e outra com taxas pós-fixadas.

  18. Uilson 10 de setembro de 2015 at 9:19 - Reply

    Olá Leandro
    Crise Política, Crise na Economia, Crise Moral no Brasil, S&P baixando a nota do Brasil, Dólar chegando 4 reais, Pressão na Inflação. Meus Deus! quanta incompetência desse Governo.
    O congresso não irá aprovar qualquer ajuste fiscal proposto pelo governo que está enfraquecido
    Com certeza vamos perder o selo de bom pagador por outra agência, apenas questão de tempo.
    Ai pressão vai aumentar sobre o Ministro Levy que já esta enorme, de alas dentro do próprio governo ontem assisti ele na TV me deu até pena foi bombardeado mas a culpa não é dele, e esse governo esta a 9 meses inoperante, fala se em impeachment, mas esse governo já esta impedido pelos políticos da oposição e situação que não pesam no futuro do Brasil, “quanto pior melhor”
    Agora temos que ficar no rasinho e de boia esperando tsunami “marolinha” passar.

    Parabéns pelo artigo

    • Leandro Ávila 10 de setembro de 2015 at 11:04 - Reply

      Oi Uilson, eu também acho que é questão de tempo. Você está certo. O impedimento já aconteceu e é fácil observar que muitos acreditam que “quanto pior melhor”. 🙁

  19. MARCOS 10 de setembro de 2015 at 9:27 - Reply

    Análise completa.

    Hoje veremos como será reação mercado.

    • Leandro Ávila 10 de setembro de 2015 at 11:15 - Reply

      Oi Marcos, são 11:00 e a venda dos títulos públicos estão suspensas. Vamos esperar para ver o impacto nos títulos IPCA+ e prefixado. O dólar já bateu em R$ 3,91 e depois recuou.

  20. Ricardo 10 de setembro de 2015 at 9:27 - Reply

    Olá Leandro,

    Sim, infelizmente o desleixo com as contas públicas, a política econômica equivocada que repetiram erros cometidos nos anos 80, inflação bem acima do teto da meta, e claro que a gota d’ água foi o fato do Governo Federal enviar ao Congresso Nacional um Orçamento com previsão de rombo de 30, 5 bilhões (que na realidade pode ser ainda maior, já que ele conta com receitas que se quer foram avaliadas pelo Congresso) já era dada como certa o Rebaixamento da Nota de Crédito do país.

    Sabemos que a perda do Grau de Investimento irá afetar sim a vida das pessoas – na maioria das vezes de forma muito negativa. Porém para aqueles que poupam e para os pequenos investidores, como nós, haverão grandes oportunidades na renda fixa – tanto em títulos públicos quanto privado: O Governo Federal terá que oferecer taxas de juros ainda maiores para tentar atrair investidores.

    Então como diz o velho ditado: “O país está em crise e todos estão chorando. E você o que fará? Vai chorar também ou aproveitar as oportunidades para vender lenços?”

    Abraços!

    • Leandro Ávila 10 de setembro de 2015 at 11:18 - Reply

      Oi Ricardo. Isso mostra como é importante ser financeiramente educado, como é importante poupar durante os ciclos de crescimento da economia para poder aproveitar estas oportunidades durante as crises.

  21. Agna 10 de setembro de 2015 at 9:34 - Reply

    acabou de anunciar, nesse dia 09 de setembro de 2005, … Creio que quis dizer: 09 de setembro de 2015. 😉

    Leia texto completo em: http://www.clubedospoupadores.com/noticias/brasil-perdeu-o-grau-de-investimentos.html © Clube dos Poupadores

  22. celso 10 de setembro de 2015 at 9:39 - Reply

    Sou seguidor habitual, mais um excelente artigo, o “09 de setembro de 2005”, devemos creditar as 4:00, nesse horário normalmente o tico e o teco estão dormindo. rsrsrsrsrs

    Abraço, sorte, Celso

  23. Marcelo 10 de setembro de 2015 at 9:40 - Reply

    Agora e bom pra quem tem dinheiro para investir em renda fixa que esta muito boa as oportunidades!!!

    • Leandro Ávila 10 de setembro de 2015 at 11:20 - Reply

      Oi Marcelo. As taxas de juros mais elevadas é um estimulo para poupar ainda mais. Na verdade este é um dos objetivos quando eles aumentam os juros. Querem que as pessoas poupem mais e consumam menos e isto teoricamente ajudará a segurar a inflação.

  24. Giancarlo Fernandes 10 de setembro de 2015 at 9:56 - Reply

    Excelente análise Leandro. A dúvida que fica é se na prática o Brasil já é considerado grau especulativo pelos grandes investidores e se já sofremos a maior parte desse impacto nas últimas semanas (apesar de o Brasil ainda ser formalmente considerado grau de investimento por duas das três grandes agências). Em outras palavras, será que ainda vai piorar muito até perdermos formalmente o grau de investimento por uma segunda agência, ou já piorou a maior parte do que tinha que piorar em relação a esse assunto (antecipação pelo mercado) e o impacto da perda do grau de investimento por uma segunda agência não será mais tão grande?

    • Leandro Ávila 10 de setembro de 2015 at 11:24 - Reply

      Oi Giancarlo. Os dados que essas agências avaliam antes de tomar esse tipo de decisão são dados passados. São informações que os investidores já tiveram acesso, são números que todo mundo já sabia. Por isso as agências sempre tomam decisões atrasada, pois os fatos precisam acontecer primeiro. As vezes vejo algumas pessoas criticando, falando que elas não conseguirem prever a quebra de um banco. Na verdade elas não são capazes de prever o futuro. Um fato importante que aconteceu hoje não irá refletir imediatamente na queda de um anota no dia seguinte. Eu acredito que a alta dos juros e a desvalorização do real que tivemos em 2015 já reflete a expectativa da perda do grau de investimento. Só não temos como saber até que ponto isso já estava precificado.

  25. Carlos Pala 10 de setembro de 2015 at 10:04 - Reply

    Interessantes observações, principalmente do video do analista, ao final. Atente que, se minha memoria nao me engana, logo depois do investment grade houve a quebra do Lemman Brothers e o inicio da “marola”, representado na queda vertiginosa do grafico que ele mostra no video.

    • Leandro Ávila 10 de setembro de 2015 at 11:26 - Reply

      Oi Carlos. Isso acabou sendo uma armadilha para muitos investidores iniciantes. Lembro muito bem que muita gente que nunca tinha investido na bolsa estava correndo para comprar qualquer coisa. Muitos perderam dinheiro e desenvolveram um enorme trauma da renda variável.

  26. André Mattos 10 de setembro de 2015 at 10:07 - Reply

    Mais um excelete (porém triste) artigo! Meus parabéns.

    Uma pequena correção no texto: “A maioria [[a dota]] a regra de que é necessário … ”

    Grande abraço!

  27. Marcos Arnaldo 10 de setembro de 2015 at 10:09 - Reply

    Bom dia Leandro! Parabéns pelo site. Na sua opinião, como ficam os investimentos em tesouro direto (IPCA +), cujas datas de vencimento são longas? O risco foi potencializado? Abraço!

    • Leandro Ávila 10 de setembro de 2015 at 11:39 - Reply

      Oi Marcos, acabo de ver as taxas. Observei que os títulos mais longos estão com taxas próximas dos títulos mais curtos. Existe a regra de que o longo prazo sempre representa um risco maior. Sempre é mais fácil prever os próximos capítulos no curto prazo.

  28. Carlos Vinicius 10 de setembro de 2015 at 10:15 - Reply

    Bom Dia Leandro

    Não consigo entender como mais impostos e aumento do preço do dólar refletem em mais inflação…. ?

    Se aumento de impostos se traduz em diminuição da capacidade de compra e consequentemente em diminuição da inflação.

    • Leandro Ávila 10 de setembro de 2015 at 11:54 - Reply

      Oi Carlos. É fácil entender. Se o governo aumentar a CIDE, que é um imposto sobre os combustíveis, que hoje é de R$ 0,10 por litro de combustível para R$ 0,60, o consumo de combustíveis no Brasil vai continuar o mesmo. As pessoas não vão deixar de ir para o trabalho, as empresas não vão deixar de fazer entregas dos seus produtos. O problema é que combustível e transporte faz parte do custo de todos os produtos. É inevitável que isto produza reflexos na inflação. Se ocorrer esse aumento serão R$ 15 bilhões retirados adicionalmente do bolso da sociedade. Esse dinheiro vai fazer falta em negócios onde o consumidor tende a penalizar no momento de crise. Ele não vai deixar de ir para o trabalho, mas pode deixar de frequentar uma academia, pode passar a comer mais em casa e menos em restaurante. Se o dólar subir e isso impactar no preço da farinha as pessoas não vão deixar de comer pão, elas podem deixar de cobrar aqueles bolos caros e sofisticados da loja de doces gourmet. O aumento do pão vai aparecer lá na inflação. É claro que no prazo maior, o aumento da carga tributária tira o poder de compra da população ao ponto dela começar a pensar na possibilidade de ir de ônibus para o trabalho ou até parar de comer pão. A alta do dólar eleva preço de toda as commodities e tudo que é produzido com elas. Já impostos sobre o consumo são imediatamente repassados pelas empresas para o consumidor pagar a conta.

      • Carlos Vinicius 10 de setembro de 2015 at 12:04 - Reply

        Obrigado

        Acho que entendi, a curto prazo aumento de inflação devido o aumento dos preços
        a longo prazo uma possível queda da inflação devido a diminuição da capacidade de compra …

  29. Eliane 10 de setembro de 2015 at 10:17 - Reply

    Agradeço por suas explicações a respeito do significado dessa perda de grau do investimento dada ao Brasil. Fiquei mais tranquila em relação ao que você fala sobre os investimentos em Renda Fixa, principalmente no que diz respeito aos Títulos Públicos, como por exemplo Tesouro Selic, pois tendemos a ficar preocupados e perdidos, sem saber como proteger nosso pequeno e suado capital. O seu trabalho, sua escrita, o vídeo enviado, como sempre muito bem escrito e elucidativo para todos nós. Que suas noites de sono sejam recuperadas, abençoadas! Obrigada mais uma vez por todo seu trabalho e boa vontade de compartilhar conosco seu conhecimento, estudo e percepção desse momento tão desafiador que todos nós brasileiros estamos vivendo. Um grande abraço!

    • Leandro Ávila 10 de setembro de 2015 at 11:55 - Reply

      Oi Eliane, muito obrigado pelo apoio e por suas palavras.

  30. Carlos Vinicius 10 de setembro de 2015 at 10:27 - Reply

    Estou sem saber o que dizer como o rapaz da reportagem sobre o peso dos impostos no orçamento.
    Absurdo !!
    58% para o governo
    41% para quem produziu ???

    Como assim [email protected]#%??
    Ainda dizem que trabalhamos apenas e meses para pagar tributos É MUITO MAIS !

    Leandro

    Obrigado mais um vez por trazer as nossas mentes esse conhecimento !

  31. Anderson 10 de setembro de 2015 at 11:10 - Reply

    Excelente matéria, didático e extremamente esclarecedor. Diante do cenário atual é válido se desfazer de títulos com taxa de juros + inflação por títulos semelhantes mas com taxas maiores ?

    • Leandro Ávila 10 de setembro de 2015 at 12:04 - Reply

      Oi Anderson. Se você vai ficar com o título até o vencimento o valor que será recebido será o mesmo. Só compensa vender e depois comprar com uma taxa mais elevada do que você vendeu, levando em consideração as perdas com taxa e impostos, e apostando que você irá fazer uma venda antecipada no futuro com um lucro elevado, que seria no caso do governo iniciar um ciclo de baixa. Esse tipo de operação especulativa é perigosa e eu recomendo fazer um curso como esse aqui antes de tentar.

  32. Túlio 10 de setembro de 2015 at 11:16 - Reply

    Leandro, gostaria de lhe parabenizar pelo ótimo trabalho e empenho. O material é bem didático, sem acompanhado pelas fontes que proporcionam ainda mais credibilidade ao trabalho. Pode ter certeza que seu propósito de educação financeira está dando muito certo. Abraço!

  33. Jader Ramos 10 de setembro de 2015 at 11:21 - Reply

    Olá Leandro, sempre te acompanhando, obrigado por esse empenho que tens conosco.

    A redução do rating de alguns bancos pequenos, é devido também a perda do grau de investimento, ou não tem nada haver uma coisa com a outra?

    Grato!
    Abração!!

    • Leandro Ávila 10 de setembro de 2015 at 12:07 - Reply

      Oi Jader, nas fontes que coloquei do lado do nome dos bancos existe o relatório onde a agência apresenta seus motivos. A economia fraca dificulta a vida de bancos que captam recursos para emprestar. Um aumento na inadimplência dos clientes dos bancos pode elevar o risco de calote daqueles que investiram no banco. É isso que as agência tentam avaliar. Isso não significa que os bancos querem dar um calote ou estão se preparando para isso.

  34. Gilvan 10 de setembro de 2015 at 11:22 - Reply

    Leandro,
    Muito obrigado pelos excelentes artigos.
    Aguardo com ansiedade pelo grupo de estudos.
    Alguma dica para quem é pequeno investidor (pequeno mesmo, até 900 reais por mês para investir ) ?
    Obrigado!

    • Leandro Ávila 10 de setembro de 2015 at 12:10 - Reply

      Oi Gilvan, esse tipo de dica é difícil. Depende de cada investidor. Vamos imaginar que você tem 22 anos e acabou de sair da faculdade. Invista esse dinheiro em você, verifique o que você ainda não sabe, que habilidades precisa desenvolver para aumentar sua renda e com isso possa aumentar sua capacidade de poupança. A resposta seria diferente para cada perfil. Meu objetivo é criar um curso no grupo de estudos para que você possa identificar o que é melhor para você sem depender de ninguém.

  35. Agton 10 de setembro de 2015 at 11:23 - Reply

    Parabéns Leandro pelo excelente artigo! Acesso todas as matérias de seu blog e agradeço por nos enviar e-mails com novos artigos. Mesmo na madrugada se preocupando com informações de qualidade…
    Prezado Leandro com as taxas de juros elevadas fica evidente que o momento de investir em renda fixa é favorável.
    Pensando no longo prazo não seria este também um bom momento para se investir em ações de boas empresas? Como seria possível neste momento identificar boas ações que estão abaixo do valor e que podem representar um bom investimento para o futuro? Já li alguns artigos que informam que foi em momentos de crise que alguns conseguiram comprar bons papéis a preços baratos e que fizeram um bom patrimônio. Alguns inclusive aguardariam com expectativa estes momentos de crise para construir sua riqueza. Muito obrigado desde já por sua opinião sobre este assunto.

    • Leandro Ávila 10 de setembro de 2015 at 16:23 - Reply

      Oi Agton, não existe uma resposta simples para sua pergunta. Não é possível prever com absoluta certeza qual é o melhor momento para comprar ações e de quais empresas você deve comprar para ter bons resultados no futuro. O que existe é a possibilidade de você analisar informações que tornam sua decisão mais provável, com maior probabilidade de se realizar no futuro. Para fazer essas análises você precisa se preparar. Não existe fórmula mágica. Nos momentos de crise você encontra uma janela de entrada, onde você realmente pode comprar ações de empresas que são sólidas hoje, e se tudo correr bem, e elas continuarem boas empresas no futuro, você terá retorno sobre sua decisão.

  36. Pedro 10 de setembro de 2015 at 11:32 - Reply

    Leandro, excelente matéria!

    Gostaria de saber se você tem como esclarecer o quanto isso afetará as aplicações de LCI de grandes bancos. Tenho essa aplicação no BB, que apesar de não oferecer grandes taxas, ainda rende mais do que a poupança, e também prefiro a comodidade de ter tudo num lugar só (conta corrente, investimentos, etc).

    • Leandro Ávila 10 de setembro de 2015 at 16:26 - Reply

      Oi Pedro. Se a taxa Selic continuar elevada ou continuar subindo a sua rentabilidade vai subir, já que ela certamente representa um percentual da taxa DI (CDI) que é divulgado na http://www.cetip.com.br e que por sua vez segue de perto da Taxa Selic. Bancos grandes como o Banco do Brasil oferecem percentuais do CDI menores, eles tiram da comodidade e do medo que as pessoas sentem de investir em outros bancos.

  37. Guibro 10 de setembro de 2015 at 11:47 - Reply

    Mestre, mais uma análise sensata e perspicaz. Só um detalhe: fez duas referências à obtenção do grau de investimento em 30/08/2008, mas a data correta é 30/04/2008. Um mês depois, em 31/05/2008, alcançamos brevemente o TH, logo antes do grande mergulho.

    Naquela oportunidade, superestimamos o upgrade, espero que agora estejamos superestimando também o downgrade…

  38. Jorge Guerino 10 de setembro de 2015 at 11:47 - Reply

    Leandro, bom dia.

    Como o Andre Moraes comentou, hoje o mercado está nervoso. Dólar subindo, bolsa caindo, mercado de títulos públicos suspenso até o momento (11:15h).
    .
    Excelente o vídeo do Samuel Pessoa. Esclarecedor.

    Governo gastou mais do que ganha. E agora? Aumento de impostos à vista.

    • Leandro Ávila 10 de setembro de 2015 at 16:33 - Reply

      Oi Jorge, é verdade. Aumentar impostos sempre é mais fácil. É como a empresa privada, que no momento de dificuldades, resolve aumentar os preços quando poderia procurar aumentar a produtividade, reduzir desperdícios, modificar e controlar processos, etc. Quando as empresas fazem isso você troca de marca, troca de estabelecimento, troca de produto e somente as melhores empresas sobrevivem. No caso do governo, só temos esse ai, não temos escolha, não existe concorrência, quando a coisa não funciona ele simplesmente aumenta o preço do governo e somos obrigados a pagar, já que sonegação é crime e eles possuem o monopólio da força, pouco podemos fazer.

  39. André 10 de setembro de 2015 at 11:48 - Reply

    Oi Leandro,

    Obrigado por dividir as informações. Isso significa basicamente que devemos manter os investimentos em renda fixa como prioridade, correto? Você não falou sobre TD IPCA, que é onde tenho a maior parte das minhas economias. Pretendo levar o título até o fim, mas gostaria de saber que tipo de impacto pode ter sobre essa aplicação.
    Outra questão: diz-se que o melhor momento para ações é este atual, com mercado em baixa. É verdade? Está na hora de investir em ações? Esse “momento” deve continuar até o fim do ano? Pergunto isso porque tenho planejado fazer o curso mente milionária, do Leonardo, mas só poderei em novembro/dezembro. Você acha que este curso vale a pena?
    Obrigado e um abraço,
    André

    • Leandro Ávila 10 de setembro de 2015 at 16:38 - Reply

      Oi André. Se você pretende levar o título até o fim, nada precisa ser dito. Se os juros subirem você vai se sentir incomodado olhando o extrato, pois ele reflete o quanto você receberia se desistisse dos seus títulos. Se continuar com eles até o vencimento você receberá a inflação + a taxa contratada. Momentos de pico como estes que acontecem em dias de nervosismo é um momento bom para comprar mais Tesouro IPCA+. Como ninguém consegue acessar a melhor taxa, o bom é ir comprando aos poucos. Você não fica com aquele estresse de querer acertar o momento certo, mas vai ficar com uma boa média. No caso das ações, pode ser a hora de comprar se você souber investir em ações. Pode ser péssimo se a pessoa não souber. Eu acho que todo curso vale a pena. Eu sempre aprendo alguma coisa nova e isso não tem preço. Todo conteúdo que você pode aprender em cursos, também podem ser aprendidos em livros. O problema é que muitos compram os livros e depois guardam. No curso a situação é diferente. O investimento é maior e em alguns casos, como é o caso dele, o curso é em vídeo-aulas. Com isso você fica sem desculpa. Basta ligar o vídeo e relaxar. Esse e outros curso eu recomendo aqui.

  40. Gabriel Valente 10 de setembro de 2015 at 11:52 - Reply

    Alguns dizem que estamos no meio do caminho, entre a queda e a recuperação. Essa queda vem sendo observada desde o fim de 2013 e a recuperação é prevista por alguns para início de 2017, somente. Quero acreditar que a recuperação esteja logo aí mesmo, porque observando as atitudes de quem tem o poder para mudar as coisas, e não o faz, fica difícil acreditar em um 2017 tranquilo. É impressionante ver a falta de respeito, ética, e patriotismo dos partidos vermelhos e azuis. Tanto faz, para qualquer lado que se olha a impressão que fica é que o que menos se busca neste momento é unir forças para o bem da nação! Eles querem mesmo é se perpetuar no poder.

    Enquanto isso minha corretora, em seus dois últimos relatórios mensais, indica investimentos em títulos pré-fixados, porém o especialista em economia que mais ouço, prefere o tesouro Selic. Acho que ainda fico no Selic, a coisa vai apertar mais um pouco.

    • Leandro Ávila 10 de setembro de 2015 at 16:44 - Reply

      Oi Gabriel. Eu percebo que político são iguais, só muda mesmo a cor da camisa e se pretende roubar utilizando a mão esquerda ou a mão direita. No fundo eles só querem manter o poder, pois é desse poder que eles encontram os meios para conquistar fortunas. É claro que existem políticos que não fazem parte desse jogo, mas o fato é que a parte podre estraga o todo. A minha corretora também indicou pre-fixado. O problema é que novos fatos estão surgindo todos os dias. Se eles acreditam que pode acontecer uma mudança de governo e isto possa gerar uma onda de otimismo, o pre-fixado pode ser uma boa ideia. Agora… se este governo continuar se arrastando, sem apoio do próprio partido e sem apoio da oposição para votar as medidas necessárias, a coisa vai se arrastar até as próximas eleições. Por isso qualquer decisão é muito difícil. Podemos acordar amanhã e um novo fato ter modificado todo o contexto.

  41. Danilo Nunes 10 de setembro de 2015 at 12:35 - Reply

    Boa tarde, Leandro

    Você acha uma boa ideia, dependendo das taxas do tesouro IPCA+ após o rebaixamento da nota do Brasil, vender o meu título,mesmo perdendo dinheiro pois comprei quando a taxa estava 7,08% e comprar um novo IPCA+ por uma taxa mais atrativa agora?

    Abraços!

    • Leandro Ávila 10 de setembro de 2015 at 16:48 - Reply

      Oi Danilo. É importante perceber que se você comprou o título com taxa de 7% e depois este mesmo título está 8%, na data de vencimento você receberá exatamente o mesmo valor por estes dois títulos. O que vai fazer a diferença na rentabilidade é o preço que você pagou pelo título. Certamente o título com taxa 8% foi mais barato que o título comprado com taxa de 7%. Quanto maior a taxa oferecida no mesmo título menor fica o seu preço para que no vencimento a rentabilidade seja maior. Por isto não faz nenhum sentido vender título para comprar outro imediatamente.

  42. Helcio 10 de setembro de 2015 at 12:56 - Reply

    Gosto dos seus textos pela isenção, pelo conteúdo e pela didática. Muito bom esse video do André Moraes, acho que essa postura é que faz diferença nesses tempos de tiroteio de informações.

  43. Fabrizio 10 de setembro de 2015 at 13:01 - Reply

    Com esta alta do dólar não seria um momento interessante para investir em fundos cambiais?

    • Leandro Ávila 10 de setembro de 2015 at 16:51 - Reply

      Oi Fabrizio. Seria interessante se você tiver absoluta certeza que o atual dólar de R$ 3,90 vai subir até R$ 4,50 ou R$ 5,00 nos próximos meses. Se você tivesse comprado dólares ou fundos no início do ano apostando em um dólar próximo de R$ 4,00 sua aposta teria dado certo. O problema é que da mesma forma que poderia dar certo, também poderia dar errado, embora o contexto mostrasse que a probabilidade de dar certo era maior.

  44. Manoel 10 de setembro de 2015 at 13:11 - Reply

    Excelente texto!
    Como investidor iniciante fico com medo que essas instituições financeiras pequenas quebrem e levem um pedaço do que investi (já que o FGC não repõe a remuneração que teria da quebra à disponibilização do dinheiro, além do imposto ser maior por tirar antes dos dois anos). Investi ontem novamente em LC à 125% do CDI para 2 anos.

    • Leandro Ávila 10 de setembro de 2015 at 16:53 - Reply

      Oi Manoel, por isso é importante fazer uma avaliação de risco. Imagine ai uma pessoa que tem 1 milhão de reais e resolva investir R$ 10 mil em um banco pequeno que está oferecendo uma taxa muito elevada. Essa pessoa está expondo apenas 1% do que possui para obter uma rentabilidade um pouco maior. Cada pessoa vai aceitar expor pedaços diferentes do que possui a níveis diferentes de risco em troca de uma remuneração maior.

  45. Misael da Silva 10 de setembro de 2015 at 13:22 - Reply

    Excelente artigo. Já tinha sido avisado desde do começo do ano, que isso iria acontecer, mas o governo fingiu que isso irá brincadeira. Hoje estamos correndo vários tipos de aumentos da TX Selic novamente, investidores estrangeiros saindo do Brasil e o governo querendo aumenta mais os implostos Ex. IR, de 27.5% para 30%, e aumento tx dos bcos.
    A minha dúvida é o que irá acontece com investimentos de renda variável, bolsa de valores e FII.
    Muito obrigado por sua dedicaçao ensina e responde asinhas dúvidas.

    • Leandro Ávila 10 de setembro de 2015 at 16:55 - Reply

      Oi Misael. Eu acredito que teremos queda pela frente e pessoas tentando aproveitar uma janela de oportunidade. Ai o problema muda. Temos o cidadão que pode comprar ações baratas e esperar 10 anos por uma recuperação, existem outros que podem esperar 5 anos, existem outros que podem esperar 1 mês e existe gente que compra hoje para vender hoje mesmo com algum lucro.

      • Misael 11 de setembro de 2015 at 20:39 - Reply

        Obrigado pela explicação. Melhor investir agora para aproveita as oportunidade agora, sabendo que B&H é longo prazo, compra e avaliar a cada ano se vale a pena fica com o investimento sim ou não. Este é meu caso compro e espero pois o não quero dá dinheiro para o governo e corretora. ( fica girando toda hora é tempo de TD ou agora é tempo Ação e agora é tempo de FII, e etc).

  46. Felipe Cardoso 10 de setembro de 2015 at 13:46 - Reply

    Para o público leigo, não faz diferença o rebaixamento.

    As únicas preocupações para o pequeno investidor e o poupador são:

    1- Trabalhar
    2- Gastar menos do que ganha
    3- Estudar sobre os investimentos que são condizentes com o estilo de vida individual.

    O resto é somente estresse e contra-produtivo se preocupar, além do fato de envolverem assuntos fora de nosso controle

    • Leandro Ávila 10 de setembro de 2015 at 17:00 - Reply

      Olá Felipe. Minha opinião é totalmente diferente da sua. O rebaixamento para o leigo é uma oportunidade especial de aprender mais sobre a economia e como as coisas funcionam no país onde ele vive. Isso faz parte da cidadania de cada um. Eu não aceito a ideia de que o pequeno investidor deva se conformar com essa situação de pequeno e muito menos que o público deva se manter leigo para o resto da vida. Por isso eu faço esse trabalho e motivo as pessoas para que elas tenham uma maior consciência do que está acontecendo. Nenhum conhecimento é contra-produtivo, a ignorância sim é contra-produtiva, e só estamos vivendo essa situação graças ao público leigo que no dia das eleições vota em gente que estimula a alienação sobre assuntos econômicos.

  47. Rafael G. 10 de setembro de 2015 at 13:58 - Reply

    Olá Leandro!

    Ter escrito esse artigo as 04:00 (acredito que você deve ter imaginado que muita gente ia “pirar” ao saber dessa notícia) mostra o quanto você é dedicado e se preocupa em ajudar as pessoas. Quanto ao artigo, mesma qualidade e didática altíssima de sempre. Parabéns Leandro! Abraços!

    • Leandro Ávila 10 de setembro de 2015 at 17:18 - Reply

      Oi Rafael. Foi exatamente isso que pensei. Muito obrigado!

    • Fabricio 11 de setembro de 2015 at 12:04 - Reply

      Rafael, como vc sabe que foi escrito as 04:00? Onde vc viu? Procurei e não achei.

  48. Roseli 10 de setembro de 2015 at 15:14 - Reply

    Leandro, muito didático seu trabalho e de excelente qualidade! Já me habituei a ler todos os artigos publicados e virei fã!! Está me ajudando muito a decidir as aplicacoes que valem a pena para a minha realidade. Muito obrigada!!

  49. Leonardo 10 de setembro de 2015 at 15:37 - Reply

    Leandro, cadê o clube fechado pros mais avançados? Estamos na espera para começar o mais importante dos investimentos: conhecimento!

    • Leandro Ávila 10 de setembro de 2015 at 19:19 - Reply

      Oi Leonardo. Ele está sendo construído. Acredito que ficará pronto no final de outubro.

  50. Marcelo 10 de setembro de 2015 at 15:47 - Reply

    Este fechamento do tesouro direto significa reajustes nas taxas ?
    Subindo as taxas podemos acreditar que um investimento a curto prazo em pre-fixado é mais garantia de bom retorno ?
    Pretendo iniciar meus investimentos em tesouro direto, mas bem agora o grau de investimento do Brasil foi rebaixado.
    Isso pode ser uma boa oportunidade para este tipo de investimento ?

    • Leandro Ávila 10 de setembro de 2015 at 19:30 - Reply

      Oi Marcelo. Significa que as taxas estão variando muito (nas negociações que eles fazem com as instituições financeiras) e o Tesouro Nacional está encontrando dificuldade para determinar o preço dos títulos que vendem para pessoa física. O investimento em prefixado oferece taxas de juros maiores e implica em você fazer uma aposta. Você está apostando que a situação da economia até o vencimento seguirá em um caminho que aquela taxa será vantajosa. As crises oferecem taxas muito elevadas e isto gera uma oportunidade. Quando a situação da economia vai bem a taxa cai, a bolsa sobe e o investimento em ações ou em empresas se tornam mais vantajosos que a renda fixa. São ciclos que se repetem.

      • Marcelo 11 de setembro de 2015 at 9:14 - Reply

        Muito bom Leandro,
        Obrigado pela ajuda !

  51. Gilmar 10 de setembro de 2015 at 15:57 - Reply

    Parabéns Leandro por mais um artigo muito esclarecedor e de muito valor para quem está sempre a procura de informações sobre a economia em geral.Muito obrigado pela dedicação e respeito pelos seus leitores.

  52. Fábio Tanil 10 de setembro de 2015 at 15:59 - Reply

    Olá Leandro aproveitando o assunto, você continua aconselhando para o longo prazo o NTN-b Princ com vencimento em 2035 ao invés do vencimento em 2019?
    Obrigado

    • Leandro Ávila 10 de setembro de 2015 at 19:33 - Reply

      Oi Fábio, na verdade eu não faço recomendações. Eu acho que se você o Tesouro IPCA+ tem características que as pessoas deveriam conhecer. Ele promete reajustar o valor investido pelo IPCA (inflação) que atualmente está elevada. Acima disso ele ainda oferece uma taxa de juros fixas. Você terá a garantia de uma rentabilidade real (acima da inflação) até 2019 ou até 2035. Quanto maior for essa taxa fixa, melhor será. O único problema é que no momento de tomar a decisão de investimento você não tem meios de saber se a taxa é a maior que você conseguirá. Por isto é o tipo de investimento que as pessoas devem fazer aos poucos.

  53. Inaldo 10 de setembro de 2015 at 16:03 - Reply

    O lado bom dessa crise é que as pessoas estão abrindo os olhos e entendendo que precisam ter uma educação financeira, procurando se inteirar do que está acontecendo e o porquê, acessando, por exemplo, esse excelente blog. Nesse ponto a internet tem ajudado muito.

    • Leandro Ávila 10 de setembro de 2015 at 19:34 - Reply

      Oi Inaldo. Com certeza, é uma ótima oportunidade para que as pessoa deixem de ser leigas, parem de entender mais de futebol do que de como o dinheiro funciona. O primeiro não gera nenhum impacto na sua vida, o segundo está entranhado em todas as suas atividades, do momento que você acorda até o momento que você vai dormir. O mau uso do dinheiro pode ser fonte de inúmeros problemas.

  54. Tarcísio Ribeiro 10 de setembro de 2015 at 16:28 - Reply

    Parabéns pelo excelente artigo Leandro. Amigo tem algum site, que você possa me recomendar, onde consiga acompanhar o Rating internacional dos países e nacional dos Bancos que oferecem CDB, LCI e etc e empresas que oferecem Debêntures além de perspectivas de rebaixamento ou aumento de grau investimento? Pergunto isso, pois já encontrei alguns Bancos oferecerem CDBs com uma excelente rentabilidade, porém não sei avaliar quanto estaria arriscando investindo neles.

    • Leandro Ávila 10 de setembro de 2015 at 19:36 - Reply

      Oi Tarcísio. Eu não conheço um site que centralize essas informações. Eu tenho a impressão que estes dados possuem direitos autorais e por isto você só consegue ver as notas fazendo um cadastro gratuito no site das agências. Lá dentro, usando um login e uma senha pessoal, você pode fazer buscas utilizando o nome dos bancos. Eu uso muito a S&P. Basta entrar lá no site deles e criar uma conta. Aqui tenho artigo sobre o assunto.

  55. Leonardo Oliveira 10 de setembro de 2015 at 17:05 - Reply

    Olá Leandro,

    Excelente artigo, bem explicativo. Parabéns!
    Como faço para lhe mandar uma mensagem privada?

    Abraços
    Leonardo Oliveira

    • Leandro Ávila 10 de setembro de 2015 at 19:44 - Reply

      Oi Leonardo, pela área de contato que existe no menu superior.

  56. Leonam 10 de setembro de 2015 at 17:25 - Reply

    Leandro, descobri o site pesquisando na Internet e desde então tenho acompanhado seu trabalho de perto. Meus parabéns pela qualidade do material, pela simplicidade na explicação e pela seriedade com que você tenta educar a todos nós. Tenho lido todos os artigos do passado, pois tem muita informação valiosa. Me apaixonei pela educação financeira e comecei a ajudar amigos e parentes a tomarem decisões mais acertadas. Acompanho o Clube dos Poupadores há alguns meses, mas é a primeira vez que deixo um comentário, claro que não poderia deixar de ser com muitos elogios. Me inscrevi para o Fórum fechado e aguardo ansiosamente a ativação. A título de sugestão, gostaria de aprofundar os conhecimentos em debêntures e debêntures incentivadas. Você tem previsão de um artigo para esse tema? Se não, alguma indicação de material? Quero saber como avaliar o risco/retorno e os números e indicadores da empresa aos quais preciso me atentar.

    • Leandro Ávila 10 de setembro de 2015 at 19:49 - Reply

      Oi Leonam. Essa área está sendo construída. Em breve vou escrever para aqueles que cadastraram e-mail naquela lista de pre-inscrição. Quero compartilhar sobre o andamento da construção. Estou criando aulas bem completas e vamos começar do começo mesmo. As pessoas pensam muito nos produtos financeiros sem pensar em questões mais importantes. Existe uma esperança de que existe um produto financeiro milagroso desconhecido, pode ser ações, debêntures, o problema é que a maioria investe sem plano, investe por investir, de form aleatória. Quero produzir um material para que a pessoa comece do início mesmo. Já percebi que a quantidade de conteúdo será muito grande. Provavelmente vou lançar com uma parte do conteúdo pronto e semanalmente vou lançar novos conteúdos em um trabalho que terá começo, mas não sei se terá fim.

  57. antonio jaime 10 de setembro de 2015 at 19:36 - Reply

    Leandro,
    Nessa falta de perspectiva política e econômica, você acha que as taxas dos titulos do tesouro Tipca 2035 vão disparar e somente baixarão dentro de uns 4 ou 5 anos ou você acredita que a macroeconomia nacional aguenta altas por prazo acima de 4 anos?
    Sei que vc não tem bola de cristal nem ninguém mas gostaria de saber se tem alguns fundamentos macroeconômicos que não consigo enxergar que impeçam uma disparada das taxas do título por prazo tão longo. Será que antes disso o país não TEM QUE reagir e cortar as taxas, ainda que perca temporariamente o grau de investimento?
    Obrgado por responder.

    • Leandro Ávila 11 de setembro de 2015 at 14:20 - Reply

      Oi Antonio, pelo que vi as taxas dos títulos de longo prazo estão bem elevadas, próximas das taxas de curto prazo. Não temos como saber as decisões deste governo que está ai. É difícil até de ter alguma segurança sobre a manutenção do Levy. Não sabemos se a presidente vai conseguir terminar o mandato dela. Existem tantas incertezas, tanta desconfiança, tanto problema que pode estourar nas próximas horas ou nos próximos dias que fica difícil. A única certeza que temos é que a coisa está ruim e tende a piorar se tudo continuar exatamente como está. O grau de investimento provavelmente será perdido nas três principais agências.

  58. antonio jaime 10 de setembro de 2015 at 19:39 - Reply

    quis dizer: ainda que tenha perdido por tempo determinado o seu grau de investimento?

  59. antonio jaime 10 de setembro de 2015 at 19:42 - Reply

    Afinal, o fundamental depois da emergência, que penso poder durar uns 2 anos, é pensar em diminuir juros para voltarmos a crescer, após, é claro, mais responsabilidade politica dos políticos. (Será que esses que ai estão, no executivo e no legislativo têm condições de emitir atos responsáveis?)
    Pois se assim não for, não há mais saída para nosso país…

    • Leandro Ávila 11 de setembro de 2015 at 14:31 - Reply

      Oi Antonio. Acho que existe uma luta de poder. Não existe interesse em resolver os problemas do país, já que isto poderá ser usado nas eleições de 2018. Um país quebrado é mais interessante para a oposição. Quebraram o país para que fosse possível vencer as eleições de 2014. Agora exigem apoio dos opositores e da população para resolver os problemas que eles produziram. Quem sofre com isso tudo é a população.

  60. antonio jaime 10 de setembro de 2015 at 19:44 - Reply

    saída pacífica, lamento dizer…

  61. Cassia Maia Tolentino 10 de setembro de 2015 at 22:17 - Reply

    Boa noite, Leandro com relação aos bancos só agora entendi porque eles pagam taxas maiores. Infelizmente as decisões irresponsaveis dos nossos governantes, causou o desequilíbrio fiscal.
    Parabens pelo artigo.

  62. Tiago Bastos 10 de setembro de 2015 at 22:56 - Reply

    Leandro. Tenho pouco tempo que estou lendo seus artigos.No momento atual estou na fase de quitar minhas dívidas, para depois começar construir uma reserva de emergência com tesouro Selic e uma parte na poupança.Pretendo utilizar a poupança para fazer uma ponte para outros investimentos mais atrativos. Após consolidar minha reserva de emergência penso investir em títulos de crédito privado como CDB,LCI,LCA e LC como exemplo e títulos públicos prefixados e IPCA +. Minha dúvida é investir uma parte da minha carteira em bancos grandes, outra em bancos de meio e pequeno porte. Desta forma acho estou gerenciando melhor o risco de crédito, mas provavelmente terei uma perda maior na rentabilidade em títulos privados em bancos grandes por pagarem taxas menores.

    • Leandro Ávila 11 de setembro de 2015 at 14:35 - Reply

      Oi Tiago. Nem sempre a rentabilidade é o mais importante. Você precisa avaliar até que ponto compensa correr um pouco mais de risco para obter uma rentabilidade um pouco maior. O normal é que você tenha uma parte dos seus investimentos em bancos maiores e diversifique outra pate em bancos médios. Vale lembrar que existe a proteção do FGC. Quando falamos de risco ele se refere ao susto. Imagino que deva ser muito desagradável descobrir que o banco onde você tinha dinheiro quebrou, mesmo sendo uma parcela pequena do dinheiro que você colocou no risco para obter uma rentabilidade maior. Deve ser desagradável esperar 2 ou 3 meses para receber o dinheiro de volta dentro daquele limite de R$ 250 mil por CPF.

  63. Eliton 10 de setembro de 2015 at 23:13 - Reply

    Leandro! Mais um otimo artigo. O ultimo video foi muito interessante tambem, pois como os bancos medios perderam ou estao perdendo o grau de investimento, eles estao oferecendo boas rentabilidades no CDB, LCA e LCI para se capitalizarem, com isso temos algumas oportunidades de aumentar os rendimentos, sempre respeitando o limite de R$ 250 mil do FGC.

    Abraco.

  64. Allan 10 de setembro de 2015 at 23:25 - Reply

    O seu site é o melhor sobre finanças pessoais que conheço.

  65. Saulo Teixeira 11 de setembro de 2015 at 0:19 - Reply

    Olá Leandro, mais um artigo completo mostrando argumentos e contra-argumentos, na lista de classificação de ratings dos países a Venezuela está no grupo CCC. Como a maioria dos fundos de pensão aplicam seus recursos em países e títulos que possuam o grau de investimento então porque o fundo de pensão dos funcionários dos Correios o Postalis conseguiu aplicar nos títulos deles? e o que é pior em títulos da Argentina que já é Default desde 06/2014? isso não é regulamentado?

    • Leandro Ávila 11 de setembro de 2015 at 14:15 - Reply

      Oi Saulo. Tudo depende dos interesses dos gestores. Já existem investigações com o objetivo de descobrir por qual motivo um fundo de pensão de uma estatal faz investimentos em países quebrados. Que interesses estão por trás dos gestores desses fundos? Os fundos funcionam como um condomínio, cada participante é um cotista. Estes cotistas deveriam se interessar e acompanhar de forma ativa o que os gestores estão fazendo. Já escrevi um artigo sobre fundos de pensão aqui. Fica evidente que as pessoas, por falta de educação financeira, entregam o dinheiro aos fundos e não se preocupam com o que eles estão fazendo. Aqui temos o maior erro, esta falta de participação e de interesse é que permite ao gestor fazer o que bem entende, incluindo desrespeitar as regras do estatuto do próprio fundo.

  66. Chris 11 de setembro de 2015 at 3:29 - Reply

    Leandro ótima mateira.
    Mas fiquei com uma dúvida, recentemente fiz investimentos (CDB) nos bancos citados que tiveram notas rebaixadas (indusval, pine, fibra) de valores consideraveis tendo como referência minha carteira de investimentos (aproximadamente 60k em cada). Devo me preocupar com esse rebaixamento?

    • Leandro Ávila 11 de setembro de 2015 at 14:12 - Reply

      Oi Chris. Eu também tenho recursos investidos em bancos médios rebaixados. Não sei se você observou, mas recentemente até bancos grandes como Banco Itaú e Bradesco foram rebaixados (publiquei no Facebook do Clube dos Poupadores em https://www.facebook.com/ClubeDosPoupadores ). No meu caso, os valores são bem menores que a garantia que o FGC oferece que seria até R$ 250 mil por CPF. Eu tenho consciência de que hoje o risco é maior e por isto mesmo as taxas de juros que eles oferecem para novos investimentos precisam ser maiores. Nada impede que as pessoas invistam nestes bancos na busca destas taxas maiores assumindo o risco de levar um susto caso ocorra um problema e o FGC tenha que entrar em ação. Por isto o mais importante é a consciência de como a coisa funciona.

  67. Gilberto Banin 11 de setembro de 2015 at 5:17 - Reply

    Ótimo artigo e esclarecedor!

    Leandro, uma dúvida. Seria interessante investir neste cenário em Fundos FIC Cambial Dólar?
    Ou é completamente ao contrário? Melhor preservar emu capital em renda fixa pós-fixado?

    Obrigado

    • Leandro Ávila 11 de setembro de 2015 at 14:07 - Reply

      Oi Gilberto. Isso depende da aposta que você vai fazer sobre o futuro. Se você acredita que o dólar que hoje está 3,87 vi atingir 4,50 ou até 5,00 dentro de um determinado prazo o investimento pode ser interessante. O problema é que não existe garantias de que isso irá acontecer. Fatores externos e internos imprevisíveis podem acontecer nas próximas horas, nos próximos dias ou nos próximos meses e isso impactará no dólar positivamente ou negativamente. Já aquela pessoa que te uma viagem marcada, tem uma quantidade de dinheiro X e gostaria de fazer esse dinheiro flutuar junto com o dólar, pode ser uma opção, neste caso você estará fazendo uma proteção e não um investimento especulativo. Pode dar certo ou pode dar errado. Quando você investe em pós-fixada você terá uma rentabilidade igual a da Taxa Selic sem risco de ter rentabilidade negativa, ou seja, sem risco de ficar com menos dinheiro do que o valor investido. A única variação importante será com relação quanto o seu dinheiro irá render. Se a Selic subir ele renderá mais e se cair ele renderá menos. A decisão do investidor sempre será a de apostar ou não, quanto apostar, quando apostar ou se prefere manter o valor seguindo a taxa selic ou a taxa do DI através dos pós-fixados como LCI, LCA, CDB, Fundos de Renda Fixa ou Tesouro Selic.

      • Gilberto Banin 11 de setembro de 2015 at 17:16 - Reply

        Muito obrigado pela mini consultoria Leandro. João Sandrini disse em seu útltimo webnário que poderia ser interessante ter 10% do Capital como “aposta” em câmbio e manter 90% em pós-fixada neste cenário atual em que vivemos, seria mais interessante entrar com o Dólar a 3,50. Neste exemplo eu entraria atrasado agora porque eu não sou o único que pensaria desta maneira e o Dólar já atingiu 3,88 .

        Obrigado

        • Leandro Ávila 11 de setembro de 2015 at 23:53 - Reply

          Oi Gilberto. Você pode sim colocar uma parte do seu patrimônio em dólares ou em ouro. Como tudo existem vantagens e desvantagens. Não existe nenhum investimento que seja só vantagem. O maior problema é que as pessoa sempre pensam em comprar dólares quando ele está na alta. Isso também acontece com o mercado de ações e de imóveis.

  68. Casey Stoner 11 de setembro de 2015 at 8:30 - Reply

    O incrível é que nunca se arrecadou tanto “na historia desse pais”, e mesmo assim o governo esta quebrado! Esse dinheiro está indo para financiar outros países e idéias ou há algo muito grande acontecendo, não é possível. As empresas não vencem mais pagar impostos e nem conseguem mais com os programas loucos do governo (Sped) e sua carga tributaria que já passou de piada. Sinceramente tem que haver alguma outra explicação pra isso, porque nem toda corrupção do mundo consegue acabar com tanto dinheiro. Só essa semana o impostometro atingiu 1 trilhão, e ainda faltam 3 meses e meio pro fim do ano!

    • Leandro Ávila 11 de setembro de 2015 at 14:01 - Reply

      É verdade Casey. E ainda tem gente que acha esses trilhões de reais pouco dinheiro.

  69. vinícius oliveira 11 de setembro de 2015 at 9:28 - Reply

    Leandro, parabéns por mais uma obra.
    Acompanho os seus trabalhos já há algum tempo e já venho investindo. Percebo que o mercado não está bom para o especulador mediano, até mesmo no tesouro. A política mais uma vez sobressaindo sobre a economia. Um PIB recessivo e uma selic alta desestimulando investimentos?!
    Percebo ainda que alguns poucos grandes fundos de investimentos em renda variável tendo lucro nesses momentos. OU eles são de fato muito bons ou tem informações privilegiadas.
    Enfim. Vejo que temos muito assunto pra discutir no nosso grupo de estudos- Final de outubro. Obrigado.

  70. Ricardo 11 de setembro de 2015 at 11:17 - Reply

    Leandro Ávila, sou novo no clube dos poupadores, e também em assuntos tão técnicos mas essencialmente importantes para nosso futuro. Obrigado pela excelente explicação e, além do mais, por ter doado seu tempo para ajudarnos.

  71. Luiz 11 de setembro de 2015 at 11:53 - Reply

    Olá, Leandro. Muito bom dia. Mais um excelente artigo. Estamos acompanhando a crise. E tentando aproveitar oportunidades. Na verdade escrevo aqui hoje para agradecer pelo site. Respondi o questionário de inscrição, mas não havia nada em especial para eu perguntar no momento em que preenchia. Só que logo depois, meu filho de 10 anos chegou em casa da escola dizendo que queria ser empresário, e que iria ser dono de um hotel. Achei muito interessante, embora eu não faça ideia em como ele conseguiria isso. Então expliquei várias coisas para ele. Mas já que você abriu espaço para perguntar, pergunto se conhece livros, sites ou aplicativos específicos para estimular esse espírito empreendedor em crianças. Já adotei algumas medidas, como instituir a mesada, e deixá-lo administrar. Agradeço por tudo até aqui e se puder comentar, melhor ainda. Forte abraço.

    • Leandro Ávila 11 de setembro de 2015 at 14:48 - Reply

      Oi Luiz. Existem jogos muito interessantes como o Jogo Imobiliário, Jogo da Vida (eu tive o jogo da vida quando pequeno) que você encontra em lojas de brinquedo. Existem jogos de computador como o SimCity, que também existe para tablet e smartphone, onde você é governante de uma cidade. Seu objetivo é promover crescimento, desenvolvimento econômico, serviços públicos, tudo isso fazendo gestão dos impostos que são recolhidos. Eu recomendo estes jogos, não só para crianças, mas também para adultos. É uma forma de treinar sua capacidade de planejamento e administração de recursos. Abrir uma conta bancária para as crianças também é muito interessante. Leve a criança até um banco, abra a conta poupança, mostre para ela como tudo funciona. Mostre a vantagem de fazer um pequeno sacrifício hoje (economizando) para desfrutar de um enorme resultado no futuro, com a acumulação do patrimônio e recebimento de juros sobre juros. Mostre que com R$ 10,00 a criança não pode fazer muita coisa hoje, mas se ela poupar R$ 10,00 por semana, chegará no final de um ano com R$ 520,00 + juros e comisso ela já pode comprar alguma coisa mais interessante. No caso dos jogos, a vantagem é que toda criança gosta de jogos e ela nem vai perceber que está aprendendo coisas importantes.

  72. kleber 11 de setembro de 2015 at 15:04 - Reply

    Adianta acompanhar a classicaçao das agencias nos bancos medios onde tenho CDB, se o prazo é 3 anos, e nao posso retirar antes? se vários pequenos bancos quebrarem o FGC, terá o suficiente pra bancar? estou sem dormir…..rs grato.

    • Leandro Ávila 12 de setembro de 2015 at 0:12 - Reply

      Oi Kleber, você não precisa ficar sem dormir. Nesse documento você pode ver os bancos que quebraram desde 1996. Foram 32 bancos, sendo que 25 deles quebraram entre 1996 e 2004. Nos últimos 10 anos foram apenas 7 bancos quebrados sendo que nenhum nos últimos 2 anos. http://www.fgc.org.br/upload/garantia_p.pdf

  73. José Rodrigo Santana do Nascimento 11 de setembro de 2015 at 16:00 - Reply

    Boa tarde Leandro, por favor, baseado neste link que eu acabei de ler, gostaria de saber se realmente é vantajoso a pessoa investir neste tipo de opção ou se é um risco desnecessário para o indivíduo investir? Diante disso, também gostaria de saber se o senhor já chegou a escrever algum artigo tratando deste assunto?

    • Leandro Ávila 11 de setembro de 2015 at 23:49 - Reply

      Oi José. Existem investidores e jogadores. Os jogadores gostam de emoções, gostam e fazer apostas utilizando dinheiro, gostam do tudo ou do nada e daquele sentimento de ganhar dinheiro fácil no curto prazo. O tempo que as pessoas gastam nestas jogatinas poderia ser utilizado para desenvolver novas habilidades, aprender novas coisas e crescer profissionalmente, empreender, etc. Entendo que estão buscando satisfazer uma necessidade de competir com fortes emoções que poderia ser encontrada no esporte ou no vídeo-game.

  74. Luiz 11 de setembro de 2015 at 17:52 - Reply

    Leandro. Ótima dica. O Jogo da Vida já temos e de fato ele gosta muito. Não conhecia o SimCity. Vou baixar pra ele. Quanto à conta, abri uma conta poupança para ele vinculada à minha conta bancária. Eu mostro o saldo lá pra ele e informo as vantagens que ele tem se ganhar presente dos avós em dinheiro e depositar lá. Sei que não é o investimento ideal, mas pelo pequeno valor, é mais prático, e simplifiquei explicando que a cada R$ 100 parados lá em um mês, o banco deposita cerca de R$ 0,50. Em breve, pretendo mostrar a ele os títulos públicos, que rendem mais. Muito obrigado e grande abraço.

    • Leandro Ávila 11 de setembro de 2015 at 23:55 - Reply

      Oi Luiz, para as crianças pode ser a poupança mesmo. É muito interessante mostrar que você está emprestando dinheiro para o banco (e não pedindo dinheiro emprestado). No caso dos jogos é possível motivar para o empreendedorismo.

  75. Henrique 11 de setembro de 2015 at 20:23 - Reply

    Olá Leandro, primeiramente meu agradecimento por disponibilizar publicamente seus conhecimentos adquiridos!

    Gostaria de tirar uma dúvida contigo:

    Com R$50.000 na poupança hoje ganho apenas 6% em média, o Tesouro Prefixado 2018 (LTN) hoje me daria em média 12,65% líquidos.

    Existe alguma ressalva para não aplicar esse valor e ter esse maior retorno hoje?
    Sei que as taxas podem aumentar e eu não aproveitar pra comprar depois mas pelo menos garanto uma situação muito melhor que a poupança me proporcionaria daqui a 2 anos certo?

    Alguma observação ou alerta para que eu não faça isso?

    • Leandro Ávila 12 de setembro de 2015 at 0:00 - Reply

      Oi Henrique. Existe o risco de você precisar desse dinheiro antes de 2018? Você entende que se precisar do dinheiro antes pode ter perdas? Recomendo a leitura desse artigo aqui. Você já tem reservas para uma emergência de maneira que se ocorrer algum problema você não seja obrigado a vender a LTN antes de 2018? São coisas que você precisa se perguntar. É importante entender as características do investimento.

      • Henrique 12 de setembro de 2015 at 0:08 - Reply

        Obrigado pela resposta Leandro, já havia lido o artigo seu e já tenho uma reserva que vou deixar na poupança para emergências. Pretendo deixar até o final do vencimento, será uma forma de não perder para a inflação pois o valor extra meu está parado na poupança, apenas quero um retorno maior que ela.

        São essas as considerações apenas? Muito obrigado!

        • Leandro Ávila 12 de setembro de 2015 at 0:22 - Reply

          Oi Henrique, eu não gosto desse tipo de pergunta, pois você está inseguro e tenta encontrar na minha resposta um aval, uma garantia de que dará tudo certo. Agora, vamos imaginar que eu esqueci de fazer alguma consideração, afinal de contas eu não conheço sua vida financeira, o seu nível de conhecimento, seus objetivos. Você faz o investimento e depois se arrepende. Lá no fundo você vai ficar chateado comigo. É natural a transferência de responsabilidade, mesmo que de forma inconsciente. Por isso sempre falo sobre a importância de estudar, experimentar e sempre depender o mínimo possível da opinião de terceiros pois somente você pode avaliar se está fazendo a coisa certa com o seu próprio dinheiro. Se você está se sentindo inseguro a minha sugestão é que no lugar de investir 50 mil faça um investimento de 5 mil. Depois acompanhe os resultados, continue estudando e aprenda com a experiência.

  76. Daniel Bizon 11 de setembro de 2015 at 23:44 - Reply

    Caro Leandro mais uma vez top.

    Abraço!

  77. Cleber Ruiz 12 de setembro de 2015 at 23:37 - Reply

    Leandro, boa noite.

    Tiraram o vídeo que compara a reação do governo no dia que ganhamos o grau de investimento da S&P e a reação do governo quando perdemos o grau de investimento pela mesma S&P.

  78. Marcello Tavares 13 de setembro de 2015 at 13:33 - Reply

    Caro Leandro, com o atual cenário vc faz alguma previsão para o que acontecerá no mercado imobiliário? Obrigado

  79. HENRIQUE SOUZA 14 de setembro de 2015 at 19:28 - Reply

    BOA NOITE LEANDRO..COMO VAI..VC ACHA INTERESSANTE MESCLAR PARA APOSENTADORIA TESOURO DIRETO E FII? HOJE ESTOU INVESTINDO EM NTN 2035 E 2050 E FII TENHO 25..SENDO ALOCADO AGORA NO ANO DE 2015 SOMENTE OS CONTRATOS ATIPICOS COMO FAED,BBPO,AGCX.ETC.MUITOS AMIGOS CRITICAM POR EU INVESTIR EM TD E AINDA PRAZOS LONGOS.MAS FALO A ELES SE O GOVERNO QUEBRAR PODE TER CERTEZA QUE AQUELE FUNDO DI QUE TEM NO BANCO JA FOI PRO VINAGRE!!!!!! E APROVEITANDO VC PESSOALMENTE TEM SIMPATIA POR FII? UM GRANDE ABRAÇO E OBRIGADO

    • Leandro Ávila 23 de setembro de 2015 at 9:34 - Reply

      Oi Henrique, eu acho interessante que você conheça o funcionamento das diversas modalidades de investimento e crie sua carteira de investimentos. Vivemos em um país onde menos de 1% da população sabe fazer investimentos fora da caderneta de poupança. 60% da população não faz nenhum tipo de economia, nem mesmo na caderneta de poupança. Seus amigos fazem parte de qual grupo? Estamos atravessando uma crise onde temos taxas de juros muito elevadas na renda fixa, sem nenhum risco. Isto torna os fundos imobiliários menos atrativos, o setor imobiliário depende da retomada do crescimento. No fundo do poço é um bom momento para investir em FII esperando o momento em que a economia voltará a crescer para ter bons resultados.

  80. Bruno 14 de setembro de 2015 at 23:21 - Reply

    Leandro, os fundos de investimento que aplicam em TD compram algum papel especifico (tesouro selic, prefixado ou ipca+) ou todos eles? Pergunto isso porque fiquei imaginando se os gestores desses fundos movimentam os valores entre os títulos, acompanhando as tendências (por exemplo investindo em tesouro selic enquanto a perspectiva é de alta dos juros e depois vendendo esses titulos para em seguida comprar tesouro prefixado quando a tendencia for de baixa). Enfim, como fica isso?

    • Leandro Ávila 15 de setembro de 2015 at 4:15 - Reply

      Oi Bruno. Os fundos de investimento divulgam estas informações. Os fundos DI costumam investir em tesouro Selic. Fundos de Renda Fixa costumam investir em Tesouro Prefixado e os Fundos de Inflação investem em NTN-Bs. Existem fundos mais ativos que fazem essa alocação de ativos para o cliente, investem em diversos títulos públicos e privados.

  81. Laércio Pires 21 de setembro de 2015 at 19:49 - Reply

    Olá Leandro! acabei comprando LTN com uma taxa de 14,16%, mas ela continua a subir, ou seja, se antecipar a venda antes da diminuição da taxa de juros, sairei perdendo. Agora já está a 15,89 (LTN 2021). Pelo que entendi nos seus ensinamentos, posso continuar comprando aos poucos e acompanhando o mercado. obrigado por tudo. abs

    • Leandro Ávila 23 de setembro de 2015 at 9:27 - Reply

      Oi Laércio. É muito difícil descobrir em qual momento os juros vão chegar no topo. Não temos como saber o futuro. A solução seria comprar aos poucos.

Leave A Comment

Compartilhe com um amigo