Queda da Selic e como ela interfere nos investimentos


Desde a queda da Selic venho recebendo inúmeras mensagens perguntando o que fazer com o CDB, LCI, LCA, fundo de investimento, Tesouro Selic e outros investimentos pós-fixado que tenham sua rentabilidade impactada com a queda da taxa.

Se você é tomado por dúvida, medo ou pânico quando se depara com o COPOM baixando a taxa Selic, isso é um forte sinal de que você ainda não fez o investimento mais importante que existe, que é um bom investimento na sua educação financeira. Leia o artigo até o final para entender o impacto da queda da taxa Selic nos seus investimentos de renda fixa.

Primeiro responda esta questão:

Em 2015 a taxa Selic média foi de 13,21% e em 2009 ela foi de 9,89% ao ano. Qual das duas taxas parece melhor para o investidor de renda fixa?

Se você ainda não investiu primeiro na sua educação, vai responder que o ano com o melhor resultado para o investidor foi 2015, quando a rentabilidade média de um investimento que rende 100% da Taxa Selic ficou em 13,21%.

Se você já leu meus livros sobre reeducação financeira e investimentos (visite aqui para ler) sabe que é impossível responder essa pergunta sem saber qual foi a inflação (IPCA) que fez o dinheiro perder valor nos anos de 2015 e 2009. Você aprendeu que precisa descobrir a rentabilidade real dos investimentos, ou seja, descontar a inflação da sua rentabilidade para saber qual foi o verdadeiro aumento do poder de compra do seu dinheiro investido naquele ano.

Você vai verificar que em 2015 a inflação acumulada foi de 10,67%. De nada adiantou a taxa Selic remunerar 13,21% se o seu dinheiro só ficou 2,29% mais valorizado após descontada a inflação do período. Já em 2009 a inflação foi de 4,31% e mesmo com taxa Selic em 9,89% o investidor conseguiu uma rentabilidade real (acima da inflação) de 5,35%. Se a rentabilidade real dos investimentos foi de 2,29% em 2015 e 5,35% em 2009 o correto seria afirmar que o investidor teve melhor resultado em 2009 quando a Selic estava menor que 2015.

Observe a tabela abaixo onde reuni dados da Taxa Selic e inflação (IPCA) entre 1995 e 2015 e calculei os juros reais que é aquilo que realmente importa para o investidor de renda fixa.

Consegui o histórico da inflação no site do IBGE (veja aqui). Consegui a taxa Selic média simulando a taxa acumulada entre o dia 01/janeiro e 31/dezembro de cada ano através deste endereço aqui. A fórmula utilizada para calcular os juros reais é essa aqui:

Você não precisa fazer essa conta, pois criei uma calculadora de juros reais, visite aqui. Aproveitando esses dados, criei um gráfico mostrando o comportamento da Taxa Selic, IPCA e juros reais nos últimos 20 anos. Veja:

No gráfico é bem fácil perceber o impacto dos políticos na inflação, selic e juros reais. Observe que após a entrada do Guido Mantega a inflação começou a aumentar a os juros reais a despencar. A taxa Selic chegou no seu menor nível da história, graças a decisões políticas (canetadas) sem sustentação técnica. O resultado de um governo que congelou preços administrados (como no tempo do Sarney) para maquiar a inflação e baixou juros a força como propaganda eleitoral, pode ser visto na crise econômica que ocorreu logo depois.

Tenho um artigo completo e detalhado sobre os juros reais no Brasil, leia aqui. Inclusive mostro que existia uma visão diferente do Palocci e do Mantega com relação a inflação e isso gerou impacto nas taxas. Com base nas últimas notícias policiais podemos deduzir que a economia brasileira estava sendo controlada por pessoas investigadas por crimes (possíveis criminosos). Veja o destino do Palocci clicando aqui. Veja o destino do Mantega clicando aqui.

No meu entendimento, o Brasil só terá juros reais baixos, do mesmo nível praticado em países desenvolvidos, quando a nossa economia e as contas públicas forem geridas com seriedade, transmitindo confiança para a sociedade que é formada de trabalhadores, autônomos, empresários e investidores. Economias onde os juros são baixos e a inflação é baixa, são economias sólidas e confiáveis. Em economias sérias os empresários empreendem mais e melhor, os investidores arriscam mais e as oportunidades geram mais empregos e mais empregos geram mais serviços para os profissionais autônomos e mais vendas para as empresas.

Prevendo o futuro:

Como não podemos prever o futuro da Taxa Selic e da inflação, podemos olhar para o boletim Focus que é uma pesquisa que o Banco Central faz todas as semanas entre mais de 100 economistas das maiores instituições financeiras do pais. São pessoas bem remuneradas que estudaram a vida toda para prever essas taxas, da mesma forma que os meteorologistas tentam prever as condições futuras do tempo. Esses boletins são publicados semanalmente aqui. Vou usar como exemplo esse boletim aqui.

 

No início do relatório você tem o resultado médio de todos os participantes. No final do relatório você encontrará a média dos TOP 5. O Banco Central verifica quais são as instituições financeiras que mais acertaram as previsões passadas e elabora um relatório só com esses TOP 5. Usei esse relatório como exemplo aqui no artigo.

Podemos observar que os cinco economistas que chutaram melhor nas últimas pesquisas acreditam que a inflação acumulada em 2016 será de 6,83% e a Taxa Selic terminará o ano em 13,67%. Já para 2017 o chute é mais otimista com reação ao controle da inflação. Eles acreditam que teremos 4,98% de inflação em 2017 e Taxa Selic de 11,29%.

Antes de continuar vale deixar aqui um alerta:

Quando olhamos o boletim Focus do passado podemos observar que esses economistas sempre são exageradamente otimistas com relação a inflação e sempre apostam em taxas Selic menores do que acaba ocorrendo de fato.

Se você parar para pensar, isso pode fazer sentido. Esses economistas são funcionários assalariados de bancos, corretoras e outras instituições. Esses bancos oferecem investimentos para seus clientes como CDB, LCI, LCA e fundos de investimento. Se você acredita que a inflação no futuro será menor e a taxa de juros no futuro será menor, você tende a aceitar investimentos prefixados com remuneração menor no presente. Para os bancos é sempre ótimo quando você aceita receber menos para investir no banco.

Por este motivo, sempre que você olhar essas previsões otimistas das pesquisas do Boletim Focus, não esqueça que todos os economistas que emitiram opiniões são funcionários de grandes instituições e isso pode gerar alguma interferência direta ou indireta. Você lembra do caso da economista de um grande banco que foi demitida depois ter emitido uma análise pessimista sobre o futuro da economia? Recentemente ela foi indenizada veja a história aqui. Casos como esse me forçam a usar minha imaginação, e através dela supor que os economistas pensam no pagamento da escola dos filhos antes de emitir qualquer opinião contrária aos interesses dos seus patrões.

Calculando a rentabilidade real

Agora que já sabemos os chutes dos economistas para o IPCA (inflação) e Taxa Selic (juros) podemos calcular qual seria nossa rentabilidade real deduzindo a inflação, dos juros. Vamos fazer isso utilizando o nosso simulador, visite aqui.

Para 2016 os juros reais seriam de 6,4% acima da inflação:

Para 2017 os juros reais seriam de 6,01% acima da inflação:

Observe que mesmo se ocorrer uma queda de 2,38 pontos na Taxa Selic os juros reais continuam acima da casa dos 6%, que é uma taxa internacionalmente muito elevada. Se os chutes dos economistas se confirmarem e a Taxa Selic realmente atingir alguma coisa próxima de 11,29% em 2017, você continuará tendo uma rentabilidade real muito elevada nos investimentos de renda fixa. A taxa Selic tende a cair como uma consequência da queda da inflação.

Essa tabela abaixo (fonte) mostra que o Brasil continua sendo o campeão mundial de juros reais (juros com a inflação descontada).

 Conclusão:

A redução da taxa Selic vista isoladamente não é importante. A inflação é que vai determinar se aquela taxa vai garantir um ganho real ou não.  O importante é aprender a fazer essa avaliação que acabei de demonstrar neste artigo. O que realmente faz o seu patrimônio manter o poder de compra ou crescer são os juros reais dos investimentos.

Tenha cuidado quando começar a receber estímulos dos jornalistas, especialistas, analistas e economistas que ficam aparecendo na mídia dando opiniões sobre o que você deve ou não fazer com o seu dinheiro. A queda dos juros, sem dúvida nenhuma, melhora os resultados dos investimentos de renda variável como: ações, fundos multimercado, fundo de ações, fundos imobiliários, etc. Isso não significa que você deva tirar todo o seu dinheiro da renda fixa para pôr em investimentos de maior risco. Você precisa saber que para cada finalidade que você dá para o seu dinheiro existem investimentos mais apropriados.

Sua reserva para emergências, por exemplo, deve continuar em investimentos conservadores e de alta liquidez, mesmo que isto signifique juros nominais menores, pois, como falei, o importante são os juros reais. Aquele dinheiro que você está reservando para fazer a compra de um carro ou de uma casa, deve continuar fora de investimentos de risco. Neste caso o seu objetivo é preservar o poder de compra do dinheiro acima da inflação.

Já aquela parcela das suas economias que você reserva para os investimentos de risco, elas devem continuar nos investimentos de risco. Você pode até aumentar os investimentos na renda variável durante um ciclo de recuperação da economia e queda dos juros, mas você precisa se preparar primeiro para saber o que está fazendo. Faça o seu dever de casa. Nunca invista em algo por ter ouvido falar que era um investimento bom. Você não sabe se é realmente um investimento bom para a sua necessidade e realidade.

Já para quem faz a indicação do investimento, certamente é bom que você tome as decisões baseadas em recomendações. Para a bolsa de valores e para as corretoras é muito lucrativo quando você troca a renda fixa pela renda variável. Eles ganham com a cobrança de taxas em cada operação de compra ou venda de ativos de renda variável. Quando o banco consegue fazer você trocar os fundos de renda fixa pelos fundos multimercado e fundos de ações, eles conseguem cobrar taxas administrativas maiores. Quando agências que vendem relatórios de análise de investimento dizem por aí que a renda fixa morreu, é sinal que eles querem que você compre a assinatura de um relatório novo onde vão recomendar renda variável. Para se livrar de todas essas opiniões, aceite a ideia de que precisa se tornar um investidor consciente e independente.

Por este motivo o investimento inicial na sua educação é o mais importante. Pode ter certeza que no decorrer da sua vida, você sempre estará diante de decisões financeiras. Adiar esses estudos significa perder tempo e oportunidades, além de correr o risco de investir sem consciência, seguindo as recomendações de terceiros.

Invista primeiro em você:

O primeiro investimento que devemos fazer para melhorar a nossa vida financeira é o investimento em conhecimento. Custa pouco e rende juros pelo resto da vida. Sem saber investir o nosso próprio dinheiro, não teremos bons resultados. Dependendo da opinião dos outros para saber onde investir, teremos resultados ainda piores. O conhecimento melhora nossos resultados e liberta da dependência dos outros. Escrevi uma série de livros que podem te ajudar muito a adquirir todo o conhecimento que precisa no menor tempo possível. Clique aqui para conhecer os livros.
Esse artigo foi útil?
Deixe-nos saber, se você gostou deste artigo. Só assim podemos continuar melhorando.
Sim
Não

Sobre o Autor:

Leandro Ávila criou o Clube dos Poupadores por acreditar que o conhecimento é uma riqueza que se multiplica quando dividida. Compartilhando o que sabemos, criamos um mundo melhor. Conheça os livros que ele escreveu sobre educação financeira, investimentos financeiros e imobiliários.
Isaque Santos
Visitante
Isaque Santos

Parabéns pelo Excelente Artigo!

Muitas pessoas conseguem se enganada quando vê os juros altos, mas de forma simples e didática você consegue explanar bem.

johnathan silva
Visitante
johnathan silva

Isso prova q é possivel acumular dinheiro obtendo liquidez diaria sem o seu dinheiro desvalorizar, ou seja vc pode investir em um cdb 100% do CDI q é bem facil achar com uma boa segurança, e ainda de quebra ganhar mais do q a inflação sem ter q deixar seu dinheiro imobilizado. O brasil é um pais maravilhoso, ter liquidez diaria sem deixar seu dinheiro prezo e ainda lucrar com isso, tem coisa melhor? o dinheiro fica sempre disponivel pra eu investir em conhecimento ou oportunidades de negocio.

Kleber
Visitante
Kleber

Parabéns, como sempre muito esclarecedor.

Alexandre
Visitante
Alexandre

Olá Leandro. Estava lendo a chamada da agência sobre “a morte da renda fixa” quando vi o e-mail sobre o seu novo artigo para alegrar o meu dia. Fiquei muito feliz porque o seu artigo confirmou o meu pensamento. Então queria agradecer por todos os ensinamentos que adquiri desde quando o clubedospoupadores tinha 70.000 leitores. O professor Elisson, o Eduardinho, o André Fogaça, etc. sem contar os livros de diversos autores me ajudaram muito a aprender avaliar o que serve ou não pra mim, mas tive a sorte de conhecê-lo antes de todos e isto me ajudou muito a organizar as ideias, já que os seus artigos são sempre muito detalhados (como diria o prof. Elisson: “quanta dedicação”!). Sem tentar “catequizar” ninguém, sempre indico o clubedospoupadores aos interessados. Muita prosperidade para vc e para todos os leitores do clube.

Carlos
Visitante
Carlos

Parabéns pelo artigo. Muito importante ter como referência os juros reais no momento do investimento.

Henrique
Visitante
Henrique

Concordo com o escrito. Mas no caso de quem comprou um título IPCA+ 2035, ou IPCA + Juros Semestrais 2050. Para ele é mais interessante (ficando até o vencimento) uma taxa maior, contando com a queda da inflação no longo prazo. Aquele que for retirar o dinheiro no vencimento e pretende continuar comprando mensalmente o título, sempre melhor a taxa mais alta, mesmo que a inflação caia.

Flávio
Visitante
Flávio

Possuo minha reserva de emergência em um fundo DI com taxa de administração de 0,3% ao ano e rentabilidade média anual de 102% do CDI. Graças às informações do Clube dos poupadores sai da poupança faz 6 meses.
Obrigado Leandro!

Luis Carlos
Visitante
Luis Carlos

Flávio onde conseguiu essas taxas.

Dema
Visitante
Dema

Concordo plenamente com a analise. O que vale é o ganho real. Para o investidor leigo, não o consumidor que se beneficiará, a queda da selic é psicológica devido a exposição de como é colocada a informação na mídia.
A Bolsa está subindo, mas a causa não é principalmente da queda dos juros internos, os juros externos tem muito mais a haver.
Ainda que a analise só considere dados estimados do mês de dez, serve perfeitamente para ilustrar o objetivo.
Acho que hoje investimentos em R.Fixa Pré, se nada der errado, é aplicar só com taxas de rentabilidade acima de 13% e longo prazo para ganhar com queda da selic no LP.

Janaina
Visitante
Janaina

Mais um excelente artigo, Leandro.
Eu acrescentaria ainda que para as agências que vendem relatórios, é muito interessante toda hora ter um “investimento certo”, que é sempre diferente daquele do mês passado. Assim, eles vendem sempre os relatórios, e te mostram toda semana como a recomendação da semana passada já não é mais tão interessante (essa semana, a melhor coisa a se fazer com o dinheiro é Tesouro IPCA, na semana seguinte é Préfixado, na outra são ações do Itaú e assim por diante).
Ou seja: você está sempre com o “investimento errado”, tem que mudar a alocação do dinheiro como muda de roupa e, claro, assinar para sempre os relatórios para saber o que fazer.

Domingos
Visitante
Domingos

Perfeita explicação, obrigado.

Fernando
Visitante
Fernando

Parabéns Leandro.
Considero seu site o melhor para assuntos financeiros. Já aprendi muito.

Juliano
Visitante
Juliano

Olá Leandro. Primeiramente parabéns pelos textos! É a primeira vez que eu comento algo por aqui mas sou um seguidor assíduo do teu trabalho algum tempo já!
Ontem li um artigo falando sobre justamente sobre isso. Achei de um alarmismo extremo e na hora da leitura pensei que você logo logo iria escrever algo sobre! Será que “Impiricamente” acertei de onde veio a disposição para escrever este teu post? 🙂
Abraços e continue sempre com o excelente trabalho de espalhar a ideia da educação financeira para todos!

Juliano

Paulo Rogerio
Visitante
Paulo Rogerio

impiricamente tive a mesma impressao! eles querem que a gente fique trocando de investimento a toda hora… ainda bem que temos o Ávila e outras pessoas para nos ajudarem.

Iuri
Visitante
Iuri

Leandro,

Muito obrigado pelo excelente artigo. Sem dúvida, o nosso maior maior investimento é na educação financeira. Eu estou investindo nela e como resultado disso, já adquiri os seus livros e o livro Quero ficar Rico de Rafael Seabra. O próximo que pretendo comprar é o como é o Pai Rico, Pai Pobre do R. Kiyosaki.

Luciano
Visitante
Luciano

Leandro gostaria de comprar seus livros mas você tem somente digital?

Diogo Fernando Klann
Visitante
Diogo Fernando Klann

Mais um ótimo artigo Leandro!

Confesso que fiquei em dúvida com relação a rentabilidade dos meus investimentos em renda fixa quando anunciaram a redução na SELIC.
Mas o seu artigo me lembrou da importância da inflação quando se calcula a rentabilidade líquida ou os juros reais.

Obrigado pelas informações e vamos torcer para a inflação baixar e não somente a SELIC.

Abraço!

Raphael
Visitante
Raphael

Mais um ótimo artigo, Leandro!!!

Diogo Thomazini
Visitante
Diogo Thomazini

Mais um excelente artigo.
As pessoas correm da renda fixa pelo alarde e caem no karma do “comprar na alta e vender na baixa”. Educação financeira sempre!

George Douglas
Visitante
George Douglas

Mais uma vez,um excelente e esclarecedor artigo.Porém,fiquei com dúvida a respeito das taxas negativas do gráfico.
Obrigado por compartilhar conosco,sucesso Leandro Ávila.

Cesão
Visitante
Cesão

Em 1998 , foi pior que o 7 a 1. Simplesmente, 28 X 1 , Selic x Ipca !!!

Marcelo
Visitante

Foi muito bom ter esse panorama de comparação entre a taxa Selic e a inflação no decorrer dos anos. Comecei meus estudos sobre finanças recentemente e fiquei meio preocupado quando comecei a ler que a Selic entraria numa fase de redução, uma vez que comecei meus investimentos justamente pelo Tesouro Selic.

Parabéns pelo texto.

Mr. Webster
Visitante
Mr. Webster

Perfeito e preciso como sempre, Leandro.

E lá vai a “Enganaotaricus” tentar vender mais alguns de seus relatórios mirabolantes e que vão deixar todos ricos e milionários. O mais engraçado é o porquê de todos os membros de lá ainda não terem se tornado milionários e deixado de vender esses boletins engana incautos, desavisados e ignorantes.

E olha que eu estou cansado de ouvir gente muito competente (em suas profissões) me falar que é assinante desse pessoal. Não tem jeito: quem quer sair da ignorância tem mais é que buscar conhecimento com quem entende e para de ser ludibriado.

Eu tentava (não tento mais) alertar as pessoas sobre se educar financeiramente e tomar as melhores decisões com o seu dinheiro. Todo mundo quer uma “fórmula mágica pronta e milagrosa da riqueza”.
Cansei.

Parabéns mais uma vez pelo artigo, Leandro!

LINELSON Y CASTRO
Visitante
LINELSON Y CASTRO

Eu sou assinante e estou ganhando dinheiro. A propagando é extremamente exagerada, mas os produtos são bons.
Muitas vezes o problema é o assinante e não o relatorio.

Sibele
Visitante
Sibele

Leandro, muito obrigada! Você sempre norteia minhas decisões.

Adriano
Visitante
Adriano

O melhor e investir em lci e cdb ipca+ banco ###### esta oferecendo cdb ipca + 7.45 lci ##### ipca +6.3 %

Adriano
Visitante
Adriano

Entendo mas se o FGC cobre ate 250000 mil reais nao preciza ter medo leandro

Giordano
Visitante
Giordano

Leandro, e como tem neguinho fazendo terror porque caiu 0,25%.
Muito bem explicado e fundamentado!! Showwww

Francly
Visitante
Francly

Como sempre, um ótimo texto!
Como dito, devemos sempre investir na educação financeira, mas sendo sincero, encontro dificuldades para estar a par de todos os produtos que o mercado oferece. Pergunto então, existe algum curso intensivo de investimentos, em algum lugar do país, que aborda todos os assuntos como ações, fundos multimercado, fundo de ações, fundos imobiliários, COI, etc? Investiria o que fosse preciso para aprender de uma vez por todas como utilizar esses produtos que o mercado oferece. Sozinho, comprando cursos pela internet e somente com leitura, é difícil ter uma ideia global sobre investimentos.
Muito obrigado pelos excelentes conteúdos!

José Alves de Carvalho
Visitante
José Alves de Carvalho

Como sempre, um ótimo texto.
Parabéns pelo ótimo contra ponto à Empiricus. Eles fazem bons relatórios, que têm me ajudado bastante, mas o marketing deles é muito chato…e se você empolgar com o marketing acaba investindo todo seu dinheiro nos relatório, e não sobra nada para a renda variável, ou fixa…kkk.

Mário Sérgio Capalbo
Visitante
Mário Sérgio Capalbo

Leandro,
Boa tarde. Muito objetivo e claro o seu artigo.

Parabéns.

Daimar Coelho
Visitante
Daimar Coelho

Muito bom! Excelente, Leandro!!! Apesar de já te acompanhar há alguns meses aqui (iniciei a minha jornada sobre educação financeira no começo desse ano) esse é o meu primeiro comentário… Foste muito didático e prático nas tuas colocações, todas fortemente evidenciadas. Parabéns!
OBS: Eu sei quem disse que a renda fixa morreu porque recebi o email deles. Já pensei diversas vezes em comprar os relatórios, porque realmente o marketing é muito forte. Mas ao mesmo tempo sempre fiquei com o “pé atrás”, porque eles “forçam a barra”. Ainda bem que temos você aqui. Muito obrigado, mesmo!

Vitor
Visitante
Vitor

Muito bom o artigo!
É realmente incrível ver a taxa de juros (real) do Brasil, comparada a outros países. A RF tem boa rentabilidade e segurança.
Imagino que lá fora, eles devem investir em imóveis ou algo do gênero, pois na RF teriam prejuízos…

Bruno
Visitante
Bruno

Parabens Leandro, como sempre um excelente artigo!
Obrigado

Francis Oliveira
Visitante
Francis Oliveira

Ótimo texto.

Realmente a Empiricus soltou essa semana uma matéria falando justamente da morte dos investimentos de renda fixa, principalmente para tentar fazer com que os investidores passem a investir em rendas variáveis. Para entender melhor o que eles queriam dizer, é preciso pagar para ter acesso ao conteúdo. Temos que nos educar financeiramente para não cair nessas histórias sem fundamentos.

Álvaro Mota
Visitante
Álvaro Mota

Muito bom Leandro. Como sempre muito didático, fico feliz por existir pessoas assim como você. Sempre tenho tentado ajudar as pessoas com o meu conhecimento na área agropecuária também. Precisamos construir um país melhor.

Gustavo
Visitante
Gustavo

Olá Leandro, muito legal seu artigo: objetivo, claro e didático. Tenho recomendado o clube dos poupadores para algumas pessoas que querem aprender sobre como tomar melhor suas próprias decisões e não cair em pegadinhas.
Tenho uma sugestão, mas acredito que não seja simples. As eleições americanas estão chegando, poderia explicar os potenciais impactos (ou se ocorreriam impactos) nos nossos investimentos em renda fixa (tenho títulos públicos) no caso de vitória de democratas e no caso dos republicanos? Tenho receios dos impactos caso Trump ganhe.

Obrigado.

Juliano Rodrigues Silva
Visitante
Juliano Rodrigues Silva

Post que veio em excelente hora. Eu mesmo vivi essa dúvida antes do COPOM reduzir a SELIC… fica naquela “não sei se vou ou se fico, ou se fico ou se vou…?” De fato, o que me ajudou muito a entender esse momento foi eu saber quais eram meus objetivos de curto, médio e longo prazo somado ao meu perfil como investidor… Mas sem dúvida, suas aulas sempre me ajudaram. Abs

mauricio
Visitante
mauricio

Caso eu acredite que a selic seguira em uma tragetoria de baixa, e tendo a intenção da venda antecipada dos titulos em um momento propicio de baixa da selic. oque seria mais interessante, titulo 2019 ou 2035, “eu acredito que deva ser o 2035 gere um retorno maior. minha linha de raciocinino esta certa? estou começando a ler seus artigos, parabens, em particular gostei da sua imparcialidade.

Paula
Visitante
Paula

Nota 1000, super coerente Leandro, obrigada!

Fabian
Visitante
Fabian

Leandro,mais um excelente texto!Parabéns!!

Gilberto Malafaia
Visitante
Gilberto Malafaia

Ola Leandro, parabéns pelo excelente artigo.Meu colchão de emergência está no Tesouro Selic 2021; com o inicio da redução da taxa de juros, pretendo direcionar uma parte do valor mensal que coloco na Selic, algo em torno de 30%, na NTNB + IPCA 2024 e ir acompanhando para ver como fica o comportamento da inflação e da taxa de juros. o que você acha? Um abraço.

Lourival Santos
Visitante
Lourival Santos

Leandro, meus parabéns. Adoro os seus artigos. Minha vida financeira se divide em antes e depois de conhecer os seus artigos e esse clube. Se antes perdia dinheiro em poupança, hoje só penso em aplicar o meu suado dinheirinho em Tesouro Direto ( modalidade IPCA + juros) e deixar o meu colchão no CDB. Sei que preciso aprender muito mais, por isso aceito de bom grado suas sugestões de livros.
Um abraço

Cassiano
Visitante
Cassiano

Parabéns, excelente artigo.

Faltou simular a rentabilidade líquida do IR, a rentabilidade da maioria das aplicações em renda fixa.

Para 2016 os juros reais livres do IR longo (15%) = 4,48%

Para 2017 os juros reais livres do IR longo (15%) = 4,40%

LINELSON Y CASTRO
Visitante
LINELSON Y CASTRO

Pequeno grande detalhe que faltou no artigo, Os juros reais apresentados são brutos e não líquidos.

Danilo
Visitante
Danilo

Obrigado pelo excelente texto Leandro!
Essa associação entre taxa SELIC X IPCA ficou simples depois de ler este artigo, mas, confesso que eu e acredito que a maioria das pessoas não enxergávamos isso de forma clara, afinal, a grande mídia e consultorias de investimentos por ai vendem simplesmente a ideia do presta ou não presta, faça isso ou faça aquilo sem ao menos explicar a dinâmica das coisas, mas, paciência…O importante é que temos profissionais independentes e isentos como você, e com dedicação qualquer um é capaz de sair da ignorância financeira.
Aproveito a oportunidade para parabenizar pelo “LIVRO NEGRO DOS FINANCIMENTOS DE IMÓVEIS” o qual adquiri e agregou muito conhecimento para mim, e de certa forma até evitou que eu fizesse alguma “atrocidade financeira”.
Te acompanho a quase um ano, e com a ajuda do blog e dos materiais de qualidade aos poucos estou montando o “quebra cabeça” da área de finanças e enxergando as coisas com cada vez mais nitidez!

Paula
Visitante
Paula

Parabéns de novo Leandro! De fato, por experiência própria, posso afirmar que corretores e agencias não estão preocupados com o seu bolso, apenas com os bolsos deles. De tudo que li e estudei até o momento (e li muuuuuuuito) o seu canal é disparado um dos melhores pela honestidade, objetividade e transparência. O que não falta é neguinho vendendo “gato por lebre recheado de embromation, muita enrolação e marketing agressivo”. Grande abraço e sucesso pra ti!

Fabiano Alencar
Visitante
Fabiano Alencar

Leandro Ávila,

Excelente artigo, objetivo e consistente.
Parabéns e muito obrigado.

Tallys
Visitante
Tallys

Excelente texto Leandro. Parabens! E complementando, posso afirmar que minha caixa de emails recebe diariamente vários informações sobre o fim da renda fixa e outros oferecendo relatorios ou opções em renda variavel. Cada um aproveitando a oportunidade pra “defender” o pagamento do boleto do filho, rs.

Gelson
Visitante
Gelson

Parabéns Leandro. Muito esclarecedor seu artigo. Realmente recebo diariamente uma chuva de emails falando que a renda fixa morreu. Muito obrigado por compartilhar seu conhecimento.

Gilberto Costa
Visitante
Gilberto Costa

Os juros reais no Brasil são altíssimos e permanecerão assim por muito tempo.Quem comprou títulos públicos pré-fixados vai ganhar mais ainda com a queda dos juros. Ou seja, na Renda Fixa a festa continua!!

Jose Vasconcelos
Visitante
Jose Vasconcelos

Um artigo bem didático e esclarecedor, as pessoas não precisam ser tão letradas para te entender, seus textos e exemplos são bem claros, continue assim!!!
obrigado Leandro

Edivaldo Maia
Visitante
Edivaldo Maia

SENSACIONAL ARTIGO, PARABÉNS PELA CLAREZA DE INFORMAÇÃO.
Edivaldo Maia

claudemir
Visitante
claudemir

Boa noite Leandro. Excelente suas palavras, muito esclarecedoras. Busco continuamente e aos poucos adquirir conhecimentos na área econômico-financeira. Gosto muito de seus ensinamentos. Parabéns e muita prosperidade.

Henrique
Visitante
Henrique

Leandro, excelente artigo. Tem alguns dias que estou “viajando” nos conteúdos do site. Estou um pouco desesperado, pois todo esse tempo (mais de 10 anos) estive usando a poupança pensando que era algo que me garantia liquidez. Mas já vi que ja perdi muito dinheiro… E agora não sei exatamente o que faço. O que você recomendaria pra que eu “fugisse” o mais rápido possível a poupança?

Compartilhe com um amigo