Queda da Selic e como ela interfere nos investimentos


Desde a queda da Selic venho recebendo inúmeras mensagens perguntando o que fazer com o CDB, LCI, LCA, fundo de investimento, Tesouro Selic e outros investimentos pós-fixado que tenham sua rentabilidade impactada com a queda da taxa.

Se você é tomado por dúvida, medo ou pânico quando se depara com o COPOM baixando a taxa Selic, isso é um forte sinal de que você ainda não fez o investimento mais importante que existe, que é um bom investimento na sua educação financeira. Leia o artigo até o final para entender o impacto da queda da taxa Selic nos seus investimentos de renda fixa.

Primeiro responda esta questão:

Em 2015 a taxa Selic média foi de 13,21% e em 2009 ela foi de 9,89% ao ano. Qual das duas taxas parece melhor para o investidor de renda fixa?

Se você ainda não investiu primeiro na sua educação, vai responder que o ano com o melhor resultado para o investidor foi 2015, quando a rentabilidade média de um investimento que rende 100% da Taxa Selic ficou em 13,21%.

Se você já leu meus livros sobre reeducação financeira e investimentos (visite aqui para ler) sabe que é impossível responder essa pergunta sem saber qual foi a inflação (IPCA) que fez o dinheiro perder valor nos anos de 2015 e 2009. Você aprendeu que precisa descobrir a rentabilidade real dos investimentos, ou seja, descontar a inflação da sua rentabilidade para saber qual foi o verdadeiro aumento do poder de compra do seu dinheiro investido naquele ano.

Você vai verificar que em 2015 a inflação acumulada foi de 10,67%. De nada adiantou a taxa Selic remunerar 13,21% se o seu dinheiro só ficou 2,29% mais valorizado após descontada a inflação do período. Já em 2009 a inflação foi de 4,31% e mesmo com taxa Selic em 9,89% o investidor conseguiu uma rentabilidade real (acima da inflação) de 5,35%. Se a rentabilidade real dos investimentos foi de 2,29% em 2015 e 5,35% em 2009 o correto seria afirmar que o investidor teve melhor resultado em 2009 quando a Selic estava menor que 2015.

Observe a tabela abaixo onde reuni dados da Taxa Selic e inflação (IPCA) entre 1995 e 2015 e calculei os juros reais que é aquilo que realmente importa para o investidor de renda fixa.

Consegui o histórico da inflação no site do IBGE (veja aqui). Consegui a taxa Selic média simulando a taxa acumulada entre o dia 01/janeiro e 31/dezembro de cada ano através deste endereço aqui. A fórmula utilizada para calcular os juros reais é essa aqui:

Você não precisa fazer essa conta, pois criei uma calculadora de juros reais, visite aqui. Aproveitando esses dados, criei um gráfico mostrando o comportamento da Taxa Selic, IPCA e juros reais nos últimos 20 anos. Veja:

No gráfico é bem fácil perceber o impacto dos políticos na inflação, selic e juros reais. Observe que após a entrada do Guido Mantega a inflação começou a aumentar a os juros reais a despencar. A taxa Selic chegou no seu menor nível da história, graças a decisões políticas (canetadas) sem sustentação técnica. O resultado de um governo que congelou preços administrados (como no tempo do Sarney) para maquiar a inflação e baixou juros a força como propaganda eleitoral, pode ser visto na crise econômica que ocorreu logo depois.

Tenho um artigo completo e detalhado sobre os juros reais no Brasil, leia aqui. Inclusive mostro que existia uma visão diferente do Palocci e do Mantega com relação a inflação e isso gerou impacto nas taxas. Com base nas últimas notícias policiais podemos deduzir que a economia brasileira estava sendo controlada por pessoas investigadas por crimes (possíveis criminosos). Veja o destino do Palocci clicando aqui. Veja o destino do Mantega clicando aqui.

No meu entendimento, o Brasil só terá juros reais baixos, do mesmo nível praticado em países desenvolvidos, quando a nossa economia e as contas públicas forem geridas com seriedade, transmitindo confiança para a sociedade que é formada de trabalhadores, autônomos, empresários e investidores. Economias onde os juros são baixos e a inflação é baixa, são economias sólidas e confiáveis. Em economias sérias os empresários empreendem mais e melhor, os investidores arriscam mais e as oportunidades geram mais empregos e mais empregos geram mais serviços para os profissionais autônomos e mais vendas para as empresas.

Prevendo o futuro:

Como não podemos prever o futuro da Taxa Selic e da inflação, podemos olhar para o boletim Focus que é uma pesquisa que o Banco Central faz todas as semanas entre mais de 100 economistas das maiores instituições financeiras do pais. São pessoas bem remuneradas que estudaram a vida toda para prever essas taxas, da mesma forma que os meteorologistas tentam prever as condições futuras do tempo. Esses boletins são publicados semanalmente aqui. Vou usar como exemplo esse boletim aqui.

 

No início do relatório você tem o resultado médio de todos os participantes. No final do relatório você encontrará a média dos TOP 5. O Banco Central verifica quais são as instituições financeiras que mais acertaram as previsões passadas e elabora um relatório só com esses TOP 5. Usei esse relatório como exemplo aqui no artigo.

Podemos observar que os cinco economistas que chutaram melhor nas últimas pesquisas acreditam que a inflação acumulada em 2016 será de 6,83% e a Taxa Selic terminará o ano em 13,67%. Já para 2017 o chute é mais otimista com reação ao controle da inflação. Eles acreditam que teremos 4,98% de inflação em 2017 e Taxa Selic de 11,29%.

Antes de continuar vale deixar aqui um alerta:

Quando olhamos o boletim Focus do passado podemos observar que esses economistas sempre são exageradamente otimistas com relação a inflação e sempre apostam em taxas Selic menores do que acaba ocorrendo de fato.

Se você parar para pensar, isso pode fazer sentido. Esses economistas são funcionários assalariados de bancos, corretoras e outras instituições. Esses bancos oferecem investimentos para seus clientes como CDB, LCI, LCA e fundos de investimento. Se você acredita que a inflação no futuro será menor e a taxa de juros no futuro será menor, você tende a aceitar investimentos prefixados com remuneração menor no presente. Para os bancos é sempre ótimo quando você aceita receber menos para investir no banco.

Por este motivo, sempre que você olhar essas previsões otimistas das pesquisas do Boletim Focus, não esqueça que todos os economistas que emitiram opiniões são funcionários de grandes instituições e isso pode gerar alguma interferência direta ou indireta. Você lembra do caso da economista de um grande banco que foi demitida depois ter emitido uma análise pessimista sobre o futuro da economia? Recentemente ela foi indenizada veja a história aqui. Casos como esse me forçam a usar minha imaginação, e através dela supor que os economistas pensam no pagamento da escola dos filhos antes de emitir qualquer opinião contrária aos interesses dos seus patrões.

Calculando a rentabilidade real

Agora que já sabemos os chutes dos economistas para o IPCA (inflação) e Taxa Selic (juros) podemos calcular qual seria nossa rentabilidade real deduzindo a inflação, dos juros. Vamos fazer isso utilizando o nosso simulador, visite aqui.

Para 2016 os juros reais seriam de 6,4% acima da inflação:

Para 2017 os juros reais seriam de 6,01% acima da inflação:

Observe que mesmo se ocorrer uma queda de 2,38 pontos na Taxa Selic os juros reais continuam acima da casa dos 6%, que é uma taxa internacionalmente muito elevada. Se os chutes dos economistas se confirmarem e a Taxa Selic realmente atingir alguma coisa próxima de 11,29% em 2017, você continuará tendo uma rentabilidade real muito elevada nos investimentos de renda fixa. A taxa Selic tende a cair como uma consequência da queda da inflação.

Essa tabela abaixo (fonte) mostra que o Brasil continua sendo o campeão mundial de juros reais (juros com a inflação descontada).

 Conclusão:

A redução da taxa Selic vista isoladamente não é importante. A inflação é que vai determinar se aquela taxa vai garantir um ganho real ou não.  O importante é aprender a fazer essa avaliação que acabei de demonstrar neste artigo. O que realmente faz o seu patrimônio manter o poder de compra ou crescer são os juros reais dos investimentos.

Tenha cuidado quando começar a receber estímulos dos jornalistas, especialistas, analistas e economistas que ficam aparecendo na mídia dando opiniões sobre o que você deve ou não fazer com o seu dinheiro. A queda dos juros, sem dúvida nenhuma, melhora os resultados dos investimentos de renda variável como: ações, fundos multimercado, fundo de ações, fundos imobiliários, etc. Isso não significa que você deva tirar todo o seu dinheiro da renda fixa para pôr em investimentos de maior risco. Você precisa saber que para cada finalidade que você dá para o seu dinheiro existem investimentos mais apropriados.

Sua reserva para emergências, por exemplo, deve continuar em investimentos conservadores e de alta liquidez, mesmo que isto signifique juros nominais menores, pois, como falei, o importante são os juros reais. Aquele dinheiro que você está reservando para fazer a compra de um carro ou de uma casa, deve continuar fora de investimentos de risco. Neste caso o seu objetivo é preservar o poder de compra do dinheiro acima da inflação.

Já aquela parcela das suas economias que você reserva para os investimentos de risco, elas devem continuar nos investimentos de risco. Você pode até aumentar os investimentos na renda variável durante um ciclo de recuperação da economia e queda dos juros, mas você precisa se preparar primeiro para saber o que está fazendo. Faça o seu dever de casa. Nunca invista em algo por ter ouvido falar que era um investimento bom. Você não sabe se é realmente um investimento bom para a sua necessidade e realidade.

Já para quem faz a indicação do investimento, certamente é bom que você tome as decisões baseadas em recomendações. Para a bolsa de valores e para as corretoras é muito lucrativo quando você troca a renda fixa pela renda variável. Eles ganham com a cobrança de taxas em cada operação de compra ou venda de ativos de renda variável. Quando o banco consegue fazer você trocar os fundos de renda fixa pelos fundos multimercado e fundos de ações, eles conseguem cobrar taxas administrativas maiores. Quando agências que vendem relatórios de análise de investimento dizem por aí que a renda fixa morreu, é sinal que eles querem que você compre a assinatura de um relatório novo onde vão recomendar renda variável. Para se livrar de todas essas opiniões, aceite a ideia de que precisa se tornar um investidor consciente e independente.

Por este motivo o investimento inicial na sua educação é o mais importante. Pode ter certeza que no decorrer da sua vida, você sempre estará diante de decisões financeiras. Adiar esses estudos significa perder tempo e oportunidades, além de correr o risco de investir sem consciência, seguindo as recomendações de terceiros.

By |01/11/2016|Categories: Notícias|270 Comments

About the Author:

Leandro Ávila é administrador de empresas, educador independente especializado em Educação Financeira. Além de editor do Clube dos Poupadores é autor dos livros: Reeducação Financeira, Investidor Consciente, Investimentos que rendem mais, e livros sobre Como comprar e investir em imóveis.

270 Comments

  1. Isaque Santos 1 de novembro de 2016 at 15:37 - Reply

    Parabéns pelo Excelente Artigo!

    Muitas pessoas conseguem se enganada quando vê os juros altos, mas de forma simples e didática você consegue explanar bem.

  2. johnathan silva 1 de novembro de 2016 at 15:47 - Reply

    Isso prova q é possivel acumular dinheiro obtendo liquidez diaria sem o seu dinheiro desvalorizar, ou seja vc pode investir em um cdb 100% do CDI q é bem facil achar com uma boa segurança, e ainda de quebra ganhar mais do q a inflação sem ter q deixar seu dinheiro imobilizado. O brasil é um pais maravilhoso, ter liquidez diaria sem deixar seu dinheiro prezo e ainda lucrar com isso, tem coisa melhor? o dinheiro fica sempre disponivel pra eu investir em conhecimento ou oportunidades de negocio.

    • Leandro Ávila 1 de novembro de 2016 at 17:05 - Reply

      Oi Johnathan, o problema é que somente um minoria das pessoas e empresas conseguem enxergar vantagem em aproveitar essa característica local para poupar o próprio dinheiro. Se aqui é um dos melhores lugares do mundo para emprestar dinheiro (através da renda fixa) é um dos piores lugares do mundo para pegar dinheiro emprestado. Mesmo assim a demanda é sempre por dinheiro emprestado e isso beneficia os poucos que percebem a vantagem de poupar para atender essa demanda por dinheiro alheio. O Brasil só vai se transformar em um país próspero quando as pessoas forem educadas para serem prósperas, enquanto isso não acontece é importante ficar do lado do jogo onde você ganha que é o lado poupador e não o lado dos endividados.

  3. Kleber 1 de novembro de 2016 at 15:48 - Reply

    Parabéns, como sempre muito esclarecedor.

  4. Alexandre 1 de novembro de 2016 at 15:50 - Reply

    Olá Leandro. Estava lendo a chamada da agência sobre “a morte da renda fixa” quando vi o e-mail sobre o seu novo artigo para alegrar o meu dia. Fiquei muito feliz porque o seu artigo confirmou o meu pensamento. Então queria agradecer por todos os ensinamentos que adquiri desde quando o clubedospoupadores tinha 70.000 leitores. O professor Elisson, o Eduardinho, o André Fogaça, etc. sem contar os livros de diversos autores me ajudaram muito a aprender avaliar o que serve ou não pra mim, mas tive a sorte de conhecê-lo antes de todos e isto me ajudou muito a organizar as ideias, já que os seus artigos são sempre muito detalhados (como diria o prof. Elisson: “quanta dedicação”!). Sem tentar “catequizar” ninguém, sempre indico o clubedospoupadores aos interessados. Muita prosperidade para vc e para todos os leitores do clube.

    • Leandro Ávila 1 de novembro de 2016 at 17:10 - Reply

      Oi Alexandre, muito obrigado. Eu sempre procuro indicar aqueles autores de conteúdo que realmente estão comprometidos com a educação das pessoas, onde seu principal negócio é ensinar e não lucrar com suas decisões de investimento. Um educador só ganha quando ele realmente consegue libertar você da ignorância, quando transmite o conhecimento e experiência necessárias para que você ande com suas próprias pernas. Isso é bem diferente de muitos profissionais que vivem de fazer recomendações e se transformam em muletas. Você passa a querer andar com as pernas dele, gerando dependência, sem ensinar a pescar.

  5. Carlos 1 de novembro de 2016 at 15:55 - Reply

    Parabéns pelo artigo. Muito importante ter como referência os juros reais no momento do investimento.

    • Leandro Ávila 1 de novembro de 2016 at 17:11 - Reply

      Oi Carlos, obrigado. É a maneira correta de avaliar os juros. Se a inflação está caindo, é natural ocorrer uma queda nos juros, mas o importante é observar como está a situação dos juros reais. Nem sempre uma taxa de juro elevada significa vantagem para o investidor, pois o importante é o juro real.

  6. Henrique 1 de novembro de 2016 at 15:57 - Reply

    Concordo com o escrito. Mas no caso de quem comprou um título IPCA+ 2035, ou IPCA + Juros Semestrais 2050. Para ele é mais interessante (ficando até o vencimento) uma taxa maior, contando com a queda da inflação no longo prazo. Aquele que for retirar o dinheiro no vencimento e pretende continuar comprando mensalmente o título, sempre melhor a taxa mais alta, mesmo que a inflação caia.

    • Leandro Ávila 1 de novembro de 2016 at 17:16 - Reply

      Oi Henrique. Se o destino do dinheiro que você possui é o longo prazo, o melhor é ficar com o investimento até o longo prazo comprando regularmente. Pessoalmente divido o que invisto em Tesouro Direto em títulos prefixados, pós-fixados e atrelados a inflação, pois assim não preciso ficar escolhendo qual é o melhor, pois a grande verdade é que só saberemos qual foi o melhor no futuro. Na incapacidade de prever esse futuro aceito que melhor será ficar com a média. Hoje os títulos prefixados e atrelados ao IPCA já estão precificados levando em consideração uma queda da inflação e da taxa Selic, coisa que pode acontecer como também pode não acontecer (pois imprevistos acontecem).

  7. Flávio 1 de novembro de 2016 at 15:57 - Reply

    Possuo minha reserva de emergência em um fundo DI com taxa de administração de 0,3% ao ano e rentabilidade média anual de 102% do CDI. Graças às informações do Clube dos poupadores sai da poupança faz 6 meses.
    Obrigado Leandro!

    • Leandro Ávila 1 de novembro de 2016 at 17:18 - Reply

      Oi Flávio. Sua taxa administrativa de 0,3% é muito boa. Parabéns.

    • Luis Carlos 5 de novembro de 2016 at 13:54 - Reply

      Flávio onde conseguiu essas taxas.

  8. Dema 1 de novembro de 2016 at 16:02 - Reply

    Concordo plenamente com a analise. O que vale é o ganho real. Para o investidor leigo, não o consumidor que se beneficiará, a queda da selic é psicológica devido a exposição de como é colocada a informação na mídia.
    A Bolsa está subindo, mas a causa não é principalmente da queda dos juros internos, os juros externos tem muito mais a haver.
    Ainda que a analise só considere dados estimados do mês de dez, serve perfeitamente para ilustrar o objetivo.
    Acho que hoje investimentos em R.Fixa Pré, se nada der errado, é aplicar só com taxas de rentabilidade acima de 13% e longo prazo para ganhar com queda da selic no LP.

  9. Janaina 1 de novembro de 2016 at 16:06 - Reply

    Mais um excelente artigo, Leandro.
    Eu acrescentaria ainda que para as agências que vendem relatórios, é muito interessante toda hora ter um “investimento certo”, que é sempre diferente daquele do mês passado. Assim, eles vendem sempre os relatórios, e te mostram toda semana como a recomendação da semana passada já não é mais tão interessante (essa semana, a melhor coisa a se fazer com o dinheiro é Tesouro IPCA, na semana seguinte é Préfixado, na outra são ações do Itaú e assim por diante).
    Ou seja: você está sempre com o “investimento errado”, tem que mudar a alocação do dinheiro como muda de roupa e, claro, assinar para sempre os relatórios para saber o que fazer.

    • Leandro Ávila 1 de novembro de 2016 at 17:22 - Reply

      Oi Janaina, funciona como as recomendações das corretoras. Elas contratam analistas para que possam dizer que você sempre está fazendo a coisa errada. Sempre que você movimenta seu dinheiro dentro da corretora eles ganham mais e por isto sempre motivam você a trocar de investimento. Com os relatórios não é diferente. O que resolve mesmo é a pessoa aprender como funciona cada investimento para que ela mesma possa tomar a decisão. Muitas vezes não fazer absolutamente nada é uma ótima decisão de investimento.

  10. Domingos 1 de novembro de 2016 at 16:11 - Reply

    Perfeita explicação, obrigado.

  11. Fernando 1 de novembro de 2016 at 16:13 - Reply

    Parabéns Leandro.
    Considero seu site o melhor para assuntos financeiros. Já aprendi muito.

  12. Juliano 1 de novembro de 2016 at 16:17 - Reply

    Olá Leandro. Primeiramente parabéns pelos textos! É a primeira vez que eu comento algo por aqui mas sou um seguidor assíduo do teu trabalho algum tempo já!
    Ontem li um artigo falando sobre justamente sobre isso. Achei de um alarmismo extremo e na hora da leitura pensei que você logo logo iria escrever algo sobre! Será que “Impiricamente” acertei de onde veio a disposição para escrever este teu post? 🙂
    Abraços e continue sempre com o excelente trabalho de espalhar a ideia da educação financeira para todos!

    Juliano

    • Leandro Ávila 1 de novembro de 2016 at 17:32 - Reply

      Oi Juliano, eu entendo que o objetivo as agencias de relatório é fazer o marketing dos relatórios, que nada mais é do que vender opiniões sobre onde você deveria investir. Entendo também que pagar por opiniões é melhor do que receber essas opiniões de graça vindas de funcionários de bancos e corretoras que vão lucrar se você fizer os investimentos que recomendaram. O problema é que em todos os casos você está comprando opiniões quando a situação ideal seria você ter o conhecimento necessário para ter suas próprias opiniões. A melhor forma de vender muita opinião é mudar de opinião a cada 30 dias. A melhor forma de lucrar quando você troca de investimento é recomendar investimentos diferentes a cada mês. A melhor forma de você se ver livre disso tudo é investir na sua educação. É exatamente isso que venho fazendo nos últimos anos. Quanto mais aprendo, mais livre eu fico e mais posso compartilhar.

    • Paulo Rogerio 2 de novembro de 2016 at 22:33 - Reply

      impiricamente tive a mesma impressao! eles querem que a gente fique trocando de investimento a toda hora… ainda bem que temos o Ávila e outras pessoas para nos ajudarem.

  13. Iuri 1 de novembro de 2016 at 16:24 - Reply

    Leandro,

    Muito obrigado pelo excelente artigo. Sem dúvida, o nosso maior maior investimento é na educação financeira. Eu estou investindo nela e como resultado disso, já adquiri os seus livros e o livro Quero ficar Rico de Rafael Seabra. O próximo que pretendo comprar é o como é o Pai Rico, Pai Pobre do R. Kiyosaki.

    • Leandro Ávila 1 de novembro de 2016 at 17:33 - Reply

      Oi Iuri. Parabéns, recomendo que você crie uma rotina diária de estudos. Basta 15 ou 30 minutos todos os dias, nada mais do que isso. A transformação que isso vai gerar na sua mente produzirá impacto real na sua vida financeira e nos seus investimentos.

  14. Luciano 1 de novembro de 2016 at 16:26 - Reply

    Leandro gostaria de comprar seus livros mas você tem somente digital?

    • Leandro Ávila 1 de novembro de 2016 at 17:35 - Reply

      Oi Luciano. É somente digital. Os textos são repletos de links externos, links para ferramentas úteis para os investidores, vídeos, planilhas e seria impossível colocar isso em livro de papel.

  15. Diogo Fernando Klann 1 de novembro de 2016 at 16:29 - Reply

    Mais um ótimo artigo Leandro!

    Confesso que fiquei em dúvida com relação a rentabilidade dos meus investimentos em renda fixa quando anunciaram a redução na SELIC.
    Mas o seu artigo me lembrou da importância da inflação quando se calcula a rentabilidade líquida ou os juros reais.

    Obrigado pelas informações e vamos torcer para a inflação baixar e não somente a SELIC.

    Abraço!

    • Leandro Ávila 1 de novembro de 2016 at 17:40 - Reply

      Oi Diogo. Se a inflação baixar será bom para todos, mesmo que a Selic caia junto. Creio que a maioria tem sua principal fonte de renda gerada através do trabalho. Temos leitores que são funcionários, outros que são empresários e autônomos. Quando a inflação está elevada e os juros igualmente elevados a nossa fonte primária de renda fica prejudicada. No final o que vale mesmo são os juros reais dos investimentos e a margem de lucro dos negócios (para quem possui uma empresa). Mesmo aqueles que são funcionários com salário fixo, a estabilidade do emprego, a participação nos resultados e o custo de vida dependem da inflação e da situação da economia. Até os investidores lucram mais quando o juros e a inflação menores já que isso estimula a renda variável onde os ganhos podem ser maiores que na renda fixa quando o país está crescendo de uma maneira sólida. Acho que só quem ganha com inflação elevada é o próprio governo, pois ele é o maior credor do país e sua dívida perde valor quando a inflação está elevada.

  16. Raphael 1 de novembro de 2016 at 16:34 - Reply

    Mais um ótimo artigo, Leandro!!!

  17. Diogo Thomazini 1 de novembro de 2016 at 16:40 - Reply

    Mais um excelente artigo.
    As pessoas correm da renda fixa pelo alarde e caem no karma do “comprar na alta e vender na baixa”. Educação financeira sempre!

  18. George Douglas 1 de novembro de 2016 at 16:41 - Reply

    Mais uma vez,um excelente e esclarecedor artigo.Porém,fiquei com dúvida a respeito das taxas negativas do gráfico.
    Obrigado por compartilhar conosco,sucesso Leandro Ávila.

    • Leandro Ávila 1 de novembro de 2016 at 17:43 - Reply

      Oi George, na verdade os juros nominais sempre foram maiores que a inflação.

  19. Cesão 1 de novembro de 2016 at 16:45 - Reply

    Em 1998 , foi pior que o 7 a 1. Simplesmente, 28 X 1 , Selic x Ipca !!!

  20. Marcelo 1 de novembro de 2016 at 16:55 - Reply

    Foi muito bom ter esse panorama de comparação entre a taxa Selic e a inflação no decorrer dos anos. Comecei meus estudos sobre finanças recentemente e fiquei meio preocupado quando comecei a ler que a Selic entraria numa fase de redução, uma vez que comecei meus investimentos justamente pelo Tesouro Selic.

    Parabéns pelo texto.

  21. Mr. Webster 1 de novembro de 2016 at 16:58 - Reply

    Perfeito e preciso como sempre, Leandro.

    E lá vai a “Enganaotaricus” tentar vender mais alguns de seus relatórios mirabolantes e que vão deixar todos ricos e milionários. O mais engraçado é o porquê de todos os membros de lá ainda não terem se tornado milionários e deixado de vender esses boletins engana incautos, desavisados e ignorantes.

    E olha que eu estou cansado de ouvir gente muito competente (em suas profissões) me falar que é assinante desse pessoal. Não tem jeito: quem quer sair da ignorância tem mais é que buscar conhecimento com quem entende e para de ser ludibriado.

    Eu tentava (não tento mais) alertar as pessoas sobre se educar financeiramente e tomar as melhores decisões com o seu dinheiro. Todo mundo quer uma “fórmula mágica pronta e milagrosa da riqueza”.
    Cansei.

    Parabéns mais uma vez pelo artigo, Leandro!

    • Leandro Ávila 1 de novembro de 2016 at 17:50 - Reply

      Oi Webster, não sou contra assinar o material, eu mesmo já assinei. O problema é você não entender o que está fazendo. A pessoa precisa ter uma base para separar o joio do trigo, para entender o que faz sentido e o que é pura bobagem. Depois que você entende como os investimentos funcionam é interessante olhar o que a corretora, bancos e outros recomendam para testar seus conhecimentos e sua capacidade de criticar a recomendação ou concordar. O problema é quando você não tem esse senso crítico, resultado dos seus estudos, pois ai você acaba seguindo recomendações sem avaliar e questionar.

    • LINELSON Y CASTRO 2 de novembro de 2016 at 8:31 - Reply

      Eu sou assinante e estou ganhando dinheiro. A propagando é extremamente exagerada, mas os produtos são bons.
      Muitas vezes o problema é o assinante e não o relatorio.

      • Leandro Ávila 2 de novembro de 2016 at 10:57 - Reply

        Como falei, de nada adianta recomendações se você não está preparado para avaliar essas recomendações.

  22. Sibele 1 de novembro de 2016 at 17:03 - Reply

    Leandro, muito obrigada! Você sempre norteia minhas decisões.

  23. Adriano 1 de novembro de 2016 at 17:05 - Reply

    O melhor e investir em lci e cdb ipca+ banco ###### esta oferecendo cdb ipca + 7.45 lci ##### ipca +6.3 %

    • Leandro Ávila 1 de novembro de 2016 at 17:56 - Reply

      Oi Adriano, tive que editar seu comentário, pois você acabou fazendo uma recomendação de investimento. Troquei o nome dos bancos por ####. Vale lembrar que essas taxas maiores desses dois bancos ocorrem por serem bancos pequenos. Existe um risco embutido que você pode assumir caso você aceite esse risco por uma taxa maior. Eu mesmo tenho uma parte dos meus investimentos me bancos pequenos, mas é aquela parte que eu optei correr o risco pela taxa maior. Fazer a recomendação pura e simplesmente para o leitor leigo é um perigo, pois o ideal é que ele entenda o investimento e por qual motivo as taxas são diferentes de banco para banco.

    • Adriano 3 de novembro de 2016 at 1:12 - Reply

      Entendo mas se o FGC cobre ate 250000 mil reais nao preciza ter medo leandro

      • Leandro Ávila 3 de novembro de 2016 at 8:45 - Reply

        Oi Sim, mas mesmo precisando do FGC é importante que você tenha consciência do risco de precisar do FGC.

  24. Giordano 1 de novembro de 2016 at 17:06 - Reply

    Leandro, e como tem neguinho fazendo terror porque caiu 0,25%.
    Muito bem explicado e fundamentado!! Showwww

  25. Francly 1 de novembro de 2016 at 17:06 - Reply

    Como sempre, um ótimo texto!
    Como dito, devemos sempre investir na educação financeira, mas sendo sincero, encontro dificuldades para estar a par de todos os produtos que o mercado oferece. Pergunto então, existe algum curso intensivo de investimentos, em algum lugar do país, que aborda todos os assuntos como ações, fundos multimercado, fundo de ações, fundos imobiliários, COI, etc? Investiria o que fosse preciso para aprender de uma vez por todas como utilizar esses produtos que o mercado oferece. Sozinho, comprando cursos pela internet e somente com leitura, é difícil ter uma ideia global sobre investimentos.
    Muito obrigado pelos excelentes conteúdos!

    • Leandro Ávila 1 de novembro de 2016 at 17:59 - Reply

      Oi Francly, eu aprendi sozinho sempre aliando o que aprendi com a prática. De nada adianta você estudar sobre o funcionamento do Tesouro Selic que é um título público conservador se você não terminar seu estudo fazendo um investimento em Tesouro Selic, mesmo que seja bem pequeno para ver a coisa na prática acontecendo. É assim que você aprende de forma definitiva. Veja o exemplo do COI. É um tipo de investimento que se popularizou recentemente. Eu estudei o funcionamento do COI e fiz investimentos para ganhar experiência, consolidar o conhecimento com a prática. É assim que você realmente aprende. Livros e especialmente os cursos ajudam você a criar um comprometimento. Você fica mais comprometido em seguir aqueles ensinamentos e colocar em prática.

  26. José Alves de Carvalho 1 de novembro de 2016 at 17:09 - Reply

    Como sempre, um ótimo texto.
    Parabéns pelo ótimo contra ponto à Empiricus. Eles fazem bons relatórios, que têm me ajudado bastante, mas o marketing deles é muito chato…e se você empolgar com o marketing acaba investindo todo seu dinheiro nos relatório, e não sobra nada para a renda variável, ou fixa…kkk.

  27. Mário Sérgio Capalbo 1 de novembro de 2016 at 17:12 - Reply

    Leandro,
    Boa tarde. Muito objetivo e claro o seu artigo.

    Parabéns.

  28. Daimar Coelho 1 de novembro de 2016 at 17:13 - Reply

    Muito bom! Excelente, Leandro!!! Apesar de já te acompanhar há alguns meses aqui (iniciei a minha jornada sobre educação financeira no começo desse ano) esse é o meu primeiro comentário… Foste muito didático e prático nas tuas colocações, todas fortemente evidenciadas. Parabéns!
    OBS: Eu sei quem disse que a renda fixa morreu porque recebi o email deles. Já pensei diversas vezes em comprar os relatórios, porque realmente o marketing é muito forte. Mas ao mesmo tempo sempre fiquei com o “pé atrás”, porque eles “forçam a barra”. Ainda bem que temos você aqui. Muito obrigado, mesmo!

    • Leandro Ávila 1 de novembro de 2016 at 18:02 - Reply

      Oi Daimar. Se você está começando eu recomendo dedicar seu tempo aprendendo sobre como os investimentos funciona e praticando, mesmo que usando pouco dinheiro só para operar na prática, ganhar experiência e perder o medo. Não adianta comprar relatórios se você não está preparado para separar a parte útil da parte que é ruido e poluição. A pior situação seria investir seguindo recomendações sem entender claramente por qual motivo está investindo, sem poder validar se concorda ou não com a opinião dos outros. Isso acaba gerando a dependência das recomendações.

  29. Vitor 1 de novembro de 2016 at 17:18 - Reply

    Muito bom o artigo!
    É realmente incrível ver a taxa de juros (real) do Brasil, comparada a outros países. A RF tem boa rentabilidade e segurança.
    Imagino que lá fora, eles devem investir em imóveis ou algo do gênero, pois na RF teriam prejuízos…

    • Leandro Ávila 1 de novembro de 2016 at 18:11 - Reply

      Oi Vitor. Lá fora as pessoas precisam estudar mais para conseguir retornos com maior risco. Na categoria de renda variável não temos só ações negociadas na bolsa. Quando você compra um imóvel está fazendo um investimento de renda variável. Quando abre uma empresa ou se torna sócio investidor de uma startup, também está fazendo um investimento de risco. Existem países onde a Taxa Selic deles é negativa. É o caso do Japão que tem taxa de -0,10 e uma deflação de -0,50. Cada dia que passa os produtos japoneses ficam melhores e mais baratos. Basta ver o que eles fazem com os produtos eletrônicos e de tecnologia produzidos por grandes marcas japonesas.

  30. Bruno 1 de novembro de 2016 at 17:37 - Reply

    Parabens Leandro, como sempre um excelente artigo!
    Obrigado

  31. Francis Oliveira 1 de novembro de 2016 at 17:47 - Reply

    Ótimo texto.

    Realmente a Empiricus soltou essa semana uma matéria falando justamente da morte dos investimentos de renda fixa, principalmente para tentar fazer com que os investidores passem a investir em rendas variáveis. Para entender melhor o que eles queriam dizer, é preciso pagar para ter acesso ao conteúdo. Temos que nos educar financeiramente para não cair nessas histórias sem fundamentos.

    • Leandro Ávila 1 de novembro de 2016 at 18:12 - Reply

      Oi Francis, é importante estudar para entender essas ações de marketing.

  32. Álvaro Mota 1 de novembro de 2016 at 17:48 - Reply

    Muito bom Leandro. Como sempre muito didático, fico feliz por existir pessoas assim como você. Sempre tenho tentado ajudar as pessoas com o meu conhecimento na área agropecuária também. Precisamos construir um país melhor.

    • Leandro Ávila 1 de novembro de 2016 at 18:13 - Reply

      Oi Álvaro, é isso mesmo. Conhecimento é a unica riqueza que quanto mais você divide com os outros, mais você tem. Parabéns.

  33. Gustavo 1 de novembro de 2016 at 18:08 - Reply

    Olá Leandro, muito legal seu artigo: objetivo, claro e didático. Tenho recomendado o clube dos poupadores para algumas pessoas que querem aprender sobre como tomar melhor suas próprias decisões e não cair em pegadinhas.
    Tenho uma sugestão, mas acredito que não seja simples. As eleições americanas estão chegando, poderia explicar os potenciais impactos (ou se ocorreriam impactos) nos nossos investimentos em renda fixa (tenho títulos públicos) no caso de vitória de democratas e no caso dos republicanos? Tenho receios dos impactos caso Trump ganhe.

    Obrigado.

    • Leandro Ávila 1 de novembro de 2016 at 18:16 - Reply

      Oi Gustavo. Normalmente os políticos populistas (não importa se são de direita ou de esquerda) costumam falar uma coisa e na hora que estão com o poder nas mãos fazem outra. É difícil saber quando termina o teatro e as falas para agradar o eleitor e quando começam a falar as coisas que realmente acreditam. Políticos e suas politicagens são um mal necessário enquanto as pessoas gostarem de circo.

  34. Juliano Rodrigues Silva 1 de novembro de 2016 at 18:09 - Reply

    Post que veio em excelente hora. Eu mesmo vivi essa dúvida antes do COPOM reduzir a SELIC… fica naquela “não sei se vou ou se fico, ou se fico ou se vou…?” De fato, o que me ajudou muito a entender esse momento foi eu saber quais eram meus objetivos de curto, médio e longo prazo somado ao meu perfil como investidor… Mas sem dúvida, suas aulas sempre me ajudaram. Abs

  35. mauricio 1 de novembro de 2016 at 18:11 - Reply

    Caso eu acredite que a selic seguira em uma tragetoria de baixa, e tendo a intenção da venda antecipada dos titulos em um momento propicio de baixa da selic. oque seria mais interessante, titulo 2019 ou 2035, “eu acredito que deva ser o 2035 gere um retorno maior. minha linha de raciocinino esta certa? estou começando a ler seus artigos, parabens, em particular gostei da sua imparcialidade.

    • Leandro Ávila 1 de novembro de 2016 at 18:17 - Reply

      Oi Mauricio. Quanto mais longo o título, maior é o impacto na alta do seu preço quando a taxa dele cai.

  36. Paula 1 de novembro de 2016 at 18:11 - Reply

    Nota 1000, super coerente Leandro, obrigada!

  37. Fabian 1 de novembro de 2016 at 18:15 - Reply

    Leandro,mais um excelente texto!Parabéns!!

  38. Gilberto Malafaia 1 de novembro de 2016 at 18:25 - Reply

    Ola Leandro, parabéns pelo excelente artigo.Meu colchão de emergência está no Tesouro Selic 2021; com o inicio da redução da taxa de juros, pretendo direcionar uma parte do valor mensal que coloco na Selic, algo em torno de 30%, na NTNB + IPCA 2024 e ir acompanhando para ver como fica o comportamento da inflação e da taxa de juros. o que você acha? Um abraço.

    • Leandro Ávila 1 de novembro de 2016 at 22:41 - Reply

      Oi Gilberto, você pediu minha opinião sobre como você investe seu dinheiro, coisa que não gosto de fazer. Reservas de emergência podem ser necessárias a qualquer momento. Tesouro Selic é um título que pode ser vendido a qualquer momento sem perdas significantes, a não ser referente a alíquota do IR. O mesmo não podemos dizer do Tesouro IPCA 2024. Se os juros realmente caírem e você precisar vender antecipadamente, tudo bem, mas se não caírem ou se até 2024 eles subirem, você deve saber no mínimo o que vai acontecer. O Tesouro IPCA não costuma ser usado como colchão de liquidez devido ao seu funcionamento diante das variações das taxas. É importante estudar isso.

  39. Lourival Santos 1 de novembro de 2016 at 18:28 - Reply

    Leandro, meus parabéns. Adoro os seus artigos. Minha vida financeira se divide em antes e depois de conhecer os seus artigos e esse clube. Se antes perdia dinheiro em poupança, hoje só penso em aplicar o meu suado dinheirinho em Tesouro Direto ( modalidade IPCA + juros) e deixar o meu colchão no CDB. Sei que preciso aprender muito mais, por isso aceito de bom grado suas sugestões de livros.
    Um abraço

  40. Cassiano 1 de novembro de 2016 at 18:35 - Reply

    Parabéns, excelente artigo.

    Faltou simular a rentabilidade líquida do IR, a rentabilidade da maioria das aplicações em renda fixa.

    Para 2016 os juros reais livres do IR longo (15%) = 4,48%

    Para 2017 os juros reais livres do IR longo (15%) = 4,40%

    • Leandro Ávila 1 de novembro de 2016 at 22:42 - Reply

      Obrigado Cassiano

    • LINELSON Y CASTRO 2 de novembro de 2016 at 8:33 - Reply

      Pequeno grande detalhe que faltou no artigo, Os juros reais apresentados são brutos e não líquidos.

      • Leandro Ávila 2 de novembro de 2016 at 11:01 - Reply

        Vocês devem saber que IR não é cobrado de todos os investimentos de renda fixa e as alíquotas dependem do tempo que cada investidor manterá o valor aplicado. Exigir que um artigo como esse apresente a rentabilidade líquida de impostos e de taxas para todas as possibilidades de investimento de renda fixa, é no mínimo falta de bom senso. Mesmo aplicando as alíquotas, os juros reais continuam os maiores do mundo.

  41. Danilo 1 de novembro de 2016 at 18:50 - Reply

    Obrigado pelo excelente texto Leandro!
    Essa associação entre taxa SELIC X IPCA ficou simples depois de ler este artigo, mas, confesso que eu e acredito que a maioria das pessoas não enxergávamos isso de forma clara, afinal, a grande mídia e consultorias de investimentos por ai vendem simplesmente a ideia do presta ou não presta, faça isso ou faça aquilo sem ao menos explicar a dinâmica das coisas, mas, paciência…O importante é que temos profissionais independentes e isentos como você, e com dedicação qualquer um é capaz de sair da ignorância financeira.
    Aproveito a oportunidade para parabenizar pelo “LIVRO NEGRO DOS FINANCIMENTOS DE IMÓVEIS” o qual adquiri e agregou muito conhecimento para mim, e de certa forma até evitou que eu fizesse alguma “atrocidade financeira”.
    Te acompanho a quase um ano, e com a ajuda do blog e dos materiais de qualidade aos poucos estou montando o “quebra cabeça” da área de finanças e enxergando as coisas com cada vez mais nitidez!

    • Leandro Ávila 1 de novembro de 2016 at 22:45 - Reply

      Oi Danilo, se eles explicarem acabam cortando a dependência das pessoas pelas opiniões deles. Esse livro ai já salvou as finanças de muita gente. Parabéns por buscar nitidez!

  42. Paula 1 de novembro de 2016 at 18:53 - Reply

    Parabéns de novo Leandro! De fato, por experiência própria, posso afirmar que corretores e agencias não estão preocupados com o seu bolso, apenas com os bolsos deles. De tudo que li e estudei até o momento (e li muuuuuuuito) o seu canal é disparado um dos melhores pela honestidade, objetividade e transparência. O que não falta é neguinho vendendo “gato por lebre recheado de embromation, muita enrolação e marketing agressivo”. Grande abraço e sucesso pra ti!

  43. Fabiano Alencar 1 de novembro de 2016 at 19:20 - Reply

    Leandro Ávila,

    Excelente artigo, objetivo e consistente.
    Parabéns e muito obrigado.

  44. Tallys 1 de novembro de 2016 at 19:25 - Reply

    Excelente texto Leandro. Parabens! E complementando, posso afirmar que minha caixa de emails recebe diariamente vários informações sobre o fim da renda fixa e outros oferecendo relatorios ou opções em renda variavel. Cada um aproveitando a oportunidade pra “defender” o pagamento do boleto do filho, rs.

    • Leandro Ávila 1 de novembro de 2016 at 22:46 - Reply

      Oi Tallys, é o que acontece. O importante é buscar conhecimento para defender o dos seus.

  45. Gelson 1 de novembro de 2016 at 20:12 - Reply

    Parabéns Leandro. Muito esclarecedor seu artigo. Realmente recebo diariamente uma chuva de emails falando que a renda fixa morreu. Muito obrigado por compartilhar seu conhecimento.

  46. Gilberto Costa 1 de novembro de 2016 at 20:19 - Reply

    Os juros reais no Brasil são altíssimos e permanecerão assim por muito tempo.Quem comprou títulos públicos pré-fixados vai ganhar mais ainda com a queda dos juros. Ou seja, na Renda Fixa a festa continua!!

    • Leandro Ávila 1 de novembro de 2016 at 22:48 - Reply

      Oi Gilberto, e se as pessoas continuarem apoiando a gastança descontrolada e irresponsável dos políticos, os juros continuarão elevados por muito tempo, pois é isso que tira a credibilidade do país.

  47. Jose Vasconcelos 1 de novembro de 2016 at 20:39 - Reply

    Um artigo bem didático e esclarecedor, as pessoas não precisam ser tão letradas para te entender, seus textos e exemplos são bem claros, continue assim!!!
    obrigado Leandro

  48. Edivaldo Maia 1 de novembro de 2016 at 20:47 - Reply

    SENSACIONAL ARTIGO, PARABÉNS PELA CLAREZA DE INFORMAÇÃO.
    Edivaldo Maia

  49. claudemir 1 de novembro de 2016 at 20:54 - Reply

    Boa noite Leandro. Excelente suas palavras, muito esclarecedoras. Busco continuamente e aos poucos adquirir conhecimentos na área econômico-financeira. Gosto muito de seus ensinamentos. Parabéns e muita prosperidade.

  50. Henrique 1 de novembro de 2016 at 21:00 - Reply

    Leandro, excelente artigo. Tem alguns dias que estou “viajando” nos conteúdos do site. Estou um pouco desesperado, pois todo esse tempo (mais de 10 anos) estive usando a poupança pensando que era algo que me garantia liquidez. Mas já vi que ja perdi muito dinheiro… E agora não sei exatamente o que faço. O que você recomendaria pra que eu “fugisse” o mais rápido possível a poupança?

    • Leandro Ávila 1 de novembro de 2016 at 22:50 - Reply

      Oi Henrique. Fique calmo, pior do que estar na poupança é fugir sem saber para onde ir. Dedique algum tempo diário estudando as modalidades de investimento. Mais alguns dias ou meses estudando não vai fazer diferença, pois 10 anos já foram. Existem vários artigos gratuitos aqui nas diversas categorias, existem meus livros e cursos que recomendo no menu superior do site. Parabéns por abrir os olhos.

  51. Marcio 1 de novembro de 2016 at 21:29 - Reply

    Leandro Ávila, parabéns por mais um artigo escrito com excelência. Adquiri os seus livros e estou realmente mudando o meu comportamento em questões financeiras. Forte abraço

    • Leandro Ávila 1 de novembro de 2016 at 22:50 - Reply

      Oi Marcio, parabéns por estar promovendo essa transformação em você mesmo!

  52. Antonio Carlos 1 de novembro de 2016 at 21:34 - Reply

    Caro Leandro

    Como sempre os seus comentários são os mais corretos e honestos. Parabéns.

  53. Siliano 1 de novembro de 2016 at 22:28 - Reply

    Boa noite!

    Caro leandro, venho acompanhado seus artigos a algum tempo, de maneira que realmente tens o dom de repassar as informações de forma simples e concisa.

    Ainda não tive a oportunidade de ler seus livros publicados, decerto que devem ser da mesma competência e dedicação dos artigos.

    Parabéns pela sua contribuição e dedicação.

    Abraço!!

    Siliano Forneck.

  54. ednaldo 1 de novembro de 2016 at 22:31 - Reply

    Boa noite Leandro!!Antes de mais nada,parabéns pelo seu trabalho.Bendito seja o dia que conheci esse site,pois a partir daí minha visão se abriu.Do fundo do meu coração amigo,você está ajudando a melhorar muito meu futuro e da minha família.Tenho 40 anos,funcionário dos correios e não tenho uma renda alta (3.400,00)mensais.Sou casado,sou pai de duas meninas,tenho um carro bem “rodadinho”,pago 475,00 da minha casa.Com muito esforço consigo guardar 550,00 por mês,religiosamente,mais um pouco de 13°,férias.Sempre fui muito disciplinado quando se trata de dinheiro,mas a verdade é que descobri que nunca soube investir minhas poucas economias.Isso começou a mudar quando conheci o seu trabalho,infelizmente muito recentemente.Como nós,brasileiros somos tolos,verdadeiros robôs dos grandes bancos.Conheci o mundo da renda fixa e migrei para um novo patamar.No momento,estou na fase do colchão de liquidez.Confesso que estou bastante perdido,assustado e envergonhado por ter perdido tanto tempo.Quanto dinheiro deixei de ganhar! Essa semana dei “um pé na bunda” da poupança e fiz minha primeira aplicação em Cdb(100% do CDI e conta taxa zero) e estou esperando minha conta ser aprovada em uma corretora,para começar a comprar títulos públicos ou talvez ações.Suas planilhas estão sendo muito úteis.Mas enfim,chega de bláblá.Gostaria de aproveitar a oportunidade e sanar uma dúvida:Pago 5% do meu salário para o Postalis(excelente artigo sobre fundos de pensão),que está praticamente falido,mais 11%(96,80) de inss para minha esposa.O fato é o seguinte:postalis quebrado,Inss no fundo do poço,estou muito preocupado em passar 35 anos contribuindo e não receber nada no final.Estou pensando seriamente em parar de pagar tudo isso e investir por conta própria essa quantia.Gostei muito da rentabilidade do Tesouro Direto,mas tenho ouvido falar muito para não “colocar os ovos numa sexta só”,será que investir apenas em Tesouro Direto IPCA+2035,para aposentadoria, não seria arriscado?

    • Leandro Ávila 1 de novembro de 2016 at 22:55 - Reply

      Oi Ednaldo. Eu acho que você não deve esperar muita coisa da Postalis e do INSS. Para o INSS quebrar o país precisa quebrar. Mudanças serão necessárias afetando aqueles que ainda não se aposentaram e não temos como prever que mudanças serão essas nas próximas décadas, o fato é que não será para melhorar a sua renda, mas sim para reduzir a sua renda na aposentadoria. Só em perceber que você precisa se preparar já deixa você na frente da maioria dos funcionários dos Correios que não acordaram para o problema.

  55. Rômulo Azevedo 1 de novembro de 2016 at 22:33 - Reply

    Leandro tenho muito a agradecer a você,porque graças a sua vontade de dividir o seu conhecimento,eu pude conhecer a educação financeira,e vislumbrar um futuro melhor para mim e para minha família. Posso afirma que você mudou a minha vida! Muito obrigado,e que você possa continuar fazendo a diferença na vida das pessoas!

    • Leandro Ávila 1 de novembro de 2016 at 22:56 - Reply

      Oi Rômulo, fico muito feliz por ter ajudado de alguma forma. Obrigado!

  56. leo27 1 de novembro de 2016 at 23:08 - Reply

    Parabéns e obrigado por disponibilizar material tão rico e esclarecedor de informações! Muito bom os links, um guia realmente muito bom para iniciantes, como é o meu caso!

    Pena, que ainda não consegui dinheiro dinheiro disponível para iniciar os investimentos, o pouco que tenho estou guardando na poupança, por enquanto, mas por nao passar de 10 mil, e porque preciso de liquidez!

    Porem, se eu conseguir aumentar meu bolo financeiro, ja estou me conscientizando das melhores opções, mas ainda estou longe de dominar a questão!

    Agora como é gritante a nossa taxa real de juros comparada à outros países!! Sinceramente, isto não é um problema serio para o país? Por prejudicar todo o setor produtivo, os consumidores e trabalhadores em virtude dos juros altos que acaba por favorecer positivamente somente “os rentistas” , aumentando o sacrifício de toda população e do setor produtivo, para pagar juros da dívida pública, em detrimento da maioria do povo e a favor de uns poucos investidores? Por mais que seja importante o dinheiro de investidores, mas não ao ponto de substituir a economia real, de base, a qualidade de vida da maioria da população e do setor produtivo. Pois, ao meu ver, pode apenas tornar-se capital especulativo, o que é um grande problema para o desenvolvimento soberano de um país. Sei que é assunto polêmico, porém não poderia me furtar a esta opinião e esclarecimentos concernente à questão, em momento tão delicado no campo político e economico que atravessamos, com repercussões que podem comprometer definitivamento nosso futuro enquanto nação em desenvolvimento!

    Primeira vez que comento aqui, e agradeço novamente a disponibilização de tanta informação, dicas e tudo mais sobre educação financeira, economia e etc. Ótimo trabalho

    • Leandro Ávila 2 de novembro de 2016 at 1:18 - Reply

      Oi Leo, você fala como se a culpa dos juros elevados fosse de quem empresta dinheiro para o governo (investidores e poupadores). Na verdade é isso que muitos políticos tentam colocar na cabeça das pessoas, pois dessa forma tiram a culpa do real culpado que são os políticos e o governo. Imagine se um amigo seu, totalmente irresponsável com suas contas, vive devendo todo mundo, vive fazendo dívida para pagar dívida, vive gastando mais do que ganha. Imagine que esse amigo pede dinheiro emprestado para você. Diante desse perfil do seu amigo, você emprestaria dinheiro cobrando juros baixos ou cobraria juros elevados pelo risco de levar um calote? Agora imagine que esse amigo fique espalhando para todo mundo que os problemas financeiros que ele vive é sua culpa, pois ele precisa trabalhar muito só para pagar juros. O mesmo acontece com o Brasil. Os países que conseguem se financiar oferendo juros baixos para as pessoas que tem dinheiro para emprestar, são justamente os países que possuem as contas públicas organizadas, são países de economia e estrutura política mais confiáveis. Para países como o Brasil, onde seus dois últimos ministros da fazenda foram vergonhosamente presos, onde a presidente foi afastada por crime de irresponsabilidade fiscal, onde o presidente anterior está prestes a ser preso por envolvimento em crimes, onde as maiores empresas do Brasil (estatais e privadas) estavam envolvidas em esquemas de desvio e roubo junto com partidos e políticos, não é entendido como um país sério. Juros é um reflexo da baixa credibilidade do país. Não cometa o erro de culpar os milhões de brasileiros que trabalham, poupam e investem emprestando dinheiro para o governo. A culpa é de quem faz mal uso desse dinheiro e não de quem empresta.

      • Fernando 3 de novembro de 2016 at 22:08 - Reply

        Palmas!

      • Dome 6 de novembro de 2016 at 16:09 - Reply

        Perfeito !

  57. Agton 1 de novembro de 2016 at 23:27 - Reply

    Parabéns Leandro pelo excelente artigo!

  58. José 1 de novembro de 2016 at 23:36 - Reply

    Excelente matéria.

  59. Marcelo Williams 1 de novembro de 2016 at 23:44 - Reply

    E a Verdade nos libertará! Obrigado por mais um texto esclarecedor.

  60. Manoel Carlos Farias Mota 2 de novembro de 2016 at 6:48 - Reply

    Parabéns Leandro. Fantástico, especialmente os gráficos, tabelas e as dicas para interpretação. Grande abraço.

  61. Demetrio 2 de novembro de 2016 at 7:50 - Reply

    Mais um excelente artigo, parabéns! Acompanho o clube já a um bom tempo, invisto majoritariamente em Renda Fixa e agora estou estudando investimento em ações. Eu comprei os livros digitais do Leandro e afirmo que valem a pena. Ele tem razão quando diz que o investimento em Educação é o melhor que existe. Por isso faço aqui uma pergunta e peço a reflexão de todos. Porque exitamos tanto em gastar, por exemplo, uns R$50,00/mês com livros ou cursos e não exitamos em nada em deixar a mesma quantia na mesa do boteco?

  62. Bruno 2 de novembro de 2016 at 8:29 - Reply

    Mais um ótimo artigo Leandro. Faz duas semanas que sou bombardeado com notícias de que renda fixa já era…

  63. RICARDO SANTIAGO 2 de novembro de 2016 at 8:38 - Reply

    Obrigado por mais essa aula professor!
    Abs,

  64. Roziani Gon 2 de novembro de 2016 at 8:47 - Reply

    Obrigado Leandro, concordo com vc, temos de filtrar informacoes q chegam ate nos de forma facil sem termos saido da inercia para procurar. Ha muito tempo me questiono sobre a veracidade das informacoes veiculadas em todas as midias e qdo comento com as pessoas q nem tudo q reluz e ouro elas fazem piada disso e que sou adepta da teoria da conspiracao. Enfim o fato e q infelizmente pra um ganhar o outro tem q perder entao e melhor q facam piada mesmo. Porque eu to no time dos q querem ganhar. Um abraco e sucesso pra vc.

    • Leandro Ávila 2 de novembro de 2016 at 11:05 - Reply

      Oi Roziani, o ideal é que ninguém tenha que perder. Quando você vai até um banco fazer um empréstimo, necessariamente você não precisa estar ali para perder. Quando você investe em uma LCA, você ganha, mas o agricultor na outra ponta que pegou seu dinheiro emprestado para investir na plantação, certamente espera ganhar mais do que os juros que irá pagar. Você só perde quando faz empréstimos sem saber o que está fazendo ou perde quando investe sem saber o que está fazendo. Quando alguém compra ou vende ações, só existe uma ponta perdedora se ela está tomando a decisão errada. Não é correto acreditar que para ganhar dinheiro alguém está perdendo dinheiro. As pessoas perdem quando não sabem o que estão fazendo em qualquer das pontas.

  65. Alison 2 de novembro de 2016 at 9:28 - Reply

    Leandro, sou correntista do BB e estou em fase de aprendizado no mundo de investimento financeiro. Quero investir em algo agora de baixo risco, sem burocracia e com facilidade de liquidez diária. Já abri conta em corretora, mas ainda estou estudando alguma aplicação no próprio BB que mim favoreça. Agora estou em dúvida entre o tesouro direto pela própria corretora (taxa zero de administração) e os fundos DI do BB (1% a taxa de administração). Os fundos DI poderiam render tanto quanto o tesouro nesta situação?

    • Leandro Ávila 2 de novembro de 2016 at 11:07 - Reply

      Oi Alison, sim, mas para isso a taxa administrativa precisa ser baixa. No Tesouro Direto, se você investir por uma corretora que não cobra taxa, seu custo será de 0,30% da custódia feita pela BM&FBOVESPA, sendo que você não terá que pagar o imposto (come-cotas) a cada 6 meses, como ocorre no fundo DI. Quando você investe em fundo DI deve saber que o banco certamente comprará títulos públicos, especialmente o Tesouro Selic.

  66. Cirino 2 de novembro de 2016 at 10:06 - Reply

    Mais um excelente artigo. Parabéns

  67. Jackson 2 de novembro de 2016 at 10:13 - Reply

    Sou iniciante em tudo que se refere a finanças pessoais. Estou começando a gostar do “negócio” por conta de seus comentários. Obrigado

    • Leandro Ávila 2 de novembro de 2016 at 11:08 - Reply

      Oi Jackson. Parabéns por ter começado e estar gostando!

  68. Sonia 2 de novembro de 2016 at 10:19 - Reply

    Quase cai numa “gelada”. Meu analista de investimentos estava me apavorando com o conjunto “renda fixa x queda selic” e eu quase passo parte das minhas aplicações para fundos inseguros. Agradeço MUITO seu artigo, que me deu a confiança e o conhecimento necessário para continua na renda fixa, já que minhas aplicações são para complemento de aposentadoria.

    • Leandro Ávila 2 de novembro de 2016 at 11:09 - Reply

      Oi Sonia, você pode investir em fundos multimercado, fundos de ações, não existe problema. O que você não pode fazer é investir sem entender o que está fazendo, apenas seguindo a recomendação de alguém que está ganhando comissão quando consegue convencer você a fazer esse tipo de investimento.

  69. Aguinaldo 2 de novembro de 2016 at 10:27 - Reply

    Obrigado , mais uma aula.

  70. Marcelo Barroso 2 de novembro de 2016 at 11:38 - Reply

    Muito bom e esclarecedor
    seu artigo Leandro. Obrigado!”

  71. Alysson 2 de novembro de 2016 at 12:08 - Reply

    Olá Leandro,

    Primeiramente, gostaria de parabeniza-lo pelo site. De excelente qualidade o conteúdo.
    Caso possível, gostaria de sua expertise em um caso.
    Recentemente adquiri títulos públicos pré-fixados com vencimento em 2023 com a taxa de 11,22%.
    Meu pensamento era ganhar com a queda da taxa selic. Gostaria de ter investido no começo do ano, quando a taxa estava em mais de 16%, mas não tinha o capital. Só de exemplo, quem investiu no referido título em janeiro desse ano poderia ganhar até 48% bruto caso vende-se o título agora.
    Acredito que cometi um equívoco ao investir nesse momento, parece-me que o título já incorporou a projeção da taxa de juros para os próximos anos e mesmo que a taxa selic continue seu movimento de queda, esses títulos não aumentaram seu valor no curto prazo. Estou certo na minha análise?
    Tenho um pouco de conhecimento em finanças, sempre leio artigos falando que quando a taxa selic está caindo é melhor investir em títulos pré-fixados para travar os juros e quando a taxa selic está subindo o melhor é investir nos pós fixados como Tesouro Selic, mas imaginei que estes eventos ocorreriam após o movimento de alta ou queda da taxa selic, ocorre que pelo que estou percebendo o mercado já se antecipa ao movimento com base apenas nas expectativas.
    Já escreveu ou conhece algum artigo que tente estimar a taxa dos títulos pré-fixados dada a projeção da taxa selic? Já procurei bastante algum artigo nesse sentido e ainda não achei.

    Desde já agradeço!

    • Leandro Ávila 2 de novembro de 2016 at 16:41 - Reply

      Olá Alysson, o título sempre reflete a taxa que o mercado espera ser justa receber até o vencimento, ou seja, as taxas sempre estão com as expectativas sobre o futuro incorporadas. Quando esse título oferecida 16% os investidores estavam pessimistas, acreditavam que se o governo continuasse fazendo mais do mesmo, ou seja, maquiando contas públicas e gastando mais do que arrecada, a inflação iria disparar e provavelmente os juros também. Naquele tempo 16% era a taxa que o mercado aceitava como suficiente diante daquele cenário. Hoje as expectativas são outras, amanhã serão outras, depois de amanhã pode mudar novamente e assim por diante. Hoje você acha que cometeu um equivoco, nada impede que até 2023 você considere que foi uma decisão acertada. O fato é que no dia que a taxa estava 11,22% ela só estava nesse patamar pelo fato de todos acharem que era uma boa decisão. Somente no futuro você saberá se foi uma boa decisão. Eu recomendo que não tente acertar o futuro. Tenha seus investimentos pós-fixados, seus investimentos prefixados e seus investimentos atrelados ao IPCA. Em um você terá retorno melhor que o outro e ficará com a média.

      • Alysson 3 de novembro de 2016 at 20:14 - Reply

        Obrigado pelo conselho.

  72. Paulo 2 de novembro de 2016 at 12:46 - Reply

    Caro mestre Leandro, me desculpe se minha pergunta é impertinente ou fruto de ignorância em conhecimentos financeiros. Mas gostaria de saber sua opinião sobre a eventual possibilidade de o governo vigente manipular o índice do IPCA futuramente, segurando-o forçosamente e artificialmente para patamares mais baixos e descolados dos preços praticados na realidade do mercado, objetivando maquiar os resultados da gestão econômica deste governo sobre a inflação. Esse risco existe? Se sim, quais seriam os impactos reais para os pequenos investidores pessoa física que aplicam suas parcas economias no Tesouro Direto? Obrigado pela atenção.

    • Leandro Ávila 2 de novembro de 2016 at 16:44 - Reply

      Oi Paulo. O governo que se impeachmado, cujo ministro foi preso e solto recentemente, tentou manipular o IPCA ao congelar preços que eram controlados pelo governo. No caso da energia elétrica eles até baixaram o preço da energia na força bruta, mesmo gerando prejuízos e dívidas para o setor elétrico. Congelaram preços de combustíveis e quebraram a Petrobras. Os impactos reais da tentativa de segurar a inflação podemos ver no IPCA de 2015 que passou dos 10%. Isso não afetou somente o investidor, afetou todas as pessoas, investidoras ou não. Na verdade quem tem investimentos foi menos afetado já que recebeu juros pelo que investiu. Quem deixou o dinheiro guardado em casa ou gastou tudo consumindo, esse sim perdeu bastante.

  73. Carlos 2 de novembro de 2016 at 13:01 - Reply

    Talvez nesse momento é segurar o investimento atrelado ao IPCA, há opções no mercado que pagam 7,5% +IPCA pra liquidez por um ano! É fato que o CDI e a inflação vão cair, agora o que não sabemos é se vão segurar o CDI por tanto tempo assim, acho difícil manterem juros reais de 6%…

    • Leandro Ávila 2 de novembro de 2016 at 16:45 - Reply

      Oi Carlos, pois é, não temos como saber quais serão os juros reais no futuro.

  74. João Paulo 2 de novembro de 2016 at 13:17 - Reply

    Leandro, basta mostra o exemplo da Venezuela.

    Quem está atrás de altas taxas de rendimento, gastem tudo que tem emprestando dinheiro para o governo da Venezuela.

    Não se assuste quando descobrir como funciona a ilusão.

    • Leandro Ávila 2 de novembro de 2016 at 16:49 - Reply

      Oi João. Na Venezuela a inflação anual está oficialmente em 180.90% ao ano. O problema é que nada lá que é oficial parece ser muito confiável. Já a taxa básica de juros está 21.99%. A Venezuela é o retrato de um povo que acredita em “Governo Grátis”.

  75. Sara 2 de novembro de 2016 at 13:21 - Reply

    Parabéns Leandro por mais um excelente artigo!

  76. Sarita Fiuza 2 de novembro de 2016 at 13:24 - Reply

    Parabéns Leandro por mais um excelente artigo! Gostaria que você comentasse em um dos seus artigos sobre como as eleições dos EUA afetam o Brasil. Nessa semana tivemos um aumento do câmbio e em muitos noticiários falaram que era devido a chance do Trump ganhar as eleições, sinceramente não entendi muito bem esse movimento do mercado. Abraços Sarita

    • Leandro Ávila 2 de novembro de 2016 at 16:54 - Reply

      Oi Sarina. Se o Trump ganhar teremos momentos de instabilidade global. Vou ver se escrevo sobre o tema nesta semana ou na outra.

  77. Roziani Gon 2 de novembro de 2016 at 13:29 - Reply

    Obrigada pela resposta Leandro.

  78. Amauri 2 de novembro de 2016 at 13:32 - Reply

    Caro Leandro, boa tarde! Parabéns! Conhecimento nunca é despesa, mas sim lucro! Sua análise é de um brilhantismo sem igual! Extremamente inteligente, de sinceridade sem igual e acima de tudo altamente educacional, de fácil leitura e compreensão eficiente!

  79. Rodrigo 2 de novembro de 2016 at 15:01 - Reply

    Olá Prof. Leandro, venho aqui parabenizar você por todo esses ensinamentos que me ajudaram tanto. Venho o acompanhando ha cerca de 6 meses e o conhecimento adquirido foi enorme. Fico feliz de ainda ter pessoas como você que gostam de compartilhar conhecimento. Atualmente, sou medico formado ha pouco mais de 1 ano e já consegui juntar uma boa quantia, indiretamente com sua ajuda. Se possível gostaria de tirar uma duvida, que não tem muita relação com esse post. Fiz um financiamento de um carro em 36x + uma entrada, com uma taxa de 1,4% mensal ( na época eu não tinha o dinheiro disponível e precisava do carro). Pago parcelas de 775 reais que não atrapalham meu orçamento atual. Gostaria de perguntar se seria mais vantajoso pagar o resto das parcelas de uma vez. Eu tenho o dinheiro disponível. Pergunto isso por que o desconto que o credor esta dando quitando de uma vez e tao pequeno. Digo, pagar e ter um rendimento menor de cerca de 10mil dos investimentos mas ter 775 reais todos os meses a mais para investir vale a pena? Agradeço desde já, um grande abraco e continue com esse trabalho fenomenal que você faz brilhantemente. Abraços.

    • Leandro Ávila 3 de novembro de 2016 at 7:13 - Reply

      Oi Rodrigo. Você precisa comparar os juros que está pagando com o juros que ganha ao investir. Se você paga 1,4% de juros e ao investir recebe 0,8% nem precisa fazer conta para perceber que você ganha mais eliminando a dívida.

  80. Marília 2 de novembro de 2016 at 16:13 - Reply

    Leandro,

    tenho acompanhado o seus posts. Obrigada pelos esclarecimentos, sempre.
    Eu concentro os meus investimentos em renda fica (tesouro, lci, lca, lc, cdb). Esta decis~são está atrelada a minha disponibilidade de aumentar meu conhecimento e principalmente de acompanhar o mercado, por isso opto por investimentos mais conservadores.
    Em geral busco escolher onde e como vou aplicar de acordo com um cálculo médio que faço do rendimento anual, com base nos índices correntes. Isso funcionava bem desde que eu havia começado a investir, pois a selic e o ipca não vinham sofrendo variações significativas. Mas o cenário está mudando…
    Você acha que esta análise ainda é válida, mas que pode melhorar se eu considerar também a expectativa de “delta” entre selic e ipca (ou seja, os juros reais)?
    E seria correto eu interpretar que com um expectativa de juros reais de 6% em um dado período, os investimentos vinculados ao ipca são vantajosos em relação a investimentos similares vinculados a selic, apenas quando for “ipca+6,xx”?
    Obrigada!

    • Leandro Ávila 3 de novembro de 2016 at 7:20 - Reply

      Oi Marília. A grande verdade é que, teoricamente, Tesouro IPCA, Tesouro Prefixado e Tesouro Selic sempre estão com taxas equilibradas. Se realmente existisse um desses investimentos melhor que o outro, rapidamente o mercado iria detectar isso e todas as pessoas iriam investir em apenas um desses investimentos. Isso não ocorre pois todos possuem questões futuras que não podem ser advinhadas no presente e por isso cada pessoa acaba escolhendo um como se estivesse fazendo uma aposta. Quando você escolhe Tesouro IPCA, você fez a aposta que é melhor ficar com uma taxa prefixada + uma taxa pós-fixada que dependerá da inflação. Quando você aposta em Tesouro Prefixado, você optou por ficar só com a taxa prefixada que já reflete as expectativas do título até o vencimento. Se foi um bom investimento ou não, só sabemos no futuro pois até lá teremos inflação e taxa de juros flutuante. O mesmo vale para o Tesouro Selic. Dessa forma não existe essa regra que você tentou formular.

  81. Jhonatan 2 de novembro de 2016 at 17:22 - Reply

    Olá!
    Você Leandro Ávila na área de exatas e Neil Barreto na área de humanas, estão mudando a minha. Aprendi demais nesse último ano. Aprendi a poupar e a gastar naquilo que realmente tem valor. Consegui quitar todas as dívidas esse ano e ainda está sobrando. Parceiro, continue nessa sua humildade.
    Meu muito obrigado!

  82. Rodrigo Alves 2 de novembro de 2016 at 18:22 - Reply

    Parabéns Leandro, grande artigo!

  83. Rafael 2 de novembro de 2016 at 19:10 - Reply

    Leandro, parabéns pelo seu empenho e dedicação, em nos orientar sobre as artimanhas que os grandes bancos usam para omitir informações sobre aplicações, suas colocações elucidam muitas dúvidas, fazendo com que os pequenos investidores, possam realmente terem ganhos reais, muita saúde e sucesso no seu dia a dia.

  84. Luciano 2 de novembro de 2016 at 19:43 - Reply

    Eu gosto muito desses artigos que você escreve Leandro. Fico até esperando quando vai sair um novo.

  85. Eduardo Sanches 2 de novembro de 2016 at 20:12 - Reply

    Parabéns Leandro por mais este artigo didático, direto e objetivo, concordo plenamente contigo sobre o investimento no conhecimento. Estou neste caminho e procuro compartilhar com o máximo de pessoas sempre.

  86. Jorge 2 de novembro de 2016 at 20:28 - Reply

    Inicialmente parabéns pelo site e conteúdo de excelente qualidade. Depois de ler sobre o tesouro direto estou necessitando de uma planilha que calcule aportes mensais com valores diferentes a cada mês. Todas planilhas que encontrei calculam um valor fixo. No entanto, na prática para quem começou a poupar é depositar valores diferentes a cada mês.

    Por isso peço sua ajuda, conhece ou vocês tem alguma planilha que calcula aportes mensais de valores diferentes a cada mês por um prazo determinado?

    • Leandro Ávila 3 de novembro de 2016 at 8:38 - Reply

      Oi Jorge, ainda não tenho essa planilha. Recomendo você acompanhar sua carteira como um tudo.

  87. LUIZ ANTONIO DE JESUS MACHADO MACHADO 2 de novembro de 2016 at 23:00 - Reply

    Leandro parabéns, ótimo seu post. Tenho um fundo di curto prazo taxa de 0,3% que já está na menor alíquota de IR para esse perfil de fundo (20%). Tenho a oportunidade de um CDB a 100% do CDI em um grande banco. Vale a pena resgatar e alocar no CDB ou permaneço com esse fundo curto prazo sofrendo come-cotas? Obs: é a minha reserva de emergência.

    • Leandro Ávila 3 de novembro de 2016 at 8:40 - Reply

      Oi Luiz, se vale ou não depende do que você espera, pois cada investimento tem suas vantagens e desvantagens. Exemplo: No fundo você pode sacar o dinheiro a qualquer momento. Nesse CDB você pode fazer isso ou o dinheiro vai ficar preso até o vencimento? A vantagem do CDB é que ele não tem come-cotas e nem essa cobrança de 0,3% ao ano.

  88. Thiago 2 de novembro de 2016 at 23:25 - Reply

    Boa noite Leandro.
    Primeiramente, gostaria de agradecer ao seu trabalho, porque desde que comecei a ler seus textos, minha vida mudou muito com relaçãos às finanças.. . Excelentes textos.. .
    Estou com uma dúvida, que talvez seja besta, mas que preciso que seja sanada.
    Em uma situação hipotética..
    Vamos imaginar que em 2013 iniciei um investimento com mil reais no tesouro selic 2021… de lá até julho de 2016 não tivesse feito nenhum aporte mais… então em agosto 2016 colocasse outros mil reais… com isso ficaria com algo em torno de dois mil reais, dependendo da rentabilidade que tivesse tido no período.. com isso, vamos imaginar que em dezembro de 2016 eu venha a precisar de todo o dinheiro investido..
    A minha pergunta é: pagarei quanto de imposto de renda?? Alíquota mínima, já que comecei o investimento há mais de 2 anos??? Alíquota máxima, já que o último aporte foi recente? Ou uma parte com alíquota mínima r outra com alíquota máxima??
    Obrigado desde já.. .
    Abraços..

    • Leandro Ávila 3 de novembro de 2016 at 8:42 - Reply

      Oi Thiago. Cada investimento será um investimento separado do outro e tratado de forma diferente no momento do saque e pagamento do IR.

      • Thiago 3 de novembro de 2016 at 14:55 - Reply

        Obrigado Leandro.. .
        O próprio site do tesouro já faz essa conta não faz??
        O valor que aparece líquido no extrato do site já é com tudo calculado e descontado ?

  89. Cesar Tanaka 3 de novembro de 2016 at 0:38 - Reply

    Parabéns por mais um artigo de qualidade. Esclareça-me uma dúvida, após um período de 2 anos o imposto de renda se torna mínimo em 15%. O IR é aplicado sobre a rentabilidade bruta, então se um investimento for baseado na SELIC cheia, por exemplo de 13,67% a rentabilidade líquida (fora corretagem e custódia) é de 13,67% x (100% – 85%) = 11,6195%. Se isso estiver correto a rentabilidade líquida, considerando uma inflação de 6,83%, será de 4,7895%.
    Procede?

    • Leandro Ávila 3 de novembro de 2016 at 8:45 - Reply

      Oi Cesar, você deve encontrar a rentabilidade real depois da líquida. A rentabilidade líquida vai depender de diversos fatores como a alíquota do IR que depende do prazo, sendo que existem investimentos de renda fixa que são isentos. Também existem tarifas, existem investimentos de renda fixa com os títulos públicos onde você paga taxas, mas quando investe em CDB, LCI e LCA não existe este tipo de taxa. Cada caso será um caso.

      • João Paulo 3 de novembro de 2016 at 23:10 - Reply

        Uma pegadinha importante, para qualquer coisa atrelada ao IPCA e que tenha cobrança de IR, é o fato de que o IR incide justamente sobre sobre o ganho total de renda, e não sobre o rendimento real.

        Isso faz com que os mesmos 15% de IR (alíquota mínima) incida sobre a parcela de contribuição do IPCA, o que na prática é cobrar 15% em cima de um montante que de fato você não recebeu (porque foi comido pela inflação no decorrer do tempo).

        Deste modo, mesmo investimentos que tem rendimentos atrelados ao IPCA, é mais interessante que o IPCA se mantenha baixo durante o período (torcer contra a inflação ou inflação 0, porém sem deflação, obviamente), pois só assim o IR será justo ao abocanhar seu rendimento.

        Corrija-me, por favor, se eu disser alguma besteira matemática ou conceitual.

        • Leandro Ávila 3 de novembro de 2016 at 23:58 - Reply

          Oi João. É interessante que o IPCA se mantenha baixo não importando qual modalidade de investimento. Se você investir em Tesouro SELIC e a inflação ficar colada na taxa Selic, você terá baixa rentabilidade, pois também terá IR sobre todo rendimento. Se for Tesouro Prefixado e a inflação disparar o risco dela passar a taxa fixa é até maior do que o investimento no Tesouro Selic, pois teoricamente o Banco Central aumenta os juros (acima da inflação) para combater inflação elevada. Se você tem imóveis e o IPCA está muito elevado, você perde dinheiro. Se você te um comércio, indústria e serviço e o IPCA está elevado, vai perder dinheiro se não conseguir repassar a inflação para os preços (e nem sempre isso é possível). Só quem realmente lucra com a inflação é o governo, pois ele é o maior credor do Brasil, quanto maior a inflação mais a dívida dele perde valor.

  90. LUIZ ANTONIO DE JESUS MACHADO MACHADO 3 de novembro de 2016 at 7:31 - Reply

    Ahhhhhh…os últimos 12 meses esse fundo rendeu 99% do CDI.

  91. Gonçalo 3 de novembro de 2016 at 8:30 - Reply

    Obrigado por mais um ótimo texto, Leandro!! Mais um que vai pro meu face! Abraços!!!!

  92. Claudio 3 de novembro de 2016 at 9:44 - Reply

    Mais um ótimo artigo Leandro, parabéns! Apesar de seguir seu conselho de investir em educação e procurar me tornar um investidor consciente, gostaria de pedir uma opinião: Estou concluindo o pagamento de um terreno e terei a partir do ano que vem um valor disponível mensalmente, e estou em dúvida se compro um apartamento em Fortaleza utilizando o valor da mensalidade ou se alavanco o investimento mensal no tesouro direto (Ipca+ em sua maioria). Penso em fazer um investimento com um valor razoável (alto para meu padrão) e estou na fase de acúmulo de capital. Qual sua opinião sobre isso? Desde já agradeço!

    • Leandro Ávila 3 de novembro de 2016 at 23:38 - Reply

      Oi Claudio, eu não tenho como responder o que é melhor. São duas coisas totalmente diferentes, que servem para propósitos diferentes. Um imóvel pode ser comprado para morar, alugar, vender, sendo que em cada cidade existem bons imóveis e imóveis ruins para cada uma das modalidades.

      • Claudio 4 de novembro de 2016 at 8:03 - Reply

        Ok, e muito obrigado pela atenção Leandro!

  93. Alan 3 de novembro de 2016 at 10:25 - Reply

    Poderia nos dar sugestões de site sobre investimentos não tendenciosos para que possamos saber mais o que acontece no mundo da renda fixa sem “sermos enganados”.
    Seu site para mim é o melhor de todos porque tem a lição mais importante de todas, nos incentiva a estudar e sermos independentes na hora de gerirmos nosso dinheiro.

    • Leandro Ávila 3 de novembro de 2016 at 23:46 - Reply

      Oi Alan. Você precisa olhar como o autor do site está financiando o projeto. Aqui no Clube dos Poupadores quem paga pelos custos que tenho para manter o site funcionando e o tempo e dedicação que invisto aqui são os meus leitores. São as pessoas que compram meus livros que fornecem os recursos necessários para que o site se mantenha economicamente viável. Existem sites sobre educação financeira que são patrocinados por corretoras e bancos. Existem sites que são mantidos por pessoas que trabalham para corretoras, como os agentes autônomos, que são remunerados quando você se torna cliente deles. Tem gente que cria sites e oferece consultoria ou vende relatórios com recomendações de investimento. Essas pessoas não estão enganando ninguém, a maioria deixa claro que é patrocinado, que trabalha para corretor, que vende análise de investimento. Você é que deve avaliar qual site fala coisas que fazem sentido para você.

  94. Luiz Vale 3 de novembro de 2016 at 10:36 - Reply

    “Muito bom e esclarecedores seus artigos. Sempre que possível estou melhorando os meus conhecimentos graças aos seus artigos”. Obrigado!”…

  95. Paulo Garcia 3 de novembro de 2016 at 11:23 - Reply

    Boa tarde Leandro!

    Mais um excelente texto.

    Ontem conversava com um amigo sobre investimentos… utilizar corretoras e tal… e apresentei a ele o seu blog. Sobre como você prega a educação financeira das pessoas ao invés de indicar onde investir.

    Falei pra ele sobre taxa selic e inflação (juros reais), sobre as indicações dos bancos e corretoras que são boas para eles, não necessariamente boas para quem esta investindo.

    Lendo esse texto agora percebo que estou aprendendo bastante com o seu blog. Muito obrigado pelos ensinamentos.

  96. Bruno 3 de novembro de 2016 at 15:43 - Reply

    Sempre que recebo uma notificação de artigo novo venho correndo ler. Já acompanho o site a bastante tempo e durante todo esse tempo ainda não vi um artigo mal elaborado ou de difícil entendimento.
    Parabéns pelo trabalho Leandro.

    Estou querendo estudar os Fundos Imobiliários para diversificar meus investimentos, você teria alguma dica de material (livro, curso, etc.) sobre esses fundos?

    Agradeço desde já.

    • Leandro Ávila 3 de novembro de 2016 at 23:51 - Reply

      Oi Bruno, Prof. Eduardinho tem um curso sobre isso, lá dentro existe um fórum e ferramentas que ele utiliza nos investimentos pessoais dele. Visite aqui.

  97. Luiz 3 de novembro de 2016 at 16:01 - Reply

    Que coteudo maravilhoso Parabéns !

    Gostaria da sua opinião vou começar a guardar dinheiro para comprar um imóvel meu intuito é levantar o valor de uma entrada de 60 a 80 mil para comprar algo que será meu pretendo comprar algum empreendimento na planta, eu estou querendo colocar dinheiro no tesouro direto para esta meta quero conseguir levantar esses valores no máximo em 5 anos seria uma boa colocar esse dinheiro para render no tesouro ? Eu faria depósitos mensais obrigado ..

    • Leandro Ávila 3 de novembro de 2016 at 23:54 - Reply

      Oi Luiz, é um investimento seguro. Basta você olhar os títulos que possuem vencimento para 5 anos. Se existir risco de precisar do dinheiro antes disso, o Tesouro Selic é o título que pode ser vendido antecipadamente com menos perdas. Como educador o que posso recomendar é que você estude o funcionamento dos títulos públicos antes de investir.

      • Pablo Sanchez 4 de novembro de 2016 at 1:13 - Reply

        Oi Leandro, como assim o “Tesouro Selic é o título que pode ser vendido antecipadamente com menos perdas”? Entendi que a venda antecipada dos títulos do Tesouro Selic, desde que não seja em curtíssimo prazo, traz sempre lucro. Estou errado?

        • Leandro Ávila 7 de novembro de 2016 at 8:44 - Reply

          Oi Pablo. Se você comparar o que irá receber se ficar com o título até o vencimento e o que irá receber se vender o título antecipadamente ocorrerá uma perda de rentabilidade, isso não significa que você exista a possibilidade de você receber menos do que investiu. Caso não tenha entendido eu recomendo que releia os artigos que escrevi sobre o funcionamento do Tesouro Selic, existem artigos onde mostro a matemática que envolve o título.

    • João Paulo 4 de novembro de 2016 at 7:01 - Reply

      Será mesmo que você quer comprar um imóvel?
      Você precisa de “algo que será seu” para suprir sua demanda de moradia?

      Se tem algo maior que o Leandro ensina, é justamente empregar a Filosofia nas nossa vidas cotidianas, questionar o óbvio e perceber que as ideias pertencentes ao senso comum não existem à toa, isto é, alguém se beneficia muito economicamente quando você cegamente segue os valores incrustados em sua sociedade.

      De crescente importância é o fato que nós, das novas gerações, estamos aprendendo a diferenciar acesso a bens/serviços do conceito de posse, de modo que a vida é muito mais simples/leve/melhor quando se tem menos propriedades “passivas” e se concentra o patrimônio em “ativos”, o que gera à criação de tempo livre ao invés de mais consumo dos seus recursos (em impostos, manutenções, seguros e depreciações).

  98. Marina Mils 4 de novembro de 2016 at 7:13 - Reply

    Gostei muito da comparação dos economistas com metereologistas!
    Você calculou a rentabilidade real de 2016 como 6,4027%. Supondo um CDB de um ano, depois que descontar o IR, sobra alguma coisa no positivo?

  99. marcos 4 de novembro de 2016 at 12:59 - Reply

    Leandro, muito bom esse texto, bem explicativo! Estive lendo sobre como investir em ações com pouco dinheiro, mas tive uma dúvida se realmente vale a pena. Pois as corretoras cobram diversas taxas, como: taxa de corretagem, taxa de custódia, etc. Como avaliar o quanto devo investir para que o rendimento que obtenho das ações não pulverize nas taxas pagas?

    • Leandro Ávila 7 de novembro de 2016 at 8:48 - Reply

      Oi Marcos. Ao comprar ações você terá um custo inicial elevado devido a taxa de corretagem. Quanto mais você comprar e logo depois vender o que comprou, melhor para a corretora pois ela lucra na sua compra e venda. Por isso eles fazem grande esforço para ficar recomendando a compra e venda de ações. Já se você fizer compras de boas empresas, com foco no longo prazo, você não terá esses custos de corretagem com frequência.

  100. Ricardo 4 de novembro de 2016 at 13:05 - Reply

    Parabéns por fazer da educação financeira das pessoas sua missão de vida!! Muito bom o artigo.. Sou fã do seu trabalho Leandro!!!

  101. Roberto 4 de novembro de 2016 at 20:36 - Reply

    Ola Leandro.

    Outro excelente artigo, temos que lembrar que haverá eleições em 2018 e como todos sabemos nosso país é um caos só em relação a dependência politica x econômica, ou seja talvez poderá não haver manipulação como houve em 2014, porém é fato que a estrutura de nosso sistema financeiro é no minimo duvidoso e crer em políticos benfeitores desta nação é colocar em duvida nossa sapiência oriunda. Eu mesmo depois de uns erros a qual aportei 80% em titulos pré-fixados em 2013 estou aguardando ansiosamente para o vencimento e decidir diversificar apesar de não ter tido perdas expressivas, porém minha rentabilidade real foi abaixo do que tinha planejado. Agradeço a cada dia poder ler seus artigos e aprender cada dia mais sobre algo que uma boa parcela desconhece totalmente..longa vida Leandro..

    • Leandro Ávila 7 de novembro de 2016 at 8:52 - Reply

      Oi Roberto. Seria bom não concentrar mais todos os seus investimentos em uma única modalidade de título. O grande problema é que ao investir em qualquer título você está fazendo uma aposta sobre o futuro. No caso de investir em Tesouro Prefixado em 2013 você provavelmente apostou em juros ainda menores no futuro e uma inflação baixa. Ocorreu exatamente o contrário. É impossível prever o futuro e quando não sabemos o futuro e não queremos colocar todas as nossas fixas em uma única opção, o melhor é diversificar. Você não ganha acertando na mosca, mas você fica com a média e se contenta com isso.

  102. Josenildo Batista 5 de novembro de 2016 at 13:02 - Reply

    Não tem muito relação com o assunto, mais achei interessante:
    http://www.porque.com.br/transmissao-ao-vivo-pec-e-saude-ta-assim-por-que/

  103. Fausto 5 de novembro de 2016 at 17:52 - Reply

    Parabéns professor. Sempre nos contemplando com textos transparentes, simples e brilhantes. Para acreditarmos primeiramente que somente com o estudo é que poderemos ter sucesso. Muito obrigado.

  104. Wellington 5 de novembro de 2016 at 19:36 - Reply

    Leandro, no caso de uma separação, se comprei títulos com meu dinheiro no decorrer do casamento, terei que dividir com a ex?

    • Leandro Ávila 7 de novembro de 2016 at 8:55 - Reply

      Oi Wellington, dependendo do regime adotado no casamento, todo dinheiro que você ganhou e todo dinheiro que ela ganhou depois do casamento são dos dois. Não importa se você usou esse dinheiro para comprar títulos públicos, para comprar uma televisão de alta tecnologia ou se comprou um terreno. Tudo que foi adquirido depois precisa ser dividido. O bom mesmo é fazer isso logo, deixar logo tudo dividido antes da briga. A vantagem é que no momento da separação o patrimônio já esta todo dividido e vocês vão economizar um bom dinheiro com advogados.

      • Wellington 7 de novembro de 2016 at 14:54 - Reply

        há algum regime ou forma contratual em que tudo o que conquistei com meu dinheiro continuará a ser meu?

        • Leandro Ávila 7 de novembro de 2016 at 15:27 - Reply

          Oi Wellington. Existe o casamento pelo regime de separação total de bens. Neste caso tudo é separado. Normalmente as pessoas casam pelo regime de comunhão parcial de bens onde somente os bens depois do casamento é que são divididos entre os dois.

  105. Edison 5 de novembro de 2016 at 20:11 - Reply

    Olá professor, sou um poupador a alguns anos e o que percebo é que as taxas pagas por TD, LCI, CDB ETC, servem apenas para manter o poder de compra e que descontadas as taxas bancárias e IR não rendem nem próximo da taxa SELIC, o que faz diferença mesmo é o valor do aporte e a única maneira que vejo de vencer a inflação é investir em ações de boas empresas quando ocorrem quedas como no começo deste ano. Um exemplo são as ações do BRADESCO que custavam 15,00 no começo do ano e hoje custam mais de 30,00 sem contar com os dividendos.Me corrija se eu estiver errado pois tenho muito a aprender. Obrigado

    • Leandro Ávila 7 de novembro de 2016 at 9:02 - Reply

      Oi Edison, o único problema é o seguinte. Em maio de 2015 muita gente comprou ações do Bradesco por R$ 30,00 e poucos tiveram controle emocional para assistir o preço dessa ação atingir R$ 15,00 em janeiro de 2016. Pode ter certeza que muita gente vendeu as ações no meio do caminho assumindo enorme prejuízo. Imagine o que significa assistir uma queda tão violenta. Na outra ponta, pessoas compraram essas ações por 15,00 e assistiram o efeito contrário. Infelizmente são os pequenos investidores, os menos preparados que perdem dinheiro e geram lucros para os investidores mais preparados. Por esse motivo, a diferença entre ganhar ou perder na bolsa vai depender do seu nível de preparo, do investimento que você fez em você mesmo previamente.

  106. Victor Pinto 5 de novembro de 2016 at 21:59 - Reply

    Leandro, parabéns por mais um artigo esclarecedor.
    Você já pensou em criar um boletim estilo o Focus com pessoas de sua confiança que são isentas de opinião e interessadas na educação financeira?

    • Leandro Ávila 7 de novembro de 2016 at 9:09 - Reply

      Oi Victor. Seriam apenas chutes de pessoas da minha confiança. Crises econômicas, guerras, situações imprevisíveis acontecem a todo momento e como as economias do globo estão conectadas, a reação em todas elas é imediata. Prever a inflação, juros e outros números com anos de antecedência não é muito diferente de prever chuvas com um ano de antecedência. A única coisa que essas pesquisas podem avaliar são as expectativas sobre o futuro, ou seja, o que as pessoas pensam sobre o futuro sendo que isso só tem utilidade no presente já que os juros prefixados são um espelho dessas expectativas. Por isso as pesquisas são semanais, pois tudo munda a cada dia.

  107. Rafael Cardoso 6 de novembro de 2016 at 1:11 - Reply

    Parabéns pelo artigo, Leandro. Os seus textos continuam sendo indicados para amigos. Em reuniões que já fizemos para se discutir educação financeira e investimentos, comentamos sobre a evolução dos perfis de investidores. Nossos avós, de forma genérica, investiam em terrenos e imóveis. Naquela época, havia forte migração do campo para cidade e a demanda por terrenos e imóveis era forte. Nossos pais, também de forma genérica, investiram muito em poupança e, em sua maioria, colocaram todas as fichas do futuro nas mãos do quase implodido INSS. Não é certo ou errado, foram apenas perfis diferentes. Nós somos uma geração mais empreendedora, que procura investir em capital com o intuito de parar de vender nosso tempo para empresas. Este é o nosso conceito de aposentadoria. Para a próxima geração, acredito que a diferença é que eles investirão mais em renda variável do que nós. De maneira otimista, espera-se que o mercado de capitais brasileiro esteja mais maduro na geração vindoura. Atualmente, estamos num país que privilegia a “agiotagem” do que o investimento em empresas privadas. “Emprestar” dinheiro para o Governo, com risco praticamente zero, é mais rentável (média de 3 anos) do que investir com risco no mercado de capital. É a nossa realidade atual e temos que aproveitar dessa situação. Torço bastante para que o país amadureça e que o investimento em capital tenha rentabilidade de capital muito acima de títulos públicos. Mas desacredito que será ainda na nossa geração.

    Obrigado pela sua sensatez, mais uma vez.

    • Leandro Ávila 7 de novembro de 2016 at 9:13 - Reply

      Oi Rafael, precisamos de uma geração de empreendedores. Pessoas que fundam empresas com o objetivo de vender produtos e serviços para o mundo todo (como ocorre entre jovens empreendedores nos EUA que possuem visão global). Temos muitos empreendedores no Brasil, só que a maioria pensa em abrir um food truck, sonha em vender shake de emagrecimento, perfumes e maquiagens, ou outros produtos de marketing multi nível. Somos empreendedores de esquina, temos o sonho de dominar o bairro, enquanto em outros países os jovens sonham em dominar mercados globais. Só que antes de formar empreendedores, precisamos formar poupadores, pois a poupança interna do Brasil é baixa, tem mais gente demandando dinheiro emprestado do que gente juntando dinheiro para emprestar (o que você chamou de agiotagem). Sem poupança não existe investimento. Sem alguém emprestando dinheiro, não tem dinheiro na outra ponta para emprestar aos empreendedores.

  108. Assir 6 de novembro de 2016 at 11:39 - Reply

    Olá Leandro.

    Mais um artigo muito bem escrito. Claríssima a explanação. Vale como dica e como um puxão de orelha lembrando que sempre devemos investir na educação financeira. Muito obrigado pelas dicas.

    Abraço

  109. josé afonso ferreira 7 de novembro de 2016 at 7:26 - Reply

    olá, sai da poupança e estou investindo na LCI, estou no caminho certo?

    • Leandro Ávila 7 de novembro de 2016 at 9:15 - Reply

      Oi José, se você fez esse tipo de pergunta é sinal que ainda não sabe se está no caminho certo e isso é um problema. Você deve ter certeza sobre o investimento que está fazendo. Essa certeza você só vai encontrar se investir primeiro na sua educação. Se você investir em LCI, LCA, CDB, tesouro, bolsa, ou qualquer outro investimento por ter lido alguém recomendando, você precisa entender o funcionamento dos investimentos para investir com segurança, sabendo o que está fazendo.

  110. Guilherme Costa 7 de novembro de 2016 at 10:36 - Reply

    Mais um artigo brilhante. Parabéns!!!!

  111. Guilherme Costa 7 de novembro de 2016 at 11:20 - Reply

    Oi Leandro,

    Apesar de ser farmacêutico industrial sempre fui um apaixonado por economia e política. Venho estudando bastante nos últimos dois anos. Gostaria de saber se o site bancodata.com.br é confiável para verificar a saúde financeira dos bancos. Não aplico no escuro.

    • Leandro Ávila 7 de novembro de 2016 at 13:16 - Reply

      Oi Guilherme, o banco data é um projeto pessoal. Uma pessoa que provavelmente enfrentava o mesmo problema de todos os pequenos investidores que é avaliar a saúde financeira das empresas, resolveu coletar dados que o Banco Central disponibiliza, através de uma planilha incompreensível, em um formato fácil de entender. É claro que o próprio Banco Central poderia criar um site para ajudar os investidores pequenos, tenho certeza que não falta equipe técnica e dinheiro para isso. O problema é a motivação. A quem interessa permitir que o pequeno investidor tenha acesso a informação? Felizmente existem pessoas que dedicam o tempo delas ajudando pessoas que não conhecem.

      • Guilherme Costa 9 de novembro de 2016 at 21:03 - Reply

        Leandro,
        Obrigado pela resposta. Sempre muito atencioso.

  112. silvana 7 de novembro de 2016 at 12:22 - Reply

    Leandro, emergência! Sou de outra geração, nunca administrei dinheiro!

    Recentemente recebi uma importância relativamente alta para o meu padrão (equivale a 1/3 de tudo o que tenho). Pedi orientação ao “gerente Estilo” do BB, que me obrigaram a ter. Ele fez aplicações em fundos de renda fixa, vgbl, lci e tem um pouco na poupança.

    Todos com rentabilidade equivalente à da poupança, se não forem menores!

    Estou estudando, até abri uma conta em uma corretora, mas estou insegura.

    Devo mudar para o Personalitté? Devo confiar nessa corretora, uma tal de Easynvest, para aplicar 25% do capital que possuo? Devo deixar tudo como está por meses, até eu ter minimamente noção das coisas?

    Por favor, ajuda emergencial aqui!

    Grata,

    • Leandro Ávila 7 de novembro de 2016 at 13:22 - Reply

      Oi Silvana. Infelizmente é isso que acontece quando não sabemos cuidar do nosso dinheiro. Eu já passei por essa fase. Sempre vai aparecer um gerente de banco, e uma instituição financeira que paga o salário dele, querendo cuidar do dinheiro para você, só que os interesses que serão defendidos não serão os seus, serão os interesses da instituição. De nada adianta mudar para o Personalitté se você continuar sem saber a cuidar do seu dinheiro. Lá também existem funcionários bem pagos para gerar o máximo de lucros para os bancos. De nada adianta abrir conta nas corretoras e ficar esperando que os funcionários da corretora defendam os seus interesses. A melhor coisa que você tem a fazer neste momento é dedicar tempo e ter um pouco de paciência para começar a entender como os investimentos funcionam. Isso é o mínimo, mesmo que você continua contando com a ajuda dos funcionários das instituições, só o fato de você demonstrar que entende o que ele está falando, já fará toda a diferença, pois você terá capacidade de questionar aquilo que ele está oferecendo, saberá fazer as perguntas corretas e saberá tomar decisões. Aqui no Clube dos Poupadores existem muitas informações nos artigos. No menu da parte superior do site existem livros e cursos que eu recomendo.

  113. Junior 7 de novembro de 2016 at 12:23 - Reply

    Leandro, pegando sua experiencia passada em investimentos e seguindo a disponibilidade do mercado (pegando altos e baixos da taxa de juros, crises, inflação, novas politicas, euforia, alocação de ativos, renda variavel e renda fixa), você acha que é possível no longo prazo, conseguir taxas reais acima de 1%a.m independente do cenário?
    Pergunto isso pois mesmo estudando bastante, analisando os cenários, mudando as estrategias, empreendendo, tenho conseguido nos últimos 3 anos, oscilar entre 0,8% e 1,2% a.m. Este 1% ao mês é o percentual que preciso hoje para manter minha liberdade financeira. Existe algum estudo ou parâmetro que indique isso que eu possa me embasar ou simplesmente estudar novas matrizes e conceitos como por exemplo o que disse Elon Musk: http://olhardigital.uol.com.br/pro/noticia/ceo-da-tesla-avanco-tecnologico-obrigara-adocao-de-renda-basica-universal/63689?
    Parabéns e obrigado por mais este artigo!

    • Leandro Ávila 7 de novembro de 2016 at 13:35 - Reply

      Oi Junior, grandes nomes da tecnologia costumam falar muita bobagem. Thomas J. Watson, ex-presidente da IBM, nos anos 40 opinou que não haveria espaço no mercado para mais do que cinco computadores no mundo. Ele provavelmente não imaginou que algumas décadas depois os computadores pessoais, pequenos e baratos seriam inventados. Na década de 80, Bill Gates, dono da Microfone que viabilizou a criação dos computadores pessoais disse que ninguém precisaria de mais de 640k de memória em um computador (isso é menos de 1MB). A renda básica é uma dessas grandes bobagens. Um mundo cheio de robôs será um mundo cheio de novos problemas e de novas oportunidades de emprego para pessoas dispostas a aprender. Com mão de obra barata (gerada pela robotização de tudo) o custo de vida será reduzido drasticamente. As pessoas vão precisar de menos dinheiro para ter o básico. Provavelmente seus netos, bisnetos e tataranetos poderão trabalhar 4 horas por dia, ou muito menos que isso, para gerar a renda necessária para ter um ótimo padrão de vida. A única coisa que eles vão aprender na escola é aprender a aprender. Novos conhecimentos serão gerados de forma tão rápida que será totalmente inútil aprender qualquer coisa na escola. Você só vai aprender a ter a capacidade de aprender. Todas as profissões irão se desatualizar rapidamente e todos terão que aprender a todo momento. Quem trabalha com educação sempre terá alguma coisa para aprender com o objetivo de ensinar, não importa se você vai trabalhar ensinando pessoas ou ensinando robôs. Sobre juros, é possível ter rentabilidades absurdamente elevadas, tudo depende do seu conhecimento sobre o mundo dos investimentos.

  114. Alsthon 7 de novembro de 2016 at 13:33 - Reply

    Olá Leandro, devemos levar em consideração ainda o IR sobre a rentabilidade real certo?

    Parabéns pelo excelente artigo informativo, como sempre.

    • Leandro Ávila 7 de novembro de 2016 at 13:35 - Reply

      Oi Alsthon, sim, mas isso depende se o investimento que você fez tem ou não tem IR.

  115. Daniel 8 de novembro de 2016 at 8:51 - Reply

    Oi Leandro!
    Pelo que entendi, vc ensina calcular o juro real dos investimentos atrelados ao CDI. Mas e quando é atrelado a outros indicadores? Por exemplo, CDB 6,5% + IPCA. O cálculo é o mesmo (selic menos IPCA)?
    Obrigado pelos seus ensinamentos!

    • Leandro Ávila 10 de novembro de 2016 at 8:21 - Reply

      Oi Daniel, se você tem um investimento que paga juros + IPCA, você já tem um ganho real indicado por esses juros que você recebe acima do IPCA

      • Daniel 10 de novembro de 2016 at 15:56 - Reply

        Valeu, Leandro! Obrigado!

  116. Ana Carolina Mello 8 de novembro de 2016 at 10:41 - Reply

    Leandro, parabéns! Sou educadora financeira e adoro suas publicações. São bastante didáticas e fáceis de entender. Obrigada por compartilhar seu conhecimento.

  117. Eduardo 9 de novembro de 2016 at 23:05 - Reply

    Leandro, boa noite !

    Não sei se nesse artigo o meu questionamento se encaixa, mas você possui algum artigo para empreendedores que querem obter algum tipo de empréstimo ou financiamento ? Vantagens, desvantagens de obter empréstimos ou financiamentos com carências para pessoas que já tem um bom nível de educação financeira e querem ser donas do negócio próprio. Pois como sabemos nem todo mundo possui um capital suficiente para alocar em um negócio próprio, o que você pode dizer ?
    um abraço e sucesso !

    • Leandro Ávila 10 de novembro de 2016 at 8:24 - Reply

      Oi Eduardo, não tenho artigo sobre financiamentos e empréstimos. Eu recomendo que as pessoas que querem investir criem um projeto, façam um plano para poder economizar e investir o próprio dinheiro para depender o mínimo possível de qualquer financiamento para abrir o negócio. Isso é plenamente possível, especialmente se a pessoa começar pequena e crescer aos poucos. Já para aqueles que precisam de grandes empréstimos e o negócio já começa grande o risco é mais elevado e a competência precisa ser maior.

  118. Eduardo 10 de novembro de 2016 at 11:27 - Reply

    Bom dia, obrigado !

    Concordo, mas existem financiamentos especiais com carências de 6M a 12M para inicio de pagamento, você não acha que dessa forma o negócio já não começa a se pagar ? Justamente para crescer aos poucos, refiro a pequenos financiamentos, para o pequeno empresário.
    Você acha que em uma situação dessa vale a pena usar alguma reserva que você tem ? pois nesse caso o investimento é sem carência alguma.

    um forte abraço!

    • Leandro Ávila 22 de novembro de 2016 at 10:51 - Reply

      Oi Eduardo. É uma questão matemática, vai depender das condições do financiamento.

  119. laerte 11 de novembro de 2016 at 12:43 - Reply

    Olá Leandro,
    Qual investimento é mais rentável, IPCA+ 7,60 ou 14 % , os dois vencimento de um ano.

    • Leandro Ávila 13 de novembro de 2016 at 21:06 - Reply

      Oi Laerte. Você só saberá essa resposta no futuro. Não é possível saber antecipadamente qual será o IPCA (inflação) no futuro.

  120. Claudinei Fernandes 11 de novembro de 2016 at 17:36 - Reply

    Belo post, Leandro. Muito obrigado.

  121. Jorge 13 de novembro de 2016 at 18:30 - Reply

    Leandro Boa Noite,

    Parabéns pelo artigo, li nos comentários acima que Pessoalmente o senhor divide os seus investimentos em Tesouro Direto em títulos prefixados, pós-fixados e atrelados a inflação… estou começando meus investimentos agora em renda fixa e gostaria de saber quantos porcento o senhor coloca em cada titulo desses?
    Obrigado!

    • Leandro Ávila 13 de novembro de 2016 at 21:08 - Reply

      Oi Jorge, não existe uma regra para isso, uma receita de bolo ideal que funcione para todos.

  122. Alex 16 de novembro de 2016 at 10:44 - Reply

    Com esse cenário, tesouro ntnb principal 2019 e 2035. vale a pena mantê-los?

    • Leandro Ávila 22 de novembro de 2016 at 10:50 - Reply

      Oi Alex. Eu recomendo que você estude o funcionamento do Tesouro IPCA, aqui temos vários artigos sobre ele. Sua insegurança significa que você não entendeu direito o funcionamento do título e nesses longos artigos eu explico de forma bem detalhada. É fundamental entender antes de investir. Minha opinião não vale nada, a sua educação é que vale.

  123. Renan Nascimento 21 de novembro de 2016 at 16:35 - Reply

    Meu amigo, só um comentário:

    Tu é muito fera!!!! não ceda as possíveis pressões externas que talvez receba em falar sempre a verdade, sem maquiagem, você está abrindo os olhos de muita gente!!!

    Parabéns!

  124. WEIGLE 22 de novembro de 2016 at 9:21 - Reply

    Leandro
    Vc sempre excelente em suas análises.

    Muito obrigado por sempre compartilhas verdadeiras jóias de artigos.. sempre indico aos meus amigos o seu site.

Leave A Comment

Share this

Compartilhe com um amigo