Ganho pouco – Poupar e Investir


Uma leitora deixou o seguinte comentário:

“Confesso que, ao ler esse texto, fiquei angustiada. Juntar dinheiro para provisões, reservas de emergência, aposentadoria, deixar uma quantia para os gastos fixos e variáveis mensais. Coloquei na ponta do lápis. Minha renda não dá para tudo isso. Alguma dica?” – A.A.

A resposta que tenho para essa leitora é dura vale para todos os outros leitores que iniciam seus comentários com as palavras: “eu ganho pouco…”. Quando ganhamos pouco só temos dois caminhos a seguir. O caminho da ignorância e o da consciência.

O caminho da ignorância ou o da consciência

O caminho da ignorância é mais fácil e confortável no presente, mas cobra um preço caro no futuro. O caminho da consciência representa assumir a responsabilidade de encarar a verdade de frente, sem medo do desconforto que isso irá provocar.

Quando as pessoas iniciam a própria educação financeira, através dos meus textos e livros, elas descrevem que se sentem levando tapas de realidade no rosto. Ter contato com a dura realidade do mundo do dinheiro é equivalente a estar em um quarto escuro e, de repente, abrir uma janela permitindo que a luz do sol entre com toda a sua força. A luz do conhecimento provoca um forte incômodo naquele que ficou muito tempo nas sombras da ignorância.

Se os primeiros contatos com a educação financeira deixam você angustiado, isso é um bom sinal. Significa que você entendeu a seriedade das questões e sentiu o peso da responsabilidade que você tem com relação ao seu futuro.

É isso que incomoda muita gente. A responsabilidade que a liberdade financeira exige é um fardo que poucos querem carregar. Quando escrevi os artigos sobre cheque especial (leia aqui) e crédito consignado (leia aqui) muitos perceberam que só recorrem a esses meios de crédito por ganharem pouco ou por não saberem como estão gastando o pouco que ganham. No fundo, a busca por crédito rápido e fácil funciona como uma muleta ou como um encosto que permite empurrar os problemas com a barriga.

Quando as pessoas descobrem que deveriam ter suas próprias reservas e provisões para não dependerem dos bancos, a angustia fica maior ainda. Quando descobrem que além de fazer reservas ainda precisam pensar na aposentadoria, bate aquele desespero.

Quanto mais o seu estilo de vida exigir a compra de coisas, maior sua dependência por essas coisas.

Cada objeto que você coloca na sua vida será uma nova coisa que demandará sua atenção, seus cuidados e o seu dinheiro. Quem depende de uma vida repleta de bens materiais para ser feliz acaba ficando escravo desses bens. Não é você que tem bens, são os bens que têm você.

Quanto mais temos, mais dinheiro precisamos para manter. Isso significa mais tempo, mais esforço, mais trabalho para a manutenção das estruturas da nossa vida.

Você pode ignorar tudo isso que falei. Pode passar a vida amontoando coisas na sua casa, no seu guarda-roupa e naquele quarto sem utilidade onde você empilha as suas extravagancias e exageros de consumo. Ignore o fato de que todas essas coisas irão quebrar, envelhecer e um dia deverão ser substituídas consumindo mais tempo, trabalho e dinheiro.

Finja que o seu smartphone nunca irá quebrar e desatualizar. Finja que o seu carro não precisará de manutenção, troca de óleo e bateria. Pegue o dinheiro que você deveria manter nas suas provisões e compre mais e mais bens. Ao fazer isso você seguirá o caminho da ignorância financeira. Nunca será capaz de poupar nada ou construir um patrimônio de valor. Você sempre estará atarefado gastando seus recursos para acumular mais quinquilharias em um ciclo vicioso sem fim.

Eu conheço pessoas que não cuidam dos seus bens com o devido zelo para que possam quebrar rapidamente e isso justifique a compra de um novo. Conheço aquele que prefere comprar produtos de péssima qualidade para que durem pouco e possa ser trocado rapidamente. Atitudes que beiram a insanidade.

O mesmo vale para as despesas com emergências. Você deve considerar que imprevistos podem ocorrer. Hoje você acordou empregado e com boa saúde? Aproveite, pois sempre existe o risco de ser o seu último dia no seu emprego. O supermercado, a empresa de água, luz, internet, o banco onde você fez um empréstimo, eles não se importam se você está ou não empregado, se você tem ou não tem renda para pagar todas as suas despesas fixas.

Se você tem o mínimo de consciência sobre o fato de que coisas ruins podem ocorrer, você deveria ter o equivalente a alguns meses da sua renda mensal guardada em algum investimento. Na falta da sua renda mensal, você terá condições para viver com dignidade até conseguir um novo emprego. Não será necessário ficar devendo a ninguém, não será necessário assistir a sua família sofrendo privações diante do desemprego. Já escrevi sobre reserva de emergência, leia aqui.

Sim, juntar o equivalente a 3, 6 ou até 12 meses da sua própria renda é um sacrifício. Se você acredita que o sacrifício é muito grande, também existe o caminho da ignorância. Basta ignorar que as pessoas são demitidas, que sofrem acidentes, que ficam doentes, que passam por situações onde não conseguem ganhar o próprio sustento por algum tempo. Quando isso ocorrer, você não terá recursos, mas terá muitas desculpas para incomodar os seus parentes e os seus amigos pedindo dinheiro emprestado. Pode ter certeza que se a ajuda fosse negada isso seria ótimo para o seu amadurecimento.

Quando o assunto é aposentadoria a realidade não é menos dura. Você pode simplesmente fingir que não irá envelhecer. Existem aqueles que apostam que vão morrer jovens e fazem um grande esforço para que isso aconteça. Gastam tudo que ganham, abusam das bebidas alcoólicas, da alimentação exagerada, abusam da promiscuidade e levam uma vida descontrolada, sem limites, afogada nos exageros dos sentidos.

É através desse grande esforço que as pessoas constroem uma ilusão que chamam de vida, torcendo para que os seus exageros as levem para um fim breve, sem a necessidade de preocupações com a aposentadoria.

Poupar dinheiro para ter uma boa aposentadoria significa estar disposto a acumular uma grande quantidade de recursos. São décadas de esforços para poupar centenas de milhares ou até milhões para ter o mínimo de independência financeira. É essa independência que permitirá ter os recursos necessários para manter uma vida digna diante das limitações da idade.

Você pode escolher a ignorância. O dinheiro que iria poupar para sua aposentadoria, você pode gastar hoje mesmo. Basta executar o plano de levar uma vida repleta de exageros para encurtar a sua existência e a necessidade de ter recursos para mantê-la na velhice. Você só precisa ter o cuidado de fazer isso da melhor forma possível. Se você tiver o “azar” de chegar na sua velhice sem os recursos necessários para manter sua própria vida, terá que contar com a boa vontade dos seus filhos. Se não tiver filhos ou se eles também estiverem abusando da própria vida (seguindo o exemplo dos pais) você provavelmente dependerá do governo ou da caridade dos seus amigos e outros parentes, isso se eles também não tiverem seguido o mesmo caminho de uma vida desregrada. Já falei sobre aposentadoria em uma série de artigos.

Ganho pouco. E agora?

Só percebemos que estamos ganhando pouco quando colocamos na ponta do lápis toda a responsabilidade que temos no presente com relação a qualidade de vida que queremos no futuro.

Não ter recursos diante de um problema significa potencializar o seu sofrimento. Ter suas reservas para que a falta do dinheiro não se transforme em um problema adicional ou em fonte de sofrimento extra, exige muita dedicação e esforço durante toda a vida.

Se você ganha pouco, comece a colocar sua cabeça para funcionar e mude essa realidade. Se você ganha pouco é provável que esteja fazendo alguma coisa errada. Provavelmente você vive uma das situações abaixo:

  • Ganha pouco pelo fato do seu trabalho valer pouco. Se você escolheu uma profissão pouco valorizada, esforce-se para buscar uma que possa agregar mais valor na vida das pessoas. Sua remuneração depende do valor que você é capaz de entregar e o reconhecimento das pessoas. Se ninguém reconhece o seu trabalho e a culpa não é sua, mude.
  • Ganha pouco por trabalhar mal. O mundo está repleto de profissionais incompetentes. Existem cozinheiros, médicos, advogados, engenheiros, professores, dentistas, empresários, cantores, jogadores de futebol e outros profissionais que fazem trabalhos porcos e de baixíssima qualidade. Fazem pouco e querem ganhar muito. Fazem um trabalho porco e querem ser valorizados. São profissionais medíocres que ganham rendas medíocres. Normalmente culpam tudo e todos com relação ao seu fracasso profissional, mas são incapazes de enxergar que existem profissionais na mesma área que são excelentes. Existem pessoas que buscam a excelência e se tornam profissionais excepcionais. Transforme essas pessoas excelentes em exemplos a serem seguidos.

Você também pode ganhar pouco por não gostar do que faz. Já ouviu falar de pessoas que trabalham por amor? Sem amor pelo seu trabalho você acaba se esforçando pouco, não melhora, não entrega o seu melhor, não é excelente e acaba sendo reconhecido pelo que faz de pior.

Se você não gosta de o que faz, deveria fazer um favor para você e para toda a sociedade. Mude imediatamente. Ninguém merece ser atendido por um profissional que odeia o próprio trabalho. É um desperdício em todos os sentidos. Você se tornará uma decepção para você e para todas as pessoas que tiverem o desprazer de conhecer o seu trabalho. O mundo fica um pouco pior sempre que alguém exerce uma atividade a contragosto ou com desgosto.

Pior ainda é quando você faz aquilo que não gosta, entrega resultados medíocres, torna a vida dos seus clientes e colegas de trabalho um pouco pior a cada dia, e ainda fala para todos que só faz esse trabalho pelo dinheiro. A sua ignorância não permite enxergar o crime que está cometendo contra você mesmo, pois o seu sofrimento foi precificado, a sua vida foi precificada e certamente ela vale muito pouco. Nessas condições, você estará condenado(a) a ganhar sempre muito pouco.

Para merecer mais, invista em você e seja uma pessoa excelente em todos os sentidos. Você tem e sempre terá a vida que merece, o trabalho que merece e o salário que merece. Primeiro, mereça mais, o resto lhe será dado como acrescimento.

By |16/03/2017|Categories: Trabalho|225 Comments

About the Author:

Leandro Ávila é administrador de empresas, educador independente especializado em Educação Financeira. Além de editor do Clube dos Poupadores é autor dos livros: Reeducação Financeira, Investidor Consciente, Investimentos que rendem mais, e livros sobre Como comprar e investir em imóveis.

225 Comments

  1. Renato Barbosa 16 de março de 2017 at 15:10 - Reply

    Boa Tarde Leandro,

    Ainda nem li o artigo, fiz questão de vir comentar e compartilhar primeiro. Sempre fico esperando anciosamente um novo conteúdo seu. Tenho certeza de que não sairei dessa página da mesma forma que entrei.
    Muito obrigado por compartilhar seu conhecimento.

    Saúde para continuar.

    Grande abraço!

    • Leandro Ávila 16 de março de 2017 at 16:08 - Reply

      Obrigado Renato. A ideia é sempre impactar e motivar para que as pessoas façam alguma coisa pelo bem delas mesmas.

    • joaquim 18 de março de 2017 at 2:40 - Reply

      Obrigado Leandro por vc existir e por tanto nos ensinar…Show..

  2. Wagner Bueno Cateb 16 de março de 2017 at 15:11 - Reply

    Concordo com o texto mas gostaria de acrescentar uma DICA para as pessoas que tem DIFICULDADE DE POUPAR, seja porque ganham pouco, seja porque gastam muito (sim, há muita gente que ganha bastante mas mesmo assim não consegue poupar). Se no fim do mês você gastou tudo o que ganhou e não dá mais para poupar, digamos, 10% da sua renda, INVERTA a ordem das coisas: poupe assim que você receber seus pagamentos. Separe os tais 10% assim que o dinheiro entrar, coloque na poupança ou em outra aplicação melhor (e existem muitas) e esqueça do dinheiro. Viva com os 90% que restarem. Vire-se com eles. Esqueça da parte que poupou e só recorra a ela em EMERGÊNCIAS ou quando tiver o suficiente para viabilizar os sonhos que PLANEJOU.

    • Leandro Ávila 16 de março de 2017 at 16:13 - Reply

      Oi Wagner. Obrigado pelo seu comentário. O caminho é esse mesmo. Pelas pesquisas que já fiz, o leitor do Clube dos Poupadores ganha muito bem, mas não sabe disso. Já recebi e-mail de uma médica, muito qualificada, que ganhava R$ 30 mil por mês e se queixava que isso era insuficiente para manter o padrão de vida dela, poupar e investir. Também já recebi mensagens de pessoas que ganhavam 1 ou 2 salários mínimos e que de alguma forma conseguiam viver, poupar e investir, mas que estavam acomodadas e não percebiam que era importante investir na sua própria carreira, pois somos o nosso melhor investimento. Muitas vezes um pequeno curso pode elevar o padrão de qualidade do seu trabalho e isso pode gerar um impacto positivo para sempre na sua profissão.

    • Alvaro Mirandela 17 de março de 2017 at 19:55 - Reply

      Parabéns Wagner, muito boa sua dica. No início da minha vida profissional ,fiz isso. Pois tinha um objetivo e valeu a pena….

  3. Frank 16 de março de 2017 at 15:30 - Reply

    Excelente texto. A verdade tem que ser dita!

  4. Daniel 16 de março de 2017 at 15:32 - Reply

    Artigo tapa na cara, confesso que mexeu comigo valeu Leandro

    • Leandro Ávila 16 de março de 2017 at 16:21 - Reply

      Oi Daniel. Parabéns. Se mexeu, alguma aresta que precisa ser lapidada foi atingida. Nossa vida precisa ser um processo contínuo de lapidação. Somos pedra bruta, cheia de arestas, cheia de imperfeições. Nossos resultados, em todas as áreas da vida, incluindo a financeira, depende disso.

  5. Marlon Erich Ruttmann 16 de março de 2017 at 15:37 - Reply

    Parabéns pelo texto, Leandro.

    Os últimos parágrafos mesmo, evocam uma reflexão muito profunda. Uma vida fazendo o que não se gosta de fazer é uma vida sem sentido algum!

    • Leandro Ávila 16 de março de 2017 at 16:24 - Reply

      Oi Marlon. A própria Vida, se fosse uma entidade, se frustaria diante de uma existência humana que não teve qualquer sentido.

      • Carla 21 de março de 2017 at 18:02 - Reply

        Que bela citação nessa resposta. Parabéns pelo texto.

  6. Ariadna 16 de março de 2017 at 15:42 - Reply

    Agradeço a atenção despendida.Grande abraço! Vou reler, pois fiquei igual boba vendo minha pergunta em um artigo. Adianto que gostei muito!

    • Leandro Ávila 16 de março de 2017 at 16:25 - Reply

      Oi Ariadna. Não foi nada pessoal. Irei recomendar este artigo para todos que fizerem o mesmo questionamento no futuro. Só tenho a agradecer por me inspirar a escrever este conteúdo.

  7. Sérgio 16 de março de 2017 at 15:45 - Reply

    Parabéns Leandro! Esse seu texto lembra “O mito da caverna” de Platão, as pessoas vivem acorrentadas sem perceber. E a liberdade só pode ser conquistada com a educação e com a força de vontade para quebrar as correntes. Tudo de bom, e continue realizando é excelente trabalho!

    • Leandro Ávila 16 de março de 2017 at 16:27 - Reply

      Oi Sérgio. A força da vontade humana, que é a única força capaz de se impor diante das forças instintivas (e ditatoriais) da nossa natureza primitiva.

  8. Alvaro Mota 16 de março de 2017 at 15:45 - Reply

    Ótimo artigo Leandro. Parabéns pelo belíssimo trabalho. Conheço pessoas que vivem com salário mínimo, vivem sem dívidas, possuem casa própria e ainda possuem reserva para emergência, e conheço também pessoas com salário de R$ 11.000,00 ou mais que vivem endividadas com carro financiado a 60 prestações, todo mês faz uso de cheque especial, endividado no cartão de crédito, etc. A principal diferença que vejo, é a forma como lidam com o dinheiro, uns com sabedoria e outros com ignorância financeira mesmo. Seus artigos são muito esclarecedores e certamente já ajudou muitos ignorantes financeiramente. Obrigado por dispor do seu tempo para disponibilizar conteúdo de alto nível.

    • Leandro Ávila 16 de março de 2017 at 16:30 - Reply

      Oi Alvaro. É o que mais vejo. Obrigado pelo comentário.

  9. Usuario1 16 de março de 2017 at 15:46 - Reply

    Arrumem essa configuração de site, por favor. Nem pra salvar como pdf e ler depois a coisa fica normal. Copiar e colar num arquivo de texto nem pensar, desconfigura tudo

    • Leandro Ávila 16 de março de 2017 at 16:30 - Reply

      Queixas…

    • sandro 17 de março de 2017 at 8:39 - Reply

      Aqui só não abre as fotos, bloqueado pela empresa. De resto está normal. Mas também já vi alguns sites com o recurso “Leitura Focada”, não sei o nome oficial. Poderia ser interessante.

    • Lucas 1 de maio de 2017 at 0:16 - Reply

      É só usar o aplicativo Pocket, tem pra celular e até pra computador….

  10. Bruno 16 de março de 2017 at 15:50 - Reply

    Quem quer fazer algo arruma um jeito, quem não quer fazer, arruma uma desculpa. O Brasil tem muito dessa cultura, em outros países que tive contato, inclusive considerados piores que o Brasil, as pessoas tem muito mais a reação de “Como vou resolver isso?” do que a atitude de dizer “Eu não faço isso, por causa daquilo.”. Me sinto triste de verdade por isso, poderiamos ser uma potência mundial se não fosse essa mentalidade. Espero que algum dia isso mude.

    • Leandro Ávila 16 de março de 2017 at 16:38 - Reply

      Oi Bruno. Engraçado é que um leitor anônimo acabou de reclamar por não conseguir imprimir os artigos. Como se a culpa fosse minha. Eu não sei por qual motivo ele não pode imprimir, mas tenho certeza que o fato de não poder imprimir não tira dele a possibilidade de ler o conteúdo online e tirar proveito do conteúdo gratuito, afinal de contas isso aqui é um site, não uma publicação impressa. Reclamar é sempre a opção mais fácil. Eu só posso lamentar.

  11. Luciano 16 de março de 2017 at 15:50 - Reply

    Leandro, parabéns pelo artigo. Por curiosidade, qual a fonte de onde geralmente retira as imagens que ilustram seus artigos?

    • Leandro Ávila 16 de março de 2017 at 16:40 - Reply

      Oi Luciano, neste artigo eu busquei obras de arte surrealistas. Nos resultados aparecem inúmeros sites que publicam montagens de artistas do mundo todo.

  12. Felipe 16 de março de 2017 at 15:51 - Reply

    Olá Leandro, como sempre, ótimo texto! Parabéns! Mais uma vez obrigado por compartilhar seus conhecimentos e dicas.

    Venho tentando passar aos meus conhecidos estas dicas que já me ajudaram e me ajudam muito, e de muitos deles ouço o seguinte:

    “Não possuo um salário fixo, não consigo nem saber quando vou ganhar ao final do mês, trabalho como autônomo e meu dinheiro entra conforme minhas vendas, não tendo um dia certo para cair em minha conta, meu dinheiro entra muito picado, etc..”

    Gostaria de sugerir uma publicação sua abordando este assunto, creio que o problema aí seja apenas organização, você tem alguma dica neste sentido?

    • Leandro Ávila 16 de março de 2017 at 16:42 - Reply

      Oi Felipe. O autônomo ou o que trabalha por resultado é um verdadeiro privilegiado, pois seus resultados só dependem do seu próprio esforço e do trabalho que fará para desenvolver novas habilidades e qualidades. Trabalhar e receber um salário fixo é um grande limitador. Quem trabalha e recebe o salário fixo reclama. Quem tem a flexibilidade de ter o céu como limite, também reclama. A arte está sempre em reclamar melhor que o outro.

  13. Luiz Henrique 16 de março de 2017 at 16:00 - Reply

    Caro Leandro, talvez seja um dos primeiros a ler este post. Admiro muito, muito o seu trabalho. Profissionais como você deveriam ser regra e não exceção. Não obstante, este post, com a máxima venia, merece mais do meu respeito do que da minha concordância, a partir do “Ganha Pouco e Agora”, em alguns trechos. Não vamos esquecer que estamos assolados pelo desemprego, no que costumo dizer que se parece com uma travessia de deserto, onde qualquer carona nas costas de uma cascavel pode ser um atalho à sobrevivência. Nem tão pouco ignorar que nos dias atuais, os empregadores estão dando as cartas, haja vistas a enorme demanda por um emprego. Então, para qualquer vaga, existe 22 milhões de candidatos, querendo fazer o dobro do você faz pela metade do que você ganha, pelo simples direito de comer. Forte abraço.

    • Leandro Ávila 16 de março de 2017 at 16:45 - Reply

      Oi Luiz. Acho que as pessoas deveriam pensar mais em trabalho do que emprego. O trabalho nunca faltará. Já o emprego, a própria tecnologia será o motivo da sua extinção. As pessoas precisam acordar para essa questão com urgência.

      • Mauricio 3 de abril de 2017 at 17:37 - Reply

        Compartilhamos o mesmo pensamento, Leandro! Parabéns a você pelos artigos, e fico feliz em ver tanta gente aqui, em concordância com a filosofia de trabalho, sucesso e prosperidade. Isso prova que este grau de consciência não é restrito a um grupo ou “elite”, mas a todos que têm a disposição de viver de modo inteligente e sustentável. Um abraço a todos!!

        • Leandro Ávila 7 de abril de 2017 at 7:07 - Reply

          Oi Mauricio. Todos nós nascemos com a capacidade de pensar, refletir, raciocinar. O problema é que o uso dessa capacidade é opcional. Você usa se quiser. Já as consequências de não pensar, não refletir, não planejar, não usar a razão diante das questões da vida, precisam ser assumidas de forma obrigatória.

  14. Eliseu 16 de março de 2017 at 16:00 - Reply

    Este artigo está sensacional! Obrigado por conduzir mais uma reflexão edificante, Leandro. Parabéns.

  15. Tatiana Ishii 16 de março de 2017 at 16:01 - Reply

    Leandro,

    Excelente artigo como todos os demais.
    Um tapa na cara, para enxergar a realidade de todos os fatos.
    Muito obrigada por nos presentear com as palavras que expressam bem os que todos deveriam saber e seguir a risca para levar uma vida mais leve.

  16. Cristofer 16 de março de 2017 at 16:21 - Reply

    Olá Leandro,

    Fiz 24 anos ontem 15/03, e sinto que tirei a venda dos meus olhos a tempo de consertar minha vida, tanto financeira e pessoal, como profissional! Quero agradecer pelo excelente trabalho que você vem prestando à todos que necessitam de uma orientação e um choque com a realidade para sair da “corrida de ratos”, o futuro quem faz é você! Há 1 ano atrás comecei a ler seu blog e de outros autores, e há 10 meses comecei a investir, e estou terminando de montar minha reserva de emergência, no Tesouro Selic, e quero montá-la para me manter entre 6 a 12 meses, criarei também meu próprio cheque especial e crédito consignado para depender apenas de mim. Neste meio tempo venho lendo e tentando aprender a investir em produtos com um risco mais elevado, visando aumentar meu patrimônio e atingir alguns objetivos futuros. Eu ganho uma renda razoável por ser graduado, acabei a graduação em meados de 2015, e dei sorte de sair dessa vida de acumulação de coisas por impulso bem na época que eu tive um aumento de mais de 50% do meu salário em razão da graduação, porém estou me esforçando e dando o máximo de mim, iniciando agora uma pós-graduação, com o objetivo de elevar minha renda!! Acredito sinceramente que a educação financeira muda a vida das pessoas. Uma coisa reconheço, tenho que parar de procrastinar algumas atividades, para aumentar minha produtividade, meu conhecimento, etc. Não sou muito de comentar aqui, apenas leio os comentários, mas hoje decidi fazer meu relato, desculpe por o fazê-lo bem extenso. Um grande abraço!

    • Leandro Ávila 16 de março de 2017 at 16:55 - Reply

      Oi Cristofer. Parabéns por ser tão jovem e já ter começado a construir sua vida através de bases sólidas. Tenho certeza que o fato de ter iniciado agora, vai garantir uma vida equilibrada, onde o dinheiro nunca será problema, mas a solução para aqueles tipos de problema que ele é capaz de resolver ou de amenizar suas consequências. Obrigado por deixar seu relato. Que isso inspire outros jovens.

  17. Peterson 16 de março de 2017 at 16:26 - Reply

    Parabéns. muito bom esse artigo Duras palavras mais é a verdade.dificilmente diremos .Eu ganho mais do que preciso e menos do que mereço.Sempre diremos que não nada para poupar é impossível Eu ganho pouco. Exige sacrifício perseverança. Leandro acredito muito no que vc escreve .A pessoas precisam entender que quando não tem Referência em casa .precisamos investir tempo em nossa Educação financeira.

    • Leandro Ávila 16 de março de 2017 at 16:57 - Reply

      Oi Peterson. Precisamos investir todo o nosso esforço para melhorar em todas as áreas. A área financeira é uma delas que acaba interferindo em todas as outras. Obrigado pelo seu comentário e parabéns!

  18. Fábio Gasperin 16 de março de 2017 at 16:35 - Reply

    Artigo justo e perfeito, Leandro. Aliás, como sempre! Abraço fraternal.

  19. Luciana seki 16 de março de 2017 at 16:39 - Reply

    Foi um dos melhores artigos que já li, pois é nos dado o tapa da verdade do que o beijo da mentira.

  20. Joanatan 16 de março de 2017 at 16:40 - Reply

    Como é bom aprender um pouco mais a cada dia.É como o senhor diz,
    Somos felizardos por viver numa época onde o conhecimento está acessível.
    Na palma de nossas mãos.
    Obrigado Leandro.

    • Leandro Ávila 16 de março de 2017 at 17:04 - Reply

      Oi Joanatan. É uma grande sorte. No passado o conhecimento era caro, exclusivo e inacessível. Tive a curiosidade de pesquisar aqui quanto custaria um enciclopédia hoje. A britânica custaria quase R$ 10 mil. No passado, quando o custo de produção dos livros era bem maior, isso deveria ser o dobro ou o triplo.

  21. Ricardo Amaral 16 de março de 2017 at 16:41 - Reply

    Boa tarde Leandro, ótimo artigo sempre estou por aqui acompanhando seu trabalho e gostaria de comentar sobre ganhar pouco, as vezes a pessoa ganha até bem em relação a media, mas o consumo exacerbado faz ela achar que ganha pouco, conheço algumas pessoas com salario de 6, 7 mil por mes e vive endividado reclamando do salario e dos preços das coisas e também conheço o outro lado, pessoas ganhando 1200 por mes, e fazendo verdadeiro milagres, com carro e casa quitada e ainda emprestando dinheiro.. viva a educação financeira e o autocontrole!

    • Leandro Ávila 16 de março de 2017 at 17:06 - Reply

      Oi Ricardo. Isso é o que mais acontece, infelizmente. Quando não temos educação financeira, ou bom senso, nenhum dinheiro jamais será suficiente. Coloque R$ 30 mil nas mãos dessa pessoa que ganha R$ 6 mil e essa renda se tornará insuficiente rapidamente.

  22. Isabella 16 de março de 2017 at 16:49 - Reply

    Esse é digno do Transcendência Financeira!

  23. Gilmar Passos 16 de março de 2017 at 16:54 - Reply

    Impressionante a sua visão da vida e das coisas Leandro! Ótimo artigo, simples e direto para abrir a mente das pessoas.

  24. Cristiano 16 de março de 2017 at 16:59 - Reply

    Prezo muito a leitura dos seus artigos, pois são fonte de conhecimento, inspiração e incentivo para muita gente. Quando se começa a pensar na vida financeira de forma planejada e com resultados a alcançar, certamente muitos se deparam com a realidade desafiadora exposta nos seus e em outros textos: mudança de hábitos, busca incessante pelo conhecimento, capacitação, poupança e investimentos. É, sem dúvida, para boa parte dos leitores, um longo caminho a percorrer. O que mais impacta, quando a realidade é descortinada diante dos olhos, via de regra, relaciona-se à escassez de tempo para uma mudança de rumo, ou mesmo, para permanecer na trilha correta até o final.

    O que percebo, na maioria dos blogs, palestras e cursos financeiros é uma ânsia de praticamente todos os leitores, dentre os quais eu me incluo, por uma fórmula que vá além da conscientização acerca da vida financeira. Muitas vezes, não falta mais ao leitor a prática de hábitos (corretos), a iniciativa (diante da instrução financeira) ou o talento (necessário ao desempenho de suas atividades produtivas), o que lhe falta são mesmo os recursos financeiros.

    Embora eu não conheça o seu público tão bem quanto você mesmo, creio que, aqui, neste elogiado clube, há uma infinidade de pessoas com as mais diversas profissões, idades e rendas, todas unidas no mesmo propósito de cuidar bem de suas finanças.

    Ocorre que, justamente por isso, uma significativa parcela do seu público, eu acredito, é composta pelo grupo que eu entendo ser o mais delicado: os que ganham pouco (menos de três salários mínimos), os que tem mais idade (já passaram dos 40) e que, portanto, tem menos recursos e menos tempo para acumular provisões para uma aposentadoria mais tranquila.

    É neste contexto que gostaria de sugerir a você – e a todos os demais leitores que contribuem com as suas experiências – que mais artigos, ideias e informações fossem publicadas nos moldes de alguns já postados aqui no clube como: 1 – Segunda fonte de renda.. e 2 – Como ganhar mais. Habilidades mais valorizadas… visando, principalmente, ao grupo acima mencionado.

    • Leandro Ávila 16 de março de 2017 at 17:22 - Reply

      Oi Cristiano. Pelas pesquisas que já fiz a renda do público que visita o Clube dos Poupadores é elevada ou tende a aumentar com o passar dos anos de leitura. Muitos relatam que ganhavam pouco e com o passar dos anos de leitura começaram a ganhar mais, muitos relatam que poupavam pouco e investiam o dinheiro de uma forma precária e com o passar do tempo passaram a poupar mais e investir melhor. Já recebi relatos de todos os tipos, alguns leitores já que falaram que se tornaram milionários, outros estão com centenas de milhares de reais de patrimônio depois que começaram a ler os conteúdos semanais e os meus ebooks. Faço muito esforço para responder todos os comentários nos artigos por sentir que esses comentários motivam os leitores. Apenas 0,1% das pessoas deixam comentários e são esses comentários que motivam os outros 99,9% a prosperar. É psicologicamente muito forte quando você entra nos artigos e faz a leitura de relatos de sucesso, totalmente espontâneos, de pessoas que aplicaram o conhecimento na vida prática e estão colhendo os resultados. Temos aqui uma grande mistura de profissões, idades, objetivos de vida e isso torna tudo muito rico. Não temos fórmulas mágicas. Eu nunca segui uma fórmula mágica, mas todos os dias eu dedico algumas horas estudando para que quando a noite chegue eu possa ser uma pessoa um pouco melhor ou mais preparada do que aquela que acordou. Meu objetivo é motivar as pessoas para que desejem fazer o mesmo.

  25. Diego 16 de março de 2017 at 17:13 - Reply

    Existem vários consumos desnecessários que levam o nosso dinheiro. E dinheiro que vai não volta mais.
    Um deles, e que é muito comum dentro das famílias, é a contratação de empregada doméstica.
    Se você faz isso e reclama que está sem dinheiro, te digo: Limpar a tua casa, lavar e passar a tua roupa, fazer a tua comida = a tua vida. Você quer pagar alguém para cuidar da tua própria vida?
    Tenho uma teoria que quem paga alguém para cuidar da sua própria casa tem, ao menos, um dos três problemas: preguiça, trabalha demais e/ou uma casa muito grande.

    Ganhar pouco é dureza, não é facil ganhar mais, mas alguma coisa precisa ser feita e só a própria pessoa pode mudar a situação. Como? A teoria é boa, mas também não sei como.

    • Leandro Ávila 16 de março de 2017 at 17:36 - Reply

      Oi Diego. Em muitos países ter uma empregada doméstica é um luxo para pessoas extremamente ricas. O tempo dessas pessoas é tão valioso que contratar uma empregada (que é muito caro) ou contratar um motorista, acaba sendo mais barato. É o caso de um executivo que troca o carro por um helicóptero. O tempo da pessoa pode ser tão valioso que 1 hora trabalhada pode justificar a manutenção de um helicóptero ou de um avião particular. Neste caso são pessoas que trabalham muito. Na realidade brasileira não é isso que ocorre. Tem muita gente que não pode ter uma empregada, mas faz um enorme esforço para ter. Muitas vezes é uma questão de “status social”. As vezes é apenas uma questão de organização e cooperação para tornar a empregada desnecessária. Acho interessante a maneira como os japoneses encaram a limpeza da própria casa e do espaço de trabalho. É comum as pessoas se responsabilizarem por isso com muito gosto, como se fosse um ritual. Limpar a própria casa e o espaço de trabalho não é uma coisa vista de forma pejorativa na cultura deles.

  26. Vânia 16 de março de 2017 at 17:16 - Reply

    Adoro seus artigos e depois que li um deles à algum tempo atrás, comecei a poupar, porém lendo mais este, sinto que quero (e preciso) poupar mais.. rs

  27. Leandro de Jesus Alves 16 de março de 2017 at 17:23 - Reply

    Boa tarde Leandro,

    Como sempre mais um artigo excepcional, e com uma dose extra de realidade.

    Muitos amigos meus quando comento sobre educação financeira já vem com essa desculpa de que ganham pouco, mas por outro lado esbanjam tudo o que ganham em coisas desnecessárias.

    Grande abraço

  28. LEILA P BERNARDES 16 de março de 2017 at 17:26 - Reply

    Parabens, voce é sempre muito bom! Exatamente o que eu penso.

  29. Jose Afonso de Oliveira 16 de março de 2017 at 17:30 - Reply

    Boa tarde Leandro Ávila :muito bom seus últimos artigos para me ajustar na realidade do nosso relacionamento dinheiro e trabalho, realmente temos que gostar do que fazemos e as outras vão acontecer naturalmente, principalmente, a vontade de investir mais e procurar ser independente mais cedo.parabéns por esse excelente artigo, que cada dia me instrui mais e mais.Obg.valeu!!!

  30. luciana 16 de março de 2017 at 17:32 - Reply

    Olá Leandro, sempre leio seus textos e admiro muito seu trabalho. Bom, este texto, particularmente, mexeu comigo. Sou dentista, formada há 5 anos, sou de origem humilde e só consegui fazer odontologia, pois consegui a aprovação em uma instituição federal. Confesso que saí da miséria e hoje levo uma vida tranquila economicamente, mas não tenho a realização que queria ter. Consigo ter uma vida tranquila na área, pois sempre prestei concursos públicos na área que pagavam em torno de 3500,00, mas não consigo aumentar este valor e acredito que é o meu perfil empreendedor que não é forte ou por não ter capital de giro para investir em um consultório. Bom, o fato é que sinto que a as portas não se abrem profissionalmente e estou cada dia mais frustrada e desanimada em continuar a investir na área com cursos de pós- graduação, que são muito caros. Gostaria muito de sua opinião………………..grande abraço!

    • Leandro Ávila 16 de março de 2017 at 17:47 - Reply

      Oi Luciana. As portas não vão abrir sozinhas. Os dentistas são profissionais que podem empreender e fazer parcerias entre eles e isso é muito bom. Muitas vezes a capacitação que você precisa estão em livros que você pode encontrar nas livrarias por poucos reais. Certamente existem muitas habilidades que você pode desenvolver, mas que não estão diretamente relacionadas com a área de saúde, mas que fazem a diferença quando você deseja empreender e atender bem os clientes. A dentista que frequento é bem jovem e já pude perceber que o consultório dela é o resultado de algum tipo de sociedade ou parceria que envolve vários jovens dentistas. Eles montaram o espaço e compartilham a estrutura. Até tarde da noite existem dentistas atendendo pelo fato de tirarem o máximo de proveito do espaço e certamente tem muita gente que gosta da ideia de ir no dentista tarde da noite, pois é quando a maioria tem tempo livre. Observe o que os outros dentistas estão fazendo e interaja com eles.

  31. Bruno Garrofe 16 de março de 2017 at 17:53 - Reply

    Parabens pelo texto Leandro! Primoroso como sempre! Obrigado pela dedicação e por compartilhar seus conhecimentos conosco. Grande abraço

  32. Thiago 16 de março de 2017 at 18:43 - Reply

    Parabéns pelo texto. Considero um belo presente para os que tem paciência de ler. Já li vários artigos seus e sempre agradei de todos, mas esse é sem dúvidas especial. Espero um dia conhecê-lo para agradecer pessoalmente. És um dos influenciadores da minha nova consciência financeira.

    • Leandro Ávila 17 de março de 2017 at 8:23 - Reply

      Obrigado Thiago e parabéns por sua nova consciência financeira.

  33. Fujimoto 16 de março de 2017 at 18:44 - Reply

    Grande Leandro! Tem que “bater na cara” sem dó mesmo rs. Parabéns por mais um excelente artigo.

  34. Gilson 16 de março de 2017 at 20:41 - Reply

    Olá Leandro, muito obrigado por mais um post de excelente qualidade.
    Gostaria de lhe agradecer pelos conhecimentos gratuitos aqui disponíveis. Ao olhar para trás, lembro que a pouco mais de dois anos sentia os tapas na cara que a Educação Financeira exige, passado esse período, percebo os frutos e a alegria de saber que estou organizado no caminho certo, em busca da Independência Financeira

    • Leandro Ávila 17 de março de 2017 at 8:25 - Reply

      Oi Gilson. Parabéns por não ter desistido! Obrigado por compartilhar conosco.

  35. Joanatan 16 de março de 2017 at 22:18 - Reply

    Professor,após anos de muita luta construí minha casa que ficou ótima. Graças a Deus. Agora vem minha mulher com toda a sua ignorância financeira dizendo que enjoou da casa e vai vender seus títulos,detonar seus investimentos e vai construir outra casa nos fundos,”uma casa do jeito que ela quer.”com porcelanato,janelas blindex,quarto com suíte,closet,e varanda.
    Sendo que nossa casa já têm tudo isso.
    Tem cerâmica,tem um guarda roupa lindo de 6 metrôs,e tudo de bom.
    Acho que ela perdeu o juízo.
    E agora professor?

    • Leandro Ávila 17 de março de 2017 at 8:28 - Reply

      Oi Joanatan. Obras viciam. Existem pessoas que ficam literalmente viciadas em fazer obras. Pouco tempo depois de terminar uma obra elas já ficam com vontade de começar uma nova obra ou de reformar o que já está reformado. Sua esposa precisa encontrar outro hobby ou estudar para transformar isso em profissão para que ela ganhe dinheiro fazendo isso na casa de quem esteja disposto a fazer obras.

  36. David 16 de março de 2017 at 22:20 - Reply

    Parabéns pelo artigo!

    Você é cristão? Em alguns momentos a sua lucidez a respeito da nossa sociedade parece muito o que encontro no Texto Sagrado.

    Grande abraço!

    • Leandro Ávila 17 de março de 2017 at 8:32 - Reply

      Oi David. Eu sempre gostei de estudar sobre várias religiões e filosofias. Acho interessantíssimo quando percebo que todas falam exatamente as mesmas coisas. Suas diferenças estão nos pequenos detalhes culturais e regionais, mas a excelência é sempre a mesma.

  37. George Santana 16 de março de 2017 at 22:33 - Reply

    Olá Leandro,seus artigos são enriquecedores.
    Fiquei doente esses dias,os remédios foram caros mas minhas reservas me proporcionaram conforto e segurança.Aprendi essas ferramentas no blog e com livros que lí.Ter reservas é fundamental,diria até que vital.
    Quero aproveitar e deixar duas perguntas.Nos dias atuais com essas greves e problemas para ingressar numa faculdade,ela ainda é necessária para que possamos crescer como profissionais?Digo isso pois fiz curso técnico e busco crescer pela excelência e cursos agregados.Também tenho outras habilidades e estou buscando aprimorá-las e rentabiliza-las pois não quero seguir uma carreira de especialização com fins em engenharia.
    A segunda é:Será que nós criamos a oportunidade para qualquer escolha ou o mundo sempre nos obrigará a preencher as necessidades dos seus avanços?

    Um grande Abraço!Você é um grande exemplo pra nós!

    • Leandro Ávila 17 de março de 2017 at 8:37 - Reply

      Oi George. Para algumas profissões a faculdade é necessária (até obrigatória), para outras não é. Oportunidades estão surgindo por todos os lados e a todos os momentos. O problema é que somente aqueles que estão preparados são capazes de enxergar e aproveitar essas oportunidades. O investimento em você, na formação de novas habilidades, novos conhecimentos e no desenvolvimento de virtudes é uma coisa que não deve parar nunca.

  38. Rodrigo 16 de março de 2017 at 22:43 - Reply

    Ola Leandro. Achei um dos seus melhores textos. Continue compartilhando altruísmo e conhecimento de qualidade que com certeza você já impactou milhares de vidas. Um grande abraço,

  39. Diego Ivan Petri 16 de março de 2017 at 23:33 - Reply

    Mais uma vez obrigado Leandro! Um bom artigo que fiz questão de compartilhar no Facebook. Pois muitos me apontam o dedo, chamando de “mão de vaca”, entre outras coisas. Aí olho para eles e vivem loucamente por aí, comprando tudo, participando de todo tipo de festa e rindo dá minha cara. O que me anima é saber que (modéstia a parte) estou um degrau acima desses que me apontam o dedo. Tenho consciência do que estou fazendo. Embora ainda ter muito a melhorar, já aprendi muito, graças à meus pais, que me deram uma boa educação, inclusive financeira, e aos seus artigos que apontam nossas falhas. Muito obrigado!

    • Leandro Ávila 17 de março de 2017 at 8:43 - Reply

      Oi Diego, nada contra frequentar festas, o que não podemos fazer é transformar as festas no ponto central da nossa vida. A diversão é importante e necessária para nossa saúde mental, mas os excessos e abusos são prejudiciais. O importante é buscar o equilíbrio. Infelizmente as pessoas passam a semana esperando o fim de semana para mais uma festa, mais uma bebedeira, mais exageros, mais algumas horas de distrações e anestesia da vida. Até no momento de selecionar a nossa diversão precisamos usar a inteligência e fazer escolhas construtivas.

  40. Liza 16 de março de 2017 at 23:34 - Reply

    Oi, Leandro. Desculpe a ignorância, especialmente na minha idade! Mas fale um pouco de como saber o que você/eu gosta, ou seja, como descobrir nossa vocação, o que nascemos para fazer por amor e não dinheiro.obrigada, e obrigada por dividir conhecimento tão valioso.

    • Leandro Ávila 17 de março de 2017 at 8:47 - Reply

      Oi Liza. Isso é autoconhecimento. Se você ainda não percebeu isso é um sinal de que você está olhando muito para fora. Pare um pouco e olhe para dentro de você. Você certamente está gastando muito tempo olhando a vida dos outros e precisa olhar para dentro até descobrir quem você realmente é. Observe-se, estude você mesma, veja aquilo que te agrada e te desagrada, observe quais são suas qualidades e virtudes, quais são as coisas que você valoriza e as coisas que não valoriza. Estude-se.

  41. Edson 16 de março de 2017 at 23:43 - Reply

    “Ganha pouco pelo fato do seu trabalho valer pouco. Se você escolheu uma profissão pouco valorizada, esforce-se para buscar uma que possa agregar mais valor na vida das pessoas” (ÁVILA, 2016). Brilhante, Leandro! Certamente deve ter doído em muitos leitores. Uma sugestão: Usar sua habilidade de comunicação e seu conhecimento para produzir um texto que possa despertar pessoas para a realidade da automação que se avizinha e que deixará muita gente desempregada. Há pessoas que têm investido em carreiras que estão com os dias contados!

    Para isso, faço a sugestão de leitura do relatório disponível nesse link: http://www.pewinternet.org/files/2014/08/Future-of-AI-Robotics-and-Jobs.pdf

    Outro aspecto importante contido na conclusão de seu texto me trouxe à memória o relatório disponível neste link: http://www.ipm.org.br/pt-br/programas/inaf/relatoriosinafbrasil/Paginas/Inaf-2015—Alfabetismo-no-Mundo-do-Trabalho.aspx.

    Este relatório mostra a triste realidade da qualificação profissional no Brasil. Trata da questão do analfabetismo funcional.

    Parabéns pelas publicações.

    • Leandro Ávila 17 de março de 2017 at 8:53 - Reply

      Oi Edson. Obrigado por compartilhar. A tecnologia já está reduzindo muito as vagas de emprego. Esse processo não terá fim. O trabalho não termina, pois para cada nova tecnologia criada, muito trabalho e muitas oportunidades são criadas. Por este motivo a habilidade mais importante que alguém pode desenvolver atualmente é a de aprender sozinho. É o aprender a aprender. No meu outro site já escrevi um artigo sobre isso, sobre como aprender. Obrigado por compartilhar os links.

  42. Cassia 17 de março de 2017 at 1:14 - Reply

    Leandro sou tua fã, coloco muito em prática o que escreves, já consegui me organizar financeiramente seguindo suas orientações!!
    Porém, tomo a liberdade para te pedir que faça uma reflexão, não sei se seria este o espaço, sobre as vantagens e desvantagens de morar distante de seus familiares em prol de investimentos na educação, profissão.
    Às vezes penso em retornar para próximo dos meus irmãos e pais, sinto saudade horrores, moro sozinha, mas ao mesmo tempo percebo como o local onde moro possibilita-me crescimento na profissão, educação, além disso consigo pagar minhas contas direitinho, comprei meu cantinho para morar à vista nessa capital, ajudo minha família e poupo tranquilamente. A capital é do nordeste, fiz poucos amigos e gosto muito de viver nela!
    Como digo, não sei se é possível, mas ficaria muito feliz em poder ouvir sua opinião por ser essa pessoa inteligentíssima, mesmo sabendo que é uma decisão muito pessoal, mas que precisa ser tomada com conhecimento, embasamento! OBRIGADAAAA!!!!

    • Leandro Ávila 17 de março de 2017 at 8:58 - Reply

      Oi Cassia. Toda decisão que tomamos tem um custo. Para dizer “sim” para uma coisa sempre estamos dizendo “não” para todas as outras coisas que ficam de fora. Você, somente você, pode pegar essas opções que a vida apresenta e colocar na sua balança. Cada coisa tem um peso (um valor) para você. Cada pessoa atribui um peso para cada coisa. O interessante é que durante a sua vida o peso que você vai atribuir para cada coisa irá sofrer mudanças. Hoje você valoriza mais determinadas coisas, amanhã, você terá outra pessoa e os pesos e medidas serão diferentes. Todo mundo vive um processo de mudança sem fim e essa mudança passa pelos nossos valores.

  43. Cassia 17 de março de 2017 at 1:18 - Reply

    Leandro, desculpas, esqueci de colocar esta informação: estou como funcionária pública de uma universidade!

    • Ricardo 21 de março de 2017 at 22:40 - Reply

      Cassia,

      Se a Universidade for Federal, tente pedir transferência para a Federal do seu estado.

  44. joel 17 de março de 2017 at 1:19 - Reply

    Parabéns por mais um artigo de valor, Leandro esse problema da ignorância financeira é muito grave, lá atráz eu já fui um igorante financeiro e sei o quanto é duro viver na condição de prisioneiro nesse cativeiro invisível. Hoje melhor esclarecido graças ao clube dos poupadores tentei diversas vezes compartilhar sua filosofia financeira com amigos e parentes e foram poucas vezes que me deram ouvido, uns se afastaram de mim e outros até pararam de falar comigo quando tentei os convencer que estão sendo marionetes na mão de bancos, financeiras, mídia etc. Leandro como dói ver pessoas que tanto gostamos sofrendo por ignorância, tem uns que dá vontade de segurar pelos braços e chacoalhar com toda força pra ver ser acorda!

    • Leandro Ávila 17 de março de 2017 at 9:07 - Reply

      Oi Joel. As pessoas entendem esse cativeiro que você descreveu como um lugar seguro. No mito da caverna, de Platão, quando uma pessoa consegue fugir da caverna, ela fica tão feliz ao descobrir que existia um mundo maravilhoso lá fora, que ela retorna para contar para as pessoas que ficaram na caverna. Ele tenta convencer as pessoas a sair. Não preciso dizer o que aconteceu. As pessoas não acreditaram e ainda ficaram irritadas. Isso é o comportamento natural dos seres humanos.

  45. cassia 17 de março de 2017 at 1:35 - Reply

    Ah, amo estudar, tive uma infância e juventude bem humilde! Cursei a graduação em uma universidade pública, estudava pela manhã e saía correndo do Curso para 2 estágios, chegando a consumir 10 horas do meio dia para sustentar a mim e meus irmãos. Nesse período tinha noites de dormir 2 horas somente para poder estudar, mas posso dizer que tem sido válido, prossigo estudando e os frutos são maravilhosos!
    Encontro em teus artigos ensinamentos para investir os recursos que consigo poupar e saberes para esse amadurecimento COMO SER, múltiplo de necessidades para o amadurecimento pessoal!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!! OBRIGADAAA!
    A cada dia, certifico-me que com investimentos em educação o céu é o limite!!

    • Leandro Ávila 17 de março de 2017 at 9:09 - Reply

      Oi Cassia. Realmente não existem limites no desenvolvimento de novas habilidades, qualidades e virtudes por meio da busca de mais conhecimento e sabedoria. É isso que nos torna humanos, a nossa capacidade de autoconstrução.

  46. Júlio César Alfredo 17 de março de 2017 at 9:17 - Reply

    Olá Leandro Ávila, acabei encontrando o seu site por acaso enquanto estava pesquisando sobre educação financeira. Gostei da ideia do site e logo fiz meu cadastro. Hoje, vi no meu e-mail uma notificação sobre esse super artigo que acabo de ler, parece que foi feito para mim. Gostei bastante e quero lhe agradecer pelo seu trabalho. Sinto que posso (preciso) melhorar meus hábitos financeiros! Gasto 100% do que ganho todo mês. Ainda não consigo guardar dinheiro. Irei mudar isso melhorando meus hábitos financeiros (aprendendo com o senhor através do seus livros e artigos) e investindo em mim para poder ganhar mais! Obrigado por me ajudar e parabéns por ajudar a todos que querem ser ajudados!

    • Leandro Ávila 17 de março de 2017 at 10:00 - Reply

      Oi Júlio. Seja bem-vindo! Já existe muito conteúdo esperando você e os meus livros. A dica é dedicar pelo menos 30 minutos por dia lendo algum conteúdo novo. O resto será consequência da paciência e da persistência.

  47. Lucas Soliguetti 17 de março de 2017 at 9:30 - Reply

    Olá Leandro! Suas publicações não só nos agregam conhecimento, como também funcionam como um excelente motivador. Sempre depois de ler seus textos, sinto que me torno uma pessoa melhor. Muito obrigado pela ajuda e pela contribuição valiosa que você dá a todos!

    • Leandro Ávila 17 de março de 2017 at 10:01 - Reply

      Oi Lucas, parabéns por investir seu tempo neste processo de melhoria.

  48. odair 17 de março de 2017 at 10:27 - Reply

    muito bom artigo , e infelizmente muitos realmente ganham pouco mesmo ,cerca de um salario minimo e meio a dois salrios minimos ,o que hje fica em torno 1.500,00 a 2.000 reais ,e desse valor tem que tirar tudo ,comida transporte ,agua ,luz ,telefone ,mas uma coisa e certa sempre existe alguma coisa que pode ser reduzida num orçamento domestico ,por mais que as pessoas digam que estao no limite ,muitas vezes e mais facil se fazer de vitimas ,e viver choramingando pra todo mundo ,como se isso adiantasse ,como se alguem ficasse com do e lhe desse dinheiro . Entao se todo seu salario paga as suas despesas e nao sobra nada ,voce precisa fazer sobrar ,e a primeira coisa a fazer e ver de onde se pode cortar ou reduzir ,muitas vezs so uma mudança no consumo de agua e luz da casa ja faz sobrar um valor para guardar todos os meses ,e aliada a outros costumes como comer fora ,pizzas ,cinema ,cervejas e churrascos ja seriam suficientes para fazer sobrar um valor para investir todos os meses ,e isso nao e dificil ,e so questao de querer melhora de vida . A maioria das pessoas que ganham pouco gastam como se ganhassem muito mais ,e por isso estao sempre descontroladas ,tem gente que ganha 1000 reais ,e quer fazer tudo que seu amigo que ganha 2000 reais faz ,isso e inaceitavel ,pois nunca vao conseguir , cada um tem que levar a vida de acordo com o dinheiro que ganha , e tentar ganhar mais ,mas para isso e preciso se planejar ,mudar de profissao por exemplo ,e estudar mais ,mas a primeira coisa a se fazer e viver com no maximo 90 por cento do que se ganha ,e poupar os outros 10 por cento ,porque se a pessoa esperar ganhar mais para sobrar para poupar ,acredite nunca vai sobrar ,dinheiro nunca sobra ,nos e que temos que fazer sobrar .

    • Leandro Ávila 17 de março de 2017 at 12:25 - Reply

      Olá Odair, concordo com tudo que você disse. Obrigado pelo comentário. Nós que temos que fazer sobrar e investir essa sobra com inteligência.

  49. José Luiz Bonicenha Pontini 17 de março de 2017 at 10:49 - Reply

    Uau! Que é isso rapaz!!??
    Assim até de pelica dói!
    Parabéns, meu caro Leandro, tenho exemplo na minha família que se encaixa direitinho em tudo o que explanou de forma brilhante.
    Fique na Paz!

  50. Telmo Cabeto 17 de março de 2017 at 11:55 - Reply

    Boa tarde Leandro (15:54 em Angola)

    Tenho seguido seus textos há algum tempo, e confesso que tenho aprendido bastante com eles, quer no ponto de vista profissional, académico e algumas vezes na gestão familiar. Me revejo neste texto (mais uma vez), e vai me ajudar a rever algumas vicissitudes. Mas aqui no meu país (Angola), a dificuldade não está só em poupar, mas sim, em como aplicar a sua poupança, visto que temos muita dificuldade em empreender por motivos de várias ordens (política, económica e social). Estou a me formar em contabilidade e fiscalidade, e gostaria de abrir um site e ajudar pessoas aqui a aplicar de forma segura e consciente as suas poupanças. Peço sua ajuda no sentido de me fornecer mais dicas!

    Obrigado.

    Abraço
    Telmo Cabeto (Angola)

    • Leandro Ávila 17 de março de 2017 at 12:22 - Reply

      Oi Telmo. Eu não conheço o funcionamento dos investimentos em Angola. Quando comecei a produzir o Clube dos Poupadores os blogs que existiam sobre o assunto eram superficiais e muitos eram sites patrocinados por bancos, corretoras e outras instituições financeiras que sempre produzem conteúdo superficial. Você terá que buscar essas informações específicas do seu país. Certamente devem existir livros voltados para economistas, contadores e profissionais de finanças que podem detalhar esses temas e caberá a você traduzir o conteúdo técnico para uma linguagem acessível. É isso que muitas vezes eu tenho que fazer.

  51. Luciane Pereira de Souza 17 de março de 2017 at 12:19 - Reply

    Ola! Leandro, muito obrigado por suas publicações, estão sendo de grande formação para mim, estão vindo no momento certo. Pois só agora é que estou tendo a consciência de que devo poupar mais…

  52. Vanessa 17 de março de 2017 at 12:53 - Reply

    Olá Leandro!
    Obrigada pelo artigo e pelo “banho” de realidade, eu também venho aprendendo muito com seus artigos e consegui mudar alguns hábitos, gostaria de sugerir que escrevesse sobre o autoconhecimento no transcendência financeira que para mim será muito útil e acredito que para muitos leitores também assim como sugestões de livros.
    Agradeço pela oportunidade. Abraços

    • Leandro Ávila 17 de março de 2017 at 16:13 - Reply

      Oi Vanessa. Já comecei a escrever, todos os artigos que já publiquei lá até o momento são vertentes do autoconhecimento.

  53. João Augusto 17 de março de 2017 at 13:31 - Reply

    Leandro, boa tarde! A leitura dos textos publicadas no teu site, são de grande valia, não só em função dos esclarecimentos sobre o tema abordado, como também é reforçado com dicas para as nossas vidas, sobretudo profissional. Esta matéria é realmente impactante..Acompanho inclusive o posts dos leitores, há sempre algum subsidio. . .

    • Leandro Ávila 17 de março de 2017 at 16:14 - Reply

      Obrigado João. A educação financeira é apenas um galho de uma grande árvore de temas que precisamos conhecer no decorrer da vida.

  54. Patricia 17 de março de 2017 at 13:33 - Reply

    Olá Leandro, é muito bom quando a gente vê que nossa dedicação está mudando a vida de muitas pessoas, não é mesmo? Seus posts não mudaram só a minha, como dos que estão em volta de mim. Influencio diariamente meus parentes, amigos e ainda estou ensinando minha filha como deve ser uma vida financeira saudável! Fiz meus parentes deixarem de ter Previdência Privada, Títulos de Capitalização e ainda ensino como não cair na conversa de gerentes de banco tentando vender seus produtos. Abrimos conta em uma corretora com taxa 0% para Renda Fixa e agora iniciamos os investimentos em Títulos Públicos conforme nossos objetivos! Admiro muito pessoas como você, continue sempre assim!!!

    • Leandro Ávila 17 de março de 2017 at 16:17 - Reply

      Oi Patricia. Obrigado por compartilhar com outras pessoas. São os leitores que fazem o grande papel de espalhar o conhecimento na vida das pessoas próximas. É claro que amigos e parentes com a vida financeira equilibrada acabará resultando em benefícios para você e todos que estão próximos deles. Nossa situação financeira acaba interferindo em várias áreas da vida e muitas vezes não percebemos essas conexões. No final das contas, estamos construindo um mundo melhor para as gerações futuras.

  55. Iva Coelho 17 de março de 2017 at 13:34 - Reply

    Oi Leandro! Tudo bem ?
    Já comentei algumas vezes aqui, e não canso de agradece lo pelo seu trabalho de ensinar. Te acompanho alguns anos e graças ao seus textos mudou minha vida financeira. Quando conheci seu blog, ganhava pouco e tinha essa mentalidade,que não tava pra poupar e que investir era coisa muito difícil. Mas com o tempo, te acompanhando vi que estava errada e estava inventando desculpas pra mim mesma. Em menos de três anos conseguir me organizar, e no ano passado, realizei meu sonho de comprar meu carro a vista, sem arrombar meu orçamento, com disciplina e colocando em prática o que voce ensina.
    É impressionante como o conhecimento faz você progredir, porque se eu tivesse aquela cabeça de antes, jamais acharia que teria condições de comprar um carro a vista e vejo que a maioria pensam assim, quando falo pra poupar e investir, sempre falam que comprando algo de grande valor a vista só ganhando na mega sena mesmo. Mas hoje sei que sim, é possível com organização e estudo você consegue e isso graças a você.
    Não te conheço pessoalmente mas te desejo muitas coisas boas que Deus te retribua em dobro, e te proteja e te ilumine sempre!
    Desculpe pelo comentário grande rsrsrs
    Até !!

    • Leandro Ávila 17 de março de 2017 at 16:20 - Reply

      Olá Iva. Muito obrigado por compartilhar sua história conosco. Tenho certeza que muitos leitores estão como vocês 3 anos atrás. São histórias assim que motivam esses leitores a continuar estudando e aplicando o que aprenderam na vida prática.

  56. Fábio Souza 17 de março de 2017 at 13:39 - Reply

    Parabéns pelo seu trabalho. Como sempre de excelente qualidade. Se eu pudesse voltar no tempo, certamente teria evitado tomar muitas decisões de forma equivocada !!

    • Leandro Ávila 17 de março de 2017 at 16:21 - Reply

      Oi Fábio. Vamos olhar para frente, com certeza existe muito a ser feito. Parabéns por sua mudança de visão.

  57. Saturnino Júnior 17 de março de 2017 at 14:59 - Reply

    Olá Leandro, boa tarde! Gostei do texto… Sou estagiário de jornalismo, e vale a mesma coisa certo?rs Tenho buscado investir um turno em cursos técnicos (capacitação) como meio de aperfeiçoar as técnicas e a noite estudo. Optei em não ter dois estágios por enquanto, e as vezes fico na dúvida se esse caminho é o melhor e tal. Me formo daqui 1 ano e meio. Qual orientação me daria visando a formação profissional e econômica?

    Obrigado.

    • Leandro Ávila 17 de março de 2017 at 16:24 - Reply

      Oi Saturnino. Observe os melhores da sua área, no Brasil e no mundo, do presente e do passado. Precisamos de modelos para nos inspirar. Quando alguém na sua profissão consegue atingir um nível de excelência, sendo reconhecido e admirado por isso, aqui temos um sinal de que se aquela pessoa conseguiu, você também pode conseguir.

  58. Tatyane 17 de março de 2017 at 15:02 - Reply

    Olá Leandro, que ótimo artigo!
    Me lembro da primeira vez em que descobri o Clube dos Poupadores,estava atrás de conhecimentos sobre investimentos, eu tinha apenas 16 anos e era Jovem aprendiz na época. Com o dinheiro tão pouco que ganhava, eu conseguia guardar uma boa parte, diferentes dos outros jovens que só compravam roupas de marcas, celulares caros, etc..
    Hoje com 20 anos com várias conquistas pessoais, vejo como essa disciplina foi e é fundamental na minha vida, força de vontade é a base de tudo.

    • Leandro Ávila 17 de março de 2017 at 16:26 - Reply

      Oi Tatyane. Parabéns e muito obrigado por compartilhar isso conosco. Muitos jovens devem visitar este artigo no futuro e isso será muito inspirador. A disciplina funciona como o volante de um carro ou o leme de um barco. Ela que permite direcionar nossas ações, nosso tempo e nossa energia para a direção dos nossos objetivos. Sem essa disciplina você acaba andando em círculos, perdendo tempo e energia e no final não sai do lugar. O vento sopra para todos, mas é necessário disciplina para fazer bom uso desse vento. Parabéns!

  59. Saturnino Júnior 17 de março de 2017 at 15:05 - Reply

    Olá Leandro! Boa tarde, gostei do texto.

    E no caso de estagiários?! rsrsrs. Acredito que sirva da mesma forma né?! Mas, por exemplo nesse momento optei em não ter dois estágios. Estudo à noite, em um período faço curso técnico (capacitação) visando o aprimoramento das habilidades e técnicas a futura profissão. Me formo daqui 1 ano e meio, e as vezes fico na dúvida se poderia ter dois estágios (olhando pela questão do aumento da renda) ou se a questão da formação, mesmo que custe tempo é o caminho certo. Qual orientação me daria?

    Obrigado.

    • Leandro Ávila 17 de março de 2017 at 16:28 - Reply

      Oi Saturnino, o mundo está tão cheio de gente mediana, gente que só faz a sua obrigação, que basta ser um pouco acima da média. Isso não é difícil, especialmente se você gosta do que faz.

  60. Guilherme 17 de março de 2017 at 17:06 - Reply

    Boa tarde Leandro.

    Como sempre seus artigos são ótimos.
    Sempre escrito de um jeito que nos faz pensar em como levamos a vida.

    Parabéns.

  61. Militar ES 17 de março de 2017 at 20:39 - Reply

    Parabéns por mais esse artigo…E pela quantidade de comentários (li todos), o público aprovou!!! Além dos artigos fantásticos, aprendo muito com os questionamentos e depoimentos dos demais: têm servido de incentivo rumo à minha busca pela evolução pessoal! Mais uma vez obrigado professor Leandro!

  62. Cristian.Gadelha 18 de março de 2017 at 1:26 - Reply

    Certa vez eu pensei: Preciso fazer um blog para passar conhecimento financeiro para as pessoas com detalhes, algo que possa de fato mudar a vida delas….

    Algum tempo depois conheci seu blog e pensei: é impossível fazer algo melhor do que o que o Leandro já vem fazendo, é mais fácil apenas divulgar para todos os excelentes conhecimentos aqui transmitidos.

    Não pare Leandro, seu blog se tornou o melhor na blogosfera brasileira sobre finanças pessoais

    • Leandro Ávila 20 de março de 2017 at 7:52 - Reply

      Oi Cristian. Cada pessoa ensina de uma maneira diferente. A maneira como ensino agrada determinados tipos de pessoa, mas certamente seria impossível agradar todos. Por este motivo é importante a existência de vários autores, cada um ensinando da sua forma. Obrigado por acompanhar e divulgar esse trabalho.

  63. Lean 18 de março de 2017 at 11:52 - Reply

    olá.

    gostaria de saber sua opinião sobre a seguinte questão: estou pretendendo adquirir um imóvel para alugar, porém tenho apenas $7000 no bolso.pretendo dar esse valor como entrada. o imóvel custa 60.000,00 á 80.000. assim que der a entrada, vou aluga-lo e com isso, meus inquilinos pagarão uma parte e eu a outra. SOU AUTONOMO(SOLDADOR) e solteiro .ainda moro com meus pais.
    pelos meus cálculos quitarei a casa em 4 á 5 anos.

    • Leandro Ávila 20 de março de 2017 at 7:56 - Reply

      Oi Lean. Você não tem dinheiro suficiente para comprar um imóvel para alugar, ou seja, você tem 10 vezes menos. O problema de usar essa estratégia é que nada garante que você vai conseguir alugar o imóvel rapidamente. Pode ser rápido, pode ser demorado, se demorar você precisará de dinheiro para pagar as prestações e o condomínio. Ao comprar um imóvel você também precisa ter dinheiro para as despesas com cartório. Isso significa que para usar essa estratégia você deve estar muito bem preparado para as situações onde o plano não sairá exatamente como você gostaria pois se você só tem 7 mil isso significa que terá que assumir uma dívida 10 vezes maior (sem falar nos juros e taxas) e suas reservas e renda devem ser suficientes para que você assuma essa dívida mesmo se não conseguir alugar.

  64. Poliana Rodrigues 18 de março de 2017 at 13:10 - Reply

    Eu pensava desse jeito foi mesmo um choque de realidade, mas para alcançar a independência financeira vale a pena, eu quero muito mudar mas fico perdida ainda mas creio que aprendi muito hoje, obrigada Leandro…

    • Leandro Ávila 20 de março de 2017 at 7:57 - Reply

      Por nada Poliana. Tenho certeza que você vai se encontrar. A desorientação é comum diante do início de uma mudança de rota.

  65. ED carlos 18 de março de 2017 at 14:28 - Reply

    Boa tarde leandro como sempre outro excelente artigo,então o problema que acontece é que os brasileiros não tem o habito de poupar muitos só pensam no hoje, no agora e não pensam no amanhã, vamos supor o cara ganha 1500,00 por mês a pessoa quer um carro ou uma moto o que ele vai fazer 1 juntar dinheiro pra comprar a vista, 2 entrar um consorcio 3 entrar num financiamento.
    muitos vão na 3 por é mais fácil o cara financia pega o carro na hora, mas não vê o outro lado ele está vendendo sua alma pra financiadora ele vai pagar 2 carros ou 2 motos nesse financiamento e ainda por cima vai empenhar 1/3 do seu salario por um longo tempo.
    se a pessoa fosse na 2 alternativa seria bem melhor não pagaria tanto juros mas mesmo assim pagaria algo em torno de 20% do bem.
    na 3 alternativa a pessoa faria um planejamento financeiro durante um tempo entre 2 e 3 anos sairia com uma moto zero ou entraria com 50% do valor de um carro pegaria uma taxa 0 mas são pouquíssimos que fazem isso eu sou um deles graças a DEUS.
    A um bom tempo tenho um planejamento financeiro, tenho foco e força de vontade sou muito persistente nesse quesito, atualmente tenho uma reserva financeiro de 2 anos e meio de trabalho, agora estou procurando outros tipos de investimentos já estou bem antenado com o tesouro direto e procuro outras alternativas,vou procurar fazer uma pequena reserva pra minha aposentadoria que falta muito tempo pois tenho 36 anos, e começar a fazer um pé de meia para minha pequena SARAH que acabou de nascer.
    gostaria que você falasse mais sobre debentures, lci, lca, fundos de investimentos e uma duvida se uma debenture não consta agencia classificadora nem fala sobre juros se são semestrais ou anuais no caso ela não seria uma boa oportunidade de investimento.
    abraço obrigado pelo seu trabalho ando aprendendo muito.

    • Leandro Ávila 20 de março de 2017 at 8:14 - Reply

      Oi Ed. Ele pode até perceber que vai pagar 2 ou 3 carros só de juros, o problema é que ao olhar para os lados ele percebe que todos os seus amigos e parentes não se importam em trabalhar para sustentar as financeiras por vários anos. As pessoas vão se tornando servos ou escravos das financeiras e bancos, passam a trabalhar para sustentar essas instituições e acham isso absolutamente normal e aceitável. Quem toma a decisão de ter paciência, poupar e comprar à vista é visto pelos “servos” como louco ou um extraterrestre. Debêntures no Brasil é um investimento de risco elevado. Observe atentamente a quantidade de empresas grandes envolvidas em escândalos de corrupção. Várias do setor de construção e infraestruturas estão envolvidas e passando por dificuldades. Agora descobriram os problemas envolvendo as grandes indústrias de alimentos. Todas essas grandes instituições emitem debêntures. Sobre os fundos eu escrevi recentemente uma série de vários artigos sobre fundos.

  66. Ricardo silva 18 de março de 2017 at 14:46 - Reply

    Boa tarde Leandro, gostaria de saber sua:
    Sou servidor público estadual e estou pensando, atualmente, em fazer parte da Uber. Qual sua recondução como educador financeiro?

    • Leandro Ávila 20 de março de 2017 at 8:15 - Reply

      Oi Ricardo. É uma forma de gerar renda de forma autônoma, não deixa de ser uma maneira de empreender, de investir o seu tempo e seus recursos (veículo) para geração de renda. Acho que todas as pessoas deveriam passar pela experiência de empreender.

  67. Sâmia 18 de março de 2017 at 15:26 - Reply

    Olá, Leando .
    Vou contar um coisa q aconteceu esses dias ,combina bem com esse artigo. Uma assistente social concursada q deve ganhar em torno de 4 a 5 mil reais,estava contando suas aventuras de carnaval pra mim e uma terceirizada q ganha em torno de 900$ reais , após terminar suas histórias abriu a boca e disse: Quem tem dinheiro e ñ viaja é um miserável…. aí eu fiquei rindo e disse: eu gosto muito de viajar, mas faço todo um planejamento e só viajo se tiver o dinheiro completo da viajem, ela logo falou: tu tmb com essa histótia de planejamento dá certinho com a Fulana( no caso a terceirizada) q faz planejamento… e ainda teve a coragem de dizer q essa fulana emprestou 100$ pra ela e q tem dinheiro gardado.. resumo ñ é ganhar pouco ou muito é quanto se gasta.

    Obs: conheci o clube dos poupadores poucos mais de 1 ano e já terminei minha reserva de emergencia de 8 meses ( mesmo sendo servidora) e estamos na parte de aposentadoria. Meu muito obrigada, Ávila.

    • Leandro Ávila 20 de março de 2017 at 8:25 - Reply

      Oi Sâmia. O pior é que ela pede R$ 100 emprestado para a pessoa que ganha R$ 900, ai pede mais R$ 1000 emprestado do pai e da mãe que são aposentados, pede mais dinheiro emprestado para o irmão, para os amigos, para os bancos e assim vai fingindo levar uma vida repleta de entretenimento de viagens graças aos sacrifícios das economias dos outros.

  68. Sâmia 18 de março de 2017 at 15:28 - Reply

    guardado*

  69. Izabel 19 de março de 2017 at 9:06 - Reply

    Leandro, seus artigos são sempre ótimos. Mas esse, como disse uma pessoa aqui, foi ‘um tapa na cara”. Eu tenho feito muitos avanços no sentido das finanças, as vezes me questiono se não estou sendo muito exigente com minha própria família. O esforço tem que ser coletivo quando trata-se de poupar. Sempre tive o objetivo de poupar um dos salários do casal, ou seja, eu e meu esposo trabalhamos e um dos salários deveria ser poupado. Não alcançamos esse ideal, mas chegamos perto. Mas recentemente, como muitos milhões de brasileiros, meu esposo foi demitido e graças as nossos esforços anteriores e mudança de hábitos, conseguimos viver com um dos salários. No entanto, este momento me fez pensar muito sobre a dependência de um emprego. A demissão é uma experiência traumática e não deveríamos depender de um emprego somente, estar nas “mãos” do empregador não é uma situação confortável. Por isso, este impacto da demissão nos fez pensar em empreender, ter uma segunda fonte de renda. O crescimento vem do sofrimento, saímos da zona de conforto. Seus artigos tiram as pessoas da zona de conforto. Pois aparentemente estamos na zona de conforto, com um bom emprego, mas na realidade isso não é verdade, colocamos nossos destinos nas mãos de terceiros.

    • Leandro Ávila 20 de março de 2017 at 8:30 - Reply

      Oi Izabel. Com certeza estar nas mãos do empregador não é nada confortável. Quem se sente confortável, está vivendo uma ilusão temporária. A demissão é praticamente uma certeza na vida de todos que estão empregados. Nos dias de hoje são raros os que conseguem seguir uma carreira dentro da mesma empresa, por toda vida, como era comum no passado. Se você tem uma vida financeira pessoal organizada isso ajudará no seu empreendimento. Muitos negócios pequenos quebram pelos mesmos motivos que as famílias quebram (falta de educação financeira). O crescimento vem do esforço, quando ele tem um propósito ele não é um sofrimento propriamente dito, ele é luta e as nossas lutas são nossa história, são motivo de orgulho e de bons exemplos para as futuras gerações (filhos, netos, etc).

    • João Silva 21 de março de 2017 at 19:23 - Reply

      Militares estão na zona de conforto. Não existe pátria sem segurança…

      • Leandro Ávila 22 de março de 2017 at 8:02 - Reply

        Dizem que a vida começa na linha que está no final da nossa zona de conforto.

  70. Reinaldo Eurico de Queiroz 19 de março de 2017 at 11:16 - Reply

    Caro Leandro,

    Leio sempre os seus artigos e foi por meio deles que passei a poupar e aplicar melhor o meu dinheiro.
    Obrigado pela sua ajuda.

  71. Fernando Evaristo 19 de março de 2017 at 17:39 - Reply

    O conteúdo do CP, está me ajudando muito a Reeducar minha vida financeira. A verdade liberta! Até então eu só conhecia a educação que os meus pais e bancos me passavam. Agora graças as minhas busca por conhecimento financeiro na internet, e por ter encontrado esse site, que agregou muito conhecimento sobre investimentos, e como lidar com dinheiro, na minha vida. Consegui administrar melhor minhas finanças.

    • Leandro Ávila 20 de março de 2017 at 8:32 - Reply

      Oi Fernando. Você disse tudo. A verdade liberta, o conhecimento que adquirimos na busca da nossa sabedoria liberta. Mais liberdade é mais felicidade.

  72. joao 19 de março de 2017 at 21:50 - Reply

    Eu ganho a média do salário brasileiro, botei minhas despesas numa planilha de Excel e percebi que pagava TV a cabo e não assistia, comprava iogurte/frios que acabavam esquecidos e vencendo, viagens caras que nem sei porque fiz, só aborrecimentos.
    Esses dias me surpreendi como eu consegui juntar dinheiro tão rápido, e só cortando despesas inúteis.
    Além disso eu e minha esposa temos um bico no fim de semana,onde conseguimos aumentar nossa renda.
    Tenho parentes que ganham quase 10 vezes mais do que eu mas estão endividados com parcela de carro, de casa, de pacotes de viagem.
    Quer ter dinheiro? precisa abrir mão de algumas coisas, correr atrás, não ter vergonha de trabalhar em serviços considerados “menores”, ter sempre em mente que tudo isso é temporário e lá na frente você vai estar em uma situação melhor, não vai estar rico mas em uma condição financeira bem melhor.
    As pessoas reclamam mas também não se mexem, querem ficar ricos do dia pra noite, é mais fácil jogar na loteria do que arranjar um bico de garçom ou manobrista né.

    • Leandro Ávila 20 de março de 2017 at 8:36 - Reply

      Oi João. Interessante a ideia das viagens que dão aborrecimento. Já observei que existem pessoas que no fundo não gostam de viajar. Se estressam antes, durante e depois da viagem. É como se viajassem apenas para mostrar para os outros que viajam, que são normais, que custem a vida, só que no fundo elas não gostam da viagem. Devemos usar nosso dinheiro com sabedoria fazendo escolhas agradáveis para nós, esquecendo a opinião dos outros. Sobre a vergonha dos “serviços menores” basta ler a história de grandes empresários, a maioria começou fazendo esses trabalhos mais simples e duros sem nenhuma vergonha do esforço que estavam fazendo para construir a vida que possuem hoje.

      • João Silva 20 de março de 2017 at 16:41 - Reply

        No Chile só tem pedra, frio, ar seco dor de cabeça e neve. Pesadelo.

  73. Reinaldo 19 de março de 2017 at 22:50 - Reply

    Existe sempre a desculpa de não conseguirmos guardar 10% ou mais, mas se por acaso nossa renda mensal mudasse de 1.000 para 900 ou de 50.000 para 45.000 com certeza conseguiríamos sobreviver normalmente.

    Esse conceito é meio raso mas estou seguindo ele ultimamente e vem dando certo.

    • Leandro Ávila 20 de março de 2017 at 8:37 - Reply

      Oi Reinaldo. Com certeza as pessoas sobreviveriam com uma redução enorme da própria renda se fossem obrigadas a isso. O que falta é vontade.

  74. Carlos 19 de março de 2017 at 22:53 - Reply

    Ótimo texto! 🙂 Parabéns! E obrigado por compartilhar conosco o seu conhecimento, Leandro!

  75. wellington 19 de março de 2017 at 23:28 - Reply

    Ola Leandro… excelente artigo, meus parabéns. Gostaria de deixar uma sugestão, você poderia fazer um artigo sobre o imposto de renda, dando dicas de como não deixar tanto dinheiro para o Leão. Grande abraço.

    • Leandro Ávila 20 de março de 2017 at 8:39 - Reply

      Oi Wellington. Já existem muitos sites que falam sobre imposto de renda. Não teria muito a acrescentar.

  76. Daniel do Nascimento Duarte 20 de março de 2017 at 10:37 - Reply

    Leandro, por gentileza, pertenço a uma associação de servidores estaduais no Espírito Santo, seria possível fazer um curso presencial, introdutório sobre educação financeira para esses associados? Se sim, vamos iniciar um diálogo. Obrigado!

    • Leandro Ávila 20 de março de 2017 at 12:32 - Reply

      Oi Daniel. Fico honrado com o convite. Não realizo cursos presenciais. Com o tempo que dedico aos meus projetos de educação financeira eu tento impactar o máximo de pessoas. O ensino presencial limita esse alcance. Uma forma de ajudar os servidores seria recomendar a eles que visitem o nosso site. Existem centenas de artigos que já estão prontos para a leitura. Meus livros sobre educação financeira também foram feitos para levar qualquer pessoa do básico para o avançado. Visite.

  77. João Silva 20 de março de 2017 at 17:19 - Reply

    Olá Leandro… a parte mais difícil para mim é adquirir o hábito de anotar os gastos diários e fazer um levantamento no fim do mês, mas aos poucos estou me habituando. Estou fazendo a reserva no tesouro direto… porém estou ficando duro antes do próximo pagamento

    • Leandro Ávila 22 de março de 2017 at 7:44 - Reply

      Oi João. Seu padrão de vida e de consumo está acima da sua renda. Seria fundamental anotar tudo pelo menos por 30 dias. Encare como se você estivesse fazendo um exame sobre a saúde da sua vida financeira. O objetivo é pegar esses dados no final e fazer um diagnostico, como um médico faria. Sem ter consciência sobre os caminhos que o seu dinheiro percorrem durante o mês, fica muito difícil encontrar a solução do seu problema.

    • Simone 25 de março de 2017 at 15:58 - Reply

      O aplicativo Minhas Economias torna bem mais prático o processo de anotar os gastos diários/parcelados/repetidos e receitas. É gratuito, e pode ser usado pelo celular ou via web, no site, já que fica tudo na nuvem. Recomendo!

      • Leandro Ávila 28 de março de 2017 at 8:40 - Reply

        Oi Simone. Existem muitos aplicativos, basta as pessoas testarem e escolherem aqueles que gostam mais.

  78. Sergio 21 de março de 2017 at 9:50 - Reply

    Vejo muitas pessoas que só reclamam mas não fazem absolutamente nada para melhorar. Como já havia comentado anteriormente, sou servidor público e convivo muito com pessoas nesse perfil. Fazem um trabalho absolutamente porco (quando fazem) e tentam justificar dizendo que já fazem muito em função do que ganham. Atendem mal, intimidam as pessoas mais humildes e ficam tranquilos, pois sabem que estão protegidos pela estabilidade da carreira. São os mesmos que vivem no rotativo do cartão e nos créditos consignados. E torcem o nariz quando digo que consigo fazer investimentos, que só realizo compras a vista e só depois de muito planejamento; consideram impossível. Quando comento sobre este site, já fui obrigado a ouvir coisas do tipo “Nossa, os textos são muito longos” ou “Ah, mas para entender tudo precisa ‘manjar’ de Economia”. Infelizmente, há pessoas que não querem ser ajudadas.

    • Leandro Ávila 22 de março de 2017 at 7:50 - Reply

      Oi Sérgio. Reclamar não exige qualquer esforço, é gratuito e gera um conforto mental temporário. Esse cidadão que não gosta do serviço público, que acha que ganha pouco e por este motivo faz um trabalho porco, é o tipo de servidor que deve ser motivado a deixar o emprego público, não para buscar um emprego privado, pois com esse perfil dificilmente conseguiria ficar muito tempo na iniciativa privada, mas sim para abrir o seu próprio negócio e passar pela experiência de ser 100% responsável por tudo e por todos. Todo servidor público insatisfeito deveria fazer um favor para ele, para a família dele e para toda a sociedade que é deixar o serviço público e abrir um negócio. Se a pessoa faz um trabalho porco, como você descreveu, ela vai sentir imediatamente o que significa ter um negócio fazendo um trabalho porco perante clientes que tem o poder de deixar de comprar da sua empresa e procurar a concorrência, coisa que as pessoas atendidas pelo serviço público não podem fazer.

    • samia 22 de março de 2017 at 17:57 - Reply

      Passo por tudo isso tmb .

  79. Emylli Sousa 21 de março de 2017 at 10:30 - Reply

    Obrigada por mais um excelente texto!
    Você é uma pessoa que inspira e motivo!
    Adoro o blog.

  80. Emylli Sousa 21 de março de 2017 at 10:40 - Reply

    Bom dia Leandro,

    Falando um pouco sobre reserva de emergência, o que você tem a dizer se caso já tenha um boa quantia reservada para esse fim, e usá-la para montar um negocia, onde já fiz um estudo que o negocio me traria um lucro maior que minha renda mensal atual e em 5 meses chegaria ao seu ponto de equilíbrio?

    Ansiosa pela resposta (srsrs).

    • Leandro Ávila 22 de março de 2017 at 7:53 - Reply

      Oi Emylli. Quem tem um negócio também precisa de uma reserva de emergência. Se você conseguiu montar sua reserva de emergência isso significa que consegue separar recursos para abrir o seu negócio sem comprometer 100% da sua reserva. Você afirma que em 5 meses poderia chegar no ponto de equilíbrio, mas isso certamente só ocorrerá se tudo der 100% certo, da maneira que você planejou. A grande questão é o que aconteceria se somente metade dos planos derem certo? E se nada der certo? Tudo deve ser previsto quando estamos diante de um negócio e assumir ou não um risco faz parte das suas decisões sobre o negócio.

  81. Jean 21 de março de 2017 at 10:47 - Reply

    Excelente texto, Leandro! Parabéns e que continuem cada vez melhores!

  82. Cleiton Oliveira 21 de março de 2017 at 12:12 - Reply

    Excelente texto para reflexão Leandro. É necessário ser o protagonista na vida e não ficar a mercê dos acontecimentos e escondido nas mais variadas desculpas.

    Um grande abraço.

  83. Isaque Santos 21 de março de 2017 at 19:35 - Reply

    Excelente artigo Ávila!

    Na minha opinião o problema não é só ganhar pouco, pois a média de renda do brasileiro é baixa. fonte: https://www.nexojornal.com.br/interativo/2016/01/11/O-seu-sal%C3%A1rio-diante-da-realidade-brasileira
    Mas eu mesmo conheço gente que ganha salario mínimo vive mal e mesmo assim não deixa de dar o dizimo ter cachorro, gato, passarinho peixe e tartaruga, as pessoas precisão eleger melhor suas prioridades.

    • Leandro Ávila 22 de março de 2017 at 8:04 - Reply

      Oi Isaque. Só existem dois caminhos, que inclusive podem ser seguidos ao mesmo tempo. Ganhar mais e/ou poupar mais. O custo de vida básico é igual para todos e por este motivo muitas vezes é importante fazer um esforço para encontrar soluções que permitam ganhar mais.

  84. Rosemar Andrade Bassani 21 de março de 2017 at 20:15 - Reply

    Muito bom o texto..claro, objetivo, e com muito conteúdo. Parabéns!.

  85. Marcos Arcanjo 21 de março de 2017 at 22:09 - Reply

    Ótimo artigo.

    A renda realmente uma desculpa pronta para quem não consegue poupar.

    Hoje vivo um desafio já fiz graduação e pós na minha área e agora não sei o que fazer para aprimorar na área educacional.

    Não sei se faço uma nova graduação, estudo para concurso. Como é difícil definir.

    Obrigado Leandro pelos conhecimentos compartilhados!!!

    • Leandro Ávila 22 de março de 2017 at 8:08 - Reply

      Oi Marcos. Muitas vezes o conhecimento que você precisa não está dentro das escolas e universidades. Você já parou para observar que milhares de autores geniais já produziram e estão produzindo livros todos os anos? Muitas vezes essas pessoas passaram a vida toda estudando um determinado assunto para conseguirem publicar tudo que aprenderam, de forma didática, em alguns livros. O resultado de uma vida de trabalho pode estar em 200 páginas que custam uma ou duas dúzia de reais na livraria da esquina. Livrarias são grandes minas de ouro. Nunca tanto conhecimento esteve tão acessível e barato para toda a humanidade. Aproveite e esqueça os centros formais de ensino, eles eram úteis na idade medieval.

  86. Michelle 22 de março de 2017 at 15:17 - Reply

    Vi claramente um exemplo com um casal de amigos da minha mãe: moram de favor, acabaram de ter um filho, e surgiu uma oportunidade “imperdível” de adquirir um carro novo. Atualmente continuam morando de favor, reclamam de não ter dinheiro para comprar fraldas para o filho, mas estão andando no carro novo, cujo valor da prestação daria tranquilamente para alugarem um apartamento de bom tamanho e ainda sobraria para comprar as fraldas da criança.

    • Leandro Ávila 22 de março de 2017 at 18:30 - Reply

      Oi Michelle. A grande verdade é que essa pessoa que oferece o espaço onde eles moram de favor é que está pagando, indiretamente, esse carro novo. É uma maneira de se apropriar dos recursos dos outros.

  87. Rogério Schneider 23 de março de 2017 at 0:18 - Reply

    Leandro, parabéns e muito obrigado por mais outro artigo essencial e revelador. Até hoje não encontrei nenhuma postagem sua que não fosse brilhante e extremamente útil, em todos os sentidos. Indico com ênfase para os amigos, assim como indico sites daqueles “fazedores de milionários” para os inimigos. Até mesmo suas indicações de cursos, como os do grande Eduardinho, são primorosas. Devido a questões de saúde na família, andei me desregrando na habitualidade dos acessos, mas pretendo me antenar adquirindo seus excelentes livros. Já pelas páginas dos índices e conhecendo seu estilo de texto, dá pra ver que são mais do que necessários para a gente sobreviver aos tsunamis financeiros. Valeu mesmo e, por favor, siga adiante nesse e em outros Projetos com o mesmo sucesso. Forte abraço!

    • Leandro Ávila 24 de março de 2017 at 21:13 - Reply

      Oi Rogério, obrigado pelo apoio. Parabéns por investir na sua educação financeira.

  88. Iuri Viana 24 de março de 2017 at 15:20 - Reply

    Leandro, parabéns pelo excelente artigo!

    A sua forma de transmitir a mensagem por escrito é coisa de talento natural. Parabéns!

    Comecei a ler o livro o Pai Rico e Pai Pobre, e me lembrei de uma frase de R.Kiyosaki que dizia mais ou menos assim: “Tenha um emprego, mas comece a cuidar dos seus próprios negócios” . O que isso quer dizer é que, O R. Kiyosaki e aconselha que a comecemos a usar formar de aumentar nosso ativo. Muita gente se confundi o que é ativo e o que é passivo. Ativo é algo que se valoriza ao longo do tempo, uma vez que o adquirimos, ele se transforma em uma máquina escrava a nossa que vai fazer o dinheiro trabalhar para nós.
    Por outro lado, o Passivo é tudo que só gera gastos e mais gastos ao longo do tempo, exemplos: carro, casa própria (manutenção, IPTU, Condomínio),
    Ao longo das nossas vidas, a gente normalmente acumula mais passivo ao invés do ativo.

    Sugestão de novo artigo: Escrever sobre a diferença entre Ativo e Passivo e dizer porque Passivo é algo relacionado com “Prazer Instantâneo” enquanto Ativo é algo que exige “Sacrifícios e Procrastinação”

    Abraços

    • Leandro Ávila 24 de março de 2017 at 21:11 - Reply

      Oi Iuri. No meu caso não é talento natural. É resultado de muito esforço e ainda preciso melhorar muito. O ativo não necessariamente tem relação com sacrifício, desconforto e procrastinação. Existem pessoas que montam seus negócios (um ativo) e encontram nele um propósito de vida, a realização de um sonho profissional e pessoal. Existem pessoas que sentem enorme prazer fazendo investimentos, veja o caso dos que gostam de investir ativamente na bolsa e acabam transformando isso em um hobby. Ter vários carros e casas pode ser uma fonte de sacrifício, problemas e sofrimento. Passar a vida trabalhando para comprar roupas, sapatos, joias, eletrônicos atualizados pode se transformar em um vício, uma cruz a ser carregada que só produz dívidas, problemas e insatisfação. Muitos procuram no consumismo para preencher um vazio existencial e nunca conseguem já que esse vazio não tem nenhuma relação com o externo, é uma questão interna.

  89. Caroline 25 de março de 2017 at 12:58 - Reply

    Adorei o texto, parabéns, muito inspirador. Ganhar pouco realmente não é desculpa para não poupar, infelizmente muitas pessoas usam isso como desculpa para justificar o endividamento.

  90. Tiago 26 de março de 2017 at 9:42 - Reply

    Depois de ler seu artigo. Fiquei lendo também os comentários e as respostas que você dava. Acho interessante, como as pessoas gostam de reclamar, somos imperfeitos, vamos errar. Mas o caminho da ignorância é sempre para as maioria das pessoas o melhor caminho. Não me gabando. Mas eu ganho 1 Salário mínimo e não reclamo. Estou satisfeito com ele, porque trabalho meio período para fazer um trabalho voluntário. Não tenho dívida e invisto mais da metade do que eu ganho. Em vez de procurar soluções, o melhor caminho é reclamar e por a culpa nos outros.

    • Leandro Ávila 28 de março de 2017 at 8:39 - Reply

      Oi Tiago. A reclamação é uma verdadeira epidemia mundial.

  91. Peter 27 de março de 2017 at 0:40 - Reply

    Excelente artigo Leandro… Na minha opinião o melhor de todos, pois muitos precisam deste choque de realidade!

  92. Carlos Roberto Longo Staino 28 de março de 2017 at 8:24 - Reply

    Olá Leandro,
    Você estuda LOGOSOFIA?
    Grande abraço, Carlos Roberto.

    • Leandro Ávila 28 de março de 2017 at 8:35 - Reply

      Oi Carlos. Não estudo Logosofia, mas sei que eles seguem um pensamento semelhante ao dos filósofos clássicos. Esses sim eu sempre estou estudando.

  93. Neia Oliveira 28 de março de 2017 at 14:16 - Reply

    Boa tarde, Leandro! Ótimo artigo, através deles estou conseguindo valorizar minha renda . Não sei se tem algo relacionado , mas depois que comecei a guardar uma parte da minha renda me interessei também em uma vida mais simples, uma vida minimalista. Nossa estratégia aqui em casa é pagar as contas com o salário de um e investir 100% do salário do outro . Até agora tá dando certo kkkkk. Vc acredita que até temos mesada!!! Sinto uma gratidão enoooormmme por vc compartilhar seus conhecimentos conosco! Abçsss.

    • Leandro Ávila 29 de março de 2017 at 9:03 - Reply

      Oi Neia. Isso tem total relação. Para poupar você é obrigada a fazer comparações entre as coisas com o objetivo de fazer escolhas melhores. Você passa a pensar se as coisas que você compra realmente valem aquilo que estão cobrando. Você passa a ter consciência sobre a diferença entre preço e valor. Isso naturalmente vai conduzir você a levar uma vida mais simples, pois as coisas que realmente tem valor não custam muito caro. Já as coisas sem muito valor exigem das empresas um enorme esforço de marketing. Elas gastam milhões por campanha para convencer você de que algo tem muito valor e é super necessário, quando na verdade não é. O que realmente tem valor não precisa de propagandas.

  94. Elder 28 de março de 2017 at 20:30 - Reply

    Boa noite, Leandro! Primeiramente, quero agradecê-lo, pois há um ano leio seus artigos e estou conseguindo evoluir bastante no árduo caminho da educação financeira. Em seguinda, queria pedir licença e utilizar esse espaço para registrar uma dúvida e solicitar uma dica sua, se possível, sobre o que acredito não ser apenas uma peculiaridade minha. Venho de uma família de poucos recursos financeiros e desde que me formei e comecei a trabalhar venho ajudando a manter. Meu pai trabalha, mas ganha abaixo do que gasta, então… Acabo assumindo grande parte das despesas da casa e isso atrapalha minha organização financeira. Ao longo dos últimos 5 anos venho tentando diferentes metodologias, mas a dependência deles em relação a mim continua grande. Percebo, inclusive, que a facilidade com que os ajudo os faz mal, pois impede que eles busquem outras soluções, já que sempre estou à disposição para suprir as necessidades. Pergunto: qual a melhor forma para ajudar a família financeiramente sem sacrificar meus próprios sonhos e anseios? Destinar um percentual da renda e só? Tentar identificar os ralos e propor uma ampla organização com o engajamento de todos? Ou continuar suprindo as necessidades deles, afinal é família, e sem essa base não somos nada?
    Muito obrigado pela atenção, parabéns e sucesso ao seu projeto!

    • Leandro Ávila 29 de março de 2017 at 9:09 - Reply

      Oi Elder. É difícil responder esse tipo de pergunta por não conhecer nada sobre seus pais. Se o seu pai tem 80 anos e trabalha, o nível de dependência dele vai aumentar a cada dia e isso faz parte. Quando você nasceu ficou dependente dele por quase duas décadas. Se o seu pai tem 50 anos e é uma pessoa saudável, você pode motiva-lo, aos poucos e sem forçar a barra, a ter um pouco mais de “ganancia” no bom sentido, no sentido de força de vontade de sair da zona de conforto, caso ele esteja em uma zona de conforto. Aos poucos você pode plantar ideias na cabeça dele que o leve a desejar buscar mais. Outra coisa importante é ser transparente. Deixe ele perceber que você está sacrificando seu sonhos, só que faça isso de forma delicada, como quem não quer nada.

      • Elder 29 de março de 2017 at 9:19 - Reply

        Obrigado, Leandro! Vou procurar motivá-los e ser mais transparente com delicadeza.

  95. Rita 29 de março de 2017 at 16:18 - Reply

    Lendro boa tarde

    Gostaria de agradecer pelo conteudo enriquecedor,este artigo abriu os meus olhos para a realidade e com certeza minhas atitudes daqui pra frente nao serao mais as mesmas,reconheço que minha ignorancia financeira me colocou em buraco,porem nao significa que precise morar la o resto da vida,vou começar me libertando quebrando todos os cartoes de credito,denitivamente nao consigo viver com eles sem domina-los.
    Abraços.

    • Leandro Ávila 7 de abril de 2017 at 7:15 - Reply

      Oi Rita. Parabéns por suas palavras! Depois retorne aqui e compartilhe conosco os seus resultados para motivar outros leitores a seguirem o seu exemplo.

  96. Nicole de Souza Correia 2 de abril de 2017 at 16:58 - Reply

    Boa tarde,gostaria de ler por aqui algum artigo sobre Marketing Multinível como forma de empreendorismo e enriquecimento a longo prazo acho que você é a única pessoa que poderia me dar um parecer mais neutro e matemático desse tipo de negócio,sei que não são todos os vendedores que se dão bem nesse ramo ..mas matematicamente é uma boa?

    • Leandro Ávila 7 de abril de 2017 at 7:14 - Reply

      Oi Nicole. O Marketing Multinível é uma forma engenhosa que algumas empresas utilizam para que você trabalhe 24h por dia, 7 dias por semana, com ganhos baseados no seu esforço e não em uma carga horária como ocorre em um emprego. Eles vão utilizar muitas técnicas motivacionais para que você trabalhe como nunca trabalhou antes na sua vida. Os resultados maiores que você terá será uma consequência desse esforço maior. Se você aplicasse o mesmo empenho em qualquer outra empresa que oferece ganhos por desempenho (quanto mais trabalha, mais ganha) você teria o mesmo resultado. Mesmo assim, para ter sucesso neste tipo de atividade você terá que desenvolver muitas habilidades. As pessoas que conseguem ter sucesso neste tipo de negócio tem o perfil empreendedor e se a pessoa tem esse perfil empreendedor seria mais proveitoso abrir o próprio negócio.

  97. Alexandro Texeira 6 de abril de 2017 at 18:08 - Reply

    Ganhar um salário baixo, pagar aluguel , sustentar filho, pagar contas e ainda investir é fácil somente no papel e em palavras que o vento leva….

    • Leandro Ávila 7 de abril de 2017 at 7:04 - Reply

      Oi Alexandro. Ganhar bem não é fácil, ter a casa própria para não depender do aluguel não é fácil, pagar suas contas e ainda ter recursos para investir não é fácil, mas reclamar é muito fácil. Não ter qualificação, estudo, habilidades, não se desenvolver profissionalmente para ganhar mais também é muito fácil (basta não fazer nada). Ter inúmeros filhos sem planejamento, sem condições para sustentar as crianças também é a coisa mais fácil que existe. Acumular contas que não cabem no seu salário é muito fácil. Não sobrar nada para investir no final do mês é uma consequência de tudo isso e você não precisa fazer nenhum esforço. A vida que temos hoje é uma consequência do que andamos fazendo com ela no passado. A que você terá no futuro depende do que você faremos depois que terminar a reclamação.

  98. Alexander 8 de abril de 2017 at 19:51 - Reply

    Parabéns pelo excelente artigo.

  99. eduardo 12 de abril de 2017 at 18:47 - Reply

    Caro Leandro, seus artigos ajudaram muito a abrir minha cabeça com os conceitos de educação financeira, absolutamente ignorado pela maior parte da população. Agradeço por disponibilizá-los. Mas gostaria de compartilhar uma preocupação com você (além de todos aqui) e saber sua opinião. Refere-se ao fato de que uma grande parcela dos brasileiros minguam com ignorância sistêmica. Subempregos, transportes lotados, sem ter nem sequer o básico para a sobrevivência, e que passam muito ao largo das informações que por aqui circulam.
    Para aqueles que estão nas ruas, favelas, cortiços, lavouras, muitas crianças nos faróis o que resta fazer? Voluntariado? Contar com o governo? Faz parte do processo, como uma lixeira social? Isso também é o Brasil. Não sei se é uma encanação minha, mas penso que um país não pode subsistir sendo economicamente usufruído por poucos com a essa tremenda desigualdade no compartilhamento das riquezas. Como a educação e a informação.
    Obrigado, e abraço a todos!

    • Leandro Ávila 12 de abril de 2017 at 20:36 - Reply

      Oi Eduardo. Uma vez estava observando uma obra na frente do prédio onde moro. Nesta obra todos usam um capacete de segurança. Cada cargo tinha um capacete de cor diferente. No mesmo local era possível ver uma pessoas com capacete cinza, branco, azul e verde. Minha filha perguntou por qual motivo o homem de capacete verde fazia o trabalho mais difícil, pois era ele que ia e vinha carregando peso (areia, tijolos, cimento). O homem de capacete azul assentava tijolos. O de capacete branco dava ordens no de capacete azul e o de capacete cinza trabalhava dentro de um contêiner com ar-condicionado. Então disse pra ela. A educação que o de capacete verde recebeu faz com que ele só consiga carregar coisas. O de capacete azul é o pedreiro e fez cursos que permitem a ele saber o que fazer com todos aqueles tijolos e cimento. O de capacete branco é o mestre de obra, ele sabe fazer o que o pedreiro faz, tem experiência e por este motivo pode supervisionar a obra. Já o rapaz de capacete cinza é o engenheiro. Ele estudou mais tempo que todos os outros e concluiu um curso superior. O que separa o engenheiro daquele servente de capacete verde é o quanto cada um estudou e se preparou para realizar as tarefas. Um é mais qualificado que o outro e por este motivo um recebe 1 salário mínimo e o outro recebe 10 ou 12 salários mínimos. Falta educação, falta educação profissionalizante, falta gente preparada para produzir riquezas.

  100. Robson Cardoso 16 de abril de 2017 at 11:56 - Reply

    A frase do seu artigo é muito impactante: “A luz do conhecimento provoca um forte incômodo naquele que ficou muito tempo nas sombras da ignorância…. ” Temos que investir no nosso conhecimento. Me identifiquei muito com esta frase. Parabéns pelo seu artigo.

    • Leandro Ávila 17 de abril de 2017 at 13:29 - Reply

      Oi Robson. Fico feliz quando consigo impactar positivamente. Obrigado por compartilhar.

  101. Thiago 3 de maio de 2017 at 14:48 - Reply

    Ótimo post! Leandro!! Fica aqui minha dúvida. MExi um pouco nesse mundo de investimentos e vi que algumas empresas de empréstimos cobram uma taxa muito baixa de juros, se eu encontrar um investimento de alto rendimento (uma reforma num imovel próprio para aluguel por exemplo) vale a pena pegar esse emprestimo, pois com a reforma ele seria alugado mais facilmente e eu conseguiria pagar o emprestimo e ter uma sobra (talvez). O que acha?

    • Leandro Ávila 11 de maio de 2017 at 8:15 - Reply

      Oi Thiago. Impossível para mim saber se você conseguiria pagar o empréstimo e se teria alguma sobra. Isso depende da sua habilidade de encontrar bons imóveis, boas oportunidades, depende da sua habilidade de fazer uma reforma de tal maneira que o imóvel possa se valorizar com o menor investimento possível. Dependa também da sua habilidade conseguir uma pessoa para alugar esse imóvel, fazendo tudo de forma rápida, sem riscos e sem problemas e imprevistos no meio do caminho até o dia do pagamento da primeira parcela da sua dívida. Para quem nunca fez isso na vida, assumir uma dívida para se aventurar seria uma loucura. Para quem é um profissional da área, já trabalha com reformas, já tem costume de comprar e vender imóveis e de resolver os problemas que podem surgir, pode ser uma possibilidade.

  102. FERNANDA FERREIRA DA SILVA 11 de maio de 2017 at 2:15 - Reply

    Adorei o site. Não consigo parar de ler.
    Parabéns!

    • Leandro Ávila 11 de maio de 2017 at 8:05 - Reply

      Oi Fernanda, parabéns por dedicar seu tempo buscando seu desenvolvimento.

  103. Beatriz 20 de maio de 2017 at 11:06 - Reply

    Hoje, mesmo não morando mais no Brasil, continuo acompanhando suas publicações…sempre fui considerada muquirana (com o perdão da palavra) pq sempre acreditei que se não tinha o dinheiro para comprar, o remédio seria poupar. E assim segui a vida, poupando e pagando à vista. Óbvio que tb já fiz algumas extravagâncias por impulso, sem pensar. Mas o melhor investimento que fiz até hoje foi na minha educação (isso sim vale a pena e não pararei nunca), uma pena que poucos brasileiros não tenham a mesma percepção. Parabéns pelo seu excelente trabalho e dedicação!

    • Leandro Ávila 23 de maio de 2017 at 12:48 - Reply

      Oi Beatriz. O investimento na educação e em tudo que possa nos desenvolver rende frutos por toda vida. Parabéns.

  104. Daniele 25 de maio de 2017 at 16:17 - Reply

    Olá Leandro!

    Acompanho seu site a um ano e gosto dos seus textos.
    Porém, dessa vez venho fazer uma crítica.

    O senhor não respondeu exatamente a pergunta da moça. Vi muito mais motivacional do que de fato dicas práticas e úteis.
    Motivação, acordar pra vida, se planejar… Aparentemente a moça já tem. Mas cadê as orientações sobre como realmente conseguir colocar em prática? Só vontade não basta. Para quem leu os outros textos, pode até ter uma noção do que deve fazer, mas para quem chegou de paraquedas… Pode não ter o efeito desejado.

    Enfim, obrigada pela atenção.

    • Leandro Ávila 25 de maio de 2017 at 16:30 - Reply

      Oi Daniele. Para quem chegou de paraquedas existem mais de 300 artigos gratuitos, longos de detalhados, publicados aqui no Clube dos Poupadores. Basta acessar a opção no menu superior do site e acessar todo o conteúdo que está organizado por assunto. Também existe um campo de busca na parte superior onde é possível buscar por palavra-chave. Eu também tenho uma série de livros que juntos somam mais de 700 páginas de conteúdo didático e organizado na ordem certa que as pessoas precisam aprender. Basta começar agora dedicando 30 ou 40 minutos de leitura por dia por vários dias. Essa é a parte mais fácil (ler e aprender) sendo a única que ninguém mais pode fazer por você. A parte mais difícil eu já fiz que foi estudar todos esses assuntos para depois ensinar da forma mais didática possível, esmiuçando os temas para serem entendidos com facilidade. Como você pode ver, não existe “O milagre”. Existe bastante trabalho pela frente que depende de muita motivação para começar e principalmente para terminar.

Leave A Comment

Share this

Compartilhe com um amigo