Salário ideal para ser feliz

Quanto você gostaria de ganhar por ano para se sentir feliz com o seu salário? O que você está fazendo nesse exato momento para atingir essa renda dos sonhos?

Todos os dias pela manhã, enquanto me preparo para ir até o meu escritório, escuto um microbook ou o resumo em áudio de um livro. Na manhã de hoje esse livro foi o “Davi e Golias: A arte de enfrentar gigantes” do autor Malcolm Gladwell,  jornalista e colunista do “The New Yorker”.

Esse livro fala muito sobre o impacto da “curva U invertida” na nossa vida. Ela nos permite entender que para tudo existe um ponto de equilíbrio, nem o mínimo e nem o máximo são as melhores opções e esse padrão se repete em muitas áreas.

O seu desafio é encontrar qual é o “ponto ótimo” na sua vida com relação a sua renda e trabalho.

Dentro da abordagem do livro, você possui uma renda familiar ideal para garantir o máximo de felicidade e satisfação com sua vida financeira. Cada pessoa, cada família, teria uma renda mensal ideal que se for atingida garantirá o máximo de satisfação. Ao ultrapassar esse “renda perfeita” o seu nível de felicidade começaria a cair.

Isso significa que se a sua renda familiar ideal fosse R$ 240.000,00 por ano (R$ 20 mil por mês), o seu nível de felicidade aumentaria até esse ponto ideal e pararia ou até começaria a cair depois desse limite.

Dessa forma, se você ganhasse o dobro ou R$ 480.000,00 por ano (R$ 40 mil por mês) seu nível de satisfação com a vida não seria duas vezes maior e esse acréscimo poderia até se tornar um motivo para estresse e problemas que afetariam sua qualidade de vida.

O livro mostra, através de pesquisas, que dinheiro demais ou de menos tem um impacto na felicidade das pessoas. Ele fala sobre estudos que mostram que ter dinheiro em demasia pode gerar dificuldades na vida de quem possui filhos. Tudo indica que se não existe algum tipo de escassez, o valor percebido das coisas diminui e isso pode gerar problemas na formação da criança. O livro fala que nascer de uma família de classe média, por exemplo, ajuda mais na formação de um jovem que nascer em uma família de bilionários.

Deve ser por esse motivo que um dos homens mais ricos do mundo (veja a figura logo abaixo) cria uma escassez diante dos seus filhos para que não tenham o bastante.

Com base nas pesquisas descritas no livro o salário ideal ou o ponto de equilíbrio seria de US$ 74.000,00 por ano (quase R$ 240 mil por ano) nos EUA. Se você tem rendimentos muito inferiores ou superiores a isso nos EUA, tende a ser menos feliz graças ao efeito da curva U invertida. Veremos agora que no Brasil precisamos do dobro de dinheiro.

Existe outra pesquisa, mais antiga, que mostra o que seria o “salário da felicidade” ou a renda anual média que deixaria qualquer pessoa do mundo feliz. Essa renda estimada foi um pouco mais de US$ 161.000,00. Na cotação de hoje isso daria um pouco acima de R$ 515 mil ou quase R$ 43 mil por mês.

Observe no gráfico que no Brasil a renda anual perfeita para garantir plena felicidade seria de US$ 143.650,00 (fonte). É curioso observar que os alemães só precisam de US$ 85 mil por ano para se sentirem felizes.

Globalmente o patrimônio ideal que as pessoas declaram que precisam para se sentirem ricas é de mais ou menos US$ 1,8 milhões que seria alguma coisa na casa de R$ 5.7 milhões. Isso seria o total do seu patrimônio em dinheiro. Como isso é uma média global, existem países onde a população responde que precisaria de um patrimônio maior para se sentir rica. Os cingapurianos declaram que precisam de US$ 2,91 milhões para se sentirem ricos. Quem vive em Dubai precisa de no mínimo US$ 2,5 milhões. Os americanos continuam utilizando como meta o valor de US$ 1 milhão. É claro que não existe uma receita para uma renda familiar ideal ou um patrimônio ideal. Você deve determinar isso com base no seu estilo de vida e ambiente onde vive.

Investimento número 1

Você já deve ter feito as contas na sua cabeça sobre qual seria sua renda anual da felicidade. Já deve ter comparado quanto ganha e quanto falta ganhar para atingir esse objetivo. O centro da questão está naquilo que você fez nos últimos meses para valorizar o seu tempo trabalhado e aquilo que você pretende fazer nos próximos.

O investimento mais importante que você deve fazer durante toda sua vida (no contexto do dinheiro) é aquele que permitirá aumentar o preço da sua hora trabalhada. Todos os outros investimentos financeiros só serão possíveis depois que o dinheiro estiver sobrando no seu bolso.

O trabalhador mais bem pago do mundo e o trabalhador que recebe um único salário mínimo possuem as mesmas 24 horas por dia. O que faz a diferença entre a renda anual deles é o valor daquilo que eles sabem fazer com as horas que destinam ao trabalho.

  1. Quanto vale o que você sabe fazer com suas horas trabalhas?
  2. O que você fez nos últimos 12 meses para aumentar o valor do trabalho que você sabe fazer?
  3. O que você fez nos últimos meses para fazer mais e melhor com a mesma quantidade de horas trabalhadas?
  4. Quanto tempo você realmente gastou trabalhando e quanto tempo você jogou fora se distraindo durante o horário de trabalho?

A primeira coisa que as pessoas pensam quando faço esse tipo de pergunta sempre é uma boa desculpa. A maioria já tem uma boa desculpa na ponta da língua para o baixo valor da sua hora trabalhada. Essas desculpas prontas são uma verdadeira praga na vida das pessoas.

Exemplo: “O preço da minha hora trabalhada é baixo, mas eu tenho uma boa desculpa. Eu gostaria de ter feito faculdade blá, pós-graduação em blá blá, MBA blá blá blá, intercâmbio blá blá blá. Só que eu não tive: dinheiro, tempo, oportunidade, apoio, paciência, força de vontade, paitrocínio, subsídios, bolsa de estudos… ” 

Também tem aquelas desculpas que transferem a responsabilidade para os outros: “O preço da minha hora trabalhada é baixo por culpa dos empresários gananciosos, dos políticos corruptos, do capitalismo selvagem, dos meus pais, da minha falta de sorte por ter nascido pobre, etc”.

Tudo bem, são as mesmas desculpas que todas as pessoas sempre usam para justificar os baixos resultados que conseguem vendendo tempo trabalhado. São boas desculpas, as coisas não são fáceis e a nossa mente é especialista em encontrar essas histórias confortantes. O desafio é dobrado. Além de lutar contra essas dificuldades externas, ainda temos que enfrentar essas desculpas que criamos no piloto automático (falo muito sobre isso no meu curso Resistência).

A grande questão é: “O que você está fazendo nesse exato momento para mudar essa situação?“.

A educação dentro de instituições formais, como as faculdades, vai continuar exigindo dinheiro (muito dinheiro). Elas também exigem tempo, paciência, força de vontade, etc.

Os empresários vão continuar sendo gananciosos, os governos são corruptos desde o início das civilizações, o capitalismo é selvagem por natureza e sempre foi assim e os seus pais fizeram o máximo que eles poderiam ter feito diante das limitações que eles também tinham.

Mesmo com todas as dificuldades, existem pessoas que superam tudo e conseguem valorizar o trabalho que fazem por cada hora trabalhada. Existem pessoas que produzem muito mais por hora trabalhada. O seu foco deveria ser descobrir o que essas pessoas fazem de diferente, quais informações, hábitos e conhecimentos elas possuem e que ainda faltam em você.

Recentemente estava conversando com uma pessoa que trabalha com vendas. Ela reclamava da vida e fazia uso de todas essas justificativas diante dos seus baixos resultados. Então eu disse “tudo bem, mas o que você está fazendo para mudar essa situação? Existem muitas técnicas e estratégias que podem melhorar seu desempenho nas vendas e todo ano existem livros sobre esses assuntos. Quais livros você leu no último ano sobre sua área? Quais cursos você fez?” 

Para minha surpresa a pessoa não tinha lido nada e não tinha feito cursos. Na verdade, nem lembrava a última vez que comprou algum livro para aprender alguma coisa que pudesse ajudar seu trabalho. Para piorar, ela admitiu que os colegas de trabalho que possuem os melhores resultados são os que sempre estão se qualificando.

É claro que essa pessoa justificou por qual motivo não se qualificava também. Não se qualificava por falta de tempo, falta dinheiro, falta paciência, falta força de vontade, falta apoio, etc. O problema é que a falta de bons conhecimentos é que geram todas essas faltas.

Eu mostrei para ele que isso era um enorme problema.

Vivemos em um mundo onde as locadoras deixaram de existir graças ao Netflix. As agências de turismo não são mais as mesmas graças ao surgimento de empresas como Booking e Airbnb. As telefônicas no mundo todo sofrem o impacto de aplicativos como Whatsapp. Empresas como o Uber estão complicando a vida dos taxistas. Empresas como OLX fizeram os classificados dos jornais perderem o sentido. Waze fechou fábricas de GPS, o Youtube está tirando a audiência das emissoras de TV, smartphones se transformaram em agenda, relógio, calculadora, máquina fotográfica, mp3, pequenos televisores e computador de bolso.

As empresas investem cada vez mais em inteligência artificial, automação, serviços online, aplicativos e robôs. Diante dessa revolução, qual é o profissional que pode se dar ao luxo de ficar um ano sem aprender nada novo?

Estava no táxi indo do hotel para um evento em São Paulo. O taxista me perguntou: “Outro passageiro me disse que tem mais de 5 mil pessoas nesse evento. O que você estão fazendo lá?”.

Eu respondi: “Estamos assistindo a palestra de um cara que escreveu um livro 20 anos atrás”.

Ele disse: Ah… entendi. Eu não gosto de ler, nunca gostei de estudar”.

Eu respondi: Ah… entendi. Por isso o senhor dirige um táxi”.

É duro, mas na Era da Informação, não poderia ser mais real. É claro que esse diálogo estava dentro de uma conversa que durou uns 10 ou 15 minutos. Eu comecei a falar sobre o livro do palestrante (Pai Rico Pai Pobre)  e ele terminou a corrida me agradecendo por tudo que disse e compartilhei. Anotou o nome do livro e disse que ia passar em uma livraria naquele mesmo dia.

O mundo de hoje tem como base:

  1. O aprendizado contínuo se torna imprescindível (mais importante que diplomas)
  2. É preciso especializar-se, unindo conhecimento teórico e prático.
  3. O poder está na mão das pessoas com conhecimento.
  4. A vantagem hoje está na boa aplicação do conhecimento (só conhecimento não gera resultado).

Falta de tempo costuma ser a maior de todas as justificativas.

O problema é que se as pessoas não destinarem algum tempo por dia para estudar alguma coisa nova, nem que seja 15 minutos por dia, no futuro próximo elas terão todo tempo do mundo livre, pois ficarão tão defasadas que serão facilmente substituídas por pessoas mais jovem atualizadas ou por máquinas, aplicativos, processos automatizados e inteligência artificial.

Não ter tempo para ler um livro inteiro não pode ser desculpa. Hoje existem serviços de microbooks e resumo de livros em áudio (veja o que eu uso), existem sites, canais de vídeos, cursos e outras fontes de informação de acesso rápido e barato. Essas tecnologias permitem que você estude em qualquer lugar, no trânsito enquanto vai e volta do trabalho, durante as refeições, limpando a casa, fazendo exercícios, etc.

Cada vez mais o seu desenvolvimento profissional e financeiro dependerá do seu esforço individual diário. Cuide do seu investimento número 1. Busque o maior retorno por hora trabalhada. Aumente sua produtividade (faça mais com menos), aumente seus conhecimentos e habilidades para valorizar aquilo que você sabe fazer com o seu tempo.

By |10/10/2017|Categories: Trabalho|112 Comments

About the Author:

Leandro Ávila é administrador de empresas, educador independente especializado em Educação Financeira. Além de editor do Clube dos Poupadores é autor dos livros: Reeducação Financeira, Investidor Consciente, Investimentos que rendem mais, e livros sobre Como comprar e investir em imóveis.

112 Comments

  1. Louis 10 de outubro de 2017 at 11:53 - Reply

    Olá Leandro,
    concordo que as pessoas deveriam sempre ler para aprender algo, mas gostaria de fazer uma observação.
    Quase todos associam leitura de livros com aprendizado, evolução. Mas conheço gente que lê muito, mas não vejo foco em aprimoramento pessoal / profissional nessas leituras. É preciso ter foco e senso crítico nas leituras. Muita gente se orgulha de devorar livros, e você vai ver, só romance, ficção, etc… Pra mim, esse tipo de leitura é o mesmo que assistir uma novela.

    • Leandro Ávila 10 de outubro de 2017 at 12:27 - Reply

      Oi Louis. As pessoas precisam refletir sobre “O que eu preciso aprender, qual habilidade preciso dominar, que qualidades preciso desenvolver para melhorar meus resultados?”. Se novela escrita ou na TV resolve o problema, tudo bem. Se não resolve, nada vai mudar.

      • Luiz paulino 15 de outubro de 2017 at 9:59 - Reply

        Bom dia Leandro Ávila, seus livros a venda são todos online ou encontro o físico também pra comprar?

        • Leandro Ávila 18 de outubro de 2017 at 12:54 - Reply

          São todos online. São eles que tornam o Clube dos Poupadores economicamente viável. Eles que permitem manter o projeto. Os livros físicos só permitem manter as editoras, gráficas e livrarias abertas e lucrando.

  2. Marcelo Neves Queiroz 10 de outubro de 2017 at 12:01 - Reply

    A vitimização deve ser banida da mente dos seres humanos! Saber como funciona a regra do Jogo e aprender a jogar é questão de sobrevivência. Gosto muito da frase de Charles Darwin ” Só os bem adaptados sobrevivem”. Gostei da dica do aplicativo 12 minutos não conhecia. Eu uso o ubook e gosto muito. Sensacional o artigo! Parabéns pelo trabalho.

    • Leandro Ávila 10 de outubro de 2017 at 12:31 - Reply

      Obrigado Marcelo. A única desculpa válida é “eu não sou forte ou capaz de vencer minhas próprias limitações e os obstáculos do meio e optei por não fazer nada para mudar essa situação”.

      • Rosana 15 de outubro de 2017 at 7:38 - Reply

        Leandro,

        O post está excelente e a frase em sua resposta resume bem a forma como agimos muitas vezes: justificando em vez de procurar soluções.

        Gostei da frase: “O que você está fazendo nesse exato momento para mudar essa situação?“

        Abraços,

    • Ana Paula 16 de outubro de 2017 at 15:47 - Reply

      Concordo com você, Marcelo, a vitimização ofusca a capacidade das pessoas, quem se faz de vítima dificilmente progride, além de se tornar desagradável companhia.

  3. Michel 10 de outubro de 2017 at 12:09 - Reply

    Parabéns Leandro, mais uma vez pelo conteúdo! O maior valor que podemos ter na vida, é esse valor ser nós mesmo.

  4. Karina 10 de outubro de 2017 at 13:06 - Reply

    Por uma vida melhor é que estou fazendo o curso “Resistência”. Investi no meu maior bem, eu!;) Obrigada Leandro por compartilhar bons conhecimentos e nos tornar pessoas melhores.

    • Leandro Ávila 10 de outubro de 2017 at 13:41 - Reply

      Obrigado Karina. Parabéns por investirem você. Toda riqueza emana do que somos, do valor que conseguimos produzir através dos nossos conhecimentos, habilidades, virtudes, decisões e trabalho. Dessa forma, o “investimento 1” precisa ser em nós. O investimento 2, aquele que faz uso do dinheiro que conseguimos entregando valor, é uma segunda etapa.

  5. Hygor 10 de outubro de 2017 at 13:23 - Reply

    Parabéns, Leandro. A propósito, o trabalho com o http://transcendenciafinanceira.com/ é sensacional. Abraços.

  6. Pablo 10 de outubro de 2017 at 13:35 - Reply

    Parabéns Leandro,

    Sem dúvida este foi um post de inspiração especial. Um dos melhores que li no seu blog até hoje! Já compartilhei com amigos e contatos. Parabéns!

    • Leandro Ávila 10 de outubro de 2017 at 13:42 - Reply

      Obrigado por compartilhar Pablo. Espero que ajude essas pessoas que vão receber seu compartilhamento.

  7. Luiz Henrique P. Coelho 10 de outubro de 2017 at 13:50 - Reply

    Outro ótimo artigo Leandro!

    Parabéns pelos ‘tapas’ na cara que precisamos para acordar! Sou aluno do teu curso “Resistência”, e sinceramente recomendei e recomendo para muitos amigos e pessoas que conseguem compreender o que está em “JOGO”.

    Muito obrigado por compartilhar tuas reflexões, dicas, e conhecimento!

    Um forte abraço e parabéns pelo ótimo trabalho!

    • Leandro Ávila 10 de outubro de 2017 at 13:55 - Reply

      Obrigado Luiz. Nem todos estão prontos para entender o que realmente está em jogo. Parabéns por estar na primeira turma.

  8. Jonas Alves Miranda 10 de outubro de 2017 at 14:02 - Reply

    Artigo perfeito! Parabéns!
    Buscar o crescimento é algo muito. É triste quando vemos uma pessoa que não quer crescer mais, que não quer uma situação melhor, que não sonha mais, mesmo que não seja uma busca pra si mesmo, pode ser pelo próximo, pela família ou por alguma causa social. Quando deixamos de sonhar ou buscar algo melhor, deixamos de viver. Porque viver não é apenas estar vivo, mas é uma experiência continua de conquistas e realizações.
    Aqui na minha cidade os ônibus coletivos não tem mais os cobradores de passagens, toda vez que pego o ônibus fico olhando aquela cadeirinha vazia do cobrador. É engraçado que já faz algum tempo que isso aconteceu e as empresas não tiraram as cadeiras. Parece que é uma mensagem do capitalismo dizendo: “Fica esperto amigo, o mundo está evoluindo, se vc ficar parado vai sobrar também!”
    Conheço muitas pessoas que ficaram anos trabalhando como cobrador sem ao menos fazer um curso técnico para ter uma opção de trabalho melhor.
    Nosso futuro está em nossas mãos hoje, colheremos o que plantar.

    Abraço.

    • Leandro Ávila 10 de outubro de 2017 at 14:29 - Reply

      Oi Jonas. O próximo que vai sair da cadeira é o motorista do ônibus. Pode demorar um pouco aqui no Brasil, mas será inevitável. Como as tecnologias ficam cada vez mais barata, basta o custo do trabalho e dos direitos trabalhistas compensar o investimento que as empresas não vão pensar duas vezes.

      • Mr Webster 17 de outubro de 2017 at 12:39 - Reply

        Bom Dia!

        Com a mentalidade esquerdista embutida nas pessoas, inclusive aquelas que têm o poder de decisão, com a DESjustiça Trabalhista, sindicatos de parasitas pelegos, Congressistas, dificilmente esse tipo de tecnologia, que substituirá os trabalhadores braçais, será posta em prática aqui no Bananil. E pode até ser, mas levará muitos e muitos anos, só quando for inevitável.

        Basta ver que em pleno século XXI ainda temos cobradores de ônibus e frentistas. Ainda vai demorar muito tempo para as coisas acontecerem por aqui!

  9. Livônios Ceschini Junior 10 de outubro de 2017 at 14:17 - Reply

    Texto muto bom, como sempre!
    Outro dia estava avaliando, achava difícil o entendimento do tesouro direto.. A superação “desafio” me levou o mercado de ações. Percebi que a questão era mais uma barreira psicológica do que entendimento.em si.. Atualmente estou lendo sobre Holding Patrimonial. Fato é…Se parece difícil, deve ser bom – melhor investigar!
    Abraço

    • Leandro Ávila 10 de outubro de 2017 at 14:30 - Reply

      É sempre bom aprender mais. Isso aumenta nosso leque de possibilidades.

  10. Andre 10 de outubro de 2017 at 14:57 - Reply

    faça mais com menos. Aprimore-se, se atualize, ixi terminei um curso agora mas veja so já estou desatualizado! Tempo??? Tempo é artigo de luxo. Se você quiser tirar uma hora de almoço, perda de tempo alguém tira 15 min e volta produzindo mais que você… a grande realidade é que conseguiram escravizar o homem ainda mais. Sempre existiu escravidão e nunca deixará de existir o ponto é que agora o homem “gosta” de ser escravo e quanto mais escravo ele for, mais a sociedade aplaude. Escravos do dinheiro, do conforto, na busca incessante por “ter mais tempo” gasta-se ele todo e sente-se cada vez mais vazio. Porém como disse um sábio, quanto mais se conhece, mais se sofre.

    • Leandro Ávila 10 de outubro de 2017 at 15:48 - Reply

      Oi Andre. As pessoas deveriam escolher a quem servir, pois não existe outra opção a não ser o serviço. É bom que as pessoas gostem de servir e do serviço buscando servir mais e melhor com os mesmos recursos (tempo e trabalho) Eu sirvo meus leitores. Um médico serve seus pacientes. Um funcionário de uma empresa serve seu patrão ou os clientes do seu patrão. Um funcionário público serve a sociedade, ou deveria se esforçar nesse sentido. Um político deveria servir a população, ai serve seus interesses (suas escrevidão por luxo, dinheiro fácil, etc) e acaba preso. Para quem não gosta de servir só resta lamentações, reclamações, vida dura e muitos problemas.

    • Gilberto 10 de outubro de 2017 at 16:01 - Reply

      Você tem a opção de não se atualizar, de não produzir, de não se especializar, de não se desenvolver como humano e como profissional. Só que, nesse caso, vai passar a vida toda dependendo de esmolas do governo e reclamando do “sistema opressor” – esses são os verdadeiros “escravos”.

      • Leandro Ávila 10 de outubro de 2017 at 16:49 - Reply

        Pois é Gilberto. A opção de não produzir e não se desenvolver pode ser exercida, mas deve ser de maneira consciente e responsável. Isso evita o ciclo de reclamações, justificativas e transferência da culpa e responsabilização dos outros por uma decisão pessoal.

    • Samyra 10 de outubro de 2017 at 17:24 - Reply

      Andre, o seu comentário me fez refletir e me lembrou um artigo que li esses dias que dizia que “Em algum momento da história, a falta de ambição tornou-se uma espécie de falha moral, quando na verdade essa mesma ambição é a causa de inúmeras doenças modernas”.

  11. Júlio César Fais 10 de outubro de 2017 at 15:28 - Reply

    Como sempre, mais um artigo enriquecedor, parabéns…

  12. Rafael Camacho 10 de outubro de 2017 at 15:29 - Reply

    Leandro, mais um artigo excepcional. Mesmo no momento estando numa posição favorável e em pleno crescimento, ao ler seus artigos e continuar com meus estudos através de livros só me faz querer estar um passo à frente das mudanças! Parabéns!

  13. Felipe 10 de outubro de 2017 at 15:42 - Reply

    Eu respondi: “Ah… entendi. Por isso o senhor dirige um táxi”….

    Excelente artigo Leandro. Já tinha ouvido falar do 12 minutos e darei uma chance a ele agora.

    Fiquei curioso com uma coisa. Você respondeu só o “Ah… entendi” ou respondeu também o “Por isso o senhor dirige um táxi” ? Falou literalmente dessa forma ou deu uma resumida aqui?

    Você está absolutamente certo na sua linha de raciocínio, mas eu, pessoalmente, nunca iria jogar na cara de ninguém que uma pessoa está trabalhando em uma determinada profissão porque não gosta de livros. A pessoa poderia não entender minha crítica da maneira correta e ficar ofendida com o argumento. Se eu realmente quisesse falar isso, o faria de uma maneira extremamente sutil, e não com uma frase tão direta e impactante.

    Mas conhecendo você pelos seus artigos, você deve ser capaz de fazer críticas atacando somente a ignorância das pessoas e não a pessoa mesmo, que nem você disse em outro artigo. Esse tipo de crítica não é tão simples de se fazer e eu o admiro por isso. Continue fazendo bons artigos como esse.

    Abraço.

    • Leandro Ávila 10 de outubro de 2017 at 16:08 - Reply

      Eu falei literalmente, mas essa frase estava no meio de uma conversa que durou uns 10 ou 15 minutos. Tinha todo um contexto. Ele ficou muito agradecido pela conversa. Mostrei que no mundo de hoje a riqueza e as oportunidades dependem do seu conhecimento e não das coisas que temos (como o táxi dele). Falei para ele que se eu soubesse tudo que deveria saber sobre negócios, talvez não tivesse chamado um táxi para me levar até o evento, teria chamado um helicóptero. Meu tempo valeria tanto que ir de táxi ficaria caro e de helicóptero seria mais barato. Falei que se ele soubesse o que falta saber sobre o mundo do dinheiro e dos negócios ele teria um negócio e não um táxi onde vende tempo por dinheiro, talvez tivesse vários motoristas trabalhando para ele e nesse momento ele estaria indo para o evento assistir as palestras ou até estaria no evento dando as palestras. Falei sobre a questão da mentalidade e que o conteúdo das palestras ele poderia encontrar em um livro que custa o preço de uma corrida de táxi. Ai recomendei o Pai Rico Pai Pobre pra ele. Falei que era um livro que tinha me impactado e me motivado a ter meu negócios ainda na minha juventude e que certamente tinha impactado as pessoas que estavam no evento. Ele ficou agradecido, ficou muito animado e foi lá comprar o livro. Espero que ele tenha comprado mesmo e que consiga o gosto pelo estudo.

  14. Fabrício 10 de outubro de 2017 at 15:54 - Reply

    Parabéns Leandro, mais um belo e impactante artigo!

    Essa “crítica” implícita no artigo é o que costumo fazer a queridos conhecidos e colegas, que reclamam e esbravejam de seu momento atual, mas dizem não ter tempo para estudar meios de sair da situação. O engraçado é que em suas horas vagas, sempre vejo essas mesmas pessoas se divertindo com vídeos engraçados no Facebook, áudios de besteria no Whatsapp, cerveja, churrasco, etc. Chega a ser engraçado, pois esse ciclo se repete ano após ano, e nada muda, principalmente as reclamações e esbravejamentos! rs

    • Leandro Ávila 10 de outubro de 2017 at 16:46 - Reply

      Oi Fabrício. São desculpas que as pessoas criam. As distrações são como anestesia. Nada contra a diversão, mas primeiro vem o dever de casa.

      • Rosana 15 de outubro de 2017 at 7:42 - Reply

        Leandro,

        Você sempre cria algumas frases com profundo impacto, como essa acima sobre as distrações.
        Gostei!

      • Léo 25 de outubro de 2017 at 9:24 - Reply

        Bom dia Leandro,
        Eu acho que deixar em lados opostos “aprender/melhorar como pessoa” e “divertir-se” é um tipo de bloqueio mental e também de certa maneira prejudicial. acho que as coisas podem ser unidas em algumas situações, não devemos colocar essa barreira que estudar é difícil ou não prazeroso/divertido.

        Seu trabalho é espetacular e cada vez que leio um artigo você me ajuda a me tornar uma pessoa melhor e mais realizada.

        Um sincero obrigado pelos conhecimentos recebidos Leandro!

        Abraço

        • Leandro Ávila 31 de outubro de 2017 at 6:12 - Reply

          Oi Léo. Estudar e aprender exige esforço. Já para a diversão até a lei da gravidade ajuda.

    • Patricia 17 de outubro de 2017 at 17:13 - Reply

      Concordo plenamente, Fabrício! Muito FaceBook e ostentação, muita cerveja, muita exibição, muita fofoca, muita futilidade. O “não gosto de estudar” já nem se aplica mais aos tempos atuais. Na minha época, estudar significava escutar professor chato, ler livro desinteressante… Hoje, os jovens têm tudo o que querem online, no YouTube, fácil, rápido, bonito, interessante, customizado. Cursos pela internet de todos os tipos e tamanhos. Todos têm oportunidade de serem autodidatas hoje e, por mais que o mercado ainda exija diplomas, creio que já está aprendendo a valorizar os talentos pessoais construídos com autodidatismo também. Estou farta de ouvir queixas, de todo lado: porque o patrão não pagou o curso, porque o empresário não deu a folga pro funcionário estudar… Aquele patrão e aquele empresário certamente não ganharam cursos de graça, e mesmo que tenham estudado em universidade pública, tiveram que malhar pra passar nos difíceis vestibulares. E estudaram à noite. Batalharam. O pessoal está muito acostumado com Bolsa-Família e benesses da velha CLT.

      • Leandro Ávila 18 de outubro de 2017 at 12:45 - Reply

        Ótimo comentário Patricia. O mundo é duro para quem é mole.

  15. Tiago 10 de outubro de 2017 at 16:38 - Reply

    Muito bom arquivo Leandro.

    A leitura é uma das ferramentas mais eficaz que existe ao nosso redor, isso se não for a melhor.

    Muitas vezes uma simples leitura, resolve muitos problemas simples do dia a dia.

    O habito da leitura tem que ser constante. Não importa o tipo de livro, desde que seja
    para acrescentar, todo tipo de leitura é válido.
    A memória agradece e o desenvolvimento, pessoal, profissional se torna notável.

    Grande abraço, sucesso sempre.

    • Leandro Ávila 10 de outubro de 2017 at 16:50 - Reply

      Creio que é possível aprender com bons livros, mesmo sendo de ficção. Muitos conduzem para reflexões importantes.

  16. Sandro 10 de outubro de 2017 at 17:53 - Reply

    Valeu, Leandro. Tenho aprendido muito com o (bom) uso do YouTube. Tem alguns canais de resumos, como o Eureka e o Ilustradamente. Além de muita informação de qualidade. Claro… tem que gastar tempo, garimpar… Poucas coisas caem no colo da gente. .

    • Leandro Ávila 11 de outubro de 2017 at 6:14 - Reply

      Parabéns Sandro

    • Robim 11 de outubro de 2017 at 9:42 - Reply

      Uso bastante o Youtube, há um conteúdo valioso ali… Comecei me inscrevendo em canais gringos para aprender inglês (acabei conseguindo hehe) entre esses canais estava o CrashCourse e aprendi bastante sobre filosofia e sociologia, essas áreas são extremamente interessantes e muitas vezes vem de encontro ao conteúdo que o Leandro posta em seus artigos.

  17. Caio 10 de outubro de 2017 at 18:25 - Reply

    Ola Leandro,

    Excelente artigo. Gostaria de agradecer a recomendação do microbook. Não conhecia a ferramenta e passarei a utilizar. Em uma breve pesquisa notei que eles tem em áudio alguns dos livros que estão em minha lista de leitura. Muito obrigado

  18. João 10 de outubro de 2017 at 18:34 - Reply

    Muito interessante a teoria do U invertido, tenho certeza que pode ser aplicada em outras áreas da vida. Mais um excelente artigo!!!

    • Leandro Ávila 11 de outubro de 2017 at 6:16 - Reply

      Oi João. Creio que em praticamente todas as áreas. Sempre existe um ponto ideal em tudo.

  19. Guilherme 10 de outubro de 2017 at 18:39 - Reply

    Olá Leandro, excelente e didatico texto como sempre, mas discordo completamente do gráfico em U invertido.
    Veja bem, o crescimento dele é tão grande perto do topo quanto é no ínicio, assim como seu decaimento, dando a impressão que sair de 99 mil reais por ano para 100 mil, geraria a mesma felicidade de sair de 9 para 10. O que sabemos que pela lógica e por outros textos apresentados aqui mesmo no blog é um completo absurdo.

    Abraços

    • Leandro Ávila 11 de outubro de 2017 at 6:18 - Reply

      Oi Guilherme. Cada pessoa tem o seu próprio desenho de U. Certamente existem “Us” de todos os tipos e inclusive o seu ponto ideal hoje só vale para hoje. Amanhã você terá novos conhecimentos, novos objetivos, será outra pessoa e provavelmente a sua realidade terá mudado.

      • Fabio Marcos Frasão 11 de outubro de 2017 at 14:41 - Reply

        Guilherme e Leandro
        Precisa a informação que “cada pessoa tem seu próprio desenho de U.” O meu, por exemplo, sempre foi L invertido em sentido horário.
        Significa começar de baixo e ,uma vez estável financeiramente para garantir futuro com investimentos, trabalhar em atividades sem compromissos financeiros, como já comentado anteriormente pelo nobre Leandro.

  20. George Santana 10 de outubro de 2017 at 18:56 - Reply

    Olá Leandro,Como vai?
    Fiquei refletindo sobre a necessidade de aumentar o valor das nossas horas trabalhadas.Todo dia leio livro na ida pro trabalho(estou finalizando o do Grande Dale Carneguie) e volto escutando palestras.
    Pretendo trocar de área pois a segunda é meu maior objetivo.Porém,como equilibrar essa dualidade de se valorizar no atual emprego e ao mesmo tempo buscar crescer nessa segunda área?atualmente tenho 21,sou técnico,faço inglês,leio livros frequentemente e invisto pesado em música(participarei de um concurso em janeiro).Suas opiniões sempre me abrem a mente.
    Saúde e sucesso
    Um Grande abraço mestre!

    • Leandro Ávila 11 de outubro de 2017 at 6:21 - Reply

      Fica mais difícil um único corpo ocupar dois espaços ao mesmo tempo. Você precisa ter foco, ou seja, colocar toda a sua energia em um objetivo claro. Isso pode significar assumir um nível maior de risco.

  21. Marcelo Williams 10 de outubro de 2017 at 19:28 - Reply

    Muito bom artigo, Leandro. Quando tinha uns doze anos cheguei a ter mais de dois mil gibis!!! Tinha uma estante construída pelo meu padrasto especialmente para abrigá-los! Eles sempre foram meus melhores amigos (os livros) até hoje! Fico muito triste quando temos um povo que tem pavor pela leitura!

    • Leandro Ávila 11 de outubro de 2017 at 6:23 - Reply

      Oi Marcelo. Acaba sendo um povo que possui menos possibilidades, menos escolhas, menos percepção da realidade. Como ser livre se você só consegue ver e entender um caminho? Existem muitos caminhos, muitas linhas de pensamento, mas se você está limitado e só consegue ver um único… fica difícil ser livre. Por isso o conhecimento liberta para que você possa fazer suas próprias escolhas. A leitura é uma forma barata de acessar o conhecimento e as ideias de grandes mentes.

  22. Robim 10 de outubro de 2017 at 19:31 - Reply

    Ao ler “[…] O que você está fazendo nesse exato momento para atingir essa renda dos sonhos?[…]” lembrei de algo. Estava em uma discussão (boa) com um colega, e eu estava tentando passar o meu ponto de vista de que qualquer um é capaz de fazer qualquer coisa desde que a pessoa tenha um objetivo bem claro e esteja disposta a pagar o preço… Um cara entrou indignado na conversa e perguntou: “Então quer dizer que se eu quiser ‘pegar’ a Gisele Bündchen eu consigo eu consigo?” lembro de ter respondido: “Sim consegue, mas neste exato momento, qual é o seu plano de ação? O que você está fazendo para alcançar o objetivo que é ‘pegar’ a Gisele? Sabe ao menos os lugares que ela frequenta?” Ele me olhou com uma cara, sentou e ficou calado ouvindo o resto da conversa HAHAHHAHAAHA

    • Leandro Ávila 11 de outubro de 2017 at 6:33 - Reply

      O objetivo é boboca, mas ele teria que se transformar em um tipo de pessoa que pudesse despertar o interesse dela. Como Gisele Bündchen é uma pessoa bem-sucedida na área dela e pessoas bem-sucedidas tendem a se relacionar e fazer amizades com pessoas bem-sucedidas, ele teria que iniciar uma jornada para crescer. Nesse processo fatalmente ele descobriria que pegar a Gisele Bündchen é um objetivo boboca e que pode usar o mecanismo de ser capaz de qualquer coisa para atingir outros objetivos. Nessa semana estava vendo um empresário falando que quando jovem tinha um objetivo boboca de ter dinheiro para comprar um porsche 911. Para isso ele teve que agir e prosperar. Nessa jornada ele se transformou em outra pessoa e quando estava com dinheiro para comprar o porsche 911 ele percebeu que aquilo era boboca e que podia usar o dinheiro para continuar crescendo e melhorando o seu negócio. Normalmente é assim mesmo. Temos sonhos limitados ao que somos hoje e muitas vezes são sonhos bobocas.

  23. Lucas 10 de outubro de 2017 at 20:20 - Reply

    Caro Leandro,

    Não sei se você assim se identifica, mas te vejo como um dos grandes curadores de conteúdo da internet.

    Ao menos uma vez na semana, venho aqui no site, e sempre aprendo algo novo, seja uma dica de livro, de aplicativo, de site etc, seja alguma boa lição de educação financeira.

    Continue esse trabalho de compartilhamento de ideias e aprendizados porque sites como este mudam a vida das pessoas.

    Aproveito para te parabenizar também pelo “Livro Negro dos Imóveis”. Adquiri-o recentemente e já constatei que se trata de excelente material.

    Grande abraço!

    • Leandro Ávila 11 de outubro de 2017 at 6:34 - Reply

      Obrigado Lucas. Parabéns por dedicar seu tempo buscando aprender mais e conhecer mais.

  24. Rodrigo Pereira 10 de outubro de 2017 at 20:35 - Reply

    Excelente texto.

    Procastinação é um fator crucial para a inércia.
    Não tenho tv em casa já faz 4 anos e foi um grande avanço na minha vida nesse sentido.
    Claro que essa não é a solução final, pois temos hoje Netflix e redes sociais pra passar o dia inteiro fazendo nada útil, é necessário se policiar. Fazer o planejamento do que quero realizar no dia seguinte me ajuda bastante. Escrevo num papel e deixo na carteira. São micro passos que no fim do mês e ano somarão grandes conquistas.

    Semana passada terminei um curso de Grego pela internet. Estou muito contente pois foi uma jornada de mais de um ano de estudos. Me senti realizado e engajado a continuar estudando mais coisas.

    • Leandro Ávila 11 de outubro de 2017 at 6:37 - Reply

      Parabéns Rodrigo. Eu praticamente não assisto mais televisão. No Netflix eu escolho os filmes. Existem vários que conduzem para boas reflexões. O prazer pelo conhecimento é especial, pois ao adquirir um novo conhecimento ninguém pode tirar ele de você. É o seu verdadeiro patrimônio, todo o resto é passageiro.

  25. Lucas Oliveira 10 de outubro de 2017 at 23:21 - Reply

    Poderia dar dicas de como entrar no mercado financeiro? Quero fazer um tecnólogo em gestão financeira pelo senac… e depois investir em pós graduação e tudo mais…tenho 18 anos. vale a pena? Desde ja agradeço

    • Leandro Ávila 11 de outubro de 2017 at 6:41 - Reply

      Oi Lucas. O mercado financeiro não é como a medicina onde você obrigatoriamente precisa ser médico. Não é como o de engenharia onde sem o diploma você não faz nada. Inclusive o mercado financeiro acolhe muitos engenheiros. Administradores de empresa, economistas, contadores, matemáticos, engenheiros, cientistas políticos, advogados e outras profissões encontram espaço no mercado financeiro. Algumas atividades como a de analista (que recomenda investimentos) exige um certificado e esse certificado nada mais é do que tirar uma boa nota em uma prova aplicada por um órgão.

  26. Irlan 11 de outubro de 2017 at 1:08 - Reply

    Mais um belo comentário, Leandro!
    O grande problema é o de sempre: nações altamente corruptas jamais auxiliarão seus cidadãos enriquecerem-se. Geralmente, essas nações são as subdesenvolvidas, que estão recheadas de mazelas econômicas, sociais, morais, etc., tornando quase impossível o indivíduo avançar sem atropelos, entretanto culpam as suas mazelas nas desenvolvidas. Os noticiários apresentam pessoas que estudaram, aplicaram conhecimento adquirido em finanças e tudo mais e estão fechando as portas, não porque deixaram de buscar conhecimentos financeiros, mas porque o Governo quebra as pernas dos que labutam para fazer a sua própria nação alavancar. Muitos, sem uma reflexão mais profunda, dizem que o Capitalismo é selvagem, todavia esse mesmo Capitalismo Selvagem tem êxito descomunal em nações de primeiro mundo, onde a sensação de bem-estar em em todos os sentidos é excepcional. Nações estas, onde o Capitalismo é, simplesmente, regado à compaixão pelo próximo e onde a taxa de juros é menos de 1% , mas a pobreza é erradicada; todavia, em nosso solo pátrio, a taxa de juros é uma das maiores do orbe, mas a penúria é patente, onde grande parte da sociedade deveria ser a mais abastada financiamento do que as nações onde os juros são meros 1%. Esse paradoxo continuará sendo sempre cultural. Já observei que, muitos de nós que saímos dos Grandes Bancos e estamos agora em menores, podemos ver nossas finanças rastejando com pouco mais de alguns reais além dos que os Grandes Bancos nos ofereciam. Um amigo meu comentou diante desse fato que é melhor vender cachorro quente, coxinhas, quindins, etc., nas ruas do bairro, pois verificou-se que diariamente esse empreendimento rende taxas diárias muito além dos rendimentos de renda fixa, por exemplo. Há pessoas que não se debruçaram diante de vários livros de investimentos e hoje com a venda de simples churrascos oneram-se mais que os pequenos ou médios investidores com alto conhecimento em – renda fixa. Na verdade, quem tem grandes lucros em renda fixa neste país são os que ganham salários bem, mais bem acima do mínimo. Quem desfruta de, por exemplo de R$ 30k por mês, com certeza vai se dar bem, esse indivíduo tem chance de colocar R$ 20K em investimentos mensalmente e se for contido ficará em uma situação bastante privilegiada, sem necessitar vender guloseimas nos bairros.

    • Leandro Ávila 11 de outubro de 2017 at 6:45 - Reply

      Oi Irlan. Você falou em “os noticiários apresentam…” Recomendo ver menos o que o noticiário apresenta. No universo de 1000 casos eles escolhem 1 para mostrar na televisão e esse único caso é sempre o mais chocante, bizarro e comovente. O Clube dos Poupadores atualmente é o maior blog de educação financeira do país em número de visitas. Tem milhões de pessoas que recebem ajuda através desse site todos os anos. Sabe quantas vezes esse trabalho que desenvolvo apareceu nesse noticiário que você acompanha? Nenhuma. Sabe quantas vezes as pessoas que me escrevem falando que estão melhorando suas vidas graças a educação financeira foram entrevistadas por esse noticiário? Nenhuma vez. Já faz muitos anos que praticamente não assisto televisão. Também parei de acompanhar notícias que não tenham utilidade nos jornais. Recomendo fazer a mesma coisa. Dedique seu tempo procurando livros, artigos, palestras, vídeos de pessoas que estão crescendo e melhorando a vida das outras pessoas. Não perca tempo com o noticiário com a ilusão de que ele retrata a realidade.

  27. Pedro Farol 11 de outubro de 2017 at 9:46 - Reply

    Olá Leandro,

    Mais uma vez, excelente trabalho. Apenas uma reflexão: antes eu achava que inteligente era aquele que detinha o maior conhecimento, depois passei a admirar aqueles que aprendia rápido, agora percebo que os mais sábios são aqueles que fazem boas escolhas (mesmo que não tenham uma bagagem tão grande ou sigam numa velocidade não tão alta).

    Obrigado mais uma vez por abrir ainda mais a nossa mente!

    Abraços,

    Pedro.

    • Leandro Ávila 13 de outubro de 2017 at 14:25 - Reply

      A palavra “inteligência” vem da palavra e INTELLIGERE. Significa discernir sobre aquilo que você colocou dentro de você, ou seja, aquilo que você aprendeu. A pessoa inteligente é aquela que consegue fazer boas escolhas com base nos conhecimentos que internalizou. Boas escolhas é escolher o que é bom, justo e correto. A pessoa que costumamos ser chamada de burra é aquela que não faz boas escolhas. Burrice não é ignorância. O ignorante não faz boas escolhas por não conhecer, não ter informação e sem essas informações ele não tem opções ou não tem base para escolher bem. Já aquilo que chamamos de burrice seria a pessoa que tem essas informações e mesmo assim faz péssimas escolhas e normalmente elas estão relacionadas com a escolha do mal, injusto e errado. Basta ver a burrice que temos entre todos esses políticos e empresários investigados e presos nesses escândalos de corrupção. Nada mais burro.

  28. Ricardo 11 de outubro de 2017 at 10:53 - Reply

    Olá Leandro!

    Outro ótimo artigo. Parabéns pelo trabalho aqui no clube dos poupadores.

    Gostaria de citar uma frase que me chamou muito a atenção quando li (outra fonte) a respeito do item 4: A vantagem hoje está na boa aplicação do conhecimento (só conhecimento não gera resultado).

    A frase é: “If information were the answer, we’d all be billionaires with perfect abs.”

    Para mim, esta frase além de me arrancar um sorriso, me fez refletir. Claro que tudo se inicia pela informação e eu sou o primeiro a admitir que tenho grande entusiasmo em sempre aprender algo novo. Entretanto, como você mesmo enfatiza temos que ser capazes de produzir mais e otimizar mais nosso tempo com tudo que aprendemos. Caso contrário, seremos somente sábios que estudaram assuntos durante toda a vida e nunca agiram.

    Grande abraço!

    • Leandro Ávila 13 de outubro de 2017 at 14:16 - Reply

      O importante é saber o que fazer com toda essa informação. Inclusive, excesso de informação nas mãos erradas pode ser um problema sério.

  29. Elis Freires 11 de outubro de 2017 at 11:50 - Reply

    Uma vez ouvi o Leandro Karnal dizer mais ou menos assim: (A mudança é vital, não mudar é fatal!). E isso se aplica muito bem nesse artigo. Bom! pensando dessa forma tenho buscado isso incessantemente e descobri uma ótima profissão pra mim. Vou estudar e investir na minha formação como Trader, tem muito a ver comigo e com o mundo em que estamos vivendo, ou seja, aumentar o preço da minha hora trabalhada. E você tem me ajudado muito nessa mudança, só tenho a te agradecer. Abraços!

    • Leandro Ávila 13 de outubro de 2017 at 14:14 - Reply

      Oi Elias. Não mudar não é opcional para quem vive dentro da sociedade. Se você vive isolado no meio do mato, de forma autônoma. Nada vai mudar de forma significativa. O problema é que vivemos na selva dos homens. Selva artificial com suas regras, leis, modas, tecnologias, tendências, tudo muda todo tempo.

  30. Irlan 11 de outubro de 2017 at 12:28 - Reply

    Você, Leandro, nota dez, todavia à nação – nota zero, pois ofusca o cidadão a melhorar suas finanças e os extermina financeiramente. Parabéns!

  31. Lucas Lira 11 de outubro de 2017 at 13:24 - Reply

    O artigo é fantástico; mais uma vez, muito enriquecedor! Não sabia do app/serviço 12 minutos! É maravilhoso!

  32. Silvana 11 de outubro de 2017 at 14:00 - Reply

    Parabéns pelo artigo!!!

  33. José Castilho 11 de outubro de 2017 at 16:10 - Reply

    Professor Leandro, boa tarde.
    Um pouco fora do assunto do tópico, mas gostaria da opinião do senhor no seguinte assunto.
    Li mais de uma vez que um investimento de renda fixa, para ser considerado um bom investimento, precisa bater a taxa DI.
    O senhor concorda com isso?
    Outra dúvida: esta batida do DI é com o desconto do imposto de renda, ou o rendimento bruto?
    Abraços
    José Augusto

    • Leandro Ávila 13 de outubro de 2017 at 14:09 - Reply

      Oi José. Sempre que você ultrapassa a taxa DI significa que de alguma forma você está assumindo um risco adicional. Exemplo: O banco pequeno, aquele que sente dificuldades para conseguir recursos, tende a oferecer investimentos de renda fixa que batem a taxa DI. Somente assim eles conseguem recursos dos investidores. É como se estivessem pagando um prêmio pelo desconforto e risco que você corre ao trocar um investimento em instituição mais sólida por uma instituição menor. A rentabilidade dos investimentos costuma ser divulgada como sendo bruta.

  34. Guilherme 11 de outubro de 2017 at 21:10 - Reply

    Parabéns! Belo artigo.

    Seu relato de que os objetivos tendem a ficar bobocas (principalmente os consubstanciados em materialismo) é muito real. Anos atrás sonhava em ter um carro de certa marca inglesa. Quando atingi a soma, simplesmente ignorei esse objetivo e o substituí por algo mais edificante, como me desenvolver pessoalmente em um curso no exterior.

    Sempre repito que, atualmente, os meus maiores prazeres custam dezenas de reais, quando não são gratuitos.

    A evolução pessoal e financeira é tão maravilhosa que a tendência é a pessoa acumular mais recursos internos (melhorar como pessoa) e externos (ter mais dinheiro) de forma cada vez mais fácil e intuitiva com o passar do tempo. Basta começar e persistir.

    • Leandro Ávila 13 de outubro de 2017 at 14:07 - Reply

      Oi Guilherme. É exatamente isso que acontece. Os objetivos bobocas são importantes suponto que para atingir esses objetivos você tenha que crescer, amadurecer, aprender, ganhar experiência e prosperar. Quando chegar o dia você terá amadurecido e verá que o objetivo era boboca. O problema é quando você tem o “azar” de ganhar na loteria com a cabeça cheia de objetivos bobocas. Você terá os recursos para realizar os objetivo sem ter conquistado o enriquecimento interior, o amadurecimento.

  35. Adauto 13 de outubro de 2017 at 1:24 - Reply

    Parabéns por mais um belo artigo Leandro
    Fico impressionado vendo meus parentes e amigos perdendo 3,5,8 horas por dia com Facebook e watszap,
    Fomos na praia outro dia e alguns só largaram do celular quando a bateria acabou, só assim conseguiram perceber que existia um mar lindo a sua frente.
    Cortei uns 70% de festas em família ou churrascos, por perceber que essas pessoas preferem fuxicar a vida dos outros no faebook e conversar bobeira no watszap do que aproveitar momento em familia, sem contar nas 1.000 fotos que tiram do nossos momentos particulares pra postarem no Facebook pra ganharem curtidas.
    Notei que sao essas mesmas pessoas que sao incapazes de perderem 20 minutos para lerem esse seu otimo artigo por exemplo, e são as mesmas que reclamam que estao endividadas, que estao com problemas no casamento ou com os filhos.
    É triste mas acredito que momentos inesquecíveis com amigos ou parentes vão ficar cada dia mais raros no futuro.

  36. Eronaldo Almeida 14 de outubro de 2017 at 17:42 - Reply

    Boa tarde Leandro!
    Sou de Brasília-DF. Fiquei muito triste de não conseguir falar com você no evento NAC Brasil 2017. Sabia que estaria lá, mas naquela multidão não pude encontrar você. Acompanho seus artigos no Clube dos Poupadores já há algum tempo. Excelente forma de investir no meu tempo e, com certeza, fazer com que minha hora tenha uma valorização bem acima de qualquer índice financeiro hoje existente.
    Sua eloquência é de dar gosto! Mais do que falar, você transmite de forma muito verdadeira que vive o que diz.
    Ainda quero ter a oportunidade de conhecê-lo pessoalmente. Será uma grande honra para mim. Foram muito inteligentes e sensatos os dois artigos que você escreveu logo após o evento. Mostrou o lado positivo de tudo que aconteceu em relação às nossas expectativas sobre o que o Robert Kiyosaki entregaria, demonstrando o respeito que devemos ter pelas pessoas, independentemente do que elas nos entreguem ou deixem de entregar. O lado negativo, quando existir, deve servir de aprendizado. E tenho certeza de que tanto você quanto eu tiramos bons ensinamentos de tudo que ocorreu naqueles dois dias.
    Estou fazendo tudo que você escreve neste seu artigo. Lendo mais, diminuindo o tempo de televisão, participando de encontros na área de desenvolvimento humano e de finanças, conversando com as pessoas das minhas relações sobre educação e inteligência financeira. Enfim, recomendando que acompanhem seus artigos aqui no Clube dos Poupadores. Se está sendo bom para mim, quero que seja bom para eles também.
    Grato pela sua dedicação e doação. Você é uma pessoa que faz a diferença neste mundo com tantas distrações inúteis.

    • Leandro Ávila 18 de outubro de 2017 at 13:00 - Reply

      Obrigado por suas palavras Eronaldo. Tenho certeza que você colherá ótimos frutos agora e sempre se buscar dedicar parte do seu tempo nesse processo de desenvolvimento. Só tem uma pessoa responsável pelo seu crescimento pessoal no mundo inteiro e essa pessoa é você. Nada melhor do que dedicar um tempo diário para isso. Parabéns,.

  37. Erick Maciel 15 de outubro de 2017 at 15:09 - Reply

    Olá Leandro!! Gostaria de lhe agradecer por todo o conhecimento que você já transmitiu por meio dos seus artigos. Após ler quase tudo que fui publicado e comprar os seus e-books, vejo que evolui muito financeiramente. Se não fosse por você eu nunca abriria conta numa corretora (isso foi difícil), tiraria o dinheiro e investiria nas instituições menores (foi mais difícil ainda) e também não investiria no tesouro direto. Pode ter certeza que a gratidão é imensa!! Parabéns mesmo e obrigado!! Abraços

    • Leandro Ávila 18 de outubro de 2017 at 12:52 - Reply

      Parabéns Erick por buscar esse conhecimento e por praticar. Isso que faz a diferença.

  38. Senhor Bufunfa 16 de outubro de 2017 at 13:36 - Reply

    Não entendi a correlação do tema com a imagem do menino apalpando a árvore

  39. Ana Paula 16 de outubro de 2017 at 15:59 - Reply

    Leandro, o que dizer do artigo? Simplesmente perfeito e impactante, como todos os outros. Não consigo parar de ler suas produções, cada dia aprendo mais e mais. Convivo com muitas pessoas no trabalho que só sabem reclamar e se fazer de vítimas, isso mostra realmente como tais atitudes só pioram a vida dessas pessoas. Você, através de suas produções, ajuda-me a não me contaminar com esta energia negativa. Estou me organizando para comprar seus livros. Sei que lê isso todos os dias, porém é sempre bom dizer: parabéns e obrigada pelo excelente trabalho.

    • Leandro Ávila 18 de outubro de 2017 at 12:49 - Reply

      Obrigado Ana. Parabéns por dedicar seu tempo acompanhando esse tipo de conteúdo.

  40. Marcos Arcanjo 16 de outubro de 2017 at 20:05 - Reply

    Excelente artigo.

    Encontrar o ponto de equilíbrio é um grande desafio!!!

    Os comentários agregaram muito ao Artigo

  41. RICARDO 18 de outubro de 2017 at 9:58 - Reply

    Olá Leandro, tudo bem?

    Tenho uma pergunta não relacionada ao post, mas não sabia onde mais perguntar, então…

    Há um tempo atrás, encontrei na sua página um link para o site do BancoData com uma tabela maravilhosa de rating dos bancos brasileiros… Era extremamente fácil comparar um com o outro e ter uma noção do risco relacionado a cada um. Eu usava essa ferramenta para decidir onde investir em renda fixa.

    Porém, agora essa página não existe mais… Aparentemente o BancoData não está mais divulgando o rating das agências de risco. Até acredito que essa comparação de rating estava causando problemas aos bancos, pela visibilidade fácil, e também pelo rating dos bancos em geral estar despencando… Mas enfim…

    Você conhece alguma outra ferramente similar? Eu acho que essa ferramenta é útil demais para ser esquecida!

    • Leandro Ávila 18 de outubro de 2017 at 12:44 - Reply

      Eu suponho que as agências de classificação de risco não tenham gostado dessa facilidade para acessar a informação. Elas permitem acessar os dados dentro do site delas. Para isso é necessário se cadastrar no site de cada agência. Quando a informação fica fácil de acessar, provavelmente as pessoas param de fazer o cadastro no site delas. Se foi isso que aconteceu (não tenho como saber se foi) e alguém tentar criar um serviço parecido elas vão reclamar. O fato é que facilitar as coisas no mundo financeiro não é uma prática comum. Normalmente todo o sistema trabalha para complicar as coisas, estringir o acesso, dificultar o fluxo das informações e assim por diante.

  42. Rogerio 24 de outubro de 2017 at 10:43 - Reply

    Leandro, já o parabenizei várias vezes por aqui, mas não me canso de repetir, PARABÉNS, PARABÉNS! E continuarei repetindo e agradecendo por compartilhar palavras/artigos grandiosamente valiosos. Forte abraço!!

  43. Daniely 24 de outubro de 2017 at 15:01 - Reply

    Boa tarde Leandro, parabéns pelo artigo.
    Gostaria de tirar uma dúvida com relação ao FGC. Sabemos que ele garante até R$ 250.000,00 por CPF caso a instituição financeira onde você invista quebre. Quanto tempo leva para restituir o dinheíro? O processo é dificultoso e burocrático?

    • Leandro Ávila 31 de outubro de 2017 at 6:14 - Reply

      Não existe uma regra para essa demora. Olhando os bancos que quebraram no passado você verá que em alguns casos demorou 2 meses em outros 6 meses. Não parece ser burocrático. O FGC emite uns informativos com orientações sobre o banco onde o seu dinheiro estará disponível na sua cidade. Basta ir até esse banco indicado por eles que normalmente é um banco grande.

  44. Dinheiro Investimento e Lazer 25 de outubro de 2017 at 15:57 - Reply

    Excelente Post sobre salário e felicidade, sempre trazendo bons livros.

    Abraço

  45. Carlos Eduardo 25 de outubro de 2017 at 22:53 - Reply

    Muito interessante o artigo. Parabéns, Leandro, por sempre tirar as pessoas da zona de conforto. É preciso mexer com nosso ego para sairmos da inercia.

  46. DANIELA NEIVA LIBOREIRO 30 de outubro de 2017 at 20:10 - Reply

    Boa noite Leandro, te sigo há algum tempo mas nunca manifestei minhas opiniões e pensamentos após cada leitura dos seus artigos. Os 15 minutos que “perco” aqui valem muito! E mudam minha vida! Parabéns pela iniciativa e pelo cuidado na escrita dos artigos. Sou sua fã de carteirinha rs!

    • Leandro Ávila 31 de outubro de 2017 at 6:09 - Reply

      Obrigado pelo apoio Daniela. Parabéns pelos 15 minutos investidos em você.

Leave A Comment

Share this

Compartilhe com um amigo