Versão 2019

As corretoras estão sempre divulgando listas de recomendações com as melhores ações para investir na bolsa. Revistas, jornais e sites especializados costumam unir estas listas e publicar as ações mais recomendadas para o ano, para o mês, para a semana e até para o dia.

Muita gente utiliza estas listas como referência antes de investir em ações, principalmente os investidores iniciantes e mais leigos. Seguir esse tipo de lista sem ter o conhecimento necessário para julgar as recomendações representa um risco.

No site da FGV (Fundação Getúlio Vargas) existe um estudo muito interessante chamado “Analisando os Analistas – Estudo empírico das projeções de lucros e das recomendações dos analistas de mercado de capitais para as empresas brasileiras de capital aberto”. O estudo avaliou previsões emitidas por 23 corretoras brasileiras entre 1994 e 2003 identificando seus acertos e erros. Você pode baixar aqui. Apesar do estudo ser antigo, creio que nada deva ter mudado muito. Veja algumas conclusões do estudo.

  1. Quando existe um consenso de que determinada ação de uma empresa deve ser vendida, é importante observar com atenção, pois normalmente o consenso dos analistas sobre a venda de ações tende a dar mais certo do que o consenso com relação a compra.
  2. Os analistas acertam com mais frequência as previsões curtas. Os erros se tornam mais comuns quando as previsões são longas.
  3. Grandes bancos e grandes corretoras acertam mais que as corretoras pequenas. Pessoalmente eu imagino que as instituições maiores podem contratar analistas mais experientes montando equipes maiores e com melhor qualificação. Existem pessoas que acreditam na possibilidade dessas instituições maiores terem acesso a informações privilegiadas, principalmente depois das informações reveladas nas delações premiadas na operação Lava-jato (como essa aqui).
  4. O desempenho passado de um analista costuma explicar o seu desempenho presente e futuro.
  5. A quantidade de anos de experiência de um analista representa uma probabilidade maior de acerto em suas previsões. Quando o analista se torna especialista em uma determinada empresa seus acertos são maiores.
  6. Se o resultado antecipado for prejuízo, os analistas tendem as ser mais otimistas em suas previsões.
  7.  Os analistas revelam-se mais otimistas para com as empresas com baixo valor de mercado em relação ao valor patrimonial.
  8.  Os analistas acertam mais previsões sobre grandes empresas e acertam menos quando as previsões são relacionadas a empresas menores.
  9. Os analistas erram mais quando fazem previsões sobre empresas de setores econômicos mais complexos.
Leia também:  Suporte e resistência na Análise Técnica

Analistas não são videntes:

Quando um analista faz recomendações de compra ou venda de ações ele não está prevendo o futuro. Não existem meios para isto, principalmente quando faz recomendações de longo prazo. Analistas apenas emitem opiniões sobre uma maior ou menor probabilidade e essa opinião costuma ser entregue junto com os fundamentos que justifiquem a opinião. O investidor deveria ser capaz de compreender os argumentos que levaram o analista a escolher uma posição (comprar, vender ou manter). É responsabilidade do investidor validar os argumentos do analista para tomar uma decisão consciente.

Vou mostrar como estas previsões não costumam ajudar muito. O jornal Valor Econômico costuma reunir as recomendações dos analistas dos principais bancos e corretoras (visite aqui). Eles desenvolveram uma espécie de “carteira teórica” com essas ações. Com isso podemos observar o que teria acontecido se você tivesse investido seu dinheiro nos últimos 5 anos nas ações mais recomendadas. Também podemos comparar o que teria ocorrido se você tivesse investido esse mesmo dinheiro em algum fundo de ações ou ETF que replica o resultado do índice Bovespa.

Veja qual teria sido o resultado dos últimos 5 anos:

A linha verde é a carteira com as ações mais recomendadas (carteira valor) e a linha vermelha é o índice Bovespa composto por pouco mais de 60 ações mais negociadas. Entenda o índice Bovespa visitando aqui, e visualize a lista das ações que fazem parte do índice Bovespa aqui.

Podemos ver que o resultado da carteira é sempre muito próximo do índice Bovespa ou até abaixo.

Quase todas as semanas as corretoras retiram ações da lista de recomendadas e adicionam novas ações. As mudanças na carteira de ações recomendadas das corretoras e bancos ocorre de forma frenética. O esforço e o tempo necessário para trocar as ações da carteira poderá não compensar se o resultado for pior ou parecido com o índice Bovespa. Foi justamente este o caso do exemplo do gráfico, pois nos últimos 5 anos as mais recomendadas não conseguiram superar o IBOV (índice Bovespa).02

Leia também:  Avaliação do GuiaInvest PRO

Devemos lembrar que as corretoras lucram mais quando você troca de investimentos freneticamente. Eu acredito que o melhor caminho é estudar e se preparar para tomar suas próprias decisões sobre quando e onde investir, principalmente em ações.

As recomendações de terceiros podem ser utilizadas como base para que você possa julgar se concorda ou não concorda, pois no final quem vai apertar no botão de “comprar” ou “vender” será você se o seu dinheiro é que estará em jogo.

Recomendo a leitura de dois livros: Como Investir na Bolsa: Análise Fundamentalista e o livro Como Investir na Bolsa: Análise Técnica. Conheça todos os nossos livros sobre investimentos visitando aqui.