Você não precisa passar a vida inteira investindo na bolsa para multiplicar o seu patrimônio de forma significativa por apenas meia dúzia de anos ou até menos.

Você só precisa ter investimentos na bolsa de valores durante a ocorrência de um grande ciclo de alta. Esses ciclos podem durar vários anos e já aconteceram 4 vezes nos últimos 55 anos. São raras oportunidades durante a vida para multiplicar seu patrimônio investido na bolsa através de altas de 1000%, 2000% ou até mais de 3000% em poucos anos.

Ninguém pode definir uma data certa para o próximo grande ciclo, mas sabemos que essas longas tendências de alta devem ocorrer novamente quando a nossa economia voltar a crescer de forma consistente no futuro. Estar ou não preparado(a) para esse evento é o que fará toda a diferença.

O gráfico logo abaixo mostra o índice Bovespa dolarizado desde 1963 com os 4 grandes ciclos de alta (fonte). Esse índice mede o desempenho das ações mais negociadas na bolsa. 

Investir na bolsa em tempos difíceis, no meio de crises econômicas e políticas (como as que vivenciamos na última década), é como tentar nadar em um rio contra uma forte correnteza. É uma tarefa difícil e perigosa onde o sucesso depende muito do preparo do investidor.

Nas crises, a bolsa está em tendência de queda e você precisa fazer um enorme esforço, correndo grandes riscos para avançar (com lucro) no sentido contrário.

Já quando temos a oportunidade de investir no decorrer de um grande ciclo de crescimento econômico, com valorização constante da bolsa por vários anos, o esforço do investidor é bem menor e os riscos também. Até os menos experientes ganham muito dinheiro na bolsa quando a tendência é favorável.

Podemos comparar isso com os surfistas que aproveitam as grandes ondas que se formam nos rios (consequência das marés) para surfar por muitos quilômetros sem fazer muito esforço.

Quando você está a favor da correnteza ou dentro de um grande ciclo de alta na bolsa, você só precisa ter domínio da técnica para se manter em pé na prancha durante todo o movimento.



Surfistas aproveitando grandes ondas (formadas pelas variações na maré) no rio Qiantang na cidade de Hangzhou – China. Basta a técnica para não cair da prancha para aproveitar a tendência. 
É durante períodos de crescimento econômico do país que as grandes tendências de alta nos negócios e na bolsa se formam. Boa parte da população fica de fora desses investimentos.

No menor sinal de prosperidade, as pessoas tendem a acreditar que o bom momento na economia será eterno. Nos bons momentos da economia, elas costumam gastar tudo que ganham no consumismo, fazem várias dívidas (carros, imóveis e viagens), desperdiçam dinheiro com extravagâncias e jogam pela janela uma oportunidade única de acumular e multiplicar patrimônio que trará tranquilidade para sempre.

Somente uma pequena parte da população tem o conhecimento necessário para aproveitar aproveitam essas janelas de oportunidade para ganhar mais, investir melhor e construir um patrimônio que garanta tranquilidade em qualquer cenário econômico futuro.

Agora vamos ver quando as últimas “grandes ondas” se formaram na economia brasileira e quais foram os impactos na bolsa de valores.

1 – Primeiro Grande Ciclo

Aconteceu entre a década de 60 e 70. O milagre econômico promovida através de diversas medidas políticas e econômicas que resultaram em recuperação da economia e alta da bolsa. A bolsa registrou alta de 2.931% em apenas 6 anos (entre 65 e 71). O crescimento foi interrompido pela crise mundial do petróleo em 73 e 79 e alta dos juros nos EUA.

Se fosse possível obter uma rentabilidade de 2.931% nos dias de hoje em um próximo grande ciclo de crescimento, seria possível transformar o valor de um carro de R$ 50 mil em R$ 1.465.500,00 em apenas 6 anos. Com R$ 100 mil você teria R$ 2.931.000,00.

Seria o mesmo que trocar o seu próximo carro zero por uma situação financeira mais confortável pelo resto da vida. Com apenas 0,5% de rentabilidade ao mês acima da inflação, esse 1,4 milhão seria suficiente para garantir uma renda vitalícia de mais de R$ 7 mil. Certamente isso aumentaria o seu nível de “tranquilidade financeira” por toda vida. Seria um impulso fabuloso para qualquer projeto de independência financeira. Obs: se você ainda não tem um projeto de independência, recomendo que leia esse livro.

2 – Segundo Grande Ciclo
O segundo grande ciclo de crescimento da economia e da bolsa de valores aconteceu no início anos 80. O mundo estava se recuperando, saindo da crise do petróleo. Os juros nos EUA estavam caindo. Investidores buscavam oportunidades nos mercados emergentes. A bolsa brasileira subiu 1.573% em apenas 2 anos 8 meses entre os anos de 83 e 86

É importante destacar que essa alta é uma média, pois estamos avaliando o índice Bovespa. Esse índice mede o desempenho das principais ações negociadas na bolsa. Nesses grandes ciclos, as ações de praticamente todas as grandes empresas sofrem grandes valorizações positivas. Até mesmo as ações das empresas menores ou com menor liquidez se valorizam. Fora dessa média seria possível observar ações com valorizações bem maiores que a média. Mesmo assim, com um ganho médio 1573% em 2 anos e 8 meses (32 meses) seria possível transformar aqueles R$ 10.000,00 que você gastaria em uma viagem internacional em R$ 150.000,00 e com isso você poderia viajar bem mais nos anos seguintes (nos anos de crise que ocorrem depois da anos de crescimento).

Utilizando o nosso simulador de taxa equivalente iremos descobrir que 1573% em 32 meses é o mesmo que rentabilizar o seu dinheiro com taxa de 9,2% ao mês.

3 – Terceiro Grande Ciclo
O terceiro grande ciclo foi marcado pelo impeachment do presidente Fernando Collor. Naquele tempo o governo adotou diversas medidas para a abertura da economia. No governo Itamar e Fernando Henrique, medidas foram adotadas para estabilizar a inflação e o câmbio. A bolsa de valores cresceu 3.415% no decorrer de 6 anos e 5 meses (entre 1991 e 1997).

Uma rentabilidade de 3.415% em 77 meses é equivalente a um investimento que rende 4.73% ao mês ou 74% ao ano. Com essa rentabilidade seria possível transformar R$ 50 mil em R$ 1.707.500,00 em 6 anos.

Se no lugar de investir na renda variável (bolsa) durante o grande ciclo, você investisse esses 50 mil em algum investimento de renda fixa com taxa de 0,5% por 77 meses, você só conseguiria R$ 73 mil. Veja que existe uma diferença absurda entre estar dentro ou fora da bolsa durante esses grandes ciclos de crescimento. É bem mais simples reclamar da fortuna dos mais ricos do que adquirir o conhecimento necessário para enriquecer como eles enriquecem nos momentos de grande crescimento da economia. Caso queira simular outros valores visite aqui.

4 – Quarto Grande Ciclo
Durante o segundo governo FHC, diversas medidas ajudaram a estabilizar a nossa moeda e a reduzir a inflação de forma consistente. Através do Plano Real a economia se preparou para aproveitar o grande ciclo de valorização das commodities durante o primeiro governo Lula.

Esse foi o último grande ciclo que registrou alta de 2.051% na bolsa em 5 anos e 7 meses. Isso foi equivalente a uma rentabilidade de 4,68% ao mês durante 67 meses ou 73% ao ano. Existem muitos casos de investidores que hoje são milionários ou bilionários graças a esse último ciclo.

Um investidor mais experiente que tivesse investido R$ 1.000.000,00 com essa rentabilidade do último grande ciclo, teria acumulado um patrimônio de R$ 20.510.000,00 em apenas 5 anos e 7 meses. Isso é dinheiro suficiente para conseguir mais de R$ 100 mil por mês pela renda passiva, de forma vitalícia, com um rendimento de renda fixa de apenas 0,5% ao mês. Seria garantia de uma independência financeira de alto padrão.

5 – Futuro Quinto Grande Ciclo
Entre o auge da crise que envolveu o impeachment da Dilma e as eleições de 2018, a bolsa valorizou mais de 130%. Durante o governo Temer algumas medidas ajudaram a reduzir os juros de 14,25% ao ano para 6,5%. A inflação que chegou a atingir 2 dígitos no final de 2015 (10,67%) caiu para algo próximo de 3% nos dias de hoje. Isso foi suficiente para uma recuperação da bolsa que dobrou o patrimônio de muitos investidores entre 2016 e 2018 (apenas 2 anos). Você pode gerar esse tipo de gráfico criando uma conta gratuita nesse serviço aqui.

É fácil observar no gráfico acima a grande alta do índice Bovespa após o impeachment. Nesse período, enquanto muitos gastavam precioso tempo nas redes sociais em discussões envolvendo os políticos, alguns poucos cuidavam da própria vida, adquirindo conhecimentos sobre os investimentos e aproveitavam o momento para investir melhor o próprio dinheiro. Só existe uma pessoa que pode cuidar da sua prosperidade financeira, essa pessoa é você. Se você não fizer isso no seu tempo livre, ninguém vai fazer por você.

No gráfico abaixo podemos observar o mesmo índice Bovespa, só que dolarizado através de um ETF (fonte). A alta entre o pior momento do impeachment e as eleições foi algo próximo de 140%. Para a bolsa atingir o mesmo nível (dolarizado) que atingiu no fim do último ciclo (maio de 2008) será necessário avançar mais 147% de alta.

É por esse motivo que muitas corretoras, bancos e a imprensa estão falando sobre a possibilidade o índice Bovespa atingir 120 mil pontos se as medidas necessárias forem adotadas pelo governo para o retorno do crescimento econômico. Isso seria suficiente para a bolsa atingir níveis próximos do topo (corrigido) do último grande ciclo de alta. Enquanto muitos estão gastando tempo e energia com brigas e discussões nas redes sociais, alguns poucos estão gastando esse mesmo tempo para cuidar do próprio desenvolvimento profissional e financeiro na expectativa de um novo grande ciclo de crescimento da economia.

É difícil saber se realmente vamos entrar em um novo grande ciclo de crescimento da economia brasileira que produzirá um grande crescimento na bolsa nos próximos 4 anos. Tudo depende muito das decisões políticas e econômicas dos governantes nos próximos anos e se a sociedade aceitará essas decisões. Uma parte dessa sociedade ainda acredita que as decisões econômicas do governo anterior eram melhores.

Veja o gráfico que desenvolvi logo abaixo. Você pode clicar nele para ampliar.

A linha azul mostra um índice que mede o desempenho da bolsa dos EUA (S&P 500). A linha verde mostra o desempenho dolarizado da nossa bolsa de valores. A linha pontilhada vermelha sinaliza o início da crise de 2008. Ela abalou o desempenho de todas as economias do mundo.

Na nossa economia, a bolsa sofreu uma grande queda. Observe que é fácil constatar, no gráfico acima, o início de uma grande tendência de baixa da bolsa no início do governo Dilma. Isso foi o resultado de uma série de decisões políticas e econômicas equivocadas gerando um longo ciclo de queda na bolsa e desaceleração da economia.

Esse grande ciclo de queda, representado pelo canal de baixa desenhado no gráfico acima, parece ter sido quebrado após o impeachmant. Entre o “fundo do poço” e as eleições é possível ver a linha que indica a alta de mais de 100% no índice dolarizado. Podemos ver uma clara inversão do ciclo de queda.

O grande arco que desenhei depois das eleições representa um “universo de possibilidades”. Podemos caminhar para uma alta de 140% até o patamar atingido no auge do último grande ciclo de crescimento (antes da queda de 2008) ou podemos afundar novamente. Também podemos “caminhar de lado” por um bom tempo diante de indefinições futuras e dificuldades do governo em implementar medidas que possam fazer a economia crescer novamente.

Existe uma parcela muito grande da sociedade que ainda acredita no modelo de desenvolvimento que resultou nesse grande ciclo de queda da bolsa iniciado em 2010 e que está destacado no gráfico. Isso inclui políticos, jornalistas, economistas, etc.

As oportunidades geradas por grandes ciclos de crescimento econômico, só podem ser aproveitadas pelas pessoas que estão preparadas para isso.  Muitos brasileiros perderão uma grande oportunidade de multiplicar patrimônio investindo em boas empresas quando o crescimento econômico chegar.

Investir na bolsa exige um nível maior de conhecimento para que você não fique refém das recomendações de investimentos de terceiros. Como já falei inúmeras vezes, ninguém melhor do que você para tomar decisões sobre onde investir o seu dinheiro. É uma ilusão acreditar que alguém vai fazer isso por você.

As pessoas que viveram os grandes ciclos de crescimento nas décadas passadas, não tinham os recursos e as facilidades que você possui nos dias de hoje. No início do último grande ciclo poucas pessoas tinham internet em casa. O acesso ao conhecimento era difícil e muito caro (restrito a grandes investidores). Somente em 2006 (perto do fim do grande ciclo de alta) a bolsa de valores começou a operar somente pela internet (pregão eletrônico). Somente em 2018 encontramos corretoras cobrando taxa zero ou tarifas insignificantes de corretagem para investir na bolsa. Livros e cursos são oferecidos pela internet e estão mais didáticos do que o conteúdo produzido na década passada.

Não saber investir na bolsa se tornou uma escolha, já que nunca as facilidades foram tão grandes para quem deseja aprender.

Eu estou finalizando um novo livro (ebook) onde pretendo ensinar a fazer a leitura e os estudos de gráficos como esses que apresentei nesse artigo. Meu objetivo é tornar esse tipo de conhecimento acessível para qualquer leigo. Por ser um tema muito avançado e distante do grande público (que ainda precisa aprender a poupar) farei isso através de um novo livro e não por meio de artigos. Se você gosta da maneira como abordo os temas, certamente vai gostar do novo livro.

Eu acredito que assim como um músico deveria aprender a ler uma partitura, todo investidor deveria ser capaz de ler, entender e estudar os gráficos de preço. Eles nos dizem muito sobre o passado e nos indicam tendências e suas probabilidades sobre o futuro. Não saber interpretar um gráfico é um tipo de analfabetismo financeiro. Você precisa eliminar esse tipo de analfabetismo para avançar como investidor.

Eu pretendo lançar esse novo livro nos próximos meses, mas ainda não tenho uma previsão para a data de lançamento e talvez você queira iniciar os seus estudos o mais rápido possível (quanto antes melhor).

Recomendo a leitura de dois livros: Como Investir na Bolsa: Análise Fundamentalista e o livro Como Investir na Bolsa: Análise Técnica.

Receba um e-mail quando novos artigos forem publicados, inscreva-se no Clube dos Poupadores. Ative as notificações no seu navegador clicando aqui ou no sino vermelho no canto inferior direito desta página