Investir no Dólar para Aposentadoria


Sempre recebo perguntas de leitores relacionadas com a estratégia de comprar dólares como investimento de longo prazo, normalmente com foco na aposentadoria. Essas perguntas se intensificam quando estamos vivendo momentos de crise como agora. O maior problema de quem investe com foco no longo prazo é garantir o poder de compra do dinheiro.

São as incertezas sobre o futuro da economia brasileira que conduz as pessoas para uma reflexão sobre comprar moeda estrangeira ou até investir fora do Brasil.

Existe uma crença na cabeça das pessoas sobre a estabilidade do dólar. Acumular patrimônio em dólares parece mais seguro do que acumular patrimônio em reais. Existe a ideia de que o dólar é uma moeda forte e o real é uma moeda fraca. Existe a crença de que o dólar é estável e o real instável.

O objetivo deste artigo é fazer uma reflexão sobre o tema de tal forma que você possa fazer suas próprias simulações (vou mostrar diversos exemplos) e com isso possa tirar suas próprias conclusões.

Vamos começar…

Como não podemos prever o comportamento futuro do dólar iremos estudar o seu passado.

Infelizmente as pessoas só pensam na possibilidade de comprar dólares quando ele está muito caro. Você conhece alguém que tenha ficado motivado a investir no dólar quando ele estava custando menos R$ 1,60 nos anos de 2008 e 2011? As pessoas só lembram de comprar dólares quando a nossa economia está em crise e a moeda americana atinge picos de alta como aconteceu em 2001, 2002,  2009 e agora em 2015 e 2016.

O gráfico abaixo (veja onde ele foi criado) mostra a variação do preço do dólar entre 01-01-2001 e 01-01-2016. Se você tivesse investido em dólares em 2001 com foco no longo prazo, hoje, 15 anos depois, teria 103,03% de ganhos. Você teria o dobro do que investiu. Parece muito? A caderneta de poupança rendeu 214,94% no mesmo período (fonte). A inflação americana foi de 33,9% (fonte). Já a inflação brasileira (medida pelo IPCA) entre o início de 2001 e 2016 ficou em 166,90% (fonte).

Como o preço do dólar flutua a sua rentabilidade depende do momento da compra da moeda. Se você tivesse comprado esses mesmos dólares nos primeiros dias de 2003 seus ganhos seriam de apenas 11,92%. Veja o gráfico abaixo.

Só pensamos na possibilidade de comprar dólares para proteger nosso patrimônio quando estamos no meio de crises. É justamente na crise que nossa moeda desvaloriza e o dólar atinge seus maiores preços. Nessas condições dificilmente o dólar terá maior rentabilidade que a renda fixa.

Simulações com renda fixa:

Os investimentos de renda fixa pós-fixados (que são os mais conservadores) costumam render um percentual da taxa DI. É o caso do LCI, LCA e CDB pós-fixado. Fundos de investimento DI e de Renda Fixa também tendem a seguir os movimentos da taxa DI (CDI). Já o título público Tesouro Selic segue a Taxa Selic que tende a ser ligeiramente maior que a Taxa DI.

Através dessa página aqui eu mostro como você pode simular quanto o seu dinheiro teria rendido se você tivesse feito investimentos que seguem a taxa DI (CDI) nos últimos anos ou nas últimas décadas.

Vamos aplicar os exemplos acima neste simulador. Vamos imaginar que no lugar de ter comprado dólares nos primeiros dias de 2001 você tivesse feito investimentos que seguem a taxa DI. Vamos imaginar que você investiu R$ 10.000,00. O resultado da simulação que fiz nessa página aqui seria:

Seus R$ 10 mil investidos no primeiro dia útil de 2001 (02/01/2001) teria rendido 580% nestes 15 anos. Você teria R$ 68.055,97 brutos. A caderneta de poupança rendeu 214,94%.  Se tivesse investido o mesmo valor em dólares estaria com R$ 20.303,00 (equivalente a 103,03% de valorização). Para simular a correção do valor investido pela taxa Selic utilize esse simulador aqui. Utilizando as mesmas datas o resultado seria de 586,62% entre 2001 e 2016.

Nadando contra a maré:

Agora vamos imaginar que você pensou fora da caixa. Você acordou nos primeiros dias de janeiro de 2011 com a convicção de que iria investir em dólares com foco no longo prazo. Enquanto todo mundo comprava dólares para viajar em 2011, você resolveu comprar dólares para investir. Vamos imaginar que você investiu R$ 10 mil em janeiro de 2011 e pagou R$ 1,68 por dólar.

Enquanto isso seus amigos também estavam comprando dólares, só que o investimento deles era bem diferente do seu. Enquanto você estava comprando para acumular patrimônio eles estavam comprando dólares para queimar patrimônio. Os investimentos em dólares dos seus amigos foram transformados em viagens para Miami, frascos de shampoo Aussie, perfumes da Victoria Secret´s, moletons da GAP, camiseta da Aéropostale, Hollister e outras marcas que só o brasileiro acredita que são boas (fonte).

Veja qual foi o resultado desse comportamento de massa em 2011:

Em plena crise internacional, os turistas brasileiros dobraram seus gastos pelo mundo e, em 2011, ocuparam a segunda colocação entre os que mais expandiram seus gastos entre todas as nacionalidades (gastaram mais de US$ 21 bilhões). Dados da Organização Mundial do Turismo mostram que os brasileiros já estão próximos de entrar na lista das dez nacionalidades que mais gastam ao sair em viagem. Entre 2010 e 2011, os brasileiros aumentaram seus gastos no exterior em 32%, taxa superada apenas pelos chineses (38%). A taxa de expansão do dinheiro deixado pelo mundo pelos brasileiros é mais de seis vezes superior ao crescimento dos gastos de americanos e europeus – Fonte Estadão .

Estamos em 2016 e os fracos de Victoria Secret´s já estão vazios e as camisetas da Aéropostale dos seus amigos já estão furadas. Agora vamos ver como estaria seu investimento. O gráfico abaixo mostra que você teria seu dinheiro multiplicado em 138,28% entre a primeira semana de 2011 e 2016. Se você tivesse investido R$ 10 mil teria R$ 23.828,00.

Agora vamos comparar com o resultado de um investimento em renda fixa. Se você tivesse investido em renda fixa que rendesse 100% da taxa DI (CDI) sua rentabilidade, no mesmo período, seria de 64,03% e seus R$ 10 mil teriam se transformado em R$ 16.403,64.

Comparando o dólar e a renda fixa, você será forçado a pensar que investir em dólares teria sido uma boa ideia. O problema é que você jamais se sentiria motivado a comprar dólares no momento em que ele vivia um ciclo de desvalorização (valorização do real frente ao dólar). Você provavelmente teria feito os planos de viajar para Miami e Orlando. Não tenho nada contra viagens para a prática do consumismo, desde que você tenha consciência do que está fazendo.

Dólar e as Crises:

No gráfico acima é fácil perceber que existe uma enorme relação entre o preço do dólar e a ocorrência de crises econômicas. As crises sempre aconteceram e por isto devem continuar acontecendo. O problema é que ninguém é capaz de dizer quando uma nova crise irá acontecer. Observe que os motivos das crises que fazem nossa moeda perder valor são os mais diversos. Veja que os movimentos de valorização do dólar acontecem de maneira abrupta. Em semanas o dólar atinge picos e depois recua gradativamente no decorrer de muitos meses ou anos.

Não podemos afirmar que o padrão do passado se repetirá no futuro. A economia dos EUA está se recuperando, mas nada impede que uma nova crise aconteça nos próximos anos. A única certeza que temos é que sempre será muito difícil comprar dólares com algum nível de certeza de que teremos ganhos acima da renda fixa quando o nosso horizonte é de longo prazo (mais de 10 anos).

No curto prazo é possível especular, desde que a pessoa entenda o que está fazendo e gerencie seus riscos (isso exige experiência e investimento na sua educação). Para o longo prazo devemos lembrar que vivemos no país que possui as maiores taxas de juros do mundo (infelizmente) e por isso os ganhos com a renda fixa são significativos. Não é a toa que mais de 18% de todos os títulos públicos brasileiros são comprados por investidores estrangeiros (veja nesse artigo).

Fica bem claro que comprar dólares depois de fortes altas, no meio de crises econômicas, não parece ser a melhor de todas as opções. Durante as crises os juros tendem a subir e atingem taxas muito elevadas. Isso torna a renda fixa atrativa.

Dólar x IBOV

Já o movimento do preço do dólar e do preço das ações na bolsa tendem a ter uma correlação negativa. Quando um sobe o outro cai. Olhando o gráfico abaixo é possível observar claramente que um espelha o outro, mesmo com as constantes intervenções do Banco Central.

Dólar x Selic

O gráfico abaixo mostra o comportamento da taxa Selic (linha azul) e o movimento do dólar (linha vermelha). É fácil perceber que quando o dólar está em alta a taxa Selic também está acompanhando o movimento de alta. Quando o dólar está em queda a taxa Selic também inicia um ciclo de queda. O movimento não é tão sincronizado já que o Banco Central só toma decisões sobre os juros a cada 45 dias (através das reuniões do COPOM). O Banco Central também tem o poder de interferir na cotação através das suas políticas cambiais (já escrevi sobre isso).

 

Prever o dólar futuro:

Você não deve tentar prever o movimento do dólar. No curtíssimo prazo pode até ser possível adivinhar se o dólar irá subir ou cair. Se você pedir para uma criança de 5 anos de idade prever se o dólar irá subir ou cair ela terá 50% de chance de acertar, pois só existem estas duas possibilidades (desconsiderando a possibilidade de o preço não sofrer variação, por ser uma situação difícil diante da enorme volatilidade do dólar).

Para provar que é praticamente impossível acertar o movimento do dólar (sem contar com a sorte) basta olhar as previsões do Boletim Focus. Esse boletim é o resultado de uma pesquisa que o Banco Central faz semanalmente entre os economistas-chefes das 100 maiores instituições financeiras do Brasil. São os economistas mais bem pagos do país e provavelmente são os mais qualificados (com doutorados, mestrados e PhD em instituições renomadas).

Se você baixar o Boletim Focus de janeiro de 2015 verá que estes economistas previam que o dólar atingiria o final de 2015 valendo R$ 2,71. O dólar terminou valendo R$ 3,96 (poucos dias depois da virada do ano passou de R$ 4,00). Eles também fizeram previsões sobre a taxa de juros que deveria terminar o ano em 12,50% e terminou em 14,25%. A inflação, segundo os maiores economistas do Brasil, terminaria 2015 em 6,56% e terminou acima de 10%.

O próprio Banco Central, repleto de técnicos altamente qualificados e experientes, não consegue fazer previsões sobre variáveis que ele  pode interferir como é o caso da inflação. Estamos falando de uma instituição grande que tem como principal objetivo manter o valor da nossa moeda (controlar a inflação). Veja no próximo gráfico as previsões do Banco Central feitas no final de 2014 sobre como seria o comportamento da inflação em 2015.

A linha marrom mais escura é a previsão do Banco Central para a inflação. As linhas claras são as probabilidades otimistas e pessimistas para a inflação. O Banco Central acreditava que a inflação acumulada (dos últimos 12 meses) no final de 2016 seria próxima de 4,5%. Hoje os economistas mais otimistas falam que a inflação terminará 2016 entre 7% e 8%. Os mais pessimistas fazem previsões de inflação passando dos 10% no final de 2016.

Aqui temos as projeções para 2016 e 2017 feitas em dezembro de 2015. Os erros nas projeções passadas foram tão grandes que fica difícil confiar nas projeções para este ano. Aqui seria o gráfico de possibilidades para a  inflação em 2016 e 2017. O Banco Central acredita que terminaremos 2016 com inflação próxima de 6% e no final de 2017 teremos inflação próxima de 4%.

Vale lembrar que os economistas e os técnicos do Banco Central não chutam esses valores. Eles fazem cálculos complexos, analisam dados das maiores consultorias econômicas e políticas do país, acessam informações que nenhum cidadão comum seria capaz de compreender. Mesmo assim as previsões são extremamente falhas. As vezes temos a impressão de que as previsões dos economistas dos grandes bancos e do governo são erradas de propósito, para que as pessoas tomem decisões erradas de investimento e alguém tire proveito dessas decisões.

Dólar como reserva de valor ou investimento:

Diante de todos esses exemplos fica muito difícil adotar o dólar como investimento com foco no longo prazo (pensando na aposentadoria). Para prazos curtos existe as especulações (eu não recomendo para quem é conservador ou leigo). Para prazos médios é possível investir no dólar utilizando uma estratégia de alocação de ativos. Como existe uma relação inversa entre dólar e bolsa de valores, quando a bolsa passa por uma tendência de queda o dólar passa por uma tendência de alta. Quando a bolsa está em alta o dólar está em queda. Não é uma regra, mas é um comportamento comum e fácil de observar no passado.

Sempre existe um momento onde temos uma inversão de tendência. Enquanto muitos estão vendendo suas ações com grandes perdas para buscar a segurança do dólar no momento das crises, alguns estão fazendo o movimento contrário que seria vender dólares adquiridos no passado para comprar boas ações que ficam baratas no olho da crise. O difícil é sempre ter o conhecimento necessário para nadar no sentido contrário das multidões.

O dólar também pode e deve ser utilizado como reserva de emergência em moeda estrangeira. Para algumas pessoas esse tipo de reserva é importante, principalmente a pessoa tem despesas em moeda estrangeira. O mesmo vale para aqueles que tem planos de assumir despesas em dólares (como os custos de uma viagem). O problema é sempre querer comprar quando todo mundo quer comprar e querer vender quando todo mundo quer vender.


Receba um e-mail quando novos artigos forem publicado, inscreva-se no Clube dos Poupadores. Ative as notificações no seu navegador clicando aqui ou no sino vermelho no canto inferior direito desta página

Sobre o Autor:

Leandro Ávila é educador financeiro formado em administração de empresas e especializado em investimentos. Por acreditar que a educação financeira pode transformar vidas, criou o Clube dos Poupadores para compartilhar seus artigos e livros sobre Independência FinanceiraInvestimentos em AçõesInvestimentos em Títulos PúblicosInvestimentos em CDB, LCI e LCA, e em Imóveis.
newest oldest
Rosa
Visitante
Rosa

Oi Leandro
Boa noite
Lendo a matéria sobre o dólar comecei a questionar outras coisas
Por exemplo pagar plano de saúde
Além da mensalidade cara o plano cobra taxas de consultas e laboratórios
Ou seja, a mensalidade que pago não isenta os pagamentos de consultas e laboratórios
Vc acha q se eu fizesse determinada aplicação de dinheiro com a finalidade específica para gastos com saúde seria mais apropriado financeira e economicamente?
Uso pouco o plano, então estou questionando se pagar a mensalidade e fazer bom uso do meu dinheiro
Agradeço se me responder
Abraços
Rosa

Ari
Visitante
Ari

Caro Leandro,

Prefiro pensar que dólar – assim como qualquer outra moeda – é apenas moeda, e não investimento. Como você comentou em seu artigo, pode se ganhar algo quando especula-se em curto prazo. Com frequência, reflito sobre manter dólares em poder, a título de investimento. Pois, isso me remete ao ano de 2003 quando retornei para o Brasil após ter morado por três anos e meio nos EUA. Nesse período, eu e minha esposa economizávamos mensalmente uma certa quantia, e quando a compra do dólar ficara mais caro aqui no Brasil, daí realizávamos a transferência bancária. Fortuitamente, em períodos que atingiu elevações de até R$4,00 (que chamavam dólar do minuto ou do momento nas flutuações do dia, não me recordo exatamente). Obviamente, que ao cair na conta bancária no Brasil, o valor era imediatamente aplicado no CDI (era bastante rentável). O fato é que a quantidade total (em dólar e daí convertida para reais) foi suficiente para que comprássemos praticamente à vista nosso apartamento c/ área privativa, mobiliado e em um bom bairro na grande cidade. Ainda deu para comprar um carro popular, usado. Na época, alguns me diziam que era estupidez ter transferido os dólares e convertido à moeda real. Ocorre que se eu o tivesse mantido em meu poder desde aquela época, eu JAMAIS teria o patrimônio que tenho hoje. Ao confirmar em seus gráficos a flutuação do dólar, mantenho a idéia de que dólar não é investimento.

Jonas Alberto Persuhn
Visitante
Jonas Alberto Persuhn

Excelente matéria Leandro !!
Uma reserva em dólar no Brasil é muito importante devido a instabilidade de pais . Mais suas contas provam que para investimento não é muito viável .
Adoro viajar , porém , compro a moeda para onde vou com antecedência , assim evito decepções na volta. Quando via os brasileiros passando Cartao para tudo no exterior me dava arrepios .
Para completar te agradeço pela matéria , pois aprendi uns detalhes a mais para minha rígida diciplina financeira. Abraços

Flavio
Visitante
Flavio

Boa noite Leandro,
Estava esses dias pensando em colocar uma pontinha em dólares, chute mesmo mas depois do seu post vou ficar com a RF mesmo, ganhando 18% ao ano já e uma ótima taxa. Vou estudar a bolsa mais um pouco e aumentar meus investimentos la, tem ações absurdamente baratas mas tem que estudar.
Obrigado

Acionista25
Visitante
Acionista25

Parabéns pelo excelente texto.É incrível como as crises mexem com nossos psicológicos.Não sou tão leigo em investimentos,mas toda crise me dá vontade de comprar ouro ou dólar,mesmo sabendo que não são bem investimentos.Às vezes paira um sentimento triplo e perigoso:eu deveria investir ,pois além de especular(como se fosse certeza seu aumento),protegeria-me da inflação,convulsões sociais,etc e se tudo der errado vou pra Miame ou New York.Mas,com sua ajuda fica fácil perceber que devemos aprender a separar as coisas e sempre termos cautela.Obrigado por mais uma aula!

Assir
Visitante
Assir

Muito bacana e cheio de surpresas esse artigo. Parabéns Lesndro.

Mr. Webster
Visitante
Mr. Webster

Mais um excelente artigo, maiormente em razão de nos fazer refletir acerca da possibilidade de investir em moeda estrangeira no longo prazo. Eu mesmo tenho um posicionamento de uns 7% do meu capital em moeda estrangeira, atualmente, mas apenas como um mecanismo de reserva de valor.
A despeito do meu atual posicionamento, manter-me-ei com um patamar de menos da metade do que hoje me encontro, tão logo apareça uma boa oportunidade de saída, migrando para o tesouro direto.

Robert
Visitante
Robert

Leandro boa noite, o que você acha sobre os fundos cambiais em curto prazo?, Acredito que no curto prazo tem possibilidade de especular.

Sandro Luiz
Visitante
Sandro Luiz

Na minha opinião, uma carteira de investimento minimamente diversificada contempla moedas (diversificação geográfica), renda fixa (incluindo Tesouro Direto), ações, FII e imóveis. Tudo em percentuais adaptados ao perfil de risco de cada investidor. O investimento em moedas deve ser feito por meio de depósitos a prazo, fundos, ações e títulos da divida pública de países sérios, devendo ser diversificado em várias moedas (libra, euro, dólar, franco suíço etc), de nada adiantando se feito dentro de um mesmo país (como, por exemplo, aplicar em fundos cambiais dentro do Brasil). Necessária, portanto, a abertura de contas em intituições financeiras no exterior.

Agton
Visitante
Agton

Excelente esta regra dos 72. Além dos seus artigos não deixo também de ler seus comentários. Aprendemos muito com eles.

Sandro Luiz
Visitante
Sandro Luiz

Em relação ao dólar, enquanto não houver ajuste fiscal e retomada da confiança na economia brasileira, a tendência, a meu ver, continua sendo de alta, nada obstante ser impossível prever com certeza para onde ele vai, como você referiu no artigo. No mais, parabéns pelo artigo e por seu trabalho relevante de educação financeira, Leandro.

Maiconaz
Visitante
Maiconaz

Adorei: “As vezes temos a impressão de que as previsões dos economistas dos grandes bancos e do governo são erradas de propósito, para que as pessoas tomem decisões erradas de investimento e alguém tire proveito dessas decisões….”

Você acredita que essa premissa também é válida em países desenvolvidos? Ou é mais fácil e evidente em países como o Brasil?

Adorei a regra dos 72. Continue assim, muito obrigado pelo compartilhamento de conhecimentos.

Daniela
Visitante
Daniela

É incrível que as informações que recebemos aqui , não temos nem nas revistas mais renomadas de economia. Parabéns pelo artigo Leandro. Enquantonasmpessoas estavam fazendo compra de moedas estrangeiras eu estava enviando minhas reservas em euros para o Brasil e estava pensando que estava fazendo alguma coisa errada. Agora estou mais tranquila.

THATHA
Visitante
THATHA

Leandro, como você chegou ao calculo da porcentagem da valorização do dólar de 2001 a 2016? Poderia me ensinar como faço no Excell? Gostaria de aprender.

Obrigada

Wellington Sousa
Visitante
Wellington Sousa

Mais um ótimo assunto publicado. E, como já falei, ler os comentários está quase que se tornando obrigatório pois acaba sendo uma extensão do artigo!

Sugestão: E investir em Ouro? Historia x Atualidade

Esse tema, por coincidência, está nos pensamentos meus e de alguns amigos.

Ronaldo de Oliveira
Visitante
Ronaldo de Oliveira

Olá Leandro!

Sua determinação em proporcionar educação financeira às pessoas, alimenta minha esperança de que ainda existem boas pessoas com propósitos sérios.
Como você mesmo disse, educação financeira deveria fazer parte da grade curricular nas academias. Pois, realmente, ficou claro de que governo, bancos e ricos, não querem que as pessoas pobres saibam se educar financeiramente. Parabéns!
Prezado Leandro, pode me ajudar? É o seguinte: Como posso ganhar maior rentabilidade ou quando vender antecipado um título NTNB + IPCA?
Outra pergunta, está na hora de comprar ações?

Daniel Soares
Visitante
Daniel Soares

Olá. Estava bastante inclinado a investir em dólares nesse início de ano, só não fiz porque não gosto de investir em algo que não tenho conhecimento, prefiro estudar antes, e o seu artigo chegou no momento certo, obrigado.
Nunca deixo de ler os comentários, sempre aprendo alguma coisa, por exemplo, a regra dos 72. Abs

Guatavo
Visitante
Guatavo

Prezado Leandro, gostaria de parabenizá-lo pelo material compartilhado aqui no site. Tenho estudado bastante e depois de vencer o receio inicial abri uma conta em uma corretora ( nesse momento abri uma conta em outra). Diversifiquei menus investimentos em poupança, tesouro direto, CDB e LCI/LCA e já estou colhendo bons resultados. Adaptei planilhas disponibilizadas aqui para menus estudos e comparações. Fiquei impressionado com o quanto perdia com a poupança. Arrependo-me de não ter iniciado antes esses investimentos.
Já que o tema desse artigo aborda a questão da aposentadoria gostaria de saber se é possível elaborar uma fórmula em Excel para aportes contínuos mensais no tesouro IPCA+? Digo isso porque a calculadora do tesouro permite inserir somente um valor inicial sem a adição de valores subsequentes.
Muito obrigado e parabéns mais uma vez pelo trabalho realizado.

Fausto
Visitante
Fausto

Olá Leandro. Parabéns pelo artigo. Foi eloquente como sempre ao expor o assunto.
Gostaria de saber sua opinião sobre manter dólares em contas não bancárias, como o paypal por exemplo.
Eu tenho uma reserva de dólares e euros que mantenho lá e estou esperando o dólar subir mais para converter em reais e transferir para minha conta bancária, pois eu especulo que o dólar vai valorizar mais ainda, porém isso pode demorar alguns meses.

Tiago Pinheiro
Visitante
Tiago Pinheiro

Leandro,
Você poderia aconselhar alguns blogs/fóruns para discussão sobre investimentos?

Elias Barbosa
Visitante
Elias Barbosa

Grande Leandro Avila , o espetacular homem que esta mudando varias geraçoes!!!!!

Flavio
Visitante
Flavio

Leandro,

Bom dia,
O comércio de ouro funciona parecido com o comércio de dólar já que a cotação variava conforme a lei da oferta e da procura, certo!? Será que você pode escrever um post sobre esse tema? Procurei em alguns sites mas entendi pouca coisa sobre o assunto, nenhum deles é claro.

Obrigado

Aline
Visitante
Aline

Ola Leandro.

O Banco do Brasil tem um fundo de investimento Cambial Dolar LP que rendeu em 2015 – 51%. (sem descontar os impostos).

Só que olhando a composição da carteira 44% é em títulos públicos.

LINK : http://www.bb.com.br/docs/pub/siteEsp/dtvm/dwn/lam03033971.pdf

Vc tem algum artigo que mostre como funciona essas composição de carteiras dos fundos de investimentos?

Olhando apenas para a rentabilidade desse fundo não me parece ruim
12meses 51%
24 meses 66%
36 meses 101%

O que vc acha?

Rogério Pedroso
Visitante
Rogério Pedroso

Nesse momento dólar opera a $ 3,85.
Pior que conheço gente que comprou no pico só porque todo mundo estava comprando (efeito manada).
Parabéns pela analise.

Isaque Santos
Visitante
Isaque Santos

Parabéns Leandro por mais esse artigo, estou tentando lê todos os seus artigos pois são muito ricos em detalhes e de fácil compreensão, quero também adquirir seus livros, tenho interesse em começar a investir em imóveis.

Christian
Visitante
Christian

Boa tarde, Leandro!
Mais uma vez, parabéns pelo artigo e pelo trabalho que vem desempenhando. Tenho ouvido recentemente analistas como Mauro Halfeld indicarem investimentos em ouro como reserva de valor. Mas, acredito que o ouro segue a mesma linha de raciocínio do dólar, como foi explicado neste artigo. Você pretende escrever algum artigo sobre investimento em ouro? Se não, fica a sugestão. Seria interessante um artigo sobre o ouro que demonstrasse, também, os custos envolvidos na aquisição através da Bovespa ou dos grandes bancos, como por exemplo o Banco do Brasil, que pelas minhas pesquisas demonstrou ser o mais vantajoso, desde que o investidor seja correntista do BB (taxa de custódia de 0,20% a.m. lote padrão ou 0,15% a.m. fracionário, calculado sobre o montante custodiado).
Abraços,
Christian

Diogo
Visitante
Diogo

Leandro como vai? Creio que você deve ter lido o último relatório da Empiricus: “O CALOTE”. É estarrecedor o que eles disseram ali. Fica clara a possibilidade de confisco de poupança, de calote da dívida ou do retorno da hiperinflação.
Ao mesmo tempo fico pensando, o que eu como pequeno investidor (menos de 50mil), poderia fazer para me proteger? A própria Empíricus coloca como medidas protetivas a aquisição de terras (para os ricos obviamente) e para o restante a compra de dolar ou de metais como prata e ouro. Aí eu te pergunto: caso a previsão deles se confirme, como até agora tem se confirmado, o que nós pequenos investidores poderíamos fazer para nos proteger?

andre
Visitante
andre

nossa, encantado com a didática do texto assunto atual analisado sem paixões. até a sessão de perguntas é boa. belo trabalho, cidadao na essência e na exelencia

ROBERIO BARROS NASCIMENTO
Visitante
ROBERIO BARROS NASCIMENTO

muito bom, obrigado!

Junte-se a mais de 250.000 leitores
Inscreva-se
Seja o primeiro a receber novos artigo no seu e-mail:
Experimente, é grátis e você pode cancelar a inscrição a qualquer momento.
close-link

Compartilhe com um amigo