O ouro sempre foi muito utilizado como reserva de valor em quase todos os momentos da história e regiões do mundo.

Atualmente, em momentos de crise econômica mundial ou diante de expectativas sobre uma possível crise, a demanda por ouro tende a aumentar e isso gera, como consequência, o aumento do seu preço.

É justamente quando os preços estão mais elevados que os “istas” (jornalistas, analistas, especialistas, economistas etc.) aparecem para “dar” palpites sobre o que você deveria fazer com o seu dinheiro.

É importante que você evite tomar decisões sobre seus investimentos com base em palpites ou notícias.

Vou mostrar como você pode monitorar o preço do ouro para tomar suas próprias decisões quando achar que deve fazer isso.

Ouro é um produto:

Você deve entender o ouro como um produto qualquer como café, soja, milho, carne de boi etc. Como qualquer commoditie, ele tem seu preço cotado internacionalmente. Dessa forma, o preço do ouro sofre constantes variações que dependem da demanda e da oferta pelo metal ou por ativos atrelados a esse metal.

No caso do ouro, seu preço depende muito da demanda gerada pelo aumento do pessimismo com relação ao futuro da economia global. Boatos, especulações ou rumores já são suficientes para influenciar o preço do ouro.

A imagem acima circula na internet e representa como seria concentrar todo o ouro que se encontra em circulação no mundo em um único cubo. Esse cubo teria 20,7 metros de altura com pouco mais de 171.300 toneladas de peso (fonte).

Pesquisas mostram que ainda existem 54.000 toneladas de ouro em reservas para serem extraídos (fonte). O fato é que as reservas de ouro que podem ser encontradas na natureza, com custo de extração viável, são limitadas. Teoricamente o preço do ouro tende a aumentar com o passar do tempo.

Preço do grama do ouro nos EUA em dólares desde 1973

 Preço do Ouro no Brasil

Aqui no Clube dos Poupadores temos uma página onde você pode visualizar gráficos atualizado com o preço do ouro no Brasil e o preço no exterior. Isso permite que você acompanhe os preços sem depender das opiniões dos outros, notícias e especulações.  Visite aqui para ver o gráfico de preços do ouro.

Observe que o preço do ouro flutua como ocorre com o preço de qualquer produto que tem seu preço livremente definido pela oferta e demanda.

Quando você entra no supermercado e descobre que o seu produto preferido está com desconto de 20%, você se sente motivado a comprar mais produtos, pois entende que o desconto é por tempo limitado.

Já quando esse mesmo produto está 10% ou 20% mais caro, você tende a adiar a compra ou comprar menos, principalmente se você acreditar que o preço sofreu variações que dependem de uma demanda momentânea. Com o ouro, ou qualquer ativo de renda variável, não deveria ser diferente.

Na figura acima temos o gráfico semanal do ouro (OZ1D). Cada “vela” ou barra representa a variação do preço do ouro na semana. Quando traçamos uma linha superior e uma linha inferior ligando os maiores preços (topos) e os menores preços (fundos) temos uma espécie de “canal de tendência”, que no caso é uma tendência de alta (o canal está destacado na cor azul turquesa).

Observe que existia uma tendência de o preço seguir esse canal de alta. Veja que ele estava seguindo um padrão onde parava de cair quando se aproximava da linha inferior (suporte) e parava de subir quando se aproximava da linha superior (resistência).

Lembro muito bem que no meio de 2018 recebi muitas mensagens de leitores pedindo para que escrevesse um artigo sobre alta do ouro, exatamente como recebi agora no meio de 2019. Vários jornais e sites de notícia destacaram a alta do ouro em 2018 e isso motivou muita gente a investir em ouro.

Se alguém tivesse comprado ouro pagando R$ 165,40 / grama em junho de 2018 teria ficado bem chateado observando que após a alta ocorreu uma queda do ouro (figura acima destacada com a seta azul). Veja no gráfico que o preço só voltou a atingir R$ 165,40 por grama, 49 semanas depois ou 353 dias depois do seu valor máximo em junho de 2018 (linha pontilhada laranja/amarela).

Provavelmente as pessoas que compraram ouro pagando R$ 165,40, seguindo um palpite, acabaram vendendo esse ouro por até R$ 141,25 depois de 18 semanas de queda (seta azul).

Embora seja impossível ter absoluta certeza sobre o comportamento de qualquer ativo de renda variável, como o ouro, dólar, ações etc., podemos observar estatisticamente que esses ativos se comportam seguindo uma tendência e seus padrões.

O gráfico e seus indicadores facilitam a observação desses padrões e permitem escolher bons momentos para a compra. O monitoramento dos preços permite que você pare de investir seguindo os palpites dos outros.

Nessa página aqui, além do preço do ouro em reais (contratos de ouro negociados na bolsa), temos o preço do ouro em dólares (onça de ouro) e o preço do ouro em dólares convertido em reais com histórico desde 2013. Isso permite uma boa observação do comportamento do preço do ouro. Vale lembrar que o preço do ouro em reais também sofre a influência do câmbio, ou seja, quando a nossa moeda perde valor o preço do ouro aumenta por ser cotado em dólar.

A forma mais fácil e prática de investir em ouro é através de fundos de investimento que possuem como objetivo acompanhar o preço do ouro. As grandes corretoras oferecem fundos que investem em ouro e você pode entrar ou sair desses investimentos com alguns cliques.

Você também pode comprar ouro através da Bolsa (ouro fino a vista). O processo é como se você estivesse comprando ações. O código mais negociado é o OZ1D que equivale a 250 gramas de ouro. Também existe o OZ2D (10 gramas) e OZ3D (0,225 gramas), só que esses dois possuem liquidez muito baixa, ou seja, poucas pessoas comprando e vendendo nos pregões.

A cotação que aparece nos gráficos representam 1 grama. Se o ouro está cotado em R$ 200,00 e o OZ1D equivale a 250 gramas você teria um custo de 200 x 250 = R$ 50.000,00 pelos 250 gramas de ouro.

Na prática você estará negociando um contrato que está atrelado a uma quantidade de ouro físico (que realmente existe). Por esse motivo, caso você veja vantagem nisso, é possível resgatar o ouro físico que você comprou indo até a Bolsa (a quantidade mínima é de 250 gramas). Não sei se é possível trazer esse ouro novamente para dentro da Bolsa depois que ele é retirado. Certamente deve ser um processo burocrático e até perigoso por envolver o transporte do ouro.

Para manter o ouro custodiado na Bolsa existe um custo de custódia que é calculado diariamente como descrito no final dessa página aqui. O cálculo considera o preço médio do grama do ouro (OZ1D) multiplicado pela quantidade de ouro depositada multiplicado pela taxa de 0,121% ao mês.

O imposto de renda sobre o ganho de capital segue a mesma regra do investimento em ações. Vendas até R$ 20.000,00 por mês estão isentas de imposto de renda. Acima deste valor, estarão sujeitas à alíquota de 15% sobre ganhos.

Por isso a forma mais prática de investir em ouro seria através dos fundos, já que você pode comprar quantas cotas do fundo achar melhor, pode fazer isso a qualquer momento, pode sacar seu dinheiro facilmente sem depender da liquidez do mercado no momento e o imposto de renda sobre o rendimento já será calculado e recolhido pelo fundo.

No lugar do custo de custódia de 0,121% por mês (equivalente a 1,46% ao ano) você pagará alguma taxa administrativa para o fundo. Eu já vi fundos especializados em ouro que cobram 1% de taxa ao ano. Normalmente os fundos negociam contratos futuros de ouro no exterior. Alguns fundos oferecem exposição ao ouro sem variação cambial (sem os efeitos das variações do dólar) e podem ter resultados diferentes (até melhores) do que o ouro negociado em reais na Bolsa.

Tenha cuidado para não investir em fundos olhando a rentabilidade passada dos fundos, principalmente quando a proposta do fundo é investir em ativos de renda variável. A rentabilidade passada não garante a rentabilidade futura e se você investir quando o preço atingir o topo de uma tendência de alta, existe uma grande probabilidade dos preços recuarem (como mostrei no artigo) até que depois de algum tempo eles voltem até atingir o topo novamente. Probabilidades não são certezas.

Ao pensar em investir em ouro físico (comprar e guardar ouro em casa) você deve considerar que vivemos no Brasil. A simples suspeita de que você guarda ouro em casa pode transformar sua casa em um alvo.

Vale sempre lembrar que esse artigo não é uma recomendação de compra de qualquer ativo. Ele é um convite para que você estude e passe a tomar decisões sem depender de qualquer recomendação ou palpite. Sempre será interessante estudar a possibilidade de ter uma pequena parcela do patrimônio em ativos como ouro e dólar, mas a compra desses ativos deve ser feita de forma planejada, de forma consciente e em condições favoráveis.



Receba novos artigos por e-mail:

Leitura recomendada: livro Como Investir na Bolsa: Análise Técnica. Conheça todos os nossos livros sobre investimentos visitando aqui.