“Não há nada de errado em querer ficar rico. O desejo pela riqueza é realmente o desejo por uma vida plena e abundante; e tal desejo é louvável. A pessoa que não deseja viver de modo mais abundante é anormal.  – Wallace D. Wattles, 1910.

O autor do texto acima nasceu em 1860 em Illinois, EUA. Era filho de um jardineiro e de uma dona de casa que viviam em uma região agrícola. Cresceu, fez fortuna e em 1910, um ano antes da sua morte, publicou um livro chamado “The Science of Getting Rich”.

Wallace acreditava que o objetivo de toda forma de vida era se desenvolver e evoluir. Tudo o que era vivo deveria crescer, expandir e se multiplicar até onde fosse capaz, fazendo uso de todos os recursos que recebemos da natureza para atingir esse objetivo.

Nossa natureza

O propósito da natureza era a evolução da vida de todas as espécies incluindo a espécie humana.

Aqui, temos um porém: a sociedade humana foi organizada de tal modo que só podemos desenvolver todo o nosso potencial fazendo uso do dinheiro. Sem dinheiro a pessoa ficaria com seu propósito natural limitado. Na pobreza, nosso leque de opções fica reduzido.

Seria como uma planta com todo potencial de crescimento, mas que não possui água suficiente para crescer. A planta não pode se levantar para procurar água. Você pode, caso queira, se levantar para procurar e criar os recursos que precisa para se desenvolver. Não somos plantas esperando a chuva ou a rega, embora muitos se comportem como se fossem.

Vale destacar que Charles Darwin ainda era vivo quando Wallace e outros autores de sua época desenvolveram essas ideias. O livro de Darwin chamado “A Origem das Espécies” e suas teorias sobre evolução ainda estavam impactando a forma como as pessoas entendiam o mundo.

Wallace acreditava que as pessoas nasciam com o desejo natural de desenvolver todos os seus potenciais. As pessoas não eram normais se não tivessem esse desejo natural. Ser feliz e ter sucesso na vida dependiam da realização da nossa vontade de crescer, expandir, criar e realizar explorando tudo que podemos fazer com nossa inteligência e capacidade de trabalhar.

Alguém que deseja ser médico, deveria desenvolver esse potencial para ser o médico mais reconhecido de sua área. Quem nasceu desejando ser um pintor deveria desenvolver esse potencial para se tornar o melhor pintor. Alguém que sonha em empreender deveria desenvolver esse potencial para se tornar um grande empresário.

O sentido

Desenvolver nosso potencial seria o nosso propósito de vida.

O problema é que para ser o que você deseja ser é necessário ter liberdade. Essa liberdade, nesse modelo de mundo que construímos, significar ter dinheiro suficiente para pagar pelos serviços, produtos e coisas que você necessita para ser o que deseja ser ou fazer o que deseja fazer com a sua vida.

Ninguém se torna um grande médico sem ganhar e investir muito dinheiro. Ninguém se torna um grande empresário sem ter investido em conhecimentos e a estrutura que precisa para produzir algo. Para atingir todo o seu potencial é necessário aprender a ganhar, poupar e investir dinheiro.

Por este motivo, ele acreditava que não existia nada de errado em querer ser rico. Quanto mais rico você fosse, maior seria sua liberdade e o seu poder de ação. Esse desejo era louvável por permitir o seu pleno desenvolvimento como pessoa e colaborar com o desenvolvimento da própria humanidade.

Quanto mais rico você fosse capaz de se tornar, mais liberdade e poder de ação para aprender, criar, inventar, construir e prosperar em qualquer área onde você quisesse se desenvolver.

As três manifestações

Para Wallace a nossa vida se manifesta através do nosso corpo, mente e alma. Funciona da seguinte forma:

Precisamos de dinheiro para alimentar o nosso corpo, para ter roupas, abrigo e remédios. Precisamos de dinheiro para uma recreação e descanso de qualidade. O dinheiro também evitaria a necessidade do trabalho excessivo e exaustivo para o corpo.

Também precisamos do dinheiro para o desenvolvimento da nossa mente. Precisamos de dinheiro para pagar por boas escolas e universidades. Precisamos de dinheiro para comprar bons livros e cursos. Precisamos de dinheiro para ter tempo livre que permita estudar. Precisamos de dinheiro para ter novas experiências como viajar, ir ao teatro, cinema, museus, etc.

Segundo Wallace, até para que você possa desenvolver todo o potencial da sua alma é importante que você tenha dinheiro. Ele dizia que a maior felicidade humana estava na doação. Nos sentimos felizes quando podemos doar benefícios para as pessoas que amamos (familiares e amigos) e para pessoas que não conhecemos (e que precisam de ajuda). Todo pai e toda mãe se sente feliz quando pode oferecer uma boa qualidade de vida e uma ótima educação para os seus filhos. Todo cidadão gosta de ser visto como alguém importante e de valor na sua comunidade por colaborar com o desenvolvimento da mesma.  Tudo isso são formas de doação. Quando temos dinheiro o nosso poder de promover o bem entre as pessoas se torna maior.

Para o autor, só podemos dar aquilo que temos. Se você não tem nada ficará na condição de alguém necessitado, alguém que precisa da ajuda dos outros e não na condição de alguém que poderia ajudar.

Se você tem pouco, terá sua capacidade de ajudar limitada. Também não terá tempo livre para pensar no próximo, pois estará mais preocupado em conseguir dinheiro para pagar suas contas e atender as necessidades da sua família.

Por esse motivo, mesmo aquele que não deseja ser rico para satisfazer necessidades do próprio corpo e mente, deveria desejar ser rico para ter a capacidade de ajudar o próximo. Seria nossa dever explorar todo o nosso potencial para o nosso bem e o bem dos outros.

Através desse ponto de vista, seria perfeitamente justo, correto e humano desejar o máximo de riqueza que temos potencial de gerar. Perceba que não estamos falando sobre “tirar riqueza” dos outros. Estamos falando em “gerar riquezas”. É a partir dessa riqueza que você poderia se desenvolver plenamente deixando de ser alguém que precisa de ajuda para se transformar em alguém capaz de ajudar a melhorar o mundo a sua volta.

Para Wallace D. Wattles negligenciar isso seria como abandonar sua missão para consigo mesmo, para a natureza que criou você e para a humanidade.

O maior serviço que você poderia prestar para a natureza que te criou e para a humanidade seria desenvolver todo o seu potencial como ser humano. Para isso você precisa começar a construir a sua fortuna.

É importante destacar que Wallace viveu no final do século XIX. Naquele tempo, era necessário ter muito dinheiro para ter muitas das coisas que você considera como básicas na sua vida nos dias de hoje.

Naquele tempo os livros eram objetos caros e raros. As instituições de ensino monopolizavam o conhecimento. O ensino superior era um luxo para o filho dos nobres. Os produtos industrializados eram muito caros. A tecnologia era muito limitada e cara.

Hoje, temos acesso a muitos produtos e serviços que não eram acessíveis ou inexistiam no tempo de Wallace. Nos dias de hoje, ninguém precisa ser rico para poder comprar livros, estudar, adquirir alimentos, roupas e produtos industrializados que garantam nossas necessidades básicas.

Água encanada no século XIX era um luxo para poucos. No final do século XIX, Nikola Tesla e Thomas Edison ainda estavam brigando entre eles pelo desenvolvimento e implantação das redes de energia elétrica nas casas dos poucos que podiam pagar por ela.

Hoje temos eletricidade, eletrônicos, computadores, internet, produtos industrializados tão baratos que se tornaram descartáveis. Não precisamos ter grandes fortunas para acessar uma enorme quantidade de recursos que permitem o nosso desenvolvimento.

O que estamos fazendo com esses recursos modernos que temos hoje para desenvolver o nosso potencial e gerar riquezas?

Os empreendedores que desenvolveram os primeiros equipamentos elétricos, telefones, automóveis e aviões utilizaram papel, lápis e borracha. Santos Dumont utilizou papel e lápis para projetar o seu avião.

 

O computador utilizado na missão espacial que levou a nave Apollo e seus astronautas à Lua tinha o poder de processamento de dois videogames antigos da Nintendo. Meus amigos da escola utilizavam esse poder de processamento para jogar tempo fora jogando Mario Bros.

 

Já o supercomputador Cray-2, um dos mais rápidos de 1985, tinha o mesmo poder de processamento daquele velho Iphone 4 que você não usa mais. O playstation 4 dos seus filhos tem mais poder de processamento que o supercomputador ASCI Red (1998) criado pelos EUA para controlar todo o seu arsenal de armas nucleares (fonte).

Como estamos nos esforçando para gerar o máximo de riqueza que podemos produzir utilizando os recursos que a modernidade nos oferece?

O que Wallace diria se estivesse vivo nos dias de hoje com tanta tecnologia, informações e conhecimento facilmente disponível na internet?

No passado, para criar uma empresa bilionária era necessário um esforço descomunal. Hoje temos grandes fortunas que foram criadas por jovens que desenvolveram aplicativos gratuitos nos computadores das suas casas e os disponibilizaram no Google Play ou na Apple Store.

Quando comparamos a nossa realidade com a realidade do passado, vemos que temos muitos conhecimentos e recursos disponíveis para crescer profissionalmente ou para iniciar um negócio do zero.

Será que estamos utilizando todos esses recursos para realizar todo o nosso potencial ou estamos utilizando todos esses recursos para nos distrair?

Da mesma forma que nunca tivemos tantos meios de crescimento, nunca tivemos meios de distração. Nunca a nossa Resistência interna teve tantas armas para impedir o nosso crescimento.

É fácil encontrar diversas pesquisas e reportagens mostrando como a nossa sociedade moderna está utilizando os recursos abundantes que possui. Exemplos: O brasileiros são líderes no tempo gasto nas redes sociais. A nossa média é 60% maior do que a do resto do planeta (fonte). Também estamos entre os povos que mais assistem televisão, 5 horas por dia (fonte). Também estamos entre os povos que passam mais tempo na frente do videogame. Ficamos entre 15 e 19 horas por semana (fonte). Uma reportagem afirma que com o tempo que gastamos nas redes sociais seria possível ler 200 livros por ano (fonte). É um exagero, mas ler um único livro por mês já seria transformador para melhorar o desempenho pessoal, profissional e financeiro das famílias.

 

O que nos falta é força de vontade para superar a força interna e externa que nos impede de crescer.

As pessoas costumam ficar perplexas quando se deparam com notícias de pesquisas revelando que os 10% mais ricos do Brasil ficam com 55% de todas as riquezas geradas pelo país durante o ano e que 1% dos mais ricos do mundo ficam com mais de 20% (fonte).

Thomas Corley, autor do livro “Rich Habits: The Daily Success Habits Of Wealthy Individuals” estudou os hábitos das pessoas mais ricas para apresentar números surpreendentes (fonte).

  • Quase 70% dos mais ricos assistem menos de 1 hora de TV por dia. Entre os pobres, a taxa cai para 23%. Apenas 6% dos ricos assistem reality shows, em comparação a 78% dos mais pobres. “As pessoas ricas não assistem TV porque conseguem ser disciplinados o bastante para utilizar este tempo para fazer algo mais produtivo”, comenta Thomas Corley.
  • 86% dos mais ricos declaram gostar de ler contra 26% das pessoas de baixa renda. Os mais ricos preferem livros que os ajudem a desenvolver ainda mais suas habilidades. Não por acaso, 88% dos ricos leem livros de desenvolvimento profissional ao menos 30 minutos por dia. Apenas 2% dos mais pobres cultivam este hábito.
  • Ouvir audiolivros durante o trajeto para o trabalho faz parte da rotina de 63% dos ricos e apenas de 5% dos pobres. É um hábito que eu mesmo venho aplicando na minha vida através dessa ferramenta aqui que possui um aplicativo.
  • Mais de 80% dos ricos disseram que vão além de seu escopo de trabalho. A porcentagem cai para 17% entre os de baixa renda. Isso mostra porque as pessoas ricas trabalham mais que as demais: 86% trabalham cerca de 50 horas por semana.
  • Apenas 6% dos mais ricos dizem que jogam ou jogavam regularmente na loteria, contra 77% dos pobres.

Ter força de vontade para ter disciplina, persistência, paciência e bons hábitos é algo cada vez mais raro nos dias de hoje. Isso certamente afeta a capacidade de desenvolvimento e prosperidade das pessoas.

Como você está utilizando o seu tempo, dinheiro, recursos tecnológicos e conhecimentos disponíveis para promover o seu enriquecimento e desenvolvimento pessoal, profissional e financeiro?

No final de cada ano é importante fazer uma autoavaliação do quanto prosperamos ou regredimos em cada área da nossa vida. Além dos objetivos financeiros é importante traçar outros objetivos para o seu corpo, mente e espírito. Uma boa situação financeira amplia suas possibilidades em todas as áreas.

O enriquecimento financeiro costuma ser uma consequência do quanto enriquecemos como pessoas e profissionais que somos. O investimento que você faz em você, desenvolvendo seu potencial, adquirindo conhecimentos, experiências e habilidades é o que produzirá os seus resultados. A maneira como você investe o seu tempo e o seu dinheiro na sua vida faz toda a diferença.

 

Livro recomendado: Independência Financeira (clique para conhecer). Conheça todos os nossos livros sobre investimentos visitando aqui.

Receba novos artigos por e-mail: