Como Alugar Imóveis para a Caixa – FII AGCX11

Já imaginou se você fosse dono dos imóveis que os grandes bancos alugam para montar suas agências? Ninguém duvida que parece ser um ótimo investimento. Bancos costumam permanecer no mesmo imóvel por décadas. Não é comum fechar agências ou transferir uma agência de um endereço para outro.

É isso que passa pela cabeça dos investidores mais conservadores que pretendem fazer seus primeiros investimentos em fundos imobiliários.

Um fundo imobiliário funciona como um “condomínio” de investidores que se unem em torno de um objetivo. Hoje vou falar sobre um fundo de investimento imobiliário que tem como objetivo comprar, construir ou reformar imóveis para que se transformem em agências que serão alugadas pela Caixa Econômica Federal. Vamos falar do “Fundo de Investimento Imobiliário Agências Caixa – FII” que é identificado pelo código AGCX11. Este fundo tem como Coordenador Líder a própria Caixa Econômica Federal. A empresa contratada para fazer a administração do fundo é a Rio Bravo Investimentos. Para ler outros artigos que já escrevi sobre fundos imobiliários visite aqui.

O fundo foi criado em 2012 com a venda de 300 mil quotas por R$ 1.000,00 cada uma. O objetivo era conseguir R$ 300 milhões de diversos investidores interessados em serem proprietários de imóveis que seriam alugados exclusivamente para a Caixa. No momento em que escrevo este artigo, o fundo já possui 26 agências alugadas sendo 15 agências e um imóvel em reforma no estado de São Paulo. No Rio de Janeiro existem 9 agências e no estado de Minas Gerais existem 2 agências. Em agosto de 2015 a receita do fundo foi de R$ 3.632.054,00 sendo que R$ 3.240.000,00 foram distribuído entre aqueles que possuem cotas do fundo.  (veja o gráfico)

O fundo trabalha com dois tipos de contrato com a Caixa. Um é chamado de “Contrato de Locação Built to Suit” (BTS), que de forma simplificada funciona assim: A Caixa diz onde precisa de uma agência e como quer essa agência. O fundo localiza terrenos e imóveis antigos que possam atender estes objetivos. A Caixa escolhe e aprova o imóvel do seu interesse. O fundo compra o imóvel e constrói a agência sob medida para a locação. Outra modalidade de contrato é o “Contrato de Locação Buy to Lease” (BTL). O fundo compra imóveis que já estão prontos para funcionar como agência e alugam esses imóveis para a própria Caixa. Observe que em todos os casos a Caixa aprova a compra, construção ou reforma antes do investimento ser feito.

Aqui temos a lista de agências compradas pelo contrato Buy To Lease, ou seja, agências já prontas que foram compradas e alugadas para a Caixa:

Aqui temos as agências construídas ou reformadas sob demanda para serem alugadas para a Caixa:

Qualquer pessoa pode comprar cotas deste fundo e se tornar dono de uma fração destas agências e dos lucros que elas produzem todos os meses através dos aluguéis. A compra e a venda destas cotas são feitas através de qualquer corretora. O procedimento é o mesmo que você teria de fazer se estivesse comprando ou vendendo ações na BM&FBOVESPA. Basta procurar o código AGCX11 no software que a corretora fornece para comprar e vender ações (home broker) e fazer a negociação de compra ou venda.

Você encontra todas as informações sobre o fundo no site Rio Bravo Investimentos (visite aqui). Os contratos de locação com a Caixa são de 10 anos podendo ser renovado por mais 10 anos. A correção dos aluguéis é feita anualmente pelo IGP-M.

Este fundo imobiliário é considerado um fundo do tipo “Moderado 2”, ou seja, nem é um fundo classificado como conservador, nem é um fundo agressivo. Para entender a metodologia de classificação de risco dos fundos, no site da Rio Bravo, existe um documento que explica (veja aqui).

As figuras abaixo foram retiradas desse material falando sobre seus objetivos do fundo no início do ano passado. Vamos pega um exemplo de imóvel que eles compraram (Built to Suit) para que você entenda como funciona. Vamos usar como exemplo este imóvel aqui que fica em uma esquina na cidade de Mogi das Cruzes em São Paulo, na Al. Santo Ângelo, 118.

Este imóvel foi comprado pelo fundo em 2013. O objetivo era derrubar e construir uma agência da Caixa que será chamada de Agência Jundiapeba . Todo trimestre eles produzem um relatório de obras onde os investidores podem fazer um acompanhamento. Os relatórios são divulgados aqui

No último relatório trimestral a situação era essa aqui:

Projeto aprovado pela Caixa:

 

A mesma imagem da obra acima pode ser vista através do Google Maps, veja aqui e ande virtualmente pelas ruas próximas. Você vai perceber que o fundo possui agências em bairros nobre se em bairros mais populares.

É importante que o investidor acompanhe os relatórios mensais que você pode acessar através deste endereço. No site da BM&FBOVESPA também existe uma página onde estes relatórios ficam centralizados (visite aqui).

Para dar um exemplo, vamos ler e comentar juntos o último relatório. Meu objetivo é mostrar como funciona o negócio, que tipo de riscos podem acontecer, como os imprevistos podem alterar os objetivos e a rentabilidade do fundo. Vale lembrar que fundos imobiliários são investimentos de renda variável (como as ações). Você pode ganhar dinheiro com a valorização das cotas (da mesma forma que ocorre quando as ações de uma empresa valorizam). Você pode comprar cotas quando estão baratas e vender quando estão caras obtendo ganho de capital. Não existe garantia de ganhos. Para saber mais sobre como funciona o investimento em fundos imobiliários leia este outro artigo.

Para começar vamos abrir o relatório 2015.8 que fica neste endereço aqui ou neste outro endereço, mas que você pode acessar diretamente clicando aqui

O relatório começa falando sobre a distribuição de R$ 8,00 de rendimentos para cada cota do fundo. Isto significa que se você tivesse 10 cotas receberia R$ 80,00 (10 cotas x R$ 8,00). No momento em que escrevo este artigo uma cota custa R$ 952,00. Isto representaria uma rentabilidade de 0,84% se você tivesse comprado suas cotas por este preço.

Se você tivesse pago R$ 860,00 por cada uma das 10 cotas no final de 2014 sua rentabilidade no mês de agosto de 2015 seria de 0,93% (8/860 x 100). Você irá constatar que é vantajoso comprar cotas quando seus preços sofrem queda diante de momentos de incerteza e pessimismo no mercado, caso exista a expectativa de elevação dos rendimentos nos próximos meses ou anos. O final de 2014 foi marcado pelas incertezas provocadas pelas eleições presidenciais.

A tabela abaixo mostra quanto foi pago por cada cota nos últimos meses:

O fundo possui dinheiro que ainda não foi investido na compra de imóveis para serem alugados para a Caixa. O relatório informa que o fundo investiu este dinheiro em LCI emitidas pelos bancos Santander e Caixa Econômica, com remuneração média de 93,6% do CDI, já líquido de Imposto de Renda (pessoa jurídica paga IR sobre rendimentos da LCI).

Burocracia

O relatório também falou sobre a conclusão de obras das agências Rua dos Italianos e Paes Leme e que estão em processo formal de recebimento pela CAIXA. Quanto mais agências são entregues e alugadas, maiores tendem a ser os rendimentos do fundo. O relatório também fala sobre o início das obras na agência Rio Claro, depois da aprovação da prefeitura da cidade (que demorou para ser dada). Com isso, a previsão da entrega passou a ser fevereiro/2016.

Já o projeto da Agência Campo Limpo não foi aprovado pela Prefeitura. O fundo foi obrigado a fazer um novo projeto para realização de um novo protocolo. O relatório diz que somente depois do alvará de construção será possível atualizar o cronograma e a nova previsão de entrega.

Aqui é interessante fazer uma observação sobre os riscos. Veja que a burocracia da prefeitura pode gerar atrasos e aumento nos custos do fundo.

Problema com a construtora

Problemas legais e burocráticos com as empresas contratadas pelo fundo para construir e reformar as agências também podem gerar prejuízos e atrasos. O relatório fala que a construtora responsável pela obra da Agência Pedro Vicente comunicou a rescisão unilateral do contrato de construção e que, em função disso, o fundo terá que realizar a contratação de numa nova construtora para finalizar a obra. Como não havia previsão contratual para esse tipo de situação, a Rio Bravo terá que tomar medidas para ressarcir o fundo dos eventuais prejuízos. Isto provavelmente significa entrar na justiça contra a construtora. Este problema também vai gerar atraso na entrega da obra.

Imóveis prontos e alugados

Como você já viu, o fundo não é composto só por agências em construção. Existem muitas agências prontas. Como exemplo, veja a Agência Ipanema que fica na rua Visconde de Pirajá, 127 no Rio de Janeiro (visite aqui). No final do relatório você encontrará a lista atualizada de todos os imóveis prontos e todos os imóveis em construção. No próximo gráfico você verá que 51% do patrimônio do fundo está investido em agências prontas e 11% em agências que estão em construção ou reforma. 38% dos recursos do fundo estão investidos em LCI. No outro gráfico é possível ver como as agências estão distribuídas pelo Brasil.

O próximo gráfico é possível observar o aumento dos rendimentos por cota.

Um fator de risco deste fundo são as agências em construção. Teoricamente, a medida em que as agências vão ficando prontas, o fundo se tornará mais atrativo para os investidores mais conservadores. Existem prazos e custos que são projetados para as obras, mas imprevistos acontecem.

É interessante observar que fundos que investem em agências bancárias não sofrem tanto com crises econômicas quando comparamos com outros tipos de fundo. Existem fundos imobiliários que investem em escritórios, galpões, lojas em shopping e outros segmentos que serão afetados pela crise no curto/médio prazo. Entender isso é bem simples. Nas crises, muitas empresas param de crescer e com isto alugam menos imóveis. Existem empresas que vão diminuir suas operações, fechando escritórios e lojas que são menos rentáveis.

Teoricamente, bancos públicos não são afetados por crises como ocorre em outros segmentos da economia. A Caixa e o Banco do Brasil já existem há mais de 100 anos e sempre que necessário são socorridos por recursos públicos (dinheiro dos impostos que você paga).

Isto não significa que a não ocorrerá problemas na gestão do fundo. Em um único relatório foi possível observar alguns problemas que atrasaram obras e a entrega de imóveis para locação.

Fatos relevantes

Por isto, é importante que você só invista em Fundos Imobiliários se você estiver disposto a ler o prospecto, ler os relatórios mensais e acompanhar o que está acontecendo com o seu investimento. Vou mostrar aqui outro exemplo. Existem documentos chamados “fatos relevantes” que você também deve acompanhar (veja aqui). O último fato relevante informado pela Rio Bravo foi a decisão da Caixa de suspender novos contratos na modalidade Built to Suit (onde o fundo compra terrenos ou imóveis para construir agências que serão locadas). Isso não gerou nenhum impacto nos contratos de locação já firmados no passado, mas indica que não ocorrerá mais nenhuma nova compra de imóvel no primeiro semestre (veja aqui) e no segundo semestre de 2015 (veja aqui). Isto justifica os investimentos que o fundo fez em LCI, no lugar de investir na compra de novos imóveis para locação. O último imóvel comprado pelo fundo foi no final de 2014 (veja qual foi aqui).

O Governo também prejudicou os bancos públicos:

Não encontrei informações sobre os motivos que levaram a Caixa a suspender a locação de novas agências, mas podemos supor que isto tenha alguma relação a situação econômica do país e com o que o governo federal andou fazendo com bancos públicos e outras empresas estatais.

Você provavelmente ficou sabendo que o atual governo vinha adotando uma política apelidada de “pedaladas fiscais”. Este é um nome bonito para fraudes contáveis. Na prática o governo utilizou dinheiro da Caixa Econômica Federal de forma ilegal, conforme declarado pelo TCU recentemente ao reprovar as contas do Governo. A Lei de Responsabilidade Fiscal proíbe, em seu artigo 36, que um banco público financie os gastos do governo que o controla.

O gráfico abaixo mostra o saldo da conta do governo na Caixa Econômica. Observe o que aconteceu em 2013 e 2014. Este gráfico foi o mesmo exibido no TCU durante o evento de apreciação das contas públicas que eles transmitiram ao vivo pelo Youtube no dia 7 de outubro.

O Tribunal de Contas da União entendeu que o atraso constante e sistemático do governo em seu saldo com a Caixa era equivalente a um financiamento de gastos públicos pela Caixa. Isso porque o governo acabou obrigando a Caixa a utilizar recursos próprios para arcar com obrigações que eram suas (recursos dos correntistas da Caixa). Para entender o que são as pedaladas fiscais condenadas pelo TCU leia um artigo didático que encontrei. Para baixar o relatório completo que reprova as contas do governo visite aqui (são mais de 1000 páginas). Tudo indica que as pedaladas fiscais continuam acontecendo em 2015 na Caixa Econômica, Banco do Brasil e BNDES (fonte).

Agências no futuro

Hoje os bancos privados estão trabalhando para reduzir o número de agências físicas como você pode ver nesta reportagem. Você verá que 70% das transações feitas por clientes de bancos como Itaú são realizadas pela internet. Por este motivo o Itaú pretende fechar metade de suas agências nos próximos 10 anos. Não é uma boa notícia para quem é proprietário destes imóveis. Acredito que nas próximas décadas, a demanda por bancos de tijolo será cada vez menor. No caso da Caixa Econômica a situação pode ser diferente. Eles atendem milhões de brasileiros de baixa renda, famílias que participam de programas sociais, aposentados e pensionistas do INSS, estudantes que buscam financiamento estudantil, famílias que participam de programas de habitação, etc.

Concluindo:

Para concluir, é importante lembrar que o meu papel aqui não é fazer recomendação de investimentos. Desta forma, este artigo não é uma recomendação de investimentos em fundos imobiliários, muito menos uma recomendação de compra ou venda do fundo AGCX11. Meu objetivo é motivar você a estudar mais sobre as diversas possibilidades de investimentos que existem.

Antes que você me pergunte se Fundos Imobiliários é um bom investimento, já vou responder. A resposta é: Depende.

Mas depende de que? Depende da resposta que você dará para esta pergunta:
Você sabe investir em fundos imobiliários?

Se a resposta for não, os fundos imobiliários ainda não são um bom investimento para você. Você precisa estar disposto a aprender para que se tornem um bom investimento. Algumas corretoras emitem recomendações de investimento em fundos imobiliários.

O problema é que não é bom seguir recomendações de ninguém se você não for capaz de filtrar as informações, tirar suas próprias conclusões e se responsabilizar pelo investimento que está fazendo.


Receba um e-mail quando novos artigos forem publicados, inscreva-se no Clube dos Poupadores. Ative as notificações no seu navegador clicando aqui ou no sino vermelho no canto inferior direito desta página

Sobre o Autor:

Leandro Ávila é educador financeiro formado em administração de empresas e especializado em investimentos. Por acreditar que a educação financeira pode transformar vidas, criou o Clube dos Poupadores para compartilhar seus artigos e livros sobre Independência FinanceiraInvestimentos em AçõesInvestimentos em Títulos PúblicosInvestimentos em CDB, LCI e LCA, e em Imóveis.
newest oldest
Raquel Oliveira
Visitante
Raquel Oliveira

Boa tarde Leandro,

Sempre leio seus artigos e hoje pude agregar muitas informações, por que nem sabia que existia esse tipo de investimento. Você contribui muito para quem quer investir e não sabe por onde começar. Abraços.

Felipe K
Visitante
Felipe K

Leandro,

Sempre fantástico!

É uma honra poder acompanhar seus artigos.

Aliás, ontem mesmo iniciei meus estudos em FIIs. Adquiri um livro que estou gostando muito (Introdução aos FIIs do André Bacci) e exatamente hoje você lança este artigo sobre FII.
É um sinal… rsrs

Grande abraço!

Edw
Visitante
Edw

Muito bem explicado, como sempre.
Mesmo tendo o nome “fundo”, não quer dizer que vc resgata as cotas direto deles, como é num FIM/FIC,etc.Tem que ter alguém para comprá-las como uma ação, certo?
Vc poderia falar sobre investimento em imóveis qq dia desses?

Eduardo
Visitante
Eduardo

Interressante este investimento. Vou ler um pouco mais.
pergunta/ Tenho 110 mil em LCI a mais de 1 ano e tenho 20 mil na poupança. Quero tirar 10 mil da LCI e ajuntar com os 20mil da poupança e aplicar em LCI pois na Caixa a aplicação inicial do LCI e de 30 mil com taxa de 80% da SELIC. Pois sei que estou perdendo deixando na poupança. procurei CDB mais a taxa é de 75% achei baixa. Você acha bom o meu raciocinio?
Obrigado

Leonardo
Visitante
Leonardo

Leandro, parabéns pelo ótimo artigo… agora entendi a dinâmica dos FIIs. Estava interessado em pesquisar mais sobre esse tipo de fundo, mas quando li que os mesmos são de renda variável, acabei tirando um peso da minha costa. Já estabeleci como meta apenas diversificar para renda variável quando tiver dois anos de reserva financeira… por enquanto isso não me pertence….rs… Mais uma vez, obrigado pelas ótimas explicações.

Marina
Visitante
Marina

Olá Leandro Ávila, comprei seu livro como investir em Imóveis, já estou lendo e gostando e parei na página 61.

Gostaria de esclarecer uma duvida (perdão se isto estiver mais pra frente da página 61 do livro e eu for redundante):

Existe algum lugar onde estão “concentrados” os bons investimentos em imóveis ?
Vou exemplificar para ajudar no entendimento da questão. Quando se trata de renda-fixa os bons investimentos estão concentrados nas corretoras independentes e existe também o “clássico” Tesouro Direto. Sei que isso não significa que todos os investimentos de corretoras independentes são bons ou que o Tesouro Direto sempre é um bom investimento, porém podemos afirmar que de modo geral esses são 2 lugares em que há bons investimentos de renda-fixa.
Quando se trata de imóveis há um lugar assim em que se concentram os bons investimentos em imóveis (corretoras, proprietários independentes, classificados de jornais/internet, leilões…) ???

Grata desde já, Marina.

MÁRIO
Visitante
MÁRIO

olá Leandro eu estive pesquisando sobre vários tipos de investimento pensando na aposentadoria dentre eles FII e tesouro direto.onde cabei aplicado 170.000,00 em LCA com 84% do CDC no BB e 100.000,00 no tesouro direto também pelo banco onde possuo conta. sendo que o meu gerente me ofereceu investir em fundo imobiliário BB PROGRESSIVO II são Imóveis que compõem a carteira do Fundo em agências bancárias e prédios comerciais que estão distribuídos por todo o país da mesma forma que a CAIXA ECONÔMICA.O rendimento é bem parecido com o da CAIXA.O valor das cotas estão desvalorizadas devido o aumento da taxa SELIC será que seria uma boa investir de forma mensal? na verdade não me preocupo tanto com a valorização das cotas , pois a intenção é receber o aluguel de forma mensal sem incidência de IR o que já é uma grande vantagem.Mais, posteriormente a minha intenção é depois realocar boa parte dos investimentos em FII distribuídos em + ou – 6 fundos diferentes e bem escolhidos e viver de renda desses alugueis , o que vc acha ? abraço!!!

Claudeir Leardini
Visitante
Claudeir Leardini

Olá leandro ,lendo seu artigo percebi que existe alguns riscos nesta modalidade de investimento ,particularmente prefiro cdb do banco sofisa direto ,pois pagam uma ótima porcentagem do cdi ,e o cenârio economico não anda nada atrativo .
Abraços,,

Akram
Visitante
Akram

Boa Noite Leandro, foi muito importante para mim a leitura do artigo sobre o fundo imobiliário da Caixa Econômica Federal AGCX11, principalmente no ítem que fala sobre as agencias do futuro. Você tem alguma iformação de fechamentos de agências do Banco do Brasil? Eu adquiri cotas do BBPO11..

Jonatam
Visitante

Excelente postagem, Leandro! Meus parabéns!
Este ativo é excelente!

Abração e sucesso!

Rafael
Visitante
Rafael

Olá, Leandro. Boa Noite!
Ótimo artigo e inédito. Parabéns.
Qualquer dia você poderia escrever sobre o fundo Fixx11. Ele é muito interessante, pois é um fundo que procura superar um índice de referência, nesse caso o IFIX. Além disso, a cota dele é mais barato que o AGCX11.

Elivan
Visitante
Elivan

Olá, Leandro!
Muito obrigado pelo artigo! Está me ajudando muito nos meus estudos.
Uma dúvida: tenho visto que o valor dos imóveis e dos aluguéis têm caído nos últimos meses. Isso influencia no investimento dos FIIs?

Abraço

Almeida
Visitante
Almeida

Bom dia, Leandro,´parabéns pelo ótimo artigo! Invisto em FIIs e gosto muito, principalmente pela isenção do IR, mas é essa justamente uma das minhas maiores preocupações em relação a eles, até quando isso durará? Se a pessoa possui uma casa alugada ela paga IR sobre ela e um FII de tijolo é exatamente isso mas conta com a isenção.
Mas penso que se um dia o governo passar a cobrar o IR dos FIIs eu não os venderia pois (acredito eu) o valor das cotas cairia e o prejuízo seria certo, então ficaria com eles para todo o sempre, à excessão daqueles que começassem a ter fundamentos ruins.
Abs.

Lucas
Visitante
Lucas

Obrigado por compartilhar conhecimento Leandro ! Sempre venho aqui para aprender mais com você. Nem fazia idéia da existência dos fundos imobiliários e agora me interessei e vou começar a estudar mais para poder tomar minhas decisões .Assim como não sabia da existência do tesouro direto e hoje sou investidor .

ALCIDES
Visitante
ALCIDES

Leandro, mais uma vez, parabéns, continuo seu fã, por doar seu tempo nos repassando seus conhecimentos. Mas acho que você vai ter que abrir um canal para dar assessorias de investimentos.

abraços.

Louis
Visitante
Louis

Olá Leandro
sabe como funciona o índice IFIX? Ele é calculado baseado nos valores das cotas em R$ ? Se sim, para os valores das cotas acompanharem a inflação (no geral), o IFIX também deveria subir todos os anos?

Andre Luiz
Visitante
Andre Luiz

Importante salientar o que disseram por aqui:
“Os elevados índices de violência (que infelizmente devem piorar) também é um estimulo para que as pessoas deixem de frequentar os bancos…. “
“Hoje os bancos privados estão trabalhando para reduzir o número de agências físicas…”
“Você verá que 70% das transações feitas por clientes de bancos como Itaú são realizadas pela internet….”
Esses comentários revelam o lado ruim para esses investimentos em cotas de fundos imobiliários para construção de bancos. Mas a situação da Caixa é diferente, a resolução dos assuntos como os programas bolsa família, entre outros benefícios a população carente, são todos resolvidos pessoalmente no Banco. Com isso novas agencias Caixa precisam ser construídas.
Porém, vejo que a cada agência nova, sem segurança noturna armada, é um prato cheio para irem explodir o caixa eletrônico e senão a agência junto. Como fica nesse caso?

Evaristo André
Visitante
Evaristo André

Excelente artigo Leandro! Vou me aprofundar no assunto, achei interessante essa modalidade.

ronaldo
Visitante
ronaldo

Leandro,

Quando vc investe num imóvel que é comprado diretamente, a valorização deste imóvel pode ser muito atraente, como funciona isto no fundo imobiliário?
Outra coisa que me preocupa é o fato do Administrador do fundo contratar obras superfaturadas para ganhar junto com o construtor ou que estiver reformando uma agência, ou vender um imóvel do fundo por um valor menor que o de mercado, etc, existe essa possibilidade?
Obrigado
Ronaldo

Rafael Nakamura
Visitante
Rafael Nakamura

Parabéns Leandro, sempre aumentando nossos conhecimentos e abrindo um grande leque de opções de investimentos. Concordo com vc, quando diz que temos que procurar conhecimentos para tirarmos nossas próprias conclusões.

Reynario Prado Nunes
Visitante
Reynario Prado Nunes

Também assino o relatório da empiricus e como disse no artigo a pessoa tem que saber filtrar as recomendações de acordo com o risco que pretende correr.

Misael da Silva
Visitante
Misael da Silva

Excelente artigo.
Mas um investimento para diversificaçao.
Estou estudando para compra este tipo de investimento. A única coisa que na venda paga IR.
Desde já agradecido.

Dênis Barbosa Batista
Visitante
Dênis Barbosa Batista

QUE BOM FAZER PARTE DO ROL DAS PESSOAS QUE RECEBEM TÃO BOA E ÚTIL INFORMAÇÃO DAS SUAS MÃOS, MESTRE LEANDRO ÁVILA! MESTRE?! MESTRE, SIM! COM “M’ MAIÚSCULO. POIS NÃO PODEMOS ENCONTRAR POR AÍ MATERIAL TÃO FARTO DE ENSINAMENTOS ECONÔMICOS COMO ENCONTRAMOS AQUI, NO “CLUBE DOS POUPADORES”. PARABÉNS, DE NOVO, LEANDRO. E CONTINUE NESSE SEU BEM INTENCIONADO E TÃO BEM SUCEDIDO OBJETIVO DE NOS INSTRUIR A TODOS NÓS.QUEM SABE UM DIA CHEGO LÁ, ALCANÇANDO UM DEGRAU DESSA ESCADA ONDE VOCÊ JÁ CONSEGUIU ATINGIR O TOPO.

Margarete Borba
Visitante
Margarete Borba

Adorei sua aula, como sempre muito didático e objetivo. Gostaria de conhecer e um pouco sobre os fundos de índice, se possível.

Gleidson Araujo
Visitante
Gleidson Araujo

Que site magnifico!
o fato de que após toda publicação encontramos o célebre
“Para concluir, é importante lembrar que o meu papel aqui não é fazer recomendação de investimentos. Desta forma, este artigo não é uma recomendação de investimentos (…). Meu objetivo é motivar você a estudar mais sobre as diversas possibilidades de investimentos que existem…. ”

me fez ficar mais fã ainda!
marcado nos favoritos e indicados aos amigos
breve patrocinando! rsrs

Junte-se aos nossos leitores
Inscreva-se
Seja o primeiro a receber novos artigo no seu e-mail:
Experimente, é grátis e você pode cancelar a inscrição a qualquer momento.
close-link

Compartilhe com um amigo