Novo Imposto CDB, LCI, LCA, FII, Fundos e Títulos Públicos

 

Atualização 02/02/2016: O senador Romero Jucá retirou da MP 694 toda parte que tratava sobre tributação de investimentos na terça-feira do dia 02/02/2016. Agora é esperar se eles desistiram da tributação ou se pretendem continuar com a mesma ideia através de outros meios.

O artigo abaixo foi publicado no dai 18/12/2015:

Vou mostrar o que pode acontecer com a rentabilidade dos seus investimentos se a medida provisória 694/15 for aprovada em 2016. Primeiro vamos contextualizar para que você entenda o que está acontecendo. O governo federal está procurando o meio mais fácil e rápido de aumentar a arrecadação de impostos. O dinheiro acabou. Não existe mais dinheiro suficiente para desperdícios e desvios. A conta chegou e alguém precisa pagar o pato.

Existe uma Comissão Mista que está analisando a medida provisória de número 694 (veja detalhes aqui) que tem o objetivo de modificar e aumentar o imposto de renda sobre os rendimentos de títulos públicos e títulos privados como CDB, LCI, LCA, fundos de investimento, fundos imobiliários, etc. Todos os investimentos de renda fixa e alguns de renda variável seriam afetados. Investimentos isentos de imposto de renda como LCI, LCA, CRA, CRI e Fundos Imobiliários passariam a ser tributados. Nada foi dito especificamente sobre a poupança.

É importante ficar bem claro que a medida provisória ainda não foi aprovada. Ainda não existe um texto final e mudanças ainda podem acontecer. No dia 16/12 existia um texto, que foi comentado na imprensa e no dia 17/12 outro texto foi publicado no lugar do anterior. Tudo indica que a análise final e votação ficará para 2016. Se a MP for aprovada em 2016, as medidas só deverão valer em 2017 (Art. 150 inciso III, b,c da Constituição Federal. A regra geral determina que não poderá ser cobrado tributo no mesmo exercício financeiro em que haja sido publicada a lei que os instituiu ou aumentou). Você pode baixar as últimas versões da MP aqui. Basta clicar em “Documentos”. Uma lista será aberta e você deve baixar o último documento que está no final da lista. Este artigo foi escrito com base nesta versão que você pode baixar aqui.

Pós-fixados e Tesouro Selic

A MP 694 determina aumento de imposto de renda sobre os rendimentos de todos os investimentos de renda fixa indexados ao CDI ou Taxa Selic. Significa dizer que todos os investimentos pós-fixados seriam atingidos. Isso inclui aquele CDB que o seu banco oferece com a remuneração de (?)% do CDI, ou todos aqueles CDBs de diversos bancos que a sua corretora oferece pagando algum percentual do CDI. O Tesouro Selic (LFT) não ficaria de fora, pois é um título de renda fixa indexado pela taxa Selic.

Criei duas tabelas (veja logo abaixo) mostrado como é (hoje) a cobrança de imposto de renda sobre os rendimentos dos investimentos pós-fixados que possuem sua rentabilidade atrelada a um percentual do CDI ou Taxa Selic e, logo abaixo, coloquei como será a nova tabela se a MP 694 for aprovada. Veja:

O que mudou: O imposto de renda sobre a rentabilidade dos investimentos com vencimento em até 6 meses passa de 22,50% para 25%. O imposto sobre o rendimento dos investimentos com vencimento em até 1 ano passa de 20% para 25%. Isso acabará com a alíquota diferenciada para quem faz investimentos com vencimento de até 6 meses. O imposto para investimentos entre 1 e 2 anos (361 dias até 720 dias) aumentou de 17,50% para 22,50%. Investimentos acima de 2 anos (721 dias) pagavam IR (imposto de renda) de 15% e agora terão de pagar 20% sobre os rendimentos. Se o investimento tiver vencimento acima de 1080 dias, a alíquota será de 17,50%. Isso acaba com a alíquota mínima que era de 15% e o menor IR possível passará a ser o de 17,5%, se o dinheiro ficar aplicado por mais de 3 anos.

ATENÇÃO – Punição para resgate antes do vencimento: No segundo parágrafo do artigo 2 diz assim: “§ 2º No caso das aplicações a que se refere o § 1º, aplica-se a alíquota do inciso I do § 1º se o resgate ocorrer antes da data de vencimento. ”  Traduzindo: Se você resolver sacar o dinheiro investido antes do vencimento, terá que pagar 25% de imposto sobre o rendimento. Não importa se o dinheiro ficou aplicado por 1 ano, 2 anos ou 3 anos. Isso valeria para o Tesouro Selic e para qualquer investimento que rende um percentual do CDI como o CDB pós-fixado e LC. A LCI e LCA possuem tributações diferentes (vou mostrar mais na frente) Se isso entrar em vigor, prejudicará a vantagem que existe na liquidez diária do Tesouro Selic ou de títulos como CDB e Compromissadas. Sempre que você sacar o dinheiro antes do vencimento perderá 25% da rentabilidade acumulada no período.

Veja a parte da MP 694 que utilizei para escrever sobre o que acontecerá com os investimentos pós-fixados e Tesouro Selic. Destaquei o parágrafo 2 que mostra uma verdadeira punição no caso de resgate antecipado do investimento.

Prefixados e IPCA:

Para todos os demais investimentos, como CDB prefixados, Tesouro Prefixado (LTN e NTN-F) e Tesouro IPCA (NTN-B e NTN-B Principal), no meu entendimento, passariam a utilizar outro tipo de tabela de imposto de renda. Logo abaixo criei duas tabelas que mostram como são as alíquotas atualmente e como serão se a MP for aprovada.

 

O que mudou: Se o investimento for entre 6 meses e 1 ano (de 361 dias a 720 dias) a alíquota passará de 20% para 22,50%.  Se o valor for investido por 1 ou 2 anos, a alíquota passará de 17,50% para 20%. Se o investimento for superior a 2 anos (721 dias) a alíquota passará de 15% para 17,50%. Você só terá alíquota de 15% sobre a rentabilidade do investimento se ele durar mais de 3 anos (mais de 1081 dias). Se você resgatar o dinheiro antes do vencimento, vale a alíquota e prazos da tabela, não existe uma taxa fixa de 25%, como ocorrerá se o investimento for pós-fixado.

Isentos deixarão de ser isentos:

LCI, CRI, Letras Hipotecárias e LIG (Letra Imobiliária Garantida) são títulos privados que deixarão de ser isentos. Depois falarei o que acontecerá com a LCA. As alíquotas propostas dependem do vencimento do título.

Existirá uma tabela para LCI, e demais investimentos citados, quando forem indexados pelo CDI e outra tabela se forem prefixados, indexados ao IPCA ou através de outras modalidades.

Logo abaixo temos a tabela que entrará em vigor se a LCI for remunerada por um percentual do CDI:

Logo abaixo temos a tabela que entrará em vigor se a LCI for prefixada, indexada pelo IPCA, IGPM ou qualquer outra variante. LCI prefixada é aquela onde o banco paga uma taxa de juros fixa. Indexada pelo IPCA é quando o banco oferece a correção da LCI pelo IPCA + uma taxa de juros fixa.

O investidor sempre faz comparações entre CDB pós-fixado, Tesouro Selic e LCI pós-fixada antes de investir. Se essa MP for aprovada, o investimento em CDB pós-fixado e Tesouro Selic ficarão prejudicados, já que a menor alíquota no CDB seria de 17,50% enquanto a menor alíquota da LCI seria de 15%. Além disso, como mostrei anteriormente, parece existir uma penalização para quem resolve resgatar o CDB pós-fixado e o Tesouro Selic antes do vencimento, já que a alíquota seria de 25% independente do tempo em que o dinheiro ficou investido. Não fica claro se o mesmo se aplicará no caso de resgate antecipado de uma LCI que rende um percentual do CDI.

Parte da MP que fala sobre as alíquotas para LCI:

Quarto parágrafo do segundo artigo da MP que indica existir uma tabela para LCI que rende um percentual do CDI e os demais tipos de LCI. Temos também o quinto parágrafo que fala sobre os 50% de desconto.

50% de desconto:

O quinto parágrafo do artigo 2, diz que existirá um desconto de 50% sobre as alíquotas de imposto de renda que serão cobradas dos investimentos que forem feitos no ano que a MP entrar em vigor e no ano seguinte. Esse desconto temporário vale para os investimentos que eram isentos como a LCI. No caso, a lei foi escrita como se fosse aprovada em 2015, para entrar em vigor em 2016.

Criei as duas tabelas com os 50% de desconto. Elas ficariam assim:

A primeira tabela abaixo é para LCI que rende um percentual do CDI, ou seja, pós-fixadas. A segunda tabela abaixo é para a LCI prefixada, que rende uma taxa fixa ou que rende IPCA + taxa de juros fixa.

 

LCA terá 10% de imposto:

Investimentos como LCA e outros menos populares como o CDA, CDCA, CRA e CPR terão alíquota de imposto de renda de 10% sobre os rendimentos obtidos independente do prazo e de suas características. Isso significa que não importa se você irá investir em LCA por 6 meses, 1 ano ou 3 anos. O imposto será de 10% do que render. Também não importa se a LCA terá rentabilidade equivalente a um percentual do CDI ou terá uma taxa fixa, toda LCA terá alíquota de 10%. Para LCA comprada no primeiro ano que a lei estiver em vigor, o desconto será de 50%, ou seja, a alíquota será de 5%. Veja a parte da MP que fala sobre a LCA:

Parte que fala sobre o desconto temporário de 50%:

É fácil perceber que existe uma estranha simpatia do senador e relator, responsável por esta MP, em oferecer vantagens para investimentos que beneficiam o agronegócio. Inevitavelmente, grande parte dos investimentos que antes eram feitos em CDB, LCI e até Tesouro Selic serão atraídos para a LCA e outras modalidades que captam recursos para o agronegócio, caso a MP seja aprovada.

Vale lembrar que este senador, relator da MP 694, está na lista de investigados que o procurador-geral da República enviou ao Supremo Tribunal Federal, relativa a apurações da Operação Lava Jato (fonte). Também existem evidências da Procuradoria-Geral da República que o mesmo senador esteja envolvido no escândalo investigado em Angra 3 (fonte).

Fundos de Investimento:

A tabela de imposto de renda sobre os rendimentos dos fundos de investimento também sofreu mudança. Veja a tabela que está em vigor atualmente e como será a nova tabela:

Se o fundo de investimento for classificado como fundo de curto prazo a alíquota será de 22,50% se o valor for investido por menos de 360 dias, e 20% se for por 361 dias ou mais.

O pagamento do imposto continua sendo semestral, através do que é chamado de come-cotas. A cobrança será no último dia útil dos meses de maio e novembro de cada ano, ou no resgate, se ocorrido em data anterior.

Fundo de Investimento Imobiliário:

Os lucros distribuídos pelos fundos de investimento imobiliários (FII) são isentos até o presente momento. Se a MP for aprovada, da forma que está escrita hoje, a alíquota de IR será de 17,50%.

A forte reação negativa do mercado com o anúncio da MP foi percebida pela queda do IFIX (FIXX11) que é o Índice de Fundos de Investimentos Imobiliários da BM&FBOVESPA. Ele tem por objetivo medir a performance de uma carteira composta por cotas de fundos imobiliários que são negociados na bolsa. O imposto sobre os rendimentos dos fundos imobiliários acaba tirando a atratividade do investimento e gerando queda nos preços dos fundos.

Conclusão:

No dia 16 ocorreu a publicação do texto da MP e no dia 17 ocorreu uma mudança. Grande parte dos sites de notícia só comentaram o texto do dia 16. É provável que o texto continue mudando e que os políticos envolvidos recebam pressões de todos os lados.

Tudo indica que a votação desta MP ficou para fevereiro de 2016. Se não for votada até o dia 8 de março de 2016 ela irá caducar. Com base no “princípio da anterioridade” essa MP deveria ser aprovada em 2015 para entrar em vigor em 2016. Se for aprovada em 2016, ela só entrará em vigor em 2017. Dessa forma, teoricamente, temos 1 ano para fazer investimentos através das regras e tributações atuais. Provavelmente, muita gente vai buscar investimentos de prazos mais longos. Até o final de 2016 existe muita coisa para acontecer e muita coisa pode mudar (para pior ou para melhor).

Entender o conteúdo desta MP, serve para perceber como o governo trata o investidor e o contribuinte.

Vivemos em um país onde poupar um pouco daquilo que ganhamos, pensando no futuro, é praticamente um crime. Sempre aparece alguém reclamando dos “rentistas” e do “rentismo” como se estivessem falando sobre uma atividade imoral ou ilegal.

O Brasil é um dos países com a menor taxa de poupança do mundo, ou seja, onde a sociedade poupa muito pouco daquilo que produz anualmente. Em 2014 o país poupava 14% de tudo que produzia. Países em desenvolvimento como a China poupam 52% (fonte). Aumentar os impostos sobre a rentabilidade dos investimentos e tornar essa tributação complexa só resulta em desestimulo. Se o brasileiro poupa pouco, vai poupar menos ainda. Quando o país não faz poupança, não sobra dinheiro para investir. Isso colabora para taxas de juros elevadas, já que existe pouco dinheiro disponível para ser emprestado para as empresas, pessoas e até para o governo.

Tempo e esforço:

Gastamos muito tempo e esforço para ganhar dinheiro através do nosso trabalho. Faz todo sentido fazer algum esforço para poupar uma parte desse dinheiro e conseguir um bom retorno através dos nossos investimentos. Isso é a base do sucesso financeiro. Escrevi uma série de livros com tudo que você já deveria ter aprendido sobre como investir o seu dinheiro. Clique aqui para conhecer os livros.
Esse artigo foi útil?
Deixe-nos saber, se você gostou deste artigo. Só assim podemos continuar melhorando.
Sim
Não

Sobre o Autor:

Leandro Ávila criou o Clube dos Poupadores por acreditar que o conhecimento é uma riqueza que se multiplica quando dividida. Compartilhando o que sabemos, criamos um mundo melhor. Conheça os livros que ele escreveu sobre educação financeira, investimentos financeiros e imobiliários.

274
Deixe um comentário.

avatar
600
121 Comment threads
153 Thread replies
0 Followers
 
Most reacted comment
Hottest comment thread
126 Comment authors
ThiagoBrunoJonas VoltzMaria de JesusJarbas Recent comment authors
newest oldest
Daniel Bizon
Visitante

Grande Leandro! Mais um top artigo apesar das notícias nada top.

Um abraço e tudo de melhor em 2016!

Fabio
Visitante
Fabio

Governo sempre contra o povo, lamentável.

Leonardo
Visitante
Leonardo

Leandro, quem ganha com essa medida provisória a curto e a longo prazo? Por favor fale sobre o novo Ministro da Fazenda…

Antônio
Visitante
Antônio

A melhor análise disparada sobre as mudanças que pessoas completamente suspeitas estão tentando fazer. Divulgar um dia e no dia seguinte, na surdina modificar. Acho que 2016 será muito pior. Que Deus, nossos estudos e nossas pesquisas nos protejam. Você falou muito bem, parece que querer investir é um crime hoje em dia. Rende um pouco mais em algum lugar e PÁ, tacham. Você troca, vai pra um que rende miséria a mais e PÁ, taxam. Malditos.

luina
Visitante
luina

Verdade! É um verdadeiro absurdo, um desrespeito, uma afronta! Pra não dizer palavras piores sobre esse governo.

Carlos Dutra
Visitante
Carlos Dutra

A perseguição não termina, piora.

David
Visitante
David

Cada vez estou mais convencido que a melhor saída para o Brasil é o aeroporto de Guarulhos. Fazendo um pé de meia se sonhando com os dias de sair desse inferno.

Manoel
Visitante
Manoel

Obrigado, Leandro!
Sempre esclarecedores seus textos.

Roberto
Visitante
Roberto

Governo perdulário, populista e falido agindo às pressas e às escondidas para não dar tempo do povo discutir essas mudanças, ainda bem que não somos a Venezuela pois lá isso teria sido aprovado antes mesmo de sair o texto, lol.

Mas eu particularmente acho que não vão conseguir passar essas medidas, ela vai acabar com Fundos Imobiliários, LCA’s, LCI’s e outros que são isentos..

Muitas dessas aplicações isentas remuneram pouco, como o LCA do Banco do Brasil, que pagava 84% e hoje só paga 83%, é unânime que vão ter que subir para 93% para captar mais recursos ou as LCA’s vão se extinguir, quero ver onde vão conseguir dinheiro para financiar a lavoura.

José Roberto
Visitante
José Roberto

Leandro, boa noite. Parabéns por mais um belo e esclarecedor artigo.
Não temos culpa da incompetência tributaria deste governo, que pretende que paguemos a conta. Abraços.

Simone Haro
Visitante
Simone Haro

Oi Leandro! Obrigada por sempre nos deixar bem informados. Você acha que tem alguma brecha na legislação para que o governo consiga cobrar esses novos impostos sobre investimentos realizados até o final de 2015? Ou mesmo, de alguma forma, reduzir a rentabilidade dos investimentos já realizados? Obrigada pela atenção.

Axel
Visitante
Axel

Olá Leandro,
queria perguntar se as mudanças de tributação também afetam os títulos do tesouro já comprados ou somente os títulos que forem comprados depois desta lei entrar em vigor.
Grato,
Axel

Alexandre
Visitante
Alexandre

Leandro, excelente artigo, a título de colaboração o parágrafo onde vc explica o que mudou no CDB pós fixado, abaixo da tabela, precisa ser corrigido !! Até 1 ano de 20 para 25.
Forte abraço
Alexandre

Marco
Visitante
Marco

Os últimos parágrafos resumem meu sentimento…

Ricardo Carvalho
Visitante
Ricardo Carvalho

Olá Leandro,

Realmente já ouvia rumores de que a isenção das LCI’s e LCA’s seriam derrubadas. O que impressionou no artigo e no texto da MP editada pelo Governo é a agressividade das regras para títulos pós-fixados além da necessidade de deixar o dinheiro aplicado por muito mais tempo para podermos pagar a menor alíquota de IR.

Sempre que o brasileiro arruma uma forma de proteger seu patrimônio e seu suado dinheiro o Governo dá um jeito de acabar com os benefícios. Claro que isso irá gerar muito barulho, pressão e resistência no mercado financeiro. Vamos ver como será o tramite dessa proposta no ano que vem.

Abraços.

Jose Augusto
Visitante
Jose Augusto

Fantástica a clareza como estão expostos os fatos. Obrigado mais uma vez Leandro.

Wagner Lazzari Ribeiro
Visitante
Wagner Lazzari Ribeiro

Faço um pergunta? o que acontece com uma empresa que gasta mais do que arrecada? vai quebrá….é muito fácil tirar de quem trabalha ,para manter os que não trabalham….Esse é o nosso governo….anos de recessão nos esperam….para mantermos motivados só temos uma coisa a fazer……OREMOS!!!!

Antonio
Visitante
Antonio

Excelente artigo.Conseguiu traduzir de forma simples uma materia complexa.
Parabens

Arnezino
Visitante
Arnezino

Mais um ótimo artigo Leandro.
Eu gosto muito dos investimentos em renda fixa, em especial em LCA. Pelo que entendi, as aplicações em LCAs já existentes não serão tributadas com IR.
Outra coisa, para quem não sabe a aplicação inicial mínima em LCA do BB é de R$ 50.000,00 e as demais de 1.000,00.
Valeu obrigado!

Andre
Visitante

nossa, da cada vez mais vontade de ir embora daqui, sinceramente…..

Fabio Ribeiro
Visitante
Fabio Ribeiro

Não sei se é possível, mas se mudança fosse aplicada estabelecendo faixas de valores, visando as grandes fortunas acho q seria até mais justo. Até 250 mil, de 250 a 500 mil, de 500 a 1 milhão, etc.

Sandro
Visitante
Sandro

Isso, na minha visão, atua unica e exclusivamente como uma forma de desmotivar e descapitalizar o país. Ora, por que penalizar quem por ventura possui mais capital acumulado?
A ver, não estamos discutindo necessidades básicas, estamos discutindo retorno e taxação sobre capital. Tecnicamente, taxação diferente sobre capital acumulado é absurdo. Mas, enfim, está na linha bolivariana…

DCaesar
Visitante
DCaesar

Explica porque você acha justo tirar mais de quem poupou mais? Não acredito que é somente porque você tem um valor menor do que sua proposta.

Bruno Santos
Visitante
Bruno Santos

Leandro,

Suas ponderações são, deveras, importantes para nossa reflexão.

Sou extremadamente positivista e, de alguma forma essas medidas poderão ser benéficas para nós, poupadores.

Um abraço

Ivan
Visitante
Ivan

Boa noite leandro, meus parabéns por mais um conteúdo de qualidade postado, fico decepcionado como o governo em momentos de desespero realiza medidas tão severas e radicais, prejudicando + o estado deteriorado do nosso mercado econômico, infelizmente somos submissos por pessoas que não sabem administrar nosso dinheiro, e o pior, que além de não saberem administrar nos roubam. Forte Abraço, Ivan.

Gilmar
Visitante
Gilmar

Prezado Grande Meste Leandro Ávila: Obrigado mais uma vez pelos esclarecimentos, Apesar de que muita água pode rolar e cabe a nós fazermos pressão nos senadores para não aprovar esse absurdo.
Creio que a situação política não mostra possibilidades de qualquer grande alteração no cenário antes de próximo quadriênio , quer por manutenção dos lideres atuais ou por ausência de um grupo com perfil com capacidade de mudança. Sinceramente, acho que chegou a hora de estudarmos outras alternativas: DOLAR como e quando comprar para acumular; como fazer hedge, e finalmente acumular poder aplicar la fora em Ets, Bonds, Afinal porque o investidor estrangeiro, quando o governo faz estes aumentos de tributação, ele sai e tem estas outras oportunidades e nós temos que ficar aqui pagando o pato pra este governo terrorista ? Eu sei que estas taxas de ganho ainda são maiores do mundo, mas temos que considerar que nossa moeda pode perder a qq momento com o dólar q pode apreciar; e não adianta você ter um rend. liq. em renda fixa 20% (nos 2 últimos anos) e perder 60% do patrimônio com apreciação do dolar nos 2 últimos anos…Acho que poderíamos pensar nisso. Obrigado pelo seu trabalho mais uma vez. Grato. Gilmar (apavorado)

Felipe
Visitante
Felipe

Eu não tenho mais palavras para o que estou assistindo no Brasil…punem àqueles que se prepararam, estudaram e procuram conhecer melhor formas de aplicar seu suado dinheiro ao invés de criar regulamentos mais rígidos contra a corrupção. Hoje assistimos a entrada do Nelson Barbosa no lugar do Levy…que beleza né?! Carta branca para a Dilma voltar com as invencionices dela na área econômica…tributação nas ações, tributação diferente nas LCI e LCA’s, aumento do imposto de renda, como se já não fosse alto…em respeito ao excelente site não profiro as palavras que me veem a mente, pois a indignação é grande.

Antonio
Visitante
Antonio

Oi, Leandro!

Por que vc disse que “Se não for votada até o dia 8 de março de 2016 ela irá caducar…” Por que exatamente essa data? Ela tem algo de especial?

Raphael
Visitante
Raphael

Leandro, já tinha lido seu livro negro sobre o financiamento de imóveis e gostei muito. Mais uma vez, uma análise suscinta e eficaz sobre o que precisamos saber e estar antenado quanto à questão do aumento sufocativo fiscal que vem ocorrendo no país. Lamentável esse bolivarianismo ridículo para sustentar um sistema corrupto. Será possível que esses caras não saibam que estão desmotivando quem vem se esforçando para ter um patrimônio honrado e suado. Lamentável.

Daniel
Visitante

Leandro antes de mais nada muito obrigado pela matéria. Existe um erro na planilha MP do Tesouro Direto IPCA (estão iguais sem os dados do texto)… uma dúvida: Fiz estes dias um investimento no Tesouro Direto IPCA de 3 anos eu seria afetado ou somente vale para aplicações feitas após a aprovação da MP (caso a mesma seja aprovada). Realmente é muito triste querer guardar dinheiro e ser “punido” por isso. Novamente muito obrigado pelas matérias tem me ajudado muito. Abraços

Orlando
Visitante
Orlando

Obrigado Leandro por nos manter informados, mais essa agora, espero que essa MP do mal não passe para o nosso bem.forte abraço.

George
Visitante
George

Muito boa análise, bem completa! Realmente alguns valores irão mudar, porém, infelizmente, a carga tributária vai aumentar novamente e sem nenhuma contrapartida de serviços de qualidade! Estou muito decepcionado com a notícia da entrada do Tombini na fazenda. Eles acham que não fizeram mal o suficiente e vão cavar uma cova ainda maior. Infelizmente pode ser que a irresponsabilidade e imperícia tragam algum tipo de benéficio no curto prazo e consigam perpetuar se no poder ou pior deixar a situação tão ruim que o próximo governo fique paralisado. Já fui romântico; hoje não tenho mais emoção cívica ao ouvir o hino nacional. Mas acredito em mim, na minha família e em pessoas com ideais nobres! Parabéns pelo trabalho! Ser educador é difícil. É preciso iluminar o máximo possível de pessoas com a educação financeira, um instrumento de poder. Abraço

RICARDO
Visitante
RICARDO

Boa noite Leandro, olha so estou com uma tremenda duvida gostaria saber estou com $ 550mil em LCA no BB e com uma economia de mais $ 100mil na poupança e meu plano era colocar tudo na LCA agora com essas novas regras o que você acha .

Misael
Visitante
Misael

Muito obrigado por mais uma denúncia do nosso governo e querendo prejudica os investidores, seja nacional ou estrangeiros ( pois eles que ficam com uma grande fatia de investimentos).
Estava lendo as tabelas acho que estão errados na partes dos investimentos em meses. Esta de 1 a 3 anos, mas na verdade não seria de 2 a 3 anos,só estou fando pois esta em quase todas as tabelas e tb para não confundir os nomes investidores.
Continue nos ensinando a cada dia. Muito obrigado mais uma vez.

André Ribeiro
Visitante
André Ribeiro

Ao que parece essa Medida Provisória não tratava originalmente da tributação de tais investimentos (http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2015-2018/2015/Mpv/mpv694.htm).

Nossos legisladores estão querendo inserir tais aumentos de tributo no Texto Legislativo.

Essa prática espúria, denominada como “jabuti”, foi condenada pelo Supremo Tribunal Federal, mas o “ilustre” Senador está desrespeitando a ordem emanada daquela corte (http://www.stf.jus.br/portal/cms/verNoticiaDetalhe.asp?idConteudo=301892&caixaBusca=N).

Precisamos pressionar os parlamentares que ainda trabalham para o bem dos brasileiros para que impeçam mais esse contrabando legislativo.

George
Visitante
George

ps.: me desculpem o lapso: “Barbosa” não “Tombini”.

Luciano
Visitante
Luciano

Muito bom. Obrigado por compartilhar. Realmente é muito desestimulante investir no Brasil.
O que podemos fazer é pressionar os deputados.
Mandem e-mail para eles mostrando a indignação!

Douglas
Visitante
Douglas

Estou pensando seriamente a investir no exterior, mesmo com o dólar alto.

Vou abrir uma conta em uma corretora estrangeira.

Pelo menos estarei investindo em um país onde as regras do jogo são respeitadas.

É impressionante como esses analfabetos que (infelizmente) nos representam fazem de tudo para nos prejudicar, por outro lado “nossos representantes” vivem num luxo só.

As coisas tendem a piorar, Barbosa na Fazenda, a provável volta da “nova matriz econômica”, a nova “derrama” de impostos (estaduais e federais).

Quem tem dupla nacionalidade deveria ir embora o mais rápido possível.

Infelizmente não tenho, só me resta efetuar o processo de imigração para o Canadá na área de TI.

Salve-se quem puder!

Gilmar Passos
Visitante
Gilmar Passos

Mais um ótimo artigo Leandro, obrigado por esclarecer essas mudanças para pequenos investidores iniciantes como eu. Poxa mais que sacanagem desse governo hein? Desanimado.

Renato
Visitante
Renato

Esse governo é um grande FDP.

Alexandre Souza
Visitante
Alexandre Souza

Lendo seus textos e aprendendo me desfiz da compra de um imóvel na planta no começo do ano e parti pra renda fixa. Não me arrependo! Já desconfiava que 2015 seria difícil,
Com o Ministro Nelson Barbosa assumindo a Fazenda será um salve-se quem puder.
Graças a Deus tenho um emprego estável e consigo poupar sem o fantasma do desemprego.

Nossa! tudo feito na calada da noite. No apagar das luzes de 2015. Triste.
Mas sigamos em frente, pois na crise sempre há oportunidade.

Obrigado, Leandro seus artigos são valiosos.

Gustavo
Visitante
Gustavo

Palhaçada esse nosso governo, pagamos o pato por suas irresponsabilidades fiscais. Lamentável um país em que nem seu futuro se pode planejar com segurança

Edson
Visitante
Edson

Prezado Leandro, bom mesmo é que o Brasil fosse um ônibus: Bastaria puxar a cordinha… Repetindo o que já escrevi em outro comentário: Nenhuma nação explorou tanto o Brasil quanto os seus próprios governantes! Aproveito para sugerir, Leandro, uma análise do Relatório da FIESP acerca do impacto da corrupção na economia do país e como isso se reflete no bolso do cidadão. Há um relatório elaborado pela FIESP, denominado “índice de Percepção da Corrupção – 2010, de agosto de 2011, disponível em http://www.fiesp.com.br/indices-pesquisas-e-publicacoes/indice-de-percepcao-da-corrupcao-2010/ que aponta que o custo da corrupção no Brasil se situa entre 1,38% e 2,3% do PIB. Pode-se dizer que é a terceira maior fatia do orçamento da União entre as verbas dos Ministérios… Toma jeito, Brasil…

Renato Luis Mello
Visitante
Renato Luis Mello

Pois é Leandro, mais uma vez o governo age como um vizinho que entra sem cerimônia em nossa casa e pega nossos pertences sem pedir licença.
Já estive no Congresso Nacional umas vezes e vi que os parlamentares funcionam à base de pressão de grupos organizados sob determinados interesses. Daí lhe pergunto, caro Leandro, há alguma associação que eu possa me filiar para defender meus investimentos contra o assédio do Governo?
Se não houver, não estaria na hora de criarmos tal associação com fins políticos?
Defendo essa tese porque nós, como investidores, não conseguiremos, individualmente, fazer pressão nos parlamentares.
Abraços e bom Natal para você e sua família.

Rosana
Visitante

Leandro,

Excelente post, ficou bem claro apesar das complexas tributações apresentadas.

É desanimador e assustador perceber que a cada dia o governo se preocupa mais em arrumar maneiras de aumentar a carga tributária e a taxa de juros do que estimular o crescimento da economia diminuindo impostos e juros.

Segundo recente pesquisa do Dieese, o salário mínimo deveria ser de mais de 3 mil reais.
O que vemos é um salário mínimo quase 4 vezes menor, IR cobrado em salários de menos de 2 mil reais e impostos sobre tudo e mais um pouco!
1) Você paga IR sobre o salário;
2) Paga para investir;
3) Paga para comprar.
Enquanto isso, o poder de compra diminui, prejudicando a economia como um todo.

E agora querem taxar também os investimentos citados em até 25%, mas obviamente sem nenhuma contrapartida em troca. Parece que o governo trabalha sempre no modo controle de danos causados por eles mesmos.

Me chamou a atenção a tabela com 50% de desconto. Essas seriam tributações mais justas para ser utilizadas nos investimentos que hoje cobram impostos, como forma de aumentar a rentabilidade e o consequente aquecimento da economia. Mas infelizmente, o governo sempre vai na contramão…

Abraços,

Francisco Tessarollo
Visitante
Francisco Tessarollo

Grande artigo, Leandro. Parabéns.
Você é o cara!

Lima
Visitante
Lima

Olá Leandro! Parabens pela explanação e pelo entendimento desse “desentendimento nas aplicações”. Será que podemos aguardar mudança de regras nas aplicações da Previdência Privada e do mercado de açoes também? Como diria José Simão…”Brasil, o país da piada pronta”…

Bruno Maffeo
Visitante
Bruno Maffeo

Bom dia, Leandro,
Sou leitor assíduo de seus textos e seguidor fiel de suas orientações.
No caso presente, tenho uma consulta a lhe fazer e ficaria muito grato se puder me ajudar.
O Tesouro Direto é reservado a pessoas físicas e não pode ser usado para compor o Fundo de Reserva de um condomínio residencial, certo?.
Existe algum outro modo de adquirir Títulos Públicos para compor essa reserva?
Se não houver, você recomendaria outros ativos (seguros, líquidos e rentáveis) para serem adquiridos com essa finalidade?
Agradeço desde já sua resposta.
Receba um forte abraço de um grande admirador de seu trabalho e de sua pessoa.

Tiago
Visitante
Tiago

Oi Leandro, primeiramente meus parabens pelo excelente blog.

Ouvi noticias ontem que o Jucá tinha voltado atrás no imposto sobre os FIIs.. vc tem alguma informação ?

obrigado.

CENC.BRASIL
Visitante
CENC.BRASIL

Particularmente deixarei de lado a RF e migrarei 100% para os FIIs já com os descontos de tributação embutidos, é simplesmente lamentável o que esse governo vem fazendo.

Vilmíssima
Visitante
Vilmíssima

Leandro, bom dia, sou novata, qual seria a melhor aplicação a fazer no momento, para um capital d +- 100mil, a poupança é uma grande ilusão, me por favor

Joao Prospero
Visitante
Joao Prospero

Parabens e obrigado por mais um texto esclarecedor e didático!

Bernardo
Visitante
Bernardo

Olá, Leandro! Excelente artigo! Parabéns! Gostaria de refletir sobre dois pontos. Primeiro, se essa MP for aprovada ainda em 2015, e se eu não estiver enganado, já em 2016 a nova tabela passará a valer abrangendo, inclusive, aplicações feitas no passado. Isso porque o fato gerador do imposto é o resgate do valor, e não a aplicação. Vale conferir, mas tenho essa interpretação. O segundo ponto é que, se realmente em 2016 as aplicações anteriores à MP forem submetidas a essas novas tabelas, valerá a pena resgatar investimentos que hoje já estão com certo nível de maturidade? (Por exemplo, aquelas que hoje já têm mais de um ano da data de aplicação – alíquotas atuais de 17,5% e 15% – valeriam a pena ser resgatadas para embolsar uma rentabilidade melhor?) Não sei se a segunda parte ficou clara, mas a ideia é buscar antecipar o resgate do que atualmente já foi rentabilizado, para, reinvestir depois submetendo-se às novas regras.

Compartilhe com um amigo