O dinheiro é a raiz de todo mal: fato ou fake?

Será mesmo que o dinheiro é a raiz de todo mal ou será que entendemos alguma coisa errada? Quem ganha quando grande parte da população cultiva essa crença?

Se você acredita que o dinheiro é o culpado por graves problemas humanos como a pobreza, fome, guerras, crimes, corrupção, desmatamentos, aquecimento global e outros, isso significa que você precisa entender melhor sobre a função do dinheiro, pois, do contrário, isso vai impactar negativamente a sua relação pessoal com ele.

Como alguém pode ganhar, acumular e investir o próprio dinheiro acreditando que está manipulando aquilo que causa o sofrimento da humanidade? Como dormir com a consciência tranquila se algo dentro de você diz que poupar e investir significa colaborar com o mal do mundo?

É bem evidente que não é saudável para a sua vida financeira cultivar esse tipo de crença, mas o fato é que ela faz parte do senso comum. A ideia que relaciona o dinheiro ao mal faz parte das origens da nossa cultura.

O dinheiro para nós ainda tem algo da magia dos velhos tabus da época em que toda transação com dinheiro, como atividade bancária e empréstimos a juros, era considerada desonesta. Nos países antigos, lidar com dinheiro é ainda uma espécie de prazer proibido. Por isso, entre nós, é considerado de bom tom escamotear (esconder) assuntos de dinheiro. – Psiquiatra C. G. Jung, Livro: Civilização em transição.

Se você acredita que o dinheiro é a raiz de todo mal, inevitavelmente, mesmo que de forma inconsciente, você vai procurar uma forma de se livrar desse mal. Uma forma rápida, mas agradável, de fazer isso é correr para o primeiro shopping logo depois de receber o seu salário.

Você provavelmente conhece alguém que não podem ver dinheiro. É como se essa pessoa tivesse algum tipo de alergia. Ela sente uma agonia quando percebe que possui algum dinheiro parado no banco ou na própria carteira.

É como se a pessoa fosse obrigada a dar um destino imediato para o dinheiro. É como existisse algo no seu interior dizendo: “nunca deixe para gastar amanhã, aquilo que você pode gastar hoje“.

Sempre tipo de pessoa acaba encontrando algum motivo para gastar, desperdiçar, emprestar ou até perder dinheiro. Basta abrir o site de alguma loja na internet ou visitar as suas lojas preferidas. As empresas trabalham duro, todos os dias, para expor (através da propaganda) inúmeros “ótimos motivos” para que você se livre rapidamente do seu dinheiro. No fim, a pessoa consegue se livrar daquilo que, consciente ou inconscientemente, ela acredita ser a raiz de todo mal.

Algumas pessoas não se contentam com a ideia de se livrarem do dinheiro que possuem. Elas precisam encontrar uma forma para se livrarem até daquele dinheiro que ainda não possuem. Antes mesmo de receber o salário, elas já gastam tudo que vão ganhar no futuro utilizando o cartão de crédito, cheque especial, consignados e outros tipos de dívidas.

As empresas entendem isso como uma oportunidade. Nada melhor do que ter um negócio em uma sociedade que acredita que deve se livrar de todo dinheiro rapidamente. Assim, surgem todos os tipos de supérfluos engenhosamente desenvolvidos para que possamos dar fim ao nosso dinheiro. Uma boa publicidade persuasiva nos convence de que aquele supérfluo é vital para a nossa sobrevivência no mundo. No fundo, as empresas nos ajudam a fazer sumir a raiz de todo mal.

Bancos, financeiras e as empresas de cartão também ganham quando você acredita que precisa se livrar da raiz de todo mal, antes mesmo dela cair na sua conta.

Para o governo, essa ideia também rende muito. Você já deve saber que o governo precisa motivar o consumo da população. É quando você consome que mais paga impostos. Grande parte dos impostos que o brasileiro paga está embutido no preço dos produtos e serviços.

Não devemos nos espantar com políticos que defendem a ideia de que é papel do governo ajudar a população endividada a “limpar seu nome” de entidades como o SPC. Só assim essa população pode voltar a gastar até o que não tem (pelas dívidas), ajudando a elevar a arrecadação dos impostos.

Para finalizar, precisamos falar da religião e questões filosóficas.

Temos uma população composta por 87% de cristãos (fonte). É inevitável a influência dos escritos religiosos no comportamento dessa sociedade, incluindo o comportamento relacionado ao dinheiro.

Como apenas 8% dos brasileiros são considerados plenamente capazes de entender algo escrito (fonte), cultivar crenças com base em escritos antigos pode se tornar um problema.

São Paulo, escrevendo suas epístola. Quadro de Valentin de Boulogne (1591-1632) – Fonte da imagem.

Provavelmente a ideia de que o dinheiro é a origem de total mal se origine de um entendimento incompleto do trecho de um livro contido na bíblia, escrito por volta do ano 64, conhecido como Primeira Epístola a Timóteo. O capítulo 6, versículo 10 diz:

“Porque o amor ao dinheiro é raiz de todos os males; e nessa cobiça alguns se desviaram da fé, e se traspassaram a si mesmos com muitas dores.”

O texto critica o amor ao dinheiro e não o dinheiro. Isso faz uma enorme diferença.

Veja o nosso contexto histórico. Nesse exato momento as nossas cadeias estão cheias de políticos, empresários e servidores públicos que amavam tanto o dinheiro que cometeram crimes contra toda a sociedade, mergulhando o país em uma crise econômica que faz vítimas todos os dias. O amor ao dinheiro foi mais forte do que o amor que eles tinham por seus familiares. O amor ao dinheiro foi maior do que qualquer respeito pelo país e pelas pessoas que vivem nele. Também falta amor pessoal, pois ninguém se corrompe (transpassa a si mesmo com muitas dores) se tem algum amor próprio. Existem pessoas que mentem, roubam e matam todos os dias por amor ao dinheiro de suas vítimas.

Esse amor ao dinheiro também pode ser autodestrutivo. Neste exato momento, existem consultórios, clínicas e hospitais cheios de pessoas com os mais diversos tipos de desequilíbrios e problemas de saúde por causas ligadas ao exagerado amor pelo dinheiro. São pessoas que prejudicam a própria saúde na cobiça que as fazem deixar de acreditar nelas mesmas e em outros valores igualmente importantes na vida.

Perceba que o mal não está no dinheiro, mas naquilo que você vem fazendo para ter dinheiro e naquilo que você faz depois que o tem.

São as pessoas que escolhem os caminhos, são elas que tomam decisões sobre tornar o mundo um lugar pior ou melhor fazendo uso do dinheiro que possuem.

Dessa forma, a informação de que o dinheiro é a raiz de todo mal, é #fake. O #fato é que o dinheiro é apenas um instrumento que nos permite exercer a nossa vontade.

É possível ganhar muito dinheiro entregando muito valor para a sociedade. É possível gastar o seu dinheiro promovendo o bem de todos. São nossas escolhas que agregam o bem ou o mal durante o uso da ferramenta que é o dinheiro.

Quando você aprende a lidar bem com o dinheiro, ele deixa de ser um problema e passa a ser uma ferramenta para construir soluções boas para você e para todos que entram em contato com você durante a sua vida.

Eu só posso estar aqui fazendo o que gosto, escrevendo meus artigos e os meus livros, graças a uma vida financeira independente que foi construída de forma lenta, justa, com persistência, um passo de cada vez e sem atalhos.

Muitas vezes é a má relação com o dinheiro que resulta na raiz de todo mal. Muitos problemas que vivemos hoje são sintomas de uma relação desequilibrada do homem com o dinheiro.

As pessoas devem entender o dinheiro como uma lâmina bem afiada. Nas mãos de um médico, pode salvar uma vida. Nas mãos de um criminoso, pode tirar uma vida. O bem e o mal está no homem que toma decisões relacionadas ao dinheiro.

A espada tinha esse mesmo simbolismo para os nossos antepassados mais distantes. Pela força da vontade de quem empunhava a espada, na figura dos seus dois gumes (dois lados afiados), ela podia cortar em nome do bem (justiça) ou em nome do mal (injustiças). Ela simbolizava o poder, assim como hoje o dinheiro simboliza o poder. Ela simbolizava a liberdade do homem que a empunhava em decidir entre praticar o bem ou mal, assim como podemos fazer hoje com o dinheiro.

Da mesma forma que, no passado, nem todos foram dignos e preparados para empunhar uma espada de forma justa, hoje, nem todos são dignos e preparados para assumir o controle por trás do poder que o dinheiro exerce. Cabe a cada um buscar esse preparo, pois o dinheiro também é como uma espada de dois gumes.

Se você se identifica com esse modo de pensar, vai gostar do meu livro sobre Independência Financeira.

Autor da imagem do menino e a espada: Yuri Shwedoff

Dia da sorte...

Muita gente acredita que ter sucesso na vida financeira depende de um tipo sorte. Descobri uma forma de aumentar essa sorte: quanto mais você estudar sobre ganhar, poupar e investir dinheiro, mais sorte terá na sua vida financeira. Escrevi uma série de livros que vão ajudar você a aumentar esse tipo de "sorte" rapidamente:Clique aqui para conhecer os livros.

Sobre o Autor:

Leandro Ávila acredita que o conhecimento é uma riqueza que precisa ser dividida para ser multiplicada. É formado em administração de empresas e se especializou em educação financeira e de investimentos. Escreveu livros sobre Independência Financeira, Investimentos em CDB, LCI e LCA, Investimentos em Títulos Públicos e em Imóveis.
avatar
600
38 Comment threads
50 Thread replies
0 Followers
 
Most reacted comment
Hottest comment thread
44 Comment authors
FERDINANDOLeandroRoberta MAlex CunhaRafael Recent comment authors
newest oldest
Domingos
Visitante
Domingos

Obrigado Leandro! Perfeita a sua explicação do texto bíblico I Timóteo 6:10 onde você destaca que o erro é o AMOR ao dinheiro.
Esta explicação está em harmonia com Eclesiastes 7:12 onde mostra que o dinheiro é para “proteção” e não a raiz de todo mal.
Eclesiastes 7:” Pois a sabedoria é uma proteção, assim como o dinheiro é uma proteção. Mas a vantagem do conhecimento é esta: a sabedoria preserva a vida de quem a possui.
O texto destaca também a vantagem do conhecimento sobre o dinheiro….se uma pessoa obtiver conhecimento poderá ter sabedoria sabendo colocar o dinheiro no seu devido lugar.

Paulo
Visitante
Paulo

Muito boa sua colocação Sr. Domingos.

Junior
Visitante
Junior

Boa Tarde mestre ! Elogiar seu artigo e chover no molhado hehe ! Excelente novamente ! Tenho q dizer q nós poupadores sofremos neste pais solitario e gastador…
Deixar um exemplo recente que aconteceu comigo. Eu investi um bom dinheiro estudando ingles fora do pais, dinheiro q dava para eu comprar um carro novo… Quando voltei meus amigos trocaram todos de carro, mesmo tendo suas casas financiadas…eu como ja possuo casas e carro quitado, nao tive nenhum problema em fazer esse investimento, e agora estao chovendo mais oportunidades para mim… Ja meus amigos, estao desfilando de carro novo

Diego
Visitante
Diego

A questão sobre ganhar dinheiro e gastar de forma consciente e responsável, vai muito além de apenas ganhar gastar.
Vale a mudança nos hábitos e comportamentos antes disso o que resulta num grande trabalho pessoal, além do que encontrar uma forma de ganhar uma remuneração razoável pq muito do que se paga hoje no Brasil 2000 reias pra um graduado e 1220 a 1500 para ensino médio fica inviável até para a sobrevivência .

Altair Rafagnin
Visitante
Altair Rafagnin

Belo trabalho, a educação financeira entendo ser a chave para o desenvolvimento pessoal e porque não dizer de uma nação. Parabéns Leandro por mais um tema interessante.

Marcelo
Visitante
Marcelo

O $$$$$ apenas potencializa os atos, tanto para o bem como para o mal. quem pratica o ato não é o dinheiro e sim o Homem.

Thiago
Visitante
Thiago

Pela chamada, achei que o texto ia falar a respeito de pessoas com uma visão mais social e que se sentem culpadas em ganhar dinheiro. Pessoas que defendem o socialismo, grupo no qual já me incluí na época da faculdade. Geralmente uma visão mais libertária em economia nunca se preocupa com o combate a pobreza. Acho que seria interessante algum dia escrever sobre isso.
Abraços.

Valquiria
Visitante
Valquiria

Parabéns Leandro!!

Ramon Ricardo
Visitante
Ramon Ricardo

Oi Leandro. Obrigado pelo texto. Tema “raiz da pobreza”
Cresci ouvindo “Fulano só é rico porque roubou”. Alguns.
Hoje ninguém produz/supre as próprias necessidades básicas: comida, vestimenta, moradia, tecnologia, e sim, compra.
E dos quem têm “O PODER” de supri-las, alguns se aproveitam e exploram outros.

Mas há outro PODER: “Maior é aquele que SERVE” (Lu 22.26)
SERVINDO algo de valor a outros e vivendo “no simples” do consumismo, tomaria esse poder para si.
Pois teria retorno financeiro do seu valoroso serviço e não daria tanto poder a outros em suprir as necessidades básicas.

Jeferson
Visitante
Jeferson

Ótimo artigo muito obrigado!

Cicero
Visitante
Cicero

Muitos homens de Deus na Bíblia eram ricos, pois tinham seu AMOR e dedicação no Senhor e não no dinheiro.

Paulo
Visitante
Paulo

Uma coisa que eu sempre falo: o problema não está na religião em si, nem na torcida por um time de futebol, nem no dinheiro. É o fanatismo por essas coisas que é o problema. Uma pessoa religiosa ou um torcedor de futebol não causam problemas. Quem causa problemas é o fanático religioso; é o fanático por futebol; é o fanático por dinheiro etc.

Tiago Oliveira
Visitante
Tiago Oliveira

Ótima reflexão,

O dinheiro jamais será a raiz de todo mal, pelo contrário quando bem administrado traz inúmeras vantagens. Infelizmente a sociedade em geral, acostumada com o consumismo procura criar situações para justificar a falta de comprometimento com as finanças pessoais.

Jacqueline Pinheiro Costa
Visitante
Jacqueline Pinheiro Costa

Leandro, artigo com o capricho de sempre. A crença faz milagres…rs (sobretudo para os que pretendem continuar no poder).No entanto, não apenas essa crença, como aquela de que haverá um salvador que fará tudo por você e, óbvio, sem muito esforço (de quem espera). Então vemos esse monte de propaganda de tudo quanto é jeito dizendo “pensamos em você, fazemos por você” e etc. O seu trabalho, Leandro, que eu tanto admiro, está em fazer com que possamos despertar para a realidade. Leandro, se me permite, “by the way”, o que acha do Poupa Brasil? Obrigada!

Pedro
Visitante
Pedro

Existe um salvador mais ele mesmo nos ensina que, (Assim também a fé, se não tiver as obras, é morta em si mesma “Tiago 2:17”). Então precisamos ir a Luta, por nossas mãos na Massa.

ARÃO DE SOUZA MELO
Visitante
ARÃO DE SOUZA MELO

Excelente, D Jaqueline!

Gilmar
Visitante
Gilmar

Seus artigos são fantásticos Leandro! Desde 2015 para cá não deixei de ler um sequer, muita sabedoria. Obrigado e parabéns por abrir sempre a nossa mente.

Wendell
Visitante
Wendell

Sensacional o artigo.
Quantos problemas pessoais e tabus poderiam ser evitados se esse tipo de assunto fosse ensinado às pessoas desde pequenas, reduzindo em cascata vários outros problemas.
Como cristão tb vejo este tipo de tabu dentro da igreja e é algo que deveria fazer parte das pregações, pois Jesus em seu ensino queria libertar o homem da escravidão psicológica e espiritual (pecado), assim levando ao arrependimento e justificação. Você vê isso em seu ensino e suas discussões com os fariseus que se preocupavam em parecer santos, e não, ser santos, o que te lembra essa atitude?

ARÃO DE SOUZA MELO
Visitante
ARÃO DE SOUZA MELO

Existe tabu porque querem que você acredite num salvador da pátria e você paga a igreja por isso.

Jorge Teixeira II
Visitante
Jorge Teixeira II

Dinheiro, armas de fogo, armas de corte, energia nuclear etc. Todas as “coisas” são ferramentas e sempre estarão subjugadas à vontade de seu operador. Leandro, por que achas que atualmente – vejo mais agora porém pode ser um longínqua herança – existe esse movimento de culpar as coisas e vitimizar as pessoas? Obrigado pela atenção e pelo excelente texto.

Nancy
Visitante
Nancy

Maravilhoso discernimento sobre o “Amor ao dinheiro” . Com certeza ele (o dinheiro) jamais será, a ” raiz de todo mal” do CONTRARIO, Deus jamais permitiria que ele “o dinheiro” EXISTISSE. Parabéns pelo artigo. Amei 😁

Dênis Barbosa Batista
Visitante
Dênis Barbosa Batista

NOTÁVEL ARTIGO, PROFESSOR LEANDRO ÁVILA! COMO SEMPRE, FELIZMENTE! BEM DOSADO DE UMA VISÃO OTIMISTA DAS COISAS, NA REALIDADE. CONTINUE ASSIM, EMPENHADO NESSE SEU OBJETIVO DE NOS TRAZER (CADA VEZ MAIS) INFORMAÇÕES IMPORTANTÍSSIMAS ACERCA DO DINHEIRO, E DE TUDO QUE O ENVOLVE, DE MANEIRA GERAL, AFINAL! ATÉ O PRÓXIMO ARTIGO, “BOM AMIGO”, SE DEUS NOS PERMITIR, OU SE A GENTE, DE FORMA INTELIGENTE E/OU PRUDENTE, TAMBÉM AGIR! ABRAÇOS FRATERNAIS OU DE DISCÍPULO SEU! DÊNIS B. BATISTA. COQUEIRAL, SUL DE MINAS. 06/09/2018.

Karina
Visitante
Karina

Esclarecedor esse texto!

Veja só quantas pessoas interessadas em sustentar a ideia de que o dinheiro é ruim e que é melhor gastar tudo do que poupar pois amanhã você nem sabe se estará vivo.

Tantos interesses…

É que nem você sempre diz: e se amanhã você continuar vivo e não tiver nem um tostão? Vai querer depender da boa vontade dos outros?

Temos que ser independentes! Temos que nos educar pra nos libertar todos os dias das crenças limitantes que nos impedem de ver as coisas que estão na nossa frente, mas que não enxergamos.

Edmilson Francisco dos Santos
Visitante
Edmilson Francisco dos Santos

Admiro muito os seus textos com muita riqueza de informação!!! Muito Obrigado.

Paulo
Visitante
Paulo

Dinheiro ou você controla ou é controlado por ele. Mais um excelente artigo! O Clube dos Poupadores é uma das melhores coisas que conheço na internet. Parabéns, Leandro!

Elder
Visitante
Elder

Ótimo artigo. O parágrafo que diz: “O texto critica o amor ao dinheiro e não ao dinheiro” ficou ambíguo e, no limite, tautológico. Sugiro uma pequena mudança para “O texto critica o amor ao dinheiro e não o dinheiro”. Ou “O texto não critica o dinheiro em si, mas o amor a ele”.

Jhonatan Piffer Siqueira
Visitante
Jhonatan Piffer Siqueira

Obrigado Leandro. Sabe isso me faz relembrar sobre um assunto que li a muito tempo atrás. Os mecanismos de defesa do Ego. Ou seja, agente tem que aceitar essa verdade de que o dinheiro é mal pra poder defender o seu estado atual de talvez algum insucesso na área financeira. Porque é mais difícil reconhecer um problema e ir a atrás de uma solução do que simplesmente dizer que esse problema não existe. Muito obrigado eu sempre tento influenciar positivamente as pessoas a minha volta e argumentos como esse ajudam a derrubar certos ‘memes’.

Gabriel Oliveira
Visitante
Gabriel Oliveira

Parabéns por mais um belíssimo artigo, Leandro. É muito mais fácil para as pessoas culparem o dinheiro e pelos seus problemas. Investir dinheiro e tempo em conhecimento que é difícil. Assumir a responsabilidade por suas atitudes e por sua ignorância deveria ser o normal na sociedade. Mas é bem mais fácil culpar os outros e criticar aqueles que conseguem sucesso na vida financeira.

Renato Ribeiro
Visitante
Renato Ribeiro

Boa tarde Leandro. Primeiramente parabéns pelo site e pelo trabalho. Li seus livros, leio seus posts com frenquencia e acho todos muito informativos. Depois deles passei a fazer uso frequente de calculadora e planilhas e simular tipos de investimentos. Na minha percepção as regras matemáticas sao simples e portanto nao temos desculpa para nao dominá-las. A parte especulativa exige estudo e é mais subjetiva. Essa semana li que a corretara de um grande banco deixou de cobrar taxa para tesouro direto. Lembrei-me de você. Concorrencia das corretoras pequenas? Atenciosamente,
Renato

Renato Timm
Visitante
Renato Timm

Como.o sempre muito equilibrado nas suas colocações e ensino

Valter
Visitante
Valter

Perfeito! Seus artigos sempre me enriquecem com conhecimento. Abraços

Sandra Maria Borges da Silva
Visitante
Sandra Maria Borges da Silva

Boa tarde, Leandro! já tenho o seu livro e gostei muito recomendo. Virou guia de consulta.

Brenno Silveira Ladeia
Visitante
Brenno Silveira Ladeia

Você é 10 Leandro…parabéns

Kris Andrade
Visitante
Kris Andrade

Leandro,
Muito obrigada por mais este excelente artigo!!!. A mentalidade da grande massa de brasileiros, infelizmente, está permeada por crenças limitantes, as quais tem como mãe a ignorância, muito lucrativa para os bancos, Estado, e outros. Somos (e devemos) ser 100% responsáveis por nossa educação continuada (leia-se conhecimento aplicado), especialmente na área financeira, pois só assim poderemos conquistar a nossa tão sonhada liberdade…Abraços. Krishna. X;)

Elaine
Visitante
Elaine

Usar o dinheiro e não ser usado por ele. O mesmo entendimento vale para os bens que adquirimos ao longo da vida. Otimo texto!

Guilherme Carvalho
Visitante
Guilherme Carvalho

Como sempre, excelente!
Obrigado pelo seu trabalho de educação financeira.

Marcos
Visitante
Marcos

Obrigado pelo artigo. Mais uma vez, muito bom. Sobre o ensino bíblico, isto mesmo. Apenas para contribuir, a visão da igreja como determinado grupo, também reflete nisso. A termos gerais, o catolicismo enxerga o lucro e bens materias (ganância) como pecado. Já o protestantismo calvinista vê as riquezas como expressão do reino de Deus na terra (Estados Unidos, Suíça). O protestantismo luterano percebe o perigo da ganância, mas também é a forma de se ajudar mutuamente, por trás do dinheiro também servimos a Deus.

Rafael
Visitante
Rafael

Oi Leandro, tudo bem?
Desculpa fugir do tema do artigo, mas gostaria de saber o que você pensa sobre o plano econômico dos principais candidatos a presidência. Nessa última pesquisa do Datafolha, Ciro Gomes aparece com vantagem nas simulações de segundo turno e ele me parece um candidato com pensamento parecido com a ideologia do PT, com discursos populistas, contrário a privatizações, etc.
Alckmin parece ter a simpatia do mercado…Marina e Bolsonaro, não sei o que esperar.
Enfim, seria interessante se você pudesse comentar ou dedicar um artigo sobre esse tema.
Um abraço,
Rafael.

Alex Cunha
Visitante
Alex Cunha

Parabéns Leandro, seus textos e abordagens mostram que mais importante que ter dinheiro é saber se relacionar com ele! Você tem influenciado a mim e vários amigos a entender e compreender a importância da inteligencia emocional no mercado financeiro! Muito Obrigado!

Roberta M
Visitante
Roberta M

Ótimo texto e de muito bom senso! Parabéns! Estou estudando muito para um dia ser uma especialista financeira como você!

Leandro
Visitante
Leandro

Excelente texto Leandro. Parabéns.
Gostaria de aproveitar o espaço dos comentários para perguntar se você tem algum artigo explicando sobre o tesouro direto americano, e como investir nele, se é que isso é possível a partir do Brasil como pessoa física. Obrigado pela atenção e mais uma vez parabéns pelo artigo e pelo site.

FERDINANDO
Visitante
FERDINANDO

Excelente texto…..

Compartilhe com um amigo