Isso pode parecer muito estranho, mas o medo de perder dinheiro faz você perder dinheiro. Não é pouco dinheiro. É muito dinheiro, durante a vida inteira.

Para piorar a situação, isso não se limita a perder dinheiro de forma visível e direta. O medo de perder dinheiro faz você tomar decisões que, indiretamente, impactam a sua capacidade de ganhar dinheiro. Isso significa que você perde dinheiro sem ver que está perdendo (e isso é muito grave).

É claro que o medo tem uma grande utilidade quando usado da forma correta. É o medo que motiva uma pessoa a se preparar antes de abrir um negócio para fazer dinheiro. É o medo que faz um investidor dedicar mais tempo estudando sobre os investimentos antes de investir. É o medo que nos convida a diversificar nossos investimentos e criar fontes secundárias de renda para o caso da fonte primária “falhar” (exemplo: quando perdemos o nosso emprego). Muitas vezes é o medo das incertezas econômicas, políticas e aquelas relacionadas com a nossa vida pessoal e profissional que nos convida a poupar mais, investir melhor e expandir a rentabilidade do nosso trabalho.

O grande problema do medo, nos resultados da sua vida financeira, está no momento em que você permite que o medo deixe você paralisado. É nesse momento que você começa a perder dinheiro no presente e no futuro.

Você tem algum desses medos?

No mundo do dinheiro, existem medos de todos os tipos, para todos os bolsos e todos os níveis de conhecimento.

Já vi casos de pessoas que sentem medo de ter dinheiro. Elas não confiam nelas mesmas quando possuem algum dinheiro nas mãos. Acreditam que se guardarem algum dinheiro, logo encontrarão uma desculpa para gastá-lo. Para resolver esse problema, elas compram tudo através de consórcios, parcelamentos e financiamentos. Se por um lado não conseguem poupar, por outro elas conseguem pagar contas em dia. É como se o medo de ficar inadimplente ou com o nome sujo fosse ainda maior.

Podemos facilmente perdoar uma criança que tem medo do escuro; a real tragédia da vida é quando os homens têm medo da luz. Platão – Filósofo grego (428-347 A.C.)

Já recebi relatos de leitores, aqui no Clube dos Poupadores, que conseguem economizar dinheiro, mas guardam o dinheiro em casa. São pessoas que sentem muito medo das instituições financeiras. Preferem ter acesso imediato ao próprio dinheiro, mesmo sabendo que terão grandes perdas, no longo prazo, provocadas pela inflação e perda de rentabilidade em investimentos. As vezes, por terem um negócio informal (ou até ilegal), evitam colocar dinheiro no banco. Isso limita muito o crescimento financeiro sólido dessas pessoas. É o tipo de “vantagem” de curto prazo que só resulta em problemas e prejuízos, de todos os tipos, no longo prazo.

Guarda dinheiro na caixa (de papelão), perde dinheiro diariamente (inflação) e todo o rendimento que poderia gerar através dos investimentos.

Já vi pessoas que deixam muito dinheiro parado na conta corrente dos bancos. São aquelas que sentem muito medo de investir. Elas sentem que o dinheiro na conta-corrente pode ser rapidamente sacado ou facilmente transferido, se necessário e que no investimento poderia existir alguma dificuldade. Ignoram a existência de investimentos com liquidez diária e com o mesmo nível de segurança que existe ao manter o dinheiro parado na conta (FGC). Pesquisas mostram que o medo de investir é um dos principais motivos para não investir entre a população brasileira (fonte).

Por medo, milhões de brasileiros deixam o dinheiro rendendo pouco na poupança. Acreditam ser o investimento mais seguro que existe. Por falta de conhecimento, sentem medo de todos os outros investimentos, mesmo aqueles que são tão seguros (CDB, LCI, LCA, etc) ou até mais seguros que a poupança (Títulos Públicos).

Também existem aquelas pessoas que detestam a ideia de ter patrimônio na forma de dinheiro ou investimentos financeiros, por esse motivo resolvem imobilizar tudo que possuem. Podemos ver um exemplo naquelas pessoas que aplicam tudo que conseguem poupar em pequenos lotes, terrenos, pequenas salas comerciais e imóveis. Muitas vezes comprometem a liquidez e enfrentam problemas quando precisam de dinheiro para alguma urgência, já que tudo está imobilizado.

Existem as pessoas que guardam fortunas em fundos de investimento de grandes bancos, exatamente os fundos mais conservadores, mesmo sabendo que quase todo o dinheiro será investido pelo gestor do fundo em títulos públicos. Por medo de investir diretamente nos títulos, muitas vezes essas pessoas pagam taxas administrativas muito elevadas (perdendo dinheiro por muitos anos). Existem centenas de fundos de investimentos, de diversas gestoras, com rentabilidades maiores e taxas menores que são acessíveis através das grandes corretoras. Além disso, qualquer um pode aprender a investir em títulos públicos, com menores custos.

Muita gente só investe através dos grandes bancos pelo medo de investir através das corretoras. Pelas corretoras de valores é possível acessar investimentos de uma centena de bancos de médio e pequeno porte que oferecem investimentos de renda fixa com taxas maiores. Todos possuem proteção do FGC para determinados valores e condições.

Muitos não investem em renda variável por medo. No universo de milhões de brasileiros, pouco mais de 500 mil investem na Bolsa de Valores comprando ações e fundos imobiliários que podem ser bons geradores de renda passiva através do pagamento de dividendos e outros proventos que as empresas distribuem como: juros sobre capital próprio, bonificação em ações e direitos de subscrição.

Mais medo, menos dinheiro

Quanto maior o medo de perder dinheiro, mais as pessoas perdem dinheiro através das oportunidades que são deixadas de lado.

O grande problema é que jamais saberemos a enorme quantidade de dinheiro que deixaremos de ganhar durante a vida por todas as oportunidades que foram abandonadas pelo nosso medo. Facilmente alegamos falta de sorte e de oportunidades. Dificilmente alegamos falta de preparo.

Conheço pessoas que adiam a aquisição de um simples livro sobre investimentos por medo de não ter tempo para ler ou medo de não entender o conteúdo.

O medo de aprender algo novo é o pior de todos os medos, pois esse medo nos impede de combater todos os medos provocados por tudo que ignoramos.

As coisas que nos assustam são em maior número do que as que efetivamente fazem mal, e afligimo-nos mais pelas aparências do que pelos fatos reais. Sêneca (65 d.C).

Medo de tudo que ignoramos

Grande parte dos medos que nos afetam com relação aos investimentos tem relação com o “medo do desconhecido“. Só existem duas formas de combater o medo do desconhecido e as duas precisam ser combatidas em conjunto.

A primeira forma de combater o medo do desconhecido é estudando. A segunda forma é praticando aquilo que você estudou.

Aquele que só estuda e não pratica, não resolve o problema do medo do desconhecido. Conheço muitos casos de pessoas que estudam, estudam e estudam… mas continuam com medo da prática. Esse medo da prática pode ser resolvido com enorme facilidade. Basta destinar uma pequena quantia para ser gasta ou até perdida durante a prática.

Quando você aprendeu a dirigir um carro, uma parte do que investiu foi destinado aos conhecimentos teóricos e a outra parte para ser gasta nas aulas práticas. O dinheiro que você gastou para praticar foi de grande importância. O mesmo raciocínio deveria ser adotado na prática de um novo investimento.

Após conhecer o investimento, qualquer pessoa pode destinar uma pequena quantidade de dinheiro para praticar sem medo, sem apego a esse pouco dinheiro. Esse pequeno investimento deve ser considerado como o “custo das aulas práticas“. No caso de investimentos através de corretoras, isso é muito importante, principalmente quando treinamos nossos conhecimentos em investimentos de maior risco (renda variável).

O brasileiro ainda sente muito medo de investir fora dos grandes bancos, mesmo em investimentos mais seguros (renda fixa). Isso pode ser resolvido com a prática. Nos meus livros sobre investimentos eu recomendo e oriento sobre os passos para abrir conta em corretoras. Eu mostro dois exemplos práticos de abertura de conta.

Depois de estudar todo o conteúdo teórico, basta fazer uma pequena transferência da sua conta no banco para a sua conta na corretora com o objetivo de praticar. Com esse dinheiro, você vai vivenciar a experiência de comprar um título público ou comprar um título privado (CDB, LCI, LCA, debênture, etc). O mesmo vale para aquele que pretende iniciar na renda variável (ações, fundos imobiliários, etc).

Esse pequeno investimento deve ser a sua aula prática. Os riscos serão pequenos se o investimento de treino for pequeno. Já a experiência será grande e válida para toda a vida do investidor. O mesmo processo vale para o investimento em renda variável. Hoje, as coisas estão ainda mais fáceis. Já existem algumas corretoras que não cobram taxa de corretagem para investir em ações. O custo do seu treino será ainda menor. É na prática que aprendemos e perdermos o medo do que desconhecemos.

O fato é que quanto maior for o seu medo, principalmente o medo do desconhecido, e maior for a sua rejeição a aprender algo novo, mais o medo de perder dinheiro vai fazer você perder dinheiro.

O gráfico acima (fonte) mostra a variação dos últimos 24 meses de alguns índices (CDI, Poupança e IPCA + 6%) que são a base para a rentabilidade de investimentos de renda fixa como CDB, LCI, LCA, poupança e títulos como o Tesouro IPCA. Também temos índices como o IBOVESPA e o dólar que influenciam as ações mais negociadas, fundos de ações, multimercado e cambiais.  É fácil observar que a poupança é o investimento menos rentável (65% do CDI) e ao mesmo tempo o investimento que os brasileiros menos sentem medo. A bolsa (representada pelo IBOVESPA) é a que desperta maior medo, mas se mostrou o investimento mais rentável dos últimos 2 anos (mesmo com o país enfrentando uma grave crise).

O grande e verdadeiro medo

O grande medo que toda a população deveria ter com relação ao dinheiro é o medo da inflação. Isso inclui até aquelas pessoas que nunca investiram na vida. Devemos ter muito medo de tudo que o governo e os políticos fazem e prometem que possam resultar em mais inflação no futuro. A inflação é prejudicial para todos. A vida das pessoas fica muito difícil com inflação acima de 2 dígitos, como a inflação esperada na Argentina, de 44,8% ao ano (fonte). Em casos extremos, nada suporta o efeito desastroso da inflação fora de controle, como podemos observar em países como a Venezuela, onde a inflação esperada é de 10.000.000% (fonte).

A mesma lógica do “medo de perder dinheiro faz você perder dinheiro” pode levar um país inteiro a escolher caminhos que levam todos juntos a perder muito dinheiro.

Não devemos ter medo das novas idéias! Elas podem significar a diferença entre o triunfo e o fracasso. O homem que domina o medo pode marchar para a realização bem-sucedida em praticamente qualquer atividade. Napoleon Hill, As leis do triunfo e do sucesso (1883 – 1970)

O medo de perder privilégios, subsídios, isenções, regalias, benefícios e coisas similares que tornam as pessoas mais dependentes e menos livres, é justamente o que fará todos perderem tudo isso ao mesmo tempo da pior forma. O medo usado da forma errada nos prende. O medo usado na forma correta nos liberta.

O medo usado da forma correta

Tudo tem função na natureza. O seu nível de tolerância ao risco aumenta quando o seu nível de conhecimento e experiencia aumentam e o medo nos ajuda nessa tarefa.

O medo deve servir como estímulo para que você busque cada vez mais conhecimento e experiência prática que possam te desprender do medo. Isso também vale para o seu desempenho profissional e resultados financeiros.

Para entender melhor como o medo pode te libertar, vamos fazer a analogia com a aviação. Você deve concordar que pilotar um avião é uma tarefa muito perigosa para quem não tem conhecimento e preparo.

O medo de voar e de acidentes aéreos é tão grande na sociedade que o nível de exigências, conhecimentos e treinamentos para poder pilotar um grande avião é enorme. Mesmo existindo centenas de botões, visores, controles, alavancas e procedimentos técnicos para se pilotar um avião, esse meio de transporte se tornou o mais seguro do mundo. Neste caso, é o medo aliado com o conhecimento e a experiência que torna o transporte aéreo tão seguro. Aqui temos a verdadeira utilidade do medo.

Avião em um lugar muito seguro, mas que o torna inútil.

Devemos concordar que um avião sempre estará mais seguro em terra firme (no aeroporto), mas não foi para isso que os aviões foram feitos. A segurança absoluta tira a utilidade do avião. O mesmo vale para o seu dinheiro. Ele pode estar seguro quando está parado, mas não foi para isso que o dinheiro foi feito. Quando você investe o seu dinheiro (colocando ele em movimento) os riscos são maiores, mas é isso que dá utilidade e produz os benefícios que o dinheiro pode gerar.

Assim como é seguro pilotar um avião quando estamos preparados, é seguro investir dinheiro quando utilizamos o medo para adquirir o preparo para tomar as decisões corretas durante a nossa viagem.

Se o seu medo de ganhar dinheiro faz você perder dinheiro, isso significa que ainda falta conhecimento e preparo, pois o medo de ganhar dinheiro aliado com o preparo correto potencializa o seus ganhos até níveis inimagináveis.

Clique na figura para assistir ao vídeo enquanto conclui a leitura logo abaixo.



Esse vídeo mostra uma co-piloto brasileira utilizando conhecimentos técnicos e experiências para pousar um avião ATR 72-500. Ela desligará o piloto automático no minuto 1:16 para assumir o controle manual da aeronave (você vai ouvir um sinal sonoro). Observe a grande quantidade de ajustes e correções que ela precisa fazer na direção, enquanto o avião se aproxima do solo, para pousar com segurança. Imagine-se no lugar dela assumindo o controle da sua vida financeira  com o mesmo nível de concentração que ela tem.

Quanto mais conhecimento e treino, em qualquer área da vida, mais nos sentimos no controle do que estamos fazendo, maior a segurança, menores os riscos, maiores os resultados e mais longe podemos ir.

De forma análoga, é quando desligamos o piloto automático da nossa vida e assumimos o controle que as coisas interessantes começam a acontecer.

O medo não foi feito para deixar você preso em um lugar seguro. O medo foi feito para motivar você a se preparar para se libertar e voar alto. O primeiro passo é investir para adquirir conhecimento (conheça uma série de livros que vão acelerar e facilitar o seu aprendizado).

Livro recomendado: Independência Financeira (clique para conhecer).

🔔 Ative as notificações clicando aqui, informe o seu e-mail no campo logo abaixo e clique em "inscreva-se" para receber um aviso quando novos artigos forem publicados no Clube dos Poupadores: