Medo de perder dinheiro

Isso pode parecer muito estranho, mas o medo de perder dinheiro faz você perder dinheiro. Não é pouco dinheiro. É muito dinheiro, durante a vida inteira.

Para piorar a situação, isso não se limita a perder dinheiro de forma visível e direta. O medo de perder dinheiro faz você tomar decisões que, indiretamente, impactam a sua capacidade de ganhar dinheiro. Isso significa que você perde dinheiro sem ver que está perdendo.

É claro que o medo tem uma grande utilidade quando usado da forma correta. É o medo que motiva uma pessoa a se preparar antes de abrir um negócio para fazer dinheiro. É o medo que faz um investidor dedicar mais tempo estudando sobre os investimentos antes de investir. É o medo que nos convida a diversificar nossos investimentos e criar fontes secundárias de renda para o caso da fonte primária “falhar” (exemplo: quando perdemos o nosso emprego). Muitas vezes é o medo das incertezas econômicas, políticas e aquelas relacionadas com a nossa vida pessoal e profissional que nos convida a poupar mais, investir melhor e expandir a rentabilidade do nosso trabalho.

O grande problema do medo, nos resultados da sua vida financeira, está no momento em que você permite que o medo deixe você paralisado. É nesse momento que você começa a perder dinheiro no presente e no futuro.

Você tem algum desses medos?

No mundo do dinheiro, existem medos de todos os tipos, para todos os bolsos e todos os níveis de conhecimento.

Já vi casos de pessoas que sentem medo de ter dinheiro. Elas não confiam nelas mesmas quando possuem algum dinheiro nas mãos. Acreditam que se guardarem algum dinheiro, logo encontrarão uma desculpa para gastá-lo. Para resolver esse problema, elas compram tudo através de consórcios, parcelamentos e financiamentos. Se por um lado não conseguem poupar, por outro elas conseguem pagar contas em dia. É como se o medo de ficar inadimplente ou com o nome sujo fosse ainda maior.

Podemos facilmente perdoar uma criança que tem medo do escuro; a real tragédia da vida é quando os homens têm medo da luz. Platão – Filósofo grego (428-347 A.C.)

Já recebi relatos de leitores, aqui no Clube dos Poupadores, que conseguem economizar dinheiro, mas guardam o dinheiro em casa. São pessoas que sentem muito medo das instituições financeiras. Preferem ter acesso imediato ao próprio dinheiro, mesmo sabendo que terão grandes perdas, no longo prazo, provocadas pela inflação. As vezes, por terem um negócio informal (ou até ilegal), evitam colocar dinheiro no banco. Isso limita muito o crescimento financeiro sólido dessas pessoas. É o tipo de “vantagem” de curto prazo que só resulta em problemas e prejuízos, de todos os tipos, no longo prazo.

Guarda dinheiro na caixa (de papelão), perde dinheiro diariamente (inflação) e não tem vergonha de publicar a foto nas redes sociais.

Já vi pessoas que deixam muito dinheiro parado na conta corrente dos bancos. São aquelas que sentem muito medo de investir. Elas sentem que o dinheiro na conta-corrente pode ser rapidamente sacado ou facilmente transferido, se necessário e que no investimento poderia existir alguma dificuldade. Ignoram a existência de investimentos com liquidez diária e com o mesmo nível de segurança que existe ao manter o dinheiro parado na conta (FGC). Pesquisas mostram que o medo de investir é um dos principais motivos para não investir entre a população brasileira (fonte).

Por medo, milhões de brasileiros deixam o dinheiro rendendo pouco na poupança. Acreditam ser o investimento mais seguro que existe. Por falta de conhecimento, sentem medo de todos os outros investimentos, mesmo aqueles que são tão seguros (CDB, LCI, LCA, etc) ou até mais seguros que a poupança (Títulos Públicos).

Também existem aquelas pessoas que detestam a ideia de ter patrimônio na forma de dinheiro ou investimentos financeiros, por esse motivo resolvem imobilizar tudo que possuem. Podemos ver um exemplo naquelas pessoas que aplicam tudo que conseguem poupar em pequenos lotes, terrenos, pequenas salas comerciais e imóveis. Muitas vezes comprometem a liquidez e enfrentam problemas quando precisam de dinheiro para alguma urgência, já que tudo está imobilizado.

Existem as pessoas que guardam fortunas em fundos de investimento de grandes bancos, exatamente os fundos mais conservadores, mesmo sabendo que quase todo o dinheiro será investido pelo gestor do fundo em títulos públicos. Por medo de investir diretamente nos títulos, muitas vezes essas pessoas pagam taxas administrativas muito elevadas (perdendo dinheiro por muitos anos). Existem centenas de fundos de investimentos, de diversas gestoras, com rentabilidades maiores e taxas menores que são acessíveis através das grandes corretoras. Além disso, qualquer um pode aprender a investir em títulos públicos, com menores custos.

Muita gente só investe através dos grandes bancos pelo medo de investir através das corretoras. Pelas corretoras de valores é possível acessar investimentos de uma centena de bancos de médio e pequeno porte que oferecem investimentos de renda fixa com taxas maiores. Todos possuem proteção do FGC para determinados valores e condições.

Muitos não investem em renda variável por medo. No universo de milhões de brasileiros, pouco mais de 500 mil investem na Bolsa de Valores comprando ações e fundos imobiliários que podem ser bons geradores de renda passiva através do pagamento de dividendos e outros proventos que as empresas distribuem como: juros sobre capital próprio, bonificação em ações e direitos de subscrição.

Mais medo, menos dinheiro

Quanto maior o medo de perder dinheiro, mais as pessoas perdem dinheiro através das oportunidades que são deixadas de lado.

O grande problema é que jamais saberemos a enorme quantidade de dinheiro que deixaremos de ganhar durante a vida por todas as oportunidades que foram abandonadas pelo nosso medo. Facilmente alegamos falta de sorte e de oportunidades. Dificilmente alegamos falta de preparo.

Conheço pessoas que adiam a aquisição de um simples livro sobre investimentos por medo de não ter tempo para ler ou medo de não entender o conteúdo. Os mesmos medos afetam aqueles que adiam a aquisição de cursos e treinamentos que possam ajudar a investir e ganhar dinheiro.

O medo de aprender algo novo é o pior de todos os medos, pois esse medo nos impede de combater todos os medos provocados por tudo que ignoramos.

As coisas que nos assustam são em maior número do que as que efetivamente fazem mal, e afligimo-nos mais pelas aparências do que pelos fatos reais. Sêneca (65 d.C).

Medo de tudo que ignoramos

Grande parte dos medos que nos afetam com relação aos investimentos tem relação com o “medo do desconhecido“. Só existem duas formas de combater o medo do desconhecido e as duas precisam ser combatidas em conjunto.

A primeira forma de combater o medo do desconhecido é estudando. A segunda forma é praticando aquilo que você estudou.

Aquele que só estuda e não pratica, não resolve o problema do medo do desconhecido. Conheço muitos casos de pessoas que estudam, estudam e estudam… mas continuam com medo da prática. Esse medo da prática pode ser resolvido com enorme facilidade. Basta destinar uma pequena quantia para ser gasta ou até perdida durante a prática.

Quando você aprendeu a dirigir um carro, uma parte do que investiu foi destinado aos conhecimentos teóricos e a outra parte para ser gasta nas aulas práticas. O dinheiro que você gastou para praticar foi de grande importância. O mesmo raciocínio deveria ser adotado na prática de um novo investimento.

Após conhecer o investimento, qualquer pessoa pode destinar uma pequena quantidade de dinheiro para praticar sem medo, sem apego a esse pouco dinheiro. Esse pequeno investimento deve ser considerado como o “custo das aulas práticas“. No caso de investimentos através de corretoras, isso é muito importante, principalmente quando treinamos nossos conhecimentos em investimentos de maior risco (renda variável).

O brasileiro ainda sente muito medo de investir fora dos grandes bancos, mesmo em investimentos mais seguros (renda fixa). Isso pode ser resolvido com a prática. Em dois dos meus livros sobre investimentos eu recomendo e oriento sobre os passos para abrir conta em corretoras. Eu mostro dois exemplos práticos de abertura de conta.

Depois de estudar todo o conteúdo teórico, basta fazer uma pequena transferência da sua conta no banco para a sua conta na corretora com o objetivo de praticar. Com esse dinheiro, você vai vivenciar a experiência de comprar um título público ou comprar um título privado (CDB, LCI, LCA, debênture, etc). O mesmo vale para aquele que pretende iniciar na renda variável (ações, fundos imobiliários, etc).

Esse pequeno investimento deve ser a sua aula prática. Os riscos serão pequenos se o investimento de treino for pequeno. Já a experiência será grande e válida para toda a vida do investidor. O mesmo processo vale para o investimento em renda variável. Hoje, as coisas estão ainda mais fáceis. Já existem algumas corretoras que não cobram taxa de corretagem para investir em ações. O custo do seu treino será ainda menor. É na prática que aprendemos e perdermos o medo do que desconhecemos.

O fato é que quanto maior for o seu medo, principalmente o medo do desconhecido, e maior for a sua rejeição a aprender algo novo, mais o medo de perder dinheiro vai fazer você perder dinheiro.

O gráfico acima (fonte) mostra a variação dos últimos 24 meses de alguns índices (CDI, Poupança e IPCA + 6%) que são a base para a rentabilidade de investimentos de renda fixa como CDB, LCI, LCA, poupança e títulos como o Tesouro IPCA. Também temos índices como o IBOVESPA e o dólar que influenciam as ações mais negociadas, fundos de ações, multimercado e cambiais.  É fácil observar que a poupança é o investimento menos rentável (65% do CDI) e ao mesmo tempo o investimento que os brasileiros menos sentem medo. A bolsa (representada pelo IBOVESPA) é a que desperta maior medo, mas se mostrou o investimento mais rentável dos últimos 2 anos (mesmo com o país enfrentando uma grave crise).

O grande e verdadeiro medo

O grande medo que toda a população deveria ter com relação ao dinheiro é o medo da inflação. Isso inclui até aquelas pessoas que nunca investiram na vida. Devemos ter muito medo de tudo que o governo e os políticos fazem e prometem que possam resultar em mais inflação no futuro. A inflação é prejudicial para todos. A vida das pessoas fica muito difícil com inflação acima de 2 dígitos, como a inflação esperada na Argentina, de 44,8% ao ano (fonte). Em casos extremos, nada suporta o efeito desastroso da inflação fora de controle, como podemos observar em países como a Venezuela, onde a inflação esperada é de 10.000.000% (fonte).

O vídeo acima, da BBC News, é bem didático e fala de um medo que afunda países. A população apoiou determinadas políticas que resultaram em um governo que gasta mais do que arrecada e isso gerou hiperinflação,  fuga de investidores e empresários, desvalorização da moeda e, por consequência, aumento da pobreza.

A mesma lógica do “medo de perder dinheiro faz você perder dinheiro” pode levar um país inteiro a escolher caminhos que levam todos juntos a perder muito dinheiro.

Não devemos ter medo das novas idéias! Elas podem significar a diferença entre o triunfo e o fracasso. O homem que domina o medo pode marchar para a realização bem-sucedida em praticamente qualquer atividade. Napoleon Hill, As leis do triunfo e do sucesso (1883 – 1970)

O medo de perder privilégios, subsídios, isenções, regalias, benefícios e coisas similares que tornam as pessoas mais dependentes e menos livres, é justamente o que fará todos perderem tudo isso ao mesmo tempo da pior forma. O medo usado da forma errada nos prende. O medo usado na forma correta nos liberta.

O medo usado da forma correta

Tudo tem função na natureza. O seu nível de tolerância ao risco aumenta quando o seu nível de conhecimento e experiencia aumentam e o medo nos ajuda nessa tarefa.

O medo deve servir como estímulo para que você busque cada vez mais conhecimento e experiência prática que possam te desprender do medo. Isso também vale para o seu desempenho profissional e resultados financeiros.

Para entender melhor como o medo pode te libertar, vamos fazer a analogia com a aviação. Você deve concordar que pilotar um avião é uma tarefa muito perigosa para quem não tem conhecimento e preparo.

O medo de voar e de acidentes aéreos é tão grande na sociedade que o nível de exigências, conhecimentos e treinamentos para poder pilotar um grande avião é enorme. Mesmo existindo centenas de botões, visores, controles, alavancas e procedimentos técnicos para se pilotar um avião, esse meio de transporte se tornou o mais seguro do mundo. Neste caso, é o medo aliado com o conhecimento e a experiência que torna o transporte aéreo tão seguro. Aqui temos a verdadeira utilidade do medo.

Avião em um lugar muito seguro

Devemos concordar que um avião sempre estará mais seguro em terra firme (no aeroporto), mas não foi para isso que os aviões foram feitos. A segurança absoluta tira a utilidade do avião. O mesmo vale para o seu dinheiro. Ele pode estar seguro quando está parado, mas não foi para isso que o dinheiro foi feito. Quando você investe o seu dinheiro (colocando ele em movimento) os riscos são maiores, mas é isso que dá utilidade e produz os benefícios que o dinheiro pode gerar.

Assim como é seguro pilotar um avião quando estamos preparados, é seguro investir dinheiro quando utilizamos o medo para adquirir o preparo para tomar as decisões corretas durante a nossa viagem.

Se o seu medo de ganhar dinheiro faz você perder dinheiro, isso significa que ainda falta conhecimento e preparo, pois o medo de ganhar dinheiro aliado com o preparo correto potencializa o seus ganhos até níveis inimagináveis.

Clique na figura para assistir ao vídeo enquanto conclui a leitura logo abaixo.



Esse vídeo mostra uma co-piloto brasileira utilizando conhecimentos técnicos e experiências para pousar um avião ATR 72-500. Ela desligará o piloto automático no minuto 1:16 para assumir o controle manual da aeronave (você vai ouvir um sinal sonoro). Observe a grande quantidade de ajustes e correções que ela precisa fazer, enquanto o avião se aproxima do solo, para pousar com segurança. Imagine-se no lugar dela assumindo o controle da sua vida financeira e profissional com o mesmo nível de concentração que ela tem.

Quanto mais conhecimento e treino, em qualquer área da vida, mais nos sentimos no controle do que estamos fazendo, maior a segurança, menores os riscos, maiores os resultados e mais longe podemos ir.

De forma análoga, é quando desligamos o piloto automático da nossa vida e assumimos o controle que as coisas interessantes começam a acontecer.

O medo não foi feito para deixar você preso em um lugar seguro. O medo foi feito para motivar você a se preparar para se libertar e voar alto.

Dia da sorte...

Muita gente acredita que ter sucesso na vida financeira depende de um tipo sorte. Descobri uma forma de aumentar essa sorte: quanto mais você estudar sobre ganhar, poupar e investir dinheiro, mais sorte terá na sua vida financeira. Escrevi uma série de livros que vão ajudar você a aumentar esse tipo de "sorte" rapidamente:Clique aqui para conhecer os livros.

Sobre o Autor:

Leandro Ávila acredita que o conhecimento é uma riqueza que precisa ser dividida para ser multiplicada. É formado em administração de empresas e se especializou em educação financeira e de investimentos. Escreveu livros sobre Independência Financeira, Investimentos em CDB, LCI e LCA, Investimentos em Títulos Públicos e em Imóveis.
avatar
600
54 Comment threads
64 Thread replies
0 Followers
 
Most reacted comment
Hottest comment thread
59 Comment authors
cristianeJulitaDiana MonteiroLucioFernando da Cunha Recent comment authors
newest oldest
Lucia Mata
Visitante
Lucia Mata

Oi Leandro,
que texto maravilhoso, sou exatamente assim, com medo de novos investimentos, deixo meus recursos na poupança.

Anônimo
Visitante
Anônimo

Lúcia, eu passei anos com o mesmo medo, e embora ainda sentindo muito medo , já consegui fazer algumas coisinhas em investimentos e ganhei um bom dinheiro. Se você começar com valores mais baixos, você vai se sentir mais segura, então aos poucos você vai vendo o dinheiro ser valorizado. Logo, terá mais experiência e incentivo para os poucos ir aumentando os investimentos.

Raphael Martins
Visitante
Raphael Martins

Inspirador este artigo. Tive minha vida mudada pela leitura dos seus textos. Muito Obrigado!

Já que estamos chegando ao final do ano, gostaria de deixar uma sugestão para um artigo sobre a “inflação natalina”, pois é impressionante como os preços são aumentados de forma absurda nesta época do ano e todo mundo gasta sem pensar.

Rede hoteleira, restaurantes, serviços em geral passam a cobrar valores irreais, justificando que é Natal. Não entendo a necessidade que as pessoas têm de consumir/viajar/gastar nesta época do ano. Não seria mais inteligente e econômico fazer em outros períodos?

Julio Zaminelli
Visitante
Julio Zaminelli

Esse texto veio para confirmar algo que estou adiando há muito tempo, por razões diversas, que é a entrada efetiva no mercado de renda variável. Consegui recentemente superar o medo da renda fixa (títulos públicos), mesmo que de forma ainda tímida, e deixei de pagar juros para os outros (financiamentos). Obrigado Leandro por abrir nossos olhos para verdades tão evidentes.

Douglas
Visitante
Douglas

Com certeza, Leandro. A inflação é o maior medo de qualquer investidor. Eu gostaria que o governo fosse mais honesto nos casos dos títulos IPCA. O justo seria que o IR incidisse apenas sobre a diferença entre o valor retirado e o valor investido CORRIGIDO pelo IPCA. Isso sim garantiria um rendimento real acima da inflação. Infelizmente o próprio site do Tesouro Direto informa que os títulos IPCA têm um rendimento real acima da inflação, o que não é verdade. Acho um absurdo pagar imposto sobre um valor que não rendeu, apenas “expandiu” conforme a inflação.

Diego
Visitante
Diego

Assim como falou a moça no vídeo sobre a Argentina, um dos grandes problemas do Brasil é a falta de competitividade da indústria. Temos o mercado absurdamente fechado e mono/oligopolizado, regulamentado e burocratizado. E o pior é ouvir que isso é para “proteger o emprego nacional”, como se fosse verdade. E ainda que fosse, não justificaria penalizar toda a população e obrigar todos a consumirem produtos e serviços caros, ruins, e sem incentivos para melhorarem.

João Paulo Borges
Visitante
João Paulo Borges

Enfiar isso na cabeça de um eleitor de determinada vertente política é tão impossível quanto fazê-lo entender que protecionismo apenas diminui o comércio entre os países e gera mais pobreza ao invés de proteção de empregos, penalizando os mercados consumidores.

É uma consequência do pensamento Keynesiano achar que o ponto central de qualquer economia são os empregos, ao passo que eles deveriam ser enxergados como resultado natural da criação de riqueza/valor e não devem ser usados como argumento para empacar o desenvolvimento econômico (paradoxal).

Danicio
Visitante
Danicio

Inspirador Leandro! Meus parabéns! Sou grato!
Ano que vem pretendo estreiar na renda variável, seu artigo trouxe o empurrão que eu tava precisando…

Damian
Visitante
Damian

Mais umas vez, excelente artigo com ótimas analogias. Leandro muito obrigado por compartilhar todo esse conhecimento.

Daniel
Visitante
Daniel

Leandro, parabéns pelo artigo. Você surpreende e está cada vez melhor. Lendo seu artigo fui lembrando de passo a passo de como lá atrás eu tinha exatamente esse medo de fazer investimentos fora da caixinha (poupança). Quando comecei a ler seus artigos e seus livros, fui adquirindo conhecimento e preparação, e aos poucos fui perdendo o medo e assumindo o controle dos meus investimentos. E hoje tenho orgulho porque foi a maior riqueza que adquiri nesses anos e que levarei para o resto da vida. Invisto em renda fixa e variável, preparado, confiante, sabendo dos riscos envolvidos e sem medo!

Michael
Visitante
Michael

Interessante o articulo, Leandro. Aproveito para fazer uma pergunta; Estou pensando investir com a ajuda de uma casa de investimentos. O que você recomenda, investir com ##, que é grande e gasta muito dinheiro em Marketing ou em ######, uma casa menor?

Caio B
Visitante
Caio B

Muito bem ilustrado com o exemplo dos avioes. Eu mesmo sou um piloto (privado) e costumamos dizer que o aviao, uma vez no ar, voa praticamente por si próprio. As leis da fisica demonstram isso. O papel do piloto é realizar pequenas correções ao longo da jornada. Não diferente no caso de investimentos.

MARCELO GONÇALVES
Visitante
MARCELO GONÇALVES

Confesso que é possível superar os medos e sair da inércia. Pessoas como o Leandro Ávila fazem um bem danado à sociedade. Antes de conhecer esse blog eu era um gastador compulsivo e apesar de ganhar um bom salário como servidor público eu fechava os meses sempre no vermelho. A partir do momento que passei a investir em conhecimento consegui poupar, e dps de um tempo investir, hoje diversifico investimentos em renda fixa e minha próxima meta é investir na bolsa de valores.
Profunda gratidão pelos ensinamentos do Leandro, fui seu aluno no curso Resistência, um divisor de águas em minha vida.

Vera
Visitante
Vera

Olá Leandro! Sou muito grata à vc, pois foi através das suas publicações ,q perdi o medo de investir e comecei a estudar p adquirir mais conhecimento .Iniciei o ano passado e já estou colhendo os frutos. Obrigada e muito sucesso à você!

Alcides
Visitante
Alcides

Olá professor, texto perfeito, só para lembrar eu estava estudando investimentos ha uns 2 anos mas não saia dos estudos e ficava na poupança, foi depois de começar a estudar com os seus artigos e ler os seus livros que dei o primeiro pontapé, vencido o medo hoje tenho em minha carteira de Tesouro Direto a Ações e o melhor sem medo.
Parabéns.

Andre
Visitante
Andre

Olá Leandro, excelente artigo.
Confesso que o medo realmente me atinge e demoro muito antes de dar qualquer passo. Um caso recente foi que, após estudar seus artigos e juntar um capital pra investir, fui me cadastrar numa corretora quando, ao tentar baixar o aplicativo pelo celular, deparei -me com inúmeras avaliacoes negativas de clientes. Pronto …foi o suficiente para adiar mais um pouco, pois não quero enfrentar os problemas ali relatados que são de toda ordem.

Apropósito Leandro, vc utiliza aplicativo no celular para investir? Tem problemas com isso?

Pablo
Visitante
Pablo

Sensacional o texto simplesmente pelo fato de tratar de um caso especifico que é investimento mas que pode ser usado para qualquer área da vida. Eu sempre leio os textos e fico com vontade de comentar. Este eu não poderia deixar de agradecer: obrigado pela sua contribuição. Parabéns pelo texto.

Halynne
Visitante
Halynne

Maravilha!!! Abs

Ivan
Visitante
Ivan

Excelente Ávila, uma boa estratégia que considero é fugir dos bancões. Usar estratégia CDBs escada, com isso boas taxas longo prazo e vantagem tributária de tributar só ao final. Além disso, boas ações, aí dá para incluir bancões!!! Ser sócio, ok, deixar dinheiro lá, não ok!! Temos boa segurança no Brasil. Sistema financeiro robusto e com FGC que sempre foi muito sério, inclusive com a mudança da regra recente (nov/2017) tornando ainda mais robusta esta garantia (em termos riscos sistêmicos). Sim, me preocupa a questão da dívida pública. Mas não acredito que chegaremos em situação da Argentina

Guilherme
Visitante
Guilherme

Fui vencendo o medo de investir em etapas, primeiramente saí da poupança há 4 anos (migrei para um fundo DI de bancão, pelo menos rendia acima da poupança), depois de mais uns 2 anos comecei a aprender sobre tesouro direto, mais 6 meses sobre cdb/lci/lca, mais 1 ano e comecei a colocar dinheiro em FII e há 3 meses estou me aventurando nas ações. Ainda tenho muito que aprender, o próximo passo será rebalancear a carteira (ainda estou pesado no DI) e melhorar a rentabilidade conforme o venciimento dos títulos e colocando dinheiro novo na renda variável até atingir um patamar que fique tranquilo.

Lais
Visitante
Lais

Excelente texto.
Gerente de banco sempre gosta de causar medo. Dúvida, existe alguma diferença entre fundo de investimento e CDB, LCI em caso de emergência? É só mesmo a liquidez, certo?
Em casos de inventário todos tem a mesma regra?

Michel
Visitante
Michel

Meus parabéns Leandro por mais um artigo esclarecedor. Comecei meus estudos a mais de 3 anos quando conheci o seu site. Hoje tenho amplo conhecimentos em diferentes tipos de invenstimento.

Contudo fico muito frustado quanto tento “abrir a mente” de pessoas muito próxima a mim para que percam esse “medo”.
Essa pessoas simplismente ficam paralizadas.

Acredito que o único caminho para mudar esse comportamento é através do conhecimento, papel esse que você faz com Maestria!!!

Um grande abraço.

Paulo
Visitante
Paulo

Extremamente motivador.

Sergio
Visitante
Sergio

O que vc acha de investimentos fora do país? Empresas offshore, forex , etc …. parabéns pela consistência, honestidade e inteligência nos seus artigos

Walter Jr.
Visitante
Walter Jr.

Excelente artigo, minha área é mmn, e tento muito passar para as pessoas como saber usar de maneira sábia o dinheiro, pois nessa área muitos ganham e perdem muito por não ter inteligência com o dinheiro , indico o seu site para as pessoas aprenderem mais e pego várias dicas para passar para eles. Parabéns pelo trabalho.

Leandro Landim
Visitante
Leandro Landim

Ótimo artigo! Sem dúvidas todos temos medo, por isso devemos aprender como usá-lo para para deixar o conforto e a previsibilidade que provoca perdas ou inviabiliza ganhos para um caminho de conhecimento e crescimento.

Sandra
Visitante
Sandra

Ler seus artigos, é sempre aprender a voar mais alto!!!
Obrigada

Welington
Visitante
Welington

Leandro, no gráfico de comparações de rendimentos, vi que o 120% CDI tem uma grande valorização ao longo do tempo. Entrando no link que vc indicou no artigo, simulei e verifiquei que ele ganha em praticamente todos os cenários acima de 5 anos (cenários atuais e cenários passados) e é imbatível em 10 anos. De acordo com seus estudos e pesquisas, é confiável tomar como base, rendimentos que superam estes 120% do CDI para futuras aplicações vendo que, temos eventos cíclicos ao longo do tempo? Teria algum outro estudo ou embasamento para essa teoria? Obrigado e parabéns por mais este artigo!

maria cristina
Visitante
maria cristina

Muito propício este ensinamento .já que estamos em época de eleição. Analogia muito criativa .
Parabéns!!

Cipriano
Visitante
Cipriano

…Parabéns, professor.
Artigo superinteressante, explanação claríssima (pleonasmo), Perfeito. Sensacional!!!!

Mateus
Visitante
Mateus

Oi Leandro, passo por isso hoje em relação a investir na bolsa. Tenho medo e não me preparo para tanto. Porém, cada vez mais isso está me deixando inquieto. Depois de ler esse texto, então..

Marcelo Williams
Visitante
Marcelo Williams

Interessante. Tenho destinado parte do meu tempo numa idéia de empreender em um pequeno negócio. O medo existe e é real, e também necessário, pois impele ao planejamento, etc…

jose rogerio
Visitante
jose rogerio

leandro, obrigado pelo texto; estou entrando na pratica dentro do home broker

Déborah Jeffery
Visitante
Déborah Jeffery

Parabéns pelo texto, Leandro! Excelente, como sempre.
Saí da poupança esse ano, e me identifico com tudo o que você escreveu. Mais um incentivo pra que eu invista mais e mais em conhecimento financeiro. É difícil descrever o prazer de clarear as ideias e superar esses tipos de medos. Obrigada, mais uma vez.

Juliana
Visitante
Juliana

Leandro, me reconheci ao ler este texto. Tenho mais de 50 anos e sempre fui cuidadosa em não gastar além do que ganho. Por outro lado, sou, ainda, conservadora nos investimentos. E percebi que perco $$ pelo medo. Próximo passo, estudar…e principalmente praticar. Obrigada pelo texto que “mexeu” comigo.

Genisson Souza
Visitante
Genisson Souza

Leandro, esse seu texto assim como todos os outros, é simplesmente esplêndido!Eu, assim como a grande maioria da população brasileira, tinha medo.Também, assim como a maioria tinha reservas na poupança.Sabia da existência de outros meios mais rentáveis,mas não conseguia sair daquela inércia econômica ,por medo. Acompanho seu trabalho há algum tempo e isso foi me encorajando, sabe? Até que em Agosto adquiri seu material e tudo mudou!! Hoje não uso poupança, uso corretoras, contas digitais,diversifiquei o que estava em poupança, a priori, em rendas fixas,uso R. de emerg. Enfim…meu muito obg!

Rafael
Visitante
Rafael

Texto fantástico.

Tiago Oliveira
Visitante
Tiago Oliveira

Ótimo conteúdo.

O medo alinhado a força de vontade para aprender
abre caminhos gigantescos.
Nunca podemos deixar o medo dominar a nossa vida.
O começo pode até parecer complicado, mas, com persistência
a escada para o sucesso vai se formando gradativamente.

Sucesso sempre Leandro.

Danlei
Visitante
Danlei

Leandro, tenho 22 anos já conheço sobre investimentos, renda fixa, variável e etc, já fiz algumas operações na bolsa em 2016, mas era muito leigo ainda, se eu soube-se da alta que teria, eu investiria tudo que tinha, agora pretendo começar esse mês fazer aportes de R$ 600,00 todos os meses e o 13° salario na bolsa de valores com visão (5 a 8 anos) longo prazo, mais ainda não sei qual a estrategia, se vou em 01 fundo de ações, carteira recomendada, se compro ações Blue chips ou small caps, se nesse período devo revisar a minha carteira, se devo começar fazer a compra das ações sem stop loss ?

Sandra Paulino
Visitante
Sandra Paulino

Olá Leandro!
Esse texto me fez recordar quando encontrei seu site, tinha muito medo e nem noção de outros investimentos, só conhecia a poupança e privada. Hoje depois de 3 anos tenho uma carteira com aplicações em títulos públicos, debêntures, Full e estou amando renda variável, recomendo a todos estudar e não ter medo.
Agradeço você Leandro por essa mudança em minha família, meu marido me dizia que eu ia perder tudo e hoje está lendo livros sobre finanças e está com sua carteira.
Minha filha tem 10 anos, estamos ensinando educação financeira e ela tem sua carteira e se surpreende.
Obrigado!!

Franklin
Visitante
Franklin

Usar um pouco de dinheiro para aprender na prática foi o que fiz em 2015, peguei meu décimo terceiro e fiz um “curso” prático no site do tesouro direto e home broker, primeiro pelo grande banco azul que tenho conta e depois abri conta na corretora preta e fiz a mesma coisa, comprei a vendi títulos públicos e ações em ambos os sistemas. No final de uns 3 meses “perdi” uns R$ 300,00 ou melhor dizendo investi esse dinheiro no meu aprendizado e acredito que foi um “curso” prático e muito barato para o retorno em conhecimento que obtive. Recomendo para todos que nunca investiram fazer o mesmo.

Marcos Fermino
Visitante
Marcos Fermino

Olá Leandro. Você se supera a cada artigo. O medo é mecanismo de sobrevivência, básico. Quando você quer superar o medo de fazer alguma coisa diferente, o que se deve fazer ? Estudar, conhecer o assunto/tema, se aprofundar. Estudar não é só na escola/faculdade, estuda-se a vida inteira. Isso é o que separa as pessoas que contornam o medo (não superam, elas acham meios para minimizar riscos) e se desenvolvem na vida, daquelas que vivem no “piloto automático”. Abraço!

Cosme Junior
Visitante
Cosme Junior

Ótimo texto! Compartilhei frases no meu status do WhatsApp. Vai que alguém lê e curte!

viviane
Visitante
viviane

Oi Leandro,
Sensacional !! Comecei a fazer parte do clube em 2016 e desde então tenho reservas, e buscado novas fontes de rendas.E a sensação de medo tem se afastado cada vez mais de mim. Sou funcionária pública e muitos dos meus colegas temem pela mudança.Ainda não consigo viver totalmente da minha segunda renda. Mas o medo está amenizado, porque tenho plena convicção que se tivesse mais tempo duplicaria o que ganho hoje. Como vc falou: “preso em local seguro” mas estou na fase de transição para viver do que acredito.Te agradeço imensamente!!! Comprem os livros!! Vale muito apena! Obrigada!

Carlos Roberto
Visitante
Carlos Roberto

Olá Leandro,
Com a aquisição de conhecimentos, podemos eliminar o medo de nossa vida e substitui-lo pela prudência e sensatez.

Anônimo
Visitante
Anônimo

Olá Leandro, eu realmente sempre tenho bastante medo quanto aos investimentos. Meus medos agora estão atrelados ao que está ocorrendo na política, e eu tenho algumas dúvidas básicas das quais tentei tirar com algumas pessoas, e das que souberam, tive alguns esclarecimentos que gostaria de confirmar. Vamos supor que o país realmente comece a “quebrar”, e por fim, “quebre”. As medidas finais e de forma crescente seriam as seguintes: 1) O governo busca recursos na poupança; 2) Em seguida, no Tesouro Direto. Logo, o investidor que ficou mais seguro é o que investiu em títulos privados. É isso?

Rafael Camacho
Visitante
Rafael Camacho

Leandro, meus parabéns mais uma vez!! Excelente artigo! Tenho ajudado algumas pessoas a buscarem forma de investir consciente e esse artigo será amplamente divulgado. Ele contempla perfeitamente tudo o que digo, porém de forma mais simples e clara! Meu parabéns é muito sucesso!!

Guilherme
Visitante
Guilherme

Que maravilha de texto, Leandro. Veio a calhar em um momento de minha vida profissional no qual haverá mudanças, e o medo estava prestes a assumir o controle. Minha confiança voltou e sei que darei conta do recado ou, no mínimo, farei de tudo para dar, devido a meu histórico de perseverança.

Concordo integralmente que o medo pode paralisar as pessoas e, no caso dos investimentos, acredito que a ignorância tem um papel fundamental antes do medo, pois muitas vezes as pessoas sequer sabem da possibilidade de fazer o dinheiro trabalhar por elas, por meio dos juros compostos.

Jônatas Gomes
Visitante
Jônatas Gomes

Parabéns Leandro, mais um excelente artigo!

Daniela
Visitante
Daniela

Obrigada Leandro pelo excellent artigo. Me fez trazer um episódio q ocorreu essa semana. A filha da proprietaria da casa onde moro chorava porque a empresa q ela trabalha esta falindo e muito provavel q seu contrato nao seja renovado… em 2020… Mes passado essa mesma cidadã foi p Disney. A proprietaria da casa q moro, sua mae, falava da viagem c a boca Cheia.. a mesma inclusive q me pediu dinheiro logo q cheguei de viagem. Dinheiro inclusive de um aluguel q deixei pago adiantado p todos os 5 meses q fiquei fora…Medo de torrar dinheiro esse povo nao tem. Incrivel.

Leonardo
Visitante
Leonardo

Esse artigo está entre os melhores que vc já escreveu, meus parabéns!

Fernando da Cunha
Visitante
Fernando da Cunha

Como sempre, excelente artigo. Parabéns!

“Quem reclama dos custos da aquisição de conhecimento é incapaz de calcular o preço que se paga por viver na ignorância…”

Compartilhe com um amigo