O perverso come-cotas faz você perder dinheiro quando investe em fundos de investimento. Quanto mais tempo o dinheiro fica investido em fundos, mais você perde dinheiro. Todos os grandes bancos como Itaú, Bradesco, Banco do Brasil, Santander, Caixa Econômica, HSBC, entre outros, oferecem para seus clientes os chamados Fundos de Investimento. Os mais comuns são os Fundos DI ou Referenciados DI e Fundos de Investimento em Renda Fixa. Dificilmente o seu gerente gastar o tempo dele alertando sobre os efeitos do come-cotas.

O come-cotas funciona da seguinte form:

Todos os meses de maio e novembro a Receita Federal abocanha uma parte de tudo que você ganhou de juros nos últimos 6 meses de investimento. É desta forma que eles cobram o imposto de renda sobre os rendimentos do fundos de investimento. Estes saques semestrais de impostos são péssimos para o investidor com o passar dos anos. Vamos ver isto mais na frente.

Quando você investe em um fundo de investimento está comprando cotas deste fundo, pedaços de um fundo ou partes de um fundo. A soma de todas as cotas compradas pelos investidores de um fundo resulta no valor do patrimônio do fundo de investimentos. O valor da cota é resultante da divisão do patrimônio líquido do fundo pelo número de cotas existentes. Chamam o imposto de renda dos fundos de investimento de come-cotas porque ele diminui semestralmente o número de cotas que você possui daquele fundo.

Vamos entender como funciona a cobrança do IR (imposto de renda) do rendimento dos fundos. O percentual do imposto é regressivo. Quanto mais tempo você ficar com o dinheiro investido, menor será o imposto. O valor máximo é 22,5% e o valor mínimo é de 15% sobre o que você ganhou de juros. A tabela é esta aqui:

Exemplos:

Imagine que você investiu no início do ano R$ 10.000,00 e nos primeiros 6 meses recebeu 5% de juros. Agora tem R$ 10.500,00 (10.000 x 0,05 = 500). No mês de maio o banco irá recolher o imposto de 15% sobre esses R$ 500,00. Isto equivale a R$ 75,00 já que 500 x 0,15 = 75. Seu saldo líquido será de R$ 10.425,00 já que 10.425 – 75 resultará em 10.425.

Vamos imaginar que durante os próximos meses a rentabilidade foi de mais 5%. Seus R$ 10.425,00 renderam mais R$ 521,25 e seu saldo ficou em R$ 10.946,25. O imposto de renda de 15% será cobrado novamente sobre estes R$ 521,25 que você ganhou. Isto representa 521,25 x 0,15 = R$ 78,18. Com isto seu saldo líquido será de R$ 10.946,25 – 78,18 = R$ 10.868,07.

Observe que durante o ano você pagou 75 + 78,18 = R$ 153,18 de impostos. Se não existisse o come-cotas e você tivesse tido 5% de rentabilidade nos primeiros seis meses e mais 5% nos meses seguintes você teria recebido R$ 1.025,00 de juros. Como existe o come-cotas você perdeu R$ 75,00 nos primeiros seis meses e depois perdeu R$ 78,18 nos seis meses seguintes.

Se não existisse o come-cotas estes R$ 153,18 pagos de imposto ficariam rendendo juros sobre juros por muitos anos e somente no final do investimento é que o imposto sobre todos os juros ganhos seria calculado.

Se você sacar o dinheiro antes de completar 2 anos, no momento do saque o governo vai ficar com a diferença entre os 15% que você já pagou e o que ainda precisa pagar com base na tabela regressiva que mostrei acima. Vamos supor que você resolveu sacar o dinheiro entre 6 meses e menos de 1 ano. A alíquota é de 20% e, por isto, no momento do saque o fundo vai reter a diferença e repassar para o governo. Se o saque for feito entre 1 ano e antes de completar 2 anos a alíquota será de 17,5%. A diferença será recolhida no momento do saque.

Vale destacar que esta tabela acima serve para os fundos de longo prazo (como Fundo DI, Fundo de Renda Fixa e Fundos Multimercado). Para fundos de curto prazo, aqueles em que o prazo médio dos títulos que compõem a carteira é inferior a 365 dias, existem duas alíquotas: 22,5% para quem investir por até seis meses e 20% para quem investir por mais de 6 meses. Não existe come-cotas para os fundos de ações e a alíquota única é de 15% cobrada quando você resgatar o que investiu.

Desvantagem do come-cotas

O Prof. Samy Dana da FGV fez um gráfico que mostra o impacto dessa cobrança semestral de imposto de renda na rentabilidade do seu dinheiro investido. Quem investe em debêntures de longo prazo e títulos públicos de longo prazo não tem esse problema do come-cotas. Nestes investimentos o imposto de renda só é cobrado no vencimento dos títulos, ou seja, quando o dinheiro investido volta para sua conta, quando você realmente coloca as mãos no dinheiro. As debentures incentivadas são isentas de imposto de renda. O investimento em LCI e LCA também são isentos de imposto de renda. O CDB tem cobrança de imposto de renda, mas normalmente esses títulos possuem vencimento de no máximo 3 ou 4 anos, ou seja, os prazos não são longos.

Antecipar a cobrança do imposto de renda é ótimo para o governo e péssimo para o investidor. Este dinheiro recolhido pelo imposto antecipado poderia ficar investido por mais tempo rendendo juros sobre juros até o saque.

O Samy Dana fez uma simulação de dois investimentos de R$ 100 mil. O primeiro foi colocado em um fundo de investimento e o outro aplicado em CDB. Os dois tinham a mesma rentabilidade de 10% ao ano. O CDB não tem come-cotas, mas você não encontrará CDB com vencimentos muito longos. Por isto o gráfico do Samy Dana serve melhor para títulos públicos de longo prazo, debêntures de longo prazo e até mesmo LCI e LCA que não possuem prazos longos, mas são isentos de impostos e você pode reinvestir no vencimento.

Observe o gráfico. Veja que nos primeiros 5 anos, a aplicação renderá 1,16% mais que o Fundo de Investimento. A diferença depois de 10 ano será de 4,44% e depois de 30 anos a diferença será de 30,71%.

Olhando o gráfico produzido pelo Samy fica fácil perceber a quantidade de dinheiro perdido no longo prazo pelo fato do imposto ser cobrado antecipadamente. No artigo do Samy ele chama isso de “efeito de perverso” do come-cotas (veja aqui). Realmente é uma perversidade se o investidor não estiver consciente da existência deste efeito no longo prazo.

Veja que os valores no gráfico estão em milhares de reais. O primeiro número é R$ 100 mil investido. No CDB o resultado seria R$ 1.498.190,00. No fundo o resultado seria R$ 1.146.160,00. Uma diferença de R$ 352.030,00 que literalmente seria perdida e drenada do seu patrimônio para os cofres do governo.

Fundos de Investimento x Aposentadoria

Como você pode ver, o come-cotas prejudica a rentabilidade do seu dinheiro em investimentos de 10, 20 ou 30 anos. Estes prazos longos são comuns quando as pessoas querem investir pensando na aposentadoria ou na independência financeira.

Os fundos de investimento cobram taxa administrativa (fonte de lucro elevado para os bancos). Para pequenos investidores esta taxa é muito elevada (acima de 1% ao ano). Fundos DI e Fundos de Renda Fixa nada mais fazem do que usar o seu dinheiro para comprar títulos públicos pós-fixados (fundos DI) e títulos públicos pré-fixados (fundos de renda fixa). Você mesmo pode comprar títulos públicos sem intermediários pagando taxas de 0,30%. Aprenda a investir em títulos públicos e outros investimentos através da minha série de livros sobre educação financeira.

Veja este outro gráfico que compara a rentabilidade do seu dinheiro investido em título público e fundo de investimento. É possível perceber o efeito do come-cotas no longo prazo. No exemplo temos R$ 1.000,00 investidos em Fundo e em Títulos do Tesouro Direto. A rentabilidade na simulação foi de 12% ao ano em um período de 30 anos. Nos títulos públicos o imposto é cobrado no vencimento ou quando você saca o valor investido. Leia o artigo que escrevi sobre aposentadoria antecipada onde os títulos públicos são importantes.

Bancos também oferecem CDBs que não cobram taxa administrativa (já que você está emprestado dinheiro para o banco) e não existe o come-cotas, só que o vencimento é de alguns anos. Investir em CDB com vencimento acima de 2 anos faria você pagar o imposto (como se fosse um come-cotas) de 15% de dois em dois anos. Já no caso do LCI e LCA que são isentos, o reinvestimento no vencimento não geraria qualquer despesa com imposto. Você só correria o risco de não encontrar outro LCI ou LCA com a mesma rentabilidade, pois os bancos mudam suas ofertas de LCI e LCA constantemente.

Uma vantagem dos fundos em relação a outros investimentos é a liquidez. Normalmente os bancos permitem que você saque o valor investido nos fundos diariamente. Em títulos como CDB, LCI, LCA e Títulos Públicos e debêntures normalmente existe uma data de vencimento que precisa ser cumprida para que você tenha a rentabilidade prometida. Fundos de investimento se tornam boas opções para aquele dinheiro que você guarda para uma emergência ou como forma de diversificação. Veja o artigo que escrevi sobre fundo de emergência.