Antes de investir você precisa prever o cenário econômico de 2014. A escolha do melhor investimento vai depender do comportamento da economia. Como não existe bola de cristal, o jeito é prestar atenção nas previsões econômicas dos chamados “especialistas”.

Os maiores economistas do país já começaram a divulgar, na imprensa, suas previsões para a taxa de juros, câmbio, inflação, mercado de ações, PIB, etc. E não precisa ser economista para prever o futuro. Empresários, diretores de empresas, políticos e até os astrólogos financeiros (fonte) fazem suas previsões econômicas. Nem sempre as previsões dos especialistas mais qualificados dão certo.

Previsões que não deram certo

Eu recomendo muito cuidado com as previsões antes de tomar decisões de investimento durante ano de 2014. E isto se justifica pelos erros das previsões econômicas que muita gente importante divulgou no último ano. O site da Exame destacou alguns desses erros e vou mostrar aqui três deles:

  • Ministro da Fazenda: O ministro da Fazenda Guido Mantega, em dezembro do ano passado, disse que o Brasil cresceria 4% em 2013 e crescemos pouco mais de 2%. Passou longe.
  • Banco Itaú: Ilan Goldfajn, economista-chefe do Itaú disse que os juros no Brasil deveriam terminar 2013 em 6,25%. Também errou feio. Estamos terminando 2013 com Selic de 10%.
  • Banco Bradesco: Octavio de Barros, diretor de estudos e pesquisas econômicas do Bradesco disse que em 2013, a cotação do dólar seria de R$ 2,00. O dólar chegou a atingir R$ 2,45 e só não está maior porque o BC lançou no fim de agosto um plano diário de intervenção no mercado de câmbio, prevendo gastos de até US$ 60 bilhões até o final do ano, para conter a escalada da moeda-norte americana.

Podemos concluir que não basta ser especialista. A realidade nunca é como o que foi previsto. Você precisa estar preparado. Veja a figura:

Tempestade Perfeita em 2014

Alguns economistas brasileiros acreditam que em 2014 teremos as condições necessárias para a formação de uma grande tempestade na econômico. A junção de condições específicas podem potencializar uma situação muito negativa. Atualmente nos encontramos na seguinte situação:

  • Inflação elevada e perto do teto da meta;
  • Desvalorização do Real frente ao Dólar;
  • Proximidade das mudanças na política monetária dos EUA;
  • Forte desconfiança em relação a política fiscal;
  • Piora nas contas públicas (o governo gasta mais do que pode, principalmente em ano de eleições);
  • Baixo crescimento econômico;
  • Risco de rebaixamento da nota do Brasil pelas agências de classificação de risco.

Eu adicionaria mais 3 pontos negativos:

  • Entre os dias 12 de junho e 12 de julho de 2014 o Brasil vai parar para assistir a Copa do Mundo. Isto representa prejuízos para muitas empresas;
  • As eleições podem gerar ainda mais pessimismo já que, dependendo do resultado das urnas, nada irá mudar;
  • Rumores de bolha imobiliária após a copa do mundo.

Na verdade não existe tempo ruim. As dificuldades para uns sempre são oportunidades para outros. Uma tempestade não é boa e nem ruim. Tudo vai depender da forma como você vê a tempestade. Qual dessas pessoas mais se parecem com você?

Leia também:  Petrobras e Lava Jato: Consequências nos seus investimentos

Onde investir em 2014

Em tempos de tempestade os melhores investimentos são aqueles que oferecem os menores riscos. Se o Banco Central continuar elevando a taxa de juros você deve aproveitar para poupar, ganhar juros sobre juros e esperar para gastar no futuro. A pior escolha nesta situação seria antecipar seu consumo pagando juros através de empréstimos e financiamentos com taxas de juros elevadas.

Leia também

Quando este artigo foi escrito a Selic estava em 10% e os economistas previam taxas ainda maiores para 2014. Quanto pior o cenário econômico, maior tende a ser os juros. Isto ocorre porque os juro alto é o remédio que o governo costuma aplicar na economia quando as coisas não vão muito bem. Quanto maior a taxa de juros pior para quem pretende se endividar e melhor para quem pretende poupar.

Tesouro Direto – Aprenda a investir no Tesouro Direto, vale a pena. No começo é um pouco complicado de entender a sopa de letrinha. Existem títulos indexados pelo IPCA que pagam a inflação + 6,03% para vencimento em 2019. Isto significa que se o IPCA (inflação) anual for de 5% você receberá 5%+6,03% todos os anos até 2019. É uma ótima maneira de proteger seu dinheiro da inflação. Lembre-se que quando a poupança remunera 6% e a inflação é de 6% sua rentabilidade é 0%. É claro que isso não é uma verdade total já que cada família possui sua própria inflação. Aprenda como Investir no Tesouro Direto.

No Tesouro Direto também existem títulos prefixados pagando 12,17% ao ano caso você resgate o dinheiro em 2017. Estes valores estavam vigentes quando este artigo foi escrito. Para saber as taxas atuais clique aqui, se não entender a tabela leia clicando aqui. Para investir no Tesouro Direto você precisa ter cuidado com a escolha da corretora ou do banco que irá intermediar o processo. As corretoras costumam cobrar taxas menores que os bancos consulte aqui.

CDB – Também é uma ótima opção. Na prática funciona como emprestar dinheiro para o banco em troca de juros. Você recebe um percentual do CDI. Para saber qual é o CDI atual visite www.cetip.com.br. Um CDB que paga 100% do CDI estará pagando a mesma Taxa DI que aparece neste site. Os bancos não cobram taxas para quem investe em CDB. Você precisa tomar cuidado com a escolha do banco.

Fundos de Renda Fixa e DI – Os bancos oferecem diversos fundos de renda fixa. Você precisa tomar cuidado com a taxa administrativa cobrada por cada fundo. Existem casos onde são tão elevadas que o investimento não compensa.

Poupança – Com a atual Taxa Selic acima de 8,5% a Caderneta de Poupança esta rendendo 0,5% ao mês + TR. A Taxa Referencial (TR) muda todo dia. Visite o artigo “Quanto Rende a Poupança” para entender sua rentabilidade que hoje em dia não é tão simples como antes.

Leia também:  Aproveite a maior taxa de juros reais do mundo

Onde aprender mais – Existem um livro digital que recomendo para aprender mais sobre Renda Fixa. Foi escrito pelo Rafael Seabra e se chama Como Investir Dinheiro (veja aqui), na verdade é um kit com vários livros, muito completo. Ele oferece uma amostra gratuita do livro e a opção está do lado do primeiro botão de compra (veja aqui). Se você deseja receber estes artigos ou se conhece parentes e amigos que precisam aprender a investir melhor mostre para eles a possibilidade de assinar o Clube dos Poupadores gratuitamente.

Planilha para comparar rentabilidade

Baixe a planilha do Excel que permite comparar a rentabilidade da poupança, fundos de investimento, CDB e alguns títulos comercializados no Tesouro Direto. Verifique qual é a rentabilidade líquida destes investimentos antes de investir. Tome cuidado com as taxas administrativas e Imposto de Renda retido na fonte. Entenda a planilha e faça o download

Cuidado com o desemprego

Acredito que 2014 não será um ano fácil. Por este motivo você deve se preparar. Se você é empregado precisa investir na sua qualificação para não correr o risco de perder o emprego caso a situação econômica desfavorável provoque demissões no setor onde você atua.

Profissionais que investem dinheiro do próprio bolso em qualificação são raros, e as empresas sabem disso. As empresas valorizam pessoas que estão sempre se atualizando. Quando uma lista de demissão é criada, os primeiros da lista são os funcionários que estão parados no tempo, com baixa qualificação, baixa produtividade e que podem ser facilmente substituídos. Você precisa se qualificar para ser insubstituível.

Li uma entrevista do pesquisador Fernando Filho da área de Economia Aplicada do Instituto Brasileiro de Economia da Fundação Getúlio Vargas (Ibre/FGV) prevendo desemprego para 2014. Segundo ele: “Caso ocorra continuidade no ritmo de desaceleração da economia brasileira no próximo ano, possibilidade considerada cada vez mais certa no mercado, a taxa de desemprego corre o risco sofrer um leve aumento“. Eu pessoalmente acho esse “leve” do lado do “aumento” importante para não gerar pânico nas pessoas.

Segundo ele a renda das famílias não cresce mais como antes:  “Tendo em vista de que a produtividade não reagiu esse ano, acho difícil a renda real crescer de forma mais intensa [no ano que vem]“, avaliou. (fonte).

Isto mostra que o problema das empresas e das pessoas é a baixa produtividade. No caso de demissões o alvo das empresas será cortar os funcionários menos qualificados e por consequência menos produtivos. E a sua produtividade depende de você mesmo. Pretendo falar mais sobre produtividade nos meus próximos artigos. Acho que existem muitas pessoas acomodadas em seus empregos sem perceber que o pior ponde estar prestes a acontecer.

Leitura recomendada: lista de livros sobre investimentos.