IPCA: últimos meses

IPCA: últimos 12 meses

Veja um gráfico de inflação mensal medida pelo IPCA (Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo) divulgado mensalmente pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística – IBGE. Veja a tabela do histórico do IPCA, mês a mês. Para acessar o gráfico anual visite aqui. A inflação é o pior inimigo do investidor. Aprenda a investir e consiga rentabilidades que superam a inflação. Conheça os nossos livros sobre investimentos.

Gráfico do IPCA mensal


O IPCA é o índice utilizado pelo Banco Central do Brasil para monitorar o sistema de metas de inflação. Para atingir a meta, o Banco Central frequentemente altera a taxa básica de juros (Taxa Selic) gerando como consequência mudanças na rentabilidade dos investimentos pós-fixados (renda fixa) que seguem a taxa DI (CDI). A taxa Selic também interfere na definição das taxas de investimentos prefixados, influência a atividade econômica e preços dos ativos de renda variável.

Logo abaixo temos a inflação mensal, mês a mês, do ano atual e do ano anterior.

Meta da inflação

A cada 45 dias o COPOM do Banco Central realiza uma reunião para definir qual será a Taxa Selic (taxa básica de juros) necessária para manter a inflação (IPCA) próxima do centro de uma meta estabelecida pelo Conselho Monetário Nacional.

​Ano ​Norma ​Data ​Meta (%) Banda (p.p.) ​​Limites Inferior e Superior (%) ​Inflação Efetiva (IPCA % a.a.)
1999 ​Resolução 2.615
​30/6/1999​ 8 2 6-10 ​8,94
​2000 ​6 ​2 ​4-8 ​5,97
​2001 ​4 ​2 ​2-6 ​7,67
​2002 ​Resolução 2.744 ​28/6/2000 ​3,5 ​2 ​1,5-5,5 ​12,53
​2003 ​Resolução 2.842
Resolução 2.972
​28/6/2001
27/6/2002
​3,25
4
2
2,5
​1,25-5,25
1,5-6,5
​9,3
​2004 ​Resolução 2.972
Resolução 3.108
27/6/2002
25/6/2003
​3,75
5,5
​2,5
2,5
​1,25-6,25
3-8
​7,6
​2005 ​Resolução 3.108 ​25/6/2003 ​4,5 ​2,5 ​2-7 ​5,69
​2006 ​Resolução 3.210 ​30/6/2004 ​4,5 ​2 ​2,5-6,5 ​3,14
​2007 ​Resolução 3.291 23/6/2005 ​4,5 ​2 ​2,5-6,5 ​4,46
​2008 ​Resolução 3.378 ​29/6/2006 ​4,5 ​2 ​2,5-6,5 ​5,9
​2009 ​Resolução 3.463 ​26/6/2007 ​4,5 ​2 ​2,5-6,5 ​4,31
​2010 ​Resolução 3.584 ​01/7/2008 ​4,5 ​2 ​2,5-6,5 ​5,91
​2011 ​Resolução 3.748 ​30/6/2009 ​4,5 ​2 ​2,5-6,5 ​6,5
​2012 ​Resolução 3.880 ​22/6/2010 ​4,5 2 ​2,5-6,5 ​5,84
​2013 ​Resolução 3.991 ​30/6/2011 ​4,5 ​2 ​2,5-6,5 ​5,91
​2014 ​Resolução 4.095 ​28/6/2012 ​4,5 ​2 ​2,5-6,5 ​6,41
​2015 ​Resolução 4.237 ​28/6/2013 ​4,5 ​2 ​2,5-6,5 ​10,67
​2016 ​Resolução 4.345 ​25/6/2014 ​4,5 ​2 ​2,5-6,5 ​6,29
​2017 ​Resolução 4.419 ​25/6/2015 ​4,5 ​1,5 ​3,0-6,0 ​2,95
​2018 ​Resolução 4.499 ​30/6/2016 ​4,5 ​1,5 ​3,0-6,0 3,75
​2019 ​Resolução 4.582 ​29/6/2017 ​4,25 ​1,5 ​2,75-5,75
​2020 ​Resolução 4.582 ​29/6/2017 ​4 ​1,5 ​2,5-5,5
​2021 ​Resolução 4.671 ​26/6/2018 ​3,75 ​1,5 ​​2,25-5,25
​2022 ​Resolução 4.724 ​27/6/2019 ​3,50 ​1,5 ​​2,00-5,00

Investimento que rende IPCA + Juros

Existem investimentos que protegem o investidor do principal efeito negativo da inflação que é a perda do poder de compra do dinheiro. Um desses investimentos é o título público chamado Tesouro IPCA+ que pode ser adquirido através de corretoras por meio do Tesouro Direto. Aprenda a investir em títulos públicos que pagam juros fixos, juros  + inflação ou juros baseados na Taxa Selic através do livro Como Investir em Títulos Públicos.

Investir em Títulos Públicos

Aprenda a conquistar as melhores rentabilidades da renda fixa através de títulos públicos que pagam juros fixos, títulos que fazem você lucrar quando os juros estão subindo, títulos que rendem mais quando a inflação dispara, títulos que depositam dinheiro na sua conta semestralmente e até títulos que valorizam enquanto os juros estão em queda livre. Aprenda a lucrar emprestando o seu dinheiro para o Governo Federal, assim como bancos, instituições financeiras e investidores fazem todos os dias gerando bilhões em lucros.