Menor taxa de juros da história


Terminamos o ano de 2017 registrando a menor taxa de juros da história. O Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central (BC) se reúne a cada 45 dias para ditar qual será a taxa Selic (taxa básica de juros da economia) com o principal objetivo de manter a inflação dentro de uma determinada meta.

Para 2017 o centro da meta era 4,5% com uma tolerância de 1,5 ponto percentual para mais ou para menos, ou seja, entre 3% e 6% (fonte). A última projeção do Banco Central indicava que a inflação em 2017 terminaria em 2,9% ao ano. Isso está abaixo da inflação mínima que seria de 3%. Teoricamente, se a inflação está abaixo do limite inferior do intervalo de tolerância, isso significa que existe espaço para reduzir a taxa de juros.

A última vez que a taxa Selic atingiu valores tão baixos foi em outubro de 2012. O menor percentual até então era de 7,25% ao ano. Naquele tempo, a taxa permaneceu nesse patamar por apenas sete meses (fonte).

Se a inflação continuar em queda é muito provável que ocorra uma nova queda na taxa Selic na próxima reunião do COPOM marcada para os dias 6 e 7 de fevereiro de 2018. Alguns economistas entrevistados pela imprensa já declaram acreditar que estamos passando pelo fim desse ciclo de queda dos juros. Como você pode observar no gráfico abaixo, a taxa de juros sobe e desce em ciclos que duram vários anos.

Como teremos eleições presidenciais em 2018 é muito provável que ocorram pressões para que os juros se mantenham baixos.  Juro baixo rende uma boa propaganda eleitoral, aquece a economia e estimula o consumo. Através dos endividamentos e com o consumismo estimulado nas famílias, as empresas produzem mais, o comércio vende mais e naturalmente o desemprego diminui. Pelo menos essa é a lógica que o Banco Central costuma seguir.

O problema é que em anos eleitorais, dependendo do movimento dos candidatos nas pesquisas, temos grandes instabilidades na economia, dólar, inflação e juros.

É importante que você entenda que os juros sobem e descem em ciclos (veja o gráfico acima). Isso significa que a única certeza que temos quando o juro está muito elevado é que um dia ele irá cair. A única certeza que temos quando o juro está muito baixo é que um dia ele irá subir.

O atual ciclo de queda dos juros começou em outubro de 2016, quando a Selic estava em 14,25% ao ano. A inflação recuou de 9% para 3% ao ano criando espaço para a redução da taxa Selic.

Quando descontamos a inflação de 2,9% ao ano da taxa Selic de 7% encontramos algo próximo de 3,98% de juros reais, ou seja, juros acima da inflação (fonte). A última vez que os juros reais estiveram nesse patamar foi em 2013.

É curioso observar que esses juros reais são menores que os juros reais pagos pelos títulos públicos Tesouro IPCA no momento em que esse artigo está sendo escrito.

 

Isso mostra que mesmo com juros na sua mínima histórica, a taxa brasileira continua sendo uma das maiores do mundo. Dificilmente você encontrará investimentos de renda fixa de baixo risco com juros acima da inflação tão elevados como observamos no Brasil.

 

Observe na tabela acima os países com as maiores taxas de juros do mundo atualmente. Não é por coincidência que encontramos países com sérios problemas econômicos, crises políticas graves e até embargos envolvendo questões militares. Juros elevados são como um prêmio pelo risco de investir nesses países.

Quando descontamos a inflação da taxa de juros. encontramos o Brasil entre as maiores taxas reais do planeta. No restante do mundo o mais comum é encontrar taxas reais negativas, ou seja, a taxa básica de juros dos países mais desenvolvidos é próxima de zero ou até negativa. Observe a coluna “taxa de juros” e “taxa de inflação” na tabela abaixo:

 

Na tabela temos a lista de países com as menores taxas de juros do mundo. Observe quais são os países que fazem parte dessa lista e compare com os países da lista anterior onde estamos inseridos.

Podemos imaginar que o Brasil terá juros reais baixos (próximos de zero) quando sua economia for equivalente à de países desenvolvidos.

O problema é que economias não se desenvolvem por força do acaso ou por um golpe de sorte. Países não enriquecem por decreto. Esse desenvolvimento depende de uma sociedade educada e preparada para prosperar, enriquecer e escolher bons políticos.

Quando observamos a lista dos países menos corruptos do mundo (veja aqui) podemos notar que os países com menores juros e inflação são os mesmos que estão na lista dos menos corruptos.

Sabemos que grande parte da inflação é gerada pelo próprio governo quando ele gasta mais do que arrecada. Quando os governos são corruptos os problemas fiscais se potencializam. Esses governos que gastam mais do que arrecadam são obrigados a manter os juros elevados para que os títulos públicos que vendem sejam atrativos. Quanto menos confiável é o governo e a economia, maiores as taxas reais que ele precisa oferecer para atrair investidores.

Para refletir sobre o futuro político do Brasil que tanto impacta os juros e a inflação, assista ao vídeo abaixo com o discurso de despedida do deputado federal mais votado na história do Brasil.

Ficou mais do que claro nas palavras da sua excelência o deputado Palhaço Tiririca que a política brasileira é uma piada sem graça, uma brincadeira de mau gosto da pior qualidade, mãe de toda miséria humana que vivenciamos nos dias de hoje.

Os políticos que temos são uma representação da sociedade que temos. Eles não caem de paraquedas em Brasília.

Nossa política, economia, juros, inflação, são retratos de uma sociedade que entende pouco sobre dinheiro, economia e política. A solução não é uma questão de mudar políticos. É uma questão de mudar a mentalidade de uma nação inteira. Isso exige tempo, talvez exija um pouco mais de sofrimento.

Enquanto isso, invista na sua educação financeira para que você possa tomar as melhores decisões sobre os seus investimentos independente do ciclo de baixa ou de alta dos juros, inflação e economia. Você não tem controle sobre esses fatores, mas tem o controle sobre os seus conhecimentos e decisões financeiras. O que está em jogo é o seu futuro e o futuro da sua família.

Continue aprendendo...

Se você gostou desse artigo, tenho certeza que também vai gostar da série de ferramentas, planilhas e livros que preparei para ajudar você. São conhecimentos e ferramentas que desenvolvi para o meu uso e que agora estou compartilhando entre os meus leitores. Clique aqui para conhecer os livros.
Esse artigo foi útil?
Deixe-nos saber, se você gostou deste artigo. Só assim podemos continuar melhorando.
Sim
Não

Sobre o Autor:

Leandro Ávila criou o Clube dos Poupadores por acreditar que o conhecimento é uma riqueza que se multiplica quando dividida. Compartilhando o que sabemos, criamos um mundo melhor. Conheça os livros que ele escreveu sobre educação financeira, investimentos financeiros e imobiliários.

203
Deixe um comentário.

avatar
600
93 Comment threads
110 Thread replies
0 Followers
 
Most reacted comment
Hottest comment thread
101 Comment authors
GiovanniEduardoCésar FilhoAndreVailton Recent comment authors
newest oldest
Glaucia
Visitante
Glaucia

Pura e triste verdade! Adorei o texto. Parabéns!

Hugo
Visitante
Hugo

Ótimo artigo! Conheci seu blog a pouco tempo e tenho frequentado bastante, material de alta qualidade. Parabéns pelo trabalho. Abraço.

Fabiana
Visitante
Fabiana

E agora com essa provavel subida dos juros, ja vale a pena trocar o tesouro pos pelo pre? Duvida cruel 🙂

Cássio Pacheco
Visitante
Cássio Pacheco

Desculpa me intrometer, mas Fabiana você está com o pensamento equivocado quanto à escolha dos títulos.
O Pré-fixado adianta as expectativas, logo, aplica-se nele caso você acredite que os juros cairão mais do que a expectativa de mercado ou subirão menos no futuro em relação à expectativa de mercado.
O que está acontecendo na prática é o movimento inverso: migração do pré para o pós…a não ser que você acredite que o afrouxamento monetário será maior ainda…daí sim vale arriscar no pré.

Vailton
Visitante
Vailton

Eu estava quase para responder mas VI que o Cassio respondeu certinho!

Raphael
Visitante
Raphael

Olá Leandro,
parece que os gráficos não estão no artigo ou é problema de permissão da minha máquina?

André Maciel
Visitante
André Maciel

Parabéns pelo esclarecimento e riqueza de conteúdo, nós como povo, temos o poder de decisão em nossas mãos, buscar e consumir conteúdo sobre finanças certamente irá nos enriquecer, não só na parte financeira mas certamente em sabedoria.
Obrigado por compartilhar.

Joanatan
Visitante
Joanatan

Obrigado Lenadro por sua palavras.precisamos muito de você como lider.tenho notado a frequência dos artigos esta diminuindo.
Qual o motivo Mestre?

Aline Amaral
Visitante
Aline Amaral

arrasou no texto… top

Leonardo
Visitante
Leonardo

Excelente matéria Leandro!, explicou exatamente o que está acontecendo com nosso Brasil.

Liza
Visitante
Liza

Prêmio abacaxi pro Tiririca!!

Henrique R PAULA
Visitante
Henrique R PAULA

Boa reflexão Leandro.

O que me causa mais espanto é concluir que a tendência é de piora no cenário político. A maioria corrompida desestimula qualquer pessoa de bem a entrar na vida política.

Quanto à análise econômica, não consigo imaginar o que pode rolar. O primeiro colocado nas pesquisar de intenção de voto para eleição de 2018 não tem projeto econômico, tem projeto de poder, o segundo colocado é uma pessoa desprezível e despreparada, a terceira via (PSDB) não sabe se briga ou produz algo de útil. Ciro Gomes que talvez fosse uma possibilidade a ser estudada, já disse wue não acredita na matriz do tripé econômico.
Não será fácil escolher o presidente ano que vem com os que aí estão. Consequentemente, se torna dificílimo prever o rumo econômico do país pós 2018.

O negócio é continuar estudando e fazendo nossos investimentos com cautela.

Carolina
Visitante
Carolina

Bom dia Leandro, estou com dificuldades em visualizar as imagens e gráficos deste artigo. Você teria alguma recomendação para me passar? Muito obrigada

Georges
Visitante
Georges

No caso, não seria “vossa excelência”, porque você não está falando “com” o deputado (segunda pessoa) mas sim “do” deputado (terceira pessoa); então o correto seria “sua excelência o deputado”.

Tiago Xavier
Visitante
Tiago Xavier

Olá, Leandro.

A taxa básica de juros sendo reduzida, na realidade isso não significa
uma grande vitória, até mesmo porque se fomos analisar as taxas que
são cobradas pelos bancos para se fazer um empréstimo, absurdo….

Infelizmente temos muitas famílias que não se preocupa em se educar financeiramente,
o Brasil tem uma taxas de juros reais muito elevada, quem consegue enxergar benefícios
mediante essa situação, consegue bons retornos.

A nossa classe politica é uma grande decepção, vergonha, pois, não está nem ai para o nosso pais.
Cabe a nos buscar conhecimentos, sabedoria para que não venhamos a padecer diante de um grupo
de pessoas “classe politica” que só faz barbeiragem….

Acredito sim, que a única maneira de transformar um pais é através da educação…não tem outro caminho,
pois, uma sociedade com sabedoria, jamais colocaria qualquer pessoa para decidir o futuro de um pais.

Excelente artigo…

Grande abraço…

Thayani
Visitante
Thayani

Sensacional seu artigo, Como sempre! Compartilho de suas ideias já a um bom tempo. Não adianta nada colocar a culpa nos políticos se você joga lixo na rua, fura a fila ou não devolve um troco errado. O nosso lindo país ainda tem jeito. não sei se ainda estarei aqui para presenciar este momento, mas estou fazendo minha parte para deixar este país melhor para as futuras gerações.

Helder
Visitante
Helder

Excelente texto. Didático, sintético e objetivo. Poupa grande parte do nosso tempo ler o seu conteúdo ao invés das matérias sensacionalistas sobre o mesmo tema. Sempre tem gente querendo ganhar em cima da ignorância, aliás é exatamente por isso que estamos onde estamos. Parabéns pelo seu trabalho Leandro, tenho certeza de que você está fazendo a sua parte no desenvolvimento desse país.

Claudio
Visitante
Claudio

Belo artigo! Bem didático.

Joel Alcantara
Visitante
Joel Alcantara

Grande deputado Tiririca … faz um belo discurso, mas depois dá uma entrevista triste ao Antagonista https://www.youtube.com/watch?v=nMVDESllsyM

Armando G.da Silva
Visitante
Armando G.da Silva

Excelente reflexão sobre a realidade do País.

Aroldo
Visitante
Aroldo

Parabéns pelo excelente e oportuno texto!…

Magno
Visitante
Magno

Como sempre Leandro, sua visão profundas das coisas! Parabéns pelo artigo.

Flávio Roberto Gomes Giraldi
Visitante
Flávio Roberto Gomes Giraldi

Ola, Leandro. Como sempre seus artigos são muito bons
Infelizmente nossa política não é das melhores. Temos muitos maus exemplos ai escancarados. Mas é como você falou a política brasileira é reflexo da sociedade brasileira. Se temos políticos corruptos é por que temos uma sociedade corrupta. Mas como o nobre Tiririca disse não são todos, mas, infelizmente, são a maioria, e o que acontece em nosso pais tem influência dessa maioria.
Se engana quem pensa que a corrupção acontece quando milhões são desviados, propinas vultuosas são pagas em troca de favores. A corrupção também está presente em pequenas ações do dia – a – dia, nas situações mais comuns. A corrupção acontece quando deixamos à ética, a moral e o respeito ao próximo de lado

Guilherme dos Santos
Visitante
Guilherme dos Santos

Olá Leandro, tudo bem? Gostaria de saber sua opinião, em qual título do Tesouro Direto escolher para investir nesse momento de baixa de juros? Eu busco um médio-prazo, possuo uma reserva na poupança e quero transferi-la para o Tesouro e todo mês fazer aportes, até juntar um valor x. Num primeiro momento fiquei afim de investir no IPCA-2024, porém estou em dúvida entre ele e o Pré-Fixado-2023. Sei que é uma opinião um tanto pessoal, porém, gostaria do seu auxilio nesse momento de baixa de juros histórica, e se talvez, o momento é de esperar a Taxa Selic sair desse ciclo de redução. Obrigado desde já, fico no aguardo! Agradeço seu ótimo conteúdo, acompanho quase todas matérias que você escreve. Você é um mentor para mim. Grande abraço!

Carlos Alberto Barbosa
Visitante
Carlos Alberto Barbosa

Excelente texto como sempre Leandro. Obrigado.

Jaqueline
Visitante
Jaqueline

Excelente artigo!
Adoro o seu blog e admiro o trabalho que você e outros educadores estão fazendo pelo país. Procuro conscientizar a todos que estão a minha volta e apesar de ser difícil consegui colher três bons frutos. Realmente é animador quando você consegue impactar a vida de alguém e ver sua transformação. Parabéns pelo seu trabalho e ajuda que tem nos proporcionado com seu conhecimento.

Renan
Visitante
Renan

Muito Bom o texto. Porém , na minha opinião, não é só questão de mudança de mentalidade, e sim, de menores poder aos governos. Redução desse Estado inchado e ineficiente. Com isso, se reduz imensamente a chance de corrupção e altos impostos. Menor regulação do estado na economia, liberdade econômica.

Natália
Visitante
Natália

Leandro, boa tarde! Sou leitora assídua de seus textos e recomendações. Excelente texto!

Alvaro
Visitante
Roberto Cardozo
Visitante
Roberto Cardozo

Aos 61 anos, já perdi a conta das vezes em que ouvi falar sobre o crescimento do Brasil, sobre seu desenvolvimento, sobre o país do futuro e por tudo que tenho visto, não acredito que tudo isso que venho ouvindo um dia terei condições de viver.

edmar
Visitante
edmar

gostei muito do conteúdo deste documento
Como faço para comprar os livros??

Ana
Visitante
Ana

Leandro,

Ótimo texto.
Para ter um ganho real mais elevado, vale a pena então migrar do TD Selic para o TD IPCA +2024?

Ricardo
Visitante
Ricardo

Ana,

Você tem reserva de emergência?
Esse dinheiro que está na Selic é para algo que tenha prazo?
Você quer acumular patrimônio?

Se tiver só esse dinheiro que está na Selic deixe-o lá e TODO DINHEIRO NOVO QUE ENTRAR, MONTE UMA RESERVA DE EMERGÊNCIA, URGENTE.
Depois que fizer isso, ESTUDE PARA DIVERSIFICAR E COM O NOVO DINHEIRO COMPRE SEMPRE AOS POUCO COM OBJETIVO DE TER OUTROS INVESTIMENTOS PARA CONSTITUIR PATRIMÔNIO OU COM OUTROS SONHOS QUE QUEIRA ALCANÇAR.
NÃO TENTE ACERTAR O MOMENTO. A resposta do Leandro é sobre isso. Se toda hora você ficar tirando e colocando em vários investimentos, terminará com menos patrimônio, pois sempre estará sustentando o sistema, pagando taxas e IR.

Ricardo
Visitante
Ricardo

Nunca, Fabiana. O Tesouro Pre vai perder pra inflação caso a inflação volte a subir. O Pre só é bom quando estamos com inflação alta e possibilidade de que o governo consiga controlá-la. Como você vê, isso era o Brasil de 2 anos atrás, agora não.

Andre
Visitante
Andre

Excelente artigo, parabéns.
Leandro procuro iniciar meus investimentos em renda fixa, basicamente cdb e tesouro direto ipca . Pois bem ; hoje, com a taxa de juros em seu menor patamar, observo que, segundo o site jurus, as melhores taxas em cdb giram em torno de 120 porcento do cdi enquanto o tesouro ipca oferece 5,5 em média. De acordo com sua experiência no acompanhamento do mercado (comportamento passado) , quando estávamos com alta da selic, 14 por cento por exemplo, o percentual de 120 do cdi oferecido hj em cdb ou 5.5 oferecido pelo td ipca tendem a subir ou diminuir, enfim, qual a tendência num cenário de alta conforme o histórico. Justifico minha preocupação pelo receio de cravar uma taxa agora e num futuro próximo (7 meses, como durou o último ciclo de baixa) ver a oferta de percentuais do cdi melhores. Obrigado.

Isaú
Visitante
Isaú

Olá Leandro!
Primeiramente parabéns pelo excelente conteúdo desse site.

Favor me tire uma dúvida: você falou que atualmente o o ipca é maior que a taxa real. Mas já lí em outro lugar (talvez até aqui no site :D) que essa taxa do ipca na verdade não é uma taxa “verdadeira” devido ainda ter o desconto do IR. Você poderia comentar algo a respeito.
Obrigado

Alex F.
Visitante
Alex F.

Oi Leandro, sempre recebo seus artigos no meu email e gosto muito deles, sempre esclarecedores. Gostaria de lhe fazer uma pergunta. A cerca de um ano e meio me mudei para o Canada, por aqui os investimentos rendem pouquissimo, cerca de 1%. Em compensacao os juros tambem sao baixos nos emprestimos e no cartao de credito. Hoje no cambio o Dolar canadense varia entre R$2,50 e R$2,60 . Ainda possuo algum dinheiro vindo do Brasil como aluguel do apartamento. Gostaria de saber se vale a pena investir em renda fixa no Brasil estando fora, se os ‘unicos riscos que corro sao no cambio.

Bia
Visitante
Bia

Amo seus textos que são claros e esclarecedores! Obrigada!

rodrigo
Visitante
rodrigo

“Os políticos que temos são uma representação da sociedade que temos. Eles não caem de paraquedas em Brasília.”

É isso. To cansado de ver gente protestando e apontando dedos pra políticos, mas não são capazes de enxergar a própria corrupção e hipocrisia. O problema do páis não são os políticos, são a própria mentalidade do povo.

Heberson P. Stroligo
Visitante
Heberson P. Stroligo

Boa tarde Leandro !

Agradeço pelo texto, tenho lido alguns de seus livros em busca da minha liberdade financeira, que tenho certeza que alcançarei, e creio que após alcança-la contribuirei para a educação financeira de muitos, como você já o faz tão bem. Serei mais um brasileiro a buscar um país mais justo e melhor para cada um de nós. !

Grande abraço.

Vamos em frente !

marcelo
Visitante
marcelo

Brilhante artigo Leandro. Só o investimento em educação nos levará a uma mudança de postura intelectual sobre economia, dinheiro e política.

Fabricio Vinhas
Visitante
Fabricio Vinhas

Mais um excelente artigo. Só acho importante pontuar que ao mencionar a natureza da riqueza das principais economias, que esse desenvolvimento depende de educação da sociedade para prosperar, enriquecer e escolher bons políticos…, é bom lembrar que a prosperidade das nações ricas historicamente também está ligada à guerras, imperialismo, escravidão, controle geopolítico de recursos energéticos, venda e tecnologia de armamento,… e por aí vai. Como seria possível romper com nosso subdesenvolvimento histórico num cenário como esse?

edmar
Visitante
edmar

Leandro

Uma dica
Qual seria o melhor investimento de 3000,00
prazo de 2 anos

Ricardo
Visitante
Ricardo

Edmar,

Você tem reserva de emergência?
Se tiver só esse dinheiro guarde-o para momentos complicados. Até aconselho a acumular mais, em torno de 6 a 12 meses de seus gastos mensais em uma poupança.
Depois disso, ESTUDE. depois que se sentir confiante em alguns investimentos que estudou, TODO DINHEIRO NOVO QUE ENTRAR, COMPRE SEMPRE AOS POUCOS OS INVESTIMENTOS COM OBJETIVO DE CONSTITUIR PATRIMÔNIO OU REALIZAR SONHOS.

jane
Visitante
jane

Nossa que texto excelente! Vi o título no e-mail e deixei tudo o que estava fazendo para ler com calma.
Muito obrigada por compartilhar conosco seus conhecimentos!

Mariana Abreu
Visitante
Mariana Abreu

Boa tarde, Leandro!

Obrigada por esse artigo tão esclarecedor. Na sua opinião, ainda é válido investir na SELIC para fundo de emergência, então?

Att.,
Mariana

Rodrigo
Visitante
Rodrigo

Excelente artigo Leandro. Meus parabéns.

Marcos Alexandre
Visitante
Marcos Alexandre

Excelente texto! Nossa triste realidade sim, um povo que em sua grande maioria, não tem uma ambição positiva, nem vontade de melhorar com seu próprio esforço. Fadados a serem parte de um cenário onde inescrupulosos traçam metas para si próprios. Que se multipliquem em nosso Brasil, leitores, professores, educadores e pessoas de boa vontade assim como o senhor Leandro. Parabéns.

Tatiane
Visitante
Tatiane

Oi Leandro,

Adoro seus textos! ainda leio pouco mas me ajudam muito. Meus parabéns! Gostaria de saber se estou no raciocínio correto. Fiz um financiamento de 150.000,00 para comprar meu apartamento. Com 13° e outras quantias que economizei consegui juntar 30.000,00, então pensei em fazer uma amortização uma vez que meu financiamento foi com uma taxa efetiva de 7,85%a.a, taxas administrativas e seguro de R$ 83,14 a.m e que tenho um perfil conservador e faço investimentos como CDB, LCI, LCA e tesouro. Com a Selic a 7% e o meu perfil é melhor realizar essa amortização no prazo do financiamento à investir nesse momento essa quantia não é?!

Ricardo
Visitante
Ricardo

Tatiane,

Faça sua reserva de emergência para 12 meses incluindo ai a parcela de seu financiamento nos gastos necessários.
Depois, tudo o que conseguir de dinheiro novo, UTILIZA PARA ABATER O SALDO DEVEDOR.
NENHUM INVESTIMENTO VAI SER MELHOR DO QUE A SUA DÍVIDA DA CASA.
INVESTIR COM DÍVIDA É SE ILUDIR.

Evandro Medina
Visitante
Evandro Medina

Educação financeira é tema da maior importância. Benditos os educadores financeiros que prestam informações de extremo valor, como você Leandro, para aqueles que procuram compreender o sistema econômico e deixar de ser enganado pelos bancos, governos e empresas que a todo momento trabalham incessantemente para levar de nós cada centavo que conseguirem, seja de forma velada ou descarada.
Lutemos contra nossa ignorância e preguiça para que possamos mudar a percepção de nossos parentes, amigos e consequentemente as gerações futuras.

Ricardo Nunes
Visitante
Ricardo Nunes

Parabéns Leandro,

Muito bom artigo! Como ainda não tive a oportunidade de conhecer países europeus onde a economia e a política funcionam bem para tirar as minhas próprias conclusões. Gostaria de saber sua opinião a respeito das seguintes dúvidas:
1 – O que acontece quando o cidadão comum Suíço ou Dinamarquês (países com taxas de juros negativo) vão ao banco no intuito de pegar um empréstimo? Se o “spread” do banco for cerca de 0,70%, o cidadão devolveria a mesma quantidade que pegou emprestado na data de quitação do empréstimo?
2 – Ainda nestes países com juros negativos, seria a classe média desses países ativa nos mercados financeiros internos destes países ou como resultado deste cenário eles são um povo muito mais empreendedor que nós somos?

Tibúrcio Barros
Visitante
Tibúrcio Barros

Olá,
Observar a história dos países bagunçados como o nosso é perceber como as coisas se repetem. E na economia a situação não é diferente. Eu tenho observado nos últimos 23 anos algumas coisas que se repetem para mim não é coincidência.
Eleições presidenciais: 1994, 1998, 2002, 2006, 2010, 2014
Crises cambiais/econômicas: 1998, 2002, 2014. Caso queira, pode até colocar 1994 nesta turma, em virtude da crise mexicana no início de 1995.
Ou seja, em 50% das eleições presidenciais no Brasil, nós tivemos crises cambiais ao longo do processo (2002) ou após o processo (1998), e crise econômica ao longo da eleição (2014). Em virtude da crise da eleição presidencial no México em 1994, no início do ano seguinte houve a crise mexicana que gerou o “Efeito Tequila”.
Ano que vem teremos eleição no México e na Colômbia, se contar países com alguma significância, além do Brasil. No México e no Brasil temos grandes chances de termos um candidato com viés de esquerda vencerem. Será que teremos outra crise no próximo ano?
O que acha?
Abraços
Tibúrcio

Luiz
Visitante
Luiz

Parabéns, Leandro. Belo artigo.
Minha visão é parecida com a sua. Por isso, não acredito que essa taxa de juros se mantenha por tanto tempo como o mercado está querendo nos fazer crer. Foi feito muito pouco para que isso se perpetue, ainda temos um déficit monstruoso e que, em algum momento, terá que ser tratado. Isso implicará em inflação ou recessão, depende da solução a ser adotada. Por isso, vamos navegando conforme está o mar, sem bater de frente com ele.
Abraço.

Cristiano
Visitante
Cristiano

Olá, Leandro! Como vai?

Talvez esta seja apenas a terceira vez que faço um comentário no seu blog, o que não reflete a leitura dos seus artigos, pois, creio que já li todos ou quase todos. É possível que seja só uma impressão equivocada, mas acho que você costumava escrever com mais frequência e digo isso porque sinto falta de ler conteúdos sérios e pertinentes como os que você publica.

Aproveitei a leitura e assisti ao vídeo do Tiririca. Acho difícil falar qualquer coisa no nosso país sem fazer alguma referência a nossa situação política. É uma situação dura e gostaria de enfatizar o verbo: ser é diferente de estar, o que nos leva à conclusão de que ela sempre foi dura, ainda que muitos de nós possamos ter boas lembranças do passado, da nossa infância, da água boa de beber, de brincar na rua,… o fato é que o Brasil sofre desmandos desde 1500 e a solução não virá na próxima eleição (com o grande exercício da democracia), a solução virá de nós, nos engajando, politicamente, sem necessariamente sermos eleitos, mas contribuindo com a nossa formação e disseminando nossos conhecimentos a outras pessoas.

O conhecimento não apenas financeiro, que é a sua área, mas o conhecimento detido por cada pessoa na sua área de expertise: advocacia e a informação sobre direitos, cidadania; magistério e o compromisso em formar mentes críticas e pensantes; estudantes e a sua capacidade de se auto-instruir e realizar trabalhos voluntários ou estágios; religiosos e um discurso mais próximo das necessidades de suas paróquias e conscientização de sua comunidade;…

Enfim, creio que apenas o efeito multiplicador que pode ser impresso por cada um de nós é que pode, verdadeiramente, mudar a face do cenário vergonhoso como o vivido, testemunhado e partilhado pelo deputado Tiririca.

Compartilhe com um amigo