Aposentadoria com Títulos Públicos

Vou mostrar neste artigo como você pode descobrir quais são os títulos públicos mais comprados pelos planos de previdência privada e fundos de pensão. Todos os meses você pode consultar estas informações atualizadas no site do Tesouro Nacional.

Quando você investe em planos de previdência ou participa de fundos de pensão, está pagando caro (através das taxas) para que estas instituições façam investimentos com o seu dinheiro até o dia da sua aposentadoria. Você está transferindo a responsabilidade de cuidar das suas economias para um terceiro. O pagamento é feito através de taxas administrativas e taxas de carregamento (que costumam ser muito elevadas). Essas instituições não fazem nenhum milagre com o seu dinheiro. Elas não fazem nada que não poderia ser feito por você mesmo com um custo muito menor. A maioria destas instituições investe seu dinheiro em títulos públicos.

Qualquer pessoa pode aprender a investir em títulos públicos. Além de ter um custo menor, você não fica obrigado a seguir as regras dos fundos e planos de previdência. Você tem total liberdade sobre o que fazer com o seu próprio dinheiro sem sofrer as penalidades impostas pelos fundos e planos de previdência. Você também não corre o risco de sofrer prejuízos por má administração dos gestores fundos de pensão.

Para saber os absurdos que os gestores dos maiores fundos de pensão do Brasil estão fazendo com o dinheiro dos trabalhadores basta ler mais sobre a situação dos fundos de pensão dos funcionários da Caixa (leia aqui), Correios (leia aqui) e Petrobras (leia aqui). Você perceberá já virou caso de polícia.

Por estes e por outros motivos é importante que você assuma a responsabilidade pelo investimento de recursos para garantir a sua aposentadoria, sem depender dos outros. Todo mundo pode e deve aprender a cuidar do próprio dinheiro. Até para escolher um bom plano privado de previdência é necessário ter algum conhecimento para não ser enganado no momento da contratação. Veja um material que eu recomendo.

Primeiro passo: Relatório da Dívida Pública

Agora vou mostrar como você mesmo pode descobrir quais títulos as instituições estão comprando para investir o dinheiro da sua aposentadoria. A primeira coisa que vamos fazer é baixar o Relatório Mensal da Dívida Pública Federal. Esse documento é publicado todos os meses no site do Tesouro Nacional. Ele apresenta informações sobre emissões, resgates, estoque, perfil de vencimentos e custo médio, dentre outras, para a Dívida Pública Federal. Visite esse endereço aqui para baixar o relatório do último mês. Na mesma página você encontrará as Tabelas do Excel para baixar.  Normalmente eles publicam os novos relatórios na última semana do mês. No final da página do Tesouro existe o link para acessar o calendário de publicações.

Esse aqui é um exemplo:

Neste artigo vou utilizar o relatório de dezembro de 2015 como exemplo. No item 2.4, na página 14 temos o subtítulo “Detentores” onde podemos observar quem são os maiores detentores de títulos públicos.  Nessa página você encontrará a tabela abaixo:

Os maiores detentores de títulos públicos brasileiros foram divididos em categorias. Vou comentar e descrever cada categoria:

Instituições Financeiras: Estão em primeiro lugar e possuem 25,01% de todos os títulos públicos emitidos pelo Tesouro. São os grandes bancos comerciais, bancos estatais, bancos de investimento e corretoras. O dinheiro que eles investem é o dinheiro dos correntistas do banco. O papel dos bancos é pegar emprestado para poder emprestar. Quem mais pega dinheiro emprestado da sociedade são os bancos e quem mais empresta dinheiro para o governo são os bancos. É por isso que o gerente do seu banco jamais vai perder o tempo dele explicando como funcionam os títulos públicos. Sua ignorância sobre os títulos é uma grande fonte de lucros para os bancos.

Previdência: Essa categoria fica em segundo lugar. Possui 21,37% de todos os títulos públicos emitidos. Aqui temos todos os planos de previdência aberta, previdência fechada e RPPS (Regime de Previdência dos Servidores Públicos). O dinheiro que você investe nestes planos de aposentadoria são utilizados para comprar títulos públicos. Estas instituições lucram para fazer algo simples que você mesmo poderia fazer se soubesse investir seu próprio dinheiro.

Fundos de Investimento: Ficam em terceiro lugar com 19,55% dos títulos. São os fundos de investimento, os mesmos que os bancos oferecem para os clientes cobrando taxas administrativas elevadas. Quando você investe em Fundos DI, Fundos de Renda Fixa e Fundos de Inflação, o gestor do fundo usa seu dinheiro para comprar títulos públicos. Para fazer isso eles cobram taxas administrativas e com isso ficam com uma parte da sua rentabilidade.

Não-residentes: Estão em quarto lugar com 18,79% dos títulos. Essa categoria representa todos os investidores estrangeiros pessoa física e jurídica. Isso inclui os fundos de investimento internacionais. É curioso observar que existem mais estrangeiros comprando títulos públicos do que brasileiros adquirindo esses títulos diretamente.

Governo:  O governo é responsável por administrar dinheiro dos trabalhadores e dos contribuintes através de alguns fundos. Um exemplo é o FGTS. O dinheiro do seu FGTS não fica parado. Ele é investido e títulos públicos (e em outros investimentos), rende juros elevados e você só recebe 3% ao ano + TR.  Nessa categoria também está o dinheiro do fundo soberano, FAT, fundos garantidores, etc. Todos juntos possuem 5,77% dos títulos públicos.

Seguradoras: Quando você faz o seguro do seu carro, da sua casa ou quando paga um plano de saúde, seu dinheiro não fica parado esperando acontecer alguma coisa ruim na sua vida. As seguradoras investem seu dinheiro em títulos públicos e lucram com os juros sobre juros. Na prática as seguradoras lucram fazendo aquela reserva de emergência que você não tem, mas que deveria ter. As seguradoras possuem 4,58% de todos os títulos públicos.

Outros: Aqui estão as sociedades de capitalização que são as instituições que emitem os títulos de capitalização que os gerentes de banco tentam vender para os clientes mais leigos. Os títulos de capitalização possuem rentabilidades vergonhosamente baixas (já escrevi sobre isso) mas lucram muito com o seu dinheiro. Também está nesta categoria todas pessoas físicas que compram títulos públicos através do Tesouro Direto. A categoria “Outros” possui 4,94% dos títulos públicos.

Todo mundo lucra com a sua ignorância:

A quantidade de títulos vendidos pelo Tesouro Direto para as pessoas físicas é tão pequena, tão insignificante que não existe uma categoria separada para esse tipo de investidor na tabela do relatório. As pessoas ficam dentro da categoria “Outros”.

Você percebeu que todo mundo pega o seu dinheiro e investe em títulos públicos? Bancos, fundos de investimento, seguradoras, fundos de pensão, títulos de capitalização e até o FGTS investe seu dinheiro em títulos públicos. Quanto menos você souber investir seu próprio dinheiro, mais você estará trabalhando para garantir os elevados lucros de diversas instituições financeiras. Você é o único interessado e beneficiado quando resolve se educar financeiramente.

Somente 0,94% de todos os títulos públicos emitidos pelo governo foram comprados por pessoas físicas através do Tesouro Direto. Esse número representa o tamanho da nossa ignorância. Somente R$ 25 bilhões dos mais de R$ 2.6 trilhões foram comprados diretamente pelas pessoas.

Em dezembro de  2015 o Tesouro vendeu mais de R$ 50 bilhões em títulos. As pessoas só compraram R$ 1.5 bilhões. Parece pouco, mas a situação já foi pior. Somente agora as pessoas começaram a descobrir os títulos públicos. Em 2015 as vendas de títulos através do Tesouro Direto saltam 190% em 2015 (fonte).

O gráfico abaixo mostra o crescimento (em milhões de R$) do estoque de títulos públicos nas mãos dos investidores pessoa física.

Como os planos e fundos de previdência investem nosso dinheiro?

O próximo gráfico mostra como as instituições de previdência estão investindo o dinheiro das pessoas. Você também poderá ver como outras instituições investem.

Primeiro vamos identificar a legenda:

Índices de Preço: São títulos públicos que rendem uma taxa fixa + um índice de inflação como o IPCA. É o caso do título NTN-B que hoje é chamado de Tesouro IPCA+ com juros semestrais. É importante destacar que as instituições financeiras não podem comprar o NTN-B Principal (Tesouro IPCA+). Esse título só é comercializado para pessoas físicas através do Tesouro Direto.

Prefixados: Estamos falando do título LTN que para as pessoas físicas é vendido com o nome de Tesouro Prefixado (LTN). É o título que paga uma taxa de juros fixa.

Taxa Flutuante: É o título LFT que podemos comprar no Tesouro Direto com o nome de Tesouro Selic (LFT). Paga uma taxa equivalente a taxa Selic diária. A rentabilidade desse título acompanha os aumentos ou reduções da Taxa Selic.

Observe no gráfico que os planos e fundos de previdência investem 58,6% de todo dinheiro que conseguem captar das pessoas em títulos NTN-B ou Tesouro IPCA+. É o único título que garante a correção do dinheiro pela inflação (IPCA) somado a uma taxa de juros fixa. Isso garante uma rentabilidade real (acima da inflação). A principal preocupação de quem acumula recursos para a aposentadoria é garantir o poder de compra do dinheiro no futuro. Essa é a principal característica desse título. Apenas 18,6% do dinheiro é investido em títulos prefixados (como o Tesouro Prefixado) e 22,8% ficam títulos com taxa flutuante como o Tesouro Selic (LFT).

No gráfico acima podemos observar que são as instituições de previdência que fazem investimentos mais longos com vencimento acima de 5 anos. Instituições financeiras e não-residentes (investidores internacionais) são os que compram títulos com vencimentos mais curtos. É importante destacar que estas instituições possuem acesso a títulos públicos com os mais variados prazos de vencimento. Através do Tesouro Direto as pessoas físicas possuem um número pequeno de possibilidades de vencimento.

Quais títulos as pessoas estão comprando?

Também é possível descobrir quais são os títulos públicos que as pessoas estão comprando mais. A tabela 1.4 aparece na página 7 do relatório que estamos usando como exemplo:

Podemos observar na coluna “Emissões” que em dezembro de 2015 o título mais comprado pelas pessoas físicas foi o Tesouro IPCA representando 40,24% das compras. Em segundo lugar temos o Tesouro Selic com 26,94% e depois temos o Tesouro Prefixado com 20,11%. O Tesouro IGPM não é mais comercializado (já faz tempo).  Na coluna “Estoque” podemos observar quantos títulos estão em poder das pessoas físicas.

Se você observar o relatório de dezembro do Tesouro Direto (veja aqui) verá que a carteira de títulos públicos dos brasileiros tem a seguinte distribuição:

Mais da metade (51,3%) de todo dinheiro que as pessoas físicas já investiram em títulos públicos está em títulos indexados à inflação como o Tesouro IPCA+ (NTN-B e NTN-B Principal). O Tesouro Selic representa 26,9%. Os prefixados como o Tesouro Prefixado (LTN e NTN-F) representam 21,7%.

Antes que você tente utilizar essa distribuição para criar sua carteira de investimentos é importante alertar que nem sempre essa carteira acima será a melhor para todo tipo de investidor. É importante conhecer as características de cada título público e investir com base nos seus objetivos para o seu dinheiro. Aqui no Clube dos Poupadores já existem muitos artigos sobre títulos públicos.

Hoje o Rafael Seabra vai transmitir uma aula gratuita com o tema “Como Salvar sua Aposentadoria”. Aproveite para fazer perguntas ao vivo para ele sobre títulos públicos e aposentadoria. Para participar basta se inscrever visitando aqui.

Continue aprendendo...

Se você gostou desse artigo, tenho certeza que também vai gostar da série de ferramentas, planilhas e livros que preparei para ajudar você. São conhecimentos e ferramentas que desenvolvi para o meu uso e que agora estou compartilhando entre os meus leitores. Clique aqui para conhecer os livros.
Esse artigo foi útil?
Deixe-nos saber, se você gostou deste artigo. Só assim podemos continuar melhorando.
Sim
Não

Sobre o Autor:

Leandro Ávila criou o Clube dos Poupadores por acreditar que o conhecimento é uma riqueza que se multiplica quando dividida. Compartilhando o que sabemos, criamos um mundo melhor. Conheça os livros que ele escreveu sobre educação financeira, investimentos financeiros e imobiliários.

275
Deixe um comentário.

avatar
600
124 Comment threads
151 Thread replies
0 Followers
 
Most reacted comment
Hottest comment thread
125 Comment authors
RafaelRenanNIVEALuis FernandoNivaldo Recent comment authors
newest oldest
Renan
Visitante
Renan

Muito bom, legal saber essas informações do que as pessoas estão comprando. Tenho 22 anos comecei a investir ano passado e como não tinha nada de experiência acabei travando com uma taxa de 13,6 na LTN. Agora que tenho mais experiência até explico para alguns amigos como funciona e indico seu blog.

Alexandre
Visitante
Alexandre

Excelente artigo, parabéns! Acredito hoje que o investimento em títulos é a maneira mais fácil de se investir e, conforme aprendi em seus artigos, a mais segura também. É pena ver as pessoas se prendendo aos seus planos de previdência privada e poupança como se fossem tábuas de salvação, isso os que ainda poupam algo no final do mês. A imensa maioria continua mesmo é pegando empréstimos e pagando juros exorbitantes aos grandes bancos, que batem recordes de lucro todo ano.

Muito obrigado pelos seus ensinamentos valiosos, sem “economiquês” complicado e indo direto ao ponto!

Abraço e sucesso sempre!

Helvecio
Visitante
Helvecio

Se eu compro Título do Tesouro através de uma corretora nesses dados que vc colocou, estou como corretora ou como outros(pessoa física)?

Maiconaz
Visitante
Maiconaz

Simplesmente perfeito. É uma vergonha para o país a ignorância financeira da população, mas um trunfo para os bancos, políticos e governo.

Alvaro Mota
Visitante
Alvaro Mota

Ótimo artigo Leandro, pena que a maioria das pessoas ficam com medo de investir por conta própria, com isso o que tem de gente com estes planos de previdência pagando altas taxas de administração e com o rendimento comprometido. O brasileiro tem que aprender a buscar informação e conhecimento, temos que deixar de ser alienados pelo marketing.

Rafael Fritsch
Visitante
Rafael Fritsch

Tchê, evoluí muito no conhecimento sobre educação financeira a partir das leituras dos teus artigos. Parabéns pelo trabalho. Agora, sinceramente, vale à pena investir em título públicos com baixos recursos? Assim, eu não tenho muita grana, queria comprar uns títulos com no máximo R$ 5.000,00 para ver como é (experimentar esse tipo de investimento) e ficar acompanhando os valores dos títulos para eventualmente vendê-lo em um momento de alta ou de uma necessidade. Sei que a venda antecipada pode gerar perdas, mas pelo que sei, eventualmente pode gerar ganhos também. Minha dúvida então é: se eu fizer compra de títulos para especular, ver como é e eventualmente vender lá adiante (em um, dois, ou cinco anos), terá sido bom negócio ou eu terei somente perdas com os custos de corretagem, custódia, etc.? Valeu!

Valéria D.
Visitante
Valéria D.

Leandro,
Parabéns! Seus textos são excelentes: diretos, fundamentados, cheios de exemplos e recheados de referências significativas. Comecei a investir em títulos públicos recente (e timida)mente. A leitura desse post só aumentou meu interesse e despertou ainda mais o meu desejo por educação financeira.
Parece uma pergunta boba, mas mesmo assim vou perguntar. Se todo mundo investe em título público (instituições financeiras, fundos de investimento, seguradoras e o próprio governo) isso implica dizer que não há risco comprando títulos públicos? E se houver um grande calote para quem comprou títulos públicos?

Guilherme
Visitante
Guilherme

Ótima matéria, Leandro, como sempre… Obrigado!
Sou servidor público federal e contribuo com um fundo de pensão para minha aposentadoria, como a imensa maioria dos meus colegas. Estou pensando seriamente em abandonar essa formula e passar a investir um valor maior em tesouro ipca (já invisto um pouco mensalmente). Ate que ponto vale a pena fazer isso? Não é ruim apostar tudo no ipca? O que eu devo saber antes de abandonar o fundo de pensão? Muito obrigado mais uma vez!

Ezequie
Visitante
Ezequie

Guilherme, no seu caso, se o Fundo de Pensão é do órgão do governo e há contra-partida da empresa, sugiro fazer como o Leandro recomenda … dar uma analisada e estudar a respeito! Pois se há contribuição da patrocinadora, o calculo do benefício no momento da aposentadoria contempla a soma de todo montante, ou seja, você terá uma reserva com o dobro do valor!

Gustavo
Visitante
Gustavo

Excelente comentário Leandro!
“Todo mundo vai fazer força para divulgar as vantagens. As desvantagens você encontrará nas letras pequenas do contrato”
Parabéns também por toda instrução disponibilizada! Conteúdo de primeira!

Daniel
Visitante
Daniel

Ano passado, graças ao Clube dos Poupadores, comecei a estudar muito e me educar financeiramente. Meu caso é semelhante ao seu. Sou funcionário em uma empresa estatal e pagava 12% do meu salário ao fundo de pensão, no intuito de “morder” o máximo de R$ que a empresa poderia me pagar. Fiz várias contas e percebi que no médio prazo, já é muito mais vantajoso para quem investe por conta própria, uma vez que os juros compostos passam a totalizar um valor muito superior à contribuição da empresa. Lembrando que com muito estudo, sou capaz de investir meu dinheiro em algo que renda muito mais juros que as aplicações feitas pelo fundo de pensão. Se no médio prazo já é vantajoso, imagine no meu caso, que passaria contribuindo aproximadamente 35 anos (tenho 25 anos). Somei a tudo isso o fato de eu poder “me aposentar” no momento que achar necessário, ter liquidez para investir nas melhores oportunidades e o que considero muito importante: ver o meu dinheiro se multiplicando, sabendo que é meu e não dependo de outra pessoa para administrá-lo e deixe de ganhar dinheiro. Hoje pago 2% ao fundo de pensão (a % mínima) e invisto outros 15% para aposentadoria. Ou seja, com o objetivo de me aposentar mais cedo, fiz o sacrifício de aumentar em 5% o montante que invisto para este fim, fazendo isso sem terceirizar essa responsabilidade.

Francisco
Visitante
Francisco

Sou funcionário de uma sociedade de economia mista e também já pensei muito nisso. Infelizmente não posso reduzir minha participação no fundo de pensão a 2% como você fez, o máximo q posso fazer é cancelar minha participação. Não sei se tenho maturidade financeira para tanto, mas estou investindo por conta própria as economias q me sobram.

Guilherme
Visitante
Guilherme

Esqueci de falar que tenho 30 anos e contribuo há apenas 2 anos

Mr. Webster
Visitante
Mr. Webster

Mais um excelente artigo riquíssimo em informações.
Como diria o matuto: “a iNgnorância aStravanca o pOgresso”.
Mesmo a maioria de nós, que frequentamos o blog, e somos bem mais informados que a maioria das pessoas, costumávamos cometer erros e equívocos com o destino dado ao nosso rico e suado dinheirinho. Quanto mais leio e aprendo, mais sinto-me sedento em estudar o assunto.
Parabéns mais uma vez a você, Leandro, sempre com excelentes artigos que visam reduzir a nossa ignorância, trazendo-nos informações úteis e de qualidade.

Vinícius
Visitante
Vinícius

Obrigado, Leandro. Tenho me valido muito das informações do site. De uns meses pra cá comecei a investir no Tesouro Direto, antes aplicava em LCA, mas as taxas caíram. Consigo poupar 3 mil reais por mês e não pretendo usar este dinheiro que acumulo num prazo de 3 a 4 anos. Alguma sugestão de aplicação?
Um abraço e obrigado pelo material disponibilizado.

André
Visitante
André

Boa tarde Leandro,

Acompanho o site já faz um tempo e essa é minha primeira participação, gostaria de parabenizar pelo excelente trabalho de educação financeira e por mais um ótimo artigo.
Minhas dúvidas:

1- Você mencionou no artigo que apenas pessoas físicas podem comprar títulos atrelados à inflação, no caso o Tesouro IPCA+. Porém a maioria dos detentores dos títulos públicos são compostos por pessoas jurídicas e possuem esses títulos, conforme o gráfico que mostra como as instituições investem. Há um erro de interpretação? Ou as instituições podem investir de outra forma em títulos corrigidos pela inflação?

2- Reconheço que planos de previdências são péssimos investimentos em termos de rentabilidade, mas e no caso em que está embutido um “seguro de vida”? Sei da importância de acumular uma reserva para emergência e aposentadoria, mas, e se por exemplo, um pai de família com menos de 30 anos, que ainda não teve tempo de acumular capital suficiente para garantir o seu futuro e de sua família em caso de morte, invalidez ou desemprego poderia se prevenir no caso de um sinistro? Qual seria sua recomendação nesse caso? Conheço pessoas que reconhecem que esses planos de previdências de empresas públicas estão enfrentando sérios problemas de administração, porém não abrem mão desses “investimentos” justamente pelo fato de possuir um seguro de vida.
Abraço.

Marcelle
Visitante
Marcelle

Leandro,
observando o gráfico de emissões de dez/2015, a maioria das pessoas compraram títulos IPCA+ em vez de prefixados.
Considerando uma precificação média do título prefixado a 16% e o título da inflação paga IPCA + 6%, estariam esperando que a inflação se manterá acima de 10% ao ano para os próximos anos?

Esse pensamento se mantém correto agora em janeiro, após a decisão do copom em não alterar a selic?
Eu estava achando boa a taxa do prefixado, mas vejo que a maioria pensa diferente.
O que mais devo considerar para esta análise?

Ezequie
Visitante
Ezequie

Leandro, há apenas uma omissão na sua análise. Muitos dos fundos de Previdência são fechados (inclusive os que vc citou) e que contam com a contra-partida da patrocinadora. Ou seja, todo valor que vc recolhe, a patrocinadora faz o recolhimento do mesmo valor! Nestes casos, com sua análise foi para aposentadoria, o participante já tem um ganho de 100% no valor aplicado para efeito de cálculo da aposentadoria!

Daniel
Visitante
Daniel

Olá Leandro. Tudo bem?!
Desculpe fugir do assunto. Estou interessado no curso sobre ações do Leitão (Leitão em ação).
Você conhece? Achei um pouco caro e agora estou na dúvida se faço algum dos que você indicou ou esse do Leitão.
Desculpe-me novamente pela mudança de foco.
Abraços e obrigado pela ajuda.

Ricardo
Visitante
Ricardo

Mais uma vez parabéns pelo excelente artigo.
Tema muito importante e atual, especialmente a parte que fala de Planos de Previdência e Fundos de Pensão.
Para mostrar como o tema é atual, olha a notícia que saiu hoje na Folha (27/01/206) sobre a Petros: http:/m.folha.uol.com.br/mercado/2016/01/1733885-membros-de-fundo-da-petrobras-terao-de-cobrir-rombo-na-estatal.shtml
Me custa a entender porque certos “especialistas” em economia e educação financeira ainda recomendam esses Planos de Previdência oferecidos pelos bancos. O que mais conheço são amigos que querem sair disso mas acabam ficando para não perder mais dinheiro.
Na minha opinião o Fundo de Pensão, na teoria, era para ser um bom negócio para o empregado, pois a empresa contribui para o fundo com o mesmo montante do empregado. O problema é justamente a administração desses fundos, a falta de transparência e a indicação dos administradores, predominantemente política, em detrimento da técnica.
Abraços.

Marco Vasconcelos
Visitante
Marco Vasconcelos

Como alguém que acabou de ser “beneficiado” com uma pensão por morte que veio com um valor bem abaixo do que o esperado, devo admitir que seu artigo foi muito esclarecedor. No final das contas,o que essas seguradoras querem é comer o seu dinheiro. Muito melhor teria sido se os pagamentos mensais tivessem sido administrados pela própria família.

Obrigado Leandro!

Tiago
Visitante
Tiago

Muito bom Leandro, sempre trazendo informações de qualidade ! Parabéns pelo excelente trabalho !!

Giovanni Martina
Visitante
Giovanni Martina

Oi Leandro, existe um erro na parte da explicação das seguradores. As seguradoras possuem 4,94% de todos os títulos públicos. O porcentagem correta deveria ser 4,58% conforme a tabela dos detentores.

Belo trabalho como sempre

Elias
Visitante
Elias

Excelente artigo Leandro. Uma síntese muito esclarecedora sobre o TD. Graças ao seus artigos fiz meus primeiros investimentos em Títulos do Tesouro.

Gilmar Passos
Visitante
Gilmar Passos

Obrigado Leandro por essas, e tantas outras informações importantíssimas para quem tem interesse na educação financeira.Como diz um grande investidor mundial ” Se você acha caro a educação, tente a ignorância”. Ontem estava assistindo um programa sobre finanças pessoais, onde foi feita uma pesquisa sobre planejamento financeiro para saber qual porcentagem da população brasileira controlam seus gastos.Fiquei pasmo ao saber que em torno de 50% da população brasileira não faz nenhum tipo de controle dos seus gastos. Graças a muita dedicação e esforço e a muitos blogs igual ao seu, não faço mais parte dessa estatística.Muito obrigado.

Kleber Lima
Visitante
Kleber Lima

Valeu Leandro por mais esse rico artigo!

Marcio
Visitante
Marcio

Olá Leandro. Excelente artigo, como de costume.
Recentemente houve a quebra de uma corretora e fiquei com a seguinte dúvida: digamos que no momento do vencimento de um título (IPCA + 2035, por ex.) o dinheiro vai para a conta da corretora e a pessoa não faz o resgate de imediato. Se nesta curta janela de tempo a corretora quebra, é possível resgatar este dinheiro? Existe alguma forma de se proteger de um eventual problema com a corretora após passar tanto tempo fazendo aportes no tesouro direto? obrigado.

diogo
Visitante
diogo

Leandro você não tem dimensão da diferença que você e seu trabalho através de seu site fizeram na minha vida. Até 18 meses atrás eu imaginava que a única alternativa de investimento para mim era a simples e velha poupança. Nos meus 31 anos, já graduado, concursado e com especialização eu mal conseguia entender o que era inflação, IPCA e que a poupança é uma forma de o governo lucrar em cima da nossa ignorância. De lá pra cá, graças a SEUS ARTIGOS, INFORMAÇÕES E ENSINO abri conta em 02 corretoras, investi em CDB pré fixado e resgatei, investi em LCI pós fixada e resgatei e hoje tenho um montante em dinheiro em guardado de quase 30mil. Sou concursado desde os 22 anos e nunca consegui uma proeza dessas. Mas depois que descobri esse site consegui me educar e fazer a diferença em minha própria vida. Hoje todo o meu dinheiro encontra-se no TD dividido em LFT, LTN e NTB. Infelizmente, como fiz LTN o ano passado para conhecer acabei pegando uma taxa de juros bem menor do que a atual. Mas agora consigo julgar, qual o título mais apropriado para o meu momento. Graças a você! Eu já te agradeci e tudo que eu posso fazer é pedir que Deus lhe abençoe e lhe devolva toda essa prosperidade que vc está no ajudando a conquistar através da educação. Muita luz e sucesso para você e para todos os leitores do seu site.

Eliane Lenz
Visitante
Eliane Lenz

Olá Leandro, investi há alguns meses no tesouro direto NTN-B Juros Semestrais, aproveitando este período de taxas atrativas, escolhi uma corretora para pegar menores taxas, o problema que esta corretora aplicou no mercado secundário, não conhecia esta possibilidade e não gostei da falta de transparência,também acabaram cobrando taxas equivalentes a um grande banco, a quem devo
recorrer para obter maiores informações?

carlos Marins
Visitante
carlos Marins

Boa tarde.
Olha Leandro, faço minha as palavras do Diogo. Apesar de ter formação superior e conhecer um pouco sobre finanças, estava na MANADA DORMENTE dos que deixavam na poupança todo o suor das economias.
Acompanhando suas dicas e com leituras paralelas. Já LIMPEI 90% do estoque em poupança e diversifiquei o investimento em tesouro, algumas ações com capacidade de dividendos e outros ativos em LCI, (mesmo sabendo do risco de tributação)
OBRIGADO Leandro, que vc possa cada vez mais utilizar este espaço para auxiliar a todos a ABRIREM os olhos e melhorar a educação financeira.

Carlos
Visitante
Carlos

Leandro, o Stephen Kanitz, que sou um admirador, sempre publica alguma coisa alfinetando quem compra títulos públicos. Eu sou um comprador de títulos públicos, mas confesso que as vezes fico ressabiado. Hj em dia TODO conhecimento que vc buscar sobre investimento conservador, o mesmo orienta a ser em títulos públicos. Não fica parecendo aquela coisa de “manada”? Além do que, em outra ótica, vc está ajudando a arrolar essa dívida pública, dando cada vez mais poder (dinheiro) pra um governo sempre desastrado. Enfim, são apenas lances que as vezes me passa na cabeça. Eu não tenho conhecimento técnico para debater, principalmente com o Kanitz.

Aproveitando, já vi o Kanitz falando que os melhores investimentos, na visão dele, seria Bitcon. Não achei aqui no clube sobre esse assunto. Tem? Poderia uma hora explanar para gente? Sei que pode desviar um pouco do foco, pois acredito que esse tipo de investimento seja para conhecimento intermediário/avançado, o que foge do escopo do clube.

Abraços e parabéns pelo blog, sempre te acompanho.

Jonas
Visitante
Jonas

Boa noite Leandro,

Tenho buscado informações acerca desse investimento e realmente é muito elucidativo o que apresentas por aqui, parabens! . Estou com certo valor e desejo investir no tesouro direto.
Mas tenho uma pergunta: Existe forma de mensurar risco ( se é que existe) neste tipo de investimento? Falo isso quando penso nos informativos diários de jornal e televisão sobre a falta de confiança que o Brasil tem gerado interna e externamente, a primeira coisa que me vem a mente são os comentários de o Brasil se transformar em uma Argentina não cumprindo seus compromissos.
Peço perdão se a pergunta parecer tola mas essa crise moral do governo tem me deixado sempre com um pé atrás.

Desde já agradeço, muito obrigado e pode contar com minhas indicações para o site!!

Leonardo
Visitante
Leonardo

Leandro, muito bom artigo.

Andei pesquisando sobre renda variável e quanto mais estudo mais certeza eu tenho de que o tesouro direto é o melhor investimento para aposentar… estou apostando no IPCA+ e pretendo investir em mais longo prazo…. Leandro, caso eu compre um tesouro IPCA+ 2035 e a inflação caia, em algum momento o tesouro IPCA+ renderá menos do que o tesouro selic? Leandro tenho outra duvida, no tesouro IPCA semestral, de onde são retirados os pagamentos semestrais (o total de juros ou também do principal?)

Rafael Luiz da Silva
Visitante
Rafael Luiz da Silva

Olá Leandro, obrigado por mais um artigo didático e bem esclarecedor. Apenas fiquei com uma dúvida, como seria possível aposentar somente com títulos públicos dado que o limite por CPF no tesouro nacional é de 400k? Esta informação procede? Se sim, caso eu queira por exemplo aposentar com 6k por mês eu ficaria limitado a 4k, assumindo um rendimento mensal de 1% como o que temos hoje… Há alguma coisa que eu deixei de considerar? Parabéns pelo o excelente trabalho e muito obrigado!

At.
Rafael

Rafael
Visitante
Rafael

Olá Leandro, parabéns por este artigo, o que aconteceu? Dia 19,22,25 e 27 deixou de ser semanal? Muito bom ler suas dicas.
Agora participando e acompanhando o blog.

Adilson Ferreira
Visitante
Adilson Ferreira

Parabéns pelo seu artigo, tenho um colega de trabalho que mal acabou de pagar um empréstimo no banco já adquiriu outro, pegou 4 mil e vai pagar 7mil e uns quebrados segundo ele, pois não sei que tipo de empréstimo fez.
Eu até quis dar uns conselhos pra ele mas é tipo aqueles cavalos que usam cabresto, não enxerga nada ao seu redor e infelizmente a grande maioria da massa é assim.
Se eu tivesse certeza que ele iria honrar o pagamento, eu mesmo emprestaria a ele e cobrava a metade que o banco cobrou, seria um belo investimento pra mim rsrsrs.

Walter
Visitante
Walter

Parabéns mais uma vez Leandro. Excelente matéria. Precisamos divulgar mais e mais esta opção de investimento para a população Brasileira.

Emiliana
Visitante
Emiliana

Leandro, ontem lhe fiz uma pergunta e achei que tinha passado batido e hoje aparece este artigo tao esclarecedor ! Obrigada por clarear nossos caminhos. Hoje eu tinha pensado em ver a composicao de uma previdencia e voce apareceu com tudo mastigado. Tenha conviccao da sua Importancia para os seus leitores. Felicidades !

Eli
Visitante
Eli

Olá Leandro eu invisto em previdência privada e já fiz vários cálculos na calculadora do tesouro direto e o valor que meu dinheiro renderia tirando a taxa de adm e IR seria o mesmo que colocando no tesouro direto, e tb prq pretendo tirar o dinheiro a curto prazo pra comprar uma casa. Fato é que, não sei de nenhum investimento que renda 1% ao mês liquido mesmo com a selic a 14,25.

José Marconi
Visitante
José Marconi

Boa noite Leandro! Vc tem promovido uma verdadeira revolução na educação financeira
deste país cujo governo se esforça para manter o povo na ignorância e escravo de instituições financeiras.
Aproveito para fazer o seguinte questionamento: tenho um plano de previdência para minha filha, e grande interesse de retirar esse dinheiro e aplicar no TD, contudo tenho dúvida quanto aos aportes mensais, bem como o prejuízo que teria com a retirada do valor antes da data, embora o saldo atual seja apenas de 10 mil com vencimento para mais 10 anos. Com a atual taxa de juros, acredito que eventual prejuízo seja superado.
Marconi

Maria Elizabeth Costa Bezerra
Visitante
Maria Elizabeth Costa Bezerra

Muito interessada em aprender como investir . Gostei do que estou lendo, pois sou leiga no assunto. Meu filho já faz e aconselhou-me a aplicar no que mais se encaixa no meu perfil: LTF. Obrigada pelos esclarecimentos..

Daniel Nascimento
Visitante
Daniel Nascimento

Amanhã mesmo abro uma conta, conforme falei em comentário anterior, aos 40 anos eu percebi que a juventude não dura para sempre e quanto antes começar a investir melhor, estou aprendendo muito no Clube dos Poupadores, obrigado Leandro.

Elton
Visitante
Elton

Olá, Vale a pena comprar pelo BB? O BB cobra 0.5 % a.a. cobrados no primeiro dia. Gostaria de proteger inflação de um ano, 1/3 das minhas reservas. Tenho 2/3 em LCI do BB já há um ano (precisei garantir liquidez) que ja precisa ser mudado (apenas 80% da selic).

Joelson Rodrigues
Visitante
Joelson Rodrigues

Leandro, parabéns pelo artigo. Como sempre, irretocável.
Qual sua opinião sobre PGBL e os benefícios tributários que eles carregam?
Suponhamos que uma pessoa receba 10k de salário bruto. 120k ano. Há a possibilidade de abater da base de cálculo do IR 12% desse valor.
Neste caso, mesmo havendo taxa de administração, e até eventualmente de carregamento, não vale a pena investir apenas esse teto de 12%?

Misael
Visitante
Misael

Muito obrigado por mais um artigo valioso.
A verdade é que os nossos governantes agradecem a nossa ignorância, pois cada dia passam a pernas em nós e muitos caem como patinho. Mas graça a Deus hoje temos o Leandro com artigos excelentes para nós tira da lavagem cerebral, que nos ensinam que investir é um monstro de sete cabeças.
Mas agora temos que ensina outras pessoas se fizerem, pois tem pessoas que tem hora só bater ou vingar e deixar de lado.
Agradeço mais uma vez por este artigo e me tira desde mundo de ignorância e hoje temo uma TD, Ações e uma reversa de emergência.

William
Visitante
William

Oi Leandro, primeiramente parabéns pelos seus artigos, estou aprendendo muito com eles, e so tenho a agradecer. Gostaria de uma dica sua se possível rs, eu tenho 150K para aplicar isso ja separado da minha reserva, tenho 32. Voce acha melhor diversificar em 2 tipos de títulos um a longo prazo (aposentadoria) e outro a médio prazo (indeterminado) ?. Um abraço e sucesos.

Leandro
Visitante
Leandro

Como eu poderia saber quanto esta custando um titulo q já venceu?( tenho um titulo q n é mais vendido, como eu posso saber o valor q ele esta custando p a recompra?)

Gabriel
Visitante
Gabriel

Oi, Leandro;

Primeiramente, excelente artigo. Parabéns.
Você saberia dizer a razão de pessoas jurídicas não terem acesso ao tesouro IPCA+ sem pagamento semestral? Fiquei curioso.

Abraços.

Ricardo Ramos
Visitante
Ricardo Ramos

Bom dia Leandro.

– Sobre o item SEGURADORAS –

Seria mais vantajoso Optar por investir em T. Selic do que pagar um seguro para o automóvel?

Qual a sua opinião sobre o assunto?

Já faz 4 anos que venho pagando seguro do Carro, felizmente não precisei usar, mais confesso que dói pagar todo ano isso.

Paulo Sales
Visitante
Paulo Sales

Oi Leandro, obrigado pelo post, está de parabéns. Uma dúvida que tenho é se o novo LTN 2023 vai continuar somando a juros compostos com os LTN 2021 que tenho, será que vai? Se não for, então eu posso mudar para o LTN 2019 já que ele também não vai somar a juros compostos com meus LTN 2021, correto?

Juscelino
Visitante
Juscelino

Prezado Leandro, sou amador neste assunto, mesmo assim, procuro orientar meus alunos sobre a importância da educação financeira para o sucesso… Seus artigos trazem uma riqueza de informações úteis numa linguagem de fácil entendimento. Lhe agradeço pela contribuição singular, apesar de descobrir o clube dos poupadores por acaso, confesso ter sido um divisor de águas para 2016.

Junior
Visitante
Junior

Olá Leandro bom dia! Só estou passando para parabenizar pelos 200.000 usuários do clube! E pensar que comecei quando só tinham 20.000 e hoje é esse sucesso todo! Parabéns e espero que continue com esse trabalho sério, ético e imparcial!! Obrigado!

Márcia Martins
Visitante
Márcia Martins

Bom dia Leandro. Eu deixei de receber os artigos do clube dos poupadores no meu e-mail ( também não vai para o spam). Já tentei recadastrar algumas vezes mas aparece uma mensagem de e-mail inválido e manda eu fazer tudo novamente.

Bruno
Visitante
Bruno

Oi Leandro, excelente seu artigo. Acompanho seu blog todos os dias, e o ocnteúdo tem me ajudado muito. Tanto que vou comprar seu livro sobre investimento em imóveis. =)

Sobre TD, estou com uma dúvida. Você poderia me ajudar, por favore? =)

O tesouro IPCA parece ser a única opção que protege o valor investido da inflação, porque estou considerando que o IPCA será sempre o valor da inflação + os 7% de juros real. Ou seja, não importa o que aconteça terei 7% de juros real desde que eu mantenha o valor até a data de vencimento.

É isso mesmo ou estou esquecendo de considerar algo?

Obrigado, meu amigo. Um abraço.

Compartilhe com um amigo