Você vai aprender como investir no título público chamado Tesouro Selic (LFT) de forma fácil, rápida e sem complicações. O nome Tesouro Selic foi adotado em 2015 quando o governo resolveu simplificar os nomes dos títulos públicos. No passado, o Tesouro Selic se chamava LFT que significa Letras Financeiras do Tesouro.

O título Tesouro Selic é a opção mais conservadora de investimento entre os títulos públicos que são oferecidos pelo Tesouro Direto do Governo Federal. Títulos públicos são mais seguros que a Poupança por serem garantidos pelo Governo Federal e não por bancos. Conheça todos os tipos de títulos públicos que existem

Como você já deve saber, o governo paga suas dívidas arrecadando impostos da população. Ele também é dono da “impressora de dinheiro” e pode interferir na economia sempre que achar necessário para garantir o pagamento das suas dívidas. Todos os brasileiros são responsáveis pelos pagamentos das dívidas do governo através dos impostos que pagam de forma direta ou indireta. Por este motivo, os títulos públicos são considerados os investimentos mais seguros que podem ser feitos no país utilizando a moeda local. Saiba mais sobre o risco de investir em títulos públicos.

Tesouro Selic (LFT) é pós-fixado

O Tesouro Selic é um título pós-fixado. Isto significa que você não saberá, antecipadamente, quanto vai receber de juros até a data de vencimento do título pelo fato destes juros variarem com o passar do tempo.

O mesmo acontece com a poupança e com a maioria dos títulos privados como LCA, LCI e CDB pós-fixado, como mostro no meu livro. A rentabilidade inicial do título Tesouro Selic é conhecida pelo investidor no momento da compra do título, só que no decorrer dos meses esta rentabilidade pode aumentar, diminuir ou manter-se estável.

Isto acontece porque a rentabilidade do Tesouro Selic acompanha as variações da taxa básica de juros da economia que é chamada de taxa Selic. Você já deve ter percebido que o Banco Central (BC) faz reuniões periódicas (oito reuniões por ano) para decidir se vão diminuir, manter ou aumentar a taxa Selic. Estas decisões são a base da política monetária (entenda o que é).

O Banco Central avalia a situação da economia do país através de variáveis como o crescimento da economia, inflação e outros dados para determinar a nova taxa de juros. Para saber qual é a Taxa Selic atualmente visite aqui. Para entender como funcionam as reuniões do COPOM que definem esta taxa visite aqui.

Comprar títulos da dívida pública

Quando você investe em títulos Tesouro Selic ou em qualquer outro título público, está comprando o título da dívida interna brasileira.

Funciona literalmente como um empréstimo. Você empresta seu dinheiro para o governo e recebe em troca um título público que ficará guardado na CBLC da B3 (bolsa de valores) devidamente vinculado ao seu nome e CPF.

Todo título público possui uma data de vencimento. Nesta data o governo recomprará o seu título de forma automática, sem que você tenha que fazer nada. Você receberá o dinheiro que investiu e os juros prometidos já com taxas e imposto sobre a renda descontados.

Um exemplo de título público é o título chamado Tesouro Selic 2023 que aparece disponível aqui. Este número 2023 significa que o vencimento do título será em 2023. Se você comprar este título hoje poderá ficar com ele rendendo juros próximos da taxa Selic até o ano de  2023 quando o título será recomprado pelo governo e você receberá o valor investido mais juros e menos imposto e taxas.  Todo processo de intermediação entre você e o Tesouro Direto ocorre através de uma corretora de valores independente ou pela corretora do seu banco.

Você pode comprar quantos títulos desejar no decorrer deste tempo. Se achar necessário, você pode antecipar a venda do seu título e com isto recuperar o que investiu junto com os juros recebidos até o momento. Vale destacar que sempre será mais vantajoso manter o título com você por no mínimo 2 anos devido ao imposto de renda sobre os rendimentos que terá a menor alíquota depois deste prazo. Veremos isto de forma mais detalhada mais na frente.

No setor privado também existem títulos de dívidas. Quando você investe em CDB, LCA, LCI ou debêntures, também está emprestando seu dinheiro, só que o empréstimo é feito para um o setor privado como bancos ou empresas (no caso da debênture). Estes títulos também ficam guardados e são registrados em seu nome na B3 (bolsa de valores) e os bancos precisam honrar o que foi acordado pagando os juros prometidos até a data de vencimento ou antes se a venda antecipada do título for permitida na proposta.

Por isto você não deve pensar no investimento em títulos públicos ou privados como o investimento na poupança onde você faz depósitos em uma conta poupança e espera seu dinheiro render. Não funciona desta forma. Quando você investe em títulos você está comprando “papéis” de uma dívida, está fazendo um empréstimo que possui uma data de vencimento específica onde você receberá o que investiu e os juros prometidos. É importante que a data de vencimento do título público que você pretende comprar seja compatível com a data em que você pretende usar o dinheiro investido.

Como comprar os títulos:

Para comprar títulos públicos é necessário que você abra uma conta em alguma corretora. Pode ser uma corretora independente (que não faz parte de um banco) como também pode ser a corretora do banco onde você possui conta. As corretoras dos bancos costumam cobrar taxas mais elevadas. Já escrevi sobre escolher corretoras aqui.

O processo de compra é extremamente simples. Normalmente, no site destas corretoras existe uma área restrita para clientes onde você pode selecionar o título que deseja comprar e depois confirmar a compra com alguns cliques. O dinheiro é debitado da sua conta na corretora ou na sua conta corrente no banco. Se preferir, também pode comprar através de uma área restrita do Tesouro Direto na B3 (como ensinei aqui), mesmo assim você precisa ter conta em uma corretora. Não existe nenhuma dificuldade.

A parte mais trabalhosa não é comprar títulos. O mais trabalhoso é aprender qual título você deve comprar sem precisar perguntar isto para mim ou para qualquer outra pessoa.

Esta liberdade de saber como e quando investir em títulos públicos só depende da sua dedicação. Você só precisa dedicar um pouco de tempo para aprender as características de cada título e o funcionamento deste mercado de compra e venda de títulos públicos.

Neste artigo você vai aprender como funciona o título Tesouro Selic. Para aprofundar os seus estudos sobre este e outros títulos eu recomendo fortemente que você leia o quanto antes o meu livro sobre Como Investir em Títulos Públicos que sempre está disponível na sua versão mais atualizada. Ele possui estratégias que vão do básico (para iniciantes) até as estratégias mais avançadas.

Rentabilidade diária e Juros Compostos

Todos os dias o preço do seu título Tesouro Selic irá subir um pouco. Isto significa que o seu dinheiro será remunerado diariamente com juros sobre juros. Na prática o governo divide a taxa Selic, que é uma taxa anual, em pequenas taxas diárias levando em consideração os dias úteis.

Exemplo: Se a taxa Selic é de 12,65% isto significa que todos os dias úteis o seu título Tesouro Selic renderá mais ou menos 0,047279%. Se a taxa fosse de 6,40% a rentabilidade diária seria de 0,024620%. Você pode ver a a taxa Selic diária formato de fator diário, veja aqui. Para transformar o fator diário tem uma taxa diária basta deduzir o número 1 do fator e depois multiplicar por 100.

Curiosidade 1 : No Excel você pode utilizar a fórmula =(1+TAXA)^(1/252)-1 para transformar a Selic anual em uma taxa diária levando em consideração dias úteis de 252 dias, como o padrão adotado pelo Banco Central. Aqui no Clube dos Poupadores temos um conversor de taxas que você pode utilizar para fazer esse cálculo, veja aqui.

Veja um exemplo: No dia 05/03/2015 um título Tesouro Selic custava R$ 6.667,86. Um dia útil depois em 06/03/2015 este mesmo título estava custando R$ 6.671,01. Isto significa que ocorreu um ganho de R$ 3,16 ou mais ou menos 0,0472% de juros. No próximo dia o preço sofrerá um novo reajuste, já com os R$ 3,16 incorporados ao seu preço. Com isto o Tesouro Selic é um investimento com rentabilidade diárias através de juros compostos (juros sobre juros). Conheça um simulador de juros compostos.

Curiosidade 2:  Quando os primeiros títulos LFTs (antigo nome do Tesouro Selic) foram lançados no ano 2000 eles custavam R$ 1.000,00 e de lá para cá sofrem valorizações todos os dias acompanhado a variação da Selic. Veja o histórico dos preços dos títulos.

Quanto maior a taxa Selic, maior será os juros que você receberá ao adquirir um título Tesouro Selic. Quando a Selic está em queda a rentabilidade do Tesouro Selic também tende a cair e neste cenário os investidores buscam comprar títulos prefixados como o título Tesouro Prefixado (LTN). Por isto, é importante conhecer as características de cada título para que você possa utilizar estratégias mais avançadas de investimento em títulos públicos, como as que mostrei no meu livro.

Você poderá vender os títulos para o governo antes da data de vencimento durante os dias úteis. O dinheiro estará na sua conta na corretora em um ou dois dias úteis depois da venda.

Você não precisa comprar um título Tesouro Selic inteiro. Você pode comprar partes desse título. Exemplo: se um único título Tesouro Selic custasse R$ 9.878,85 você poderia comprar um título inteiro por esse valor ou poderia comprar frações do título. Vamos imaginar que você queira comprar 10%, 20% ou 55% do título. Neste exemplo, para comprar 10% do título que custa R$ 9.878,85 você precisa ter R$ 987,88. Para comprar 1% do título você precisa de R$ 98,78.

Tesouro Selic não rende igual a meta da taxa Selic

É importante entender também que a sua rentabilidade não será exatamente igual a meta da taxa Selic. A rentabilidade do Tesouro Selic é dada pela variação da Taxa Selic Diária registrada entre a data da compra e a data de vencimento do título, acrescida, se houver, de ágio ou deságio. E ainda existe o Imposto de Renda e outras taxas que veremos mais na frente. Por isto falamos que a rentabilidade do Tesouro Selic só acompanha a Selic, não é exatamente igual. Escrevi um artigo detalhado sobre os cálculos.

Vamos imaginar que atualmente a meta da Selic é 12,75%, só que a Taxa Selic Diária que é utilizada para remunerar o título está em 12,65%. Se a meta da Taxa Selic fosse de 6,50% a taxa Selic Diária seria de 6,40%. É comum que a meta seja superior a taxa diária. Desta forma a sua rentabilidade será baseada na taxa que aparece no campo “No dia” exibida nesse endereço aqui

Você também precisa considerar o ágio ou deságio, se houver, no momento que você decidir comprar ou vender antecipadamente o seu título Tesouro Selic. Para entender melhor como funciona este ágio e deságio veja a tabela de preços de títulos logo abaixo com as taxas dos títulos públicos disponíveis para compra e venda que pude visualizar no Tesouro Direto quando este artigo foi escrito. Para ver a tabela atualizada visite aqui.

Leia também:  Como investir em Tesouro Prefixado LTN

Observe na última linha o título Tesouro Selic 2021 que você poderia comprar com nenhuma taxa, simbolizado pelo traço no campo “Taxa Compra” que possuía um traço (taxa zero).

Para a venda antecipada do título o Tesouro Direto estava oferecendo a taxa de +0,04%. Podemos dizer que o Tesouro estava oferecendo um deságio de 0,04% para recomprar seu título, ou seja, você receberia a Taxa Selic do período que ficou com o título mais 0,04% de juros.  Se estivesse marcado -0,04% (menos 0,04%) poderíamos afirmar que o Tesouro Direto estaria oferecendo um ágio de -0,04% para recomprar seu título antes do vencimento, ou seja, você receberia a Taxa Selic do período menos 0,04%.

No nosso exemplo acima a taxa para comprar novos títulos era zero, ou seja, não existia ágio e nem deságio e por isto existe o traço no campo referente a taxa de compra. Isto significa que se você comprasse este Tesouro Selic 2021 receberia exatamente a mesma variação da taxa Selic se ficasse com o título até o vencimento em 01/03/2021.

No momento da compra do Tesouro Selic você saberá qual percentual a mais ou a menos da taxa Selic receberá se ficar com o título até o vencimento.

Caso queira antecipar a venda terá que olhar na coluna Taxa de Venda qual será o ágio ou deságio do dia. As recompras diárias dos títulos ocorre dentro do período que vai das 18 horas da data atual até às 5 horas da manhã do dia seguinte, no caso de dias úteis, e a qualquer hora nos fins de semana e feriados. O repasse do dinheiro (valor bruto) para o Agente de Custódia (corretora onde você tem conta) ocorre às 12h30. O repasse ao investidor, pelo Agente de Custódia, do valor líquido da venda antecipada após dedução de Imposto de Renda e taxas devidas normalmente ocorrerá no mesmo dia.

Veja que é importante entender o que acabei de falar sobre ágio e deságio. Não confunda com rentabilidade negativa quando encontrar uma taxa negativa no campo com a taxa de compra ou venda.

O título Tesouro Selic possui um fluxo de pagamento simples, ou seja, você compra o título agora e receberá seu dinheiro de volta, somando ao rendimento, de uma única vez na data de vencimento do título ou se você antecipar a venda. O pagamento está representado pelo gráfico abaixo:

 

Tesouro Selic e os impostos

O governo cobrará imposto sobre os juros que você receberá investindo em títulos públicos. Você não precisa se preocupar com o recolhimento de imposto e isto também não significa que você será obrigado a fazer declaração anual de imposto de renda caso não seja obrigado a fazer isto atualmente.

O agente de custódia (corretora) onde você fez o investimento fica responsável por esta parte do recolhimento. O recolhimento é automático, sendo feito antes de você receber seu dinheiro, depois do vencimento do título ou da venda antecipada. Além do imposto de renda ainda existe o IOF caso você resolva vender o título antes de completado 30 dias do investimento. Vamos entender primeiro como funciona o IOF.

IOF

O Imposto sobre Operações Financeiras (IOF) pode ser evitado. Basta não antecipar a venda dos seus títulos nos primeiros 29 dias após a compra.

Veja a tabela do IOF sobre o rendimento (sobre os juros que você receber) caso venda o título 29 dias depois da compra:

Exemplo: Você investiu comprando diversos títulos e 15 dias depois resolveu vender todos eles. Se você teve uma rentabilidade de R$ 100,00 perderá 50% ou seja, pagará R$ 50,00 de IOF para o governo.

Imposto de Renda

A cobrança do Imposto de Renda (IR) sobre o rendimento é feita de forma decrescente. A tabela é a mesma adotada em outros investimentos de renda fixa como o CDB e os fundos de investimento. Como você pode ver, o ideal seria investir no Tesouro Direto por 2 anos ou mais para que a alíquota seja a de 15% sobre os rendimentos. Se você investir e precisar do dinheiro antes de 2 anos o governo ficará com um percentual maior da sua rentabilidade. Mesmo com impostos o Tesouro Selic pode ser mais vantajoso que a poupança quando os juros estão elevados, mesmo se você pretende ficar com o dinheiro aplicado por menos de 6 meses. Veja a comparação entre Tesouro Selic (LFT) x Poupança.

Antes de antecipar a venda de um título público é importante que você considere que quanto menor o prazo, mais imposto de renda será recolhido sobre o seu rendimento. Se você teve uma rentabilidade de R$ 100,00 perderá R$ 22,50 em imposto de renda se vender o título antes de 180 dias ou 6 meses já que o IR é de 22,5%. Se você teve uma rentabilidade de R$ 100,00 em 720 dias ou mais (2 anos ou mais) perderá só R$ 15,00 para o governo já que neste caso o IR é de 15%

Tesouro Selic (LFT) e taxas cobradas

Para operar no Tesouro Direto existem 2 taxas que você precisa pagar. Apesar dos títulos serem do governo federal eles são oferecidos ao público através do Tesouro Direto que é fruto de uma parceria entre o Tesouro Nacional e a B3 (bolsa de valores). Existe ainda a figura do agente de custódia que é uma corretora independente ou a corretora do seu banco. Vamos conhecer as taxas:

Taxa da B3: É uma taxa anual de 0,30% (0,25% a partir de 2019) sobre o valor dos títulos que você possui. A cobrança é semestral. Parte dela é cobrada no primeiro dia útil de janeiro e a outra no primeiro dia útil de junho ou na ocorrência do pagamento de juros, venda ou vencimento do título.  Esta taxa se refere aos serviços de guarda dos títulos e às informações e movimentações de saldos.

Taxa da Corretora ou taxa de administração: É a taxa que você paga para os agentes de custódia que podem ser o seu banco ou uma corretora. As corretoras cobram taxas diferentes. Existem corretoras que não cobram nada (0%) e outras que cobram 0,1% ou 0,2% ao ano. Alguns bancos também não cobram mais essa taxa. Essa taxa anual é cobrada pela primeira vez na data de compra do título. Caso a venda seja feita após um ano da data de compra, a taxa é cobrada novamente na data do resgate.

No caso em que, no semestre, a soma do valor da taxa da B3 e da taxa do Agente de Custódia for inferior a R$10,00, o valor das taxas será acumulado para a cobrança no semestre seguinte, no primeiro dia útil de janeiro ou de julho, ou na ocorrência de um evento de custódia (pagamento de juros, venda ou vencimento do título), o que ocorrer primeiro.

No passado existia uma taxa chamada Taxa de Negociação que era de 0,10%, só que esta taxa deixou de ser cobrada.

Na figura abaixo é possível entender que entre você e o Tesouro existe a B3 (que antigamente se chamava BM&FBovespa) e uma instituição financeira que pode ser a sua corretora ou o seu banco.

Simulador de Investimento em Tesouro Selic

Você pode simular seus investimentos em Tesouro Selic através de uma calculadora online oferecida pelo próprio Tesouro Direto. Ela fica no endereço http://www.tesouro.fazenda.gov.br/tesouro-direto-calculadora

Eu recomendo que você dedique algum tempo para “brincar” com esta calculadora. No início ela parece confusa mas se você dedicar um pouco de tempo vai perceber que tudo é muito fácil.

A principal função desta calculadora é fazer todos os cálculos necessários para que você descubra a “rentabilidade líquida” ao ano do seu investimento em Tesouro Selic, já descontando o Imposto de Renda, taxa da B3 (taxa de custódia) e a taxa da corretora (taxa de administração). Esta é uma informação fundamental para poder comparar a rentabilidade do Tesouro Selic com outros investimentos que você possui ou pretende fazer.

Muitos leitores do Clube descobrem, usando a calculadora, que títulos privados como LCI, LCA, CDB e fundos com taxa administrativa baixa podem ser mais vantajosos que o Tesouro Selic com relação a sua rentabilidade. Isso vai depender do quanto você tem para investir. Nesses títulos privados que listei é necessário ter dezenas de milhares de reais para obter boa rentabilidade. No caso do Tesouro Selic, tanto faz se você tem R$ 1.000,00 para investir ou R$ 1 milhão. A rentabilidade e as tarifas são iguais para pequenos e grandes investidores. O mesmo não ocorre com LCI, LCA, CDB e fundos que oferecem taxas melhores para quem tem mais para investir.

Como o título Tesouro Selic acompanha a taxa Selic e não sabemos quanto será a taxa Selic no futuro, você terá que chutar a taxa Selic que possa ser a média. Você deve simular cenários com taxas mais baixas que as atuais e mais altas para verificar a rentabilidade de cada possibilidade.

Chutando a taxa Selic

Esse artigo já foi atualizado por mim diversas vezes, mas quando ele foi escrito pela primeira vez a meta da taxa Selic era de 12,75% e a economia vivia um ciclo de alta na taxa de juros, depois disso já passamos por um ciclo de baixa dos juros até ele atingir a sua mínima história. Através do endereço https://www.bcb.gov.br/controleinflacao/historicotaxasjuros é possível verificar se o Banco Central está aumentando ou reduzindo os juros nas últimas reuniões do COPOM (veja o que são as reuniões)

Lendo as notícias de economia é possível observar a opinião dos economistas sobre os juros. Todas as semanas o Banco Central faz uma pesquisa entre centenas de economistas que representam as principais instituições financeiras do país. Esta pesquisa resulta em um documento chamado Boletim Focus que qualquer pessoa pode acessar através do endereço https://www.bcb.gov.br/publicacoes/focus/cronologicos

Leia também:  Título Público que em 1 mês supera 1 ano de poupança

Baixe o último boletim focus e verifique quais são as previsões dos economistas para a Selic durante este ano e para o próximo ano. Quando estava escrevendo este artigo as previsões do último boletim eram de Selic em 13% até o final de 2015 e 11,50% até o final de 2016. Na última revisão que fiz do artigo o boletim mostrava previsões para a taxa Selic até 2021. Quando você acessar esse artigo no futuro as previsões serão ainda mais atualizadas.

O boletim focus também mostra a média da meta da Selic. Com base nestas informações posso chutar uma taxa de juros e verificar quanto irei receber se a taxa se mantiver nesta média nos próximos anos. Se acredito que nos próximos anos o governo aumentará os juros, posso chutar taxas maiores. Se acreditar que o governo reduzirá os juros, posso utilizar juros menores na simulação.

 Exemplo de simulação Tesouro Selic

Entre na calculadora acessando aqui. Vamos selecionar no campo “título” o Tesouro Selic (LFT). Vou colocar no campo “Data da Compra” a data que utilizarei como exemplo será 12/03/2015. No nosso exemplo vamos comprar o Tesouro Selic 2021 que tem data de vencimento para 01/03/2021. Quando você for simular, use o título que estiver disponível quando você estiver lendo.  No campo “Valor Investido” colocarei o preço de um único título Tesouro Selic que no momento custa R$6.683,64. Para efeito de simulação você pode colocar qualquer valor. Para ver os títulos à venda, preço, taxa e data de vencimento visite aqui. Logo abaixo coloquei a foto do que vi quando acessei a página de preços.

 

No campo “Taxa do Papel na Compra” vou digitar 0%. Como você pode ver na figura acima, o campo Taxa Compra que indicaria a existência de ágio ou deságio está vazio e por isto vamos usar o número zero.

No campo “Taxa de administração do banco/corretora” vou digitar 0,10% que é a taxa que a corretora que utilizo está me cobrando para investimento em títulos públicos. Consulte sua corretora para saber a taxa.

No campo “Taxa Selic para o Período” eu devo chutar o valor médio da Selic. Eu vou chutar uma taxa Selic de 12% como média até 2021 (isso é um chute e não uma previsão). Agora basta clicar no botão “Calcular”.

A minha simulação ficou assim. Veja o resultado:

O resultado diz que terei uma rentabilidade líquida de 10,25%. A rentabilidade líquida mostra qual será a rentabilidade real do que foi investido depois de descontar imposto de renda, taxa da corretora e da B3 (antiga BM&FBovespa) e ágio ou deságio (se existir).

Fiz uma outra simulação mudando apenas a taxa Selic de 12% para 11% e a minha rentabilidade líquida caiu de 10,25% para 9,35%. Com a Selic em 10% a rentabilidade cairia para 8,45%. Com a Selic em 9% a rentabilidade seria de 7,55%. Com a Selic em 8% a rentabilidade cairia para 6,65%. É interessante observar que a rentabilidade da poupança também cai quando a Selic cai. Veja a regra da remuneração da poupança aqui.

Faça várias simulações observando o impacto dos juros, taxas e prazos na sua rentabilidade. Simule também a venda antecipada clicando na opção “Simulação  Avançada – Venda Antecipada (opcional) que está logo abaixo do botão “calcular”. É importante observar que o IR (imposto de renda) pode ser maior se você vender o título antes de 2 anos. Na simulação você pode ver o impacto do IR ao antecipar a venda do título.

Voltando para o resultado da simulação que fiz observe o campo “Valor líquido do resgate” que mostra exatamente quando receberei no vencimento. Investi R$ 6.683,64 e irei receber R$ 11.933,56 no dia 01/03/2021. Vou receber o dinheiro que investi somado a R$ 5.249,92 de juros, já com imposto e taxas descontadas. Observe que o IR foi de 15% porque o dinheiro ficou investido por mais de 720 dias corridos.

Simulações são apenas simulações. É importante entender que as simulações sobre o futuro são apenas simulações e não refletem o que irá acontecer, ou seja, um simulador não pode prever o futuro, principalmente quando estamos diante de um investimento pós-fixado, ou seja, que a variação da taxa Selic no futuro irá gerar efeitos na rentabilidade diária do título.

Com isto eu não tenho absoluta certeza sobre qual será a rentabilidade de um investimento em Tesouro Selic. A única coisa que sei é que ele irá acompanhar a Selic para onde ela for (para baixo ou para cima). O resultado final da minha rentabilidade só será possível saber no dia que antecipar a venda do título ou na data de vencimento do título. O meu livro sobre Como Investir em Títulos Públicos acompanha outros simuladores, simuladores em Excel, comparadores de investimento e uma série de outros detalhes que não caberiam em um simples artigo como esse. São mais de 300 páginas com todos os detalhes sobre todos os títulos.

Histórico de Preços do Tesouro Selic

No site do Tesouro Nacional é possível baixar o “Histórico de Preços e Taxas dos Títulos Públicos Negociados” em formato Excel. Acesse aqui. Quando abrir a planilha no Excel observe que existe uma pasta para cada título na barra inferior da planilha, basta clicar para ver os dados. É muito interessante observar a variação diária das taxas de compra e venda. Você pode usar estes dados para fazer gráficos e outros cálculos.

Dicas: Quando investir em Tesouro Selic

Como a rentabilidade do Tesouro Selic (LFT) depende da taxa Selic é importante que você entenda os motivos que levam o governo a aumentar ou a baixar esta taxa. Assim, você investirá neste título quando perceber que existe uma tendência de alta na taxa de juros.

Normalmente os títulos Tesouro Selic são os mais procurados pelos investidores em momentos de crise já que durante as crises o governo tende a subir os juros para controlar a inflação, elevar a credibilidade das suas contas e atrair investidores.

Quando a economia entra em um processo de recuperação de uma crise o governo tende a abaixar os juros para estimular os investimentos das empresas, o consumo das pessoas e o crescimento da economia real.

Em 1º de junho de 1999 o Governo Federal decidiu adotar o regime de metas para controlar a inflação em uma economia que utilizava a livre flutuação do câmbio. Você pode consultar o histórico de metas para a inflação visitando aqui.

Até 2021 ficou estabelecido que a meta da inflação seria de 3,75% (centro da meta) com intervalo de tolerância de menos 1,5 pontos percentuais (2,25% no mínimo) e de mais 1,5 pontos percentuais (5,25% no máximo). Isto significa que o Banco Central vai tomar todas as medidas possíveis para fazer a inflação se aproximar do centro da meta (3,75%) até 2021. O gráfico abaixo mostra essas metas e você pode acessar a versão dele atualizada clicando aqui.

Quando o Banco Central aumenta a taxa Selic ele está diminuindo a quantidade de dinheiro em circulação na economia. É o que chamam de conter a expansão do crédito. Funciona assim: Quem tem dinheiro sobrando prefere investir em alguma aplicação financeira para ganhar juros e com isto compra menos agora e deixa para comprar no futuro. As pessoas trocam o ato de consumir pelo ato de poupar. Quem não tem dinheiro passa a comprar menos porque acha desvantajoso pagar juros mais elevados nos empréstimos e financiamentos. As pessoas preferem não consumir para não assumir dívidas com juros altos. Com menos pessoas querendo comprar, os produtos encalham e os comerciantes não conseguem aumentar preços e isto faz a inflação cair ou parar de subir. Aumentar a taxa Selic significa aumentar o custo do dinheiro. Juros elevados fazem as pessoas e as empresas pouparem mais e se endividarem menos.

A inflação no Brasil é calculada pelo IBGE e o indicador se chama IPCA (Índice de Preços ao Consumidor Amplo). Para baixar a tabela e saber mais clique aqui. Você também pode acessar o gráfico do IPCA aqui no Clube dos Poupadores. Também temos um gráfico atualizado comparando a Selic com a inflação e você pode acessar visitando aqui

O gráfico abaixo mostra que o governo sobe a taxa Selic quando a inflação sobe e reduz a taxa Selic quando a inflação cai. É uma briga de gato e rato em ciclos de altas e baixas.

O título Tesouro Selic é visto como boa opção de investimento quando o país está com inflação acelerando e queda de credibilidade já que o Banco Central opta por elevar as taxas de juros. Nos meus livros eu apresento um grande número de fatores e exemplos de como eles influenciam os preços e as taxas de todos os títulos públicos.

Aprender é o melhor investimento

Imagine quantos anos da sua vida você passou investindo na Poupança, Títulos de Capitalização e Fundos de Investimento de grandes bancos que oferecem rentabilidades muito baixas e taxas elevadas. Imagine quanto dinheiro você deixou de ganhar por não conhecer todos os outros tipos de investimentos que existem. O gerente do banco onde você a sua conta corrente é pago para aumentar os lucros do banco onde ele trabalha e não para aumentar os rendimentos do seu dinheiro. O gerente do banco tem foco no resultado do banco onde está empregado. Não adianta perguntar para ele quais são os melhores investimentos, ele só pode indicar os investimentos do banco onde ele trabalha e nem sempre os investimentos que o banco oferece são os melhores que existem.

É por isto que os bancos gostam tanto de oferece títulos de capitalização, planos de previdência privada e fundos de investimento com taxas administrativas elevadíssimas. O ideal seria você perder o hábito de perguntar para os outros o que você deveria fazer com o seu dinheiro. Existem muitos livros e cursos que custam muito pouco perto do que você já perdeu e pode perder de rentabilidade por não saber investir.

Só você sabe o que é melhor para o seu dinheiro. Leia este outro artigo onde falo sobre este assunto. Aprenda mais e liberte-se para tomar suas próprias decisões sem depender de mim ou de qualquer outra pessoa. Baixe agora mesmo os livros que eu já escrevi sobre diversos investimentos.  Eles foram escritos para transformar você em um investidor de verdade, totalmente livre e independente para tomar as melhores decisões sobre o seu dinheiro sem depender de mais ninguém.

Livro recomendado: Como investir em títulos públicos. Conheça todos os nossos livros sobre investimentos visitando aqui.