Quanto Pior, Melhor para Investir no Tesouro IPCA+ ?

Quando o mercado enfrenta dias de medo, incertezas e pânico, os juros de alguns títulos públicos disparam. Temos a impressão de que quanto pior, melhor. Expectativas negativas sobre o futuro da economia resultam em juros maiores, principalmente em títulos como Tesouro IPCA+ (NTN-B, NTN-Principal) e títulos Tesouro Prefixado (LTN e NTN-F).

Quem toma a decisão de fazer investimentos que pagam juros fixos, precisa fazer o exercício de prever o futuro. Na verdade, os investidores tentam identificar qual é o futuro mais provável entre muitas possibilidades. Para avaliar quais são os cenários mais prováveis, o investidor utiliza as informações que possui no presente e projeta as consequências do presente no futuro.

Podemos concluir que todo investimento em títulos que oferecem juros fixos é uma aposta em um determinado cenário futuro. Estamos apostando que se as coisas continuarem como estão, aquela taxa de juros oferecida será vantajosa.

Se não for possível identificar vantagem, o investidor simplesmente não compra. Para que os títulos se tornem atrativos diante de períodos turbulentos, as taxas sobem. O investidor precisa considerar a taxa atrativa diante do risco da incerteza.

De forma bem simplificada, é por este motivo que os juros de títulos como o Tesouro IPCA+ (NTN-B e NTN-B Principal) e Tesouro Prefixado (LTN e NTN-F) aumentam quando a percepção sobre o futuro da economia fica mais negativa. O efeito contrário acontece quando os investidores acreditam que teremos uma recuperação e juros menores no futuro.

Veja o que aconteceu neste dia 24/08/2015, quando este artigo foi escrito. O mercado estava em pânico. O resultado foi a alta dos juros para quem fosse adquirir títulos prefixados e indexados pela inflação naquele dia. Para investidores que costumam esperar esses picos de alta para comprar, o dia foi de compra.

O que aconteceu para gerar pânico no mercado?

  1. A bolsa brasileira atingiu seu menor patamar desde abril de 2009 (fonte).
  2. Com o índice da bolsa ajustado pelo dólar, a queda atingiu o menor patamar desde outubro de 2005 (fonte).
  3. Ações muito negociadas como a da Petrobras voltaram para o patamar de 2004 (fonte) e a Vale voltou para o menor preço dos últimos 10 anos. (fonte).
  4. A  bolsa chinesa teve a maior queda desde 2007 (fonte) gerando medo do tesouro de uma bolha chinesa.
  5. A bolsa americana registrou a maior queda diária em pontos de sua história no início do pregão (fonte)
  6. O real perdeu valor com o dólar atingindo seu maior preço nos últimos 12 anos (fonte).
  7. O seguro contra calote dos títulos brasileiros, atinge o maior patamar desde 2009 (fonte).

Podemos constatar que o dia 24/08/2015 não foi um dia comum.

Para completar o drama o mercado já espera 2 anos de recessão para a nossa economia (fonte). O ministro da Fazenda, Joaquim Levy, resolveu se afastar por um tempo para “tratar de assuntos particulares” gerando muitos rumores (fonte). Temos todas as notícias negativas sobre as questões fiscais, crise política, operação Lava-jato, risco de perda de grau de investimento, aumento de impostos, etc.

Resultado de tudo isso sobre os títulos públicos:

Títulos que rendem inflação (IPCA) + juros fixos chegaram a oferecer rentabilidade real acima de 7% ao ano, enquanto títulos prefixados (Tesouro Prefixado LTN) ofereciam rentabilidade nominal (sem descontar taxas e IR) próximas de 14%.

Os Títulos IPCA+ rendem a inflação no período (IPCA) mais uma taxa de juros fixa que aparece na tabela acima. A taxas acima de 7% são boas taxas. Basta observar que o centro da meta de inflação estabelecida pelo Banco Central é de 4,5%, podendo chegar até o máximo tolerável de 6,5% (Em 2017 o teto será 6%). Fazer um investimento que garanti uma taxa de 7% acima da inflação significa ter uma rentabilidade de quase o dobro da inflação estabelecida como meta. Em qualquer país do mundo, uma taxa real (acima da inflação) de 7% poderia ser considerada como uma boa rentabilidade para um investimento de baixo risco (o baixo risco é para quem fica com o título até o vencimento).

Se no futuro distante a inflação atingir 4,5% esse título renderá 4,5 + 7 = 11,5% ao ano. Se a inflação futura for de 10% esse título renderá 10+7 = 17% ao ano. Lembre-se que o governo reduz a taxa Selic quando a inflação recua. Isso reduz a rentabilidade de todos os títulos privados (LCI, LCA, CDB, etc) e públicos (Tesouro Selic LFT) que são pós-fixados. Até a poupança perde rentabilidade com a queda da Selic.

O gráfico abaixo mostra a taxa para compra do título Tesouro IPCA+ (NTN-B Principal) que vende em 2035. Tivemos taxas acima de 7% no início de 2014. Você encontrará os históricos para montar gráficos como este aqui.

 

As pessoas buscam proteção nos títulos públicos:

O resultado de taxas tão elevadas pode ser visto nessa notícia aqui. O número de investidores (pessoa física) cadastrados no mês passado foi o maior da história. O Tesouro Direto atingiu a marca de 536.979 investidores cadastrados. O crescimento foi de 342,6% nos últimos 12 meses.

Os títulos mais comprados no mês que passou foram os indexados ao IPCA (Tesouro IPCA+ e Tesouro IPCA+ com Juros Semestrais), cuja participação nas vendas atingiu 57,7%. Os títulos prefixados (Tesouro Prefixado e Tesouro Prefixado com Juros Semestrais) corresponderam a 9,8% do total e os indexados à taxa Selic (Tesouro Selic), 32,5%.

O Tesouro ainda informou que 12,5% das vendas no Tesouro Direto no mês corresponderam a títulos com vencimentos acima de 10 anos. Já as vendas de títulos com prazo entre cinco e 10 anos representaram 48,6% e as com prazo entre 1 e 5 anos, 38,9% do total.

Veja que títulos públicos as pessoas compraram no mês passado:

Agora veja o que os brasileiros possuem de títulos públicos comprados em suas carteiras:

Vale lembrar que na última reunião do COPOM, eles deixaram claro no parágrafo 28 da ata número 192 que não pretendem mais subir os juros por algum tempo. Veja o que foi dito:

28. Diante do exposto, avaliando o cenário macroeconômico, as perspectivas para a inflação e o atual balanço de riscos, o Copom decidiu, por unanimidade, elevar a taxa Selic em 0,50 p.p., para 14,25% a.a., sem viés. O Comitê entende que a manutenção desse patamar da taxa básica de juros, por período suficientemente prolongado, é necessária para a convergência da inflação para a meta no final de 2016. (fonte)

Traduzindo: Achamos que 14,25% é uma taxa suficiente para atingir a nossa meta de inflação no final de 2016. Por isto, vamos manter essa taxa por um período prolongado. (Saiba o que é Copom).

Se o mercado realmente acreditasse que 14,25% de taxa Selic fosse suficiente para fazer a inflação recuar e com isto resolver este grave problema, provavelmente a demanda por títulos prefixados e tesouro IPCA+ teria sido muito grande e o governo conseguiria vender estes títulos pagando taxas mais baixas do que as atuais. Entenda a política monetária.

Fica evidente que instabilidades externas e a crise política estão produzindo forte impacto nas taxas oferecidas para quem pretende comprar novos títulos. Neste tipo de ambiente fica muito difícil fazer previsões, já que toda semana acontece uma reviravolta. A única certeza é que saber investir em títulos públicos é uma vantagem para o pequeno investidor que não encontra boas taxas em fundos de investimento e em títulos privados mais arriscados como LCI, LCA e CDB (que exigem investimentos maiores para conseguir taxas maiores).

Claro que este artigo não é uma recomendação de investimento. Nada garante que as taxas apresentadas aqui serão mantidas no futuro. Não poderia existir dia melhorar para mostrar como alguns títulos públicos sofrem variações em suas taxas dependendo das expectativas do mercado.

Você precisa de proteção:

É importante saber que taxas de juros elevadas são péssimas para a economia do país. Elas desestimulam o setor produtivo, o empreendedorismo, a criação de empregos e produção de riquezas. Quanto pior a economia, pior para todo mundo, principalmente para aqueles que não sabem adotar medidas de proteção. Você precisa entender como tudo isso funciona para poder proteger o seu patrimônio, que certamente foi construído com muito trabalho. Por falta de conhecimento milhões de brasileiros estão perdendo da inflação com o dinheiro guardado na poupança.

Para quem ainda precisa aprender a investir em títulos públicos eu recomendo a leitura dos artigos gratuitos que já publiquei aqui. Para um aprendizado mais rápido eu recomendo investir em cursos. Visite aqui para conhecer alguns que eu recomendo.

Dia da sorte...

Muita gente acredita que ter sucesso na vida financeira depende de um tipo sorte. Descobri uma forma de aumentar essa sorte: quanto mais você estudar sobre ganhar, poupar e investir dinheiro, mais sorte terá na sua vida financeira. Escrevi uma série de livros que vão ajudar você a aumentar esse tipo de "sorte" rapidamente:Clique aqui para conhecer os livros.

Sobre o Autor:

Leandro Ávila acredita que o conhecimento é uma riqueza que precisa ser dividida para ser multiplicada. É formado em administração de empresas e se especializou em educação financeira e de investimentos. Escreveu livros sobre Independência Financeira, Investimentos em CDB, LCI e LCA, Investimentos em Títulos Públicos e em Imóveis.
avatar
600
82 Comment threads
93 Thread replies
0 Followers
 
Most reacted comment
Hottest comment thread
84 Comment authors
Abner AlbertiMariaFlavioLuiz FernandoGabriel Recent comment authors
newest oldest
Ricardo Carvalho
Visitante
Ricardo Carvalho

Olá Leandro,

Tenho lido bastante a respeito do mercado, desde que comecei a investir no Tesouro Direto. E pelo o que tenho acompanhado, com a queda das bolsas pelo mundo por conta de desaceleração da economia Chinesa certamente ela poderá causar uma crise mundial e isso terá impacto direto nas taxas de Juros praticadas aqui no Brasil.

Já não bastava a crise interna, ainda vemos um agravante externo tão sério quanto a crise política pela qual o Brasil passa no momento

Porém, como nem tudo é só flores e nem somente crises, há excelentes oportunidades para negociar títulos no TD, conforme você mesmo escreveu neste artigo.

Abraços,

Marcelo
Visitante
Marcelo

“A única certeza é que saber investir em títulos públicos é uma vantagem para o pequeno investidor que não encontra boas taxas em fundos de investimento e em títulos privados mais arriscados como LCI, LCA e CDB…”

Leandro, por que você acha que LCI e LCA são mais arriscados? Eles não estão garantidos pelo FGC? Não é seguro?

Ronaldo
Visitante
Ronaldo

Bela explicação, diante desse cenário de crise e aumento da dívida do País, qual o risco de não pagarem os títulos?

Eduardo
Visitante
Eduardo

Compramos 330.000,00 em Tesouro Selic 2035 no início no mês, a 6,68%, com o intuito de resgatá-los só no vencimento. Será a aposentadoria minha e de minha esposa. Sendo assim, eu não deveria ligar para essa volatilidade toda, mas confesso que, mesmo assim, dá um friozinho na barriga ver as taxas subirem tão rápido bem acima daquela que conseguimos, sem se poder estimar até onde poderão ir. Como 7,10% é praticamente um topo histórico, espero vê-las não ir muito além, mas não é legal ver essa instabilidade toda, mesmo para quem quer resgatar os títulos apenas no vencimento recebendo os juros acordados.

Rodrigo
Visitante
Rodrigo

Exatamente! Se você investiu esse dinheiro todo visando a aposentadoria, é melhor até esquecer essa grana até lá, pois em momentos como os de hoje, com as taxas em tendência de alta, o seu capital investido está “virtualmente” negativo em virtude do spread atual.

Dá um frio na barriga mesmo, mas não olhe pra taxas pelo menos até essa crise dar uma maneirada, senão você vai se estressar muito e achar que está perdendo dinheiro!

Rodrigo
Visitante
Rodrigo

Excelente artigo em um dia de caos nas bolsas pelo mundo.
Parabéns, Leandro!
Mais uma vez nos ajudando bastante.

Ericsem
Visitante
Ericsem

Informações valiosíssimas!

Julianne
Visitante
Julianne

Oi Leandro, tudo bem?
Sempre acompanho os seus artigos. São os melhores! ;)))
Gostaria que você me esclarecesse uma dúvida:
Em abril, “investi” cerca de R$ 15,00 no Tesouro IPCA+ (NTB Princ). Hoje, consta que o saldo líquido é de R$ 13,66. Não consigo entender como em um cenário de inflação alta, a rentabilidade desse título esteja negativa.
Obrigada!

Gonçalo
Visitante
Gonçalo

Pra mim também, Julianne, são os melhores!!!

Juliano
Visitante
Juliano

Não esqueça que tem as taxas e IR.

Danilo
Visitante
Danilo

Parabéns por mais um ótimo texto, Leandro. Realmente o dia hoje foi bastante atípico e me gerou uma dúvida.
O meu tesouro IPCA 2019 que comprei esse mês sofreu uma rentabilidade negativa considerável ficando um saldo atual menor que o pago pelo valor do título. Esse volatilidade é normal ou foi afetado pela alta dos títulos IPCA hoje? Há algum risco de eu perder dinheiro investindo nesse título a não ser o caso de venda antecipada e a taxa SELIC ter aumentado?

Muito obrigado!!
Abraços

Leninha Cabral
Visitante
Leninha Cabral

Obrigada, Leandro, pela explicação. Foi bastante elucidativa.

Elder
Visitante
Elder

Boa noite Leandro, muito bom o artigo, pois apesar de você ter falado que este artigo não é uma recomendação de investimento, para mim já serviu de norte em qual título aplicar no tesouro direto. Vlw.

Guilherme
Visitante
Guilherme

Ola’ Leandro,
Como sempre suas publicações são de excelente qualidade e com informações precisas. Muito obrigado por dedicar parte do seu tempo a nós pequenos investidores.
Saudações
Guilherme

Felipe
Visitante
Felipe

Olha, na situação que o governo se encontre, uma crise internacional das grandes venha a calhar, pois o mesmo dirá que não é apenas o Brasil que está nessa situação. Quanto a Bolsa, sinceramente parece estar se formando uma excelente hora para investir, mas acho que ainda é cedo…muita coisa ainda vai acontecer.

THIAGO
Visitante
THIAGO

Boa noite! Excelente texto! Hoje durante o dia quando vi a taxa do Tesouro IPCA 2019 a 7,35 assustei…. E agora consegui compreender estes fatores. Uma dúvida>TD com essas taxas, visando médico prazo para aposentadoria seria melhor do que CDB a 125% do CDI? Pelo que estou vendo, parece que sim. Só não consigo comprar o IPCA 2035 por estar muito longe e as condições atuais da economia estarem muito instáveis. Lição: precisamos mesmo saber de notícias de política e economia para preservar nosso patrimônio.

Felipe
Visitante
Felipe

Grande Leandro!
Obrigado como sempre!

Guilherme Gurgel
Visitante

Excelente artigo, Leandro. Em momentos de crise, é comum (e até compreensível) que os investidores que conseguem proteger seu patrimônio nessa situação cheguem ao ponto de torcer para a situação econômica do país piorar só para ver seus lucros potencializados.
Contudo, de nada adianta lucrar acima da elevada inflação se as taxas de desemprego não param de subir, se o real desvaloriza e o empreendedorismo, elemento essencial para a manutenção de uma sociedade capitalista “saudável”, é totalmente desincentivado.

Josiel
Visitante
Josiel

Olá Leandro,
Parabéns pelo artigo mais uma vez!
Realmente foi um dia bastante incomum e em momentos assim precisamos saber como proteger o nosso patrimônio.
Seus artigos tem me ajudado muito a entender os investimentos que possuo e também poder ajudar outros a melhorarem suas vidas financeiras.

Misael da Silva
Visitante
Misael da Silva

Valeu Leandro por mais um artigo excelente.
Este dia ficou marcado no mundo todo, num lado as bolsas ficaram no vermelho e por outro lado alegria de pequenos investidores indo a compras de TD.
Mas porque de manhã os TD nao estavam a vendas ( estava fechado). Pois fui compra estava fora do ar o site, só voltou ao normal uma hora da tarde ( horario que tentei novamente).Vc sabe alguma deste fato?
Agradeço.

Manoel
Visitante
Manoel

Mais uma vez, Parabéns pelo excelente artigo Leandro. e saiba que você, por ser isento de interesses, consegue ser um dos unicos que diz a coisa mais importante sobre esses Titulos Pré Fixados: COMPRAR AOS POUCOS. Porque obviamente, não sabemos quando será o topo e arriscar por exemplo 100.000 de uma só vez, não é legal. Sabemos que se a pessoa esperar até o vencimento, tudo bem, mas porque não esperar e fazer várias compras a medida que as taxas sobem? O ideal seria dividir em 10 vezes as compras de 10.000. Porque afinal se comprar em um topo de, sei lá, 7,5 %, pode continuar comprando na descida também. Enfim, Parabéns. Indico muito seu site pra todos que conheço, como melhor entrada no universo de investimentos. Grande Abraço.

Aristóbolo
Visitante
Aristóbolo

Olá Leandro,

Gostaria de parabenizá-lo pelo seu site e pela forma clara e desarmada como escreve. Acho que você é uma pessoa muito talentosa e tenho a certeza que muitos poderiam aprender ao lerem seus textos aqui.

Grande abraço,

Aristóbolo

Gustavo Ribeiro
Visitante
Gustavo Ribeiro

Só de boa esperando o Brasil perder o grau de investimento, Joaquim Levy pedir as contas a LTN 2018 ir a 16%; NTN-P IPCA+9%.

Marcelo Bortolotto
Visitante
Marcelo Bortolotto

Bom Dia, Leandro

Eu tenho acompanhado na pele a realidade do setor industrial produtivo e como um pequeno investidor tenho estudado bastante sobre o mercado financeiro para não ser pego na curva.
E vejo com tristeza a situação do país onde a inflação tem bloqueado os investimentos produtivos, estruturais e com certeza teremos mais impostos governamentais.
Eu ouvi uma frase muito interessante que retrata a atitude individual em relação a cenário de crise: “Todo mundo está chorando”, você vai ficar chorando ou vender lenços?

Parabéns pela matéria e você tem me ajudado bastante!

Eduardo de Castro
Visitante
Eduardo de Castro

Bom dia Leandro!!
Existe a possibilidade do Brasil perder o grau de investimento e ir para grau especulativo. Diante disso as taxas Selic deveriam obrigatoriamente aumentar? ou não. As taxas dos demais títulos pré também aumentariam?
Obrigado e parabéns pela aula!!

Magno
Visitante
Magno

Muito obrigado pelo conhecimento e parabéns mais uma vez pelo texto tão esclarecedor quanto útil.
Grande abraço.

Ricardo Ramos
Visitante
Ricardo Ramos

Venho Comprando TIPCA+2035 há alguns meses. Comprei Títulos a taxa de 5.98 e estou com rentabilidade negativa no momento, porém continuo realizando aportes mensais.

Fico tranquilo quando a isso, pois a minha estratégia é manter estes títulos até que a economia melhore (Cerca de 3 ou 4 anos ou até por mais tempo se necessário).

Para quem nunca investiu em TIPCA é bom ficar atento à volatilidade de títulos mais longos, como o TIPCA+2035 pois pode ter uma rentabilidade negativa num curto período de tempo e acabar se assustando com isso.

Enfim, como o Leandro Ávila já disse em seus artigos, estude e aprenda a tomar decisões por si próprio.

Abraços

Jhonathan Matheus
Visitante
Jhonathan Matheus

Bom dia , Parabéns Leandro, pelo artigo !!!
Informação objetiva e de altíssima qualidade.

Abraços

Raphael
Visitante
Raphael

Olá Leandro,
Estou começando a ler agora sobre investimentos, tenho 23 anos e sou estudante, mas estava muito afim de investir, só que ainda tenho muito medo e também não possuo uma renda elevada, tenho lido bastante seus artigos e tenho gostado muito, mas diante de todo esse cenário e por ser um estudante que está começando qual seria o melhor Título para começar a investir ? ainda to com dúvidas e pensei muito no NTN-B pois tem os juros a cada 6 meses pelo que li, então se puder me ajudar a esclarecer mesmo agradeceria. e aliás um ótimo site que você tem, parabéns

Ciro
Visitante
Ciro

Bom dia Leandro,

Parabéns pelo trabalho!

Minha dúvida sobre TD é em que medida o preço unitário do dia (compra) de um título influencia ou deve influenciar na decisão de compra: p.ex IPCA+2014 (NTNB Princ) preço unitário R$ 1448,17; Titulo Pré 2021 (LTN) R$ 498,99- como esses preços refletem (ou não) a procura pelos papéis? Os preços do dia devem influenciar na escolha de um título TD?

Muito obrigado !!

Ciro

Marcelo
Visitante
Marcelo

Leandro,
Parabéns pelo excelente artigo. Num momento de crise como esses é muito importante a proteção e é importante que o investidor no TD tenha orientações valiosas como essa para que não se desespere ao ver as variações no extrato.

Sergio
Visitante
Sergio

Olá Leandro,
Para quem não tem interesse em especular, fazer trade de TD, mas simplesmente levar até o vencimento para receber o acordado, a única preocupação seria política certo, ou seja, que assuma um governo irresponsável, tipo um PSOL ou um PCO da vida, que resolva dar o calote, aí sim seria o caso de tomar grandes cuidados. Seria mais ou menos isso?

Tiago
Visitante
Tiago

Mais uma vez um excelente artigo! Estou investindo em TD graças aos seus artigos e estou bem satisfeito. Realmente o conhecimento é tudo para um investidor! Parabéns pelo excelente trabalho! Abraço

Dema
Visitante
Dema

Caro Sr. Leandro, muito bom o artigo como sempre.
Sobre investir em bancos menores citado em dos comentários, isso pode ser ‘risco calculado’ e/ou ‘ganância’.
Existe no mercado boas ofertas, nos últimos meses tenho aplicado através de corretora, uma parte em Renda Fixa em instituições financeiras menores.
Antes procuro ver o rating e índice de Basileia delas, e noticias que possam dar mais embasamento, talvez só isso não é o suficiente para minimizar o risco.
Tenho conseguindo taxas brutas entre 118% a 125% do CDI, prazo 2 anos. Aplico abaixo do teto do FGC.
Claro, sempre haverá stress se precisar usar o FGC. É preciso estar ciente que existe o risco. Hoje a situação econômica é outra e talvez exija maior cuidado, mas se tivesse feito isso nos últimos anos teria tido ganhos muito maiores que as aplicações que fiz em bancos de 1a linha.

rafael
Visitante
rafael

Prezado Leandro,
parabéns por mais um excelente e esclarecedor artigo. Diante do exposto “seguro contra calote dos títulos brasileiros, atinge o maior patamar desde 2009”, qual a probabilidade de um calote por parte do Tesouro?

Alexandre
Visitante
Alexandre

Muito bom leandro Parabéns…obrigado pelas informações!

Marcelo
Visitante
Marcelo

Olá, Leandro. Parabéns pelo comentário.
Tenho aplicações em fundos de ações há cerca de 4 anos e meio.
Neste período, elas acumularam – até esta crise das bolsas – cerca de 80% líquidos.
Já verifiquei que tive perda de aproximadamente 12%, entre julho e agosto.
O cenário ainda está sombrio. Penso em determinar um patamar de perda para, caso ocorra, alocar para renda fixa, com o objetivo de “salvar” algum lucro.
Seria o correto?
Abraços

Adriano
Visitante
Adriano

Prezado Leandro,
gostaria de agradecê-lo pelas informações disponibilizadas em seu blog, pois foi através dele que comecei a investir em títulos públicos. Retirei o dinheiro da poupança, abri conta na corretora e hoje gerencio meus investimentos.

Maiara
Visitante
Maiara

Oi, Leandro!
Obrigada por nos ajudar diariamente com informações tão valiosas sobre investimentos!
Para mim, o seus artigos são os mais bem explicados de toda a internet, eles têm me ajudado muito no controle de finanças e em que rumo tomar sobre os investimentos!
Obrigada, mais uma vez!

João Neto
Visitante
João Neto

olá Leandro, é a primeira vez que escrevo aqui, e gostaria de parabenizá-lo por sua postura!
Sei que a diversificação é uma forma de proteção do patrimônio, mas vc poderia me indicar algum artigo ou livro sobre este tema?Obrigado

Leonardo
Visitante
Leonardo

Leandro, vc tem o melhor blog sobre finanças de todos os que eu leio por aí! Parabéns e continue com esse ótimo trabalho!
Só estou esperando vc escrever mais artigos sobre FIIs! Abraços.

Margarete Borba
Visitante

Ola! Leandro
Como sempre, sua escrita e suas explicações são excelentes.
Obrigado por se dedicar seu tempo com informações tão úteis aos investidores. Você é um verdade educador financeiro. Adorei também o vídeo que você recomendou para o responder a dúvida da Julianne.

Roger
Visitante
Roger

Leandro, eu recebi o seu e-mail com a frase “Se você investe ou pretende investir em títulos públicos não deixe de ler o artigo.”, e sinceramente, esse artigo é complexo pra mim, não invisto em TP, e nem tenho nenhuma graduação nas áreas de finança ou economia, sinto que para ter retorno de verdade com os meus futuros investimentos nessas áreas, eu deveria pelo menos conseguir entender perfeitamente um texto como esse e também sobre o comportamento do mercado atualmente. Minhas perguntas são: não tendo um conhecimento ‘básico’ desses investimentos, quais as minhas chances de obter algum lucro? Melhor aprender e investir ou investir aprendendo? Por onde começo?

Obrigado e parabéns pelo seu trabalho!

Alessandro Castro
Visitante
Alessandro Castro

Leandro, bom dia! Parabéns por mais um excelente artigo que nos auxilia no entendimento do complexo mercado financeiro. Tenho dúvidas quanto a estratégia que tracei de investimentos. Adquiri Tesouro Selic 2021 pensando em futuramente me desfazer destes papéis para adquirir IPCA (assim que iniciar o processo de desinflação) você julga essa estratégia errada e/ou arriscada? Obrigado.

marcelo Pereira
Visitante
marcelo Pereira

Olá Leandro. Pelo visto quanto maior a rentabilidade dos Títulos Públicos melhor para o investidor (grandes especuladores e instituições financeiras) que através de seus economistas sempre colocam o cenário pessimista da economia brasileira. Ou seja, quanto pior melhor. Para tanto, li um excelente artigo de Ladislau Dowbor publicado no site: http://outraspalavras.net/brasil/dowbor-ausencia-de-reformas-bloqueou-lulismo/. Recomendo a todos os leitores do Clube dos Poupadores.

Fabio
Visitante
Fabio

Desculpa Marcelo, mas esse artigo é totalmente míope, considera que o governo fez tudo o que tinha a seu alcance na condução da economia e que a crise (ou melhor, a crise econômica não existe, existe uma crise política criada pelas elites) é de responsabilidade dos especuladores. O brasileiro trabalha 5 meses ao ano para pagar impostos a um estado que gasta muito e mal, e a culpa da inflação, desemprego, juros altos, etc, etc, é dos bancos?

Jorge Guerino
Visitante
Jorge Guerino

Oi Leandro,

Poderia escrever sobre títulos públicos que as instituições financeiras compram do governo e as suas características?

Seria interessante para comparar com o TD.

Obrigado

Jose Augusto
Visitante
Jose Augusto

Leandro, novamente, excelente texto!!!!
Enfatizando que temos um momento excepcional, oportunidade de fixar uma taxa em torno de 7% para título longos, e assim ter um rendimento muito bom caso haja uma melhora da economia em alguns anos, e sobretudo com ganhos de juros compostos e tributação na saída.
Obrigado pelo texto!!!

Miriam
Visitante
Miriam

Olá Leando, obrigada por mais um artigo tão educativo, que é sua proposta. Agradeço seu tempo despendido em repassar conhecimento. Seu trabalho é muito valioso e digno e espero que vc se sinta a cada dia recompensado. Deixo aqui meu muito obrigada!

Helcio
Visitante
Helcio

Leandro ontem realmente percebi que o rendimento diário do cdb foi bem acima dos outros dias. Fiquei até desconfiado.

Stéfano
Visitante
Stéfano

Muito bom, Leandro.
Como reagiriam a curto prazo os títulos privados (CDB, LC, LCI, LCA, DEBENTURES) a este elevado prêmio oferecido pelos títulos públicos? Como oferecem mais risco deveriam se atualizar fornecendo taxas ainda melhores das que ofertadas atualmente?
Gostaria de saber também qual é tua expectativa para o mercado, crê que essas taxas de 7 ainda podem subir mesmo que a Selic continue neste mesmo patamar ou apenas se esta subir mais um pouco, ou é uma expectativa da taxa de juros futura que realmente define este prêmio? Tem gente falando em 10 anos de resseção, e caso isto aconteça este prêmio iria as alturas.

Herika
Visitante
Herika

Oi Leandro, boa tarde. Poderia me esclarecer a seguinte dúvida, de acordo com o gráfico acima para quem não que esperar a data do vencimento do titulo , seria interessante compra em 01/01/13 com a taxa a.a abaixo de 4% e vendido em 01/1/14 com a taxa a.a acima de 7%? Funcionária assim?

Marcos
Visitante
Marcos

Prezado Leandro.
Nunca apliquei em titulos publicos. Já fiz o meu cadastro. Tenho 50% em LCI em 50% na poupança. Pretendo aplicar em titulo IPCA, que é o que voce menciona no seu artigo, porem pretendo resgatar no máximo em 1 ano. Melhor seria o tesouro Selic, mesmo sabendo que o rendimento é menor em comparação com IPCA?
abraço

Jorge Luis
Visitante
Jorge Luis

Boa tarde Leandro!

Um ótimo e esclarecedor artigo sobre a situação atual da economia brasileira e mundial. Tenho a impressão de que uma parte da população esta finalmente entendendo que não existe almoço grátis, ou seja, o nosso presente depende das nossas escolhas no passado e o nosso futuro depende das nossas escolhas no presente. Isso serve para nossas escolhas politicas e econômicas.

Compartilhe com um amigo