Lucro do seu trabalho

Todo trabalhador deve descobrir as despesas e os lucros do próprio trabalho. Mesmo recebendo salário, você também tem despesas geradas por sua profissão. Elas não podem ser ignoradas e não deveriam ser misturadas com as suas despesas pessoais.

Financeiramente falando, a sua vida profissional deveria ser tratada separadamente da sua vida financeira pessoal.

Neste artigo eu vou mostrar para você como descobrir a sua receita líquida, como calcular o lucro bruto, lucro operacional e lucro líquido do seu trabalho e como usar isso para refletir, tomar decisões e construir um futuro melhor.

Vamos utilizar um processo muito simples e bem parecido com o existente dentro das grandes empresas. Todas as empresas listadas na Bolsa divulgam um relatório chamado DRE (Demonstração do Resultado do Exercício). Ele apresenta publicamente as receitas, custos, despesas, impostos e o lucros da empresa em um determinado período.

A DRE é uma das fontes de informação que os investidores utilizam para comprar ações de boas empresas listadas na Bolsa.

Eu acredito que as pessoas também deveriam produzir uma espécie de “Demonstração Pessoal do Resultado do Exercício” que chamarei de DPRE. Vamos aprender a fazer isso agora, mas antes fica aqui um alerta. Normalmente as pessoas evitam fazer esse tipo de avaliação, pois descobrir quanto realmente ganhamos, depois de todas as despesas, impostos e custos, costuma ser uma atividade desagradável e até depressiva.

Sei que não é fácil encarar esses números, mas eles mostram a nossa verdade financeira. Essa verdade nos motiva a fazer alguma coisa. Fugir também é “fazer alguma coisa”, mas não é a melhor coisa a ser feita, pois fugir não muda a verdade. Clique na figura abaixo e assista ao trecho do filme:


O vídeo mostra um trecho do filme “The Matrix” logo depois que o personagem Morfeu revela o que é Matrix. Neo não estava preparado para ouvir a verdade. Nem sempre a verdade é fácil, mesmo assim ela continua sendo uma verdade que exige uma decisão.

Ao calcular a sua DPRE você terá o seu verdadeiro resultado financeiro e através dele você poderá tomar decisões como encontrar uma forma de aumentar suas receitas mensais ou buscar meios para cortar e otimizar seus custos e despesas que tenham relação com o seu trabalho.

Fazendo a sua própria demonstração para calcular os seus resultados financeiros, você terá mais facilidade para entender a importância de aprender a estudar a DRE divulgada pelas empresas com ações listadas na Bolsa. Isso é fundamental para quem deseja aprender a investir em ações de boas empresas. No meu livro: Como Investir na Bolsa: Análise Fundamentalista, eu mostro como analisar os resultados financeiros das empresas antes de investir.

A estrutura da DPRE de uma pessoa física é bem simples, mas bem parecida com a estrutura da DRE de uma empresa. Como você pode ver logo abaixo, uma demonstração de resultado é uma grande conta de somar e subtrair. Todos podem fazer.

  • Sua Receita Bruta
    • (-) Deduções, abatimentos e impostos
  • (=) Receita Líquido
    • (-) Custos para manter o seu trabalho diário
  • (=) Lucro Bruto
    • (-) Despesas indiretas relacionadas ao seu trabalho
  • (=) Lucro Operacional
    • (-/+) Despesas e resultados financeiros
  • (=) Lucro Líquido do seu Trabalho

 

Primeiro passo: Descubra a sua receita líquida

Vamos imaginar que a sua fonte de renda é um trabalho assalariado. Todos os meses você provavelmente recebe um “Recibo de Pagamento de Salário” onde você já tem a sua receita bruta, todos os descontos, impostos e a receita líquida. Veja um exemplo:

No exemplo acima uma pessoa fictícia tem uma renda bruta de R$ 10.000,00. Poderia ter utilizado qualquer outro valor como exemplo, pois a renda bruta é uma renda decorativa. É o que as pessoas dizem que ganham, mas não é aquilo que elas recebem. A renda bruta tem grande utilidade para o Governo. Através dela, o Governo garante a “parte dele” antes de você tocar no seu próprio dinheiro.

Após descontar o imposto de renda, INSS e outros, você terá a sua renda líquida. Com R$ 10.000,00 de renda bruta menos R$ 3.094,20 de descontos teremos uma receita líquida de R$ 6.905,80. O que nos importa aqui é a sua Renda Líquida de impostos e de descontos. Ela que será utilizada para pagar os custos que você tem para trabalhar e com o que sobrar você terá recursos para viver.

O mesmo acontece nas demonstrações de resultados das empresas. A DRE de muitas empresas já começa exibindo o “Resultado Operacional Líquido” que já representa o valor que a empresa recebeu após descontar impostos que recaem sobre a receita bruta como ICMS, PIS/COFINS, ISS (governo sempre garante o dele primeiro). Também é nessa fase que se aplica devoluções, abatimentos e descontos.

Segundo passo: Descubra seu Lucro Bruto

Da sua Receita Líquida você deve deduzir todos os custos que você teve para poder trabalhar. Temos o péssimo costume de misturar esses custos com o nosso custo de vida. Não é correto fazer isso, pois prejudica a avaliação sobre os ganhos do seu trabalho. Você trabalha para viver, não vive para trabalhar e por isso as finanças do trabalho deveriam ser tratadas separadamente das finanças da sua vida.

Vou apresentar alguns exemplos somente para ilustrar o artigo. Cada leitor tem a sua própria realidade e deve refletir sobre seus próprios exemplos.

Vamos imaginar que você vai para o trabalho de carro. Você gasta uma grande quantidade de combustível que não gastaria se não trabalhasse onde trabalha. Você gasta com estacionamento, você gasta com seguro, impostos, manutenção, lavagem do carro, etc. Tente avaliar o custo total de ter um veículo. Vamos imaginar que você gaste 80% do tempo de uso do carro com atividades relacionadas com o seu trabalho e 20% com atividades relacionadas com sua vida pessoal. Isso já ajudará a definir quanto dos custos de ter um carro são custos de trabalho. Não precisa ser um cálculo exato, pois o objetivo aqui é trazer para a consciência uma informação que passa desapercebida.

Se você usa transporte público, calcule esse custo do ir e vir nos dias de trabalho.

Se a empresa onde você trabalha produz despesas adicionais com roupas, sapatos, perfumes, maquiagem, pintura de cabelo, unhas pintadas e outros adereços que você não teria se trabalhasse em casa ou em outra atividade, então esse custo de “montagem do personagem profissional“, também representa um custo do trabalho que deve ser deduzido da sua receita líquida. Eu já vi casos de pessoas em determinadas profissões que poderiam perder o emprego se não tivessem elevados custos para manter a aparência e isso envolvia até fazer cirurgias plásticas.

Se você se sente obrigado a comprar um carro mais caro por acreditar que isso influencia positivamente no seu trabalho, então esse custo adicional com o carro mais caro é custo de trabalho.

Você utiliza um computador pessoal, um celular e uma plano de celular pagos por você e que beneficiam o seu trabalho? Isso também é custo, pois quando esses equipamentos quebrarem ou ficarem obsoletos você será obrigado a comprar outro para continuar trabalhando da melhor forma. O mesmo vale para o caso de profissões onde você precisa comprar ferramentas e equipamentos com seu próprio dinheiro.

Se você tem custos que só existem porque você trabalha todos os dias, esse custo deve ser deduzido da sua receita líquida com o objetivo de encontrar o Lucro Bruto do seu trabalho. Uma forma que ajuda a identificar esses custos é verificar quais custos diminuem ou zeram quando você entra de férias ou para de trabalhar.

Vamos supor que no nosso exemplo esse custo para a realização do trabalho seja de R$ 1.000,00 mensais. Ao deduzir esse custo (R$ 1.000,00) da Receita Líquida (R$ 6.905,80) encontramos o Lucro Bruto que no nosso exemplo será de R$ 6.905,80 – R$ 1.000,00 = R$ 5.905,80 de lucro bruto.

Se fosse a DRE de uma empresa, nessa etapa iriamos deduzir os custos de aquisição do produto que foi vendido, no caso de um comércio. Se fosse uma indústria teríamos os custos de produção. Se fosse uma empresa de serviços seriam os custos para prestar o serviço. Despesas fixas e depreciações seriam descontadas nos próximos passos.

Terceiro passo: Descobrir o Lucro Operacional

Aqui vamos deduzir custos indiretos que você tem por trabalhar. Mesmo quando você tira férias, esses custos continuam existindo, pois tendem a ser custos fixos relacionados com sua atividade profissional.

Você precisa contratar uma empregada doméstica, uma babá ou uma creche para poder trabalhar? Se essas despesas só existem porque você trabalha fora, então essas despesas serão descontadas do seu lucro bruto para que possamos encontrar o seu lucro operacional.

Você paga um aluguel mais caro por acreditar que é melhor morar perto do trabalho? Essa diferença entre o aluguel caro e o aluguel barato, que você teria se não trabalhasse onde trabalha, é uma despesa que precisa ser descontada do seu lucro bruto. Considere também o condomínio e custos de vida diferenciados por morar perto do trabalho.

Você investe em cursos e livros relacionados com a sua profissão? Está fazendo uma nova faculdade ou um curso de pós-graduação? Tudo isso é investimento relacionado ao trabalho.

Reflita sobre despesas fixas que você possui e que estão relacionadas com a sua profissão.

Vamos imaginar que no nosso exemplo essas despesas foram de R$ 1.500,00. Então teremos R$ 5.905,80 de lucro bruto – R$ 1.500,00 de despesas operacionais = R$ 4.405,80 de lucro operacional do seu trabalho.

Quarto passo: Descobrir o Lucro Líquido do seu trabalho

Por último vamos descontar do Lucro Operacional as suas despesas e receitas financeiras relacionadas com o seu trabalho. Com isso iremos descobrir o Lucro Líquido do seu trabalho.

Você está pagando o financiamento do carro que utiliza para trabalhar? Os juros e taxas desse financiamento devem ser descontados do seu lucro operacional.

Vamos imaginar que todos os meses você investe uma determinada quantia, em alguma aplicação financeira, que será usada no futuro para a manutenção ou substituição de alguma coisa importante para o seu trabalho. Exemplo: notebook, smartphone, veículo, cursos etc. Se esse dinheiro render juros, esse resultado positivo deve ser adicionado neste momento. Se você não tem uma reserva financeira com esse propósito, é importante criar uma para não comprometer reservas da sua vida pessoal.

Agora vamos imaginar que você gastou seu dinheiro pessoal para investir em alguma coisa relacionada ao seu trabalho. Se isso aconteceu, é importante que você devolva esse dinheiro para você mesmo, incluindo o pagamento de juros para você.

Vamos imaginar que o resultado financeiro foi de -R$ 400,00. Teremos R$ 4.405,80 de resultado operacional menos R$ 400,00 para encontrar R$ 4.005,80 de resultado líquido ou lucro líquido do seu trabalho.

Margens de lucro:

Agora você pode calcular as margens de lucro do seu trabalho, assim como as empresas calculam suas margens de lucro nas DREs que divulgam trimestralmente.

Dividindo o seu Lucro Bruto de R$ 5.905,80 pela Receita Líquida de R$ 6.905,80 temos a margem bruta de 85,5%

Dividindo Lucro Operacional de R$ 4.405,80 pela Receita Líquida de R$ 6.905,80 temos margem operacional de 63,7%

Dividindo o Lucro Líquido de R$ 4.005,80 pela Receita Líquida de R$ 6.905,80 temos margem líquida de 58%.

Calcule a sua DPRE todos os meses, todos os trimestres ou todos os anos e no decorrer do tempo você terá uma informação sobre a evolução dos fundamentos da sua vida financeira pessoal que terá grande utilidade para motivar você a tomar decisões. Quando identificar que as margens estão caindo, busque descobrir o que está acontecendo. Talvez você descubra que a sua margem está muito baixa. Talvez descubra que você está pagando para trabalhar. Talvez você fique chateado com o resultado e queira ignorar tudo isso, fugindo da verdade como o personagem do filme.

Utilidade prática:

Você só pode tomar decisões envolvendo o seu dinheiro quando tem informações sobre o seu dinheiro. Você é responsável por gerar informações sobre a sua vida financeira e também é responsável por analisar e tomar decisões que possam beneficiar a sua vida financeira. Ninguém fará isso por você.

Utilizando o seu demonstrativo pessoal de resultados, é possível analisar o crescimento ou a degradação das suas receitas, custos, despesas e lucros do seu trabalho. Isso motivará você a tomar decisões para reduzir custos e até aumentar suas receitas para obter um lucro maior pelo trabalho que você realiza.

Se você fosse uma empresa, provavelmente destinaria uma parte dos seus lucros para investir em pesquisas, novos conhecimentos e tecnologias que ajudassem a aumentar seus lucros (aumentando receitas e reduzindo custos e despesas). Como pessoa física, você pode fazer a mesma coisa. Invista em você, como se estivesse investindo no seu negócio. Jogue fora a mentalidade de empregado e carregue na sua mente a mentalidade de um empreendedor. Isso fará uma enorme diferença nos seus resultados.

Produza informações sobre a sua vida financeira. Estude essas informações e os seus fundamentos como se estivesse analisando um negócio, com toda a seriedade que a sua vida merece. Tome decisões para melhorar os seus resultados nos próximos meses e anos. Evite fugir. Busque a verdade, mesmo não sendo fácil, mesmo quando ninguém está fazendo isso.

Leitura recomendada: lista de livros sobre investimentos.

Receba um e-mail quando novos artigos forem publicados, inscreva-se no Clube dos Poupadores. Ative as notificações no seu navegador clicando aqui ou no sino vermelho no canto inferior direito desta página

Sobre o Autor:

Leandro Ávila é educador financeiro formado em administração de empresas e especializado em investimentos. Por acreditar que a educação financeira pode transformar vidas, criou o Clube dos Poupadores para compartilhar seus artigos e livros sobre Independência FinanceiraInvestimentos em Ações por Análise Fundamentalistapor Análise Técnica, Investimentos em Títulos PúblicosInvestimentos em CDB, LCI e LCA, e em Imóveis.
newest oldest
Esequiel Xavier Ribeiro
Visitante
Esequiel Xavier Ribeiro

Muito boa essa explanação

Marcos Fermino
Visitante
Marcos Fermino

Prezado Leandro, você é um grande mestre. Essa avaliação do custo do trabalho é muito interessante, pois mostra uma realidade que muitas vezes fica camuflada em nosso dia a dia. Há aqueles que dependem de sua imagem pessoal para trabalhar e tem gastos elevados com itens de cuidados pessoais, mas a maioria das pessoas pode reduzir drasticamente suas despesas relacionadas ao lado profissional, desde que estejam dispostas a abrir mão de pequenos itens de status, que não agregam nada. Abraço!

Souza
Visitante
Souza

Muto interessante o raciocínio, esse demonstrativo pessoal também servirá para, ao longo do tempo, medir a evolução os custos com seu trabalho e inflação (através do cálculo da margem líquida), porque muitas vezes ganhamos nominalmente mais, mas não nos damos conta que pagamos muito mais impostos e a inflação dos custos relacionados ao trabalho é maior que o aumento real dos ganhos. muito interessante, à moda do “milionário mora ao lado”, devemos desenvolver a cultura da mensuração financeira para termos uma vida mais rica em outros aspectos. Finanças desorganizadas= vida desorganizada.

Renato
Visitante
Renato

Parabéns. Excelente comentário.

Nadia
Visitante
Nadia

Há também o almoço, o lanche, que às vezes se compra no trabalho. Esquecemos de deduzir despesas relacionadas a ele.

SANDRA
Visitante
SANDRA

O artigo é muito bom, mas há algumas falhas. Para assalariados, é necessário somar na receita o 13º salário e o adicional de férias, além de 8% de FGTS que, embora não vá para o bolso do trabalhador, é uma poupança (ruim) forçada. Na questão do carro, o cálculo que deve entrar é o do combustível, estacionamento e algo de manutenção. Outros, como IPVA e seguro, não fazem sentido para a maioria das pessoas pois, a partir de determinado nível social, dificilmente alguém deixaria de ter automóvel. Portanto, o preço do IPVA e do seguro é o mesmo para quem dirige dois ou 40 km/dia

Gabriel
Visitante
Gabriel

Grande Leandro! Como todos os artigos, você foi bem fundo nos conceitos e realista com a vida! Você toca na ferida e faz a gente refletir com o objetivo de evoluirmos como pessoa e como investidor!

Acompanho o Clube dos Poupadores desde 2016! E isso já me ajudou muito! Sempre indico o site para pessoas que querem investir melhor ou querem sair das dúvidas! Obrigado por tudo! Forte abraço!

M Estudiosa
Visitante
M Estudiosa

Troquei de emprego e até hoje as pessoas da Matrix acham que estou ganhando menos, o que não é verdade. Viajava de seg a sex por minha conta, me estressava, corria riscos lá (polícia judiciária) e na estrada mal feita, eram 60 horas por semana fora de casa em função do trabalho. Agora ter carro é opcional, são no máximo 30 horas por semana fora de casa, não corro riscos, não me estresso e minha hora trabalhada vale mais. O trabalho é tão tranquilo que ainda fico estudando na maior parte do tempo. Hello, Matrix? Obrigada pelo artigo, Leandro! A maioria ainda está inconsciente e precisa ler.

Marcelo Williams
Visitante
Marcelo Williams

Mais um excelente artigo, com uma visão desconcertante acerca do custo do trabalho! Parabéns.

Daniel
Visitante
Daniel

Leandro, sou um grande admirador dos seus artigos. Você ajuda abrir e expandir a mente das pessoas, e em relação a esse beneficio, transcrevo as palavas de Einstein “quando a mente se expande ela jamais voltará a seu tamanho original”. Sobre o tema,no inicio do ano tomei a seguinte decisão: deixei de ir trabalhar de carro e passei a ir de transporte público. Financeiramente reduzi drasticamente as despesas, ganhei em tempo e conhecimento, pois agora consigo na ida e volta ir lendo e fazendo cursos de plataformas online como a Udemy ou Youtube (ambas é possível baixar os vídeos para assistir).

Antonio Carlos
Visitante
Antonio Carlos

Bem didática e prático esta aula de contabilidade. Nunca pensei transferir estas informações contábeis para minha vida pessoal. Passarei a utilizar para obter uma raio X de como estou gerando lucro para mim através do meu salário. Espero não ficar “DPRE”..rsrsrs. Parabéns! Foi brilhante.

Bruno
Visitante
Bruno

Perfeito. Nesse caso muitas vezes a verdade dói muito e muitas preferem “permanecer na ignorância.
Parabéns

Bella Ferraz
Visitante
Bella Ferraz

Muito enriquecedor este artigo assim como todos que você disponibiliza aqui, Leandro. Educação financeira realmente é a chave para uma vida melhor. É muito triste saber que as pessoas vivem sofrendo horrores por falta de CONHECIMENTO SOBRE FINANÇAS. Vemos hoje em dia ONG’S dedicadas a tantas e tantas causas, mas ainda não vi uma que fomente educação sobre dinheiro. Se tivéssemos iniciativas como esta do ClubeDosPoupadores pelo Brasil inteiro, em forma de projetos, aos poucos veríamos pessoas sendo livres de si mesmas por meio do conhecimento.
Parabéns Leandro por fazer sua parte tão bem!

Andressa
Visitante
Andressa

Oi Leandro. Seu trabalho me ajudou/ajuda tomar mais consciência acerca das finanças da vida, rs. Ainda assim, dá um certo “medinho” fazer os cálculos propostos no artigo… Farei, afinal, pois serão para o meu bem. Falando em bem, estou lendo seu livro sobre análise fundamentalista. Esperei por ele e o adquiri no dia do lançamento. Só me resta dizer – grata!

Diego
Visitante
Diego

Excelente como sempre, Ávila! Abraço!

Angelo
Visitante
Angelo

Excelente Leandro. Estou fazendo administração e aprendi sobre a DRE. Para mim você é uma referência, seus ensinos nos últimos 5 anos, quando descobri seu canal me ajudaram bastante. DEUS te abençoe, dê forças e continue na sua nobre e grande missão de nos ensinar.
Se não for pedir muito, poderia nos presentear com uma planilha para facilitar os calcúlos.
Agradeço a atenção.

Carlos
Visitante
Carlos

Parabéns, adorei o tema e as explicações!

Junte-se aos nossos leitores
Inscreva-se
Seja o primeiro a receber novos artigo no seu e-mail:
Experimente, é grátis e você pode cancelar a inscrição a qualquer momento.
close-link

Compartilhe com um amigo