Crédito Rápido e Fácil: A pior forma de realizar sonhos e desejos


Estou iniciando aqui uma séria de artigos para mostrar como você pode realizar seus sonhos, satisfazer desejos e resolver problemas financeiros, sem precisar recorrer a qualquer tipo de cheque especial, crédito pessoal, consignados, crediário, dívidas no cartão de crédito e financiamentos.

É através da educação financeira que você se libertará da servidão que é depender do dinheiro dos outros durante a sua vida. Isso significa que com o mínimo de dedicação ao estudo você poderá economizar milhares de horas trabalhadas para o pagamento de juros e taxas para instituições financeiras.

O quadro abaixo é um retrato da ignorância financeira da população. Todos os anos, os brasileiros (pessoas físicas) pedem mais de R$ 1,5 trilhões emprestados para bancos e financeiras através de créditos livres (credito pessoal, consignado, cartão de crédito, cheque especial, etc.) e créditos direcionados, especialmente para a compra de imóveis. Fonte.
hf

Isso não seria um grande problema se vivêssemos em países onde as taxas de juros são baixíssimas. O problema é que o Brasil é o país com as maiores taxas de juros reais do mundo (fonte). Nosso spread bancário também é um dos maiores do mundo, segundo o Banco Mundial (fonte). O spread é a diferença entre as taxas que os bancos pagam ao captar dinheiro no mercado (através da oferta de investimentos como CDB, LCI, LCA, etc.) e o juro que cobram nos empréstimos. Essa diferença é absurdamente elevada e não existe nada comparado ao Brasil quando observamos países semelhantes ao nosso.

Na comparação entre 114 países, o Brasil ficou em terceiro lugar, perdendo apenas para o spread dos bancos de Madagascar (país que ocupa uma ilha do continente africano) e Malawi (pequeno país da África Oriental). O spread no Brasil é 31,3%. A média mundial é 6,21%. No Chile é 1,9%. Na China é 2.9%. Na África do Sul é 3.3%. No próximo gráfico é possível observar que grande parte do mundo tem spread bancário de apenas um dígito.

Isso significa que você tem todas as razões do mundo para educar-se financeiramente, de tal forma que nunca mais precise trabalhar dobrado para realizar sonhos pagando juros e taxas aos bancos.

Eu não culpo os bancos pelo spread elevado. Bancos não são instituições de caridade, não são instituições de ensino sobre educação financeira, são instituições com fins lucrativos que oferecem os serviços que as pessoas querem comprar, pelo preço que elas aceitam pagar.

Exigir que um banco estimule você a ter suas próprias reservas financeiras para não depender de empréstimos seria esperar que o dono da fábrica de comida enlatada estimule você a comer alimentos frescos ou que a fábrica de cerveja desenvolva uma campanha contra o consumo de bebidas alcoólicas. Essas e outras indústrias apenas vendem os produtos que são demandados pela sua ignorância.

A sua falta de educação financeira cria uma enorme oportunidade de negócios para os bancos e demais instituições do sistema. Bancos não resolvem problemas de educação, eles vendem os paliativos para reduzir os sintomas da sua falta de educação financeira.

Os bancos brasileiros alegam que o spread elevado é uma consequência da inadimplência, impostos e insegurança jurídica no Brasil. Isso seria verdade se o Brasil fosse o terceiro maior em inadimplência, impostos no setor bancário e em insegurança jurídica. Associações e federações que representam empresários da indústria e do comércio sempre reclamaram dos elevados spreads bancários e isso nunca adiantou. Em 2012 o governo iniciou uma tentativa desastrada de reduzir o spread, na base da força bruta, fazendo uso dos bancos públicos, gerando uma crise política e econômica (fonte).

Nada disso deu certo. O motivo é simples. A origem do problema está na falta de educação financeira dos brasileiros que o faz aceitar taxas absurdamente elevadas. Enquanto as pessoas não compreenderem que os juros praticados são absurdos e que elas deveriam aprender a poupar e investir o próprio dinheiro, para fazer suas compras de forma planejada, os bancos vão continuar praticando taxas elevadas, já que a demanda pelo crédito caro é incessante.

O crédito não foi feito para você

Por muitos séculos os bancos viveram dos lucros obtidos através de empréstimos que faziam para reis, imperadoras, mercadores, navegadores, comerciantes e donos de indústrias. Bancos do mundo todo possuem como seus maiores credores os governos dos países.

Inúmeras guerras na história foram patrocinadas por banqueiros. Continentes e países foram descobertos através dos seus empréstimos. Grandes expedições como as de Cristóvão Colombo e de Pedro Alvares Cabral, que resultaram na “descoberta” da América e do Brasil, foram financiadas por banqueiros. Um descendente desses banqueiros você conhece. Veja aqui ele contando a história.

A busca por financiamento para a atividade empreendedora sempre fez sentido. Diante de uma oportunidade, o empreendedor avalia o custo do dinheiro (juros) e os lucros que pode obter acima desse custo. Quando os lucros podem ser maiores que o custo do dinheiro (juros) o empreendedor faz o empréstimo e consegue construir riquezas através das dívidas.

Com R$ 3 mil você pode comprar um carrinho de cachorro quente, como esse da figura abaixo, ou uma televisão de 55 polegadas. O carrinho será um instrumento que te permitirá ganhar dinheiro fazendo o uso produtivo do seu tempo. A televisão será um instrumento que permitirá perder dinheiro fazendo o uso improdutivo do seu tempo.

Os lucros mensais obtidos com a venda do cachorro quente poderiam ser suficientes para pagar o preço do carrinho e os juros devidos no decorrer do tempo. Não importa se você pretende investir através de um carrinho de cachorro quente ou se pretende construir uma enorme fábrica de salsichas. O crédito sempre foi, e continuará sendo, uma importante ferramenta para a construção de riquezas nas mãos dos bons empreendedores. O problema está no uso do crédito como potencializador do nosso consumismo.

Você não será estimulado

Não faz muito tempo que as pessoas adquiriram o mal hábito de usar o crédito para potencializar seu consumismo ou para complementar a própria renda. Para as empresas o crédito rápido e fácil é uma oportunidade de vender produtos e serviços até para aquelas pessoas que não possuem dinheiro para isso. Comprometendo sua renda futura, você tem a possibilidade de satisfazer seus desejos e impulsos mais imediatos.

O crédito não deveria ser utilizado para essa finalidade, especialmente no Brasil onde os juros são absurdamente elevados quando comparamos com a realidade global. O problema é que nenhum governante, banco ou empresa fará qualquer esforço para estimular a sua poupança para o consumo planejado. Todos eles perdem quando você deixa para comprar depois, pagando à vista. Vale lembrar que estimulando o consumismo o governo aumenta a arrecadação de impostos sobre o consumo, os bancos emprestam mais dinheiro e as empresas vendem mais.

Copiando seus amigos

Se você depende constantemente do cheque especial, dívidas no cartão de crédito, empréstimos pessoais e crédito para adquirir carros, eletrodomésticos, viagens, joias e roupas, você sofre um desequilíbrio. Certamente não percebe que tem um problema pelo fato de todas as pessoas que você conhece sofrerem do mesmo problema. Nessas condições, o anormal é visto como normal.

Não importa se os seus amigos estão consumindo loucamente através das dívidas. Eles também sofrem um problema. Estão trabalhando mais para jogar dinheiro pela janela através do pagamento de juros e taxas dos empréstimos que fazem desnecessariamente.

Se as pessoas que você conhece agissem de uma forma exemplar com relação ao dinheiro, não viveríamos em um país onde mais da metade da população está endividada (fonte) e sem pensar no futuro (fonte).

A única coisa que você vai conseguir mantendo o mesmo padrão de consumo dos seus amigos, que vivem endividados, é ter uma vida repleta de contas para pagar, problemas financeiros, pouco tempo livre e muito trabalho para pagar os juros e as taxas cobradas pelos bancos.

Empréstimo com juro zero

As modalidades mais comuns de crédito, que fazem dos bancos brasileiros os recordistas em lucros (fonte), são o cheque especial, financiamento de bens ou serviços (carros, viagens, eletrodomésticos, imóveis etc.), empréstimo pessoal, crédito consignado em folha de pagamento e cartão de crédito.

No próximo artigo iremos falar sobre as verdades, mentiras e problemas do cheque especial. Vou mostrar como você pode criar o seu cheque especial independente. Ele é o único cheque especial que não cobra taxa de juros quando você precisa de dinheiro (juro zero) e ainda remunera você diariamente quando não estiver fazendo uso do dinheiro.

Qual é o seu preço?

Você precisa tomar muito cuidado com o conteúdo que você encontrará na internet falando sobre as vantagens de utilizar o crédito para realizar desejos ou resolver seus problemas financeiros. Recentemente uma agência de publicidade me enviou um e-mail com o título “Cotação Clube dos Poupadores”. A mensagem dizia:

“…nossa ideia é que o seu blog produza conteúdos com dicas sobre qual a melhor solução de crédito para diferentes situações e os pontos de atenção na hora da contratação. O que você precisa falar: 1) Reforçar o posicionamento de crédito responsável como uma solução para realizar desejos e resolver situações emergenciais do nosso cliente; 2) Informações sobre os produtos do banco como a facilidade no processo (simulação + contratação) e estímulo da utilização dos canais digitais na contratação. Procuramos alguém que tenha a cara da campanha para nos ajudar e pensamos no Clube dos Poupadores.”

Respondi, de forma educada, que meus textos sobre educação financeira não tinham preço, não podiam ser negociados e cotados como se fossem uma mercadoria. Isso significa que nem mesmo todo o dinheiro do banco seria suficiente para me fazer escrever qualquer coisa contra meus princípios.

Esclareci que como educador, estou a serviço da educação. O crédito para realização de sonhos é um sintoma da falta de educação financeira. Se a origem do problema é a falta de educação, a melhor solução só pode ser a educação e não o crédito rápido e fácil. Aceitar uma remuneração para escrever sobre o contrário do que acredito seria o mesmo que me servir do mal-uso da educação.

A certeza da agência de que apresentaria “meu preço” foi tanta que o título da mensagem já destacava que se tratava de uma cotação. O conteúdo da mensagem já transmitia as instruções de como o texto deveria ser escrito para atender os interesses do banco. Isso significa que essa agência já está acostumada com essa prática junto a outros educadores. Isso é preocupante.

Dessa forma, tomei a decisão de escrever uma série de artigos fazendo justamente o contrário daquilo que o banco me pagaria para fazer. Vou falar o que as pessoas precisam aprender sobre crédito, colaborando para que dependam cada vez menos dos bancos. Somente no dia que as pessoas forem financeiramente educadas que teremos um país rico, grande e forte. Isso significa bancos competindo por clientes conscientes e inteligentes, oferecendo taxas de juros competitivas para quem precisa de empréstimo e para quem precisa investir.

É para isso que existe a educação financeira que eu acredito e que defendo através dos meus livros independentes. A educação financeira serve para que as pessoas respeitem o próprio dinheiro, pois ele é o resultado do tempo que gastamos para consegui-lo. O nosso tempo é a nossa vida.

Dia da sorte...

Muita gente acredita que ter sucesso na vida financeira depende de um tipo sorte. Descobri uma forma de aumentar essa sorte: quanto mais você estudar sobre ganhar, poupar e investir dinheiro, mais sorte terá na sua vida financeira. Escrevi uma série de livros que vão ajudar você a aumentar esse tipo de "sorte" rapidamente:Clique aqui para conhecer os livros.
Esse artigo foi útil?
Deixe-nos saber, se você gostou deste artigo. Só assim podemos continuar melhorando.
Sim
Não

Sobre o Autor:

Leandro Ávila criou o Clube dos Poupadores por acreditar que o conhecimento é uma riqueza que se multiplica quando dividida. Compartilhando o que sabemos, criamos um mundo melhor. Conheça os livros que ele escreveu sobre educação financeira, investimentos financeiros e imobiliários.
Talita
Visitante
Talita

Quando você diz “Essas e outras indústrias apenas vendem os produtos que são demandados pela sua ignorância” eu discordo, pois às vezes temos conhecimentos sobre os riscos e consequências de produtos enlatados ou cervejas (ou outro produto qualquer) e mesmo assim consumimos, por outros fatores que vão além da ignorância. Acho importante conhecermos os produtos para que possamos decidir se queremos ou não consumir, todavia tendo ciência dos impactos e consequências daquele consumo.

Cleiton Oliveira
Visitante

Mais um excelente artigo. Muitas pessoas acreditam que só conseguirão algumas coisas na vida por meio do crédito. Isso acontece devido a falta de educação financeira.

Querer copiar o padrão de vida dos outros e não refletir e definir quais são os objetivos pessoais e financeiros e conquistá-los por meio de um planejamento financeiro são um dos piores sabotadores dos sonhos.

Um grande abraço.

Tiago Medeiros
Visitante
Tiago Medeiros

Parabés Leandro.. belo texto..fujamos da ignorância financeira em que os bancos e a TV nos impõe..

Obrigado!

Cássio
Visitante
Cássio

Ótimo artigo!
Parabéns por manter seus princípios!

Yuka
Visitante
Yuka

Parabéns Leandro. Dá para perceber mesmo que a sua postura é completamente diferente da maioria dos sites que se vê por aí. Acompanhava vários consultores financeiros, blogueiros, sites de finanças, mas aos poucos, essas pessoas vão sendo corrompidas, falando que “previdência privada é um ótimo investimento”, de que “fazer dívidas boas é muito bom”, e assim vou deixando de acompanhar o trabalho destas pessoas. A parte ruim é que a maior parte da população não percebe que está sendo enganada, que existe uma propaganda por trás destes discursos. Por isso, parabéns pelo Clube dos Poupadores!

Marcio
Visitante
Marcio

Mais um ótimo artigo Leandro, parabéns pelo trabalho.

Guilherme
Visitante
Guilherme

Atitude exemplar. E o seu revide veio da melhor forma possível. Parabéns.

Ganesh
Visitante
Ganesh

Parabéns pelo e artigo e pelo seu trabalho!

Tiago Xavier
Visitante
Tiago Xavier

Boa tarde!!!

Leandro,

Excelente artigo, simples, claro e objetivo.

Infelizmente, no mundo atual as pessoas pensam que para fazer parte de um grupo
e ser bem visto na sociedade é necessário apresentar um status que nem sempre corresponde com
a realidade que a própria pessoa vive.
Para satisfazer tal status contrata linhas de créditos extremamente alta, juros exorbitante,
tudo isso sem pensar no futuro, apenas olhando a parcela mensal que cabe no bolso.
Ao citar o carrinho de cachorro quente e a televisão de 55 polegadas, de forma simples
deixou claro que a vida é feita de escolha.

Continue sempre com essa vontade de ensinar, e acima de tudo sem se deixar levar
pelo mundo capitalista. O dinheiro é muito bom para viver, mas a partir do momento
que não entendemos o verdadeiro significado do dinheiro, deixamos de viver e passamos
a ser escravo.

Grande abraço Leandro.

Alexandre Oliveira
Visitante
Alexandre Oliveira

Ótimo artigo Leandro! Gostei da parte da agência! rss. Especificamente sobre cartões de crédito, eu tinha um descontrole enorme, chegando a gastar 75% do meu salário no crédito. Estudando sobre educação financeira, inclusive aqui no clube dos poupadores, aprendi a dominar esse problema e isso não significa que eu quebrei ou deixei de usar o cartão, pelo contrário, o cartão de crédito é necessário, pois algumas coisas só podem ser adquiridas com ele. Eu por exemplo assino serviços na internet(netflix, google drive, etc.) que exigem cartão de crédito. Hoje eu utilizo uma estratégia que é muito eficiente pra mim no controle financeiro onde no primeiro dia de cada mês eu debito na minha conta corrente o orçamento previsto do mês, então gasto apenas o que está disponível e vou controlando isso lançando os gastos em uma planilha. Todo santo dia eu acesso a planilha e a conta e vejo o que entrou de gastos e em seguida atualizo a planilha. Uma coisa interessante desse método é notar quando o banco te empurra algo que você não pediu e que não está na sua planilha, como um seguro de alguma coisa, ou um lançamento indevido. Eu já pedi por exemplo para estornar seguros que não solicitei e que em outras épocas passariam batido. Outra coisa interessante que mudei foi a forma de pensar sobre como gastar o dinheiro. Antes eu gastava (cartão de crédito) e depois pagava, hoje eu gasto aquilo que está disponível no orçamento sendo que cada compra é pensada. O mercado por exemplo foi o lugar que mais mudei o pensamento. Antes eu saía pegando tudo, hoje devido ao orçamento eu questiono se realmente é necessário ou se eu posso comprar sem gerar problema. São pequenas coisas que realmente fazem a diferença no final do mês.

É isso aí. Abraço.

Cleber A. Nunes
Visitante
Cleber A. Nunes

Excelente artigo no meio de tanta oferta desesperadora dos “vendedores de sonhos”. Mesmo com a diminuição e o aperto de contas é necessário fugir de presente de grego.
A ideia da série é indispensável para quem pensa na reeducação.

Garyo
Visitante
Garyo

Olá Leandro boa tarde.
Muito obrigado por mais um artigo maravilhoso. Voce é um cara realmente fantástico e por quem eu tenho profunda admiração.
Sua coragem fazem de voce meu ídolo.Parabens.
Eu ja ouvi varias vezes conselhos de pessoas proximas de que eu deveria comprar isso ou aquilo e de que ter dívidas (uma prestação pra pagar) é uma coisa normal.
As pessoas realmente acreditam ser normal ter uma prestacao para pagar. Ate sentem falta da prestacao quando finalmente quitam uma divida. Isso eh preocupante….

Thiago Ferreira
Visitante
Thiago Ferreira

Boa tarde Leandro, agradecemos por não corromper os seus princípios e por continuar a nos trazer educação financeira… rs. Excelente texto.

Guilherme Wosny
Visitante
Guilherme Wosny

Ola Leandro. Parabéns pelo artigo. Você tem algum dado referente ao ranking de inadimplência por país? Na minha percepção a Inadimplência e o tão falado Custo Brasil são os fatores que mais pesam no spread. Estou certo nesse raciocínio? Cada dia aprendo um pouco mais no Clube dos Poupadores. Grande Abraço

Renan
Visitante
Renan

Parabéns Leandro, obrigado por levar tanta informação financeira de qualidade à população. Seu blog é muito valioso. Se não me engano, em alguns países tipo EUA, creio que ainda se consegue abater os juros do financiamento do Imposto de Renda, o que prejudica ainda mais as comparações do tipo: Ah, mas nos EUA todo mundo faz assim…

Luina
Visitante
Luina

Muito bem, Leandro! Agora, admiro mais ainda você e seu trabalho! Você me faz seguir sempre estudando! Abraço!

Fernando
Visitante
Fernando

Leandro,

está de parabéns pelo texto e, principalmente, pela atitude.

Muitos pseudo-educadores se vendem e acabam enganando seus leitores ao fazer promessas milagrosas de investimentos que mudarão a vida deles, em torno de alguma remuneração.
Caso o autor identifique devidamente a publicidade, não vejo dúvidas, mas quando o negócio é implícito, de forma a influenciar as pessoas para uma ‘armadilha’ é totalmente desprezível.

Seus textos são ótimos. Inclusive os do seu novo blog.

Leandro
Visitante
Leandro

Que bom saber que apesar de tudo ainda temos brasileiros que se importam com brasileiros, parabéns por mais essa matéria.

Alessandro
Visitante
Alessandro

‘Um homem que se vende recebe sempre mais do que vale”. Sábio Barao de Itararé.. Dentre todos os ensinamentos de mais um belo artigo, o destaque para mim, particularmente, ficou para a demonstracao de que estou acompanhado alguém realmente valoroso. … “Respondi, de forma educada, que meus textos sobre educação financeira não tinham preço, não podiam ser negociados e cotados como se fossem uma mercadoria. Isso significa que nem mesmo todo o dinheiro do banco seria suficiente para me fazer escrever qualquer coisa contra meus princípios…”, foi A sentença do artigo. Parabéns, Leandro! Não se venda. Você com certeza vale muito mais. Abraço.

Camila
Visitante
Camila

Parabéns Leandro por mais um excelente artigo, e também pelo seu compromisso com seus leitores. Fiquei chocada com a audácia do e-mail que você recebeu e fiquei muito feliz com seu posicionamento. Ultimamente, para minha tristeza, vejo cada vez mais “educadores financeiros” aceitando propostas desse tipo e os blogs que acompanho diminuem a cada dia! Continue sempre com seu compromisso com a verdade e a educação das pessoas, tanto aqui no CP quanto no TF! Abraços!

Johnathan
Visitante
Johnathan

Show de bola Leandro, e muito admirável a sua postura de continuar nos educando com a verdade, e não se deixar levar pelo dinheiro q te oferecem para falar o contrário do que vc propoe a educação financeira, a sua contribuição com a sociedade será muito recompensada com um país melhor onde vc contribuiu, fez a sua parte. Eu aprendi lendo os livros do Robert kyosaki q só faz dívida para comprar ativos, nunca faça impréstimo para comprar passivos, afinal os ricos ficam mais ricos usando empréstimos para financiar ativos e não passivos. Muito grato, abraços!

Rodrigo Góes
Visitante

Opa Leandro,

Poucos comentam, mas essa queda de braço da Dilma com os bancos pode ter sido a força motriz por trás do impeachment.

P.S: Vi na internet uma nova modalidade de empréstimo chamada Peer to Peer, que é bem barata, mas possui alguns riscos. São empresas que intermediam recursos de pessoas que desejam investir emprestando dinheiro, a favor das pessoas ou empresas que precisam de dinheiro emprestado.
Quem empresta tem um determinado retorno e quem pede emprestado paga bem menos juros que os bancos. Você acha isso confiável? Achei no mínimo inovador, pois é uma forma de escapar do oligopólio bancário.

P.S 2: Obrigado por escrever mais um excelente artigo. fiz questão de compartilhar com as pessoas que eu realmente me importo.

Ayrton Costa
Visitante
Ayrton Costa

Sensacional, sempre acompanho e me inspiro em suas palavras e decisões estratégicas!

Ser autêntico é uma virtude magnífica!

Sou ex-bancário e sei muito bem como são as coisas, por isso pedi demissão!!!

Grande abraço e continue assim!

Militar ES
Visitante
Militar ES

Parabéns e muito obrigado Leandro! Sou militar do Estado do ES e nesses anos todos como servidor público sempre fui cheio de empréstimos, cartões, dívidas de todas as cores e sabores.. Tudo mudou quando conheci o Clube dos Poupadores: As dívidas foram levantadas e estão sendo pagas, criei e sigo um orçamento mensal, estou estabelecendo metas, sempre compro à vista, e sigo outras estratégias que aprendi por aqui. Mais uma vez obrigado! Sigamos à libertação financeira.

Lucas
Visitante
Lucas

Leandro ,excelente artigo mais uma vez.
Parabéns pela iniciativa em recusar o que o banco lhe ofereceu para continuar ajudando aos seus leitores a fugir dos vícios que citou no texto e também na ignorância em buscar empréstimos com juros elevados para realizar sonhos.
Precisamos de mais educadores como você. Obrigado

Gabrielly
Visitante
Gabrielly

Parabéns pelo belíssimo artigo e pela ética com que você conduz este blog, que é algo raro nos dias atuais. Acredito que o consumismo está sendo propagado fortemente pelas redes sociais, que hoje movem a indústria do marketing muito mais que jornal e televisão. Uma foto qualquer que uma famosa posta despretensiosamente vem carregada de produtos de marcas patrocinadoras que sabem o quanto aquela famosa influenciará os hábitos de compra dos seus seguidores.
Quando virei leitora do seu blog, consegui mudar a minha situação financeira e hoje posso me dedicar a estudar para concurso, pois aprendi a fazer o dinheiro trabalhar para mim. Confesso que não é fácil viver na geração de que você vale o quanto você tem e não o que você é e seguir na contramão da maioria. Agradeço por compartilhar os seus conhecimentos e por sempre nos incentivar a investir em educação.

Luciana
Visitante
Luciana

Olá Leandro, incrível ler esse artigo hoje, porque a poucas horas antes me ligou uma dessas empresas de crédito oferecendo um empréstimo, que as taxas estavam ótimas, que poderia passar o carnaval tranquila, realizar o que quisesse com uma grana extra …blá bla bla. Pedi que me enviasse uma prévia no caso de um empréstimo de R$.2.000,00, ao final de 12 meses sabe quanto eu pagaria? R$.5.200,00…kkkk isso porque as taxas são especiais. Não utilizei o crédito é logico, prezo muito pela minha saúde financeira, mas fico imaginando quantos não se deixam sucumbir pela época (carnaval) e acabam entrando nessa fria, sem nem ao menos fazer as contas.

marcos
Visitante
marcos

Muito bom o texto Leandro! Depois de ler em um blog sobre independência financeira, achei muito interessante o texto dessa blogueira: http://gatinhainvestidora.blogspot.com.br/2017/02/independencia-financeira-nao-tem-nada.html. Queria sugerir um artigo para vc escrever: O que é a independência financeira?

Rudimar
Visitante
Rudimar

Parabéns Leandro, não só pelo excelente artigo, mas também pela atitude. Gostaria de sugerir um assunto ou sua opinião sobre Debêntures. Tem excelentes oportunidades a longo prazo. Mas sou leigo quanto ao risco… :).
obrigado por tudo, to sempre acompanhando seus artigos.

José Antonio
Visitante
José Antonio

Meus parabéns pela ética. Estou tentando me educar financeiramente, e, através de seus artigos já aprendi e coloquei em prática muitas coisas. Todos os seus artigos são ótimos. Muito obrigado.

Flávio
Visitante
Flávio

Ola Leandro. Excelente artigo
A maioria das pessoas é consumista devido a uma série de fatores: o “efeito manada”, o imediatismo em querer comprar algo logo não conseguindo esperar até terem o montante necessário para a compra a vista, ou simplesmente escondem a insegurança, o medo e tantos outros negativos através do consumo.
Creio que isso é causado pela alienação não só referente a vida financeira, mas em outros aspectos também. Do ponto de vista psicológico é como se as pessoas quisessem fugir da realidade e criam uma fantasia onde podem comprar tudo, comer muito, beber muito e até mesmo trabalhar muito, que nunca sentirão as consequências de seus atos. É um pouco do comportamento adolescente em que se pode fazer tudo que nunca vai acontecer nada. Temos uma falsa ideia de que sonos invulneráveis, que tal coisa nunca vai acontecer conosco e, assim agimos irresponsavelmente sobre nossas vidas e, o que é pior, muitas vezes também tendo consequências negativas na vida de outras pessoas.
Ouço muitos comentários de pessoas que falam: “não sei se vou estar vivo amanhã, então vou me divertir hoje. Amanhã a Deus pertence.” Muitas coisas que acontecem em nossas vidas não controlamos, isso é fato. Mas o amanhã é reflexo do que fazemos hoje. Nossas ações geram consequências positivas ou negativas que, muitas vezes, só sentiremos anos mais tarde.
As pessoas precisariam ponderar mais sobre suas ações, que consequências elas terão daqui a alguns anos.
Não sei se vou estar vivo ou não amanhã, mas, se estiver vivo, quero ter qualidade de vida, poder ter uma velhice mais tranquila em todos os aspectos. Nisso que as pessoas deveriam parar pra pensar.

Joanatan
Visitante
Joanatan

Ola professor.
Um amigo meu financiou um apartamento em 30 anos,e esta se achando.
Disse que esta pagando oque é dele.
Coitado. Não tem uma boa educação financeira.
Um grande abraço mestre.

N. Barbosa
Visitante
N. Barbosa

Oi, Leandro! Parabéns pelo excelente trabalho que você vem desenvolvendo, com o objetivo de elucidar e educar àqueles que carecem da educação financeira.

Kleber
Visitante
Kleber

ola tenho uma dúvida sobre o tesouro direto IPCA. Os títulos que vencem em 2019 não estão mais sendo negociados. Eu tenho esses papeis e gostaria de saber se ate o vencimento, caso eu venda antes do vencimento, o vlaor dos papéis ainda podem sofrer volatilidade caso a taxa selic se comportar de maneira inesperada.

Rodrigo Alves
Visitante
Rodrigo Alves

Novamente parabéns Leandro! O conteúdo produzido por você tem ajudado muitos brasileiros a sair da ignorância e iniciar uma verdadeira mudança que é através dá educação ! Continue produzindo conteúdo de forma independente, nós só temos a lhe agradecer e respeitar cada vez mais!

Leandro Vasconcelos
Visitante
Leandro Vasconcelos

Parabéns, xará, pela coragem e pela determinação em difundir conhecimento de qualidade. Sempre acompanho seu site, o qual se tornou o ponto de partida para me educar financeiramente.

A propósito, muitos conhecidos meus criticam a “situação de fome” em que vive o trabalhador brasileiro, com baixos salários e incapacidade para poupar. No entanto, são os mesmos que gastam quase todo o rendimento mensal com consumismo supérfluo e inútil. Quando sugiro a eles um melhor planejamento financeiro, sou criticado como “pão-duro”, que vive para dar dinheiro aos bancos, “rentista”, “elitista”, dentre outros adjetivos. A “situação de fome” aqui, obviamente, é de educação.

Wendell
Visitante
Wendell

Boa noite, Leandro.
Parabéns ,outro ótimo artigo, te acompanho há algum tempo, e cada vez mais percebo o quanto você quer que as pessoas vivam sua independência financeira, eu graças a Deus, venho a alguns anos caminhando para essa liberdade financeira , e tento ajudar vários amigos e familiares, porém fico triste, pois eles escutam, mas não fazem nada do que foi falado., e muitas das vezes me chamam de maluco, e que penso muito em dinheiro, só que a maioria dos problemas familiares dessas pessoas se resume a dinheiro.
Eu e minha esposa chegamos a viver com 20% do que ganhamos, justamente para daqui à alguns anos, estarmos financeiramente independente. Mesmo com muita gente criticando.
São seus artigos que muitas vezes é que me mantém focado nesse processo, por isso que gosto muito quando abro meu email e lá está seu email sempre com artigos excelentes.
Desde já agradeço muito, e que Deus continue a te iluminar.

Jose Geraldo Toledo F
Visitante
Jose Geraldo Toledo F

Boa Noite Leandro

O BACEN acabou de baixar a Selic em 0,75% . Os juros do credito pessoal e cheque especial vao levar semanas para cair 0,001% e as aplicações financeiras amanha ja terão a remuneração reduzida em bem mais que a queda da Selic . Esse e o Brasil ….Voce não esta desconfiado dessas quedas altas e continuas da Selic ?

Abraços

JG

Isabella
Visitante
Isabella

Já estou aguardando o próximo artigo. Você é excelente no que faz.

Douglas Dias
Visitante

Leandro,

Obrigado pela sua coerência e obstinação pela educação financeira dos Brasileiros.

Esse tema me lembra um vídeo do ano passado de um grande “educador financeiro” entitulado “dívida é uma dádiva”. O primeiro de uma série de vídeos que, ao final, vendia um curso online… Triste

Abraço e obrigado mais uma vez.

Monica
Visitante
Monica

Parabéns!!!!! Texto excelente. Conheço muita gente ignorante sobre educação financeira. Vivem pegando empréstimos e de nada adianta falar que não é bom, melhor é poupar, investindo mensalmente. Você faz a diferença. Dinheiro não é tudo. Mostrou que tem ideologia.

Luiz Erivaldo
Visitante
Luiz Erivaldo

Boa noite Leandro.
Cada dia você escreve artigos melhores e que ajudam sobremaneira as pessoas a se educarem financeiramente e pessoalmente. Continue firme na sua trajetória, muitos precisam e muitos vão ainda precisar do conhecimento dos seus artigos. Parabéns!

Alessandro
Visitante
Alessandro

Mais um brilhante texto. Muito obrigado por não se render às propostas desses bancos e continuar acreditando que o melhor caminho para todos é a educação financeira. Minha vida mudou bastante depois que comecei a ler seus artigos. E de fato, é muito preocupante educadores se vendendo como foi citado, dessa forma, requer a nós nos continuar no processo incessante de aprendizado para termos armas suficientes e separa o joio do trigo.

Daniel A.S
Visitante
Daniel A.S

Olá Leandro. Sou novo no mundo dos investimentos, sempre leio seus textos, são de grande ajuda para nós leigos. Estou aprendendo bastante sobre educação financeira e breve vou conseguir minha independente financeira e primeiramente a gradeço à Deus, e a vocês que Abrem nossos olhos para muitas coisas que não saberíamos se não fosse por pessoas espetaculares como você e muitos outros. Estou batalhando para juntar dinheiro e compra seus livro creio que vai ser de grande ajuda assim como seus textos. Um abraço.

Jhon
Visitante
Jhon

Outro artigo extraordinário. Parabens

Fernando
Visitante
Fernando

Boa Noite Leandro. Parabéns pela sua independência e credibilidade.
Acredito, assim como você, que o melhor caminho para uma vida financeira mais racional e sustentável é o não endividamento e o hábito da poupança.
Gostaria de compartilhar uma conquista pessoal: No dia de hoje, 22/02/2017, fui ao banco e quitei meu financiamento imobiliário, após 5 anos de ter contraído o empréstimo que, a princípio, seria de 25 anos. Sem dúvida, os teus ensinamentos me motivaram a atingir este objetivo com um esforço contínuo, mês após mês.
A partir de agora, o valor que pagava de juros ao banco, irei investir para a formação de uma aposentadoria complementar. Pagar juros, nunca mais! Obrigado!

Tertuliano Porto
Visitante
Tertuliano Porto

Parabéns pelo seu trabalho. Como você mesmo disse, e desse tipo de educação que o Brasileiro precisa para sermos um país rico e próspero. Infelizmente a grande maioria das pessoas são como marionetes nas mãos dos governos, bancos e outras instituições que só visam seus próprios interesses.
Hoje tenho 31 anos de idade. Comecei a ter acesso a este tipo de informação finaceira com 30 anos e em pouco tempo eu percebi que minha vida seria muito diferente se tivesse tido acesso a este tipo de informação finaceira à anos atrás.
Admiro muito seu trabalho. Sempre estou acompanhando os posts seus e de outros autores que seguem a mesma linha de raciocínio. Estou aprendendo para ajudar outras pessoas também, pretendo algum dia produzir este tipo de conteúdo e gostaria que muitos outros brasileiros fizessem o mesmo. Quanto mais educação finaceira tivermos mais o todos prosperam.

Paulo Vitor
Visitante
Paulo Vitor

Parabéns pelo artigo… eu estou me reestruturando financeiramente, o seus artigos têm me ajudo muito.

Dá vontade de tirar uma tarde, sentar para tomar um café e ouvir você falar.

Obrigado

Obs: vc tem as versões impressas dos seu livros?

Bruno
Visitante
Bruno

Olá Leandro, mais uma vez excelente artigo… direcionando as pessoas interessadas para um futuro mais sólido.
Uma pergunta, sigo o clube dos poupadores já há algum tempo e tenho todos seus livros. Mas tenho seguido outros educadores financeiros também.
Existe certos sinais básicos onde podemos distinguir com mais facilidade se esses educadores estão ou não envolvidos com os bancos?

Anesio
Visitante
Anesio

Leandro cada vez mais aprendendo e ansioso para o próximo email.
Muito obrigado e parabéns pelo trabalho

Compartilhe com um amigo