Padrão de vida. Qual é o seu?


O padrão de vida que você tem hoje é fruto das escolhas que você fez ontem. Algumas pessoas escolhem o seu próprio padrão de vida de forma consciente, outras não têm a consciência de que são responsáveis por isso. Enquanto uns acreditam que a prosperidade é resultado do trabalho, outros acreditam que é fruto da sorte ou do destino.

Podemos afirmar que as pessoas se dividem em dois grupos: As que estão satisfeitas com seu atual padrão de vida e as que estão insatisfeitas.

Existem pessoas com padrão de vida mais humilde ou mediano que estão totalmente satisfeitas com sua condição. Sabem que poderiam melhorar seu padrão para um patamar mais elevado, mas acreditam não compensar o esforço. Não existe nenhum problema quanto a isto.

O problema está entre os insatisfeitos. As pessoas insatisfeitas com o atual padrão de vida se dividem em dois grandes grupos: Os insatisfeitos que estão trabalhando para mudar sua condição e os insatisfeitos que vivem de aparência. Este último grupo vive em um ciclo contínuo de insatisfação, ilusão e infelicidade.

O padrão ou nível de vida se refere à qualidade e quantidade de bens e serviços disponíveis a uma pessoa ou a uma população inteira. O padrão de vida é o componente material da qualidade de vida de uma pessoa.

 

padao-de-vida

Viver de aparências é uma opção adotada por muitos. Aparentar viver em um padrão de vida acima da capacidade financeira, normalmente, levam as famílias ao desequilíbrio financeiro.

O seu padrão de vida cabe no seu bolso?

Esta é a fonte dos problemas financeiros da maioria das famílias. Muitas vezes escolhemos um padrão de vida mais caro do que podemos pagar. O cartão de crédito, cheque especial, crédito consignado e financiamentos são os mecanismos utilizados por muitos para viver uma vida de aparências e de ilusões. Dívidas só deveriam ser assumidas em caso emergenciais e não para simular um padrão de consumo insustentável.

Quantas pessoas você conhece que tinham dinheiro suficiente para comprar um carro usado à vista e resolveram comprar um carro zero km financiado em muitas parcelas? O que acontece com esta pessoa se ela ficar doente ou perder o emprego? Resposta: Atrasa o pagamento do carro, perde o carro, fica endividada e ainda ganha um nome sujo nos serviços de proteção ao crédito. A pessoa mergulha em um circulo vicioso, já que terá dificuldade de conseguir emprego, pois muitas empresas avaliam a situação do candidato nos serviços de proteção ao crédito.

Padrão de vida elevado e poupança zero

Menos de 20% da população poupa alguma coisa. Isto significa que mais de 80% dos brasileiros gastam tudo que ganham e ainda acumulam dívidas para gastar mais do que podem. Existe uma regra básica que as pessoas precisam aprender. Não podemos gastar mais do que ganhamos. Se estamos ganhando pouco, só temos 2 opções:

  1. Trabalhamos mais e estudamos mais, para ganhar mais;
  2. Reduzimos nossas despesas para gastar menos do que ganhamos (reduzir o padrão de vida por opção)

Endividamento não deveria ser alternativa para quem gasta mais do que ganha. Uma poupança para cobrir despesas de emergência é item obrigatório na sociedade em que vivemos. O seu  padrão de vida deve ser compatível com sua renda para evitar problemas.

Aumentar seu padrão de vida é o seu objetivo?

Todo mundo sonha em ter uma casa melhor, um carro melhor, poder pagar uma boa escola para os filhos, um bom plano de saúde e poder comprar roupas de boa qualidade, viajar, etc. Não existe nada errado em desejar isto.  Parte da sua qualidade de vida (eu disse uma parte) depende dos bens materiais e serviços que você é capaz de comprar. Conforto e bem estar são desejos legítimos de todos.

O problema é que nem todo mundo percebe (ou aceita) que um padrão de vida elevado precisa ser construído aos poucos, de forma sólida e sustentável. Não vale a pena viver preocupado e estressado para manter confortos incompatíveis com sua renda através do constante endividamento. O ideal é buscar meios de viver da melhor forma possível com aquilo que ganhamos por mês ou buscar meios para investir em conhecimentos que possam elevar sua renda e seu padrão de vida de forma sólida e duradoura.

Você está endividado neste momento?

Se estiver endividado saiba que não está sozinho. Uma pesquisa mostrou que mais da metade das famílias brasileiras estão endividadas com cheque pré-datado, cartão de crédito, carnê de loja, empréstimo pessoal, prestação de carro e seguro.

Podemos ver logo abaixo que 1 de cada 4 famílias está com dívidas e contas atrasadas.

O cartão de crédito continua sendo o maior problema das famílias endividadas.

 

Ganhar mais não é a solução

É interessante observar que praticamente a metade das famílias que ganham mais de 10 salários mínimos estão endividadas. Ganhar mais dinheiro não significa estabilidade financeira. Sua estabilidade depende do padrão que você escolheu. As famílias com maior renda também são as que atrasam mais o pagamento das dívidas. Por isso, ganhar mais dinheiro pode ser um problema quando não nos educamos financeiramente. Quem ganha mais pode assumir dívidas maiores.

Para acessar o estudo completo visite aqui.

Qualidade de vida ou Padrão de vida

Padrão de vida é uma coisa diferente de qualidade de vida. A sua qualidade de vida é mais importante, pois ela está relacionada com o seu bem estar, sua estabilidade financeira, sua segurança, saúde, etc. O padrão de vida está relacionado com a qualidade e quantidade de bens e serviços que você adquire. Manter um padrão de vida elevado e incompatível afeta negativamente sua qualidade de vida. Isto ocorre porque pessoas endividadas são mais estressadas, preocupadas e inseguras, comprometendo a saúde física e mental. É possível manter um padrão de vida e de consumo menor para garantir uma qualidade de vida maior. Isto significar deixar de ser um devedor para se tornar um poupador e posteriormente um investidor (veja alguns livros que podem te ajudar).

Como definir seu padrão de vida ideal

Você deve buscar um padrão de vida que permita a formação de uma poupança. Com esta poupança você poderá investir e planejar seu futuro sem precisar de qualquer tipo de endividamento e todos os transtornos que ele pode produzir na sua qualidade de vida.

Ser um poupador deve ser o seu objetivo. O meio termo seria gastar só aquilo que se ganha sem se endividar. A situação limite seria assumir dívidas com comprometimento máximo de 20% da sua renda. Acima deste valor você já estaria comprometendo sua qualidade de vida.

By |26/05/2017|Categories: Consumo|117 Comments

About the Author:

Leandro Ávila é administrador de empresas, educador independente especializado em Educação Financeira. Além de editor do Clube dos Poupadores é autor dos livros: Reeducação Financeira, Investidor Consciente, Investimentos que rendem mais, e livros sobre Como comprar e investir em imóveis.

117 Comments

  1. Lersson 21 de agosto de 2013 at 21:56 - Reply

    Um bom site com ótimas dicas. Está começando muito bem.

  2. agnaldo 26 de agosto de 2013 at 13:12 - Reply

    bom site to gostando

  3. Alcides 13 de setembro de 2013 at 10:05 - Reply

    Excelentes dicas. Estou gostando muito!

    • leandro 14 de setembro de 2013 at 9:49 - Reply

      Olá Alcides, obrigado, espero que continue acompanhando o site. Um abraço.

      • Aline Lopes 14 de agosto de 2015 at 21:34 - Reply

        Confesso no momento estou com duas dividas. Mas agora no começo do mês peguei meu caderno organizei todas as contas e liguei na linha de crédito do banco renegocie. E não estou trabalhando mas os bicos que faço está dando pra pagar. Graças à Deus. Só assim pra aprender não cometer o mesmo erro.

        • Leandro Ávila 25 de setembro de 2015 at 0:24 - Reply

          Oi Aline, o importante é aprender, mesmo que seja na dor. Parabéns.

      • Roberto 21 de janeiro de 2017 at 1:01 - Reply

        Você é muito bom no que escreve.
        Aprendo muito no Clube dos Poupadores.
        Vivi endividado por anos, desconhecia investimentos de renda fixa, CDI, CDB, LCA, Debêntures e bancos de médio porte. O sofrimento me forçou a buscar alternativas para sair das armadilhas dos bancos. Endividado comecei a ler sobre finanças pessoais. Demorou três anos para sair das dívidas.
        Agora tenho reserva para manter meu padrão de vida por um ano, minha meta é uma aposentadoria gerenciada por mim. Seu site é excelente, é nele que reuni a maioria das informações sobre renda fixa. Recomendo a todos que conheço. Aprendi a consultar a avaliação dos bancos aqui. Agora só uso bancos grandes para fazer TEDs ou DOCs. Em breve abrirei uma conta numa corretora. Eu tinha medo até ler seus artigos.

        • Leandro Ávila 27 de janeiro de 2017 at 14:19 - Reply

          Oi Roberto. Parabéns por sua dedicação e pela transformação que você mesmo gerou na sua vida.

  4. Júlio Cesar 6 de janeiro de 2014 at 22:12 - Reply

    Planejamento familiar e educação financeira deveria ser obrigatório em todas as escolas de ensino básico!
    Muito obrigado e parabéns pelo site e pelas ótimas matérias !

    • Leandro Ávila 6 de janeiro de 2014 at 22:36 - Reply

      Olá Júlio. Penso da mesma forma. Obrigado!

    • João Paulo Borges 28 de maio de 2017 at 23:10 - Reply

      Jamais serão, infelizmente. Sua educação financeira não é interessante para múltiplas pessoas, principalmente o governo.

      • Leandro Ávila 29 de maio de 2017 at 10:14 - Reply

        Oi João. A educação financeira proposta pelo governo, com apoio das instituições financeiras, ensina a pessoa a ser uma boa pagadora de contas. Isso significa comprometer sua renda pagando as prestações dos empréstimos e financiamentos sem atraso. Isso não é educação financeira, é doutrinação financeira. A educação financeira verdadeira, que eu acredito, livra você da dependência de empréstimos e financiamentos e promove o enriquecimento das pessoas. Isso não é interessante para os bancos, governos e empresas. Todos pregam o consumo imediato com pagamento de juros, taxas e impostos

  5. Cristina 24 de janeiro de 2014 at 21:13 - Reply

    Estou participando do site Clube dos Poupadores.
    Há alguns tempos atrás eu era uma endividada, mas parei e pense, coloquei a cabeça prá funcionar! Não posso contiuar nessa situação caótica.
    Parei de comprar , exceto o básico prá família, e a sobra guardava para ir pagando as dívidas. Foi o que fiz, paguei todas as dívidas e depois comecei a poupar. Hoje em dia, sou uma grande poupadora e só gasto com responsabilidade. Reverti minha situação com uma boa Educação Financeira!
    Espero que sirva de lição prá alguém que está na situação em que me encontrava.
    Abraços!

    • Leandro Ávila 28 de janeiro de 2014 at 9:41 - Reply

      Olá Cristina, muito obrigado por compartilhar sua experiência de vida. Com certeza ela é fonte de inspiração para todos os leitores.

  6. Antonio Vinnie dos Santos Silva 15 de abril de 2014 at 23:42 - Reply

    Olá!

    Qual seria o percentual ideal da minha renda pra eu poupar?? 20 % ou mais?? Em qual tipo de gasto eu posso ser mais tolerante?

    • Leandro Ávila 16 de abril de 2014 at 0:23 - Reply

      Olá Antonio. Isto depende da sua renda e do padrão de vida que você leva. Vamos imaginar um jovem que mora com os pais e ganha R$ 1.500,00 por mês e não precisa pagar nenhuma conta. Poupar 20% neste caso é muito pouco. Ele deveria se esforçar para poupar no mínimo 50% ou até mais. Os jovens precisam planejar os próximos 5 anos, 10 anos, 20 anos da vida financeira e profissional. Um dia vão querer comprar um carro, um dia vão querer se casar e comprar um imóvel. A poupança e o investimento devem começar cedo. Agora vamos imaginar uma pessoa casada, com um filho pequeno que paga aluguel e possui uma renda de R$ 1.500,00. Neste caso a situação é crítica, talvez poupar se torne difícil. E nestas condições eu acredito que o pouco que pode ser poupado deva ser investido na carreira profissional para que esta pessoa possa aumentar a renda de R$ 1.500,00 para R$ 3.000,00 ou R$ 6.000,00. E isto se faz investindo em educação (cursos, treinamentos, especializações ou até mudando de profissão). Já vi pessoas que ganham R$ 15.000,00 por mês e que levam um padrão de vida tão elevado que não conseguem poupar nem 5% da renda, vivem pagando dívidas. Devemos poupar o máximo possível, devemos investir em conhecimento e novas habilidades para que possamos valorizar a nossa hora trabalhada.

  7. Erick 8 de maio de 2014 at 9:07 - Reply

    Leandro, bom dia! O que devo entender por ‘dívida’? O aluguel de minha casa, a conta de luz e água? Ou devo entender as prestações de loja, contas de cartões de créditos e empréstimos? Porque o aluguel, as contas de água e luz, minha faculdade e curso de idioma ultrapassam 20% de minha renda. Estou fazendo errado? Abraço.

    • Leandro Ávila 8 de maio de 2014 at 11:02 - Reply

      Olá Erick. Dívida, de forma bem simples, é aquele dinheiro que você pega emprestado de bancos ou operadoras de cartão pagando juros. Quem não paga contas atrasadas, quem não pega dinheiro emprestado ou compra financiado pagando juros, não tem dívidas. Seu aluguel, sua mensalidade da faculdade, curso de idiomas, conta de luz não são dívidas. Sua faculdade e seus cursos são investimentos muito importantes que vão aumentar sua renda no futuro se você usar aquilo que aprendeu. Já a conta de luz e o seu aluguel são despesas, é o custo de estar vivo e precisar de moradia e energia elétrica.

  8. Rogério 19 de junho de 2014 at 15:17 - Reply

    Leandro, meus parabéns, isso que vc faz é muito legal, muito prestativo e principalmente educativo. Não perco mais nenhum artigo, muito obrigado por sua transmissão de conhecimento gratuito!

  9. Carlos Pommer 19 de junho de 2014 at 18:59 - Reply

    Leandro,
    eu quando morava no Brasil não conseguia poupar. Nunca tive dívidas, mas nunca realmente consegui ter algum dinheiro sobrando no banco.
    Saí do Brasil procurando algo que nenhum dinheiro compra aí: qualidade de vida. Sabia que meu padrão de vida cairia muito.
    E sabe o que aconteceu: comecei a guardar dinheiro.
    Não deixer de fazer nada do que fazia no Brasil. Restaurantes, passeios, etc, ainda fazem parte do dia a dia.
    Mas descobri uma gruande diferença. Coisas como aparelhos eletrônicos, carros, moto,etc, não custam os olhos da cara. Você não precisa dar entrada em nada. Só para comprar casa, e mesmo assim, só 5% onde moro. Quando você compra um carro, por exemplo, paga no máximo 3% de juros por ano num usado e de 0 a 2% num zero Km.
    No fim, aos poucos estou voltando a ter o padrão de vida que tinha no Brasil.

    • Leandro Ávila 19 de junho de 2014 at 23:06 - Reply

      Olá Carlos. Obrigado por deixar seu depoimento. Isto tornou o artigo mais rico.

  10. luiz Danniel 23 de agosto de 2014 at 17:48 - Reply

    Acompanhando e divulgando pros amigos e familiares, parabéns

  11. Reinaldo 16 de setembro de 2014 at 16:00 - Reply

    Boa tarde Leandro!
    Estou no clube a pouco tempo, contudo, grandes mudanças no meu modo de pensar já foram alteradas.
    Parabéns pelo seu belo trabalho.
    Deus abençoe grandiosamente.
    Obrigado.

  12. Carol 19 de setembro de 2014 at 23:16 - Reply

    Conheci o site por acaso, procurando sobre previdência privada, e acabei descobrindo um mundo novo a ser explorado! Parabéns pela inciativa do blog, tem me ajudado bastante a me tornar mais consciente dos meus gastos. Não tenho carro, até o momento, por julgar que não chegou a hora oportuna, financeiramente falando, e enquanto isso, vou economizando. Ler esse texto me fez ver que não estou errada, embora toda a sociedade consumista tenta me fazer mudar de ideia e “aceitar” um “dividazinha”… Obrigada pelas dicas!

  13. Dhian 17 de outubro de 2014 at 10:50 - Reply

    Olá Leandro,

    Eu posso dizer que me enquadro num padrão insatisfeito com renda positiva (+50%). Meu problema é investir melhor o dinheiro que está na poupança, onde rende muito pouco e não dá para pensar em bens maiores (carro, casa própria e aposentadoria). Mas, estou caminhando e com a ajuda de seus artigos espero em breve pode investir melhor meu dinheiro em títulos, etc..

    Obrigado pelas dicas!!!!

    • Leandro Ávila 22 de outubro de 2014 at 23:18 - Reply

      Olá Dhian. O importante é que você crie gosto pelo estudo sobre como cuidar do seu dinheiro. Isto fará muita diferença na sua vida.

  14. Cristiane 29 de outubro de 2014 at 19:43 - Reply

    Olá Leandro

    Tenho acompanhado seu site há cerca de 1 mês e ele já fez a diferença na minha vida.

    Ainda estou me organizando para liquidar as dívidas, mas me sinto feliz por ter despertado a consciência financeira em mim e você é grande responsável por isso.

    Já comecei a reverter para o positivo e estou animada! Adoro sua linguagem simples e objetiva!

    Parabéns!

  15. JULIO CESAR VAZ 17 de novembro de 2014 at 15:50 - Reply

    Boa Tarde Leandro, gosto muito de suas dicas, tanto que comprei o livro negro dos imóveis, muito legal, porém tive um contratempo e perdi todos os anexos que acompanham a compra, poderia reeviar este anexos.

    Parabéns pelo blog.

    Abraço.

    Julio C. Vaz.

    • Leandro Ávila 18 de novembro de 2014 at 0:02 - Reply

      Oi Julio. Na página do Hotmart em http://www.hotmart.com.br existe uma área de login. Basta digitar seu email e senha para acessar os arquivos novamente. Se esqueceu a senha existe a opção de recuperar a senha. Caso tenha qualquer dúvida você pode escrever para o [email protected]

  16. Azufrebh 5 de dezembro de 2014 at 5:08 - Reply

    “É interessante observar que as famílias com renda maior são justamente as mais endividadas.”

    Mas no gráfico, as famílias com – de 10sm estão mais endividadas do que aquelas com + de 10sm…

  17. Eliane 7 de dezembro de 2014 at 9:54 - Reply

    Olá adoro lê seus artigos , tenho 26 anos e era muito consumista comecei a pesquisar sobre investimentos e tenho organizado muito minhas finanças para poder ter uma vida mas tranqüila , obrigado pelas orientações vc é show !!

    • Leandro Ávila 8 de dezembro de 2014 at 7:53 - Reply

      Olá Eliane, parabéns por investir tempo para se educar financeiramente. A educação é um processo de desenvolvimento. Não é a preparação para a vida, é a própria vida. Parabéns!

  18. Sara 26 de dezembro de 2014 at 15:17 - Reply

    Leandro, trabalho com finanças e esse assunto me fascina, tanto no trabalho como na minha vida pessoal, sou uma poupadora, pensando justamente em qualidade de vida e para dar um “estudo decente a minha filha. Tenho acompanhado todos os seus temas a respeito de educação financeira. Só não entendi muito a respeito da previdência privada não ser uma boa alternativa, entendo que o melhor investimento seria outro, mas no meu caso como não tenho muito dinheiro para investir em outra coisa, possuo uma previdência privada para complementar a previdência do trabalho.Porque nessa sei que minha renda vai cair e muito quando aposentar, nunca podemos contar com 100% daquilo que contribuimos; Parabens pelo Clube do Poupadores que nos esclarece bastante.

    • Leandro Ávila 27 de dezembro de 2014 at 21:40 - Reply

      Olá Sara, previdência privada costuma ser uma péssima escolha. Recomendo que você conheça mais sobre investimentos em títulos públicos. Os planos de previdência cobram taxas elevadas para investir seu dinheiro em títulos públicos, sendo que você mesma poderia fazer este investimento garantindo rentabilidade maior. Leia os artigos que já escrevi sobre o assunto em http://www.clubedospoupadores.com/tesouro-direto

  19. edgar vaz 8 de janeiro de 2015 at 8:38 - Reply

    Bom dia Leandro Parabéns pelo seu blog me associei a poupo tempo mas tenho tirado muita dica pro meu dia a dia nessa matéria de endividamento e padrão de vida , é considerado endividamento alguns investimentos imobiliários ou seja comprei alguns imóveis na planta ou até mesmo usando o banco pra financiar estou pagando por ser prestações a longo prazo, mas tenho essa dúvida mesmo sabendo que esses imóveis foram e estão sendo valorizados. Obrigado

    • Leandro Ávila 8 de janeiro de 2015 at 11:51 - Reply

      Oi Edgar. Alguns autores costumam dividir as dívidas entre dívidas boas e dívidas ruins. A dívida boa para eles seria a compra de um imóvel. A dívida ruim seria aquela que você fez para comprar sapatos, smartphones ou qualquer outro bem que provavelmente você jogará no lixo depois de alguns anos.

  20. Francisco Leal 16 de fevereiro de 2015 at 19:51 - Reply

    Excelente material Leandro, gostaria de perguntar sobre previdencia privada. Sou Servidor Público e pago uma grana de IRPF, cerca de R$ 9 mil acima do que já fora descontado na fonte.

    Sempre achei que seria bom fazer a previdencia para recuperar parte do que o Governo levou.

    quando faço um aporte de R$ 15 mil na previdencia, tenho de restituição cerca de R$ 5 mil, ou seja, é como se o governo depositasse 5 mil na minha previdencia toda vez que eu deposito 10 mil. nesta situação, para mim, não vale a pena a previdência?

    • Leandro Ávila 21 de fevereiro de 2015 at 11:42 - Reply

      Oi Francisco. Você precisa calcular na ponta do lápis se é bom mesmo. O problema é que muitas vezes os planos de previdência oferecem rentabilidade muito ruim graças a cobrança de taxa de carregamento, taxas administrativas, taxa de saída, etc. Você tem que calcular se compensa ter a restituição e depois ficar com este dinheiro rendendo pouco durante vários e vários anos? (existem planos de previdência que rendem menos que a poupança). Por isto faça as contas.

  21. Jadir 2 de abril de 2015 at 21:33 - Reply

    Boa noite Leandro,
    Quero parabenizá-lo pelo pelo site. Informação é fundamental para que um indivíduo evolua, e você com seus excelentes artigos sobre educação financeira tem contribuído significativamente para que as pessoas encontrem soluções para seus problemas financeiros, resultando em uma melhor qualidade de vida.
    De minha parte quero agradecer pelas dicas, apesar de estar apenas iniciando, já consigo vislumbrar um futuro melhor.
    Grande Abraço!!

  22. Mauro 12 de abril de 2015 at 18:49 - Reply

    Eu acredito que se o pensamento fosse, que a renda é aquela após você “se pagar” através de investimentos todos meses, mudaria em muito certos paradigmas. Eu procuro fazer isto e até agora obtenho resultados positivos, inclusive na hora de aproveitar as oportunidades de consumo e resolver as despesas imprevistas.

  23. Aparecido Jc Pereira 12 de abril de 2015 at 22:46 - Reply

    Sem comentários. Assuntos fantásticos. Parabéns mesmo Leandro.

  24. Leandro K. 7 de maio de 2015 at 11:30 - Reply

    Ola, parabens pelo site.

    Sou um poupador desde os 16 anos de idade e, a medida que fui evoluindo na carreira e consequentemente ganhando mais, defini alguns criterios/indicadores para nao elevar meu padrao de vida acima de minhas posses. É muito fácil se perder quando o dinheiro começa a entrar, então os indicadores me ajudam a “baixar a bolinha” e seguir o caminho certo.

    Ex. defino o maximo que posso pagar no meu automóvel baseado em “X” vezes o meu salario liquido. Entao quer comprar um carro melhor? Tenho que trabalhar de forma a aumentar meus rendimentos.

    Abraço.

  25. Cristiane Souza 8 de maio de 2015 at 10:40 - Reply

    Olá Leandro , estou muito agradecida com que aprendi aqui.Muito Obrigada de Coração.
    Bom como aprendi que divida também e comprar financiado pagando juros tenho uma duvida.Sai do aluguel e voltei para casa de mamãe rs e com isso esse mês sai das dividas com cheque especial,cartão de credito vai me sobrar uma quantia em dinheiro o que devo fazer? ir pagando as prestações do carro antecipada que caem pela metade se eu pagar a atual e a ultima ou poupar essa e minha duvida?
    Obrigada;

    Cristiane Souza

    • Leandro Ávila 8 de maio de 2015 at 13:54 - Reply

      Oi Cristiane. É importante que você tenha uma reserva para emergências, visite aqui. O próximo passo, antes de começar a investir seria eliminar as dívidas. Enquanto isto você deve começar a estudar e se educar financeiramente. Existem muitos livros, cursos, que podem te ajudar a acelerar este processo. Aos poucos você vai começar a mudar sua mentalidade e a controlar seu dinheiro com mais segurança.

  26. Adriano 22 de maio de 2015 at 14:38 - Reply

    Excelente artigo!! como todos os outros publicados. Impressionante meu caro Leandro Ávila, sua capacidade de responder a todos os comentários. Deus te abençoe!!

  27. Gabriel 24 de maio de 2015 at 10:53 - Reply

    Leandro Ávila,
    Vendo seu texto,
    Me considero quanto ao contexto que vem acontecendo recentemente, é o endividamento, para a formação de seu capital humano, que eu venho tendo a cinco anos, faço engenharia em uma faculdade particular, e gasto só com a faculdade mais de 50% da minha fonte de renda, lógico “é um investimento” porém afeta e muito sua qualidade de vida,mas com perspectiva de uma aumento de renda no futuro, talvez até uma sugestão de texto para você escrever pois saiu ano passado pesquisa a respeito. muito bom texto Leandro.

    • Leandro Ávila 25 de setembro de 2015 at 0:22 - Reply

      Oi Gabriel, você está investindo em você, não existe investimento melhor. É do seu trabalho, da sua capacidade de gerar valor durante cada hora trabalhada que você vai construir o seu futuro, vai fazer sua poupança para investir e construir seu patrimônio. No início é necessário sacrifício, não existe outro caminho. No futuro você terá uma história para contar.

  28. Emerson 14 de julho de 2015 at 21:29 - Reply

    Estou aprendendo muito, graças a esse seu trabalho gratuito, que visa melhor a vida das pessoas com mais informação.

  29. Adriano 24 de julho de 2015 at 20:18 - Reply

    Olá Leandro, fico sempre á espera de um novo artigo para ler e crescer. Seu trabalho é muito importante e gostaria que você criasse uma maneira de nós contribuirmos para que esse trabalho continue. Uma pequena doação não faria mal algum a todos nós que estamos obtendo informações tão preciosas.
    Um grande abraço.

    • Leandro Ávila 25 de julho de 2015 at 21:26 - Reply

      Muito Obrigado Adriano. Faz tempo que leitores entram em contato comigo querendo apoiar o projeto de alguma forma. Os custos de manutenção do site estão crescendo na mesma proporção que cresce o número de visitantes. Por isso, para atender estes pedidos criei uma área de doações através do PagSeguro. Mais uma vez obrigado: http://www.clubedospoupadores.com/doar

  30. José Carlos 14 de setembro de 2015 at 22:38 - Reply

    Boa noite Leandro. Parabéns pelo trabalho. Estou lendo seus textos a poucos dias, mas já foi importante para eu e minha esposa decidirmos não financiarmos a casa dos nossos sonhos agora, comprarmos um apê mais em conta e podermos pagar uma boa escola para nosso filho de 2 anos. O banco queria cobrar juros de 12,15%/ano no financiamento. Tenho 2 dúvidas: nessa crise atual, compensa financiarmos um apartamento de 200.000,00 com uma entrada de 30% (ou mais) ou esperar mais um pouco e pouparmos? Nossa intenção é melhorar de qualidade de vida com a mudança para uma cidade mais tranquila e próxima da escola que gostaríamos que nosso filho estudasse. Aí vem a segunda dúvida: há um limite seguro de gastos com saúde, escola, contas, seguro do carro e outros (que não sejam dívidas) para eu conseguir poupar para comprar a casa que desejamos? Muito obrigado!

    • Leandro Ávila 15 de setembro de 2015 at 4:19 - Reply

      Oi José. Muitas vezes aquele imóvel dos sonhos se transforma no imóvel de muitos pesadelos. Sonho você realiza sem ficar devendo, sem comprometer sua renda familiar pagando juros para os outros. Na crise o que realmente compensa é comprar aquele imóvel que cabe no seu bolso e que vai evitar um comprometimento grande da sua renda com pagamento de juros, taxas e parcelas. Verifique se a crise pode gerar algum risco com relação ao seu emprego e a sua renda. Se existe risco de demissão ou queda na sua renda (caso você seja comerciante) o bom mesmo seria evitar o endividamento. Para quem tem dinheiro para comprar um imóvel à vista, o momento é bom para negociar preços, mas para quem tem dívidas e depende de salário o momento é de risco.

  31. José Carlos 21 de setembro de 2015 at 21:10 - Reply

    Obrigado Leandro. Contínuo a ler seus textos e iniciando minha educação financeira. Sempre poupei algum dinheiro na poupança, mas todas essas informações que estou lendo são novas para mim. Eu e minha esposa decidimos comprar um apartamento, iremos dar uma boa entrada e financiar em 10 anos, e iremos utilizar o 13° e adotar a estratégia da amortização. Paralelamente pretendemos investir para em 5 ou 6 anos comprar a casa que desejamos. Acredito que esta seja uma boa estratégia, não é Leandro? Qual o principal cuidado que precisamos ter em uma estratégia deste tipo? Como estou aprendendo, não sei se esqueci de algo, ou os cuidados que devo ter para obter sucesso nesta empreitada. Para vc conhecer mais a minha realidade, eu e minha esposa somos professores de ensino superior publico federal, portanto com estabilidade e com um bom plano de carreira, mas iniciando na profissão. Obrigado novamente pelas orientações Leandro. Abraço e boa noite.

    • Leandro Ávila 27 de janeiro de 2017 at 14:24 - Reply

      Oi José. O principal cuidado é com o conhecimento que você tem com relação aos investimentos. Todos os riscos que você corre ao investir dependem do seu preparo.

  32. Joanatan 24 de setembro de 2015 at 20:45 - Reply

    Boa noite Leandro.na sua opiniao oque é melhor nos dias de hoje.
    Investir no tesouro,ou em um lote ou apartamento,pra fins de aluguel?
    Obrigado e tudo de bom.

    • Leandro Ávila 27 de janeiro de 2017 at 14:22 - Reply

      Oi Joanatan. São duas coisas totalmente diferentes e possuem suas vantagens e desvantagens. A melhor opção vai depender de cada investidor, ou seja, das suas necessidades e objetivos para o dinheiro que tem.

  33. Gregory Augusto 14 de outubro de 2015 at 13:14 - Reply

    Leandro boa tarde tudo bem ?
    Você disse que o ideal é comprometer apenas 20% da renda com dívidas. Eu tenho dúvidas sobre oque realmente é dívida. Sei que financiamento do automóvel, empréstimo são dívidas. Agora pagamento da faculdade é divida ? Aluguel ? Despesas com moradia ? Lazer ? Desde já agradeço a sua disponibilidade, pergunto porque estou determinado a chegar neste patamar de 20% somente com dividas, mas por exemplo se ganho 10 mil reais. Meu custo de vida teria de ser somente 2 mil ? Esta é minha dúvida, separar dívidas de despesas.

    • Leandro Ávila 7 de janeiro de 2017 at 6:52 - Reply

      Oi Gregory. Dívida é tudo que você compra com o dinheiro dos outros e precisa pagar mais caro por isso (devido ao pagamento de taxas e juros). Faculdade é investimento. Aluguel é pegar o imóvel dos outros emprestado e remunerar ele por isso. Lazer é cuidar da sua saúde mental.

  34. Gregory Augusto 28 de outubro de 2015 at 12:00 - Reply

    Leandro boa tarde tudo bem ? Você disse que o ideal é comprometer apenas 20% da renda com dívidas. Eu tenho dúvidas sobre oque realmente é dívida. Sei que financiamento do automóvel, empréstimo são dívidas. Agora pagamento da faculdade é divida ? Aluguel ? Despesas com moradia ? Lazer ? Desde já agradeço a sua disponibilidade, pergunto porque estou determinado a chegar neste patamar de 20% somente com dividas, mas por exemplo se ganho 10 mil reais. Meu custo de vida teria de ser somente 2 mil ? …

    • Leandro Ávila 28 de outubro de 2015 at 12:31 - Reply

      Oi Gregory, pagamento de faculdade é um investimento. Você certamente acredita que, no final da faculdade, o dinheiro investido irá retornar para você. Aluguel faz parte do seu custo de vida, do estilo de vida que você escolheu para você. O lazer também depende do estilo de vida que você escolheu. É importante que o seu estilo de vida seja compatível com a sua renda. Se você ganha R$ 10 mil, e mora em um imóvel alugado que custa R$ 5 mil por mês, significa viver com um padrão acima da sua renda. O seu custo de vida depende das suas escolhas. O ideal é ter um custo de vida menor do que a sua renda, de tal forma que no final do mês sobre no mínimo 30% do que você ganha. É desses 30% que você formará reservas de emergência e fará planos para adquirir aquilo que precisa (no curto, no médio e no longo prazo) sem precisar pagar juros em empréstimos e financiamentos.

  35. Denis 12 de janeiro de 2016 at 10:59 - Reply

    Parabéns Leandro, ótima matéria!
    Procuro seguir essas orientações há muitos anos e apesar do significado da palavra felicidade não se resumir a apenas formar uma poupança, podemos dizer que ter uma segurança financeira nos ajuda a sermos felizes.
    Grande abraço

    • Leandro Ávila 7 de janeiro de 2017 at 6:49 - Reply

      Evita desconfortos e inúmero problemas, no modelo de mundo que temos hoje.

  36. Alex 21 de janeiro de 2016 at 15:22 - Reply

    Obrigado estou acompanhando seu crescente empenho e desempenho nos seus artigos. Parabéns…

  37. Pablo 26 de janeiro de 2016 at 15:54 - Reply

    Olá Leandro!

    Primeiramente parabéns pelo site e pelas aulas diárias que nos são proporcionadas.

    Acompanho o site desde meados de 2015 e este ano pretendo me aprimorar mais, começando por conhecer melhor alguns investimentos através de cursos citados no site.

    Ainda estou na poupança, mas após os cursos irei diversificar meus investimentos.

    Mas meu contato hoje tem outros motivos também:

    No seu e-mail de hoje há a dica do dia. Um vídeo (longo) que sugere a mudança da mentalidade, de certa forma, como pensar como um milionário. Minha pergunta é se você fez o curso/aulas. Se sim, qual é seu parecer sobre. Acredito que você tenha feito, pois nunca vi você indicar algo sem conhecer.

    Obrigado e grande abraço!

    Pablo

  38. Leandro 4 de fevereiro de 2016 at 19:19 - Reply

    Cada leitura, um aprendizado, obrigado xará, Deus te abençoe.

  39. Gerson 21 de abril de 2016 at 17:04 - Reply

    Parabéns Leandro pelo blog e pelo artigo. Eu ja mantenho uma vida equilibrada , mas sempre gosto de ler seus artigos,pois serve como um combustível para me manter ligado. 🙂

  40. Joza ribeiro 28 de maio de 2016 at 10:22 - Reply

    Acerca de se viver acima dos limites financeiros, como se não houvesse amanhã, gostei da frase atribuída ao criador do paypal de que deveriamos viver como se fossemos viver para sempre. Talvez, assim, seja possivel veslumbrar que o médio e o longo prazo estão logo ali.

  41. eudes 23 de julho de 2016 at 12:22 - Reply

    Parabéns Leandro estou a pouco tempo no clube dos poupadores, mas estou muito satisfeito com os seus ensinamentos.
    Na sua opinião e viável investir em uma poupança?
    Eu não tenho casa própria, você acha um bom investimento eu comprar uma casa financiada?

    • Leandro Ávila 27 de janeiro de 2017 at 14:20 - Reply

      Oi Eudes. É importante que você conheça as demais possibilidades de investimentos. Você mesmo verá que existem opções bem melhores que a poupança.

  42. Valter 7 de agosto de 2016 at 6:38 - Reply

    Excelente artigo Leandro. Sociedade se divide em 2 agentes… superavitários e os deficitários. Faça sua escolha.

    • Leandro Ávila 7 de janeiro de 2017 at 6:42 - Reply

      Oi Valter, realmente é uma questão de escolher em qual lado você quer estar durante a vida.

  43. Jose Roberto 10 de outubro de 2016 at 14:04 - Reply

    ola leandro,parabens quantas dicas você nos da em todos os seus artigos,venho lendo todos os eles tenho indicando o site para alguns colegas também .sei que você ja comentou o assunto,mas se possivel apesar do seu tempo ser curto pra tanto trabalho,gostaria que você publicasse algum assunto mais especifico sobre o funcionamento em abrir conta em uma corretora pra fazer esse movimento da conta online do banco pra corretora e vice versa,quais os cuidados que devemos ter. ja conversei com algumas pessoas mas como nenhuma deles realizou operaçoes desse tipo nao me sinto seguro e confortavel para realizar operaçoes dessa maneira, sei que estou perdendo dinheiro e oportunidades por conta das taxas cobradas pelos bancos e tambem dos rendimentos que eles me oferecem.esse medo meu e tambem de muitas outras pessoas que nunca investiram dessa maneira.ataque de raker ou alguma outra possibilidade do dinheiro ser disviado nessas operaçoes..temos que quebrar essas barreiras …desde ja agradeço por tudo o que voce tem feito….

    • Leandro Ávila 7 de janeiro de 2017 at 6:41 - Reply

      Oi Jose. Esse medo do novo você só elimina tendo suas próprias experiências. Não adianta eu falar que invisto sem problemas, não adianta eu falar que os maiores investidores do Brasil investem através de corretoras, sendo que eles não movimentam alguns reais, movimentam milhões de reais todos os dias. Você precisa sair da zona de conforto, precisa ter suas próprias experiências para se sentir confiante. Nessa fase inicial basta fazer investimentos pequenos para ver como funciona.

  44. Junior 28 de dezembro de 2016 at 21:56 - Reply

    Li mais uma vez esse artigo e não me canso de mostrá-lo aos meus amigos e familiares! Parabéns!!

  45. Leopoldo Moreira 26 de janeiro de 2017 at 8:04 - Reply

    Bom dia, ótimo texto! Estou muito satisfeito com as informações postadas no site, é de extrema importância esse conhecimento que está sendo compartilhado. Leandro parabéns!

  46. Renata B. 9 de abril de 2017 at 21:08 - Reply

    Leandro!

    Eu e meu namorado temos 22 anos e começamos a cerca de um ano um investimento de baixo risco com 15% de cada uma de nossas rendas. Estamos mantendo esse investimento, mas ainda acredito que nosso padrão de vida não seja adequado as nossas rendas.

    Sou acadêmica e tenho o FIES (Financiamento Estudantil) como recurso para pagamento da graduação em engenharia. Posso me considerar ‘endividada’ com o banco? Adquiri o financiamento de 75% da custo com juros de 3,14% ao a.a.

    Em 2019, a fase de carência do FIES termina e inicia a fase de amortização, que vai me levar cerca de R$ 500,00 mensais, até o ano de 2033. Tem alguma dica para desde já começar a poupar para tal pagamento, considerando que o mercado da engenharia civil não esteja em alta e eu ‘demore’ algum tempo até estar empregada e estável na área?

    Obrigada! Somos teus fãs!

    Att

    Renata B.

    • Leandro Ávila 23 de maio de 2017 at 16:09 - Reply

      Oi Renata. Não tenho nenhuma dica especial a não ser aquilo que é evidente. Você não pode gastar mais do que ganha e ainda terá que separar esses R$ 500,00 todos os meses. O que você tem é uma dívida que foi feita com o objetivo de investir na sua profissão. Se você começar a poupar agora será ótimo ter vários meses reservados para o caso de uma emergência.

  47. leonardo 1 de maio de 2017 at 21:55 - Reply

    Boa noite Leandro
    Primeiramente parabéns pelo site e pela sua explanação sobre o pensamento racional do nosso investimento futuro. Minha visão era ilusória. Sempre contava com financiamento para minha casa própria, mas me convenceste que não é o melhor caminho. Gostaria de uma dica. Vou construir e tenho metade do valor da construção(1.000.000,00) aplicado em CDB e levarei pelo menos mais de 3 anos para guardar a outra metade. Só que já tenho 46 anos e um filho pequeno que caso eu aguarde mais 3 anos e pelo menos mais 3 anos de obra perderá grande parte de sua infância sem poder aproveitar o ambiente de uma casa ampla. Por isso minha primeira idéia era financiar o resto para iniciar logo a casa e não perder mais esse tempo. E agora o que devo fazer?

    • Leandro Ávila 23 de maio de 2017 at 16:13 - Reply

      Oi Leonardo. Você precisa avaliar se o seu filho realmente precisa de um imóvel que custará um milhão de reais para ser construído. Eu sou pai e posso te dizer as crianças não ligam para isso. Elas preferem a presença do pai e da mãe para brincar, não importa o lugar.

  48. Flavio Barros 26 de maio de 2017 at 19:02 - Reply

    Texto muito bem montado. Explica e exemplifica. Estou compartilhando para abrir os olhos de parentes e amigos.

    • Leandro Ávila 29 de maio de 2017 at 10:21 - Reply

      Oi Flávio. Obrigado por compartilhar. É isso que torna o trabalho realmente útil.

  49. Marcos Aurélio 26 de maio de 2017 at 19:13 - Reply

    Boa noite, querido amigo, acho posso chama-lo assim, pois estas informações só um grande amigo divide. Então, quero muito lhe agradecer porque você me fez acordar de um pesadelo que estava me levando à beira do colapso mental e emocional, agora me sinto forte e encorajado, a cada artigo publicado no Clube. Que Deus te abençoe com este trabalho divino!!!

    • Leandro Ávila 29 de maio de 2017 at 10:20 - Reply

      Oi Marcos. É o conhecimento que nos tira do colapso mental e emocional e nos dá força e coragem para caminhar. Parabéns!

  50. João Paulo 26 de maio de 2017 at 22:53 - Reply

    “Menos de 20% da população poupa alguma coisa. Isto significa que mais de 80% dos brasileiros gastam tudo que ganham e ainda acumulam dívidas para gastar mais do que podem.”

    Que bom que faço parte dos 20%.
    Tenho absoluta certeza que só estou nesse pequeno universo hoje por causa do seu trabalho!
    Estou arrastando mais pessoas junto comigo.

    • Leandro Ávila 29 de maio de 2017 at 10:17 - Reply

      Oi João. Você está nesse universo graças ao tempo que você dedicou estudando sobre o tema. O meu trabalho foi apenas uma ponte entre você e o conhecimento. Quem atravessou a ponte foi você. Transforme sua vida em um bom exemplo para os seus amigos e parentes e naturalmente eles serão arrastados para a mesma trilha que você está seguindo. Parabéns.

  51. Ricardo Amaral 27 de maio de 2017 at 10:51 - Reply

    Bom dia Leandro, voce considera um bom investimento em CDB com 107% da taxa DI por 1 ano? e com valor pequeno a partir de 1 real já pode aplicar, consegui isso em um banco médio, por ser menos conhecido talvez ofereça a taxa atrativa tb rs, mas funciona quase igual uma corretora, a conta e a movimentação tudo pela internet, sem taxas nenhuma, voce já ouviu falar desse banco? a principio estou cauteloso, vou investir no máximo uns mil reais. O que devo analisar para saber como anda a saúde financeira desse banco e suas perspectivas de futuro? inclusive gostaria de sugerir um artigo aqui no blog, sobre investimento em CDB bancos pequenos e também sobre contas corrente digitais, obrigado Leandro e grande abraço!

    • Leandro Ávila 29 de maio de 2017 at 10:23 - Reply

      Oi Ricardo. Os bancos pequenos oferecem taxas mais atrativas. Isso ocorre por serem pequenos. É uma forma de atrair os investidores. Você deve considerar que essa taxa adicional (acima daquela oferecida pelo banco grande) é um prêmio pelo risco. Tenho um artigo onde falo sobre onde avaliar a saúde financeira dos bancos, visite aqui. Nos meus livros eu também falo sobre isso, visite.

  52. TIAGO XAVIER 27 de maio de 2017 at 16:13 - Reply

    Excelente artigo Leandro. Muito importante ler e aplicar os conceitos na vida.

    Acompanho o Clube dos Poupadores já tem um bom tempo, e através das leituras constantes aplico muitas coisas no meu dia a dia.

    Tudo é questão de prática e acima de tudo vontade de aprender e evoluir constantemente.

    Ainda tem muitas coisas para eu aprender sobre finanças, mas, o importante é buscar sempre sair dá zona de conforto e trilhar por caminhos seguros. A segurança é conquistada por nós próprios, através dos conhecimentos adquiridos.

    Sucesso sempre Leandro.

  53. Rosa Dias 28 de maio de 2017 at 23:47 - Reply

    Oi Leandro!
    Adorei sua resposta ao Leonardo, é realmente isso, as pessoas se iludem com certas grandezas e não percebem que a verdadeira alegria está nas pequenas coisas. O dia a dia bem vivido com a família será a qualidade de vida X padrão de vida.
    Abraços

  54. Nadia 29 de maio de 2017 at 7:57 - Reply

    O cartão de crédito atrapalha construir a planilha de gastos. Vi aqui as pessoas perguntarem o que é dívida e o que é despesa. Achei curioso isso. Creio que utilizam o cartão de crédito para tudo que compram. Daí fica difícil separar uma coisa da outra. Chega um momento em que você não sabe mais o que está pagando.

    • Leandro Ávila 29 de maio de 2017 at 10:10 - Reply

      Oi Nadia. É verdade. Isso torna o cartão de crédito o maior problema entre os endividados.

  55. Louis 29 de maio de 2017 at 10:54 - Reply

    Olá Leandro, a maioria dos brasileiros está jogando o próprio futuro nas mãos do governo (previdência pública), e isso é péssimo. É uma pirâmide financeira, e muito mal administrada. Quem confiar apenas na previdência pública, vai ter que trabalhar com 80 anos para não passar fome, ou vai ter que ter um monte de filhos generosos para sustentá-lo no futuro. Como não quero deixar este ônus para filho nenhum, estudo uma carteira de investimentos para que eu possa me sustentar no futuro.
    E é aquilo que você diz no texto, tem muita gente de alta renda que não poupa nada. Meu círculo de amizades mesmo, maioria classe média-alta, todos andando com carros caríssimos financiados, casas impecáveis, etc, mas gastam tudo que ganham.

    • Leandro Ávila 30 de maio de 2017 at 6:43 - Reply

      Oi Louis. São pessoas que gastam muito tempo e energia (tempo+energia=vida) tentando provar que são ricas quando na verdade não são. Estão apenas queimando suas vidas no consumo de exibição. É torcer para que percebam isso enquanto ainda exista tempo e energia.

  56. Michel 29 de maio de 2017 at 12:26 - Reply

    Leandro,
    É interessante que quanto mais estudamos, mais nos distanciamos dessas bobagens que as pessoas tanto cultuam.
    Tem uma frase sua em um de seus textos que me trouxe grande reflexao.
    É mais ou menos isso : ” O que mais marcou em sua vida ? Seu último eletrônico ou aquela última viagem ? “

    • Leandro Ávila 30 de maio de 2017 at 6:41 - Reply

      Oi Michel. Quando a viagem não se resume a fazer compras, elas resultam em novas experiências. Ter contato com outros lugares e outras culturas é um processo de aprendizagem. No fundo aquilo que você aprende é a única coisa que é realmente sua e que não pode ser tirada de você. É a sua verdadeira riqueza. Os eletrônicos, roupas da moda, joias, tudo isso são objetos de passagem na sua vida.

Leave A Comment

Share this

Compartilhe com um amigo