Piores erros financeiros depois dos 30 anos

Se você está entrando na casa dos 30 anos, leia esse artigo com atenção. Você precisa tomar alguns cuidados financeiros nos próximos 10 anos. Não faz muito tempo que completei quatro décadas de vida e pude observar meus últimos 10 anos e, especialmente, os últimos 10 anos das pessoas que conheço que fazem parte da minha geração (amigos, parentes, colegas, etc.).

Recentemente li um artigo estrangeiros com conselhos financeiros para quem completou 30 anos. A realidade lá fora é bem diferente da realidade brasileira e resolvi fazer uma lista dos piores erros que você poderia comentar na sua vida financeira ao entrar na casa dos 30, com base na nossa realidade.

Erro 1 – Você acha que terá mais dinheiro no futuro

Uma percepção comum entre aqueles que estão entrando na casa dos 30 anos é a de que podem gastar tudo que ganham hoje por existir muito tempo no futuro para ganhar mais dinheiro.

Por experiência própria, entre os 30 e 40 você terá uma percepção de que o tempo está passando muito rápido. Parece que quanto mais envelhecemos, maior a percepção de que o tempo está passando rapidamente. Num piscar de olhos você já estará com 40 anos.

Ser otimista com relação ao futuro é muito bom, quando você usa esse otimismo para crescer na vida. O problema é que ser muito otimista pode fazer você ficar parado no tempo. O otimismo também pode paralisar.

Pior do que gastar tudo que ganha na casa dos 30 é comprometer uma boa parte da sua renda futura. É essa a parte da sua renda que você deveria poupar para poder investir e prosperar no futuro.

É na casa dos 30 anos que as pessoas tomam a decisão de sabotar o seu próprio futuro financeiro. Para aproveitar ao máximo, as pessoas fazem dívidas que comprometem a renda familiar até os 40, 50 ou 60 anos de idade. É o caso do financiamento de imóveis.

É na juventude que temos mais disposição para trabalhar e conquistar aquilo que sonhamos assumindo mais riscos. Com o passar do tempo ficamos mais avessos ao risco. Já percebeu que são os jovens empreendedores que criam as empresas mais inovadoras? Eles possuem tempo, disposição e motivação para o risco.

Quando você é jovem fica mais fácil escolher um estilo de vida mais simples diante da sua renda. É mais fácil poupar primeiro (pensando no futuro) e viver com o que sobra. O problema é que não é isso que os jovens estão fazendo. A maioria pensa da seguinte forma: “Hoje eu tenho que comprar isso, isso e isso e guardarei o que sobrar para o meu futuro”. O correto seria “Hoje eu vou guardar essa quantia para o meu futuro e o que sobrar irei comprar isso”.

Erro 2 – Escolher o emprego que paga mais

Existem oportunidades de trabalho que pagam mais e não oferecem perspectivas de crescimento futuro. Considere a sua vida profissional como um investimento. Existem atividades que podem gerar uma renda maior no curto prazo, mas que podem comprometer o seu futuro profissional.

É importante ter uma visão de longo prazo. Talvez você encontre oportunidades que não remuneram muito agora, mas que pode ser entendida como um investimento que vai gerar frutos melhores e maiores nos próximos anos. Pessoas que buscam resultados financeiros rápidos acabam tomando decisões trágicas. A busca por dinheiro rápido e fácil no curto prazo pode arruinar a sua vida para sempre.

No meu primeiro emprego, quando tinha entre 18 e 19 anos, era pago para trabalhar metade do dia. Entendia aquele emprego como um investimento. Não era uma fonte de renda. O que eu ganhava era pouco perto da oportunidade de aprender. Por este motivo, mesmo recebendo o menor salário da empresa, mesmo tendo a obrigação de trabalhar apenas meio período, eu era o funcionário que chegava mais cedo e o que saia mais tarde. Muitas vezes ainda levava trabalho para fazer em casa. Eu era jovem, tinha muita energia, muita motivação, tempo e disposição para crescer rápido.

Erro 3 – Jogar tempo e dinheiro fora com educação

Nem todo tempo e dinheiro que você gasta com educação vai gerar resultados positivos na sua vida profissional e financeira. Tem muita gente que literalmente jogou tempo e dinheiro no lixo depois dos 30 anos fazendo cursos de especialização que nunca fizeram qualquer diferença na sua carreira.

Não gaste dinheiro com um MBA antes de compreender claramente os benefícios que ele poderá gerar na sua vida profissional. Não faça cursos apenas pelo fato de todos estarem fazendo.

Já vi pessoas que se tornaram estudantes profissionais. Terminaram a faculdade, começaram outra, depois fizeram uma pós-disso, pós-daquilo e assim vão seguindo gastando tempo e dinheiro sem qualquer resultado efetivo na vida profissional.

Nem toda educação formal compensa. É claro que existem aquelas que são importantes, mas isso não é regra. Existe uma clara desconexão entre as teorias apresentadas no mundo acadêmico e a realidade das empresas. Dependendo da sua área de interesse, o conhecimento acadêmico ficará ultrapassado rapidamente. Seja um eterno autodidata.

Eu aprendi muito mais fora das salas de aula. Com duas ou três notas de R$ 10,00 você pode comprar livros de grandes autores nacionais e internacionais. Por algumas notas de R$ 100 você pode fazer cursos rápido e práticos pela internet. Talvez não faça muito sentido perder o seu tempo e milhares de reais ouvindo um professor qualquer em uma instituição formal de ensino qualquer da sua cidade.

Encare o tempo e o dinheiro que você gasta com educação como um investimento. Busque o melhor retorno.

Erro 4 – O carro

Ter um carro como meio de transporte pode ser importante.  Ter um carro para resolver problemas de autoestima é um erro grave.

Se você acredita que é importante ter um carro caro, daqueles que você só pode comprar financiando em 60 vezes, para poder ser uma pessoa bem vista e respeitada, é mais barato procurar a ajuda de um psicólogo.

Se você acredita que ter um carrão vai melhorar os seus relacionamentos, amizades e até namoro, você precisa tomar cuidado com o tipo de gente que está tentando se relacionar.

Existem pessoas na casa dos 30 anos que acreditam que o veículo é um instrumento que serve para medir o seu nível de sucesso profissional e financeiro. Esse tipo de crença é ótimo para quem fabrica e vende veículos.

Se você acreditar na propaganda das montadoras passará décadas da sua vida sustentando os lucros dessas empresas e dos bancos que financiam esse tipo de “indústria de ilusões”.

Encare o seu carro como uma máquina de lavar. A máquina de lavar existe apenas para lavar roupas. Você não será uma pessoa melhor por comprar uma máquina de lavar de luxo. Ela não resolve seus problemas psicológicos e sociais. Com os carros deveria ser a mesma coisa, eles só deveriam ser usados para ir e vir.

Se você ficar trocando de carro a cada 2 ou 3 anos, vai viver só para pagar as prestações dos carros que você terá. Se você cuidar bem do seu carro poderá ficar com ele por 8 ou 10 anos. Durante a sua vida produtiva você terá no máximo meia dúzia de carros. Certamente você tem coisas mais importantes para fazer na sua existência do que ficar trocando de carro todo ano, e morrendo de trabalhar para tornar essa bobagem possível.

Caso você já tenha o hábito de trocar de carro regularmente usando como argumento frases do tipo “Eu sou apaixonado por carros” pense na possibilidade de reavaliar suas paixões. Você não está condenado a ser o que é para sempre. Faça uma reflexão crítica sobre isso. Você pode ser melhor que isso.

Erro 5 – Gastar tudo com o casamento

Segundo o IBGE, a idade média dos brasileiros no dia do casamento é de 30 anos. Eu já fui em casamentos de pessoas que gastaram o equivalente a um apartamento para realizar a festa.

Curiosamente essas mesmas pessoas optaram por morar em um apartamento financiado por décadas e outras estão pagando aluguel. Muitos esquecem que o casamento tem um objetivo básico, muito antigo para não dizer primitivo, que é de compor uma família.

Desculpe a dureza das palavras, mas na minha opinião iniciar a sua família acumulando enormes dívidas de uma festa de casamento é uma grande tolice. Sim, as festas são bonitas, divertidas, emocionantes, ficam na memória, mas como ficam as consequências?

Você pode estar trocando algumas horas de “alegria” por vários anos de transtornos financeiros. Não deixa de ser mais uma sabotagem do seu “eu presente” contra o seu “eu futuro”.

É claro que se você tem dinheiro sobrando para uma festa grandiosa e extravagante, ninguém tem nada com isso. O dinheiro é seu e você faz o que bem entender com ele. O problema é quando você comete exageros, sem ter condições para isso, sem ter uma clara consciência do impacto disso no seu futuro.

Casamentos luxuosos é para quem pode pagar por eles sem que isso resulte em consequências desastrosas no seu futuro financeiro.

Mesmo assim, se uma festa de casamento luxuosa é aquilo que dá sentido para sua vida, o ideal é que você poupe com bastante antecedência para que ele não comprometa coisas que são realmente importantes e que talvez você só possa perceber essa importância no futuro.

Aproveite os preparativos para o casamento e converse abertamente sobre dinheiro com seu parceiro ou parceira. É melhor fazer isso agora. Não esconda nada. Seja sincero quando o assunto for dinheiro na vida a dois. Isso vai evitar uma enorme quantidade de problemas conjugais no futuro envolvendo o dinheiro.

Pesquisas apontam que o dinheiro é o segundo maior motivo de separações no mundo. Existem muitos casamentos que são o início de problemas financeiros que resultam em futuras separações.

Erro 6 – Os exageros do primeiro filho

Tome muito cuidado com as decisões que você irá tomar antes mesmo da chegada do seu primeiro filho. Existe muito exagero que você pode evitar. Eu já vi pessoas que gastaram verdadeiras fortunas com a decoração de quartos, móveis planejados, berços de luxo e carrinhos de bebê que custam preços absurdos.

Já tive contato com pessoas que trocaram de imóvel, sem nenhuma necessidade, com a desculpa de que a criança precisava morar em um condomínio com piscina para ser feliz. Já vi pessoas que venderam imóveis próprios para encarar dívidas elevadas para garantir aquilo que acham ser o conforto dos filhos.

Também já vi pessoas que fizeram péssimos planos de previdência privada que os bancos criam para crianças. São produtos que, na maioria das vezes, são verdadeiros lixos financeiros oferecidos por grandes bancos.

Tenha a certeza que a coisa mais valiosa que você pode dar para o seu filho é o seu tempo e a sua atenção.

Se a chegada do seu filho representar um forte aumento nas suas despesas, mais endividamentos, mais financiamento, você terá que trabalhar muito mais para compensar e vai acabar tirando do seu filho aquilo que ele mais gostaria de receber que é a sua atenção.

Seu filho pequeno não quer plano de previdência, não quer apartamento grande, não quer herança, não quer viagem para a Disney, não quer duas babás para cuidar dele enquanto você trabalha enlouquecidamente. O seu filho só deseja a sua presença. O resto é invenção da sua cabeça. Se você tiver tempo livre para cuidar da saúde mental, emocional e intelectual do seu filho na primeira década de vida dele, pode ter certeza que ele será capaz de buscar a própria prosperidade financeira. Ele estará preparado para isso.

Erro 7 – Educação financeira para os seus filhos

Crianças são seres que nascem configurados de fábrica para copiar o comportamento e as crenças dos país. É muito importante que você se eduque financeiramente antes de ter filhos.

Mostre para eles que dinheiro não nasce em árvore. Mostre que para colher é necessário plantar. Mostre que colher o que o outro plantou é um erro. Mostre que não existe almoço grátis, brinquedo grátis, energia elétrica grátis, roupa grátis e governo grátis.

Não esconda o mundo do dinheiro do seu filho. Ele deve aprender como as coisas funcionam. Os recursos são escassos, mas os desejos humanos são infinitos. Recursos e desejos devem ser administrados com inteligência.

É importante que ele entenda que o dinheiro precisa ser respeitado pelo fato dele representar o suor de alguém, o tempo e a energia de vida de alguém que realizou um trabalho útil.

Mostre para o seu filho que o mundo recompensa as pessoas que realizam um bom trabalho. Faça ele desejar servir a humanidade realizando um trabalho exemplar. Mostre que o dinheiro e a prosperidade financeira é uma consequência sólida daqueles que aprendem a servir os demais com competência. Mostre que os atalhos no mundo do dinheiro não compensam.

Se você não for competente na educação financeira do seu filho, a futura vida financeira dele será um grande problema para você. Ignorância financeira passa de geração em geração. Até os seu netos e bisnetos serão prejudicados.

A melhor coisa que podemos fazer para o bem daqueles que amamos é crescer. Quando digo crescer, estou falando do crescer em todos os sentidos. Crescer profissionalmente, financeiramente, intelectualmente. Você cresce quando troca vícios por virtudes. Você cresce quando apura os seus valores e acumula conhecimentos e sabedoria. Os seus filhos agradecem e o resto da humanidade também.

No Clube dos Poupadores e nos meus livros (veja aqui) eu falo mais sobre como crescer financeiramente.

Dia da sorte...

Muita gente acredita que ter sucesso na vida financeira depende de um tipo sorte. Descobri uma forma de aumentar essa sorte: quanto mais você estudar sobre ganhar, poupar e investir dinheiro, mais sorte terá na sua vida financeira. Escrevi uma série de livros que vão ajudar você a aumentar esse tipo de "sorte" rapidamente:Clique aqui para conhecer os livros.
Esse artigo foi útil?
Deixe-nos saber, se você gostou deste artigo. Só assim podemos continuar melhorando.
Sim
Não

Sobre o Autor:

Leandro Ávila criou o Clube dos Poupadores por acreditar que o conhecimento é uma riqueza que se multiplica quando dividida. Compartilhando o que sabemos, criamos um mundo melhor. Conheça os livros que ele escreveu sobre educação financeira, investimentos financeiros e imobiliários.
Stil
Visitante
Stil

Olá Leandro!
Observo muito isso mesmo. Infelizmente eu só descobri seu blog depois de ter financiado meu apartamento. Além disso, na minha profissão só entrei verdadeiramente no mercado de trabalho aos 29 anos. Antes só estudos e especializações. Mas há ainda tempo e já estou me programando para quitar o apartamento em 10 anos. Minha esposa e eu somos bem econômicos.

Alan
Visitante
Alan

Leandro, que artigo perfeito, eu fico feliz de antes mesmo de conhecer o seu trabalho ja seguir a risca as dicas acima. O adjetivo que define este artigo é a perfeição! Parabéns!

Lucas
Visitante
Lucas

Parabéns…brilhante artigo, gostei muito dessas dicas.

Bruna
Visitante
Bruna

Parabéns, mais uma vez você conseguiu arrasar com suas sábias e bem colocadas palavras.

Mayara
Visitante
Mayara

Ótimo texto! Verdades ditas! 🙂

Marciane
Visitante
Marciane

show, vc é o melhor Leandro, faz uns 2 anos que te sigo, suas orientações mudaram meu modo de pensar, tenho 36 anos de idade, como eu gostaria de ter acesso ao teu conteúdo quando eu tinha 30 anos.. muito bom! amo seus artigos, me fazem permanecer fiel aos meus objetivos.

abs

Rafael
Visitante
Rafael

Muito bom texto. Parabéns.

Denny Almeida
Visitante
Denny Almeida

Leandro,

você costuma ser contundente em seus textos, mas neste você se superou. Pôs o dedo nas feridas mais comuns, e ao mesmo tempo mais disfarçadas, da nossa vida financeira. Somos vítimas (por opção nossa) do que você bem chamou de “Indústria das Ilusões”, e sem visão de longo prazo, queremos tudo aqui e agora. Parabéns por abordar não só as tolices com o dinheiro que fazemos, mas por falar alto e claro da importância da família e do exemplo que devemos ser aos nossos filhos.

Um abraço.

André Themoteo
Visitante
André Themoteo

Leandro, parabéns pelo texto! Como sempre muito esclarecedor. Irei compartilha-lo. Forte abraço

Bruno
Visitante
Bruno

Caro Leandro,

Esse é um texto fundamental (literalmente). Farei questão de compartilhá-lo com todas as pessoas próximas.

Abraço.

Agton
Visitante
Agton

Excelente artigo Leandro!

Armando
Visitante
Armando

Fantástico!! Parabéns mais uma vez pelo excelente artigo. Resumiu experiência de anos em 7 conselhos básicos

GREGORY AUGUSTO GREGORY AUGUSTO
Visitante
GREGORY AUGUSTO GREGORY AUGUSTO

Leandro, to meio sumido dos comentários, mas sempre lendo seus artigos. Muito obrigado
Eu tenho feito isso, comprando livros, e aumentando meu conhecimento. Eu comecei a ler
seus artigos a exatos um ano e meio. Aprendi muito. Recentemente estava em um dilema
sobre trocar o meu carro ano 2009, por um um pouco mais novo. Não iria fazer dívidas, mas
gastaria uns 15 mil, e aumentaria os gastos com ipva, combustível e etc. Levei o meu ao mecânico
fiz uma boa revisão por R$ 800,00 e investir o dinheiro. Obrigado aprendi muito com você.

Adriana
Visitante
Adriana

Eita…se eu pudesse voltar aos 30….com certeza, não compraria o carrinho de bebê de última geração, não trocaria meu ap quase quitado por uma maior (exatamente, com piscina e churrasqueira no condomínio!)…obrigado Leandro, por me fazer enxergar aos 40!

Felipe
Visitante
Felipe

Tocou na ferida do povo mesmo. Excelente artigo. Coincidência ou não, estou fazendo 33 anos hoje, e já passei ou estou passando por essas situações que falou no artigo.

Sobre o casamento: eu casei na igreja (sou ateu mas minha esposa não), e nunca quis fazer festa, mas minha esposa insistiu. Fizemos uma festa para 180 convidados. Só aceitei porque na verdade a festa foi rachada entre meus pais e meus sogros. Minha esposa e eu nos estressamos um monte para organizar a festa. Agora ela diz que se fosse hoje só faria um bolinho para os familiares e amigos mais próximos.

Tenho uma filhinha de 1 ano e 4 meses. Gastei R$ 500 na festa de um aninho dela, e ainda achei muito. Entendo que para ela não faz diferença nenhuma a festa. Apenas fizemos a festa para tirar fotos e não deixar em branco mesmo. Estou numa idade que meus amigos e familiares estão tenho filhos e fazendo festas de um ano. Essas festas de um ano são uma verdadeira ostentação dos pais. Já fui em várias festas que pareciam casamentos. Os pais gastam uma fortuna (R$10.000 pra cima), pra tirar umas fotos bonitinhas e postar no facebook. Coisa da cultura brasileira mesmo.

A educação dos filhos renderia um artigo à parte. O que você acha da mesada Leandro? No meu ponto de vista, uma “criança” de 13 ou 14 anos, já é plenamente capaz de desenvolver uma atividade remunerada. Claro que tudo dentro dos limites morais e éticos. Nossa, como eu gostaria de saber o que sei hoje quando eu tinha uns 14 anos.

Sandro
Visitante
Sandro

Sensacional! Parabéns pelo projeto…

Sergio
Visitante
Sergio

Leandro,

Excelente reflexão. Quando casei compramos uma casa modesta (bem modesta), mas não queríamos começar a vida a dois com dívidas. Festa de casamento e lua de mel, dentro das posses e sem dívidas de longo prazo, tudo planejado. Hoje vejo os amigos da época vendendo apartamentos por conta de dívidas ou ainda pagando dívidas, fora as exageradas taxas de condomínio.
São escolhas, mas que vão certamente repercutir lá na frente na vida a dois. Obrigado por compartilhar conhecimento.

Gilberto Rig.
Visitante
Gilberto Rig.

Bom dia Leandro. Um outro absurdo com relação aos filhos é dar festas luxuosas e caras para uma criança de 1 ou 2 anos, por exemplo. Por vezes os pais se endividam para realizar esse sonho. Só que não é um sonho da criança, que nem deve saber o que está acontecendo, mas sim dos pais. A festa é para os pais e não para o filho. A uns anos atrás dei de presente para meu sobrinho de 2 anos um carrinho movido a pilhas, ele tirou as pilhas e começou a brincar com elas e deixou o carrinho de lado, aí compreendi que o brinquedo que dei a ele era o que eu gostei e não o que uma criança de 2 anos poderia gostar.

Isaias
Visitante
Isaias

Leandro,

Mais um artigo esclarecedor. Acompanho seu trabalho desde do final de 2013 e como impactou a minha vida pessoal, intelectual, profissional e financeira. Só hoje que comento aqui, antes lia seus artigos e absorvia os conhecimentos no anonimato. Parabéns pelo seus sites de educação, que é o que mais falta no Brasil para ser uma grande nação em todos aspectos. Desde 2013 estudo constantemente sobre finanças, economia, investimentos e educação para empreender( mesmo sendo empregado de uma empresa de capital mista). A educação transforma. Transformou a minha vida ( pelo trabalho que tenho hoje) e educação autodidata que venho adquirindo junto com seu site e vários livros que li, leio e lerem. Obrigado!

Wagner
Visitante
Wagner

Perfeito!

Robson
Visitante
Robson

Caramba =D. Show, obrigado pelo texto!

Alcides
Visitante
Alcides

Olá, mais uma vez me vejo na condição de concordar com tudo repito tudo que o sr. escreveu professor eu já li sobre o porque do sr. não disponibilizar livros somente ebook, mas se um dia o sr. disponibiliza-los em formando de livros tenho certeza que vai ser o presente que irei dar para muitos conhecidos. Como o sr. professor escreve, é muito importante que a juventude acorde para o mundo real, sonho hoje das pessoas como o sr. escreve são celulares, carros, produtos de marca e outras banalidades. Não se preparam para o futuro, quando o futuro vira presente reclamam do passado e passam a reclamar do presente pois pensam que o universo conspirou contra elas. Muito obrigado por seus ensinamentos professor.

André Nunes
Visitante

Excelente artigo como sempre, Leandro! Estou entre os 30 e 40, mas percebi há poucos anos muito do que está escrito aqui. Tenho um filho de 10 e essa parte da educação dele é q mais me preocupa ultimamente. Procuro mostrar para ele (dentro das limitações de compreensão dele) o quanto o tempo é mais importante do que o dinheiro e que esse último é uma ferramenta para atingir a liberdade quando usado da maneira correta. Além disso, tenho plantando nele a semente do empreededorismo, mostrando exemplos que deram certo pelas idéias e ações de algumas pessoas de sucesso. Grande abraço.

Edson
Visitante
Edson

Leandro,

Quão importante foi conhecer o vosso site para o meu aprendizado financeiro. Isto aconteceu depois dos 40 anos mas está dando tempo de recuperar o tempo perdido. Confesso que a disciplina tem que ser muito grande.
Este artigo realmente é muito verdadeiro e deveria ser publicado em páginas dos grandes sites de notíca de nosso País. Parabéns !!!

valmir candido
Visitante
valmir candido

Ótimo seu artigo, resumiu bem as raizes de vários problemas financeiros .

Clayton
Visitante
Clayton

Muito obrigado pelo excelente artigo.

Gamont
Visitante
Gamont

Leio seus comentários anonimamente há algum tempo. Nunca deixei um comentário no tópico
.
Mas esse me motivou a dizer um muito obrigado.
Seus recados são quase ‘paternais’, dicas que por motivos justos, os nossos pais não conseguiram passar.
Como estes deste tópico.

(E olha que já estou na faixa dos 60).

Lucas Lira
Visitante
Lucas Lira

Excelente artigo! Parabéns! Suas publicações me fazem refletir e querer ser alguém melhor, em todos os sentidos…

Vinicius Vilanova
Visitante
Vinicius Vilanova

Parabéns mais uma vez Leandro.

Identificação total com o seu texto.

Grande abraço

Zilvânia Oliveira
Visitante
Zilvânia Oliveira

Só verdades Leandro!
Muito bom mesmo. Tenho 26 anos e já estou preocupada com isso tudo. Graças a boas leituras como esta, ainda não fiz nenhuma garfe, nem pretendo. Só preciso melhorar sempre rs!

Peterson
Visitante
Peterson

Professor Leandro.que artigo top.top..é incrível como temos a facilidade de sabotar nossa vida financeira.claro diante de um bombardeio de estímulos .achamos que precisamos Ter para Ser . (aceitos e incluídos)..Muito bom esse artigo.Foi DURO Em ALGUNS MOMENTOS .mais essencial para dar um start .para repensarmos em algumas crenças que acreditamos que por vezes nos ilude . essa ansiedade dos 30 anos potencializa fazer cada besteira que vai demorar décadas para corrigir .na minha opinião Educação financeira não só ajuda na parte técnica.mais contribuI muito com a parte emocional de cada indivíduo.

Rodrigo Reva
Visitante
Rodrigo Reva

“Se você acredita que ter um carro caro, daqueles que você só pode comprar financiando em 60 vezes, para poder ser uma pessoa bem vista e respeitada, é mais barato procurar a ajuda de um psicólogo…. ”

hahahah, boa!!!

RICARDO LEIRIA RODRIGUES
Visitante
RICARDO LEIRIA RODRIGUES

Obrigado pelo artigo Leandro. Daqui há alguns meses estou entrando na casa dos 30. A percepção de vida muda muito, o tempo passa muito rápido, é muito mais difícil se manter motivado, a condição física começa a mudar. É importante alertar sobre como estamos construindo os anos de vida a frente. Abraço.

Guilherme
Visitante
Guilherme

Leandro, como sempre muito bom. Parabens

Rafael
Visitante
Rafael

Oi Leandro, fazia tempo que eu não passava por aqui. Seus artigos estão cada vez melhores, parabéns! Já estou compartilhando com a minha família. Sucesso pra você! Abs!

Sousa
Visitante
Sousa

Excelente, como sempre! Entrei na casa dos 30 e você está certinho, o tempo passa rápido e podemos nos meter em grandes furadas financeiras!

Silvana
Visitante
Silvana

Parabéns pelo artigo!!! Tenho 35 anos e me sinto muito feliz por pensar como você. Meu esposo e eu casamos no civil e não fizemos festa porque dessa forma nos sentiríamos tranquilos em relação ao futuro, deixando claro que respeito os casais que optaram por festa. Tenho um Celta que comprei à vista e amo esse carrinho…manutenção e seguro super baratos…não tenho dor de cabeça com esse carro. O engraçado é que várias pessoas criticam quem escolhe ter um estilo de vida econômico e voltado para poupar e investir…eu pelo contrário, desde os meus 32 anos que adotei esse estilo de vida, já vejo a grande diferença que isso fez na minha vida hoje com 35…me sinto mais produtiva e mais segura por poupar e investir todo mês.
Novamente parabéns pelo artigo…
Silvana

Samara
Visitante
Samara

Ótimo texto Leandro, estou com 27 anos venho economizando desde meu primeiro emprego para comprar um apartamento, mas depois de começar a estudar sobre educação financeira e investimentos mudei de ideia, a princípio meu objetivo era acumular um valor para uma entrada em um bom “caro” apartamento, acima da minha realidade. Mas vi que tinha dinheiro suficiente para comprar uma casa mais modesta, e de acordo com meu padrão de vida, acho que até um pouco mais baixo, no próprio bairro que moro. Porém estou muito realizada com a compra e o melhor não estou com uma dívida de 20, 30 anos!! Agora me sinto segura para continuar economizando para realizar mais conquistas, tendo em mente a acumulação de patrimônio para uma aposentadoria tranquila.
Acredito que o segredo para conseguir poupar parte dos rendimentos, não é quanto se ganha, e sim o padrão de vida que escolhemos!
Obrigada Leandro!

Ronaldo Martins
Visitante
Ronaldo Martins

É uma realidade tem situações que muitos percebem só após aos 50 Anos.

Dacson Silva
Visitante
Dacson Silva

Que texto muito enriquecedor, parabéns e que vc continue sempre contribuindo e compartilhando conhecimento, tenha certeza que vc esta melhorando a vida de muitas pessoas!

Fábio Bastos
Visitante
Fábio Bastos

Excelente artigo como sempre. Estou compartilhando, uma hora meus amigos e familiares irão abrir os olhos. Obrigado pela ajuda em abrir os nossos. Na vida acabamos deixando que alguns erros persistam entre gerações, digamos que estou ficando mais antenado em passar para os outros ideias melhores e logicamente enviando seus artigos. um grande abraço

Fernando W Siqueira
Visitante
Fernando W Siqueira

Concordo em número, gênero e grau com todo o texto descrito, o maior problema que vejo nas pessoas ao meu redor é que a maioria não tem a mente preparada e aberta para entender a riqueza que existe neste tipo de artigo. Parabéns meu amigo!

João Pedro Gaio
Visitante
João Pedro Gaio

Parabéns mais uma vez Leandro. Sou seu fã. Abraços.

Fernando
Visitante
Fernando

Excelente artigo ,parabéns.

Cirino
Visitante
Cirino

Parabéns Leandro
Perfeito, um pequeno mas grande manual em 10 tópicos.
Obrigado por sua disposição em compartilhar estes artigos e com certeza vou compartilhar também.
Um abraço

Alex
Visitante
Alex

Parabéns Leandro! Este texto é uma lição de vida! Obrigado por tudo que você compartilha, mudei a minha vida financeira graças as suas informações.

iara
Visitante
iara

Magnífico…. Sem palavras pra dizer … mas ja dizendo, excelente, melhor texto da vida!

Marcos Aurélio
Visitante
Marcos Aurélio

Bom dia muito obrigado pelo artigo publicado no site, realmente esclarecedor e me sinto bem pois sei que estou com base no que foi escrito no caminho certo. Um grande e fraterno abraço a você meu querido Leandro Ávila

Cátia Ereno
Visitante
Cátia Ereno

Parabéns pelo artigo muito bem escrito e racional! Muito bom! O desafio é levar adiante essa racionalidade a mentes irracionais, como a dos seres humanos em geral.

Bárbara
Visitante
Bárbara

Obrigada Leandro pelo excelente artigo. Não tenho filhos e nem pretendo, mas tenho crianças ao meu redor que faço questão de observar quando lidam com dinheiro, é interessantíssimo pode ajudar a plantar neles a sementinha da educação financeira.

Claudia
Visitante
Claudia

Como sempre, excelente artigo, Leandro!
Cometi as ostentações do casamento aos 31 anos, aquela ilusão que muitas mulheres da minha geração sempre tiveram em relação nem ao casamento em si, mas sim, à festa de casamento… Lógico que curti, foi uma lembrança para a vida toda… mas talvez, teria uma lembrança tão linda quanto, com uma festa mais modesta. Pelo menos, não adquirimos dividas, foi tudo pago previamente.
Com relação ao meu filho, festas e carros, ainda bem que na época já havia adquirido a lucidez de não gastar com ostentações inúteis… mas sofro hoje, aos 40 anos, as consequências de uma tomada de consciência tardia, só por volta dos 36 anos. É logico que ainda há tempo, e antes tarde do que nunca. Mas penso que poderia ter uma vida bem mais tranquila hoje, se não fosse os devaneios e o imediatismo dos 20 e dos 30 anos… os seus artigos têm sido de grande valia nesse processo! Parabéns pelo excelente trabalho, sempre indico o seu blog e seus artigos para os meu amigos que também tem adquirido essa consciência!

Compartilhe com um amigo