Você já parou para pensar sobre o que move uma pessoa bilionária a continuar trabalhando? Vamos pegar o exemplo do homem mais rico do Brasil que atualmente é o Jorge Paulo Lemann que possui patrimônio de US$ 38 bilhões (US$ 38.000.000.000,00).

Reflexão: Se você tivesse 0,1% do patrimônio do Lemann (US$ 38 milhões), será que você continuaria trabalhando?

Se você não gosta do que faz, é provável que só faça por necessidade, por precisar do dinheiro para pagar suas contas. Pessoas como você começam a pensar na possibilidade de trabalhar menos, ou parar, quanto conseguem atingir o primeiro 1 milhão. Esta é a fase da independência financeira. Você tem uma renda capaz de pagar o seu custo de vida atual. Isto resulta em uma enorme segurança e na possibilidade de mudar de profissão, mas não significa que você possa parar de trabalhar para viver de renda pelo resto da vida.

Isto mostra que atingir a independência financeira, para pagar o seu atual padrão de vida, não é uma tarefa impossível. O mais difícil seria atingir a sua liberdade financeira plena, que permitiria parar de trabalhar e manter um padrão de vida muito elevado até o fim. No nosso exemplo, se você tivesse 38 milhões (de dólares ou de reais) sua situação seria de liberdade financeira.

Com este dinheiro seria possível gerar uma renda de 380 mil por mês em qualquer investimento de renda fixa que pagasse 1% de rentabilidade ao mês. Isto seria suficiente para viver o resto da vida com elevado padrão de consumo. Mesmo assim, para pessoas como Lemann, isto seria pouco, estas pessoas estão em busca da abundância financeira.

Fica evidente que o que motiva uma pessoa milionária ou bilionária a trabalhar não é só o dinheiro. Se fosse só dinheiro, eles teriam parado antes de conquistar os primeiros milhões.

Tudo indica que o prazer dos bilionários está em construir coisas e não em ter e acumular coisas.

Se você perguntar para qualquer pessoa, o que ela faria se ganhasse 1 milhão de reais hoje, a maioria diria que compraria isso ou aquilo. Provavelmente comprariam passivos como carro, imóvel de praia e gastariam o resto viajando. Voltariam para o estágio inicial.

Talvez uma pequena minoria responderia que faria um investimento conservador que pagasse 1% de juros ao mês para obter uma renda de 10 mil mensais. A minoria da minoria responderia que com 1 milhão construiria o negócio que sempre sonhou. É dessa minoria, que não se contenta com milhões, que surgem aqueles que continuam buscando a abundância financeira que está na casa das centenas de milhões ou bilhões.

Este padrão de comportamento é que justifica o reduzido número de bilionários que existe no mundo (pouco mais de 1.600 pessoas). No livro “Bilionários – o Que Eles Têm Em Comum Além de Nove Zeros Antes da Vírgula?” fica claro que se você acredita que com 1 milhão ou 1 bilhão de reais você teria todos os motivos do mundo para parar de trabalhar, isto já indica que você dificilmente será milionário ou bilionário.

Trabalhar para construir negócios que transformam a vida das pessoas é uma característica comum entre os bilionários pesquisados pelo autor do livro. Ganhar muito dinheiro é uma consequência inevitável.

Você consegue perceber que a verdadeira mina de ouro está dentro da sua mente?

É a sua mentalidade que gera prosperidade. Quando descobrimos qual é a nossa verdadeira paixão, qual é a obra que queremos deixar neste mundo, o que queremos construir, dedicamos todas as nossas energias para atingir aquele objetivo. O dinheiro só serve para materializar os projetos que existem na sua cabeça.

Ele não é o fim, é o meio. Quando temos verdadeira convicção naquilo que queremos, não existe nada que possa nos impedir. O que os religiosos chamam de fé, os cientistas chamam de convicções. No fundo é exatamente a mesma coisa. Convicções fortes movem montanhas, da mesma forma que a fé move montanhas.

Resumi o que pude aprender nesta entrevista com o autor do livro, Ricardo Geromel, e fiz esta lista para você:

  1. O setor de tecnologia foi o que mais criou novos bilionários no mundo nos últimos anos;
  2. O setor financeiro é o que concentra o maior número de bilionários;
  3. Os bilionários acumulam erros. O que diferencia um bilionário de outras pessoas é que os erros não produzem nenhum abalo. Erros são motivadores.
  4. O melhor investimento que você pode fazer é usar bem o seu tempo;
  5. Só 13% dos bilionários do mundo herdaram suas fortunas e 21% herdaram fortunas mas multiplicaram estas fortunas;
  6. Os bilionários empreendedores representam 66%. São raríssimos os bilionários que construíram fortuna sendo funcionários de empresas;
  7. Grande parte dos bilionários construíram a sua própria riqueza;
  8. Tirando raras exceções, o seu salário nunca será suficiente para que você prospere financeiramente;
  9. Bilionários entendem o poder da educação, mas diploma não é sinônimo de educação. Existem vários exemplos de bilionários que não possuem diploma universitário.
  10. Você é a média das 5 pessoas com as quais você passa mais tempo. Preste atenção em quem são as pessoas que você mais convive.
  11. Troque as novelas por vídeos educativos (Youtube), leitura de artigos, livros, cursos, etc;
  12. Se você for a pessoa mais inteligente da sala, convide alguém mais inteligente para a sala ou mude de sala;
  13. Bilionários são entusiastas e apaixonados pelo sonhos delas;
  14. O segredo da riqueza não está em estratégicas matemáticas, mas traços comportamentais e características emocionais;
  15. A maioria dos bilionários possuem ou colaboram com projetos filantrópicos;
  16. Existem traços comportamentais que podem ser desenvolvidos, existem conhecimentos que podem ser adquiridos para atingir o sucesso financeiro;
  17. Comece seu próprio negócio caso queira prosperar financeiramente;
  18. Desenvolve a empatia;