Planilha Simulação Fundo de Investimento e Come-cotas


Estou oferecendo mais uma planilha gratuita sobre fundos de investimento neste novo artigo. Agora, você será capaz de visualizar o impacto do imposto de renda, conhecido como come-cotas, na rentabilidade de um fundo no decorrer do tempo. Também faremos comparações entre investir em fundos, fazer investimentos isentos de IR (imposto de renda) ou que pagam IR apenas no vencimento e resgate antecipado como CDB, LCI, LCA, títulos públicos, etc.

Iremos constatar, observando as simulações, que o efeito negativo do pagamento semestral de imposto (come-cotas), não é muito elevado quando você faz investimentos de curto e médio prazo. O efeito negativo na rentabilidade se torna mais evidente quando estamos lidando com prazos longos (acima de 5 ou 10 anos).

Se você não sabe o que é come-cotas eu recomendo que leia primeiro este outro artigo sobre o come-cotas.

Vamos entender esse gráfico:

Vou explicar o gráfico acima. Imagine que você fez um investimento de R$ 100.000,00 em um fundo que rende uma média 10% ao ano. Não se assuste com o valor do investimento. Se o exemplo fosse referente a um investimento de R$ 10 mil ou de apenas R$ 1 mil o gráfico teria a mesma apresentação.

A linha azul mostra o crescimento do seu patrimônio no decorrer de 36 meses (3 anos) de investimentos no fundo. Esse crescimento é garantido pelo efeito dos juros sobre os juros (juros compostos). Observe que a cada 6 meses o gráfico apresenta uma quebra ou um degrau. Essa quebra da continuidade do crescimento do seu patrimônio é provocada pela cobrança do imposto de renda de 15% sobre o dinheiro que você ganhou através dos juros recebidos nos últimos 6 meses no fundo.

Nesse nosso exemplo, você receberia R$ 4.880,88 de juros em 6 meses (você verá detalhes na planilha). Os 15% deste valor seriam R$ 732,13 já que 4.880,88 x 15% = 732,13. É um valor expressivo. É quase como se você tivesse perdido 1 mês de rendimentos, desses 6 meses, para os cofres do governo.

Se não existisse o come-cotas o seu saldo em 6 meses seria de R$ 104.880,88, ou seja, os R$ 100 mil que você investiu somado aos juros recebidos mensalmente. Como existe o come-cotas, o gestor do fundo irá recolher R$ 732,13 para a Receita Federal e você ficará com R$ 104.148,75. Esse recolhimento ocorrerá no último dia de todos os meses de maio e novembro. O saldo que restar, após o recolhimento do IR, será a base para aplicar os juros do próximo mês. Ao completar mais 6 meses ocorrerá outro saque de impostos sobre os ganhos desses novos 6 meses. Esses “saques” que a Receita Federal faz pode ser claramente visualizado no gráfico através dos degraus que surgem na linha azul. No final de 36 meses você terá um saldo líquido (após o desconto dos 15% semestrais) de R$ 127.621,67.

Comparando com o CDB de 3 anos

Agora vamos imaginar que, para fazer uma comparação, você fez outro investimento, também de R$ 100.000,00, só que em um título privado como um CDB emitido por algum banco. Veja que vários bancos emitem CDB. Imagine que o seu rendimento também é de 10% ao ano, mas o imposto de renda de 15% só será pago no vencimento do CDB que ocorrerá 36 meses depois (3 anos).

Observe a simulação deste investimento na linha laranja do gráfico anterior. Veja que o patrimônio cresce de forma consistente até a queda no último mês do investimento. No decorrer de todos os 36 meses, esse CDB produziria R$ 33.100,00 de juros. O imposto de 15% seria cobrado sobre esse ganho, somente no final dos 3 anos, e resultaria em R$ 4.965,00 de impostos. Se não existisse cobrança de imposto você receberia R$ 133.100,00. Após deduzir o imposto você, receberá R$ 128.135,00 (já que 133.100,00 – 4.965,00 = 128.135,00).

Custo da liquidez

Se o seu saldo final no fundo foi de R$ 127.621,67 e o saldo final no CDB de 3 anos foi de R$ 128.135,00 podemos afirmar que o CDB foi vitorioso por ter rendido R$ 513,33 a mais. Isso é equivalente a 0,5% dos R$ 100 mil investidos. Considerando que esse CDB de 3 anos não tinha liquidez, ou seja, você não podia sacar o dinheiro antes do vencimento, é possível considerar que ao optar pelo fundo você deve ter a consciência que deixar de ganhar R$ 513,33 significa o custo por ter optado pelo fundo. Se o seu objetivo fosse investir no fundo para ter liquidez, esses R$ 513,33 seriam encarados como o preço da liquidez, ou seja, quanto você precisou deixar de ganhar para ter o dinheiro disponível a qualquer momento através do fundo.

Para ver a imagem maior clique aqui. No final do artigo você poderá baixar a planilha para visualizar todas as fórmulas utilizadas.

10 anos de come-cotas ou CDB de 2 anos?

Agora vamos fazer outra simulação. No prazo de 10 anos, vamos investir R$ 100 mil em um fundo de investimento com come-cotas semestrais de 15% e outros R$ 100 mil em um CDB com vencimento de 2 anos. Isso significa que termos que reinvestir esse CDB cinco vezes no decorrer de 10 anos. Em cada vencimento do CDB você terá um recolhimento de 15% de imposto de renda sobre os juros recebidos nesses 2 anos. Vamos imaginar que você conseguiria reinvestir esse CDB recebendo a mesma taxa de 10% de juros ao ano.

Veja como ficou o gráfico:

Na linha azul temos o seu patrimônio crescendo no fundo que rende 10% ao ano com recolhimento de imposto de 15% sobre o rendimento a cada 6 meses. Esse imposto pode ser observado nos pequenos batentes que aparecem na linha azul. Na linha laranja vemos o dinheiro investido no CDB que tem vencimento a cada 2 anos. Os dentes no gráfico laranja mostram os meses de vencimento do CDB. Neste dia o dinheiro do CDB retornou para sua conta, já com 15% de imposto de renda descontado sobre o rendimento (juros recebidos). Você reaplicou o dinheiro em outro CDB de 2 anos que também pagará 10% de juros ao ano.

No final da simulação teremos um patrimônio líquido de impostos de R$ 225.466,18 no fundo e R$ 227.325,38 no CDB. Essa diferença de R$ 1.859,20, que tornou o investimento no CDB mais vantajoso, é o resultado dos recolhimentos de 15% de impostos feito de 2 em 2 anos e não a cada 6 meses. O valor que seria recolhido a cada 6 meses ficou rendendo juros sobre juros por mais tempo até ser recolhido pelo governo no final dos 2 anos. Essa diferença representa 1,85% do investimento inicial de R$ 100 mil.

A vantagem do CDB poderia ser maior se você encontrasse um CDB com vencimentos a cada 3 ou 4 anos. Quanto mais tempo demoramos para recolher o imposto, mais os juros sobre juros rentabilizam esse valor que será recolhido pelo governo em forma de imposto.

Investindo em LCI e LCA

Investimentos como LCI e LCA, que são isentos de imposto de renda, podem ter qualquer data de vencimento já que o reinvestimento não vai gerar recolhimento de imposto. Ao fazer o mesmo gráfico, utilizando uma LCI ou LCA, o crescimento do patrimônio seria constante. O grande inconveniente seria buscar uma nova LCI ou LCA com taxas iguais ou maiores para reinvestir. Também teríamos o problema da liquidez. O investimento em LCI e LCA costumam exigir valores maiores e esses valores ficariam imobilizados até o vencimento.

Investindo em títulos públicos

No caso do investimento em títulos públicos, a cobrança do IR também ocorrerá somente no vencimento ou na venda antecipada do título. Atualmente temos títulos como o Tesouro Selic com vencimento em 2023. O Tesouro Prefixado tem vencimento máximo em 2023 e o Tesouro IPCA possui opções para 2024, 2035 e 2045. São opções com vencimentos de longo prazo onde podemos adiar por muitos anos o pagamento do imposto de renda.

Veja como seria o gráfico comparando o fundo com come-cota semestral diante de um investimento qualquer que pudesse ser mantido por 10 anos, rendendo 10% ao ano e com recolhimento de imposto de renda de 15% somente no final do investimento.

O saldo do fundo seria de R$ 225.466,18 e o saldo do outro investimento seria de R$ 235.468,11, já com o imposto de 15% descontado. A diferença entre um e outro seria de R$ 10.001,93. Aqui temos uma quantia considerável que representa 10% do valor do investimento inicial. O custo de manter esse dinheiro  no fundo, com liquidez, seria de R$ 10 mil em 10 anos. Fundos como o Tesouro Selic possuem liquidez (por ser pós-fixado, mas vencimento atual é até 2023. De tempos em tempos o Tesouro Direto lança títulos com prazos mais longos.

Baixe as planilhas

  • Planilha que simula Fundo x CDB de 3 anos (baixe aqui).
  • Planilha que simula Fundo x CDB de 2 anos por 10 anos (baixe aqui)
  • Planilha que simula Fundo x Investimento de 10 anos (baixe aqui)

Conclusão

Essas simulações mostram que o come-cotas torna os fundos de investimento custoso quando o nosso objetivo é manter o dinheiro aplicado por prazos muito longos. Para prazos mais curtos a diferença de rentabilidade gerada pelo come-cotas será menos impactante. Devemos considerar que os fundos possuem liquidez e essa liquidez não será gratuita. Quando você imobiliza seu dinheiro em investimentos mais longos, você só pagará o imposto de renda no final do investimento e isso gera uma vantagem que pode ou não compensar essa imobilização. Cabe a você determinar quanto do seu dinheiro pode ser imobilizado por vários anos e quanto deve se manter líquido e acessível.

Vale lembrar que todas as planilhas que faço são educativas. Elas não foram criadas para ditar onde você deve investir. Elas foram criadas para que você entenda como os investimentos funcionam. É através da sua educação financeira que você poderá tomar boas decisões.

By |17/02/2017|Categories: Ferramentas|135 Comments

About the Author:

Leandro Ávila é administrador de empresas, educador independente especializado em Educação Financeira. Além de editor do Clube dos Poupadores é autor dos livros: Reeducação Financeira, Investidor Consciente, Investimentos que rendem mais, e livros sobre Como comprar e investir em imóveis.

135 Comments

  1. Alex 17 de fevereiro de 2017 at 9:10 - Reply

    Espetacular! Mais uma vez obrigado pelos ensinamentos.

  2. Deise 17 de fevereiro de 2017 at 9:46 - Reply

    Apliquei um valor em CDB de 2 anos que me promete IPCA+6% livre de taxas/tarifas bancárias. É uma boa escolha comparado ao Tesouro Direito?

    • Leandro Ávila 17 de fevereiro de 2017 at 10:51 - Reply

      Oi Deise. Quando respondo esse tipo de pergunta acabo motivando outros leitores do artigo a listarem seus investimentos para pedirem minha opinião. A minha opinião não resolve o problema. A educação é que resolve. Quando você escolhe um CDB que paga IPCA + 6% você tem como concorrente o Tesouro IPCA que paga X%. Teoricamente você só deveria optar pelo CDB que paga IPCA + 6% se julgasse que o banco está pagando uma taxa de juros acima da que é oferecida pelo governo. Essa diferença adicional você deve considerar como sendo o prêmio de risco que o banco ofereceu para que você invista nele e não no governo. Esse risco se refere ao risco do banco quebrar ou o risco de ter que contar com o FGC caso o banco quebre. Cada investimento tem uma série de características, vantagens e desvantagens e para que ele seja bom para você isso vai depender do nível de consciência que você teve no momento de selecionar esse investimento de acordo com a sua necessidade, sua realidade e contexto onde você está neste momento.

  3. Larissa 17 de fevereiro de 2017 at 9:47 - Reply

    Excelente. Tenho deixado meu dinheiro destinado à liquidez (d+0) – no caso dos fundos, quase diária (d+2 ou d+3), com essa finalidade. Mesmo sabendo que o CDB reinvestido renderia mais, continuarei deixando porque gosto de ter parcela do meu patrimônio com certa liquidez, justamente para compor um fundo de emergência. Mas agora tenho mais noção do custo e ainda acho que vale a pena.

    • Leandro Ávila 17 de fevereiro de 2017 at 10:53 - Reply

      Oi Larissa, obrigado pelo comentário. É importante fazer isso que você fez, que foi investir sabendo descrever os motivos. Isso significa que você tem consciência do que está fazendo e não está fazendo por fazer.

  4. Gustavo 17 de fevereiro de 2017 at 9:59 - Reply

    Ótimo post Leandro… claro, bem explicativo e esclarecedor para qualquer “nível” de leitor.
    Como sempre… Parabéns!!

  5. Samara 17 de fevereiro de 2017 at 10:01 - Reply

    Excelente artigo!!
    Mas prefiro continuar investindo nas LCI e LCA, são simples! Invisto em duas corretoras, e tento distribuir os valores em 3 ou 4 bancos diferentes. A cada 4 ou 6 meses recebo e imediatamente pesquiso novas taxas. É muito importante ter a reserva de emergência com boa liquidez para evitar transtornos. E o fato de ter um valor maior “preso” me livrou de tentações do consumo que não me garantiriam uma boa rentabilidade! Acho que o importante é estar confortável com o investimento, é o que aprendi nesses 6 meses lendo seus artigos.

    • Leandro Ávila 17 de fevereiro de 2017 at 10:55 - Reply

      Oi Samara, obrigado por compartilhar conosco. É fundamental entender o investimento que fazemos, é isso que resulta nessa tranquilidade.

  6. Erico 17 de fevereiro de 2017 at 10:06 - Reply

    Seria interessante uma comparação de quanto a mais o fundo deveria render para equilibrar? Por exemplo um fundo que renda 110% possui mesmo rendimento de um CDB de 105% para um prazo de 10anos….

    O interesse do fundo eh a liquidez e a diversificação… Dependendo do caso compensa!

    • Leandro Ávila 17 de fevereiro de 2017 at 10:58 - Reply

      Oi Erico, é possível fazer vários tipos de simulações. O problema é que a rentabilidade dos fundos sofrem muitas variações, difíceis de prever, que resultam da maneira como o gestor está investindo o dinheiro dos cotistas.

  7. Cleiton Oliveira 17 de fevereiro de 2017 at 10:19 - Reply

    Muito interessante esse estudo Leandro, muitas vezes ignorei os fundos de investimentos por conta do come cotas. Contudo, para prazos curtos o mesmo pode ser considerado.

    Um grande abraço

    • Leandro Ávila 17 de fevereiro de 2017 at 10:59 - Reply

      Oi Cleiton. É importante entender as características de forma clara para que possamos fazer os julgamentos e escolhas.

  8. Guilherme 17 de fevereiro de 2017 at 10:23 - Reply

    Perfeito Leandro, mostra como o come-cotas é danoso aos investimentos no longo prazo.

  9. Daimar 17 de fevereiro de 2017 at 10:51 - Reply

    Leandro, mais uma vez excelente conteúdo gerado.
    Tem um pequeno errinho no valor da frase “…seu saldo em 6 meses seria de R$ 100.4880,88, ou seja…”

    Abraço!

  10. Vinicius Veríssimo 17 de fevereiro de 2017 at 10:54 - Reply

    Mas o come cotas ainda é aceitável quando temos fundos que tem performance bem superior aos produtos de renda fixa tradicionais certo?

    • Leandro Ávila 10 de março de 2017 at 8:38 - Reply

      Oi Vinicius. Certamente vai existir um ponto onde uma coisa compensa a outra.

  11. Raphael Martins 17 de fevereiro de 2017 at 10:59 - Reply

    Como eu sonhei com este artigo! Muito obrigado, mesmo!

  12. Paulo 17 de fevereiro de 2017 at 11:57 - Reply

    Excelente caro Leandro, concordo com suas simulacoes…mas faltou voce dizer que existem EXCELENTES fundos com rentabilidades infinitamente maiores do que os atuais CDB,LCI,LCA..alem de que FUNDO DE ACOES nao ha come-cotas…em tempos de queda da SELIC, investir em cdb chega a ser inconcebivel na minha humilde opiniao..

    • Leandro Ávila 17 de fevereiro de 2017 at 12:36 - Reply

      Oi Paulo. Meu objetivo ao escrever o artigo não era fazer uma recomendação de investimento para o momento que vivemos. A ideia era mostrar o impacto do come-cotas na rentabilidade do investimento. Outro ponto importante é que mesmo diante de um ciclo de queda da taxa Selic não deixa de existir a necessidade de ter recursos em investimentos conservadores, como os pós-fixados que apenas se limitam a seguir a Selic. Cada investimento tem sua suas características, pontos fortes, fracos e o importante é conhecer esses pontos para que cada um tome a decisão sobre a maneira que irá investir.

      • Paulo 18 de fevereiro de 2017 at 22:10 - Reply

        Grato pela resposta…seus artigos so nos enriquecem!Falta gente como voce!Honesta,humilde e excelente professor!Parabens

  13. LOURIVAL SANTOS 17 de fevereiro de 2017 at 12:03 - Reply

    Leandro, mais um ótimo artigo. No meu caso, fiquei com trauma em investir em fundos de investimento desde que perdi dinheiro aplicando num deles alguns anos atrás. Como eu sou muito conservador, gosto do Tesouro Direto e do CDB. Agora estou querendo investir em LCA e LCI.
    Como vc mesmo diz, o importante é estudar sempre, ler livros sobre finanças e investimentos, aprender a pescar. Estou adorando fazer isso. Já li Pai Rico Pai pobre, o homem mais rico da babilonia, os segredos da mente milionária e casais inteligentes enriquecem juntos. Quero aprender mais, ler muito mais livros. Um deles será seu, sobre imóveis. Se não fosse te pedir muito, gostaria de algumas dicas suas sobre livros de finanças, de investimentos e de empreendedorismo. Um abraço.

    • Leandro Ávila 17 de fevereiro de 2017 at 12:38 - Reply

      Oi Lourival. Provavelmente você fez o investimento sem entender o que estava fazendo. O trauma não tem utilidade. O ideal é aprender sobre o funcionamento dos investimentos. Torne o estudo uma rotina.

  14. Melissa 17 de fevereiro de 2017 at 12:20 - Reply

    Leandro, o efeito negativo do come-cotas na rentabilidade dos fundos no longo prazo também existe nos fundos multimercado e fundos de ações? ou as simulações se referem somente aos fundos DI e renda fixa ?

    • Leandro Ávila 17 de fevereiro de 2017 at 12:40 - Reply

      Oi Melissa. Os fundos de ações não possuem o come-cotas. O imposto de 15% será descontado no momento que você tomar a decisão de resgatar seu investimento. Os multimercado possuem o come-cotas.

  15. Mauro Amado 17 de fevereiro de 2017 at 12:22 - Reply

    Muito bom! Esse é o tipo de coisa que só quem vai a fundo descobre. Obrigado por compartilhar. Fica claro que vale mais a pena investir diretamente por conta própria a não ser que o fundo consiga entregar uma rentabilidade bem maior que eu mesmo. Numa rentabilidade igual, fundo não vale a pena e maioria dos fundos tem uma rentabilidade medíocre.
    Aproveito para te parabenizar pela escolha em não se vender para o banco que te fez uma oferta recentemente. Sensacional o que disseste sobre o teu preço, que nem todo o dinheiro do banco o faria mentir para as pessoas. Fico feliz! Estamos juntos! Abraço!

    • Leandro Ávila 17 de fevereiro de 2017 at 12:55 - Reply

      Oi Mauro, devo falar mais sobre isso nos próximos artigos. Estou planejando lançar uma série sobre as formas mais populares de crédito depois do ocorrido. A ideia é que as pessoas consigam encontrar esses artigos quando fizerem pesquisas no Google. O banco queria que eu escrevesse sobre o crédito como sendo a melhor forma de realizar sonhos, desejos e resolver problemas emergenciais. É claro que não concordo com isso. Nenhum educador financeiro deveria concordar. Por isso, vou fazer o contrário do que o banco pediu. Vou escrever uma série de artigos comprovando que isso seria uma insanidade com o objetivo de desestimular a busca por crédito. É a educação financeira que liberta as pessoas para que realizem seus sonhos sem dependência do crédito, sem passar a vida trabalhando só para pagar juros e taxas.

  16. Mayara 17 de fevereiro de 2017 at 12:38 - Reply

    Muito legal o artigo. Muito legal também a sua sinceridade quando comentou no e-mail que “tentaram te comprar”. Obrigada pelo excelente trabalho!

  17. Thiago Ferreira 17 de fevereiro de 2017 at 13:00 - Reply

    Ótimos comparativos! Já adicionei as planilhas em minha coleção, obrigado Leandro.

  18. Roberto Cerqueira 17 de fevereiro de 2017 at 13:31 - Reply

    Parece que foi esquecido que os títulos do Tesouro Direto sofrem cobrança semestral de custódia, da Bovespa e da instituição custodiante.

    • Leandro Ávila 17 de fevereiro de 2017 at 19:57 - Reply

      Oi Roberto, é verdade, mas isso você pode deduzir da rentabilidade anual da simulação, da mesma forma que a taxa administrativa cobrada pela gestora do fundo também deve ser considerada. A ideia do artigo foi observar o impacto do imposto de renda antecipado semestralmente (come-cotas) e a cobrança apenas no final do investimento.

  19. Marcio 17 de fevereiro de 2017 at 13:40 - Reply

    Muito bom artigo. Posso concluir então que para um valor investido para emergência (com liquidez), em casos em que esta situação nunca ocorra, em geral deixar o dinheiro no tesouro selic seria mais rentável que em um fundo, quando ambos tiverem a mesma rentabilidade nominal. Estou correto?

    • Leandro Ávila 17 de fevereiro de 2017 at 19:59 - Reply

      Oi Marcio. Se os dois tiverem a mesma rentabilidade, o fato do fundo ter cobrança de IR antecipada a cada 6 meses e o título só exigir seu pagamento no final, vai gerar uma diferença que será cada vez mais significativa com o passar do tempo.

  20. Christian 17 de fevereiro de 2017 at 14:11 - Reply

    Parabéns pela ótima contribuição. Tinha montado algo bastante parecido, e me perguntava pq não via esse estudo por aí. Agora já tem.

  21. Thaís 17 de fevereiro de 2017 at 14:12 - Reply

    Excelente publicação, Leandro, como sempre!
    Aproveito também para parabenizá-lo pela sua posição frente à proposta do banco, e mais ainda pela sua ideia da série de artigos desestimulando a busca indiscriminada por crédito. Sinceramente, não consigo compreender a tranquilidade de alguns ao estimular pessoas a gastarem o que têm e o que não têm em busca de sonhos que mais pra frente se tornarão pesadelos quase sem fim. Quantos não são os que guardam com dificuldade parcela do seu dinheiro suado e depois são ludibriados por promessas vazias e perdem tudo: dinheiro, sonhos, tranquilidade…
    Seu trabalho é simplesmente sensacional! Por favor, publique mais e publique sempre.
    Desejo a você e a seus projetos muito sucesso! =)

    • Leandro Ávila 17 de fevereiro de 2017 at 20:12 - Reply

      Oi Thaís. Existem pessoas que passam a vida toda trabalhando apenas para pagar juros e taxas. Não percebem que vivem como escravas da própria ignorância financeira. O educador que aceita esse tipo de proposta, não é educador e ainda presta um desserviço.

  22. VLAD 17 de fevereiro de 2017 at 14:29 - Reply

    Obrigado, sempre um grande artigo, com linguagem prática, fácil e didática- características que tornam este blog um dos melhores do país, tão comentado nos grupos como JORNADA DO DINHEIRO e TESOURO DIRETO E RENDA FIXA EM GERAL – que já contam com 8.000 e 34.000 membros!!!

  23. PAULO 17 de fevereiro de 2017 at 14:38 - Reply

    Leandro, tanto vi seu primeiro artigo de come-cotas, se nao me engano de 2014 ou 2015, como vi este artigo agora (no primeiro, havia até planilha sua, citando o SAMI DANA, economista).

    Em ambos artigos seus, eu só preciso saber uma coisa , pois ambos citam prazos mais longos:

    No período curto (visto que é difícil para o brasileiro, ficar 6 meses, um ano, sem mexer no ‘queijo’), 6 MESES, QUANTO O CDB RENDERIA A MAIS QUE O FUNDO (supondo 10% para ambos)?

    EM 12 MESES, QUAL O PERCENTUAL DESTA PERDA?

    • Leandro Ávila 17 de fevereiro de 2017 at 20:15 - Reply

      Oi Paulo, se os dois tivessem a mesma rentabilidade a diferença seria muito pequena.

  24. Leonardo carvalho 17 de fevereiro de 2017 at 14:42 - Reply

    Parabéns Leandro! Ótimo artigo, e por não ter se vendido ao banco. Os bancos abusam da ignorância financeira dos brasileiros, esse é o maior ativo de um banco. Ainda bem que existe pessoas como você, que jogam luz sobre essa ignorância.

    • Leandro Ávila 17 de fevereiro de 2017 at 20:26 - Reply

      Oi Leonardo. Entendo que banco não é instituição de ensino. A ignorância financeira cria uma oportunidade de negócio, mas “comprar” um educador para defender o endividamento das famílias e ainda sugerir os serviços do banco, é o retrato triste do mundo onde vivemos.

  25. Jaime 17 de fevereiro de 2017 at 15:08 - Reply

    Muito bom, Leandro! Sem enrolação e enganação! Também procuro administrar liquidez, risco e retorno em meus investimentos e é muito bom compartilhar conhecimentos com pessoas sensatas como você e os leitores deste site. Eu tenho uma planilha onde acompanho meus investimentos. Procuro sempre uma diversificação para assegurar metas que estabeleci (razoáveis) e venho tendo relativo sucesso. Sem muito estresse, afinal a vida é para ser vivida (original esta!). No momento, estou aumentando um pouco a participações de ações de empresas tradicionais e algumas promissoras, comprando aos poucos em momento de baixa e fazendo preço médio, isto porque vejo um cenário de redução de juros e CDI. Costumo dividir meus investimentos em renda futura e para o curto prazo, mas todos tem metas!!!
    Abraços e sucesso para todos.

    • Leandro Ávila 17 de fevereiro de 2017 at 20:28 - Reply

      Oi Jaime, parabéns por investir e planejar o seu futuro.

  26. Nilton 17 de fevereiro de 2017 at 15:10 - Reply

    Espetacular. Muito bom mesmo.
    Fiz investimentos recentemente em CDB de 3 anos e tesouro direto IPCA 2019 com taxa de 6,23% mais IPCA (este não está mais sendo negociado). Os CDB’s pulverizei entre prefixado 11,98%, pós fixado 117,5% do CDI e atrelado ao IPC-A + 7,35%. Acredito que eu tenha tomado a decisão certa. Além é claro de um LCI 4,63% + IPCA. Ótimas suas dicas. Parabéns!

    • Leandro Ávila 17 de fevereiro de 2017 at 20:30 - Reply

      Olá Nilton, parabéns por investir e pensar no futuro.

  27. Robson 17 de fevereiro de 2017 at 16:07 - Reply

    Muito bom e esclarecedor este artigo.
    Parabéns por ajudar-nos a melhorar a nossa educação financeira.

  28. Joanatan 17 de fevereiro de 2017 at 16:21 - Reply

    Boa tarde Leandro.
    Seria bom abrir conta em uma segunda corretora?
    Ou é melhor concentrar os investimentos em apenas uma?
    Tenha um ótimo fim de semana.

    • Leandro Ávila 17 de fevereiro de 2017 at 20:31 - Reply

      Oi Joanatan. Não custa nada ter conta em outras corretoras e a vantagem é poder comparar o que cada uma oferece.

    • Frederico 17 de fevereiro de 2017 at 20:52 - Reply

      Ótimo artigo como sempre. Saiba que vc está me ajudado muito. Obrigado!

  29. Gilmar Passos 17 de fevereiro de 2017 at 16:52 - Reply

    Mais um ótimo artigo Leandro, obrigado.E parabéns por rejeitar a proposta do banco de ir contra todos seus princípios, acompanhando sempre seus artigos, tenho certeza que jamais aceitaria uma proposta dessas.

    • Leandro Ávila 17 de fevereiro de 2017 at 20:35 - Reply

      Oi Gilmar, fiz apenas o que todos os outros educadores financeiros deveriam fazer. Existe uma enorme diferença entre o banco contratar um educador para educar seus clientes e contratar um educador para defender coisas que são contrárias ao que deveria ser ensinado, com o objetivo de atender aos interesses do banco, prejudicando as demais pessoas.

  30. Irlan 17 de fevereiro de 2017 at 16:57 - Reply

    Muito bom, Leandro!
    Mais uma vez abrindo nossos olhos e horizontes.
    Entretanto, pergunto: Para não pagar o come-cotas, eu deveria deixar o investimento nos fundos por um curto período?

    • Leandro Ávila 17 de fevereiro de 2017 at 20:36 - Reply

      Oi Irlan. Não funciona assim. Se você resgatar o dinheiro antes o imposto será cobrado no momento do resgate.

  31. Guilherme 17 de fevereiro de 2017 at 17:20 - Reply

    Oi, Leandro.

    Enviei a vc um e-mail com sugestão de artigo sobre um tema bem oportuno: especulação vs. encarteiramento no Tesouro Direto.

    Partindo do investimento em Tipca 2045.

    Mexe bem com esse tema de juros compostos, imposto de renda, girar patrimônio, investir em valor.

    Um abraço!

    • Leandro Ávila 17 de fevereiro de 2017 at 20:38 - Reply

      Oi Guilherme. Eu recebo uma quantidade absurda de emails e já se tornou humanamente impossível responder, mas vou procurar e ler.

  32. Eduardo 17 de fevereiro de 2017 at 17:46 - Reply

    Leandro, poderia ter uma opção pra editar o tempo de vencimento da CDB. Aí poderíamos visualizar melhor quando compararmos com CDB de prazos maiores, 5 anos por exemplo.

    • Leandro Ávila 17 de fevereiro de 2017 at 20:38 - Reply

      Oi Eduardo. Você pode usar a planilha como modelo para criar a sua. Essa é a ideia.

  33. Fernanda 17 de fevereiro de 2017 at 17:56 - Reply

    Leandro

    Ótimo artigo!! Há muito esperava por um material tão claro é esclarecedor quanto o seu.
    Fiquei apenas com uma dúvida:em que momento a taxa de administração anual é cobrada? Antes ou depois do come cotas?

    Abs

    • Leandro Ávila 17 de fevereiro de 2017 at 20:41 - Reply

      Oi Fernanda. A taxa administrativa do fundo é descontada todos os dias. Você não percebe que está pagando pois ela faz a rentabilidade do fundo ficar menor, ou seja, reduz o preço de cada cota. Quando o fundo divulga que sua rentabilidade naquele mês foi de 1% isso já considera que a taxa foi descontada e 1% já reflete a rentabilidade com o desconto.

  34. Diogo 17 de fevereiro de 2017 at 18:50 - Reply

    Olá Leandro parabéns por mais um excelente artigo! Uma dúvida, vamos supor que investi em um fundo em Dezembro 2015. Em maio 2016 vem o desconto de 15% do imposto de renda. Supondo que resolvi resgatar no mes seguinte,após essa taxação (ficando menos de 180 dias, aliquota de 22,5%), o novo cálculo do imposto renda para o resgate será atráves da diferença entre 15% e 22,5%, ou seja 7,5%?

    • Leandro Ávila 17 de fevereiro de 2017 at 20:42 - Reply

      Oi Diogo. Sim, no momento do resgate o gestor do fundo vai calcular a diferença e vai repassar isso para a receita.

  35. Eliane Flores 17 de fevereiro de 2017 at 19:01 - Reply

    Mais um artigo super esclarecedor! Leio todos e aprendo bastante! Há dois anos acompanhando seus artigos, e também do Prof. Sami Dana, aos poucos fui diversificando minhas aplicações para Tesouro Direto, LCI’s, CDB’s e Fundo de Ações, aplicando meu dinheiro com maior consciência e consistência. Isso tem significado não ficar dependente dos consultores que nos orientam nas corretoras. Eles são competentes, mas como você sempre nos alerta, nós precisamos buscar a informação, o conhecimento, para saber a melhor forma de gerir nosso próprio dinheiro. Esse aprendizado é gratificante! Muito grata, por sua dedicação, esforço e competência em nos transmitir a importância da educação financeira. Tento transmitir esse aprendizado para amigas, mas poucas são aquelas que resolvem seguir seu site.
    Há poucos dias recebi uma sugestão, de retirar uma parte da reserva de emergência que tenho no Tesouro Selic, e transferir para um Fundo Multimercado. A justificativa que me foi apresentada é por conta da política do governo de baixar a taxa Selic. Agradeci e pedi um tempo para avaliar. Lembrei de seu artigo, quando aborda o ganho real, ou seja, quando descontamos a inflação do período. A taxa Selic está baixando, mas a projeção da inflação também é de queda, quase para o centro da meta. Lendo o artigo de hoje, concluí que fiz bem em não fazer a transferência. Um grande abraço!

    • Leandro Ávila 20 de fevereiro de 2017 at 7:52 - Reply

      Oi Eliane. Nem sempre é o desejo do investidor expor suas economias a flutuações de rentabilidade e isso é o que ocorre nos fundos multimercado. Se a pessoa entende o fundo, estuda, sabe o que está fazendo, ok. Se a pessoa segue a recomendação de um funcionário de banco ou de corretora, deve considerar que eles são orientados e remunerados para oferecer produtos que geram elevadas taxas administrativas. É claro que podem existir fundos onde o pagamento dessas taxas é compensado pela rentabilidade, mas é provável que os melhores fundos para o cliente não sejam exatamente os melhores para quem indica o fundo. Aqui temos um conflito de interesses que só pode ser resolvido quando a pessoa toma a decisão se tornar capacitado para investir sem depender da opinião de terceiros.

  36. Escolhi Enriquecer 17 de fevereiro de 2017 at 20:22 - Reply

    Parabéns!! Sempre procurei planilhas para ilustrar o come-cotas e nunca achava!!

    Arquivado!

  37. Paulo 17 de fevereiro de 2017 at 21:42 - Reply

    Oi, Leandro. Digamos que eu tenha tido um aporte de R$ 100.000,00 num fundo, há digamos oito meses. Digamos que o saldo seja R$ 115.000,00 e eu resgate hj R$ 10.000,00. Sobre os R$ 10.000,00 resgatados pagaria a diferença de imposto de 20% pros 15 antecipados. Mas se eu segurar os outros R$ 105.000,00 até mais de 2 anos, sobre o rendimento dessa parte pagarei apenas 15% ? ou segue a regra dos 20% do primeiro resgate ? obrigado.

    • Leandro Ávila 10 de março de 2017 at 8:40 - Reply

      Oi Paulo. A cada 6 meses você pagará 15%. Se você resgatar qualquer valor antes de completar 2 anos, no momento do saque o fundo vai reter a diferença do imposto com base na tabela.

  38. Anay 17 de fevereiro de 2017 at 22:20 - Reply

    Mais um excelente artigo, Leandro. Parabéns. Desculpe a ignorância, mas como calcular para saber qual valeria mais a pena do ponto de vista financeiro: um hipotético CDB que pagasse IPCA+9,60 e que cobraria 15% de IR em 5 anos ou um outro CDB que pagasse IPCA+8,80 nos mesmos 5 anos, mas que hipoteticamente não incidisse IR (eu sei que incide)?

    • Leandro Ávila 20 de fevereiro de 2017 at 7:55 - Reply

      Oi Anay. Não existe CDB isento de imposto de renda. Aqui na área de simuladores (veja no menu) temos simuladores de CDB e simuladores de LCI/LCA (esses sim são isentos). Os cálculos não são simples ao ponto de poder ser explicado rapidamente em um comentário, por isso desenvolvi esses simuladores.

  39. Humberto Cardoso 17 de fevereiro de 2017 at 22:24 - Reply

    Olá Leandro, parabéns! Excelente artigo. Sou novo neste mundo de Investimentos e seus artigos tem me ajudado muito nas tomadas de decisões. Abraço.

  40. RENATO M SOUZA 18 de fevereiro de 2017 at 8:39 - Reply

    Olá Leandro,

    Parabéns mas uma vez, agora quero comentar algo que estou vendo muitas opiniões, que entendo está equivocada no sentindo de falar que como a SELIC esta caindo e tendência é continuar diminuindo, então renda fixas CDB, RDB, TD, LCI, LCA e LC, não compensa pois estão analisando somente rentabilidade nominal e não estão analisando a rentabilidade real que seria desconsiderar a inflação, pois mesmo com a queda da selic já vi alguns exemplos de cálculos recente onde mostra uma rentabilidade real melhor agora do que quando SELIC estava no patamar de 14,25% a.a..Resumindo então meu ponto de vista é que mesmo que a selic investir em renda fixas ainda é uma boa por causa da rentabilidade real.

    Mas uma vez parabéns pelo trabalho.

    • Leandro Ávila 20 de fevereiro de 2017 at 7:59 - Reply

      Oi Renato. Muitos daqueles que aparecem na televisão, revistas e jornais dizendo que fazer investimentos pós-fixados deixou de compensar servem aos bancos. Não são pessoas realmente comprometidas com a educação. Precisamos avaliar quem essas pessoas estão servindo primeiro. O Brasil continua com taxas de juros reais (acima da inflação) muito elevadas. O que o BC está fazendo ao baixar a Selic é tornar essa diferença entre Selic e inflação um pouco menor, mesmo assim, quando olhamos as taxas pelo mundo podemos observar que continuamos com taxas elevadas. É lucrativo para os bancos e corretoras que as pessoas busquem investimento de maior risco e que remuneram essas instituições com taxas maiores.

  41. Guilherme Clasen Wosny 18 de fevereiro de 2017 at 12:04 - Reply

    Oi Leandro..eu ja me sentia bastante seguro quando o assunto era investimento em CDB, Titulos Publicos e Fundos de Ações, mas pelo que vi tem muito detalhe que passa reto. Cara…muito obrigado. São detalhes relevantes pra uma estratégia de longo prazo. Continue esse trabalho maravilhoso. Abç.

    • Leandro Ávila 20 de fevereiro de 2017 at 8:00 - Reply

      Oi Guilherme. Quando achamos que sabemos tudo sobre alguma coisa, não é um bom sinal. Basta procurar para descobrir que existe muita coisa a ser descoberta. São os pequenos detalhes que fazem a diferença.

  42. ANTONIO 18 de fevereiro de 2017 at 13:41 - Reply

    Leandro, mais uma vez parabens por mais um artigo excelente. E parabens por saber sua recusa, que entendo como uma afronta moral a você e nós que aprendemos contigo,sobre o engano do credito facil, do consumismo, dos conselhos do gerente de Banco. Alias tenho 2 contas que os gerentes até pararam de me ligar…mas quando muda o gerente, o novato liga para o incauto aqui, e fala dos maravilhosos investimentos do Banco dele. Aì pergunto se ele tem CDB de 118%, LCA 96%, CDB 123 % , CDB + IPCA 7,75. Previdencia: zero aporte e zero administraçao…., pois eu tenho. Depois do silencio dele….falamos de futebol e ele nao liga nunca mais!!! Ele nao vai perder mais tempo numa pessoa educada financeiramente.

    • Leandro Ávila 20 de fevereiro de 2017 at 8:03 - Reply

      Oi Antonio. Isso também ocorre comigo. Quando mudam o gerente ele começa a me ligar. Quando percebe que não serei uma vítima de suas argumentações de marketing e dos seus produtos ruins (ruim para mim e ótimo para a empresa que paga o salário dele), deixa de perder tempo comigo e vai buscar outras vítimas. É o nosso nível de conhecimento que nos protege. Por isso faço questão de propagar educação para que as pessoas possam defender seu patrimônio. Os bancos é que devem buscar produtos atrativos para seus clientes. Isso só vai acontecer quando esses clientes estiverem realmente educados.

  43. Georgenes 18 de fevereiro de 2017 at 16:56 - Reply

    Mais uma ótimo artigo. Excelente análise, Leandro.

  44. sandro 19 de fevereiro de 2017 at 12:24 - Reply

    Acho comkplicado comparar Tesouro IPCA ou prefixado com um fundo de investimento, porque as bases são diferentes. Todos os fundos que vi de renda fixa e referenciados DI tinham como metas o CDI, ou seja, 100% do CDI de ganho.
    Também, os fundos de renda fixa e referenciados DI possuem valores baixos de aplicação inicial (normalmente) e liquidez diária ou D+1.
    Assim, suponho que a análise realizada seja de um tipo de fundos desses, RF ou DI. Nesse caso não vejo vantagem nenhuma em investir em um fundo desses, temos o Tesouro Selic e CDBs com liquidez diária ou D+1 de baixo valor inicial, sendo o Tesouro garantido pelo Governo e os CDBs (já vi CDB com 105% do CDI e liquidez diária), pelo FGC. Os fundos não possuem qualquer garantia, se quebrar, quebrou.
    Lembrando que mesmo os títulos com liquidez diária possuem data de vencimento, então basta selecionar um com o prazo maior.

    De resto, pra variar, mais um excelente artigo. Claro, bem detalhado e fundamental.

    • sandro 19 de fevereiro de 2017 at 12:35 - Reply

      Esqueci um detalhe, como os fundos possuem gestão e os CDBs não, os CDBs e Tesouro são mais estáveis, outra vantagem pro CDB.

    • Leandro Ávila 20 de fevereiro de 2017 at 8:05 - Reply

      Oi Sandro. Entre as dezenas de milhares de fundos que existem, na maioria das vezes a maior vantagem que existe ao estudar os fundos é entender que ninguém melhor do que você mesmo para cuidar do seu dinheiro. Basta um pouco de dedicação para aprender a fazer isso, que é algo básico e fundamental na vida de todos.

  45. Rosana 19 de fevereiro de 2017 at 13:37 - Reply

    Leandro,

    Excelente post e planilhas!
    Seus gráficos deixaram o tema muito mais claro para mim e mudaram ainda mais minha visão sobre o assunto, pois eu ainda não havia pensado no imenso impacto em médio e longo prazo. Considerando-se as taxas de administração, que geralmente são altas, esses fundos não são mesmo um bom negócio para mim.

    Agradeço por compartilhar com seus leitores um assunto tão importante de forma tão didática!

  46. Susana 19 de fevereiro de 2017 at 15:29 - Reply

    Olá Leandro, estou vendendo um imovel de 170.000,00 o qual me rende um aluguel livre de R$ 800,00.
    Onde vc me aconselharia investir este dinheiro , de maneira que apos 6 meses eu consiga mexer nele.
    Estamos nos mudando do pais em 8 meses a um ano, e preciso comprovar que tenho dinheiro e que posso sacar quando quiser.
    Iria colocar na poupança pois nao preciso paga IR, mas tenho medo do rendimento ser muito inferior ao LCI ou LCA.
    Sou nova no assunto, comecei a ler seus artigos hj.

    • Leandro Ávila 20 de fevereiro de 2017 at 8:09 - Reply

      Oi Susana, sou apenas um educador e por isso o que posso aconselhar é o estudo. Não será apenas hoje que você enfrentará essa dúvida sobre o que fazer com o seu próprio dinheiro. Pedir conselhos para os outros sempre será a pior das opções, embora seja a mais rápida, fácil e prática. Dedique um tempo para estudar investimentos como LCI e LCA e outros que falamos aqui no site. Tenha um pouco de paciência, pois os conhecimentos que forem adquiridos agora terão utilidade para sempre.

  47. Marcelo Williams 20 de fevereiro de 2017 at 11:32 - Reply

    Obrigado, Leandro!

  48. Priscila 20 de fevereiro de 2017 at 11:39 - Reply

    Excelente artigo, Leandro. Depois posta sobre imposto de renda e imposto devido… Quais dicas para ajustar as contas com leao, como diminuir a mordida do governo? Um abraço!

  49. Pablo 20 de fevereiro de 2017 at 16:07 - Reply

    Caro Leandro, minhas aplicações são de longo prazo, pensando na aposentadoria daqui uns 20 anos. Seria interessante um artigo comparando um título IPCA+ com outro de mesmo tipo, mas que paga juros semestrais. Haveria esse mesmo efeito come-cotas no segundo ? Obrigado e parabéns pelo excelente trabalho!

    • Leandro Ávila 21 de fevereiro de 2017 at 17:36 - Reply

      Oi Pablo. Ao investir em Tesouro IPCA que paga juros semestrais você fará um recolhimento de imposto de renda a cada semestre, sempre que receber os juros.

  50. Franco 21 de fevereiro de 2017 at 10:33 - Reply

    Testando …..

  51. Douglas Simões 22 de fevereiro de 2017 at 10:52 - Reply

    Olá Leandro, eu posso inferir que o CDB usado de exemplo que rendeu praticamente 33% em 36 meses, é um CDB com taxa por volta de 90-92% do CDI?

  52. kleber 22 de fevereiro de 2017 at 11:59 - Reply

    Ola Leandro, tenho uma dúvida. O titulo IPCA 2019 deixou de ser negociado, entao quero saber se ainda havera flutuação dos valores de quem ja tinha ele comprado, antes do vencimento. (Se a taxa selic se comportar de maneira inesperada o valor que tenho investido pode sofrer alteração caso eu resolver vender os titulos antes do vencimento?

    • Leandro Ávila 10 de março de 2017 at 8:42 - Reply

      Oi Kleber. As flutuações continuam. O que já observei é que elas são cada vez menores a medida que a data de vencimento se aproxima.

  53. N. Barbosa 23 de fevereiro de 2017 at 9:00 - Reply

    Prezado Leandro, Com a queda da SELIC e previsão da mesma cair abaixo de 10% no final do corrente ano, pergunto:
    Qual é o melhor investimento (conservador) entre Poupança e Título Pública IPCA+ mais juros? Outrossim, como sugestão, gostaria de sugerir um canal de contato para dúvidas e orientações.
    Um abraço.
    N. Barbosa

    • Leandro Ávila 10 de março de 2017 at 8:45 - Reply

      Oi Barbora, como educador eu só posso recomendar que você dedique um pouco mais de tempo estudando o funcionamento dos investimentos. Uma coisa que você precisa aprender é a importância da taxa real de juros. O que está caindo é a taxa nominal dos juros, mas para o investidor o que interessa é a taxa real. Essa é a diferença entre os juros que estão pagando e a inflação. Quanto mais você dedicar tempo estudando o funcionamento dos investimentos, menos você vai depender dos outros para saber sobre onde investir diante das mudanças na economia. Meus livros podem ajudar muito, pois foram feitos para gerar essa independência. Visite aqui.

  54. Iuri Viana 23 de fevereiro de 2017 at 18:28 - Reply

    Parabéns Leandro, Excelente artigo. Acabei de aprender mais sobre fundo de investimento.

    Abraço.

  55. Henrique 24 de fevereiro de 2017 at 22:10 - Reply

    Leandro, mais uma vez parabéns pela clareza dos seus artigos. Se puder, por favor, esclareça-me uma dúvida: há cerca de um ano apliquei em CDB (prazo de 2 anos) de bancão. Se eu não resgatar até o prazo final , o IR cobrado será de 15% sobre tudo, certo? Acontece que desde o 1º mês, no extrato vem o valor bruto, o valor do IR retido e o valor líquido. É comum vir destacado no extrato o valor do IR desde o 1º mês mesmo que eu nunca tenha feito resgate? Ou isso é só uma forma de demonstrar no extrato quanto eu pagaria de IR caso resgatasse naquele dia? Exemplo: em 12 meses de aplicação consta no extrato que o valor do IR é 100,00 mesmo eu não tendo feito resgate. Ao final dos 24 meses só será descontado do saldo total da aplicação (valor inicial + juros + IR “destacado” no extrato) os 15% ? Ou seja, caso eu tenha o CDB intocável até o final dos 24 meses não serão cobradas alíquotas diferentes (22,5 %, 20%, 17,5% e 15%) a cada 6 meses de aplicação já que no extrato consta o IR destacado do valor líquido?? Desculpe, mas não sei se fui claro com a pergunta. Desde já, agradeço os esclarecimentos.

    • Leandro Ávila 22 de março de 2017 at 8:26 - Reply

      Oi Henrique. É uma forma do banco informar quanto você tem efetivamente se tomar a decisão de resgatar o dinheiro. Se não fosse assim as pessoas levariam um susto no momento do saque. Achariam que possuem X disponível quando na verdade possuem menos.

  56. pedro 24 de fevereiro de 2017 at 23:57 - Reply

    Leandro,
    Os principais problemas dos fundos são, no meu ponto de vista:

    1- come-cotas, embora tenhamos poucas aplicações de longo prazo que consigamos de fato um juro composto. então este fator não é tão grande assim, como este teu ótimo artigo demonstra

    2- TAXA de administração e outras: fundos ficam muito pouco interessantes quando comparado as opções que colocastes no artigo. Sugiro incluir esta variável no calculo. Mudarão as conclusões

    3 – a minoria dos fundos supera consistentemente o CDI

    Gostaria que vc comentasse.
    Obrigado

    • Leandro Ávila 10 de março de 2017 at 8:50 - Reply

      Oi Pedro. Todos os investimentos possuem suas vantagens e desvantagens. O problema dos fundos é que existem milhares deles e as pessoas costumam escolher os fundos com base na opinião do gerente do banco. O ideal seria aprender a avaliar o fundo onde pretende investir sem depender das opiniões de terceiros, principalmente se esse terceiro será beneficiado com a sua escolha.

  57. Thiago 25 de fevereiro de 2017 at 1:09 - Reply

    Há meses procurava algo assim, deve ser uma das únicas coisas que não existia na Internet. Parabéns!

    E sem querer parecer folgado, também adoraria que houvesse uma planilha de CDB 5 anos, destino de todas as minhas últimas aplicações pra pegar 118% do CDI. Só não ajudo a fazer por não entender nada de planilha.

    Obrigado!!!

    • Leandro Ávila 10 de março de 2017 at 8:51 - Reply

      Obrigado Thiago. É muito importante para o pequeno investidor aprender a usar planilhas. Não existem motivos para não saber usar planilhas nos dias de hoje. Existem livros, sites e até vídeos gratuitos no youtube ensinando.

  58. Kleber 28 de fevereiro de 2017 at 20:31 - Reply

    Parabéns Leandro, mais um artigo de qualidade .

    Abraço

  59. Michael 1 de março de 2017 at 20:15 - Reply

    Ola Leandro
    Artigo sensacional.
    – “Essas simulações mostram que o come-cotas torna os fundos de investimento custoso quando o nosso objetivo é manter o dinheiro aplicado por prazos muito longos.”
    Muito relevante para o investidor na fase de ACUMULAÇAO, ou na pre-aposentadoria….
    Eu recomendo mais um artigo – que acredito chegaria a uma conclusao bem diferente (!), para o investidor que esta na fase de DISTRIBUIÇAO – comumente mas nao necessariamente na aposentadoria – quando efetua resgates cada mes para poder pagar as suas contas.
    Neste caso:
    1. O come-cotas faria pouca diferença porque o investidor estaria resgatando os valores mensalmente de toda manera.
    2. Um fundo nao tem vencimento, entao a medio e a longo prazo, com o mesmo desempenho bruto, ele teria uma rentabilidade superior tanto a CDB’s quanto a Tesouro Selic, porque ele teria mais anos de resgate com a aliquota minima, de 15%.
    3. Esta vantagem do fundo seria reduzida em relaçao a CDB’s e a titulos mais longos. No entanto, no mercado seria muito dificil encontrar CDB’s com prazos maiores de 5 anos, e o prazo maximo atual do Tesouro Selic e de 6 anos. Em cada renovaçao, as aliquotas vao recomeçar no maximo, ou 22,5% – uma diferença enorme, reduzindo-se, mas demorando aqueles 2 anos para chegar a 15%.
    4. Investidores, com toda razao, prestam muita atençao na negociaçao inicial de um determinado CDB se receberiam x% vs y% do CDI, mas o prazo de tal CDB (2 anos vs 5 anos) poderia fazer muito mais diferença na rentabilidade final! E versus um fundo, com aliquotas de 15% para cada resgate a partir de 2 anos, as diferenças em aliquotas nos resgates poderiam pesar muito mais.
    Enfim, Leandro, eu acho que tal artigo tambem poderia ser de grande interesse para os seus leitores, com relaçao a FATIA de investimentos dele que servem para custear as despesas mensais. Especialmente com relaçao a CDB’s (eu entendo que a taxa de administraçao de alguns fundos DI poderiam resultar num resultado bruto inferior a Titulos Selic de algumas corretoras que nao cobram taxa – mas poderia compensado no resultado liquido por causa de aliquotas menores). Concorda com tal raciocinio? Abraço.

    • Leandro Ávila 22 de março de 2017 at 8:23 - Reply

      Oi Michael. Para aqueles que precisam dos recursos mensalmente o mais importante é ter a liquidez. Os fundos são muito úteis quando precisamos dessa liquidez imediata.

  60. José Soares Ferreira 2 de março de 2017 at 13:15 - Reply

    Leandro, boa tarde,
    Sou aposentado, com 70 anos, tenho uma grande aplicação em LCA em um determinado Banco com vencimento em maio desse ano.
    Qual a sua orientação para a reaplicação desse montante, considerando que sou conservador. Não tenho previsão de utilização desse dinheiro a curto prazo.
    Atenciosamente.

    • Leandro Ávila 10 de março de 2017 at 8:36 - Reply

      Oi José. Sou apenas um educador. A única recomendação que posso dar como educador é que você dedique um pouco de tempo estudando as diversas possibilidades de investimento que existem. Aqui mesmo no Clube existem muitos artigos gratuitos onde falo detalhadamente sobre o funcionamento de cada investimento. Se você separar um tempo por dia para estudar uma modalidade diferente, em poucas semanas você terá uma boa bagagem de conhecimentos para tomar suas decisões sem nunca mais depender de ninguém para isso. Também existe a minha série de livros que ajudam muito no processo. Visite aqui.

  61. Gabriela 6 de março de 2017 at 17:24 - Reply

    Olá Leandro, adorei a matéria, foi uma excelente explicação. Muito obrigada por tudo. Este site mudou minha vida!!

    • Leandro Ávila 10 de março de 2017 at 8:33 - Reply

      Oi Gabriela, parabéns por sua dedicação e os seus resultados!

  62. Ana 14 de março de 2017 at 16:05 - Reply

    Boa tarde, possuo 100 mil investidos num CDB com liquidez diária que paga 89% do CDI, os valores foram depositados no decorrer do ano e parte já conta conta mais de um ano. Porém, gostaria de saber se há CDBs mais rentáveis (com liquidez diária também), mesmo considerando o fato de que, ao mudar de banco, voltarei a ter uma alíquota de IR maior e uma eventual taxa de manutenção a ser paga.
    Este investimento receberá aportes mensais de cerca de R$ 2.800,00, porém, necessito de liquidez diária, para assim que aparecer um bom negócio, usar esse dinheiro para adquirir um bem. Por isso minha escolha pelo CDB.
    Podem me ajudar? Obrigada.

    • Leandro Ávila 22 de março de 2017 at 8:19 - Reply

      Oi Ana. Existem sites e serviços onde você pode consultar investimentos oferecidos por inúmeros bancos através das diversas corretoras. Todo pequeno investidor deveria abrir uma conta em corretora para ter acesso a investimentos de inúmeras instituições. Assim você não ficará limitada aos investimentos do banco onde você tem conta. Visite esse artigo. Eu também recomendo que você invista na sua educação para tomar boas decisões de investimento. A minha série de livros podem ajudar muito e acelerar esse processo, visite aqui.

  63. Gustavo 20 de março de 2017 at 8:33 - Reply

    Parabens por este texto e pela iniciativa, em geral. Tenho acompanhado suas explanações e, além de aprender um bucado, tenho aplicado este conhecimento em meus investimentos. Parabens e obrigado.

  64. Amanda 21 de março de 2017 at 21:35 - Reply

    Olá Leandro. Adorei a matéria bem como venho adorando ler seu site. Tudo é muito bem explicado. Vc propõe conteúdos úteis de forma bem didática e com ótimos exemplos. Parabéns pela dedicação. Eu sou estou me graduando em Matemática (licenciatura), e estudo especificamente matemática financeira. Adoro estudar investimentos, o mercado financeiro e de capitais. Acredito, como educadora, que grande parte do problema do nosso país é justamente a falta de educação financeira. Por isso, admiro muito seu empenho e trabalho. Também tenho projetos e missões para desenvolver a educação financeira das pessoas do nosso país. Acredito que através da educação que poderemos contribuir para o bem estar econômico geral. Vejo a educação financeira como o meio à atingir um sistema financeiro mais eficiente, ao permitir e facilitar o acesso da população mais tradicionalmente excluída aos serviços financeiros – através do conhecimento e informação – visando-os como variável essencial para que alcancemos um sistema financeiro desenvolvido. Te parabenizo mais uma vez pela iniciativa, e pela atenção – que posso ver que vc tem com seus leitores. Ver pessoas como vc, me inspira e me faz acreditar no nosso crescimento próspero. Ps: Posso me conectar à vc pelo Linkedin? Grande Abraço!

    • Leandro Ávila 22 de março de 2017 at 8:16 - Reply

      Oi Amanda. Sem educação financeira jamais teremos um país realmente rico e desenvolvido. A diferença entre ricos e pobres, na era da informação, está no nível de educação e conhecimento que cada um consegue adquirir no decorrer da vida. Ter ou não dinheiro será uma consequência do que você vai fazer com aquilo que sabe ou deixa de saber. É uma área onde você terá muito trabalho pela frente, pois existe um país inteiro para mudar. Pode me conectar sim. Um abraço.

  65. Mackson Rocha 22 de março de 2017 at 17:37 - Reply

    Vivendo e aprendendo!
    Parabens!

Leave A Comment

Share this

Compartilhe com um amigo