O crédito consignado é um verdadeiro parasita no salário mensal de milhões de brasileiros. Se tornou fonte de lucro fácil e garantido para inúmeras instituições financeiras que brigam, utilizando todas as artimanhas do marketing, para atrair cada vez mais interessados neste tipo de empréstimo fácil e rápido.

O crédito consignado é um empréstimo com pagamento indireto, ou seja, as prestações, juros e taxas são deduzidos da folha de pagamento ou do benefício previdenciário do contratante pessoa física. Antes mesmo de receber seu salário, a parcela da dívida já foi descontada.

Ele pode ser obtido em bancos e financeiras, cuja duração não deve ser superior a 72 meses. Infelizmente, desde 2003 o crédito consignado passou a ser estimulado pelo próprio governo. Para os eleitores, os políticos venderam a ideia de que o crédito consignado seria um benefício, uma forma do “pobre e indefeso trabalhador” conseguir empréstimos com juros menores para realizar seus “sonhos de consumo”.

Outra alegação estaria no uso dos empréstimos consignados como uma forma de aquecer a economia. O governo apostou na pior forma de fazer uma economia crescer que é estimulando as famílias a acumularem dívidas, quando deveriam estimular as famílias a criarem mais riquezas, acumulando e investindo o excedente.

Na prática, o Ministério Público Federal já demonstrou que existiam outras intenções por trás do estímulo político ao endividamento das famílias através desta modalidade parasita de dívida. Como você pode ver aqui, centenas de milhões de reais foram retirados da renda das famílias e repassados para partidos e seus políticos nos últimos anos através de esquemas envolvendo o crédito consignado. Desde o início (como você pode ver aqui) ocorreram relações obscuras entre grandes políticos e bancos que ofereciam crédito consignado.

Os próprios sindicatos correram até os bancos para “negociar acordos” para que essas instituições pudessem oferecer crédito descontando da renda dos trabalhadores sindicalizados, como se estimular o endividamento das pessoas fosse uma grande vantagem (fonte). Logo os bancos públicos se tornaram monopólios do consignado oferecido aos servidores públicos (fonte) estimulando a verdadeira maldição do servidor público (leia aqui).

Inúmeros escândalos, e diversos golpes (veja aqui) envolvendo essa modalidade de crédito já apareceram. Use a sua imaginação e tente refletir sobre a enorme quantidade de interesses que devem estar em jogo nas relações entre políticos, sindicatos, instituições financeiras, empregadores públicos, privados e intermediários diante dessa atividade tão lucrativa onde retirar os juros da renda do trabalhador é tão fácil quanto tirar doces da boca de uma criança.

Fuja do crédito consignado

Fique bem longe do crédito consignado e de qualquer modalidade de endividamento. A única coisa que você realmente vai conseguir ao usar o crédito consignado regularmente é formar um mau hábito financeiro. Você já deve saber que maus hábitos são fáceis de adquirir e difíceis de se livrar. Nada melhor para quem vende um produto ou serviço do que introduzir um mau hábito na sua vida.

Para cada 10 pessoas que recebem benefício do INSS, pelo menos 6 estão endividadas por meio do desconto em folha. No total, só essas pessoas devem mais de 102 bilhões para as instituições financeiras. Segundo o INSS, dos 33,8 milhões de beneficiários, 20,05 milhões têm operações com desconto em folha.  Fazendo uma simples conta podemos concluir que cada um dos endividados possui uma dívida média de R$ 5.104,46. Esse valor é três vezes superior ao benefício médio pago aos segurados da Previdência, que chegou a apenas R$ 1.240,65 (fonte). A maneira como os bancos e financeiras acediam os aposentados beira a imoralidade, mesmo quando feito dentro da legalidade.

Os bancos não gastariam dinheiro, tempo e recursos humanos ligando para sua casa tentando lhe convencer a fazer um crédito consignado se isso realmente fosse bom para você e sua família. Não existe dívida melhor que a outra ou crédito melhor que o outro. Dívida é dívida e são todas ruins para quem fica endividado.

Quanto maior o nível de ignorância financeira das famílias, mais se tornam vítimas fáceis das dívidas.

Se você precisa constantemente do crédito consignado para fechar as contas no final do mês isso apenas sinaliza duas coisas:

  1. Você vive constantemente em desequilíbrio financeiro, ou seja, está mantendo um estilo de vida mais elevado do que a realidade do seu salário.
  2. Você ainda não conhece a importância de ter a sua própria reserva financeira. É dela que você tirará os recursos necessários para fechar suas contas quando as despesas do mês forem maiores que a sua renda. Já mostrei como montar suas reservas quando critiquei o uso do cheque especial como complemento da renda, veja aqui.

Ter linhas de crédito consignado disponíveis não torna você uma pessoa especial. Usar esse crédito consignado não é sinal de inteligência. Viver sem dívidas, com um estilo de vida compatível com a sua renda é sinal de inteligência. Não trabalhar para pagar juros que sustentam bancos e financeiras é sinal de inteligência. Comprar de maneira planejada, ter sua própria reserva financeira para emergências e imprevistos é sinal de inteligência.

Crédito para quem está com nome sujo

Você provavelmente já deve ter visto alguma propaganda de empresas oferecendo dinheiro emprestado para pessoas que estão com nome sujo ou negativado. Essas ofertas são direcionadas para pessoas com sérios problemas financeiros e fazem uso do crédito consignado. Para a instituição que vai descontar as parcelas, juros e taxas diretamente no seu contracheque, pouco importa se você está com nome sujo no SPC, Serasa ou qualquer outra instituição de proteção ao crédito.

Se você não tem disciplina e organização com suas finanças, a busca por mais dívida só vai tornar você ainda mais endividado. A origem do problema está na falta dessas virtudes que citei (disciplina e organização) e falta de conhecimento (educação financeira). Como a origem do problema não é falta de dinheiro (é falta de outras coisas), conseguir mais dinheiro emprestado não vai resolver o problema. Mais dinheiro em um problema cuja a origem não é dinheiro, vai tornar o problema maior ainda.

Servidão por dívida

Desde os tempos do feudalismo as pessoas se tornavam servas dos donos de bens e de dinheiro através da formação de dívidas. Você literalmente poderia perder a sua liberdade se ficasse clara a sua incapacidade de pagamento. No passado, você pedia terra emprestada, segurança emprestada, alimentos ou dinheiro emprestado. Enquanto não pagasse sua dívida você era obrigado a trabalhar, como um servo, pagando com o seu trabalho ou com os frutos do seu trabalho.

Hoje não é muito diferente. Quando você compromete grande parte da sua renda através das dívidas que a sua ignorância financeira levou você a fazer, a parte da sua renda que deveria ser gasta com o bem da sua família, passará a ser gasta para sustentar a família de quem emprestou o dinheiro para você.

Atualmente você tem a opção de não aceitar fazer o papel de servo. Com o conhecimentos financeiros certo é possível se livrar das dívidas do consignado que comprometem a sua renda mensal por vários e vários anos. Ser servo ou escravo dos outros é uma situação que você não deveria aceitar e desejar. No lugar de servir os bancos, assumindo o papel de devedor, você pode ser servido pelos bancos assumindo o papel de investidor.

Escravos modernos não estão acorrentados, eles estão endividados.

Menores taxas para consignados

O Banco Central divulga uma pesquisa mensalmente com a taxa média de juros cobrada pelos principais bancos que oferecem empréstimos consignados. Você vai perceber que os bancos e financeiras que gastam mais dinheiro com propaganda são justamente aquelas que cobram as maiores taxas de juros. Veja as listas em três categorias:

Simulação de empréstimo

🔥 Simulador de empréstimo: Valor da prestação
Faça simulações de um empréstimo e descubra o valor da prestação, o valor total da dívida e quanto você irá gastar com o pagamento de juros.

Baixar Planilha: Simulação de empréstimo

Você pode baixar uma planilha com quatro possibilidades de simulação de empréstimos. É possível descobrir o valor da parcela, taxa de juros, número de prestações, valor do financiamento e custo total com pagamento de juros. Por ser uma planilha educativa você pode acessar e modificar as fórmulas para criar sua própria planilha. Clique aqui para baixar,

Dica - Continue aprendendo:

Os melhores ensinamentos do Clube dos Poupadores deram origem a uma série de livros sobre investimentos e educação financeira. Inicie seu processo de reeducação financeira, torne-se um investidor consciente (ou investidora) e tome as melhores decisões de investimento sem depender da opinião dos outros.  Para saber mais clique aqui.