O que é um fundo de investimento

Um fundo de investimento nada mais é do que um condomínio. Não é muito diferente do condomínio de apartamentos onde você ou seus amigos moram. Cada proprietário é dono de uma cota do condomínio e todos possuem o mesmo interesse que é fazer o condomínio funcionar através da divisão de despesas.

No caso dos fundos de investimento é a mesma coisa, só que além de ratear despesas você também irá ratear os lucros. Quando você investe através de um fundo, na verdade você está comprando cotas. Essas cotas são a menor fração do patrimônio líquido do fundo. Quando você saca dinheiro do fundo está na verdade vendendo suas cotas. Aquilo que você vê no extrato do seu fundo de investimentos é a quantidade de cotas que você possui. Como cada cota possui um valor atualizado diariamente. O extrato exibe qual o valor de todas as suas cotas para o dia que a consulta está sendo feita.

Na figura abaixo temos um exemplo de extrato de um fundo de investimento onde é possível ver a quantidade de cotas e quanto ela representa. Esse extrato eu consegui fazendo buscas na internet. Pertence a uma associação que investe o dinheiro de seus associados e por este motivo deixa seus extratos na internet, com acesso público.

Observe que esse cliente da Caixa possui R$ 3,6 milhões em forma de 2.3 milhões de cotas. Quando você divide esse valor pela quantidade de cotas encontrará o preço de R$ 1,545820998884491 por quota. Observe que no final do mês, no campo “resgate bruto em trânsito” o saldo do fundo aumentou R$ 38 mil, mas a quantidade de quotas continuou a mesma. Isso significa que ocorreu uma valorização de cada quota que agora vale R$ 1,562032995867614.

Quando você compra cotas você é chamado de cotista. Ao comprar cotas você está concordando em remunerar uma empresa para que ela faça seu dinheiro render seguindo determinadas estratégias de investimento. Essa estratégia será do seu conhecimento antes que você tome a decisão de escolher o fundo. Pelo menos, deveria partir de você o interesse de saber exatamente onde o fundo irá investir o seu dinheiro.

Existem fundos que investem apenas em títulos públicos, outros investem em títulos públicos e privados e outros são fundos que investem em outros fundos. Também existem fundos criados para investir em ações, dólar, ouro ou um misto de tudo isso.

Não preciso dizer que cuidar do dinheiro dos outros é altamente lucrativo e por isto existem milhares de fundos de investimento. Todos os bancos oferecem seus fundos para seus clientes. Não faz nenhum sentido para o grande banco recomendar que você invista em títulos públicos, títulos privados como CDB, LCI, LCA, ações, debêntures, se eles podem fazer isso por você recebendo um percentual do seu patrimônio todos os anos. Não importa se eles vão fazer seu dinheiro render ou não, a parte deles está garantido através da taxa administrativa. Fundos de investimento é lucro garantido para os bancos e outras instituições que criam e gerenciam fundos.

Entendeu por qual motivo seu gerente nunca ligou para você oferecendo títulos públicos? Eles preferem oferecer fundos DI e fundos de renda fixa do banco onde trabalham. Esses fundos irão investir o seu dinheiro em títulos públicos cobrando taxas de 1%, 2% e até 3% ao ano sobre o patrimônio investido (não é sobre o lucro).

Todos lucram:

Na verdade, diversas empresas lucram quando você compra cotas de um fundo.

Administrador: instituição financeira responsável pelo conjunto de serviços relacionados direta ou indiretamente ao funcionamento e à manutenção do fundo, que podem ser prestados pelo próprio administrador ou por terceiros por ele contratados, por escrito, em nome do fundo.

Gestor: instituição responsável pela compra e pela venda dos ativos do fundo (gestão), conforme os objetivos e a política de investimento estabelecida no seu regulamento.

Custodiante: instituição responsável pelo registro e pela guarda dos ativos do fundo.

Distribuidor: instituição responsável pela venda das cotas do fundo, podendo ser o próprio administrador ou terceiros contratados por ele (como as corretoras e seus agentes de investimento).

Valor das cotas

O valor da cota do fundo é informado diariamente pelos bancos e administradores/gestores de fundos.  O patrimônio de um fundo de investimento é a soma de cotas que foram compradas pelos diferentes investidores. O valor de cada cota é obtido através da divisão do patrimônio líquido do fundo pelo número de cotas emitidas.

Para calcular o rendimento de qualquer fundo, basta dividir o valor da última cota divulgada pelo valor da cota do dia que você comprou suas cotas. Para apurar o valor atual do investimento, basta multiplicar a quantidade de cotas que o investidor possui pelo seu valor mais recente.

O valor da cota se altera diariamente, mas a quantidade de cotas de um investidor é sempre a mesma, só existindo 3 situações diferentes onde o seu número de quotas irá mudar.

  • Quando você faz algum resgate, que na prática significa se desfazer de uma parte das suas cotas.
  • Quando você faz uma nova aplicação, que significa comprar mais cotas.
  • Quando ocorre o recolhimento semestral de imposto de renda no último dia útil dos meses de maio e novembro. Neste caso, o valor devido de IR é abatido da quantidade de cotas através do processo conhecido como  “come cotas“.

Essas movimentações de aumento e redução de cotas podem ser acompanhadas através do extrato do seu fundo de investimento.

Taxa de administração

É a maneira como o administrador, gestor, custodiante e distribuidor ganham dinheiro com seu dinheiro. A taxa pode variar muito de instituição para instituição e de fundo para fundo, sendo representada através de um percentual ao ano. Esse percentual é provisionado (separado) diariamente sobre o patrimônio líquido do fundo (com base em dias úteis). Quando o administrador do fundo divulga o valor da cota e sua rentabilidade diária, mensal e anual, esse valor já está líquido da cobrança da taxa de administração, ou seja, a taxa já foi descontada da rentabilidade do fundo.

Aqui temos o exemplo de uma página no site do Banco do Brasil onde é possível ver a taxa administrativa anual de cada fundo. Veja clicando aqui e observe que os fundos com maior taxa administrativa são justamente aqueles que possuem maior patrimônio líquido, ou seja, onde os clientes mais investem dinheiro.

Observando a lista completa de fundos é possível observar aqueles classificados como de Renda Fixa. O fundo que aceita investimento menor é o “BB Renda Fixa LP 100” onde você pode começar investindo apenas R$ 100,00. O problema é que 3,8% dos R$ 100,00 e daquilo que render ficarão com o banco em forma de taxa administrativa. ]

É incrível verificar que esse fundo tem patrimônio líquido de R$ 9,6 bilhões e que o banco fica com 3,8% deste valor (R$ 364 milhões) para prestar o serviço de investir esse dinheiro em títulos públicos. Qualquer pessoa pode aprender a fazer investimentos em títulos públicos como o Tesouro Selic. Aqui mesmo no Clube dos Poupadores temos artigos que ensinam. Também existem livros e cursos que ensinam. Para aprender basta olhar as opções que temos no menu superior da página.

Veja que propositalmente estou apresentando apenas exemplos de bancos públicos. Se fosse buscar exemplos nos bancos comerciais as taxas poderiam ser ainda maiores.

Se você já tem fundos de investimento pode descobrir onde os gestores do fundo estão investindo o seu dinheiro. As instituições são obrigadas a informar onde investem o dinheiro dos cotistas. No caso deste fundo específico do Banco do Brasil (que estamos usando no exemplo) eu consegui a informação nesta página aqui, clicando no link “Informativo mensal” No demonstrativo você tem dados mais detalhados.

Acessar dados oficiais do fundo

Nem sempre é fácil encontrar informações detalhadas de cada fundo no site do banco ou da sua administradora. No site da CVM existe uma página que fica em http://sistemas.cvm.gov.br/?fundosreg onde é possível acessar balanço, composição da carteira de investimentos do fundo, dados diários de cota, patrimônio líquido, número de cotistas, captações, resgates além de prospecto, regulamento, lâmina do fundo, demonstrações contáveis, etc.

Você pode consultar utilizando o nome do fundo ou o CNPJ do fundo. Cada fundo de investimento possui seu próprio CNPJ e o patrimônio líquido do fundo não fica misturado ao patrimônio do banco. Por este motivo, no caso do banco quebrar, o dinheiro investido no fundo continua investido no fundo. O fundo só tem problemas quando o gestor do fundo investe o dinheiro do fundo no banco que quebrou.

Este exemplo que utilizei do fundo BB Renda Fixa LP 100 o CNPJ que podemos usar na pesquisa é 68.599.141/0001-06. Observe que é necessário digitar o código que aparece em uma imagem na lateral direita para efetuar a busca corretamente.

Ao fazer a pesquisa e clicar em “composição da carteira” vamos descobrir que o fundo BB Renda Fixa LP 100 na verdade investe 100% do dinheiro dos coquistas em outro fundo do próprio BB chamado “BB TOP RF CONSERVADOR FUNDO DE INVESTIMENTO RENDA FIXA LONGO”. Outra informação interessante é que esse fundo que cobra absurdos 3,8% de taxa administrativa tem 400 mil cotistas e o único trabalho que o gestor do fundo faz é investir o dinheiro das pessoas em outro fundo.

Buscando na internet descobri que o CNPJ do fundo BB TOP RF é 19.700.409/0001-49. Fiz a pesquisa novamente e pude acessar detalhes sobre onde o fundo investe o dinheiro dos cotistas (veja a próxima figura). Observe que grande parte está rendendo juros através de compromissadas que possuem títulos públicos como lastro. As operações compromissadas, como as oferecidas pelo Banco Central, são operações de compra ou venda de títulos com compromisso de revenda ou recompra dos mesmos em data futura (fonte). É como se o fundo estivesse emprestando dinheiro para o governo tendo como lastro os títulos públicos, mas sem estarem comprando títulos públicos.

O campo “Cod. Selic” que aparece no relatório abaixo permite saber qual é o título público que está lastreando a operação compromissada. No caso da compromissada de Cod. Selic 950199, onde 32% do patrimônio do fundo está investido, podemos concluir que se trata de investimentos no título NTN-F. Esse título no Tesouro Direto se chama “Tesouro Prefixado com juros semestrais”. O código 100000 indica o título LTN ou Tesouro Prefixado. O código Selic 210100 representa o título LFT ou Tesouro Selic.

Para saber qual título representa cada código Selic visite essa página aqui. Você vai se espantar com a quantidade de títulos públicos com datas de vencimento diferentes daquelas que são oferecidas para as pessoas físicas no Tesouro Direto.  Vale lembrar que os bancos, fundos de investimentos e outras instituições financeiras compram títulos públicos através do Tesouro Nacional e não através do Tesouro Direto. O Tesouro Direto, que é uma parceria entre o Tesouro Nacional e BM&FBOVESPA, que oferece um número pequeno de tipos de títulos públicos para as pessoas diante do que oferecem para as instituições.

 

É muito triste observar que mais de 400 mil pessoas perdem 3,8% do seu patrimônio todos os anos, através de um fundo qualquer entre milhares de outros fundos, quando poderiam investir o dinheiro que possuem por conta própria, pagando apenas 0,30% de taxa anual de custódia para a BM&FBOVESPA caso escolhesse uma corretora que não cobra taxa administrativa.

Se você somar o número de investidores que perdem dinheiro todos os anos nesses fundos, que cobram taxas absurdas, descobrirá milhões de brasileiros que jogam milhões de reais no lixo todos os anos, para alegria donos dos bancos, seus funcionários e todos aqueles que cobram ações dos bancos e recebem dividendos. Muito dos lucros dos bancos que acabam se transformando em dividendos pagos regularmente aos que possuem ações dos bancos, se origina da ignorância financeira das pessoas. É essa ignorância que cria a oportunidade de oferecer produtos de baixa rentabilidade para as pessoas. A ignorância financeira custa caro para quem a carrega.

É claro que existem fundos de investimento que oferecem rentabilidades maiores por cobrarem taxas administrativas menores. O problema é que muitas vezes esses fundos são de instituições menores e pouco acessíveis ou de bancos grandes que exigem um investimento inicial muito elevado. Em bancos privados como o Itaú, para conseguir um fundo DI que investe em títulos públicos cobrando uma taxa de 0,30% ao ano você precisa ter no mínimo R$ 1.000.000,00 para investir (fonte). O mesmo acontece nos demais bancos.

Taxa de performance:

Vale lembrar que além da taxa administrativa, muitos fundos cobram taxa de performance. Neste caso o fundo fica com uma parte da sua rentabilidade caso ele consiga atingir uma boa performance. Exemplo: Se o gestor do funco conseguir superar o CDI (taxa DI divulgada no site da CETIP) ele fica com 20% do que exceder. O cotista ficará somente com 80% daquilo que exceder o CDI.

Agora vamos imaginar que neste exemplo a rendimento bruta do fundo (já com a taxa administrativa deduzida) no ano foi de 15%. O CDI daquele ano foi de 10%. Isso significa que o fundo conseguiu gerar um resultado 5% maior que o CDI. O fundo ficará com 20% desses 5% e você perderá 1% para o fundo. No final, a rentabilidade do fundo (já com a taxa administrativa descontada) que era de 15% será de 14% pois 1% será a taxa de performance do fundo.

Quando os fundos que cobram taxa de performance divulgam a rentabilidade do fundo, essa rentabilidade já está com a taxa administrativa e taxa de performance descontadas.

Taxa de ingresso e saída:

Não é comum, mas existe. A legislação permite a cobrança de taxas de ingresso e de saída em fundos de investimento.

Outras despesas:

Existem outras despesas que podem reduzir a rentabilidade de um fundo de investimento. Essas despesas aparecem no demonstrativo do fundo. Exemplos comuns:

  • despesas com impressão, expedição e publicação de relatórios financeiros;
  • envio de correspondências com convocações e comunicados aos cotistas;
  • honorários de auditores independentes;
  • custos de corretagem;
  • despesas com registro e cartório.

No próximo artigo vou falar sobre os tipos de fundo que existem.

By |16/01/2017|Categories: Investimentos|247 Comments

About the Author:

Leandro Ávila é administrador de empresas, educador independente especializado em Educação Financeira. Além de editor do Clube dos Poupadores é autor dos livros: Reeducação Financeira, Investidor Consciente, Investimentos que rendem mais, e livros sobre Como comprar e investir em imóveis.

247 Comments

  1. Gregory 16 de janeiro de 2017 at 12:47 - Reply

    Obrigado Leandro por mais um ótimo artigo.

  2. Rodrigo Alves 16 de janeiro de 2017 at 12:56 - Reply

    Excelente artigo! Parabéns Leandro!

  3. Alex Teixeira Benfica 16 de janeiro de 2017 at 13:02 - Reply

    Assisti ontem na TV uma matéria falando disto aqui.
    Lembrei na hora de seus ensinamentos. Gostaria de comentar?
    http://zh.clicrbs.com.br/rs/noticias/policia/noticia/2017/01/golpe-milionario-lesou-mais-de-400-pessoas-na-regiao-central-do-estado-9376770.html

    • Leandro Ávila 16 de janeiro de 2017 at 15:45 - Reply

      Oi Alex, todos os dias ocorrem golpes como este em todo Brasil. Quando a ganância e a ignorância das pessoas encontra um criminoso, os problemas estão garantidos.

    • Raphael 18 de janeiro de 2017 at 16:15 - Reply

      Reza a lenda que todo dia um malandro e um otário se levantam da cama e vão para rua. Quando eles se encontram, dá negócio.

  4. Wilson Komatsu 16 de janeiro de 2017 at 13:02 - Reply

    Leandro:

    Obrigado pelo novo post. No trecho em que você diz “É muito triste observar que mais de 400 mil pessoas perdem 3,8% do seu patrimônio todos os meses…” Acho que você quis dizer que a taxa (elevada) de 3,8% é cobrada anualmente, correto? De qualquer modo, é uma taxa extorsiva. Seria interessante simular uns dez anos neste fundo, com e sem esta taxa, para mostrar a perda que este investidor está tendo.

    Obrigado,

    Wilson

    • Leandro Ávila 16 de janeiro de 2017 at 15:47 - Reply

      Oi Wilson, sim, é anual. Acabo de corrigir. Muito obrigado.

  5. Michael Stuart 16 de janeiro de 2017 at 13:14 - Reply

    Parabens Leandro por mais um texto espectacular. So para complementar:

    – Realmente os tais “Fundos de Fundos” deveriam ser evitados por causa dos custos agregados de cada fundo! Por isso os Multimercados – por exemplo do tipo Multigestor, oferecidos pelos bancos – frequentemente nao valem a pena simplemente porque o ‘pedagio’ e alto demais.

    – Outra desvantagem dos Fundos Renda Fixa seriam que, diferente dos titulos que uma PF poderia comprar no TD, seria que eles nao tem um ‘vencimento’ – e gestores estao sempre mudando a carteira, entao o Cotista nao tem nada de ‘Fixo’ – e poderia perder feio com a marcaçao ao mercado. No TD, o investidor esta pelo menos garantido a rentabilidada pactuada (‘fixa’) na compra se guardar ate o vencimento.

    – Sugestao: As tais ‘Outras Despesas’ no seu artigo merece um artigo separado! Realmente estes custos sao escondidos demais e dificeis de encontrar – e nao sao descontados das tabelas de rentabilidade. Com a queda dos juros, estas despesas poderiam fazer uma diferença significativa para os seus leitores atraves dos anos!

    • Leandro Ávila 16 de janeiro de 2017 at 15:53 - Reply

      Oi Michael. Isso é verdade. No caso dos fundos de inflação o investidor acaba observando rentabilidades negativas e muitos resolvem sair do fundo com prejuízo. Já se você investe em Tesouro IPCA e entende como o investimento funciona, verá que basta esperar até o vencimento para receber aquilo que foi prometido, sem contar que o imposto de renda sobre o rendimento só será cobrado no vencimento e não acada 6 meses como é o caso do fundo.

  6. James Silva 16 de janeiro de 2017 at 13:16 - Reply

    Só faltou falar que não é qualquer pessoa que pode abrir conta no TD. Eu por exemplo como brasileiro nao residente no país nao posso e só através do Banco do Brasil tenho acesso a este tipo de investimento então tem público sim. Não generalize
    Obrigado

    • Leandro Ávila 16 de janeiro de 2017 at 16:00 - Reply

      Oi James. Recomendo que você estude um pouco mais sobre este tema antes de qualquer crítica sobre generalização. Pode começar por este guia de perguntas e respostas do próprio Tesouro onde uma das perguntas é sobre o investimento por não-residentes. http://www.tesouro.fazenda.gov.br/compra-de-titulos-publicos-faq

      • Gustavo 16 de janeiro de 2017 at 22:43 - Reply

        Olá Leandro. Não ficou claro nesse link se microempresas podem comprar títulos públicos através do TD. Saberia informar?

        Forte abraço e parabéns pelo artigo.

        • Leandro Ávila 17 de janeiro de 2017 at 7:27 - Reply

          Oi Gustavo. Empresas não podem comprar títulos públicos pelo Tesouro Direto. É um projeto voltado para pessoas físicas. Pessoa jurídica podem comprar através do mercado secundário. Algumas corretoras oferecem títulos públicos que já foram emitidos no passado, que estão em seu poder e que elas podem negociar livremente no chamado “mercado secundário” através do site da corretora.

          • Jessica 17 de janeiro de 2017 at 8:10

            Eu como pessoa jurídica posso ter acesso a esses títulos que tem emitidos pelo Tesouro Nacional ? Esses que tem muito mais opções de vencimentos.

          • Leandro Ávila 17 de janeiro de 2017 at 13:53

            Oi Jéssica. Só as instituições financeiras se relacionam diretamente com o Tesouro Nacional. Você poderia comprar títulos através do mercado secundário em corretoras.

      • Matheus Cavalheiro 17 de janeiro de 2017 at 10:50 - Reply

        Leandro, infelizmente o que o James postou é verdadeiro. Apesar do site informado ser bastante claro como esse investimento pode ser feito por não residentes, na prática isso não acontece. Os bancos, apesar de haver a regulamentação, não são obrigados a abrir conta para não residentes. Os que o fazem com facilidade (Bradesco e Itaú), permitem que se invista apenas em produtos do banco.

        • Leandro Ávila 17 de janeiro de 2017 at 14:11 - Reply

          Oi Matheus. Eu recomendo que você consulte as corretoras independentes. Eu não tenho experiência como não-residente e não tenho muitos conhecimentos sobre o tema.

      • Felipe Sotto-Maior 23 de janeiro de 2017 at 9:38 - Reply

        Oi, Leandro. Ótimo texto.
        Posso contribuir com essa parte sobre não-residentes. Em tese é sim permitido, mas na prática não é tão simples. De uns tempos pra cá os EUA criaram o FATCA – Foreign Account Tax Compliance Act, uma legislação para evitar a evasão fiscal nos EUA. Um dos fatores é que eles monitoram as contas que as “US Persons” possuem em outros países. O Brasil colabora com essa legislação e isso criou um custo operacional muito grande e um risco de compliance nos bancos de investimento e corretoras para manter abertas as contas de pessoas não-residentes. Como consequência, várias dessas instituições decidiram não mais manter esse tipo de conta, exceto se o valor investido for muito alto (na casa das dezenas de milhões de reais) para justificar o custo de cumprir todas as obrigações. Eu tive alguns clientes que tiveram que fechar suas contas e já tive que recusar atendimento a diversos brasileiros residentes no exterior, porque as corretoras brasileiras não querem abrir essas contas. Quando a saída do país não é definitiva e o brasileiro continua declarando IR aqui, possui endereço e telefone no Brasil, aí dá pra abrir.

        • Leandro Ávila 24 de janeiro de 2017 at 21:56 - Reply

          Oi Felipe. Muito obrigado por compartilhar esses detalhas

  7. Fábio 16 de janeiro de 2017 at 13:25 - Reply

    Muito bom.

  8. Carla 16 de janeiro de 2017 at 13:29 - Reply

    Boa tarde! Obrigada por mais um texto muito útil!
    Fui no site da CVM para verificar a carteira de um fundo de ações que pessoas têm me indicado, somente para ver mesmo (não comprei cotas), porém somente uma parte da carteira está disponível para visualização… Aí tem a seguinte informação: “Por solicitação do administrador do fundo, a identificação dos seguintes ativos foi omitida ao público em geral. Clique sobre o ativo para mais informações.” Inclusive era as com maiores porcentagens da composição da carteira! E clicando sobre o ativo não apareceu nada… É assim mesmo?
    Obrigada!!

    • Leandro Ávila 16 de janeiro de 2017 at 16:01 - Reply

      Oi Carla, não sei, mas a falta de transparência sobre onde o seu dinheiro será investido não é nada bom para o investidor.

      • Bruno 24 de janeiro de 2017 at 15:13 - Reply

        Excelente texto Leandro!

        Acho que sobre a pergunta da Carla (omissão da identificação da carteira de um fundo), trata-se de uma permissão que a CVM dá aos gestores de fundos de ocultar a carteira de um fundo nos últimos 90 dias, se não me engano. Fui procurar informações sobre o Fundo Verde (Stuhlberger) e não é possível ver os dados da carteira nos últimos 3 meses. Antes disso, todos as informações estão liberadas.

        Abraço!

  9. Eduardo 16 de janeiro de 2017 at 13:29 - Reply

    Prezado Leandro,
    Novamente um excelente trabalho, aprendo muito com seus artigos, embora já compreendi o seu objetivo em 100% dos seus artigos: “estude e não deixe os outros cuidarem do seu dinheiro”, estou certo?
    Estou cuidando do meu próprio dinheiro a alguns anos e tenho uma dificuldade gigantesca de convencer meus familiares e amigos e fazerem o mesmo, eles querem praticidade e não querem saber de se preocupar com essas “bobagens”. Desamino, mas não desisto de tentar trazer algumas pessoas para o nosso lado. Grande abraço!!

    • Leandro Ávila 16 de janeiro de 2017 at 16:07 - Reply

      Oi Eduardo. Ainda não conheci ninguém bem-sucedido financeiramente que tenha atingido seus objetivos apenas seguindo as recomendações de investimento dos outros. Todos estudaram, se desenvolveram e conseguiram bons resultados baseados no conhecimento, experiências e habilidades adquiridas neste processo de crescimento. O artigo tem como objetivo mostrar os caminhos das pedras. A caminhada fica por conta do leitor. Com relação a convencer os outros, é difícil mesmo. Olhe o que fizeram com os grandes homens da história da humanidade que tentaram convencer os outros sobre alguma coisa. Tenho certeza que esses seus conhecidos que dizem que isso é bobagem estão longe de atingir um sucesso financeiro e profissional que demonstre que tudo isso é uma bobagem mesmo. Faça da sua vida um exemplo e isso já será o suficiente.

  10. Thomas 16 de janeiro de 2017 at 13:36 - Reply

    O interessante é o fundo que tem taxa elevada investir em outro fundo do próprio banco pra pagar mais taxa ainda em cima das cotas, o Banco acaba recebendo taxa duas vezes.

    Obrigado por mais essa aula de como se livrar das guarras dos bancos, aí explica pq banco ganha dinheiro mesmo.

    • Leandro Ávila 16 de janeiro de 2017 at 16:08 - Reply

      Oi Thomas, eu não tenho certeza se isso ocorre, mas é muito provável que o fundo esteja pagando taxa administrativa para o outro fundo e com isso temos custo dobrado.

  11. Larissa 16 de janeiro de 2017 at 13:48 - Reply

    O mesmo pensamento valeria para fundos de ações e multimercados, que aplica em renda variável? Se a pessoa não tem conhecimento o bastante para aplicar em ações e fundos imobiliários, não já seria uma diversificação interessante iniciar por esses tipos de fundos?

    • Leandro Ávila 16 de janeiro de 2017 at 16:10 - Reply

      Oi Larissa. Existem fundos que investem na renda variável onde a gestão é ativa, ou seja, existem pessoas que ficam tomando decisões ativamente sobre onde investir o dinheiro para que ele renda mais. Não é o que ocorre nos fundos DI e fundos de Renda Fixa. O problema seria escolher esses fundos e crer que os resultados passados irão refletir em resultados semelhantes no futuro.

      • Larissa 16 de janeiro de 2017 at 16:57 - Reply

        Pode citar um exemplo de algum fundo assim?

        • Leandro Ávila 16 de janeiro de 2017 at 17:05 - Reply

          Oi Larissa, dar exemplos poderia ser entendido como uma recomendação de investimento. O que pretendo fazer nos artigos é mostrar como cada leitor pode avaliar onde está investindo para que possa chegar a alguma conclusão independente.

  12. Hélcio 16 de janeiro de 2017 at 13:56 - Reply

    Leandro essas observaçoes também servem para os FIis?
    Um abraço
    Hélcio

    • Leandro Ávila 16 de janeiro de 2017 at 16:10 - Reply

      Oi Hélcio. São coisas bem diferentes. Eu tenho artigos onde falo sobre FIIs.

  13. Cristiano Andrade 16 de janeiro de 2017 at 13:58 - Reply

    Boa tarde Leandro, eu concordo com você quanto aos exemplos, pois cobrar taxa de administração de 3,8% para investir em outro fundo ou até mesmo para comprar títulos públicos é um absurdo. Entretanto, seria válido se você apresentasse os fundos adquiridos em plataformas de corretoras que são ótimas opções de investimento. Temos vários multimercados cuja rentabilidade supera em muito o CDI, e bons fundos de ações cujos gestores são comprometidos com seus quotistas. Para estes casos, taxas de administração de 1,8% e 2% são razoáveis pelo trabalho do gestor, pois há uma estratégia ativa de investimento, que nem sempre é possível ao comum dos mortais.

    • Leandro Ávila 16 de janeiro de 2017 at 16:12 - Reply

      Oi Cristiano. Esses multimercados que superam muito o CDI são pontos fora da curva. Eu ainda irei escrever sobre fundos multimercado.

  14. Ricardo 16 de janeiro de 2017 at 14:12 - Reply

    Olá Leandro,

    Me lembro de uma frase que li, a algum tempo, aqui mesmo no Clube dos Poupadores: “Se você acha que educação custa caro, tente a ignorância”. Investir em fundos é um indício de que paga-se caro por não saber investir o próprio dinheiro sozinho. Já investi em fundo de um grande banco e perdi dinheiro por conta disto. Depois que conheci o Clube dos Poupadores posso dizer que os meus rendimentos melhoram e muito. Acompanho o desempenho de meus investimentos frequentemente e tenho ganhos acima de 5% a.a. acima de inflação só investindo em Renda Fixa.
    Recentemente adquiri o curso “Árvore da Riqueza” para aprender uma estratégia de como investir no mercado de ações e tenho gostado muito do conteúdo do curso.

    • Leandro Ávila 16 de janeiro de 2017 at 16:26 - Reply

      Oi Ricardo. O que faz diferença é o tempo que você dedica estudando, o investimento que você faz para melhorar como investidor. Parabéns. Também venho estudando mais sobre ações para que no momento certo possa escrever mais sobre o assunto. Para quem não conhece o curso recomendo visitar aqui.

  15. Marcelo 16 de janeiro de 2017 at 14:20 - Reply

    Excelente artigo. Cada vez mais invisto somente no Tesouro Direto ou em CDB, LCA e LCI de bancos pequenos e médios, respeitando o limite de R$ 250k do FGC.

  16. Rafael 16 de janeiro de 2017 at 14:26 - Reply

    Leandro,
    Havendo uma análise pormenorizada de um fundo, vendo em que ramo ou ramos ele atua, com baixa administração e boa rentabilidade, em uma corretora conceituada, há problema nisso?
    Penso que devemos sempre nos capacitar ao máximo para tomarmos nossas próprias decisões, mas não vejo problema em pesquisar os gestores de um bom fundo ativo e alocar parte do capitall nele, até mesmo uma diversificação em alguns fundos considerados, pela minha análise, satisfatórios.
    Estou cometendo um equívoco?

    • Leandro Ávila 16 de janeiro de 2017 at 16:30 - Reply

      Oi Rafael. Não existe nenhum problema se você sabe o que está fazendo e acompanha os resultados dos seus investimentos. Eu tenho certeza que as pessoas que investem nestes fundos de taxas absurdamente elevadas, populares nos grandes bancos, não tem nenhuma ideia sobre o que significa pagar 3,8% de taxa administrativa. Essas pessoas é que possuem um problema e pode ter certeza que são milhões de pessoas.

  17. Diogo 16 de janeiro de 2017 at 14:27 - Reply

    Muito bom o texto, Leandro.
    Então a taxa de administração incide sobre o montante aplicado mais o rendimento? E no caso de um fundo der rendimento negativo (hipoteticamente), será cobrado a taxa?

    • Leandro Ávila 16 de janeiro de 2017 at 16:33 - Reply

      Oi Diogo. Sim, mesmo com rentabilidade negativa a taxa será provisionada e isso ocorre diariamente. Se hoje você tem 100 mil, uma taxa diária bem pequena, mas equivalente a taxa anual, será cobrada sobre 100 mil. Se no dia seguinte o fundo gerou perdas e agora você tem 99 mil, essa taxa diária será calculada sobre 99 mil.

  18. Andre Gandra 16 de janeiro de 2017 at 15:14 - Reply

    Boa tarde Leandro,

    Este artigo caiu do céu rs… É porque já tenho uma pequena quantia investida em Renda Fixa (LCA indexada ao CDI e CDB indexado ao IPCA) e venho estudando sobre renda variável e com isso pesquisando sobre alguns fundos de ações e multimercados.
    O valor que separei é baixo para não ter muita perda casa acontece nesse período de conhecimento da modalidade. Cheguei a 3 nomes, porém 2 são fundos multimercados e ambos constam com imposto semestral e me deixaram com pé atrás pois já havia lida há um tempo atrás seu post sobre os “come cotas” e o outro que é fundo de ação consta somente como imposto na hora do resgate. Com isso segurei meu investimento e estou tentando estudar e entender a melhor opção nesse método de investimento.
    Mesmo com taxa adm, taxa de performance e come cotas pode ser vantajoso investir em um fundo de ações ou multimercado para quem ainda não está seguro de investir sozinho em ações individuais? (os fundos que observo são Perfin Institucional, absolute hedge e kapitalo kappa, oferecidos pela XP e Easynvest)

    • Leandro Ávila 16 de janeiro de 2017 at 16:36 - Reply

      Oi André, pode ser vantajoso dependendo dos resultados que esse fundo irá oferecer. O problema é que ao investir em fundos de ações e fundos multimercado você está fazendo uma aposta, está assumindo o risco da aposta dar certo ou da aposta dar errado. Se você entende esse risco como uma coisa natural deste tipo de investimento tudo dará certo, mesmo que sua rentabilidade seja negativa pelo fato de ser uma possibilidade.

  19. Anderson Ribeiro 16 de janeiro de 2017 at 15:19 - Reply

    Muito bom e esclarecedor o post, Leandro.

    Obrigado por compartilhar tanta informação útil. Só é uma pena que pouca gente procura por tal informação…

    A ignorância do ser humano é tamanha que está em grandes sites que poucas pessoas possuem o patrimônio de metade dá população junta… Conhecimento é tudo.

    • Leandro Ávila 16 de janeiro de 2017 at 16:38 - Reply

      Oi Anderson. Dizem que a miséria não é uma consequência da falta de dinheiro. É uma consequência da falta de conhecimento.

  20. aecio felix 16 de janeiro de 2017 at 15:40 - Reply

    Parabéns Leandro, pelo rico conteúdo. Tudo que leio sobre investimentos, ainda não vi algo tão puro sem interesses pessoais igual ao seu, não tem como comparar, a nível nacional pra mim você é o melhor, alguns famosos nessa área nos seus posts percebemos que eles são tendenciosos, mais os seus
    artigos são maravilhosos e verdadeiramente enriquecem o nosso intelecto, grande abraço.

  21. Junior 16 de janeiro de 2017 at 15:41 - Reply

    Leandro, isso tbm vale para os fundos de FII? Comprei um FII que a XP administra que aplica em varios FII (varios setores) e tbm CRI e LCI. Fiz algumas analises e percebi que se fosse comprar individualmente fundo por fundo, poderia ter um custo alto em corretagens e perder o timer de alguns produtos (não acompanho regularmente) pois foco no longo prazo com os ganhos do “aluguel” mensal. Este fundo cobra 0,46% a.a de adminstração e performance de 30% (benchmark) sobre o que bater a NTB com vencimento prox. a 6 anos.Teria algo no qual não me atentei e deveria ter tomado cuidado?

    • Leandro Ávila 16 de janeiro de 2017 at 16:41 - Reply

      Oi Junior, os fundos que investem em renda variável, costumam ter uma gestão ativa. É diferente do exemplo que apresentei no artigo onde o gestor faz apenas aquilo que qualquer pessoa poderia fazer através do Tesouro Direto, cobrando absurdamente caro por isso.

  22. Domingos Antônio Challout 16 de janeiro de 2017 at 15:45 - Reply

    Obrigado por mais uma dose de conhecimentos financeiros com provas( links, tabelas, gráficos, etc) e fáceis de entender!

  23. Karine Lisboa 16 de janeiro de 2017 at 15:49 - Reply

    Eu invisto em um fundo de uma corretora, com liquidez diária e taxa administrativa de 0,30%, que acho razoável. Uso como uma reserva de emergência e também como uma forma de ir juntando valores maiores pra depois aplicar em renda fixa. O que não consigo entender de jeito nenhum é que às vezes dou uma olhada em outros fundos da corretora que mostram uma rentabilidade absurda (ex: quase 120% nos últimos 12 meses, enquanto o meu rendeu 15%), com a taxa de administração maior, é claro, mas que mesmo assim pareceria vantajoso… Aí quando olho os documentos disponíveis para consulta do fundo, tem uma parte da lâmina chamada “exemplo comparativo”, e ali mostra, exemplificativamente, quanto uma pessoa que investiu R$ 1.000,00 no fundo em dez/2015 teria para resgate em dez/2016, e a pessoa teria na verdade perdido dinheiro, enquanto no fundo que eu aplico o saldo é positivo… Fico muito confusa, então, ao tentar comparar, porque aparentemente a porcentagem de rentabilidade de um fundo não quer dizer muita coisa. Essa diferença teria a ver com a volatilidade?

    • Leandro Ávila 16 de janeiro de 2017 at 16:44 - Reply

      Oi Karine. A taxa de 0,3% é uma boa taxa para manter recursos na sua reserva de emergência. Certamente este fundo faz investimentos conservadores de renda fixa e se está entregando 15% nos últimos 12 meses o resultado foi bom e acima da do CDI. No caso desses fundos que conseguiram 120%, estamos falando de pontos fora da curva, ou seja, entre dezenas de milhares de fundos sempre existe aquele gestor que acerta as apostas que fez. Isso não significa que ele terá o mesmo desempenho nos próximos 12 meses e aqui é onde mora o problema. Muitos investem em fundos de elevado risco olhando para o passado, acreditando que o desempenho passado gera alguma garantia sobre o rendimento futuro.

      • Karine Lisboa 16 de janeiro de 2017 at 17:34 - Reply

        Legal Leandro, eu na verdade estava olhando a rentabilidade do ano anterior (jan/2015 a jan/2016) e naquele ano esse mesmo fundo realmente teve um desempenho bem ruim… Por enquanto me mantenho no de perfil um pouco mais conservador mesmo. Obrigada pelo trabalho e a atenção!

        • Leandro Ávila 16 de janeiro de 2017 at 18:30 - Reply

          Oi Karine, se existisse fundo com resultado consistente, ano após ano, superando todos os demais investimentos, pode ter certeza que todos já estariam sabendo e todos já teriam investido neste fundo. O que ocorre é que sempre existe um fundo ou outro que se destaca, o problema é a falta de consistência quando os resultados são excepcionais.

  24. Tadeu 16 de janeiro de 2017 at 15:50 - Reply

    Parabéns, Leandro.

    Estava ansioso em ler mais um texto seu. Obrigado.

  25. Tadeu 16 de janeiro de 2017 at 16:01 - Reply

    Leandro, tenho Tesouro Selic e recebi da corretora a seguinte mensagem: Taxa de Custódia Tesouro Direto: R$ 22. Fiz um TED acima desse valor para fazer o pagamento desse valor e, o restante investir novamente no Tesouro Selic.

    No site do tesouro direto, ele informar o valor que terei que pagar a BM&FBOVESPA. Como funciona esse pagamento da taxa de custódia junto com a corretora? Para onde foi parar os R$ 22 que eu tinha decorrente dos 0,3% do lucro dos meu investimento.

    Muito obrigado por tudo!

    • Leandro Ávila 16 de janeiro de 2017 at 16:48 - Reply

      Oi Tadeu, no início e no meio do ano ocorre essa cobrança da custódia da BM&FBOVESPA e o dinheiro é sacado da sua conta na corretora. A taxa é de 0,3% mas a cobrança é feita duas vezes por ano, metade no começo e metade no meio. Esse dinheiro vai para a BM&FBOVESPA que é empresa, mas que é a bolsa de valores oficial do Brasil.

      • Tadeu 16 de janeiro de 2017 at 17:04 - Reply

        Leandro, desculpas pela minha ignorância.

        No extrato do site do tesouro direto, já constava esse valor da BM&FBOVESPA. Quer dizer que a informação que está no site sobre o valor a ser pago para a BM&FBOVESPA é só se eu vender o título no dia da verificação junto ao site? Como não vendi o título e eu paguei pela corretora, o valor que está no site é zerado e o investimento continua? Os 0,3% de lucro que tive sobre o investimento é “perdido” no início e meio do ano, pois tive que pagá-lo pela corretora?

        Mais uma vez peço desculpas pela minha ignorância e obrigado por diminui-la.

        • Leandro Ávila 16 de janeiro de 2017 at 17:15 - Reply

          Oi Tadeu. Quando você vende o título antecipadamente esse valor é descotado no momento da venda. A função do extrato do Tesouro Direto é dizer quanto você tem, dia após dia, caso tome a decisão de desistir do investimento. Se você não vender o título a taxa será cobrada assim mesmo e isso ocorre através da corretora.

  26. maria lucia 16 de janeiro de 2017 at 16:02 - Reply

    muito obrigada pelas orientações! gostaria de lhe pedir um favor;se pudesse me enviar a planilha de gastos mensais do Leonardo .Desde já obrigada.e um ótimo ano.

    • Leandro Ávila 16 de janeiro de 2017 at 16:48 - Reply

      Oi Maria, não sei quem é Leonardo e não sei que planilha seria essa.

  27. Camila 16 de janeiro de 2017 at 16:08 - Reply

    Muito bom, Leandro.
    As pessoas pagam caro por falta de conhecimento, por achar que o gerente do banco é seu amigo e oferecerá as melhores opções de investimento. Sou bancária, todos temos metas para bater… Apesar de trabalhar com outros produtos, sei como a máquina funciona.
    Obrigada pelo excelente conteúdo!
    Abraço

    • Leandro Ávila 16 de janeiro de 2017 at 16:50 - Reply

      Oi Camila, muito obrigado por deixar seu depoimento, ele tem grande valor especialmente pelo fato de você vivenciar isso no seu dia a dia. Compreendo que os bancários e os gerentes também são vítimas, pois aqueles que não conseguem bater metas acabam perdendo o emprego.

  28. Dirceu Amorim 16 de janeiro de 2017 at 16:13 - Reply

    Parabéns…. Mais um excelente e rico artigo.

  29. Ananias 16 de janeiro de 2017 at 16:17 - Reply

    Muito bom artigo! Parabéns Leandro!…

  30. José Marques 16 de janeiro de 2017 at 16:25 - Reply

    Parabéns Leandro. Excelente matéria.

  31. Raoni 16 de janeiro de 2017 at 16:45 - Reply

    Caro Lenadro, excelente artigo!
    Pegando o gancho do Cristiano sobre fundos de corretoras com baixa taxa de administração e melhores rentabilidades, seria interessante incluir um comparativo entre estes fundos e os CDBs de liquidez diária que costumam render menos, considerando os nefastos come cotas dos fundos.

    • Leandro Ávila 16 de janeiro de 2017 at 16:54 - Reply

      Obrigado Raoni. O problema do come-cotas é que ele antecipa o pagamento do imposto de renda sobre os rendimentos. No caso do CDB o seu dinheiro e os juros recebidos ficam aplicados, recebendo juros sobre juros, dia após dia, até o vencimento. Somente no vencimento é que o imposto de renda é recolhido. No caso dos fundos existe uma sangria da cada 6 meses e esse dinheiro que vai para o bolso do governo deixa de render juros sobre juros.

  32. Gonçalo 16 de janeiro de 2017 at 16:47 - Reply

    Mais um que foi pro meu Face, Leandro!! Abraço e obrigado!!!!

    • Leandro Ávila 16 de janeiro de 2017 at 16:54 - Reply

      Obrigado por compartilhar Gonçalo

    • Tadeu 16 de janeiro de 2017 at 17:09 - Reply

      Depois desse comentário, só me resta a fazer o mesmo.

      • Leandro Ávila 16 de janeiro de 2017 at 17:16 - Reply

        Oi Tadeu, ao compartilhar você me ajuda a ajudar outras pessoas que podem ser seus amigos, parentes e até desconhecidos.

  33. Dema 16 de janeiro de 2017 at 17:00 - Reply

    Valeu Sr.Leandro. Aguardo artigo sobre os Fundos Multimercado e se possível artigo sobre os COE(acho essa modalidade de investimento tipo loteria da sorte).

    • Leandro Ávila 16 de janeiro de 2017 at 17:11 - Reply

      Oi Dema, já temos um artigo sobre COE, visite.

      • Junior 16 de janeiro de 2017 at 17:26 - Reply

        E o artigo da balança (perda de peso) Leandro, novidades?

        • Leandro Ávila 16 de janeiro de 2017 at 18:28 - Reply

          Oi Junior. Sim, estou trabalhando neste artigo, 25kg mais magro. Junto com ele eu vou lançar um projeto paralelo ao Clube dos Poupadores, que também será gratuito, com foco no desenvolvimento e enriquecimento interior das pessoas, como caminho para o enriquecimento exterior. Baixos resultados na vida financeira, nas questões profissionais, de saúde e de relacionamento possuem a mesma origem. Devo divulgar esse projeto em breve.

          • Junior 17 de janeiro de 2017 at 8:24

            Obrigado Professor! Estou no aguardo deste projeto!

          • Leandro Ávila 17 de janeiro de 2017 at 13:53

            Obrigado Junior

          • Natália 17 de janeiro de 2017 at 8:47

            Parabéns Leandro!
            Vai ajudar muitas outras pessoas também!

          • Leandro Ávila 17 de janeiro de 2017 at 14:06

            Obrigado Natália

  34. Walter Jr. 16 de janeiro de 2017 at 17:18 - Reply

    Muito bom, e fundos também tem o risco de em casa de prejuízo do fundo, o cotista ser chamado para aporte para cobrir o buraco.

    • Leandro Ávila 16 de janeiro de 2017 at 18:18 - Reply

      Oi Walter. Os prejuízos refletem no valor de cada cota.

  35. Gustavo 16 de janeiro de 2017 at 17:23 - Reply

    Boa tarde Leandro,

    Os fundos Imobiliários também têm essa taxa de administração?
    Se sim, onde posso verificar a taxa de determinado fundo imobiliário?

    • Leandro Ávila 16 de janeiro de 2017 at 18:22 - Reply

      Oi Gustavo. Sim, os fundos imobiliários também possuem taxa de administração e outros custos que são rateados de tão forma que geram impacto nos lucros que os cotistas recebem mensalmente. Os fundos divulgam essas taxas e em alguns sites como esse aqui é possível ver uma listagem com elas.

  36. Rosa Dias 16 de janeiro de 2017 at 17:36 - Reply

    Boa tarde, Leandro! 16-01-2017
    Mais um excelente artigo para nossa reflexão!
    Tenho há muito tempo acompanhado seus artigos e divulgo no facebook, mas é muito difícil convencer as pessoas a se educarem através das leituras e estudo. Cada um faz a sua parte.
    Mais uma vez vejo a necessidade de fazer muitas simulações para ver o que realmente é mais vantajoso para cada um, afinal de contas cada um é cada um.
    Baseado nisso, fiz simulação no TD com o título IPCA+ 2019 (PRINC) paga uma taxa de 5,37%, 0,10 % da corretora, valor investido 68,000,00. Tx de inflação = 6%.
    RESULTADO DA SIMULAÇÃO
    Título: Tesouro IPCA+ (NTN-B Principal)
    Dias corridos entre a data de compra e a de vencimento: 848
    Dias corridos entre a data de compra e a de venda: 848
    Dias úteis entre a data de compra e a de vencimento: 579
    Dias úteis entre a data de compra e a de venda: 579
    Valor investido líquido: R$ 68.000,00
    Rentabilidade bruta (a.a.): 11,64%
    Taxa de Negociação (0,0%): R$ 0,00
    Taxa de administração na entrada: R$ 68,00
    Valor investido bruto: R$ 68.068,00
    Valor bruto do resgate: R$ 87.669,21
    Valor da taxa de custódia do resgate: R$ 541,86
    Valor da taxa de administração do resgate: R$ 102,78
    Alíquota média de imposto de renda: 15,00%
    Imposto de renda: R$ 2.853,69
    Valor líquido do resgate: R$ 84.170,89
    Rentabilidade líquida após taxas e I.R. (a.a.): 9,68%

    Com IR media de 15%  liquido do resgate: 84.170,89 lucro de 16.170,00 em +/- 2 anos
    O mesmo valor aplicado no BBRPLP PARC 10 MIL (TX ADM = 0,8%) nos últimos 2 anos 2014-21016 = deu 8773,00.
    O raciocínio de comparação está correto?
    Considerando que lucro passado não é garantia, que usei a variável de 6% para a inflação futura.
    Minha dúvida é : no campo tx de inflação para o período é uma previsão de 6% , a calculadora simula os 6% , ano a ano até o vencimento como 6% e em todas as simulações sempre será assim eu estimo um valor e será fixo.
    Mas na realidade, ano a ano as txs serão diferentes maiores ou menores, não tem como prever o futuro, estou certa no meu raciocínio ?
    Pretendo fazer outras simulações com o IPCA semestral.
    Desde já agradeço sua dedicação.

    Agora outra simulação :
    Baseado nisso, fiz simulação no TD com o título IPCA+ 2024 (PRINC) paga uma taxa de 5,56%, 0,10 % da corretora, valor investido 68,000,00. Tx de inflação = 6%.
    RESULTADO DA SIMULAÇÃO
    Título: Tesouro IPCA+ (NTN-B Principal)
    Dias corridos entre a data de compra e a de vencimento: 2767
    Dias corridos entre a data de compra e a de venda: 2767
    Dias úteis entre a data de compra e a de vencimento: 1900
    Dias úteis entre a data de compra e a de venda: 1900
    Valor investido líquido: R$ 68.000,00
    Rentabilidade bruta (a.a.): 11,88%
    Taxa de Negociação (0,0%): R$ 0,00
    Taxa de administração na entrada: R$ 68,00
    Valor investido bruto: R$ 68.068,00
    Valor bruto do resgate: R$ 158.666,40
    Valor da taxa de custódia do resgate: R$ 2.576,54
    Valor da taxa de administração do resgate: R$ 745,52
    Alíquota média de imposto de renda: 15,00%
    Imposto de renda: R$ 13.101,65
    Valor líquido do resgate: R$ 142.242,69
    Rentabilidade líquida após taxas e I.R. (a.a.): 10,27%

    Agora outra simulação :
    Baseado nisso, fiz simulação no TD com o título IPCA+ 2035 (PRINC) paga uma taxa de 5,48%, 0,10 % da corretora, valor investido 68,000,00. Tx de inflação = 6%.
    RESULTADO DA SIMULAÇÃO
    Título: Tesouro IPCA+ (NTN-B Principal)
    Dias corridos entre a data de compra e a de vencimento: 6692
    Dias corridos entre a data de compra e a de venda: 6692
    Dias úteis entre a data de compra e a de vencimento: 4599
    Dias úteis entre a data de compra e a de venda: 4599
    Valor investido líquido: R$ 68.000,00
    Rentabilidade bruta (a.a.): 11,80%
    Taxa de Negociação (0,0%): R$ 0,00
    Taxa de administração na entrada: R$ 68,00
    Valor investido bruto: R$ 68.068,00
    Valor bruto do resgate: R$ 521.429,58
    Valor da taxa de custódia do resgate: R$ 16.207,70
    Valor da taxa de administração do resgate: R$ 5.107,85
    Alíquota média de imposto de renda: 15,00%
    Imposto de renda: R$ 64.817,10
    Valor líquido do resgate: R$ 435.296,93
    Rentabilidade líquida após taxas e I.R. (a.a.): 10,70%

    • Leandro Ávila 16 de janeiro de 2017 at 18:34 - Reply

      Oi Rosa. A inflação futura sempre será um chute. Impossível prever qual será a inflação. O mesmo vale para a rentabilidade dos fundos. É impossível prever já que a rentabilidade depende do resultado dos investimentos que por sua vez vai depender da inflação futura, dos juros futuros, dos eventos políticos e econômicos previsíveis e imprevisíveis.

  37. Carlo 16 de janeiro de 2017 at 17:42 - Reply

    Vai ter artigo falando sobre os bons fundos de investimento na continuação? Seria bem interessante. Aqueles com taxas bem baixas ou aqueles que pagamos taxa de performance felizes pois o trabalho do gestor compensa. Atualmente existem fundos com taxas baixas e valores iniciais acessíveis em plataformas abertas tipo XP, Órama, BTG Pactual Digital etc. Eu entendo que investir direto é mais rentável, mas adoro a praticidade dos fundos, que nem sempre perdem em rentabilidade para o investimento direto.

    • Leandro Ávila 16 de janeiro de 2017 at 18:39 - Reply

      Oi Carlo. Eu não tenho nada contra os fundos, eu tenho contra o investimento sem plena consciência do que está sendo feito. Não vou fazer recomendações de fundos específicos pois estaria fazendo uma recomendação de investimento, ou seja, dizendo onde as pessoas devem investir no lugar de ensinar o como. Nada contra a praticidade, bastando que você compreenda (como mostra compreender) que a praticidade tem seu custo. Acho 3,8% apresentado no exemplo do artigo um custo muito elevado.

  38. Guilherme 16 de janeiro de 2017 at 17:49 - Reply

    Oi Leandro,

    Concordo com tudo que escreveu, mas gostaria de fazer uma ressalva: é importante distinguir os tipos de fundos, e não generalizar. É fato que diversos fundos possuem elevadas taxas e investem nosso dinheiro em títulos que nós mesmos poderíamos comprar, como você bem escreveu. Todavia, vou citar o meu caso como exemplo: faço a minha própria gestao de titulos de renda fixa, possuo praticamente todos disponíveis no mercado (tesouro, CDB, LCI, LCA, debentures…). Ocorre que, no cenário atual, em que juros e inflação estão em queda, e os títulos que adquiri com elevadas taxas ano passado já não possuem taxas tão atrativas, estou migrando parte do meu patrimônio (até como forma de diversificar) para fundos multimercados, obviamente após analisar bem cada um deles, saber quem é o gestor, taxas cobradas… Enfim, acredito que, embora não valha a pena investir na grande maioria dos fundos, ainda existem boas oportunidades em alguns fundos, levando-se em conta não apenas o cenário econômico, mas também o objetivo de diversificação do patrimônio.

    Abraços

    • Leandro Ávila 16 de janeiro de 2017 at 18:42 - Reply

      Oi Guilherme. Eu não generalizei no artigo. Fui bem específico e para isso até dei exemplos bem específicos. No artigo eu não tratei de fundos multimercado. Se você fez o investimento fazendo o seu dever de casa (da maneira que descreveu) não existe nada de errado nisso. É bem diferente dos milhões de brasileiros que estão investindo em fundos DI e fundos de renda fixa de grandes bancos pagando taxa de 3,8% ao ano por muitos e muitos anos.

  39. Daniel 16 de janeiro de 2017 at 17:58 - Reply

    Leandro, obrigado pelo artigo.
    O que você diria sobre os fundos cambiais?
    Graças a suas dicas, já há alguns anos substitui a poupança pelo Tesouro Direto.
    Recentemente, com a perspectiva de começar a fazer algumas viagens internacionais de férias, comecei a fazer micro aportes semanais em fundo cambial, a fim de me “garantir” em eventual variação brusca da moeda.
    Se cai, compro mais. Se subo, compro menos. E assim pretendo ir tirando uma boa média.
    Apesar de seus alertas sobre os fundos, não consegui ter acesso a uma maneira mais prática de investir em dólar, mormente porque não quero guardar o papel moeda debaixo do colchão.
    Será que estou em um bom caminho?
    Agradeceria se me desse sua opinião seja quanto ao dólar seja quanto a tais fundos.

    • Leandro Ávila 16 de janeiro de 2017 at 18:45 - Reply

      Oi Daniel. Os fundos cambiais são uma forma de seguir as variações do dólar (se for um fundo que investe nesta moeda) sem os riscos e custos envolvidos no ato de comprar e guardar dólares físicos em casa. Realmente é mais prático e seguro.

  40. Joanatan 16 de janeiro de 2017 at 18:16 - Reply

    Boa noite professor.
    Existe a possibilidade de Hacker’s roubarem nossos títulos. Ou nos prejudicar de alguma forma. O senhor tem dicas de segurança pra fazermos nossas transações online?
    Obrigado.

    • Leandro Ávila 16 de janeiro de 2017 at 18:46 - Reply

      Oi Joanatan, desconheço essa possibilidade. Nunca ouvi falar de alguém que tenha tido seus títulos ou cotas de fundos roubadas por hackers.

    • Marcos Arcanjo 20 de janeiro de 2017 at 10:36 - Reply

      Seria uma tarefa difícil pois o hacker teria que fazer acesso a sua conta corretora e a sua conta bancária. Além disso as movimentações de venda título são informadas via email, o que lhe alertaria.

  41. Claudinei Fernandes 16 de janeiro de 2017 at 18:18 - Reply

    Excelente artigo, Leandro. Parabéns e obrigado.

  42. Enderson 16 de janeiro de 2017 at 18:35 - Reply

    Excelente artigo Leandro!
    Gostaria de saber se teria algum artigo, ou indicação de site, sobre investimento para pessoa jurídica.
    Obrigado

    • Leandro Ávila 16 de janeiro de 2017 at 18:57 - Reply

      Oi Enderson. A pessoa jurídica fica um pouco limitada no momento de investir. Existem os fundos de investimento, CDB e compromissadas dos bancos que podem ser comprados pelas pessoas jurídicas. É possível ter conta pessoa jurídica nas corretoras. Você até pode comprar títulos públicos como pessoa jurídica, mas não será pelo Tesouro Direto, deverá ser pelo mercado secundário. Algumas corretoras vendem e compram títulos no mercado secundário. As taxas são diferentes das taxas do Tesouro Direto por embutirem a remuneração da corretora nestas operações. Existem investimentos onde pessoa física não pagam imposto de renda, mas se forem feitos por pessoas jurídicas existe a cobrança como LCI, LCA, Debêntures Incentivadas, CRI e CRA.

  43. Henrique 16 de janeiro de 2017 at 18:50 - Reply

    Boa noite Leandro. Obrigado pelos ensinamentos. No caso de fundos de renda fixa que investem em um cdb do banco ”X” e o banco ”X” quebrou, o fundo recebe alguma garantia do FGC ou o mesmo só garante pessoas físicas?

  44. Elias 16 de janeiro de 2017 at 19:41 - Reply

    Obrigado prezado, pelo esclarecimento. O conhecimento é a oportunidade de vencer!

    • Leandro Ávila 17 de janeiro de 2017 at 7:07 - Reply

      Oi Elias, é isso mesmo. Ele é a base sólida onde devemos construir nossa vida.

  45. Moisés Fonteles 16 de janeiro de 2017 at 19:45 - Reply

    Mais uma aula incrível. Parabéns!

  46. Delmo 16 de janeiro de 2017 at 21:05 - Reply

    Excelente Leandro, adorei a matéria! Estou ansioso pela publicação de citou fazer no futuro sobre fundos multimercados. Eu faço gestão direta dos meus investimentos de renda fixa, porém decidi também diversificar com um fundo de previdência multimercado de baixa volatilidade (sem come cotas e tributação regressiva que pode chegar a 10% dos rendimentos). Apesar de pagar 1,5% de taxa de adm, percebi que fiz uma escolha rentável: nenhum mês negativo em 2016 e rentabilidade de 18% em 12m, 31% em 24m e 41% em 36m.

    • Leandro Ávila 17 de janeiro de 2017 at 7:08 - Reply

      Oi Delmo, se você fez uma escolha consciente e os resultados são positivos, isso que importa.

  47. Eduardo 16 de janeiro de 2017 at 21:05 - Reply

    Tem um jeito de lucrar com esses fundos; sendo sócio dos bancos.

    Abs

    • Leandro Ávila 17 de janeiro de 2017 at 7:11 - Reply

      Oi Eduardo. Isso é verdade, é uma alegria receber a cartinha que o banco envia a quem possui suas ações (negociadas na bolsa) informando que ocorrerá distribuição de lucros e dividendos. Se as pessoas pelo menos tivessem o interesse de aprender a investir na bolsa, poderia participar dessa distribuição.

  48. Alex 16 de janeiro de 2017 at 21:08 - Reply

    Olá Leandro. Muito obrigado, suas dicas são sempre muito valiosas.
    Você faz um trabalho extraordinário, só temos a agradecer!!!

    Aguardo o seu post sobre fundos multimercados.

  49. Aguinaldo 16 de janeiro de 2017 at 21:12 - Reply

    Obrigado, hoje à tarde estava dando uma olhada nos títulos públicos adquiridos em janeiro do ano passado, Tesouro IPCA+2035, dispensa comentários, mas quem leu suas postagens está comemorando o resultado, o melhor disso tudo, Leandro. Você entregou essas valiosas informações gratuitamente. Essa febre de fazer dinheiro pela internet muitos enviam 2,3 e-mails e marca um evento online lhe ofertando um curso por 3 , 4 mil reais,não sou contra, é o negócio desse profissional, com isso quero destacar a importância e a forma de como você entrega tantos conteúdos preciosos aos seu leitores.Finalizo com muito obrigado!!

    • Leandro Ávila 17 de janeiro de 2017 at 7:24 - Reply

      Oi Aguinaldo. Você deve agradecer aos milhares de leitores do Clube dos Poupadores que durante o último ano adquiriram meus livros ou fizeram alguma doação através da opção que existe no topo do site. Também deve agradecer os leitores que compartilharam o conteúdo do site e ajudaram a divulgar o conteúdo entre pessoas que posteriormente adquiriram os livros. Para produzir todo esse conteúdo e manter o site no ar atendendo centenas de milhares de pessoas por mês existem custos elevados que são pagos indiretamente pelos leitores que investem nos livros que escrevo. Eu acredito no poder da gratidão e da reciprocidade. Acredito que é dando que se recebe (nesta ordem). Muitos leitores transformam suas vidas através do conteúdo que ofereço sem custos e posteriormente esses mesmos leitores adquirem meus livros como forma de apoiar o projeto, pois sabem que dessa maneira outras pessoas poderão ser beneficiadas, muitas vezes essas pessoas serão seus próprios amigos, vizinhos e parentes. Infelizmente, nem todas as pessoas estão preparadas para compreender que esses 3 mil investidos em educação vão proporcionar retorno muito maior se os conhecimentos realmente foram assimilados e colocados em prática. Para essas pessoas que não compreendem a importância de investir na própria educação é fundamental a existência de um projeto que ofereça esse conteúdo de qualidade, financiado através dos leitores que já entendem o valor do conhecimento.

  50. rodrigo 16 de janeiro de 2017 at 21:58 - Reply

    Leandro, e quantos aos fundos de renda fixa que nao investem em titulo publico apenas? Tenho cotas em fundos classificados como RF que tiveram rentabilidade em 2016 acima dos 25%, quase o dobro destes fundos conservadores dos grandes bancos.

    • Leandro Ávila 17 de janeiro de 2017 at 7:25 - Reply

      Oi Rodrigo, existem exceções e o difícil será encontrar algum que mantenha esses resultados por muito tempo.

  51. Michael Stuart 16 de janeiro de 2017 at 23:06 - Reply

    Ola Leandro, ficou claro no artigo, mas estou vendo duas areas de confusao por parte de alguns leitores.

    – Fundos passivos (como DI, RF).. Melhor investir no TD sem cobrança da corretora, entao despesa liquida de 0,30%. Se conseguir um fundo com taxa de administraçao igual – como aquele novo fundo Prestige da Personnalite -, entao tanto faz (com mais tempo de analise sobre o desempenho do novo fundo).

    – Fundos ativos (Multimercados, RV). Se um gestor conseguir contribuir “alpha” (valor agregado consistente acima do indice) e cobra uma taxa que justifica isso, entao nada contra. O problema e que, como voce bem explicou, o performance do passado nada garante no futuro, e realmente os investidores estao fazendo uma aposta (na habilidade no gestor). Nos EUA, varios “hedge funds” (multimercados la) ate mais ou menos 7 anos atras conseguiram contribuir alpha’s impressionantes and consistentes. Assim, muitos recursos entraram, e inumeros novos fundos entraram no mercado. Com esta ‘popularizaçao,’ com demais gestores procurando oportunidades cada vez mais dificieis de encontrar, o nivel de performances baixou muito, e hoje em dia tanto PF’s quanto PJ’s estao abandonando tais hedge funds. No caso do Brasil, eu acho que agora e como a decada atrras nos EUA – com muitas ineficiencias que um bom gestor aqui poderia encontrar – Ineficiencias que ja nao existem nos EUA. Por isso, invisto em alguns multimercados aqui, onde o gestor poderia efetuar o ‘arbitrage.’ Esta fatia da carteira seria dinheiro que eu poderia perder mesmo– igual a RV, e considerando isso, estou pronto a assumir o risco (‘aposta’).

    • Leandro Ávila 17 de janeiro de 2017 at 7:31 - Reply

      Oi Michael. Na verdade eu não escrevi o artigo falando sobre fundos multimercado. Falei apenas sobre os fundos que as pessoas mais investem que são os fundos DI e fundos de Renda Fixa. É nestes fundos onde a maioria das pessoas que investe em fundos está investindo, especialmente aqueles mais populares oferecidos pelos grandes bancos. O fato é que ao investir em fundos de gestão ativa você está simplesmente remunerando alguém para cuidar do seu dinheiro. Ele pode ser bem-sucedido ou não, de uma forma ou de outra ele irá cobrar suas taxas. Meu objetivo aqui é que as pessoas compreendam e aprendam a importância de ler, estudar e entender como o gestor irá investir o seu dinheiro. É o mínimo que cada um deve fazer se tomar a decisão de transferir essa responsabilidade para terceiros.

  52. Gilberto 17 de janeiro de 2017 at 0:43 - Reply

    Leandro perfeito, também acho um absurdo essas taxas e esse dinheiro aplicado nestes fundos sangue sugas. Bom entendendo toda filosofia eu me aliei a eles e hoje recebo dividendos, juros de capital próprio e bonificação por isso virei sócio de dois grandes bancos do varejo.

    Eu particularmente comecei no Tesouro Selic até atingir um valor para entrar em um Fundo DI Crédito Privado de uma instituição privada que me da 105% do CDI com liquidez diária e uma taxa de adm de 0.40% a.a. Ao meu ver é mais vantajoso que Selic, mas claro para ter acesso a este fundo precisa investir um valor considerável para entrar, após os aportes mínimos são de apenas R$100,00 e estou usando ele como reserva de emergência. Continue com os artigos, sucesso!

    • Leandro Ávila 17 de janeiro de 2017 at 7:33 - Reply

      Oi Gilberto. Os fundos que cobram taxas menores, próximas do que você teria investindo no Tesouro Selic, são justamente os que exigem uma imobilização de patrimônio muito grande em uma única modalidade de investimento de uma única instituição.

      • Gilberto 17 de janeiro de 2017 at 15:39 - Reply

        Leandro é isso mesmo, neste caso o fundo é conservador e tem uma volatilidade de 0,10%, gestão ativa e não é um valor tão absurdo assim para entrar. A composição da carteira contém títulos públicos, CDB pós fixado, LF, Debênture, FIDC e o objetivo é superar o CDI sem taxa de performance.

        Bem estou confortável com isso por acreditar na empresa que administra e gere o fundo e por ser sócio dela. Estou compartilhando minha experiência mesmo que pequena, foi através de pesquisa e conhecimento que adquiri através de seu blog e outros materiais na internet que encontrei algo que me atenda para reserva de emergência, fica aqui o conselho para os demais leitores do blog. Sucesso

    • Fernando 17 de janeiro de 2017 at 11:10 - Reply

      Gilberto, pode dizer qual é esse fundo e qual é o valor mínimo a ser investido?

      • Leandro Ávila 17 de janeiro de 2017 at 14:12 - Reply

        Oi Fernando, isso vai se tornar recomendação de investimento. O hábito que eu sempre critico.

      • Gilberto 17 de janeiro de 2017 at 15:44 - Reply

        Fernando prezo pelo mesmo comportamento do Leandro, não gosto de indicar investimento. O mais plausível é você aprender a pescar e ir atrás de conhecimento e fazer suas decisões sozinho. Aconselho pesquisar e fazer comparações de fundos alinhado a seus objetivos! Sucesso

  53. Eduardo 17 de janeiro de 2017 at 6:59 - Reply

    Parabéns Leandro por mais esse texto!
    Uma dúvida:
    Você sabe como faço para calcular quanto tenho no tesouro ipca atualmente (não o valor que está hoje pela variação dos juros).
    E o valor que tenho hoje no caso de deixar o valor investido até o vencimento.
    Obrigado!

    • Leandro Ávila 17 de janeiro de 2017 at 7:35 - Reply

      Oi Eduardo. Você tem a variação do IPCA entre data da compra e o dia de hoje somado a taxa anual de juros que foi prometida no momento da compra do título. Esse artigo pode ajudar.

  54. Rafael 17 de janeiro de 2017 at 7:38 - Reply

    Leandro, você recomendaria algum curso que vc tenha feito para quem quer começar a investir em ações?
    Vc disse que fez o GUIAINVEST, ÁRVORE DA RIQUEZA também.
    Qual a sua opinião sobre os 2?
    Acha que eles preparam efetivamente para começarmos a investir?

    • Leandro Ávila 17 de janeiro de 2017 at 13:16 - Reply

      Oi Rafael. Fiz o Árvore da Riqueza e sou assinante do GuiaInvest Pro para poder acessar as ferramentas que ajudam na análise fundamentalista. Acho que é um ótimo começo por ser um produto criado para quem está começando do zero. Com ele você terá a base necessária para avançar.

  55. Tadeu 17 de janeiro de 2017 at 8:07 - Reply

    Leandro, iniciando os estudos em ações. Percebi que há analise gráfica e fundamentalista. Qual você acha mais “conservadora” e sensata?

    • Leandro Ávila 17 de janeiro de 2017 at 13:22 - Reply

      Oi Tadeu. A Análise Gráfica é divertida, lembra vídeo-game onde errar significa perder dinheiro. Você aprende as regras do jogo e depois joga. O problema é que se trata de uma atividade viciante como qualquer jogo. Exige muito controle emocional, persistência, paciência, treino, experiência, como em qualquer jogo. Na análise técnica você opera qualquer coisa que tenha potencial de alta no curto prazo. Você opera como um especulador. Pode ganhar dinheiro, mas pode perder tudo. No longo prazo você vai gastar um enorme tempo ganhando e perdendo, ganhando e perdendo, tempo que poderia ter gasto com outras atividades. Na análise fundamentalista você realmente aprende a identificar boas empresas para investir. As grandes fortunas que se formam na bolsa são de investidores que sabem observar os números e os dados das empresas para investir com consciência, como se você realmente fosse sócio ou dono da empresa.

  56. Fernando 17 de janeiro de 2017 at 8:38 - Reply

    Oi Leandro,
    Tenho aprendido muito com seus artigos. Muito obrigado!
    Só para certificar se eu estou entendendo de forma correta, Como incide Imposto de Renda nos rendimentos do Tesouro Direto (15% no longo prazo) , eu posso considerar que um investimento no Tesouro Selic estaria bem próximo de um investimento em LCI com a 85% CDI?
    (Estou dizendo bem próximo já que o CDI costuma ser próximo da SELIC)

    • Leandro Ávila 17 de janeiro de 2017 at 14:06 - Reply

      Oi Fernando. A grosso modo seria isso. Devemos apenas considerar que LCI costuma exigir um investimento maior (milhares ou dezenas de milhares de reais), o dinheiro fica imobilizado até o vencimento e os bancos que oferecem as melhores taxas são bancos pequenos e devemos considerar que a diferença de risco. Para investir em LCI, LCA e CDB é de necessário exigir que a rentabilidade supere o Tesouro Direto.

  57. Ricardo 17 de janeiro de 2017 at 8:47 - Reply

    Olá Leandro. Parabéns novamente pelo artigo!
    Apenas para contribuir um pouco com o assunto: Eu sou correntista do BB e o dinheiro que fica na CC “parado”, o banco aplica automaticamente no fundo que você se referiu (“BB Renda Fixa LP 100”) e resgata à medida que seja necessário para cobrir débitos da CC. Não sei se esse procedimento acontece para todos os correntistas do BB, mas talvez por isso o valor do PL do fundo e número de cotistas seja tão alto. No final de cada mês, eu observo o extrato do fundo e vejo o valor alto que pago de IR e IOF (pois os resgates ocorrem com menos de 30 dias), porém há um “rendimentozinho” que compensa o que seria nada se ficasse o dinheiro na CC. No meu caso, como a minha fonte de renda é única e ocorre uma vez a cada mês, no início de cada mês eu verifico quanto eu vou necessitar de dinheiro para pagar as despesas mensais que eu projeto e a diferença eu já transfiro para corretoras para as aplicações mensais, mas o dinheiro para pagar as despesas do mês fica na CC até ser todo consumido. Então, no meu caso, até acho vantajoso esse fundo, mas jamais aplicaria dinheiro lá diretamente.
    Abraço,
    Ricardo.

    • Leandro Ávila 17 de janeiro de 2017 at 14:07 - Reply

      Oi Ricardo, neste caso por menor que seja a rentabilidade é menor do que a rentabilizado zero.

  58. Fernanda Sodré 17 de janeiro de 2017 at 8:51 - Reply

    O melhor é o nome dos fundos tipo “TOP CONSERVADOR”… aí a pessoa acha que está sendo muuuiito top conservadora com o dinheiro… mal sabe ela. Agradeço o dia que conheci este site à 2 anos atras e comecei a abrir os meus olhos! Muito obrigada!

  59. sandro 17 de janeiro de 2017 at 9:36 - Reply

    Pergunta, quando o fundo informa a rentabilidade dos últimos 12 meses, ele já deduz as taxas (administração e performance), mas e o “come-cotas” é considerado?

    Acho que seria interessante um artigo sobre o “come-cotas”, pelo que entendo você paga um IR 2 vezes ao ano de 15% em relação aos ganhos. Isso tem um problema, no caso da aplicação tiver prazo menor que 2 anos e fosse resgatada, o IR deveria ser maior, logo entendo que essa diferença seria cobrada no resgate. Também haveria mais um pagamento de IR devido a diferença entre a última “comida” e o dia do resgate, pois houve ganho nesse período. Essa análise está correta?

    • Leandro Ávila 17 de janeiro de 2017 at 14:10 - Reply

      Oi Sandro. Quando os fundos informam a rentabilidade a taxa já foi descontada dessa rentabilidade. Se você sacar o dinheiro antes de completar 2 anos, ai o governo desconta a diferença no momento do saque.

  60. eugenio teixeira 17 de janeiro de 2017 at 10:51 - Reply

    Como sempre um esclarecimento de grande valor para nós que não sabemos bem como aplicar nossos escassos recursos. Obrigado. Leandro.

  61. Aline 17 de janeiro de 2017 at 11:35 - Reply

    Boa tarde Leandro Àvila, estou iniciando meus estudos em educação financeira. Gostaria de uma informação, como faço para saber se um fundo DI do Banco Itaú possui fundo garantidor do Governo? desde já agradeço sua resposta

    • Leandro Ávila 17 de janeiro de 2017 at 14:15 - Reply

      Oi Aline. O fundo garantidor não é do governo. É uma entidade criada e mantida pelos bancos onde todos os bancos são obrigados a contribuir. No caso dos fundos de investimento existe o um produto do FGC chamado DPGE que o fundo pode utilizar. Funciona como um seguro. http://www.fgc.org.br/?conteudo=1&ci_menu=1331

  62. Max 17 de janeiro de 2017 at 11:45 - Reply

    Leandro, boa tarde. Perdoe minha ignorância, mas estou aprendendo sobre fundos de investimento agora… então significa que posso entrar e sair do fundo a qualquer momento, quando achar que meus rendimentos ( ou prejuízo, como você mostrou que pode ocorrer em muitos casos) estão de acordo com minha expectativa ? Obrigado !

    • Leandro Ávila 17 de janeiro de 2017 at 14:16 - Reply

      Oi Max. Isso depende das regras de cada fundo. A maioria permite que você entre e saia a qualquer momento, mas existem fundos com carência. Essa informação é uma das muitas que você deve consultar na página da instituição que oferece o fundo.

  63. IVO DE MOURA 17 de janeiro de 2017 at 12:25 - Reply

    Sua dica chegou na hora certa!
    Hoje mesmo estava pronto pra investir em um fundo de ações… Então abri a caixa de emails e fui linkado pra seu artigo.
    A ideia de investir em fundos veio depois de ler uma reportagem que destacava a comodidade de faze-lo.
    Agora vou repensar a possibilidade de juntar mais um pouco pra no futuro investir diretamente em renda variável (depois de estudar mais ainda).
    Ontem li seu e-book sobre Tesouro Direto. Eu já vinha investindo em tesouro, mas o texto me esclareceu muita coisa e agora estou mais seguro pra continuar.
    OBRIGADO!

    • Leandro Ávila 17 de janeiro de 2017 at 14:18 - Reply

      Oi Ivo, é importante não fazer investimentos movido por reportagens. Muitas vezes essas reportagens funcionam como propaganda daqueles que querem vender fundos. O ideal é que você faça o investimento sabendo o que está fazendo.

  64. Fábio Bastos 17 de janeiro de 2017 at 12:34 - Reply

    Boa tarde Clube dos Poupadores…………
    Leandro, eu lendo o artigo parecia até trabalho de Sherlock Holmes para desvendar os mistérios atrás de um Fundo de Investimentos, muito legal e bem didático. É muito gratificante ler seus artigos, realmente você se debruça nos dados e corre atrás para esmiuçar os mínimos detalhes. Realmente os bancos estão cada vez mais ricos e acredito que muita parte se deve ao desconhecimento do povo em finanças, mas com o tempo alguns já estão abrindo os olhos e a internet está ajudando nisso. Fiquei imaginando se esses fundos de alguma forma garantem algum rendimento anual ou se podemos ano final de um ano ainda ter algum tipo de perda financeira ou diminuição da quantidade de cotas que temos.
    Parabéns……….

    • Leandro Ávila 17 de janeiro de 2017 at 14:20 - Reply

      Oi Fábio. Esses fundos de renda fixa, especialmente os que fazem investimentos pós-fixados, dificilmente apresentam perdas. Os que fazem investimentos prefixados e em títulos que rendem juros prefixados e inflação podem resultar em rentabilidade negativa, mas é raro. Já os fundos de ações, fundos multimercado e outros que fazem investimentos de renda variável podem apresentar rentabilidade negativa e isso é comum.

  65. Pablo 17 de janeiro de 2017 at 12:45 - Reply

    Olá Leandro, sempre leio suas matérias e todas me ajudam na educação financeira. Acho seu posicionamento diferente da maioria dos educadores financeiros.
    Você nunca tenta vender um produto de um banco ou de qualquer outra instituição financeira. Você ensina sobre todas as opções possíveis de investimento e deixa que a gente escolha a melhor opção.
    E com certeza fundos de investimentos não é a melhor opção de investimento…

    Atualmente acho que a melhores opções de investimentos estão nos banco de segunda linha que pagam CDB de 100% à 103% do DI com liquidez diária e LCI de 100% do DI com vencimento em dois anos. Fazer um mix entre estes dois produtos pode trazer uma boa rentabilidade.

    Seu trabalho estimula as pessoas a buscarem as melhores soluções em investimentos.
    Continue assim…sucesso…!

    • Leandro Ávila 17 de janeiro de 2017 at 14:23 - Reply

      Oi Pablo, obrigado pelo apoio. Meu objetivo é motivar o leitor a buscar informações para tomar suas decisões conscientes sem a necessidade de seguir as recomendações dos outros.

  66. Noga 17 de janeiro de 2017 at 14:08 - Reply

    Leandro, acessei a lâmina de fundo BB RENDA FIXA LP 100 FIC FI e lá pude ver que além da Taxa de Administração, havia uma taxa total de despesas onde consta “As despesas pagas pelo fundo representaram 1,8886% do seu patrimônio líquido diário médio no período que vai de 01/01/2016 a 30/12/2016 . A taxa de despesas pode variar de período para período e reduz a rentabilidade do fundo.” No caso, essa despesa de 1,8886% do patrimônio líquido diário já está incluso nos 3,8% da taxa de administração? Ou além da Taxa de ADM, há também a taxa total de despesas?

    Leandro, obrigado por tudo. Você mudou todas noções de finanças que estava enraizada em mim desde quando era criança. Sou muito grato a você mesmo. Estou ajudando bastante alguns amigos, minha namorada e minha mae graças a seus conselhos. Continue com esse belo trabalho. Você vai colher muitos frutos ainda. OBRIGADO

    • Leandro Ávila 18 de janeiro de 2017 at 8:26 - Reply

      Oi Noga. Não tinha percebido a existência dessa taxa de despesas. Na lâmina diz que essa taxa é variável, cada ano é diferente do outro e que em 2016 foi de 1.88% e que isso foi descontado da rentabilidade do fundo. Isso significa que além dos 3,8% de taxa de administração (que é o lucro da instituição financeira) ainda existe essa taxa de despesas variável, que ninguém sabe com certeza qual será, que fará o investidor ter ainda mais perdas. Agora imagine o tamanho dessas despesas, 1,88% descontado de 9 bilhões de reais. No documento de demonstrações financeiras aparece uma despesa de “serviços contratados pelo fundo” de 233 milhões. Agora, quem vai saber que despesas milionárias seriam essas para o fundo investir o seu dinheiro em outro fundo do mesmo banco, ou seja, trabalho de gestão de nível zero com custos e remunerações milionárias.

  67. Ribeiro 17 de janeiro de 2017 at 15:55 - Reply

    Prezado Leandro, obrigado por teus excelentes artigos !

    Eu, infelizmente sou totalmente relaxado quando o assunto é INVESTIR, mesmo lendo teus artigos. Mas esse ano minha atitude irá mudar !!! Quero investir, final de semana li e vi os vídeos do site do TESOURO DIRETO, e fiquei muito interessado, mas fiquei na dúvida de qual instituição agente de custódia devo escolher, para intermediar a operação. Minha conta corrente é no BB.
    Agradeço seu comentário.

    • Leandro Ávila 18 de janeiro de 2017 at 8:27 - Reply

      Oi Ribeiro. Recomendo que leia o artigo que temos no Clube dos Poupadores sobre como escolher uma corretora. Recomendo ainda que dedique tempo estudando o funcionamento dos títulos antes de investir.

  68. Moisés 17 de janeiro de 2017 at 16:05 - Reply

    Parabéns Leandro! Excelente texto. Extremamente claro que faz brotar simultaneamente sentimentos de frustração e indignação. Frustração por ter sido enganado por tanto tempo. Indignação porque a legislação permite a exploração da ignorância do investidor de boa-fé. Obrigado.

    • Leandro Ávila 18 de janeiro de 2017 at 8:30 - Reply

      Oi Moisés, a frustração é um sinal de que alguma coisa mudou dentro de você para sempre. Não devemos esperar que nenhuma legislação nos proteja da nossa própria ignorância. É uma responsabilidade nossa. Os próprios legisladores, eleitos pela população, tiram proveito da nossa ignorância e são eleitos fazendo uso do dinheiro de empresas que por sua vez também exploram nossa ignorância como oportunidade de negócio. Devemos assumir a responsabilidade por nossa ignorância.

  69. Roberto 17 de janeiro de 2017 at 16:08 - Reply

    Obrigado Leandro. Mas um ótimo artigo.Voce passa muita segurança nos artigos que escreve.sou grato pela ajuda inestimável. ..abraços

  70. Wander 17 de janeiro de 2017 at 16:53 - Reply

    Oi Leandro,

    Gostaria de um artigo falando sobre as fintechs que oferecem Robo Advisors, como a Vérios.

    • Leandro Ávila 18 de janeiro de 2017 at 8:32 - Reply

      Oi Wander. Se já temos um problema transferindo a responsabilidade por nossas decisões de investimentos para terceiros, imagine transferindo essa responsabilidade para robôs criados e programados por terceiros. Precisamos parar de buscar atalhos e devemos assumir o controle.

  71. Janir 17 de janeiro de 2017 at 19:35 - Reply

    Olá! Ótimo artigo, principalmente a análise do LP 100.
    Eu estou em busca em uma planilha igual a planilha do clube dos poupadores “CP-Simulador_Investimento.xlsx” mas tenha o efeito come-cotas.

    • Leandro Ávila 18 de janeiro de 2017 at 8:33 - Reply

      Oi Janir. O come-cotas, se não me engano é calculado diariamente e sacado pelo governo 2 vezes por ano. Você pode adaptar a planilha para simular esses saques semestrais, mas não terá precisão, será apenas uma aproximação.

  72. Rodrigo 17 de janeiro de 2017 at 19:47 - Reply

    Obrigado Leandro pelo conhecimento.
    Os banqueiros enriquecem nas custas daqueles que não têm educação financeira.
    Parabéns.

    • Leandro Ávila 18 de janeiro de 2017 at 8:37 - Reply

      Oi Rodrigo. Não só os banqueiros. As pessoas que emprestam dinheiro para os banqueiros através dos mais diversos tipos de investimento também participam. O governo que arrecada impostos dos banqueiros e do investidor que recebe os juros, também participa. As empresas que vendem seus produtos e serviços através de financiamentos, encontraram uma ótima forma de vender para aqueles que não possuem dinheiro. Fazem uso dos bancos e financeiras para vender através de crediários, empréstimos e financiamentos. Resumindo: todo mundo ganha quando você não cuida do seu dinheiro, menos você. Se as regras do jogo são essas, que pelo menos as pessoas fiquem do lado menos certo, que é aquele lado onde você irá receber juros, dividendos e lucros das instituições financeiras no lugar de pagar taxas e juros.

  73. Horácio Pires 17 de janeiro de 2017 at 20:24 - Reply

    Caro Leandro. Em relação a títulos públicos e renda fixa, concordo plenamente com você, tendo em vista a facilidade de adquirir mediante exclusivamente corretora os papéis.
    Mas em relação a fundos de ação? O que você acha, tendo em vista que o investimento em ação é bem mais complexo e exige experiência e expertise de quem opera?

    • Leandro Ávila 18 de janeiro de 2017 at 8:39 - Reply

      Oi Horácio. Fundo de ação é uma forma de remunerar os outros para que invistam seu dinheiro em ações sem ter qualquer garantia de que eles terão um desempenho melhor que o seu. Devo escrever sobre isso.

  74. Tiago 17 de janeiro de 2017 at 22:06 - Reply

    No momento invisto em fundos de renda fixa com taxa de administração de 1 a 1,5% para reserva de capital de giro. Me importo mais com liquidez imediata dos fundos. Tenho titulos publicos também e pretendo preservar os titulos para longo prazo . Geralmente prefiro os fundos para aplicação do que os CDB dos grandes bancos que fixa uma taxa melhor com grandes aportes.

  75. Kleber 18 de janeiro de 2017 at 6:06 - Reply

    Obrigado Leandro excelente texto, engraçado que mesmo depois de um artigo desses as pessoas ainda querem saber de aplicação em fundos.

    • Leandro Ávila 18 de janeiro de 2017 at 8:41 - Reply

      Oi Kleber, as pessoas podem investir em fundos. Fundos como esses de renda fixa possuem liquidez diária, rendem diariamente e superam a poupança. São alternativas para uma reserva de emergência. O problema é que existem milhares de fundos e normalmente as pessoas investem nos piores por não saberem fazer o que acabo de fazer neste artigo que é observar o desempenho dos fundos, suas taxas e onde o dinheiro está sendo investido.

  76. Alison 18 de janeiro de 2017 at 7:24 - Reply

    Leandro, vc enquadraria os fundos de índices ETFs nessa categoria? Faça o post sobre ETfs homi. Obrigado!

  77. Andre 18 de janeiro de 2017 at 8:55 - Reply

    Bom dia Leandro adoro seus artigos, mas quero lhe fazer uma pergunta um pouco diferente, você sabe se existe algum tipo de investimento que não cobra imposto de renda e que tenha mais rentabilidade e sendo semelhante a poupança?

    Muito Obrigado
    Andre

    • Leandro Ávila 20 de janeiro de 2017 at 16:57 - Reply

      Oi André. Existe LCI e LCA que são títulos privados onde não existe a cobrança de imposto de renda.

      • Andre 27 de janeiro de 2017 at 8:17 - Reply

        Muito Obrigado Leandro por tirar minhas dúvidas

        Agradecido
        Andre

  78. conceição a p de souza 18 de janeiro de 2017 at 13:48 - Reply

    Leandro, artigo ótimo obrigada. Não sei se houve a informação sobre “índice de volatilidade” do Fundo. Tenho um fundo que diz 8% vol e outro 6% vol. Existe alguma “base” razoável para analisar a volatilidade? Meu Banco comenta que tem um fundo com vol de 3 % e acha que é alto e aconselha um vol de 0,5%. Acredito que o índice “vol” tá relacionado à agressividade do fundo/rentabilidade etc.não é ? Maior risco maior vol ? Quero tb ser avisada sobre fundos de multimercado. Sigo V. e gosto muito das explicações bem didáticas. obrigada, abraço conceição

    • Leandro Ávila 20 de janeiro de 2017 at 16:56 - Reply

      Oi Conceição, ainda não falei de índice de volatilidade, mas irei falar.

  79. Monica 18 de janeiro de 2017 at 15:15 - Reply

    Depois que comecei a me interessar por educação financeira, melhorei meus rendimentos. O Gerente ficou chateado porque retirei tudo do Itau e procurei uma Corretora com taxas bem menores e comecei a aplicar em TD e ações (por conta própria (aprendi tb como funciona o mercado de ações). Chegamos a conclusão: para quê entrar em um fundo se você mesma pode ser sua própria gestora do seu $ e não ter que pagar nada por isso. As pessoas são muito acomodadas, conheço muitas, principalmente mulheres, eu sou exceção.

  80. Sósthenes Silva 18 de janeiro de 2017 at 15:20 - Reply

    Bom dia Leandro, ótimo artigo, obrigado! Agora eu tenho uma dúvida com um assunto diferente mas não sei por onde posso tirar dúvidas, sou novo aqui no Clube dos Poupadores, pode ser por aqui mesmo? Eu gostaria de saber sobre o IQ OPTION, algumas pessoas me falam como sendo uma boa opção de investmento… isso condiz? É confiável? Desde já, obrigado Leandro!

    • Leandro Ávila 19 de janeiro de 2017 at 10:46 - Reply

      Oi Sósthenes. Nada mais é do que um video game onde você pode perder dinheiro. Já ganhar dinheiro eu acho difícil pelo fato de ser como um casino. Quando você ganha uma vez a coisa vira vício e a tendência é que você jogue compulsivamente até perder tudo. Não é investimento.

  81. Carol 18 de janeiro de 2017 at 16:16 - Reply

    Com o corte da selic, o que tem valido a pena investir em renda fixa?

    • Leandro Ávila 19 de janeiro de 2017 at 10:43 - Reply

      Oi Carol. A redução da Selic está baseada na queda da inflação, ou seja, a taxa nominal que você vai receber está caindo, mas a taxa real (que é a importante) e que representa a aquilo que você está recebendo acima da inflação, continua a mais elevada o mundo.

  82. Raphael 18 de janeiro de 2017 at 16:59 - Reply

    Leandro você tem algum livro publicado sobre renda fixa?

  83. Rafael 18 de janeiro de 2017 at 18:57 - Reply

    Para fundos de RF e DI realmente fazer por conta é uma boa opção, ou até mesmo investir em outros ativos com rentabilidade próxima e sem come-cotas (por ex.).

    Mas existe fundos muito interesante multimercado onde a rentabilidade líquida é interessante e acredito que fazendo por conta não seria possível, devido a grande diversificação e atuação deles no mercado. A exemplo do Adam Macro, com gestão de Marcio Appel e CIA.

    Como você vê investimento nesses fundos?

    • Leandro Ávila 19 de janeiro de 2017 at 10:41 - Reply

      Oi Rafael, pode ser bom, pode ser ruim, tem suas vantagens e suas desvantagens como tudo.

  84. Carlos 18 de janeiro de 2017 at 19:38 - Reply

    Olá Leandro, sou assinante do clube, comprei seus livros, aprendi muito com você e hoje, graças a tudo isso, sou um investidor mais consciente. Porém, discordo completamente de você quando diz que análise técnica é igual a um video-game. Dado sua experiência, tenho certeza de que você conhece análise técnica. Há várias ferramentas que te permitem estudar o mercado e ganhar dinheiro com isso. Vários analistas sérios ministram cursos igualmente sérios que nada ficam a dever a uma boa análise fundamentalista. Seja como for, a análise fundamentalista não é uma estratégia simples, sendo bastante complicado entender os balanços, situar a empresa em um cenário macro-econômico de médio e longo prazo etc. Com base exatamente no que aprendi aqui, acho que o mais legal seria você sugerir ao leitor estudar ambas as estratégias e seguir a que melhor lhe servir. Abraços e parabéns pelo texto. Carlos

    • Leandro Ávila 19 de janeiro de 2017 at 10:40 - Reply

      Oi Carlos. O fato de ser uma ferramenta que permite estudar e ganhar dinheiro não faz da análise técnica deixar de ser um grande jogo. Existem jogos onde você pode ganhar dinheiro e outros que te fazem passar o tempo. O fato de ser um jogo não tira sua seriedade. O mercado de jogos é extremamente sério e gera bilhões de faturamento todos os anos. Quem deseja apenas jogar com a possibilidade de ganhar ou perder dinheiro eu recomendo a análise técnica. Tem muita gente que consegue ganhar dinheiro com ela, especialmente aqueles que ministram cursos, vendem recomendações de investimentos com base nas suas análises, fazem shows ao vivo transmitidos pelas corretoras recomendando compra e venda em tempo real e claro, as corretoras são as que mais ganham com análise técnica, pois lucram nas compras e vendas frenéticas de seus jogadores. No caso da analise fundamentalista o jogo é totalmente diferente, exige conhecimento, visão empreendedora e todas as habilidades de um verdadeiro investidor. Grandes fortunas construídas com base em investimentos na bolsa estão baseadas na análise fundamentalista e operações de longo prazo. Quem gosta de jogos e está disposto a aprender as regras do jogo e tem um bom controle emocional, existe a análise técnica que é emocionante e na minha opinião muito divertida. Só não pode virar vício. Para quem quer se tornar um investidor de verdade é necessário sim aprender a ler balanços, analisar a empresa, seu mercado, cenário econômico, suas estratégias como qualquer investidor de verdade. Isso é apenas a minha opinião. Cada um pode ter a sua opinião livremente.

  85. Ramses 19 de janeiro de 2017 at 12:35 - Reply

    Atrapalho-me um pouco com esse tal de come-cotas.
    Quando se coloca dinheiro em RF DI o come-cotas é de 22,5% do lucro líquido (sem taxas do banco) ao fim do pimeiro semestre? Ou seja, perde-se 22,5% das cotas a título de I.R. Não é isso?!
    Á medida que os semestres vão passando o valor do come-cotas vai diminuindo, não?! Parece que depois de 720 dias é 15%.
    Imagine agora que deixo para retirar tudo depois de 720 dias. Neste caso, recebo de volta o que paguei de come-cotas mais elevado nos semestres anteriores?! Como?
    Isso é o que imagino. Favor esclarecer!

    • Leandro Ávila 20 de janeiro de 2017 at 16:56 - Reply

      Oi Ramses. O come-cotas será de 15% em todos os semestres dos fundos DI e Renda Fixa. Se você tomar a decisão de sacar o dinheiro ai sim você vai pagar a diferença, se for o caso. Se era para pagar 22,5% essa diferença de 7,5% será cobrada no momento do saque. Se você sacar o dinheiro depois de 720 dias ai a cobrança ficará nos 15% mesmo.

  86. Priscila 19 de janeiro de 2017 at 16:53 - Reply

    Leandro, parabéns por preciosos esclarecimentos! Já sou fãn do seu trabalho. É possível comprar separadamente os seus livros? Estou interessada no livro sobre educação financeira.

    • Leandro Ávila 20 de janeiro de 2017 at 16:49 - Reply

      Oi Priscila. Os três livros são na verdade um único livro que juntos possuem mais de 700 páginas. Separei em 3 partes para não assustar as pessoas.

  87. Carlos 19 de janeiro de 2017 at 19:27 - Reply

    Por favor, desconsidera o comentário anterior, pois há muitos erros de digitação. Reenvio aqui o comentário corrigindo esses erros.
    Olá Leandro. Do jeito que você apresenta seu ponto, a análise fundamentalista também não deixa de ser um jogo – aliás como qualquer investimento! Aliás, um jogo muito mais perigoso do que a análise técnica pois, nessa você tem como mensurar exatamente quanto pode perder caso uma ação chegue 0,01. Posso estar errado, mas parece-me que em seu comentário você considera que pagar as corretagens, comprar os cursos e etc. seria um meio de transferir dinheiro para essas pessoas. Ok. Porém, não há nada de errado em transferir R$15,00 de corretagem em uma operação que o sujeito ganhou, por exemplo, R$1000 em uma operação. De igual sorte, nada de errado em pagar um curso que tem forte potencial de ensinar à pessoa como ganhar dinheiro – ou como melhor investir / administrar seus investimentos (como você mesmo sugere alguns em seus textos). Voltando à análise fundamentalista, concordo que o jogo é diferente, mas pode ser muito mais perigoso se jogado errado, pois alguém pode perder anos de economia ao investir na empresa errada. Seja como for, o que dizer de uma Usiminas? Há uns anos, era uma ótima empresa para se investir. Hoje, apresenta uns 4 anos de prejuízo e está em meio a disputas entre os sócios pelo seu controle. Ou mesmo uma Petrobras! Sem pagar dividendos há algum tempo e com uma bomba relógio em seu colo (o processo movido por vários investidores nos EUA). Podemos listar várias empresas que antes eram ótimas pagadoras de dividendos (que, diga-se de passagem, é necessária uma quantia considerável investida em ações para que os dividendos gerem em retorno razoável) e que hoje estão no vermelho ou mesmo faliram. Porém, nesse caso, a perda pode arruinar as economias (ou parte delas) de um cidadão. Veja o que aconteceu nos EUA com o subprime. Lá, com juros baixos, as pessoas investem nas empresas (análise fundamentalista) para tentarem garantir suas aposentadorias. Com a crise, vários perderam tudo! Posso estar errado, mas acho que seu comentário sobre análise técnica é meio pejorativo, tratando-a como diversão. Não é diversão. É uma forma de tentar maximizar os rendimentos e fazer exatamente o que você ensina. Você pode achar que análise técnica é diversão e que a análise fundamentalista sim, é a séria. Porém, não acho essa colocação de bom tom. Esses analistas estudam muito para poderem dar recomendação, são certificados pela APIMEC, com CNPI etc. Isso não é diversão ou show. Acho que você perdeu o tom aqui. Mas, conforme você mesmo disso, cada um pode ter a sua opinião livremente….

    • Leandro Ávila 20 de janeiro de 2017 at 16:48 - Reply

      Oi Carlos. Com certeza a analise fundamentalista também é um jogo. Ter uma empresa significa jogar. Até ao nascer você acaba entrando no jogo da vida. Em nenhum momento eu disse que existe alguma coisa errada em qualquer tipo de jogo. Quando falei que análise técnica era divertida eu apenas expressei minha opinião pessoal sobre a maneira como vejo a análise técnica. Para mim ela é um jogo divertido e nada mais que isso. Ser divertido não tem nenhuma relação com não ser sério. Eu me divirto bastante fazendo o que faço aqui no Clube dos Poupadores e isso não significa que diversão e seriedade são coisas opostas. De qualquer forma, você tem sua opinião e eu tenho a minha sobre cada jogo, sobre o que é ou não diversão, etc, etc. Não existe nada de errado com relação ter opiniões e visões diferentes.

  88. Marcos Arcanjo 20 de janeiro de 2017 at 11:11 - Reply

    Mais um artigo para nos tirar da matrix que vivemos.
    Obrigado.

    Observei na lâmina do fundo que desde 2011 a rentabilidade anual dele ficou abaixo do CDI, facilmente conseguido no tesouro

  89. Jorge 20 de janeiro de 2017 at 13:34 - Reply

    Parabéns Leandro!
    Muito esclarecedor seu post.
    Tenho uma previdência PGBL com regime de tributação compensável e 1% de taxa de administração. É vantagem fazer um resgate total e investir por conta própria?
    O patrimônio líquido do fundo: R$ 1.147.194.347,79 todo aplicado em títulos públicos e teve uma rentabilidade de 13,66% em 2016.

    • Leandro Ávila 20 de janeiro de 2017 at 16:40 - Reply

      Oi Jorge, eu não gosto de responder essa pergunta se é vantagem ou não por não ser uma decisão simples. É necessário avaliar as características desse plano e comparar com os resultados que você poderia obter através de investimentos que você já sabe operar. A única certeza que tenho é que você precisa dedicar algum tempo aprendendo sobre as diversas modalidades de investimento que existem. Somente desta forma você terá condições de avaliar o que é vantagem ou não diante dos investimentos que você tem acesso, dos seus objetivos financeiros e da sua realidade.

      • Jorge 20 de janeiro de 2017 at 18:06 - Reply

        Obrigado Leandro!

  90. Iuri Viana 21 de janeiro de 2017 at 10:35 - Reply

    Oi Leandro, mais uma vez parabéns pelo seu artigo, ficou sensacional!
    Considero você como meu principal mentor quando assunto é educação financeira. Tem quase 1 ano que conheci o Clube dos Poupadores e me sinto privilegiado por isso. Antes de te conhecer , cheguei a conhecer outros educadores financeiros e até fiz um curso (que nao foi barato) no começo dos meus estudos sobre o assunto. Se tivesse conhecido seu site antes concerteza não teria investido nesse curso.
    Você é de longe disparado o educador financeiro mais imparcial, comprometido com as suas ideologias e ensinamentos sobre educação financeira. Você é simplesmente o melhor pra mim.
    Espero que continue assim por muito tempo.
    Obs.: Já sou assinante de ACP e possuo os três livros seus sobre educação financeira
    Abraço Leandro.

    • Leandro Ávila 24 de janeiro de 2017 at 20:34 - Reply

      Muito obrigado por apoiar este projeto Iuri. Parabéns por investir no seu conhecimento.

  91. Sérgio Júnior 21 de janeiro de 2017 at 11:04 - Reply

    Muito obrigado, Leandro, por nos presentear com mais esta obra. Eu já faço investimentos no Tesouro Direto através estava cogitando a possibilidade de adquirir cotas em Fundo de Investimentos como forma de obter mais rentabilidade. Ignorância financeira é algo que pesa muito contra nossa qualidade de vida e alimenta um mercado grandioso.
    Parabéns pelo seu trabalho. Em breve devo ler seus livros eletrônicos para complementar meus estudos.

  92. Bruno 22 de janeiro de 2017 at 7:55 - Reply

    Olá Leandro!

    Parabéns por mais esse excelente artigo.

  93. Ed 22 de janeiro de 2017 at 11:33 - Reply

    Obrigado,Leandro!

  94. Investidor Turista 22 de janeiro de 2017 at 16:45 - Reply

    Obrigado por compartilhar Leandro!
    De fato, não é que seja um negócio ruim, mas existem opções melhores! hehe
    abraço!

    • Leandro Ávila 25 de janeiro de 2017 at 14:20 - Reply

      Opção boa normalmente é aquela que você entende o que está fazendo.

  95. Helio 23 de janeiro de 2017 at 9:27 - Reply

    Excelente artigo, Leandro. Muito esclarecedor. Agradeço por compartilhar essas importantíssimas informações.

  96. gilvana 23 de janeiro de 2017 at 15:33 - Reply

    Muito bom artigo Leandro!
    Como faço para participar do grupo privado de discussão?

  97. Wilson 23 de janeiro de 2017 at 16:03 - Reply

    Muito bom o artigo. Gostaria de investir um dinheiro que está parado na conta mas preciso usa-lo daqui um dois meses. Qual a melhor forma para investir. Pode ser no tesouro Selic?

  98. Lais 25 de janeiro de 2017 at 13:36 - Reply

    Olá, Leandro.
    Muito bom o artigo.
    Você aconselha investir no TD pessoas de todas idades?

    • Leandro Ávila 25 de janeiro de 2017 at 14:19 - Reply

      Oi Lais. Isso depende. Vamos imaginar que você tenha 90 anos de idade. Existem títulos públicos do Tesouro IPCA com vencimento em 2035. A taxa prometida só seria válida se você pudesse esperar até seus 108 anos. Certamente não faria parte do seu plano esperar até os incertos 108 anos para gastar o seu dinheiro. Por este motivo, mais importante que a idade é o plano que você tem para a sua vida financeira.

  99. Alan 26 de janeiro de 2017 at 5:51 - Reply

    Olá Leandro,
    Parabéns pelos artigos, excepcional sua orientação para a saúde financeira de um povo que culturalmente esta viciado em enriquecer os outros

    • Leandro Ávila 26 de janeiro de 2017 at 7:30 - Reply

      Oi Alan. Na verdade estamos condicionados, desde crianças a enriquecer os outros e achar que não devemos cuidar do nosso enriquecimento.

  100. souza 28 de janeiro de 2017 at 17:23 - Reply

    Olá, Leandro!
    Tenho uma carteira composta por TD; CDBs; debentures e FI (ações e Multimercados); sendo os últimos a parte mais “arriscada de minha carteira”
    Tenho por objetivo ao longo dos próximos anos juntar cerca de 200/300K em FI
    Existe uma recomendação do número de FIs a ter de diversificação? Existe alguma proporção adequada entre grana e quantidade de FI?
    Obrigado!

    • Leandro Ávila 31 de janeiro de 2017 at 16:06 - Reply

      Oi Souza, não existe uma medida para isso, como uma receita de bolo. Você só precisa entender o que está fazendo, isso é o mais importante. A parcela que você pode colocar em investimento de risco depende do seu nível de consciência e de preparo para assumir maiores riscos.

  101. Fabrício 31 de janeiro de 2017 at 10:10 - Reply

    Bom dia!! Li o post e fiquei impressionado com as informações, comecei a ler agora sobre investimentos. Fico a pensar: Num país como nosso nosso, não temos uma política de educação para nos instruir a lidar com o dinheiro, não temos programas de TV educativos nessa área e na maioria das vezes ficamos a mercê de fontes infidedignas. Muito obrigado por partilhar essas informações. Vou adquirir os livros e tb partilhar essas informações.

    • Leandro Ávila 31 de janeiro de 2017 at 16:00 - Reply

      Oi Fabrício. Parabéns por despertar para a necessidade de buscar mais conhecimento sobre o tema. Esse é o caminho. A ignorância nos custa muito caro.

  102. Felipe Queiroz 3 de fevereiro de 2017 at 15:48 - Reply

    Parabéns pelo post, Leandro! Os fundos de investimentos, principalmente os de renda fixa por serem mais conservadores, podem ser uma boa opção para guardar dinheiro para emergências? Quais outras opções você indicaria para eu estudar? Muito obrigado!

    • Leandro Ávila 3 de fevereiro de 2017 at 16:30 - Reply

      Oi Felipe. Pode ser uma opção para a reserva de emergência.

  103. Mateus 6 de fevereiro de 2017 at 13:02 - Reply

    Bastante esclarecedora as informações sobre fundo de investimentos e seu funcionamento. A primeira conclusão que tive foi ser desaconselhável pagamento de taxas de administração a fundos de investimentos que aplicam em renda fixa, por investimentos que podemos fazer a custos menores.

    Porém, percebi que aplicações em renda variável em que as taxas combinadas a rentabilidade oferecida, pode ser interessante, já que requer conhecimento especializado mais complexos. Tanto que existem ranking de desempenho da rentabilidade alcançada.

    • Leandro Ávila 21 de fevereiro de 2017 at 18:10 - Reply

      Oi Mateus. Ao investir na renda variável também teremos custos com pagamento de taxas a cada investimento e o custo do nosso tempo.

  104. Luciana 8 de fevereiro de 2017 at 16:54 - Reply

    Leandro! Estou conhecendo seu site agora, estou gostando muito de aprender, e ficando cada vez com mais raiva dos bancos (ou com mais vontade de ser banqueira, que é o negócio mais lucrativo do Brasil pelo jeito) hehe.
    Quero parabenizá-lo por estre trabalho maravilhoso de disponibilizar todas estas informações de maneira que todos possam entender, e como se não bastasse, você ainda responde às perguntas dos leitores!!
    Desejo muito sucesso, você merece!

    • Leandro Ávila 21 de fevereiro de 2017 at 18:12 - Reply

      Oi Luciana. Os bancos apenas exploram a ignorância financeira das pessoas oferecendo produtos para cada nível de ignorância. Como eles, existem diversas indústrias que também exploram nossa ignorância nas mais diversas áreas do conhecimento, sem terem como objetivo eliminar a fonte do nosso problema (a ignorância). É nossa responsabilidade combater nossa própria ignorância.

  105. Oliveira 12 de fevereiro de 2017 at 13:42 - Reply

    Vc se pergunta como aquele fundo de 3.8% tem 9 billhoes? Muito simples, voce acha que o zezinho agricultor familiar que mora la no interior e vende seus produtos e ganha um dinheiro uma ou duas vezes por ano vai aprender investir em TD ou CBD ou corretora? Nao, ele vai por seu dinheiro na poupanca ou no maximo em titulos assim….agora some quantos brasileiros com este perfil temos? facil chegar nos 9 bilhoes…
    poucos sao os que vao buscar conhecimento ou tem interesse para isso…BB e CEF fazem a festa…mas eles nao sao os viloes…nenhuma corretora se instala no interior e da suporte a eles…mas uma agencia do BB vc acha em todos os municipios do brasil…eles investiram para isto…nao acho que sejam viloes nao…

    • Leandro Ávila 21 de fevereiro de 2017 at 18:14 - Reply

      O vilão é a ignorância de cada um. Os bancos só transformam essa ignorância em oportunidade de negócio. Todos fazem isso. Que cada um cuide de combater a própria ignorância com urgência.

  106. Thiago 13 de fevereiro de 2017 at 8:42 - Reply

    Ola Leandro, parabens pelo seu trabalho.
    quero investir 10 mil reais para resgatar daqui uns 18 anos(quando minha filha for fazer faculdade) qual melhor opção?

    • Leandro Ávila 21 de fevereiro de 2017 at 18:17 - Reply

      Oi Thiago, eu sou apenas um educador. O que posso recomendar é que você dedique algum tempo diariamente para se educar financeiramente. Somente isso vai resolver esse tipo de problema de forma definitiva. Durante toda a sua vida você vai se deparar com dúvidas sobre onde investir o seu dinheiro e nada pior do que sair por ai perguntando para os outros.

  107. Patrick 14 de fevereiro de 2017 at 16:00 - Reply

    Leandro, recém comecei a ler o seu site e estou gostando muito!
    Enquanto busco rever a minha situação financeira a fim de economizar mais mensalmente, tenho um valor que gostaria de tirar da poupança.
    São 6 mil reais, o banco em que tenho conta (Itau) me ofereceu recentemente investir este valor em CDB ou fundo FICFI (ou ainda uma tal “poupança especial” que não entendi como funciona). Por eles me oferecerem, desconfiei e comecei a pesquisar na internet, assim cheguei no seu site.
    Sei que vou perder muito deixando este dinheiro na poupança, então queria saber o que você recomenda de investimento mais “simples” de fazer neste primeiro momento, pois como estou fazendo TCC e recém mudei de emprego, não estou tendo tempo para estudar sistemas mais complexos e não quero mais deixar este dinheiro parado dando lucro para o banco.

Leave A Comment

Share this

Compartilhe com um amigo