Ganhar aumento de salário

Todos os anos, diversas categorias profissionais iniciam movimentos para o aumento de salários. Um exemplo são os bancários, que já possuem uma greve anual que se tornou quase uma tradição.

A principal reivindicação costuma ser o aumento real dos salários, ou seja, aumento acima da inflação. Neste ano, os banqueiros estão oferecendo a correção pela inflação, mas os bancários querem aumento real de 5%, acima da inflação de 3,87 %, além de outras reivindicações (fonte).

Já faz um bom tempo que os bancos registram lucros recordes todos os anos e os funcionários reclamam que os banqueiros não querem dividir esses lucros com eles (fonte).

Bem… na verdade os banqueiros compartilham os seus lucros todos os anos com centenas de milhares de pessoas. E nem precisa trabalhar para o banco para ter direito de fazer parte dessa partilha.

Todos os anos os bancos distribuem bilhões de reais na forma de proventos como: dividendos (isentos de imposto de renda), juros sobre capital, bonificações e subscrições para aquelas pessoas que compraram suas ações.

Na prática, qualquer pessoa pode se tornar sócia de um banco, ou seja, embora nem todo mundo possa ser bancário, todo mundo pode ser banqueiro. Para isso, basta comprar as ações dos bancos que são negociadas na bolsa de valores. Elas custam alguns poucos reais e o processo de compra é tão fácil como o de comprar qualquer coisa pela internet.

O simples ato de comprar ações de um banco já garante o direito de participar dos seus lucros, assim como os grandes donos dos bancos participam. Quanto mais ações o acionista tiver, mais proventos ele receberá, pois eles dependem do número de ações que cada acionista possui.

Cada grande banco brasileiro possui centenas de milhares de donos. São pessoas comuns que compram ações dos bancos e se tornam “pequenos banqueiros”. Considerando apenas as pessoas físicas, o banco Itaú possui 108.853 donos, o Bradesco tem 321.014 donos, o Banco do Brasil tem 336.352 donos e o Santander 152.867 donos no Brasil. Centenas de milhares de outros pequenos investidores são donos de ações de bancos de forma indireta, através de fundos multimercado, fundos de ações e planos de previdência que investem em ações de bancos.

Essas centenas de milhares de “pequenos banqueiros” recebem lucros e se beneficiam quando as ações dos bancos valorizam (ganho de capital). Tudo isso acontece de forma passiva, sem a realização de qualquer trabalho.

O setor bancário foi o que teve o maior volume distribuído na forma de dividendos e juros sobre capital entre seus acionistas. Foram mais de R$ 28,3 bilhões, maior valor desde 2010, entre todos os setores. Só os bancos representam 35,63% do total de distribuições feitas por 251 empresas listadas na bolsa, que juntas repartiram R$ 79,6 bilhões (fonte). Na prática, qualquer pessoa pode ser dona de uma pequena parte de qualquer uma dessas empresas.

O funcionário de um banco poderia comprar ações do banco onde trabalha e até ações dos bancos concorrentes para não ficar de fora dessa partilha bilionária de lucros. Até mesmo os clientes dos bancos poderiam receber de volta as tarifas e juros que pagam aos bancos se investissem nas suas ações.

Salário ou dividendos?

Vamos fazer um exercício de imaginação. Vamos imaginar que todos os funcionários dos bancos deixaram de trabalhar em troca de dinheiro e passaram a trabalhar em troca de ações. No lugar de receber salário, “vale disso”, “vale daquilo”, auxílios, férias remuneradas e 13° salário, os funcionários dos bancos passaram a receber ações e os seus dividendos, juros sobre capital, etc.

Isso significa que os bancos deixariam de ter funcionários e passariam a ter sócios.

Como todos os funcionários seriam pequenos banqueiros, quanto maiores fossem as receitas e menores fossem as despesas (custos, desperdícios, desvios, baixa produtividade, etc.) maiores seriam os lucros distribuídos para todos os pequenos banqueiros que trabalham no banco. Quanto maiores os lucros do banco, mas as ações iriam valorizar e maiores seriam os ganhos para todos.

A tabela acima mostra o preço das ações dos bancos que possuem maior volume de ações negociadas na bolsa todos os dias. Os valores da tabela mudam a todo momento (visite aqui para ver a atualização diária). Na tabela, você também pode ver a valorização dessas ações no ano e nos últimos 365 dias. O campo DY mostra a distribuição de dividendos em relação ao preço da ação.

Seguindo o nosso exemplo imaginário, funcionários do Santander que recebem ações no lugar de salário, teriam valorização de 43% em suas ações nos últimos 12 meses e dividendos (DY) de 4,7% desse valor.

O gráfico abaixo mostra a variação no preço da ação do banco desde 2011. É simples observar a alta expressiva após o impeachment. O fenômeno ocorreu com todos os grandes bancos e muitas grandes empresas listadas na bolsa.

Seguindo o nosso exercício: os funcionários do Itaú com ações da holding (empresa que controla o Banco Itaú) teriam valorização de 26% e dividendos de 9,3% ao ano. Já os funcionários acionistas do Bradesco, não estariam muito felizes com o resultado quando comparado com os concorrentes. Certamente estariam se reunindo para discutir sobre o que fazer para que o banco pudesse ter suas ações mais valorizadas e com mais dividendos distribuídos.

Podemos constatar que as ações das empresas onde os bancários trabalham valem cada vez mais. Já o salário que eles recebem, vale cada vez menos.

A própria demora no reajuste do salário, pela inflação, faz o dinheiro depreciar durante o ano. Enquanto isso, as ações valorizam (ganho de capital) e distribuem lucros para aqueles que assumiram o risco de comprar ações da empresa.

Todas essas questões conflitantes entre funcionários x banqueiros (sócios dos bancos) tem relação com a questão do risco.

Lucros ou segurança?

Um trabalhador assalariado prioriza a segurança, mesmo que isso limite ganhos. É por isso que ele se prende a uma fonte de renda fixa. Um emprego nada mais é do que um investimento de renda fixa. Você investe o seu tempo e a sua força de trabalho no emprego e recebe uma renda fixa no final do mês na forma de salário e direitos trabalhistas. É uma renda segura e previsível.

Um acionista prioriza os ganhos (lucros), mesmo que isso represente riscos. O ganho de capital, dividendos e demais proventos, recebidos por aqueles que compram ações de empresas, são fontes de renda variável, sem qualquer estabilidade ou garantia de recebimento. Você investe o seu dinheiro e recebe uma renda variável, sem garantia de ganho. É uma renda sem limites, mas incerta e imprevisível.

Tempo ou dinheiro?

Podemos dizer que os funcionários investem tempo, nos bancos onde trabalham, e recebem salários. Assim podem fazer o que quiserem com o dinheiro.

Já os investidores (acionistas) investem dinheiro, comprando ações do banco, e recebem dividendos. Assim podem fazer o que quiserem com o tempo.

Os funcionários investem tempo em troca de dinheiro.
Os investidores investem dinheiro em troca de tempo livre.

É dessa ideia que surge aquela famosa frase do livro do Robert Kiosaki que diz: “Os pobres e a classe média trabalham pelo dinheiro. Os ricos fazem o dinheiro trabalhar para eles.

Dica: Para quem gosta de resumos em audio, já tem o livro dele disponível visitando aqui. Para quem tem o livro eu recomendo a leitura do “Capítulo 2 – Lição l: Os ricos não trabalham pelo dinheiro“. É a parte mais importante da obra dele. O resto é apenas repetição das mesmas ideias.

Com ou sem limites?

Todo salário tem um teto. Por melhor profissional que você consiga ser dentro de uma determinada área, existe um limite para o seu salário.

O ganho de capital e demais proventos que os sócios das empresas recebem não possuem qualquer limitação. Ninguém impede alguém de comprar cada vez mais e mais ações de uma empresa. Não existe um teto estabelecido para a valorização das ações de uma empresa ou os lucros que ela receberá no futuro. Quanto mais os pequenos sócios dos bancos recebem lucros, mas eles podem usar esses lucros para comprar mais ações. Quanto mais ações possuem, mais lucros recebem. O risco está na possibilidade de prejuízos.

Já o emprego e o salário não são escaláveis. Você só pode ter um número limitado de empregos, por ter um número limitado de horas por dia e disposição para trabalhar. O risco está em perder o emprego.

As ações que os donos das grandes empresas possuem, são as mesmas ações que as pessoas podem comprar na bolsa de valores. A fortuna dos grandes acionistas se justifica no fato de que eles investiram nas empresas quando as ações não valiam quase nada. Os demais investidores compraram as ações quando elas já estavam mais valorizadas.

Fim do emprego

Enquanto bancários e profissionais de outros setores brigam por mais salários, mais garantias, mais direitos, mais segurança, os acionistas das empresas onde eles trabalham pensam em como podem ter cada vez menos funcionários.

Novas tecnologias, inteligência artificial, serviços virtuais, atendimento e vendas online, robôs e toda a ciência trabalhando para reduzir ao máximo os custos das empresas. O objetivo é gerar mais lucros para serem distribuídos entre os acionistas no próximo trimestre. Quanto menos trabalho humano, menos lojas físicas, agências e escritórios, menores os custos e maiores os lucros.

Somente no ano passado os bancos fecharam 1.500 agências no Brasil (fonte). Em apenas 2 anos, 7% de todas as agências do país foram fechadas e as que sobraram estão cada vez menores (fonte).

A gerente de um dos bancos onde eu tenho conta está a 3.090 km de distância do meu escritório. Vou tão pouco ao banco que resolveram transferir a minha conta de uma agência física para uma “agência virtual”. Posso enviar e-mail, telefonar ou fazer videoconferência com a gerente das 7h à meia-noite e das poucas vezes que precisei, funcionou.

Esse processo não tem retorno e não vai afetar somente os bancos. Outras empresas passam pelo mesmo processo ou ainda irão passar. Certamente, no futuro próximo, os bancos deixarão de existir como conhecemos hoje. Todas as empresas deixarão de existir como conhecemos hoje. Talvez até o emprego deixe de existir da forma que conhecemos.

As pessoas que possuem um emprego, devem buscar melhores salários e condições de trabalho, mas é importante ficar atento para o que está acontecendo.

Não devemos ter dúvidas de que grande parte do trabalho humano será substituído, lentamente, assim que for economicamente viável. É uma questão de tempo.

Não são as máquinas que vão ocupar o trabalho humano. São os humanos que trabalham como se fossem máquinas que deverão trocar de posição.

As pessoas vão desempenhar mais tarefas que as máquinas ainda não sabem fazer muito bem como aquelas ligadas com a criatividade, desenvolvimento de novas ideias, relacionamento com outras pessoas, liderança, planejamento, atividades que envolvam a opinião, reflexão, educação, crítica, beleza, arte, entretenimento, etc. Essas atividades serão cada vez mais valorizadas e aquele que deseja ganhar mais no futuro, precisa refletir sobre como pode se desenvolver em áreas que dependam dessas habilidades.

Os trabalhos que as máquinas podem fazer vão valer cada vez menos. Quanto mais as máquinas fazem o trabalho mecanizado e repetitivo, seja ele físico ou mental, as pessoas terão mais tempo para consumir produtos e serviços que envolvam a educação, cultura e entretenimento.

Nesse futuro, as pessoas vão pensar cada vez mais em como obter mais ganho de capital, mais dividendos, lucros e proventos e menos em como ter um salário fixo com direitos trabalhistas.

Os jovens vão deixar de procurar um emprego. Talvez criem seus próprios empregos com uma facilidade jamais vista. Talvez procurem empresas onde possam ser tornar sócios, investindo tempo e talento em troca de participações nos lucros e dividendos sem garantias e segurança, mas também sem limites para os ganhos.

Obs: esse artigo não é uma recomendação de investimentos. Os bancos são apenas exemplo para ilustrar o artigo. O mesmo exemplo pode ser utilizado para ilustrar essas questões em diversos setores. Todo aquele que tem um emprego deveria buscar meios de entender melhor o modo de pensar dos donos e acionistas das empresas. Para aqueles que querem se tornar investidores, isso é fundamental. Investir em ações pode ser um bom começo para uma mudança no modo de pensar.

Dia da sorte...

Muita gente acredita que ter sucesso na vida financeira depende de um tipo sorte. Descobri uma forma de aumentar essa sorte: quanto mais você estudar sobre ganhar, poupar e investir dinheiro, mais sorte terá na sua vida financeira. Escrevi uma série de livros que vão ajudar você a aumentar esse tipo de "sorte" rapidamente:Clique aqui para conhecer os livros.

Sobre o Autor:

Leandro Ávila acredita que o conhecimento é uma riqueza que precisa ser dividida para ser multiplicada. É formado em administração de empresas e se especializou em educação financeira e de investimentos. Escreveu livros sobre Independência Financeira, Investimentos em CDB, LCI e LCA, Investimentos em Títulos Públicos e em Imóveis.
avatar
600
36 Comment threads
45 Thread replies
0 Followers
 
Most reacted comment
Hottest comment thread
40 Comment authors
Jônatas GomesCarlos Eduardo Rodrigues DutraJoãoVagkevini Recent comment authors
newest oldest
Julio
Visitante
Julio

Muito bom o artigo, alinhado com o meu modo de pensar.
Li o Pai Rico e foi um divisor de águas na minha caminhada, percebi que o emprego é uma solução de curto prazo.

Solmarin Conceição munford
Visitante
Solmarin Conceição munford

Como faço pra depositar,guardar dinheiro, até agora não tive nenhuma resposta.

Fernando da Cunha
Visitante
Fernando da Cunha

A ideia não é entregar nada mastigado a ninguém, o principal aqui é aprender a caminhar sozinho. Aprenda os conceitos e aplique-os conforme suas razões e seus entendimentos do certo e errado. Ficar atrás de dicas e opiniões alheias não vão lhe servir em nada…
Seguir fórmulas prontas é muito bom, pois ao falhar é possível atribuir os erros aos outros e fugir da própria culpa pelo fracasso.

Kris Andrade
Visitante
Kris Andrade

Leandro, parabéns e muito obrigada por mais este excelente artigo!!. Já acompanho o seu trabalho há quase 2 anos, já adquiri os seus livros, os quais fizeram (e fazem) uma grande mudança de paradigmas e mindset na minha vida! Abraços. Kris Andrade.

Dênis Barbosa Batista
Visitante
Dênis Barbosa Batista

MAIS UM ARTIGO EXTRAORDINÁRIO, E SEMPRE NECESSÁRIO, AINDA MAIS POR PERTO, QUE O ESPERTO OU SÁBIO ASSIMILA, PROFESSOR LEANDRO ÁVILA! PARABÉNS, DE NOVO, PARA A ALEGRIA GERAL DO POVO, AFINAL!

RICARDO
Visitante
RICARDO

Muito bom este conteúdo mas no Brasil a Cultura de se torna sócio de empresas não parece ser muito atrativo, invisto em ações a 2 anos e estou me interando : mas difícil e fazer a cabeça de pessoas que nem pensam em poupar eu só tenho a agradecer pós fico feliz e satisfeito com os conteúdos publicado por vcs meus parabéns.

Robson
Visitante
Robson

Fato. Com o tempo os empregos mudarão completamente. Hoje assisti a uma partido de um jogo (extremamente complexo), Inteligência Artificial contra Humanos… O resultado foi impressionante, os humanos (com grande conhecimento daquele jogo, profissionais) perderam como se fossem iniciantes, o mais impressionante e que para aprender o jogo e se tornar um jogador mediano um humano demora 1~1,5 ano, a inteligência artificial aprende em 2 semanas. Na minha opinião, até mesmo os médicos podem ser substituídos por uma AI.

Rafael Camacho
Visitante
Rafael Camacho

Há 1 ano eu comecei a investir e te acompanhar, em pouco tempo entrei na renda variável, justamente por descobrir renda passiva, ou seja, proventos (Dividendos, JCP e renda dos FIIs). Foi a melhor coisa na minha vida. Hoje dedico muito tempo estudando, me aprimorando e me sofisticando para investir. Em pouco tempo já comecei a ganhar algum trocado. Isso me deixa muito feliz! Sei que em alguns anos eu não serei um pequeno banqueiro, mas um grande banqueiro e em algumas décadas, um mega banqueiro! Parabéns Leandro! Artigo excelente!

José Saulo Cordeiro
Visitante
José Saulo Cordeiro

Bom dia , os artigos estão cada vez melhores , sempre estou lendo seus artigos.

Furtuna
Visitante
Furtuna

Antes eu tinha um grande receio em investir em ações, sabia que grande parte desse medo era por causa da minha falta de conhecimento, após estudar mais e fazer cursos, adquiri a confiança que me faltava e estudo regularmente para me aperfeiçoar como investidor. O fato de de mexer com RV me assustava no início, hoje vejo que há metodos e meios de investir, que é muito mais competência que sorte. Agradeço seu trabalho, estou conquistanto meus objetivos é o Clube dos Poupadores foi um alicerce fundamental para o início da minha caminhada.

Guilherme
Visitante
Guilherme

Ótimo artigo, Leandro.

Providencial para a época em que vivemos, na qual muitos dedicam esforços hercúleos para reclamar da injustiça do mundo e se esquecem que desde que o mundo é mundo os indivíduos devem cuidar antes de tudo de si mesmos e procurar a evolução.

O social se beneficiaria a reboque, e todos ganhariam no processo.

Mas, o que vemos são motoristas de Uber organizando associações e manifestações em busca se melhores ganhos em corridas, demonstrando a ironia de que não entenderam nada.

Felipe Bressane
Visitante
Felipe Bressane

Olá, Leandro, mandei um e-mail para você uns tempos atrás (7/4/18), no email o texto estava maior, mas como aqui tenho restrição de caracteres, vou me ater as partes mais importantes: No email, eu pedi um artigo “especial”, como se fosse um presente, um mimo para os muitos fãs que você conquistou ao longo de tantas ótimas matérias! Explicando em seu texto como foi a SUA introdução ao mundo da Educação Financeira, se você sempre teve este comportamento, as primeiras lições aprendidas de acertos e erros, etc. Seria bem interessante.

Jazão Santos
Visitante
Jazão Santos

Perfeito, Leandro! Imprimi este texto e distribuirei para alguns amigos esquerdistas reacionários grevistas que odeiam o capitalismo, mas ao mesmo tempo só se preocupam em aumento salarial para comprarem iphones, trocar de carro ou fazer viagens pra Orlando e Miami. Controverso, né? Querem ganhar mais dinheiro mas odeiam o capitalismo e o patrão. Vai entender!!!! rs.

Marcelo Williams
Visitante
Marcelo Williams

Bom artigo, obrigado.
Quando você pretende criar um e-book sobre investimentos em ações?

Roberta
Visitante
Roberta

Gosto da sua visão e fui bastante influenciada por seus artigos… principalmente sobre melhorar o valor da minha hora de trabalho.

Dediquei-me muito em melhorar minha atuação porém esqueci que trabalho numa grande estatal brasileira… os processos são burocráticos demais, dentro da empresa existem grandes forças que se anulam… enfim… estou frustrada e não sei o que fazer!

Sou engenheira eletricista!

Fabio Ribeiro
Visitante
Fabio Ribeiro

Bem legal Leandro.

A grande questão é que muitas vezes os grandes investidores da bolsa tem informações privilegiadas que as pessoas comuns não tem. Eles correm menos riscos do que um investidor comum.

Em relação ao futuro do emprego, que acredito que é exatamente isso que vc informou que está ocorrendo. Diante disso, se não haverá mais renda, a economia não irá travar? Na Europa se discute a renda cidadã, mas aqui no Brasil estamos muito atrasados nesse ponto.

Seria ótimo poder trabalhar com esses riscos que vc falou, mas acho que isso está longe de ocorrer aqui no Brasil.

Rubens Martins
Visitante
Rubens Martins

Olá, Leandro!
Espetacular artigo e muito boas as suas colocações. Estou prestes a me formar em contabilidade e essa abordagem é muito pertinente para essa profissão, onde os serviços de TI estão cada vez mais fazendo boa parte dos serviços e já venho observando há tempos que o futuro dos contadores estará cada vez mais voltado para o auxílio na tomada de decisão, planejamento e controle dentro das empresas. Teremos que assumir uma participação maior na gestão das empresas.
Obg e abraços!

Irlan
Visitante
Irlan

Olá, Leandro. Meus parabéns pelo artigo! Eu estou estudando como dar os primeiros passos na Renda Variável. Ainda estou aprendendo. Sendo assim, no ensejo, por que você não inicia publicações com respeito aos primeiros passos na Bolsa de Valores e assim aprofundar mais e mais o assunto? Creio que, seria algo de grande relevância para nós que já degustamos suas matérias sobre renda fixa.

Jader
Visitante
Jader

Olá Leandro, tenho 25 anos, te acompanho há mais de 6 anos, durante todo esse tempo te acompanhando e colocando em prática quase tudo que presenciei com os seus artigos, consegui construir um ótimo patrimônio líquido (na onda dos juros altos que se passaram), ano que vem pretendo morar sozinho (vou alugar um imóvel, e manterei o dinheiro aplicado ao invés de imobilizar na compra de uma casa/apartamento), depois de dominar a renda fixa através do conhecimento que você compartilhou, estou estudando sobre as ações, em breve entrarei nessa nova modalidade de investimentos. Grato pelo seu trabalho!

Douglas
Visitante
Douglas

Parabéns, Leandro!
O clube dos poupadores mudou a minha vida. Há 2 anos comecei a ler seus artigos e comecei a investir e ao comprar seus livros adquiri todo o conhecimento que tenho em renda fixa. No trabalho divulgo seu trabalho e muitas pessoas me perguntam: – por onde você soube de tudo isso?
Recentemente entrei no mercado de ações, compro ações visando dividendos e reinvisto os mesmos, ações como a ITSA4, TIET11, WZIS3 pagam ótimos dividendos.
Gostaria de agradecer e perguntar se no futuro você não se interessa em lançar um livro explicando sobre análise fundamentalista e ações
Abraço

Rafael
Visitante
Rafael

Oi Leandro, mais um artigo excelente. Parabéns!
Gostaria de aproveitar para perguntar quais sites/livros você indica para quem quer começar a estudar o mercado de ações e aprender a identificar as melhores empresas para investir.
Gostaria de ter um conhecimento maior, antes de investir em um curso, como o árvore da riqueza, por exemplo.
Deixo essa questão aberta aos demais amigos do clube também, que quiserem dividir suas fontes de aprendizado.
Um grande abraço e ótima semana a todos!

Louis
Visitante
Louis

Perfeito. Constantemente vemos gente demonizando os lucros dos bancos. São justamente estes que fazem dívidas todos os meses para comprar futilidades, pagando juros enormes.
Para mim, juros não se paga, se recebe. Paguem meus juros!

Helio
Visitante
Helio

“Não são as máquinas que vão ocupar o trabalho humano. São os humanos que trabalham como se fossem máquinas que deverão trocar de posição…”

Desculpe a cópia, mas essa frase foi excelente! Recomendo a todos o livro da Ayn Rand “A Revolta de Atlas”, que mostra uma realidade distópica caso não mudemos de mentalidade qnto a muito do que o Leandro nos fala. Abraço e parabéns pelo trabalho.

Thárcio
Visitante
Thárcio

Parabéns pelo artigo, Leandro. Apesar de salário e dividendos serem bem diferentes, seu texto desperta uma importante reflexão sobre a necessidade de repensar o trabalho, poupar e investir com sabedoria. Obrigado.

Ludmilla Thompson
Visitante
Ludmilla Thompson

Muito legal o artigo! Às vezes me pego pensando nas questões filosóficas e morais envolvidas, de como essas coisas irão afetar principalmente os mais pobres e com menos educação. O artigo esclareceu várias coisas pra mim, obrigada!

Luma Silveira
Visitante
Luma Silveira

Leandro, muito bom texto, motivador. Mas no inicio dele quando você afirma ‘O simples ato de comprar ações de um banco já garante o direito de participar dos seus lucros… ‘ é importante incluir que o acionista também participa dos prejuízos. Aplico em fundo de ações de um banco e não é raro o fundo resultar em negativo. Obrigada e parabéns.

LOURIVAL SANTOS
Visitante
LOURIVAL SANTOS

Já invisto em renda fixa e desejo aprender sobre renda variável. Aguardo ansioso o seu livro sobre o tema. Você tem previsão de quando lançara algo sobre ações?

marcos nunes
Visitante
marcos nunes

Muito bom artigo, Leandro! Essa semana saiu uma notícia de que o banco do brasil vais distribuir ações aos seus funcionários como forma de distribuição de lucros. Achei muito interessante.

Tarciana Oliveira
Visitante
Tarciana Oliveira

Adoro ler os artigos, mas ainda tenho medo de envestir em ações

Marcelo Neves Queiroz
Visitante
Marcelo Neves Queiroz

Excelente artigo! É importante para chamar a atenção para as novas tecnologias e deixar todos nós em alerta da importância de se reinventar.

Gonçalo
Visitante
Gonçalo

Obrigado, Leandro!!! Você sabe se há algum site ou serviço que informe as “causas” que as empresas presentes na Bolsa apoiam? Abraços!!!!

Edson
Visitante
Edson

Muito bom artigo! Sugiro que, se possível, faça mais textos relacionados ao investimento em ações. Talvez um tutorial básico, com o que observar na hora de investir…

kevini
Visitante
kevini

sou bancaria e sinto esse futuro cada dia mais proximo! Ai dos que nao acordarem a tempo…

Vag
Visitante
Vag

Leandro, estou começando mais uma nova etapa na minha vida financeira e através de suas dicas aqui no blog eu estou conseguindo sair do “círculo dos ratos”. Há dois anos sou bancária e tenho muito a agradecer por seus ensinamentos aqui que me trouxeram uma nova visão do valor do dinheiro. Adotei uma vida simples e consegui através de um consórcio comprar meu primeiro caminhão ( antes eu tinha medo de empreender) . Minha meta é continuar com uma vida simples, aumentar minha renda, aprender a investir para viver de rendimentos e no futuro sair do meu trabalho… Obrigada mais uma vez…

João
Visitante
João

Mais um excelente artigo. Muito obrigado, Leandro.

Carlos Eduardo Rodrigues Dutra
Visitante
Carlos Eduardo Rodrigues Dutra

Muito bem falado, Leandro! Como sempre, provocando a semetinha da reflexão em todos nós! Grande trabalho este que você faz, tirando as pessoas da zona de conforto e colocando-as para pensar. Parabéns!

Jônatas Gomes
Visitante
Jônatas Gomes

Parabéns Leandro.
Vc tem uma facilidade na escrita e espetacular didática para expor suas “ideias”.

Compartilhe com um amigo